APRESENTAÇÃO...01 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...03 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL...14 LEGISLAÇÃO INCIDENTE E APLICÁVEL...49

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO...01 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...03 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL...14 LEGISLAÇÃO INCIDENTE E APLICÁVEL...49"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...01 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...03 ÁREAS DE INFLUÊNCIA...10 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL...14 Meio Físico...14 Meio Biótico...24 Meio Socioeconômico...30 LEGISLAÇÃO INCIDENTE E APLICÁVEL...49 PLANOS E PROGRAMAS CO-LOCALIZADOS...54 IMPACTOS AMBIENTAIS...56 PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGNÓSTICO AMBIENTAL CONCLUSÕES...73 EQUIPE TÉCNICA...74 i

3 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O EMPREENDIMENTO O Sistema Adutor do Agreste Pernambucano é um empreendimento de infra-estrutura hídrica, composto por um sistema de adutoras que irá captar água na futura barragem de Ipojuca, no Ramal do Agreste, projeto de extensão do Eixo Leste do Projeto de Integração do rio São Francisco com Bacias do Nordeste Setentrional (PISF), para a região do Agreste de Pernambuco. A água tratada, produto final do empreendimento, será distribuída a 61 municípios que pertencem às bacias hidrográficas de Ipojuca, Moxotó, Ipanema, Goiana, Capibaribe, Sirinhaém, Mundaú, Una, Paraíba e Traipu. Os municípios de Itaíba, Ibirajuba e São João também serão beneficiados diretamente por este Sistema Adutor, em função da disponibilização de água de fontes locais que hoje abastecem outros municícios. O LICENCIAMENTO O Sistema Adutor do Agreste Pernambucano é um empreendimento do Governo Federal do Brasil, executado através do Ministério da Integração Nacional (MI). O empreendimento é objeto de licenciamento ambiental estadual através da Companhia Pernambucana de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (CPRH), conforme processo CPRH Nº /05. Inicialmente foi idealizado para todo o Ramal do Agreste Pernambucano, com Termo de Referência elaborado em janeiro de 2006 e revisado em outubro de 2006, sendo posteriormente desmembrado em dois licenciamentos. O empreendedor contratou o Consórcio das empresas CONESTOGA-ROVERS E ASSOCIADOS e ENGECORPS CORPO DE ENGENHEIROS CONSULTORES para desenvolver o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) e acompanhar o processo de licenciamento do empreendimento até a emissão da Licença Prévia (LP). O EIA do Ramal do Agreste Pernambucano foi concluído em março de 2008, tendo sido protocolado na CPRH para dar seqüência ao processo de licenciamento. Este RIMA é uma síntese do EIA do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano, tendo sido elaborado em linguagem mais simples, resumida e objetiva, procurando mostrar os resultados da análise ambiental do empreendimento. Reservatório no Riacho do Tigre 1

4 Identificação do Empreendedor 2 Nome: MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL CGC: / Endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco "E" - CEP Telefone: (61) Fax: (61) Representante Legal: GEDDEL QUADROS VIEIRA LIMA CPF: Endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco "E", 8º Andar CEP: Telefone: (61) / Fax: (61) Pessoa de Contato: JOÃO REIS SANTANA FILHO CPF: Endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco "E", 9º andar, sala 900 CEP: Telefone: (61) / Fax: (61) Identificação das Empresas Consultoras Nome: CONESTOGA-ROVERS E ASSOCIADOS LTDA. Inscrição Estadual: isenta Inscrição Municipal: CNPJ: / Endereço: Rua Francisco Tramontano, 100 / 6º Andar Real Parque São Paulo - SP CEP: Telefone: (11) Fax: (11) Responsável Técnico: Eng. José Manuel Mondelo Prada Nome: ENGECORPS CORPO DE ENGENHEIROS CONSULTORES LTDA. Inscrição Estadual: isenta Inscrição Municipal: CNPJ / Endereço: Alameda Tocantins, 125 / 4o Andar Barueri SP CEP: Telefone: (11) Fax: (11) Responsável Técnico: Eng. Danny Dalberson de Oliveira Lançamento da garrafa tipo Van Dorn 3 para coleta de fitoplâncton

5 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS O Sistema Adutor do Agreste Pernambucano terá início no reservatório de Ipojuca, que constitui o ponto final do Ramal do Agreste. A vazão máxima de água captada no reservatório de Ipojuca será da ordem de 3,3m³/s. A água será tratada em uma Estação de Tratamento de Água próxima ao reservatório. Após o tratamento, a água será conduzida por um sistema de adução de água formado por tubulações de aço e de ferro fundido, com diâmetros variando de a 200 mm, com cerca de km de extensão, que atenderá com água tratada 61 municípios da região. Açude Mulungu, na localidade de Ipojuca, próximo à nascente do rio Ipojuca e no local onde será construída a barragem de Ipojuca, ponto de partida do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano Município de Arcoverde - PE LOCALIZAÇÃO E ACESSOS O acesso à região de inserção do empreendimento se dá através da BR-232 que interliga Recife a Salgueiro. Partindo-se da capital pernambucana por esta rodovia, percorre-se 80 km até atingir a cidade de Gravatá; seguindo esta mesma estrada, chega-se à sede municipal de Pesqueira após cerca de 130 km. O Sistema Adutor será construído a partir do reservatório de Ipojuca, no município de Arcoverde. Próximo à tomada d'água do reservatório será definida a área de implantação da Estação de Tratamento de Água (ETA). A partir da ETA, terá início o sistema de adução propriamente dito, que contornará a Terra Indígena Xucurú até atingir a cidade de Pesqueira, junto à BR-232. O eixo principal de adução de água se dará ao longo da rodovia federal BR-232, em extensão aproximada de 125 km, passando pelas cidades de Belo Jardim, Tacaimbó, São Caitano, Caruaru, Bezerros e Gravatá. 3

6 ANTECEDENTES HISTÓRICOS 4 A história do Ramal do Agreste está atrelada à história do Eixo Leste (fonte hídrica do empreendimento) e, conseqüentemente, ao antigo Projeto de Transposição do Rio São Francisco (PTSF) e à sua versão atual revisada e denominada Projeto de Integração do São Francisco com Bacias do Nordeste Setentrional (PISF), empreendimento já licenciado pelo IBAMA. A idéia da transposição de águas do rio São Francisco para garantir sustentabilidade hídrica ao Semi-Árido Nordestino, o Presença de pescadores na Barragem do Prata abastecimento de populações e o desenvolvimento da região, foi objeto de vários estudos, desde meados do século passado. Desde então, o empreendimento já sofreu inúmeras alterações em termos de concepção e projeto, mas seu objetivo geral de garantir sustentabilidade hídrica que permita o abastecimento de populações e o desenvolvimento da região do Semi-Árido permanece o mesmo. Estudos demonstraram a necessidade e a oportunidade de um novo eixo de obras, o Eixo Leste, para atender áreas prioritárias não contempladas na concepção anterior do empreendimento. Dessa forma, na sua versão atual, o PISF complementa e amplia sua área de abrangência através do Eixo Leste, de onde parte o Ramal do Agreste e o Sistema Adutor, objeto do presente EIA/RIMA. OBJETIVOS O Agreste Pernambucano é uma área crítica em termos de escassez de água, o que dificulta a sobrevivência da população em condições dignas, gerando situações de pobreza e miséria. As secas no Nordeste são conhecidas desde os séculos XVI e XVII e a irregularidade das chuvas sempre foi uma característica da região. Há séculos, o problema da região continua à espera de soluções, sendo cada vez mais agravado, não só por imposição da natureza, como também pela necessidade de políticas públicas mais eficientes. O enfrentamento dessa problemática pelo poder público tem se caracterizado pela tentativa de garantir a disponibilidade de água nos rios não contínuos a partir da construção de reservatórios de armazenamento grandes e pequenos, regionalmente conhecidos por açudes. Os açudes, entretanto, sofrem perdas excessivas por evaporação e não conseguem disponibilizar, em média, mais do que 25% da água que armazenam. Neste contexto, as obras do Ramal do Agreste visam integrar açudes já construídos, reforçando a oferta hídrica local e assegurando a garantia de abastecimento de água à população beneficiada, até o ano de A distribuição de água para consumo humano, entretanto, será feita pelo Sistema Adutor do Agreste Pernambucano, que visa abastecer com água de boa qualidade 61 municípios da região. É interessante ressaltar que, na área a ser beneficiada pela implantação do sistema de adutoras, a população urbana tem grande participação na população a ser atendida, o atendimento à população rural situa-se em apenas 12% do total do suprimento.

7 JUSTIFICATIVAS As instalações atuais dos sistemas de abastecimento de água que atendem às sedes dos municípios da região do Agreste Pernambucano estão funcionando em condições precárias, tanto no que diz respeito ao suprimento de água bruta em quantidade e qualidade, como nos aspectos de tratamento, reserva e distribuição de água tratada. Segundo os dados disponíveis no ATLAS NORDESTE (ANA, 2005), um número expressivo de sedes municipais do Agreste de Pernambuco encontra-se em situação crítica de abastecimento, o que demonstra claramente a grande dependência da região de fontes hídricas externas, tais como o Eixo Leste do PISF, justificando plenamente a implantação do Ramal do Agreste e do Sistema Adutor. Verifica-se, assim, que alternativas que sirvam ao suprimento de demandas hídricas do Agreste de Pernambuco formadas por fontes locais ou por métodos tais como a chuva induzida e a reservação de águas da chuva servem apenas como possibilidades complementares, não representando opções para soluções definitivas da eficiência do abastecimento de água na região. Como conseqüência direta do atendimento às demandas de abastecimento, deverá ocorrer uma melhoria na qualidade de vida da população, com melhoria dos sistemas de saneamento básico e crescimento de atividades produtivas que têm na água um de seus mais importantes componentes. O Projeto também deverá contribuir para a fixação da população na região, sujeita, de longa data, a um processo contínuo de deslocamento, seja para outras regiões do País, seja para outros pontos do Nordeste. Deve-se ainda ressaltar como benefício relevante do empreendimento, devido à oferta constante de água de boa qualidade, àredução do número de internações hospitalares na região e à redução dos índices de mortalidade infantil. Finalmente, o Ramal do Agreste deverá contribuir ainda para a redução dos gastos públicos com medidas de emergência durante as freqüentes secas, uma vez que a oferta de água será garantida e o impacto das secas reduzido, justificando-se, portanto, também sob o ponto de vista econômico. 5

8 DESCRIÇÃO TÉCNICA DO PROJETO 6 Fonte Hídrica e Concepção Geral A população a ser beneficiada por este sistema, na Região do Agreste Pernambucano, está estimada em 1,89 milhões de pessoas para fim de plano em A fonte hídrica do sistema é o reservatório Ipojuca, ponto final do Ramal do Agreste, que beneficiará a região com a adução de 8 m³/s do Eixo Leste do PISF. A configuração adotada para a concepção do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano teve por base os seguintes pontos: o Sistema Adutor tem seu início no reservatório de Ipojuca, atendendo a população urbana e rural das cidades e povoados (faixa de 2,5 km para cada lado do eixo do traçado das adutoras); deverá atender a toda população abastecida com água tratada; o traçado das adutoras deverá privilegiar as condições de relevo naturais; o Sistema Adutor deverá se desenvolver ao longo do sistema viário, como forma de minimizar problemas ambientais, desapropriações e custos de manutenção. Demandas Envolvidas e Balanço Hídrico O Sistema Adutor do Agreste Pernambucano irá atender a 61 municípios. Além dos núcleos urbanos das sedes municipais, outros 80 distritos urbanos serão beneficiados, por estarem situados dentro da faixa de 2,5 km de cada lado da adutora. Toda a população rural da faixa de influência das adutoras também será atendida. Os valores de consumo médio por pessoa foram calculados conforme as normas do PROÁGUA para avaliar as demandas e ofertas de água na região do Agreste Pernambucano. Estes valores, aplicados às populações atendidas nos anos intermediários de 2010 e de 2025, resultaram nas demandas médias de água obtidas para as populações urbanas e rurais de cada município. Rio Ipojuca situado no minicípio de Caruaru Crianças retirando água

9 Características Técnicas das Obras Em resumo, as obras a serem realizadas para o Sistema Adutor do Agreste Pernambucano, para a produção e condução de água são as seguintes: adutora de água bruta 0,3 km; estação de tratamento de água - ETA tipo convencional; ETA capacidade nominal - vazão 3,3 m³/s; estação elevatória de água tratada (vazão final) 4,0 m³/s; adutora de água tratada - inicial 6,0 km; reservação de m³; adutoras de distribuição de água tratada com km; booster`s 5 unidades. Cronograma de Implantação e Valor do Investimento O investimento total orçado no Relatório Técnico Preliminar (RTP), com data base em junho de 2007, é de cerca de 1,34 bilhões de reais, assim distribuídos: 630 milhões de reais para obras civis; e 710 milhões de reais para tubulações e equipamentos. O prazo previsto para a execução das obras é de 24 (vinte e quatro) meses. EMPREENDIMENTOS ASSOCIADOS E DECORRENTES Os principais empreendimentos associados ou decorrentes do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano são o Eixo Leste do Projeto de Integração do São Francisco com o Nordeste Setentrional (PISF), por constituir a fonte hídrica do projeto, e o Ramal do Agreste, que vai direcionar água para que as adutoras promovam a sua distribuição à área beneficiada. 7

10 ALTERNATIVAS LOCACIONAIS E DE TRAÇADO Estudos de Locação da ETA O projeto da Estação de Tratamento de Água (ETA Ipojuca) e de suas unidades complementares, a saber: Estação Elevatória de Água Tratada (EEAT) e Centro de Reservação com capacidade de m³, tem como alternativa para a sua implantação, a utilização de área junto da Barragem de Ipojuca, onde estão localizadas a tomada d água e a adutora de água bruta, na margem direita do rio. 8 Alternativas de Traçado do Sistema Foram estudas quatro alternativas de traçado do Sistema de Adução: Alternativa 1 a captação ocorre no reservatório de Ipojuca e o caminhamento se faz em direção à cidade de Pesqueira. Em seguida à captação, foi prevista a construção de uma ETA, com início de um sistema de bombeamento. Previu-se também a instalação de tanques de reservação. A partir de Pesqueira, o sistema tem um caminhamento preferencial seguindo o próprio rio Ipojuca, passando pelas cidades de Belo Jardim, Tacaímbo, São Caitano, Caruaru, Bezerros, chegando até a cidade de Gravatá. Alternativa 2 similar à Alternativa 1, apresenta como diferença apenas o caminhamento do traçado desde o reservatório de Ipojuca até a cidade de Arcoverde e depois até Pesqueira. O novo traçado tem, entretanto, um desenvolvimento maior, com um total de metros de extensão adicional. Alternativa 3 nesta alternativa, a vazão do reservatório Ipojuca é lançada diretamente no rio Ipojuca e captada ao longo do rio em De acordo com os cálculos estimados, a Alternativa 1 tem uma vantagem em relação a Alternativa 2 de cerca de R$ 35,6 milhões. pontos estratégicos para atendimento à população. Esta alternativa tem a vantagem de não exigir um bombeamento inicial da ordem de 136 m, porém traz em si o problema de modificar as condições naturais do rio dentro do trecho que atravessa a reserva indígena. Pelas razões apontadas, as autoridades do MI, responsáveis pelo acompanhamento técnico dos estudos, decidiram pelo abandono desta alternativa.

11 Alternativa 4 uma variante da Alternativa 3. É feita uma captação no reservatório Ipojuca e as águas são encaminhadas para o rio Ipojuca seguindo o mesmo traçado da Alternativa 1 até a cidade de Pesqueira, contornando assim a reserva indígena existente na região. Desta cidade, até o rio Ipojuca, segue o caminhamento previsto na Alternativa 1 para abastecer a cidade de Poções. De acordo com o detalhamento e resultados finais da análise, principalmente no que diz respeito às condições sanitárias, foi abandonada também esta alternativa. JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA SELECIONADA A Alternativa 1 é aquela que se mostra a mais vantajosa economicamente e do ponto de vista sanitário, a que apresenta as melhores características. Ressalta-se, no entanto, que as diferenças de custos de tubulação entre a Alternativa 1 e a Alternativa 4 podem ser consideradas como desprezíveis. 9

12 ÁREAS DE INFLUÊNCIA CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Sistema Adutor do Agreste Pernambucano é um conjunto de adutoras de água tratada que se inicia no município de Arcoverde (PE) e percorre as faixas de domínio das principais estradas da região do Agreste Pernambucano, de modo a garantir o abastecimento de água de boa qualidade para consumo humano em toda a região. Abrange, assim, 61 municípios, além de alguns distritos e de várias localidades da zona rural desses municípios dentro de uma faixa de 5 km de largura em torno das adutoras principais. A definição das áreas de estudo foi feita segundo os procedimentos comuns de observação das características do empreendimento, das suas principais relações com as diferentes regiões em que está inserido e, por fim, da conseqüência destas relações nos vários elementos ambientais. Para esses estudos ambientais foram consideradas as duas tradicionais unidades espaciais de análise, ou seja: a Área de Influência Indireta AII e a Área de Influência Direta AID, esta última, território em que se dão majoritariamente as transformações ambientais primárias (ou diretas) decorrentes do empreendimento. 10

13 ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA Meios Físico e Biótico A Área de Influência Indireta (AII) é definida como a área real ou potencialmente afetada pelos impactos indiretos da implantação e operação do empreendimento. O conceito da bacia hidrográfica como unidade de estudos ambientais vem sendo aplicado há bastante tempo em diversos países, inclusive no Brasil, não apenas como espaço preferencial de análise, mas como um limite geográfico onde se pode melhor controlá-los e, assim, manter a qualidade ambiental. Por isso foi definida a inclusão das bacias receptoras desses recursos na Área de Influência Indireta dos estudos físico-bióticos do empreendimento. Apesar de atender apenas municípios do Estado de Pernambuco, a água distribuída pelo projeto, após consumida pela população, acabará sendo destinada para a drenagem natural e atingindo todas as bacias hidrográficas envolvidas, estendendo-se para regiões do Estado de Alagoas. As dez bacias que compõem a Área de Influência Indireta (AII) são apresentadas a seguir: Moxotó, Ipojuca, Goiania, Capibaribe, Sirinhaém, Una, Mundaú, Paraíba, Traipu e Ipanema. Marca d água nas rochas que cercam a Barragem do Mulungu,indicando o baixo nível de água atual Bovinos atravessando o rio Una Reservatório no riacho do Tigre, próximo a Henrique Dias 11

14 Meio Socioeconômico Para os estudos do meio socioeconômico, foi considerado como Área de Influência Indireta (AII) o espaço provável dos desdobramentos sociais e econômicos indiretos do uso previsto das águas conduzidas pelo Projeto, principalmente sobre os processos da mobilidade da população e da qualidade de vida em geral. Assim, considerou-se para delimitação da AII para o meio antrópico os limites envolventes dos 61 municípios que serão futuramente atendidos, além de mais 3 (três) municípios que se beneficiarão diretamente em função do aumento da disponibilidade das águas locais para o seu abastecimento. Feira de Sulanca, em Caruaru Parque Ecológico João Vasconcelos sobrinho, em Caruaru 12

15 ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA A Área de Influência Direta (AID) é definida como a área sujeita aos impactos diretos da implantação e operação do empreendimento. Sua delimitação é função das características sociais, econômicas, físicas e biológicas dos sistemas a serem estudados e das características do empreendimento. Considerou-se como limites para a Área de Influência Direta uma faixa de 5 km em torno das obras do Sistema Adutor (2,5 km para cada lado). Dentro desta faixa, todas as comunidades existentes serão atendidas pelo abastecimento de água do projeto. Como exceção, temos a área delimitada pela Terra Indígena Xucurú, no município de Pesqueira. Uma pequena porção desta Terra Indígena está próxima ao Sistema Adutor, dentro da faixa de 2,5 km de um dos lados, porém não sofrerá nenhum impacto direto do empreendimento, de modo que optou-se por não inserila na AID. Por outro lado, a Terra Indígena Xucurú será beneficiada indiretamente, pois atualmente a COMPESA, órgão estadual de saneamento básico, capta água em alguns reservatórios pertencentes a esta área, deixando de fazê-la após a implantação do empreendimento. 13

16 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL Meio Físico Clima e Condições Meteorológicas 14 Estudos recentes do fenômeno das secas no Nordeste Brasileiro mostraram a necessidade de se conhecer as características da atmosfera em nível regional e em nível global. O clima do Nordeste do Brasil, por suas diferentes características, é considerado o de maior complexidade entre as regiões brasileiras. Essa complexidade decorre fundamentalmente de sua posição geográfica em relação aos diversos sistemas de circulação atmosférica e, também, em função do relevo, da latitude e da localização continental. O regime de chuvas da região também é complexo e gerador de preocupação. Outro elemento importante na análise climática do Nordeste Brasileiro é a variação dos ventos na costa. Semi-Árido Nordestino O clima da região semi-árida nordestina é caracterizado pela falta de chuvas e pelas altas taxas de evaporação e insolação. O leste do Piauí, todo o Estado do Ceará e a metade oeste dos Estados do Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco se encontram na área de maior freqüência de secas. O regime de chuvas no Semi-Árido Nordestino pode ser caracterizado por dois períodos bem definidos: um chuvoso no verão e outro seco no inverno, sendo os meses mais chuvosos os de novembro, dezembro e janeiro; os mais secos os de junho, julho e agosto, tendo seu período de precipitação iniciado em setembro, atingindo o seu máximo em dezembro e, praticamente, terminando no mês de maio. Observa-se na região o fenômeno do veranico, período entre 10 e 25 dias, durante a época de seca, com temperaturas elevadas, que ocasionam a alta evapotranspiração. A insolação é muito forte, da ordem de horas por ano em média, e a evaporação atinge, nas regiões mais secas, mm. Afloramento de Rocha Afloramento na localidade de PEDRA

17 Avaliação Climatológica das Secas As secas no Nordeste são conhecidas desde os séculos XVI e XVII. A região alterna períodos de longa estiagem e períodos curtos de chuva concentrada. Para que a zona compreendida por este fenômeno climático fosse atendida e definida a área de sua atuação, foi delimitada, por Lei, em 1936, o chamado polígono das secas. Passadas mais de seis décadas, o problema do polígono das secas ou da região semi-árida continua à espera de soluções, sendo cada vez mais agravado por imposição da Natureza e pela necessidade de políticas públicas mais eficientes. Considerando as análises realizadas na região, que apontam para a grave escassez de água, fica demonstrada a necessidade da implantação de sistemas de fornecimento hídrico complementares à água da chuva, no sentido de se amenizar a aridez da região. Rio completamente seco, devido à estiagem no Agreste Pernambucano Cultivo de mandioca mecanizado após Buíque rumo a Tupanatinga Temperatura do Ar no Nível da Superfície Pode-se afirmar que, em anos de El Niño de forte atividade, as secas no Nordeste brasileiro passam a ser mais pronunciadas, principalmente no Semi-Árido, onde, em situação regular, elas já estão presentes. Os fortes episódios de La Niña, porém, ainda merecem mais análises quanto aos seus impactos no Nordeste Brasileiro. Panorâmica de relevo de Argissolos 15

18 Principais Características Climatológicas As principais características do clima na área de interesse e em torno do Projeto do Sistema Adutor do Agreste de Pernambucano, por parâmetro, são as seguintes: Vento Meridional no Nível da Superfície: as componentes meridionais assumem valores positivos em toda a área do projeto. Os valores de velocidade da componente meridional decrescem à medida que os ventos adentram ao continente. Taxa de Evaporação Potencial: os máximos valores no Semi-Árido ocorrem de outubro a dezembro (> 400 W/m²). Taxa de Precipitação: apresenta-se, predominantemente, na direção sudoeste para nordeste, tendo os maiores valores próximos ao litoral. Temperatura do Ar: apresenta-se, em geral, de sudoeste para nordeste (litoral). Em outubro e novembro ocorre uma mudança natural do Semi-Árido para noroeste. Fluxo de Calor no Nível da Superfície do Solo: a variação em função das estações do ano é relativamente marcante. Vetor Vento no Nível da Superfície: de modo geral, os ventos se deslocam com uma componente leste acentuada, com pequenas variações ao longo do ano, principalmente no inverno. Vento Zonal no Nível da Superfície: os ventos zonais são predominantes do setor leste, cuja dimensão diminui à medida que se adentra o continente. Pressão Atmosférica no Nível da Superfície: as configurações dos campos de pressão à superfície pouco variam ao longo do ano. Percebe-se um ajuste geral do campo de pressão à superfície com as topografias da Serra dos Irmãos, Serra Grande, Chapada do Araripe, Serra dos Cariris, Planalto da Borborema e Serra dos Cariris Novos. Umidade Relativa do Ar no Nível da Superfície: de janeiro a março, surge um mínimo relativo que se desloca para leste, na direção do oceano. Em janeiro, esse núcleo apresenta uma posição próxima a Flores (PE), a leste e mais seco que a área do empreendimento, com valor de 78%. De abril a agosto, o sinal se inverte, passando a se configurar um núcleo de máximo relativo (em torno de 80%), que se desloca gradualmente para leste. Em setembro, a configuração do campo de isolinhas sobre o Semi-Árido nordestino passa a ser não fechada, no sentido do litoral. Em outubro, volta a surgir um núcleo de mínimo relativo próximo a Ouricuri (PE), a leste e mais seco que a área do empreendimento, o qual sofre variações de valor, chegando a 65% em dezembro e persistindo desse modo até março. 16 Riacho Ipanema

19 Ruídos A medição dos níveis de ruído na região foi realizada a fim de conhecer o ruído ambiente, auxiliando na criação dos mapas de ruído na região do empreendimento. Foram realizadas medições durante o dia e a noite. Os resultados das medições de ruído ambiente na região do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano durante o dia apresentaram os seguintes ruídos perceptíveis: pássaros, mugido de vaca, pessoas falando, crianças gritando, trânsito de veículos, gato miando, grilo, cabra, passagem de moto, latidos de cães, buzina de moto e carro, vento na vegetação, passagem de ônibus, música mecânica, crianças na escola, passagem de caminhão, passagem de bicicleta e charrete. Já os resultados das medições de ruído ambiente na região do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano no período da noite apresentaram os seguintes ruídos perceptíveis: galo, vento na vegetação, pássaros, passagem de carro e caminhão e cabra. Várzea de Pão-de-açucar Rio Ipojuca rodeado de moradias precárias que ali despejam seu esgoto sem nenhum tratamento Pedreiras para retirada de paralelepipedos. Britacal (Brita Caruaru Ltda.) GEOLOGIA E GEOTECNIA Área de Influência Indireta A Área de Influência Indireta do Sistema Adutor inclui porções da Província Borborema, seções basais e intermediárias de Bacias Sedimentares Paleozóicas Meso-Cenozóicas Interiores e Bacias Sedimentares da Margem Continental Brasileira. Área de Influência Direta A partir de dados secundários, foi confeccionado em escala regional (1: ) o mapa geológico da Área de Influência Direta (AID) do Sistema Adutor. A base de dados foi compilada do SIG Geológico do Brasil, na escala de 1: , apresentado pela CPRM em 2003, sendo então incorporadas informações de mapeamentos de maior detalhe e pequenas modificações. Em termos de grandes compartimentos geotectônicos, a Área de Influência Direta do Sistema Adutor do Agreste de Pernambuco inclui porções da Província Borborema e parte da Bacia Sedimentar do Jatobá. 17

20 Ocorrência de Sismos na Região Nordeste As atividades sísmicas que atingem o Nordeste evidenciam que liberação de energia sísmica, em geral, ocorre em áreas afetadas por falhamentos ou convergência de estruturas. A zona sismogênica abrangida pela área do Sistema Adutor é a Zona Sismogênica de Caruaru, zona esta que se restringe ao Bloco Pernambuco. Em novembro de 1981 ocorreram três eventos sísmicos subseqüentes na Zona Sismogênica de Caruaru, de magnitude igual a 3.1, um deles afetando uma área de 300km². Em agosto de 2002 ocorreram tremores em Caruaru/PE, dos quais 102 foram registrados no dia 19 com a maior magnitude atingindo 3,5 graus na escala Richter. Recentemente houve um abalo sísmico, no dia 20/08/2007, que atingiu 4 graus na escala Richter, sendo o maior abalo registrado deste Hidrogeologia Classificação e caracterização dos sistemas aqüíferos Com base no mapa geológico (CPRM, 2003) no interior dos limites da Área de Influência Direta do Sistema Adutor do Agreste Pernambucano podem ser reconhecidos três sistemas aqüíferos, os quais são distinguidos em função das variações de parâmetros hidrodinâmicos como transmissividade, condutividade hidráulica e tipo de porosidade. Assim foram definidos o Sistema Aqüífero Fissural, o Sistema Aqüífero Garanhuns e o Sistema Aqüífero Jatobá: Sistema Aqüífero Fissural: engloba todas as rochas metamórficas e ígneas aflorantes na Área de Influência Direta, ocupando praticamente todo o Agreste de Pernambuco. Sistema Aqüífero Garanhuns: a cidade de Garanhuns está posicionada morfologicamente, numa discreta projeção do tabuleiro sedimentar da região, que se apresenta aqui recortado e entalhado pela drenagem procedente de noroeste e do nordeste. Com base no levantamento de campo dos litotipos aflorantes na zona urbana de Garanhuns, e seus posicionamentos litoestratigráficos com as unidades indicadas na geologia regional, verificam-se que a maior parte desses litotipos corresponde, em superfície, à exposição da Formação São Sebastião. Motor para bombeamento d'água 18 Sistema Aqüífero Intergranular Jatobá: representado na Área de Influência Direta pela Formação Tacaratu. Essa formação na AID aflora ao longo da borda SSE da bacia sedimentar, ocupando porções dos municípios de Tupanatinga e Buique, onde se apresenta bastante recortada pela erosão e capeada por espesso manto eluvial. Açude Tambores no rio Ipanema

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

ÁREAS DE INFLUÊNCIA...11 LEGISLAÇÃO INCIDENTE E APLICÁVEL...33 IMPACTOS AMBIENTAIS...39 PROGRAMAS AMBIENTAIS...53 PROGNÓSTICO AMBIENTAL...

ÁREAS DE INFLUÊNCIA...11 LEGISLAÇÃO INCIDENTE E APLICÁVEL...33 IMPACTOS AMBIENTAIS...39 PROGRAMAS AMBIENTAIS...53 PROGNÓSTICO AMBIENTAL... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...01 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...03 ÁREAS DE INFLUÊNCIA...11 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL...13 Meio Físico...13 Meio Biótico...18 Meio Socioeconômico...23 Relatório de Impacto Ambiental

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A CAATINGA 2011 Aula XI O bioma Caatinga é o principal ecossistema existente na Região Nordeste, estendendo-se pelo domínio de climas semi-áridos, numa área de 73.683.649 ha, 6,83%

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA)

1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) 1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) -DOCUMENTO TÉCNICO ONDE SE AVALIAM AS CONSEQUÊNCIAS PARA O AMBIENTE DECORRENTES DE UM DETERMINADO PROJETO -AVALIA DE FORMA IMPARCIAL E MERAMENTE TÉCNICA OS IMPACTOS

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto A Zona da Mata é uma sub-região costeira da Região Nordeste do Brasil que se estende do estado do Rio Grande do Norte até o sul da Bahia, formada por uma estreita faixa de terra

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ.

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Profª: Sabrine V. Welzel

Profª: Sabrine V. Welzel As sub-regiões do Nordeste 7 ano O Nordeste, como as demais regiões do Brasil, não é homogêneo. Para efeito de estudo, costumamos dividir a região em quatro áreas definidas de acordo com o clima, a vegetação

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade REGIÃO NORDESTE As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade NORDESTE Características gerais 9 Estados / 18, 25% do território do Brasil; 2ª maior população regional; Área de colonização mais antiga; A maior

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA BRASIF S.A. Administração e Participações SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA - Estudo de Impacto Ambiental - EIA - Relatório de Impacto Ambiental - RIMA FAZENDA FORNO GRANDE Município de Castelo-ES Termo

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA Roneíse de Jesus Lima¹, Diêgo Pereira Costa², Raphaela Santana Melo Araujo³,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES

AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES Elisabete Cardoso Ferreira ellisageo@gmail.com Eixo Temático 4: conflitos de usos e gestão de recursos hídricos no litoral brasileiro

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Quando olhei a terra ardente...

Quando olhei a terra ardente... Quando olhei a terra ardente... A UU L AL A Nesta aula estudaremos a região Nordeste, identificando suas principais características e sua importância para o país. Para entender suas paisagens, vamos avaliar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais