CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D2 HIGIENE DO TRABALHO II GUIA DE ESTUDO PARTE IV RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES AULA 32

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D2 HIGIENE DO TRABALHO II GUIA DE ESTUDO PARTE IV RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES AULA 32"

Transcrição

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D2 HIGIENE DO TRABALHO II GUIA DE ESTUDO PARTE IV RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES AULA 32 PROFESSOR AUTOR: ENG. CARLOS SOARES QUEIROZ PROFESSOR TELEPRESENCIAL: ENG. CARLOS SOARES QUEIROZ COORDENADOR DE CONTEÚDO: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI DIRETORA PEDAGÓGICA: MARIA UMBELINA CAIAFA SALGADO 13 DE MARÇO DE

2 EMENTA DA DISCIPLINA: HIGIENE DO TRABALHO II A Disciplina Higiene do Trabalho II está organizada em cinco partes, nas quais são tratados os conteúdos descritos a seguir. 14/02/2012 Aula 29 - Prática de medição de agentes químicos. Conceitos básicos. Avaliação ocupacional. Avaliação ambiental. Tipos de amostragem. Medição e avaliação. Equipamentos de medição. Bombas de amostragem, calibradores, acessórios e filtros. Métodos analíticos. Normas técnicas. Normas legais. Coletores de amostragem. Métodos analíticos. Tubos colorimétricos Laboratórios de análise de agentes químicos. Apresentação de equipamentos de medição de agentes químicos. 28/02/ Aula 30 - Vibrações. Conceito. NR 15, Anexo 8. Normas aplicáveis. Parâmetros utilizados na avaliação. Tabelas e gráficos. Critério técnico de medição. Limites de tolerância. Estratégia de medição. Procedimento de avaliação. Efeitos no organismo humano. Medidas de controle. Tipos de exposição humana à vibração. As normas ISO 2631 e ISO DIS Metodologia de avaliação. Equipamentos de medição. Laudos técnicos. Aplicação prática. 06/03/2012 -Aula 31 - Radiações Ionizantes: conceito, tipos de radiação, efeitos da radiação, unidades das medidas radioativas, detecção das radiações, medidas de controle; normas Raios X, CNEN, NR-15 Anexo 5; partículas radioativas,avaliação doses permissíveis, efeitos biológicos, limites de tolerância. Radiações Ionizantes como agente periculoso; acidente de Goiânia; Portaria 518/2003 do MTE. Quadro de atividades periculosas e áreas de risco. Metodologia de medição, normas CNEN. A ex-portaria 3.393/87. 13/03/ Aula 32 - Radiações não Ionizantes. 1. Radiação visível, infravermelho, micro-ondas, RF, ELF, ultravioleta, laser. Conceitos básicos à luz da ACGIH e do anexo nº 15 da Portaria 3.214/78. Campos elétrico, magnético e eletromagnético. O espectro eletromagnético. Sistemas de telecomunicações. Prática de avaliação de instrumentos. 2. Radiação Ultravioleta. Conceito, classificação. Utilização na indústria. Fontes emissoras de UV. Efeitos das radiações UV. Normas e instrumentação. Medidas de atenuação.3. Radiações laser. Fontes emissoras. Avaliação quantitativa;normas aplicáveis. 20/03/ Aula 33 Poeira e Particulados. Conceito de poeira. Conceito de particulados. Tamanho das partículas. Limite de tolerância. Média ponderada pelo tempo. Partícula respirável. Partícula inalável. Particulado torácico. Particulado total. Análise gravimétrica. Grupo homogêneo de exposição. Estratégia de amostragem. Coleta de amostras. Análise laboratorial. Efeitos sobre a saúde. 2

3 Aplicação da NR-15, Anexo 12. Limites de exposição da ACGIH. Instrumentos de medição. Procedimentos de avaliação. Asbesto (NR-15, Anexo 12). Poeira de algodão. Poeira metálica e fumos metálicos. Negro de fumo (NR-15, Anexo 12). Poeiras de madeira. CALENDÁRIO O calendário atualizado da disciplina encontra-se no quadro a seguir. Datas Aulas 2012 Guia de Estudo Textos Complementares de Leitura Obrigatória N o Lista Exercícios Data Postagem Data final Resposta 14 fev Parte I Aula 29 BARAZZUTTI, LAMARTINE DINIZ. Análise de gases em locais de trabalho. Disponível em:http://www.progep.furg.br/arquivos/ppra/e_20 08_LAUDO_GASES.pdf 29 15fev 28fev 28fev Parte II Aula 30 O próprio Guia de Estudo mar 19 mar LOPES NETTO, ANDRÉ. Radiações Ionizantes 06mar Parte III aula 31 Disponível em: mar 21 mar 13 mar Parte IV Aula 32 Artigo: A radiação ultravioleta e a saúde. Perla Garcia Martins, Fisioterapeuta. Acessar o link abaixo: mar 31 mar 20 mar Parte V Aula Prova do Módulo 3: 15 de maio de 2012 Neste texto, apresentamos a Parte IV Radiações Não Ionizantes 3

4 OBJETIVOS DA PARTE III Após o estudo da Parte IV desta Disciplina, esperamos que você seja capaz de: 1. explicar os conceitos básicos relacionados às radiações não ionizantes; 2. descrever os tipos de radiações não ionizantes; 3. descrever os efeitos das radiações não ionizantes no organismo humano; 4. explicar como se realiza a medição de radiações não ionizantes; 5. explicar a interação das radiações não ionizantes com a matéria; 6. descrever a forma de utilização das radiações não ionizantes; 7. identificar as medidas de controle contra as radiações não ionizantes; 8. descrever as consequências biológicas da interação das radiações não ionizantes com o ser vivo; 9. explicar as radiações eletromagnéticas; 10. explicar como funciona a proteção contra raios solares. 4

5 RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS 1. INTRODUÇÃO Vivemos imersos em um meio eletromagnético composto por radiações ionizantes e nãoionizantes naturais e produzidas pelos seres humanos. O sol é a grande fonte natural de radiações. Emite ondas eletromagnéticas tais como: luz visível, ultravioleta, infravermelho, radiofrequências, raios cósmicos. Na atualidade, a intensidade das radiações advindas de fontes artificiais, como linhas de transmissão de energia elétrica (campos de 50/60Hz), estações de radio, TV, sistemasde controle de tráfego aéreo,radares,aeronaves,celulares, satélites artificiais, computadores, internet etc., ultrapassa às radiações naturais. 2. RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES Radiações não ionizantes, como o nome diz, são as que não produzem ionizações, não possuem energia suficiente para produzir emissão de átomos ou de moléculas, ou seja, são ondas eletromagnéticas cuja energia é insuficiente para ionizar a matéria incidente. As ondas eletromagnéticas são representadas sob a forma de ondas cujas características estão relacionadas com o comprimento de onda (λ) e frequência (f), que possuem relação estabelecida: f = c/λ, onde c é a velocidade da luz no vácuo = 3 x 10 (elevado à potência 8) m/s. A figura a seguir mostra o espectro eletromagnético colocado em ordem crescente de energia, isto é, em ordem crescente de frequência (f) e decrescente de comprimento de onda (λ), na qual aparecem todas as radiações não ionizantes, desde as frequências extremamente baixas (ELF), passando pelas radiofrequências M.O., luz visível, radiação ultravioleta e uma parte das radiações ionizantes. Espectro Eletromagnético 5

6 Como resultado da interação das radiações nãoionizantes com a matéria viva molecular, é produzida uma conversão da energia da radiação incidente em ener- gia rotacional, vibracional, com capacidade de modificar a configuração eletrô- nica naquelas regiões do espectro eletromagnético com frequências mais altas (radiação ultravioleta). Esse tipo de radiação se diferencia das radiações ionizantes considerando que seu poder energético não é suficiente para ionizar as estruturas atômicas moleculares. No entanto, apresenta energias capazes de aumentar o estado vibracional das moléculas. Uma parte considerável dessa energia é transformada em calor, produzindo assim o chamado efeito térmico, peculiar das radiações nãoionizantes. As ondas eletromagnéticas apresentam campos elétrico e magnético per- pendiculares entre si, associando uma energia (E) expressa em elétron-volt (ev). Esses campos estarão induzindo correntes elétricas nos seres vivos. 3. CAMPO ELÉTRICO Quando duas placas metálicas são conectadas a uma bateria, é criado um campo elétrico devido à tensão elétrica ou voltagem entre elas. Se a voltagem da bateria for de 1,5 V e as placas estiverem afastadas um metro, o campo elétrico criado será de: (E =1,5 V/m). Os campos elétricos ocorrem ao redor de todos os cabos de alimentação energizados, mesmo mo que o equipamento esteja desligado. Campo elétrico 6

7 4. CAMPO MAGNÉTICO Ligando-se uma bateria a uma lâmpada, uma corrente elétrica em amperes fluirá pelo circuito acendendo a lâmpada e criando um campo magnético, formado por círculos concêntricos ao redor do fio. Campo magnético O campo magnético só ocorre enquanto a corrente estiver fluindo no circuito, isto é, enquanto o equipamento estiver ligado. Ele existe sempre que existir corrente elétrica fluindo. Chama-se campo magnético estático o que ocorre ao redor de um magneto permanente. Aplicações: Na medicina: Ressonância magnética Aplicações terapêuticas Na indústria:produção de alumínio Processos eletrolíticos Produção de magnetos Na pesquisa: Câmara de bolhas Acelerador de partículas Unidades de separação de isótopos Linhas de transmissão Reatores de fusão termonuclear Densidade de fluxo magnético a 60 hertz, próximo de vários Aparelhos em uso 7

8 Densidade de Fluxo Magnético de Equipamentos Elétricos nas distâncias de 3,30 e 100 centímetros Densidade de fluxo magnético(mt) Aparelho 3cm 30cm 100cm Secador de cabelos < 0,01-7 < 0,01 0,03 Serra circular ,01 1 Barbeador elétrico ,08 9 < 0,01 0,3 Furadeira ,5 0,08 0,2 Aspirador ,13 2 Batedeira ,6 10 0,02 0,25 Lâmpada flúor de mesa ,5-2 0,02 0,25 Triturador de lixo ,03 0,1 Forno de microondas ,25 0,6 Fluorescentes fixas ,2-4 0,01 0,01 Televisor 2,5 50 0,04 2 < 0,01 0,15 Forno elétrico ,15 0,5 0,01 0,04 Lavadora de roupa 0,8 50 0,15-3 0,01 0,15 Secadora de roupa 0,3 8 0,08 0,3 0,02 0,06 Ferro de passar ,12 0,3 0,01 0,25 Ventilador ,03 4 0,01 0,35 Torradeira ,06 0,7 < 0,01 Refrigerador 0,5 1,7 0,001 0,25 < 0,01 Fontes ocupacionais de campos magnéticos e Densidade de Fluxo Magnético para Equipamentos Industriais Fonte Densid. de fluxo magnético(mt) Distância(m) VDT s Até 2,8 x ,3 Arco elétrico (0-60Hz) 0,1 5,8 0,08 Aquecedores de indução (50-10Hz) 0,9 65 0,1 1,0 Forno a arco (50Hz) Até 1,0 2 Agitador por indução (10Hz) 0,2 0,3 2 Processos eletrolíticos (0-60Hz0 7,6(média) Posição operador Separação de isótopos (campo estático) 1 50 Posição operador Solda elétrica(eletrodo revestido) 50/60Hz 0,5 1,7 0,2 0,9 As radiações nãoionizantes são subdivididas em: Ultravioleta Radiação visível Infravermelho Microondas Radiofreqüência Baixas freqüências Essa divisão está caracterizada pelas suas propriedades e natureza. 8

9 Efeitos fisiopatológicos das radiações óticas Domínio espectral fotobiológico UV-C UV-B Faixa de comprimento de onda nm (germicida) nm (queimadura solar) nm(prox. fotoqueratite Olhos Fotoqueimadura e catarata fotoquímica Efeito fisiopatológico Pele Eritema, queimadura e envelhecimento da pele Aumento da pigmentação UV-A Catarata fotoquímica Escurecimento do pigmento e da luz negra) queimadura da pele Visível nm Danos fotoquímicos e Escurecimento do pigmento, térmicos na retina reações fotossensitivas e queimadura da pele ir-a 760/ nm Catarata e queimadura da Queimadura da pele retina ir-b 1,4µm - 3 µm Queimadura da Queimadura da pele córnea,vermelhidão,catarata ir-c 3 µm - 1 µm Queimadura da córnea Queimadura da pele 5. RADIAÇÕES ULTRAVIOLETAS Nessa região estão compreendidas as radiações nãoionizantes emitidas emum intervalo mais alto de frequências, até 750 THz; portanto, possuem maior poder energético que as demais. São capazes de produzir trocas da configuração eletrônica da matéria viva queocasionarão a produção de reações fotoquímicas. Nos sistemas biológicos expostos se transforma a energia incidente em energiarotacional e vibracional, com consequente aumento da energia cinética moleculare produção de calor. Esse espectro está subdividido em três partes, UVA, UVB e UVC, sendo que osespectros B e C são classificados como parte do espectro que pode apresentar ação mutagênica. Os tecidos e órgãos mais expostos a essas radiações são a pele e os olhos. A radiação ultravioleta (UV) faz parte do espectro eletromagnético e estáentre os raios X e a luz visível. Ela ocupa, portanto, uma faixa do espectro em queo comprimento de onda da radiação eletromagnética varia desde 100 nm até400 nm (nanômetros). Radiação UV com comprimento de onda, principalmente, menor que 315 nm pode produzir efeitos danosos, em especial à pele e aos olhos se nenhum cuidadofor tomado. O espectro ultravioleta geralmente é subdividido da seguinte forma: 9

10 UVA - radiação com comprimento de onda entre 400 nm e 320 nm, denominada de luz negra; UVB - radiação com comprimento de onda entre 320 nm e 280 nm, denominada de eritemática; UVC - radiação com comprimento de onda entre 280 nm e 100 nm, denominada de germicida. Fontes da radiação UVA Como exemplos de emissão da radiação UVA, temos: lâmpadas de UV utilizadas para excitar líquidos fluorescentes em controles de qualidade (uso na área industrial); lâmpadas de luz negra utilizadas em teatros, exposições, diversões públicas,etc. Com a finalidade de produzir efeitos visuais; lâmpadas "solares" utilizadas em institutos de beleza para bronzeamento artificial; lâmpadas de UV utilizadas em cura de resinas. 6. REFORMAS DE PROTEÇÃO CONTRA A RADIAÇÃO UVA O posicionamento das fontes deverá ser efetuado preferencialmente de forma a evitar a incidência direta da radiação sobre os olhos das pessoas. Apesar de excluída da insalubridade na legislação brasileira, deve-se ter mecanismos de segurança que visam a minimização da exposição. 7. FONTES DA RADIAÇÃO UVB E UVC A radiação UVB e UVC é emitida principalmente por: arco elétrico de qualquer natureza empregado em soldagem, corte, etc.; arco de plasma ou tocha de plasma utilizada em atividades industriais, analíticas ou de pesquisa; metais em fusão quando a temperatura superficial do banho exceder C; lâmpadas germicidas utilizadas em hospitais, laboratórios microbiológicos, indústrias farmacêuticas, indústrias alimentícias, laboratórios de pesquisa, etc.; lâmpadas a vapor de mercúrio de alta pressão e bulbo "clara" (transparente), utilizadas, por exemplo, em prensas de quadro basculante de indústria gráfica; lâmpadas utilizadas em fototerapia e bronzeamento artificial. Obs.: Esta relação não é exaustiva 10

11 8. FORMAS DE PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO UVB E UVC As fontes emissoras de radiação UVB e UVC deverão ser enclausuradas sempre que tecnicamente possível, para não haver vazamentos de radiação no meio ambiente. Não sendo possível o seu enclausuramento, deverão ser instaladas barreiras opacas à radiação UVB e UVC, passando a evitar a incidência da radiação sobre os olhos das pessoas que estão nas adjacências, assim como sobre as superfícies de alta refletância. A maioria das barreiras feitas de materiais opacos à luz e de textura contínua, como placas ou chapas, será adequada para blindar a radiação UVB e UVC. Tais barreiras deverão ser fabricadas de material incombustível, preferencialmente. No caso específico de lâmpadas germicidas ou de fontes análogas que não emitem ou emitem pouca radiação visível (luz) juntamente com a radiação UV, a barreira poderá ser feita de vidro ou acrílico, com espessura não inferior a 5 mm, para assegurar a opacidade à radiação UVB e UVC. Para o pessoal diretamente envolvido nas operações com arco elétrico deverá ser obrigatório o uso de equipamentos de proteção individual, como óculos, elmos ou protetores faciais nas tonalidades definidas no Quadro I da Norma Regulamentadora (NR-6) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que trata das vestimentas adequadas. Entende-se por pessoal diretamente envolvido não apenas o operador, mas igualmente seu ajudante direto, assim como qualquer outra pessoa engajada na operação e com probabilidade de se expor à radiação. Todo o pessoal que trabalha num raio de 15 m do ponto de emissão da radiação deverá portar óculos de segurança convencionais com lentes incolores de vidro temperado e proteção lateral. Os operadores de lâmpadas germicidas ou fontes análogas que não emitem ou emitem pouca radiação visível deverão usar óculos de segurança convencionais com lente incolor de vidro temperado e proteção lateral. As pessoas diretamente ligadas às operações suscetíveis de exposição à radiação UVB e UVC deverão ter sua pele protegida por vestimentas ou cremebarreiras opacas a essa radiação. As vestimentas deverão ser de tecido de trama fechada e denso, como brim, pop line ou flanela. 11

12 Deverá ser observada uma altura mínima de 4 m para a montagem das lâmpadas a vapor de mercúrio de alta pressão para fins de iluminação industrial. A interação da radiação UV de comprimento de onda menor que 243 nm com o oxigênio do ar desencadeia a formação de ozônio, que é gás incolor, tóxico e irritante. Os danos do ozônio devem ser minimizados, assegurando adequada ventilação nas proximidades da fonte emissora de radiação UV. 9. SINALIZAÇÃO DOS LOCAIS DE TRABALHO Os cartazes e os rótulos de advertência deverão possuir dimensão e cores adequadas, de maneira que sejam facilmente visualizados por qualquer pessoa que entre no recinto ou se aproxime dos equipamentos. Estes cartazes não se aplicam às pessoas clinicamente reconhecidas como fotossensíveis, as quais não deverão se expor ocupacionalmente à radiação UV. A fotossensibilidade nata ou adquirida (temporária ou permanente) pode ocorrer nos seguintes casos (relação não exaustiva): portadores de albinismo portadores de herpes; portadores de lúpus eritematoso; pessoas em tratamento com remédios que induzem fotossensibilidade; pessoas que tiveram contato cutâneo com agentes fotossensibilizantes. A critério da fiscalização, poderá ser solicitado e/ou apresentado um relatório técnico de avaliações ambientais, comprovando a eficácia das medidas de controle adotadas na instalação. 12

13 10. DENSIDADE DE LENTES PROTETORAS EM SOLDAGEM Processo de solda Eletrodo revestido Solda MIG (proteção com gás inerte) Solda MAG (proteção com gás ativo) Intensidade da corrente ou diâmetro do eletrodo Tonalidade da lente Até 100 A 8;9 Até %/32) (4mm) 100 a 300 A 10;11 (3/16) (4,8mm) a (1/4) (6,4mm) 14 Acima de 300 A 14 Acima de (1/4) (6,4mm) 14 Até 200 A 10;11 Acima de 200 A 12;13;14 12;13;14 Até 15 A 8 Solda TIG (eletrodo de 15 a 75 A 9 tungstênio com proteção com 75 a 100 A 10 gás inerte) 100 a 200 A a 250 A a 300 A 13;14 Eletrodo de grafite DENSIDADE DA LENTE DE PROTEÇÃO CONTRA UV PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE MATERIAIS E DIFERENTES PROCESOS DE TRABALHO. Processo Espessura do material Tonalidad e Solda fraca ou branca a maçarico 2 Solda forte ou brasagem a maçarico 3a4 Corte leve Até l" 4 Corte médio De l" a 6" 4a5 Corte pesado Acima de 6" 5 a4 Solda leve a gás Até (1/8)" 4a5 Solda média a gás De (1/8)" a (1/2)" 5 a 6 Solda pesada a gás Acima de (1/2)" 6a 8 Solda ou corte oxiacetilênico ou fontes > SINALIZAÇÃO DE ADVERTÊNCIA CUIDADO RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Proteja os olhos e a PELE 13

14 13. SINALIZAÇÃO DE ÁREAS DE TRABALHO SUJEITAS À RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA. 14. TIPOS DE RADIAÇÃO Radiação visível Compreende uma faixa do espectro energético da qual o ser humano tem acuidade visual; possui menor energia. Seus principais efeitos se relacionam com os efeitos fotoquímicos por sua capacidade de alterar a configuração eletrônica; e se relacionam com os efeitos térmicos, como consequência da transformação da energia rotacional e vibracional. Radiação infravermelha Não tem poder energético suficiente por fóton para modificar a configuração eletrônica dos átomos da matéria incidente. Portanto, seus efeitos serão unicamente de caráter térmico. Em nível internacional também recebe três faixas distintas: IRA, IRB e IRC, classificadas de acordo com a sua ação no nível de pele e olhos. A radiação infravermelha (IV) faz parte do espectro eletromagnético e está entre a luz visível e as microondas. Ela ocupa, portanto, uma faixa do espectro em que o comprimento de onda varia desde 760 nanômetros (nm) até l milímetro (mm). 14

15 A radiação infravermelha com comprimento de onda entre 760 nm e nm, denominada IVA, penetra a pele e o tecido ocular cerca de 3mm. Pode causar danos térmicos na pele e na retina, além de induzir a formação de catarata. A radiação infravermelha com comprimento de onda entre nm e nm, denominada IVB, penetra muito pouco na pele, cerca de 0,1mm. Pode produzir dano térmico na córnea e induzir a formação de catarata. A radiação infravermelha com comprimento de onda entre nm e l mm, denominada IVC, é absorvida muito superficialmente e, portanto, seu efeito se limita à córnea e à camada epitelial da pele. Fontes da radiação infravermelha O espectro solar constitui uma das principais fontes de infravermelho no planeta. A radiação infravermelha é emitida principalmente: por lâmpadas específicas de IV que não sejam as de iluminação geral; em operações de soldagem ou corte a "gás"; por banhos de fusão e outras fontes cujas temperaturas superficiais sejam superiores a 985 C, no caso de IVB e IVC; por fontes com grandes áreas de emissão ou temperaturas superficiais próximas a 985 C, no caso de IVA. Obs.: Esta relação é exaustiva. Formas de proteção As fontes emissoras de radiação infravermelha devem ser enclausuradas, sempre que tecnicamente possível, de modo a evitar a incidência dessa radiação no pessoal direta ou indiretamente envolvido na operação. Não sendo possível a adoção de medida descrita no item 4 da NR-6, deverão ser instaladas barreiras opacas à radiação IV, para evitar a sua incidência sobre os olhos do pessoal que está nas adjacências ou sobre as superfícies de alta refletância. As barreiras em forma de biombos ou com outras disposições que melhor se adaptem a cada situação deverão ser de materiais não combustíveis. Às pessoas diretamente envolvidas nas operações ou suscetíveis de serem atingidas pela radiação IV deverão ser fornecidos equipamentos de proteção individual - como óculos, elmos ou protetores faciais - nas tonalidades definidas no Quadro I deste anexo. O equipamento de proteção individual deverá incluir a proteção da pele diretamente exposta à radiação, na forma de vestimentas apropriadas a cada operação. 15

16 Obs.: As medidas citadas neste item não devem ser consideradas exaustivas. Microondas e radiofrequências É a região do espectro eletromagnético com poder energético mais baixo. Quando esse tipo de radiação incide sobre um sistema biológico, produzem-se perdas energéticas que podem ser: de condução: pelo movimento dos íons livres. dielétricas: pela rotação das moléculas que ocasionam. dessa interação das ondas eletromagnéticas com o sistema biológico resulta umatransferência de energia com produção de calor. Como observamos, o poder energético e o nível de energia do fóton emitido são: diretamente proporcionais à frequência da radiação; inversamente proporcionais ao comprimento de onda. Neste espectro, devemos avaliar as diferentes faixas de frequência a fim de considerar a sua absorção pelo corpo. Fontes A radiação de microondas e radiofrequência podem ser produzidas de forma natural principalmente pela eletricidade atmosférica, que é estática, não obstante a sua intensidade muito baixa. A exposição à radiação artificial de microondas e radiofrequências constitui um fator ambiental recente, sendo as fontes muito variadas. As fontes de MO e RFartificiais podem se classificar em emissores deliberados e fontes de radiação incidental. Entre os emissores deliberados estão as estações de rádio e televisão, instalações de radar e sistemas de radiocomunicação. As fontes de radiação não intencional são, por exemplo, os fornos de microondas e os equipamentos de MO e RF usados em processos como soldagem, fusão, esterilização, etc. Portanto, a absorção da radiação por um sistema biológico é função da distribuição de energia e constitui um processo específico de cada comprimento de onda. O comportamento de cada tipo de radiação de diferentes regiões do espectro ante um sistema biológico será diferente: 16

17 As radiações ionizantes, por seu alto poder energético, penetram ionizando a matéria. As radiações ultravioleta, visível e infravermelha, se comportam da mesma maneira à luz que incide sobre um sistema biológico. Podem ser refletidas, transmitidas ou absorvidas, dependendo de seu comprimento de onda, da luz incidente e do órgão envolvido. As microondas e as radiofreqüências têm um grande poder de penetração com energia muita baixa, criando campos eletromagnéticos no interior da matériaviva. Exemplos de utilização do espectro de RF/MO Frequência Nome Técnico Designação Popular 30 a 300 khz L.F. Ondas longas 300 a khz M.F. Ondas médias 0,3 a 30 MHz H.F. Ondas curtas Uso Carrier, comunicação marinha, radiodifusão em ondas longas, uso industrial Emissoras de AM - Radionavegação Radiodifusão, serviços marítimos, radioamadores, uso industrial, selagem/solda de plásticos 30 a 300 MHz V.H.F. V.H.F Comunicação em VHF, estações de TV, polícia, bombeiros, controle de trafego aéreo, medicina e radioamadores 0,3 a 3 GHz U.H.F. Microondas Comunicação em UHF, telefonia celular, estações de TV, policia, bombeiros, controle de trafego aéreo, medicina, aquecimento industrial 3 GHz a 30 GHz S.H.F. Microondas Radioenlaces, multicanais, sistemas interurbanos e internacionais, comunicação via satélite. 30 GHZ a 300 GHz E.H.F. Microondas Radioenlaces, multicanais, sistemas interurbanos e internacionais, comunicação via satélite 17

18 Radiação solar A radiação solar é composta por: raios cósmicos, radiofrequência, radiação visível, radiação infravermelha, radiação ultravioleta. Ao atravessar a camada da atmosfera, a radiação solar perde cerca de um terço de sua energia. Assim chega à superfície da Terra com apenas dois terços da radiação inicial. A UVC é totalmente absorvida pela camada de ozônio; então, a radiação solar que atinge o solo é composta aproximadamente por: 5%...UV (95% UVA e 5% UVB) 40%...Radiação visível 55%...Radiação infravermelha Radiação ultravioleta UVA nm (10% a 20% dos efeitos danosos da radiação solar) UVB nm (queimaduras, fotoenvelhecimento e câncer de pele) UVC nm (totalmente absorvida pela camada de ozônio) 15. CONSIDERAÇÕES SOBRE O LAUDO Influência do horário 11 às 15 horas...pior período de exposição 13 horas... pico de exposição 12 às 14 horas...1/3 da radiação UV 10 às 16 horas... % da radiação UV Influência da latitude Próximo do equador a incidência é maior. Influência da altitude A cada 300 metros de altitude, a incidência aumenta 4%. Influência da cobertura de nuvens Mesmo em tempo coberto de nuvens podemos receber queimaduras, pois as nuvens absorvem o infravermelho, mas não o ultravioleta. 18

19 Influência do vento O vento poderá dar uma sensação de conforto e poderemos eventualmente ficar mais expostos à radiação UV. Epiderme UVB UVA Visível Infravermelho Derme 16. FATOR DE PROTEÇÃO SOLAR ( FPS) Esse fator é o índice do nível de proteção que um determinado produto oferece contra a radiação ultravioleta, isto é, serve para determinar o tempo que uma pessoa pode permanecer exposta ao sol sem produzir eritema (vermelhidão). Um fator de proteção 10 permite que o indivíduo fique um tempo dez vezes maior exposto que o decorrente para produzir eritema, quando sem proteção. Multiplicando o tempo para produzir eritema pelo fator de proteção solar, obtémse o tempo de exposição solar máximo recomendado. O FPS leva em consideração uma densidade de aplicação de 2,0 mg/cm 2, que é uma aplicação bem generosa, pois a maioria das pessoas aplica somente 0,5 a 1,3 g/cm 2. O filtro solar deve ser aplicado antes da exposição, durante e a aplicação deverá ser renovada de acordo com o FPS do protetor utilizado. 17. CUIDADOS NA APLICAÇÂO Não basta usar o protetor solar na pele apenas uma vez, como a maioria das pessoas desavisadas costuma fazer. Deve-se reaplicá-lo mais de uma vez, de preferência a cada três horas (no máximo) e sempre de 20 a 30 minutos antes de se expor ao sol, para o produto aderir à pele. Também há a necessidade da reaplicação quando se transpira muito e no caso de se tomar banho após a primeira aplicação. 19

20 É importante lembrar que o efeito da radiação ultravioleta é cumulativo, ou seja, mesmo quinze a vinte anos depois de parar de se expor ao sol, as alterações na pele (o câncer de pele, inclusive) podem se manifestar. Não use filtros solares em bebês com menos de 6 meses de idade. Mantenha-os fora do alcance dos raios solares. Quando sair de casa e estiver fazendo sol, use sempre chapéu de aba e guarda-sol. Um chapéu eficiente deve proteger as orelhas, nariz e lábios. Isso também reduz os riscos de a criança vir a ter catarata no futuro. 18. Características de bronzeamento em função do tipo de pele Tipo Indivíduos INV Verão T(min) Observações A Ruivos e loiros Nunca se bronzeiam, mas sempre se queimam B Morenos claros Sempre se queimam e às vezes se bronzeiam C Morenos escuros Às vezes se queimam e em geral se bronzeiam D Mulatos e negros Sempre se bronzeiam e raramente se queimam T = Tempo estimado para início de queimadura para exposição semproteção 19. RECOMENDAÇÕES PARA APLICAÇÃO DO PROTETOR SOLAR Use filtro solar de amplo espectro que proteja dos raios ultravioleta dos tiposuva e UVB. Passe uma porção equivalente a mais ou menos dois gramas (e não 0,5 g como se costuma fazer). Mesmo com protetor, use chapéu com aba para cobrir as orelhas, óculos escuros e guarda-sol de náilon. Use óculos de sol com lentes que protejam do ultravioleta. Mesmo em dias nublados, cerca de 80% dos raios UV atravessam as nuvens e a neblina. Cuidado com a luz refletida. A luz do sol reflete na areia, na neve, nas salinas, noconcreto e na água, atingindo a pele, mesmo com a pessoa estando na sombra. Proteja crianças e jovens, pois em geral, quando se cuida da pele até os dezoito anos, cerca de 85% dos casos de câncer podem ser evitados. Hidrate a pele após ter tomado sol, para restaurar a umidade perdida, evitando assim o seu ressecamento. Consulte o dermatologista quando perceber alguma alteração na pele, como uma pinta que aumentou de tamanho ou mudou de cor. Permaneça na sombra sempre que possível. O bronzeado é a resposta da pela a uma lesão provocada pelo sol, aumentando a produção de melanina. 20

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos Identificação e Análise de Riscos Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Segundo a NR15 Anexo 7: Radiações não-ionizantes são as microondas,

Leia mais

Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil

Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução Os lasers estão em toda parte, numa grande variedade de produtos e tecnologias. Aparelhos de CD, brocas de dentista,

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

O que é Radiação Ultravioleta (R-UV)?

O que é Radiação Ultravioleta (R-UV)? O que é Radiação Ultravioleta (R-UV)? A radiação solar mais conhecida é a faixa do visível. No entanto, outras duas faixas muito importantes são as do ultravioleta (UV) e do infravermelho (IV). A faixa

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

uriosidades O que é Radiação Ultravioleta? Tipos de Radiação Ultravioleta

uriosidades O que é Radiação Ultravioleta? Tipos de Radiação Ultravioleta C uriosidades Índice de Radiação Ultravioleta e Saúde: Proteja-se! V ocê saberia dizer quais o perigos ao se expor diariamente ao Sol? Quais os efeitos causados pela radiação solar ultravioleta à nossa

Leia mais

2. O índice experimental UV como usá-los

2. O índice experimental UV como usá-los RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA SOLAR CUIDADOS ESPECIAIS ÍNDICE 1. Introdução -------------------------------------------------------------------------------------1 2. O índice experimental UV como usá-los ------------------------------------------------1

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 06: Ondas longitudinais e ondas transversais; Medida do comprimento de uma

Leia mais

FÍSICA IV AULA 04: AS EQUAÇÕES DE MAXWELL; ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TÓPICO 03: ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO Arco-íris[1] Raio-x[2] Micro-ondas[3] Ondas de rádio[4] Televisão[5] À primeira vista pode parecer

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

2 Radiação Ultravioleta

2 Radiação Ultravioleta 2 Radiação Ultravioleta 2.1 Introdução Radiação solar é a energia radiante emitida pelo Sol, em particular aquela que é transmitida sob a forma de radiação electromagnética. O espectro eletromagnético

Leia mais

PROTETORES SOLARES. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP

PROTETORES SOLARES. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP PROTETORES SOLARES Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP O sol é uma fonte de energia essencial para a vida na terra pois, direta ou indiretamente a maioria dos ciclos biológicos dependem da radiação

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D2 HIGIENE DO TRABALHO II

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D2 HIGIENE DO TRABALHO II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D2 HIGIENE DO TRABALHO II GUIA DE ESTUDO PARTE I PRÁTICA DE MEDIÇÃO DE AGENTES QUÍMICOS AULA 29 PROFESSOR AUTOR: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI

Leia mais

Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar.

Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar. Proteção Solar PERFECT*SUN Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar. A Radiação Solar é composta por diversos raios, com diferentes comprimentos de onda, conforme

Leia mais

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar sem qualquer proteção, enquanto apenas 34,31% usam protetor

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

Espectro Eletromagnético (Parte III)

Espectro Eletromagnético (Parte III) Espectro Eletromagnético (Parte III) Nesta aula estudaremos os raios ultravioleta que são raios muito utilizados em câmaras de bronzeamento artificial, dos raios X que são essenciais para os diagnósticos

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

TÓPICOS DESSA APRESENTAÇÃO:

TÓPICOS DESSA APRESENTAÇÃO: APRESENTAÇÃO Lilian Wesendonck Bióloga e Farmacêutica Membro da Associação Brasileira de Cosmetologia Ministrante de Palestras e Cursos de Aperfeiçoamento em Cosméticos TÓPICOS DESSA APRESENTAÇÃO: INTRODUÇÃO:

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

Radiação RADIAÇÃO RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES. Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Joaquim Gomes Pereira

Radiação RADIAÇÃO RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES. Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Joaquim Gomes Pereira Radiação RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES eletromagnética ou particulada "RADIAÇÃO" Energia transmitida por ondas eletromagnéticas ou partículas subatômicas CLASSIFICAÇÃO Segundo a forma: ELETROMAGNÉTICA OU CORPUSCULAR

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Informativo de Segurança e Saúde 03/2010 Introdução: O Grupo Técnico de Estudos de Espaços Confinados GTEEC, coordenado pela CPFL Energia e ligado ao Comitê de Segurança e Saúde no Trabalho - CSST da Fundação

Leia mais

Processos especiais de usinagem Eletroerosão

Processos especiais de usinagem Eletroerosão Processos especiais de usinagem Eletroerosão Definição: Eletroerosão é um processo de fabricação baseado em princípios de remoção por efeitos térmicos, que acontece em decorrência de carregamento elétrico

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

O verão chegou, e as férias também.

O verão chegou, e as férias também. O verão chegou, e as férias também. Toda a família se prepara para uma viagem rumo à praia, você está pronto para se divertir com ela? Hélios e Hélia têm pressa para encontrar seus amigos e curtir o calor

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiações na indústria J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiação Fenómeno de transmissão de energia através do espaço sem suporte material. Esta transmissão de energia é feita por meio de ondas

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA I CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA e Apresentação O Brasil tem hoje duas vezes mais telefones celulares do que fixos. Essa preferência do consumidor pela telefonia móvel tem boas razões: o preço dos aparelhos,

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 Prof. Luiz Fernando Rispoli Alves DECAT/EM/UFOP 2006 Base para a elaboração

Leia mais

sol, luz e calor. protetor solar e óculos de sol.

sol, luz e calor. protetor solar e óculos de sol. Com a chegada das férias e o verão, a procura por locais abertos para passeios e diversão é comum, mas é preciso cuidado na exposição ao sol para evitar problemas de saúde. Assim, é necessário adquirir

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS ASSOCIADOS AO USO DE ELETRICIDADE

CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS ASSOCIADOS AO USO DE ELETRICIDADE CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS ASSOCIADOS AO USO DE ELETRICIDADE Al. Guatás, 477 Planalto Paulista CEP 04053-041 São Paulo - SP tel.: (11) 5071.4433 abricem@abricem.com.br www.abricem.com.br Rua 25 de Janeiro,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Com o crescimento dos usuários de telefones celulares, é natural que surjam dúvidas sobre saúde e segurança no uso diário de tais

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015 Sumário Na : Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2. O ozono como filtro protetor da Terra. Formação e decomposição do ozono na atmosfera. Filtros solares. Alternativas aos CFC. Como se mede

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Sumário Vidros Planos e Vidros Low-E Entendendo o Espectro Solar Formas de Propagação de Calor Conceitos Teóricos Luz Visível (Transmitida, Refletida Interior

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Proteção Solar na Infância. Cláudia Márcia de Resende Silva (1) Luciana Baptista Pereira(1) Bernardo Gontijo(1, 2) Maria Ester Massara Café(1)

Proteção Solar na Infância. Cláudia Márcia de Resende Silva (1) Luciana Baptista Pereira(1) Bernardo Gontijo(1, 2) Maria Ester Massara Café(1) Proteção Solar na Infância Cláudia Márcia de Resende Silva (1) Luciana Baptista Pereira(1) Bernardo Gontijo(1, 2) Maria Ester Massara Café(1) O sol emite um amplo espectro de radiações eletromagnéticas

Leia mais

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Como a luz, uma onda de rádio, perderia-se no espaço, fora do nosso planeta, se não houvesse um fenômeno que provocasse sua curvatura para

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) SEGURANÇA NA SOLDAGEM Segurança na Soldagem 1.1 - Principais riscos para um soldador 1.1.1 - Poluição por fumos de soldagem 1.1.2 - Radiações visíveis e invisíveis

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

PROTETOR SOLAR. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP

PROTETOR SOLAR. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP PROTETOR SOLAR Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP É a fonte de energia essencial para a vida na terra e muitos são os benefícios trazidos pela luz solar para os seres

Leia mais

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Tecnológica Nacional, Argentina Colégio Retamar de Madrid, Espanha Universidade Politécnica

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes.

Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes. GASES NOBRES GRUPO 18 OU VIIIA Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes. Gases raros não é apropriado porque o argônio (Ar) não é raro (é mais abundante que o CO 2 no ar). Gases Inertes

Leia mais

RDT Radiotransmissão

RDT Radiotransmissão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA RDT Radiotransmissão Prof. Ramon Mayor Martins,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Reações fotoquímicas. Tatiana Dillenburg Sain t Pierre. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Reações fotoquímicas Tatiana Dillenburg Sain t Pierre Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação Características da luz laser Monocromática Colimada Coerente EXEMPLOS: Características específicas

Leia mais

Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas

Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas Neste exato momento, você está sendo atravessado por uma infinidade de ondas eletromagnéticas que se propagam pelo espaço, levando informações de um

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

RADIAÇÃO UV E SAÚDE HUMANA 1

RADIAÇÃO UV E SAÚDE HUMANA 1 RADIAÇÃO UV E SAÚDE HUMANA 1 O presente documento apresenta os seguintes tópicos relacionados à radiação UV e Saúde humana: - Efeitos da R-UV sobre a Pele - Examinando sua pele - Tipos de pele - Efeitos

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Série 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Mensal Capitulo 1 1) A figura a seguir representa, nos instantes t = 0s e t

Leia mais

Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574

Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574 Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574 Descrição: A máscara de solda Speedglas 9100: É aplicável para a maioria das operações de solda que necessitam de

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Praticamente todo absorvido pelo ozônio. Pouquíssimo ou nada chegam à biosfera.

Praticamente todo absorvido pelo ozônio. Pouquíssimo ou nada chegam à biosfera. RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA A radiação ultravioleta (UV) é uma pequena porção da radiação total recebida do sol. Foi descoberta em 1801 pelo físico alemão Johann Wilhelm Ritter (1776-1810). Tornou-se um tópico

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

RECOMENDAÇÕES em Relação às Antenas e em Relação ao uso de Aparelhos Celulares

RECOMENDAÇÕES em Relação às Antenas e em Relação ao uso de Aparelhos Celulares PROTEJA-SE RECOMENDAÇÕES em Relação às Antenas e em Relação ao uso de Aparelhos Celulares Autoras: Adilza Condessa Dode e Daiana Condessa Dode Recomendações em relação à instalação de ERB s Estações Radiobase

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais