REDES DE ACESSO MULTI-SERVIÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES DE ACESSO MULTI-SERVIÇO"

Transcrição

1 REDES DE ACESSO MULTI-SERVIÇO Part A Mário Serafim dos Santos Nunes Instituto Superior Técnico Março de 2002

2 REDES DE ACESSO MULTI-SERVIÇO Mário Serafim dos Santos Nunes Secção de Sistemas Digitais e Computadores Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Lisboa Março de 2002 IST ii

3 Objectivos A cadeira de Redes de Acesso Multi Serviço é oferecida aos cursos de Mestrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores (MEEC) e de Mestrado em Engenharia Informática e Computadores (MEIC) do Instituto Superior Técnico. O desenvolvimento explosivo da Internet nos últimos anos em todo o mundo, quer em número de clientes quer em diversidade e riqueza de conteúdos, tem feito crescer a necessidade de ritmos de acesso cada vez maiores, quer em ambientes empresariais quer residenciais. Pretende-se nesta cadeira desenvolver conhecimentos que permitam definir, projectar e planear redes de acesso baseadas em diferentes tecnologias, meios de transmissão e protocolos e integrá-las com outras redes. Através da frequência das aulas teóricas o aluno deve compreender os conceitos de redes de acesso no contexto das redes globais; os modelos de redes de acesso definidos pelos principais organismos de normalização; as tecnologias baseadas em par de cobre, em cabo coaxial, em rádio e em linhas de energia; os modelos de protocolos e interfaces associados às diferentes tecnologias; o desempenho e as limitações das diferentes tecnologias. Programa Problemas na linha de cliente. Estrutura da rede de acesso. Arquitecturas e tecnologias alternativas das redes de acesso multi-serviço e de banda larga. Codificação e Modulação. Introdução às tecnologias xdsl. RDIS. Arquitectura de acesso GR-303. Arquitecturas de Acesso ETSI: V5.1 e V5.2. ATM na rede de acesso. Tecnologias em par de cobre: ISDN, HDSL, ADSL, ADSL Lite, SHDSL, VDSL. Tecnologias em fibra óptica: FTTH, FTTC, PON. Tecnologias em cabo coaxial: CATV, HFC. Tecnologias rádio FWA: DECT, LMDS. Tecnologia de acesso por linha de energia. Serviços na rede de acesso: VoIP, aplicações de vídeo e multimédia. Bibliografia Uyless Black, "Residential Broadband Networks: XDSL, HFC and Fixed Wireless Access", Prentice Hall PTR, Alex Gillespie, "Access Networks: Technology and V5 Interfacing", Artech House Avaliação Exame (50%). Trabalho de Pesquisa individual sobre uma tecnologia de acesso (50%) IST iii

4 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO Problemas na linha de cliente Requisitos de largura de banda das aplicações Crescimento de tráfego de voz, dados e vídeo Comutação de circuitos e de pacotes Perspectivas de resolução dos problemas do acesso Modelos de arquitecturas de acesso Tecnologias de redes de acesso Classificação das redes domésticas Configuração de rede de cliente Arquitectura de acesso GR ARQUITECTURA DE ACESSO V Descrição funcional das interfaces A arquitectura de protocolos das interfaces Estrutura dos protocolos de nível Protocolo de sinalização PSTN Protocolo de Controlo Protocolo Bearer Channel Connection (BCC) Protocolo de Protecção Protocolo Link Control 21 IST iv

5 1 Introdução A rede de acesso (access network) é constituída pelo conjunto de equipamentos que permitem a ligação adequada dos utilizadores à rede principal (core network) de modo a obter acesso a um conjunto alargado de serviços com adequada qualidade de serviço a um custo razoável. 1.1 Problemas na linha de cliente As linhas de cliente (local loop) actuais apresentam alguns problemas de que se destacam: o foram projectadas para a largura de banda da voz, não para dados ou vídeo o limitam fortemente as aplicações de débito elevado, como por exemplo o acesso à Internet (WWW), transferência de ficheiros, multimédia. Para além destes, os operadores também se debatem com outros tipos de problemas relacionados com o tráfego das novas aplicações: o as redes principais não estão dimensionadas para suportar o tráfego dos utilizadores actuais, com forte e contínuo crescimento o as chamadas de dados, nomeadamente os acessos à Internet, têm duração muito superior à da voz (2 minutos versus 10 minutos) As futuras redes de acesso deverão possuir um conjunto de requisitos, que se enunciam: o Flexibilidade para adaptação a novas aplicações e serviços com características muito diferentes em termos de padrões de tráfego e tipos. A disponibilidade de tecnologias e arquitecturas com capacidade para rapidamente satisfazer novos pedidos será um factor determinante de sucesso para os operadores. o Largura de banda elevada é um requisito fundamental que afecta a escolha entre as várias opções técnicas disponíveis. No futuro próximo o desenvolvimento de aplicações e serviços de banda larga, nomeadamente as aplicações multimédia e a interligação de LANs, implica a necessidade de elevadas larguras de banda, quer para os utilizadores domésticos, quer empresariais. o Acessos de baixo custo são necessários, em particular para os utilizadores domésticos, de modo a diminuir os riscos de investimento associados à introdução de novas tecnologias de acesso em ambiente desregulamentado. o Qualidade de serviço adequada para os diversos serviços oferecidos, nomeadamente em termos de fiabilidade, acessibilidade e segurança das comunicações. Há actualmente uma grande diversidade de meios utilizados para a rede de acesso, bem como as tecnologias utilizadas em cada um deles. A evolução tecnológica é muito rápida nesta área pelo que não é possível indicar sem margem de erro qual a tecnologia ou tecnologias mais adequadas para a rede de acesso a longo prazo. IST 1

6 1.2 Requisitos de largura de banda das aplicações Os estudos publicados por várias empresas mostram que há enormes diferenças entre o tráfego de voz, dados e vídeo na Internet. Estudos publicados quer pelos Bell Labs [] quer por medições de tráfego em operadores nacionais [], mostram que o tráfego na Internet é fortemente assimétrico. Na tabela 1.1 mostram-se alguns valores de fluxos na Internet, do estudo da Bell Labs. Tabela 1.1 Perfil de tráfego na Internet Tipo de fluxo % de fluxos % de octetos Número médio de pacotes Web Server Client (downstream) Web Client Server (upstream) Mbone 0, K 6,3 M DNS Outros Número médio de octetos Várias conclusões se podem tirar da tabela: o O número de fluxos e de pacotes Web e sensivelmente igual nos dois sentidos o O volume de tráfego da rede para o cliente é uma ordem de grandeza superior ao do tráfego em sentido inverso (90% / 10%) o O número de fluxos de Mbone é muito baixo mas o tráfego é muito elevado o O tráfego DNS e outros tipos é desprezável 1.3 Crescimento de tráfego de voz, dados e vídeo As estatísticas de crescimento de tráfego de voz e dados nos últimos anos mostram um crescimento lento do tráfego de voz e muito elevado do tráfego de dados e vídeo. Como se pode constatar na figura 1.1, a taxa de crescimento da voz é de à volta de 10-20% por ano, enquanto que as taxas de crescimento de dados e de vídeo ronda os 100%, isto é, quase duplica em cada ano. As razões deste aumento exponencial do tráfego de dados e vídeo estão fortemente ligadas ao crescente uso da Internet e ao crescimento explosivo das aplicações Web com conteúdos graficamente muito ricos, nomeadamente com imagens coloridas e de resolução crescente. IST 2

7 100% 80% 60% 40% Voz Dados Vídeo 20% 0% Figura 1.1. Taxa de crescimento de voz, dados e vídeo Apesar dos progressos na codificação de imagens, nomeadamente JPEG (Joint Photographic Experts Group), o aumento da qualidade das imagens disponibilizadas nos Servidores Web faz com que o tempo de descarregamento de uma imagem de boa qualidade seja excessivo para acessos com Modem. Por exemplo, utilizando um Modem V.90 assíncrono (10bit/caracter) a 56 Kbps, uma imagem de 100 Kbytes demora 17,5 segundos a ser descarregada, um tempo demasiado elevado para a maioria dos utilizadores. A necessidade de maiores débitos de acesso por parte dos utilizadores empresariais e residenciais tem feito crescer a pesquisa e a oferta de novas tecnologias de acesso, procurando obter débitos o mais elevado possível com o mais baixo custo. 1.4 Comutação de circuitos e de pacotes A comutação de circuitos tem sido utilizada durante muitos anos para proporcionar aos utilizadores comutação rápida e elevados débitos de transmissão. Esta tecnologia caracteriza-se por proporcionar uma reserva de largura de banda para cada utilizador durante todo o período de utilização do circuito, o que proporciona uma elevada qualidade de serviço mas uma má eficiência de utilização, uma vez que os utilizadores em geral não estão a utilizar permanentemente os recursos da rede postos à sua disposição. Nos sistemas de transmissão actuais a comutação de circuitos está geralmente associada à multiplexagem por divisão no tempo TDM (Time Division Multiplexing), normalizada em hierarquias de transmissão digital, de que a linha E1 a 2 Mbps é o exemplo mais usado na Europa, a que corresponde o T1 a 1,5 Mbps nos EUA. A comutação de circuitos TDM é adequada para aplicações que necessitam de um débito constante por um período de tempo longo, em que ocupam time-slots fixos do sistema de transmissão TDM. Contudo esta tecnologia não é eficiente para aplicações que têm grandes e rápidas variações de débito ao longo do tempo, como é em geral o caso das aplicações de dados. A técnica mais usada nas últimas décadas para transporte de serviços de dados com fortes variações de débitos é a comutação de pacotes, que permite a multiplexagem estatística de vários utilizadores no mesmo sistema de transmissão. As tecnologias de comutação de pacotes têm evoluído no sentido de uma menor complexidade da rede, começando com o X.25, seguido do Frame Relay e mais recentemente com o ATM (Asynchronous Time Multiplexing). IST 3

8 Na rede de acesso pretende-se uma elevada eficiência de utilização da largura de banda, em geral escassa, e simultaneamente uma elevada qualidade de serviço, em especial para os seviços de tempo real. Estas necessidades apontam para soluções de compromisso entre a comutação de circuitos e de pacotes no sentido de optimizar as melhores características das duas tecnologias, o que é procurado pelas diferentes tecnologias de acesso que têm sido desenvolvidas nos últimos anos. 1.5 Perspectivas de resolução dos problemas do acesso O problema do estrangulamento da largura de banda no acesso pode ser resolvida à custa de várias operações que se enunciam: 1. Aumento da largura de banda da linha de acesso. Este aumento pode ser conseguido de dois modos diferentes: a. Melhoria dos esquemas de modulação e codificação de modo a aumentar a eficiência dos meios existentes. Exemplos são a introdução de técnicas de modulação que permitem elevar o índice de Bit/Hz, como o QAM; b. Melhoria dos meios utilizados no acesso, eventualmente através da sua substituição por outros que permitam maior débitos. Exemplos são a substituição do par entrançado por cabo UTP, cabo coaxial ou fibra óptica. 2. Desenvolver protocolos que utilizem melhor a capacidade da linha de acesso. No passado utilizou-se quase exclusivamente comutação de circuitos com linhas analógicas ou digitais E1, mas actualmente as aplicações têm outros requisitos, que requerem: débito assimétrico, débito a pedido, débito variável. 3. Expandir a capacidade da rede dos operadores. Por exemplo, nos EUA há os operadores locais (LEC Local Exchange Carrier), os operadores de longa distância (IC ou IXC - Interexchange Carrier) e os operadores de Internet (ISP Internet Service Provider). Esta divisão de operadores tem de ser redefinida de modo a integrar as diferentes funcionalidades necessárias a um operador de serviços integrados. IST 4

9 1.6 Modelos de arquitecturas de acesso O organismo de normalização europeu ETSI apresenta no guia EG [ETSI 1] uma panorâmica das redes de acesso para clientes residenciais e respectivas normas. O modelo de referência de rede de acesso do ETSI e ITU-T (ETSI DTS/TM-3024 e ITU-T I.413, I.414) é apresentado na figura 1.7. B-TE SB CPN B-NT2 UNI TB B-NT1 Access Network U Access Distribution Network SNI VB ET Figura Modelo de referência de rede de acesso do ETSI e ITU-T O ATM Forum definiu um modelo de referência de rede de acesso (ATM Forum RBB R2) equivalente, que se apresenta na figura 1.3. TE Home UNI SB Home ATM Network UNIx NT U ATM Access Network Final Drop Distribution ANI ATM Core Network Figura Modelo de referência de rede de acesso do ATM Forum No guia do ETSI são identificadas as seguintes interfaces UNI com fios: o Analogue telephony for POTS o Data interfaces (V series) o Analogue leased lines o Digital leased lines o Basic rate ISDN o Primary rate ISDN o kbit/s B-ISDN o 25,6 Mbit/s B-ISDN o 155,520 Mbit/s B-ISDN o 622,08 Mbit/s B-ISDN o High bit rate Digital Subscriber Line (HDSL) IST 5

10 o Asymmetric Digital Subscriber Line (ADSL) o Very High Speed Digital Subscriber Line (VDSL) o Analogue cable TV distribution o Digital cable TV distribution o Interaction channel for cable TV networks o Ethernet No mesmo guia do ETSI são identificadas as seguintes interfaces UNI sem fios: o GSM/DCS 1800 o DECT o Universal Mobile Telecommunication System (UMTS) São definidas as seguintes interfaces SNI (Service Node Interface) entre a rede de acesso e a rede Core: o Narrowband SNIs: V5.1 e V5.2 o Broadband SNIs : VB5.1 e VB5.2 Referências [ETSI 1] ETSI Guide EG V1.2.1, Transmission and Multiplexing (TM); Access networks for residential customers, May IST 6

11 1.7 Tecnologias de redes de acesso As redes de acesso são classificadas com base no meio de transmissão, tal como se indica:?? Pares Entrançados de cobre - Modem de banda de voz - ISDN - HDSL - ADSL - ADSL Lite - VDSL?? Cabo Coaxial - CATV - Hybrid Fibre Coax (HFC)?? Fibra Óptica - Fibre in the Loop (FITL) - Fibre to the Curb (FTTC) - Fibre to the Home (FTTH)?? hlinha de Energia (em fase de normalização pelo ETSI)?? Acesso sem fios - GSM/DCS DECT - P-MP Narrowband FWA - Universal Mobile Telecommunication System (UMTS/UTRAN) - Satellite Master Antenna Television (SMATV) - MMDS - LMDS - IEEE Terrestrial broadcasting Os Modems de de banda de base são actualmente ainda o meio de acesso mais usado para redes de dados, nomeadamente à Internet, apesar do seu bixo débito. Na tabela 1.1 apresentam-se as características básicas dos principais Modems normalizados pelo ITU.T. IST 7

12 Ritmo (bps) Down/Up Tabela 1.1 Modems de banda de voz Symbol Rate (Baud) Tipo de Modulação Norma Data i4-dpsk V i8-dpsk V QAM V QAM V QAM V QAM V /33000 V /48000 V.92 A curto prazo as tecnologias baseadas em pares de cobre (HDSL, ADSL, VDSL) são actualmente muito utilizadas pelos operadores telefónicos para proporcionar serviços de largura de banda elevada, nomeadamente Video-on-demand e serviços multimédia com baixo investimento, uma vez que a rede local de cliente baseada em pares de cobre é quase totalmente reutilizável. A arquitectura HFC (Hybrid-Fiber Coax) é igualmente muito popular entre os operadores de televisão por cabo, uma vez que com investimentos reduzidos é possível reutilizar o cabo coaxial usado nos serviços de difusão de televisão, acrescentando-lhe funcionalidades de interactividade através de um canal de retorno partilhado. As arquitecturas baseadas em fibra óptica (FTTH, FTTB, FTTC e PON/APON) são as tecnologias mais promissoras a médio prazo devido à sua maior largura de banda e menores taxas de erros. A sua introdução, é todavia limitada pelos maiores custos por cliente, que atingem o máximo valor para o caso da FTTH e menor para a PON/APON. As tecnologias baseadas em radiofrequência ou microondas estão numa fase de crescimento rápido, nomeadamente a MMDS e variantes deste sistema, os quais permitem a instalação de serviços de distribuição de elevada largura de banda, nomeadamente televisão comercial e no futuro televisão interactiva. A tecnologia DBS (Direct Broadcast Satellite) também está em crescimento na Europa e EUA, sendo de prever a sua rápida expansão para transmissão de canais de vídeo digital. Tecnologia Meio Ritmo (bit/s) Distância HDSL Par de cobre 2 M 4 Km ADSL Par de cobre 1.5-6M (rede-utilizador) K (utilizador-rede) 3-5 Km IST 8

13 VDSL Par de cobre M (rede-utilizador) HFC Fibra óptica / Cabo coaxial M (utilizador-rede) N x 34 M (rede-utilizador) 3-15 M (utilizador-rede) m 80 Km FTTH Fibra óptica 155 M 100 Km PON/APON Fibra óptica 155 M (rede-utilizador) FTTB Fibra óptica / Par de cobre 2-10 M (utilizador-rede) 100 Km 25 M 100 Km FTTC Fibra óptica / Par de cobre 6 M 100 Km MMDS Microondas N x 34 M (rede-utilizador) 30 Km DBS Satélite N x 34 M (rede-utilizador) 6000 Km HDSL - High Bit Rate Digital Subscriber Line ADSL - Asymmetric Digital Subscriber Line VDSL - Very High Speed Digital Subscriber Line APON - ATM PON - Passive Optical Network FTTC - Fiber To The Curb MMDS - Microwave Multi-point Distribution Systems HFC - Hybrid Fiber-Coax FTTH - Fiber To The Home FTTB - Fiber To The Building PON - Passive Optical Network RF - Rádio Frequência DBS - Direct Broadcast Satellite Figura Meios e tecnologias mais utilizadas na rede de acesso. 1.8 Classificação das redes domésticas Com fios - Ethernet - Power line - Telephone line Sem fios - DECT - IEEE , b, a - Bluetooth / IEEE HIPERLAN IST 9

14 1.9 Configuração de rede de cliente Na sua configuração mais simples um cliente está ligado à central local por um par entrançado, como se mostra na figura 1.5. CPE Instalação externa Central Local Telefone PD Linha de assinante MDF Comutador Figura Configuração directa de cliente A interligação de cada terminal à central local é feita por um par de cabo entrançado de secção reduzida (em geral 0,4 mm a 0,5 mm), podendo o seu comprimento atingir 6-7 Km, em particular em zonas rurais. O ponto de conexão entre o equipamento de cliente (CPE - Customer Premises Equipment) e a Central é chamado Ponto de Demarcação (PD), em geral uma caixa com protecções no exterior ou à entrada da casa do cliente. Na Central as linhas dos clientes chegam a uma sala onde são encaminhadas para um Repartidor Principal (MDF Main Distribution Frame), de onde são encaminhadas para o Comutador. A elevada distância dos terminais relativamente às centrais locais e a utilização de pares entrançados de reduzida secção acarretam uma elevada atenuação e uma baixa largura de banda das linhas de cliente. Para obviar a estes problemas foram desenvolvidos concentradores remotos, denominados sistemas de portadores digitais (DLC - Digital Loop Carrier), ligados às centrais locais através de sistemas de transmissão digital de débito elevado, em par de cobre ou fibra óptica. Na figura 1.4 mostra-se a configuração genérica de um sistema DLC residencial. A Central Local comunica com o equipamento de acesso remoto (RT - Remote Terminal) através de uma interface digital em par entrançado ou fibra óptica. Telefone Central Local ISDN Dados em Modo Pacote Vídeo RT Par entrançado ou fibra óptica COT Comutador Internet Circuito de Dados COT Central Office Terminal Figura 1.6. Configuração DLC de cliente residencial. IST 10

15 O terminal remoto RT comunica com o equipamento do cliente através da rede de distribuição. O equipamento do cliente pode ser um telefone analógico, ISDN, terminal de dados, de vídeo, terminal de computador de acesso à Internet ou linha digital. Os EUA e a Europa definiram diferentes arquitecturas de sistemas DLC, designando-se a versão americana GR-303 e a europeia V5, que se analisam em seguida Arquitectura de acesso GR-303 Nos EUA a arquitectura digital de acesso residencial mais antiga é designada UDLC (Universal Digital Loop Carrier), sendo representada na figura 1.7. LE BRI LT PSTN LT 1 n COT DIGITAL TRANSMISSION SYSTEM RT 1 n Proprietary BIT and or Message Oriented on Common Channels Figura Configuração de acesso UDLC Como se observa na figura, a arquitectura UDLC compreende dois módulos básicos, o COT (Central Office Terminal) e o RT (Remote Terminal). O RT implementa as funções de interface com o equipamento terminal, comunicando com o COT através de linhas de transmissão digitais, efectuando uma concentração de tráfego de n utilizadores para k linhas, em que k << n. O COT é em geral ligado ao RT através de um sistema de transmissão de fibra óptica, sendo usada nos EUA uma interface SONET OCn com ritmo múltiplo de Mbps. Na Europa a correspondente interface óptica seria SDH STMm com ritmo múltiplo de 155,52 Mbps. Nos sistemas UDLC a sinalização entre RT e COT é proprietária, uma vez que este sistema não foi normalizado a nível mundial. Uma das vantagens da arquitectura UDLC é a de não requerer alterações nas centrais locais, uma vez que emula no COT as interfaces dos equipamentos dos clientes, o que implica uma complexidade elevada do COT, nomeadamente a conversão analógico-digital, necessitando o mesmo número de interfaces físicas na central que o equipamento original dos clientes. A arquitectura IDLC, definida pelo Bellcore nos EUA, tal como se apresenta na figura 1.8, permite resolver esse problema, pois o COT é eliminado, sendo substituído pelo módulo IDT (Integrated Digital Terminal), mais simples e integrado pois não requer conversões A/D e D/A e possui um número de interfaces físicas muito menor que a arquitectura anterior. (Message Oriented on Common Channels) or CAS (Bit Oriented on Common Channels) LE IDT RT 1 G.703 2M DIGITAL TRANSMISSION NETWORK n IST 11

16 Figura 1.8. Configuração IDLC O módulo IDT pode ser integrada na Central, definindo-se uma sinalização normalizada, orientada a mensagens, entre o RT e a central local. 2 Arquitectura de acesso V5 O ETSI definiu a interface entre a rede de acesso e a central local para suporte de serviços de telecomunicações de banda estreita com a designação V5, com duas variantes, V5.1 [ETSI V5.1] e V5.2 [ETSI V5.2], em que a segunda suporta concentração de tráfego e a primeira não. A interface V5.1 possui uma única interface E1 de Mbps entre o módulo remoto (AN Access Network) e a central local (LE Local Exchange). A interface V5.2 permite de 1 a 16 ligações E1 entre a AN e a LE. Terminais AN Ia Link Mbps Link Mbps Ib LE : LinkN Mbps Figura 2.1 Interface V5.2 Os serviços suportados pelas interfaces V5.1 e V5.2 são os seguintes: - Telefone analógico (PSTN) - PABX - Acesso básico RDIS - Linha analógica permanente - Linha digital permanente - Acesso primário RDIS (só na V5.2) Ao contrário da interface V5.1 a V5.2 permite concentração de tráfego e de terminais. IST 12

17 2.1 Descrição funcional das interfaces AN V5.1/2 LE TE PSTN LC ET L1/2/3 ET V5.1 TE ISDN-BA NT1 LC ET L1/2* TE ISDN-BA NT1 LC ET L1/2* TE ISDN-PA (Só V5.2) NT1 LC ET L1/2* Analog Line Digital Line LC LC ET L1 ET L1 Linhas Permanentes Figura 2.2 Serviços na interface V5.1 e V5.2 Na interface V5.1 e V5.2 são definidas várias funcionalidades, que se descrevem em seguida. Interfaces V5.1 e V5.2 AN Bearer channels LE ISDN D channel PSTN signalling Control Link Control (V5.2) Protection (V5.2) Bearer Channel Connection (V5.2) Timing Figura 2.3 Descrição funcional da interface V5.1 IST 13

18 Bearer channels utilizados para transmissão bidireccional dos canais B de acessos básicos ou para a informação dos portos PSTN codificados em PCM a 64 Kbps. ISDN D-channel utilizado para transmissão bidireccional da informação do canal D dos acessos básicos ou primários RDIS. PSTN signalling utilizado para transmissão bidireccional da informação de sinalização dos portos PSTN. Control utilizado para transmissão bidireccional da informação de estado e de controlo de cada um dos portos dos utilizadores, de alinhamento de trama de 2 Mbps e outras funções de controlo geral da interface. Link Control (V5.2 ) utilizado para transmissão de informação de estado e de controlo das ligações de 2 Mbps e da continuidade de canais específicos dentro das ligações de 2 Mbps. Protection (V5.2 ) utilizado com mais de uma ligação de 2 Mbps para protecção dos canais de dados dos utilizadores (canais C) em caso de falha de uma ligação de 2 Mbps. Bearer Channel Connection (BCC) (V5.2 ) utilizado para atribuir canais B a utilizadores numa ligação específica de 2 Mbps, numa base chamada a chamada. Timing proporciona a informação temporal de transmissão de bit, identificação de octeto e sincronização de trama. 2.2 A arquitectura de protocolos das interfaces A arquitectura de protocolos da interface V5.1 e V5.2 para ISDN é indicada na figura Network Layer TE ISDN DSS1 Protocolo PSTN AN Controlo, BCC, etc Protocolo PSTN LE Controlo, BCC, etc LAPV5-DL LAPV5-DL Dados LAPD Data link Layer Função de mapeamento Função de mapeamento Trama AN Função de Relay LAPV5-EF LAPV5-EF Physical Layer D16 D16 C64 C64 S/T V5.1 Figura 2.4 Arquitectura de protocolos V5.1 e V5.2 para TE ISDN O protocolo de nível 2 de V5.1 é denominado LAPV5, sendo constituído por duas camadas: - Envelope function (LAPV5-EF) - Data link (LAPV5-DL) IST 14

19 A informação dos portos PSTN é multiplexado no nível 3 e transportada numa ligação de dados de nível 2 sobre a interface V5.1. O formato da trama de LAPV5 é o indicado na figura 2.5. Link Address Control Info DL 2 2 n-4 LAPV5-DL Flag 1 EF Address Info EF FCS Flag 2 n 2 1 LAPV5-EF Figura 2.5 Formato da trama LAPV5 O endereço EF é compatível com o formato de endereço de HDLC pelo que os bits de menor peso correspondem ao bit de extensão, tomando respectivamente o valor 0 e 1 para o primeiro e segundo octetos. Estão definidos os seguintes valores do campo de Endereço de EF: Portos RDIS 8176 Protocolo PSTN 8177 Protocolo de Controlo (sinalização) 8178 Protocolo BCC (V5.2) 8179 Protocolo de Protecção (V5.2) 8180 Protocolo de Controlo de Ligação (V5.2) O endereço Link corresponde ao Endereço de nível 2 do protocolo transportado na trama LAPV5, por exemplo LAPD ou LAPF, como se ilustra na figura 2.6. Flag DLCI/ FBE Control Info LAPF FCS Flag LAPF (FR) n Flag SAPI/TEI Control Info LAPD FCS Flag LAPD (RDIS) n Flag 1 EF Address Info EF FCS Flag 2 n 2 1 FBE FECN / BECN / DE LAPV5-EF Figura 2.6 Encapsulamento de LAPD e LAPF numa trama LAPV5-EF 2.3 Estrutura dos protocolos de nível 3 Na interface V5.2 são suportados vários protocolos de nível 3, nomeadamente: - Protocolo PSTN - Protocolo de controlo (controlo comum e de portos de utilizador) - Protocolo BCC IST 15

20 - Protocolo de Protecção Todos estes protocolos têm a seguinte estrutura de mensagens: Discriminador de protocolo 1 Endereço de nível Tipo de mensagem 4 Elementos de informação 5 : (octetos) Todos os protocolos indicados partilham o mesmo discriminador de protocolo, podendo assim ser considerados como sub-protocolos do protocolo V5.2, sendo distinguidos pelo campo Tipo de Mensagem: Código Protocolo PSTN Tipo de mensagem Protocolo de Controlo (sinalização) Protocolo de Protecção (V5.2) Protocolo BCC (V5.2) Protocolo de Controlo de Ligação (V5.2) 2.4 Protocolo de sinalização PSTN O objectivo do protocolo PSTN é o de definir a sinalização entre a AN e a LE correspondente ao estabelecimento e desligamento de chamadas de telefones analógicas. A AN terá a função de receber a sinalização analógica dos telefones analógicos e de converter essa informação em mensagens do protocolo PSTN e vice-versa. Figura 2.7 Modelo funcional de porto PSTN IST 16

21 São definidas as seguintes mensagens deste protocolo: - ESTABLISH - ESTABLISH ACK - SIGNAL - SIGNAL ACK - STATUS - STATUS ENQUIRY - DISCONNECT - DISCONNECT COMPLETE - PROTOCOL PARAMETER A mensagem ESTABLISH é usada pelo AN ou pelo LE para iniciar uma chamada, tendo a seguinte estrutura: - Protocol discriminator - L3 address - Message type - Line-information - Autonomous-signalling-sequence - Cadenced-ringing - Pulsed-signal - Steady-signal Na figura 2.8 apresenta-se um exemplo de uma sequência de mensagens de estabelecimento de chamada de saída: Terminal AN LE LE Layer 3 Protocol OFF-HOOK ESTABLISH Establish Ind. ESTABLISH ACK Establish Ack. Signal / Tone SIGNAL SIGNAL : : : Signal / Tone SIGNAL SIGNAL DISCONNECT Disconnect Req. DISCONNECT COMPLETE Disconnect Complete Figura 2.8 Mensagens de estabelecimento de chamada de saída IST 17

22 2.5 Protocolo de Controlo O protocolo de Controlo é usado para controlo de cada um dos portos dos utilizadores e funções de controlo geral da interface. Na interface V5 as mensagens de controlo e de estado dos portos de utilizador de RDIS e PTSN: - PORT CONTROL - PORT CONTROL ACK - COMMON CONTROL - COMMON CONTROL ACK Estão definidos os seguintes elementos de informação de função de Controlo: - FE101 (activate access) - FE102 (activation initiated by user) - FE103 (DS activated) - FE104 (access activated) - FE105 (deactivate access) - FE106 (access deactivated) - FE201/202 (unblock) - FE203/204 (block) - FE205 (block request) - FE206 (performance grading) - FE207 (D-channel block) - FE208 (D-channel unblock) - FE209 (TE out of service) - FE210 (failure inside network) Estão definidas ainda as seguintes funções de identificação de Controlo - Verify re-provisioning - Ready for reprovisioning - Not ready for reprovisioning - Switch over t o new variant - Re-provisioning started - Cannot re-provision - Request variant and interface ID - Variant and Interface ID - Blocking started - Restart - Restart complete - Unblock All Relevant PSTN and ISDN Ports Request - Unblock All Relevant PSTN and ISDN Ports Accepted - Unblock All Relevant PSTN and ISDN Ports Rejected IST 18

23 - Unblock All Relevant PSTN and ISDN Ports Completed - Unblock All Relevant PSTN Ports Request - Unblock All Relevant PSTN Ports Accepted - Unblock All Relevant PSTN Ports Rejected - Unblock All Relevant PSTN Ports Completed - Unblock All Relevant ISDN Ports Request - Unblock All Relevant ISDN Ports Accepted - Unblock All Relevant ISDN Ports Rejected - Unblock All Relevant ISDN Ports Completed - Block All PSTN Ports Request - Block All PSTN Ports Accepted - Block All PSTN Ports Rejected - Block All PSTN Ports Completed - Block All ISDN Ports Request - Block All ISDN Ports Accepted - Block All ISDN Ports Rejected - Block All ISDN Ports Completed 2.6 Protocolo Bearer Channel Connection (BCC) O protocolo BCC proporciona os meios necessários para o LE pedir ao NA o estabelecimento e desligamento entre portos de utilizador de AN e time-slots especificados da interface V5.2. Permite a atribuição ou remoção de canais de suporte a diferentes processos, numa base chamada a chamada ou de modo permanente ou semi-permanente. Estão definidas as seguintes mensagens do protocolo BCC: - ALLOCATION - ALLOCATION COMPLETE - ALLOCATION REJECT - DE-ALLOCATION - DE-ALLOCATION COMPLETE - DE-ALLOCATION REJECT - AUDIT - AUDIT COMPLETE - AN FAULT - AN FAULT ACKNOWLEDGE - PROTOCOL ERROR A mensagem ALLOCATION é usada pela central local para pedir à AN a atribuição de um ou vários canais de suporte específicos a um porto de utilizador, identificados por um ou vários timeslots da interface V5. Tem a seguinte estrutura: - Protocol Discriminator - BCC Reference Number - Message Type - User Port Identification IST 19

REDES DE ACESSO. Mário Serafim dos Santos Nunes. Instituto Superior Técnico

REDES DE ACESSO. Mário Serafim dos Santos Nunes. Instituto Superior Técnico REDES DE ACESSO Mário Serafim dos Santos Nunes Parte A Arquitecturas e Tecnologias Parte B Protocolos de Acesso Parte C Tecnologias de Acesso DSL Parte D Redes Híbridas Fibra - Cabo Coaxial (HFC) Parte

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Interfaces V5. Engenheiro de Telecomunicações formado pela UFMG com bacharelado em Eng. Elétrica em 1997 e mestrado em Telecomunicações em 2001.

Interfaces V5. Engenheiro de Telecomunicações formado pela UFMG com bacharelado em Eng. Elétrica em 1997 e mestrado em Telecomunicações em 2001. Interfaces V5 Este tutorial descreve as Interfaces V5, seus elementos e camadas e exemplifica algumas trocas de mensagens entre o nó de acesso e a central local. Diaulas Hedin Gonzaga Engenheiro de Telecomunicações

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA Redes de Computadores Protocolos de Redes Redes de Computadores Aula 9 / XDSL Introdução A tecnologia (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS Mestrandos: Delson Martins N:760 Turma 10 Márcio Fernando Flores N:767 Turma 10 Professores: Volnys; Kiatake;

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Rede Fixa de Telecomunicações

Rede Fixa de Telecomunicações Modos de transferência da informação Arquitectura da rede Áreas funcionais da rede Evolução da rede Mário Jorge Leitão Neste capítulo, começa-se por discutir os modos de transferência de informação utilizados

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Tecnologias WAN: ATM/ISDN e DSL 1 WAN Redes ATM A tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode ) está disponível há bastante tempo, mas a expansão da sua utilização

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis VoIP Coimbra, 16 de Setembro 2005 O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis Índice A rede da Novis Transmissão Rede Multi-Serviços O VoIP como tecnologia de Transporte o enabler do

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO: CARACTERIZAÇÃO FUNCIONAL DE NOVOS SERVIÇOS DIGITAIS DA REDE DE ACESSO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO: CARACTERIZAÇÃO FUNCIONAL DE NOVOS SERVIÇOS DIGITAIS DA REDE DE ACESSO INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO: CARACTERIZAÇÃO FUNCIONAL DE NOVOS SERVIÇOS DIGITAIS DA REDE DE ACESSO Joaquim E Neves* 1 1 Universidade do Minho, Escola de Engenharia - Guimarães, Portugal *Email:

Leia mais

REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (RDIS)

REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (RDIS) MÁRIO SERAFIM NUNES REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (RDIS) Adaptado de REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS Mário Serafim Nunes, Augusto Júlio Casaca Editorial Presença 992 (esgotado) Folhas

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Pós-Graduação: INF/CETUC

Pós-Graduação: INF/CETUC Pós-Graduação: INF/CETUC Disciplina: Redes de Acesso em Banda Larga Princípios Básicos Prof. Sérgio Colcher Prof. Luiz A. R. Da Silva Mello Copyright 1999-2004 by TeleMídia Lab. 1 Cenário 2 Modelo Provedores

Leia mais

A Evolução das Telecomunicações no Brasil

A Evolução das Telecomunicações no Brasil A Evolução das Telecomunicações no Brasil Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso -

Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso - Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso - Uma grande parte da rede local é constituída pela infra-estrutura de cobre [fios de cobre entrelaçados (cooper twisted pair)

Leia mais

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Necessidades de comunicação

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

5. PROTOCOLO DE ACESSO À REDE

5. PROTOCOLO DE ACESSO À REDE 5. PROTOCOLO DE ACESSO À REDE 1 Protocolo de Nível Rede B1 B2 Ent s Ent p Ent t 3 - Rede B1 B2 LAP-D 2 - Ligação Nível 1 1 Protocolo de Nível Físico Meio Físico (Ligação ) Q.930/1 Interface Utilizador-Rede:

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 2012 Grupo Algar Negócios Algar Setor TI/Telecom Setor Agro Setor Serviços Turismo Algar Telecom Negócios & Atuação: Varejo Empresas Dados &

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO Documento Metodológico Preliminar 19-08-09 1 1. Introdução No âmbito da participação do Instituto Nacional de Estatística (INE), no Grupo de Trabalho do Eurostat sobre

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

Sinalização em redes de telecomunicações

Sinalização em redes de telecomunicações Sinalização em redes de telecomunicações Necessidade e evalução da sinalização Sinalização na rede telefónica tradicional (PSTN) e IN Tipos de sinalização Sinalização no lacete local Sinalização entre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

3. Clientes de serviços prestados em pacote

3. Clientes de serviços prestados em pacote QUESTIONÁRIO TRIMESTRAL DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM LOCAL FIXO E VOIP NÓMADA Serviço Telefónico Fixo (STF) Serviço VoIP nómada Serviço de Acesso à Internet (SAI) Serviço de Televisão por

Leia mais

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local Acesso telefónico analógico Transmissão digital no lacete local Acesso por modem da banda de voz Acesso G.703 - E1 Acesso básico RDIS Acesso DSL Digital Subscriber Line Mário Jorge Leitão 2 Intencionalmente

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos Princípios gerais Sinalização de assinante analógico Sinalização de canal associado entre comutadores Sinalização de canal comum entre comutadores Sinalização

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

ACESSO de BANDA LARGA. Uma perspectiva de Operador

ACESSO de BANDA LARGA. Uma perspectiva de Operador ACESSO de BANDA LARGA Uma perspectiva de Operador António Varanda I S T Lisboa, 8-Maio-2007 SUMÁRIO Um pouco de história e a evolução da Banda Larga Vídeo em tempo real: requisitos Análise de Operador:

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Em sua Casa. Na Central Telefônica

Em sua Casa. Na Central Telefônica &RP )XQFLRQ $'6/ Em sua Casa Na Central Telefônica Em sua Casa A. Dentro de Seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta a uma linha de telefone analógica padrão. B. Voz e Dados: Um modem ADSL tem um

Leia mais

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso 2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso Esse capítulo apresenta os novos serviços disponíveis aos usuários e a tendência de oferta futura, indicando as previsões de bandas associadas necessárias a

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II xdsl eadsl Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s pelos clientes corporativos,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Sociedade Tecnologia e Ciência

Sociedade Tecnologia e Ciência Centro de Formação Profissional de Alcoitão TAG 11 Formanda: Rute Luísa M. Maldonado Nº16 Sociedade Tecnologia e Ciência Formadora: Ana Freitas 1 / Maio / 2011 A Internet A influência da Internet na sociedade

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I ADSL Alexandre Martini Fernando Boettcher Julio Cezar Kronbauer Santa

Leia mais

Acesso residencial em banda larga

Acesso residencial em banda larga Universidade Federal do Rio de Janeiro Núcleo de Computação Eletrônica Mestrado em Informática Disciplina: MAB 735 Professor: Paulo Aguiar Acesso residencial em banda larga Agosto de 2000 Autor: Edmundo

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

MTP: Message Transfer Part

MTP: Message Transfer Part MTP: Message Transfer Part Implementa um sistema de transporte fiável para a transferência das mensagens de sinalização. Fornece um serviço similar ao de uma rede de comutação de pacotes. Cada mensagem

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Acesso Fixo Via Rádio (FWA) ACESSO FIXO VIA RÁDIO À REDE TELEFÓ NICA

Acesso Fixo Via Rádio (FWA) ACESSO FIXO VIA RÁDIO À REDE TELEFÓ NICA Acesso Fixo Via Rádio (FWA) ACESSO FIXO VIA RÁDIO À REDE TELEFÓ NICA Definição: sistema que interliga os equipamentos do cliente à rede telefónica pública através de sinais de rádio. Autor: António Barros

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais