Liberdade para as ideias que odiamos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liberdade para as ideias que odiamos"

Transcrição

1 Anthony Lewis Liberdade para as ideias que odiamos Uma biografia da Primeira Emenda à Constituição americana Tradução Rosana Nucci

2 Introdução A sociedade americana é a mais franca que existe. Os americanos são mais livres do que qualquer outro povo para pensar o que quiserem e dizer o que pensam, e mais livres hoje do que no passado. Podemos revelar segredos do governo e segredos de alcova. Podemos denunciar nossos governantes, e nos denunciar uns aos outros, quase sem medo das consequências. Há pouquíssima chance de sermos impedidos por um tribunal de publicar o que quisermos: na mídia impressa, no rádio, na televisão ou na internet. Expressões odiosas e chocantes, políticas ou artísticas, são quase todas livres para ingressar no mercado de ideias. Outros países que pensamos ser como o nosso a Grã-Bretanha, por exemplo têm muito mais restrições ao que pode ser dito. Por que somos diferentes? De onde vem nossa liberdade extraordinária? A resposta mais comum é da Primeira Emenda. Essa emenda à Constituição dos Estados Unidos estipula, entre outras coisas, que o Congresso não fará nenhuma lei [...] que restrinja a liberdade de expressão, ou da imprensa [...]. * * Congress shall make no law [...] abridging the freedom of speech, or of the press. (N. T.) 9

3 anthony lewis Mas essas catorze palavras não podem por si sós explicar nossa grande liberdade, porque durante muitas décadas não protegeram a expressão crítica. Em 1798, apenas sete anos após a Primeira Emenda ter sido adicionada à Constituição, o Congresso aprovou uma lei que punia comentários desrespeitosos sobre o presidente; editores foram presos por zombar do presidente John Adams. Um século depois, por força de outra lei aprovada pelo Congresso, homens foram sentenciados a vinte anos de prisão por criticar uma decisão política do presidente Woodrow Wilson. Hoje, todo presidente americano é alvo de crítica e zombaria. É inconcebível que mesmo o crítico mais mordaz seja preso por suas palavras. Se um processo desse tipo fosse tentado, os tribunais o rejeitariam por estar em conflito com a Primeira Emenda. Portanto, algo aconteceu com as catorze palavras das cláusulas que tratam de expressão e imprensa. Seu significado mudou. Ou, mais precisamente, o entendimento daquelas palavras mudou: o entendimento dos juízes e o do público. Dizer isso é abrir o caminho para a compreensão de um processo misterioso e notável: a mudança na interpretação de nossa lei fundamental. Estamos submetidos a uma Constituição, disse o ministro Charles Evans Hughes, presidente da Suprema Corte, mas a Constituição é o que os juízes dizem que ela é. 1 Hoje, isso pode soar como uma descrição cínica daquilo que os críticos de direita chamam de ativismo judicial. Mas Hughes, que disse isso em 1907, três anos antes de ser nomeado para a Suprema Corte, pensava estar declarando o óbvio. Alguém precisa interpretar as palavras de nossa Constituição do século 18 e suas emendas; em nosso sistema, tal como ele se desenvolveu, essa tarefa cabe aos tribunais. 10

4 liberdade para as ideias que odiamos Juízes não agem no vácuo. São influenciados pelas atitudes da sociedade, e a sociedade, por sua vez, pode ser influenciada pelo que dizem os tribunais. Assim, a história, o direito e a cultura contribuem para o processo de definição do que a Constituição ordena. Quando dizemos hoje que a Primeira Emenda garante nossa liberdade, nos referimos não apenas a seu breve texto mas também ao vasto corpo de leis que juízes criaram ao longo dos anos ao aplicá-la às questões que foram submetidas a sua apreciação. Quando um dissidente queima a bandeira nacional para protestar contra políticas públicas, essa é uma forma de expressão protegida pela Primeira Emenda? Os gastos com campanhas políticas são imunes à regulação por serem uma forma de expressão protegida? E quanto a um ataque baseado em falsidade que prejudica um político: pode este receber indenização por difamação? Ao responder a essas perguntas, os tribunais recorrem ao que juízes anteriores disseram sobre questões mais ou menos análogas. Cada decisão torna-se um precedente para outras. É o chamado método do common law, porque, durante séculos, os juízes ingleses e depois os americanos criaram as regras de propriedade, contratos e assim por diante baseados no common law : o direito definido não por regulamentos explícitos mas por decisões judiciais. A definição de nossas leis fundamentais dessa forma é um verdadeiro drama, e em nenhum outro caso é tão dramática quanto na lei da Primeira Emenda. Tem sido um drama desde 1791, e é ainda hoje: uma história sem fim. A lei da Primeira Emenda suscita perguntas difíceis, para os juízes e para todos nós. Quão desregulamentada queremos realmente que nossa sociedade seja? Onde deve ser traçada a linha divisória entre a liberdade e a 11

5 anthony lewis ordem? A exigência de não haver nenhuma lei que restrinja a liberdade de expressão e de imprensa é absoluta? Essas são algumas das questões que discuto neste livro à medida que exploro o significado da Primeira Emenda no direito e na sociedade. A história da Primeira Emenda é um testemunho poderoso do papel crucial dos juízes em um sistema político que se apoia em uma base jurídica. Como disseram James Madison e os outros autores da Constituição americana, em uma república os eleitores são os soberanos absolutos. Mas não se pode esperar que maiorias políticas temporárias articulem os valores fundamentais de uma Constituição, muito menos quando os interesses imediatos da maioria são conflitantes com esses valores como acontece de tempos em tempos. Os juízes, que têm mandatos longos e são obrigados pela autoridade que lhes é conferida a olhar além de conflitos partidários momentâneos, têm melhores condições de dar voz aos valores mais profundos. Assim ensina a experiência americana. Até a Segunda Guerra Mundial, era prática exclusivamente americana conferir aos tribunais, em especial à Suprema Corte, um papel significativo na estrutura de governo. Nenhuma outra sociedade democrática tinha uma Constituição imposta por juízes. Na Grã-Bretanha e em seu império, prevalecia a doutrina da supremacia parlamentar; o que quer que um parlamento fizesse por mais discriminatório ou injusto que fosse era lei. Mas as tiranias do século 20 trouxeram uma mudança. Em uma palestra que fez em 1998, Aharon Barak, o então presidente da Suprema Corte israelense, explicou essa mudança. No passado, disse ele, as pessoas pensavam que o respeito a valores básicos podia ser garantido simplesmente pela autocontenção da maioria. Mas, após os nazistas, a lição que ficou foi que deve haver 12

6 liberdade para as ideias que odiamos limites formais ao poder da maioria. A noção de que algo Não se faz precisa ganhar a expressão formal É proibido. 2 E assim, um após outro, os países adotaram a democracia constitucional, dando aos juízes a última palavra sobre questões básicas. Foi esse o padrão em um Estado com um sistema tão profundamente republicano como a França, e depois na Alemanha reconstruída. Ele foi seguido nas grandes ex-colônias britânicas, notadamente a Índia e a África do Sul. E os países europeus adotaram uma Convenção Europeia de Direitos Humanos, imposta por um Tribunal de Direitos Humanos. Com o tempo, até a Grã-Bretanha concordou que seus tribunais fossem regulados pela Convenção Europeia. Como mostra a história da Primeira Emenda, incluir uma garantia em uma carta magna não assegura que ela será cumprida. Afinal, nos Estados Unidos, levou mais de um século para que os tribunais começassem a proteger oradores e editores de oposição contra a repressão do governo. Ou, dizendo de outra forma, foi preciso tempo para que os juízes passassem a agir de acordo com a promessa fundamental daquelas catorze palavras da Primeira Emenda: que este seria um país de livre expressão e liberdade de imprensa. Tempo, imaginação e coragem. Juízes tímidos e pouco imaginativos não poderiam ter tornado os Estados Unidos tão extraordinariamente livres como são hoje. Liberdade para dizer e escrever o que se quer é uma necessidade inescapável da democracia. Os juízes do Tribunal Europeu de Direitos Humanos entenderam isso quando, em 1986, consideraram o direito de criticar líderes políticos. Eles não discutiram a questão no vazio, mas baseados na experiência e nas decisões americanas. 13

7 anthony lewis Um jornalista austríaco, Peter Michael Lingens, havia escrito artigos acusando um político de oportunismo imoral. O político moveu uma ação judicial por difamação e os tribunais austríacos determinaram que ele fosse indenizado. Lingens recorreu ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos, que concluiu que julgá-lo por difamação violava a Convenção de Direitos Humanos sua cláusula que garante a liberdade de expressão. Essa liberdade, disse o tribunal, constitui um dos fundamentos essenciais de uma sociedade democrática [...] É aplicável não só a informação ou ideias que são recebidas favoravelmente ou consideradas inofensivas [...] mas também àquelas que ofendem, chocam ou incomodam. São essas as exigências do pluralismo, da tolerância e da abertura sem os quais não existe sociedade democrática. 3 Em outras palavras, como disse o ministro da Suprema Corte americana Oliver Wendell Holmes Jr., liberdade para as ideias que odiamos. 4 Quando uma disposição constitucional não tem uma história discernível, como é o caso da Primeira Emenda nenhuma discussão significativa por parte de seus autores sobre o que queriam dizer, como os juízes começam a julgar casos concretos baseados em seu texto? Este é um assunto para um debate interminável. Mas uma coisa é certa. Os juízes, por mais corajosos que sejam, fazem parte da sociedade e são influenciados pelas atitudes que ela toma. Para dar um exemplo extremo: a experiência nazista fez com que mais americanos, e mais juízes, entendessem o caráter devastador da discriminação religiosa e racial. A ministra da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg, ao falar na Universidade da Cidade do Cabo, África do Sul, em 2006, disse: O que fez o entendimento da Suprema Corte surgir e se de- 14

8 liberdade para as ideias que odiamos senvolver? Juízes leem jornais e, como disse certa vez o renomado professor de direito constitucional Paul Freund, são afetados não pela previsão do tempo do dia, mas pelo clima da época. 5 A ministra Ginsburg falava sobre discriminação de gênero. Mas seu argumento se aplica ao drama da interpretação expansiva da Primeira Emenda desde o início do século 20. Grandes juízes como Holmes perceberam, antes da maioria dos juízes e dos americanos, que a liberdade de pensamento era um elemento essencial ao sucesso de nossa sociedade plural. Mas o comprometimento do Judiciário com a liberdade de expressão cresceu juntamente com o dos cidadãos; um influenciava o outro. E cabe lembrar que o regulamento que tornava crime criticar um presidente, e que era aplicado pelos juízes, foi rejeitado pelos eleitores americanos na eleição de 1800 por ser incompatível com a Primeira Emenda e com os ideais americanos. O significado da Primeira Emenda foi, e será, moldado por cada geração de americanos: por juízes, líderes políticos, cidadãos. Sempre haverá autoridades que tentarão tornar sua própria vida mais confortável por meio da eliminação de comentários críticos. Sempre haverá diretores de escola como aquele da cidade de Wilton, no estado de Connecticut, que em 2007 cancelou uma peça teatral montada pelos alunos sobre a guerra no Iraque porque ela poderia incomodar algumas famílias. 6* Mas estou convencido de que o compromisso americano fundamental com a expressão livre, a expressão que incomoda, não está mais em dúvida. * A peça, montada por adolescentes alunos da Wilton High School, era intitulada Vozes em conflito e se baseava em reflexões de soldados, entre elas uma carta de um ex-aluno da escola morto no Iraque aos dezenove anos. (N. E.) 15

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver SESSÃO: 255-S0 DATA: 27/08/15 FL: 1 DE 5 O SR. TONINHO VESPOLI (PSOL) - Boa tarde novamente a todos e a todas. Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

RESPONSABILIDADE INTERPRETATIVA - TECNOLOGIA E SPED SUPERANDO O LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO

RESPONSABILIDADE INTERPRETATIVA - TECNOLOGIA E SPED SUPERANDO O LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO RESPONSABILIDADE INTERPRETATIVA - TECNOLOGIA E SPED SUPERANDO O LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO Guilherme Villela de Viana Bandeira Introdução No Brasil, confundimos direito tributário com contencioso em direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

50 ANOS DO CASO LÜCH

50 ANOS DO CASO LÜCH Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ FORTALEZA 2008 2 Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ 1 1 Aluna: Bruna

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 43 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais O percurso desta dissertação girou em torno da proposta de situar a questão da iniciativa popular legislativa nas dinâmicas da Assembleia Nacional Constituinte e da Constituição

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

Juiz de NY declara Argentina em desacato por não pagar a fundos abutres

Juiz de NY declara Argentina em desacato por não pagar a fundos abutres Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Internacional Versão: Online Juiz de NY declara Argentina em desacato por não pagar a fundos abutres Thomas Griesa não decidiu que punição aplicará ao país,

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

Dez palavras sobre laicidade* 1. O Estado laico não é um Estado ateu. O Estado laico não é nem católico, nem

Dez palavras sobre laicidade* 1. O Estado laico não é um Estado ateu. O Estado laico não é nem católico, nem Obrigada pelo convite para estar no X Seminário LGBT do Congresso Nacional, em particular ao deputado Jean Wyllys pelo convite. Em dez minutos, desejo explorar a tensão teórica e prática da laicidade em

Leia mais

A ideia de constituição

A ideia de constituição A ideia de constituição A Revolução Federal Filosofia politica e debate constitucional na fundação dos E.U.A Viriato Soromenho-Marques II Capítulo; pág.41 Apresentação de Rojer Rafael Tomás Soares Nº 36267

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 61 Discurso na cerimónia de criação

Leia mais

Imigração: problema ou solução?

Imigração: problema ou solução? Imigração: problema ou solução? Análise Segurança / Integração Regional Letícia Carvalho de Mesquita Ferreira 29 de abril de 2004 1 Imigração: problema ou solução? Análise Segurança / Integração Regional

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO.

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. 1 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. Clarissa Felipe Cid 1 Sumário:1. Introdução. 2. A distinção entre direitos humanos e fundamentais. 3. Como são aplicadas

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ÍNDICE INSS - RLM...2 Proposições Conceitos Iniciais...2 1 Proposições Conceitos Iniciais Conceito: AlfaCon Concursos Públicos INSS - RLM _ Características: _ Valores: _ Princípios

Leia mais

Discurso proferido na solenidade de posse dos Juízes aprovados no XLV Concurso de Ingresso na Magistratura de Carreira do Estado do Rio de Janeiro

Discurso proferido na solenidade de posse dos Juízes aprovados no XLV Concurso de Ingresso na Magistratura de Carreira do Estado do Rio de Janeiro SOBRE SONHOS E HERÓIS Bruno Vinícius Da Rós Bodart Discurso proferido na solenidade de posse dos Juízes aprovados no XLV Concurso de Ingresso na Magistratura de Carreira do Estado do Rio de Janeiro Excelentíssima

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE 2013 Temos lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o processo de formação de Atletas no Brasil, emitidas

Leia mais

QUESTÕES E MITOS SOBRE O PROJETO DE LEI 6602/13

QUESTÕES E MITOS SOBRE O PROJETO DE LEI 6602/13 QUESTÕES E S SOBRE O PROJETO DE LEI 6602/13 QUE REGULAMENTA OS EXPERIMENTOS COM ANIMAIS PARA FINS COSMÉTICOS GERANDO UM ENORME RETROCESSO ÀS CONQUISTAS OBTIDAS NA LEGISLAÇÃO JÁ EM VIGOR De acordo com nossa

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA COMUNICADO As razões que nos trazem hoje aqui entristecem-nos. Contudo, no seguimento de uma série de eventos que têm ocorrido, esta tornou-se na única resposta possível aquilo que sentimos como uma afronta

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia lançamento do Marco Regulatório da Mineração - Brasília/DF

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia lançamento do Marco Regulatório da Mineração - Brasília/DF Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia lançamento do Marco Regulatório da Mineração - Brasília/DF Deputado André Vargas, presidente em exercício da Câmara dos Deputados.

Leia mais

Carta Aberta do FETI contra a redução da idade mínima para o trabalho

Carta Aberta do FETI contra a redução da idade mínima para o trabalho Carta Aberta do FETI contra a redução da idade mínima para o trabalho O Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente no Trabalho de Santa Catarina FETI/SC, espaço permanente

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

COMMON LAW E CIVIL LAW: UMA ANÁLISE DOS SISTEMAS JURÍDICOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO E SUAS INFLUÊNCIAS MÚTUAS

COMMON LAW E CIVIL LAW: UMA ANÁLISE DOS SISTEMAS JURÍDICOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO E SUAS INFLUÊNCIAS MÚTUAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMMON LAW E CIVIL LAW: UMA ANÁLISE DOS SISTEMAS JURÍDICOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO E SUAS INFLUÊNCIAS MÚTUAS Ramon Alberto dos Santos 1, Renê José

Leia mais

O ESPIRITISMO E A MAÇONARIA

O ESPIRITISMO E A MAÇONARIA O ESPIRITISMO E A MAÇONARIA Eliseu Mota Júnior motajunior@uol.com.br A origem da Maçonaria remonta aos povos mais antigos e vem acompanhando, dentro dos rigores da sua tradição secreta e ritualista, cada

Leia mais

REFORMA DO JUDICIÁRIO: A JUSTIÇA MILITAR

REFORMA DO JUDICIÁRIO: A JUSTIÇA MILITAR REFORMA DO JUDICIÁRIO: A JUSTIÇA MILITAR ARMANDO BRASIL TEIXEIRA A emenda constitucional nº 45 conhecida como Reforma do Judiciário acarretou mudanças na estrutura de funcionamento da Justiça Militar Estadual.

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES A G E N D A 2007 as 4 SÉRIES ÍNDICE Proposta da ONU... 04 Compromisso do Brasil... 05 Cada cidade responsável por sua agenda 21... 07 Dia internacional da Água... 09 Dia do Meio Ambiente... 12 Dia da Árvore...

Leia mais

DECRETO N.º 1.255, de 29 de setembro de 1994

DECRETO N.º 1.255, de 29 de setembro de 1994 ALONÇO, A. dos S. 1 DECRETO N.º 1.255, de 29 de setembro de 1994 Promulga a Convenção n.º 119, da Organização Internacional do Trabalho, sobre Proteção das Máquinas, concluída em Genebra, em 25 de junho

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra A PROIBIÇÃO DA DESPEDIDA ARBITRÁRIA NAS LEGISLAÇÕES NACIONAIS: UMA PERSPECTIVA DE DIREITO COMPARADO * Halton Cheadle ** Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra para mim estar

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL. Projeto de Lei Nº 368/XII

AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL. Projeto de Lei Nº 368/XII AUDIÇÃO NA COMISSÃO PARLAMENTAR DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL Projeto de Lei Nº 368/XII Protecção dos direitos individuais e comuns à água O projecto de Lei para Protecção dos direitos

Leia mais

Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida

Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS Tem meio ano para pedir insolvência Nem sempre é fácil perceber quando se entra em insolvência. Raul Gonzalez dá um

Leia mais

TRANSCRIÇÃO PROF. MIRACY

TRANSCRIÇÃO PROF. MIRACY TRANSCRIÇÃO PROF. MIRACY Somos um programa da faculdade de direito da UFMG. minha fala talvez, vai ser por isso um pouco diferenciada das demais abordarei não direito do trabalho em si e ou as suas transformações

Leia mais

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET Julia Annas Platão Tradução de Marcio de Paula S. Hack www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o Ca p í t u l o 1: Discutindo com Platão...7 Ca p í t u l o 2: O nome de Platão e outras questões...18 Ca

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 216ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 17/02/11 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, telespectadores da TV Câmara,

Leia mais

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer?

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? O educador pode contribuir para prevenir o abuso de drogas entre adolescentes de duas formas básicas: incentivando a reflexão e a adoção de

Leia mais

A MAIORIDADE PENAL NO BRASIL E EM OUTROS PAÍSES

A MAIORIDADE PENAL NO BRASIL E EM OUTROS PAÍSES A MAIORIDADE PENAL NO BRASIL E EM OUTROS PAÍSES RIBAMAR SOARES Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO Woille Aguiar Barbosa 1 1. RESUMO Neste trabalho, é apresentado um panorama das diversas concepções do constitucionalismo, através de um

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca SOLENIDADE DE LANÇAMENTO DO SISTEMA

Leia mais

PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Universidade Federal de Itajubá Título da dissertação: OS MANUAIS DOS PROFESSORES DOS LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo

Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo Paulo Ricardo Rocha Caproni (2014) Contém nota pedagógica A identidade religiosa do povo brasileiro é multifacetada, fruto de influências

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 3.198 - US (2008/0069036-9) RELATÓRIO MINISTRO HUMBERTO GOMES DE BARROS: Agravo interno contra exequatur concedido pelo eminente Ministro Marco Aurélio do STF. Em suma, a decisão

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo. Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes

DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo. Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes O SR. FRANCISCO BATISTA JÚNIOR (PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes da nossa Mesa que, neste momento, estão dividindo

Leia mais

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG).

Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Trechos do voto do Ministro CELSO DE MELLO proferido na sessão plenária de 22 de outubro de 2012 (AP 470/MG). Em mais de 44 anos de atuação na área jurídica, primeiramente como membro do Ministério Público

Leia mais

Declaração Política. (A Ditadura Açoriana)

Declaração Política. (A Ditadura Açoriana) Declaração Política (A Ditadura Açoriana) Os primeiros Parlamentos Liberais da História criaram o sistema de imunidades parlamentares. Este mecanismo de salvaguarda da independência parlamentar foi concebido

Leia mais

Resposta ao Pedido de Esclarecimento

Resposta ao Pedido de Esclarecimento PROCESSO LICITATÓRIO nº: 067/2016 PREGÃO PRESENCIAL nº: 046/2016 Resposta ao Pedido de Esclarecimento A empresa CAMPTÉCNICA COMÉRCIO DE RELÓGIOS DE PONTO LTDA, inscrita sob o CNPJ 65.664.955/0001-99 impetrou

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 100 Discurso na cerimónia do dia

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Atribuições dos Tecnólogos

Atribuições dos Tecnólogos UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONTRUÇÃO CIVIL EDIFÍCIOS E ESTRADAS Atribuições dos Tecnólogos Prof.ª Me. Fabiana Marques Maio / 2014 SOBRE O TECNÓLOGO Segundo

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de julho de 2013, na 1176.ª reunião dos Delegados dos Ministros)

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14 1 A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14 EMENTA: Não será aplicada multa regimental pela intempestividade na remessa das prestações de contas aos responsáveis por entidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Entrevista ao Jornalista John Siceloff,

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA RESUMO: Palavras-Chave: Jurisprudência Direito - Decisões

JURISPRUDÊNCIA RESUMO: Palavras-Chave: Jurisprudência Direito - Decisões 1 JURISPRUDÊNCIA Maria Helena Domingues Carvalho, Aluna do 9º. Semestre do Curso de Direito do CEUNSP noturno. RESUMO: Este artigo trata da Jurisprudência, seu conceito e sua relevância no universo jurídico.

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

O Ensino Religioso nas Escolas Públicas e o Estado Laico

O Ensino Religioso nas Escolas Públicas e o Estado Laico O Ensino Religioso nas Escolas Públicas e o Estado Laico Resumo Por Danilo Feitoza Melo e Rafael Gomes de Freitas O objetivo deste trabalho é mostrar, através de uma análise sobre o ensino religioso nas

Leia mais

Marco Civil da Internet muda o uso da rede, mas ainda é incógnita para muitos

Marco Civil da Internet muda o uso da rede, mas ainda é incógnita para muitos Marco Civil da Internet muda o uso da rede, mas ainda é incógnita para muitos Shirley Pacelli Eu tô te explicando pra te confundir. Eu tô te confundindo pra te esclarecer. Como define o cantor e compositor

Leia mais

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS 1 I. Introdução: - A vida em Sociedade exige regramento; - As Normas Reguladoras das relações humanas; - A aplicação das sanções (punições): maior ou menor grau

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 23 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.004, DE 2013 (Do Sr. Vicente Candido)

PROJETO DE LEI N.º 7.004, DE 2013 (Do Sr. Vicente Candido) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº 7004, DE 2013 (Do Sr Vicente Candido) Altera a Lei nº 8977, de 6 de janeiro de 1995, que "dispõe sobre o serviço de TV a Cabo e dá outras providências" DESPACHO:

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

Hutukara Associação Yanomami - HAY

Hutukara Associação Yanomami - HAY RELATÓRIO DE VISITA PARLAMENTAR NA TERRA INDÍGENA YANOMAMI (COMISSÃO ESPECIAL QUE ANALISA O PROJETO DE LEI Nº. 1.610 REGULAMENTANDO A EXPLORAÇÃO E APROVEITAMENTO DE RECURSOS MINERAIS EM TERRAS INDÍGENAS).

Leia mais

Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet

Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Julho de 1996 São apresentadas as primeiras queixas criminais contra Augusto Pinochet, com acusações de genocídio e terrorismo no Supremo Tribunal de

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais