REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

2 CAPÍTULO I DO OBJETO, ENGENHARIA E FINALIDADE Art. 1º. O presente regulamento tem como objeto o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Curso de Direito da Faculdade do Noroeste de Minas FINOM, órgão encarregado de desenvolver o Eixo de Formação Prática relacionado ao Estágio Curricular Supervisionado, atendendo às exigências da Resolução CNE/CES n 9, de 29 de setembro de 2004, do Ministério da Educação (MEC), da Instrução Normativa nº 3, de dezembro de 1997, e demais disposições Regimentais da IES, visando o aprimoramento nas áreas profissionais de Advocacia, Magistratura, Ministério Público e demais carreiras jurídicas. Parágrafo único: Este regulamento descreve a estrutura, finalidade, procedimentos, dando outras providências relacionadas ao NPJ. Art. 2º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é órgão institucionalmente vinculado ao Curso de Direito da Faculdade do Noroeste de Minas FINOM e subordinado à sua Coordenação. Art. 3º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) tem a finalidade de implantar o Estágio Curricular Supervisionado, sendo destarte encarregado de programar, orientar e controlar as competências práticas a serem desenvolvidas por seus estagiários. 1º: O NPJ como instrumento destinado à efetivação do Eixo de Formação Prática do Curso de Direito nos termos especificados pelo Projeto de Curso e nas Diretrizes Curriculares do Curso de Direito, e para este fim, entende o Estágio Curricular Supervisionado como a unidade do desenvolvimento das seguintes competências integradas a serem desenvolvidas por seus estagiários: I - Atividade Prática Jurídica Simulada, entendida como o conjunto das atividades relacionadas às Práticas Jurídicas I, II, III e IV; II - Atividade Prática Jurídica Real, consistente nas atividades desenvolvidas junto ao Escritório Modelo de Assistência Judiciária Gratuita (EMAJU); e 2

3 III - Atividade Prática Jurídica Externa, relacionada às atividades a serem desenvolvidas pelos estagiários no NPJ, com volume mínimo de horas/atividade a serem desempenhadas por, consistindo, sem exclusão de outras possibilidades, em: análises de processos, análises de autos findos, relatórios de audiências, estudos de caso, fundamentações jurídicas, pesquisas jurisprudenciais, pareceres jurídicos, cujas especificações virão em regulamentos próprios ou expedidos pela Coordenação do NPJ ou pela Coordenação do Curso de Direito. 2º: As três modalidades descritas no parágrafo anterior, Atividade Prática Simulada, Atividade Prática Real e Atividade Prática Externa, são três competências que compõem o Estágio Curricular Supervisionado e devem atender aos critérios estabelecidos neste regulamento para que os estagiários tenham o aproveitamento e aprovação na disciplina Estágio Curricular Supervisionado. CAPÍTULO II DA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Art. 4º. O Núcleo de Prática Jurídica possui uma Coordenação Geral e três (3) Departamentos organizados para o regular o desenvolvimento de suas atividades sendo assim distribuídos: I Coordenação Geral do NPJ à qual cabe a representação social e formal do Núcleo junto à Coordenação do Curso de Direito e à IES, sendo competente para supervisionar todos os setores do NPJ, fazendo cumprir seu Regimento e subordinando a seu comando, integralmente, a Coordenação da Prática Jurídica Real, da Coordenação da Prática Jurídica Externa e a Coordenação da Prática Jurídica Simulada; II Departamento de Prática Jurídica Real responsável pelo Escritório Modelo de Assistência Judiciária Gratuita (EMAJU) que tem como função a efetivação do atendimento ao público e a assessoria jurídica real prestada pelo EMAJU à comunidade, sendo o EMAJU gerido por Coordenador, que necessariamente será um(a) advogado(a) regularmente inscrito na OAB/MG, devidamente auxiliado por 3

4 professores-orientadores, cujas indicações e tarefas ocorrerão segundo Regulamentos do EMAJU e do NPJ. III Departamento de Atividade Prática Jurídica Externa, responsável pelas atividades desenvolvidas pelos estagiários devendo promover, coordenar, supervisionar e avaliar a Atividade de Prática Jurídica Externa descritas no art. 2º, 1º, c, deste Regulamento, a ser realizado pelos Estagiários do Curso de Direito da FINOM; IV Departamento de Atividade Prática Simulada, cujas atividades serão desenvolvidas pelo conjunto de competências relacionadas à Prática Jurídica I (Direito Processual Penal), Prática Jurídica II (Direito Processual Civil), Prática Jurídica III (Direito Processual Civil) e Prática Jurídica IV (Direito Processual do Trabalho), que serão geridas por Coordenador do departamento e executada por professores orientadores, conforme segue descrito no Capítulo III, Seção III, deste Regulamento; V - Secretaria do NPJ, composta por pessoal contratado pela IES e direcionado ao cumprimento desta função no NPJ; VI Apoio Administrativo e de Informática, composto pelo pessoal do corpo técnico da IES designado quando necessário; VII Estagiários, sendo os alunos regularmente matriculados e cursando o Curso de Direito da Faculdade FINOM. Art. 5. O NPJ é subordinado à Coordenação do Curso de Direito e organizado de acordo com a seguinte hierarquia: I Coordenação Geral do NPJ, sob a responsabilidade do Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica; II Coordenadoria Departamento de Atividade Prática Jurídica Real que estará sob a responsabilidade do Coordenador do EMAJU; III Coordenadoria do Departamento de Atividade de Prática Jurídica Externa, sob a responsabilidade do respectivo Coordenador; IV Coordenadoria do Departamento Atividade Prática Jurídica Simulada sob a responsabilidade do respectivo Coordenador; V Professores orientadores; 4

5 V Secretaria; VI Apoio Administrativo e de Informática; e VII Estagiários. CAPÍTULO III DAS ATRIBUIÇÕES Seção I Das responsabilidades da Coordenação Geral do NPJ Art. 6º. O Núcleo de Prática Jurídica possui um Coordenador Geral nomeado pelo Diretor Geral da Instituição, por indicação do Coordenador do Curso de Direito, atendidas as exigências regimentais e estatutárias. Parágrafo único. Sem prejuízo de sua função, o Coordenador Geral do NPJ pode exercer, cumulativamente, qualquer coordenadoria ou função do Núcleo. Art. 7. Compete ao Coordenador cumprir e fazer cumprir o presente regulamento e especialmente: I Presidir a Comissão do NPJ, preservada a presidência de honra do Coordenador do Curso de Direito; II Propor alterações do Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica; III Exarar atos para regulamentação dos diversos setores do Núcleo; IV Assinar correspondências e documentos sob a responsabilidade do Núcleo, especialmente para coordenar as atividades das demais coordenadorias sob seu controle; V Determinar atribuições específicas das Coordenadorias do Departamento de Prática Jurídica Real, Prática Jurídica Externa e de Atividade Prática Simulada, aprovando programações semestrais, autorizando e supervisionando as atividades, integralmente subordinadas ao seu comando, não só pelos coordenadores, mas também pelos advogados e demais funcionários do Núcleo; VI Submeter ao Coordenador de Curso a indicação, para nomeação pela Direção Geral, dos nomes dos docentes para ocupar a Coordenadoria de Atividade de Prática 5

6 Jurídica Externa, Atividade Prática Jurídica Real, Atividade Prática Jurídica Simulada e de todas as outras atividades que surgirem por intermédio de Convênios firmados com a IES, sem o prejuízo de que tais coordenadorias sejam exercidas pelo próprio Coordenador do NPJ. Art. 8 - Observada a subordinação do NPJ à Coordenação do Curso de Direito, tal Núcleo deve: I - Acompanhar e avaliar todas as atividades realizadas pelos Estagiários no EMAJU e na Defensoria Pública, na Atividade Prática Jurídica Externa, Atividade Prática Jurídica Real, Atividade Prática Jurídica Simulada, conforme normas deste Regulamento e da OAB, sob supervisão do Coordenador do Curso de Direito, zelando pela qualidade das propostas desenvolvidas; II - Elaborar listas de materiais e instrumentos necessários ao perfeito desenvolvimento das atividades, observando as possibilidades financeiras disponíveis para tanto; III Zelar pelo patrimônio vinculado ao NPJ, orientando a utilização correta de materiais, evitando desperdícios ou danos; IV Manter a Coordenação do Curso de Direito sempre informada de possíveis irregularidades, dificuldades e necessidades do NPJ, apresentando propostas de solução; V Semestralmente, em até duas semanas após o término das aulas, apresentar para a Coordenação do Curso de Direito um relatório descritivo-analítico de todas as atividades do NPJ, inclusive aquelas realizadas em outras Comarcas, designando quantidade de assistidos, procedimentos iniciados, audiências realizadas e recursos interpostos; VI Observar e cumprir, juntamente aos Estagiários, as normas deste Regulamento Interno, as disposições da Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994, e as diretrizes da OAB quanto à prática jurídica; VII Exigir e controlar a entrega de relatórios mensais pelo EMAJU, avaliando a elaboração do mesmo; VIII Desempenhar todas as atividades inerentes à sua função. 6

7 Seção II Departamento de Prática Jurídica Real Art. 9. O Departamento de Prática Jurídica Real é o órgão do NPJ responsável pelo Escritório Modelo de Assistência Judiciária Gratuita (EMAJU) da FINOM, e tem como função a efetivação da Atividade de Prática Jurídica Real. Art. 10. O Departamento de Prática Jurídica Real é dirigido pelo NPJ e gerido pelo Coordenador do EMAJU, submetido à hierarquia estabelecida no art. 5º deste regulamento. Art. 11. O Coordenador do EMAJU será docente da Instituição, indicado pela Coordenação do Curso de Direito e nomeado pela Direção Geral, após proposta realizada ao indicado, respeitadas as exigências regimentais e estatutárias, não sendo vedada a cumulação do exercício desta função ao Coordenador do NPJ. Art. 12. O Coordenador do Escritório Modelo de Assistência Judiciária Gratuita (EMAJU), nomeado pelo Diretor Geral da Instituição, por indicação do Coordenador do Curso de Direito, desenvolverá junto aos estagiários a Atividade de Prática Jurídica Real, sendo suas atribuições: I Autorizar, supervisionar e controlar a Atividade Prática Jurídica Real, assim entendido também o submetido ao art. 9º, da Lei nº 8.906/94 (Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil OAB); II Avaliar os Estagiários, inclusive emitindo notas semestrais em programa próprio, segundo critérios previamente fixados; III Fiscalizar, sem exceção, todos os estágios realizados pelos acadêmicos do Curso de Direito da FINOM, fazendo valer a aplicação das normas pertinentes, inclusive aquelas estabelecidas pelo Regimento Interno da instituição; IV Indicar os professores-orientadores ao Coordenador do Curso de Direito, que decidirá e nomeará os docentes ocupantes das vagas; 7

8 V Encaminhar ao Coordenador do NPJ ao final dos períodos avaliativos, as notas das competências de Atividade Prática Jurídica simulada e Atividade Prática Jurídica Real, transmitidas pelos professores-orientadores. Art. 13. Todos os acadêmicos do Curso de Direito, desde que aptos à realização do Estágio, deverão realizar tal atividade junto ao EMAJU. Art. 14. A Coordenadoria deverá disponibilizar 3 (três) horas semanais de atividades orientadas no Escritório Modelo de Assistência Judiciária Gratuita (EMAJU), acompanhando e avaliando o desempenho dos Estagiários e elaborando, no final de cada, um relatório sobre as atividades desenvolvidas, o qual deverá ser encaminhado à Coordenadoria do NPJ. Art. 15. É também responsabilidade desta Coordenadoria tomar todas as providências necessárias para atingir as metas, bem como do efetivo cumprimento dos objetivos do EMAJU junto ao NPJ e à IES, em seu sentido de treinamento profissional e acadêmico, sob a supervisão da Coordenação do NPJ, cujas determinações devem ser cumpridas. Art. 16. Os demais dispositivos relativos às responsabilidades da Coordenadoria do EMAJU e seus professores-orientadores, encontram-se elencados em Regulamento próprio, ressaltando-se que estão subordinados às Coordenações do Curso de Direito e do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ). Seção III Departamento de Atividade Prática Jurídica Externa Art. 17. O Departamento de Atividade Prática Jurídica Externa é dirigido por Coordenador próprio, nomeado pelo Diretor Geral da Instituição, por indicação do Coordenador do Curso de Direito, com apoio de professores orientadores, subordinado à Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica. 8

9 Art. 18. Serão de responsabilidade do Coordenador do Departamento de Atividade Prática Jurídica Externa: I Manter controle e arquivamento dos trabalhos e peças desenvolvidas pelos discentes; II Indicar os professores-orientadores ao Coordenador do Curso de Direito, que decidirá e nomeará os docentes ocupantes das vagas; III Encaminhar periodicamente ao NPJ, relatório com as atividades desenvolvidas e controle de entrega das mesmas pelos alunos para realização da soma e atribuição das horas/atividade relativos à aprovação dos discentes no final do. 1º. Os professores-orientadores serão docentes da Instituição, indicados pela Coordenação do Curso de Direito, respeitadas as exigências regimentais e estatutárias, não sendo vedada a cumulação do exercício desta função ao Coordenador do NPJ ou EMAJU. 2º. A Atividade de Prática Jurídica Externa consistirá, sem a exclusão de outras possibilidades, na: análise de processos, análise de autos findos, relatórios de audiências, estudos de caso, fundamentações jurídicas, pesquisas jurisprudenciais, pareceres jurídicos, realização de audiências simuladas, processos simulados, mediações e arbitragens simuladas. Seção IV Do Departamento de Atividade Prática Jurídica Simulada Art. 19. O Departamento de Atividade Prática Jurídica Simulada é dirigido por Coordenador, nomeado pelo Diretor Geral da Instituição, por indicação do Coordenador do Curso de Direito, com apoio de professores-orientadores subordinado à Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica. Parágrafo Único. Os professores-orientadores serão docentes da Instituição, indicados pela Coordenação do Curso de Direito, respeitadas as exigências 9

10 regimentais e estatutárias, não sendo vedada a cumulação do exercício desta função ao Coordenador do NPJ, do Departamento de Prática Jurídica Externa ou do EMAJU. Art. 20. Serão de responsabilidade do Coordenador do Departamento de Atividade Prática Jurídica Simulada: I Manter controle e arquivamento dos trabalhos e peças desenvolvidas pelos discentes; II Indicação dos professores-orientadores ao Coordenador do Curso de Direito, que decidirá e nomeará o professor orientador à disciplina; III Encaminhar periodicamente à Coordenação do NPJ, relatório com as atividades desenvolvidas e controle de entrega das mesmas pelos alunos para realização da soma e atribuição dos pontos relativos à aprovação dos discentes no final do. Art. 21. As atividades relacionadas às disciplinas serão cumulativas às desenvolvidas na Atividade de Prática Jurídica Real, consistem em realização de trabalhos de redação técnica de peças componentes e integrantes da atividade jurídica cotidiana, sendo necessárias à aprovação do discente em ambas as competências com a média mínima institucional, conforme descrito nos critérios de avaliação e nos quadros e tabelas de atividades constantes do Anexo I deste Regulamento. Art. 22. As atividades serão desenvolvidas nas seguintes competências relacionadas ao Curso e no desenvolvimento do seguinte conjunto de atividades de práticas jurídicas: I - Prática Jurídica I Direito Processual Penal (7º Período do Curso); II - Prática Jurídica II Direito Processual Civil I (8º Período do Curso); III - Prática Jurídica III Direito Processual Civil II (9º Período do Curso); e IV - Prática Jurídica IV Direito Processual do Trabalho (10º Período do Curso). Seção V Das Atividades da Secretaria 10

11 Art. 23. O NPJ possui um Secretário Geral, cuja função é fazer cumprir as atribuições do órgão e supervisionar todas as atividades administrativas por ele exercidas. Art. 24. Compete à Secretaria do NPJ: I Arquivar e manter arquivada toda correspondência recebida, bem como toda documentação relativa às atividades do Núcleo; II Expedir todas as declarações e certidões pertinentes às atividades do Núcleo, respeitadas as competências regimentais; III Manter arquivo de controle de todos os convênios concernentes ao Núcleo e celebrados com a Instituição; IV Manter arquivo de controle de participação dos Estagiários nas atividades do EMAJU, Práticas Jurídicas, Defensoria Pública ou outros órgãos conveniados; V Manter arquivo de controle de todas as atividades vinculadas ao Núcleo de Prática Jurídica, pelo prazo que lhe for determinado; VI Desempenhar as demais atividades de sua competência e as que lhe forem atribuídas. Seção VI Do Apoio Administrativo e de Informática Art. 25. As atribuições do Apoio Administrativo e de Informática são as próprias de sua natureza e outras que, observadas a peculiaridade ou a urgência da situação, forem objetos de deliberação da Coordenação Geral do Núcleo de Prática Jurídica. Seção VII Das Responsabilidades dos Estagiários Art. 26. Consideram-se Estagiários, para finalidade curricular, os acadêmicos matriculados no 7, 8, 9 e 10º Períodos do Curso de Graduação, competindo-lhes cumprir, durante 2 (dois) anos de Estágio, com a carga horária mínima de 400 (quatrocentas) horas, de acordo com a grade curricular do Curso de Direito, sendo 100 (cem) horas de atividades no 7 Período, 100 (cem) horas no 8 Período, 100 (cem) horas no 9 Período e 100 (cem) horas no 10 Período. 11

12 1º. Em cada período, as 100 horas referentes ao cumprimento do Estágio Curricular Supervisionado serão divididas segundo o seguinte critério: I - 45 horas para a Atividade Prática Real; II - 30 horas para a Atividade Prática Simulada; e III - 25 horas para a Atividade Prática Jurídica Externa. 2º. As atividades a serem desenvolvidas serão consistentes: I - Na Atividade Prática Jurídica Real as atividades serão de prática jurídica real, consistindo em acompanhamento de processos judiciais, mediações, arbitragens e atendimento ao público; II - Na Atividade Prática Jurídica Externa, as atividades consistirão, sem exclusão de outras possibilidades, na: análise de processos, análise de autos findos, relatórios de audiências, estudos de caso, fundamentações jurídicas, pesquisas jurisprudenciais, pareceres jurídicos, realização de audiências simuladas, processos simulados, mediações e arbitragens simuladas; III Na Atividade Prática Jurídica Simulada, as atividades consistirão na elaboração de peças processuais simuladas, orientadas pelo professor orientador da disciplina. 3º. Todas as atividades aqui descritas constam em numerus apertus, sendo competência da Coordenação do Curso e do NPJ as especificações de outras atividades constantes em cada competência que venha a complementar as elencadas neste artigo. 4º. O Estagiário deverá cumprir rigorosamente o prazo de entrega dos relatórios das atividades especificadas neste artigo e em conformidade aos quadros definidos no Anexo I deste Regulamento, sob pena de indeferimento e conseqüente perda da carga horária para cômputo de Estágio e a conseqüente reprovação no período na disciplina Estágio Curricular Supervisionado, devendo realizar tantas atividades quantas necessárias para atingir a carga horária obrigatória à sua aprovação. 12

13 Art. 27. São deveres dos Estagiários: I - Cumprir semestralmente a carga estipulada neste Regulamento, cumprindo prazos de entrega de relatórios devidamente protocolados; II - Assistir às aulas das Disciplinas Práticas Jurídicas Curriculares, fixada em horário regular de aulas; III - Manter comportamento assíduo, responsável e ético em qualquer circunstância, o que será comprovado mediante relatórios e avaliações realizadas semestralmente pelas Coordenadorias; IV - Participar de atividades de consultoria, conciliação e mediação, se solicitado for; V - Comparecer a audiências e visitas a órgãos judiciários, entregando relatórios de todas as atividades realizadas; VI - Realizar trabalhos simulados na Atividade de Prática Jurídica Real; VII - Realizar pesquisas e outras atividades determinadas pela competência Prática Jurídica Real. 1º. Ao término de cada, o Estagiário deverá ter entregado à Coordenadoria do NPJ todos os comprovantes das atividades desenvolvidas até então (relatórios gerais, trabalhos de pesquisa, andamentos de procedimentos, etc), de acordo com prazos estabelecidos pela Coordenadoria do NPJ, objetivando a totalização da carga horária. 2º. Todos os Estagiários devem se apresentar devidamente trajados com vestuário adequado à atividade profissional e à prática jurídica. 3º. O Estagiário deve agir segundo este Regulamento, sem prejuízo do disposto nos Regulamentos de Estágio ou do EMAJU (Escritório Modelo de Assistência Judiciária Gratuita) da FINOM. 4º. Nenhuma atividade que tenha sido apresentada pelo acadêmico como Atividade Complementar poderá ser apresentada para cômputo no NPJ ou vice-versa, sendo certo que a constatação de duplicidade ocasionará a perda dos créditos, tanto no 13

14 NPJ, quanto em Atividades Complementares, além da anotação do fato na pasta do discente, possibilitando a aplicação de outras penalidades em caso de reincidência. Seção VIII Do Estágio Externo Art. 27. Consideram-se Estagiários Externos, cujas atividades substituirão a Atividade Prática Jurídica Real, os acadêmicos que realizam Estágio Supervisionado de natureza extracurricular nas Defensorias Públicas Estaduais ou Federais e que mantenham convênio com a Instituição, desde que atendidas às exigências legais e estatutárias. 1º. Não serão admitidas outras formas de estágio externo para efeito deste Regulamento e para o computo das horas/atividade. 2º. As demais forma de Estágio Externo terão validade apenas para fins de cumprimento das Atividades Complementares. CAPÍTULO IX DAS PENALIDADES Art. 28. São aplicáveis aos Estagiários as seguintes sanções: I advertência oral; II advertência escrita; III suspensão; IV exclusão. 1º. Caberá advertência oral em casos de impontualidade injustificada duas vezes consecutivas no EMAJU, bem como em relação à elaboração de peças sem fundamentação legal ou feita sem o devido cuidado. 14

15 2º. A advertência escrita será aplicada em casos de reincidência nas hipóteses do parágrafo anterior. 3º. Será aplicada suspensão por 2 (dois) dias letivos das atividades do Estagiário no NPJ, deixando de ser computada a carga horária correspondente, em casos de perda ou extravio de peças processuais, das pastas de acompanhamento ou mesmo das fichas cadastrais dos assistidos. 4º. A exclusão será aplicada por desvio de assistidos, obtenção de vantagem financeira, prática do ilícito infamante, perda de prazos ou de audiências e ao reincidente já apenado com suspensão, a qual ocasionará a perda da identificação de Estagiário, tendo em vista que a OAB será imediatamente informada da situação. Art. 29. As sanções serão aplicadas pela Coordenação do NPJ, mediante aviso prévio da situação à Coordenação do Curso de Direito, que deve manifestar seu aval por escrito, no prazo de 5 (cinco) dias, quanto às sanções aplicáveis. CAPÍTULO V DAS AVALIAÇÕES Art. 30. As notas e as horas atribuídas ao Estágio Curricular Supervisionado como a unidade do desenvolvimento das competências integradas da Atividade Prática Jurídica Simulada, da Atividade Prática Jurídica Externa e da Atividade Prática Jurídica Real, deverão ser feitas na forma de uma única média, porquanto o Estagiário não será aprovado quando: I obtiver nota menor que 7,0 (sete) pontos no somatório das competências da Atividade Prática Jurídica Real e Atividade Prática Jurídica Simulada; e/ou II Não atingir a carga horária designada nos regulamentos do núcleo em sua Atividade Prática Jurídica Externa. 1º. A insuficiência, em qualquer das competências a serem desenvolvidas, implicará na reprovação nas três competências, com a conseqüente necessidade de cursar as 15

16 três competências novamente, pois integrantes da disciplina Estágio Curricular Supervisionado. 2º. As notas de competência da Atividade Prática Jurídica Simulada e da Atividade Prática Jurídica Real deverão ser transmitidas pelos professores-orientadores aos Coordenadores dos órgãos, que, por sua vez, as transmitirão ao Coordenador do NPJ ao final dos períodos avaliativos. 3º. As cargas horárias de competência da Atividade Prática Jurídica Externa deverão ser transmitidas pelos professores-orientadores ao Coordenador do Departamento de Prática Jurídica Externa, que, por sua vez, as transmitirão ao Coordenador do NPJ ao final dos períodos avaliativos. 4º. É de responsabilidade do Coordenador do NPJ o lançamento das notas e cargas horárias no Diário Eletrônico e demais apontamentos institucionais. 5º. As notas das competências da Atividade Prática Jurídica Real e da Atividade Prática Jurídica Simulada serão distribuídas da seguinte forma: I - 5 (cinco) pontos para as competências da Atividade Prática Jurídica Real; e II - 5 (cinco) pontos para as competências da Atividade Prática Jurídica Simulada. 6º. Se a nota das competências de Atividade Prática Jurídica Real e da Atividade Prática Jurídica Simulada obtida pelo Estagiário for inferior à média de 7 (sete) pontos, haverá realização de prova final nos termos do Regimento Interno da IES, sendo que esta, necessariamente, consistirá em uma avaliação prática com a elaboração de uma peça simulada. Art. 31. A verificação do aproveitamento nas atividades desenvolvidas junto às competências de Atividade Prática Jurídica Simulada deve ser realizada segundo critérios fixados pelos docentes responsáveis, ficando a cargo da Coordenação do NPJ somente o lançamento das respectivas notas no Sistema e remessa ao arquivo da IES. 16

17 Art. 32. A verificação e o controle da Atividade Prática Jurídica Externa ocorrerão mediante os critérios que regem a competência, nos termos deste Regulamento e segundo orientação do Coordenador do NPJ, sendo que o Coordenador da Atividade de Prática Jurídica Externa deverá remeter ao Coordenador do NPJ os relatórios com a carga horária atribuída aos Estagiários. Parágrafo Único. O não cumprimento da carga horária semestral mínima por parte do Estagiário resultará em reprovação da disciplina Estágio Curricular Supervisionado, devendo cursar novamente todas as 3 (três) frentes da disciplina. Art. 33. A verificação do aproveitamento da Atividade de Prática Jurídica Real nas atividades do EMAJU será realizada conforme critérios fixados em seu Regulamento e nos termos estabelecidos neste Regimento. Art. 34. Compete à Coordenação do NPJ definir, regulamentar e alterar as normas de controle da avaliação, com aprovação da Coordenação do Curso de Direito, para fins de registro e arquivo. CAPÍTULO X DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 35. Os atos normativos complementares, regulamentos e outras regulamentações disciplinares das atividades do Núcleo serão elaborados pela Coordenação Geral do Núcleo de Prática Jurídica e aprovados pela Coordenação do Curso de Direito. Art. 36. Nos termos da Resolução CNE/CES n 9, de 29 de setembro, o tempo de Estágio realizado em Defensoria Pública da União, do Distrito Federal ou dos Estados, na forma do art. 145, da Lei Complementar nº 80, de 12 de janeiro de 1994, será considerado para fins de carga horária do Estágio Curricular previsto no art. 7º de tal norma. 17

18 Art. 37. Ao Estagiário que cumprir integralmente o estágio será conferido Certificado de Conclusão, com histórico do total da carga horária, bem como as datas de início e término do Estágio. Art. 38. Este regulamento possui dois anexos que são suas partes integrantes, sendo o Anexo I composto pela descrição das atividades a serem desenvolvidas nos 2 (dois) anos em que os estagiários participarem do NPJ, com as cargas horárias e atividades a serem integralizadas nos períodos, e o Anexo II, com o fluxograma organizacional do NPJ. Art. 39. As faltas justificadas apresentadas pelo Estagiário e deferidas pela Instituição não isentam o Estagiário do cumprimento da disciplina Estágio Curricular Supervisionado, devendo fazê-lo no período subseqüente. Art. 40. Os casos omissos serão solucionados pela Coordenadoria do NPJ, juntamente com a Coordenação do Curso de Direito. Art. 41. Este Regulamento Interno foi elaborado segundo disposições do Ministério da Educação (MEC) e da OAB/MG, entrando em vigor depois de analisado e aprovado pelo Colegiado do Curso de Direito e pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEP) da Faculdade do Noroeste de Minas FINOM, revogando todas as disposições contrárias. Paracatu-MG, outubro de

19 DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS ESTAGIÁRIOS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NA COMPETÊNCIA PRÁTICA JURÍDICA I PENAL 7º PERÍODO ATIVIDADE REALIZADA Audiências com relatório (1º Grau de jurisdição) duas horas por cada audiência, de acordo com Ementa da Disciplina Prática Jurídica III Assistir Tribunal do Júri mediante Relatório 03 (três) horas por júri, independente do tempo de duração do júri. Elaboração de peças processuais mais consistentes uma hora por Peça, sendo aceita apenas uma peça de cada natureza Relatório de Autos Findos - Elaboração de autos findos 1 hora por cada 02 (dois) relatórios de autos findos Visitas coletivas Delegacias, presídios, Instituto Médico Legal, etc. - uma hora por visita mediante relatório (a partir do Período compatível com o Estágio), sendo aceito um relatório relativo a uma visita de cada natureza. Atividade simulada o grupo deverá atuar no processo simulado até o final, ou seja, até a sentença judicial para a obtenção de horas as datas serão designadas pelo NPJ. CARGA HORÁRIA (mínima por ) 8 horas semestrais 3 horas por 4 horas por 2 horas por 2 horas por 6 horas por Prática Jurídica I (Penal) O Estagiário deverá cumprir, no mínimo, 25 (vinte e cinco) horas por, que serão computadas no Estágio, sem prejuízo do cumprimento obrigatório da carga horária total de referida disciplina. OBS: O estagiário deverá realizar todas as atividades da prática, pois não haverá compensação entre as mesmas. 19

20 ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NA COMPETÊNCIA PRÁTICA JURÍDICA II CIVIL 8º PERÍODO ATIVIDADE REALIZADA Audiências com relatório (1º Grau de jurisdição) duas horas para cada audiência, de acordo com Ementa da Disciplina Prática Jurídica I Elaboração de peças processuais mais consistentes (inicial, contestação, recurso e outras) - uma hora por peça, sendo aceita apenas uma peça de cada natureza. Relatório de Autos Findos - Elaboração de autos findos 1 hora por cada 02 (dois) relatórios de autos findos Pesquisas para fundamentação dos casos uma hora por pesquisa, não sendo aceita mais que uma sobre o mesmo assunto. Atividade simulada o grupo deverá atuar no processo simulado até o final, ou seja, até a sentença judicial para a obtenção de horas as datas serão designadas pelo NPJ. CARGA HORÁRIA (mínima por ) 8 horas por 4 horas por 3 horas por 4 horas por 6 horas por Prática Jurídica II (Civil) O Estagiário deverá cumprir, no mínimo, 25 (vinte e cinco) horas por relativas à disciplina Prática Jurídica I, que serão computadas no Estágio, sem prejuízo do cumprimento obrigatório da carga horária total de referida disciplina. OBS: O estagiário deverá realizar todas as atividades da prática, pois não haverá compensação entre as mesmas. 20

21 ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NA COMPETÊNCIA PRÁTICA JURÍDICA III CIVIL - 9º PERÍODO ATIVIDADE REALIZADA Audiências com relatório (1º Grau de jurisdição) duas horas para cada audiência, de acordo com Ementa da Disciplina Prática Jurídica I CARGA HORÁRIA (mínima por ) 8 horas por Elaboração de peças processuais mais consistentes (inicial, contestação, recurso e outras)- uma hora por cada 02 (duas) peças, sendo aceita apenas uma peça de cada natureza. Relatório de Autos Findos - Elaboração de autos findos 1 hora por cada 02 (dois) relatórios de autos findos. Pesquisas para fundamentação dos casos uma hora por por pesquisa, não sendo aceita mais que uma sobre o mesmo assunto. Atividade simulada o grupo deverá atuar no processo simulado até o final, ou seja, até a sentença judicial para a obtenção de horas as datas serão designadas pelo NPJ. 4 horas por 3 horas por 4 horas por 6 horas por Prática Jurídica III (Civil) O Estagiário deverá cumprir, no mínimo, 25 (vinte e cinco) horas por relativas à disciplina Prática Jurídica I, que serão computadas no Estágio, sem prejuízo do cumprimento obrigatório da carga horária total de referida disciplina. OBS: O estagiário deverá realizar todas as atividades da prática, pois não haverá compensação entre as mesmas. 21

22 ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NA COMPETÊNCIA PRÁTICA JURÍDICA IV TRABALHISTA- 10º PERÍODO ATIVIDADE REALIZADA Audiências com relatório (1º Grau de jurisdição) duas horas por cada audiência, de acordo com a Ementa da Disciplina Prática Jurídica IV Elaboração de peças processuais mais consistentes (iniciais, contestação, e outras) meia hora por cada peça, sendo aceita apenas uma peça de cada natureza. Pesquisas para fundamentação dos casos uma hora por pesquisa realizada, não sendo aceita mais que uma pesquisa versando sobre o mesmo assunto. Atividade simulada o grupo deverá atuar no processo simulado até o final, ou seja, até a sentença judicial para a obtenção de horas as datas serão designadas pelo NPJ. CARGA HORÁRIA (mínima por ) 10 horas por 04 horas por 03 horas por mês 8 horas por Prática Jurídica IV (Trabalhista) O Estagiário deverá cumprir, no mínimo, 25 (vinte e cinco) horas por, que serão computadas no Estágio, sem prejuízo do cumprimento da carga horária total obrigatória de referida disciplina, segundo respectiva ementa. OBS: Os prazos referidos acima deverão ser obedecidos rigorosamente. Não sendo aceito os trabalhos entregues fora do prazo. OBS: O estagiário deverá realizar todas as atividades da prática, pois não haverá compensação entre as mesmas. 22

23 ANEXO II FLUXOGRAMA Coordenação do Curso de Direito Disciplina Estágio Curricular Supervisionado Coordenação do NPJ Coordenação do EMAJU e da Atividade Prática Jurídica Real Coordenação de Atividade Prática Jurídica Simulada Coordenação de Atividade Prática Jurídica Externa 23

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Cacoal RO. CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, tem por finalidade promover e coordenar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica RESOLUÇÃO Nº 5, DE 16 DE JULHO DE 2014 REGIMENTO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre a Prática Jurídica no âmbito da UNDB. O CONSELHO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, no uso das competências que lhe confere o art.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA Art. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica e Judiciária do Curso de Direito

Leia mais

Título I. Dos Princípios Gerais

Título I. Dos Princípios Gerais CORDENADORIA DO NPJ Criado pela Resolução 01/99 Colegiado Superior REGULAMENTO Dispõe sobre o funcionamento da Coordenadoria do Núcleo de Prática Jurídica e seus órgãos no Curso de Graduação em Direito.

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA 2/2015 O Prof. Ms. Márcio Franklin Nogueira, Coordenador do Curso de Direito, tendo em conta mudança na sistemática de agendamento e cômputo de horas das atividades de prática jurídica, agora

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR ` REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR Rio Verde, Goiás 2010/2 Regimento do Núcleo de Prática Jurídica da FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES - FAR A Administração Geral da

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas 1 Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade São Lucas será regido pelos princípios da: I Ética profissional;

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Em cumprimento às exigências da Resolução CNE/CES nº 9, de 29 de setembro de 2004 (do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior) e ao Projeto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) PORTO VELHO (RO) 2012 Página 1 de 18 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 1 DA NORMATIZAÇÃO Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1º - O Estágio Supervisionado obrigatório tem por finalidade ministrar a prática

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Manual do Estagiário ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA GRATUITA 01. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é constituído pelo Escritório Modelo de Advocacia Gratuita EMAG

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO Capítulo I Dos objetivos Art. 1º. Este Regulamento tem

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO 1 MANUAL DO ESTAGIÁRIO, BACHARELADO 2 APRESENTAÇÃO O aprendizado do Direito não se restringe à compreensão dos textos legais e doutrinários: a prática efetiva da advocacia é uma dimensão fundamental do

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 1. APRESENTAÇÃO O manual contém informações a respeito da estrutura e do funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica, do Curso de Direito da FAPE - Faculdade de Presidente

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. O presente Regulamento rege as atividades do NPJ e o Estágio Supervisionado de Prática

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º Este regulamento normatiza a estruturação, funcionamento, atribuições e

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º Este regulamento normatiza a estruturação, funcionamento, atribuições e REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Aprovado pela Resolução Consuni nº 28/06 de 12/07/06. Art. 1º O presente regulamento disciplina as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA. Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica.

REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA. Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica. REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica. A Coordenação de Prática Jurídica, no exercício de suas atribuições, regulamenta as Disciplinas de Prática Jurídica.

Leia mais

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM 1. O Estágio Profissional O Estágio Profissional de Advocacia é semelhante ao estágio em um escritório de Advocacia

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O Conselho Diretor da Faculdade de Direito (UFG), no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento, que tem como finalidade, normatizar a estrutura e funcionamento do Núcleo de Prática

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS

ANEXO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Este regulamento é próprio do Núcleo de Prática Jurídica do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas - UDC, para os estagiários e será regido por essas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Regulamento de Atividades Complementares Curso de Enfermagem Capítulo I- Disposições Gerais Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade regrar as Atividades Complementares para o curso de Enfermagem

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Justificativa Conforme consta nas leis de 2004 e 2005, parecer CNE/CES Nºs: 210/2004, e 023/2005, um curso de graduação em Administração desenvolve-se

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora. Faculdade de Sinop FASIP Mantida. DIREITO Curso

Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora. Faculdade de Sinop FASIP Mantida. DIREITO Curso Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora Faculdade de Sinop FASIP Mantida DIREITO Curso ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ REGULAMENTO Sinop - MT ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 007/2008

RESOLUÇÃO N. 007/2008 RESOLUÇÃO N. 007/2008 O Colegiado de Cursos da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade FUMEC, no uso de suas atribuições e considerando a necessidade de normatizar as atividades relacionadas ao Estágio

Leia mais

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PORTO ALEGRE 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 CAPÍTULO II DAS DISCIPLINAS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RIO DE JANEIRO 2012 I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento rege as atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Direito. Art. 2º -

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO SÃO LOURENÇO/2014 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria,

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO...4 SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...4 SEÇÃO III DA COMPOSIÇÃO...4 SEÇÃO IV DA ESTRUTURA...4 CAPÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS...5 SEÇÃO I DA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CACOAL 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DIRETRIZES GERAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DIRETRIZES GERAIS Uniiv i ve er rs iid i ad a de p ar a ra o De es sen nvov l vi v iimen nt to do Al ll t o Va al le do d It I taj a jj aí a í PARECER Nº 72/2007 APROVADO EM 04/10/2007 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS Título I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos do Núcleo de Prática Jurídica Art. 1º Este Regulamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) UNIVERSIDADE IGUAÇU CURSO DE DIREITO CAMPUS NOVA IGUAÇU REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Art. 1º. O NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA do

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade do Sudeste Goiano (FASUG) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância

Leia mais

UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO. Acadêmico(a):

UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO. Acadêmico(a): 2014 UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO Acadêmico(a): Número de matrícula: Turno: Carteira de Identidade: CPF: Endereço: Telefone:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Estágio Supervisionado I e II

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Estágio Supervisionado I e II UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA Regulamento do Estágio Supervisionado I e II Presidente Prudente 2009 DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Estágio Supervisionado do curso de graduação em Zootecnia

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado INTRODUÇÃO O Manual de Estágio Supervisionado tem como objetivo orientar o aluno do Curso de Direito da Universidade de Santo Amaro sobre a Prática do Estágio

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 Artigo 1º. O Estágio Profissional de Advocacia, previsto no artigo 9º da Lei nº 8.906/94,

Leia mais

Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO

Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO REITOR Prof. Antonio Roberto Ezaú dos Santos PRÓ-REITOR ACADÊMICO Prof.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

FACCREI FACULDADE CRISTO REI CORNÉLIO PROCÓPIO - PARANÁ

FACCREI FACULDADE CRISTO REI CORNÉLIO PROCÓPIO - PARANÁ FACCREI REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PROFESSOR OSWALDO TREVISAN, DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA 1 FACCREI APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I Seção I DISPOSIÇÕES GERAIS Da finalidade Art. 1 - As Atividade Complementares integram a grade curricular dos Cursos de Comunicação Social em conformidade

Leia mais

I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica

I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica UNIVERSIDADE IGUAÇU CURSO DE DIREITO CAMPUS ITAPERUNA Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado - UNIG Institui as normas atinentes ao Núcleo de Prática Jurídica da Universidade Iguaçu - UNIG -

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO DE JORNALISMO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO DE JORNALISMO Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Normatiza a organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Normatiza a organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

RE.NPJ.001.11.00 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura MEMBRO DO CONSUPE MEMBRO DO CONSUPE

RE.NPJ.001.11.00 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura MEMBRO DO CONSUPE MEMBRO DO CONSUPE - CÍNZIA BARRETO DO Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura Proposição CÍNZIA BARRETO COORDENADORA DO Análise Crítica DRAUZ FILHO EDINALDO NEVES GABRIELLE GARCIA MARIA EUNICE BORJA MIDIAN

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº. 124, DE 27 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REITOR Prof. Antonio Roberto Ezau dos Santos PRÓ-REITOR ACADÊMICO Prof. Ms. José Lazaro de Souza PRÓ-REITOR ADMINISTRATIVO E

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO 1 FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO LINHARES ES 2014 2 FUNDAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Gama DF fev./2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO II... 4 DA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 E SEU APROVEITAMENTO...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Topografia e Geoprocessamento LABGEO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 2012

MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 2012 MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 2012 Apresentação Sobre as diretrizes da Resolução nº 9, de 29 de

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento rege as atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Serviço de Assistência Judiciária da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA Em cumprimento ao disposto no art. 10 da Portaria de nº 1886 de 30 de dezembro de 1994, do Ministério da Educação, combinado

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

ANEXO C REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO. Da caracterização

ANEXO C REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO. Da caracterização ANEXO C REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO Regulamento aprovado pela Comissão de Curso em 02 de setembro de 2014 Este anexo regulamenta o Estágio Curricular Obrigatório Supervisionado

Leia mais

LEI Nº 1.060, DE5 DE FEVEREIRO DE 1950

LEI Nº 1.060, DE5 DE FEVEREIRO DE 1950 LEI Nº 1.060, DE5 DE FEVEREIRO DE 1950 Estabelece Normas para a Concessão da Assistência Judiciária aos Necessitados. Art. 5º O juiz, se não tiver fundadas razões para indeferir o pedido, deverá julgálo

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENSINO DE DIREITO UEDI

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENSINO DE DIREITO UEDI REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENSINO DE DIREITO UEDI Sete Lagoas - 2010 REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ - DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO 2010 Fundação Educacional de Além Paraíba Mantenedora Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Mantida Profª. Karime Augusta Baranda Fortes Zanardi

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais