ESCOLA PRIMÁRIA EM GOIÁS ( ): ENTRE CIDADES E FAZENDAS, A ESCOLARIZAÇÃO COMO DISPOSITIVO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA PRIMÁRIA EM GOIÁS (1930-1960): ENTRE CIDADES E FAZENDAS, A ESCOLARIZAÇÃO COMO DISPOSITIVO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL"

Transcrição

1 1 ESCOLA PRIMÁRIA EM GOIÁS ( ): ENTRE CIDADES E FAZENDAS, A ESCOLARIZAÇÃO COMO DISPOSITIVO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL Profa. Dra. Rubia-Mar Nunes Pinto Faculdade de Educação Física/Universidade Federal de Goiás Em Goiás, o período é um tempo marcado pelo crescimento (não linear) da rede de escolas e pela acentuada diversidade de iniciativas e agentes no debate sobre a escola primária goiana e na construção e manutenção de instituições escolares de nível elementar. Ainda que sem sequer aproximar-se do acesso à escola para a maioria das crianças que viviam em Goiás na época, também o Estado - em suas esferas estadual e municipal - avançou em seu papel de agente público responsável pela educação dos goianos. Entre outros aspectos, a obrigatoriedade da escola elementar foi estendida até crianças moradoras das zonas rurais. Houve crescimento da legislação sobre a escola primária, processo decorrente do também crescente interesse por esta instituição escolar na realidade brasileira e goiana, mas incentivado pela continuo aumento populacional resultante dos movimentos migratórios que a partir de 1930 se dirigiam a Goiás. É um período particularmente rico para o estudo da institucionalização da escola primária goiana na medida em que coincide com uma temporalidade na qual Goiás foi alvo de um amplo programa de unidade e integração nacional i que sustentou um processo de urbanização que fez surgir duas cidades-capitais planejadas Goiânia (1933) e Brasília (1961) e de reforma do campo por meio da modernização das relações entre capital. No período, Goiás aparece como espaço-chave ii (Oliveira, 1998) para integrar uma nação que aparecia como uma pátria dilacerada em sertão e litoral. O programa de integração do centro territorial brasileiro sustentou-se em, pelo menos, dois gigantescos projetos colonizatórios: a Marcha para o Oeste que, nos anos 1930 e 1940, além de possibilitar o surgimento de Goiânia, incentivou a migração para a região por meio da abertura de vias de circulação e da criação de colônias agrícolas; e o Plano de Metas JK, nos anos 1950, que construiu Brasília e transferiu a capital federal para o território de Goiás favorecendo, com maior intensidade, os movimentos migratórios internos e ampliação das vias de circulação e tráfego pelo corpo da nação.

2 2 Ao alcançar o estado de Goiás ensejou profundos e amplos efeitos (históricos, sociológicos, territoriais, econômicos, culturais e por que não, educacionais?) sobre a sociedade goiana. Para muitos historiadores goianos (Campos, 2003; Silva, 2001; Chaul, 1997), a integração de Goiás à nação constituiu, mais que qualquer outra coisa, a inserção econômica de Goiás ao capitalismo mundial assumindo características colonizadoras que capturavam o território e as gentes nas teias do sistema econômico hegemônico sem alterar substancialmente o lugar periférico e marginal da região e sem provocar transformações significativas nas condições de vida das populações. A historiografia da educação goiana compartilhou esta interpretação até muito recentemente considerando que a expansão da escolarização na região teve como objetivo primordial a formação de uma população para o capital. Conforme Nepomuceno (1994, p. 32), depois de 1930, a politica educacional goiana no período visava criar comportamentos e impor valores capazes de incorporar significativos setores da população a um mundo regido pelo capital. Entretanto, sem denegar o papel da escolarização na formação do trabalhador e na difusão do ethos capitalista nos sertões goianos, é fundamental perceber que a escola primária cumpriu diversidade de funções no interior do programa de unidade e integração então em curso, entre elas, o abrasileiramento do povo do sertão e a forja da identidade regional. O programa de unidade e integração, paradoxalmente ao seu caráter colonizador e regulatório, também proporcionou condições para que as elites intelectuais e políticas goianas tentassem reverter a condição de periferia do estado no escopo da nação por meio da re-invenção de Goiás como região moderna, produtiva e civilizada (Pinto, 2009). Era fundamental, portanto, incrementar a produção econômica, cuidar de seu escoamento e organizar a estrutura do Estado Regional, mas também afastar as representações prenhes de negatividade associadas à região e ao seu povo, forjar símbolos, representações e imagens que dariam substrato a identidade regional. Considerando a importância atribuída à escola na construção da pátria rica, unida e forte, os processos de escolarização seriam, portanto, tributários das aspirações relacionadas à integração e unidade nacionais balizando amplos processos de educação e aculturamento. Aceita-se, assim, a premissa que a formação das identidades - nacional e regional -, não se limita a invenção de representações coletivas, mas [...] está acompanhada de um gigantesco trabalho pedagógico para que parcelas cada vez

3 3 maiores da população as conheçam e nelas se reconheçam (Thiesse, 2002, p. 8). Daí a importância da escola primária na integração nacional em Goiás. Levando-se em conta a história da integração nacional e sua ênfase na construção de cidades e na reforma do campo em Goiás, recorto o período em dois momentos distintos - embora articulados que vou chamar o Tempo Goiânia e o Tempo Brasilia: o primeiro abarca o período 1930/1945 quando o estado de Goiás voltou-se para a construção de Goiânia e para a Colônia Agrícola Nacional de Goiás (CANG), experiência integrante da política estanovista Marcha para o Oeste ( ); e o segundo, o período 1946/1960 quando os esforços e expectativas pela construção de Brasília e pela transferência da capital federal para os altiplanos de Goiás bem como os conflitos pela posse da terra na sub-região de Trombas e Formoso (1950/1957) se tornaram o centro da vida regional. Em ambos, um intenso movimento migratório e a abertura de vias de transporte e comunicação promoviam o crescimento populacional e incentivam os deslocamentos humanos pelo interior da imensidão do território goiano. Estes acontecimentos se mostram fundamentais para o entendimento sobre como a escola primária em Goiás na medida em que, mobilizando Estado, intelectuais e grande parte da sociedade goiana tornaram-se emblemas do processo de modernização estadual que delegou a escola primária um inequívoco papel na conformação de uma nova realidade para o estado. Como, então, pensar a institucionalização, expansão e inovações da escola primária em Goiás se considerada a questão da unidade e integração nacional e, com ela, a ocupação produtiva do território, a construção de cidades-capitais planejadas, as migrações, a abertura de estradas, a forja das identidades nacional e regional?. O tempo Goiânia, a Cidade-Sertão ( ): é, finalmente, sohada a grande hora de Goiás Goiânia é projeto das elites fazendeiras das sub-regiões sul e sudeste estaduais que acenderam após o Movimento de Trinta: ergue-la e transforma-la em cidade-capital moderna e civilizada constituiu a sua maior tarefa, o que impactou na expansão da escolarização no estado de Goiás. O surgimento de Goiânia monopolizou todas as atenções e praticamente capturou a atenção dos dirigentes goianos e quase a totalidade das rendas estaduais no período Construída discursivamente como símbolo de uma nação que marchava para dentro em busca de seu destino de potencia, a nova

4 4 cidade-capital goiana foi significada como cidade-educadora com potencialidade de irradiação de sua influencia cultural pelo interior do estado de Goiás, mas também por todas as regiões localizadas a oeste do território nacional. Daí que escolas, estudantes, professores, impressos educacionais e pedagógicos, congressos de educação, entre outros, constituíram parte intrínseca na forja de sua cultura urbana. A nova cidade-capital dos goianos pode ser pensada como fruto da confluência do intenso debate nacional sobre a instauração da modernidade e no qual sobressaíam os temas do rural e do urbano e, amalgamados a eles, a questão do trabalho e da formação do trabalhador e o papel inequívoco da educação para que o país, enfim, se tornasse moderno e superasse a condição colonial (CARVALHO, 1989). Mas, no tocante a Goiás, estado auto representado como o mais pobre, o menos educado entre os filhos do pai Brasil (Revista Oeste, 1942), é claramente perceptível nas fontes de pesquisa que os esforços envidados durante o período foram marcados pela idéia de uma escola que, além de reduzir o enorme índice de analfabetismo e qualificar o trabalhador rural para o incremento da produtividade agropecuária, pudesse traduzir a idéia que Goiás não havia somente babaçu, milho, gado, etc., [...] mas, também... cabeças, conforme se escreveu na Revista Oeste (1943). O que se pode ver neste período? A extensão e ampliação da legislação educacional, crescimento na dotação orçamentária específica para o ensino primário, realização de congressos de educação, Revista da Educação, prédios escolares, concursos públicos para seleção de professores, o cinema educativo, a escola nova, o ruralismo pedagógico, livros didáticos regionalizados, entre outros, são alguns índices deste tempo em que a escolarização elementar se tornava, mais e mais, alvo da atenção dos governantes e da população goiana iii. A construção de uma nova cidade-capital e o aumento populacional provocado pela intensificação dos movimentos migratórios em direção ao campo notadamente em direção a CANG - podem ser pensados como o fiel da balança no crescimento do aporte legal sobre a escola primária. Antes do surgimento material de Goiânia, o Interventor Pedro Ludovico Teixeira deu prioridade a questão educacional no relatório enviado pelo interventor de Goiás ao presidente Getúlio Vargas em 1933: a educação é temática tratada logo no Capítulo 1, o que denota seu lugar estratégico no projeto de poder do líder político goiano. No Relatório, Ludovico escreveu que reconhecia um movimento mundial orientado para difundir, dignificar e prestigiar a escola e, discorrendo sobre seu interesse em

5 5 propagar tal movimento no ambiente social do estado, afirmava que para ela (a educação) voltou suas vistas desde a hora inaugural de seu governo. No tocante ao ensino primário, o Interventor Pedro Ludovico Teixeira avaliou qualitativamente o ensino elementar praticado em Goiás, quer pelas escolas estaduais quer pelas municipais quer pelas particulares, ainda se filia ao tipo tradicional que é o régio ligeiramente evoluído (Relatório, 1933, p. 13). Em contrapartida, afirmava que em termos da quantidade de escolas primárias o avanço era notável. O número de escolas primárias, de fato, cresceu no período 1930/1945. ANO GRUPOS ESCOLARES ESCOLAS ISOLADAS OU COMUNS Fontes: Relatórios 1933, 1939 e 1942 / Mensagem 1936/ Diário Oficial do Estado de Goiás (1945) / Goyaz, uma nova fronteira humana (1949). Quanto ao financiamento, igualmente houve crescimento no percentual destinado a Instrução Pública no período que corresponde ao momento anterior a construção de Goiânia. No Relatório de 1933, Ludovico ressaltou que para a educação havia reservado um montante de recursos maior que aquele previsto no Código dos Interventores. A distinção positiva de Goiás ante os estados da federação foi ressaltada. Goiaz, que já antes da vigência do CI [Código dos Interventores] observava aquela regra, adicionou, entretanto [...] um acréscimo de 10,25% aos 14,7% que já dispendia com os referidos serviços perfazendo um total de 24,32% ou seja quase ¼ de sua despesa geral. Com essa providência, Goiaz passou a ser, no seio da federação, a unidade que consigna ao ensino maior dotação orçamentária em proporção a despesa (Grifo meu). O financiamento da educação, contudo, foi sendo reduzido ao longo do decênio : em 1935 foi reduzido para 20,70% (Mensagem, 1936) e para 15% em 1939.

6 6 Há evidências, entretanto, que as escolas públicas estaduais de Goiânia não sofreram redução orçamentária significativa e a Diretoria de Educação manteve as distinções econômicas entre escolas e professores da capital e do interior. Uma análise dos orçamentos estaduais no período revela que as escolas públicas mantidas pelo governo estadual em Goiânia tinham previsão de orçamento em separado das demais escolas do estado e que seus professores e professoras recebiam salários maiores que aqueles pagos aos docentes do interior iv. A redução do percentual destinado a educação a partir de 1935 pode ser explicada pelos aumentos das despesas com a construção de Goiânia, empreendimento grandioso para um estado ainda empobrecido como Goiás e que contou com pouco apoio financeiro do Estado Nacional. A partir de 1939, a redução foi ainda mais significativa caindo para 15% e, neste sentido, os preparativos para a inauguração oficial da cidade no chamado Batismo Cultural de Goiânia (1942), evento no qual ocorreu o VIII Congresso Brasileiro de Educação da Associação Brasileira de Educação. No período , por sinal, o governo estadual investiu sobejamente na construção de estruturas que pudessem dotar a cidade-capital de condições adequadas para receber a atenção dos educadores nacionais que se reuniriam no Congresso da ABE: foram realizados concursos para selecionar professores para o Grupo Escola e Jardim de Infância Modelo, promovidos dois congressos regionais de ensino primário (1937 e 1938) e editada a Revista da Educação (1938). O interventor Pedro Ludovico Teixeira procurava justificar a secundarização do problema da educação no interior do estado. Nunca o descuramos, nunca o olvidamos, afirmou em Dá-se a criança o que ela quer (Revista Oeste, 1944, p. 1). Mas, A construção de Goiânia absorveu grande parte de nossas exíguas rendas. Era natural que se fizesse poupança em outros ramos da atividade administrativa, para que se pudesse levar avante obra de tamanho vulto para uma unidade federativa que rendia tão pouco. Os fatos vieram demonstrar [...] que estávamos cheios de razão. Goiânia seria o estímulo, a alavanca em que se apoiaram todos as nossas forças latentes para se desenvolverem. Foi o que aconteceu. Entre nós, atualmente, tudo caminha, tudo evolue, tudo progride. (Grifos meus). O surgimento de Goiânia impactou enormemente na construção de prédios escolares. Neste sentido, os cortes no orçamento que atingiram o interior estadual e privilegiou a cidade-capital a partir de 1935 é mais uma vez evidente já que foi

7 7 justamente neste período que os prédios escolares de Goiânia foram construídos: o Liceu, o Grupo Escolar Modelo e o Jardim de Infância Modelo, primeira edificação pública finalizada nas obras de construção de Goiânia (iniciadas nos últimos meses de 1933). A política orçamentária que privilegiou Goiânia atingiu, sobretudo, o interior do estado, inclusive, no que diz respeito à construção e instalação de escolas. No entanto, os estudos e pesquisas sinalizam para uma expansão da rede pública escolar em todo o estado neste período. As fontes demonstram que o governo estadual criou muito mais escolas isoladas e cadeiras em escolas primárias já existentes deixando em plano secundário a construção de prédios específicos para grupos escolares. Também o aluguel de prédios e sua adaptação a fins educacionais manteve-se como prática recorrente. Dos discursos do interventor e do que era publicado pela imprensa oficial é possível encontrar indícios que permitem compreender como o governo estadual lidou com esta questão. Ludovico contou com o apoio dos poderes municipais para expandir a rede de escolas transferindo, de certa forma, o problema educacional para os prefeitos das cidades do interior. E em parceira com os poderes locais, colaborava a Igreja Católica além de agentes como a Sociedade de Amigos de Alberto Torres, Cruzada Nacional de Educação e a Campanha Nacional de Alfabetização, os quais revelam importantes adesões ao programa que visava povoar o centro territorial brasileiro, constituindo a população como força de trabalho e fonte de riquezas da nação. O tempo Brasília ( ): a espera pela cidade-capital nacional em meio à luta pelo direito a terra Em 1949, havia 1000 escolas isoladas espalhadas pelas zonas rurais e pelas cidades goianas. Muito aquém das necessidades da população que então habitava as terras goianas e infinitamente aquém das necessidades postas pelos projetos de povoamento e ocupação do território. Neste sentido, destacou-se a desigualdade entre capital e interior estadual e entre o estado e outras unidades federativas ressaltando que Goiás possuía 26,4% de alfabetizados perdendo somente para quatro estados do nordeste: Maranhão, Paraíba, Alagoas e Piauí (Souza, 1949). A partir do fim do Estado Novo, o programa de unidade e integração de Goiás teve sua face alterada. Já em 1946, o governo federal brasileiro retomou, através da criação da Comissão de Estudos para a Localização da Nova Capital ( ), o

8 8 caminho para o oeste brasileiro, porém, em bases distintas da Era Vargas. Em 1953, outra comissão foi instituída: a Comissão de Localização da Nova Capital Federal (1953). Ao invés de colônias agrícolas, entrava em cena novamente a idéia de transferência da capital federal para o meio do mapa do Brasil, a qual sustentou-se em argumentos relacionados a defesa da nação, as benesses do clima e a fertilidade da terra. Por outro lado, o fracasso da CANG redirecionou os esforços estatais relacionados à ocupação produtiva da terra ensejando o delineamento de projetos que intencionavam subsidiar a migração de estrangeiros ao invés dos nacionais para Goiás. No período , tornou-se visível nacionalmente uma das consequências desastrosas e imprevistas da CANG. Muitas famílias camponesas que tinham sido atraídos pela propaganda deste Colônia Agrícola durante a década de 1940 não haviam conseguido inserir-se no projeto governamental ou ali haviam fracassado na produção de alimentos dirigiram-se a região de Trombas e Formoso, região de terras devolutas, tomando posse da terra. Posteriormente, estas famílias seriam expulsas a custa da grilagem, o que desencadeou sua reação na defesa do seu direito a terra e a deflagração de um conflito que ocorreu entre 1950 e Na perspectiva de evitar outro fracasso, em 1949, o Conselho de Imigração e Colonização da Presidência da República planificou, em parceira com o governador goiano, Jeronimo Coimbra Bueno, um amplo programa imigratório e da colonização (Latour, 1949, Apresentação) que alocaria nas zonas rurais goianas um contingente nada desprezível de imigrantes refugiados de guerra norte-europeus (notadamente, poloneses e croatas). Esperava-se que o amalgama de características biológicas e culturais de migrantes estrangeiros e nacionais pudesse forjar o trabalhador rural idealizado no programa de integração nacional. Conforme Souza (1949, Introdução), a técnica do primeiro somada ao destemor e a fibra do segundo fará de Goiás e do Maciço Central Brasileiro o teatro de uma civilização rural sólida porque racional, a refulgir no peito do Continente Sul-Americano. Todo este movimento fazia de Goiás uma nova fronteira no interior das fronteiras nacionais. Como a escola primária se inseriu neste panorama? Antes de tudo, como instituição restritamente difundida pelo estado, como uma ausência. No que toca a interiorização da capital federal, ponderou-se que poderia ser temerário leva-la para lugar tão atrasado culturalmente (Lima & Vieira, 2011). No tocante ao projeto de imigração estrangeira, cogitou-se a importância de sua expansão haja vista que as

9 9 pretensas famílias de imigrantes europeus deveriam encontrar condições educacionais adequadas para a formação de seus filhos (Souza, 1949). Os goianos se mostraram incansáveis e dedicados colaboradores do governo federal na construção de Brasília desapropriando as terras do quadrilátero onde surgira Brasília e constituindo, em meados da década de 1950, a Comissão de Cooperação para a Mudança da Capital que trabalhou no período (Oliveira, 2005) e também foram agentes interessados nos projetos de imigração e povoamento do campo a tal ponto de suscitar a análise do historiador Paulo Bertran (2006): os goianos passaram o século XX a construir cidades e reformar fazendas. Não tiveram tempo para cuidar de sua própria história. Embora necessite maior aprofundamento analítico e reunião de novas fontes, talvez seja possível igualmente entender que esperavam que, por si só, cidades modernas e fazendas modernizadas poderiam - ao trazer o progresso econômico, vencer as distancias e permitir aproximações - resolver os ingentes problemas educacionais da região. Referências Bibliográficas ALVES, M. F. Política e escolarização em Goiás: Morrinhos na Primeira República. Belo Horizonte: FAE/UFMG, 2007 (Tese de doutorado). BERTRAN, P. A memória consúltil e a goianidade. Revista da UFG, Goiânia, ano VII, nº 1, p , CHAUL, N. F. Caminhos de Goiás: da construção da decadência aos limites da modernidade. Goiânia: Ed. UFG; Ed. UCG, FOUCAULT, M. Segurança, população e território: curso dado no Collège de France ( ). São Paulo: Martins Fontes, LIMA, N. T. e VIEIRA, T. R. A capital federal nos altiplanos de Goiás: medicina, geografia e política nas comissões de estudos e localização das décadas de 1940 e Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 24, nº 47, p , jan/jun NEPOMUCENO, M A. A ilusão pedagógica : estado, educação e sociedade em Goiás. Goiânia: Ed. UFG, OLIVEIRA, L. L. de. A conquista do espaço: sertão e fronteira no pensamento brasileiro. Revista História, Ciências, Saúde-Manguinhos. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; Ed. FioCruz, v. V, p , jul, 1998 OLIVEIRA, M. de. A participação goiana na construção de Brasília. Sociedade e Cultura, vol. 8, 2005a, p

10 10 PINTO, R. N. Goiânia, no coração do Brasil ( ): a cidade e a escola re inventando a nação. Niterói: FEUFF, 2009 (Tese de doutoramento. SILVA, L. S. da. Progresso e sertão goiano: a espera. In: BOTELHO, T. R. (org.). Goiânia: cidade pensada. Goiânia: Ed. UFG, 2002, pp SILVA, A. L. A Revolução de 30 em Goiás. Goiânia: Cânone Editorial/AGEPEL, SOUZA, J.G. Goiás: uma nova fronteira humana. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Geografia/IBGE, THIESSE, Anne-Marie. Ficções criadoras: as identidades nacionais. Anos 90 Revista da Pósgraduação em História/UFRGS, Porto Alegre, vol. 9, no 15, Disponível em Acessado em 12/03/2012. i Este programa de integração é aqui entendido como um amplo conjunto de ações, iniciativas, projetos e políticas de caráter predominantemente estatal, mas também partilhado por indivíduos, grupos profissionais, ordens religiosas, associações e entidades culturais, econômicas e sociais não estatais localizados tanto no centro dinâmico da nação quanto nas regiões, periferias, sertões e fronteiras a serem integradas. ii A importância de Goiás neste programa decorre de sua posição geográfica centralizada no espaço Brasil e, não menos importante, das propagadas riquezas de suas vastas terras. Portanto, importância relacionada à defesa do país contra ataques vindo de nações estrangeiras, à defesa contra ataques na ordem interna da nação, à constituição de um ponto de distribuição e articulação de uma malha de transportes e comunicação inter-regionais no centro geográfico, à produção e abastecimento de alimentos e de minérios e, por tudo isso, ao ideal de um Brasil Novo (integrado, saneado, civilizado, interiorizado, capitalizado). iii Ao contrário da leitura historiográfica que considera que a década de 1930 representou uma espécie de gênese da institucionalização e expansão da escola primária em terras goianas, os avanços educacionais do período davam continuidade ao movimento de renovação iniciado no final da década de 1910 quando se criou a escola primária graduada (1918) e instituíram-se programas de ensino que propugnavam os métodos ativos e a centralidade da criança no processo escolar (Alves, 2007). iv Em especial, destaco os salários pagos as professoras do Grupo Escolar Modelo que recebiam 400 mil réis mensais enquanto as professoras dos demais grupos escolares espalhados pelo interior do estado tinham vencimentos de 300 mil réis por mês. O orçamento aqui citado é o referente ao exercício de 1939, aprovado pelo decreto-lei 1.490, de 31/12/1938, publicado no Correio Oficial número 3.813, em 31/12/1938. A previsão orçamentária de outros períodos mantém a mesma lógica. De outro lado, no documento Listagem dos professores primários do estado de Goiás da Diretoria Geral de Educação, secção de Instrução consta os nomes das professoras, o município e/ou localidade onde trabalhavam, a condição de normalista ou leigo e o salário mensal de cada uma.

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO Pedro Henrique Rosa Graduando do curso de História da UEG-Anápolis Heavy_metal11@hotmail.com Vanessa Claudio Fernandes Graduanda do curso de História

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro A Associação Nacional de Política e Administração da Educação ANPAE, fundada em 1961 1, é uma associação civil de caráter educativo,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

O ENSINO PÚBLICO EM MATO GROSSO E O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO PÓS-GUERRA (1945-1954) 1. Ensino público em Mato Grosso: o financiamento da educação

O ENSINO PÚBLICO EM MATO GROSSO E O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO PÓS-GUERRA (1945-1954) 1. Ensino público em Mato Grosso: o financiamento da educação O ENSINO PÚBLICO EM MATO GROSSO E O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO PÓS-GUERRA (1945-1954) Silvia Helena Andrade de Brito/ UFMS 1. Introdução O objeto deste trabalho é o financiamento do ensino público no

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 Nos últimos anos, o Brasil experimentou expressiva

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

GOIÂNIA: A CONSTITUIÇÃO DE UMA NOVA IDENTIDADE (1930-1933). Andreia Silva Lisboa

GOIÂNIA: A CONSTITUIÇÃO DE UMA NOVA IDENTIDADE (1930-1933). Andreia Silva Lisboa GOIÂNIA: A CONSTITUIÇÃO DE UMA NOVA IDENTIDADE (1930-1933). Andreia Silva Lisboa A idéia da mudança da capital do Estado de Goiás é pensada desde o século XVIII e XIX, a proposta é retomada com Pedro Ludovico,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.546, DE 2014 (Do Sr. Eduardo Barbosa)

PROJETO DE LEI N.º 7.546, DE 2014 (Do Sr. Eduardo Barbosa) *C0049259E* C0049259E CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.546, DE 2014 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Acrescenta inciso ao art. 2º da Lei nº 12.513, de 26 de outubro de 2011, que institui o Programa Nacional

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Revista Desafios: Balanço e Perspectivas

Revista Desafios: Balanço e Perspectivas Revista Desafios: Balanço e Perspectivas Resumo: Em seu primeiro aniversário, a revista Desafios mostrou-se viável e relevante. O Ipea (em parceria com o PNUD) mostrou que é capaz de editar uma revista

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA Edital 29/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE O PNE para 2001-2011 consolidou-se como uma carta de intenções. - Universalização do ensino fundamental - Ampliação significativa

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

PRIVATIZAÇÃO DO ENSINO NOS ANOS 90

PRIVATIZAÇÃO DO ENSINO NOS ANOS 90 PRIVATIZAÇÃO DO ENSINO NOS ANOS 90 Lúcia Maria Wanderley Neves 1 A privatização do ensino não se constitui em temática nova no debate educacional. Desde que o Estado brasileiro assume diretamente a definição

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza 33 Desafios da reflexão sociológica PARA análise Do ensino médio no BRASil* Marilia Pontes Sposito Raquel Souza O ensino médio se constitui em uma etapa da educação básica brasileira que tem mobilizado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE BRASIL Dinâmica demográfica Refletindo tendências demográficas delineadas há algumas décadas, a população brasileira cresceu a uma taxa anual estimada

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Um novo modelo para a formação de professores

Um novo modelo para a formação de professores Um novo modelo para a formação de professores Dra. Bernardete Angelina Gatti* O desenvolvimento e a paz sociais, confrontados com o crescimento populacional, colocam desafios contundentes e, a educação,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Gabinete da Rei CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Gabinete da Rei CONSELHO UNIVERSITÁRIO Processo/Assunto: 23422.000892/2014-97/NORMAS PARA ALOCAÇÃO DE VAGAS DOCENTES NAS UNIDADES ACADÊMICAS DA UNILA. Conselheiro: Fábio Borges 1. FUNDAMENTOS DO PEDIDO (razão do pedido): No parecer da relatora

Leia mais