Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA MICAEL OLIVEIRA MASSULA CARVALHO DE MELLO Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos Goiânia 214

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA AUTORIZAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE DISSERTAÇÃO EM FORMATO ELETRÔNICO Na qualidade de titular dos direitos de autor, AUTORIZO o Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás UFG a reproduzir, inclusive em outro formato ou mídia e através de armazenamento permanente ou temporário, bem como a publicar na rede mundial de computadores (Internet) e na biblioteca virtual da UFG, entendendo-se os termos reproduzir e publicar conforme definições dos incisos VI e I, respectivamente, do artigo 5 o da Lei n o 961/98 de 1/2/1998, a obra abaixo especificada, sem que me seja devido pagamento a título de direitos autorais, desde que a reprodução e/ou publicação tenham a finalidade exclusiva de uso por quem a consulta, e a título de divulgação da produção acadêmica gerada pela Universidade, a partir desta data. Título: Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos Autor(a): Micael Oliveira Massula Carvalho de Mello Goiânia, 19 de Dezembro de 214. Micael Oliveira Massula Carvalho de Mello Autor Dr. Kleber Vieira Cardoso Orientador Dr. Leizer de Lima Pinto Co-Orientador

3 MICAEL OLIVEIRA MASSULA CARVALHO DE MELLO Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação do Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciência da Computação. Área de concentração: Ciência da Computação. Orientador: Prof. Dr. Kleber Vieira Cardoso Co-Orientador: Prof. Dr. Leizer de Lima Pinto Goiânia 214

4 MICAEL OLIVEIRA MASSULA CARVALHO DE MELLO Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos Dissertação defendida no Programa de Pós Graduação do Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciência da Computação, aprovada em 19 de Dezembro de 214, pela Banca Examinadora constituída pelos professores: Prof. Dr. Kleber Vieira Cardoso Instituto de Informática UFG Presidente da Banca Prof. Dr. Leizer de Lima Pinto Instituto de Informática UFG Prof. Dr. José Ferreira de Rezende COPPE UFRJ Prof. Dr. Vinicius da Cunha Martins Borges Instituto de Informática UFG

5 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do trabalho sem autorização da universidade, do autor e do orientador(a). Micael Oliveira Massula Carvalho de Mello Graduou-se em Sistemas de Informação pela Universidade Federal de Goiás (29-212). Durante sua graduação, participou do Programa Institucional de Iniciação Científica (PIBIC) da Universidade Federal de Goiás (UFG) e de projetos de pesquisa sob a coordenação do professor Dr. Kleber Vieira Cardoso. No período do mestrado, participou do Projeto GT-ATER, fases 1 e 2, desenvolvido no Instituto de Informática (INF) da Universidade Federal de Goiás (UFG) em parceria com a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

6 Dedico esta dissertação a Deus, aos meus pais, a minha namorada, aos meus irmãos e a toda a minha família e amigos, por todo apoio e carinho.

7 Agradecimentos A Deus pela graça da vida e por tudo que me proporciona. Aos meus pais, Walter e Junair, por todo seu amor, carinho, compreensão, apoio, orientação e paciência. À Ludmila, minha namorada e futura esposa, por todo seu amor, carinho, compreensão e apoio. Aos meus irmãos, Raissa e Uriel, por todo seu amor, carinho e apoio. Ao Prof. Kleber Vieira Cardoso, por sua orientação, amizade, paciência e confiança. Ao Prof. Leizer de Lima Pinto, por sua orientação, contribuição e confiança. Aos Profs. José Ferreira de Rezende e Vinicius da Cunha Martins Borges, por aceitar o convite, pela presença na banca e contribuições à dissertação. Aos meus amigos e colegas: Vínicius, Diego, Danillo, Éder, Tolentino, Ramon, Brosig, Nogueira, Márcio, Marques, Felipe, Maikon e todos os demais; pela amizade, apoio e momentos de descontração. Aos colegas e amigos do grupo de pesquisa Labora: Lafaiet, Vivian, Bruno, Cleber, Otto, Pedro, Mario, Warley, Fausto, Camila, André e todos os demais; pela amizade, apoio e momentos de descontração. À equipe da secretaria: Berenice, Edir, Enio, Mirian, Patrícia e todos os demais; pela atenção, paciência e suporte operacional. Ao INF/UFG, pelas instalações e equipamentos utilizados. Agradeço à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pelo suporte financeiro.

8 Aquilo que nós mesmos escolhemos é muito pouco: a vida e as circunstâncias fazem quase tudo. John Ronald Reuel Tolkien ( ), Citação atribuída.

9 Resumo de Mello, Micael Oliveira Massula Carvalho. Roteamento em Redes em Malha Sem Fio com Balanceamento de Carga e Caminhos Mais Curtos. Goiânia, p. Dissertação de Mestrado. Instituto de Informática, Universidade Federal de Goiás. Redes em Malha Sem Fio - Wireless Mesh Networks (WMNs) são infraestruturas com propriedades autonômicas, como auto-organização e autorrecuperação, que podem ser implementadas com tecnologias amplamente disponíveis e de custo acessível. Além de suas aplicações atuais, como redes comunitárias e redes de acesso à Internet, as WMNs podem auxiliar na comunicação de Internet das Coisas e constituir infraestruturas robustas para redes inteligentes de energia, dentre outros usos. No entanto, WMNs geralmente apresentam questões relativas a desempenho devido a fatores como sobrecarga em determinadas partes da rede e interferências nos enlaces sem fio. Nesse contexto, é importante que sejam utilizadas soluções que promovam balanceamento de carga na rede e que minimizem as interferências entre os enlaces sem fio. A pesquisa nessa área tem mostrado que uma das abordagens mais promissoras consiste em tratar de maneira conjunta o roteamento e a atribuição de canais. Porém, a maior parte dos trabalhos dependem de conhecimento prévio do tráfego da rede e tratam fluxos com baixa granularidade. Nesta dissertação, tratamos o problema de desempenho em WMNs, em especial as que possuem múltiplos rádios e múltiplos canais disponíveis, utilizando uma abordagem conjunta, mas sem as restrições anteriores. Nossa proposta é uma heurística conjunta, cuja principal contribuição está no roteamento, o qual persegue um compromisso entre o balanceamento de carga e o comprimento dos caminhos seguidos pelos fluxos. Implementamos nossa proposta no Network Simulator 3 (ns-3) e a comparamos com outros trabalhos da literatura. Verificamos que nossa heurística apresenta ganhos de vazão na maior parte dos cenários avaliados, além de promover maior justiça entre os fluxos que concorrem pelos recursos. Palavras chave Redes em malha sem fio, Roteamento com balanceamento de carga, Atribuição de canais, Abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais, Comprimento dos caminhos

10 Abstract de Mello, Micael Oliveira Massula Carvalho. Routing in Wireless Mesh Networks with Load-balancing and Shortest Paths. Goiânia, p. MSc. Dissertation. Instituto de Informática, Universidade Federal de Goiás. Wireless Mesh Networks (WMNs) are infrastructures with autonomic properties, such as self-organization and self-recovery, which can be developed with widely available technologies and low cost solutions. Besides their current applications, such as community networks and broad-band Internet access, WMNs can offer contributions in the context of the Internet of Things and help to build robust infrastructures to smart energy networks, among other uses. However, WMNs usually have performance issues due to overload in certain parts of the network and interference in wireless links. In this context, it is important that solutions are used to promote load-balancing and to mitigate interference between wireless links. Research in this area shows that one of the most promising approaches are in the subject of the joint routing and channel assignment. However, most of the previous works depends on the knowledge of the network traffic and handle flows with low granularity. In this thesis, we handle the performance problem in WMNs, in particular those having multiple radios and multiple available channels, using a joint approach, but without the mentioned restrictions. Our proposal is a joint heuristic, whose main contribution is the routing, which pursues the compromise between load-balancing and the path length of the network flows. We have developed our proposal in the Network Simulator 3 (ns-3) and have compared it with other works in literature. We found that our heuristic provides throughput improvements in most of the analyzed scenarios, besides promote greater justice between the flows that compete for resources. Keywords Wireless mesh networks, Load-balancing routing, Channel assignment, Joint routing and channel assignment, Path length

11 Sumário Lista de Figuras 1 Lista de Tabelas 12 Lista de Algoritmos 13 Lista de Acrônimos 14 1 Introdução 15 2 Fundamentos e trabalhos relacionados Roteamento com balanceamento de carga Atribuição de canais Abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais Conclusão 23 3 Proposta Modelo Bottleneck, Path length and Routing overhead heuristic BPR Routing and Channel Assignment, Joint Improvement heuristic RCAJI Outra solução para a abordagem conjunta Conclusão 33 4 Avaliação Cenários e experimentos Análise de propriedades da rede Gargalo Comprimento dos caminhos Quantidade de atualizações de rotas Desempenho da rede Impacto da quantidade de fluxos Impacto da quantidade de rádios Impacto da quantidade de canais Conclusão 45 5 Considerações finais e trabalhos futuros 55 Referências Bibliográficas 57

12 Lista de Figuras 2.1 Exemplo de WMN utilizada como infraestrutura de acesso à Internet Caso no qual o re-roteamento é realizado na remoção de rota de um fluxo que terminou Primeiro caso no qual o re-roteamento não é realizado na remoção de rota de um fluxo que terminou Segundo caso no qual o re-roteamento não é realizado na remoção de rota de um fluxo que terminou Comprimento dos caminhos seguidos pelos fluxos. 39 (a) Topologias de tipo A. 39 (b) Topologias de tipo B. 39 (c) Topologias de tipo C Atualizações de rotas. 4 (a) Topologias de tipo A. 4 (b) Topologias de tipo B. 4 (c) Topologias de tipo C Vazão agregada ao variar a quantidade de fluxos presentes na rede. 43 (a) Topologias de tipo A. 43 (b) Topologias de tipo B. 43 (c) Topologias de tipo C Justiça ao variar a quantidade de fluxos presentes na rede. 47 (a) Topologias de tipo A. 47 (b) Topologias de tipo B. 47 (c) Topologias de tipo C Quantidade de trocas de canais ao variar a quantidade de fluxos presentes na rede. 48 (a) Topologias de tipo A. 48 (b) Topologias de tipo B. 48 (c) Topologias de tipo C Vazão agregada ao variar a quantidade de rádios disponíveis. 49 (a) Topologias de tipo A. 49 (b) Topologias de tipo B. 49 (c) Topologias de tipo C Vazão mínima ao variar a quantidade de rádios disponíveis. 5 (a) Topologias de tipo A. 5 (b) Topologias de tipo B. 5 (c) Topologias de tipo C Justiça ao variar a quantidade de rádios disponíveis. 51

13 (a) Topologias de tipo A. 51 (b) Topologias de tipo B. 51 (c) Topologias de tipo C Vazão agregada ao variar o número de canais disponíveis. 52 (a) Topologias de tipo A. 52 (b) Topologias de tipo B. 52 (c) Topologias de tipo C Vazão mínima ao variar o número de canais disponíveis. 53 (a) Topologias de tipo A. 53 (b) Topologias de tipo B. 53 (c) Topologias de tipo C Justiça ao variar o número de canais disponíveis. 54 (a) Topologias de tipo A. 54 (b) Topologias de tipo B. 54 (c) Topologias de tipo C. 54

14 Lista de Tabelas 4.1 Parâmetros do simulador Estatísticas sobre o gargalo da rede Estatísticas sobre os enlaces dos nós vizinhos a dois saltos do gateway. 38

15 Lista de Algoritmos 3.1 BPR - Adicionar rota para um novo fluxo BPR - Remover rota para fluxo que terminou JRCAR - Roteamento com balanceamento de carga JRCAR - Atribuição de canais 34

16 Lista de Acrônimos BPR Bottleneck, Path length and Routing overhead. 16, 26, 29 31, 33, 55 JRCAR Joint Routing, Channel Assignment and Rate allocation. 22, 23, 3, 31, 33, 35 38, 4, 42 46, 55, 56 ns-3 Network Simulator 3. 16, 33, 35, 36, 4, 42, 45, 55, 56 OLSR Optimized link state routing protocol. 33, 35, 4, RCAJI Routing and Channel Assignment, Joint Improvement. 16, 17, 3, 31, 33, 35 38, 4, 42 46, 55, 56 WMN Wireless Mesh Network , 24 WMNs Wireless Mesh Networks. 15, 16, 18 21, 23, 25, 55, 56

17 Introdução CAPÍTULO 1 Redes em Malha Sem Fio - Wireless Mesh Networks (WMNs) surgiram como um paradigma de comunicação de redes de próxima geração com o objetivo de oferecer melhores serviços [1]. As WMNs formam um backbone sem fio de múltiplos saltos, com o objetivo de fornecer conectividade aos equipamentos clientes. Esses clientes podem usar a infraestrutura oferecida para realizarem comunicações com redes externas, como por exemplo, a Internet. Constituídas por elementos capazes de se auto-organizar e auto-configurar [1], as WMNs têm capacidade de cobrir uma grande área a um baixo custo. Essas características tornam as WMNs uma tecnologia com potencial para inúmeras aplicações, como por exemplo, redes domésticas, redes comunitárias, redes empresariais e acesso à Internet para áreas onde a infraestrutura cabeada é de difícil implantação [1, 21]. Além disso, WMNs podem estar conectadas a diferentes sistemas de comunicações heterogêneos, como por exemplo, redes de sensores e redes de celulares. Isso também as tornam uma infraestrutura adequada para cidades inteligentes [14, 41]. Desempenho é um problema frequente nas WMNs, uma vez que o número de nós e o tráfego da rede podem aumentar de maneira significativa. O tráfego da rede pode ser definido como um conjunto de fluxos gerados por diferentes tipos de aplicações. Enquanto infraestrutura de acesso, a maior parte dos fluxos nas WMNs tem como origem ou destino os gateways da rede. Dessa forma, é natural que os enlaces sem fio próximos aos gateways sejam potenciais pontos de gargalo. Com o intuito de melhorar o desempenho, o roteamento deve escolher caminhos para cada fluxo de maneira a minimizar os gargalos da rede. Ou seja, é vantajoso que o roteamento realize decisões que promovam balanceamento de carga [5]. Além disso, é importante que o roteamento busque minimizar o número de saltos entre origem e destino de cada fluxo [17], pois caminhos com muitos saltos podem elevar o atraso e reduzir a vazão dos fluxos. Outro fator que afeta o desempenho das WMNs é a interferência presente nos enlaces de comunicação sem fio, a qual pode ser reduzida com a utilização de canais ou faixas de frequência ortogonais. O padrão 82.11b/g prevê a utilização de até 3 canais ortogonais, enquanto o padrão 82.11a permite o uso de até 12 canais. Além

18 16 disso, o baixo custo atual da tecnologia torna viável utilizar múltiplos rádios em cada equipamento, possibilitando o uso de múltiplos canais simultaneamente. Nesse contexto, a atribuição de canais passa a desempenhar a importante função de maximizar a capacidade da rede. O roteamento e a atribuição de canais têm um alto grau de acoplamento, pois ambos são sensíveis à carga nos enlaces de comunicação e ambos se afetam mutuamente [3]. A atribuição de canais define a largura de banda dos enlaces de comunicação, afetando o roteamento na escolha de caminhos, uma vez que o roteamento tende a aproveitar a largura de banda disponível. Por outro lado, o roteamento define o tráfego que passa pelos enlaces de comunicação, influenciando a atribuição de canais em suas decisões. Caso o roteamento sobrecarregue uma determinada região da rede, a atribuição de canais precisará realizar uma nova seleção de canais de maneira a maximizar a vazão e minimizar o nível de interferência dessa região. Assim, é importante definir uma estratégia na qual o roteamento e a atribuição de canais cooperem para melhorar o desempenho da rede. Nesta dissertação, abordaremos a questão de desempenho em WMNs com múltiplos rádios e múltiplos canais, tendo como foco a abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais. Algumas soluções foram propostas baseadas nessa abordagem [34, 33, 13, 3, 16]. Dentre esse conjunto de soluções, consideramos a heurística proposta por Gálvez et al. [16] como a mais avançada no estado da arte, pois a mesma trata o problema no nível de fluxos TCP sem a necessidade de conhecimento prévio do tráfego da rede. Apresentamos, então, a heurística Routing and Channel Assignment, Joint Improvement (RCAJI) como uma solução para a abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais em WMNs com múltiplos rádios e múltiplos canais. A principal contribuição da heurística RCAJI está em sua heurística de roteamento, a Bottleneck, Path length and Routing overhead (BPR), pela qual se busca um compromisso entre o balanceamento de carga e o comprimento dos caminhos. Assim como Gálvez et al. [16], a BPR trata o problema no nível de fluxos TCP sem conhecimento prévio do tráfego da rede. Os objetivos desta dissertação são: apresentar um modelo matemático multiobjetivo para o problema de roteamento com balanceamento de carga e caminhos mais curtos; descrever em detalhes a heurística RCAJI, apresentando seus algoritmos; realizar a comparação entre a heurística RCAJI e outras soluções presentes na literatura; e apresentar e discutir a avaliação de desempenho realizada com os resultados obtidos a partir do simulador de redes Network Simulator 3 (ns-3). O restante desta dissertação está organizada da seguinte maneira: no Capítulo 2, apresentamos os fundamentos envolvidos no desenvolvimento desta dissertação e os principais trabalhos que apresentam soluções para roteamento, para atribuição de canais e para a abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais; no Capítulo 3, descrevemos formalmente o problema de roteamento com balanceamento de carga e

19 17 descrevemos em detalhes a heurística RCAJI; no Capítulo 4, apresentamos e discutimos a avaliação de desempenho realizada; no Capítulo 5, apresentamos as considerações finais e as perspectivas para trabalhos futuros.

20 Fundamentos e trabalhos relacionados CAPÍTULO 2 Uma Rede em Malha Sem Fio - Wireless Mesh Network (WMN) pode ser definida como uma infraestrutura com capacidades de auto-organização e auto-configuração que mantém dinamicamente a conectividade da malha [2]. As WMNs surgiram como um paradigma de comunicação com o objetivo de fornecer melhores serviços aos usuários e custos mais baixos aos operadores [1]. Além disso, as WMNs têm o potencial para que o acesso ubíquo a Internet de alta velocidade seja alcançado [21]. Um exemplo de WMN pode ser visto na Figura 2.1. Figura 2.1: Exemplo de WMN utilizada como infraestrutura de acesso à Internet. Uma WMN é composta por roteadores da malha (mesh routers) e clientes da malha (mesh clients). Os mesh routers formam um backbone sem fio para fornecer uma rede de múltiplos saltos. Além disso, alguns mesh routers podem assumir o papel de gateway para acesso a outras redes, como por exemplo, a Internet. Os mesh clients são equipamentos típicos de usuários finais, como notebooks e smartphones, ou até mesmo

21 2.1 Roteamento com balanceamento de carga 19 equipamentos sensores ou de monitoramento, como sensores de temperatura, umidade e câmeras de vigilância. Os mesh clients se associam aos mesh routers para ter acesso à Internet ou realizar comunicações internas (cliente a cliente). Três principais arquiteturas são previstas para WMNs [1]: WMNs infraestruturadas, WMNs clientes e WMNs híbridas. As WMNs infraestruturadas são o tipo mais comum de WMNs, no qual os mesh routers formam o backbone sem fio para que os mesh clients estabeleçam suas comunicações. Por esta razão, a proposta dessa dissertação foi desenvolvida no contexto de WMNs infraestruturadas. Nas WMNs clientes, os mesh routers são excluídos da arquitetura e seus papéis passam a ser realizados pelos mesh clients. Nas WMNs híbridas, os mesh routers são mantidos com seus papéis originais, porém os mesh clients também podem colaborar na criação da infraestrutura da malha, agindo como simples clientes ou como mesh routers. Naturalmente, para que as comunicações com a Internet ou dentro da própria WMN sejam realizadas, é necessária a utilização de um protocolo de roteamento na rede. Basicamente, o objetivo do roteamento é escolher rotas para os fluxos da rede e realizar o encaminhamento dos pacotes desses fluxos em cada salto do backbone sem fio. Adicionalmente, o protocolo de roteamento pode realizar o balanceamento de carga com o intuito de minimizar pontos de gargalo e consequentemente melhorar o desempenho da rede. 2.1 Roteamento com balanceamento de carga A maior parte do tráfego das WMNs, as quais fornecem uma infraestrutura para acesso à Internet, tem como origem ou destino os mesh routers que agem como gateways da rede. Dessa forma, os enlaces sem fio próximos a esses gateways são potenciais pontos de gargalo. Isso implica que fluxos que passam pelos gargalos terão vazão reduzida, o que leva a uma redução da vazão agregada e da justiça da rede. Assim, o balanceamento de carga passa a ter um papel importante no desempenho da rede [5]. Algoritmos centralizados foram propostos com o intuito de realizar o roteamento com balanceamento de carga em ambientes com um único gateway, distribuindo o tráfego da rede através de sub-árvores, onde o gateway é a raiz [9, 1, 18]. Nessa abordagem, as rotas ficam restritas à estrutura da árvore, impedindo que o balanceamento de carga usufrua do aspecto denso presente em WMNs [39, 6] e, portanto, limitando o potencial de ganho de desempenho do balanceamento de carga. Para usufruir do aspecto denso comum às WMNs, diversas métricas para roteamento ciente de carga foram desenvolvidas para melhorar o balanceamento de carga na rede [7], tais como WCETT-LB [24], ILA [35], CWB [28] e NLR [42]. Essas métricas usam dados como comprimento de fila, tempo de canal ocupado e número de fluxos para

22 2.2 Atribuição de canais 2 detectar congestionamento nos enlaces de comunicação. A métrica é propagada pelo protocolo de roteamento para que algoritmos distribuídos do mecanismo de roteamento possam realizar suas decisões. Essa abordagem normalmente causa alta oscilação nas rotas da rede, devido a alta variação nos valores das métricas [32]. Mecanismos de roteamento com balanceamento de carga foram desenvolvidos com base em uma abordagem de seleção de múltiplos caminhos para um único fluxo [26, 3]. Essa abordagem tem como característica selecionar rotas paralelas simultâneas para um fluxo, fazendo com que os pacotes desse fluxo sejam enviados por múltiplos caminhos. Essa abordagem pode oferece um balanceamento de carga que pode ser teoricamente melhor. Porém, mecanismos de camada de transporte como o TCP são afetados drasticamente, pois a chegada de pacotes fora de ordem e as variações no atraso na entrega dos pacotes aumentam consideravelmente. Somente o roteamento com balanceamento de carga não é suficiente para mitigar o problema de desempenho das WMNs. Os enlaces de comunicação sem fio disputam o acesso ao meio para realizar suas comunicações. Dessa forma, é importante aplicar abordagens como escalonamento de enlaces ou heurística de atribuição de canais para mitigar as interferências entre os enlaces de comunicação da rede [29]. 2.2 Atribuição de canais A utilização de um único canal ou frequência de comunicação em uma WMN é de pouca utilidade prática devido ao reuso espacial extremamente limitado [4], o que leva a reduções significativas da vazão à medida que o tamanho da rede aumenta [15]. A utilização de múltiplos canais é possível através de um único rádio com trocas frequentes de canais. Essa abordagem tem uso restrito, pois cria instabilidade na conectividade da rede e gera atraso adicional decorrente da frequente troca de canais [36, 33], afetando a vazão da rede. Por outro lado, o uso de múltiplos rádios permite que múltiplos canais sejam utilizados simultaneamente na formação dos enlaces sem fio [36]. Além disso, a redução dos custos dos equipamentos do conjunto de padrões IEEE tem tornado economicamente viável o uso de múltiplos rádios. As WMNs de múltiplos rádios e múltiplos canais preveem a utilização de canais ortogonais para atribuição de canais [15]. Isso permite um reuso espacial muito melhor que a abordagem de canal único, porém ainda muito limitado devido a quantidade de canais disponíveis. O padrão 82.11b/g opera na faixa de 2,4 GHz e fornece até 3 canais ortogonais e o padrão 82.11a, opera na faixa de 5 GHz e prevê a utilização de até 12 canais ortogonais. Algoritmos centralizados para atribuição de canais são encontrados em diversos trabalhos na literatura e podem ser classificados em três abordagens principais [15]:

23 2.3 Abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais 21 modelar a rede através de um grafo [25, 38, 37, 31], modelar a rede através de fluxos [34, 22, 3] e modelar a rede em partições [8, 4]. Os algoritmos propostos para as abordagens de modelar a rede através de um grafo e modelar a rede em partições têm em comum o objetivo de minimizar o nível de interferência da rede. Os algoritmos que modelam a rede através de fluxos tendem a alocar mais largura de banda para enlaces de comunicação que são mais utilizados, ou seja, são cientes de carga. Há também na literatura trabalhos que propuseram protocolos e algoritmos distribuídos para atribuição de canais em WMNs de múltiplos rádios e múltiplos canais [33, 11, 27]. Nessa abordagem, cada mesh router executa uma instância do algoritmo e aplica decisões locais com base em informações do próprio mesh router e/ou de sua vizinhança. Além disso, esses algoritmos aplicam estratégias como selecionar o canal com menor carga, menor interferência, ou menor uso para rádios com maior prioridade. Algoritmos centralizados tendem a obter soluções melhores que os algoritmos distribuídos porque têm visão global da rede, porém dependem de informações da topologia da rede e necessitam de mecanismos para disseminar as decisões relativas à atribuição de canais. Por outro lado, algoritmos distribuídos agem localmente e não dependem de informações de toda a rede, porém necessitam de protocolos para obter informações de nós vizinhos ou agir com algum grau de cooperação com os mesmos. Independentemente da abordagem escolhida, é importante que a atribuição de canais e o roteamento estejam alinhados dentro da mesma estratégia. Esse tipo de abordagem conjunta tem sido utilizada para maximizar o desempenho da rede [36]. 2.3 Abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais Na abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais tratamos a interdependência e o alto acoplamento entre o roteamento e a atribuição de canais [3]. Ambas as abordagens de forma separada são sensíveis à carga nos enlaces de comunicação formados entre os mesh routers da WMN. Enquanto o roteamento com balanceamento de carga busca aliviar a sobrecarga dos enlaces de comunicação, a atribuição de canais visa alocar canais com mais banda aos enlaces mais sobrecarregados. Existem outros tipos de abordagem conjunta que envolvem controle de potência, alocação de taxa, escalonamento de enlaces e diversos outros mecanismos que podem maximizar o desempenho da rede [36]. Escolhemos tratar a abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais, pois em WMNs de múltiplos rádios e múltiplos canais o roteamento e a atribuição de canais são mecanismos básicos e necessários para que os enlaces sejam formados e o encaminhamento dos pacotes na rede seja realizado.

24 2.3 Abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais 22 Nesse contexto, a abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais consiste em encontrar uma combinação de caminhos para fluxos e canais para rádios em cada mesh router de modo que a vazão da rede seja maximizada. Adicionalmente, é desejável que a justiça da rede também seja maximizada. Encontrar uma combinação ótima para esses dois fatores é um problema NP-Difícil dada a explosão combinatória a medida que a rede aumenta [3, 16]. Raniwala et al. [34] propuseram uma solução centralizada para essa abordagem conjunta. O algoritmo de atribuição de canais desenvolvido pelos autores aloca canais com mais banda para enlaces de comunicação mais carregados. Para a solução de roteamento os autores empregaram algoritmos como o Shortest Path Routing e o Randomized Multipath Routing. Conhecimento prévio do tráfego da rede é fornecido como entrada para o algoritmo de atribuição de canais. Raniwala et al. [33] também desenvolveram uma solução distribuída. Os algoritmos de roteamento e atribuição de canais realizam decisões locais em cada mesh router da rede. Na atribuição de canais, cada mesh router seleciona os canais menos utilizados em torno de sua vizinhança, enquanto o roteamento constrói sub-árvores para realizar o balanceamento de carga. Novamente, conhecimento prévio do tráfego da rede é necessário. Alicherry et al. [3] desenvolveram uma modelagem matemática para a abordagem conjunta de roteamento e atribuição de canais. Eles desenvolveram um algoritmo aproximado para obter uma solução de roteamento, escalonamento de enlaces e atribuição de canais com o intuito de maximizar a vazão da rede. Os autores aplicam primeiro uma solução de programação linear para o algoritmo de roteamento para depois aplicar um algoritmo aproximado para escalonamento de enlaces e atribuição de canais. O tráfego da rede precisa ser previamente conhecido. Gardellin et al. [13] propuseram uma solução baseada em divisão e conquista. A rede é dividida em partes menores, a solução ótima de cada parte é calculada e em seguida todas as soluções são combinadas. Conhecimento do tráfego da rede, da alocação de taxa e da potência de sinal recebida em cada rádio de cada mesh router são necessários. Gálvez et al. [16] desenvolveram a heurística Joint Routing, Channel Assignment and Rate allocation (JRCAR) para resolver conjuntamente roteamento e atribuição de canais. Heurísticas separadas para roteamento e atribuição de canais são apresentadas. Ambas levam em conta a carga nos enlaces de comunicação. A estratégia da heurística consiste em resolver primeiro o roteamento e na sequência realizar a atribuição de canais. O roteamento é tratado no nível de fluxos de aplicações TCP, ou seja, um fluxo é identificado como endereço de origem, endereço de destino, porta de origem e porta de destino. Selecionamos a heurística JRCAR como trabalho principal a ser comparado

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço.

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Título: PROPOSTA DE SOLUÇÃO PARA SOBRE-APROVISIONAMENTO DE RECURSOS SOBRE CAMINHOS HETEROGÊNEOS EM REDES SENSÍVEIS

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados

Aula 21: Roteamento em Redes de Dados Aula : Roteamento em Redes de Dados Slide Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC Rede de Pacotes PC PC PC PC Buffer Pacote Comutado Slide Roteamento

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br aula disponível no site: http://www.bcc.unifal-mg.edu.br/~humberto/ Universidade Federal de

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica

Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica Rangel Silva Oliveira 1, Geraldo Robson Mateus 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais {rangel,mateus}@dcc.ufmg.br

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM Agenda 1.1 O que

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Autores: Paulo César Barreto da Silva e Marcelo Luís Francisco Abbade Dezembro de 2012 Versão 1 1. Como executa-lo O EONSim foi

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas.

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Tese submetida à Universidade Federal de Sanat Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google

Figura 1.1: Exemplo de links patrocinados no Google 1 Links Patrocinados 1.1 Introdução Links patrocinados são aqueles que aparecem em destaque nos resultados de uma pesquisa na Internet; em geral, no alto ou à direita da página, como na Figura 1.1. Figura

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks Renfei Wang ¹, Cristiano Rezende ¹, Heitor S. Ramos ¹, ², ³ Richard W. Pazzi ¹, Azzedine Boukerche ¹, Antonio A.F.

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas

SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas Leonardo B. Oliveira, A.A.F. Loureiro, Ricardo Dahab, Hao Chi Wong UNICAMP, UFMG, PARC Agenda Introdução Solução Simulação Resultados

Leia mais

2 Atualidade de uma base de dados

2 Atualidade de uma base de dados 2 Atualidade de uma base de dados Manter a atualidade de uma base de dados é um problema que pode ser abordado de diferentes maneiras. Cho e Garcia-Molina [CHO] definem esse problema da seguinte forma:

Leia mais