JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO"

Transcrição

1 JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO Justificamos a atualização do curso Técnico em Análises Químicas, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais, em conformidade com a alteração da Legislação que embasa a Educação Profissional e de acordo com o Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos 2012 e a Resolução CEE Nº 167, 22/10/2013. Atualização nos seguintes itens: Alteração do nome do Curso Técnico em Química para Técnico em Análises Químicas; Alteração dos Componentes Curriculares de acordo com as exigências do mercado profissional atual; Redução da Carga Horária do Estágio Supervisionado obrigatório de 500 horas para 300. O novo Plano de Curso em sua justificativa, objetivo e componente curriculares visa, o Perfil Profissional de acordo, com as necessidades do mundo do trabalho, sempre em permanente transformação, face ao desenvolvimento de novas técnicas e inovações, em todas as áreas do conhecimento. O Curso Técnico em Análises Químicas, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais, propõe formar profissionais com competências técnicas, sociais e de gestão, capacitando-os a mobilizar e colocar em ação, valores, conhecimentos e habilidades necessárias para o desempenho eficiente e eficaz, exigidas pela área da Química. Quanto à Organização Curricular, destacando-se no desenvolvimento do currículo, a interdisciplinaridade e a pedagogia de projetos, tudo isso vinculado com as experiências de vida do aluno, o mundo do trabalho e outros diferentes aspectos da vida em sociedade. Saliente-se também o tratamento transversal de temas que, por seu significado e importância para a formação do aluno, devem permear o desenvolvimento curricular, tais como: higiene, saúde, segurança no trabalho, educação ambiental, ética, cidadania.

2 1. IDENTIFICAÇÃO: CNPJ/CGC Endereço Telefone: / Av: Castelo Branco 109 Bairro Universitário Lages - SC (49) Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais Plano de Curso para: Habilitação: Carga Horária Estágio horas Técnico em Análises Químicas 1200 horas 300 horas Carga Horária Total 1500 horas

3 1.1 - MANTENEDORA Secretaria de Estado da Educação, Ciências e Tecnologia Rua: Antonio Luz 111 Centro Florianópolis - SC CNPJ / Fone (48) UNIDADE ESCOLAR Centro de Educação Profissional "Renato Ramos da Silva" CEDUP Av: Castelo Branco 109 Bairro Universitário Lages SC Fone (49) Corpo Técnico Nome Função Habilitação Aldo Spessatto Diretora Geral Licenciado em Ciências Sociais Elizabeth Iara Zappeline Becker Assessora de Direção Licenciada em Letras Especialização Metodologia do Ensino Franciele Aparecida da Silva Assistente de Educação Magistério de 2º Grau Eva Juçara Dotta Rejane Apª Pagno Lemos Diane Aglaé Perkowski Nádia Aparecida Passos Conceição Aparecida dos Santos Amaral Burdzaki Assistente de Educação Licenciada em Pedagogia Especialização Psicopedagoga Assistente de Educação Licenciada em Matemática Especialização em Práticas Pedagógicas Orientadora Licenciada em Pedagogia Educacional Especialização em Supervisão e Orientadora Educacional Supervisora Escolar Orientação Escolar Licenciada em Pedagogia Especialização em Metodologia do Ensino Licenciada em Pedagogia Especialização Administração e Supervisão Escolar Lelia Stelita Policastro de Lima Supervisora Escolar Licenciada em Pedagogia Mestre em Sociologia Márcia Aparecida Costa Administradora Escolar Licenciada em Pedagogia Mestre em Administração Pública Rita de Cassia Nunes Ataide Assistente Técnico Licenciada em Biologia Pedagógico Mestre Produção Vegetal Eliane Apª S. S. Weber Assistente Técnico Licenciada em Letras Pedagógico Especialização Língua Portuguesa Albertina Eliana Baumgart Assistente Técnico Licenciada em Matemática Schawalb Pedagógico Especialização em Matemática

4 Vilmar Flores de Oliveira Assistente Técnico Pedagógico Bacharel em Ciências Economia Licenciada em Administração Especialização em Prática em Psicopedagogia e Gestão Escolar Carlos Roberto Oliveira Coordenador do Curso Licenciatura em Física, Química RELAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS QUE A ESCOLA OFERECEU OU OFERECE (INTEGRADO, CONCOMITANTE OU SUBSEQUENTE): Eixo Tecnológico Nome do Curso Número do Parecer/ Data (com cópia em anexo) Ensino Médio Integrado Parecer Nº 064 Ambiente e Saúde Técnico em Biotecnologia 10/03/2009 Técnico em Enfermagem Parecer Nº /11/2001 Técnico em Saúde Bucal Parecer Nº /09/2005 Controle e Processos Industriais Técnico em Química Parecer Nº /10/2004 Ensino Médio Integrado Parecer Nº 042 Técnico em Recursos Humanos 17/02/2009 Técnico em Administração Parecer Nº 437 1º/10/2002 Técnico em Contabilidade Parecer Nº 436 Gestão e Negócios 1º/10/2002 Técnico em Secretariado Parecer Nº /07/2003 Técnico em Vendas Parecer Nº /10/2004 Ensino Médio Integrado Parecer Nº 030 Técnico em Informática 03/02/2009 Informação e Técnico em Informática Parecer Nº 176 Comunicação 15/07/2003 Técnico em Manutenção e Parecer Nº 173 Suporte em Informática 15/07/2003 Infraestrutura Ensino Médio Integrado Técnico em Saneamento Parecer Nº /02/2009 Técnico em Edificações Parecer Nº /07/2003 Técnico em Segurança do Parecer Nº 247 Segurança Trabalho 21/05/2002 Turismo e Técnico em Turismo e Parecer Nº 17 Hospitalidade e Lazer Hospitalidade 15/07/2003

5 2. PLANO DE CURSO 2.1 JUSTIFICATIVA DO CURSO O setor químico nacional passa por profundas transformações seja pela prolongada crise econômica, seja pelo modelo globalizante no qual o País se inseriu. Se, por um lado, a internacionalização das nossas relações comerciais contribui para modernizar nosso modelo produtivo e até para vislumbrar novos mercados consumidores, por outro, a incorporação de novos modelos administrativos, tecnológicos e, notadamente, a própria estabilidade das economias representam uma força que age na direção do crescimento. Com o avanço científico e tecnológico, a mundialização dos mercados, a nova ordem no padrão de relacionamento econômico entre as nações, o deslocamento da produção para outros mercados, a diversidade e multiplicação de produtos e de serviços, a tendência à conglomeração das empresas, à crescente quebra de barreiras comerciais entre as nações e à formação de blocos econômicos regionais, a busca de eficiência e de competitividade industrial, através do uso intensivo de tecnologias de informação e de novas formas de gestão do trabalho, são, entre outras, evidências das transformações estruturais que modificam os modos de vida, as relações sociais e do mundo do trabalho, e impõem novas exigências às instituições responsáveis pela formação profissional dos cidadãos. Santa Catarina é um Estado com forte vocação industrial. Hoje, a indústria de transformação catarinense é a quarta do país em quantidade de empreendimentos e a quinta em número de mão de obra, segundo dados da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), de O setor responde por 37% dos empregos formais do Estado. Mas a diversidade da economia industrial de Santa Catarina é um dos seus pontos fortes, com a produção concentrada em diversos polos: cerâmico, produtos plásticos e carvão no Sul; alimentar no Oeste; móveis no Norte; têxtil, vestuário e naval no Vale do Itajaí; metalurgia, máquinas e equipamentos, materiais elétricos e autopeças, além da recente indústria automotiva, no Nordeste; madeireiro e papel, celulose e alimentos na região Serrana, e o núcleo tecnológico na Capital. Os investimentos na indústria química brasileira têm potencial para chegar a 167 bilhões de dólares até 2020 e criar mais de 2 milhões de empregos, segundo um estudo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). Nesse cenário, amplia-se a necessidade e a possibilidade de formar os jovens capazes de lidar com o avanço da ciência e da tecnologia e dele participar de forma proativa na sociedade e no mundo do trabalho. O Curso Técnico em Análises Químicas, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais, procura atender as demandas social, cultural e econômica e as diretrizes legais, qualificando profissionais que atendam à necessidade do mercado emergente na região e no estado, em conformidade com os fundamentos legais que orientam a educação brasileira. O CEDUP Renato ramos da Silva, como instituição que tem por finalidade formar e qualificar profissionais no âmbito da educação tecnológica, nos diferentes níveis e modalidades de ensino, para os diversos setores da economia, redefiniu sua função social em consonância com as necessidades identificadas a partir da compreensão deste contexto social e econômico. Dessa forma, consciente do seu papel social, entende que não pode prescindir de

6 uma ação efetiva que possibilite a definição de projetos que permitam o desenvolvimento de um processo de inserção do homem na sociedade, de forma participativa, ética e crítica. O plano ora apresentado teve como eixo orientador a perspectiva de uma formação profissional como constituinte da integralidade do processo educativo. Assim, os componentes curriculares integram-se e articulam-se garantindo que os saberes científicos e tecnológicos sejam a base da formação técnica. Por outro lado, foram introduzidas disciplinas da área humanas e sociais que permitirão que o técnico em formação se compreenda como sujeito histórico que produz sua existência pela interação consciente com a realidade construindo valores, conhecimentos e cultura. A organização dos conhecimentos, no Curso Técnico em Análises Químicas, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais, enfatiza o resgate da formação humana onde o aluno, como sujeito histórico, produz sua existência pelo enfrentamento consciente da realidade dada, produzindo valores de uso, conhecimentos e cultura por sua ação criativa. A área de Química está no quotidiano do trabalho em vários setores econômicos e joga importante papel no modelo de desenvolvimento adotado no país: das questões ambientais, à segurança alimentar e segurança energética. A Química está presente no cotidiano de todas as pessoas. Assim é uma área que demanda permanente atualização e apresenta uma crescente exigência de trabalhadores qualificados. O currículo foi elaborado contemplando as competências profissionais gerais dos técnicos da área de química especificamente da habilitação do Técnico em Análise de Processos, com foco no perfil profissional de conclusão, prevendo situações que levem o aluno aprender a pensar, a aprender a aprender, a mobilizar e articular conhecimentos, habilidades e valores em níveis crescentes de complexidade. Nesse sentido, a organização da estrutura curricular contextualizou realidades profissionais com práticas pedagógicas de modo a contemplar experiências com novas tecnologias, produtos e materiais, individualmente e em grupo, permitindo ao aluno resolver problemas inerentes às atividades diárias com criatividade e flexibilidade. 2.2 OBJETIVOS DO CURSO Capacitar o aluno, através de conhecimentos sólidos e habilidades específicas, a prestar assistência ao profissional de nível superior e dar oportunidades de conhecimentos administrativos. Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes no aluno em relação à sua atuação como indivíduo, cidadão e profissional, no desempenho de suas atividades considerando o contexto social. Contribuir para formação de técnicos de nível médio que atendam as necessidades do desenvolvimento industrial, buscando incentivá-lo e instigá-lo ao crescimento contínuo, a capacidade de trabalhar em grupo; a superação de problemas sociais, proporcionando o desenvolvimento de competências e habilidades a partir das bases tecnológicas; tanto para atuar como empregado ou como profissional autônomo. Habilitar o profissional no exercício de atividades de planejamento, desenvolvimento, supervisão, manuseio, preservação, armazenamento de matéria-prima, preparo, controle de produção e manutenção, relacionadas aos processos laboratoriais e de industrialização de insumos e produtos, visando ao atendimento da legislação e à qualidade e produtividade.

7 2.3 - PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO O Técnico em Análises Químicas é um profissional que realiza amostragens, análises químicas, físico-químicas e microbiológicas. Atuam no planejamento, coordenação e execução de processos de analises laboratoriais com responsabilidade ambiental e em conformidade com as normas técnicas, normas de qualidade e de boas práticas de manufatura e de segurança COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Conhecer os procedimentos de segurança das indústrias químicas, bem como conhecimentos de análise de risco e processos, de impacto ambiental. Interpretar e analisar conceito de economia, de administração, procedimentos manuais técnicos e literatura específica da indústria química em geral. Saber procedimentos de amostragem, manuseio e transporte/armazenagem de matérias primas, reagentes, produtos e utilidades. Realizar preparo e manuseio de amostras para a execução e tratamento dos dados de análise de controle de qualidade de reagentes e produtos através de técnicas de análises físicas, químicas e microbiológicas ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O currículo foi elaborado contemplando as competências profissionais gerais dos técnicos do Eixo de Controle e Processo Industriais específicas da habilitação do Técnico de Análise Químicas, com o foco no perfil profissional de conclusão e organizado em módulos, num total de 1200 horas de aulas teóricas e práticas, mais 300 horas de Estágio Supervisionado e apresentação do Relatório de Estágio em banca Módulos Módulo I: Disciplinas básicas, sem terminalidade, com a finalidade de nivelamento para os módulos II e III com 400 horas. Módulo II: Módulo com 400 horas de aulas teóricas e práticas, neste Módulo está incluído a obrigatoriedade da apresentação de um Projeto de Pesquisa, na área de Produção e Processamento Industrial em Química. Módulo III: Com 800 horas de aulas práticas e teóricas e práticas, sem terminalidade, sendo pré-requisitos para o módulo IV. Neste Módulo está incluída a obrigatoriedade de atividades complementares como visitas técnicas, palestras, seminários e apresentação de Projeto de Trabalhos Práticos na área de Análises Química. Módulo IV: Com terminalidade ocupacional de Técnico em Análises Químicas, com 200 horas, de Estágio Supervisionado. No final deste módulo, após conclusão do estágio o aluno deverá apresentar relatório das atividades do estágio supervisionado, em banca constituída por professores do curso.

8 2.7 - COMPONENTES CURRICULARES Os componentes curriculares são apresentadas em módulos, atendendo ao disposto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei Federal nº 9.394/96, de 20/12/96, no Parecer CNE-CEB nº 16/99, de 05/10/99, na Resolução CNE-CEB nº 04/99, de 08/12/99 e na Resolução CEE nº 90/99. Resolução CNE/CEB nº 3/2008, que instituiu o Catálogo Nacional dos cursos Técnicos de Nível Médio e Resolução CNE/CEB nº 01 de junho de 2012, que trata da atualização do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, Parecer CNE/CEB nº 7/2010 que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica, Resolução CNE/CEB 4/2010, Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica, Decreto nº 5.154/2004, Lei Complementar nº 170/98, que dispõe sobre o Sistema Estadual de Educação, Resolução CEE/SC nº 268/2013, que define normas complementares e operacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio.

9 MATRIZ DIURNO Nome do Curso: Técnico em Análise Química Nº de semanas letivas: 20 semanas Nº de dias Semanais de efetivo trabalho: 05 dias Duração da hora aula: 48 minutos Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Português Instrumental Metodologia Científica e da Pesquisa 16 horas Ginástica Laboral 16 horas Metrologia Química 80 horas Módulo I Sociologia do Trabalho 16 horas Gestão de Recursos Aplicativos de Química Física Aplicada 64 horas Química 48 horas Segurança, Saúde Química Inorgânica Carga Horária do Módulo I 400 horas Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Boas Práticas de Laboratório e Fabricação 16 horas Análise Instrumental 64 horas Química Orgânica 64 horas Módulo II Microbiologia Aplicada 64 horas Eletroquímica e Corrosão Processos Industriais 48 horas Química Analítica Qualitativa 48 horas Química Analítica Quantitativa 64 horas Carga Horária do Módulo II 400 horas Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Módulo III Tópicos Especiais em Produção Psicologia Aplicada Tecnologia e Gestão Ambiental Bioquímica 64 horas Físico Química 64 horas Técnicas Experimentais de Química 96 horas Tecnologia Química 80 horas Carga Horária do Módulo III 400 horas Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Módulo IV Estágio Supervisionado 300 horas Carga Horária do Módulo IV 300 horas Carga Horária Total do Curso 1500 horas OBS.: O estágio curricular está no III Módulo, porque aluno que estuda no período matutino tem dificuldade de cumprir paralelo, devido às empresas aceitarem na maioria das vezes somente o estágio com 6 horas diárias. Nosso município é pólo na região serrana e muitos alunos realizam seus estágios em outro município.

10 MATRIZ NOTURNO Nome do Curso: Técnico em Análise Química Nº de semanas letivas: 24 semanas Nº de dias Semanais de efetivo trabalho: 05 dias Duração da hora aula: 40 minutos Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Português Instrumental Metodologia Científica e da Pesquisa 16 horas Ginástica Laboral 16 horas Metrologia Química 80 horas Módulo I Sociologia do Trabalho 16 horas Gestão de Recursos Aplicativos de Química Física Aplicada 64 horas Química 48 horas Segurança, Saúde Química Inorgânica Carga Horária do Módulo I 400 horas Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Boas Práticas de Laboratório e Fabricação 16 horas Análise Instrumental 64 horas Química Orgânica 64 horas Módulo II Microbiologia Aplicada 64 horas Eletroquímica e Corrosão Processos Industriais 48 horas Química Analítica Qualitativa 48 horas Química Analítica Quantitativa 64 horas Carga Horária do Módulo II 400 horas Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Módulo III Tópicos Especiais em Produção Psicologia Aplicada Tecnologia e Gestão Ambiental Bioquímica 64 horas Físico Química 64 horas Técnicas Experimentais de Química 96 horas Tecnologia Química 80 horas Carga Horária do Módulo III 400 horas Módulo Unidade Curricular Carga Horária (h) Módulo IV Estágio Supervisionado 300 horas Carga Horária do Módulo IV 300 horas Carga Horária Total do Curso 1500 horas OBS.: O estágio curricular está no III Módulo, porque nosso município é pólo na região serrana e muitos alunos realizam seus estágios em outro município, muitos estão buscando outra qualificação e não podem realizar seu estágio no campo de trabalho atual, pois as atividades não são afins com o perfil profissional exigido.

11 2.8 - EMENTÁRIOS Português Instrumental (1º Módulo) Comunicação, barreiras da comunicação, Níveis de linguagem, Formas de tratamento, Redações, Discurso direto e indireto, Correspondência Oficial, Leitura e Interpretação de textos. Metodologia Científica e da Pesquisa (1º Módulo) Normas para apresentação de trabalhos. Estrutura, apresentação gráfica, estilo e orientação para digitação, formatação, referências bibliográficas, curriculum vitae e memorial, publicações e periódicos, relatórios, trabalhos acadêmicos; pré-texto, texto, pós-texto, normas aprovadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. Pesquisar, analisar, interpretar ideias e fatos referentes à área profissional. Ginástica Laboral (1º Módulo) Histórico, tipos de ginástica laboral, fatores de risco no ambiente de trabalho, A ginástica laboral na empresa. LER / DORT causas e consequências. Metrologia Química (1º Módulo) Metrologia, definições geral e aplicada à metrologia química, sistema internacional de unidades, medição, exatidão, e precisa. Erros, estatística básica aplicada à medição em laboratório analítico. Sociologia do Trabalho (1º Módulo) Ensino profissionalizante, qualificação, reclassificação, educação continuada, cenários, tendências, desafios, competências e perfil do trabalhador da área. Globalização; mundialização, impactos da globalização. Trabalho e o novo paradigma social. Educação e trabalho para cidadania. Gestão de Recursos (1º Módulo) Princípios de gestão: ferramentas de gestão; Principio de qualidade; ferramenta da qualidade; Gerenciamento da qualidade; Normas técnicas da qualidade; Normas técnicas de segurança e saúde no trabalho. Aplicativos de Química (1º Módulo) Cálculos químicos no Excel, Word e suas ferramentas para fórmulas e equações químicas, Power Point, uso do Chemdraw, tratamento de dados experimentais. Física Aplicada (1º Módulo) Termometria, dilatometria, calorimetria, mudança de estado, calorímetros, transmissão de calor, termodinâmica. Química Inorgânica (1º Módulo) Funções Inorgânicas (Ácidos, bases, sais, óxidos). Equações químicas (reações de síntese e análise, reações de deslocamento, dupla-troca, oxirredução, balanceamento de equações). Cálculo estequiométrico e seus casos particulares (massa atômica, molecular, nº de Avogadro, MOL, volume molar, cálculos de massa e volume, determinação de fórmulas, leis ponderais, volumétricas).

12 Química (1º Módulo) Estudo geral das soluções, Propriedades Coligativas, Estudo geral dos gases. Segurança, Saúde (1º Módulo) Normas Regulamentadoras da Segurança do Trabalho (NR 11 e NR 20); Segurança Química: Produtos Químicos Perigosos; Toxicologia (saúde e meio ambiente); Informação de segurança de produtos químicos; FISPQ (Ficha de informação de segurança de produtos químicos); ficha de emergência para o transporte de produtos químicos; Rotulagem de produtos químicos. Boas Práticas de Laboratório e Fabricação (2º Módulo) Boas Práticas de Laboratório, Técnicas básicas de laboratório; Fenômenos físicos e químicos; Separação de misturas; Densidade; Reações e Catalisadores; Preparo das soluções e Noções de titulometria. Análise Instrumental (2º Módulo) Fundamentos de análise instrumental; Potenciometria; Espectrometria de absorção e de emissão; Cromatografia (métodos, cromatografia em papel). Química Orgânica (2º Módulo) Histórico; Estudo do carbono; Radicais Orgânicos; Funções orgânicas; Relação entre Polaridade das ligações e moléculas orgânicas, forças intermoleculares com as propriedades físicas dos compostos orgânicos; Isomeria; Separação e purificação de compostos orgânicos; Tipos de reações orgânicas e mecanismos; Principais compostos orgânicos. Métodos de Obtenção. Microbiologia Aplicada (2º Módulo) Princípios básicos de microbiologia. Características gerais de bactérias, e fungos. Controle de microrganismos por agentes físicos e químicos. Noções gerais sobre os grupos de fungos e bactérias de interesse em indústria química. Eletroquímica e Corrosão (2º Módulo) Número de oxidação; Reações de oxidação e redução; Pilhas Voltaicas; Eletrólise; Formas de corrosão; Mecanismos de corrosão; Meios corrosivos; Águas Industriais; Métodos de Combate à Corrosão. Processos Industriais (2º Módulo) Estequiometria do Processo. Produtos de limpeza: processos de remoção de sujeiras, sabões, sabonetes e detergentes. Química Analítica Qualitativa (2º Módulo) Fundamentos teóricos. Reações dos cátions. Reações dos ânions. Métodos investigativos de soluções com vários ânions. Análise Orgânica. Química Analítica Quantitativa (2º Módulo) Análise quantitativa estatística. Gravimetria, Volumetria, Complexometria.

13 Tópicos Especiais em Produção (3º Módulo) Operações Unitárias nos Processos Industriais, fluxogramas e descrições técnicas dos processos industriais, desenvolvimento de projetos em escala semi-industrial, normas e requisitos técnicos para o desenvolvimento de relatórios. Psicologia Aplicada (3º Módulo) Conceitos, aspectos básicos, comportamento humano. Comportamento motivacional, relações humanas, comunicação humana, barreiras da comunicação. Personalidade, comportamento. Stress e aspectos preventivos. Chefia e liderança. Aspectos ligados ao atendimento dos diferentes tipos de público. Mudanças organizacionais. Relações públicas, imagem da empresa, postura profissional. Tecnologia e Gestão Ambiental (3º Módulo) Controle de qualidade ambiental; Esgoto industrial; Processo de tratamento de água e esgoto; Legislação ambiental; Sistemas de gestão ambiental na indústria; gerenciamento de resíduos sólidos; Norma ISSO Bioquímica (3º Módulo) Hidratos de Carbono, Aminoácidos, Proteínas, Vitaminas, Hormônios, Óleos e Gorduras, Ciclos Bioquímicos. Físico Química (3º Módulo) Termoquímica; Cinética Química; Equilíbrio Químico; Radioatividade. Técnicas Experimentais de Química (3º Módulo) Extração de óleos essenciais; Purificação do Etanol destinado a bebidas; Produtos de limpeza e domissanitários; Produtos cosméticos e de higiene pessoal (sabonete em barra, sabonete líquido para as mãos, entre outros); Métodos de Conservação de Alimentos; Métodos de Processamento Industrial (Extrusão, Prensagem, entre outros). Tecnologia Química (3º Módulo) Tecnologia de Alimentos; Tecnologia de leite e derivados; Tecnologia de bebidas; Tecnologia de chocolates, Balas e doces; Tecnologia de frutas; Tecnologia de Massas alimentícias e produtos de panificação; Legislação sobre alimentos; Tecnologia de Papel e Celulose; Tecnologia de Produtos Parafínicos. Estágio Supervisionado (4º Módulo) O estágio supervisionado, parte integrante do currículo, destina-se ao desenvolvimento da prática profissional visando proporcionar, aos alunos estagiários, experiências profissionais de participação em situações reais de vida e de trabalho no seu meio e deverá ser realizado em empresa com práticas relacionadas ao campo de trabalho da habilitação proposta COMPETÊNCIAS TÉCNICAS POR MÓDULO 1º Módulo - Ler e interpretar procedimentos, manuais técnicos e literatura específica; - Identificar técnicas de amostragem e manuseio de amostras, de matérias primas, reagentes, produtos e suas utilidades; - Interpretar procedimentos de preparação e execução de análises; - Conhecer técnicas de inspeção de equipamentos, instrumentos e acessórios; - Avaliar requisitos de informática;

14 - Ler e interpretar manuais e tabelas; - Analisar os materiais utilizados nos equipamentos e instrumentos, a fim de garantir a segurança do processo; - Identificar fatores de risco e estabelecer procedimentos de segurança; - Analisar e produzir textos técnicos e comerciais da área de Química; - Identificar fatores de risco; - Analisar dados e informações obtidas de pesquisas empíricas e bibliográficas; - Coordenar e controlar a qualidade em laboratório de acordo com normas vigentes; - Identificar tipos de destilação, conceitos básicos e fatores que influenciam; 2º Módulo - Entender os procedimentos para realizar medidas volumétricas, gravimétricas e de PH em uma unidade de processo; - Selecionar e identificar técnicas adequadas e procedimentos de inspeção de equipamentos, instrumentos e acessórios; - Identificar, avaliar, otimizar e adequar métodos e técnicas analíticas de controle da qualidade; - Conhecer os aspectos práticos e operacionais da operação de sistemas de utilidades; - Avaliar os resultados das análises de controle de qualidade e sua repetibilidade; - Identificar adequadamente técnicas de amostragem preparo e manuseio de amostras; - Conhecer e caracterizar os procedimentos de preparação de análises no processo; - Interpretar e selecionar os métodos utilizados na execução de análises no processo; - Identificar os equipamentos e dispositivos utilizados para coleta de amostras; - Identificar as interfaces dos processos industriais na cadeia de produção; - Identificar a importância dos processos de controle microbiológicos de alimentos, saúde, meio ambiente, corrosão e outros; - Coordenar e controlar a qualidade em laboratório de acordo com normas vigentes; - Realizar análises químicas em equipamentos de laboratório e em processos on line 3º Módulo - Interpretar fluxogramas de processo, manuais e cronogramas; - Identificar os princípios da qualidade e da produtividade; - Identificar e caracterizar procedimentos operacionais e aspectos práticos de sistemas reacionais, sistema sólido-fluído e equipamentos de separação e troca térmica; - Dimensionar a importância e os aspectos práticos de preservação do meio ambiente, do impacto dos processos industriais e de tratamento de resíduos; - Avaliar o desempenho de equipamentos e os aspectos de preservação do meio ambiente e do impacto dos procedimentos laboratoriais; - Coordenar e controlar a qualidade em laboratório de acordo com normas vigentes; - Interpretar fluxograma de processos, manuais e cronogramas; - Desenvolver formulação de produtos; - Diferenciar e analisar os diferentes fatores que influenciam na velocidade de uma reação química. 4º Módulo - Realizar amostragens, análises químicas, físico-químicas e microbiológicas. - Atuar no planejamento, coordenação e execução de processos de analises laboratoriais com responsabilidade ambiental e em conformidade com as normas técnicas, normas de qualidade e de boas práticas de manufatura e de segurança.

15 HABILIDADES POR MÓDULO 1º Módulo - Elaborar relatórios técnicos; - Ler e interpretar manuais de equipamentos, instrumentos (inclusive de análises), de operação; - Atuar em programas de higiene industrial e de prevenção de acidentes; - Utilizar os dispositivos e equipamentos de segurança de acordo com as normas vigentes; - Utilizar software de controle de estoque; - Identificar fatores de riscos e estabelecer procedimentos de segurança; - Estabelecer procedimentos de segurança; - Estabelecer relações estequiométricas com as leis ponderais; - Inspecionar e efetuar pequenas manutenções em instrumentos, equipamentos, sistemas elétricos, tubulações e acessórios; - Calibrar e aferir instrumentos para análises; - Produzir textos na área de química; - Utilizar ferramentas da análise de risco de processos de acordo com os princípios de segurança; - Estabelecer relações entre o tipo de ligação química com as propriedades dos materiais. 2º Módulo - Coletar amostras de matérias primas, produtos intermediários e finais, águas e efluentes; - Executar o controle de parâmetros relativos às condições de coleta de amostras. - Preparar amostras, instrumentos e reagentes para análises; - Efetuar análises físicas, químicas e instrumentais no processo; - Preparar corpos de prova, soluções, padrões, diluições e concentrações de soluções necessárias às análises no processo; - Coordenar programas e procedimentos de segurança e de análise de risco de processos industriais e laboratórios, aplicando princípios de higiene, controle ambiental e destinação final de produtos. 3º Módulo - Operar equipamentos de processos e fazer leitura de instrumentos; - Monitorar e corrigir variáveis de processos; - Operar sistemas de utilidades e painéis de controle; - Operar painéis de controle em sistemas de utilidades; - Estimar e controlar efeitos ambientais das operações efetuadas; - Efetuar análises físicas, químicas e microbiológicas; - Estimar e controlar os efeitos ambientais dos procedimentos efetuados; - Interpretar a legislação ambiental aplicável; - Manusear adequadamente mateias primas, reagentes e produtos; - Controlar a qualidade das matérias-primas, reagentes, produtos intermediários e finais; - Aplicar técnicas de GMP (Boas Práticas de fabricação) nos processos industriais e BPL (boas Práticas de Laboratório) no controle de qualidade; - Aplicar normas do exercício profissional e princípios éticos que regem a conduta do profissional da química.

16 4º Módulo ESTADO DE SANTA CATARINA - Realizar amostragens, análises químicas, físico-químicas e microbiológicas. - Atuar no planejamento, coordenação e execução de processos de analises laboratoriais com responsabilidade ambiental e em conformidade com as normas técnicas, normas de qualidade e de boas práticas de manufatura e de segurança BASES TECNOLÓGICAS POR MÓDULO 1º Módulo - Reações químicas básicas de um processo de troca iônica; - Operar procedimentos de segurança para coleta, manuseio, classificação e condições de armazenamento das amostras coletadas; - Aplicar unidades de medidas, sistemas de unidades e fatores de conversão para expressar os resultados das análises efetuadas; - Observar e utilizar normas regulamentadoras (NR) de segurança da ABNT e outras normas aplicáveis; - Utilizar técnicas de limpeza, descontaminação e esterilização de ambiente, equipamentos vidrarias e acessórios para análises; - Aplicar normas e procedimentos de segurança. 2º Módulo - Procedimentos de descontaminação fundamentos dos diversos programas de qualidade aplicados na indústria (5S, ISO 9000, ISO , etc.); - Reações químicas dos mais importantes processos industriais batelada e contínuo assim como daqueles de interesse específico para a indústria local; - Procedimentos de segurança para manuseio, classificação e condições de armazenamento das amostras coletadas, produtos e reagentes; - Métodos gravimétricos, volumétricos, ensaios físicos em corpos de prova, etc., para a análise de amostras sólidas, líquidas e gasosas; - Técnicas de preparo e padronização de soluções; - Influência de variações em temperatura, pressão, concentração, relação de concentrações, tempo de residência, vazão, relação de vazões e atividade catalítica na operação e rendimento de reatores químicos e biológicos, com ênfase nos sistemas reacionais de indústrias locais; - Balanço de massa e energia em equipamentos de troca térmica; - Principais utilidades industriais e suas aplicações no processo; - Propriedade do vapor saturado e do vapor superaquecido; - Propriedade de refrigerantes e soluções refrigerantes; - Aplicar princípio de instrumentação e sistema de controle e automação; 3º Módulo - Aplicações da água na indústria e qualidade exigida; - Conceitos básicos utilizados em sistemas de extração líquido-líquido; - Propriedades desejáveis dos solventes para extração líquido/líquido; - Tipos de equipamentos utilizados em destilação, absorção, extração, cristalização, centrifugação e outros equipamentos de separação, troca térmica, bombeamento e

17 compressão, com seus componentes e acessórios e procedimentos de partida e parada e formas de controle; - Saber utilizar equipamentos de moagem e peneiramento; - Realizar construção de fluxograma de processo que apresente equipamentos associados com aquecimento e resfriamento; - Resinas de troca iônica, propriedades e princípios da operação; - Realizar processo de regeneração de resinas de troca iônica; - Selecionar tipos de corrosão e seus mecanismos; - Tipos de tratamentos físicos, químicos e biológicos de efluentes industriais e suas variáveis de controle; - Aplicar processos de extração: líquido/líquido, líquido/vapor e líquido/sólido e suas diferenças. 4º Módulo - Realizar análises químicas, físico-químicas e microbiológicas. - Planejar, coordenar e executar processos de analises laboratoriais com responsabilidade ambiental e em conformidade com as normas técnicas, normas de qualidade e de boas práticas de manufatura e de segurança REQUISITOS DE ACESSO TÉCNICO: Destinado a proporcionar habilitação profissional a alunos matriculados e/ou frequentando a 3ª série do ensino médio, 3ª fase de ensino de supletivo presencial (com frequência regular) e/ou egressos do ensino médio ou profissionalizante concluintes. Apresentar no ato da matrícula CPF, CI, Título de Eleitor e Carteira de Reservista. O aluno só receberá certificado de conclusão do curso profissionalizante após apresentar certificado de conclusão do Ensino Médio, 2º Grau Supletivo e/ou profissionalizante. O Ensino profissionalizante tem organização curricular própria e independente do ensino médio, sendo observadas por sua vez as normas emanadas pelo Ministério da Educação e Cultura, do Conselho Estadual de Educação, da Secretaria de Estado da Educação e do Desporto e as estabelecidas pelo CEDUP de Formação Profissional CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES - O aproveitamento de estudos e de experiências anteriores, em cursos de nível técnico, é condicionado ao perfil profissional de conclusão pretendido. Poderão ser aproveitados conhecimentos, competências e experiências anteriores, no todo ou em partes, desde que diretamente relacionados com o perfil profissional de conclusão da respectiva habilitação técnica adquirida, mediante análise e aprovação dos professores e coordenadores de cursos/áreas observada a resolução 073 do Conselho Estadual de Educação e Projeto Politico Pedagógico da Unidade Escolar. - Conhecimentos e experiências anteriores adquiridas: I No ensino médio e superior; II Em qualificações profissionais e etapas ou módulos de nível técnicos concluídos em outros cursos, desde que cursados nos últimos cinco anos; III Em curso de formação inicial e continuada de trabalhadores, no trabalho ou por meios informais;

18 IV Em processos formais de certificação; V No exterior, em curso devidamente comprovado; - A avaliação do aproveitamento de estudos, com o reconhecimento de competências profissionais anteriormente desenvolvidas, quer em curso de treinamento, quer no próprio trabalho tomando-se como referência o perfil profissional do curso, que conduzem à promoção, conclusão de estudos e a obtenção de certificação, será desenvolvido pela instituição autorizada a ministrar o referido curso através de banca de professores avaliadores, segundo normas vigentes e planas de cursos aprovados. - Os estudos de educação profissional realizado no ensino militar e devidamente certificados poderão ser aproveitados nos Cursos de Nível Técnico de ensino civil de acordo com as normas vigentes, deverão ser comprovadas em histórico escolar, e, em caso de dúvida, mediante avaliação do aluno por parte da Escola. - O aproveitamento de estudos de educação profissional realizados no exterior dependerá de avaliação do aluno pela escola recipendiária, obedecida à legislação vigente. - Processo de avaliação para o aproveitamento de conhecimentos e experiências será orientado por procedimentos previamente estabelecidos, a saber: Entrevista; Aula Prática; Prova; Documentação legal que prova a legitimidade das competências CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Da avaliação do rendimento escolar O processo de avaliação está no acompanhamento da trajetória de cada um, na construção das competências. Avaliação é um aprender juntos, respeitando a diversidade e considerando o espaço de troca, tendo por objetivo incrementar o processo educacional. A avaliação do processo ensino aprendizagem no CEDUP orientar-se-á nos princípios estabelecidos nos termos da lei 9394/96 e nos referenciais curriculares nacionais da educação profissional de nível técnico e na Resolução CEE/SC nº 167 de 22 de outubro de Cabe ao Professor: Avaliar semestralmente o aluno, Acompanhar mensalmente o seu desempenho, - Oferecer oportunidade de recuperação, tantas vezes quanto necessária, para que seu aluno atinja 70% de aproveitamento para aprovação. Divulgar, de diferentes formas, o resultado obtido. Observação: Não será considerado aprovado o aluno que tenha frequência inferior a 75%. - Cabe ao Aluno:

19 Ter no mínimo 75% de comparecimento às aulas e ou atividades escolares para ser aprovado, Receber do seu professor, o resultado de seu desempenho escolar. Critérios de avaliação das competências: CRITÉRIOS % DEFINIÇÃO Pontualidade/Responsabilidade Participação com interesse respeitando o direito do aluno de faltar 25% em cada disciplina e podendo obter a nota 10, desde que atenda os demais itens da avaliação. 30% Técnicas Pontualidade Responsabilidade Saber conviver e trabalhar em grupo Capacidade de organização Intelectuais Competências e habilidades mínimas da disciplina 70% Relacionais Sociais e Políticas Metodológicas Didático-pedagógica Liderança Empresariais e Organizacionais Será considerado aprovado em cada disciplina do curso, o aluno que alcançar aproveitamento final igual ou superior a (7,0) sete e frequência igual ou superior a 75% da carga horária do módulo. A média final de cada disciplina será obtida entre as avaliações parciais, obedecendo aos critérios acima. A reprovação do aluno por frequência só acontecerá quando no total da carga horária do curso o aluno não atingir os 75% estabelecidos em Lei. O Conselho de Classe assume novas características: a de avaliar a prática docente, o trabalho desenvolvido pela Escola e o próprio processo de avaliação. Ele deverá ser participativo e representativo dos segmentos que integram a Escola. A avaliação do aproveitamento do aluno será atribuída pelo professor do módulo ou disciplina, analisada em Conselho de Classe; As competências anteriores, adquiridas através de horas trabalhadas na área específica do curso, poderão ser objeto de avaliação para aproveitamento de carga horária comprobatória de estágio, desde que comprovadas por meio de documentação legal.

20 ESTÁGIO SUPERVISIONADO O Estágio Supervisionado tem duração de 350 horas a serem cumpridas no prazo determinado pela legislação vigente, podendo ser realizado paralelo ao último módulo ou a sua conclusão, respeitando a Legislação. O aluno não pode exceder o período de cinco anos entre o início do curso e o seu término, caracterizado pela entrega do Relatório de Estágio Supervisionado. O Estágio somente pode ser realizado em organizações públicas, privadas, governamentais ou não governamentais que tenham condições de proporcionar ao aluno experiência profissional em situação real de trabalho, em empresa ou instituição que atue na mesma área ou em área afim à formação profissional do aluno/estagiário. O aluno trabalhador que comprove conhecimento e experiência adquirida na educação profissional, inclusive no trabalho comprovado e exercer funções correspondentes as competências profissionais a serem desenvolvidas, a luz do perfil profissional de conclusão do curso, poderá aproveitar, em parte, até 50% (cinquenta por cento) das atividades de estágio, mediante avaliação da escola com banca de professores avaliadores e através de critérios prédefinidos: A avaliação do Estágio é realizada através da análise dos seguintes instrumentos: Relatório das atividades e Ficha de Auto avaliação do Estagiário; Avaliação do Estagiário e relatórios das observações dos supervisores de Estágio, por ocasião das visitas aos locais de realização do Estágio; Avaliação do Supervisor de Estágio da Empresa que acompanhou diretamente as atividades do estagiário; Avaliação realizada na apresentação deverá seguir os mesmos critérios da avaliação das competências (50% Banca e 50% atividades realizadas na empresa). Instrumentos utilizados para avaliar as competências: Instrumento Função Projetos Desenvolver competências promovendo participação, tomada de decisões, escolha de procedimentos para alcançar os objetivos pretendidos, vivendo experiências problematizadoras da ação. Seminário Possibilitar a transmissão verbal das informações pesquisadas de forma eficaz. Trabalho em Grupo Desenvolver o espírito colaborativo e a socialização. Debate Aprender a defender uma opinião fundamentando-a em argumentos convincentes. Relatório Individual Averiguar se o aluno adquiriu conhecimento e se conhece estrutura de texto. Auto Avaliação Fazer o aluno adquirir capacidade de analisar suas aptidões e atitudes, pontos fortes e fracos. Utilização de tecnologias de Utilizar as tecnologias da informação e comunicação na informação e comunicação vida social e do trabalho. Observação Seguir o desenvolvimento do aluno e ter informações sobre as áreas afetivas, cognitivas e psicomotoras. Atividades Práticas Avaliar o aluno quanto ao desempenho na realização das atividades práticas. Prova Dissertativa com correção Verificar a capacidade de analisar o problema central, comentada com os alunos abstrair fatos, formular ideias e redigi-las.

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO Justificamos a atualização do curso Técnico em Administração, Eixo Tecnológico Gestão e Negócios, em conformidade com a alteração da Legislação que embasa

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO Justificamos a atualização do curso Técnico em Secretariado, Eixo Tecnológico Gestão e Negócios, em conformidade com a alteração da Legislação que embasa

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO Justificamos a atualização do curso Técnico em Contabilidade, Eixo Tecnológico Gestão e Negócios, em conformidade com a alteração da Legislação que embasa

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º ano EMENTA

IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Química FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( )

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO

JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO Justificamos a atualização do curso Técnico em Edificações, Eixo Tecnológico Infraestrutura, em conformidade com a alteração da Legislação que embasa a Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

S U M Á R I O I. APRESENTAÇÃO 3 II. DELIMITAÇÃO E INTERFACES DA ÁREA 4 III. CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS 6

S U M Á R I O I. APRESENTAÇÃO 3 II. DELIMITAÇÃO E INTERFACES DA ÁREA 4 III. CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS 6 S U M Á R I O I. APRESENTAÇÃO 3 II. DELIMITAÇÃO E INTERFACES DA ÁREA 4 III. CENÁRIOS, TENDÊNCIAS E DESAFIOS 6 IV. PANORAMA DA OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 8 V. PROCESSO DE PRODUÇÃO NA ÁREA 10 VI. MATRIZES

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO - Estágio Supervisionado em Coletividade Sadia - Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica - Estágio Supervisionado em Saúde Pública Rua Dom Bosco, 1308

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

REGULAMENTO 04 FICHA CADASTRO 01 PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 02 RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 01 RELATÓRIO DE FREQÜÊNCIA 01

REGULAMENTO 04 FICHA CADASTRO 01 PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 02 RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 01 RELATÓRIO DE FREQÜÊNCIA 01 KIT ALUNO REGULAMENTO 04 FICHA CADASTRO 01 PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 02 RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 01 RELATÓRIO DE FREQÜÊNCIA 01 AVALIAÇÃO DO ESTAGIÁRIO 01 ROTEIRO PARA O RELATÓRIO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL LAGES GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE LAGES

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL LAGES GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE LAGES JUSTIFICATIVA DA ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE CURSO Justificamos a atualização do curso Técnico em Segurança do Trabalho, Eixo Tecnológico Segurança, em conformidade com a alteração da Legislação que embasa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda CEPEP EMENTA: Reconhece o Curso Técnico em Segurança do Trabalho, oferecido pelo Centro de Estudos e Pesquisas em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE MANUAL DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES Faculdade de Tecnologia de São Vicente Av. Presidente Wilson, 1013 Centro São Vicente São Paulo CEP 11320-001 Tel (13) 35692525

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Sistema FAESA de Educação Faculdades Integradas Espírito-santenses fevereiro de 2014 CREDENCIAMENTO DE PROFESSORES FAESA/PRONATEC.

Sistema FAESA de Educação Faculdades Integradas Espírito-santenses fevereiro de 2014 CREDENCIAMENTO DE PROFESSORES FAESA/PRONATEC. Sistema FAESA de Educação Faculdades Integradas Espírito-santenses fevereiro de 2014 CREDENCIAMENTO DE PROFESSORES FAESA/PRONATEC Edital nº 03/2014 O Superintendente Institucional das Faculdades Integradas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL

AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL EIXO TECNOLÓGICO:Ambiente e Saúde Carga Horária: 160 horas CATALÃO GO JANEIRO- 2014 SUMÁRIO 1- Justificativa ( Inserir

Leia mais

Trabalho elaborado pela Escola SENAI Antônio Ermírio de Moraes do Departamento Regional de São Paulo.

Trabalho elaborado pela Escola SENAI Antônio Ermírio de Moraes do Departamento Regional de São Paulo. Regulamento de Estágio SENAI- SP, 2009 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Antônio Ermírio de Moraes do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Adriano Ruiz Secco Coordenação Germano Luiz

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA Coronel Fabriciano 2012 2 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Aspectos legais... 4 4 Requisitos acadêmicos... 4 5 Estrutura curricular organizacional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

Para efeitos desta regulamentação consideram-se as seguintes definições:

Para efeitos desta regulamentação consideram-se as seguintes definições: O Colegiado do Curso de Engenharia Civil com ênfase em estruturas metálicas da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ) Campus Alto Paraopeba (CAP), no uso de suas atribuições e, tendo em vista

Leia mais

PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS

PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus Capivari Coordenador : Prof. Dr. André Luís de Castro Peixoto

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE Edital nº 01, de 15 de abril de 2015, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Especialização

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º:

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I E II 1 - Resolução: Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: O Estágio Curricular

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

manual do ESTAGIÁRIO

manual do ESTAGIÁRIO manual do ESTAGIÁRIO SUMÁRIO O que é estágio?...05 Modalidades...06 Objetivo geral...06 Quem pode e onde fazer?...08 Procedimentos para formalização da matrícula...08 Carga horária e remuneração...11

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO - Compreender as transformações químicas em linguagem discursivas. - Compreender os códigos

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Nº 63 - Brasília - DF, quarta-feira, 02 de abril de 2008 Pág: 13 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

Nº 63 - Brasília - DF, quarta-feira, 02 de abril de 2008 Pág: 13 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO Nº 63 - Brasília - DF, quarta-feira, 02 de abril de 2008 Pág: 13 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO Portaria Normativa nº 3, de 1º de abril de 2008 Determina as áreas e os cursos superiores de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio Curricular do Curso de Comunicação Social/Publicidade e Propaganda da UNICENTRO e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio Departamento de Estágios FACCAMP Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio OBRIGAÇÕES DO ESTAGIÁRIO. Solicitar na Secretaria Geral da FACCAMP declaração de autorização para

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Tecnologia em Telecomunicações prevê em sua grade curricular atividades

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL EDITAL N.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL EDITAL N. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL EDITAL N. 26/2011 Inscrição para tutoria presencial do Curso de Licenciatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Ministério da Saúde e Ministério da Educação UF: DF ASSUNTO: Proposta de habilitação técnica para a profissão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013 A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL, Campus UnisulVirtual, nos termos deste edital, torna

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO EDITAL CONVÊNIO FNDE 400166/2010 UNESP/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB/CAPES TUTORIA A DISTÂNCIA A Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, participante do programa de formação a

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

Perguntas frequentes. 1. Enade. 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? 1.2. O Enade é obrigatório? 1.3. Qual o objetivo do Enade?

Perguntas frequentes. 1. Enade. 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? 1.2. O Enade é obrigatório? 1.3. Qual o objetivo do Enade? Perguntas frequentes 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011 PÁGINA -1/17 Apresentação O início de um estágio é o momento exato para você conhecer os princípios que o regulamentam e seguir as orientações que

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

EDITAL N o 01/2015. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância)

EDITAL N o 01/2015. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância) EDITAL N o 01/2015 EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA BIOLOGIA (Modalidade a Distância) INFORMAÇÕES GERAIS A Direção do Instituto de Ciências Biológicas -

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Coordenação Universidade Aberta do Brasil Curso de Letras-Espanhol a Distância

Universidade Federal de Pelotas Coordenação Universidade Aberta do Brasil Curso de Letras-Espanhol a Distância Edital nº 09, de 24 de setembro de 2014, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Letras-Espanhol

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O QUE É O ESTÁGIO? Estágio é um ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

PROCESSO N 1154/14 PROTOCOLO Nº 12.150.961-0 PARECER CEE/CEMEP Nº 900/14 APROVADO EM 02/12/2014

PROCESSO N 1154/14 PROTOCOLO Nº 12.150.961-0 PARECER CEE/CEMEP Nº 900/14 APROVADO EM 02/12/2014 PROCESSO N 1154/14 PROTOCOLO Nº 12.150.961-0 PARECER CEE/CEMEP Nº 900/14 APROVADO EM 02/12/2014 CÂMARA DO ENSINO MÉDIO E DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTERESSADO: COLÉGIO ENSITEC ENSINO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente regulamento

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais