escoamento multifásico Abril 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "escoamento multifásico Abril 2013"

Transcrição

1 Seminário do grupo de escoamento multifásico Abril

2 Carlos Marlon Silva Santos Fone : Graduação Engenharia Mecânica - UFBA Especialização em Engenharia de Gás Natural Apresentação Mestrado Engenharia Mecânica -UFPB- Na análise Exergética e Termoeconômica de Unidade de Cogeração com Sistema de Refrigeração por Absorção Água - Amônia, usando Gás Natural Março Engenheiro de Processo e Controle da Qualidade SR -Xerox Com. e Ind. Ltda

3 ANÁLISE EXERGÉTICA E TERMOECONÔMICA DE UNIDADE DE COGERAÇÃO COM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO ÁGUA - AMÔNIA, USANDO GÁS NATURAL Carlos Marlon Silva Santos Orientadores : Prof.Dr. Carlos Antônio Cabral dos Santos Prof. Dr. Ednildo Andrade Torres

4 Estrutura da Apresentação Objetivo Modelagem Resultados Considerações Finais 4

5 Objetivo Analisar exergética e Termoeconomicamente um sistema de cogeração composto por um motor e um chiller de refrigeração por absorção. Fluxos de calor envolvidos no sistema - 1 lei da termodinâmica Irreversibilidades 2 Lei da termodinâmica Análise Exergética Custos e tarifas dos produtos Termoeconomia Etapas Simular o funcionamento do motor e do sistema de refrigeração por absorção (EES- Engineering Equation Solver); Analisar energética e exergeticamente a unidade (Equação da continuidade, Balanços de energia e exergia); Análise termoeconômica (base exergética) 5

6 (Motor) Modelagem Termodinâmica Carga % 37,64 43,86 50,11 56,33 62,61 68,83 75,09 81,28 87,59 93,81 100,00 Velocidade (operação) RPM Potência W m kw 74,1 86,9 98, ,7 131,3 140, ,2 163,5 167,2 Vazão de Gás Natural Temperatura dos gases exaustão Fonte: Leon Heimer (10-3 ) kg/s 4,74 5,61 6,373 7,274 8,036 8,763 9,317 9,941 10,56 11,36 11,60 C 583,8 602,9 619,6 630, ,6 678,8 695,4 712,5 715,1 733,5 m = 1,122x10.carg a + 7,842x10 gn T =2,372.carga + 499,989 gases 4 4 W m =1,530.(carga) + 21,856 Exc m ar;re al = m ar;ideal m gases;re al = m ar;re al + m gn 6

7 Modelagem Termodinâmica Unidade de refrigeração por absorção Ciclo GAX Q c Condensador 1 Retificador W bomba Gerador Q gerad or Motor 21 9 Trocador de Calor Q resf Resfriador Evaporador Absorvedor

8 Simulador Desenvolvido no EES Software que fornece as propriedades termodinâmicas Dados de entrada Composição do gás natural; Excesso da ar da combustão; Temperatura de referencia; Pressão de referência; Carga de operação do motor; Temperatura de evaporação; Concentração de vapor de refrigerante; Largura do processo; Variação de pressão na válvula intermediária; Eficiência do tocador de calor de solução; Temperatura de entrada de água gelada; Temperatura de saída de água gelada; Eficiência da bomba de solução; 8

9 Simulador Dados de entrada para avaliação termoeconômica Taxa de juros Tempo de retorno do investimento, em anos Investimento Chiller Investimento Motor Tarifa cobrada pela companhia de água R$/m 3 Tarifa cobrada pela companhia de gás R$/m 3 Taxa de rateio do sistema de refrigeração 9

10 Resultados Fluxos de Calor do sistema de refrigeração por absorção (1 lei da termodinâmica) Fluxo de calor (kw) ,2 29,11 89,89 87,45 Gerador SCA Evaporador Condensador Resfriador a ar 7,58 Retificador 10

11 Resultados Irreversibilidade do sistema de refrigeração por absorção (2 lei da termodinâmica) 75% carga 60,00% 54,15% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 14,76% 11,92% 9,61% 10,00% 0,00% 5,90% 2,66% 0,94% 0,06% Gerador Retificador SCA Resfriador a ar Evaporador Condensador Valvulas Trocador de calor 11

12 Energia Resultados Combustível 100 % Motor 30,22 % EE 33,63% Gases 36,15% 69,78% Combustível 100 % Cogeração 30,22 % EE 19,67% Água gelada Exergia Combustível 100 % Motor 28,92 % EE 31,82% 39,21 % 71,08% Combustível 100 % Cogeração 28,92 % EE 1,17 % Água gelada 12

13 Resultados COP = 0,58 1 Lei η motor = 30,23 % η coger = 50,12 % ε Refrig = 10,07% 2 Lei ε motor = 28,92 % ε Cogeração = 30,23% 13

14 Termoeconomia Resultados 14 Perdas condensador Perdas Resfriador Combustível Água Gelada Energia Elétrica Motor Unidade de Refrigeração INVESTIMENTO Água Gelada Energia Elétrica

15 Resultados Termoeconomia (Investimento) Entrada Saída Fluxo 10 3 (R$/Ano ) Fluxo 10 3 (R$/Ano ) , , ,77 Unidade de , ,26 cogeração 22 3,45 Investimento 0, ,89 Total 511,95 Total 511, Água 19- Gás Natural 24- E. E Bomba 18- Água Gelada 21- EE Gerador 22- Perda Condensador 23- Perda Refrigerador 15

16 Considerações Finais A análise exergética aponta: O processo de desorção ( separação do refrigerante da solução) apresentou maior irreversibilidade Responsável por 70% (Gerador 56% Retificador 14%). O Processo de absorção apresenta-se como o segundo mais irreversível com 22%. 16

17 Considerações Finais A custo tarifário da energia elétrica produzida com a unidade operando a 75% da carga e 15% de excesso de ar foi de 96,16 R$/MWh. O custo tarifário líquido da água gelada foi de 0,90 R$/t. Custo de produção de energia elétrica ,35 R$/ano As tarifas dos produtos da unidade e o custo são reduzidos com o motor operando com um excesso de menor O motor operando com cargas elevadas conduzem a tarifas menores. 17

18 Cursando disciplinas Atividades do Doutorado Matemática para engenheiros Prof. Dr. Paulo Greco Mecânica dos Fluidos Prof. Dr. Oscar Rodrigues Estudar Análise teórica de um Perfect Core-Annular Flow (PCAF) Realizar Treinamento Wolfram Mathematica 8 Desenvolver modelo para PCAF: Óleo Água duto vertical em Wolfram Mathematica 8 18

19 Obrigado 19

20 20

21 21

22 22

23 23

24 Back up 24

25 Resultados Fatores que influenciam nos custos Taxa de juros Tempo de operação (anos) Taxa de juros (%) Motor Investim ento 10 3 R$/ano 0,75 0,81 0,88 0,39 0,44 0,49 0,25 0,29 0,33 Chiller 10 3 R$/ano 0,52 0,57 0,62 0,31 0,31 0,34 0,18 0,21 0,23 Produtos Tarifa Água gelada (18) 10 3 R$/ano Energia elétrica 10 3 R$/ano Energia elétrica (R$/MWh) 394,08 394,16 394,25 393,64 393,70 393,76 393,40 393,53 393,57 114,05 114,08 114,12 113,89 113,91 113,93 113,81 113,83 113,86 95,28 95,31 95,34 95,14 95,16 95,18 95,09 95,11 95,12 25

26 1600 Resultados Fatores que influenciam nos custos - Condições de operação ,89 479,53 488,81 498,53 380,15 386,65 393,7 401, ,1 127,83 130,92 133, ,29 246,87 250,85 255,1 107,72 111,1 113,9 116, ,78 81,39 83,6 85,54 487,87 497,74 507,61 517,47 594,99 607,37 619,74 632, ,07 328,26 334,45 340, ,42 94, ,25 89,99 92,81 95,16 97,2 88,77 91,44 93,65 95, Tarifa Energia elétrica(r$/mwh) Custo Total Produtos(103R$/Ano) Custo de energia elétrica(103r$/ano) Custo água Gelada(103R$/Ano) 26

27 Cogeração Conceitos Produção combinada de duas ou mais formas de energia a partir de um combustível; A utilização do excesso de calor, recuperando-o, substitui, de forma vantajosa a combustão de outros derivados de petróleo; Melhoria de eficiência quando comparado aos sistemas operando isoladamente Vantagens Economia de energia primária Diversidade de produção energética Diminuição dos níveis globais de poluição Desvantagens Necessidade de regulamentação Aumento da poluição local 27

28 Conceitos Refrigeração por absorção Utiliza Energia Térmica como insumo energético; Baseia-se no princípio que vapores de alguns fluidos refrigerantes são absorvidos por outros líquidos ou soluções salinas, podendo ser separados pelo aquecimento; Utiliza fluidos de trabalho que agridem menos o meio ambiente; Pode ser aplicada nos diversos setores da economia. 28

29 Refrigeração por absorção Funcionamento Geração do vapor de refrigerante Fluido refrigerante(amônia)segue o circuito frigorífico passando pelo: Condensador Válvula de expansão Evaporador Solução Fraca(Baixa concentração de amônia) segue para o absorvedor, passando por um trocador de calor intermediário e por uma válvula; No absorvedor a solução fraca entra em contato com o vapor de refrigerante, formando a solução concentrada A solução Forte (SF) é bombeada para o gerador de vapor, A (SF) é pré-aquecida no trocador de calor O ciclo reinicia no gerador de vapor. 29

30 Avaliação Exergética De acordo com Tsatsaronios (1993), a avaliação exergética permite complementar a análise energética da seguinte forma: Oferece melhor medida para avaliação da magnitude da energia perdida em relação à energia total fornecida sob a forma de insumo energético Fornece uma medida da qualidade (ou do desperdício) da energia sob ponto de vista termodinâmico; Fornece uma variável que possibilita definir a eficiência racional, que é a relação entre a exergia do efeito desejado e a exergia necessária ao processo ao sistema energético. 30

31 Termoecônomia Tsatsaronis (1993) enuncia os objetivos da termoeconômia são eles: Identificar a localização, magnitude e fonte das perdas termodinâmicas(perdas exergéticas, irreversibilidades ou destruição exergética); Calcular os custos associados a exergia destruída e perdida; Calcular os custos de produção para sistemas que têm mais de um produto final; Facilitar estudos de viabilidade e otimização na fase de projeto ou melhoria do processo de um sistema energético existente; Ajudar em decisões de operação de plantas existentes; Comparar diversas alternativas tecnológicas. 31

32 Metodologia da Pesquisa Modelagem Termodinâmica Análise Energética e Exergética Motor Unidade de refrigeração Modelagem Termoecômica Teoria do custo exergético 32

33 (Motor) Modelagem Termodinâmica Carga % 37,64 43,86 50,11 56,33 62,61 68,83 75,09 81,28 87,59 93,81 100,00 Velocidade (operação) RPM Potência W m kw 74,1 86,9 98, ,7 131,3 140, ,2 163,5 167,2 Vazão de Gás Natural Temperatura dos gases exaustão Fonte: Leon Heimer (10-3 ) kg/s 4,74 5,61 6,373 7,274 8,036 8,763 9,317 9,941 10,56 11,36 11,60 C 583,8 602,9 619,6 630, ,6 678,8 695,4 712,5 715,1 733,5 m = 1,122x10.carg a + 7,842x10 gn T =2,372.carga + 499,989 gases 4 4 W m =1,530.(carga) + 21,856 Exc m ar;re al = m ar;ideal m gases;re al = m ar;re al + m gn 33

34 Modelagem Termodinâmica Energia e Exergia (Gás natural) Q& Ex & comb comb = m &.PCI gn = φ.m &.PCI gn H 1,0 = 1, , , 0694 C N Energia e Exergia(Gases de exaustão) gases gases m gases 0 PCI = x.pci φ i i i c = Q& = m& cp (T T ) cpm x i.cpi & & ( ) Tg 0 f Ex =m gases gases cpm Tg -T0 - T0 ln T Ex = m& x.ex + RT x lnx ch ch gases gases i i 0 i i i= p i= p i 34

35 Modelagem Termodinâmica Determinação das eficiências Energéticas (1 Lei da termodinâmica) η = motor W m.100 m.pci gn Energia útil COP ev = = Energia requerida Q W g + b Q η = Global Wm + Q ev.100 m.pci gn Determinação das eficiências Exegéticas ( 2 Lei da termodinâmica) W Ex m ε motor =.100 ev φ.m gn.pci ε refrig = Ex g ε Global Wm + Exev = φ.m.pci gn 35

36 Modelagem Termoeconômica Divisão da planta em unidades produtivas 22 Condensador Gerador/ Retificador 20 Motor 21 9 Trocador de Calor 23 Resfriador Evaporador Absorvedor

37 Modelagem Termoeconômica Balanço do custo exergético nas unidades produtivas; Aplicação das proposições enunciadas por Valero e Lozano; Teoria do custo Monetário c *.Ex * = c *.Ex * + Z p p f f i Insumo (R$/s) Unidade Produtiva Produtos (R$/s) Z (R$/s) 37

38 Modelagem Termoeconômica Termoeconomia (Investimento) Fator de Recuperação de capital Relação entre rendimento e capital investido Remuneração de um certo capital durante um certo período de tempo sujeito a uma taxa de juros n A i(1 + i) = n P (1 + i) 1 Custo monetário pontual (A / P) Z i =.Fi t op 38

39 Sugestões para Trabalhos Futuros Estudo de otimização com base termoeconômica para determinação do ponto ótimo de operação; Implantação da unidade e estudo de validação de dados do simulador; Desenvolver estudo com o aproveitamento da água de arrefecimento do motor; Dimensionamento dos trocadores de calor do sistema de refrigeração por absorção; 39

40 Conceitos Energia vs. Exergia Energia É dependente de parâmetros de matéria ou fluxo energético somente e independente de parâmetros do ambiente. Tem valor diferente de zero É governado pela 1ª lei da termodinâmica para todos os processos É limitado pela 2ª.lei da termodinâmica para todos os processos inclusive os reversíveis É movimento ou capacidade de gerar movimento Exergia É dependente tanto de parâmetros massa, fluxo de energia e de condições ambientais. É igual a zero para o estado morto ou em equilíbrio com o meio ambiente É governado pela 1ª lei da termodinâmica somente para processos reversíveis (em processos irreversíveis é destruída parcialmente ou completamente) Não é limitado para processos reversíveis devido a 2ªlei da termodinâmica É trabalho ou a capacidade de produzir trabalho É sempre conservada num processo, então não pode ser produzida ou destruída. É sempre conservada para processos reversíveis, mas é sempre degradada em processos irreversíveis. É a medida da quantidade somente É medida da quantidade e qualidade devido a entropia 40

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores.

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Processos Isentrópicos O termo isentrópico significa entropia constante. Eficiência de Dispositivos

Leia mais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais 58 Capítulo V Eficiência na transferência de calor de processos industriais Por Oswaldo de Siqueira Bueno* Nas edições anteriores, foram abordadas as perspectivas de economia de energia com a eficiência

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais

Medição da Eficiência

Medição da Eficiência Medição da Eficiência Indicadores kw/tr É a unidade mais utilizada na avaliação de Chillers a 100% ou em cargas parciais COP (Coeficiente de Performance) É utilizado na comparação de chillers quando estes

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL alvaro antonio ochoa villa (Universo) ochoaalvaro@hotmail.com Helder Henrique Lima Diniz (Universo) helder.diniz@terra.com.br

Leia mais

Termelétrica de Ciclo Combinado

Termelétrica de Ciclo Combinado Termelétrica de Ciclo Combinado As usinas termelétricas são máquinas térmicas que têm como objetivo a conversão da energia de um combustível em energia elétrica. A eficiência térmica de conversão destas

Leia mais

Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada

Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada Válvula de controle Ambiente 2 Sumidouro de calor Bomba d água Ambiente 1 Sistema de ar condicionado do tipo água gelada Classificação: Sistema multi-zona

Leia mais

Máquinas Térmicas. Turbina a Gas

Máquinas Térmicas. Turbina a Gas Máquinas Térmicas Turbinas a Gas Geração Elétrica com Turbinas a Gas Capacidade Instalada EUA (2005) 930 GW(e) Turbinas a Gas respondem por 23 % desta capacidade instalada = 214 GW(e) Previsão da DoE:

Leia mais

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS Projeto de Iniciação Científica MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS COM COMBUSTÃO EXTERNA Orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo Batista de Mello Departamento: Engenharia Mecânica Candidato: José Augusto

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento inicial das turbinas, ocorreu

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 26 de Maio de 2010. Matriz Energética Brasileira 2

Leia mais

Aproveitamento da energia da água de chillers

Aproveitamento da energia da água de chillers Aproveitamento da energia da água de chillers Gessen Souza Teixeira¹ Michel Brondani 2 Ademar Michels³ Flávio Dias Mayer 4 Ronaldo Hoffmann 5 Resumo: Apesar de grande parte da matriz energética brasileira

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Mecânica SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO Sílvio de Oliveira Júnior Arlindo Tribess Alberto Hernandez Neto Flávio Augusto

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

ASHRAE Annual Conference 2011

ASHRAE Annual Conference 2011 ASHRAE Annual Conference 2011 Definição A ASHRAE Annual Conference é um evento criado pela American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers (sociedade americana dos engenheiros

Leia mais

Energética. Eng. Eduardo Acquaviva Coord.. Engenharia de Desenvolvimento

Energética. Eng. Eduardo Acquaviva Coord.. Engenharia de Desenvolvimento 3º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia Eng. Eduardo Acquaviva Coord.. Engenharia de Desenvolvimento 28/06/2006 Iqara Energy 13 Contratos (7,6 MW - 4.000 TR - 15,0 milhões

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Bombas de Calor para A.Q.S. AQUAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Uma tecnologia de futuro Sistema eficiente de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Bomba

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

EVAPORADORES E CONDENSADORES

EVAPORADORES E CONDENSADORES EVAPORADORES E CONDENSADORES A Fundação: abril de 1999 Localização: Araraquara SP Brasil Fone: 55 16 3334 2111 Skype: loffredo.moretti E.mail: lme@lme.com.br Website: www.lme.com.br Áreas de atuação: indústrias

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:02. Centro de Ciências Tecnológicas Curso:

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:02. Centro de Ciências Tecnológicas Curso: Centro de Ciências Tecnológicas Curso: Engenharia Química (Noturno) Ano/Semestre: 11/1 9/5/11 15: s por Curso EQU.7.1.1-5 FIS...-7 MAT.7.1.1-3 MAT.9.1.-7 MAT.9..9- MAT.9.3.- MAT.9..-3 EDU.5..- EQU...-9

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

Pesquisa & Desenvolvimento

Pesquisa & Desenvolvimento Pesquisa & Desenvolvimento O Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) na AES Uruguaiana é uma importante ferramenta para a companhia promover melhorias contínuas na prestação do serviço, com a qualidade

Leia mais

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO Clovis Adelar Mattjie (FAHOR) cm000627@fahor.com.br Renato Ristof (FAHOR) rr000875@fahor.com.br

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar

Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar André Felipe Brescovici Nunes (UNIOESTE) andre_lipaum@hotmail.com Eduardo César Dechechi (UNIOESTE) dechechi@pti.org.br

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Outros dispositivos só foram inventados muito tempo depois, um destes foi criado pelo italiano Giovanni Branca no ano de 1629.

Outros dispositivos só foram inventados muito tempo depois, um destes foi criado pelo italiano Giovanni Branca no ano de 1629. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O primeiro motor movido a vapor que se tem

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

CHILLER A ABSORÇÃO E CO-GERAÇÃO SEJAM BEM VINDOS! 23 de agosto de 2006

CHILLER A ABSORÇÃO E CO-GERAÇÃO SEJAM BEM VINDOS! 23 de agosto de 2006 CHILLER A ABSORÇÃO E CO-GERAÇÃO SEJAM BEM VINDOS! 23 de agosto de 2006 Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0099 www.tuma.com.br TÓPICOS DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Estudo Comparativo Implementação de IMOP

Estudo Comparativo Implementação de IMOP SIMULAÇÃO ENERGETICA ANUAL Estudo Comparativo Implementação de IMOP Elaborado por Pedro Mimoso Março, 2012 Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Agos Set Out Nov Dez SIMULAÇÃO ENERGETICA Para a elaboração desta

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 09 de Setembro de 2010. 2 2 3 3 4 4 5 5 Papel da Comgás no Mercado

Leia mais

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves*

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* 46 Capítulo XII Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* Atualmente, o custo da energia elétrica

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO UTILIZANDO GÁS DE ATERRO E GÁS NATURAL

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO UTILIZANDO GÁS DE ATERRO E GÁS NATURAL Ciência & Engenharia (Science & Engineering Journal) ISSN 0103-944X 17 (1/2): 11 16, jan dez 2008 AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO UTILIZANDO GÁS DE ATERRO E GÁS NATURAL

Leia mais

VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO

VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO VEH + COGERAÇÃO Edison Tito Guimarães - Abril 2003 Conceito Básico Criando novas formas de gerar energia: O VEH além das vantagens já indicadas nas outras apresentações, é um gerador

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

Motor de combustão interna

Motor de combustão interna 38 4 Motor de combustão interna 4.1 Considerações gerais Os motores de combustão interna são máquinas térmicas alternativas, destinadas ao suprimento de energia mecânica ou força motriz de acionamento.

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA O PROJETO

MOTIVAÇÃO PARA O PROJETO USO EFICIENTE DO GÁS NATURAL NA INDÚSTRIA CERÂMICA Parceria IPT-Comgás Programa de P&D Equipe IPT Marco Antonio Paiva Ding Hua Marilin Mariano dos Santos Laiete Soto Messias Equipe Comgás Hudson Brito

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED Soluções em energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED ENERGIA Insumo fundamental para garantir o desenvolvimento econômico e social do país ENERGIA ÓLEO COMBUSTÍVEL GÁS NATURAL GLP BIOMASSA ELÉTRICA

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

SOLUÇÕES TÉRMICAS E SIDERÚRGICAS

SOLUÇÕES TÉRMICAS E SIDERÚRGICAS 1 KONUS ICESA S.A. SOLUÇÕES TÉRMICAS E SIDERÚRGICAS INTEGRAÇÃO DE UTILIDADES, RECUPERAÇÃO DE CALOR E COGERAÇÃO EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE FLUIDO TÉRMICO Autor: JOAQUIM LUIZ BARROS JR. 1 INTEGRAÇÃO DE

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado Ar Condicionado Recorrendo à movimentação do ar estes equipamentos permitem, num curto espaço de tempo, climatizar um determinado espaço. Com estes sistemas podemos aquecer ou arrefecer o ambiente por

Leia mais

Bombas de Calor Geotérmicas

Bombas de Calor Geotérmicas Bombas de Calor Geotérmicas Futuro A crescente subida dos preços dos combustíveis fósseis (gás e gasóleo) levou a CHAMA a procurar alternativas aos sistemas tradicionais de aquecimento. Alternativas que

Leia mais

Critérios CPE da UE para aquecedores a água

Critérios CPE da UE para aquecedores a água Critérios CPE da UE para aquecedores a água Os critérios CPE da UE têm como objetivo ajudar os organismos públicos na aquisição de produtos, serviços e obras com impacto ambiental reduzido. A utilização

Leia mais

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil CONSUMO EFICIENTE DE energia elétrica: uma agenda para o Brasil 2/14 Créditos Copyright Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) 2016 Conteúdo PSR Soluções e Consultoria

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO REAL UTILIZANDO O PROGRAMA CYCLE-TEMPO

SIMULAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO REAL UTILIZANDO O PROGRAMA CYCLE-TEMPO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO SIMULAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO REAL UTILIZANDO O PROGRAMA CYCLE-TEMPO Alexandre Maciel Falcão 2015 SIMULAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO REAL UTILIZANDO O PROGRAMA

Leia mais

"A nova legislação do desempenho energético dos edifícios

A nova legislação do desempenho energético dos edifícios XI SIMPÓSIO LUSO-ALEMÂO DE ENERGIA "A nova legislação do desempenho energético dos edifícios Lisboa, 26 de maio 2014 ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema

Leia mais

TECNOLOGIA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA: PROJETOS GASEIFAMAZ E GASEIBRAS

TECNOLOGIA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA: PROJETOS GASEIFAMAZ E GASEIBRAS TECNOLOGIA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA: PROJETOS GASEIFAMAZ E GASEIBRAS 1º Seminário Sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Eng. Sandra M.

Leia mais

Caracterização do desempenho de um grande edifício de serviços

Caracterização do desempenho de um grande edifício de serviços Caracterização do desempenho de um grande edifício de serviços Estudo de soluções de climatização com recurso à utilização de concentradores solares parabólicos Coordenação técnica: Doutor Luís Neves Eng.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COM TURBINAS A VAPOR

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COM TURBINAS A VAPOR IV CONGRESSO INTERNATIONAL DE PRODUTOS DE MADEIRA SÓLIDA DE FLORESTAS PLANTADAS Curitiba, 19-21 de Novembro de 2008 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COM TURBINAS A VAPOR Palestrante: Engº Guilherme Rino CONTEÚDO

Leia mais

FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR

FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR Representação: FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR O sistema de Climatização utiliza o princípio de termodinâmica, isto é, retira o calor do ar através da evaporação, garantindo que a massa de ar quente do ambiente

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

APOSTILA DE FÍSICA II BIMESTRE

APOSTILA DE FÍSICA II BIMESTRE LICEU DE ESUDOS INEGRADOS Aluno:... Data:... Série: º ano do ENSINO MÉDIO Professor: Marcos Antônio APOSILA DE FÍSICA II BIMESRE ERMODINÂMICA É a ciência que estuda as relações entre o calor o trabalho,

Leia mais

Bomba de Vácuo com Resistência Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo

Bomba de Vácuo com Resistência Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo Promoção! PC 3001 VARIO pro Bomba de Vácuo com Resistência Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo Otimização de vácuo para produtividade e eficiência analiticaweb.com.br Tecnologia de vácuo Aperfeiçoando

Leia mais

Sistemas de Produção Simultânea de Calor, Frio e Eletricidade

Sistemas de Produção Simultânea de Calor, Frio e Eletricidade Sistemas de Produção Simultânea de Calor, Frio e Eletricidade Alunos: Igor Magalhães de Oliveira Velho Felipe de Souza Camara Mello Orientadores: José Alberto dos Reis Parise Mario Fernando Fariñas Pino

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor Ar/Água. Uma tecnologia de futuro Sistema de climatização integrado e eficiente 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 15 Instalação, operação e manutenção dos sistemas de refrigeração comercial 03/04 Introdução É bem provável que a maioria das deficiências de operação em sistemas de refrigeração

Leia mais

Modelagem e estudo de rendimento termodinâmico de ciclos combinados de geração termelétrica 1

Modelagem e estudo de rendimento termodinâmico de ciclos combinados de geração termelétrica 1 Resumo Modelagem e estudo de rendimento termodinâmico de ciclos combinados de geração termelétrica 1 Vinícius André Uberti 2 Maria Luiza Sperb Indrusiak 3 Este trabalho tem o propósito de avaliar o rendimento

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

Condução Unidimensional em Regime Estacionário 5ª parte (Geração de Energia Térmica e Superfícies Estendidas)

Condução Unidimensional em Regime Estacionário 5ª parte (Geração de Energia Térmica e Superfícies Estendidas) FENÔMENOS DE TRANSPORTE II TRANSFERÊNCIA DE CALOR DEQ303 Condução Unidimensional em Regime Estacionário 5ª parte (Geração de Energia Térmica e Superfícies Estendidas) Professor Osvaldo Chiavone Filho Soluções

Leia mais

Ecogen Terceirização do Investimento e Gestão O&M. Gustavo Marchezin

Ecogen Terceirização do Investimento e Gestão O&M. Gustavo Marchezin Ecogen Terceirização do Investimento e Gestão O&M Gustavo Marchezin A Ecogen 2 A ECOGEN Fundada em 2002 sob a marca Iqara Energy, controlada pelo BG Group Julho de 2008 mudança societária e lançamento

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE AQUECEDORES ELÉTRICOS POR QUEIMADORES POROSOS RADIANTES

SUBSTITUIÇÃO DE AQUECEDORES ELÉTRICOS POR QUEIMADORES POROSOS RADIANTES Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes 1 João Pratas SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento de Engenharia Apresentação da SEW-EURODRIVE Portugal Introdução 2 Sistemas de

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CATÁLOGO DE SOLUÇÕES E PRODUTOS JMC ÍNDICE SISTEMAS TÉRMICOS... 3 SISTEMAS TERMODINÂMICOS... 4 EXEMPLOS DE SISTEMAS TÉRMICOS E TERMODINÂMICOS... 5 SISTEMAS FOTOVOLTAICOS... 6 MICROGERAÇÃO...

Leia mais

Apresentação da Empresa MWM Latin America Soluções Energéticas Ltda. ABEGÁS Rio de Janeiro 04-10-2011

Apresentação da Empresa MWM Latin America Soluções Energéticas Ltda. ABEGÁS Rio de Janeiro 04-10-2011 Apresentação da Empresa MWM Latin America Soluções Energéticas Ltda ABEGÁS Rio de Janeiro 04-10-2011 Agenda Resumo da históra da MWM Elementos de uma central de cogeração Aplicações Produtos Estrutura

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE 1 Processo no qual a água é removida rápida ou lentamente, envolvendo duas operações fundamentais na indústria de alimentos: transferência de calor e de

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 HISTÓRIA DA REFRIGERAÇÃO UNIVERSAL

1 INTRODUÇÃO 1.1 HISTÓRIA DA REFRIGERAÇÃO UNIVERSAL 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 HISTÓRIA DA REFRIGERAÇÃO UNIVERSAL O uso da refrigeração e do ar condicionado representou um dos mais importantes avanços da civilização moderna. A possibilidade de guardar e distribuir

Leia mais

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Pedro Cardoso Sistemas de Energia TEKTÓNICA 2015 06-05-2015 1 TEKTÓNICA 2015 Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Autoconsumo fotovoltaico

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA GRANDE SOLUÇÃO APLICANDO ANTIGOS CONHECIMENTOS 1- INTRODUÇÃO E CENÁRIO ATUAL Em frentes variadas da Ciência e da Tecnologia, cientistas e engenheiros, buscam soluções para o Planeta.

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 2/3 (segundo de três) Período: de 01/03/2010 a 17/05/2010. AS Manutenção de Ar Condicionado Ltda. Tecnoklima

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 2/3 (segundo de três) Período: de 01/03/2010 a 17/05/2010. AS Manutenção de Ar Condicionado Ltda. Tecnoklima Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA Custo da energia elétrica no Brasil é um dos mais caros do mundo. Crescimento

Leia mais

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa MATERIAIS SEMICONDUTORES Prof.: Sheila Santisi Travessa Introdução De acordo com sua facilidade de conduzir energia os materiais são classificados em: Condutores Semicondutores Isolantes Introdução A corrente

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Geração Termoelétrica a Gás Joinville, 07 de Maio de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Conceitos básicos de termodinâmica; Centrais Térmicas a Gás: Descrição de Componentes;

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL Mucio Pinto Guimarães Júnior 1 ; Jorge Recarte Henríquez Guerrero 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

Análise termodinâmica e termoeconômica de um sistema de cogeração utilizando biomassa da cana-de-açúcar estudo de caso

Análise termodinâmica e termoeconômica de um sistema de cogeração utilizando biomassa da cana-de-açúcar estudo de caso III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência Toledo Paraná, 28 a 30 de Outubro de 2013 Análise termodinâmica e termoeconômica de um sistema de cogeração utilizando biomassa da cana-de-açúcar estudo

Leia mais

Linha completa de aquecimento para banho e piscina

Linha completa de aquecimento para banho e piscina Linha completa de aquecimento para banho e piscina Aquecedor solar Aquecedor de piscina Bomba de calor www.heliotek.com.br Coletores solares Heliotek A força da nova geração Ao contrário dos coletores

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais