1 O rei D. Carlos I ( ) foi a figura central dos últimos anos do regime monárquico. Autoritário e interveniente na política, embora sem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 O rei D. Carlos I (1863-1908) foi a figura central dos últimos anos do regime monárquico. Autoritário e interveniente na política, embora sem"

Transcrição

1 1 O rei D. Carlos I ( ) foi a figura central dos últimos anos do regime monárquico. Autoritário e interveniente na política, embora sem persistência, tornou-se uma personagem discutida, atacada e pouco estimada. Dizia que em Portugal não havia monárquicos.

2 2 O rei, com uma visão lúcida das dificuldades nacionais, deixou-se encadear a um regime que dava sinais de exaustão e cedo foi anunciado que se aproximava do fim.

3 3 A eleição de quatro aguerridos republicanos para a câmara dos deputados em 1906 Afonso Costa, João de Meneses, António José de Almeida e Alexandre Braga fazia prever uma situação política agitada para Portugal.

4 4 João Franco, escolhido por D. Carlos para presidir ao ministério e mudar de política em 1906, não consegue equilibrar-se na defesa da monarquia por todos os meios e travar o avanço para um regime democrático que o crescimento republicano mostrava urgente.

5 5 Professor e advogado de renome, Afonso Costa destaca-se como deputado pelos tremendos ataques desferidos contra a monarquia: saberá explorar o grande escândalo do período final do regime a questão dos adiantamentos à casa real.

6 6 No final de intervenções provocadoras sobre os adiantamentos Afonso Costa e Alexandre Braga foram expulsos da câmara dos deputados pelos soldados da guarda. A propaganda anti-monárquica logo aproveitou a situação para mostrar a repressão que crescia, mesmo no interior do parlamento.

7 7 Os políticos do rotativismo eram cúmplices dos adiantamentos à família real. O arrependimento mostrado já não colhia na opinião pública: a Pátria castigava-os.

8 8 O aproveitamento propagandístico contra os adiantamentos foi uma arma de arremesso dos republicanos, culpando políticos monárquicos. Todos eles tinham sido cúmplices, todos tinham conjugado o verbo adiantar nas várias pessoas.

9 9 A propaganda republicana instala-se também na rua, realizando-se comícios muito concorridos em que os caudilhos atacavam as instituições. O mais querido dos tribunos foi o Dr. António José de Almeida.

10 10 A Universidade de Coimbra era atacada pelo seu tradicionalismo e atraso, dando origem a protestos como em 1907 a chamada questão académica aproveitada pelo governo de João Franco e pelos republicanos.

11 11 Figura notável de professor da Universidade, político regenerador passado à República, o Dr. Bernardino Machado demitiu-se de lente da Faculdade de Filosofia em protesto contra a repressão instalada na Universidade em 1907.

12 12 O jornalista João Chagas, figura central da propaganda. Sofreu cadeia, deportação e exílio e elevou a grande qualidade a escrita panfletária com as Cartas Politicas ( ). Esteve também envolvido na organização da revolta armada.

13 13 A ditadura de João Franco (e do rei) apoiava-se naturalmente na repressão e na vigilância da imprensa. Antevia-se perigo numa revolta que essa situação estimulava.

14 14 O Dr. António José de Almeida foi o mais conhecido e estimado tribuno da propaganda, sendo também o responsável pela ligação do Partido Republicano à Carbonária para preparar o assalto ao regime.

15 15 A revolta dos marinheiros do navio Vasco da Gama em 1906 foi punida com extrema severidade pelo regime que não hesitava já em resolver pela força as dificuldades que se lhe iam levantando.

16 16 A rainha viúva D. Maria Amélia de Orleães foi uma presença determinante junto do filho, D. Manuel II, influência tida como nefasta. Não era uma pessoa popular.

17 17 José Luciano de Castro, chefe do partido progressista, foi um conselheiro muito ouvido pelo rei D. Manuel II durante o seu curto reinado. As composições e recomposições ministeriais devem-se em boa parte à sua intervenção.

18 18 O Dr. Brito Camacho, médico militar e jornalista, director de A Lucta, tornou- -se uma figura central da propaganda republicana, mostrando os desmandos da governação e do regime monárquico. Seria ministro do Fomento em

19 19 O Dr. Teófilo Braga, professor do Curso Superior de Letras, foi um político e teórico do pensamento republicano. Trabalhador incansável era conhecido pela sua modéstia. Presidiu ao Governo Provisório.

20 20 O Zé Povinho descobre que o interior do cofre da Companhia de Crédito Predial se encontra sem valores e que os seus próprios bolsos estão vazios. Os arrombadores de cartola afastam-se com o dinheiro. José Luciano de Castro, governador da instituição, está à espreita e deixa roubar.

21 21 O último presidente do Conselho da monarquia, o Dr. Teixeira de Sousa, pretendeu ainda salvar a monarquia agonizante com uma política liberal. Entre outras iniciativas, tentou limitar a acção das congregações religiosas porém, já não ia a tempo.

22 22 Padre e escritor de extrema rudeza, não poupando sequer a família real, Lourenço de Matos, director de O Portugal, foi um defensor agressivo da monarquia e uma figura muito criticada pelos republicanos.

23 23 O associativismo foi aproveitado pelos republicanos para propaganda e para criarem os organismos que haviam de servir para a defesa da República. A Federação Portuguesa de Livre Pensamento, ligada à Maçonaria, teve notável papel agregador contrário à política clerical.

24 24 O príncipe D. Afonso Henriques, tio e jurado herdeiro de D. Manuel II, figura popular e sem papas na língua, espantava-se com a beatice do sobrinho.

25 25 Luz de Almeida, Machado Santos e António Maria da Silva constituíram a Alta- Venda da Carbonária, direcção da sociedade secreta que preparou a intervenção armada popular na revolta contra a monarquia.

26 26 A campanha eleitoral de Agosto de 1910 foi em boa parte polarizada pela intervenção clerical, fazendo propaganda do bloco conservador e muito em especial do partido nacionalista.

27 27 As eleições de 28 de Agosto de 1910 deram um aumento da votação nos republicanos embora só elegendo 14 deputados e numa indecisão quanto ao equilíbrio dos partidos monárquicos. Em Lisboa, cidade republicana, e no Porto a vitória foi clara.

28 28 Soldados e civis juntos de uma barricada fingida durante a revolta.

29 29 Militares e civis junto de um peça de artilharia, durante a revolta de 4 para 5 de Outubro de 1910.

30 30 Auto da proclamação da República Portuguesa que ocorreu nos Paços do Concelho da cidade de Lisboa, pelas 8 horas e quarenta e cinco minutos de 5 de Outubro de Em nome do Directório do Partido Republicano Português Eusébio Leão declara abolida a monarquia e proclamada a República. Inocêncio Camacho anuncia a composição do Governo Provisório. A divisa do novo regime seria Ordem e Trabalho.

31 FONTES 1 Caricatura de D. Carlos por Leal da Câmara, História da República, Lisboa, Editorial O Século, p. 208 [1960]; 2 D. Carlos 1º, O Último, de Rafael Bordalo Pinheiro, in J. A. França, Rafael Bordalo Pinheiro, O português tal e qual, Lisboa, Bertrand, 1980, p. 308; Museu Bordalo Pinheiro / Câmara Municipal de Lisboa; 3 A fogueira: O inquilino do primeiro andar Parece-me que vou aquecendo, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 474, de 29 de Novembro de 1906; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 4 Exercício difícil, João o Temerário, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 453 de 3 de Junho de 1906; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 5 Afonso Costa, in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº 20, anno 1º, Junho de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 6 Futuro regulamento da câmara dos deputados, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 476, de 13 de Dezembro de 1906; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 7 O adiantador, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 559, de 16 de Julho de 1908; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 8 Um verbo irregular, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 560. de 23 de Julho de 1908; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 9 Comício republicano em Lisboa, uma ovação a António José de Almeida, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 545 de 9 de Abril de 1908; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 10 As Universidades, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 489, de 14 de Março de 1907; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 11 Bernardino Machado, in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº 20, anno 1º, Junho de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 12 João Chagas, in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº 24, anno 1º, Agosto de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal;

32 13 Jogo arriscado, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 501 de 5 de Junho de 1907; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 14 António José de Almeida, in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº2, anno 1º, Setembro de 1909; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 15 Ás mulheres portuguezas, in Suplemento Humorístico de O Seculo, nº 482, de 24 de Janeiro de 1907; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 16 D. Manuel II e a Rainha D. Amélia (viúva), História da República, p. 398; 17 José Luciano por Silva e Souza, in Xuão, nº 58, 2º anno, 6 de Abril de 1909, O Vulcano da política. Enquanto eu for vivo não hão de faltar ministros ; foto cedida pela Hemeroteca Municipal de Lisboa; 18 Brito Camacho in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº 33, anno 2º, Janeiro de 1911; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 19 Theophilo Braga, retrato da presidência da República, História da República, p. 356 / 357; 20 Crédito Predial, Desenho de Alberto Sousa, n O Mundo, nº 3414, de 4 de Maio de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 21 Teixeira de Sousa, in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº21, anno 1º, Julho de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 22 Padre Lourenço de Matos: in Xuão, nº 76, 2º anno, Tem razão. ; foto cedida pela Hemeroteca Municipal de Lisboa; 23 Estandarte da Federação Portuguesa de Livre Pensamento, in Museu Maçónico; 24 D. Manuel e o príncipe D. Afonso: por Silva e Souza in Xuão, nº 75, 2º anno, É sacristão ou chefe de Estado?... ; foto cedida pela Hemeroteca Municipal de Lisboa; 25 Luz de Almeida, Machado Santos e António Maria da Silva, in Francisco Valença, Varões assinalados, Lisboa, nº29, anno 2º, Novembro de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 26 Campanha eleitoral em Agosto de 1910: desenho em O Seculo, nº , de 23 de Agosto de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 27 A eleição de Domingo Lisboa faz o apuramento, in Suplemento humorístico de O Seculo, nº de 25 de Agosto de 1910; foto cedida pela Biblioteca Nacional de Portugal; 28 Arquivo Municipal de Lisboa / Arquivo Fotográfico: A Revolução de 5 de Outubro de 1910, de Anselmo Franco; 29 Arquivo Municipal de Lisboa / Arquivo Fotográfico: Acampamento revolucionário, de Alberto Carlos Lima; 30 Arquivo Municipal de Lisboa / Arquivo Fotográfico: Palácio da Mitra, Antigo Museu Municipal. Auto da proclamação da República Portuguesa a 5 de Outubro de 1910, do Estúdio Mário Novais.

Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua

Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua forma de governo, de uma Monarquía para uma República.

Leia mais

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 Antecedentes da implantação da República em Portugal O século XIX foi um período particularmente perturbado para Portugal. - A partir de 1870, o país sofreu, como

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA CONCEITO: Cidadão directamente eleito que representa a República Portuguesa e garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia 1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia As principais razões que levaram à Revolução Republicana e queda da monarquia foram: Apesar do desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

No Centenário do 5 de Outubro - A culpa

No Centenário do 5 de Outubro - A culpa No Centenário do 5 de Outubro - A culpa por Francisco Carromeu ( 1 ) Um historiador que vive em Portugal em 2010, no pico dos reflexos da crise financeira internacional que começou em 2008 e é convidado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DIRECÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA GRUPO DE TRABALHO PARA AS COMEMORAÇÕES MUNICIPAIS DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA PLANO DE ACTIVIDADES (2010) Lisboa, Dezembro de 2009 1 Comemorações

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

N o m e a ç õ e s Jogo Hora Visitado / Visitante Pavilhão Arbitros (1 / 2)

N o m e a ç õ e s Jogo Hora Visitado / Visitante Pavilhão Arbitros (1 / 2) Camp. Nac. Juniores - Sul D 3 de abril de 2014 1301 21:30 Paço d'arcos Benfica Paço d'arcos Jorge Ventura (Lisboa) 4 de abril de 2014 Camp. Nac. Juniores - Norte B 1242 22:15 Académico Carvalhos Porto

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MULHERES NA POLÍTICA Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados mostrando a trajetória da mulher brasileira na política. Centro de

Leia mais

Considerando os dados do quadro 1 relativos à indústria algodoeira em Portugal, em 1881:

Considerando os dados do quadro 1 relativos à indústria algodoeira em Portugal, em 1881: PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2014/2015 Escola Superior de Educação e Comunicação Licenciaturas em Educação Social e em Educação Básica Componente

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Centenário sobre a implantação da República Câmara Municipal de Sesimbra. Fevereiro

Centenário sobre a implantação da República Câmara Municipal de Sesimbra. Fevereiro Centenário sobre a implantação da República Câmara Municipal de Sesimbra Fevereiro Dia 19 sex 21.00 Conferências da Liga. Centenário da República Os últimos anos da monarquia em Portugal Da transição da

Leia mais

ANO POLÍTICA ECONOMIA/SOCIEDADE CULTURA/RECREIO 1900 Jan. 02 A vereação da Câmara de

ANO POLÍTICA ECONOMIA/SOCIEDADE CULTURA/RECREIO 1900 Jan. 02 A vereação da Câmara de ANO POLÍTICA ECONOMIA/SOCIEDADE CULTURA/RECREIO 1900 Jan. 02 A vereação da Câmara de Santarém reelegeu para presidente, Ruy Telles Palhinhas e para vicepresidente, o barão de Almeirim. Jan. 23 Nomeado

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

CURSO AVANÇADO SOBRE DIREITO PÚBLICO E RELIGIÃO

CURSO AVANÇADO SOBRE DIREITO PÚBLICO E RELIGIÃO CURSO AVANÇADO SOBRE DIREITO PÚBLICO E RELIGIÃO Coordenação: Professor Doutor Jorge Miranda Professor Doutor Miguel Assis Raimundo Programa Parte I Aspectos estruturantes 5 de Março Apresentação do curso

Leia mais

Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português

Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português Lei das Precedências do Protocolo do Estado Português Lei n.º 40/2006, de 25 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: SECÇÃO I Princípios

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS JOÃO ESTEVES AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS A Primeira Organização Sufragista Portuguesa: a Associação de Propaganda Feminista (1911-1918) EDITORIAL BIZANCIO LISBOA, 1998 ÍNDICE Introdução 11 Capítulo

Leia mais

Todos os eventos são de entrada livre excepto em espectáculos de sala

Todos os eventos são de entrada livre excepto em espectáculos de sala Todos os eventos são de entrada livre excepto em espectáculos de sala 29 de Setembro Desfraldar da Bandeira Nacional Praça do Comércio, Arco da Rua Augusta O Balão da República Passeio inaugural Decoração

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

ARQUIVO PARTICULAR DAVID RODRIGUES, 1923 1955 FUNDO 48 CATÁLOGO

ARQUIVO PARTICULAR DAVID RODRIGUES, 1923 1955 FUNDO 48 CATÁLOGO ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR ARQUIVO PARTICULAR DAVID RODRIGUES, 1923 1955 FUNDO 48 CATÁLOGO Lisboa 2002, Janeiro 1 FICHA TÉCNICA: Estado Maior do Exército Arquivo Histórico Militar

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem QUESTÃO IRLANDESA A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem cerca de 1,8 milhão de habitantes,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Caminhe. pelas ruas da Vila de Palmela

Caminhe. pelas ruas da Vila de Palmela Caminhe pelas ruas da Vila de Palmela PERCURSO 4 Caminhe pela história dos nomes das ruas da Vlia de Palmela Percurso: Circular Duração: 1h Distância: +/-2 km Dificuldade: Baixa Inicie o percurso no Largo

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917.

FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917. FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917. João Frederico de Almeida Fagundes nasceu em Maricá, na antiga província do Rio de Janeiro, em 24 de maio de 1856, filho de José Manuel Nunes Fagundes e de Maria

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14320023 ALEXANDRE VAZ MARQUES VASCONCELOS Colocado em 1105 Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia 9897 Ciências de Engenharia - Engenharia de Minas e Geoambiente 13840715 ANA CLÁUDIA DIAS MARTINS

Leia mais

Casas-Museu dos Médicos em Portugal

Casas-Museu dos Médicos em Portugal Casas-Museu dos Médicos em Portugal O MÉDICO QUE SÓ SABE DE MEDICINA NEM DE MEDICINA SABE Prof. Doutor Abel Salazar AUGUSTO MOUTINHO BORGES, CLEPUL, Academia Portuguesa da História Apresentação Após a

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

Viagem de estudo extraordinária

Viagem de estudo extraordinária Viagem de estudo extraordinária Caravela em cristal No dia 11 de outubro fomos a uma viagem de estudo a Alcobaça. -Primeiro fui à fábrica de cristal chamada Atlantis. Eu aprendi que as matérias-primas

Leia mais

Fundador da Comunidade Judaica do Porto

Fundador da Comunidade Judaica do Porto Fundador da Comunidade Judaica do Porto Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor

Leia mais

Individualidades entrevistadas

Individualidades entrevistadas Individualidades entrevistadas Individualidade Formação Entidade Funções desempenhadas Armando Leandro Direito - Juiz Conselheiro (Supremo Tribunal de Magistratura) - Ex-Director do C.E.J. - Presidente

Leia mais

Academia Nacional de Medicina de Portugal

Academia Nacional de Medicina de Portugal Academia Nacional de Medicina de Portugal Apontamentos e recordações João Ribeiro da Silva* 1 Em 1991 a Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa, a que nessa data eu presidia e da qual era secretário geral

Leia mais

II. COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES

II. COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES 7 0 * ATA N. 116/XIV Teve lugar no dia um de outubro de dois mil e treze, a reunião número cento e dezasseis da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões sita na D. Carlos 1, n. 128 andar, em

Leia mais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS.

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. Maricélia Cardoso Matos Neves mari.neves@uol.com.br Universidade Federal da Bahia A simples observação do mapa do Brasil mostra a existência

Leia mais

A Participação Cívica dos Jovens

A Participação Cívica dos Jovens A Participação Cívica dos Jovens 2 Parlamento dos Jovens 2009 Nos dias 25 e 26 de Maio de 2009, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2009 do Ensino

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2013 DIREITO

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2013 DIREITO Questão 0 A tese do caixa dois: HISTÓRIA (Imagem disponível em>http://amarildocharge.wordpress.com/0//0/a-tese-do-caixa-dois/ < acesso em: 0 out. 0) MARGINAIS DO PODER A 0º secção do julgamento do mensalão

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 PRESIDÊNCIA: DR. FRANCISCO RODRIGUES DE ARAÚJO VEREADORES PRESENTES: DR. JOÃO MANUEL DO AMARAL ESTEVES

Leia mais

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção

Hamlet. William Shakespeare. É só o Começo. Coleção William Shakespeare Adaptação para neoleitores, a partir do original em inglês: Paulo Seben Revisão técnica: Pedro Garcez Supervisão: Luís Augusto Fischer Hamlet Versão adaptada para neoleitores a Coleção

Leia mais

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada)

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) SUMARIO Capítulo I Povos que habitavam o atual território do estado da Bahia antes dos europeus e dos africanos

Leia mais

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO O Conselheiro Leonardo Caetano de Araújo, nasceu em Parada de Gatim, Vila Verde (Braga), a 11 de Maio de 1818, quatro anos antes da independência do Brasil, e faleceu com 85

Leia mais

LEI DO SORTEIO MILITAR

LEI DO SORTEIO MILITAR LEI DO SORTEIO MILITAR Em 1874 uma lei modificou o sistema de recrutamento militar no Brasil, até então constituído pelo voluntariado ou pelo recrutamento forçado, instituindo o sorteio para o serviço

Leia mais

100 anos de República

100 anos de República Antecedentes A proclamação da República na manhã de foi o culminar de um conjunto de acontecimentos que globalmente tiveram origem na última década do século XIX, marcada pelo Ultimato Inglês. O início

Leia mais

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA Designação: Conjunto dos edifícios da Associação Académica de Coimbra e jardins, Teatro Académico Gil Vicente e Cantinas da Universidade de Coimbra Categoria / Tipologia: Arquitectura Civil / Edifício

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT 1001415 Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça Alcobaça Leiria 1001811 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos com Secundária de D. Pedro I Escolas D. Pedro I Alcobaça

Leia mais

cm ii COMiSSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES ATA N. 230/XIV

cm ii COMiSSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES ATA N. 230/XIV A Não 0 cm ii COMiSSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES ATA N. 230/XIV Teve lugar no dia três de novembro de dois mil e quinze, a reunião número duzentos e trinta da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

TENTATIVA DE DEDUÇÃO GENEALÓGICA DA FAMÍLIA LEITE

TENTATIVA DE DEDUÇÃO GENEALÓGICA DA FAMÍLIA LEITE TENTATIVA DE DEDUÇÃO GENEALÓGICA DA FAMÍLIA LEITE 1. Manuel Leite e sua mulher Maria Pereira, de Peso da Régua, foram pais de, pelo menos: 2. José Leite Pereira dos Guimarães, casado com Quitéria Maria,

Leia mais

Relatório de atividades 2012

Relatório de atividades 2012 Associação Nacional de Proprietários Propriedade e Liberdade. Relatório de atividades 2012 Direção da ANP 9-Mai-2013 Para cumprimento da alínea h) do art.º 25.º dos Estatutos, apresentamos o Relatório

Leia mais

VASQUES, Bernardo * militar; min. STM 1893-1902; min. Guerra. 1894-1896.

VASQUES, Bernardo * militar; min. STM 1893-1902; min. Guerra. 1894-1896. VASQUES, Bernardo * militar; min. STM 1893-1902; min. Guerra. 1894-1896. Bernardo Vasques nasceu em Magé, na antiga província do Rio de Janeiro, no dia 9 de agosto de 1837, filho de Bernardo José Vasques.

Leia mais

Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional

Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional Noticiário de fevereiro de 2013 Brasília, março de 2013 SECRETARIA DE TRANSPARÊNCIA Conteúdo 1. Análise de notícias... 3 2. Pré-sal...

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

REFORMAR, PARA VALER, O ESTADO BRASILEIRO

REFORMAR, PARA VALER, O ESTADO BRASILEIRO REFORMAR, PARA VALER, O ESTADO BRASILEIRO EDSON CARVALHO VIDIGAL Ministro do Superior Tribunal de Justiça Advogado, ex-deputado federal, vereador cassado pelo regime militar, jornalista. O curriculum é

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS Exposição de motivos A Constituição da República Portuguesa define, na alínea b) do n.º 2 do artigo 38.º, que a liberdade de imprensa implica

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H LOCAL: AUDITÓRIO PRÉDIO 5 DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H Luís Aguiar Santos (Universidade de Lisboa) Antonio de Ruggiero (PUCRS) - Decadência de Portugal e a solução cesarista: um estudo sobre história

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

A IMPRENSA RIO-GRANDINA DO SÉCULO XIX NO ACERVO DA BIBLIOTECA RIO-GRANDENSE (LEVANTAMENTO PARCIAL)

A IMPRENSA RIO-GRANDINA DO SÉCULO XIX NO ACERVO DA BIBLIOTECA RIO-GRANDENSE (LEVANTAMENTO PARCIAL) A IMPRENSA RIO-GRANDINA DO SÉCULO XIX NO ACERVO DA BIBLIOTECA RIO-GRANDENSE (LEVANTAMENTO PARCIAL) FRANCISCO DAS NEVES ALVES * RESUMO Levantamento parcial dos jornais que circularam na cidade do Rio Grande

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA MANUAL ADOTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL HGP 6º ANO AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE EDITORA: TEXTO EDITORES 6º ANO ANO LETIVO 2013-2014 1º Período Subtema Conteúdos Conceitos Operacionalização

Leia mais

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo Cronologia 1890 11 de janeiro Ultimatum inglês, que exige a retirada das forças militares portuguesas dos territórios entre Angola e Moçambique, sob pena de corte de relações diplomáticas. 1891 31 de janeiro

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

No contexto da II Guerra Mundial, logo depois da reviravolta da guerra a favor dos Aliados, o movimento socialista português ganhou novo ânimo.

No contexto da II Guerra Mundial, logo depois da reviravolta da guerra a favor dos Aliados, o movimento socialista português ganhou novo ânimo. HISTÓRIA DO PS O Partido Socialista nasceu oficialmente a 19 de abril de 1973, na Alemanha, mas o percurso dos ideais socialistas em Portugal são muito mais antigos, remontando ao último quartel do século

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A INSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA A PROCLAMAÇÃO Proclamada em 15 de novembro de 1889, a República nascia no Brasil como resultado de um movimento de cúpula, como uma espécie de revolução pelo alto controlada

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Nenhum ato legislativo contrário à Constituição pode ser válido (...). A presunção natural, à falta de norma expressa, não pode ser

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS REGIONAIS»

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS REGIONAIS» PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS REGIONAIS» PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO REGIME JURÍDICO DA COBERTURA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL. Acta número nove

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL. Acta número nove ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DE CAPARICA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO GERAL Acta número nove Aos oito dias do mês de Setembro, do ano de dois mil e onze, realizou-se a nona reunião ordinária do Conselho

Leia mais

REPÚBLICA NAS ESCOLAS

REPÚBLICA NAS ESCOLAS REPÚBLICA NAS ESCOLAS COM O APOIO DE: http://www.centenariorepublica.pt/escolas escolas@centenariorepublica.pt República nas Escolas Descrição e Objectivos O tema Centenário da República deverá ser um

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14 PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano 1 D. PDRO II, O NOVO IMPERADOR Após agitações D. Pedro II assume o trono de 1840 a 1889: foi deposto 1º momento tranquilidade

Leia mais

AS MULHERES E A REPÚBLICA. Discurso proferido por S.A.R. a Duquesa de Bragança

AS MULHERES E A REPÚBLICA. Discurso proferido por S.A.R. a Duquesa de Bragança AS MULHERES E A REPÚBLICA Discurso proferido por S.A.R. a Duquesa de Bragança Encontro Anual da AACDN Porto, 1 a 3 de Outubro de 2010 1 Existe uma tentação comum a quase todas as comemorações de efemérides

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

Congresso em Mafra. Editorial. Newsletter. Pedro Passos Coelho falou do Partido e do País. Eurodeputado Carlos Coelho em Vila Franca de Xira

Congresso em Mafra. Editorial. Newsletter. Pedro Passos Coelho falou do Partido e do País. Eurodeputado Carlos Coelho em Vila Franca de Xira Newsletter www.psd-vfx.com Boletim Informativo Março 2010 Editorial Companheiros, O nosso Partido vive, quer a nível local, quer a nível nacional, dias de definição e com uma importância acrescida pela

Leia mais

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

JORNAL DO CENTENÁRIO A REPÚBLICA EM 100 PALAVRAS. www.centenariorepublica.pt

JORNAL DO CENTENÁRIO A REPÚBLICA EM 100 PALAVRAS. www.centenariorepublica.pt JORNAL DO CENTENÁRIO Nº2 SET./OUT. 2009 www.centenariorepublica.pt 2/3 A REPÚBLICA E O ENSINO REVOLUCIONÁRIOS E PEDAGOGOS DE HÁ 100 ANOS 4 COMO ERA HÁ 100 ANOS A ACADEMIA 5 RUAS DA CONSPIRAÇÃO O ROSSIO

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

http://www.jeisael.com/ Cabo Campos elogia troca de comando na Polícia Militar

http://www.jeisael.com/ Cabo Campos elogia troca de comando na Polícia Militar ASSUNTO: SITE: EDITORIA: Cabo Campos elogia troca de comando na Polícia Militar http://www.jeisael.com/ POLÍTICA DATA: 18/01/2016 Cabo Campos elogia troca de comando na Polícia Militar O deputado estadual

Leia mais

Livros Recomendados. Apoio a projetos História de Portugal. Autores Títulos Editoras ISBN

Livros Recomendados. Apoio a projetos História de Portugal. Autores Títulos Editoras ISBN AA. VV. (Coord. Irene Flunser Pimentel e Maria Inácia Rezola) Democracia, Ditadura - Memória e justiça politica Tinta-da-China 978-989-671-202-0 AA. VV. (Coord. Maria Inácia Rezola e Pedro Marques Lopes)

Leia mais

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010 Pesquisa e Consultoria Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE 03 a 07 de Novembro de 2010 Rua Grão Pará 737, 4 andar Cep 30150-341 Belo Horizonte MG Tel. 31-33042100

Leia mais