Valoração de recursos naturais, pagamento por serviços ambientais e modelagem ecológica na bacia do rio Purus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valoração de recursos naturais, pagamento por serviços ambientais e modelagem ecológica na bacia do rio Purus"

Transcrição

1 I Workshop sobre Modelagem Ecológica e Espacial em Bacias Hidrográficas de Grande Escala Valoração de recursos naturais, pagamento por serviços ambientais e modelagem ecológica na bacia do rio Purus Ademar Ribeiro Romeiro (UNICAMP) Paulo Antônio de Almeida Sinisgalli (USP)

2 Apresentação Tópicos: - Pagamento por serviços ambientais - Valoração da floresta - Modelagem ecológica econômica na bacia do rio Purus

3 Pagamento por serviços ambientais (PSE) Serviços Ecossistêmicos são fatores limitantes para a manutenção do bem estar humano.

4 Pagamento por serviços ambientais (PSE) A Floresta Tropical provê: Controle de erosão Regulação climática (local e global) Resiliência Regulação de ciclo hidrológico Diversos outros serviços ambientais Valor estimado em : US$2006/ha/ano (Costanza et al., 1997)

5 Pagamento por serviços ambientais (PSE) O objetivo é a manutenção das funções ambientais de suporte à vida e outros serviços ecológicos Focar um serviço pode levar a perda de outros Os mercados devem se adaptar às condições ecológicas e não ao contrário.

6 Pagamento por serviços ambientais (PSE) Pagamentos devem ser maiores que o custo de oportunidade (next best alternative) Pagamentos são condicionados às praticas associadas à manejo para garantir de manutenção do serviço Pagamentos são normalmente para um serviço específico, decorrente de uma prática de manejo específica

7 Objetivo: Estimar o valor da floresta em pé. Metodologia A metodologia utilizada baseou-se principalmente em dados bibliográficos, aliada ao levantamento das características da bacia Amazônica, em especial a região do rio Purus, enfocando os recursos e serviços ecossistêmicos oferecidos pela mesma. O valor econômico da floresta foi calculado tendo por base as estimativas dos valores dos recursos de uso direto, de uso indireto, de opção e de existência, estabelecendo-se um valor/ha de floresta. Valoração da Floresta

8 Valoração da Floresta Metodologia Os fatores de uso direto e indiretos dos recursos foram: carvão vegetal; recursos madeireiros; recursos não-madeireiros, turismo e pesca esportiva, o seqüestro de carbono e ciclo hidrológico. Ademais dos fatores de uso direto e indireto, foram contabilizados também o valor de opção, que compreende neste trabalho o valor da bioprospecção de fármacos e a biodiversidade, e o valor de existência da floresta.

9 Valoração da Floresta Recursos Carvão vegetal Valor US$ /ha/ ano 1.496,84 (Não contabilizado) Extração Madeireira 112,32 1. USO DIRETO Recursos nãomadeireiros 0,19 Eco-turismo 0,37 Pesca Esportiva 0,10 Total 112,98

10 Valoração da Floresta Recursos Valor US$/ha ano 2. USO INDIRETO 3. VALOR DE OPÇÃO 4. VALOR DE EXISTÊNCIA Ciclo Hidrológico 38,87 Seqüestro de Carbono 69,68 Total 108,85 Recursos Valor US$/ha ano Bioprospecção (Fármacos) 21,00 Biodiversidade 17,03 Total 38,03 Recursos Valor US$/ha ano Valor de Existência 31,20 Total 31,20 VALOR TOTAL Valor US$/ha ano 291,06

11 Valoração da Floresta Considerações Finais: O valor encontrado para a área da bacia do Rio Purus ( ha), é de: US$ 8,935,896, Os resultados aqui mostrados podem apresentar-se vulneráveis, pois não compreendem a totalidade de recursos e serviços ambientais passíveis de valoração monetária, tendo como resultado um valor significativamente subestimado. Mesmo com as devidas limitações, a valoração ambiental pode ser considerada uma ferramenta bastante útil, não como ponte entre a economia e a ecologia, mas como fonte de discussão sobre pagamentos por serviços ambientais.

12 Modelagem ecológica econômica do Desmatamento associado ao Mercúrio rio DESMATAMENTO Foco na seguinte relação: induz alterações no funcionamento dos ecossistemas, que por sua vez geram impactos sobre a estrutura e a fertilidade dos solos, alem de afetar o ciclo hidrológico (HOUGHTON et al, 2000). Desmatamento na Amazônia Diversos estudos apontam para a presença natural de mercúrio no solo amazônico e seu carreamento para os corpos aquáticos em decorrência desse desmatamento. Dano ambiental

13 Modelagem ecológica econômica do Desmatamento associado ao Mercúrio rio O Serviço Ecossistêmico Valorado Aprisionamento de mercúrio no solo através da proteção fornecida pela cobertura vegetal contra os processos erosivos.

14 Modelagem ecológica econômica do Desmatamento associado ao Mercúrio rio Processo em Cadeia Retirada da cobertura vegetal Perda de solo Processos erosivos Danos à saúde: Contaminação por metilmercúrio Carreamento de mercúrio para corpos aquáticos Consumo de peixes por humanos Bioacumulação (peixes) Biomagnificação Processo de metilação

15 Modelagem ecológica econômica do Desmatamento associado ao Mercúrio rio Mercúrio no Tapajós Hg rate in soil Metilation rate Preciptation Hg metilado flow10 hg mobilization flow2 Deforestation non biological Hg in SYSTEM flow6 submodel9 Erosion fish groups Cont rate benefits human pop fish group pref uptake by fish group fish consumption rate flow7 HG IN fish cost CONTAMINATION LEVEL hg conc gain or loss HG IN PEOPLE FISF POP Treatment costs

16 Modelagem ecológica econômica do Desmatamento associado ao Mercúrio rio Formulação proposta Custo do Dano (CD)={[[(S*D*C*M)/P]/H]*G]} Onde: CD = custo dos danos à saúde por ano (R$) S = quantidade de solo erodido (ton/ha/ano) D = quantidade de hectares de floresta desmatada (ha/ano) C = concentração de Hg no solo da região (ppb) M = taxa de metilação do Hg na água (%) P = concentração de metilmercúrio em peixes (µg/g) H = consumo de peixes por humanos na região (g/ano) G = custo despendido no tratamento dos danos à saúde (R$)

17 Modelagem ecológica econômica do Desmatamento associado ao Mercúrio rio Formulação e Resultado Custo do Dano (CD)={[[(S*D*C*M)/P]/H]*G]} Resultado do valor do dano: R$ ,40 por ano. Para a bacia do rio Purus que teve uma taxa de desmatamento relativamente baixa (aproximadamente ha/ano) entre o ano de 1997 e 2006, o que gera consequentemente menos erosão, levando atualmente a um dano proporcionalmente baixo, porém é importante salientar também estas consequências danosas do desmatamento.

18 OBRIGADO! Ademar Ribeiro Romeiro (UNICAMP): Paulo Antônio de Almeida Sinisgalli (USP)

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 QUADRO 1 Exemplos de Valores Econômicos dos Recursos Florestais Valor de uso Valor passivo ou de não-uso

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Modelagem de Serviços Ambientais Modelo InVEST

Modelagem de Serviços Ambientais Modelo InVEST Modelagem de Serviços Ambientais Modelo InVEST I Workshop sobre Monitoramento Hidroambiental da Bacia do Ribeirão Pipiripau Lícia Azevedo Setembro/2012 MODELAGEM DE SERVIÇOS AMBENTAIS COMO SUPORTE À TOMADA

Leia mais

Combatendo as causas das mudanças climáticas

Combatendo as causas das mudanças climáticas WWF-Brasil SHIS EQ QL 06/08 Conj. E 2º andar Lago Sul 71620-430 Brasília-DF Brasil Tel: +55 61 3364-7400 Fax: +55 61 3364-7474 Panda@wwf.org.br http://www.wwf.org.br Combatendo as causas das mudanças climáticas

Leia mais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Valoração Ambiental Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Analistas Ambientais: Nivaldo Caetano da Cunha (Engenheiro Florestal) nicclaudo@yahoo.com.br Almir Lopes Loures (Engenheiro

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB)

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) Helena Boniatti Pavese Coordenadora Regional, América Latina e Caribe UNEP - World Conservation Monitoring Centre 10 de Novembro de 2010 Panorama

Leia mais

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL Joésio Deoclécio Pierin Siqueira Eng. Florestal, Dr. em Economia e Política Florestal Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Semana do Meio Ambiente UFV campus Florestal PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Daniel Brianezi 20% dos casos de câncer de pulmão são causados pela poluição A China investirá US$ 277 bilhões até 2019

Leia mais

PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS III Simpósio em Produção Animal e Recursos Hídicos SPARH São Carlos 20 a 21/03/2014 Albano Araújo Coordenador de Conservação de

Leia mais

PROJETO REDD+ MAÍSA. Resumo do Projeto para Apoiar o Período de Consulta Pública

PROJETO REDD+ MAÍSA. Resumo do Projeto para Apoiar o Período de Consulta Pública PROJETO REDD+ MAÍSA Resumo do Projeto para Apoiar o Período de Consulta Pública Documento preparado por Biofílica Investimentos Ambientais contato@biofilica.com.br +55 (11) 3073-0430 Maio 2014 1 O Projeto

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, AGRICULTURA E AMBIENTE COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA AMBIENTAL I CONGRESO INTERNACIONAL LA INGENIERÍA AMBIENTAL EN EL SIGLO XXI VULNERABILIDADES DA AMAZÔNIA

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. A Amazônia Ameaçada

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. A Amazônia Ameaçada A Amazônia Ameaçada (texto de Marcelo Okuma) A Amazônia Legal corresponde aos estados do Acre, Amapá, Amazonas, parte do Maranhão (oeste do meridiano 44º), Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE MERCADOS DE CARBONO NA AMÉRICA LATINA. São Paulo Setembro - 2015

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE MERCADOS DE CARBONO NA AMÉRICA LATINA. São Paulo Setembro - 2015 WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE MERCADOS DE CARBONO NA AMÉRICA LATINA São Paulo Setembro - 2015 A BIOFÍLICA ATUAÇÃO A Biofílica Investimentos Ambientais S.A. é a primeira empresa brasileira focada na gestão

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Seminário sobre Pagamento por Serviços Ambientais 21 de Agosto, 2009 Rio Branco, Acre FOREST TRENDS

Leia mais

Contaminação por mercúrio em peixes na área de Proteção Ambiental (APA) do Igarapé Gelado-Parauapebas-PA.

Contaminação por mercúrio em peixes na área de Proteção Ambiental (APA) do Igarapé Gelado-Parauapebas-PA. I SEMINÁRIO IMPACTOS SÓCIO AMBIENTAIS NA AMAZÔNIA. Contaminação por mercúrio em peixes na área de Proteção Ambiental (APA) do Igarapé Gelado-Parauapebas-PA. Msc. Bruno de Cássio Veloso de Barros. Belém

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

Considerações sobre o Código Florestal brasileiro

Considerações sobre o Código Florestal brasileiro Considerações sobre o Código Florestal brasileiro Apresentação: As informações deste texto resumem pesquisa recente da Universidade de São Paulo (USP). Apenas parte destas informações foi publicada. Artigos

Leia mais

bacia do Mekong Rios, climas e homens

bacia do Mekong Rios, climas e homens Rios, 16 Mékong, a mãe de todos os rios O Mekong, cujo fluxo faz dele o quarto rio da Ásia (atrás dos Yangzi Jiang, Ganges- Brahmaputra e Ienissei), nasce no Tibete. Depois de contornar o Himalaia, avança

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO AO ZEE

FERRAMENTA DE APOIO AO ZEE MODELAGEM DE DINÂMICA DE PAISAGEM: FERRAMENTA DE APOIO AO ZEE William Leles Souza Costa Seminário ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO BASE PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DE SÃO PAULO 2011 A PAISAGEM

Leia mais

A EMPRESA E O PROFISSIONAL DO SÉCULO 21

A EMPRESA E O PROFISSIONAL DO SÉCULO 21 O PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE DO SÉCULO 21: OPORTUNIDADES E DESAFIOS Rubens Garlipp* A EMPRESA E O PROFISSIONAL DO SÉCULO 21 UFSCAR Sorocaba - SP 01 de junho de 2007 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Amazônia. Pensar completo é investir na conservação da Amazônia.

Amazônia. Pensar completo é investir na conservação da Amazônia. Amazônia Pensar completo é investir na conservação da Amazônia. 2 Fundação Amazonas Sustentável. Investir na conservação da Amazônia é investir no planeta. A Floresta Amazônica é vital para o planeta.

Leia mais

O valor da biodiversidade e a importância econômica das áreas de conservação. Carlos Eduardo Frickmann Young IE-UFRJ e INCT PPED www.ie.ufrj.

O valor da biodiversidade e a importância econômica das áreas de conservação. Carlos Eduardo Frickmann Young IE-UFRJ e INCT PPED www.ie.ufrj. O valor da biodiversidade e a importância econômica das áreas de conservação Carlos Eduardo Frickmann Young IE-UFRJ e INCT PPED www.ie.ufrj.br/gema Valoração econômica de recursos ambientais O que é? Para

Leia mais

Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos

Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos BIOTA FAPESPeABECO ImpactodealteraçõesdoCódigoFlorestalnabiodiversidade v.30/10/2010 1 Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos

Leia mais

Plano d e de P &D P&D IPEF Decênio 2010-2020 Te Tema: ma: Sustentabilidade Sustentabilidade

Plano d e de P &D P&D IPEF Decênio 2010-2020 Te Tema: ma: Sustentabilidade Sustentabilidade Plano de P&D IPEF Decênio 2010-2020 Tema: Sustentabilidade Como abordar o tema dentro de um plano de P&D Essencial para a continuidade do negócio florestal Em alguns sub-temas, ainda existem muitas controvérsias,

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais

Pagamentos por Serviços Ambientais 1 Pagamentos por Serviços Ambientais O que são? 2 Serviços Ecossistêmicos x Serviços Ambientais Benefícios gerados pelos ecossistemas, independentemente da atuação humana; Ocorrem em grande escala; Normalmente

Leia mais

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Fernando Rei Presidente da CETESB Sustentabilidade Conceito sistêmico relacionado com a continuidade dos aspectos

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM RECURSOS PÚBLICOS COM BASE EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM RECURSOS PÚBLICOS COM BASE EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM RECURSOS PÚBLICOS COM BASE EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL ROSELI SENNA GANEM Consultor Legislativo da Área XI Meio ambiente e direito ambiental,

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:09:29 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco QUALIDADE ECOLÓGICA Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE QUALIDADE ECOLÓGICA Parâmetros biológicos Indicadores

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Capítulo 28 Economia Ecológica. Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993

Capítulo 28 Economia Ecológica. Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993 Capítulo 28 Economia Ecológica Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993 Pantanal matogrossense 28-1 Capítulo 28- Economia Ecológica 28.1 Introdução Existem dois tipos de economia:

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

INFRAESTRUTURA VERDE. Uma solução para reduzir riscos e alcançar uma gestão corporativa sustentável da água

INFRAESTRUTURA VERDE. Uma solução para reduzir riscos e alcançar uma gestão corporativa sustentável da água INFRAESTRUTURA VERDE Uma solução para reduzir riscos e alcançar uma gestão corporativa sustentável da água Aspectos chaves Os riscos relacionados a água podem afetar o crescimento da empresa ou impactá-la

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL (540/I Integral 02 e SEM_02) (Para alunos ingressos entre 2006 a 2008) CÓD. D. DEPTOS. DISCIPLINAS 1º 2º 3º 4º 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª C/H 0872/I DEMAT/I Cálculo I 3 51 0873/I

Leia mais

TABELA DE PREÇOS ( valores sujeito a alterações )

TABELA DE PREÇOS ( valores sujeito a alterações ) Solicite os livros por e-mail : viviane@tratamentodeagua.com.br ou pelo telefone: 11-55818170 ITEM LIVROS VALOR 1 A BOTANICA NO ENSINO BASICO R$ 73,80 2 A COBRANÇA PELO USO DA AGUA R$ 30,00 3 A COBRANÇA

Leia mais

Painel 1: Processos de degradação do solo: ameaças aos sistemas conservacionistas de produção.

Painel 1: Processos de degradação do solo: ameaças aos sistemas conservacionistas de produção. III Reunião Paranaense de Ciência do Solo Londrina - PR Painel 1: Processos de degradação do solo: ameaças aos sistemas conservacionistas de produção. Experimentação em erosão do solo: da parcela à bacia

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Brasília-DF, 03 de março de 2010 Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano OBJETIVO Revitalizar

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Haroldo Palo. Hilton Franco. Mirella Domenich. A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Artur Paiva Engenheiro Florestal MSc. Coordenador

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

José Galizia Tundisi tundisi@iie.com.br www.iie.com.br São Paulo, 25 de Março, 2015

José Galizia Tundisi tundisi@iie.com.br www.iie.com.br São Paulo, 25 de Março, 2015 José Galizia Tundisi tundisi@iie.com.br www.iie.com.br São Paulo, 25 de Março, 2015 SEGURANÇA HÍDRICA NÚMEROS GLOBAIS ACESSIBILIDADE UNESCO / JULHO 2014 Extensão de serviço à todos ainda inexistente.

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Anexo II. Plano de Manejo Sustentável de Plantações Florestais. I - INTRODUÇÃO. Maria José Brito Zakia João Dagoberto dos Santos Walter de Paula Lima

Anexo II. Plano de Manejo Sustentável de Plantações Florestais. I - INTRODUÇÃO. Maria José Brito Zakia João Dagoberto dos Santos Walter de Paula Lima Anexo II Plano de Manejo Sustentável de Plantações Florestais I - INTRODUÇÃO. Maria José Brito Zakia João Dagoberto dos Santos Walter de Paula Lima O conceito chave para o estabelecimento de um plano de

Leia mais

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO CÓDIGO ESTADUAL 2007: Determinação do Sr. Governador do Estado à FATMA Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina para a elaboração de

Leia mais

2000 árvores/minuto **

2000 árvores/minuto ** http://www.nominuto.com/noticias/natureza/alertas-de-desmatamento-tiveram-aumento-de-9-na-amazonia-legal/115318/ 20 minutos: 0,2 km 2* (200.000 m 2 = 18,5 campos de futebol) da Amazônia legal; 2000 árvores/minuto

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas Professeur: R. Valcarcel PROJETO: MANEJO DA BACIA HIDROGRAFICA DO RIO BARETTE, Petit-Goave Goave, Ouest, HAITI.

Leia mais

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Fábio França Silva Araújo Departamento de Áreas Protegidas Ministério do Meio Ambiente Unidades de conservação: Espaços territoriais

Leia mais

Política Ambiental do Estado de São Paulo

Política Ambiental do Estado de São Paulo Política Ambiental do Estado de São Paulo IV Encontro de Gestores Ambientais Compromisso dos Municípios SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Desafios do Século XXI Causas

Leia mais

Tortuga Câmaras de Ar

Tortuga Câmaras de Ar A Tortuga Câmaras de Ar entende que desenvolvimento só é válido se for socialmente justo e ecologicamente correto. Acredita que a consciência do indivíduo e das empresas em preservar o meio ambiente e

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

O SR. CARLOS SOUZA (PP-AM) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O SR. CARLOS SOUZA (PP-AM) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O SR. CARLOS SOUZA (PP-AM) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a seca que atinge o Estado do Amazonas é a maior desde 1963, e está conectada a alterações climáticas

Leia mais

bacia do Amazonas Rios, climas e homens

bacia do Amazonas Rios, climas e homens Rios, 5 Poderoso Amazonas O Amazonas, rio mais poderoso e um dos mais longos, maior bacia hidrográfica do mundo, é o rio de todos os recordes. Os componentes do Amazonas descem a Cordilheira dos Andes,

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007 LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas Pegada Ecológica Bernardo Augusto bra@civil.ist.utl.pt 26 de Novembro de 2007 Conceito de Capital Natural; Definição de

Leia mais

Análise crítica da Sustentabilidade e da Pegada Ecológica

Análise crítica da Sustentabilidade e da Pegada Ecológica Q 2 Consumidores Decom- positores 3 Análise crítica da Sustentabilidade e da Pegada Ecológica III Workshop Internacional de Produção Mais Limpa UNIP, SP, 19 de maio de 2011 Conteúdo desta apresentação

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Departamento de Gestão Estratégica Departamento de Articulação de Ações na Amazônia Departamento de Economia e Departamento de Fomento ao Desenvolvimento

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends Serviços Ambientais OFICINA DE FORMACAO Rio Branco, Acre 12 de Marco, 2013 Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Programa Comunidades - Forest Trends Promovendo participação e beneficios

Leia mais

Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas

Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas Ciclone Catarina: evidência de mudança a do clima? Evidência do Aquecimento Global Emissões Globais 70-75% 75% das Emissões de GEE Queima de Combustíveis

Leia mais

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 Lições do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares e perspectivas para a conservação da biodiversidade no Plano Pluri Anual 2012/2015 III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS? QUAL A RELAÇÃO ENTRE COBERTURA FLORESTAS,

Leia mais