UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES VINÍCIUS PLETSCH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES VINÍCIUS PLETSCH"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES VINÍCIUS PLETSCH TRANSIÇÃO PARA O PROTOCOLO IPv6: UM ESTUDO DE CASO APLICADO A UMA PROVEDORA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA BLUMENAU - SC 2012

2 1 VINÍCIUS PLETSCH TRANSIÇÃO PARA O PROTOCOLO IPv6: UM ESTUDO DE CASO APLICADO A UMA PROVEDORA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Engenharia de Telecomunicações da Universidade Regional de Blumenau, para a obtenção do Título de Bacharel em Engenharia de Telecomunicações. Orientador: Professor Francisco Adell Péricas BLUMENAU - SC 2012

3 2 RESUMO Há algum tempo, quando as primeiras redes de computadores eram desenvolvidas, não se tinha ideia do rumo que estas tomariam num futuro consideravelmente próximo. Hoje, com a crescente demanda por conexões de alta velocidade, juntamente com políticas públicas de inclusão digital e os inúmeros aparelhos que podem se conectar à Internet, o esgotamento dos endereços IPv4, algo que nos primórdios do desenvolvimento das redes parecia impossível, virou uma realidade. Como solução para a falta de endereços e para as limitações do IPv4, surge o IPv6. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é desenvolver um estudo, aplicado à realidade de uma operadora de serviços de comunicação multimídia, do protocolo IPv6 e das formas de transição para este. Palavras-chave: IPv6, Internet, Transição, Coexistência, IPv4, Tunelamento, pilha dupla.

4 3 ABSTRACT Some time ago, when the first computer networks were developed, no one could predict what direction they would take in the near future. Today, with the growing demand for high-speed connections and the numerous devices able to connect to the Internet, the IPv4 address exhaustion, something that in the early development of the networks seemed impossible, became true. As a solution to address shortage and the limitations of IPv4, the IPv6 appears. In this context, the objective is to develop a study about IPv6 protocol and its transition mechanisms and coexistence. Keywords: IPv6, Internet, Transition, Coexistence, IPv4, Tunneling, Dual-stack.

5 4 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Diferentes modelos projetando o futuro do IPv4 (lacnic.net) Figura 2: Gráfico comparativo entre o modelo linear e modelo atualizado até março de 2011 (lacnic.net) Figura 3: Distribuição dos blocos de endereços IPv4 /8 entre as entidades regionais (nro.net) Figura 4: Distribuição de blocos IPv6 entre as entidades regionais (ipv6.br) Figura 5: Distribuição de blocos IPv6 entre os países atendidos pelo LACNIC. (ipv6.br) Figura 6: Comparativo de alocações IPv6 sobre IPv4 (lacnic.net) Figura 7: Participação de endereços IPv6 em alocações LACNIC (lacnic.net) Figura 8: Comparativo entre cabeçalho IPv4 e IPv6 (Cisco CCNA) Figura 9: Formato endereço unicast Global (ipv6.br) Figura 10: Formato endereço unicast link-local (ipv6.br) Figura 11: Endereço unicast site-local (ipv6.br) Figura 12: Formato endereço IPv4 mapeado em IPv6 (ipv6.br) Figura 13: Estrutura do endereço anycast (ipv6.br) Figura 14: Serviço anycast (cisco.netacad.net) Figura 15: Serviço multicast Figura 16: Estrutura do endereço multicast (ipv6.br) Figura 17: Tráfego de pacotes pilha dupla Figura 18: Operadora no modo pilha dupla e cliente puramente IPv Figura 19: Modelo de tunelamento através da Internet IPv Figura 20: Encapsulamento de um pacote IPv6 em IPv Figura 21: Modelo host-a-host Figura 22: Modelo host-a-roteador Figura 23: Modelo roteador-a-roteador Figura 24: Tunneling automático IPv4 com suporte a endereços IPv Figura 25: Formato de endereço túnel 6to Figura 26: Comunicação através do tunelamento 6to Figura 27: Modelo de comunicação túnel ISATAP... 38

6 5 Figura 28: Formato endereço túnel ISATAP Figura 29: Etapas de comunicação de hosts na mesma sub-rede utilizando túnel ISATAP Figura 30: Processo de comunicação túnel ISATAP com hosts em sub-redes diferentes Figura 31: Comunicação cliente ISATAP e host IPv Figura 32: Comunicação cliente Teredo com host IPv Figura 33: Comunicação cliente pilha dupla e host IPv6 através do Túnel Broker.. 44 Figura 34: Topologia de rede da provedora Figura 35: Roteador de borda e clientes operando no modo pilha dupla Figura 36: Teste de conectividade realizado em ipv6-test.com Figura 37: Teste de conectividade realizado em teste-ipv6.com.br Figura 38: Rastreamento de caminhos para google.com Figura 39: Teste de latência de IPv4 e IPv6 para o google.com Figura 40: Teste de latência de IPv4 e IPv6 para o uol.com.br Figura 41: Topologia túnel BGP e rede interna nativa IPv Figura 42: Detalhes túnel IPv6 BGP Figura 43: Captura de pacotes utilizando Wireshark Figura 44: Testes de conectividade e status do BGP Figura 45: Cenário 3 com clientes utilizando IPv6 nativo Figura 46: Testes de conectividade para inferfaces loopback Figura 47: Teste conectividade de host real... 63

7 6 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Configuração aplicada ao roteador Quadro 2: Configuração aplicada ao roteador C Quadro 3: Tabela de roteamento do C Quadro 4: Latência para cada protocolo... 64

8 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AfriNIC APNIC ARP ARPANET ATA BGP CIDR CPE DNS DHCP FTTH ICMP African Network Information Center Asia Pacific Network Information Centre Address Resolution Protocol Advanced Research Projects Agency Network Analog Telephone Adapter Boarder Gateway Protocol Classless Inter-Domain Routing Customer Provided Equipment Domain Name System Dynamic Host Configuration Protocol Fiber-to-the-Home Internet Control Message Protocol ICMPv6 Internet Control Message Protocol Version 6 IETF IESG IGMP IOS IP IPng Internet Engineer Task Force Internet Engineering Steering Group Internet Group Membership Protocol Internetwork Operating System Internet Protocol Internet Protocol Next Generation IPv4 Internet Protocol Version 4 IPv6 Internet Protocol Version 6 ISP LACNIC Internet service Provider Latin American and Caribbean Internet Address

9 8 LAN MAC MTU NAT NCP ND PPPoE QoS Local Area Network Media Access Control Maximum Transmission Unit Network Address Translation Network Control Protocol Neighbor Discovery Point-to-Point Protocol over Ethernet Quality of Service RIPv2 Routing Information Protocol version 2 RIR ROAD RS SIP SIPP TCP UDP VLAN VoIP Regional Internet Registry Routing and Addressing Router Solicitation Session Initiation Protocol Simple Internet Protocol Plus Transmission Control Protocol User Datagram Protocol Virtual Area Network Voice over Internet Protocol

10 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS ESTRUTURA DO TRABALHO HISTÓRICO DE EVOLUÇÃO DO IP O COMEÇO O PROTOCOLO IPV O DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PROTOCOLO INSTITUIÇÕES LIGADAS AO IPV ESTATÍSTICAS IPV4 E IPV O PROTOCOLO IPV CONCEPÇÃO DO IPV CABEÇALHO IPV CONVENÇÕES DE ENDEREÇAMENTO Formato de Endereço IPv Tipos de endereços IPv Endereços unicast Endereço anycast Endereço multicast SERVIÇOS BÁSICOS DO IPV ICMPv Neighbor Discovery (ND) TÉCNICAS DE TRANSIÇÃO PARA O IPV PILHA DUPLA (DUAL-STACK) TUNELAMENTO Túnel manual Túnel automático Túnel 6to Túnel ISATAP Clientes ISATAP na mesma sub-rede Clientes ISATAP em sub-redes diferentes Clientes ISATAP e hosts IPv

11 Túnel Teredo Túnel Broker TRADUÇÃO ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DESCRIÇÃO DA TOPOLOGIA Equipamentos Recursos de Numeração RECOMENDAÇÕES PARA TRANSIÇÃO Atualizações em equipamentos Distribuição dos recursos de endereçamento Outras recomendações TESTES DE VALIDAÇÃO CENÁRIO 1 CLIENTE MODO DUAL-STACK CENÁRIO 2 - ANÚNCIO DE UM BLOCO IPv6 VIA TÚNEL CENÁRIO 3 CLIENTE IPV6 NATIVO CONCLUSÃO SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE A - GUIA DE ENDEREÇAMENTO IPV

12 11 1 INTRODUÇÃO O IP (Internet Protocol) é o protocolo responsável pela comunicação entre elementos de uma rede, sendo assim fundamental para o funcionamento desta gigantesca interconexão de redes que é a Internet. Este protocolo teve sua versão 4 (IPv4) desenvolvida na década de 70 e esta hoje já não atende mais as necessidades de usuários da Internet, tanto pela escassez de endereços quanto pela pouca eficiência em serviços de voz e vídeo, serviços estes que tendem a crescer ainda mais com a convergência de plataformas de comunicação. Para suprir essas deficiências do IPv4, vários grupos de trabalhos foram formados com o objetivo de desenvolver uma nova solução adequada à nova realidade das redes baseadas no protocolo IP. Como resultado final chegou-se ao IPv6, uma nova versão que prometia atender as necessidades recentes e também garantir que no futuro não haja falta de endereços de redes. Porém, essa mudança para o IPv6 não acontecerá de forma abrupta, pelo contrário, as duas versões desses protocolos terão que coexistir por algum tempo até que se tenha apenas o IPv6 rodando, algo que foi garantindo quando do desenvolvimento do novo protocolo. Para isso, existem técnicas que permitem o funcionamento de dois protocolos, ao mesmo tempo, dentro de uma mesma rede. Para tanto, é importante que as operadoras estejam preparadas para essa etapa de transição, com equipamentos adequados que suportem a coexistência de protocolos e garantam aos usuários um serviço de qualidade, além de informação teórica para treinamento de seus funcionários. Sendo este um processo de grande relevância para as empresas do setor, este trabalho pretende fornecer informações teóricas e práticas, servindo assim como um documento referencial, no processo de transição para o IPv6, para as operadoras de serviços de comunicação multimídia.

13 OBJETIVO GERAL Desenvolver um estudo, aplicado à realidade de uma operadora de serviços de comunicação multimídia, das técnicas de transição e coexistência entre os protocolos IPv4 e IPv OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os objetivos específicos deste trabalho são: a) Desenvolver um estudo teórico do IPv6 e das técnicas de transição do IPv4 para este novo protocolo; b) Desenvolver um levantamento da atual topologia existente numa provedora, avaliando a atual capacidade de implementação do protocolo IPv6; c) Propor modificações necessárias na topologia e nos equipamentos para que seja possível a implementação do protocolo IPv6; d) Descrever com detalhes os procedimentos necessários para obtenção de blocos IPv6 e propor soluções de distribuição desses endereços dentro da rede da provedora; e) Indicar procedimentos a serem adotados que garantam uma satisfatória interoperabilidade entre protocolos garantindo que todos os serviços, que hoje funcionam em IPv4, possam ser migrados para IPv ESTRUTURA DO TRABALHO No primeiro capítulo é apresentada uma rápida introdução sobre o IPv6 e a motivação para realização deste trabalho. No segundo capítulo serão abordados os processos históricos da evolução do protocolo IP e levantamentos estatísticos a respeito da distribuição de endereço IPv4 e IPv6. Na sequência, no capítulo 3, será

14 13 elaborado um estudo teórico do protocolo IPv6, descrevendo as principais mudanças em relação ao IPv4. Já no capítulo 4 serão detalhados os mecanismos de coexistência e transição de protocolos. Mais a frente, no capítulo 5, será desenvolvido um estudo prático visando definir as melhores práticas para implementação do IPv6 dentro da rede de um provedor. Já no capítulo 6 serão desenvolvidos testes com diferentes cenários, com o intuito de simular o processo de transição e demonstrar os passos de configuração dos equipamentos. Por fim será elaborada uma conclusão para o presente trabalho.

15 14 2 HISTÓRICO DE EVOLUÇÃO DO IP 2.1 O COMEÇO A busca pela história da Internet leva à década de 60, mais precisamente ao ano 1969, quando da criação da ARPANET, a primeira rede operacional baseada na comutação de pacotes. Como tantas outras grandes invenções tecnológicas, a ARPANET também foi desenvolvida com fins militares e tinha o objetivo de interligar as bases militares e centros de pesquisas do governo norte-americano. Temendo possíveis ataques, os americanos queriam desenvolver uma rede de comunicação robusta e que não os tornassem vulneráveis. No início da década de 70, as universidades tiveram a permissão para interligar suas redes à ARPANET e esta cresceu de tal forma que seu protocolo original de comutação de pacotes, o NCP (Network Control Protocol), já não era mais suficiente e viria a ser substituído pelo TCP/IP. A primeira rede de grande porte totalmente baseada no protocolo IP entrou em operação em janeiro de 1983 quando todos os computadores ligados a ARPANET trocaram o antigo protocolo NCP. Esta rede foi aos poucos sendo interconectada a outras e, graças à habilidade do protocolo IP de se comunicar com redes pré-existentes, popularizou a Internet. [1] 2.2 O PROTOCOLO IPV4 O protocolo IP veio para substituir o NCP que não atendia mais as necessidades das redes da época. Este novo protocolo é descrito pela RFC 791 da IETF (Internet Engineering Task Force) e foi publicado em setembro de Tal documento descreve o protocolo de camada de rede, que ainda é o responsável pelo funcionamento da Internet, sendo conhecido como IPv4 (Internet Protocol version 4).

16 15 O IP é um protocolo de camada 3 e tem com função transportar pacotes entre hosts, estejam eles na mesma rede ou não, e define um conjunto de endereços e torna possível que camadas superiores e aplicativos possam se comunicar de forma transparente. O protocolo IP, trabalhando em conjunto com outros protocolos, é o responsável pelo funcionamento da Internet como se conhece hoje. Durante muito tempo o IPv4, com algumas melhorias que aumentaram sua eficiência como o TCP (Transmission Control Protocol) que garante confiabilidade de entrega dos pacotes e como o NAT(Network Address Translation) que permite um uso mais eficiente dos endereços roteáveis, teve seu tempo de vida estendido e ainda sendo suficiente para o funcionamento da Internet. Com a explosão da Internet e o surgimento das comunicações convergentes, onde vários serviços rodam sobre um mesmo meio de comunicação, o IPv4 não tem sido mais o suficiente e está segurando a evolução em tamanho e desempenho da Internet. Hoje, o IPv4 não atende mais as necessidades da Internet e apresenta sérios problemas que comprometem e freiam o seu desenvolvimento. O esgotamento dos endereços globais, a falta de segurança desse protocolo e o desempenho indesejável para aplicações de tempo real, levaram grupos a estudarem e desenvolverem uma nova geração para o protocolo IP, o IPng (Internet Protocol Next Generation). [2] 2.3 O DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PROTOCOLO Dadas as previsões de escassez de endereços e das proporções que a Internet estava tomando, vários grupos ligados a IETF (Internet Engineering Task Force) começaram a pesquisar e apresentar ideias para o projeto do Next Generation IP que viria a substituir o IPv4. Durante esse período algumas técnicas como o NAT (Network Address Translation) e o CIDR (Classless Interdomain Routing) deram um sobre vida ao IPv4, porém os esforços para o desenvolvimento de um novo protocolo seguiram. Em 1992 a IETF, acatando uma recomendação do grupo ROAD (Routingand Addressing), apresentou um plano completo com exigências para o desenvolvimento de um novo protocolo. Desde então, algumas propostas foram enviadas à IETF.

17 16 Algumas destas propostas serviram como base para o IESG (Internet Engineering Steering Group) que, em 1993, criou um grupo de trabalho que logo depois desenvolveu os protocolos de transporte TCP e UDP. Assim, em 1994, a comissão do IPng revisou os modelos até então apresentados e definiu o SIPP (Simple Internet Protocol Plus) como sendo o modelo base para o novo protocolo IP. Este modelo foi escolhido e tratado como recomendação oficial para o IPng por contemplar as exigências estabelecidas pela IETF por ser similar ao IPv4 em alguns aspectos e garantir um período de coexistência dos dois protocolos. Esse novo protocolo passou a ser chamado de IPv6 e, em março de 1998, a Cisco System estabelece a primeira conexão IPv6 nos EUA.[3] 2.4 INSTITUIÇÕES LIGADAS AO IPV6 O IPv6 é o resultado de um esforço de vários grupos de trabalhos ligados a diferentes instituições que, isoladamente ou em conjunto, acabaram contribuindo para tornar o projeto IPng uma realidade. Os grupos que ajudaram no desenvolvimento do IPv6 foram [4]: IETF: o IETF é uma sociedade internacional formada por técnicos, engenheiros, agências, fabricantes de equipamentos, fornecedores e pesquisadores que trabalham para a evolução da Internet e buscam o perfeito funcionamento da mesma. A missão da IETF é identificar e se antecipar aos problemas, encontrando soluções para estes e propondo padronização de protocolos e tecnologias; NGtrans: é um grupo de trabalho ligado a IETF que estuda e desenvolve soluções para o processo de transição para o IPv6. Sua tarefa é especificar os mecanismos utilizados no processo de transição que deverão ser seguidos pelos fabricantes de equipamentos e administradores de redes. O NGtrans é responsável pela manutenção do 6Bone (Back Bone IPv6), uma rede virtual que conecta redes IPv6 locais através da Internet IPv4, utilizando-se das técnicas de transição existentes;

18 17 LACNIC: (Latin America and Caribe Network Information Center) é a organização responsável pela alocação e administração dos endereços IP (IPv4 e IPv6) para a região da América Latina e Caribe. Tem como missão administrar os recursos de numeração da Internet e cooperar com o desenvolvimento em prol da comunidade regional da Internet, atribuindo endereços e recursos relacionados, organizando atividades de capacitação fóruns de discussão de políticas públicas entre outras funções; LAC IPv6 TF: esse grupo de trabalho Força Tarefa IPv6 América Latina e Caribe, ligado ao LACNIC, coordena e colabora, junto com outras entidades, no processo de adoção do IPv6 na América Latina e no Caribe. 2.5 ESTATÍSTICAS IPV4 E IPV6 Este capítulo apresenta alguns levantamentos estatísticos que exprimem a atual situação dos endereços IPv4 como também dados sobre conexões IPv6 e projeções futuras. Usando-se de estatísticas sobre as alocações realizadas entre janeiro de 2005 e maio de 2010, o LACNIC tem desenvolvido alguns modelos estatísticos relacionados aos recursos de endereçamento IPv4 e apresentado algumas projeções. A figura 1 apresenta um gráfico contendo diferentes modelos estatísticos e suas respectivas projeções para o esgotamento do IPv4 [5].

19 18 Figura 1: Diferentes modelos projetando o futuro do IPv4 (lacnic.net) Analisando-a é possível observar que, no pior dos casos, este estudo projeta o esgotamento do IPv4 para o final do ano de 2012, enquanto um modelo mais otimista posterga esse fato para meados de Utilizando-se de dados mais recentes, coletados até março de 2011, o LACNIC apresenta um relatório que demonstra que o modelo linear, anteriormente projetado na linha azul, foi o que mais se aproximou da realidade [5]. A figura 2 demonstra isso. Figura 2: Gráfico comparativo entre o modelo linear e modelo atualizado até março de 2011 (lacnic.net) A seguir são representadas informações de nível global, e os blocos IPv4/8 disponíveis para cada RIR (Regional Internet Registry). Percebe-se que grande parte dos blocos de endereços está associada à APNIC (Asia and Pacific Network Information) [6].

20 19 Figura 3: Distribuição dos blocos de endereços IPv4 /8 entre as entidades regionais.(nro.net) Quanto aos dados referentes aos endereços IPv6, a figura 4 apresenta a distribuição dos blocos IPv6/32 distribuídos pelos RIR s. Este gráfico representa os endereços IPv6 já alocados conforme levantamento realizado até março de Analisando o gráfico abaixo, percebe-se o quão atrasados estão o LACNIC e o AfriNIC em relação as outras instituições regionais [7]. Figura 4: Distribuição de blocos IPv6 entre as entidades regionais.(ipv6.br)

21 20 Na figura 5 estão os dados que demonstram os endereços IPv6/32 alocados em cada país ligado ao LACNIC. Argentina se mostra muito a frente neste quesito, com uma enorme diferença para o Brasil, segundo país com mais endereços IPv6 já alocados. Para fins de comparação, até novembro de 2010, o Brasil possuía 49,9% dos endereços (LACNIC) IPv6 alocados contra 10,02% da Argentina [7]. Figura 5: Distribuição de blocos IPv6 entre os países atendidos pelo LACNIC. (ipv6.br) Outros dados importantes, que caracterizam esse período inicial de transição, são mostrados nas figuras 6 e 7. Elas mostram dados comparativos entre as alocações IPv6 e IPv4 e também a porcentagem de alocações de endereços IPv6 [5].

22 21 Figura 6: Comparativo de alocações IPv6 sobre IPv4 (lacnic.net) Figura 7: Participação de endereços IPv6 em alocações LACNIC (lacnic.net)

23 22 3 O PROTOCOLO IPV6 Este capítulo apresenta um estudo teórico sobre o IPv CONCEPÇÃO DO IPV6 Esta versão do protocolo IP foi concebida para satisfazer os requisitos dessa crescente expansão da Internet, sendo um passo evolutivo e não revolucionário em relação ao IPv4. Basicamente, para o desenvolvimento do IPv6, funções desnecessárias foram eliminadas, o que funcionava bem foi mantido e novas funcionalidades foram adicionadas. Os objetivos que foram propostos para o desenvolvimento do IPv6 foram os seguintes:[4] a) Aumento do espaço de endereçamento para 128 bits; b) Redução da tabela de roteamento; c) Protocolo passível de expansão, através do uso de cabeçalhos de extensão; d) Simplificação do cabeçalho para otimizar o tempo de processamento na análise dos pacotes por parte dos roteadores; e) Implantação do IPSec de forma nativa; f) Criação de um campo QoS, para melhorar a qualidade de serviços de tempo real como voz e vídeo, por exemplo; g) Fim do broadcast e uso de multicast possibilitando a especificação do intervalo; h) Suporte a mobilidade; i) Autoconfiguração de endereçamento e operação plug and play; j) Coexistência das duas versões do protocolo. Dessa forma, atendendo a estes objetivos, o protocolo IPv6 consegue satisfazer as necessidades atuais da Internet permitindo sua expansão em conexões e suportando serviços do tipo triple play na mesma plataforma.

24 CABEÇALHO IPV6 O protocolo IPv6 possui um cabeçalho com algumas diferenças em relação a sua versão anterior: possui apenas 7 campos contra 13 do IPv4. Com um cabeçalho simplificado como este, têm-se algumas vantagens em relação ao IPv4, como por exemplo: a) Ausência de broadcast; b) Maior eficiência de roteamento; c) Mecanismos de cabeçalho de extensão simplificados; d) Sem processamento de checksums; e) Rótulos para processamento de fluxo sem a necessidade de abrir o pacote A figura 8 faz um comparativo do cabeçalho das versões IPv4 e IPv6, mostrando os campos mantidos, modificados e excluídos nesta nova versão. [8] Figura 8: Comparativo entre cabeçalho IPv4 e IPv6 (Cisco CCNA) Os campos do cabeçalho da versão 6 do protocolo IP são: a) Versão: este campo é formado por 4 bits e possui valor 6 no IPv6, identificado a versão do protocolo IP;

25 24 b) Classe de tráfego: campo de 8 bits que tem a função de classificar os pacotes de acordo com os requisitos de entrega; c) Rótulo de fluxo: possui 20 bits e é responsável pelo QoS a nível de camada de rede; d) Tamanho de payload: com 16 bits, indica o tamanho total de dados de um determinado pacote; e) Próximo cabeçalho: campo de 8 bits que sinaliza o tipo de informação seguinte ao cabeçalho IPv6. Pode ser um cabeçalho de extensão ou um protocolo de transporte; f) Limite de saltos: campo de 8 bits que indica o número máximo de saltos do pacote antes de ser descartado; g) Endereço de origem e destino: são campos, com 128 bits cada, que especificam os endereços de destino e origem. 3.3 CONVENÇÕES DE ENDEREÇAMENTO A RFC 4291[9] define a arquitetura de endereçamento do protocolo IPv6 e inclui o formato de vários tipos de endereço. A seguir serão destacados os modelos de endereçamento, forma de representação e tipos de endereços existentes Formato de Endereço IPv6 Aqui ocorre umas das principais mudanças em relação à versão IPv4. A crescente demanda por endereços, que culminou com o esgotamento do endereçamento IPv4, é atendida pelo IPv6 no qual os endereços passam de 32 bits para 128 bits. Isso corresponde, tomando como base a atual população mundial, um número que na prática é infinito. Esse aumento no tamanho dos endereços IP torna sua representação, no mesmo formato utilizado pelo IPv4, muito extensa. Dessa forma os endereços de rede passam para outra forma de notação: um conjunto de oito grupos com quatro

26 25 números hexadecimais separados por dois pontos, por exemplo, 1231:0000:0012:0ADD:0002:0000:0000:0ADF. Com o objetivo de facilitar essa notação, em alguns casos, são aplicadas algumas regras: a) A colocação de zeros a esquerda é opcional. Neste caso o endereço acima ficaria representado da seguinte forma 1231:0:12:0ADD:2:0:0:ADF; b) Na hipótese de existirem campos seguidos de zeros, estes podem ser substituídos com dois sinais de dois pontos ::. Porém este procedimento pode ser utilizado apenas uma vez por endereço. Utilizando o mesmo exemplo acima o endereço seria representado dessa maneira 1231:0:12:ADD:2::0ADF; c) Em ambientes de coexistência dos dois protocolos, o endereço IPv4 poderá ser representado dentro do IPv6. Nesse caso o endereço IPv seria representado por:: Tipos de endereços IPv6 A RFC 2374 [10] define que existem três tipos de endereçamento pra interfaces, sendo eles: a) unicast; b) anycast; c) multicast. Uma importante característica do IPv6 é que não existem mais endereços de broadcast, que endereçavam todos os hosts pertencentes a um mesmo domínio. Com isso o ARP (Address Resolution Protocol), que fazia uso destes endereços para descoberta de endereços de MAC, caiu em desuso. Outra mudança do IPv6 é que um host pode possuir mais de uma endereço, o que não acontecia no IPv4.

27 Endereços unicast Um endereço unicast define uma única interface de um host. Um pacote destinado a um endereço unicast é enviado diretamente à interface associada a este endereço [RFC 2073]. Os endereços de unicast são divididos em: Endereços unicast globais que, segundo a RFC 2373[11], são endereços válidos, globalmente roteáveis, e únicos na Internet IPv6. O prefixo utilizado para este tipo de endereço é o 2001::. Figura 9: Formato endereço unicast global (ipv6.br) Endereços de link-local são utilizados para comunicação entre nós de um mesmo segmento de rede, LAN's e VLAN's. São sempre autoconfiguráveis e possuem prefixo FE80. Figura 10: Formato endereço unicast link-local (ipv6.br) Endereços do tipo site-local são equivalentes aos endereços privados no IPv4, /16, por exemplo. Estes endereços podem ser usados para

28 comunicação em um domínio específico (intranet) não sendo roteáveis globalmente. Prefixo desses endereços é o FEC0::. 27 Figura 11: Endereço unicast site-local (ipv6.br) O endereço de loopback é um endereço especial de uma interface lógica utilizada para testes. Possui formato 0:0:0:0:0:0:0:1 ou apenas ::1. O endereço não especificado é utilizado para identificar ausência de endereço e seu formato é o ::0. E o endereço de compatibilidade, que é um endereço IPv4 mapeado em IPv6, é usado para comunicação entre nós que funcionam em ambientes do tipo pilha dupla. Figura 12: Formato endereço IPv4 mapeado em IPv6 (ipv6.br) Endereço anycast Os endereços do tipo anycast são utilizados para identificar um grupo de interfaces que pertencem a hosts diferentes [11]. Quando um pacote é enviado para um endereço anycast, conforme figuras13 e 14, ele será encaminhado para apenas

29 28 uma interface identificada por esse endereço, mais especificamente, este pacote será encaminhado para a interface mais próxima. Esse tipo de endereço é muito útil em aplicações que necessitem de rápida resposta de servidores. Por exemplo, um grupo de servidores DNS (Domain Name System) poderá ser configurado com um endereço anycast, assim quando um host fizer uma solicitação será encaminhado, conforme o protocolo de roteamento usado, para o servidor mais próximo. Figura 13: Estrutura do endereço anycast (ipv6.br) Figura 14: Serviço anycast (cisco.netacad.net) Endereço multicast Da mesma maneira que o endereço anycast, os endereços de multicast identificam um grupo de interfaces de diferentes hosts, porém, com uma diferença, quando um pacote for enviado para um endereço multicast este será encaminhado para todas as interfaces associadas a este endereço (figura 15). Como no IPv6 não existem mais endereços de broadcast, que no IPv4 geravam tráfego desnecessário e comprometiam o desempenho das redes a medida

30 que estas cresciam, os endereços de multicast são os responsáveis pela função que antes era dos endereços de broadcast. 29 Figura 15: Serviço multicast Figura 16: Estrutura do endereço multicast (ipv6.br) 3.4 SERVIÇOS BÁSICOS DO IPV ICMPV6

31 30 O protocolo ICMPv6 (Internet Message Protocol version 6) tem a função de informar características de rede e realizar diagnósticos e relatar erros. Este protocolo teve poucas mudanças em comparação com a sua versão anterior. Nessa nova versão o ICMP fica responsável por funções que antes eram divididas entre o ARP (Address Resolution Protocol) e o IGMP (Internet Group Manegement Protocol), assim ficam atribuídas as seguintes serviços ao ICMPv6: a) Gerenciamentos de grupos de multicast; b) Mobilidade IPv6; c) Descoberta de vizinhança; d) Descoberta do caminho MTU (MaximumTransmission Unit) Neighbor Discovery (ND) O Neighbor Discovery é um protocolo do IPv6 que se utiliza das mensagens do ICMPv6 para executar funções agregadas que antes eram executadas separadamente pelo ARP, ICMP Router Discovery e ICMP RedirecttoIPv4. Assim, são funções do ND: a) Determinar endereço MAC de hosts vizinhos; b) Encontrar roteadores para encaminhamento de pacotes; c) Manter registros atualizados de hosts vizinhos; d) Detectar endereços duplicados; e) Autoconfiguração de endereços. O IPv6 define uma característica que não existia no IPv4, a autoconfiguração de endereços sem a necessidade de um servidor DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol). Com essa característica fica mais simplificada a conexão de novos aparelhos à Internet, como celulares, aparelhos domésticos entre outros.

32 31 4 TÉCNICAS DE TRANSIÇÃO PARA O IPV6 Neste capítulo são abordadas as diferentes técnicas de transição e coexistência entre protocolos. Além de uma abordagem teórica são descritos os possíveis cenários no qual essas técnicas serão aplicadas. Este capítulo serve como base para o capítulo seguinte, onde é feito um estudo de viabilidade de implementação IPv6 na atual topologia da provedora. 4.1 PILHA DUPLA (DUAL-STACK) Método de coexistência, descrito na RFC 4241[12], que pode ser aplicado em qualquer nó da rede. Nesta técnica cada nó tem capacidade de trafegar dados em IPv4 e IPv6, no qual os dois tipos de endereços trabalham simultaneamente, assim cada nó da rede é configurado para trabalhar com ambos os endereços e protocolos de roteamento, ou seja, cada protocolo executa sua pilha de aplicações e as decisões de roteamento são tomadas baseadas na versão de cabeçalho IP sendo que o IPv6 é o protocolo preferencial dos roteadores. A técnica de pilha dupla é exemplificada abaixo, nas figuras 17 e 18 [13]. Figura 17: Tráfego de pacotes pilha dupla [13]

33 32 Figura 18: Operadora no modo pilha dupla e cliente puramente IPv4 [14] Para que esta técnica funcione de forma eficiente é necessário que o administrador de rede tome algumas medidas como a aplicação de algumas regras de firewall (filtragem de pacotes IPv6) e a habilitação do serviço DNS para IPv6. O método de pilha dupla apresenta como vantagem o fato de que atualmente todos os sistemas operacionais suportam este tipo de técnica, o que de certa forma garante que esta técnica será amplamente utilizada durante o período de transição. Porém, existe uma pequena desvantagem que é a maior necessidade de processamento. Isso acontece porque os equipamentos terão que trabalhar com IPv4 e IPv6 simultaneamente, executando protocolos de roteamento, como por exemplo, RIPv2 (Routing Information Protocol version 2) e RIPng (Routing Information Protocol next generation) respectivamente, tabelas de encaminhamentos para os dois tipos de endereços e regras de acesso para ambos os protocolos. 4.2 TUNELAMENTO A técnica de tunelamento consiste em encapsular um pacote IPv6 dentro de um pacote IPv4, permitindo que hosts puramente IPv6 comuniquem-se através de uma infraestrutura IPv4 já implantada. Neste processo, basicamente, todo pacote IPv6 é encapsulado dentro de um pacote IPv4 na entrada do túnel e transmitido, via rede IPv4, até chegar no nó de saída onde se retira o cabeçalho do IPv4 e processase o pacote IPv6. Nas figuras 19 e 20 são representados, respectivamente, o método genérico de tunelamento e o formato do pacote IPv6 encapsulado em IPv4.

34 33 Figura 19: Modelo de tunelamento através da Internet IPv4 [15] Figura 20: Encapsulamento de um pacote IPv6 em IPv4 [15] Conhecido como protocolo 41, esse processo de encapsulamento possui algumas desvantagens, como por exemplo, a redução do tamanho de dados úteis transmitidos a cada pacote como resultado da adição de cabeçalho IPv4 e também a necessidade de um maior processamento pelo elementos de camada 3. As técnicas de tunelamento são definas pela RFC 4213 [16] e possuem os seguintes modos de configuração: a) host-a-host: nesse modo hosts, que estejam executando pilha dupla, se comunicam através de pacotes IPv6 encapsulados e transmitidos via rede IPv4;

35 34 Figura 21: Modelo host-a-host [17] b) host-a-roteador/roteador-host: hosts pilha dupla enviam pacotes IPv6 encapsulados em IPv4 para roteadores pilha dupla, percorrendo o primeiro segmento (IPv4) entre os dois hosts. Depois esses pacotes são desencapsulados e enviados via rede IPv6 para o host de destino. Figura 22: Modelo host-a-roteador [17] c) roteador-a-roteador: roteadores (gateways pilha dupla), interconectados via rede IPv4, provêm a interconexão de segmentos de redes IPv6 nativo através de pacotes IPv6 encapsulados em IPv4.

36 35 Figura 23: Modelo roteador-a-roteador [17] Existem diferentes técnicas de tunelamento, cada qual com suas vantagens e peculiaridades, fazendo-se necessária uma criteriosa avaliação de desempenho de cada técnica antes de sua efetiva implantação. A seguir serão descritas estas técnicas que, posteriormente, serão consideradas no estudo de viabilidade de implementação do protocolo IPv Túnel manual Técnica usada para interligar ilhas IPv6 isoladas no qual os domínios de redes são conhecidos e não serão alterados sem prévio aviso. Amplamente utilizada onde poucos túneis são necessários, funcionando como um link estático. As duas pontas deverão ser configuradas manualmente com endereços IPv4 e devem possuir um elemento que suporte pilha dupla Túnel automático Técnica descrita pela RFC 2893 [18], consiste em um túnel automático com endereços compatíveis IPv4. Nesta técnica o prefixo ::/96 é reservado para endereços compatíveis IPv4, visto que os 32 bits mais a direita desse endereço IPv6 correspondem ao endereço IPv4. Quando algum pacote, contendo esse tipo de

37 36 endereço como destino, é enviado, o pacote é automaticamente encapsulado no formato de IPv4 e encaminhado para seu destino, como pode ser observado na figura 24. Figura 24: Tunneling automático IPv4 com suporte a endereços IPv6 [15], Túnel 6to4 O objetivo desta técnica é promover a conexão ponto-a-ponto entre domínios IPv6, através de túneis sobre a rede IPv4 da Internet. Essa técnica é descrita pela RFC 3056 [19] e funciona através de endereços IPv6 únicos e formados pelo prefixo de endereço global 2002:wwxx:yyzz::/48 onde wwxx:yyzz é o endereço IPv4 global representado no formato hexadecimal. Esse formato de endereço é mostrado na figura 25 abaixo. Figura 25: Formato de endereço túnel 6to4 [20] No túnel 6to4 todo tráfego oriundo de um rede IPv6, obrigatoriamente passa por um roteador 6to4 que encapsula esses pacotes para IPv4 (protocolo 41) e os

38 37 encaminham para o endereço de destino na Internet. Quando recebido pela outra ponta, este pacote é identificado como protocolo 41 e encaminhado para uma interface virtual que desencapsula este pacote, consulta sua tabela de roteamento e encaminha, agora um pacote IPv6, para sua rede local IPv6. Este processo é demonstrado na figura 26. Figura 26: Comunicação através do tunelamento 6to4 [13] Túnel ISATAP Denominado de protocolo de endereçamento automático de túnel intra-site (Intra-Site Automatic Addressing Protocol), este tipo de túnel permite que hosts e roteadores se comuniquem através de um rede IPv4. Essa técnica é definida pela RFC 5214 [21] e também se utiliza do protocolo IPv4 tipo 41.

39 38 Figura 27: Modelo de comunicação túnel ISATAP [22] No túnel ISATAP o endereço IPv4 de hosts e roteadores é utilizado para compor o endereço IPv6 de prefixo unicast que é formado por 64 bits, seguido por um ID que define se o endereço IPv4 é público ou privado. Se público, esse ID tem valor igual a 200, caso contrário, esse campo é 0. Na sequência, esse endereço possui um ID ISATAP de valor 5EFE e, por fim, o endereço em formato IPv4. Este formato de endereço pode ser melhor compreendido na figura 28 abaixo: Figura 28: Formato endereço túnel ISATAP [22] Para esta técnica de tunelamento existem três tipos de configurações de topologia possíveis: clientes ISATAP na mesma sub-rede, clientes em sub-redes diferentes e um cliente ISATAP conversando com um host puramente IPv6.

40 Clientes ISATAP na mesma sub-rede Nesta configuração a comunicação será entre dois hosts dentro de um mesmo segmento de rede. O processo de comunicação é feito através de um roteador ISATAP e é descrito abaixo e exemplificado na figura 29: 1) C2 e C1 solicitam resolução de nome do roteador ISATAP; 2) C2 e C1 recebem respostas DNS com o endereço IPv4 do roteador ISATAP; 3) C2 e C1 enviam uma solicitação (IPv4) de RS (Router Solicitation) ao roteador ISATAP; 4) Roteador responde a essa solicitação com informações que permitam a C2 e C1 configurar uma interface virtual com endereços IPv6/ISATAP; 5) C1 e C2 comunicam-se através de pacotes IPv6, encapsulados em IPv4 (protocolo 41) e encaminhados aos respectivos endereços IPv4 de destino. Figura 29: Etapas de comunicação de hosts na mesma sub-rede utilizando Túnel ISATAP [22]

41 Clientes ISATAP em sub-redes diferentes Nessa configuração clientes ISATAP estão em sub-redes diferentes e usam seus respectivos roteadores ISATAP como gateways para alcançarem um ao outro. Como no modelo anterior, os passos 1 a 4 são repetidos e seguidos pelas seguintes etapas: 1) C1 quer enviar um pacote IPv6 para C2. Ele consulta tabela e envia, através de sua interface virtual ISATAP, um pacote encapsulado em IPv4 (protocolo 41) para endereço de R1; 2) R1 recebe e identifica o pacote como sendo protocolo 41 e o desencapsula. Na sequência, analisa endereço de destino e tabela de roteamento, chegando a conclusão de que este pacote deve ser encaminhado via rede IPv6 para R2; 3) R2 recebe o pacote e percebe que este tem como destino o host C2 na sua sub-rede ISATAP. Então o encapsula para IPv4 e encaminha para o endereço IPv4 de C2 que, recebendo o pacote, o densecapsula através de sua interface virtual ISATAP. O processo de resposta de C2 para C1 é o mesmo descrito acima e exemplificado pelos números 4, 5 e 6 na figura 30.

42 41 Figura 30: Processo de comunicação túnel ISATAP com hosts em sub-redes diferentes [22] Clientes ISATAP e hosts IPv6 Nesse modo, os clientes ISATAP acessam hosts puramente IPv6. Novamente os processos de inicialização 1 a 4, exemplificados no capítulo , são repetidos e continuados pelas seguintes etapas: 1) Cliente quer enviar um pacote IPv6 para servidor IPv6. Descobre, através da tabela de roteamento, que deve enviar via interface virtual ISATAP um pacote encapsulado em IPv4 (protocolo 41) para endereço IPv4 do Roteador; 2) Roteador recebe o pacote IPv4 e o desencapsula via interface virtual, analisa endereço de destino e sua tabela de roteamento em seguida o envia via rede IPv6 para o servidor; 3) Para responder, o servidor faz uma consulta em sua tabela e envia pacote IPv6 para sua rota padrão; 4) O roteador recebe o pacote, analisa endereço de destino e sua tabela de roteamento, encapsula este pacote para IPv4 e o encaminha via rede IPv4 para o cliente ISATAP. O cliente recebe o pacote e o desencapsula através de sua interface virtual.

43 42 Figura 31: Comunicação cliente ISATAP e host IPv6 [22] Túnel Teredo Definada na RFC 4380 [23], essa é uma das poucas técnicas que possibilita conexão IPv6 a nós que estejam executando NAT. Essa técnica de tunelamento funciona basicamente através de um encapuslamento de pacotes IPv6 em UDP IPv4 e transmiti-los até um servidor Teredo na Internet, ficando atribuida a esse servidor a função de estabelecer a conexão inicial com o host IPv6 de destino e este host manterá a conexão com a origem através do Relay Teredo. A técnica, apesar de permitir que usuários atrás de NAT tenham comunicação IPv6, não demonstra-se eficiente em virtude da sua complexidade de configuração e do overhead.

44 43 Figura 32: Comunicação cliente Teredo com host IPv6 [15] Túnel Broker Descrito pela RFC 3035[24] essa técnica, de fácil implementação, permite a hosts IPv4/IPv6 isolados em uma rede IPv4 tenham acesso a redes IPv6. O túnel Broker muito se assemelha com o tunelamento 6to4 porém, com algumas diferenças. O processo de comunicação deste tipo de túnel é descrito a seguir, (figura 33): 1) O Gateway de borda do cliente, que possui um autenticador de Broker, envia um pacote pela Internet IPv4 autenticando-se e requisitando um serviço de túnel para o Broker TB; 2) O TB envia ao Tunel Server(TS) indicando endereço IPv4 e o endereço IPv6 que BC irá usar. Estes valores são salvos na tabela de roteamento de TS; 3) TB envia para CB um pacote com endereço IPv4 e IPv6 de TS para que se feche o túnel entre CB e TS. CB salva esses dados na sua tabela de rotemanto; 4) TS e CB usam o protocolo 41 para encapsular pacotes IPv6 em IPv4; 5) As estações 1 e 2 usam o prefixo obtido pelo BC e auto-configuram seus endereços IPv6 de escopo global e já podem se comunicar com servidor WEB IPv6;

45 6) As estações 1 e 2 continuam a comunicação interna através de seus endereços IPv6 de link-local e IPv4 já definidos. 44 Figura 33: Comunicação cliente pilha dupla e host IPv6 através do Túnel Broker. [13] O túnel Broker, como o Teredo, também permite conectividade IPv6 para nós que estejam executando NAT, já que esses pacotes podem ser UDP ao invés de TCP. 4.3 TRADUÇÃO A tradução é uma técnica que permite uma comunicação entre nós que suportem apenas um padrão de protocolo IP. Essa técnica é aplicada de diferentes maneiras e em camadas distintas, traduzindo cabeçalhos de IPv6 para IPv4 e vice-

46 45 versa, realizando conversões de endereços e trabalhando com pacotes TCP ou UDP. Esta técnica não é muito utilizada em virtude de que praticamente todos os hosts que suportam conexão IPv6 também suportam o IPv4, havendo assim técnicas mais eficientes do que as de tradução.

47 46 5 ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO Neste capítulo será descrita a atual topologia da provedora, dispondo seus equipamentos e conexões, avaliando a capacidade individual de cada equipamento em operar com o protocolo IPv6. Na sequência serão sugeridas possíveis adaptações ou mudanças em equipamentos, de forma que estas garantam a funcionalidade IPv6. Também será abordado neste capítulo recomendações de distribuição de endereços IPv6 e outras boas práticas que sirvam de guia prático para tomadas de decisões e na implementação efetiva do protocolo IPv6. Por fim, serão realizados alguns testes de validação com o intuito de consolidar de forma prática os conhecimentos sobre IPv6. Esses testes de validação têm como objetivo servir de guia de configuração dos equipamentos. 5.1 DESCRIÇÃO DA TOPOLOGIA A migração para o IPv6, como já dito anteriormente, não é algo simples e levará algum tempo para que toda a Internet funcione no modo IPv6 nativo. Esse processo já começou devido às técnicas de coexistência entre protocolos, porém várias questões devem ser observadas e estudadas visando uma implementação que traga segurança, disponibilidade e não comprometa o desempenho da rede que hoje com IPv4 ainda trabalha de forma aceitável. Por isso a importância de que seja feito um levantamento completo e detalhado de todos os equipamentos existentes na atual topologia de uma empresa provedora de serviços de comunicação multimídia. Isso garante que sejam escolhidas as melhores práticas na implementação das técnicas de transição e coexistência, conferindo confiabilidade na operação no modo pilha dupla num primeiro momento e, também, quando da operação em IPv6 de forma nativa. Hoje a provedora fornece acesso à Internet e telefonia, utilizando-se de uma rede baseada em rádios, porém está com projeto já aprovado e em curto prazo irá

48 fornecer FTTH (Fiber-to-the-Home) em substituição aos rádios, na grande maioria de seus clientes Equipamentos A topologia que hoje é utilizada pode ser observada na figura 34 e tem seus elementos descritos na sequência. Figura 34: Topologia de rede da provedora a) R1- Roteador Cisco 1841 rodando IOS SP Services na versão 12.4 release 23. Esta versão permite funções de VoIP e protocolos de sinalização. Não possui suporte para o IPv6; b) R2- Roteador Cisco 2811 rodando IOS Advanced IP Services na versão 12.4 release 42T. Nesta versão de IOS há suporte para protocolos de segurança, VoIP e protocolos de sinalização, BGP e outros protocolos de roteamento. Esta versão já suporta IPv6 e protocolos de roteamento internos. Sem suporte para BGP IPv6;

49 48 c) R3 Roteador Cisco 7200 rodando IOS Advanced Enterprise Services na versão Versão de software mais completa disponível e que oferece suporte a IPv6 e todos os seus serviços como BGP; d) SIP Server- Session Initiation Protocol é um protocolo de sinalização de telefonia IP usado para estabelecer, modificar, finalizar e rotear chamadas telefônicas. Também é função do SIP Server fornecer logs para que um gerenciador possa fazer a bilhetagem das ligações. Neste SIP server está rodando o software Asterisk versão que não possui suporte para IPv6; e) igate Gateway móvel para GSM. Quando uma chamada, originada num cliente VoIP e que tenha como destino um número de celular, o SIP server encaminha essa chamada para o igate que tem a função de encaminhar essa chamada para o número móvel de destino. O software utilizado está na versão 15.2, que ainda não possui suporte IPv6; f) S1 e S2 Switch 3com gerenciável de camada dois. Última versão de software disponível ainda não oferece suporte IPv6; g) S3 Switch 3com de camada 3. A atualização de software mais recente oferece suporte IPv6; h) Firewall/PPPoE Server Servidor responsável pela autenticação de usuários e designação de endereços. Desenvolvido em uma versão de Linux que ainda não oferece suporte IPv6; i) Roteadores CPE e ATA s Equipamentos de responsabilidade do cliente. Grande maioria não oferece suporte IPv6; j) Rede Rádios Estes equipamentos estão dispostos em clusters e operando como equipamento de camada 2. Trabalham com um versão de software que não oferece IPv6; Recursos de Numeração Hoje a provedora faz uso de endereços disponibilizados pelas empresas que fornecem os links de tráfego. No entanto, possui um registro de AS e blocos IPv4 ( /21) e IPv6 (2804:7a8::/32) já alocados. [25] A distribuição dos endereços dentro da operadora é feita com base nas necessidades dos clientes. Hoje essa distribuição é feita da seguinte forma:

50 49 a) Clientes com necessidades de acesso transparente recebem endereços válidos e não são implementadas configurações de segurança; b) Clientes comuns fazem autenticação PPPoE e recebem endereço local. Utilizam uma VLAN específica e ficam atrás do Firewall que é o responsável por realizar o NAT e o controle de banda; c) Rede VoIP é configurada com endereços locais e está em uma VLAN específica. 5.2 RECOMENDAÇÕES PARA TRANSIÇÃO Atualizações em equipamentos Como foi descrito anteriormente, alguns equipamentos dentro da topologia atual não possuem suporte ao IPv6 e seus serviços. Assim, consultado os fabricantes foram encontradas, para alguns casos, soluções na qual uma simples atualização de software tornaria o equipamento habilitado para IPv6. Entretanto, alguns fabricantes ainda não garantem compatibilidade. Abaixo são descritas possíveis medidas a serem tomadas para habilitar IPv6 nos equipamentos que ainda não possuem suporte. a) Roteador R1- é necessário que a IOS atual seja substituída por uma do tipo Advanced IP Services; b) Roteador R2 recomenda-se que seja utilizada uma versão de IOS semelhante a do R3 para que haja redundância no anúncio de endereços para a Internet; c) SIP Server - é necessária a atualização do software Asterisk da versão atual para a versão 1.8; d) Firewall e PPPoE Server Recomenda-se a atualização para a versão 6.0 do Debian ou utilização do Mikrotik RouterOS; e) Switch S1 e S2 a atualização mais recente ainda não oferece suporte IPv6; f) Switch S3-Necessita de uma atualização de versão. A versão sugerida pelo fabricante, já com suporte IPv6 e seus serviços, é a p17;

51 50 g) igate O fabricante ainda não oferece nenhuma solução para habilitar IPv6; h) Os roteadores CPE e ATA s não foram avaliados neste estudo por serem equipamentos de responsabilidade do assinante Distribuição dos recursos de endereçamento Aqui será feita uma proposta de distribuição dos endereços IPv6, bloco 2804:7a8::/32, dentro da topologia da provedora. Para isso serão seguidas algumas recomendações do Comitê Gestor da Internet no Brasil e do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR [26]. São elas: 1) Para clientes domésticos fornecer, no mínimo, um bloco /64 ou até um bloco /56. Isso permite ao cliente formar de uma a 256 redes; 2) Reservar 64 bits para porção de endereço de host. Isso garante o bom funcionamento do serviço de autoconfiguração; 3) Para clientes corporativos, que justifiquem a necessidade, ofertar um bloco /48. Tal bloco possibilita ao cliente redes; 4) Sempre considerar as necessidades de expansão futuras, bem como qual será a estratégia de roteamento dentro do provedor. Com base nas recomendações acima e analisado as atuais necessidades dos clientes propõe-se que a distribuição dos recursos de endereçamento dentro da operadora seja da seguinte forma: a) Para clientes comuns e empresas de médio porte será oferecido um bloco /64; b) Para clientes com necessidades justificadas será fornecido um bloco /48; c) Um bloco /64 será destinado para a interligação dos roteadores dos clientes com o CPD da provedora; d) Servidores de autenticação, Firewall, DNS e outros servidores estarão em uma rede específica também com tamanho /64; e) Rede de voz será configurada com endereços de nível local também utilizando um bloco /64.

52 Outras recomendações Além das atualizações de softwares ou possíveis substituições de equipamentos, e da forma de distribuição dos endereços, existem outras importantes medidas a serem tomadas e que irão garantir resultados satisfatórios nesse processo de transição. São elas: 1) Habilitar um serviço de resolução de nomes (servidor DNS) com suporte a resolução de nomes para IPv6. Habilitar também o serviço de DNS reverso; 2) Habilitar o modo pilha dupla em servidores e roteadores; 3) Escolha de um protocolo de roteamento ao invés de rotas estáticas; 4) Disponibilizar conteúdo aos usuários de forma a divulgar a disponibilidade de acesso IPv6; 5) Negociar com as operadoras de trânsito o suporte para BGP IPv6 e garantir redundância deste serviço. Um túnel com outras provedoras pode ser uma solução; 6) Desenvolver avaliações de segurança e implantar políticas de segurança nos diferentes níveis da rede. Regras de restrição ao acesso físico à rede e políticas de lista de acessos em nível de rede e utilização dos recursos IPSec; 7) Elaborar um documento com recomendações a serem observadas em futuros processos de aquisição de equipamentos, de modo a garantir que estes novos equipamentos já contemplem as funcionalidades IPv6. Também instruir os clientes para que façam o mesmo quando forem adquirir equipamentos.

53 52 6 TESTES DE VALIDAÇÃO Nesta etapa do trabalho serão desenvolvidos testes práticos com IPv6, a fim de aproximar a teoria com a prática. Nestes testes de validação tem-se como objetivo demonstrar possíveis cenários que serão encontrados pelas operadoras durante o processo de transição de protocolos. Desta forma, estes testes servem para consolidar os conhecimentos teóricos já aprendidos e também demonstrar os processos de configurações de equipamentos. Para o desenvolvimento dos testes foi montado um laboratório que dispõe dos seguintes recursos físicos e lógicos: Um roteador cisco modelo 1841 com duas interfaces fast ethernet e com uma IOS Advanced Enterprise versão Isso permite que o equipamento suporte tunelamento IPv6 e protocolos de roteamento IPv6, exceto BGP [27]; Um computador com sistema operacional Windows 7 no qual está sendo executado um software de emulação de redes, o GNS3. Tal software permite que sejam emulados equipamentos de rede, com o uso de IOS reais, e estes podem ser integrados a uma rede física real [28]; Para os testes foram utilizados IPv4 globais pertencentes ao range de endereços oferecidos pelas provedoras de trânsito; Computadores com suporte IPv6 para simular clientes em redes pilha dupla e IPv6 nativo; Utilização do AS e bloco IPv6 2804:7a8::/32 [25] Para interconexão deste laboratório com a Internet foram criados túneis IPv6 com o um provedor americano, o Hurricane Electric. Este provedor possibilita que sejam criados túneis via Internet IPv4 para trafegar IPv6. Dois tipos de túneis foram criados, um que oferece suporte a BGP e permite que seja anunciado o bloco IPv6 próprio, e outro que e a Hurricane Electric fornece um bloco IPv6. É importante ressaltar que estes serviços são ofertados de forma gratuita e qualquer pessoa, com acesso a um IP válido, pode fazer uso do serviço. Maiores informações podem ser obtidas em [29].

54 CENÁRIO 1 CLIENTE MODO DUAL-STACK Neste cenário foi criado um túnel IPv6 sobre a Internet e fornecido aos clientes tanto acesso IPv4, através de NAT, como acesso IPv6. Na interface do roteador 1841 foram configuradas duas sub-interfaces, cada uma com um endereço válido diferente. Na rede interna foram configurados endereços IPv4 e IPv6, o primeiro utilizando endereços de nível local e o segundo utilizando um bloco /48 fornecido pelo servidor do túnel. Tal topologia pode ser melhor compreendida observando a figura 35 e quadro 1. Figura 35: Roteador de borda e clientes operando no modo pilha dupla

55 54 hostname TESTE_IPv6! ipv6 unicast-routing ipv6 dhcp pool IPv6 prefix-delegation pool CLIENTES_IPv6 lifetime infinite infinite dns-server 2620:0:CCC::2 dns-server 2620:0:CCD::2 dns-server 2001:470:20::2! interface Tunnel1 description TUNEL_IPv6_HE no ip address no ip redirects ipv6 address 2001:470:4:B43::2/64 ipv6 enable tunnel source FastEthernet0/0.8 tunnel destination tunnel mode ipv6ip! interface FastEthernet0/0.7 description Link to OI encapsulation dot1q 7 ip address ip nat outside! interface FastEthernet0/0.8 description Link To EMBRATEL encapsulation dot1q 8 ip address interface FastEthernet0/1 description REDE_LOCAL ip address ip nat inside ipv6 address 2001:470:DAE3:1111::1/64 ipv6 enable ipv6 dhcp server IPv6! ip route ip route ip route FastEthernet0/0.7 ip route FastEthernet0/0.8 ip route FastEthernet0/0.8! ip nat pool OI netmask ip nat inside source list LOCAL_NAT pool OI overload ip nat inside source static tcp interface FastEthernet0/0.7 23! ip access-list standard LOCAL_NAT permit ! ipv6 route ::/0 Tunnel1 ipv6 local pool CLIENTES_IPv6 2001:470:DAE3:1111::/64 64 Quadro 1: Configuração aplicada ao roteador 1841 Depois de aplicadas as configurações acima, um host foi conectado na interface f0/1 do roteador 1841 e executados destes de conectividade. O computador recebeu endereços IPv4 e IPv6 automaticamente e não teve problemas para acessar a Internet. Nas figuras abaixo podemos observar os resultados dos testes realizados para portais de conteúdo IPv6.

56 55 Figura 36: Teste de conectividade realizado em ipv6-test.com Figura 37: Teste de conectividade realizado em teste-ipv6.com.br Com o objetivo de rastrear os caminhos percorridos pelos pacotes IPv6, o comando tracert google.com foi aplicado no computador que está conectado em pilha dupla. Observa-se que a aplicação escolheu sair por IPv6 e o resultado do teste de rastreamento é mostrado na figura 38.

57 56 Figura 38: Rastreamento de caminhos para google.com Para fins de comparação de desempenho, foram escolhidos dois endereços e executados teste de latência entre IPv6 e IPv4. Os resultados destes testes podem ser observados nas figuras 39 e 40. Figura 39: Teste de latência deipv4 e IPv6 para o google.com

58 57 Figura 40: Teste de latência de IPv4 e IPv6 para o uol.com.br 6.2 CENÁRIO 2 - ANÚNCIO DE UM BLOCO IPV6 VIA TÚNEL Para o desenvolvimento deste cenário foi utilizado o software GNS3 para emular o roteador Cisco modelo C7200 rodando a IOS Advanced Enterprise versão Essa versão permite aplicação de configurações avançadas como BGP para IPv6 [30]. Mais uma vez, sem acesso direto IPv6, foi feito uso da técnica de tunelamento para garantir acesso IPv6 com a Internet e fazer a conexão entre roteadores BGP permitindo anúncio do bloco IPv6 2804:7a8::/32. Para habilitação deste túnel, com o provedor norte-americano Hurricane Electric, foi necessário o envio de um documento por parte do responsável pelo bloco IPv6 que se tem o interesse de anunciar. Com um prazo de dois dias o túnel já estava habilitado e esperando pela configuração local. Assim, foram aplicadas as configurações necessárias no roteador C7200 e fechado o túnel para anúncio dos endereços. Os dados do túnel BGP, a topologia lógica e as configurações aplicadas ao roteador podem ser observadas nas figuras 41, 42 e quadro 2.

59 58 Figura 41: Topologia túnel BGP e rede interna nativa IPv6 Figura 42: Detalhes túnel IPv6 BGP

60 59 hostname Router_BGPv6! ip domain name ipv6-.pontotelecom.com ip name-server 2620:0:CCD::2 ip name-server 2001:470:20::2 ipv6 unicast-routing ipv6 cef! interface Tunnel0 description Tunnel BGPv6 Hurricane Elec no ip address ipv6 address 2001:470:10:2F::2/64 ipv6 enable tunnel source tunnel mode ipv6ip tunnel destination ! interface FastEthernet1/0 description INTERNET IPv4 ip address duplex auto speed auto! interface FastEthernet1/1 description LINK_Clientes_IPv6 no ip address duplex auto speed auto ipv6 address 2804:7A8:0:1111::1/64 ipv6 enable router bgp no synchronization bgp log-neighbor-changes neighbor 2001:470:10:2F::1 remote-as 6939 neighbor 2001:470:10:2F::1 description Tunnel HE BGP IPv6 no auto-summary! address-family ipv6 network 2804:7A8::/32 network 2804:7A8::/48 neighbor 2001:470:10:2F::1 activate neighbor 2001:470:10:2F::1 next-hop-self neighbor 2001:470:10:2F::1 prefix-list as out exit-address-family! ip route ! ipv6 route 2804:7A8::/48 FastEthernet1/1 unicast ipv6 route 2804:7A8::/32 Null0 ipv6 route ::/0 Tunnel0! ipv6 prefix-list as seq 10 permit 2804:7A8::/32 ipv6 prefix-list as seq 20 permit 2804:7A8::/48 end Quadro2: Configuração aplicada ao roteador C7200 Após alguns minutos já era possível visualizar a tabela de roteamento adicionando os prefixos anunciados pelo peer remoto. O comando show ipv6 route summary foi executado para exibir a tabela de roteamento, conforme quadro abaixo. O quadro 3 mostra a quantidade de prefixos locais e rotas aprendidas via BGP.

61 60 Router_BGPv6#show ipv6 route summary IPv6 routing table name is default(0) global scope entries IPv6 routing table default maximum-paths is 16 Route Source Networks Overhead Memory (bytes) connected local ND bgp Internal: 0 External: 9290 Local: 0 static Static: 3 Per-user static: 0 Total Numberof prefixes: /0: 1, /8: 1, /12: 1, /16: 1, /19: 2, /20: 6, /21: 3, /22: 5 /23: 4, /24: 8, /25: 4, /26: 9, /27: 13, /28: 37, /29: 21, /30: 16 /31: 14, /32: 4198, /33: 92, /34: 88, /35: 99, /36: 312, /37: 9, /38: 71 /39: 23, /40: 403, /41: 15, /42: 50, /43: 5, /44: 200, /45: 20, /46: 76 /47: 62, /48: 3424, /61: 1, /64: 3, /128: 3 Quadro 3: Tabela de roteamento do C7200 Para uma análise mais completa foi utilizado o software Wireshark [31] para realizar a captura de pacotes na interface conectada à Internet. Na imagem abaixo podemos observar os endereços de origem e destino, tanto IPv4 como IPv6, o protocolo de encapsulamento 41 e também as atualizações BGP recebidas. Figura 43: Captura de pacotes utilizando Wireshark

62 61 Como último teste, para verificar a conectividade deste túnel e o status de anúncio de blocos IPv6, será utilizado uma ferramenta WEB Hurricane Electric's Network Looking Glass, disponível em [32]. Este site oferece teste de conectividade para hosts IPv6 e status de protocolos BGP. Figura 44: Testes de conectividade e status do BGP 6.3 CENÁRIO 3 CLIENTE IPV6 NATIVO Este cenário tem como objetivo demonstrar o funcionamento de um rede IPv6 nativa utilizando-se dos próprios recursos de endereçamento, mas ainda sim fazendo uso do túnel BGP. Para tanto, foi utilizada a mesma topologia elaborada no cenário 2, mas com a adição de um host real, configurado com endereço IPv6 apenas. Também foram criadas duas interfaces de loopback, em redes diferentes e com o objetivo de simular dois diferentes clientes. Tal topologia é representada na figura 45, abaixo.

63 62 Figura 45: Cenário 3 com clientes utilizando IPv6 nativo Cada interface loopback foi configurada em uma rede diferente e de tamanho /64. A máquina hospedeira recebeu um endereço na mesma rede da interface local do roteador C7200. Para os três casos, testes de conectividade foram executados e os resultados são apresentados nas figuras 46 e 47. Figura 46: Testes de conectividade para interfaces loopback

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M.

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília Campus Taguatinga Matéria: REDES Professor: Frederico PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. da Silva Ipv6 Taguatinga-DF 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial Ricardo Fernandes Fernando C. Barbi, PMP, CCNP GTER 24-26/10/2007 Apresentação da Dualtec Por que IP v6? Etapas do processo de implantação

Leia mais

Interconexão de Redes de Comutadores

Interconexão de Redes de Comutadores IPv6 - Introdução Interconexão de Redes de Comutadores Parte 3.5: TCP / IPv6 Em 1992 uma Internet Engineering Task Force (IETF) cria o grupo IPng (IP next generation) para a criação de um novo protocolo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 19 Com crescimento da Internet IPv4 apresenta alguns problemas Esgotamento de endereços

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê IPv6 César Loureiro V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê Outubro de 2014 Agenda Esgotamento IPv4 Endereçamento e Funcionalidades do IPv6 Implantação IPv6 IPv6 na Rede Tchê Dicas de Implantação

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Escalonamento

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir Fundamentos de Redes de Computadores IPv6 Prof. Claudemir Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 RIR Regional Internet Registries (Registrador Regional de Internet)

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6

Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6 2010 Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6 3ª Edição Daniel Donda Mcsesolution.com 01/10/2010 Sumário O IPv4... 2 Sobre este documento... 2 Um pouco da história do IP... 2 O Endereçamento IP... 3 Controle

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP.

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP. 1 PROTOCOLO IP O IP é o protocolo mais importante na Internet. Ele é quem define as regras através das quais as informações fluem na rede mundial. Uma das principais regras diz que: Cada computador deve

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Endereçamento IPv6 Módulo - III Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 21 Com crescimento da Internet IPv4 apresenta alguns problemas Esgotamento de endereços

Leia mais

Cássio Geraldo Freitas. Teste prático com acesso a câmera IP, pela Internet, usando exclusivamente IPv6.

Cássio Geraldo Freitas. Teste prático com acesso a câmera IP, pela Internet, usando exclusivamente IPv6. Cássio Geraldo Freitas Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado no Curso de IPv6 a Distância - Turma 3, ministrado pela equipe do IPv6.br. Teste prático com acesso a câmera IP, pela Internet, usando

Leia mais

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Redes sem Fio e Slide 1 Sistemas Móveis de Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Prof. Marcelo Moreno moreno@ice.ufjf.br Slide 2 Redes sem Fio e Sistemas Móveis de IETF RFC

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6

IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6 IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6 Luís Diogo, Óscar Brilha, Nuno Veiga Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Instituto Politécnico de Leiria Morro da Lena Alto Vieiro 2401-951 Leiria

Leia mais

RNP, NGI Internet II e IP Next Generation

RNP, NGI Internet II e IP Next Generation RNP, NGI Internet II e IP Next Generation Novembro e Dezembro de 1997 Adailton J. S. Silva Índice: RNP - Rede Nacional de Pesquisa Next Generation Internet - Internet II IP Next Generation - IPv6 RNP -

Leia mais

Engenheiro de Computação pela Universidade São Francisco USF (Itatiba SP, 2012).

Engenheiro de Computação pela Universidade São Francisco USF (Itatiba SP, 2012). Redes IP II: Técnicas de Migração de Ambientes de Redes IPv4 para IPv6 O IPv6 possui uma capacidade de endereçamentos de 128 bits contra apenas 32 bits do IPv4 (Endereço de protocolo utilizado hoje na

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite + A+P A+P IVI, divi e divi-pd

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Exercício final CCNA-C1 Esse exercício irá tentar abordar o maior número possível de conteúdos que são

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

DOUGLAS HENRIQUE SIQUEIRA ABREU PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO PROTOCOLO IPV6 NA REDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

DOUGLAS HENRIQUE SIQUEIRA ABREU PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO PROTOCOLO IPV6 NA REDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DOUGLAS HENRIQUE SIQUEIRA ABREU PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO PROTOCOLO IPV6 NA REDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS LAVRAS - MG 2014 DOUGLAS HENRIQUE SIQUEIRA ABREU PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO PROTOCOLO

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 1 Prof. Dr. S. Motoyama 1 O Problema de Interconexão de redes Problema: Como interconectar efetivamente redes heterogêneas? Três problemas com interconexão a nível de enlace

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Laboratório - Identificação de Endereços IPv6

Laboratório - Identificação de Endereços IPv6 Laboratório - Identificação de Endereços IPv6 Topologia Objetivos Parte 1: Identificar os diferentes tipos de endereços IPv6 Analisar os diferentes tipos de endereço IPv6. Corresponder o endereço IPv6

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Oripide Cilento Filho oripide@nic.br SET 2008 Agenda Apresentação do CGI.br e do NIC.br A Internet e o Protocolo Internet ( IP ) Necessidade de uma nova versão

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Guia de implantação de IPv6 para empresas. Edwin Cordeiro NIC.br ecordeiro@nic.br

Guia de implantação de IPv6 para empresas. Edwin Cordeiro NIC.br ecordeiro@nic.br Guia de implantação de IPv6 para empresas Edwin Cordeiro NIC.br ecordeiro@nic.br O grupo v6ops do IETF O IETF é o local onde os protocolos e recomendações para a Internet são desenvolvidos O grupo v6ops

Leia mais

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing EndereçamentoIP Conteúdo Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing Endereçamento IP Serviço de Comunicação Universal Um sistema de comunicação

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Entendendo o IPv6 (I)

Entendendo o IPv6 (I) Entendendo o IPv6 (I) SNNAngola IPv6 Series http://www.snnangola.wordpress.com Nataniel Baião. IPv4 - Limitações Esgotamento do protocolo finito IPv4. IPv4: 32 bits, 4 Octetos. Ex: 1.1.1.1, 10.11.12.13

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

IPv6: Um novo, não tão novo, protocolo de Internet

IPv6: Um novo, não tão novo, protocolo de Internet IPv6: Um novo, não tão novo, protocolo de Internet V WTR do PoP-BA/RNP Thiago Bomfim Jundaí Adbon PoP-BA/RNP: Ponto de Presença da RNP na Bahia 1 Todo

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

IPv6 e as Novas Adaptações do Protocolo IP

IPv6 e as Novas Adaptações do Protocolo IP Palestra - TecnoInfo 2005 IPv6 e as Novas Adaptações do Protocolo IP Prof. MSc. Edmar R. S. de Rezende Faculdade de Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Pontifícia

Leia mais

IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza

IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza Consultor em redes IP humbertogaliza@gmail.com / galiza@ufba.br Salvador, BA, 17de outubro de 2012 Agenda IP: como chegamos até aqui?

Leia mais

INFORME. 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR.

INFORME. 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR. INFORME NÚMERO E ORIGEM: 6/2014 ORCN/SOR DATA: 31/03/2014 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR. 2. INTERESSADO Fabricantes de equipamentos para telecomunicações, concessionárias

Leia mais

Técnicas de Transição em 45 minutos

Técnicas de Transição em 45 minutos Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição em 45 minutos Agenda Introdução Classificação das Técnicas Pilha Dupla DS-Lite e DS-Lite + A+P 6rd 6PE e 6VPE NAT64 e DNS64 464XLAT IVI, divi e divi-pd Considerações

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

TESTES DE COMUNICAÇÃO EM IPV6

TESTES DE COMUNICAÇÃO EM IPV6 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JOÃO PAULO FERNANDES INAGAKI LUANN HANNS HAMMERLE TESTES DE COMUNICAÇÃO EM IPV6 Curitiba 2010 1 JOÃO PAULO FERNANDES

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296. Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296. Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296 Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. 2 128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 ~ 48 octilhões (5,6x10 28 ) de endereços

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores IPv6. Prof.: Roberto Franciscatto

Projeto e Instalação de Servidores IPv6. Prof.: Roberto Franciscatto Projeto e Instalação de Servidores IPv6 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Problema Escassez de endereços IPs disponíveis Algumas empresas são detentoras de faixas de endereços classe A inteiras Introdução

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais