REGULAMENTO INOVA SENAI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INOVA SENAI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARÁ"

Transcrição

1 REGULAMENTO INOVA SENAI DEPARTAMENTO REGIONAL DO PARÁ 1

2 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARÁ FIEPA José Conrado Azevedo Santos Presidente SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI-PA Gerson dos Santos Peres Diretor Regional Dário Antônio de Bastos Lemos Diretor de Gestão Lúcia Maria Peres de Souza Diretora de Educação e Tecnologia Vicente Honorato da Silva Penha Coordenador 2

3 Sumário 1 Inova SENAI Categorias Estrutura Organizacional Participantes e Público Alvo Cronograma de Inscrição Seleção, avaliação e Premiação dos Projetos Participantes e público alvo Cronograma e inscrição Inscrição Seleção, avaliação e premiação dos projetos Critérios de Avaliação, para fins de Seleção e de Premiação Premiação Direitos autorais Disposição Gerais e Transitórias...17 Anexos

4 1. INOVA SENAI O Inova SENAI é uma ação de abrangência nacional direcionada a alunos, técnicos e docentes dos Departamentos Regionais (DRs) do SENAI, voltada a criação de competências internas e externas alinhadas com as novas demandas da indústria e do mercado OBJETIVO Tem como objetivo desenvolver a capacidade empreendedora, criatividade e raciocínio lógico de alunos, técnicos, consultores e docentes do SENAI-DR/PA, através da concepção, planejamento, execução e demonstração em público de projetos de inovação tecnológica de interesse da indústria e da sociedade OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Formar profissionais com o perfil requerido pela realidade empresarial; b) Incentivar o espírito empreendedor; c) Despertar vocações e o interesse pelo planejamento e pela execução de projetos de inovação tecnológica que visam solucionar problemas reais da indústria; d) Promover o intercâmbio técnico-tecnológico e a integração entre os participantes, o SENAI-DR/PA, a indústria e a comunidade; e) Divulgar a imagem institucional e demonstrar a competência técnica, científica e empreendedora do SENAI-DR/PA; f) Proporcionar condições aos participantes de se integrarem a novas situações organizacionais; 4

5 1.4. CATEGORIAS Podem ser submetidos e concorrer à premiação, projetos de inovação de interesse do SENAI e da indústria, de acordo com as seguintes categorias: a) Tecnologias Industriais: produtos ou processos inovadores que estejam alinhados às áreas industriais atendidas pelo SENAI-PA. Modalidade - Produto Inovador: novos materiais, alimentos, softwares, hardwares, componentes, instrumentos e ferramentas. Modalidade - Processo Inovador: novas máquinas ou equipamentos, ou sua adaptação, que proporcionem melhorias de processos produtivos. b) Tecnologias Educacionais: simuladores físicos ou virtuais; jogos e aplicativos para web, tablets, smartphones, consoles específicos ou hardware especial; softwares ou plataformas de educação; kits didáticos, como painéis, bancadas ou plantas didáticas; equipamentos inovadores com aplicação didática; material multimídia para cursos e que estejam alinhados aos desenhos curriculares nacionais, dando suporte ao desenvolvimento de capacidades técnicas. c) Tecnologias Inclusivas: serviços, produtos ou processos inovadores que estejam alinhados ao Programa SENAI-PA de Ações Inclusivas, nas vertentes de inclusão (pessoas com deficiência, altas habilidades, transtorno global do desenvolvimento), gênero, etnia, maturidade/idosos, evidenciando uma ou mais acessibilidades nas dimensões: arquitetônica, atitudinal, metodológica, instrumental, comunicacional e programática. d) Voto Popular: Categoria simbólica, na qual se inserem todos os projetos, cujo vencedor será definido por votação realizada pelos visitantes da exposição. 5

6 Obs. 1: As categorias b e c, para efeito de organização e inscrição, são prioritárias à categoria a. Ou seja, caso o projeto tenha o foco em Tecnologias Educacionais ou em Tecnologias Inclusivas, independentemente de serem Produtos ou Processos Inovadores, deverão ser categorizados como tais Tecnologias Educacionais ou Tecnologias Inclusivas. E ainda, a categoria de Tecnologias Inclusivas tem prioridade sobre a de Tecnologias Educacionais. Nos casos de uma identificação equivocada do projeto no momento de sua inscrição, a Coordenação Geral reserva-se ao direito de reclassificá-lo, para que seja atendida esta observação, dando-se ciência à equipe autora. Obs. 2: Ao total, são cinco categorias: Tecnologias Industriais Produto Inovador; Tecnologias Industriais Processo Inovador; Tecnologias Educacionais; Tecnologias Inclusivas e Voto Popular. Porém, para efeito de submissão de projetos, serão consideradas somente as quatro primeiras ÁREA DE ABRANGÊNCIA DOS PROJETOS Poderão participar projetos dos setores industriais e áreas tecnológicas: comunicação; informática;edificações; obras de infraestrutura; alimentos e bebidas; celulose e papel; couro e calçados; eletroeletrônica; equipamentos médicos, hospitalares, ópticos e de precisão; fumo; gráfica e editoração; joalheria e gemologia; madeira e móveis; metal mecânica; minerais não metálicos; equipamentos de transporte; petróleo, gás e combustíveis; plásticos e borrachas; química, petroquímica e farmacêutica; têxtil e vestuário; veículos automotores; transporte dutoviário; transporte ferroviário; extração de minerais metálicos; extração de minerais não metálicos; extração de petróleo, carvão e gás natural; produção florestal; água e esgoto e eletricidade e gás. 6

7 1.6. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL O INOVA SENAI PARÁ é uma ação realizada pelo SENAI -PARÁ. É composto pela seguinte estrutura: a) Coordenação Geral (CG); b) Comissão Avaliadora (CA) A coordenação Geral é constituída por colaboradores pertencentes ao quadro efetivo do SENAI Pará, indicados pela Gerência Executiva da Unidade de Educação Profissional e Tecnológica, por representantes de Departamentos Regionais convidados pelo Departamento Nacional, indicados pelos respectivos Diretores Regionais e por representantes do Departamento Regional do Estado, onde será realizado o INOVA SENAI PARÁ 2014, indicados pelo Diretor do Departamento Regional que sediará o evento Compete à Coordenação Geral: a) Estabelecer o regulamento e diretrizes do INOVA SENAI PARÁ 2014 para a execução do evento e os critérios de avaliação dos projetos; b) Coordenar o INOVA SENAI PARÁ 2014 Etapa Nacional (montagem dos estandes e ambientação, identificação dos participantes e comissões, fichas de avaliação, preparação dos projetos, definição dos prêmios, emissão de certificados de participação); c) Definir local, data, duração do evento e layout dos estandes; d) Divulgar o evento junto aos públicos internos e externos; e) Coordenar o processo de seleção dos projetos que forem submetidos; f ) Divulgar a relação dos projetos selecionados para a exposição; 7

8 g) Encaminhar à Comissão Avaliadora as informações sobre os projetos selecionados para a exposição; h) Acompanhar e apoiar as ações da Comissão Avaliadora, no seu processo de avaliação dos projetos selecionados para a exposição; i) Divulgar a lista dos projetos vencedores, conforme resultado da comissão avaliadora; j) Preparar a cerimônia de premiação do INOVA SENAI PARÁ A Comissão Avaliadora é constituída por especialistas técnicos, empresários, investidores e representantes de entidades parceiras do SENAI/PA. Os integrantes desta Comissão deverão fazer parte das comunidades empresarial e técnico - cientifica e ter conhecimento nos temas em análise, bem como estar sintonizados com a inovação tecnológica dos processos industriais e educacionais. A Comissão será composta por no mínimo cinco participantes, todos eles convidados pelo Diretor Geral do SENAI, sendo um deles o Presidente Compete à Comissão Avaliadora: a) Seguir normas, diretrizes e critérios de avaliação definidos pela Coordenação Geral; b) Avaliar os projetos selecionados pela Coordenação Geral do Inova SENAI PARÁ 2014 e que serão apresentados na exposição; c) Preencher as fichas de avaliação conforme critérios estabelecidos; d) Relacionar, em ordem de classificação, os trabalhos julgados; e) Escolher, entre os membros da comissão, um Presidente; f ) Participar da sessão de consolidação dos resultados. 8

9 1.6.4 Os membros da Coordenação Geral e Comissão Avaliadora não poderão concorrer aos prêmios. 2. PARTICIPANTES E PÚBLICOS ALVOS 2.1 O Departamento Nacional, para a participação no INOVA SENAI PARÁ 2014, estabelece como requisito a formação de equipes. Poderão compor a equipe do projeto: a) Alunos regularmente matriculados no SENAI/PA ou egressos até 2 (dois) anos; b) Docentes técnicos ou consultores do SENAI/PA; c) Colaboradores efetivos do SENAI/PA; d) Representantes de empresas As equipes devem ser compostas por, no máximo, quatro integrantes e não poderão ser formadas por somente uma categoria de participantes (docentes / técnicos / consultores / representantes de empresas), excetuando-- se a categoria de alunos. 2.2 Compete aos participantes a) Realizar a inscrição no INOVA SENAI PARÁ 2014 Etapa Nacional, no prazo estipulado neste regulamento; b) Submeter o projeto do trabalho, nos termos deste regulamento; c) Negociar junto às empresas interessadas, quando aplicável, sua participação no projeto, buscando patrocínio para as despesas daquele; 9

10 d) Montar e desmontar o próprio projeto no estande ou na bancada, para apresentação na exposição, providenciando junto à Coordenação Geral o apoio necessário para o seu bom funcionamento; e) Apresentar o projeto selecionado ao público visitante da exposição e à Coordenação Geral; f) Designar um integrante da equipe, preferencialmente um aluno, para a apresentação do projeto à Comissão Avaliadora. 2.3 O SENAI/PA arcará com as despesas de montagem e desmontagem dos estandes e ambientação dos projetos selecionados para a exposição, bem como com as despesas de viagem (passagem, hospedagem, diárias) para até dois integrantes da equipe, exclusivamente para os dias destinados à exposição dos projetos, indicados pela Coordenação Geral e previstos no cronograma, limitadas ao: a) Fornecimento das passagens aéreas em classe econômica e tarifa promocional; b) Pagamento de ajuda de custo por dia de viagem, quando aplicável, que terá como referência os valores e critérios aplicados aos técnicos do SENAI/PA, para as despesas com hospedagem, alimentação e transporte. Observação: As regras referentes às despesas de viagem serão informadas oficialmente aos participantes. 2.4 O SENAI/PA não se responsabilizará pelas despesas de desenvolvimento dos projetos, devendo os participantes buscar os meios de patrocínio/apoio para o seu desenvolvimento. 10

11 3. CRONOGRAMA E INSCRIÇÃO 3.1 Cronograma ETAPA PERÍODO 1. Lançamento do Inova SENAI-PA 2014 Etapa Estadual. 31/03/ Período para Submissão dos Projetos / Inscrição. 31/03/2014 a 16/05/ Período de Seleção dos Projetos para a Exposição. 19/05/2014 a 20/06/ Divulgação da Lista de Projetos Selecionados. 27/06/ Período para Desenvolvimento dos Projetos. 01/08/2014 a 10/10/ Exposição dos Trabalhos Apresentação, Avaliação e Premiação. 10/11/2014 a 14/11/ Inscrições As informações para a Etapa Estadual do INOVA SENAI serão disponibilizada na internet página da FIEPA (http://www.senaipa.org.br). Os interessados deverão encaminhar pelo o Descritivo ou Pré Projeto ou Artigo para analise do Invento pela Coordenação e Equipe de Especialistas. A inscrição confirmar-se-á a partir da entrega ou envio obrigatório dos documentos descritos no edital ao local definido pela Coordenação Geral. Só serão considerados os projetos que forem submetidos dentro do prazo definido no cronograma. As propostas deverão ser encaminhadas até às 23h59min do dia 16/05/2014. Não haverá tolerância da data, horário e local. Projeto Técnico (conforme modelo que será disponibilizado pela Coordenação Geral, mediante analise de potencial de viabilidade - Pré Projeto). 11

12 Relatório de pesquisa de anterioridade (conforme modelo que será disponibilizado pela Coordenação Geral, mediante analise de potencial de viabilidade Pré Projeto). Observação: O modelo que será disponibilizado contém informações e orientações importantes sobre o conteúdo a ser apresentado, que estão alinhadas aos critérios de avaliação Não há limite de projetos a serem submetidos/inscritos, pelos CEPs, e não é necessário que o projeto já tenha participado de uma etapa na Unidade Operacional. 4. SELEÇÃO, AVALIAÇÃO E PREMIAÇÃO DOS PROJETOS. 4.1 Seleção e avaliação dos projetos A Coordenação Geral será responsável pela seleção dos projetos, processo que ocorrerá após o período de submissão dos projetos (inscrição). Poderão participar da seleção dos projetos inscritos, a convite da Coordenação Geral, especialistas do SENAI PARÁ ou convidados de outras instituições nas áreas tecnológicas correspondentes aos projetos Para a seleção dos projetos, serão utilizados os mesmos critérios de avaliação e procedimentos considerados para a avaliação do projeto na exposição, item 4.2 deste regulamento. Observação: os itens Acabamento do projeto e Apresentação do projeto não serão avaliados no momento da seleção, e os seus pontos (total de 20) serão distribuídos para os itens: Grau de Inovação do projeto e Metodologia para desenvolvimento do trabalho, com 10 pontos a mais cada, respectivamente. 12

13 4.1.3 Só serão considerados os projetos que forem submetidos dentro do prazo definido no cronograma. Item 3.1 deste regulamento A classificação será feita de acordo com a pontuação dos projetos, em ordem decrescente, ou seja, da pontuação maior para a menor. O critério de desempate será por meio do item Grau de inovação do projeto, e se ainda permanecer o empate, por meio do item Metodologia de desenvolvimento do trabalho Os projetos com pontuação superior deverão ser listados em ordem decrescente de pontuação total, tendo como linha de corte de seleção para exposição o orçamento disponibilizado pelo SENAI PARÁ e espaço local, limitando-se em até 50 (cinquenta) projetos. Apenas os projetos selecionados serão apresentados na exposição Serão reservadas quatro vagas, no mínimo, para cada categoria (item 1.4), de forma a garantir a exposição de projetos em todas elas, desde que se tenham projetos inscritos em número suficiente para tal reserva de vagas Os projetos selecionados para a exposição serão avaliados por uma Comissão Avaliadora, formada conforme item deste regulamento. O tempo de apresentação será o mesmo para todos, cabendo à Coordenação Geral definir o tempo da exposição, conforme a quantidade de trabalhos selecionados para a exposição. Os autores dos projetos serão informados sobre o tempo de apresentação na data da divulgação dos projetos selecionados. 13

14 4.1.7 A apresentação dos trabalhos durante a exposição deverá envolver a demonstração audiovisual ou funcionamento de protótipos/maquetes, com as explicações teóricas necessárias para o seu entendimento As equipes dos projetos que serão apresentados na exposição deverão assinar o Termo de Autorização de Uso de Imagens. E, ainda, todos os projetos apresentados deverão ter estabelecidos os seus respectivos Termos de Cessão de Direitos. Esses termos serão exigidos durante o período de desenvolvimento dos projetos, conforme cronograma estabelecido no item 3.1 deste regulamento Critérios de Avaliação, para fins de Seleção e de Premiação A Coordenação Geral (seleção dos projetos) e a Comissão Avaliadora (avaliação para premiação dos projetos) observará os critérios de pontuação, conforme tabela abaixo, para a avaliação dos projetos: A exposição dos trabalhos deverá ser por meio de demonstração audiovisual, funcionamento de protótipos/maquetes e/ou explicações teóricas do objeto de pesquisa desenvolvido, necessárias para o seu entendimento. A pontuação dos projetos pode chegar a 100 (cem) pontos, distribuídos conforme critérios avaliativos estabelecidos na tabela abaixo: 14

15 Tabela 1- Critérios de avaliação dos projetos submetidos ao Edital INOVA Critério de avaliação 01 Caráter SENAI Etapa Estadual. Item avaliado Pontuação Pontuaçãocategoria Plano de Negócios Grau de inovação do projeto inovador Qualidade do relatório de anterioridade Estudo de mercado / caracterização da Análise de demanda viabilidade Viabilidade técnica - econômica do projeto Impactos econômicos, sociais e/ ambientais Titulo / Objetivo / Escopo Metodologia para desenvolvimento de Qualidade trabalho do projeto 08 Especificação do produto do projeto Orçamento por exposição Exposição Acabamento do projeto (protótipo/maquete/mostruário e etc.) Apresentação do projeto TOTAL Obs.: Ver observação no item sobre os critérios quando na etapa de seleção dos projetos Os membros das Comissões Avaliadoras atribuirão, individualmente, pontuação para todos os critérios do item deste regulamento para cada trabalho apresentado A pontuação de cada trabalho será obtida a partir da soma dos pontos atribuídos pelos membros das Comissões Avaliadoras, a cada critério previsto no artigo 4.2.1, dividida pelo número de julgadores. 15

16 4.2.4 Encerrada a fase de apresentação será apurada a pontuação final de cada trabalho, mediante a soma dos pontos recebidos Em caso de empate na classificação final, para fins de premiação, o desempate será realizado da seguinte forma: Prevalecerá a maior pontuação obtida no critério de avaliação caráter inovador. Caso persista o empate, será premiado o projeto do Departamento Regional que tiver o menor número de projetos já classificados. 4.3 PREMIAÇÃO Os projetos classificados em de cada categoria, receberão as seguintes premiações: Todos os membros das equipes receberão certificado de participação Todos os membros das equipes vencedoras - 1º 2º e 3º lugares receberão medalhas. E cada equipe vencedora será premiada também com um troféu. COLOÇÃO PRÊMIO Primeiro Lugar Um Tablet + Uma bolsa de Curso Técnico Segundo Lugar Um HD 500G + Uma bolsa de Curso de Qualificação Terceiro Lugar Um PEN-DRIVE de 32G + Uma bolsa de Curso de Qualificação OBS.: Somente serão premiados os projetos que apresentarem o artigo técnico do invento. Todos os membros das equipes vencedoras receberão certificado de participação e medalhas. 16

17 5. DOS DIREITOS AUTORAIS 5.1 Todo e qualquer direito autoral ou de propriedade intelectual relativo a qualquer produto ou projeto desenvolvido ou criado no âmbito do Inova SENAI/PA 2014, de natureza técnica, artística ou intelectual, pertencerão ao SENAI PARÁ, que dele poderá usufruir livremente e sem qualquer reserva ou condição, independentemente de autorização. 5.2 As equipes cedem ao SENAI-PA o direito de divulgação de seus projetos em mídias impressas e de comunicação do Sistema Indústria e de terceiros. 6. DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS O presente Regulamento entrará em vigor a partir da data de sua aprovação. Os casos omissos serão decididos pela Coordenação Geral do Inova SENAI 2014 Etapa Estadual. Os trabalhos já apresentados em exposições anteriores não poderão participar do INOVA SENAI É de responsabilidade dos integrantes da equipe a investigação nos bancos de registro de patentes, nacionais e internacionais, sobre a anterioridade do objeto em pesquisa, afirmando se há ou não registros sobre o caráter inovador do produto à Comissão Organizadora. Para as inovações desenvolvidas a partir do INOVA SENAI 2014, a titularidade seguirá as diretrizes da Política de Propriedade Intelectual vigente do SENAI- DR/PA. Para trabalhos desenvolvidos em parceria com empresas, a equipe deverá requerer autorização por escrito para a apresentação do trabalho na exposição. 17

18 Todas as regras e normas de segurança vigentes nas Unidades do SENAI- DR/PA devem ser observadas na realização e apresentação dos trabalhos. Cada equipe será responsável pela segurança, cuidado e manutenção dos protótipos durante as apresentações bem como no transporte até o local do evento. A entidade promotora e a comissão coordenadora não se responsabilizam por estragos ou danos que venham a ocorrer em materiais e equipamentos ou por quaisquer adversidades ocorridas. Para dirimir dúvida ou reclamação, os participantes poderão contatar a Coordenação Geral pelo, disponibilizado no Site: Belém, 07 de Março de Coordenação Geral do INOVA SENAI x

19 ANEXOS MODELO DE PRÉ-PROJETO METODOLOGIA Para garantir a qualidade de nosso trabalho, adotamos metodologia específica para o desenvolvimento de nossos projetos. Todas as fases são sistematicamente executadas e controladas. REQUISITOS PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETO DE PRODUTO INFORMACIONAL Informações; Requisitos, Pesquisa de Mercado. CONCEITUAL Requisitos; Funções; Solução Preliminar. PRELIMINAR Solução Preliminar; Portadores Funções; Configurações, Projeto Final. DETALHADO Projeto Final; Detalhamento; Documento Final, Briefing. PROJETO FINAL Mockups; Protótipos; Maquetes; Ensaios. FASE 1 INFORMACIONAL Para o inicio de um projeto de design e engenharia, faz-se necessário o que chamamos de Fase Informacional para alinhar uma série de dados, requisitos e limitações do projeto como: Esclarecimento do projeto (projeto de engenharia); Detalhamento da especificação do projeto; Requisitos de robustez; Custos objetivo do produto; Alternativas possíveis de projeto; Investimentos previstos de ferramental; Determinação dos requisitos do produto; Esclarecimento de normas aplicáveis ao produto; Revisão do cronograma de projeto. 19

20 Com base no resultado deste estudo, estará claro o foco e os objetivos do projeto para o começo da metodologia clássica de desenvolvimento de produto. Visão e Estratégia (projeto de design) Análise e síntese do briefing, levando-se em conta os parâmetros definidos para o projeto e o levantamento de dados, pesquisa e análise de produtos concorrentes no mercado; Definições dos atributos que devem ser comunicados pelo novo design, como por exemplo, estudo e definição da linguagem de design mais apropriada para o novo produto e seu posicionamento preferencial em relação ao mercado atual. ETAPA 2 FASE CONCEITUAL Desenvolvimento de soluções técnicas (projeto de engenharia) Uma vez que o projeto de Design não poderá começar sem as limitações técnicas impostas pela quantidade e volume dos componentes internos, sejam eles de natureza eletrônica, elétrica, mecânica ou estrutural, será necessário um estudo inicial de engenharia que definirá a estruturação geral do produto, fornecendo uma plataforma definida para o começo dos estudos de Design. Geração de alternativas (projeto de design) Conceituação e geração de alternativas de Design; Em paralelo estudamos os conceitos selecionados para avaliar os aspectos técnicos dos conceitos, fornecendo informações para decisões sobre custos de investimento e produção, processos produtivos, materiais adequados, pesquisa de soluções de tecnologias viáveis, além de vantagens e desvantagens de cada conceito sob a ótica da Engenharia de Produtos e produção do produto final. 20

21 ETAPA 3 PROJETO PRELIMINAR Uma vez definidos os conceitos a serem desenvolvidos dentre as alternativas apresentadas, após suas revisões e ajustes, iniciar-se-á a fase de desenvolvimento que compreende a revisão das propostas selecionadas de acordo com a análise resultante das primeiras apresentações, seus aperfeiçoamentos funcional e estético. Detalhamento Preliminar Este detalhamento consistirá na produção de desenhos técnicos preliminares 2D/3D para análise da solução construtiva e execução do(s) mockup(s) volumétrico(s). Mockup Volumétrico Será elaborado um mockup preliminar para o novo produto, baseado nos arquivos 2D/3D preliminares. Este mockup, dependendo de sua solução poderá ser usinado em PU, porém sem acabamentos, apenas para o estudo do volume. Projeto de Comunicação - Grafismo dos Produtos Concluído o mockup volumétrico, a equipe de comunicação visual irá desenvolver o projeto gráfico do produto, que inclui todas as informações simbólicas e textuais presentes nas superfícies do produto. Projeto Mecânico (projeto de engenharia) Nesta etapa a solução técnica desenvolvida no projeto preliminar será transformada em um projeto completamente funcional. Serão consideradas as soluções técnicas desenvolvidas (mecânicas, elétricas, construtivas, materiais, pesquisa de fornecedores, etc.) e o detalhamento preliminar de design dentro da linha aprovada pelo cliente. 21

22 ETAPA 4 PROJETO DETALHADO Avaliação do resultado do mockup. Revisões e ajustes finais para conclusão do detalhamento e execução de mockups finais. Conclusão da modelagem 3D das superfícies externas. (Nervuras Internas, definição precisa de espessuras de parede e análises estruturais serão objeto do detalhamento técnico do produto). ETAPA 5 PROTOTIPAGEM E TESTES Prototipagem Envio de arquivos, acompanhamento, supervisão da execução, montagem e verificação. Testes e eventuais Ajustes do Projeto (projeto de engenharia) Com os protótipos montados, serão feitos os testes funcionais para validar os conceitos desenvolvidos nas etapas anteriores. Eventuais ajustes no projeto e repetição de alguma peça protótipo podem ser necessários. Serão preparados os arquivos 3D finais para execução do ferramental com os ajustes após os testes feitos sobre os protótipos. Finaliza-se, nesta fase, a preparação das peças para confecção de moldes de injeção, estamparia, dobra, etc.. (revisão completa de todos os itens como ângulos de extração, simplicidade de execução, dispositivos articulados nos moldes, pontos de fechamento, etc.) Também será gerada a documentação de todas as partes e peças que compõem o produto e que seja escopo deste projeto. Desenvolvimento de embalagem (projeto de design) Nesta etapa será desenvolvida a embalagem do produto (formato, fixação interna, materiais, grafismo, etc.). Isto deve ser feito de forma que esta embalagem não só garanta a integridade do produto da expedição até a instalação no cliente final, como também representar a imagem que o produto deve ter junto ao mercado. 22

23 Mockup Final Após o detalhamento final, incorporaremos às mudanças discutidas à modelagem 3D, para elaborar, ao fim desta fase, o design do novo produto, representados por mockup final, em escala 1:1, com os acabamentos de pintura para a perfeita avaliação do design. Detalhamento técnico do produto (projeto de engenharia) Nesta etapa será feito o detalhamento técnico final do projeto e serão finalizados os arquivos 3D para execução de protótipos em tecnologias que permitam a avaliação funcional do produto. Serão tomados os orçamentos para fabricação do ferramental para fabricação do produto em série e será feita uma revisão geral dos custos de produção. ETAPA 6 - GERENCIAMENTO DO FERRAMENTAL Nesta etapa faremos o acompanhamento técnico da fabricação de todo ferramental envolvido neste projeto. Serão executados os projetos dos moldes, certificando-se que atendem os requisitos especificados nos projetos individuais de cada peça. Toda e qualquer dúvida juntamente a estes fornecedores será prontamente atendida neste período. ETAPA 7 - TRY-OUT Após a execução do ferramental, serão produzidas pré-séries do produto para os ajustes finais do ferramental. A aprovação deste try-out será acompanhada pela equipe da VICTUM até a injeção das peças do lote piloto. Serão gerados relatórios de análise das peças e será feito o acompanhamento junto aos fornecedores para a correção dos itens apontados. ETAPA 8 LIBERAÇÃO PARA FABRICAÇÃO Acompanhamento de ensaios de certificação perante as normas necessárias em laboratórios credenciados. Conclusão da documentação final de todo o projeto caracterizando o encerramento do mesmo. 23

24 INOVA SENAI PA: MODELO DE FORMATAÇÃO DE ARTIGO Coloque aqui o nome do Primeiro autor Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Belém, Pará, Brasil Coloque aqui o nome do Segundo autor (se houver) Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Belém, Pará, Brasil Resumo Visa apresentar modelo de formatação dos artigos a serem submetidos à seleção do Inova SENAI. Logo, os tópicos apresentados neste artigo mostrarão as informações necessárias para formatação e apoio ao desenvolvimento artigo. Palavras-chave: Inova SENAI. ABNT. Artigos 1. Introdução Insira aqui a introdução do seu artigo obedecendo às seguintes orientações. Os artigos devem ser digitados em papel de tamanho A4, com margens superior e inferior de 2,5 cm e margens esquerda e direita de 3 cm. Para o texto o espaçamento entre linhas deve ser de 1,5, digitado em fonte arial tamanho 12, justificado e com recuo especial de primeira linha. Os artigos devem ser enviados em formato doc. Para a elaboração do resumo deve ser levado em consideração que deve iniciar com verbo no infinitivo e conter no máximo 250 palavras. 2. Desenvolvimento Insira aqui o desenvolvimento do seu artigo conforme orientações apresentadas na Introdução deste documento. O desenvolvimento consiste na parte principal do artigo e deve conter a exposição ordenada e pormenorizada do assunto tratado. O desenvolvimento divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método utilizado. 24

25 2.1. Numeração das seções e subseções A numeração das seções e subseções deve ser progressiva e seguir as orientações da norma ABNT NBR 6024, ou seja: - Seção primária: principal divisão do texto de um documento; - Seção secundária, terciária, etc.: divisão do texto de uma seção primária. Seção Primária (arial, negrito, tamanho 14) Seção Secundária (arial, negrito, tamanho 13) Seção Terciária (arial, negrito, tamanho 12) n n n Orienta-se que o artigo não ultrapasse a Seção Terciária Apresentação de ilustrações e tabelas Nas ilustrações, qualquer que seja seu tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, mapas, organogramas, plantas, etc.), sua identificação deve aparecer na parte inferior, precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, do respectivo título e, caso não seja elaborada pelo autor, informações explicativas de forma clara quanto a fonte e/ou autoria. As tabelas que apresentam informações tratadas estatisticamente devem seguir as Normas de apresentação tabular do IBGE (1993). 25

INOVA SENAI EDITAL 2015

INOVA SENAI EDITAL 2015 INOVA SENAI EDITAL 2015 Sumário 1 Estrutura do Inova SENAI... 2 1.1 O que é... 2 1.2 Objetivo... 2 1.3 Objetivos específicos... 2 1.4 Categorias... 3 1.5 Estrutura Organizacional... 4 2 Participantes e

Leia mais

PROGRAMA INOVA SENAI PE 2015

PROGRAMA INOVA SENAI PE 2015 PROGRAMA INOVA SENAI PE 2015 1. Estrutura do INOVA SENAI-PE 1.1. O que é O Programa INOVA SENAI-PE 2015 é uma ação anual, promovida e patrocinada pelo Departamento Regional de Pernambuco (SENAI DR-PE),

Leia mais

Recife 2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI Departamento Regional de Pernambuco. Diretor Regional Sergio Gaudêncio

Recife 2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI Departamento Regional de Pernambuco. Diretor Regional Sergio Gaudêncio 1 1 6 Recife 2015 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI Departamento Regional de Pernambuco Diretor Regional Sergio Gaudêncio Diretor Administrativo e Financeiro Heinz Dieter Loges Diretor

Leia mais

REGULAMENTO. Prêmio INOVA SENAI e SESI 2015

REGULAMENTO. Prêmio INOVA SENAI e SESI 2015 REGULAMENTO Prêmio INOVA SENAI e SESI 2015 CURITIBA 2015 1 Sumário I. Apresentação... 3 II. Objetivos... 4 III. Categorias... 5 IV. Estrutura Organizacional... 7 V. Participantes e público alvo... 9 VI.

Leia mais

REGULAMENTO INOVA SENAI/MT 2015 (ETAPA REGIONAL)

REGULAMENTO INOVA SENAI/MT 2015 (ETAPA REGIONAL) REGULAMENTO INOVA SENAI/MT 2015 (ETAPA REGIONAL) 1. ESTRUTURA DO INOVA SENAI 1.1 O QUE É Ação de abrangência regional direcionada a Discentes, técnicos e docentes das Unidades Operacionais (UO s) do SENAI/MT,

Leia mais

ESCOLA SENAI ÍTALO BOLOGNA. INOVAÇÃO Ítalo Bologna

ESCOLA SENAI ÍTALO BOLOGNA. INOVAÇÃO Ítalo Bologna ESCOLA SENAI ÍTALO BOLOGNA INOVAÇÃO Ítalo Bologna REGULAMENTO VERSÃO 01/2011 1 REGULAMENTO TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Capítulo I Das Finalidades e Objetivos Terá como principal objetivo desenvolver

Leia mais

REGULAMENTO IV MOSTRA INOVA SENAI 2015 Etapa Estadual

REGULAMENTO IV MOSTRA INOVA SENAI 2015 Etapa Estadual REGULAMENTO IV MOSTRA INOVA 2015 Etapa Estadual 1 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de Paraíba Diretora Regional Patrícia Gonçalves de Oliveira Diretor Administrativo e

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação?

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 1) O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 3) Qual é a vantagem para um Departamento Regional participar do Edital de Inovação?

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA

ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA XI SEMANA CIENTÍFICA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO SEC 2013 Tema: A ÉTICA NA PESQUISA NA ERA DAS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS EDITAL

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 FAQ 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 1. Edital SENAI e SESI 1.1 O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? O Edital é uma iniciativa do SENAI e do SESI que visa despertar a cultura da inovação na

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

EDITAL 001/2015 - ARTIGOS CIENTÍFICOS A SEREM SUBMETIDOS NA III SEMANA DE ENGENHARIA DO ESTADO DO MARANHÃO - III SENGE MA.

EDITAL 001/2015 - ARTIGOS CIENTÍFICOS A SEREM SUBMETIDOS NA III SEMANA DE ENGENHARIA DO ESTADO DO MARANHÃO - III SENGE MA. EDITAL 001/2015 - ARTIGOS CIENTÍFICOS A SEREM SUBMETIDOS NA III SEMANA DE ENGENHARIA DO ESTADO DO MARANHÃO - III SENGE MA. 1 - DISPOSIÇÕES INICIAIS Este edital tem por objetivo, organizar, divulgar e orientar

Leia mais

Tema: Fachadas do Pavilhão de Laboratórios da Arquitetura e Urbanismo e Engenharias

Tema: Fachadas do Pavilhão de Laboratórios da Arquitetura e Urbanismo e Engenharias 1º Concurso para Estudantes de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade Doctum. Tema: Fachadas do Pavilhão de Laboratórios da Arquitetura e Urbanismo e Engenharias REGULAMENTO DO CONCURSO APRESENTAÇÃO: O concurso

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

7º PRÊMIO DE PROJETOS INOVADORES

7º PRÊMIO DE PROJETOS INOVADORES 7º PRÊMIO DE PROJETOS INOVADORES Prêmio de Projetos Inovadores com Aplicabilidade na Indústria Metalúrgica, Mecânica, Eletrônica, Materiais Elétricos e Construção Civil 6 e 7 de maio de 2015 Londrina (PR)

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Prezado(a) Aluno(a): Esta pequena orientação e o modelo de relatório em anexo foram produzidos com o objetivo de facilitar a elaboração do Relatório

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TELEMÁTICA - DTel Regulamento 1ª Feira de Hardware e Software - FHS

DEPARTAMENTO DE TELEMÁTICA - DTel Regulamento 1ª Feira de Hardware e Software - FHS DEPARTAMENTO DE TELEMÁTICA - DTel Regulamento 1ª Feira de Hardware e Software - FHS 1. Da Fundamentação 1.1 - A 1ª FHS - Feira de Hardware e Software a ser realizada nos dias 06, 07, 08 de Maio de 2014

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

III FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO ACRE E III MOSTRA CIENTÍFICA DE CIÊNCIAS DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

III FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO ACRE E III MOSTRA CIENTÍFICA DE CIÊNCIAS DA AMAZÔNIA OCIDENTAL III FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO ACRE E III MOSTRA CIENTÍFICA DE CIÊNCIAS DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Dias 6 e 7 de Novembro de 2013 Realização e apoio: facebook: https://www.facebook.com/fecinac

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

Grupo Educacional UNIS - MG Núcleo de Empreendedorismo do UNIS - NEUNIS

Grupo Educacional UNIS - MG Núcleo de Empreendedorismo do UNIS - NEUNIS 2º CONCURSO UNIVERSITÁRIO DE PLANOS DE NEGÓCIO DO UNIS 2015 REALIZAÇÃO: UNIS/MG REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O 2º Concurso Universitário de Planos de Negócio do Unis-MG é uma iniciativa

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO

EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO EDITAL DE INSCRIÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO REGULAMENTO PARA ENVIO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Poderão ser inscritos trabalhos científicos de todo o território brasileiro que se enquadrem na área temática

Leia mais

VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA DA UNC VII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO

VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA DA UNC VII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO Secretaria do Estado da Educação de Santa Catarina Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional SDR - Seara SC Universidade do Contestado Campus Concórdia VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

XX JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO

XX JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO Estado, Direito Penal e Segurança Pública: perspectivas para o controle social São Luís/MA, 29 a 31 de outubro de 2013 Hotel Luzeiros. CAPITULO I - Das disposições gerais REGULAMENTO DA II MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015

CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015 CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015 A Direção Geral da Faculdade do Vale do Jaguaribe FVJ, no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna pública, para o conhecimento dos interessados, a presente Chamada

Leia mais

XIX Ciência Viva. Tema: Ciência, tecnologia e desenvolvimento social. 06 e 07 de Novembro de 2014

XIX Ciência Viva. Tema: Ciência, tecnologia e desenvolvimento social. 06 e 07 de Novembro de 2014 XIX Ciência Viva Tema: Ciência, tecnologia e desenvolvimento social 06 e 07 de Novembro de 2014 A CIÊNCIA VIVA A Ciência Viva é uma exposição anual aberta ao público, em que estudantes da educação básica

Leia mais

EDITAL 32 / 2015 12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA LUZ, CIÊNCIA E VIDA 09 A 14 DE NOVEMBRO DE 2015

EDITAL 32 / 2015 12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA LUZ, CIÊNCIA E VIDA 09 A 14 DE NOVEMBRO DE 2015 EDITAL 32 / 2015 12ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA LUZ, CIÊNCIA E VIDA 09 A 14 DE NOVEMBRO DE 2015 MOSTRA DE TRABALHOS O IF Sudeste MG Campus Barbacena, por meio da Comissão Organizadora da Semana

Leia mais

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte M A Museu Universitário de Arte Projeto Exposições 2010 Termos para inscrições de artistas, curadores e demais interessados em participar do calendário de exposições do ano de 2010/2011 do Museu Universitário

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

Empreenda! 8ª Edição Dúvidas Frequentes

Empreenda! 8ª Edição Dúvidas Frequentes Empreenda! 8ª Edição Dúvidas Frequentes O que é o Empreenda? É uma competição de empreendedorismo e inovação, que em 2015 chega a sua 8ª edição, voltada para todos os alunos de cursos Técnicos, do Programa

Leia mais

Regulamento Prêmio Bom Design 2015

Regulamento Prêmio Bom Design 2015 Regulamento Prêmio Bom Design 2015 (Projetos de janeiro de 2014 até julho 2015) a. CARACTERIZAÇÃO O Prêmio Bom Design é uma premiação dos trabalhos de graduação e equivalentes das instituições de ensino

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

Edital do Concurso para o Símbolo do Curso de Bacharelado em Hotelaria da Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Edital do Concurso para o Símbolo do Curso de Bacharelado em Hotelaria da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Edital do Concurso para o Símbolo do da A coordenação do, visando contribuir para a divulgação e representação visual do curso, torna público o regulamento do concurso para escolha do símbolo que represente

Leia mais

Regulamento Prêmio Telecentros Brasil 2015

Regulamento Prêmio Telecentros Brasil 2015 Regulamento Prêmio Telecentros Brasil 2015 Seção I - Introdução Art. 1º O Prêmio Telecentros Brasil, criado pela Associação Telecentro de Informação e Negócios (ATN) em parceria com o SEBRAE, TICKET, Ministério

Leia mais

REGULAMENTO ENSINO MÉDIO e ESCOLAS TÉCNICAS DE ENSINO MÉDIO

REGULAMENTO ENSINO MÉDIO e ESCOLAS TÉCNICAS DE ENSINO MÉDIO REGULAMENTO ENSINO MÉDIO e ESCOLAS TÉCNICAS DE ENSINO MÉDIO 1 - DOS OBJETIVOS 1.1. O Perfil Empreendedor é um Concurso instituído pelo Grupo RBS, com apoio da COPERVES e da Prefeitura Municipal de Santa

Leia mais

I Feira de Ciências e Engenharias da Universidade Federal da Grande Dourados (FECEN/UFGD) Edital FECEN nº 1, 04 de Maio de 2015

I Feira de Ciências e Engenharias da Universidade Federal da Grande Dourados (FECEN/UFGD) Edital FECEN nº 1, 04 de Maio de 2015 I Feira de Ciências e Engenharias da Universidade Federal da Grande Dourados (FECEN/UFGD) Edital FECEN nº 1, 04 de Maio de 2015 A I Feira de Ciências e Engenharias da Universidade Federal da Grande Dourados

Leia mais

REGULAMENTO DA II FEIRA DE CIÊNCIAS DO IFMG-GV. Apresentação

REGULAMENTO DA II FEIRA DE CIÊNCIAS DO IFMG-GV. Apresentação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM

Leia mais

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS - 2014

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS - 2014 Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS - 2014 É uma competição de Modelo de Negócios, apresentados via tela do Modelo de Negócios CANVAS, entre equipes formadas por estudantes do ensino médio, técnico,

Leia mais

TÍTULO I Da denominação e finalidades

TÍTULO I Da denominação e finalidades TÍTULO I Da denominação e finalidades Capítulo I Do conceito e denominação Art.1 Entende-se por Mostra INOVA SENAI /CE Categoria Aluno - uma atividade técnico-cultural realizada por alunos matriculados

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL

REGULAMENTO DO PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL 1 REGULAMENTO DO PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL 1 -O PRÊMIO ACADÊMICO POPAI BRASIL 2012 O PRÊMIO POPAI BRASIL é a edição nacional da única premiação criada para reconhecer os mais originais e eficazes materiais

Leia mais

1 Objetivo Esta Norma estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa.

1 Objetivo Esta Norma estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa. MAIO 2003 NBR 6022 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Informação e documentação - Artigo em publicação periódica científica impressa - Apresentação Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio,

Leia mais

1º PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESAFIO UNIVERSITÁRIO EMPREENDEDOR

1º PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESAFIO UNIVERSITÁRIO EMPREENDEDOR 1º PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESAFIO UNIVERSITÁRIO EMPREENDEDOR O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre o SEBRAE e os participantes do 1º Prêmio de Artigos Científicos do

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

II Edição do Prêmio IPEN de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL

II Edição do Prêmio IPEN de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL II Edição do Prêmio IPEN de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL 1. Objetivos 2. Participantes 3. Temas 4. Inscrição 5. Julgamento 6. Critérios de Avaliação 7. Premiação e Divulgação 8. Direitos e Obrigações

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 1. DA SUBMISSÃO 1.1. Os trabalhos submetidos poderão ser: Pesquisas Científicas, Estudos de Caso, Trabalhos de Iniciação Científica, Projeto de Extensão,

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

III Desafio ITA de Empreendedorismo

III Desafio ITA de Empreendedorismo III Desafio ITA de Empreendedorismo Edição 2015 Sumário 1 DENOMINAÇÃO, OBJETIVO, CONCEITO E GOVERNANÇA... 3 1.1 Denominação... 3 1.2 Objetivo do Desafio... 3 1.3 Conceito... 3 1.4 Governança... 4 1.4.1

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

EDITAL nº 03/2015. A Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel UNIVEL através do Centro de Pesquisa e Extensão CPE,

EDITAL nº 03/2015. A Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel UNIVEL através do Centro de Pesquisa e Extensão CPE, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3653 - Fax: (45) 3036-3638 http://www.univel.br jornadacientifica2015@univel.br

Leia mais

2ª EDIÇÃO DO PRÊMIO MULHER DE NEGÓCIOS DE CAIEIRAS REGULAMENTO

2ª EDIÇÃO DO PRÊMIO MULHER DE NEGÓCIOS DE CAIEIRAS REGULAMENTO REGULAMENTO Este Regulamento estabelece normas, condições e diretrizes para a realização da II Edição do Prêmio Mulher de Negócios de Caieiras, promovido pela Prefeitura Municipal de Caieiras, Secretaria

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03.

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03. ARTIGO CIENTÍFICO Texto com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados de diversas áreas do conhecimento (ABNT/NBR 6022:2003). 2.1.1 Modelo de artigo COMO

Leia mais

R E G U L A M E N T O* PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO

R E G U L A M E N T O* PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO R E G U L A M E N T O* PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Idealizado pela Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015. VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_

Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015. VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_ Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015 VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_ O Diretor do Instituto Federal do Espírito Santo e a Comissão

Leia mais

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) 1 Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Gepós Unidade de Gestão de Pós Graduação Como requisito obrigatório para a obtenção do certificado de pós-graduação, o TCC deve ser desenvolvido

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA ESPAÇOS VISUAIS REDE SESC DE GALERIAS Edição 2015 Artes Visuais

PROGRAMA DE CULTURA ESPAÇOS VISUAIS REDE SESC DE GALERIAS Edição 2015 Artes Visuais PROGRAMA DE CULTURA ESPAÇOS VISUAIS REDE SESC DE GALERIAS Edição 2015 Artes Visuais INTRODUÇÃO O Serviço Social do Comércio Sesc, Departamento Regional de Santa Catarina, informa aos interessados os procedimentos

Leia mais

PRÊMIO SOLUÇÕES CRIATIVAS

PRÊMIO SOLUÇÕES CRIATIVAS Edital e Regulamento do Concurso Prêmio Talento Inovador Com a preocupação com os novos talentos e o incentivo a criatividade surgiu à idéia do PRÊMIO SOLUÇÕES CRIATIVAS em parceria do Grupo Modular com

Leia mais

Edital do Concurso de Trabalhos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Movimento Nós Podemos Paraná

Edital do Concurso de Trabalhos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Movimento Nós Podemos Paraná Edital do Concurso de Trabalhos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Movimento Nós Podemos Paraná O Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial CPCE do Sistema Federação das Indústrias do Estado

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON 2015 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON 2015 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON 2015 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CATEGORIAS: 1) EMPRESAS PRIVADAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS E 2) TERCEIRO SETOR MODALIDADE 2: Desenvolvimento Sustentável CATEGORIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL ABRH-DF PRÊMIO SER HUMANO BRASÍLIA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL ABRH-DF PRÊMIO SER HUMANO BRASÍLIA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS SECCIONAL DO DISTRITO FEDERAL ABRH-DF PRÊMIO SER HUMANO BRASÍLIA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO 1. DO OBJETIVO: Reconhecer, disseminar e premiar boas práticas e bons

Leia mais

SENAI e SESI, parceiros da Indústria na Inovação

SENAI e SESI, parceiros da Indústria na Inovação SENAI e SESI, parceiros da Indústria na Inovação Março 2009 I DENOMINAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - Art. 2º - Denominação. SENAI/SESI Inovação 2009. É uma ação de abrangência nacional voltada para os Departamentos

Leia mais

Regulamento do 7º Concurso Anhembi Morumbi & Colavita

Regulamento do 7º Concurso Anhembi Morumbi & Colavita Regulamento do 7º Concurso Anhembi Morumbi & Colavita 1. O Concurso 1.1 O azeite de oliva é um produto milenar que faz parte da cultura e da cozinha mediterrânea a chegada dos europeus ao Brasil. Este

Leia mais

EMPREENDA! 6ª Edição - DÚVIDAS FREQUENTES

EMPREENDA! 6ª Edição - DÚVIDAS FREQUENTES EMPREENDA! 6ª Edição - DÚVIDAS FREQUENTES O que é o EMPREENDA? É uma competição de empreendedorismo e inovação, que em 2013 chega a sua 6ª edição, voltada para todos os alunos de cursos Técnicos, do Programa

Leia mais

EDITAL N. 4/2013 CES-TJMT II CONCURSO DE TALENTOS MUSICAIS DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE MATO GROSSO

EDITAL N. 4/2013 CES-TJMT II CONCURSO DE TALENTOS MUSICAIS DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL N. 4/2013 CES-TJMT II CONCURSO DE TALENTOS MUSICAIS DO DO ESTADO DE MATO GROSSO O Tribunal de Justiça/MT realiza o II CONCURSO DE TALENTOS MUSICAIS DOS MAGISTRADOS E SERVIDORES DO /MT, mediante

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA TEMPORADA DE PROJETOS 2014

CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA TEMPORADA DE PROJETOS 2014 CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA TEMPORADA DE PROJETOS 2014 Um dos programas mais importantes do Paço das Artes, a Temporada de Projetos é um espaço dedicado às produções artísticas, curatoriais e críticas

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 - EXPOSIÇÃO DE ARTE NA GALERIA DO COMPLEXO CULTURAL DA DITEAL

EDITAL Nº 02/2015 - EXPOSIÇÃO DE ARTE NA GALERIA DO COMPLEXO CULTURAL DA DITEAL EDITAL Nº 02/2015 - EXPOSIÇÃO DE ARTE NA GALERIA DO COMPLEXO CULTURAL DA DITEAL A Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas - DITEAL, no uso de suas atribuições, dentre as quais destaca-se o aperfeiçoamento

Leia mais

3 DAS INSCRIÇÕES PARA O PLANO DE NEGÓCIOS

3 DAS INSCRIÇÕES PARA O PLANO DE NEGÓCIOS REGULAMENTO 1 DOS OBJETIVOS 1.1. O Perfil Empreendedor é um concurso instituído pelo Grupo RBS com apoio do SEBRAE -RS, Comitê do Empreendedorismo e do Pavilhão de Inovação e tem como objetivo principal

Leia mais

1º CONCURSO EMPREENDEDORISMO SOCIAL COM TI: Edital

1º CONCURSO EMPREENDEDORISMO SOCIAL COM TI: Edital 1º CONCURSO EMPREENDEDORISMO SOCIAL COM TI: Edital As disposições deste edital visam regular a 1ª edição do Concurso Empreendedorismo Social com TI, realizado pelo LAboratory for Research on Visual Applications

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS

EDITAL CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS EDITAL PRPPG, PREC, PROPLAN, PRG, PRAINFRA, PRA, PROGEP, PRAE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS A UFPel, através das Pró-Reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação, de Extensão e Cultura, de Graduação, de Planejamento

Leia mais

Regulamento do 8º Concurso Anhembi Morumbi, Laureate International Universities & Colavita

Regulamento do 8º Concurso Anhembi Morumbi, Laureate International Universities & Colavita Regulamento do 8º Concurso Anhembi Morumbi, Laureate International Universities & Colavita 1. O Concurso 1.1 O azeite de oliva é um produto milenar que faz parte da cultura e da cozinha mediterrânea. Este

Leia mais

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012. Julho/2012 Rio de Janeiro. www.assespro-rj.org.br/premioempresas

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012. Julho/2012 Rio de Janeiro. www.assespro-rj.org.br/premioempresas PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012 Revisão 2.3 Julho/2012 Rio de Janeiro www.assespro-rj.org.br/premioempresas Assespro-RJ Praça Pio X, 55, 9º andar Cep:20070-900 Rio de Janeiro RJ Brasil

Leia mais

5º Concurso de Redação Minha Família na Escola

5º Concurso de Redação Minha Família na Escola 5º Concurso de Redação Minha Família na Escola Regulamento 1. Proponente: A Federação das Entidades Assistenciais de Campinas Fundação Odila e Lafayette Álvaro - FUNDAÇÃO FEAC, entidade de direito privado

Leia mais

PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO

PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO O Banco do Brasil torna público o concurso Prêmio CCBB Contemporâneo, que visa selecionar trabalhos inéditos de artistas brasileiros

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

Convocatória Residência Paço das Artes 2015

Convocatória Residência Paço das Artes 2015 Convocatória Residência Paço das Artes 2015 O Paço das Artes abre inscrições para o programa de Residência 2015, que tem por objetivo fomentar a produção e a pesquisa sobre a arte contemporânea em suas

Leia mais

REGULAMENTO. Gestão de Micro e Pequenos Estratégia. Recursos Humanos Gestão Empresarial. Temas afins Contabilidade

REGULAMENTO. Gestão de Micro e Pequenos Estratégia. Recursos Humanos Gestão Empresarial. Temas afins Contabilidade REGULAMENTO 1. GERAL O Prêmio Excelência Acadêmica é conferido anualmente à melhor Monografia ou Trabalho de Conclusão de Curso, doravante denominada simplesmente TCC, produzido pelos alunos de Instituições

Leia mais

I Prêmio Novo Nordisk de Sustentabilidade

I Prêmio Novo Nordisk de Sustentabilidade I Prêmio Novo Nordisk de Sustentabilidade Apresentação Para a Novo Nordisk, responsabilidade social vai além do cuidado com as pessoas e com o meio ambiente. Nosso objetivo é propiciar um ambiente sustentável

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC

Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC A Coordenação Cultura do SESC-TO; através da Promotoria de Artes Plásticas, comunica aos interessados que estará recebendo de 20 de março a 20 de novembro

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Capítulo I. Disposições gerais. Capítulo II. Finalidade. Capítulo III. Características da produção técnico-científica

REGULAMENTO GERAL. Capítulo I. Disposições gerais. Capítulo II. Finalidade. Capítulo III. Características da produção técnico-científica REGULAMENTO GERAL Capítulo I Disposições gerais Art. 1º O regulamento estabelece as normas para publicação dos artigos técnico-científicos da Revista Contabilidade e Amazônia a serem apresentados na VII

Leia mais

A edição 2012 do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros terá três categorias:

A edição 2012 do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros terá três categorias: Regulamento Uma das premissas do mercado segurador é prever riscos e proteger pessoas e patrimônios. A essência dessa atividade caminha em consonância com os princípios da sustentabilidade. Não é por acaso

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

CONCURSO SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC COMO POSSO CONTRIBUIR PARA A SUSTENTABILIDADE NA UFSC?

CONCURSO SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC COMO POSSO CONTRIBUIR PARA A SUSTENTABILIDADE NA UFSC? CONCURSO SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC COMO POSSO CONTRIBUIR PARA A SUSTENTABILIDADE NA UFSC? TÍTULO I - Da Caracterização Art. 1º. O Concurso SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC é uma promoção da Coordenadoria

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR ENGENHARIAS 2014.2 CARTILHA DE ORIENTAÇÃO

PROJETO INTEGRADOR ENGENHARIAS 2014.2 CARTILHA DE ORIENTAÇÃO PROJETO INTEGRADOR ENGENHARIAS 2014.2 CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SUMÁRIO 1) APRESENTAÇÃO... 3 2) REGULAMENTO... 3 3) CRITÉRIOS PARA A AVALIAÇÃO DO TRABALHO FINAL... 7 4) CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS...

Leia mais

CURSO: TÍTULO DO TRABALHO. Nome do Aluno

CURSO: TÍTULO DO TRABALHO. Nome do Aluno CURSO: TÍTULO DO TRABALHO Nome do Aluno ESTRELA 2015 FACULDADE LA SALLE ESTRELA DISCIPLINA... CURSO... NOME DO ALUNO (MAIÚSCULO) Trabalho da Disciplina, do Curso da Faculdade La Salle Estrela. Professor:

Leia mais

Grupo Educacional UNIS - MG

Grupo Educacional UNIS - MG 1º CONCURSO NEUNIS DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2014 1 REALIZAÇÃO: UNIS/MG REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso NEUNIS de Planos de Negócio para Universitários é uma iniciativa

Leia mais

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário REGULAMENTO I Prêmio do Empreendedorismo Universitário 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento visa orientar os interessados em participar da 1.ª edição do Prêmio do Empreendedorismo Universitário, iniciativa

Leia mais

FACULDADES SÃO CAMILO RIO DE JANEIRO II JORNADA CIENTÍFICA 17 DE MAIO DE 2008

FACULDADES SÃO CAMILO RIO DE JANEIRO II JORNADA CIENTÍFICA 17 DE MAIO DE 2008 FACULDADES SÃO CAMILO RIO DE JANEIRO II JORNADA CIENTÍFICA 17 DE MAIO DE 2008 EDITAL QUE REGULAMENTA A INSCRIÇÃO, APRESENTAÇÃO, AVALIAÇÃO E PREMIAÇÃO DOS TRABALHOS PARA A II JORNADA CIENTÍFICA DAS FACULDADES

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 1ª REGIÃO DISTRITO FEDERAL - GOIÁS - MATO GROSSO - TOCANTINS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 1ª REGIÃO DISTRITO FEDERAL - GOIÁS - MATO GROSSO - TOCANTINS IV PRÊMIO CIENTÍFICO HELENA FEIJÓ 2011 REGULAMENTO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO PRÊMIO SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O IV PRÊMIO CIENTÍFICO HELENA FEIJÓ, promovido pelo Conselho Regional de Nutricionistas

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON 2015 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS CATEGORIAS: 1) EMPRESAS PRIVADAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS E 2) TERCEIRO SETOR

PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON 2015 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS CATEGORIAS: 1) EMPRESAS PRIVADAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS E 2) TERCEIRO SETOR PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON 2015 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS CATEGORIAS: 1) EMPRESAS PRIVADAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS E 2) TERCEIRO SETOR MODALIDADE: Desenvolvimento Sustentável CATEGORIA: EMPRESA

Leia mais

XVI MOSTRA ABMR&A DE COMUNICAÇÃO EM MARKETING RURAL E AGRONEGÓCIO REGULAMENTO. Período de Inscrições: 24 de Agosto a 30 de Setembro de 2010.

XVI MOSTRA ABMR&A DE COMUNICAÇÃO EM MARKETING RURAL E AGRONEGÓCIO REGULAMENTO. Período de Inscrições: 24 de Agosto a 30 de Setembro de 2010. XVI MOSTRA ABMR&A DE COMUNICAÇÃO EM MARKETING RURAL E AGRONEGÓCIO REGULAMENTO Período de Inscrições: 24 de Agosto a 30 de Setembro de 2010. A Mostra ABMR&A de Comunicação em Marketing Rural e Agronegócio

Leia mais