ÍNDICE 1 MONTAGEM, ARTICULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA REDE DE NEGÓCIOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE 1 MONTAGEM, ARTICULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA REDE DE NEGÓCIOS."

Transcrição

1 ÍNDICE INTRODUÇÃO: 1 MONTAGEM, ARTICULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA REDE DE NEGÓCIOS. 2 IDENTIFICAÇÃO 3 EXPLICAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO 4 PROSPECÇÃO E RECRUTAMENTO 5 VENDA DIRETA COMO CANAL DE NEGÓCIO 6 COMUNICAÇÃO COM A MÍDIA 7 DUPLICIDADE DE PATROCÍNIO OU MUDANÇA DE LINHA 8 RELAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA 9 CONCORRÊNCIA ENTRE EMPRESAS 10 CADASTRO DE FAMILIARES DIRETOS 11 RESCISÃO DE CONTRATO, DESLIGAMENTO DO PLANO DE NEGÓCIOS E CONGELAMENTO DE CONTA 12 VALIDADE DESTE MANUAL MANUAL DE ÉTICA E DISCIPLINA

2 MANUAL DE ÉTICA E DISCIPLINA A SEGURALTA PRIME é uma empresa que tem seus valores fundados em respeito aos seus Consultores, responsabilidade social e ética nas relações. Este Manual de Ética e Disciplina, traz orientações gerais para um bom relacionamento entre a SEGURALTA PRIME e seus Consultores, além da relação dos Consultores entre si. Este manual possui todas as regras necessárias para que a atividade desenvolvida pelos Consultores Independentes SEGURALTA PRIME sejam guiadas pela ética, pelo respeito e pela responsabilidade, e a SEGURALTA PRIME adotará todos os meios que lhe couberem para assegurar que as normas disciplinadas deste manual sejam cumpridas. Seguir de acordo com as diretrizes aqui expostas, permite a você ter a certeza de que as oportunidades serão justas e igualitárias para todos, além de garantir aos Consultores Independentes o máximo de liberdade, de maneira que possam empregar quaisquer técnicas, habilidades ou metodologias criativas para atrair e recrutar novos Consultores que, mediante o emprego de esforço pessoal, desejam aderir a esta oportunidade de negócio. Além disso, é fundamental que você, Consultor Independente SEGURALTA PRIME, leia e compreenda também todos os termos do nosso MANUAL, para que possa desenvolver seu negócio da melhor maneira possível e de forma segura. Agindo de acordo com as normas da empresa, quem ganha é você e o seu negócio. 1. MONTAGEM, ARTICULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA REDE DE NEGÓCIOS. A SEGURALTA PRIME exige que seus Consultores Independentes adotem práticas comerciais alicerçadas na lisura e lealdade e busquem, recrutem e patrocinem novos Consultores Independentes de maneira ética e legal. Na qualidade de Consultor Independente SEGURALTA PRIME, você poderá empregar métodos próprios para buscar, recrutar ou patrocinar potenciais Consultores Independentes. Entretanto, é de suma importância que os métodos utilizados pautem-se na ética e estejam em perfeita consonância com as regras deste Manual de Ética e Disciplina e, sobretudo, não ofendam nenhum dispositivo legal. A comercialização de produtos, recrutamento, patrocínio e capacitação são fundamentais para o Marketing de Rede. Sabendo disso, a SEGURALTA PRIME estimula um

3 ambiente saudável e responsável para seus Consultores Independentes através de treinamentos presenciais e online. Com base nessas premissas, é VEDADO ao Consultor Independente: a. Utilizar práticas de recrutamento que se verifiquem enganosas, desleais ou que induzam o interessado, participante ou consumidor ao erro; b. Fazer declarações difamatórias ou desencorajadoras à empresa ou em relação a outro Consultor Independente; c. Almejar, aliciar ou, por qualquer método ou modo, tentar recrutar Consultores Independentes já cadastrados ou pré-cadastrados na SEGURALTA PRIME ou que já tenham estabelecido um relacionamento com outro Consultor Independente; d. Fazer quaisquer declarações falsas ou enganosas a respeito dos produtos, do plano de negócios, deste manual, da empresa, de seu quadro diretivo ou de outros Consultores Independentes; e. Induzir uma pessoa a adquirir bens ou serviços com base na perspectiva de obtenção de vantagem em troca da indicação de potenciais consumidores; f. Praticar quaisquer atos que não estejam pautados na honestidade, integridade, dignidade, profissionalismo, respeito, responsabilidade e edificação de outros Consultores Independentes; g. Anunciar por qualquer via, dizeres que insinuem contratação de funcionários por parte da SEGURALTA PRIME; h. Utilizar o nome ou logo marca da SEGURALTA PRIME de forma corporativa ou institucional, em jornais, materiais impressos, sites ou qualquer outro meio sem prévia autorização. Neste caso, o Consultor Independente deverá inserir seus dados pessoais e deixar claro, com letras em destaque: tratar-se de material independente, sem qualquer vinculação com a SEGURALTA PRIME. i. Agir ou assumir obrigações em nome da SEGURALTA PRIME de forma corporativa ou institucional; j. Fazer comentários depreciativos a respeito de outros Consultores Independentes, da própria SEGURALTA PRIME ou mesmo de empresas concorrentes como forma de obtenção de vantagem; k. Promover a venda de produtos e serviços que não estejam em conformidade com os oferecidos pela SEGURALTA PRIME; l. Usar documentos, senhas, dados ou códigos de outro Consultor Independente sem sua

4 expressa autorização; m. Acessar o Escritório Virtual de outro Consultor Independente sem sua expressa autorização; n. Fazer mudança de linha, patrocínio cruzado ou aliciamento; o. Envolver-se em atividades ilegais ou que venham gerar descrédito à SEGURALTA PRIME ou seu modelo de negócio; p. Praticar ou participar de qualquer ação ou omissão que gere descrédito ou insatisfação a outros Consultores Independentes ou a consumidores; q. Jamais se fazer valer da palavra Corretor de Seguro, pois não é a função do Consultor Independente, necessitando para tal registro no órgão regulamentador, SUSEP. q. Violar as regras deste Manual de Ética e Disciplina. São DEVERES dos Consultores Independentes: a. Trabalhar com lealdade e honestidade na criação e preservação de sua rede; b. Possuir e dar informações concretas, claras e verdadeiras sobre os produtos, serviços e prazos de pagamento, além de oferecer respostas precisas para as perguntas dos Consultores e consumidores; c. Respeitar os Consultores e consumidores dos produtos da SEGURALTA PRIME; d. Prestar toda a assistência necessária para ajudar na compreensão do modelo de negócio, mesmo que o Consultor não faça parte de sua rede; e. Sempre pautar seu comportamento de maneira ética, moral e legal; f. Preservar a SEGURALTA PRIME de qualquer responsabilidade decorrente de sua ação ou omissão que eventualmente tenha causado danos a terceiros; g. Ser verdadeiro durante a apresentação dos produtos e plano de negócios da SEGURALTA PRIME, sem utilizar padrões comparativos inverídicos ou simulações enganosas; 2. IDENTIFICAÇÃO Ao iniciar a atividade de revenda, o Consultor Independente SEGURALTA PRIME deve, mesmo que não seja solicitado, apresentar-se com clareza e fidedignidade, identificando a empresa cujos produtos está comercializando, a natureza desses produtos e o objetivo de sua abordagem ao potencial consumidor ou Consultor Independente sempre de modo

5 apresentável e profissional. 3. EXPLICAÇÃOE DEMONSTRAÇÃO O Consultor Independente deve oferecer ao consumidor explicações e demonstrações precisas e completas sobre preço do produto, condições de crédito e prazos de pagamento, além do direito de arrependimento e das políticas de devolução. O Consultor Independente deve sempre fornecer respostas precisas e inteligíveis para as perguntas do consumidor, informando carências de serviços e como o consumidor deverá proceder para usar todos os produtos e serviços PRIME. 4. PROSPECÇÃO E RECRUTAMENTO a. É terminantemente proibido o uso de materiais gráficos ou virtuais que NÃO sejam os PADRONIZADOS E FORNECIDOS pela empresa. Estando todos em seu escritório virtual, com risco de ter o ID CANCELADO; b. É proibido o uso de SPAM como forma de prospecção; c. Usar domínios no quais contenham as palavras SEGURALTA ou SEGURALTA PRIME, podendo utilizar conteúdos INTERNOS em seu site, com domínios diferentes. Utilizar sempre internamente no site os conteúdos e informações OFICIAIS da empresa. d. O Consultor Independente poderá utilizar-se de conferências online, distribuição de cartões de visita, folders, informativos, ações externas, desde que utilize os materiais fornecidos e/ou aprovados previamente pelo Departamento de Marketing da empresa através do e. Para auxiliar no recrutamento, os Consultores Independentes podem fazer uso de reuniões diárias, semanais e mega reuniões mensais seguindo o padrão de modelo do STP e informando suas atividades de rotinas para o departamento de comunicação da empresa através do Todo modelo de apresentação terá um passo a passo dentro do escritório virtual e deverá ser mantido o padrão. Sugestões serão sempre bem vindas para inovação do nosso modelo de negócio.

6 5. VENDA DIRETA COMO CANAL DE NEGÓCIOS A venda direta deve ser entendida como aquela em que produtos e serviços são apresentados diretamente ao consumidor, por intermédio de explicações e demonstrações pessoais. No Brasil, o vendedor direto em geral é um revendedor autônomo e independente, que adquire produtos das empresas de vendas diretas e os revende a seus clientes, com uma margem de lucro. O sistema adotado pela SEGURALTA PRIME para a distribuição dos produtos é de venda direta ou porta a porta, segundo o qual o Consultor Independente se desloca até a casa ou estabelecimento do consumidor, realiza a apresentação, os esclarecimentos, as demonstrações e faz a venda do produto. A premissa da venda direta porta a porta, portanto, é anunciar, vender e distribuir produtos e/ou serviços através de relacionamentos e contatos diretos. 6. COMUNICAÇÃO COM A MÍDIA A SEGURALTA PRIME deve manter contato exclusivo e fornecer as informações a todas e quaisquer indagações da mídia. Portanto, os Consultores Independentes estão proibidos de fornecer qualquer informação ou responder quaisquer indagações em nome da SEGURALTA PRIME, de forma corporativa ou institucional. Caso em sua cidade alguma pessoa da mídia entre em contato para saber acerca do nosso negócio, produtos ou planos, o Consultor Independente deverá entrar em contato imediatamente com a empresa no Departamento de Comunicação que fará as adequações e autorizações necessárias para tal. 7. DUPLICIDADE DE PATROCÍNIO OU MUDANÇA DE LINHA Todo Consultor Independente SEGURALTA PRIME pode ter apenas um cadastro em seu CPF junto à empresa, não sendo admitida a duplicidade de patrocínio, ainda que de forma mascarada, sob pena de caracterização de duplo patrocínio. O Consultor Independente SEGURALTA PRIME não poderá usar o nome de cônjuges, parentes ou terceiros próximos, nomes comerciais, fantasia ou fictícios, pessoas jurídicas, registros gerais falsos ou números de identificação fictícios para driblar esta política. O duplo patrocínio representa uma séria ameaça à estabilidade e à seriedade de qualquer

7 organização de distribuição. Não é permitida a mudança de linha de patrocínio. Neste caso, o Consultor Independente SEGURALTA PRIME deverá ter seu ID cessado e adentrar novamente, agora na linha desejada, mas sempre na condição de iniciante, não tendo sua adesão restituída; Para justificar a mudança de patrocínio por abandono ou enganação, o Consultor Independente deverá enviar a ficha de cancelamento e os motivos para Portanto, o Consultor Independente SEGURALTA PRIME não poderá planejar ou se envolver em atividades que sugiram mudança de linha ou duplo patrocínio. Nesse caso, havendo fundados indícios de duplo patrocínio, o Consultor que for duplamente patrocinado perderá qualquer direito sobre o ID e sobre a rede gerados na segunda linha de patrocínio. Assim, a rede será comprimida dinamicamente, permanecendo inalterado o status do primeiro patrocínio. Caso se comprove a ciência do segundo patrocinador, este, se reincidente, poderá ter seu ID suspenso por período de até 06 (seis) meses. 8. RELAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA A SEGURALTA PRIME não proíbe seus Consultores Independentes de participarem concomitantemente de outros negócios de marketing de rede. Os Consultores Independentes da SEGURALTA PRIME podem participar de outros negócios de venda direta, marketing de rede ou multinível, desde que não solicitem ou recrutem direta ou indiretamente outros Consultores Independentes da SEGURALTA PRIME, não façam uso dos meios disponibilizados por ela ou do relacionamento pessoal obtido através dela. Caracterizada esta ocorrência, haverá grave violação a este manual, que resultará na rescisão do contrato e no desligamento do Consultor Independente SEGURALTA PRIME da rede de negócios.

8 9. CONCORRÊNCIA ENTRE EMPRESAS É vedado ao Consultor, no desempenho de sua atividade, depreciar, difamar ou proferir qualquer opinião pejorativa acerca de outras empresas, concorrente ou não da SEGURALTA PRIME, assim como tecer comparações de produtos ou serviços com intenção de depreciar marca alheia, fazendo alegações enganosas. Os pontos de comparação devem ser baseados em fatos que possam ser comprovados. A SEGURALTA PRIME não autoriza seu Consultor a aliciar redes de outras empresas. Eventuais convites não poderão estar condicionados a uma rescisão do contrato com outra empresa. Os Consultores infratores poderão ser penalizados com suspensão provisória do ID ou até mesmo com a rescisão de seu contrato de Consultor Independente. 10. RESCISÃO DE CONTRATO, DESLIGAMENTO DO PLANO DE NEGÓCIOS E CONGELAMENTO DE CONTA A rescisão do contrato de Consultor Independente SEGURALTA PRIME é um evento com alterações significativas para a rede de negócios. Por esta razão, a SEGURALTA PRIME possui políticas claras e rígidas para o caso de rescisão, que pode se dar da seguinte maneira: 1. Pedido voluntário por parte do Consultor Independente SEGURALTA PRIME; 2. Consultor Independente que permaneça inativo pelo prazo de 6 (seis) meses; 3. Em caso de descumprimento das normas deste Manual de Ética e Disciplina; 4. O Consultor Independente pode previamente, de acordo com o Conselho de Ética, ter sua conta congelada por prazo indeterminado ou ser excluído do sistema. Independentemente das razões que motivaram a rescisão do contrato, após a sua ocorrência o Consultor Independente perderá automaticamente qualquer direito sobre a rede de que participava. Depois de consumada a rescisão, o Consultor Independente somente poderá aderir novamente à SEGURALTA PRIME depois de transcorrido o prazo de 3 (três) meses, contados da data da rescisão, e retornará sob a condição de iniciante, através de um novo cadastro sem qualquer direito sobre a rede que possuía antes.

9 No caso de rescisão por descumprimento deste Manual de Ética e Disciplina, a aceitação do retorno do Consultor Independente caberá exclusivamente à SEGURALTA PRIME. Entretanto, também nestes casos, o Consultor Independente SEGURALTA PRIME deverá efetuar um novo cadastro, na condição de iniciante e submeter- se ao prazo transcrito no parágrafo anterior. 11. VALIDADE DESTE MANUAL As regras deste manual valem a partir de 01/01/2014. Processo e Comissão Disciplinar Art. 1o - A Comissão Disciplinar é o órgão competente para conduzir e analisar os casos envolvendo infração ao Manual de Ética e Disciplina ou qualquer outro regimento aplicável a seus Consultores Independentes. Parágrafo 1o - A Comissão Disciplinar será composta por Ex.: 3 (três) membros da Diretoria e 2 (dois) membros Consultores Independentes com qualificação não inferior a Duplo Diamante, nomeados pelo Presidente da SEGURALTA PRIME, com mandato de 2 (dois) anos, sempre prorrogáveis à critério da presidência. Parágrafo 2o - Não poderá participar de eventual apuração o cônjuge, companheiro ou parente do acusado, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, assim como aquele que direta ou indiretamente tenha interesse pela a manutenção ou exclusão do acusado. Art.2o-O processo disciplinar é o instrumento destinado a apurar a responsabilidade de todo e qualquer participante, pessoa física ou jurídica, do sistema de vendas diretas e marketing de relacionamento desenvolvido pela SEGURALTA PRIME. Art. 3o - A Comissão Disciplinar exercerá suas atividades com independência e imparcialidade, assegurado o sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo interesse da SEGURALTA PRIME. Parágrafo único - As reuniões e as audiências das comissões terão caráter reservado. Art.4o- O processo disciplinar se desenvolve nas seguintes fases: I - Instauração, com a descrição do ato e a tipificação da infração proveniente de qualquer Consultor Independente; II - Instrução, que compreende a fase de provas, defesa e decisão. Art. 5o - O processo disciplinar não se iniciará de ofício, mas dependerá de acusação

10 formal, escrita, com um breve resumo dos fatos e assinada por no mínimo um Consultor Independente, podendo ser em forma física, dirigida ao endereço da SEGURALTA PRIME, ou virtual, para O . Parágrafo Único - Não serão aceitas denúncias vazias e sem um mínimo de razoabilidade na acusação. Art. 6o - O prazo para a conclusão do processo disciplinar dependerá da complexidade e da gravidade dos fatos envolvidos, mas não excederá 12 (doze) meses, contados da data da entrega da denúncia. Art. 7o - O processo obedecerá ao princípio do contraditório, assegurada ao acusado ampla defesa que será exercida em até 10 (dez) dias após sua ciência da instauração do processo disciplinar, podendo ele fazer uso de todos os meios e recursos admitidos em direito. Parágrafo Único A ausência de defesa do acusado importará na aceitação dos fatos que lhe são imputados. Art. 8o - Na fase de instrução, a Comissão Disciplinar SEGURALTA PRIME poderá, a seu exclusivo critério, promover a tomada de depoimentos, acareações, investigações e diligências cabíveis, objetivando a coleta de prova para elucidação dos fatos. Parágrafo 1o A Comissão Disciplinar SEGURALTA PRIME poderá denegar pedidos considerados impertinentes, meramente protelatórios ou de nenhum interesse para o esclarecimento dos fatos. Parágrafo 2o - Na hipótese de indícios de veracidade de violação de qualquer disposição do Manual de Ética e Disciplina, a SEGURALTA PRIME poderá adotar quaisquer medidas que julgar pertinentes para impedir danos irreparáveis à empresa ou a qualquer um de seus Consultores Independentes, incluindo, mas não se limitando a, suspensão provisória do ID e das atividades pelo tempo que perdurar o processo disciplinar. Art. 9o - A decisão será sempre conclusiva quanto à inocência ou à responsabilidade do acusado. Art. 10o - Reconhecida a responsabilidade do acusado, a depender da infração, a comissão indicará a sanção aplicável, que consiste em: I. Retratação formal; II. Suspensão temporária do ID e das atividades (neste caso o Consultor Independente perderá o direito sobre o bônus durante o período de suspensão); III. Multas; IV. Rescisão do Contrato com cassação do ID e perda de qualquer direito sobre a rede.

11 Art. 11o - No caso de a decisão concluir pela inocência do acusado que teve sua atividade temporariamente suspensa, não será devida qualquer indenização ou reembolso retroativo, haja vista que, pela modalidade de negócio da SEGURALTA PRIME, a rede será comprimida dinamicamente, e eventuais bônus serão pagos às outras gerações. A SEGURALTA PRIME PRIORIZA A SUA SEGURANÇA E DOS SEUS CLIENTES! SUCESSO Á TODOS! MANUAL DE ÉTICA E DISCIPLINA

DE ÉTICA E MANUAL DISCIPLINA

DE ÉTICA E MANUAL DISCIPLINA DE ÉTICA E MANUAL DISCIPLINA 2 www.upessencia.com.br MANUAL DE ÉTICA E DISCIPLINA ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 MONTAGEM, ARTICULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA REDE DE NEGÓCIOS 2. IDENTIFICAÇÃO 3. EXPLICAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Manual de Ética e Disciplina

Manual de Ética e Disciplina Manual de Ética e Disciplina 2 PREFÁCIO.... 3 SEU NEGÓCIO 2BETTER.... 4 RCI - REDE DE CONSULTORES INDEPENDENTES.... 4 USO DAS REDES SOCIAIS.... 5 USO DO PORTAL 2B.... 7 PROSPECÇÃO E RECRUTAMENTO.... 7

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE CADASTRAMENTO DE CONSULTOR(A) E CONDIÇÕES DE VENDA DIRETA

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE CADASTRAMENTO DE CONSULTOR(A) E CONDIÇÕES DE VENDA DIRETA INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE CADASTRAMENTO DE CONSULTOR(A) E CONDIÇÕES DE VENDA DIRETA Pelo presente instrumento particular de contrato de cadastramento de CONSULTOR(A) e condições de venda direta,

Leia mais

OFICIAL MANUAL DO MRR

OFICIAL MANUAL DO MRR OFICIAL MANUAL DO MRR 2 www.upessencia.com.br MANUAL OFICIAL DO MRR UP! ÍNDICE 1 - Conheça a UP! 2 - Glossário 3 - Ingressando na UP! 4 - Plano de Evolução Pessoal UP! (PEP) 5 - Níveis de qualificação

Leia mais

MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA

MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA 2013 1 2 MANUAL DE ÉTICA E CONDUTA ÍNDICE EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS página 5 SEÇÃO A Diretrizes sobre Marcas, Imagem e Reputação da POLISHOP página 6 SEÇÃO

Leia mais

Ética e Normas de Conduta

Ética e Normas de Conduta Ética e Normas de Conduta CÓDIGO DE ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA MICROFRANQUEADO INOVATYON I - DAS NORMAS GERAIS Artigo 1.º - O presente Código de Ética e Normas de Conduta, ora denominado Código de Ética,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, POSTURAS E NORMAS DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA, POSTURAS E NORMAS DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA, POSTURAS E NORMAS DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA, POSTURAS E NORMAS DE CONDUTA Versões traduzidas de políticas e contratos jurídicos são fornecidas apenas como uma conveniência para facilitar

Leia mais

Termos e Condições de uso do sistema PAGUEVELOZ

Termos e Condições de uso do sistema PAGUEVELOZ Termos e Condições de uso do sistema PAGUEVELOZ Este documento constitui um contrato de adesão ("Contrato") entre o proponente ("USUÁRIO"), qualificado na ficha de cadastro online e a PAGUEVELOZ Serviços

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RDP PETRÓLEO

CÓDIGO DE ÉTICA RDP PETRÓLEO Página: 1/5 Capítulo I Do Objetivo 1. Art. 1 O presente Código de Ética estabelece os princípios e as regras de autodisciplina a serem observados por todos os colaboradores da RDP REJAILE Distribuidora

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.872, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002. (publicada no DOE nº 245, de 20 de dezembro de 2002) Dispõe sobre a promoção

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

CÓDIGO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO FRANCHISING

CÓDIGO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO FRANCHISING CÓDIGO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO FRANCHISING PREFÁCIO OBJETIVO E PRINCÍPIOS GERAIS DEFINIÇÕES Franchising ou Sistema de Franquia Franquia Master Franquia Franqueador Franqueado Fornecedor do Sistema de

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Objetivos da POLÍTICA 1. Esta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( POLÍTICA ) estabelece as diretrizes e os procedimentos que orientam a WEG S.A., as empresas

Leia mais

Manual de Negócios. Para nós o que importa é o caráter da pessoa, a humildade e o desejo de sempre aprender coisas novas.

Manual de Negócios. Para nós o que importa é o caráter da pessoa, a humildade e o desejo de sempre aprender coisas novas. Manual de Negócios Introdução 1- Conhecendo a Alleanza Group 2- Iniciando seu negócio 3-Plano de Marketing Alleanza Group 4-Escritório Virtual 5- Normas e Regras Gerais 6-Código de Ética 1- Conhecendo

Leia mais

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 01, Amparo, 09 abril de 2013. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA E REDES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO, VISANDO ESTABELECER UMA POLÍTICA DE

Leia mais

Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise

Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise Introdução Em cumprimento à Instrução nº 483 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 6 de julho de 2010, alterada pela Instrução nº 538,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS GUIAS DE TURISMO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Seção I Do Conceito

CÓDIGO DE ÉTICA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS GUIAS DE TURISMO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Seção I Do Conceito CÓDIGO DE ÉTICA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS GUIAS DE TURISMO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Seção I Do Conceito Art. 1º Este Código compreende normas de conduta e normas técnicas de caráter obrigatório para os

Leia mais

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas.

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. 2.4 Promessas Verbais. 3 Diante do Plano de Marketing 4 - Conselhos

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Ética da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Regimento Interno da Comissão de Ética da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre A Comissão de Ética da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, com base na resolução nº 10, de 29 de setembro de 2008, da Comissão de Ética Pública, estabelece o seguinte Regimento Interno:

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

CONTRATO DE FRANQUIA COMERCIAL POR MEIO ELETRÔNICO

CONTRATO DE FRANQUIA COMERCIAL POR MEIO ELETRÔNICO CONTRATO DE FRANQUIA COMERCIAL POR MEIO ELETRÔNICO Pelo presente instrumento particular de Contrato de Franquia Comercial, que fazem entre si,de um lado FRANQUEADO, e de outro lado PRONTOTEL -sob o CNPJ

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA PARA VENDA DE PRAZO DETERMINADO NUTRYER COMÉRCIO DE PRODUTOS NATURAIS & ESTÉTICA LTDA. - ME,

CONTRATO DE PARCERIA PARA VENDA DE PRAZO DETERMINADO NUTRYER COMÉRCIO DE PRODUTOS NATURAIS & ESTÉTICA LTDA. - ME, CONTRATO DE PARCERIA PARA VENDA DE PRAZO DETERMINADO NUTRYER COMÉRCIO DE PRODUTOS NATURAIS & ESTÉTICA LTDA. - ME, As partes abaixo identificadas têm, entre si, justo e acertado o presente Contrato de Parceria

Leia mais

BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa

BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa 1. Natureza e Abrangência dos Procedimentos 1.1. Os Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa ( Procedimentos ) constituem

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

1 - www.upessencia.com.br

1 - www.upessencia.com.br 1 - www.upessencia.com.br Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Conheça a UP! Glossário Ingressando na UP! Plano de Evolução Pessoal UP! (PEP) - níveis de qualificação Plano de Marketing de Relacionamento Responsável

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A. 1. Princípio Geral: Escopo 1.1 A POLÍTICA estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados pela Companhia e pessoas

Leia mais

REGULAMENTO. 1)Definições

REGULAMENTO. 1)Definições REGULAMENTO A Consolidadora Sakuratur, com sede na Avenida da Liberdade, 21, 8º andar, Cj. 805 - Liberdade, CEP 01503-000, São Paulo, doravante designada simplesmente Sakuratur, com base no presente regulamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

TERMOS DE ADESÃO E USO DOS SERVIÇOS DATIX CLOUD CENTER

TERMOS DE ADESÃO E USO DOS SERVIÇOS DATIX CLOUD CENTER TERMOS DE ADESÃO E USO DOS SERVIÇOS DATIX CLOUD CENTER A DATIX Coud Center provê locação de Servidores Virtuais e hospedagem de sites. Tem a responsabilidade de proteger cada cliente e lhes proporcionar

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 1º Comissão de Ética do Ministério da Educação MEC, constituída pela Portaria nº de 623

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES IMPOSTAS A CONTRATAÇÃO DOS PRODUTOS ZATTRY

DECLARAÇÃO DE ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES IMPOSTAS A CONTRATAÇÃO DOS PRODUTOS ZATTRY DECLARAÇÃO DE ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES IMPOSTAS A CONTRATAÇÃO DOS PRODUTOS ZATTRY Nome: RG: CPF: Data de Nascimento: Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: E-mail: Telefone Celular: ( ) Telefone Residencial:

Leia mais

TERMOS DE USO DO CLASSIFICADOS DO JORNAL SMC EM FOCO

TERMOS DE USO DO CLASSIFICADOS DO JORNAL SMC EM FOCO TERMOS DE USO DO CLASSIFICADOS DO JORNAL SMC EM FOCO Para os fins deste documento, devem ser consideradas as seguintes definições e descrições para seu melhor entendimento: - Classificados do Jornal SMC

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

PROPOSTA DE INTERMEDIAÇÃO DE NEGÓCIOS. ENTRE WORLDXCHANGE INTERMEDIAÇÃO DE NEGÓCIOS LTDA, pessoa

PROPOSTA DE INTERMEDIAÇÃO DE NEGÓCIOS. ENTRE WORLDXCHANGE INTERMEDIAÇÃO DE NEGÓCIOS LTDA, pessoa PROPOSTA DE INTERMEDIAÇÃO DE NEGÓCIOS DE VOZ SOBRE IP ENTRE WORLDXCHANGE INTERMEDIAÇÃO DE NEGÓCIOS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Cidade de Vitória, Estado do Espírito Santo, na

Leia mais

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum.

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum. 1. 1.1. O referente à Certificação de Correspondentes no País Modalidade Transacional (chamado a partir de agora de ), tem por base a legislação que rege a atuação dos correspondentes no País, pela atuação

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE SOFTWARE E PARTICIPAÇÃO AO PROGRAMA DE RECOMENDAÇÃO REMUNERADA SKYDOO (PRRS)

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE SOFTWARE E PARTICIPAÇÃO AO PROGRAMA DE RECOMENDAÇÃO REMUNERADA SKYDOO (PRRS) Entre si fazem, de um lado "SKYDOO", e, de outro lado, a pessoa física no cadastro eletrônico do site (WWW.skydoo.b22.us), doravante denominada "Contratante", "Divulgador Independente", "Membro", "Participante",

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO COLABORAÇÃO POR APROXIMAÇÃO

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO COLABORAÇÃO POR APROXIMAÇÃO INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO COLABORAÇÃO POR APROXIMAÇÃO Das Partes: ALTO CONSUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL EM MARKETING DE CONSUMO E DE RELACIONAMENTO LTDA, figurando sob o nome fantasia de ALTO CONSUMO,

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços - Loja Virtual

Contrato de Prestação de Serviços - Loja Virtual Por este instrumento de Contrato de Prestação de Serviços, que celebram entre si, de um lado CLIENTE CADASTRADO na Loja Virtual Credito&Veiculo (www.creditoeveiculo.com.br), doravante denominado CONTRATANTE,

Leia mais

HCE COMÉRCIOS DE CARTÕES E JÓIAS E COSMÉTICOS LTDA ME,

HCE COMÉRCIOS DE CARTÕES E JÓIAS E COSMÉTICOS LTDA ME, CONTRATO DE PARCERIA PARA VENDA DE PRAZO DETERMINADO HCE COMÉRCIOS DE CARTÕES E JÓIAS E COSMÉTICOS LTDA ME, As partes abaixo identificadas têm, entre si, justo e acertado o presente Contrato de Parceria

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Código de Ética, Conduta e Relacionamento

Código de Ética, Conduta e Relacionamento As normas éticas possuem como pressuposto as normas morais. A ética estabelece normas de conduta as quais são destinadas a regular os atos humanos tendentes à consecução dos fins a que se propõe. O não

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Contrato de Hospedagem de Domínio na Web Última atualização: 01/01/2012 versão 1.1

Contrato de Hospedagem de Domínio na Web Última atualização: 01/01/2012 versão 1.1 CONTRATANTE PESSOA JURÍDICA,. pessoa jurídica de direito privado, residente na cidade de ( ), à, nº, centro, inscrita no CPF sob o número.., neste ato representada na forma legal, doravante denominada

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON

CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON A Revolutyon é uma Empresa regida por uma escala de valores, que se orgulha da qualidade e do caráter de todos os seus Membros. O presente Código de Ética

Leia mais

CONSIDERANDO I - Clausula 1 - CADASTRAMENTO ELETRÔNICO E ACEITAÇÃO:

CONSIDERANDO I - Clausula 1 - CADASTRAMENTO ELETRÔNICO E ACEITAÇÃO: INSTRUMENTO PARTICULAR DE CREDENCIAMENTO PARA REVENDA DE PRODUTOS SYNC POR MEIO DE LOJA VIRTUAL As partes qualificadas tem entre si justo e acordado a celebração do presente Termo de Distribuição ('Termo')

Leia mais

TERMO DE ADESÃO DESCUBRANET ASSOCIADO

TERMO DE ADESÃO DESCUBRANET ASSOCIADO 1 TERMO DE ADESÃO DESCUBRANET ASSOCIADO CLÁUSULA 1 - DAS PARTES E DA ADESÃO CLÁUSULA 1.1 ASSOCIAÇÃO Associação Descubranet Serviços de Mídia e Internet, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE IMPORTANTE:

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE IMPORTANTE: CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE IMPORTANTE: Ao aceitar eletronicamente este contrato, mediante o clique no botão pagar da página de pagamento, o cliente estará automaticamente aderindo e concordando

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 787/2014. Capítulo I Do Sistema

PROJETO DE LEI Nº 787/2014. Capítulo I Do Sistema Autor(es): VEREADOR EDSON ZANATA PROJETO DE LEI Nº 787/2014 EMENTA: DISPÕE SOBRE A INSTITUIÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE GESTÃO DA ÉTICA PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Regulamento Geral Clube de Vendas MAPFRE

Regulamento Geral Clube de Vendas MAPFRE Regulamento Geral Clube de Vendas MAPFRE O Clube de Vendas MAPFRE é um programa de incentivo criado, desenvolvido e administrado pela MAPFRE Seguros Gerais S/A, inscrito no CNPJ/MF sob nº 61.074.175/0001-38,

Leia mais

Política Antissuborno e Anticorrupção

Política Antissuborno e Anticorrupção Política Antissuborno e Anticorrupção Agosto 2015 1 de 8 Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Suborno e Pagamento de Propina... 1 5. Brindes, Presentes,

Leia mais

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso.

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso. O website e domínio www.busquecursos.co, bem como seus subdomínios, funcionalidades, conteúdo e demais aplicações e serviços (incluindo aplicações mobile) estão sujeitos aos termos e condições deste termo

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências

PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências O Congresso Nacional Decreta: CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES DO QUE SE ENTENDE

Leia mais

TERMOS DE USO DO SITE WWW.DAYCOVALINVESTE.COM.BR

TERMOS DE USO DO SITE WWW.DAYCOVALINVESTE.COM.BR TERMOS DE USO DO SITE WWW.DAYCOVALINVESTE.COM.BR Este site é de propriedade do Banco Daycoval S/A e foi desenvolvido com a finalidade de disponibilizar informações para sua correta utilização e reserva-se

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CÓDIGO DE CONDUTA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A ASSESPRO A Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação - ASSESPRO, é constituída uma sociedade civil de direito

Leia mais

1.2 Os serviços oferecidos pelo CLUBE aos ASSOCIADOS (os SERVIÇOS ) compreendem:

1.2 Os serviços oferecidos pelo CLUBE aos ASSOCIADOS (os SERVIÇOS ) compreendem: TERMOS DE USO E ADESÃO Este Termo de Uso e Adesão, doravante simplesmente denominado TERMO, disciplina as regras e condições mediante as quais a LES GOURMANDS CLUB [x], pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA WEG S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA WEG S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA WEG S.A. Objetivos da POLÍTICA 1. Esta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA Somos uma entidade essencialmente associativa, sem fins lucrativos, que dissemina o conhecimento do mundo do trabalho para desenvolver

Leia mais

TERMO DE ADESÃO VARILUX ESPECIALISTA 2015

TERMO DE ADESÃO VARILUX ESPECIALISTA 2015 TERMO DE ADESÃO VARILUX ESPECIALISTA 2015 1. DEFINIÇÕES: 1.1. PROGRAMA VARILUX ESPECIALISTA ( PROGRAMA ): programa de relacionamento que visa estimular a venda, pelas ÓPTICAS, dos produtos de fabricação

Leia mais

Código de Conduta. www.observeseguranca.com.br

Código de Conduta. www.observeseguranca.com.br Código de Conduta www.observeseguranca.com.br Carta de Apresentacao A OBSERVE nasceu com o desafio de preparar profissionais com plena atenção no seu trabalho, com correta compreensão da realidade e com

Leia mais

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Programa de Certificação Continuada CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1. O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA E CREDENCIAMENTO DE PARTICIPANTE ATIVO.

CONTRATO DE COMPRA E VENDA E CREDENCIAMENTO DE PARTICIPANTE ATIVO. CONTRATO DE COMPRA E VENDA E CREDENCIAMENTO DE PARTICIPANTE ATIVO. De um lado, a empresa: CENTER CORP. GESTÃO E NEGÓCIOS LTDA; com Matriz situada a Rua Rio Grande do Sul 904/201 Poços de Caldas / MG. CEP

Leia mais

2. PÚBLICO ALVO PRÉ-REQUISITOS. Página 1 de 6

2. PÚBLICO ALVO PRÉ-REQUISITOS. Página 1 de 6 O presente Regulamento rege o Edital e Processo de Seleção da Turma 2015 da BERRINI VENTURES, primeira aceleradora de empresas do setor de Saúde do Brasil. Criada com a experiência da Live Healthcare Media

Leia mais

Regulamento da Campanha Ganha MaiZ 2013

Regulamento da Campanha Ganha MaiZ 2013 Regulamento da Campanha Ganha MaiZ 2013 O presente regulamento tem por finalidade disciplinar a Campanha "Ganha Maiz, que constitui um programa de relacionamento e que tem por objetivo exclusivo, atendidas

Leia mais

Código de Ética FTEC

Código de Ética FTEC CÓDIGO DE ÉTICA Código de Ética FTEC O Código de ética FTEC estabelece um conjunto de normas e valores que visam orientar as relações entre os membros da comunidade acadêmica entre si, com a Instituição,

Leia mais

Regulamento Campanha Voe com a Zurich Edição 2014

Regulamento Campanha Voe com a Zurich Edição 2014 Regulamento Campanha Voe com a Zurich Edição 2014 1. DA CAMPANHA 1.1. O presente regulamento tem por finalidade disciplinar a Campanha "Voe com a Zurich, que constitui um programa de relacionamento e que

Leia mais

ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014

ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014 Edição 1133 Publicação:04/02/2014 - Revogou expressamente os Atos-PGJ n. 14/1999 e 07/2003, art. 14. ATO PGJ N. 06, DE 28 DE JANEIRO DE 2014 Regulamenta o estágio probatório dos servidores do Ministério

Leia mais

Manual de normas Mega Nível

Manual de normas Mega Nível Manual de normas Mega Nível Apresentando as regras do seu negócio www.meganivel.com.br MANUAL MEGANÍVEL 1 A Empresa 1.1 A missão 1.2 Objetivos 1.3 Marketing Multinível MEGA NÍVEL 1.4 Como funciona o Marketing

Leia mais

1 / 25. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO(A) EMPREENDEDOR(A) JUV Válido a partir de 01/12/2014

1 / 25. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO(A) EMPREENDEDOR(A) JUV Válido a partir de 01/12/2014 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO(A) EMPREENDEDOR(A) JUV A JUV é uma empresa que tem como atividade a venda de semijoias e bijuterias, assim como diversos outros acessórios. A JUV acredita que sua marca vai transformar

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO EDT. - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDIÇÃO AUDIOVISUAL

REGIMENTO INTERNO EDT. - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDIÇÃO AUDIOVISUAL REGIMENTO INTERNO EDT. - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDIÇÃO AUDIOVISUAL DA FINALIDADE Este Regimento Interno complementa e disciplina as disposições do Estatuto da EDT. - Associação de Profissionais

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS NORMAS E PROCEDIMENTOS Política de Privacidade: A política de privacidade tem como objetivo deixar claro o compromisso da Like Angola LDA. em garantir a proteção dos dados solicitados. Não fornecemos informações

Leia mais

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST SUMÁRIO Histórico das Alterações... 2 1 Condições Gerais... 3 2 Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 3 Abertura de Processo do Selo de... 6 4 Processo Técnico Certificação... 6 5 Processo

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa Caro colaborador, A prática do Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa é tão importante que fazemos questão que cada colaborador tenha seu próprio

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 1 / 6 CAPÍTULO V DOS OPERADORES DE PREGÃO 5.1 DOS OPERADORES 5.1.1 O Operador é o profissional, especialmente credenciado perante a Bolsa, que representa a Sociedade Corretora no Recinto de Negociação

Leia mais

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE.

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total CONTRATOS REGULAMENTAÇÃO DOS CORRETORES E DO CONTRATO DE CORRETAGEM DO CORRETOR

Leia mais

CONTRATO DE FRANQUIA

CONTRATO DE FRANQUIA CONTRATO DE FRANQUIA IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES FRANQUEADORA: FCJ PARTICIPAÇÕES S.A., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 19.377.663/0001-58, com sede na Avenida

Leia mais

2. Cada plano possuirá valor definido na tabela de preços da PRESTADORA, vigente ao tempo da contratação.

2. Cada plano possuirá valor definido na tabela de preços da PRESTADORA, vigente ao tempo da contratação. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, EMAIL MARKETING PRESTADORA DNSLINK SOLUÇÕES PARA INTERNET LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº. 11.170.163/0001-39, com sede na Av. Jequitibá 685, sala 328, Águas Claras

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA

CONTRATO DE PARCERIA CONTRATO DE PARCERIA 1. DAS PARTES INTOO SERVIÇOS FINANCEIROS E DE INFORMAÇÃO NA INTERNET LTDA., sociedade limitada inscrita no CNPJ/MF sob nº 18.027.353/0001-40, com sede na Praça Dom José Gaspar, 76,

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PLATAFORMA DE E-COMMERCE CO-BRANDED

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PLATAFORMA DE E-COMMERCE CO-BRANDED CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PLATAFORMA DE E-COMMERCE CO-BRANDED Pelo presente instrumento particular, entre as PARTES: De um lado, como LICENCIADO: LICENCIADO, conforme dados preenchidos pelo

Leia mais

PROMOÇÃO SEMEANDO BEM ESTAR REGULAMENTO GERAL- MARÇO/2011 DISPOSIÇÕES GERAIS

PROMOÇÃO SEMEANDO BEM ESTAR REGULAMENTO GERAL- MARÇO/2011 DISPOSIÇÕES GERAIS PROMOÇÃO SEMEANDO BEM ESTAR REGULAMENTO GERAL- MARÇO/2011 DISPOSIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª: O CEBEM - Centro do Bem Estar e Qualidade de Vida, na pessoa do seu proprietário e fundador, comunica a todos os

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 155, DE 14 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 155, DE 14 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 155, DE 14 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais