GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA DE SAÚDE TEMA DA 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE- 9ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE: SAÚDE PÚBLICA DE QUALIDADE PARA CUIDAR BEM DAS PESSOAS: DIREITO DO POVO BRASILEIRO. BAHIA 2015

2 GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA RUI COSTA DOS SANTOS SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE FÁBIO VILAS- BOAS PINTO SUPERINTENDENTE DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATEUS REIS SIMÕES DIRETOR DE ATENÇÃO BÁSICA JOSÉ CRISTIANO SOSTER Elaboração / Organização José Cristiano Soster Diretor da Diretoria de Atenção Básica Raimunda Maria Cerqueira Santos Colaboração: Da Diretoria de Atenção Básica (DAB) Daisy de Sá Bittencourt Câmara Silva Matos Elisa Maria Ramos Carvalho Gabriela Pereira Rocha Mariana Lisboa Costa Rosivan Matos Vanessa Spínola Hissain Do Conselho Estadual de Saúde (CES) Josivaldo de Jesus Gonçalves Elenice Sales Sobreira Revisão: José Cristiano Soster Raimunda Maria Cerqueira Santos Clarissa Leite Campos Pedro Hernando Pairazamán Díaz Márcia Ediméia Costa de Matos

3 APRESENTAÇÃO Este manual instrutivo tem como finalidade apoiar a Gestão Municipal, no processo de organização e realização da Conferência Nacional de Saúde na "Etapa Municipal". A Conferência tem como base as Leis Orgânicas da Saúde 8.080/90 e 8.142/90, com o objetivo de cumprir a determinação da Constituição Federal/88 que garante o direito à Saúde e o dever do Estado, assegurando a participação da comunidade, em prol de conquistas para a saúde. Por isso a organização da Conferência deve ter como prioridade facilitar a ampla participação, em especial, dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Não é sem razão ressaltar que a participação da comunidade, estabelecida pela Constituição Federal/88 enquanto diretriz para a organização do Sistema Único de Saúde, tem como mote a 8ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em 1986, alicerçada pelo tema- Saúde como Direito. A cada quatro anos é realizada a Conferência de Saúde, nas esferas de governo federal, estadual e municipal, com a representação dos vários segmentos sociais, e outros, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes. Quanto ao marco legal referente à Etapa Municipal da Conferência Nacional de Saúde - ano 2015, tem-se o Decreto Presidencial Nº 243, de 15 de dezembro de 2014, que convoca a XV Conferência Nacional de Saúde (XV CNS). Há ainda a Resolução nº 500 do Conselho Nacional de Saúde, de 12 de fevereiro de 2015, que aprova o Regimento da XV CNS, definindo dentre outros, o período de realização da etapa municipal, entre os dias 9 de abril a 15 de julho de Dessa forma, em apoio à Gestão Municipal, este material disponibiliza orientações básicas necessárias para organização e desenvolvimento de uma Conferência Municipal de Saúde, na certeza do cumprimento de seu objetivo de analisar as prioridades locais de saúde, formular propostas no âmbito municipal, e, elaborar Relatório Final com o encaminhamento em tempo hábil, na data e forma estabelecidas no Regimento da 9ª Conferência Estadual de Saúde da Bahia (9ª CONFERES- BA), aprovado pelo Conselho Estadual de Saúde - Resolução CES Bahia Nº 06/2015. Dos Objetivos da 9ª Conferência Estadual de Saúde, definidos na Resolução CES Nº 06/2015 (integralmente transcritos): I- Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde SUS, para garantir a saúde como direito humano, a sua universalidade, integralidade e equidade do SUS, com base em políticas que reduzam as desigualdades sociais e territoriais, conforme previsto na Constituição Federal de 1988, e nas Leis n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990 e nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990;

4 II - Mobilizar e estabelecer diálogos com a sociedade brasileira acerca do direito à saúde e em defesa do SUS. III - Fortalecer a participação e o controle social no SUS, com ampla representação da sociedade em todas as etapas da 9.ª Conferência Estadual de Saúde; IV - Avaliar a situação de saúde, elaborar propostas a partir das necessidades de saúde e participar da construção das diretrizes do Plano Plurianual - PPA e dos Planos Municipal e Estadual de Saúde no contexto dos 25 anos do SUS; V - Aprofundar o debate sobre as reformas necessárias à democratização do Estado, em especial as que incidem sobre o setor saúde. Das Etapas do Processo no Município: A responsabilidade de execução da Etapa Municipal da Conferência Nacional de Saúde é do Gestor Municipal devendo discutir com o respectivo Conselho Municipal de Saúde. 1- Convocação da Conferência de Saúde: Esta tarefa compete ao Poder Executivo por meio de Decreto de convocação publicado com antecedência de acordo com os trâmites do Município ou, extraordinariamente, será convocada pelo Conselho de Saúde (Lei nº 8.142/90). 2- Composição e Eleição da Comissão Organizadora da Conferência Municipal de Saúde: Esta Comissão é composta por Conselheiros de Saúde e técnicos da Secretaria de Saúde. É eleita pelo Conselho, é paritária e deve coordenar todo o processo de organização da Conferência, junto com a Secretaria Municipal de Saúde que providenciará a estrutura necessária para a sua realização. Seu papel consiste em convidar os conferencistas com certa antecedência, confirmar presença de autoridades que comporão a mesa de abertura, e, elaborar Regimento da Conferência, além de considerar todos os aspectos técnicos, políticos, administrativos e financeiros necessários ao seu desenvolvimento. 3- Definição de Data e Estrutura: A Etapa Municipal deverá ser realizada entre os dias 09 de abril a 31 de julho de 2015 conforme estabelecido pelos Regimentos da 15ª Conferência Nacional de Saúde - 9ª Conferência Estadual de Saúde da Bahia. 4- Temário Conforme NOTA TÉCNICA (CONASEMS) - 15ª Conferência Nacional de Saúde e Etapas Municipais, a sugestão é que temas e eixos sejam debatidos em reunião do Conselho

5 Municipal de Saúde. A 9ª CONFERES seguindo a 15ª Conferência Nacional de Saúde tem como tema Saúde Pública de Qualidade para Cuidar Bem das Pessoas: Direito do Povo Brasileiro e eixos temáticos, abaixo relacionados. Perguntas norteadoras 1 a seguir: I - Direito à saúde, Garantia de Acesso e Atenção de Qualidade; 1. A população do município/estado/distrito Federal conhece os direitos de usuárias e usuários do SUS? 2. Como a população avalia o acesso e a qualidade dos serviços e ações de saúde ofertados no município/estado/distrito Federal? 3. Que propostas podem melhorar a qualidade da saúde no município/estado/distrito Federal? 4. Que caminhos (diretrizes) devem ser trilhados para garantir o direito à saúde com ampliação do acesso e qualidade dos serviços? 5. Que propostas devem ser priorizadas? II - Participação Social; 1. O que é necessário para fortalecer a atuação dos conselhos de saúde de seu Município/Estado/Distrito Federal? 2. Que pautas e ações podem ser articuladas com outros conselhos de políticas públicas? 3. Que ferramentas de mobilização social podem ser utilizadas para o fortalecimento da Participação e Controle Social no seu Município/Estado/Distrito Federal? III - Valorização do Trabalho e da Educação em Saúde; 1. Que ações os Conselhos de Saúde vêm desenvolvendo em apoio à luta das trabalhadoras e dos trabalhadores da saúde pela melhoria das condições de trabalho no setor? 2. Que medidas a gestão tem adotado no que se refere à formação, ao provimento e à fixação dos profissionais de saúde no município/estado/distrito Federal? IV - Financiamento do SUS e Relação Público- Privado; 1. Como as responsabilidades atribuídas pela Lei n.º 141/2012 à gestão do SUS e aos Conselhos de Saúde têm sido cumpridas no munícipio/estado/distrito Federal? 2. Que lutas e propostas pelo financiamento do SUS têm sido organizadas e realizadas em no município/estado/distrito Federal? V - Gestão do SUS e Modelos de Atenção à Saúde; 1. Que modelo jurídico de gestão do SUS tem sido adotado no município/estado/distrito Federal? 2. Qual o posicionamento e que ações são desenvolvidas pelo Conselho de Saúde do município/estado/distrito Federal frente a este problema/desafio? 3. A forma como o SUS está organizado atende às necessidades de saúde da população do município/estado/distrito Federal? 4. Que ações e serviços atenderiam melhor? VI - Informação, Educação e Política de Comunicação do SUS; 1. Como o município/estados/distrito Federal pode articular a imprensa local para ser disseminador e divulgador positivo do Sistema Único de Saúde (SUS) e assim reverter a imagem ruim propagada pelas grandes mídias? 2. Como utilizar o Programa de Inclusão Digital (PID) como meio para a concretização das 1 Extraído do Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde

6 políticas de saúde e sua fiscalização local? 3. Como ajudar a construir uma rede nacional de troca de informações, que fomente as redes locais de comunicação entre os apoiadores do SUS e mais especificamente o Conselho Municipal de Saúde/Conselho Estadual de Saúde/Conselho de Saúde do Distrito Federal? 4. Que estratégias podem ser utilizadas para a comunicação pós-conferência, de modo a acompanhar a efetivação das propostas da 15ª CNS nos planos municipal, estadual, do Distrito Federal e nacional? VII - Ciência, Tecnologia e Inovação no SUS; 1. Que ações são necessárias no município/estado/distrito Federal sobre Ciência, Tecnologia e Inovação para que o SUS atenda melhor as necessidades de saúde da população? VIII - Reformas Democráticas e Populares do Estado. (Eixo Transversal) 5 - Pré-Conferência Para maior divulgação da Conferência poderá ser realizada a Pré-Conferência, proporcionando a participação das comunidades isoladas, e, levantamentos de informações ou dados que tratem de problemas e contribuam para formulação de propostas. Devem ser realizadas com antecedência, em média, de 2 (dois) meses, sendo que estes debates devem ser norteados pelo tema central. Porém não há obrigatoriedade da sua realização, devendo ser previsto no Regulamento Municipal. 6- Palestrantes Para uma exposição esclarecedora sobre o tema central/ eixos temáticos, é importante a prévia identificação de pessoas a serem convidadas na condição de palestrante, que deverão ter domínio do tema e aptidão para falar para grupos heterogêneos. Pessoas da comunidade e que conheçam a realidade também são importantes, para aproveitar as experiências do município. Os palestrantes deverão ser convidados com antecedência mínima de 15 dias. 7- Delegados/Participantes/Convidados (Considerações) O número de delegados deve ser o mais representativo possível, observando a paridade de segmento e de critérios de equidade de gênero, conforme o Regimento da 9ª CONFERES Bahia - Resolução CES Nº 06/2015 e Resolução Nº 453/2012 do CONASS. Desse modo, é fundamental a garantia da presença dos trabalhadores de toda rede de atenção à saúde, neste processo, bem como a ampla participação dos usuários do SUS. Fazer desse momento um grande processo de mobilização social é algo a ser considerado como um dos grandes objetivos. É de suma importância que pessoas ocupantes de cargos comissionados (cargos de confiança) da administração pública ou que recebam recursos públicos, não podem representar usuários e trabalhadores de saúde podendo, entretanto, representar gestor ou

7 prestador de serviço de saúde. O Regimento da 9ª CONFERES- Bahia, no artigo 6 parágrafo 1º, refere que a divulgação da Etapa Municipal será ampla e a participação aberta a todos, com direito a voz. Mas, os delegados e as delegadas terão direito a voto, em todos os espaços. Ainda o Regimento da 9ª CONFERES- Bahia, em suas disposições gerais (capítulo VI), estabelece que a participação das delegadas, delegados, convidados e convidadas, e participantes para Etapa Municipal poderão ter os mesmos critérios adotados na Etapa Estadual 8 - Eleição e Número de Delegados para participar da Conferência Estadual de Saúde A eleição de delegados da Conferência Municipal de Saúde deve obrigatoriamente observar o quantitativo definido no Regimento da Conferência Estadual de Saúde - Resolução CES Nº 06/2015, conforme base populacional, e critérios de equidade. Municípios até habitantes Municípios entre até habitantes Municípios entre até habitantes Municípios com mais de habitantes 04 delegados 04 ou 08 delegados 08 ou 16 delegados 16 ou 32 delegados O resultado da eleição das delegadas e dos delegados da Etapa Municipal deverá ser enviado pelo Conselho Municipal de Saúde à Comissão Organizadora da Etapa Estadual, até o dia 31 de julho de Programação O período de realização é de no mínimo 8 horas, sendo mais adequada a realização em 02 (dois) dias, com o objetivo de oportunizar os debates, devendo definir tempo de apresentação de cada palestrante, dos trabalhos de grupo e duração da plenária final. O tempo para debate deverá ser respeitado, e, garantido intervalo de lanche e almoço. O horário de credenciamento e entrega de material também devem ser previstos e divulgados. É importante observar que os horários estabelecidos em consenso devem ser cumpridos com rigor, evitando prejuízos no debate do tema central. 10 Despesas com a Conferência As despesas com a preparação e realização da Conferência, na forma que ocorre com a Conferência Estadual, cabem ao Gestor Estadual. Portanto, entende-se que fica a cargo da Gestão Municipal despesa, como por exemplo: refeição, transporte, etc. Os recursos devem ter um quantitativo suficiente para garantir a realização da Conferência.

8 Para facilitação, recomenda-se a leitura da seção II do Regimento da 9ª CONFERES, que trata dos Recursos Financeiros, mais propriamente, no artigo Elaboração e Aprovação do Regulamento e Regimento da Conferência de Saúde: O Município deverá elaborar o seu Regimento próprio com base nos Regimentos da 15ª Conferência Nacional de Saúde e da 9ª Conferência Estadual de Saúde. - A primeira atividade a ser desempenhada pela Comissão Organizadora é elaborar uma proposta de Regulamento e de Regimento da Conferência, para análise e aprovação pelo plenário do Conselho. - O Regulamento estabelece as regras gerais da Conferência, tais como: data, local, horário, objetivos da Conferência, temário, número e critérios de eleição e inscrição dos delegados, participantes e convidados, define critérios para a realização de préconferência, deve prever prazos, indica a responsabilidade da Secretaria de Saúde assumir o custeio da conferência de saúde, estabelecer quem analisará os casos não previstos no Regulamento e outros. - O Regimento descreve as regras de funcionamento do dia de realização da Conferência, devendo ser lido e aprovado pelo plenário. Esse deve conter: a programação; a forma de substituição dos delegados titulares pelos suplentes, que não compareçam à Conferência; o funcionamento, o tempo mínimo, a coordenação e relatoria dos trabalhos de grupo; os responsáveis pela sistematização dos trabalhos de grupo; a organização, definição de quem tem direito a voz e voto e forma de votação na Plenária Final; a apresentação e votação das moções; forma de organização da eleição dos conselheiros de saúde e delegados para a Conferência Estadual de Saúde (Plenária Eleitoral com base nos critérios de equidade previstos na Resolução CES Bahia Nº 06/2015); estabelecer quem analisará os casos não previstos no Regimento; e outros. O Regimento só pode ser alterado durante a Conferência, para as questões omissas que venham a surgir no decorrer da Conferência. Observar que para a 9ª CONFERES há previsão de que os casos omissos no seu Regimento serão resolvidos pela sua Comissão Organizadora O Regimento deve indicar o número de delegados. O estabelecimento do número de delegados obedecerá a Resolução CES Bahia Nº 06/2015; previamente definidos. 12- Documentos a serem elaborados Decreto de Convocação assinado pelo Prefeito Municipal - convocando legalmente a Conferência, observando os trâmites legais do Município. Portarias com a finalidade de publicar as decisões do conselho nomeando comissão organizadora e delimitando as funções e normas do funcionamento da Conferência. Regimento apresentando o processo organizativo da Conferência e regulamenta o processo de realização da Plenária Final. Deve estar claro o papel dos delegados e ser aprovado em reunião do Conselho. Convites e Ofícios - devem ser elaborados dentro das normas técnicas de documentos oficiais, tendo o cuidado de arquivar e solicitar confirmação de recebimento. Outros documentos: Certificados, e de agradecimentos: devem ser elaborados de

9 acordo a condição, exemplo: palestrante, convidado especial e etc. Os de agradecimentos, claro, a cada caso específico, se for o caso. 13- Materiais de Divulgação Deverá ser elaborado material para divulgação com a finalidade de expor e divulgar as ações da Administração Municipal, ressaltando os programas estratégicos, por meio de painéis em Feira de Saúde, por exemplo, apresentando resultados alcançados (indicadores, taxas, índices, etc.). Ressalta-se a importância do envolvimento das Equipes de Saúde da Família, em especial através da atuação dos trabalhadores para ampla divulgação da Conferência. 14- Dia da Conferência Crachás, pastas, informativos e outros materiais devem ser previamente elaborados e disponibilizados no momento do credenciamento. Credenciamento No local da Conferência deverá existir um espaço reservado para o credenciamento. As listas deverão ser organizadas, separadamente (participantes, convidados), momento que se dará a distribuição dos materiais. Município com grande número de participantes poderá separar os locais de credenciamento e de entrega de materiais. Mesa de Abertura A mesa de abertura é composta por representantes dos vários seguimentos (sociais e religiosos), autoridades locais (representações do Judiciário, Legislativo, Executivo e Ministério Público), gestores e etc. Trabalhos de Grupo Para realização dos trabalhos de grupo sugere-se discussão/orientação prévia para preparação dos técnicos que atuarão como facilitadores em cada eixo, na perspectiva de garantir a discussão com as particularidades de cada sub-tema (eixo). Os participantes são organizados em pequenos grupos para discussão por eixo proposto. Apoio e desenvolvimento: -Identificação prévia da pessoa a coordenar os trabalhos do grupo e relator; -Disposição da lista de frequência; -Realização de debates (controle do tempo de fala); -Intervalos (almoço e lanche); -Apresentação do trabalho de grupo; -Elaboração do relatório Plenária Final Eleição dos Delegados para a Conferência Estadual de Saúde:

10 A organização e eleição dos delegados (titulares e suplentes) tem previsão no Regimento da Conferência Municipal, observando critérios e números previstos no Regimento da Conferência Estadual. A plenária eleitoral ocorre por seguimentos, e neste processo de eleição não pode haver interferência dos gestores de saúde. A plenária eleitoral é coordenada por uma comissão composta por pessoas que não estejam disputando vagas de delegado. Finalizado o processo eleitoral registrar em ata contendo o número de votos e assinatura dos presentes, inclusive da comissão eleitoral. Debate e Aprovação de Propostas: Os prazos para debates e aprovação de propostas devem ser respeitados conforme prazos estabelecidos no regulamento, sendo sua disponibilização (cópias das propostas) a todos os delegados da Conferência. Observar a NOTA TÉCNICA da Comissão de Relatoria DA 9ª CONFERES, quanto a definição do número de propostas. 16- Relatório Final O Relatório Final, contendo as propostas por eixo trabalhado, e deve ser encaminhado em tempo hábil, para a 9ª CONFERES, de acordo com a Resolução CES Nº 06/2015. Resumo do Passo a Passo da Conferência Municipal: 1º Passo Convocação da Conferência O Prefeito deve convocar por meio de Decreto. 2º Passo Eleição e instituição da Comissão Organizadora Municipal Eleita pelo Conselho Municipal de Saúde. Criada pelo presidente da Conferência. 3º Passo Elaboração do Regimento Interno O Regimento Interno da Conferência Municipal toma como base os Regimentos Nacional e Estadual. 4º Passo Realização da Conferência A Conferência deve cumprir seus objetivos e sua realização constar em Relatório Final. 5º Passo Envio da relação de Delegados Eleitos O resultado da eleição das Delegadas e Delegados da Etapa Municipal deverá ser enviado pelo Conselho Municipal de Saúde à Comissão Organizadora da Etapa Estadual até o dia 31 de julho de º Passo- Envio do Relatório Final Responsabilidade do Conselho Municipal de Saúde, e, deverá ser enviado à Comissão Organizadora da Etapa Estadual, até o dia 31 de julho de 2015.

11 REFERÊNCIAS BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 05 de outubro de Lei nº de 19 de setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm>. Acesso em: 05 de maio de Lei nº de 28 de dezembro de Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8142.htm>. Acesso em: 05 de maio de CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, VIII, Brasília- DF (in. Relatório Final) Disponível em: <http:// conselho.saude.gov.br/biblioteca/relatórios MINISTÉRIO DA SAÚDE. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução CNS nº 453/ MINISTÉRIO DA SAÚDE. CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE. NOTA TÉCNICA- CONASEMS- 15ª Conferência Nacional de Saúde e as Etapas Municipais Disponível em BAHIA. CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE. Resolução CES nº 06/2015. Diário Oficial Bahia. Disponível em: <http://www.egba.ba.gov.br/diario/do29/dosecsde.html>. Acesso em: 05 de maio de 2015.

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil RESOLUÇÃO Nº 1 Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil, ao qual se refere o inciso XI do art. 3º do Decreto n 7.113, de 19 de fevereiro de 2009. Tendo em vista a

Leia mais

VI CONGRESSO NACIONAL DA PSICOLOGIA ETAPA REGIONAL Regulamento

VI CONGRESSO NACIONAL DA PSICOLOGIA ETAPA REGIONAL Regulamento VI CONGRESSO NACIONAL DA PSICOLOGIA ETAPA REGIONAL Regulamento CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - São objetivos do VI Congresso Nacional da Psicologia - Etapa Regional - Santa Catarina: a) Promover a organização

Leia mais

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS AGOSTO 2011 DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º O Instituto de Investimentos, assim denominado, e também chamado,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - CEP-CH -

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - CEP-CH - SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Estrada de São Lázaro, 197. Federação. Salvador/Bahia. CEP.: 40210-730. Tel/Fax: +55 71 3331-2755 REGIMENTO

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Artigo 1º: O CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL doravante denominado CBCS, fundado

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 PORTARIA Nº..., de...de...de 2015 Dispõe sobre a participação complementar da iniciativa privada na execução de ações e serviços de saúde, e o credenciamento de prestadores

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL

RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL SAÚDE PÚBLICA DE QUALIDADE PARA CUIDAR BEM DAS PESSOAS: DIREITO DO POVO BRASILEIRO ETAPA MUNICIPAL DA 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC Conselho Municipal de Meio Ambiente - CONSEMAC Indicação CONSEMAC nº 031/2013, de 19 de abril de 2013. Dispõe sobre a

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA:

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: SERVIÇO SOCIAL CÓDIGO: SSC24 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração

Leia mais

Movimento Empresarial pela Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade- Brasil MEBB

Movimento Empresarial pela Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade- Brasil MEBB Movimento Empresarial pela Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade- Brasil MEBB Histórico do documento: Escrito por: Márcia Bueno- GT Governança em 29 de dezembro de 2010 Revisão interna: Revisor

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS EGRESSOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS EGRESSOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º- A, também denominada pela sigla ASSENGE-UNICAP, é uma entidade civil, com personalidade jurídica, de direito privado, sem fins

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2011, da Senadora Vanessa Grazziotin, que dispõe sobre a imunização de mulheres

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 14.310, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. (publicada no DOE n.º 189, de 1º de outubro de 2013) Institui o Sistema

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011

Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011 VI Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011 [Regulamenta os 5º a 12 do art. 3º da Lei 8.666/93, e institui a Comissão Interministerial de Compras Públicas] (DOU de 03.08.2011) Regulamenta o disposto nos

Leia mais

Ano CLII No- 47 Brasília - DF, quarta-feira, 11 de março de 2015

Ano CLII No- 47 Brasília - DF, quarta-feira, 11 de março de 2015 Ano CLII No- 47 Brasília - DF, quarta-feira, 11 de março de 2015 Nº 47, quarta-feira, 11 de março de 2015 ISSN 1677-7042 81 RESOLUÇÃO n o 500, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015. O Plenário do Conselho Nacional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015 VERSÃO: 01 DISPÕE SOBRE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE PESSOAL NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO ITAJUBÁ 2015 Capítulo 1 DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa - CEP - da Escola

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

CONSIDERANDO a realização da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas, nos dias 06 e 07 de junho de 2013;

CONSIDERANDO a realização da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas, nos dias 06 e 07 de junho de 2013; RESOLUÇÃO CES/AM Nº. 012 DE 28 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre o Regimento Interno da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas. A Plenária do Conselho Estadual de Saúde do Amazonas, na sua

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica FÓRUNS DE ESTUDOS: UMA ALTERNATIVA DE DISCUSSÃO DE NOVAS POSSIBILIDADES E AÇÕES NA MELHORIA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-038/2004 PROCESSO - TC-2840/2004 INTERESSADO - BANESTES S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-038/2004 PROCESSO - TC-2840/2004 INTERESSADO - BANESTES S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-2840/2004 INTERESSADO - BANESTES S/A ASSUNTO - CONSULTA MANUTENÇÃO DE RECURSOS ADVINDOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE EM BANCO OFICIAL REGIONAL (BANESTES) - POSSIBILIDADE CONDICIONADA. Vistos,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL TÍTULO VI CAPÍTULO II DAS FINANÇAS PÚBLICAS. Seção I. DISPOSIÇÕES GERAIS (Arts. 207 e 208)

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL TÍTULO VI CAPÍTULO II DAS FINANÇAS PÚBLICAS. Seção I. DISPOSIÇÕES GERAIS (Arts. 207 e 208) CONSTITUIÇÃO ESTADUAL TÍTULO VI CAPÍTULO II DAS FINANÇAS PÚBLICAS Seção I DISPOSIÇÕES GERAIS (Arts. 207 e 208) Art. 207 - Lei complementar disporá sobre finanças públicas, observados os princípios estabelecidos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA FOLHA DE PAGAMENTO COAF. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA FOLHA DE PAGAMENTO COAF. Capítulo I REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA FOLHA DE PAGAMENTO COAF. Em reunião ordinária, a Comissão de Auditoria da Folha de Pagamento do Município de Natal aprova o presente Regimento Interno, o qual

Leia mais

(Para exame final pela Comissão, pelo Conselho da ABPMC e pela Assembléia da ABPMC na Reunião Anual de 2014 e para deliberação)

(Para exame final pela Comissão, pelo Conselho da ABPMC e pela Assembléia da ABPMC na Reunião Anual de 2014 e para deliberação) REGULAMENTO DO TRABALHO DE ACREDITAÇÃO DE ANALISTAS DE COMPORTAMENTO A SER REALIZADO PELA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA E MEDICINA COMPORTAMENTAL ABPMC (Para exame final pela Comissão, pelo Conselho

Leia mais

DECRETO Nº 11.112/14, DE 29 DE ABRIL DE 2014.

DECRETO Nº 11.112/14, DE 29 DE ABRIL DE 2014. DECRETO Nº 11.112/14, DE 29 DE ABRIL DE 2014. Regulamenta a Lei Municipal nº 3.071/14, que Institui o Programa Videira Cultural, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE VIDEIRA, no uso de suas

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP DEZEMBRO DE 2003 Sumário TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO...

Leia mais

Ata nº2/7 de fevereiro2014 Página 1 / 7

Ata nº2/7 de fevereiro2014 Página 1 / 7 ----------------------------- ATA N.º 2/7 fevereiro 2014 ----------------------------------- ----- Aos sete dias do mês de fevereiro de dois mil e catorze, pelas vinte e uma horas e trinta minutos, no

Leia mais

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG

Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEPLANG Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo LEI MUNICIPAL N 2.246/2010, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010. o PREFEITO MUNICIPAL Dispõe sobre a Política Municipal de Fomento à Economia Solidária, cria o Conselho Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 14/01/2009 (*) Portaria/MEC nº 58, publicada no Diário Oficial da União de 14/01/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 26/2010 Aprova o Regulamento e a Estrutura Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

---------------------------------------,

---------------------------------------, ---------------------------------------, ESTATUTO SOCIAL I 22 ot. de Res. de Pessoas Jurídicas 1 I Ficou ar luivada cópia microfil~~ada 1 I sob o nq 000088005 em 23/07/2014. 1 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES

Leia mais

I - RELATÓRIO: 7137/2013, de 04/11/2013 PARECER CEE/PE Nº 113/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 21/10/2013

I - RELATÓRIO: 7137/2013, de 04/11/2013 PARECER CEE/PE Nº 113/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 21/10/2013 INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA SER MAIS - RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICO EM MECÂNICA E TÉCNICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 8032 Diário da República, 1.ª série N.º 212 5 de Novembro de 2007 uma adesão aos princípios internacionalmente aceites na matéria. Neste particular, merecem especial atenção: i) O relatório de avaliação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 SUMÁRIO Apresentação 03 Tema 06 Objetivos 06 Cronograma de realização

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

E ESTATUTO E OUTROS TEMAS Grupo de Organização (Alexandre, Julio Madeira e Stalin)

E ESTATUTO E OUTROS TEMAS Grupo de Organização (Alexandre, Julio Madeira e Stalin) E ESTATUTO E OUTROS TEMAS Grupo de Organização (Alexandre, Julio Madeira e Stalin) - Max - Verba de representação e verba indenisatória Verba de representação e verba indenizatória: Proposição de redação

Leia mais

Segundo FILHO, ARLINDO C. em 12 de fevereiro de 1998, o "Diário Oficial" da União regulamentou o artigo da Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Segundo FILHO, ARLINDO C. em 12 de fevereiro de 1998, o Diário Oficial da União regulamentou o artigo da Lei de Diretrizes e Bases da Educação 13 14 Segundo FILHO, ARLINDO C. em 12 de fevereiro de 1998, o "Diário Oficial" da União regulamentou o artigo da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que trata da Educação à Distância. O decreto

Leia mais

Capítulo I DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

Capítulo I DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA FMUSP Capítulo I DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Artigo1º - A Residência Médica na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) constitui modalidade

Leia mais

A/C Diretores e Mantenedores:

A/C Diretores e Mantenedores: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAPIVARI Rua Regente Feijó, 773 Centro - CEP 13360-000 Capivari- SP Fones: (0XX19) 3491-9200 Fax

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ACADÊMICA E ADMINISTRATIVA CAPÍTULO III

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA:

PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: PROJETO DE LEI Nº 47 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015. Altera a Lei Municipal nº 2101 de 02/09/2004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA APROVA: Art. 1º Fica alterado o art. 6º da Lei Complementar

Leia mais

Diário Oficial SUMÁRIO. Prefeitura de Araguaína Gabinete do Prefeito ATOS DO EXECUTIVO. Imprensa Oficial

Diário Oficial SUMÁRIO. Prefeitura de Araguaína Gabinete do Prefeito ATOS DO EXECUTIVO. Imprensa Oficial Diário Oficial CIDADE DE ARAGUAÍNA ESTADO DO TOCANTINS ANO IV - ARAGUAÍNA, TERÇA - FEIRA, 19 DE MAIO DE 2015 - Nº 840 SUMÁRIO ATOS DO EXECUTIVO... 1 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO... 2 SECRETARIA DA FAZENDA...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES DE INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DO CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES DE INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DO CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE 1 A IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES DE INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DO CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE Ozana Maria Valença Pinto * RESUMO Este artigo tem como objetivo identificar

Leia mais

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO 5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade - Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sesi-PR e com o apoio de diversas instituições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC EDITAL SETEC Nº, DE DE JANEIRO DE 2015 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SISUTEC O Secretário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

INFORME CNAS Nº 05/2015

INFORME CNAS Nº 05/2015 X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 05/2015 Orientações temáticas e organizativas para o processo conferencial de âmbito municipal - 2015 Comissão organizadora da X Conferência

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS SAÚDE - SOROCABA EDIÇÃO Nº 17 25/06/2015 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS SAÚDE - SOROCABA EDIÇÃO Nº 17 25/06/2015 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO ESTATUTO ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS SAÚDE - SOROCABA EDIÇÃO Nº 17 25/06/2015 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1º - A Associação Policial de Assistência à Saúde,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO 11/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 06 de novembro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho Regime Jurídico de Autonomia e Administração e Gestão dos Estabelecimentos de Ensino, aprovado pelo DL 75/2008, de 22 de Abril. Norma a regulamentar. Norma a regulamentar Objecto da regulamentação Forma

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

Apoio à Gestão Municipal. Governo Federal e Municípios. Cresce o Brasil Ganham os Municípios e Cidadãos

Apoio à Gestão Municipal. Governo Federal e Municípios. Cresce o Brasil Ganham os Municípios e Cidadãos Cresce o Brasil Ganham os Municípios e Cidadãos Governo Federal e Municípios Apoio à Gestão Municipal Orientações Para o Gestor Municipal Início de Mandato Copyright 2008 Presidência da República Qualquer

Leia mais

CARGO: ANALISTA CONTROLE INTERNO. TEXTO: Quando a sociedade quer...

CARGO: ANALISTA CONTROLE INTERNO. TEXTO: Quando a sociedade quer... CARGO: ANALISTA CONTROLE INTERNO TEXTO: Quando a sociedade quer... Era uma vez um país muito grande e muito quente. Era um país de lastimáveis tradições educativas. Séculos se passaram antes que conseguisse

Leia mais

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado Educação Profissional Cursos Técnicos Regulamento de Estágio Supervisionado CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento de Estágio Supervisionado refere-se à formação do aluno

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 18/2009

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 18/2009 DELIBERAÇÃO Nº 18/2009 Autoriza a reformulação do Curso de Mestrado Acadêmico e a Criação do Curso de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Enfermagem, com a mesma Área de Concentração do Mestrado.

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI/ES N 003/2013 06/01/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI/ES N 003/2013 06/01/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI/ES N 003/2013 06/01/2013 O SESI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas observados os requisitos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO Republica por incorreção, o DECRETO Nº 202/13, que circulou no DOM Assomasul nº 0812, no dia 08/04/13, passando a vigorar com a redação abaixo. Aprova o Regimento da 5ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CIDADE

Leia mais

PAULO GARCIA Prefeito de Goiânia

PAULO GARCIA Prefeito de Goiânia 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 201, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Finanças e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA Art. 1º O Estágio é um componente curricular do processo de formação acadêmica,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TELECOMUNICAÇÕES DO DISTRITO FEDERAL - SINTTEL-DF TITULO I

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TELECOMUNICAÇÕES DO DISTRITO FEDERAL - SINTTEL-DF TITULO I ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TELECOMUNICAÇÕES DO DISTRITO FEDERAL - SINTTEL-DF TITULO I DA CONSTITUIÇÃO, DOS OBJETIVOS E DA AÇÃO SINDICAL CAPITULO I DO SINDICATO E SEUS FINS Art. 1º

Leia mais

Garanta o direito à alimentação adequada.

Garanta o direito à alimentação adequada. Garanta o direito à alimentação adequada. 2013 Permitida a reprodução sem fins lucrativos, parcial ou total, por qualquer meio, se citada a fonte e o sítio da Internet onde pode ser encontrado o original

Leia mais

Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas

Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas GT 10 - Ensino e Educação em Direitos Humanos Comitês Estaduais de Educação em Direitos Humanos no Brasil : desafios e perspectivas Nair Heloisa Bicalho de Sousa ( Professora doutora da Universidade de

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

INSTITUTO ESPÍRITA BEZERRA DE MENEZES

INSTITUTO ESPÍRITA BEZERRA DE MENEZES QUARTA REFORMA ESTATUTÁRIA OCORRIDA NA AGE DO DIA 20.01.2013, NA SEDE DO IEBM, QUE SERÁ REGISTRADA NO CARTÓRIO DO 5º OFICIO DE NITERÓI. I E B M TÍTULO I DO HISTÓRICO Art. 1º - O Instituto Espírita Bezerra

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC 7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC Processo de Trabalho e Qualificação Profissional do médico APS PROVAB / Lei 12.871

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 3.150, DE 2008 Dispõe sobre as condições de trabalho dos assistentes sociais. Autor: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA NEW STEEL SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS S.A. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração

ESTATUTO SOCIAL DA NEW STEEL SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS S.A. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração ESTATUTO SOCIAL DA NEW STEEL SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS S.A. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração ARTIGO 1º - A sociedade operará sob a denominação de NEW STEEL SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS S.A. ( Companhia

Leia mais

(Projeto de Lei nº 763, de 2011, Projeto de Lei nº 925, de 2011, e Projeto de Lei nº 3.795, de 2012, apensos)

(Projeto de Lei nº 763, de 2011, Projeto de Lei nº 925, de 2011, e Projeto de Lei nº 3.795, de 2012, apensos) COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI N o 7.755, DE 2010 (Projeto de Lei nº 763, de 2011, Projeto de Lei nº 925, de 2011, e Projeto de Lei nº 3.795, de 2012, apensos) Dispõe sobre a profissão de artesão e

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Art. 1º - O presente Regimento, previsto pelo art. 24, 2º, da Lei nº 5.104/2009, se destina a regulamentar à XII Conferência Municipal de

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO ANIMAL DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MARÍLIA CEUA-FATEC MARILIA

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO ANIMAL DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MARÍLIA CEUA-FATEC MARILIA REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO ANIMAL DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MARÍLIA CEUA-FATEC MARILIA O Comitê de Ética para uso Animal da Faculdade de Tecnologia de Marília CEUA. Reger-se-à Pelas Presentes

Leia mais

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Petrolina PE Julho de 2015 1 Capítulo I Da natureza do TCC Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente obrigatório

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente que integra a estrutura curricular do Curso de Tecnologia em Gestão da Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A 2ª Conferência Municipal das Cidades convocada por Decreto Municipal nº 732, de 14 de fevereiro de 2013, a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.904, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Mensagem de veto Vigência Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803 REGULAMENTO VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO CAPITULO I DA REALIZAÇÃO Art. 1º A VI Conferência Municipal de Saúde de São Tiago é convocada e presidida pelo Prefeito Municipal e, na sua ausência

Leia mais

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REGIMENTO DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, APROVADO EM 30 DE SETEMBRO DE 2003 PELO CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Salvador, Bahia Terça-feira 19 de Janeiro de 2016 Ano C N o 21.858 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES EDITAL DE CONVOCAÇÃO As Secretarias Estaduais do Meio Ambiente e da Educação, em conformidade com a Lei nº

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC II CONGRESSO NACIONAL DO & XXII JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO O Direito em reforma: reflexões diante das mudanças sociais, políticas e jurídicas na sociedade brasileira São Luís/MA, 04 a 06 de novembro

Leia mais

1. CAPITULO 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1 2. CAPÍTULO 2 - DAS OBRIGAÇÕES E DIREITOS DOS POLOS 5 3. CAPITULO 3 - REPRESENTAÇÃO DA AESABESP 8

1. CAPITULO 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1 2. CAPÍTULO 2 - DAS OBRIGAÇÕES E DIREITOS DOS POLOS 5 3. CAPITULO 3 - REPRESENTAÇÃO DA AESABESP 8 Í N D I C E CAPÍTULO PÁGINA 1. CAPITULO 1 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1 2. CAPÍTULO 2 - DAS OBRIGAÇÕES E DIREITOS DOS POLOS 5 3. CAPITULO 3 - REPRESENTAÇÃO DA AESABESP 8 4. CAPITULO 4 REUNIÕES DA DIRETORIA

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA N o, DE DE DE 2009. Aprova o regimento da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

Leia mais

MINUTA DO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO FAPED APROVADO PELO CONSELHO CURADOR. TÍTULO I DA FUNDAÇÃO

MINUTA DO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO FAPED APROVADO PELO CONSELHO CURADOR. TÍTULO I DA FUNDAÇÃO 1 MINUTA DO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO FAPED APROVADO PELO CONSELHO CURADOR. TÍTULO I DA FUNDAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: ESTATUTO reformulado de acordo com a Lei

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.980/2011 (Publicada no D.O.U. 13 dez. 2011, Seção I, p.225-226) Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte ---Serviço Público---

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte ---Serviço Público--- LEI Nº 3646, DE 22 DE MARÇO DE 2010 República Federativa do Brasil Cria o Sistema Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional e dispõe sobre o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional,

Leia mais