NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA"

Transcrição

1 NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1 - Este Regulamento rege o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica Evandro Lins e Silva. O Núcleo oferecerá atividades relacionadas ao Estágio Acadêmico e ao Estágio Profissional de Advocacia, como partes integrantes da grade curricular da Faculdade de Ciências Aplicadas e em convênio com a OAB, na realização do Estágio Profissional de Advocacia. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica é composto do Escritório de Prática Jurídica, do Laboratório de Linguagem e Argumentação e de outras atividades simuladas, desenvolvidas como atividades integrantes do Estágio Acadêmico. 2º - O Núcleo contará como apoio administrativo de uma secretaria, com atribuição prevista no artigo 28 do Regulamento. Artigo 2 - O Núcleo contará com um Coordenador Geral e com Coordenador Adjunto, escolhidos pela Coordenação do Curso de Direito, cujas atribuições, abaixo indicadas, serão desenvolvidas em cooperação. I - Representar o Escritório de Prática Jurídica junto à OAB II - Supervisionar todas as atividades desenvolvidas no Núcleo. III - Sugerir atividades simuladas. IV - Aprovar o funcionamento da equipe quanto ao método de trabalho interno, assim como das atividades relativas às atividades simuladas. VI - Aprovar a escala de plantão dos alunos estagiários, em havendo plantão de férias. VII - Sugerir convênios com órgãos do Poder Público, entidades prestadoras de serviços, sindicatos, associações de moradores e demais projetos promovidos e apoiados pela OAB. VIII - Decidir projetos alternativos de estágio que são encaminhados ao Curso de graduação em Direito, quanto à sua viabilidade didática e prática. IX computar a carga horária dos estagiários ao término de cada período letivo X - Assinar certidão e declaração pertinente aos estágios. XI - Firmar a declaração do cumprimento integral do Estágio, bem como os documentos e atos pertinentes. XII - Apresentar à Coordenação Geral da Faculdade, semestralmente, relatório do trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Prática Jurídica.

2 XIII - Decidir, em 1º instância, todas as questões relativas à aplicação deste Regulamento e adotar as medidas necessárias ao seu cumprimento. TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Artigo 3 - Todas as atividades do Núcleo de Prática obedecem ao estabelecido na legislação em vigor e ao previsto neste Regulamento e terão uma carga horária equivalente ao total de 390 horas, 120 horas no 7º período e 90 horas nos demais períodos. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica é obrigatório para todos os alunos que se encontram na situação prevista no artigo 31 deste Regulamento, inclusive para os alunos que realizam estágios em outros Escritórios, Entidades Públicas Judiciárias, Entidades Empresariais, enfim, quaisquer atividades de serviço jurídico, conveniados ou não com a OAB. 2º - Todos os alunos que fazem estágio externo devem entregar à Coordenação do Núcleo de Prática uma declaração de vínculo comprobatório da relação de estágio. Artigo 4 - O escritório funcionará durante todo o ano, paralisando suas atividades com o recesso forense. Parágrafo único- A carga horária do estagiário que trabalhar nas férias será computada como carga antecipada no período seguinte, caso já tenha cumprido a carga horária correspondente ao período anterior. CAPÍTULO II DO ESCRITÓRIO PRÁTICA JURÍDICA REAL Artigo 5 - O Escritório de Prática Jurídica, integrante do Núcleo de Prática, é o responsável pelas atividades relativas à Prática Real, visando o atendimento a população que não possui condições de arcar com as despesas processuais e com os honorários advocatícios. Artigo 6 - O Escritório de Prática Jurídica ficará sob a responsabilidade de um advogado responsável, escolhido pelo Coordenador do Núcleo de Prática, com a concordância da Coordenação do Curso de Direito, e que possua no mínimo três anos de inscrição na OAB. Artigo 7 - O Escritório de Prática possui sete núcleos de atendimento, com funções distintas, cujas atribuições estão previstas nos artigos 9º/15º do presente Regulamento.

3 Artigo 8 - As atividades do Escritório serão realizadas através de plantão, audiências, peças processuais e tarefas forenses. Os plantões serão realizados por equipes de alunos estagiários, uma vez por semana. 1º - Cada equipe contará com 8(oito) estagiários. 2º - A carga horária da Prática Real consistirá em 60 horas por semestre, distribuídas da forma prevista no artigo 36 e seguintes do Regulamento. 4º - O plantão é obrigatório, ressalvados os casos dos alunos que fazem estágio externo. SEÇÃO I DOS NÚCLEOS DE ATENDIMENTO Artigo 9 - O Escritório de Prática Jurídica Evandro Lins e Silva é composto de 7 (sete) núcleos de atendimento: I - Trabalhista / Empresarial (7º período) II - Criminal (8º período) III - Cível (9º período) IV - Família (10º período) V- Mediação VI- Diversidade Sexual Artigo 10 - O Núcleo de atendimento criminal atua nos processos de competência do foro regional da capital, sendo que excepcionalmente poderá estender suas atribuições a outras comarcas, a critério da Coordenação. Quanto à matéria, o Núcleo exclui de sua atuação os crimes dolosos contra a vida e as matérias relativas aos Juizados Especiais Criminais que não sejam da competência da região administrativa do Centro da cidade, além dos crimes da competência da justiça especial e os crimes de competência da justiça militar estadual. Artigo 11 Com exceção do Núcleo de Diversidade Sexual, os demais Núcleos de atendimento somente irão atuar nos processos de competência do foro da capital, ressalvados casos excepcionais, sempre a critério da Coordenação. Artigo 12 - O Núcleo Empresarial se presta a fornecer assessoria à microempresa, sediada na cidade do Rio de Janeiro, desenvolvendo também atividades de consultoria para as formalizações e alterações contratuais; transformações de empresas, substituição de sócios, cessão de cotas, formatação de franquias etc. Artigo 13 - Para fins de definição de microempresa é adotado o critério da OIT, qual seja, microempresa será aquela que compreende até 20 empregados com ou sem CTPS.

4 Artigo 14 - O Núcleo de Mediação terá atuação em todos os demais sub-núcleos que permitam solução extrajudicial. Artigo 15- O Núcleo de diversidade sexual não está submetido, a priori, a limitações relativas à extensão de sua competência em razão da matéria e do território, ressalvada a possibilidade de restrições de conveniência da sua equipe. SEÇÃO II DOS PROFESSORES ADVOGADOS Artigo 16 - Os professores advogados exercem atividades no Escritório de Prática Jurídica, competindo-lhes: I - Orientar e supervisionar as atividades de atendimento dos alunos estagiários II - Controlar a freqüência dos alunos estagiários III - Acompanhar a elaboração das peças processuais dos casos sob a responsabilidade dos alunos estagiários. IV - Fornecer aos Estagiários os casos concretos para formulação de peças processuais, principalmente para os estagiários externos. V - Assinar, juntamente com os alunos estagiários, as petições e documentos a serem encaminhados através do Núcleo de Prática Jurídica. VI - Comparecer às audiências designadas para os processos, assim como em quaisquer outras repartições públicas necessárias à efetivação da assistência jurídica. VII - Comparecer ao Escritório e aos atos processuais com assiduidade e pontualidade. VIII - Manter arquivos de autos em andamento e autos findos. IX - Acompanhar as publicações oficiais, junto com os estagiários. X - Manter a agenda das audiências atualizadas. XI - Aplicar e avaliar as provas do estágio. XII - Encaminhar o relatório bimestral ao Coordenador do Estágio XIII - Desempenhar qualquer outra atividade que decorra de sua função. SEÇÃO III DO ATENDIMENTO INTERNO Artigo 17 - A pasta do cliente só será aberta pela secretaria quando autorizada pelo Advogado, oportunidade em que a documentação pertinente poderá ser recolhida. Artigo 18 - Os clientes serão atendidos pelo estagiário, supervisionados pelo advogado professor. Parágrafo único - O atendimento ao assistido é inteiramente gratuito, sendo expressamente proibido captar para si ou para outrem qualquer tipo de vantagem, sendo esta considerada falta grave e implicará na imediata reprovação do estagiário, sem prejuízo das medidas legais cabíveis.

5 SEÇÃO IV DOS PROCESSOS Artigo 20 - As petições deverão ser minutadas pelos estagiários e corrigidas pelo Advogado Professor. Devem ser acompanhadas de cópias suficientes, para fins de citação, se for o caso, e para arquivo de autos suplementares. Artigo 21 - Os estagiários deverão comunicar as designações das audiências e anotá-las nas agendas, assim como comunicar ao advogado responsável quaisquer outras informações relativas aos processos de sua responsabilidade. Artigo 22 - A pasta deverá ser consultada pelo estagiário, mas só poderá ser retirada da dependência do Escritório de Prática Jurídica com autorização do Advogado Professor. CAPTÍTULO III DA PRÁTICA JURÍDICA SIMULADA SEÇÃO I Das Atividades Simuladas Artigo 23 - As atividades simuladas consistem nas aulas de práticas, ministradas em sala de aula e compõem a carga horária de 30 horas. SEÇÃOII Das Aulas de Práticas Forenses Artigo 24 - As aulas serão ministradas pelos Professores Advogados, em sala de aula, sob a orientação do Coordenador do Núcleo, sendo certo que o estudo da ética profissional e do Estatuto da Advocacia e da OAB é ministrado em disciplina própria, integrante da grade curricular da Faculdade de Direito. CAPÍTULO IV DO LABORATÓRIO DE LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO Artigo 25 - O Laboratório de Linguagem e Argumentação visa à formação de um profissional capacitado para a prática efetiva do direito, fornecendo elementos de

6 aprendizagem que o habilitem a aquisição de técnicas de argumentação nas suas vertentes de expressão escrita e oral. 1º - O curso será ministrado e coordenado pela Professora de Linguagem e Argumentação, em parceria com um Professor da área jurídica, de preferência com atuação na área processual. 2º - A metodologia usada consistirá na análise de peças processuais e na análise do raciocínio jurídico revelado na construção discursiva dos sujeitos processuais, com o objetivo de se avaliar a eficácia do pensamento silogístico diante da pluralidade proposta por outros raciocínios, tais como a analogia, a indução e a dialética. Artigo 26 - O Laboratório de Linguagem e Argumentação será disponibilizado para os alunos do 1º ao 10º períodos, mediante comprovação da inscrição na Faculdade. Artigo 27 - O Laboratório é obrigatório para os alunos do 7º período, valendo como carga horária de 30 horas. CAPÍTULO V DAS ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA Artigo 28 - São atribuições da secretaria: I - Cadastrar e encaminhar as partes aos respectivos núcleos de Atendimentos. II - Atender as solicitações dos Advogados e do Coordenador do Escritório. III - Manter arquivos de correspondência. IV - Manter arquivos de documentação referentes aos alunos estagiários V - Realizar as inscrições do Laboratório de Linguagem e Argumentação. TÍTULO III DO PROCEDIMENTO DA INSCRIÇÃO CAPÍTULO ÚNICO Artigo 29 - As inscrições de novos e antigos estagiários obedecerão as datas fixadas para a inscrição na faculdade. Artigo 30 - No ato da matrícula os alunos preencherão a ficha de inscrição para o estágio, onde deverá constar a sua opção de plantão para atendimento ao público.

7 Artigo 31 - Para a matrícula no Escritório de Prática Jurídica, para fins de realização do estágio curricular, é indispensável que o aluno esteja inscrito na Prática Jurídica I e que já tenha cumprido, ao menos, 3/5 das matérias integrantes da grade curricular. Parágrafo único- É permitido aos alunos dos 1º ao 6º períodos a inscrição no estágio extracurricular em qualquer núcleo do Escritório, desde que compatível com o horário da Faculdade, sendo que as atividades serão computadas como atividades complementares. TÍTULO IV DOS ESTAGIÁRIOS CAPÍTULO I DOS DEVERES Artigo 32 - São deveres dos estagiários: I - Comparecer, obrigatória e pontualmente, ao plantão semanal. II - Comparecer, obrigatória e pontualmente, nas atividades simuladas. III - Observar o regulamento do Núcleo de Prática. IV - Atuar com dedicação, ética e zelo no cumprimento de todas as atividades de assistência jurídica, incluindo tratamento com urbanidade aos assistidos, realização dos atos processuais e observância dos prazos processuais. V - Elaborar, com a orientação do Professor Advogado, todas as peças processuais indispensáveis à defesa do assistido. VI - Abster-se da prática de qualquer ato que importe em violação de norma legal ou regimental. VII - Acompanhar os processos em que atua e manter atualizadas as fichas de andamento e as pastas dos respectivos processos, com as cópias dos autos. VIII - Fazer as peças processuais relativas aos casos concretos que lhe são apresentadas pelo advogado. IX - Ao terminar o estágio, ou na impossibilidade de dar prosseguimento ao processo iniciado, deverá substabelecer para outro estagiário, com o prévio conhecimento do advogado professor. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DOS ESTAGIÁRIOS Artigo 33 - As atividades dos estagiários consistem em: I - plantão semanal, com atendimento às partes, nos termos previamente ajustados. II - Participação em audiências. III- diligências forenses

8 IV - Participação nas aulas de prática forense. 1º- As audiências serão válidas, para fins de carga horária, quando relatadas em formulário próprio e observadas as seguintes orientações: a) Para os estagiários internos, as audiências devem corresponder ao mesmo setor do estágio. b) Para os estagiários que fazem prática empresarial, família e para os externos, as audiências são livres, sem vínculo com a prática do período. b) Conhecimento do processo, com o registro resumido do que foi assistido. c) Assinatura do Juiz. CAPÍTULO III DAS PENALIDADES Artigo 34 - Após decisão do Conselho, são aplicáveis ao Estagiário as seguintes sanções: I - Advertência por escrito II - Subtração de Carga Horária III - Suspensão 1º - O estagiário será advertido quando for impontual, faltoso ou desinteressado em suas atividades, devendo constar de sua ficha a advertência. 2º - A penalidade da subtração será de uma hora de carga horária, sempre que houver falta de acompanhamento do processo e das tarefas atribuídas ao estagiário; de duas horas de carga horária quando houver extravio de peças ou abandono de processo e de duas a quatro horas quando houver reiteração de condutas aqui qualificadas como faltosas. 3º - Será suspenso pelo prazo de um mês quando houver perda de prazo peremptório. Artigo 35 - As sanções previstas no artigo serão aplicadas pelo Coordenador de Estágio, cabendo recurso à Coordenação do curso de Direito da Faculdade. TÍTULO V DA CARGA HORÁRIA CAPÍTULO I- ESTAGIÁRIO INTERNO Artigo 36 - A carga horária do Escritório de Prática Real é de 60 horas por semestre, atendendo aos seguintes critérios de distribuição:

9 Plantão: duas horas; Audiência de Instrução e Julgamento: duas horas; Audiência de conciliação: uma hora Sessão em 2º instância(tribunal do Estado ou TRF): três horas (no mínimo 10 processos por sessão) Tribunal do Júri: até cinco horas; Peças processuais: até quatro horas; Tarefas forenses: até duas horas. Artigo 37 - A carga horária, para os estagiários internos, será adquirida nos seguintes termos: I Plantão: deverá ter 75% de presença em cada plantão; II Audiência: Mínimo de uma audiência por mês; III Peças Processuais: Mínimo de uma por mês, valendo como peça a elaborada nas aulas de prática forense, nos termos estabelecidos no artigo 38, 2º. CAPÍTULO II DO ESTAGIÁRIO EXTERNO Artigo 38-- A carga horária do Escritório de Prática Real é de 60 horas por semestre, atendendo aos seguintes critérios: Audiência de Instrução e Julgamento: três horas Audiência de Conciliação: uma hora. Sessão em 2ª instância (Tribunais do Estado ou TRF):três horas( no mínimo 10 processos por sessão) Tribunal do Júri: até cinco horas Peças Processuais: até quatro horas Tarefas forenses: duas horas 1º O aluno que realiza estágio externo está dispensado dos plantões, devendo, porém, apresentar no mínimo 2(duas) peças processuais por mês, no total de 8(oito) por semestre, formuladas nas aulas de prática forense, sob a orientação do Professor, e dez audiências, no mínimo, por semestre. 2º - O aluno nesta situação deverá comprovar o estágio externo, na forma estabelecida no 2 do artigo 3 deste Regulamento. 3 - As peças processuais deverão ser entregues ao professor ao final da aula, sob pena de preclusão. 4º- Em considerando que a presença nas aulas é de 75%, permite-se aos alunos estagiários externos, a apresentação de seis peças, no mínimo, complementando o restante da carga horária com audiências ou tarefas forenses.

10 CAPÍTULO III- DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 39 - Será considerado reprovado o estagiário que não cumprir a carga horária, estando impedido de se matricular no período subseqüente.. Artigo 40 - A carga horária excedente, relativa à prática real, poderá ser aproveitada como atividade complementar, nos termos do regulamento da Atividade Complementar. Parágrafo único - As atividades do laboratório serão computadas em 30 horas, como atividade complementar para todos os períodos com exceção do 7º período, cuja carga horária é computada como atividade do Núcleo de Prática, caso tenha o aluno realizado a atividade em prática anterior. TÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 41 - Ao término do estágio, a Coordenação fornecerá certificado de conclusão do estágio, que será expedido pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas / IBMEC. Artigo 42 - Iniciado o Estágio, deverá imediatamente ser providenciada a inscrição de Estagiário nos quadros da OAB/RJ, ressalvada a hipótese de impedimento. Só após a comprovação da inscrição, o Estagiário será autorizado a praticar atos processuais, devendo seu registro ser anotado na sua ficha de inscrição. Artigo 43 - Os honorários de sucumbência deverão ser atribuídos ao advogado que funcionar na causa, sendo certo, no entanto, que serão recolhidos, em caixa única, pelo ESCRITÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA, para fins de rateio entre os advogados integrantes do Núcleo de Prática Jurídica. Artigo 44 - O aluno que realiza estágio externo deverá assinar declaração, em cada período, de que o estágio profissionalizante está sendo realizado externamente. Artigo 45- Os casos omissos serão decididos pelo Coordenador do estágio em conjunto com o Coordenador do Curso de graduação.

11 Comunicado de Atividades Complementares Estágios extracurriculares e carga horária excedente do Núcleo de Prática Jurídica Evandro Lins e Silva São consideradas atividades complementares de estágio extracurricular: 1) os estágios realizados pelos alunos de 1º a 6º períodos no Núcleo de Prática Jurídica Evandro Lins e Silva, em Escritórios de advocacia, Entidades Públicas Judiciárias, Entidades Empresariais ou quaisquer atividades de serviço jurídico exercidas em órgãos ou instituições conveniados no limite de 80 horas ao longo do curso; 2) para os alunos de 7º a 10º períodos as horas de atividades complementares somente serão computadas se: a) forem horas excedentes das atividades de prática real obrigatórias, realizadas no Núcleo de Prática Jurídica Evandro Lins e Silva;

12 ESTAGIÁRIOS: LEMBRETES IMPORTANTES: Ler o Regulamento do Núcleo Retirar a ficha adequada para uso na audiência Atualizar a ficha do andamento dos processos Se retirar o processo do cartório, ao devolvê-lo, confirmar a baixa no livro de carga do cartório. Usar roupa compatível com o traje forense: proibido freqüentar o Núcleo de bermudas, chinelos e camisetas. Proibido usar a estrutura do Núcleo de Prática para outros fins que não aqueles previstos no Regulamento.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA 2/2015 O Prof. Ms. Márcio Franklin Nogueira, Coordenador do Curso de Direito, tendo em conta mudança na sistemática de agendamento e cômputo de horas das atividades de prática jurídica, agora

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, tem por finalidade promover e coordenar

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Cacoal RO. CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Manual do Estagiário ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA GRATUITA 01. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é constituído pelo Escritório Modelo de Advocacia Gratuita EMAG

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA Art. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica e Judiciária do Curso de Direito

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO Capítulo I Dos objetivos Art. 1º. Este Regulamento tem

Leia mais

Título I. Dos Princípios Gerais

Título I. Dos Princípios Gerais CORDENADORIA DO NPJ Criado pela Resolução 01/99 Colegiado Superior REGULAMENTO Dispõe sobre o funcionamento da Coordenadoria do Núcleo de Prática Jurídica e seus órgãos no Curso de Graduação em Direito.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Aprovado pela Resolução Consuni nº 28/06 de 12/07/06. Art. 1º O presente regulamento disciplina as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica RESOLUÇÃO Nº 5, DE 16 DE JULHO DE 2014 REGIMENTO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre a Prática Jurídica no âmbito da UNDB. O CONSELHO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, no uso das competências que lhe confere o art.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) CAPÍTULO I DO OBJETO, ENGENHARIA E FINALIDADE Art. 1º. O presente regulamento tem como objeto o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1º - O Estágio Supervisionado obrigatório tem por finalidade ministrar a prática

Leia mais

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas 1 Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade São Lucas será regido pelos princípios da: I Ética profissional;

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) UNIVERSIDADE IGUAÇU CURSO DE DIREITO CAMPUS NOVA IGUAÇU REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Art. 1º. O NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA do

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REITOR Prof. Antonio Roberto Ezau dos Santos PRÓ-REITOR ACADÊMICO Prof. Ms. José Lazaro de Souza PRÓ-REITOR ADMINISTRATIVO E

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 Artigo 1º. O Estágio Profissional de Advocacia, previsto no artigo 9º da Lei nº 8.906/94,

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR ` REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR Rio Verde, Goiás 2010/2 Regimento do Núcleo de Prática Jurídica da FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES - FAR A Administração Geral da

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade do Sudeste Goiano (FASUG) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RIO DE JANEIRO 2012 I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento rege as atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Direito. Art. 2º -

Leia mais

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM 1. O Estágio Profissional O Estágio Profissional de Advocacia é semelhante ao estágio em um escritório de Advocacia

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO A Coordenação do Curso de Direito, no uso de suas atribuições, publica edital de abertura

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA. Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica.

REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA. Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica. REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica. A Coordenação de Prática Jurídica, no exercício de suas atribuições, regulamenta as Disciplinas de Prática Jurídica.

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. O presente Regulamento rege as atividades do NPJ e o Estágio Supervisionado de Prática

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado INTRODUÇÃO O Manual de Estágio Supervisionado tem como objetivo orientar o aluno do Curso de Direito da Universidade de Santo Amaro sobre a Prática do Estágio

Leia mais

ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO

ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1 - A Escola de Aviação Civil de Pouso Alegre, inscrita no CNPJ sob número

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA FACULDADE DAS AMÉRICAS

REGIMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA FACULDADE DAS AMÉRICAS REGIMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA FACULDADE DAS AMÉRICAS 1. DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA E SUAS FINALIDADES Artigo 1º - O Estágio Profissional de Advocacia, previsto nos

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº 43/2016

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1. Este regulamento define as diretrizes técnicas, procedimentos de acompanhamento

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Justificativa Conforme consta nas leis de 2004 e 2005, parecer CNE/CES Nºs: 210/2004, e 023/2005, um curso de graduação em Administração desenvolve-se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música

Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º Entende-se, para efeitos dessa resolução, o estágio como ato educativo escolar supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento, que tem como finalidade, normatizar a estrutura e funcionamento do Núcleo de Prática

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Topografia e Geoprocessamento LABGEO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO Regulamento do Programa de Monitoria de Ensino aprovado pelo Conselho Superior do IFS através da Resolução nº 07/CS/2011. Aracaju/SE

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio em Biomedicina I Caracterização Art.1. Estágio Supervisionado é disciplina oferecida aos acadêmicos regularmente matriculados a partir do quinto

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Capítulo I Da Definição e Finalidade Art. 1º Entende-se como Estágio Supervisionado o conjunto de atividades práticas direcionadas para o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA Em cumprimento ao disposto no art. 10 da Portaria de nº 1886 de 30 de dezembro de 1994, do Ministério da Educação, combinado

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 Este regulamento fixa as normas para o estágio do Curso de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as normas relativas à elaboração, acompanhamento,

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA DIRETRIZES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) EM EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO PARA

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO 1 MANUAL DO ESTAGIÁRIO, BACHARELADO 2 APRESENTAÇÃO O aprendizado do Direito não se restringe à compreensão dos textos legais e doutrinários: a prática efetiva da advocacia é uma dimensão fundamental do

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS Título I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos do Núcleo de Prática Jurídica Art. 1º Este Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DO IFMS Campo Grande - MS 2014 PROGRAMA DE MONITORIA DO IFMS Capítulo I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Programa estabelece as finalidades, objetivos, atribuições e normas para

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Resolução nº 03/2016 Pág. 1 de 06 RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Aprova Regulamento do Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação/CEng. A Presidente do Conselho do Ensino, da Pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 007/2008

RESOLUÇÃO N. 007/2008 RESOLUÇÃO N. 007/2008 O Colegiado de Cursos da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade FUMEC, no uso de suas atribuições e considerando a necessidade de normatizar as atividades relacionadas ao Estágio

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regulamento tem por

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 39460/2006:

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 39460/2006: DELIBERAÇÃO CÂMARA DE GRADUAÇÃO Nº 04/2007 Aprova o Regulamento de Estágios Curriculares Obrigatório e não Obrigatório do Curso de Letras Modalidade: Licenciatura Habilitações: Língua Inglesa e Respectivas

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Campus Avançado de Varginha Av. Celina Ferreira Ottoni, 4.000 Padre Vítor - CEP 37048-395 Varginha/MG Fone: (35) 3219 8720 sccvga@unifal-mg.edu.br

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais Sociedade de Educação e Cultura de Goiás www.faculdadearaguaia.edu.br Rua 18 n 81 Centro Goiânia Goiás Fone: (62) 3224-8829 NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Elaboração: Bruno Márcio Agostini, M. Sc. São João del Rei - MG Julho de 2010 TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PRELIMINARES O presente

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PORTO ALEGRE 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 CAPÍTULO II DAS DISCIPLINAS

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Capítulo I - Definição Artigo 1º. O Estágio, como componente curricular obrigatório no Curso de Graduação

Leia mais

Av. Shishima Hifumi, 2911 - Bloco 6 - Urbanova - CEP 12244-000 - Fone/Fax (12) 3947-1085 São José dos Campos - São Paulo - Brasil

Av. Shishima Hifumi, 2911 - Bloco 6 - Urbanova - CEP 12244-000 - Fone/Fax (12) 3947-1085 São José dos Campos - São Paulo - Brasil REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I Da Origem, Definição e Finalidades Artigo 1 - O Estágio Supervisionado é atividade obrigatória do Currículo Pleno do Curso de Ciência da Computação da Faculdade

Leia mais