Marco Civil da Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marco Civil da Internet"

Transcrição

1 Marco Civil da Internet SECOP 2014 Foz do Iguaçu, 28 de maio de 2014 Milton Kashiwakura

2 Internet, conceitos e padrões A Internet foi concebida como uma rede Fim-a-Fim, ou seja, uma rede onde origem e destino conversam diretamente A função básica de um equipamento de rede (roteador) é encaminhar pacotes em direção a seu destino (fazendo o melhor esforço para isso). Para preservar a capacidade de crescimento e a estabilidade da rede, o núcleo dela deve ser mantido simples, para que seja leve, seguro e eficiente. Complexidades devem ser tratadas nas bordas da rede. Isso inclui criptografia e segurança de aplicações. Neutralidade dos protocolos em relação ao conteúdo dos pacotes: permissionless inovation

3 Recursos da Internet que necessitam de coordenação central Portas e definições técnicas Números IP (versão 4 e versão 6) distribuição geográfica tabelas de roteamento Números de Sistemas Autônomos Identificadores alfanuméricos únicos (DNS) base de dados estrutura de servidores-raíz

4 Portas O conjunto de protocolos TCP/IP usam identificadores numéricos para identificar serviços e estruturas de dados utilizados nas diversas formas de comunicação entre máquinas. Esses identificadores são os port numbers, mal-traduzidos para Portas. IANA mantém a (enorme) tabela das Portas já definidas, associadas ao serviço que as utiliza. Exemplos: 20, 21 FTP 22 SSH 23 TELNET 25 SMTP 43 WHOIS 53 DNS 110 POP3 143 IMAP

5 Números IP A forma de identificar um equipamento/serviço na versão 4 do protocolo TCP/IP é através de uma quadra de números de 8 bits (indo de 00 a FF, 256 combinações) : de até FF.FF.FF.FF.FF (256 ** 4, cerca de 4 * 10**9) Na versão 6 do protocolo TCP/IP, o endereço é um conjunto de 8 números, cada um com 16 bits (indo de 0000 a FFFF combinações) até FFFF.FFFF.FFFF.FFFF.FFFF.FFFF.FFFF.FFFF ( **8, cerca de 3 * 10**38!!!)

6 Esgotamento dos endereços IPv4 Crescimento exponencial da Internet RFC 1287 Towards the Future Internet Architecture RFC 1296 Internet Growth ( ) Data Hosts Domínios

7 Situação pós CIDR e NAT

8 Lidando com o esgotamento do IPv4 CIDR - Classless Inter-Domain Routing September The IP Network Address Translator (NAT) May Address Allocation for Private Internets February

9 IAhC (Internet Ad hoc Committee, ) (www.iahc.org) a) the Internet Top Level Domain (TLD) name space is a public resource and is subject to the public trust; b) any administration, use and/or evolution of the Internet TLD space is a public policy issue and should be carried out in the interests and service of the public; ICANN (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers, 1996) (www.icann.org) Organização de direito privado, estabelecida na Califórnia e sem fins lucrativos, para assumir o papel da antiga IANA coordenar o registro de números (e nomes) na Internet.

10 Comitê Gestor da Internet no Brasil Ministério da Ciência e Tecnologia 2.- Ministério das Comunicações 3.- Casa Civil da Presidência da República 4.- Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 5.- Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 6.- Ministério da Defesa 7.- Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico 8.- Agência Nacional de Telecomunicações 9.- Fórum Nacional dos Secretários Estaduais da Ciência e Tecnologia 10.- Notório Saber 11.- Setor Empresarial - Provedores de Acesso e Conteúdo 12.- Setor Empresarial - Provedores de Infra- Estrutura de Telecomunicações 13.- Setor Empresarial - Bens de Informática, de Telecomunicações e de Software 14.- Setor Empresarial - Usuários 15.- Terceiro Setor 16.- Terceiro Setor 17.- Terceiro Setor 18.- Terceiro Setor 19.- Setor Acadêmico 20.- Setor Acadêmico 21.- Setor Acadêmico

11 Princípios para a Governança e Uso da Internet (www.cgi.br /regulamentacao/ resolucao htm) Considerando a necessidade de embasar e orientar suas ações e decisões, segundo princípios fundamentais, o CGI.br resolve aprovar os seguintes Princípios: 1. Liberdade, privacidade e direitos humanos O uso da Internet deve guiar-se pelos princípios de liberdade de expressão, de privacidade do indivíduo e de respeito aos direitos humanos, reconhecendo-os como fundamentais para a preservação de uma sociedade justa e democrática. 2. Governança democrática e colaborativa A governança da Internet deve ser exercida de forma transparente, multilateral e democrática, com a participação dos vários setores da sociedade, preservando e estimulando o seu caráter de criação coletiva. 3. Universalidade O acesso à Internet deve ser universal para que ela seja um meio para o desenvolvimento social e humano, contribuindo para a construção de uma sociedade inclusiva e não discriminatória em benefício de todos.

12 Princípios 4. Diversidade A diversidade cultural deve ser respeitada e preservada e sua expressão deve ser estimulada, sem a imposição de crenças, costumes ou valores.surgimento da Internet. 5. Inovação A governança da Internet deve promover a contínua evolução e ampla difusão de novas tecnologias e modelos de uso e acesso. 6. Neutralidade da rede Filtragem ou privilégios de tráfego devem respeitar apenas critérios técnicos e éticos, não sendo admissíveis motivos políticos, comerciais, religiosos, culturais, ou qualquer outra forma de discriminação ou favorecimento. 7. Inimputabilidade da rede O combate a ilícitos na rede deve atingir os responsáveis finais e não os meios de acesso e transporte, sempre preservando os princípios maiores de defesa da liberdade, da privacidade e do respeito aos direitos humanos.

13 Princípios 8. Funcionalidade, segurança e estabilidade A estabilidade, a segurança e a funcionalidade globais da rede devem ser preservadas de forma ativa através de medidas técnicas compatíveis com os padrões internacionais e estímulo ao uso das boas práticas. 9. Padronização e interoperabilidade A Internet deve basear-se em padrões abertos que permitam a interoperabilidade e a participação de todos em seu desenvolvimento. 10. Ambiente Legal e Regulatório O ambiente legal e regulatório deve preservar a dinâmica da Internet como espaço de colaboração.

14 NIC.br Atividades permanentes: REGISTRO, (nomes sob o.br, números IPv4 e IPv6, números p/ AS. CEPTRO.br (PTT.br, NTP.br, IPv6.br, Medições de BLF e BLM, SIMET, cursos) CERT.br (cartilhas de segurança, cursos, treinamento e coordenação, combate a SPAM e a ameaças ( fishing, etc) CETIC.br (estatísticas sobre Internet em diversos setores, Centro Regional UNESCO nível 2) Escritório Regional do W3C Apoio a Grupos de Trabalho GTER Engenharia e Operação de Redes GTS Segurança Os GTs são constituidos por voluntários da comunidade de usuários

15 Internet evolução - Novas aplicações - IPv6 plenamente disseminado - Rede das coisas? todos os equipamentos conectados à rede e em condições de trocar informações entre si

16 IPv4 vs. IPv6 IPv4 - endereçamento de 32 bits, sendo possível obter endereços (2 32 ) IPv6 - endereçamento de 128 bits, sendo possível obter endereços (2 128 ).

17 Internet, conceitos e padrões IPv6 RFC IP Internet Protocol, Version 6 (IPv6) Specification - S. Deering, R. Hinden [Dec 1995] (Obsoleted by: RFC2460) RFC2460 IP Internet Protocol, Version 6 (IPv6) Specification S. Deering, R. Hinden [Dec 1998] Obsoletes RFC1883, Updated by RFC5095 Status: DRAFT STANDARD

18 Geoff Huston, APNIC

19 (da apresentação de Geoff Huston, LACNIC 2012) My personal view...by 2022: Ø The Internet will be all IPv6 by 2022! The market in IPv4 trading is a short term phase Ø CGNs (Carrier Grade Nats) also have near term limits under intense scaling pressure Ø There is no extended afterlife in store for CGN + IPv4 if we make this transition to IPv6 (look at what happened to DECnet, SNA, Appletalk, X. 25,...)

20 (da apresentação de Geoff Huston, LACNIC 2012) My personal view...by 2022: Ø Radio spectrum will become even more of a scarce and highly valuable asset Ø Cloud / Data Centre services may well have peaked by 2022 and be on the decline again Innovative/competitive pressure at this time may well come from highly distributed systems that do not rely on intense concentrations of computation and information storage

21 Problemas criados pela tecnologia podem ser resolvidos (ou amenizados) tecnologia ex. Spam (filtros, controle da Porta 25); DDoS (medidas preventivas, provisionamento); uso do NTP para sincronismo de logs ; DNSSEC na cadeia inteira de tradução de nomes Educação, Treinamento, Colaboração Legislação, quando necessário (o fato de existir punição para um crime não impede que ele continue sendo praticado)

22 Privacidade na Internet, 1993

23

24

25 Privacidade vs Segurança vs Controle quem abre mão da privacidade para ter segurança, acaba sem os dois.. novos delitos?... ou novas formas de investigação? a Internet é uma rede de controle!! Tratamos a Internet de forma mais dura do que os meios tradicionais??..

26 Manutenção dos conceitos da Internet - Marco Civil Neutralidade da rede (Internet é fim-a-fim e seus usuários devem poder usufruir da experiência integral da rede) Privacidade do usuário (garantia de direitos nos diversos contextos) Inimputabilidade da Rede (segurança jurídica para empreendedorismo e ausência de censura a priori de conteúdos)

27 Ø Ø Ø Ø Ø Ø MARCO CIVIL - o que é é uma declaração de princípios é um corte transversal na rede, desde infraestrutura de telecomunicações até aplicações e conteúdo, no que tange a neutralidade é uma contextualização na aplicação de direitos, como responsabilização adequada e proteção à privacidade é um orientador sobre a forma de aplicação de legislação existente à Internet é um balizador para eventual legislação futura é uma garantia de preservação das características originais, valores e conceitos da rede

28 MARCO CIVIL - o que não é, ou nele não cabe Ø não é uma forma de impedir ilícitos na Internet, mas diversos ilícitos; qualifica Ø não trata de modelos de negócio na Internet Ø não trata de temas técnicos na rede, dado o dinamismo e a rapida obsolescência da tecnologia Ø não se sobrepõe à ação dos diversos órgãos da sociedade: Anatel, CGI, Procon, Idec etc, mas reconhece sua complementaridade e colaboração Ø não deve tratar da Internet do Brasil e sim da Internet no Brasil

29 Problemas inerentes ao comportamento humano e à Sociedade devem ser tratados, como sempre o foram no mundo tradicional. Todos concordamos que a Internet se comporta como um que espelho da sociedade humana. Se você olha para o espelho e não gosta do que vê, não quebre o espelho! Vinton G. Cerf

30

31 Futurologia The future is forever Frase no World IPv6 Launch, evento patrocinado pela ISOC A melhor maneira de predizer o futuro é inventá-lo. Alan Kay, prêmio Turing 2003 e inventor do SmallTalk

32 Obrigado

33 ICANN A Constituição inicial da ICANN baseava-se em três organizações de suporte e mais uma Assembléia Geral e o GAC :( Board (Government Advisory ASO, Address Support Organization com o objetivo primário de cuidar da distribuição de números IP DNSO, Domain Names Support Organization que, além de gerir os servidores-raíz, cuidaria dos assuntos referentes a nomes de domínio: (novos gtlds, redelegação de cctlds, ( etc políticas de resolução de conflitos PSO, Protocol Support Organization que englobaria as instituições ( IETF ) responsáveis por protocolos e mais a GA (General Assembly) e o GAC (Government Advisory Board)

34 Servidores-Raíz A Verisign Dulles VA B Information Sciences Institute/USC Marina del Rey CA C Cogent Communications Herndon VA D University of Maryland College Park VA E NASA Ames Montain View CA F (**) Internet Systems Consortium, Inc San Francisco CA G US DoD Vienna VA H US Army Research Lab Aberdeen MD I (**) Autonomica/NORDUnet Stockholm SE J (**) Verisign Sterling VA K (**) RIPE-NCC Amsterdam NL L ICANN Marina del Rey CA M (**) Wide Project Tokyo JP

35 Reorganização da ICANN Em 2002, a ICANN reexaminou e reorganizou sua estrutura: - eliminou-se a GA Assembléia Geral e criou-se uma estrutura para representar o usuário: ALAC At-large Advisory Committee ; - o DNSO tornou-se gnso e passou a cuidar dos TLDs genéricos; - surgiu o ccnso a partir de um segmento do antigo DNSO. O ccnso se constituiu formalmente em março de 2004; - o PSO saiu da estrutura e criaram-se os: RSSAC Root-Server System Advisory Committee, SSAC Security and Stability Advisory Committee e TLG Technical Liaison Group - a ASO tornou-se a organização dos distribuidores regionais de números IP (ARIN, RIPE, APNIC, LACNIC e, o mais recente, AFNIC)/ NRO - um assento foi incluído no Board para At-large

36

37 Governança na Internet WSIS World Summit on the Information Society Genebra, dezembro de 2003, Túnis, dezembro de WGIG - Working Group on Internet Governance Genebra, novembro de 2003 a julho IGF Internet Governance Forum 1.0 IGF Atenas, Grécia novembro IGF Rio de Janeiro, Brasil novembro IGF Hyderabad, India dezembro IGF Sharm El-Sheik, Egito - novembro IGF Vilna, Lituânia setembro IGF Nairobi, Quênia setembro IGF Baku, Azerbaijão novembro IGF Bali, Indonésia novembro IGF Istambul, Turquia setembro 2014

38 Governança na Internet NetMundial, Abril, 2014 Princípios Próximos passos / Ecossistema Organização CGI 1Net

39 IANA - Internet Assigned Numbers Authority Funções básicas: - documentar os processos e os parâmetros da ARPANet nascente - ser o Editor dos RFC (RFC 1 é de 7 de abril de alocar números IP (RFC 790, em setembro de 1981 definia as classes de endereçamento A, B e C - alocar parâmetros dos protocolos (port numbers, soquets etc) - definir o conteúdo das raíz de nomes (RFC 1034, de novembro de 1987, define DNS e a RFC 1591, de março de 1994 define o conteúdo da raíz de nomes)

40 IANA - Internet Assigned Numbers Authority Eventos relevantes: NSF contrata Network Solutions para operar o registro por 5 anos, basicament de.com,.net e.org NSF autoriza NSI a cobrar pelos registros dezembro, o IahC sugere a criação de 7 novos domínios genéricos (.arts,.firm,.info,.nom,.rec,.store e.web) julho, o Pres. Clinton anuncia a intenção de privatizar a administração do DNS janeiro green paper da NTIA

41 IANA - Internet Assigned Numbers Authority Eventos relevantes: janeiro Postel testa redirecionamento das cópias, do servidor A para o servidor B NSF deixa de subsidiar a NSFNET e o registro O contrato com NSI terminaria em set/ setembro 18, ICANN assume a função IANA , outubro 7, NSI passa a ter a autoridade sobre o conteúdo da raíz outubro 18, falece Jon (Jonathan) Postel janeiro, contrato NTIA com IANA para supervisão das alterações na raíz de nomes março Verisign adquire NSI por US$ 21 bi.

O Agronegócio e as Novas Mídias 13. 0 Congresso da ABAG. São Paulo, 4 de agosto de 2014 Demi Getschko demi@nic.br

O Agronegócio e as Novas Mídias 13. 0 Congresso da ABAG. São Paulo, 4 de agosto de 2014 Demi Getschko demi@nic.br O Agronegócio e as Novas Mídias 13. 0 Congresso da ABAG São Paulo, 4 de agosto de 2014 Demi Getschko demi@nic.br Internet, características distintivas Colaboração A Internet é uma coleção de milhares de

Leia mais

Histórico referente a redes no Brasil

Histórico referente a redes no Brasil Histórico referente a redes no Brasil em 2009 te(re)mos: 21 anos das conexões brasileiras às redes acadêmicas 20 anos do registro do.br 20 anos de existência da RNP 18 anos dos primeiros pacotes TCP/IP

Leia mais

Consolidação do TCP/IP e expansão da rede

Consolidação do TCP/IP e expansão da rede Breve Histórico 1961 Leonard Kleinrock, MIT formulação matemática de redes de comunicação comutadas (comutação de pacotes) e princípios da teoria das filas 1962 J. C. R. Licklider, MIT prognóstico sobre

Leia mais

Neutralidade e o Marco Civil da Internet no Brasil. Brasília, 6 de outubro de 2015 Demi Getschko demi@nic.br

Neutralidade e o Marco Civil da Internet no Brasil. Brasília, 6 de outubro de 2015 Demi Getschko demi@nic.br Neutralidade e o Marco Civil da Internet no Brasil Brasília, 6 de outubro de 2015 Demi Getschko demi@nic.br Internet, características distintivas Colaboração A Internet é uma coleção de milhares de redes

Leia mais

Introdução ao IPv6. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Introdução ao IPv6. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Introdução ao IPv6 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Sobre

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Escolha da EAQ da Banda Larga

Audiência Pública Senado Federal Escolha da EAQ da Banda Larga Audiência Pública Senado Federal Escolha da EAQ da Banda Larga Demi Getschko demi@cgi.br Brasília, 22 de março de 2012 Internet, características distintivas Colaboração A Internet é uma coleção de milhares

Leia mais

O Futuro da Internet

O Futuro da Internet O Futuro da Internet Conferência W3C egov Brasil Teatro da Caixa,Brasília, 22 de novembro de 2010 Demi Getschko demi@nic.br Conceitos: Rede Internet é a coleção de redes interligadas que usam: - um esquema

Leia mais

Marco civil da internet o papel da Auditoria Interna e Compliance. São Paulo, 28 de outubro de 2015 Nivaldo Cleto ncleto@nivaldocleto.cnt.

Marco civil da internet o papel da Auditoria Interna e Compliance. São Paulo, 28 de outubro de 2015 Nivaldo Cleto ncleto@nivaldocleto.cnt. Marco civil da internet o papel da Auditoria Interna e Compliance São Paulo, 28 de outubro de 2015 Nivaldo Cleto ncleto@nivaldocleto.cnt.br A lei 12.965/2014 Fundamentos do Marco Civil: A liberdade de

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas

IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br O LAA Redes ubíquas e a Internet das coisas Breve Introdução

Leia mais

Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos

Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos Cristine Hoepers cristine@cert.br! Apresentação desenvolvida em conjunto com a equipe do CEPTRO.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Nomeação Estruturada, Nomeação Baseada em Atributo Capítulo 5 Agenda Nomeação Estruturada (cont.) Implementação de um Espaço de Nomes DNS Definição

Leia mais

A Evolução da Governação da Internet

A Evolução da Governação da Internet A Evolução da Governação da Internet o Primórdios da Governação da Internet (1970s 1994): A Internet nasce nos finais dos anos 60 como um projecto do Governo Americano com o patrocínio da Defense Advanced

Leia mais

Cenários do CGI.br. My Fire. Diretoria de Projetos 13 de setembro de 2011

Cenários do CGI.br. My Fire. Diretoria de Projetos 13 de setembro de 2011 Cenários do CGI.br My Fire Diretoria de Projetos 13 de setembro de 2011 Sobre o CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) Criado em maio de 1995 Pela Portaria Interministerial Nº 147 de 31/05/1995,

Leia mais

IPv6: a próxima geração de IPs na Internet!

IPv6: a próxima geração de IPs na Internet! IPv6: a próxima geração de IPs na Internet! Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br CONIP 14 o. Congresso de Inovação da Gestão Pública Governança da informação backoffice 05 de Junho de 2008 São Paulo - SP

Leia mais

Segurança X Privacidade?

Segurança X Privacidade? Segurança X Privacidade? Cristine Hoepers cristine@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR Comitê Gestor da

Leia mais

FISL9.0 Porto Alegre, RS, Brasil 17-19 de abril de 2008

FISL9.0 Porto Alegre, RS, Brasil 17-19 de abril de 2008 www.cgi.br Agenda Sobre o CGI.br Sobre o NIC.br www.cgi.br Sobre o CGI.br Criado em maio de 1995 Pela Portaria Interministerial Nº 147 de 31/05/1995, alterada pelo Decreto Presidencial Nº 4.829 de 03/09/2003

Leia mais

Fraudes via Internet Estatísticas e Tendências Cristine Hoepers cristine@cert.br

Fraudes via Internet Estatísticas e Tendências Cristine Hoepers cristine@cert.br Fraudes via Internet Estatísticas e Tendências Cristine Hoepers cristine@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto

Leia mais

Neutralidade da rede: futuro incerto. Carlos A. Afonso (ca@cafonso.ca) Instituto Nupef Rio de Janeiro outubro, 2009

Neutralidade da rede: futuro incerto. Carlos A. Afonso (ca@cafonso.ca) Instituto Nupef Rio de Janeiro outubro, 2009 Neutralidade da rede: futuro incerto Carlos A. Afonso (ca@cafonso.ca) Instituto Nupef Rio de Janeiro outubro, 2009 Quem teria dito...? "Nosso produto pode ser usado de vários modos... Como é efetivamente

Leia mais

DNS e Serviço de Nomes. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviço de Redes

DNS e Serviço de Nomes. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviço de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática DNS e Serviço de Nomes Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviço de Redes Pontos importantes Nomes (Ex: URLs) são ligados a objetos (Ex:

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 5 e 6 - Aula 9

Sistemas Distribuídos Capítulos 5 e 6 - Aula 9 Sistemas Distribuídos Capítulos 5 e 6 - Aula 9 Aula Passada Comentários Prova Nomes, Identificadores, Endereços Nomeação Simples Nomeação Estruturada Aula de hoje Nomeação estruturada Implementação de

Leia mais

Promover a estabilidade e a integridade da Internet Pedro Veiga ICANN meetings, Lisbon, 29 March 2007

Promover a estabilidade e a integridade da Internet Pedro Veiga ICANN meetings, Lisbon, 29 March 2007 Promover a estabilidade e a integridade da Internet Pedro Veiga ICANN meetings, Lisbon, 29 March 2007 O que é a ICANN? A ICANN - Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (órgão mundial responsável

Leia mais

Gestão de Incidentes e Resiliência das Infraestruturas Críticas de Internet

Gestão de Incidentes e Resiliência das Infraestruturas Críticas de Internet Gestão de Incidentes e Resiliência das Infraestruturas Críticas de Internet Cristine Hoepers cristine@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Internet, origens, conceitos e desafios

Internet, origens, conceitos e desafios Internet, origens, conceitos e desafios Abril de 2008 Demi Getschko demi@nic.br Breve Histórico da Internet 1961 Leonard Kleinrock, MIT formulação matemática de redes de comunicação comutadas (comutação

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br 1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br Domínios, registros, internet. Quem administra e controla o ambiente eletrônico? Cristiane Rozicki 1 É possível, e provável, que muitas pessoas conheçam estes detalhes que passarão

Leia mais

Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6

Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6 Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6 Reunião Itinerante do CGI.br Curitiba 19/03/2013 Milton Kaoru Kashiwakura Antonio Marcos Moreiras O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) foi criado pela

Leia mais

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO NO BRASIL Primeira conexão à redes (Bitnet) => Outubro 88 Domínio.br foi registrado

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE APLICAÇÃO Teresa Vazão 2012/2013 IRC - Introdução às Redes de Computadores - LERC/LEE 2 INTRODUÇÃO Internet para todos.. 1979 Tim Burners Lee (invesngador

Leia mais

Brasília, DF 03 de setembro de 2015

Brasília, DF 03 de setembro de 2015 Brasília, DF 03 de setembro de 2015 Atividades do NIC.br para Segurança e Estabilidade da Internet no Brasil Cristine Hoepers, D.Sc. Gerente Geral, CERT.br/NIC.br Comitê Gestor da Internet no Brasil CGI.br

Leia mais

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Oripide Cilento Filho oripide@nic.br SET 2008 Agenda Apresentação do CGI.br e do NIC.br A Internet e o Protocolo Internet ( IP ) Necessidade de uma nova versão

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Desafios no Tratamento de Incidentes de

Desafios no Tratamento de Incidentes de Desafios no Tratamento de Incidentes de Segurança Klaus Steding-Jessen jessen@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação do

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de redes com Linux Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de Redes com Linux Protocolo TCP/UDP Portas Endereçamento IP Firewall Objetivos Firewall Tipos de Firewall Iptables

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Ameaças Recentes, Tendências e Desafios para a Melhora do Cenário

Ameaças Recentes, Tendências e Desafios para a Melhora do Cenário Ameaças Recentes, Tendências e Desafios para a Melhora do Cenário Cristine Hoepers cristine@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e

Leia mais

Tópicos em Sistemas de Computação 2013 DNS. Parte 1 - Características e Conceitos. Tópicos em Sistemas de Computação

Tópicos em Sistemas de Computação 2013 DNS. Parte 1 - Características e Conceitos. Tópicos em Sistemas de Computação DNS Parte 1 - Características e Conceitos Tópicos em Sistemas de Computação 2013 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Adriano Ribeiro adrianoribeiro@acmesecurity.org

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados

Protocolos em Redes de Dados Protocolos em Redes de Dados Apresentação Arquitectura e evolução da Internet 2009 Dulce Domingos. Reprodução proibida sem autorização prévia. 1 Informações Informação sobre a disciplina http://mocho.di.fc.ul.pt/p/prd

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

DNS. Parte 1 Características e Conceitos. Tópicos em Sistemas de Computação. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.

DNS. Parte 1 Características e Conceitos. Tópicos em Sistemas de Computação. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity. DNS Parte 1 Características e Conceitos Tópicos em Sistemas de Computação Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org 1 Referência para estudo O tratamento umlizado neste tópico é o mesmo

Leia mais

Projeto SpamPots: Uso de Honeypots na Obtenção de Métricas sobre Abuso de Redes de Banda Larga para o Envio de Spam

Projeto SpamPots: Uso de Honeypots na Obtenção de Métricas sobre Abuso de Redes de Banda Larga para o Envio de Spam Projeto SpamPots: Uso de Honeypots na Obtenção de Métricas sobre Abuso de Redes de Banda Larga para o Envio de Spam Marcelo H. P. C. Chaves mhp@cert.br CERT.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento

Leia mais

Eduardo Ascenço Reis < eduardo@intron.com.br> Frederico A C Neves < fneves@registro.br>

Eduardo Ascenço Reis < eduardo@intron.com.br> Frederico A C Neves < fneves@registro.br> Migrando para um AS Introdução Eduardo Ascenço Reis < eduardo@intron.com.br> Frederico A C Neves < fneves@registro.br> GTER20 Migrando para um AS IntroduçãoEduardo Ascenço Reis e Frederico Neves 2005-12-

Leia mais

Um Caminho Seguro para as Empresas do País: 3 Milhões de domínios do.br. Panorama setorial da Internet SETEMBRO DE 2012

Um Caminho Seguro para as Empresas do País: 3 Milhões de domínios do.br. Panorama setorial da Internet SETEMBRO DE 2012 Panorama setorial da Internet SETEMBRO DE 2012 DOMÍNIO DE PRIMEIRO NÍVEL NO BRASIL Um Caminho Seguro para as Empresas do País: 3 Milhões de domínios do.br Ano 4 Número 2 A INTERNET BRASILEIRA Apresentação

Leia mais

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 ATIVIDADE 1 ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 1.1 História Apesar de este livro ter um enfoque prático, com atividades no estilo mão na massa em todas as atividades que veremos a seguir torna-se necessário, em

Leia mais

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas

Leia mais

O CGI.br. Civil da Internet. e o Marco. Defesa da privacidade de todos que utilizam a Internet; Neutralidade de rede; Inimputabilidade da rede.

O CGI.br. Civil da Internet. e o Marco. Defesa da privacidade de todos que utilizam a Internet; Neutralidade de rede; Inimputabilidade da rede. O CGI.br Defesa da privacidade de todos que utilizam a Internet; Neutralidade de rede; Inimputabilidade da rede. e o Marco Civil da Internet O CGI.br e o Marco Civil da Internet O CGI.br e o Marco Civil

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Segurança da Informação na Internet no Brasil: Últimos Estudos do Comitê Gestor da Internet no Brasil e Iniciativas para Aumentar a Segurança

Segurança da Informação na Internet no Brasil: Últimos Estudos do Comitê Gestor da Internet no Brasil e Iniciativas para Aumentar a Segurança Segurança da Informação na Internet no Brasil: Últimos Estudos do Comitê Gestor da Internet no Brasil e Iniciativas para Aumentar a Segurança Cristine Hoepers cristine@cert.br Centro de Estudos, Resposta

Leia mais

Redes de Computadores Aula 4

Redes de Computadores Aula 4 Redes de Computadores Aula 4 Aula passada Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Aula de hoje DNS Sockets Programação com sockets Web DNS: Domain Name System Pessoas: muitos idenftificadores: CPF, passaporte,

Leia mais

Impactos da Gerência de Porta 25 para os Sistemas Autônomos no Brasil ou Agora Vai! :-)

Impactos da Gerência de Porta 25 para os Sistemas Autônomos no Brasil ou Agora Vai! :-) Impactos da Gerência de Porta 25 para os Sistemas Autônomos no Brasil ou Agora Vai! :-) Cristine Hoepers cristine@cert.br Klaus Steding-Jessen jessen@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS A POP3 reuniu aqui as principais orientações para registro, renovação e transferência de domínios, entre outras questões que possam ajudar você a entender como funcionam

Leia mais

7.1 Modelo TCP / IP Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores

7.1 Modelo TCP / IP Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores 7.1 Modelo TCP / IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Historial Inicio dos anos 60 : Arpanet Motivação

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE APLICAÇÃO Teresa Vazão 2 INTRODUÇÃO Internet para todos.. 1979 Tim Burners Lee (invesngador do CERN): Inventor do conceito de navegação por hyper- texto 25

Leia mais

Estrutura e Situação da Segurança da Internet no Brasil Cristine Hoepers

Estrutura e Situação da Segurança da Internet no Brasil Cristine Hoepers Estrutura e Situação da Segurança da Internet no Brasil Cristine Hoepers Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil - CERT.br Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto

Leia mais

Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet

Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet Pauta Visão geral sobre nomes de domínio, cronograma de gtld e o novo programa gtld Por que a ICANN está fazendo isso; impacto potencial desta iniciativa

Leia mais

Webinário de Atualização da Política da ICANN

Webinário de Atualização da Política da ICANN Webinário de Atualização da Política da ICANN Departamento de Políticas, 22 de novembro de 2010 Apresentação David Olive 1 Objetivos desta sessão Atualizá-lo sobre o trabalho atual da Política e incentivá-lo

Leia mais

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro <eng@ptt.br> PTTMetro Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010 Equipe de Engenharia PTTMetro 1 Sobre o CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) Criado em maio de 1995 Pela Portaria

Leia mais

IPv6. Situação atual e desafios. Congresso SET 2012. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

IPv6. Situação atual e desafios. Congresso SET 2012. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br IPv6 Situação atual e desafios Congresso SET 2012 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) foi criado pela Portaria Interministerial nº 147, de 31 de maio de 1995,

Leia mais

Modelo TCP / IP. História da família TCP/IP Modelo utilizado pela família TCP/IP Comparação com o modelo OSI

Modelo TCP / IP. História da família TCP/IP Modelo utilizado pela família TCP/IP Comparação com o modelo OSI Modelo TCP / IP História da família TCP/IP Modelo utilizado pela família TCP/IP Comparação com o modelo OSI Historial Inicio dos anos 60 : Arpanet Motivação : Guerra fria (sputnik) ARPA (Advanced Research

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O que é a Internet? E o protocolo IP? Quais as relações possíveis

Leia mais

Perguntas Frequentes do ICG (Grupo de Coordenação. da Transição de Administração da IANA)

Perguntas Frequentes do ICG (Grupo de Coordenação. da Transição de Administração da IANA) Perguntas Frequentes do ICG (Grupo de Coordenação 24 de agosto de 2015 da Transição de Administração da IANA) Este documento de Perguntas Frequentes serve apenas como um guia e poderá sofrer alterações.

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

PTT Fórum 6 Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil 3 e 4 de dezembro de 2012

PTT Fórum 6 Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil 3 e 4 de dezembro de 2012 PTT Fórum 6 Encontro dos Sistemas Autônomos da Internet no Brasil 3 e 4 de dezembro de 2012 MILTON KAORU KASHIWAKURA Diretor de Projetos Especiais e de Desenvolvimento NIC.br Sobre o CGI.br e o NIC.br

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Boas Práticas de Segurança

Boas Práticas de Segurança Boas Práticas de Segurança Miriam von Zuben miriam@cert.br CERT.br - Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil NIC.br - Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br

Leia mais

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet A Internet não é de modo algum uma rede, mas sim um vasto conjunto de redes diferentes que utilizam certos protocolos comuns e fornecem

Leia mais

Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet Projetos do CGI.br e NIC.br

Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet Projetos do CGI.br e NIC.br Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet no Brasil e os Projetos do CGI.br e NIC.br 24 de Julho de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O que são o CGI.br e o NIC.br? Desafios da

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

O IPv6 e a importância de suportá-lo nos softwares.

O IPv6 e a importância de suportá-lo nos softwares. O IPv6 e a importância de suportá-lo nos softwares. CONISLI 6o. Congresso Internacional de Software Livre 18-19 de Outubro de 2008 São Paulo - SP Antonio M. Moreiras antonio@moreiras.eng.br Agenda O que

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Troca de Tráfego : criando uma infraestrutura Internet melhor e mais barata (http://ptt.br). Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic.

Troca de Tráfego : criando uma infraestrutura Internet melhor e mais barata (http://ptt.br). Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic. Troca de Tráfego : criando uma infraestrutura Internet melhor e mais barata (http://ptt.br). Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O que é a Internet? E o protocolo IP? Quais

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt

cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt AGENDA Visão geral sobre os nomes de domínio; Novos gtld s - o papel do ICANN: Quem? Quando? O quê? Como? Quanto?

Leia mais

IX (PTT) FÓRUM 9 07 e 08 de Dezembro de 2015

IX (PTT) FÓRUM 9 07 e 08 de Dezembro de 2015 IX (PTT) FÓRUM 9 07 e 08 de Dezembro de 2015 Milton Kaoru Kashiwakura mkaoruka@nic.br 1. Inimputabilidade da Rede 2. O combate a ilícitos na rede deve atingir os responsáveis finais e não os meios de

Leia mais

Art. 13. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 3 de setembro de 2003; 182 o da Independência e 115 o da República.

Art. 13. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 3 de setembro de 2003; 182 o da Independência e 115 o da República. Art. 10. A execução do registro de Nomes de Domínio, a alocação de Endereço IP (Internet Protocol) e a administração relativas ao Domínio de Primeiro Nível poderão ser atribuídas a entidade pública ou

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

ampliar a discussão em diversos temas relacionados à Internet

ampliar a discussão em diversos temas relacionados à Internet EVENTOS NIC.br / CGI.br O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR e o Comitê Gestor da Internet no Brasil, promovem anualmente eventos oferecidos gratuitamente à sociedade, com intuito de ampliar

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução

Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução Cleber Martim de Alexandre Eduardo Ascenco Reis GTER28 20091204 GTER28 Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução

Leia mais

Segurança e IPv6 Aspectos teóricos e práticos. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Segurança e IPv6 Aspectos teóricos e práticos. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Segurança e IPv6 Aspectos teóricos e práticos Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Segurança no IPv6 aspectos teóricos e práticos. Agenda O CGI.br e o

Leia mais

DOSSIÊ SOBRE A INDÚSTRIA DE DOMÍNIOS NA INTERNET VOLUME 8 - EDIÇÃO 1 FEVEREIRO DE 2011

DOSSIÊ SOBRE A INDÚSTRIA DE DOMÍNIOS NA INTERNET VOLUME 8 - EDIÇÃO 1 FEVEREIRO DE 2011 DOSSIÊ SOBRE A INDÚSTRIA DE DOMÍNIOS NA INTERNET VOLUME 8 - EDIÇÃO 1 FEVEREIRO DE 2011 RELATÓRIO DA VERISIGN SOBRE DOMÍNIOS Como operador global de registros.com e.net, a Verisign monitora a situação do

Leia mais

PTTMetro Informações e Destaques

PTTMetro Informações e Destaques PTTMetro Informações e Destaques 3 o PTT Forum 3 Dez 2009 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura 3o PTT Forum

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

Evolução Tecnológica e a Segurança na Rede

Evolução Tecnológica e a Segurança na Rede Evolução Tecnológica e a Segurança na Rede Miriam von Zuben miriam@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasill Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Internet Aula 4 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas

Leia mais

PTTMetro. 11 Jan 2010

PTTMetro. 11 Jan 2010 PTTMetro 11 Jan 2010 Antonio Galvao de Rezende Filho Eduardo Ascenço Reis Milton Kaoru Kashiwakura PTTMetro http://ptt.br/ Apresentação 1 Sobre o CGI.br

Leia mais

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier Principais protocolos da Internet Servidor x Serviço O que é um serviço em uma rede? Servidores Cliente x Servidor Rede Serviços Visualização de Páginas É um serviço baseado em hipertextos que permite

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais