FRAUDE EM SEGUROS: COLABORAÇÃO ENTRE A GNR E A APS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRAUDE EM SEGUROS: COLABORAÇÃO ENTRE A GNR E A APS."

Transcrição

1 FRAUDE EM SEGUROS: COLABORAÇÃO ENTRE A GNR E A APS. Resumo As crises económica e social parecem ter incrementado a criminalidade relacionada com a Fraude em Seguros, ou seja, com o tipo legal de crime de Burla Relativa a Seguros, o que pode provocar elevados prejuízos ao setor segurador e, consequentemente, aos cidadãos detentores de seguros. Este tipo legal de crime afeta vários ramos de seguros e é cometido mediante modus operandi diversificados que vão desde a simulação à execução de danos, de modo intencional e deliberado, por vezes envolvendo várias pessoas, agindo de forma organizada. O combate a este fenómeno criminal compete às Autoridades Judiciárias e às Forças e Serviços de Segurança, no âmbito da atividade de investigação criminal, tendo por referência os instrumentos legais relacionados com as leis penais, as competências atribuídas pela Lei da Organização da Investigação Criminal e pelas leis orgânicas próprias, como é o caso da Guarda Nacional Republicana. Considerada a complexidade e a transnacionalidade deste fenómeno, considera se importante a adoção de medidas de cooperação policial e de colaboração interinstitucional, ou seja, no caso em apreço, do estabelecimento de medidas de colaboração entre a Guarda e o setor segurador. Palavras chave: Fraude em Seguros, Burla Relativa a Seguros, Investigação Criminal, Guarda Nacional Republicana, Entidades Seguradoras, Cooperação e Colaboração. 1

2 1. Identificação do problema Decorrente da progressão das crises económica e social que se vivem em Portugal, parece ter havido um incremento da criminalidade relacionada com os produtos fornecidos pelos setor segurador português. A criminalidade relacionada com seguros, para além de poder provocar elevados prejuízos às entidades envolvidas, apresenta, também, elevadas e onerosas consequências sociais, na medida em que a sustentabilidade financeira do setor implica a partilha de prejuízos, os quais se consubstanciam no aumento do valor dos prémios de seguros. Procurando uma sintonia no domínio dos conceitos, relacionados com o tema, segundo o Instituto de Seguros de Portugal (ISP), considera se fraude contra seguros a «prática de atos ou omissões intencionais, ainda que sob a forma tentada, com vista à obtenção de vantagem ilícita para si ou para terceiro, no âmbito da celebração ou da execução de contratos de seguro ou da subscrição de operações de capitalização, designadamente os que visem uma cobertura ou pagamento indevido 1». Feita uma breve abordagem ao conceito sobre fraude em seguros, julga se oportuno tipificar exemplos de seguros que possam ser objeto de fraude, designadamente, os seguros nos seguintes ramos 2 : De furto, roubo e dano em veículos automóveis; De responsabilidade civil, por acidente de viação; De transportes e de mercadorias; De propriedade (designadamente contra incêndios); De saúde; De acidentes pessoais; De vida. O modus operandi para a realização de fraude em seguros prende se, entre outros métodos, com atos de falsificação de documentos, de simulação de acidentes e, inclusive, de execução intencional de furtos, de roubos, de acidentes e de incêndios, por vezes, com o envolvimento de várias pessoas e de forma organizada. 2. Enquadramento legal Descrito o problema, tipificados vários casos de fraude e identificados alguns métodos, conclui se estarmos perante um fenómeno social de natureza criminal, cujo controlo, prevenção e repressão 1 Instituto de Seguros de Portugal. Norma Regulamentar nº2/2013 R, de 10 de Janeiro. Artº 3º, alínea b). 2 acedido em 15Jan13. 2

3 carece de medidas a tomar por todas as entidades envolvidas, desde as seguradoras às entidades policiais, e cuja repressão compete às entidades responsáveis pela administração da justiça e, consequentemente, às entidades policiais enquanto os Órgãos de Polícia Criminal (OPC) de competência genérica, nomeadamente, a Guarda Nacional Republicana (GNR), a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Polícia Judiciária (PJ). No que concerne à ação das entidades responsáveis pela administração da justiça, estas, para combaterem o fenómeno da fraude em seguros, possuem como principais instrumentos o Código Penal 3 (CP), o Código de Processo Penal 4 (CPP) e a Lei de Organização da Investigação Criminal 5 (LOIC). A parte especial do Código Penal tipifica a fraude em seguros como um tipo legal de crime contra o património, intitulado por Burla relativa a seguros, a que corresponde o artigoº 219º, do CP. O tipo legal de crime Burla Relativa a Seguros prevê que «quem receber ou fizer com que outra pessoa receba valor total ou parcialmente seguro: provocando ou agravando sensivelmente resultado causado por acidente cujo risco estava coberto; ou causando, a si próprio ou a outra pessoa, lesão da integridade física ou agravando as consequências de lesão da integridade física provocada por acidente cujo risco estava coberto; é punido com pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa». Porém, o procedimento criminal depende da apresentação de queixa, a formalizar pela vítima, pela entidade lesada ou por quem legalmente os possa representar. O mesmo é dizer que o acionamento da ação penal, assim como os consequentes atos de investigação criminal, só se verifica caso ocorra uma manifestação expressa de vontade, a qual se materializa numa queixa formal. Não obstante o atrás referido, a apresentação de queixa, neste tipo legal de crime, pode ser dispensada caso o prejuízo provocado pela ação delituosa for de Valor Elevado ou de Valor Consideravelmente Elevado, casos em que o autor pode ser «punido com pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias; e com pena de prisão de 2 a 8 anos», respetivamente, bastando, nestes casos, uma simples denúncia de qualquer pessoa ou entidade, pública ou privada. Os conceitos de Valor Elevado e de Valor Consideravelmente Elevado consideram se: «aquele que exceder 50 unidades de conta» e «aquele que exceder 200 unidades de conta», respetivamente, avaliados no momento da prática do facto, conforme dispõe o artigoº 202º, do CP. Assim, o montante daqueles valores corresponde ao produto da multiplicação do número de 3 Código Penal Decreto lei nº 400/82, de 23 de setembro, republicado pela Lei nº 59/2007, de 4 de setembro. 4 Código de Processo Penal Decreto lei nº 78/87, de 17 de fevereiro, republicado pela Lei nº 48/2007, de 29 de agosto. 5 Lei da Organização da Investigação Criminal Lei nº 49/2008, de 27 de agosto. 3

4 Unidades de Conta pelo valor unitário destas, o qual é definido anualmente pela Lei do Orçamento de Estado. No caso concreto do ano de , o Valor Elevado corresponde ao montante de 5.100,00 euros e o Valor Consideravelmente Elevado corresponde ao montante de ,00 euros. 3. Competências de investigação criminal O conceito de Investigação Criminal 7 «compreende o conjunto de diligências que, nos termos da lei processual penal, se destinam a averiguar a existência de um crime, determinar os seus agentes e a sua responsabilidade e descobrir e recolher as provas, no âmbito do processo». A direção 8 da investigação criminal cabe à Autoridade Judiciária (AJ), sendo considerados como tal o Juiz, o Juiz de Instrução Criminal e o Ministério Público. Quanto aos Órgãos de Polícia Criminal, estes atuam sempre sob a dependência funcional da Autoridade Judiciária competente, sem prejuízo da sua autonomia técnica e tática para a realização da investigação. Regra geral, após a decisão de iniciar a ação penal, os Órgãos de Polícia Criminal desenvolvem a atividade de investigação criminal sob uma delegação genérica de competências, pelo que a Autoridade Judiciária pode, a todo o tempo, avocar o processo em investigação, fiscalizar o seu andamento e legalidade, dar instruções específicas sobre quaisquer atos que devam ser realizados ou delegar a sua investigação a outro Órgão de Polícia Criminal. Para efeitos de investigação criminal existem três tipos de competências 9 : a Competência Genérica de que são competentes a GNR, a PSP e a PJ; a Competência Específica, em razão da matéria criminal, que compete a todos os restantes OPC; e a Competência Reservada que compete à PJ e à Polícia Judiciária Militar (PJM). É da competência genérica da GNR, da PSP e da PJ a investigação dos crimes cuja competência não esteja na reserva absoluta de outro OPC, e ainda, dos crimes cuja investigação lhe seja deferida pela autoridade judiciária. Nos termos da LOIC é da competência reservada da PJ 10 a investigação dos crimes considerados mais graves e com molduras penas mais elevadas, designadamente, o crime de Associação Criminosa. Porém, quando o crime de Burla Relativa a Seguros é cometido em acumulação com o crime de Associação Criminosa a sua investigação é da competência reservada da PJ, não podendo, por isso, 6 Lei do Orçamento de Estado Lei nº 66 B/12, de 31 de Dezembro, alínea a), do Artº 114º. 7 Lei da Organização da Investigação Criminal Lei nº 49/2008, de 27 de agosto, Art.º 1º. 8 Lei da Organização da Investigação Criminal Lei nº 49/2008, de 27 de agosto, Art.º 2º. 9 Lei da Organização da Investigação Criminal Lei nº 49/2008, de 27 de agosto, Art.º 3º a 6º. 10 Lei da Organização da Investigação Criminal Lei nº 49/2008, de 27 de agosto, Art.º 7º. 4

5 ser deferida noutro OPC. O crime de Associação Criminosa 11 verifica se quando alguém «( ) promover ou fundar grupo, organização ou associação cuja finalidade ou atividade seja dirigida à prática de um ou mais crimes ( ); ( ) quem fizer parte de tais grupos, organizações ou associações ou quem os apoiar ( ); quem chefiar ou dirigir grupos, organizações ou associações ( ); ( ) considera se que existe grupo, organização ou associação quando esteja em causa um conjunto de, pelo menos, três pessoas, atuando concertadamente durante um certo período de tempo». Assim, pode concluir se que a investigação do tipo legal crime de Burla Relativa a Seguros é da competência genérica da GNR e da PSP, nas respetivas áreas geográficas de jurisdição, sendo da competência reservada da PJ quando o crime seja cometido em Associação Criminosa. 4. Potencial de investigação criminal da GNR A Guarda Nacional Republicana «é uma força de segurança de natureza militar, constituída por militares organizados num corpo especial de tropas ( )» e tem por missão «(...) no âmbito dos sistemas nacionais de segurança e proteção, assegurar a legalidade democrática, garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos, bem como colaborar na política de defesa nacional 12 ( )». Neste âmbito, a Guarda tem competências de natureza policial e de investigação criminal, sendo responsável pelo exercício daquelas competências em cerca de 96% do território nacional. No que concerne à investigação criminal, a GNR tem por competência 13 «Desenvolver as ações de investigação criminal ( ) que lhe sejam atribuídas por lei, delegadas pelas autoridades judiciárias ( )». Como consequência da atribuição de novas competências de investigação criminal 14, a Guarda Nacional Republicana implementou uma nova estrutura de investigação criminal 15 assente num modelo funcional de especialização tripartida, o qual contempla três vertentes de intervenção: a vertente de Investigação Criminal Operativa, a vertente de Criminalística (Polícia Técnica e Científica) e a vertente de Análise de Informação Criminal. Este modelo funcional obedece a vários Princípios Estruturantes, de que, pela sua importância para o objeto em análise, se destaca os seguintes: 11 Código Penal Decreto lei nº 400/82, de 23 de setembro, republicado pela Lei nº 59/2007, de 4 de setembro, Artº 299º. 12 Lei Orgânica da GNR Lei nº 63/07, de 06 de novembro, Artº 1º e 2º. 13 Lei Orgânica da GNR Lei nº 63/07, de 06 de novembro, Artº 3º. 14 Lei da Organização de Investigação Criminal Lei nº 21/2000, de 10 de agosto, revogada pela Lei nº 49/08, de 27 de agosto. 15 Despacho nº 63/09 OG, de 31 de dezembro. 5

6 O Princípio da Tripla Dependência : a dependência Funcional, das Autoridades Judiciárias, para a direção da investigação criminal; a dependência Orgânica, da cadeia hierárquica de comando da Guarda; e a dependência Técnica da estrutura de investigação criminal da Guarda; O Princípio da Especialização : orgânico funcional, pela formação e pelos meios utilizados; e O Princípio da Segregação Pessoal na Recolha da Prova : visando garantir a imparcialidade. Para assegurar o exercício de todas as atividades administrativo logísticas, de formação e operacionais, a estrutura de investigação criminal da Guarda possui um efetivo que ronda os militares e funcionários civis. A estrutura de investigação criminal da GNR é orgânica de todos os escalões hierárquicooperacionais da Guarda, designadamente, do Comando Operacional (CO) (de âmbito nacional), que integra a Direção de Investigação Criminal (DIC); dos Comandos Territoriais (CT) (de âmbito distrital), que integram as Secções de Investigação Criminal (SIC); dos Comandos de Destacamento Territorial (DTer) e de Destacamento de Trânsito (DT) (de âmbito supra municipal), que integram os Núcleos de Investigação Criminal (NIC) e os Núcleos de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação (NICAV), respetivamente; e dos Subdestacamento Territoriais (SDTer) e Postos Territoriais (PTer) (de âmbito municipal), que integram as Equipas de Investigação e Inquérito (EII). Observado o tipo legal de crime de Burla Relativa a Seguros e a estrutura orgânica de investigação criminal da Guarda, considera se que os órgãos mais adequados para a investigação daquele crime são os Núcleos de Investigação Criminal e os Núcleos de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação. O Núcleo de Investigação Criminal tem por competência «proceder à investigação de crimes para as quais a Guarda tem competência e que não esteja atribuída a outros órgãos; e outras que, direta ou indirectamente relacionadas com a IC Operativa, lhe sejam cometidas». O Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação tem por competência «proceder à investigação de crimes resultantes de acidentes de viação que originem vítimas mortais ou feridos graves, assim como de outros crimes específicos de ambiente rodoviário para as quais a Guarda tem competência; e efectuar perícias e outras diligências técnicas, em acidentes de viação». A estrutura de investigação criminal da Guarda possui um dispositivo composto por 87 Núcleos de Investigação Criminal e 26 Núcleos de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação, distribuídos por todo o território continental, de acordo com a imagem 1. 6

7 Imagem 1 Distribuição de NIC e NICAV no território continental. Assim, em função dos diferentes ramos de seguro objeto de burla, considera se que o Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação é o órgão que está melhor preparado para a investigação de crimes cometidos no âmbito do ramo de seguros relacionados com o ambiente rodoviário e o Núcleo de Investigação Criminal é o órgão que está melhor preparado para a investigação dos crimes relacionados com os restantes ramos de seguro. 5. Cooperação e colaboração Abordado o problema da fraude em seguros, do seu enquadramento legal, das competências de investigação criminal e do potencial da Guarda, afigura se agora adequado equacionar medidas de cooperação e de colaboração passíveis de serem desenvolvidas ou incrementadas. Considerando que o crime de Burla Relativa a Seguros pode assumir uma dimensão nacional ou transnacional, julga se pertinente identificar as medidas de cooperação e de colaboração, legalmente previstas, entre as várias entidades policiais e entre estas e demais entidades, públicas e privadas. A cooperação entre entidades policiais pode efetuar se em dois patamares distintos, um de natureza vertical e outro de natureza horizontal, os quais assumem um carácter de complementaridade. No âmbito vertical, a cooperação estabelece se ao nível internacional 16 e é efetuada especialmente através: do Gabinete Nacional da INTERPOL e pela Unidade Nacional EUROPOL cujo funcionamento é assegurado pela Polícia Judiciária, com a colaboração de oficiais de ligação da GNR e da PSP ; através dos Centros de Cooperação Policial e Aduaneira; e de protocolos bilaterais com outras entidades policiais. 16 Lei da Organização de Investigação Criminal Lei nº 49/08, de 27 de agosto, Artº 12º. 7

8 No âmbito horizontal, a cooperação estabelece se ao nível nacional entre os vários Órgãos de Polícia Criminal, sobre os quais recai um especial dever de cooperação 17 e cuja previsão legal estabelece que «os OPC cooperam mutuamente no exercício das suas atribuições; ( ) os OPC comunicam à entidade competente, no prazo máximo de 24 horas, os factos de que tenham conhecimento relativamente a crimes de que não sejam competentes ( )». Neste âmbito, a Guarda coopera com as demais forças e serviços de segurança, bem como com as autoridades públicas, designadamente com os órgãos autárquicos e outros organismos. No que concerne à colaboração, a legislação vigente consagra um regime bidirecional, entre a Guarda Nacional Republicana e as demais entidades públicas e privadas. Assim, a lei que aprova a orgânica da Guarda Nacional Republicana 18, no seu artigo 6.º, consagra os deveres de colaboração entre esta instituição e as diversas entidades, prescrevendo que as autoridades da administração central, regional e local, os serviços públicos e demais entidades públicas e privadas devem prestar à Guarda a colaboração que legitimamente lhes seja solicitada para o exercício das suas funções. A colaboração entre a Guarda e a Associação Portuguesa de Seguradoras e as próprias seguradoras, para efeitos de prevenção, controlo e repressão do crime de burla relativa a seguros, deve desenvolver se em dois âmbitos: o estudo do fenómeno e a investigação criminal. Através do primeiro é possível recolher a informação que permita um estudo exaustivo do fenómeno, as suas causas, formas e efeitos, para melhor o compreender e, desta forma, melhor agir sobre ele, desenvolvendo ações preventivas que inibam a ocorrência dos ilícitos. Mediante o segundo é possível desencadear a ação penal com celeridade, delinear estratégias de investigação corretamente dirigidas e, assim, garantir a plena eficiência dos recursos alocados e a máxima eficácia no resultado dos processos crime. Em ambos os âmbitos é crucial a partilha de informação e a formalização célere de queixas ou denúncias. A colaboração no âmbito do estudo do fenómeno deverá efetuar se através da partilha de informações. A informação que se considera relevante partilhar prende se com o número e tipologia de casos ocorridos, a sua distribuição geográfica, os métodos utilizados e as entidades seguradoras envolvidas. Os resultados dos estudos devem destinar se à prevenção, monitorização, coordenação e à qualificação da investigação, sem prejuízo de outras consideradas importantes ou pertinentes. 17 Lei da Organização de Investigação Criminal Lei nº 49/08, de 27 de agosto, Artº 10º. 18 Lei Orgânica da GNR Lei nº 63/07, de 06 de novembro. 8

9 Para operacionalizar a partilha de informações e a realização de estudos do fenómeno, considera se importante o estabelecimento de pontos de contacto, na GNR e na APS, e, eventualmente, a constituição de grupos de trabalho conjunto para análise de caso, sempre que as circunstâncias assim o determinem. A formalização de queixas, em termos legais, é obrigatória nos casos em que o valor do prejuizo não seja considerado de Valor Elevado ou de Valor Consideravelmente Elevado, por se tratar de um Crime Semi Público, ou seja, o procedimento criminal carece de manifestação expressa de vontade, mediante a apresentação de queixa pelas vítimas ou partes ofendidas ou lesadas. Nos casos em que o valor do prejuízo, causado pelo crime, é considerado de Valor Elevado ou de Valor Consideravelmente Elevado, é dispensada a formalização de queixa em virtude de se tratar de um Crime Público. Neste caso, para que haja lugar ao procedimento criminal torna se necessário que as entidades competentes tenham conhecimento da ocorrência do crime, o que poderá ocorrer através de denúncia de qualquer entidade, que não só as vítimas, ofendidos ou lesados. O OPC competente, para a investigação de um crime de burla relativa a seguros, é aquele que se encontra na área de jurisdição territorial do Tribunal 19 competente para conhecer de um crime, ou seja, «( ) em cuja área se tiver verificado a consumação; ou em cuja área tiver sido praticado o último ato de execução ou de preparação» do crime. Alcabideche, GNR, Direção de Investigação Criminal, 19 de fevereiro de Código de Processo Penal Decreto lei nº 78/87, de 17 de fevereiro, republicado pela Lei nº 48/2007, de 29 de agosto, Artº 19º. 9

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo.

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo. Sua Excelência A Ministra da Administração Interna Praça do Comércio 1149-015 Lisboa Sua referência Sua comunicação Nossa referência Proc. Q-1553/12 (UT5) e outros Assunto: Forças policiais; denúncia;

Leia mais

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional

Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional Parecer da Associação dos Advogados de Macau sobre a Proposta de Lei do Regime da Repressão dos Actos de Corrupção no Comércio Internacional I - Introdução Foi solicitado à Associação dos Advogados de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

MÉDICOS DA TROPA SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO P.4

MÉDICOS DA TROPA SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO P.4 MÉDICOS DA TROPA SUSPEITOS DE CORRUPÇÃO P.4 Polícia Judiciária Militar investiga empresa de Massamá ligada a negócio de cirurgias de urologia em unidades do setor privado MÉDICOS DO HOSPITAL M lutar DESVIAM

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes

Treinamento de Prevenção a Fraudes Treinamento de Prevenção a Fraudes 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com a PAN Seguros,

Leia mais

Fraude em seguros. fraude, estabeleceu ações e controles que visam o cumprimento à legislação vigente.

Fraude em seguros. fraude, estabeleceu ações e controles que visam o cumprimento à legislação vigente. Apresentação O que é fraude Os crimes de fraude ameaçam as sociedades, corporações e governos de todo mundo, independentemente do estágio de desenvolvimento de cada país. O mercado de seguros, assim como

Leia mais

Combate à Fraude na Saúde

Combate à Fraude na Saúde Combate à Fraude na Saúde Estratégia adotada no Combate à Fraude Carla Costa, Adjunta do Ministro da Saúde Auditório da ACSS, IP Parque de Saúde de Lisboa, 22 de julho de 2015 Programa 1 - Estratégia 2

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 8/2003 Havendo necessidade de se rever o quadro legal dos órgãos do Estado visando estabelecer, no prosseguimento da construção de uma administração pública para o desenvolvimento,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012. Lei n.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012. Lei n. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 35/2012 O Presidente da República decreta, nos termos do artigo 135.º,

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação PROPOSTA ESTATUTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES (Aprovada pelo Conselho Geral em reunião de 29.10.2012, órgão com competência para aprovar o regulamento, nos termos do disposto no artigo 90º, n.º 1 dos Estatutos

Leia mais

omo ser um bom cidadão?

omo ser um bom cidadão? C omo ser um bom cidadão? Conhecer os processos para denunciar o crime Cooperação entre polícia e cidadãos 993 Prevenção e combate à criminalidade Índice Quando souber de um crime... P. 2 Como efectuar

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros. Aprova as opções fundamentais do. Sistema Integrado de Segurança Interna da República Portuguesa

Resolução do Conselho de Ministros. Aprova as opções fundamentais do. Sistema Integrado de Segurança Interna da República Portuguesa R /2007 2007.03.01 Resolução do Conselho de Ministros Aprova as opções fundamentais do Sistema Integrado de Segurança Interna da República Portuguesa 1. O Sistema de Segurança Interna, que vem vigorando

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLE DE ACESSO AUTOMÓVEL À ÁREA PEDONAL DA RUA DA REPÚBLICA NA CIDADE DE MIRANDELA. Nota Justificativa

REGULAMENTO DO CONTROLE DE ACESSO AUTOMÓVEL À ÁREA PEDONAL DA RUA DA REPÚBLICA NA CIDADE DE MIRANDELA. Nota Justificativa REGULAMENTO DO CONTROLE DE ACESSO AUTOMÓVEL À ÁREA PEDONAL DA RUA DA REPÚBLICA NA CIDADE DE MIRANDELA Nota Justificativa Face à pedonalização de parte da Rua da República, impõe-se a adoção de medidas,

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO CONCELHO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO CONCELHO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO CONCELHO DE MIRANDELA Página 1 de 6 Regulamento Municipal do Plano de Emergência Social do Concelho de Mirandela PREÂMBULO A lei n.º 169/99, de 18

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE Setembro/2015 MITSUI SUMITOMO SEGUROS Parte integrante do MS&AD Insurance Group, o maior grupo segurador do Japão e um dos maiores do mundo, a Mitsui Sumitomo

Leia mais

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Conselho Superior da Magistratura Janeiro 2012 Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações O Conselho Superior da Magistratura, enquanto órgão máximo de

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO DADA

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL EM PORTUGAL NO SÉCULO XXI

A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL EM PORTUGAL NO SÉCULO XXI A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL EM PORTUGAL NO SÉCULO XXI REFLEXÃO (DIVAGAÇÕES?) SOBRE O MODELO IDEAL PARA PORTUGAL: CORPO DE POLÍCIA CRIMINAL, CORPO SUPERIOR DE POLÍCIA CRIMINAL OU CORPO SUPERIOR DE POLÍCIA?

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4 DL 35/2014 2014.01.23 A Lei 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o orçamento do Estado para o ano de 2012, promoveu a criação de novas medidas de combate à fraude e evasão fiscais. Neste contexto

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

Lei n. o 52/2003 22-08-2003...

Lei n. o 52/2003 22-08-2003... Lei n. o 52/2003 22-08-2003 Diploma consolidado Assunto: Lei de combate ao terrorismo (em cumprimento da Decisão Quadro n.º 2002/475/JAI, do Conselho, de 13 de junho) - décima segunda alteração ao Código

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Serviço de Informação e Mediação SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Composição O Serviço de Informação e Mediação

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Movimento Mensal de Inquéritos e Autos ( Mod 222) Código: 491 Versão: 1.0 Introdução A obtenção de informação desta natureza prende-se com o facto de a mesma permitir o apoio às

Leia mais

Cooperação Policial e Segurança

Cooperação Policial e Segurança Cooperação Policial e Segurança A cooperação entre os serviços policiais e as autoridades aduaneiras dos Estados-membros, foi inserido pela primeira vez no Tratado de Maastricht de 1992. O seu artigo K

Leia mais

Legislação. Resumo: Cria o Programa Empreende Já - Rede de Perceção e Gestão de Negócios e revoga a Portaria n.º 427/2012, de 31 de dezembro..

Legislação. Resumo: Cria o Programa Empreende Já - Rede de Perceção e Gestão de Negócios e revoga a Portaria n.º 427/2012, de 31 de dezembro.. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 308/2015, de 25 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR www.mariz.eti.br CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR Dentre as mudanças trazidas pela Portaria nº 3.233/12, podemos destacar a ampliação da carga horária de alguns cursos oficiais. O Curso

Leia mais

PC-SE. Polícia Civil do Estado do Sergipe. Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1

PC-SE. Polícia Civil do Estado do Sergipe. Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1 Polícia Civil do Estado do Sergipe PC-SE Agente de Polícia Judiciária Substituto - Escrivão Substituto ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS GERAIS LINGUA PORTUGUESA 1 Compreensão de textos. 2 Denotação e conotação...

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS APROVADO 25 de Junho de 2010 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 12 19-3-2012 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 219 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳 門 特 別 行 政 區 第 2/2012 號 法 律 公 共 地 方 錄 像 監 視 法 律 制 度 REGIÃO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum.

SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum. DATA: Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2005 NÚMERO: 6 SÉRIE I-A EMISSOR: Assembleia da República DIPLOMA: Lei n.º 1/2005 SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 104/2013 Designa o Licenciado, António Gil Fraga Gomes Ferreira,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.850, DE 2 DE AGOSTO DE 2013. Vigência Define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção

Leia mais

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal O Mandado de Detenção Europeu José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal Contexto Tratado de Amesterdão (1999) Tratado da União Europeia Objectivo da União Europeia: a criação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012 Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 26/08/2009, 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Calendário reuniões ENCCLA

Calendário reuniões ENCCLA Nº 11 Fevereiro/2015 Há dez anos, teve início o modelo do hoje reconhecido Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (PNLD). A percepção dos membros

Leia mais

ASSUNTO: Assembleia de Freguesia. Junta de Freguesia. Autorizar. Apoiar. Deliberar.

ASSUNTO: Assembleia de Freguesia. Junta de Freguesia. Autorizar. Apoiar. Deliberar. ASSUNTO: Assembleia de Freguesia. Junta de Freguesia. Autorizar. Apoiar. Deliberar. Data: 2014.02.21 Foi solicitado parecer acerca do assunto em epígrafe, na sequência do questionado pelo Senhor Presidente

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS Artº. 107º nº. 5 e 107º A do CPP 145º do CPC APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA SANÇÃO PELA PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRISÃO REALIZADA PELA GUARDA MUNICIPAL Denis Schlang Rodrigues Alves - Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina. Pós- Graduado em Direito Penal pela Universidade Paulista. Professor de Direito Penal

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento Questões emergentes da análise da legislação relativa ao novo modelo de avaliação do desempenho docente decorrente da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, e demais legislação

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS I. Compromisso ético A Autarquia da Batalha vincula-se a um Compromisso Ético de assegurar a gestão operacional e

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2016

MAPA DE PESSOAL 2016 MAPA DE PESSOAL 206 Nº POSTOS DE TRABALHO AREA FUNCIONAL ATRIBUIÇÕES/COMPETÊNCIAS/S POSTOS DE TRABALHO DOS TRABALHADORES EM EXERCICIO DE FUNÇÕES NA CM NO DE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO CONTRATO

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Regulamento Geral das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Capitulo I Dos Princípios Gerais Artigo 1º Lei Habilitante O presente Regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo das competências conferidas

Leia mais

Arquivos dos Serviços de Informações em Portugal. Leonor Calvão Borges

Arquivos dos Serviços de Informações em Portugal. Leonor Calvão Borges Arquivos dos Serviços de Informações em Portugal Leonor Calvão Borges A omnipresença da PIDE levanta obrigatoriamente a questão de quem informou. Nos meses a seguir ao 25 de Abril de 1974, a Comissão de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Regulamento de Uso de Veículos Aprovado em Plenário de CG de 11 de Abril de 2013 1 INDICE Índice - Regulamento de Uso de Veículos 2 Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 127/XII Exposição de Motivos A Lei n.º 63-A/2008, de 24 de novembro, que estabelece medidas de reforço da solidez financeira das instituições de crédito no âmbito da iniciativa para

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 Artigo 14.º Norma revogatória É revogada a Portaria n.º 571/2008, de 3 de julho. Artigo 15.º Produção de efeitos 1 A presente portaria

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais