Mapeamento de Texturas em Objetos 3D Jerson Seling

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento de Texturas em Objetos 3D Jerson Seling"

Transcrição

1 Mapeamento de Texturas em Objetos 3D Jerson Seling Figura 1: Mapeamento de um cubo. Introdução Mapeamento de texturas é um método para adicionar detalhes, superfícies texturizadas ou cores a gráficos ou modelos 3D computacionalmente gerados. A aplicação dessa técnica foi pioneiramente usada por Edwin Catmull em sua tese de Ph. D. em 1974 (WIKIPEDIA, 2009). A técnica geralmente é utilizada para atribuir-se imagens de bitmap a objetos 3D. cada vértice terá além das coordenadas XYZ, as coordenadas UV ou UVW. UV Map e UVW Mapping As coordenadas UV se referem a uma coordenada cartesiana em uma imagem de bitmap. Assim como X é a horizontal no espaço 3D, U é a horizontal em uma imagem plana 2D, ou seja, um bitmap. Da mesma forma que Y é vertical, V também é. Figura 2: Modelo sem textura (1), modelo com textura (2). Essas imagens geralmente são usadas para colorir-se um objeto (Texture Mapping), porém pode-se usá-las para criar efeitos especiais como iluminação (Light Mapping), relevo (Bump e Normal Mapping) e reflexo (Cube e Spherical Mapping), entre outros. Em um objeto 3D comum, cada vértice tem uma coordenada XYZ, em um objeto 3D com coordenadas de mapeamento de textura, Figura 3: Coordenadas UV em uma superfície 3D No exemplo da figura 4, a esfera da direita teve suas coordenadas UV relacionadas as latitudes e as longitudes dos vértices do modelo 3D. Figura 4: Esfera sem e com mapeamento UV

2 2 Para se criar as coordenadas UV em um objeto 3D, usam-se projeções, o que será visto mais adiante. Porém em algumas ocasiões precisa-se usar coordenadas UVW. A maioria dos modeladores 3D que faz mapeamento de texturas, geralmente usa UVW e não UV, pois o UVW possibilita um maior controle sobre o posicionamento da textura. O W é análogo ao Z, ele é a dimensão da profundidade. Pode-se pensar que uma dimensão de profundidade em uma imagem 2D é inútil, porém isso é um engano, já que esse valor pode controlar a orientação da textura numa face. No 3DS Max é possível aplicarem-se projeções através do modifier UVW Mapping. O UVW também é imprescindível no mapeamento de objetos complexos, como formas orgânicas, sólidos não-platônicos, primitivas não-geométricas e outros objetos de forma irregular. Pois ele permite que se faça o processo de unwrapping da malha 3D mais completo do que simples projeções. Projeções As projeções são algoritmos que ordenam as coordenadas UV em relação aos polígonos 3D. Existem vários tipos de projeções, porém as mais conhecidas são: planar, cylindrical, spherical e box. A seguir uma breve descrição do funcionamento de cada uma dessas projeções e exemplos de como usá-las no programa 3DS Max. Figura 6: Modifier UVW Mapping A projeção Planar é a primeira opção. Pelo uso dela obtêm-se resultados do tipo mostrado na figura abaixo. A projeção planar projeta o mapa de um simples plano contra o objeto 3D, como um projetor de slides. Este tipo é útil quando apenas um dos lados do objeto precisa ser mapeado. Figura 7: Planar Mapping Figura 5: Projeção planar Na caixa Alignment existem opções que alteram o gizmo de projeção, possibilitando que ele se alinhe aos eixos x, y ou z, como também redimensioná-lo em relação ao tamanho do objeto (Fit) e posicioná-lo no centro do objeto (Center), entre outras opções.

3 3 A projeção cylindrical envolve o objeto 3D em um cilindro, projetando as coordenadas dessa forma. É comum também usar-se projeções planares na base e no topo do cilindro para tampá-lo. Este tipo de projeção é útil quando o objeto é semelhante a um cilindro. A projeção spherical projeta as coordenadas de forma esférica em volta do objeto. É útil quando o objeto assemelhasse a uma esfera. Figura 11: Projeção spherical Figura 8: Projeção cylindrical Este tipo de projeção é a terceira opção do modifier UVW Mapping do 3DS Max. No 3DS Max a segunda opção do modifier UVW Mapping é a Cylindrical. Figura 12: Spherical Mapping Figura 9: Cylindrical Mapping Essa opção tem a alternativa Cap, que faz o tampamento das extremidades do cilindro criando um efeito como o mostrado na figura abaixo. A projeção box projeta as coordenadas a partir dos seis lados de um cubo. Cada lado projeta um mapa planar, assim o efeito depende da forma do objeto. Figura 13: Projeção box Esta é a quinta opção do modifier UVW Mapping. Figura 10: Cylindrical Mapping com Cap

4 4 Figura 14: Box Mapping É possível se alterar as dimensões do box, pois ele não precisa ser necessariamente um cubo, ele pode ser um paralelepípedo. Unwrapping O termo wrap não tem uma tradução perfeita, mas em linhas gerais ele significa enrolar, envolver, encobrir e embrulhar. Unwrap é o contrário, ou seja, desembrulhar, descobrir. É isso que se faz quando se deseja texturizar um objeto 3D. Quando faz-se uma projeção em um objeto 3D, obtêm-se um mapa de coordenadas UV ou UVW, esse mapa pode ser transformado em imagem e a partir desta pode-se desenhar e pintar uma textura. Normalmente a aplicação de uma única projeção em todo o modelo não é suficiente, por isso os programas que possibilitam fazer mapeamento de coordenadas permitem que se faça a aplicação de projeções em apenas partes do modelo, por exemplo, fazer uma projeção spherical na cabeça do personagem e uma cylindrical em um braço. Programas como o 3DS Max ainda permitem que o usuário movimente os vértices do mapa de coordenadas isoladamente, possibilitando que se faça o melhor unwrapping possível. No 3DS Max é o modifier Unwrap UVW que possibilita esse tipo de mapeamento. Figura 15: Modifier Unwrap UVW Este modifier permite a edição UVW em três níveis: vértices (Vertex), arestas (Edge) e faces (Face). Ele pode criar projeções quando se usa um desses níveis, como por exemplo, Face e seleciona-se alguma parte do modelo 3D, assim algumas opções do menu Map Parameters se ativarão, e estas opções são os diferentes tipos de projeção vistas. Com uma dessas projeções ativadas, as outras opções do menu são ativadas também, elas fazem coisas como alinhamento do gizmo de projeção nos eixos x, y e z, melhor alinhamento (Best Align), redimensionamento do gizmo em relação ao objeto (Fit), alinhamento em relação a viewport (Align To View), centralizar o gizmo (Center) e remover todas as alterações feitas nesse gizmo (Reset). No menu Pameters há o botão Edit..., é ele que mostra a janela Edit UVWs que permite a manipulação das coordenadas manualmente.

5 5 O Normal Mapping é o método mais direto, pois ele aplica várias projeções planas de diferentes posições. Porém a textura resultante pode ter grandes distorções, tanto quanto o Flatten Mapping além de provocar sobreposições, no modo padrão o mapa de um teapot fica como mostrado na figura abaixo. Figura 16: Edit UVWs Essa janela permite que se translade (Move), rotacione (Rotate), escale (Scale) e espelhe-se (Mirror e Flip) coordenadas UVWs ou conjuntos destas entre outras coisas. Há a também opção de renderizar uma imagem de bitmap com o mapa das coordenadas para servir como base para a pintura da textura, ela está no menu Tools, opção Render UVW Template. Se alguma face, ou todas estiverem selecionadas, há as opções de unwrapping automático, elas estão no menu Mapping. A primeira, Flatten Mapping previne a sobreposição de faces, porém causa distorções na textura. O mapa de um teapot fica como o mostrado na figura abaixo. Figura 18: Unwrap automático Normal Mapping A última opção é o Unfold Mapping, que não provoca distorções na textura, porém deixa as coordenadas sobrepostas. Este método é ótimo para quando se é necessário fazer o processo de unwrapping de apenas algumas faces. O mapa gerado por este método em um teapot, na sua configuração padrão é como o mostrado na figura abaixo. Figura 17: Unwrap automático Flatten Mapping Figura 19: Unwrap automático Unfold Mapping

6 6 A melhor maneira de se dessobrepôr faces é selecioná-las como o Face Sub-Object Mode em Selection Modes e a opção Select Element marcada, assim pode-se selecionar conjuntos inteiros de faces interligadas automaticamente. Figura 20: Selection Modes Figura 23: Textura feita com base no mapa UV O processo de unwrapping pode ser resumido nas figuras mostradas. Figura 24: Modelo final Figura 21: Modelo 3D a ser texturizado Texture Filtering A maneira como os pixels (picture elements) são calculados a partir dos texels (texture elements) é gerenciada pelo processo de texture filtering (filtramento de texturas). O método mais rápido de se usar é a nearestneighbour interpolation, que faz a interpolação entre os texels mais próximos. Figura 22: Mapa UV criado Mas os métodos bilinear interpolation ou trilinear interpolation entre mipmaps são mais usados por terem um resultado melhor, reduzindo problemas como aliasing de textura como visto na figura 13, embora precisem de mais GPU e memória.

7 7 Figura 25: Texture Filtering Nearest Figura 26: Texture Filtering Bilinear O processo de texture filtering é útil em principalmente em jogos, pois permite que se use uma imagem de baixa resolução e mesmo assim obtêm-se bons resultados. Mipmaps Mipmaps são análogos a LODs (Level of Detail) quando trata-se de modelos 3D, porém mipmaps são níveis de detalhes de texturas. Eles são uma sequência de texturas onde cada uma tem a resolução progressivamente menor que a antecessora. A largura e a altura de cada imagem, ou nível em um mipmap é uma potência de dois, menor que o nível antecessor. Mipmaps não precisam ser quadrados. Figura 27: Mipmaps de uma imagem Eles são a mesma textura, porém com resoluções diferentes. Essas texturas são então revezadas segundo a distância do objeto texturizado e o observador, assim as coisas que estão próximas usam texturas de alta resolução, coisas que estão longe, usam texturas de baixa resolução, economizando memória. Multitexturização Um objeto 3D pode usar mais de uma textura ao mesmo tempo. Por exemplo, um objeto pode ter um Light Map para evitar que a iluminação seja recalculada a cada vez que a cena for renderizada. Outras técnicas de

8 8 multitexturização são o Bump Map e o Normal Map, que permitem que se controle diretamente a orientação das faces do objeto (normals) para propósitos de iluminação, dando a impressão que a superfície é mais detalhada do que realmente é, pois estas podem adicionar relevo a um simples polígono. O bump e o normal mapping se tornaram populares quando video games puderam usá-los no final de Figura 28: Texture Map e Light Map gerar mapas de reflexão reais, que são extremamente demorados, o que é inviável já que jogos que precisam que a cena seja renderizada em tempo real. As duas técnicas mais usadas para isso são o cube map (também chamado cubic map) e o spherical map. Eles usam uma imagem que representa um suposto ambiente ao qual refletirão, não precisando usar o ambiente real para criar o mapa de reflexão. Por isso é comum ver essas técnicas serem chamadas de Environment Maps, pois a projeção é estática em relação ao ambiente, ou seja, cada vez que o objeto se movimenta, a projeção é refeita, dando a ilusão de reflexão. O cube mapping necessita de 6 imagens para criar um cubo que envolve o objeto reflexivo ou apenas uma imagem unwrapped como a mostrada abaixo. Há ainda formatos de arquivo como DDS (DirectDraw Surface) que podem armazenar as 6 imagens em um só arquivo, bem como vários níveis de mipmaps. Figura 29: Normal Map Figura 31: Um Cube Map O cube mapping é bastante flexível, porém a manipulação dele no hardware é custosa. Figura 30: Esfera com Light, Texture e Normal Maps Outros tipos de técnicas usados em multitexturização são as técnicas para representar reflexão, como uma alternativa a GPU usar algum algoritmo raytracer para Figura 32: Modelo com Cube Map

9 9 No 3DS Max é possível se fazer a criação de Cube Maps ao se utilizar o mapa Reflect/Refract no canal Reflect de um material e então marcar como Source (fonte) a opção From File e então no menu Render Cubic Map Files clica-se na opção To File para designarse o prefixo do nome do arquivo das imagens, logo então clica-se em Pick Object and Render Maps, clica-se no objeto que será a fonte dos mapas e o 3DS Max renderiza as 6 imagens. Figura 34: Representação de um Spherical Map Figura 33: Render Cubic Map Files A opção de Source Automatic cria as imagens automaticamente, porém não é possível salvar as imagens geradas em arquivo. As imagens geradas por essa opção também podem ser atualizadas a cada frame, ou seja, para cada renderização, haverá outras 6, isso para permitir que as mudanças no cenário sejam visíveis na reflexão do objeto, como um espelho perfeito. Essa tecnologia de geração de cube maps dinâmicos também pode ser usada em jogos, porém ela é pouco usada por ser demasiadamente custosa para a GPU. A técnica spherical map é a técnica mais usada em jogos. Ela necessita de apenas uma imagem, geralmente esta tem uma aparência diferenciada (uma esfera) para que a reflexão seja bem feita. Figura 35: Um Spherical map usado em jogos Figura 36: Modelo sem Spherical map No 3DS Max essa técnica pode ser usada ao se atribuir um mapa de bitmap ao canal Reflect de um material. Figura 37: Modelo com Spherical map

10 10 Índice Introdução...1 UV Map e UVW Mapping...1 Projeções...2 Unwrapping...4 Texture Filtering...6 Mipmaps...7 Multitexturização...7 Referências Bibliográficas Sites: Guias de Referências: DirectX Documentation For C++ 3ds Max Reference Documentation ofusion Pro for 3DStudio Max Artigos: Environment Mapping Livros: GPU GEMS 1 GPU GEMS 2 GPU GEMS 3 3D Game Engine Architecture 3D Game Programming All In One

Modelando um Rinoceronte no Max

Modelando um Rinoceronte no Max tutorial por Fabio S. D'A. Forti Modelando um Rinoceronte no Max F ora o bom conhecimento técnico do software utilizado, o mais importante quando vamos modelar, texturizar ou animar alguma coisa que existe

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

Apostila 01 Conceitos de Modelagem.

Apostila 01 Conceitos de Modelagem. Apostila 01 Conceitos de Modelagem. 1- Conceitos Basicos O Autodesk 3ds Max é um programa de modelagem tridimensional que permite renderização de imagens e animações. Sendo usado em produção de filmes

Leia mais

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10 Criiar uma Aniimação usando o 3D Studio MAX?? RELEASE 3 Nuno Silva nº 5768 Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 6 Solid Works No SolidWorks peça para abrir uma nova montagem. Peça para cancelar o início da montagem. Clique na seta abaixo do ícone Inserir componentes

Leia mais

Aplicando Texturas. Maya. Shading Groups. por Gustavo L. Braga

Aplicando Texturas. Maya. Shading Groups. por Gustavo L. Braga Maya por Gustavo L. Braga Aplicando Texturas Quando criamos uma animação em 3d temos diversas etapas a serem cumpridas até termos a animação renderizada. A criação e aplicação de texturas nos objetos é

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal Word 1 - Introdução O Word para Windows ou NT, é um processador de textos cuja finalidade é a de nos ajudar a trabalhar de maneira mais eficiente tanto na elaboração de documentos simples, quanto naqueles

Leia mais

Capítulo 1 - Área de Trabalho Capítulo 2 - Configuração do Ambiente de Trabalho Capítulo 3 - Objetos Standard e Formas de Seleção

Capítulo 1 - Área de Trabalho Capítulo 2 - Configuração do Ambiente de Trabalho Capítulo 3 - Objetos Standard e Formas de Seleção Capítulo 1 - Área de Trabalho 1.1. Visão Geral 1.2. Área de Trabalho 1.3. Painel de Comandos 1.4. Viewports - Janelas de Trabalho 1.4.1. Mudar Vistas, Layout e Tamanho das Viewports 1.5. Ferramentas de

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 4.2.1 Criação de Splines (continuação) Circle Spline Create panel > Shapes > Splines > Object Type > Circle Create menu > Shapes > Circle Use Circle para criar splines circulares fechadas feitas de quatro

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

8 Maquete eletrônica. Importando um arquivo do tipo DWG. Neste tutorial apresentaremos os procedimentos para a renderização de maquetes eletrônicas.

8 Maquete eletrônica. Importando um arquivo do tipo DWG. Neste tutorial apresentaremos os procedimentos para a renderização de maquetes eletrônicas. 8 Maquete eletrônica. Importando um arquivo do tipo DWG. Neste tutorial apresentaremos os procedimentos para a renderização de maquetes eletrônicas. Embora normalmente você queira usar a opção File > File

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Capítulo 2 2. MODELO LOWPOLY. 2.1 Modelagem Lowpoly

Capítulo 2 2. MODELO LOWPOLY. 2.1 Modelagem Lowpoly Capítulo 2 2. MODELO LOWPOLY 2.1 Modelagem Lowpoly Nesta etapa é feita a modelagem do modelo poligonal usado In Game ( Dentro do Jogo ), o qual será usado nas Engines. Ele é um modelo importantíssimo,

Leia mais

Informática Básica para o PIBID

Informática Básica para o PIBID Universidade Federal Rural do Semi Árido Programa Institucional de Iniciação à Docência Informática Básica para o PIBID Prof. Dr. Sílvio Fernandes Roteiro O Tamanho e Resolução de imagens O Compactação

Leia mais

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Thiago H. B. de Oliveira 1, Gabriel de França Pereira e Silva 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Av. Bom Pastor,

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

VPT 7 Primeiros passos

VPT 7 Primeiros passos VPT 7 Primeiros passos Manual preliminar para o VPT 7 Escrito por HC Gilje 28/04/13 Traduzido por VJ pixel Revisado por Paloma Oliveira A pasta VPT Na pasta do VPT você vai encontrar a pasta do projeto

Leia mais

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Cleber Reis Professor de AutoCAD 2D e 3D AC5904-V Compreender as escalas no AutoCAD pode parecer uma tarefa difícil, mas não é. Qual

Leia mais

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Savyo Nóbrega (savyo@dsc.ufcg.edu.br) Agenda Motivação Conceitos Gerais Modelagem Matemática Mapeamento de texturas Softwares e ferramentas para modelagem

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 10 Inserindo figuras e objetos... 2 Configurando AutoFormas... 2 Criando Caixas de Texto... 3 Inserindo Linhas e Setas... 3 Utilizando WordArt... 4 Inserindo Figuras... 5 Configurando figuras...

Leia mais

Aplicando Skin para um Personagem

Aplicando Skin para um Personagem Aplicando Skin para um Personagem O modificador Skin associa um esqueleto a uma malha, permite animar a malha, animando o esqueleto. Ele trabalha em estruturas animadas simples como nas malhas do personagem.

Leia mais

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Conceitos do Photoshop Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Bitmap Image Conceito de pixel Imagem bitmap x imagem vetorial Pixel x bits Resolução de tela e imagem 72 pixel/inch 300

Leia mais

Planificação Anual 2015/2016

Planificação Anual 2015/2016 Planificação Anual 015/01 CURSO: PROFISSIONAL TÉCNICO DE MULTIMÉDIA DISCIPLINA: TÉCNICAS DE MULTIMÉDIA (TM) ANO: 10.º TURMA: I 1º Período º Período 3º Período Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun 3ª

Leia mais

GERENCIADOR DE CONTEÚDO

GERENCIADOR DE CONTEÚDO 1/1313 MANUAL DO USUÁRIO GERENCIADOR DE CONTEÚDO CRISTAL 2/13 ÍNDICE 1. OBJETIVO......3 2. OPERAÇÃO DOS MÓDULOS......3 2.1 GERENCIADOR DE CONTEÚDO......3 2.2 ADMINISTRAÇÃO......4 Perfil de Acesso:... 4

Leia mais

Dicas. Simplificando o Método Top Down Design. Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton

Dicas. Simplificando o Método Top Down Design. Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton Dicas Simplificando o Método Top Down Design Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton O Creo Elements/Pro, anteriormente chamado de Pro/ENGINEER, possui capacidade de criar uma estruturação parametrizada

Leia mais

Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit. Hipólito Douglas França Moreira

Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit. Hipólito Douglas França Moreira Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit Hipólito Douglas França Moreira Unreal Development Kit Desenvolvida para a construção de jogos,

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo)

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) Profs. Paula Viero e Beatriz Lima TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 1. O AUTOCAD 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) 4. ALGUNS COMANDOS

Leia mais

Pipeline de Visualização Câmara Virtual

Pipeline de Visualização Câmara Virtual Pipeline de Visualização Câmara Virtual Edward Angel, Cap. 5 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Transformações Geométricas Composição de Transformações Deformação

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 2.1 Primitivas básicas. Criando objetos primitivos. Modify 3D Standard Primitives são objetos 3D relativamente simples tais como Box, Sphere, Cylinder, bem como Torus, Plane, Cone, GeoSphere, Tube, Teapot,

Leia mais

O ArcMap permite a você criar, visualizar, consultar, editar, compor e publicar mapas.

O ArcMap permite a você criar, visualizar, consultar, editar, compor e publicar mapas. ArcMAP (parte 1) O ArcMap permite a você criar, visualizar, consultar, editar, compor e publicar mapas. Para rodar o ArcMap selecionar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap Sobre a janela selecionar

Leia mais

1. Abra o ambiente Solid Edge Assembly.

1. Abra o ambiente Solid Edge Assembly. SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 10 MONTANDO O CONJUNTO O objetivo deste tutorial é fazer com que você tenha um contato inicial com o ambiente Assembly e introduzir conceitos básicos de montagem. É importante que

Leia mais

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Escolha um objeto entre os que possivelmente compõem uma clínica médica de exames

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um

Leia mais

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA PROF A. CARLA FREITAS SISTEMA DE MODELAGEM DE SÓLIDOS POR SWEEP ROTACIONAL RELATÓRIO

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA PROF A. CARLA FREITAS SISTEMA DE MODELAGEM DE SÓLIDOS POR SWEEP ROTACIONAL RELATÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CPGCC UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CCEI MESTRADO

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 1 - Introdução ao 3D Studio. Conhecendo a interface do programa. O 3D Studio Max é um aplicativo que nos permite trabalhar com modelagem, texturização, materiais, iluminação e animações tridimensionais.

Leia mais

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers Conversão de Raster para Polígono usando o ArcMap Nos posts anteriores, conhecemos uma situação onde uma empresa solicita, além do produto esperado, imagens no canal alfa para geração de polígonos envolventes

Leia mais

Entenda-se por unfold como o processo de transformar um objeto 3D numa figura 2D, que, quando propriamente dobrada, restitui o objeto 3D original.

Entenda-se por unfold como o processo de transformar um objeto 3D numa figura 2D, que, quando propriamente dobrada, restitui o objeto 3D original. Introdução O Pepakura Designer - http://www.tamasoft.co.jp/pepakura-en/ - é um programa para planificação (unfold) de objetos 3d. Entenda-se por unfold como o processo de transformar um objeto 3D numa

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

Tutorial de Blender, Animação básica do tipo keyframe

Tutorial de Blender, Animação básica do tipo keyframe Tutorial de Blender, Animação básica do tipo keyframe Enfim, o momento por muitos esperado! ;-) Agora que você já está mais familiarizado com o blender, com o básico sobre edição mesh e sobre renderização,

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice CAPA Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE Índice 1. Página da área administrativa... 1.1 Botões e campo iniciais... 2. Explicar como funcionam as seções... 2.1. Seções dinâmicos... 2.1.1 Como

Leia mais

Tutorial do programa

Tutorial do programa 1 Tutorial do programa I. Guia Rápido 1. Clique no produto. 2. Clique na pasta de imagens. 3. Clique em preenchimento auto. 4. Verificar pedido. 5. Finalizar pedido. 6. Fazer pagamento / Entrega. 7. Fazer

Leia mais

Algumas perguntas antes de tudo...

Algumas perguntas antes de tudo... Conteúdo do Curso Configuração básica do 3D Studio MAX A interface gráfica Criação de objetos tridimensionais básicos - formas primitivas Criação de objetos tridimensionais por operações booleanas Controle

Leia mais

Tutorial Blender. por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br

Tutorial Blender. por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br Tutorial Blender por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br Modelagem de cabeça estilo cartoon para animação (box modelling) Este tutorial foi adaptado de um vídeo

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 10 Iluminação e Sombras Lembre-se que iluminar é estabelecer uma relação entre luz e sombras. Se o ambiente estiver muito claro pode destruir áreas importantes de sombras. Este Tutorial mostra como simular

Leia mais

Utilização. de Shaders de efeitos realistas para jogos. Bruno Pereira Evangelista. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Utilização. de Shaders de efeitos realistas para jogos. Bruno Pereira Evangelista. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Utilização de Shaders para criação de efeitos realistas para jogos Bruno Pereira Evangelista Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Sumário 2/48 Apresentação pessoal Introdução Pipeline de renderização

Leia mais

Comportamento das janelas. Mike McBride Jost Schenck Tradução: Marcus Gama

Comportamento das janelas. Mike McBride Jost Schenck Tradução: Marcus Gama Mike McBride Jost Schenck Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Comportamento das janelas 4 1.1 Foco.............................................. 4 1.1.1 Política de Foco...................................

Leia mais

Menus Personalizados

Menus Personalizados Menus Personalizados Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Para acessar o painel de controle do Wordpress do seu servidor siga o exemplo abaixo: http://www.seusite.com.br/wp-admin Entrando

Leia mais

Bem-vindo ao CorelDRAW, um programa abrangente de desenho e design gráfico baseado em vetor para o profissional gráfico.

Bem-vindo ao CorelDRAW, um programa abrangente de desenho e design gráfico baseado em vetor para o profissional gráfico. Criar um logotipo Bem-vindo ao CorelDRAW, um programa abrangente de desenho e design gráfico baseado em vetor para o profissional gráfico. Neste tutorial, você criará um logotipo para uma cafeteria imaginária.

Leia mais

CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS

CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS Este tutorial tem como objetivo instruir passo à passo como criar templates de peças, utilizar os novos recursos de cadastro de propriedade de peças e criação de legenda. 1-

Leia mais

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007 WORD 2007 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 2 3D Studio Max - Inicie desenhando na vista de topo uma base Box e duas esferas Sphere. Posicione-as conforme o desenho aplicando o comando move na

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

Prof. Ivo Brites Aula 16 Universidade de Cuiabá Faculdade de Engenharias e Computação 4º e 5º Semestre

Prof. Ivo Brites Aula 16 Universidade de Cuiabá Faculdade de Engenharias e Computação 4º e 5º Semestre EXPRESSÃO GRÁFICA II Prof. Ivo Brites Aula 16 Universidade de Cuiabá Faculdade de Engenharias e Computação 4º e 5º Semestre 2 Visualizando com a câmera Visualizar com a câmera permite que se cria uma cena

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 5 Solid Works Crie um esboço no plano superior. A partir da origem crie uma linha de centro vertical. Aplique o comando de desenho de linha spline e

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

29 de abril de 2014. Fiery Driver para Mac OS

29 de abril de 2014. Fiery Driver para Mac OS 29 de abril de 2014 Fiery Driver para Mac OS 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. Conteúdo 3 Conteúdo...5

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Curso de Treinamento no Solid Edge

Curso de Treinamento no Solid Edge Curso de Treinamento no Solid Edge Versão 17.0 Módulo 5 - Construindo Features Especiais - I Editores: Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Marcelo Soares da Silva Laboratório de Sistemas Computacionais Faculdade

Leia mais

Bem-vindo! Prazer em conhecê-lo.

Bem-vindo! Prazer em conhecê-lo. Bem-vindo! Prazer em conhecê-lo. A nova ferramenta para a confecção de livros do Blurb, o BookWright, foi projetado para ser o mais intuitivo possível, mas duas cabeças não pensam da mesma forma. E todos

Leia mais

O TUX VAI À ESCOLA: UMA INTRODUÇÃO À EDIÇÃO DE IMAGEM COM O GIMP

O TUX VAI À ESCOLA: UMA INTRODUÇÃO À EDIÇÃO DE IMAGEM COM O GIMP O TUX VAI À ESCOLA: UMA INTRODUÇÃO À EDIÇÃO DE IMAGEM COM O GIMP O GIMP (GNU Image Manipulation Program) (http://www.gimp.org/) é uma aplicação de Software Livre para desenho e edição de imagem digital.

Leia mais

Tutorial Parafusadeira Black & Decker

Tutorial Parafusadeira Black & Decker Tutorial Parafusadeira Black & Decker POR DIOGO MIRANDA Passo 1 Fotografias: Ajuste as duas fotografias nas vistas ortográficas como indicado nas fotos, a imagem lateral guiará todo o trabalho basicamente,

Leia mais

Visualizando relatórios pelo NeoNews Player. Documentação para Usuário Final

Visualizando relatórios pelo NeoNews Player. Documentação para Usuário Final Visualizando relatórios pelo NeoNews Player Documentação para Usuário Final Conteúdo Conteúdo...2 Para acessar o sistema (Gerenciador de Conteúdo TV Corporativa)... 3 Como manipular formulários do sistema...3

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta quinta edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos o estudo do Windows Mail, um cliente

Leia mais

Índice Apresentando o software Programa aberto Criando nova animação Trabalhando as animações Ferramentas Abrir uma figura como animação

Índice Apresentando o software Programa aberto Criando nova animação Trabalhando as animações Ferramentas Abrir uma figura como animação Apostila Índice Apresentando o software...o que são GIF s animadas Programa aberto 2 Criando nova animação 3 Trabalhando as animações 3 Ferramentas 4 Abrir uma figura como animação 5 Barras de ferramentas

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

Manual de utilização do programa

Manual de utilização do programa PCIToGCode Manual de utilização do programa PCIToGCode O PCITOGCODE é um aplicativo desenvolvido para converter imagem de uma placa de circuito impresso em um arquivo de códigos G. Com o arquivo de códigos

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Barra de ferramentas do menu wireframe.

Barra de ferramentas do menu wireframe. CRIAÇÃO DE SÓLIDOS Tendo em mãos a representação em seções, a construção de sólidos dentro do DATAMINE é bastante simples e direta, basta que o usuário selecione o menu Wireframes Linking Link Strings

Leia mais

1. Introdução ao Adobe Illustrator CC. 2.6. Ferramentas de Seleção e Visualização. 1.1. Novidades do Illustrator CC. 3. Desenho. 1.2.

1. Introdução ao Adobe Illustrator CC. 2.6. Ferramentas de Seleção e Visualização. 1.1. Novidades do Illustrator CC. 3. Desenho. 1.2. 1. Introdução ao Adobe Illustrator CC 1.1. Novidades do Illustrator CC 1.2. Abrir o Programa 1.3. Criar um Novo Documento 1.4. Área de Trabalho 1.4.1. Paletas e Painéis 1.4.2. Menus de Contexto 1.4.3.

Leia mais

formação em design de produto 3d:

formação em design de produto 3d: formação em design de produto 3d: O treinamento de Design de Produto 3D da Imagine School, com duração de 40 semanas (média de 1 ano), ensinará o aluno a projetar os mais variados tipos de produtos. Durante

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

ArcMAP (parte 2) Rodar o ArcMap teclar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap. Sobre a janela selecionar o item An existing map:

ArcMAP (parte 2) Rodar o ArcMap teclar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap. Sobre a janela selecionar o item An existing map: ArcMAP (parte 2) Nesta parte do tutorial, você irá mapear cada tipo de uso da terra dentro do noise contour. Você adicionará dados ao seu mapa, desenhará feições baseadas em atributos, selecionará feições

Leia mais

Desenhando no Flash. Comece um novo arquivo novo, de tamanho 500 X 300 pixels.

Desenhando no Flash. Comece um novo arquivo novo, de tamanho 500 X 300 pixels. Desenhando no Flash Os arquivos criados no Flash guardam e apresentam as informações gráficas vetorialmente. Isto significa que as imagens são entendidas como formas e preenchimentos e o que é armazenado

Leia mais

Introdução pg. 3. Interface do MAYA pg. 4. Criando um PS3 pg. 9. Melhorando o formato pg. 11. Modelando a Base pg. 17

Introdução pg. 3. Interface do MAYA pg. 4. Criando um PS3 pg. 9. Melhorando o formato pg. 11. Modelando a Base pg. 17 Sumário Introdução pg. 3 Interface do MAYA pg. 4 Criando um PS3 pg. 9 Melhorando o formato pg. 11 Modelando a Base pg. 17 Modelando a parte de cima pg. 21 Escrevendo no MAYA pg. 24 Posicionando os Logos

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Conteúdo

Manual de Gerenciamento de Conteúdo Manual de Gerenciamento de Conteúdo 1 Sumário 1) O que é um Gerenciador de Conteúdo...3 2) Como o Site está Estruturado...3 3) Como Gerenciar o Conteúdo do Site...5 3.1) Adicionar Itens no Menu de Navegação...6

Leia mais

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31 Gráficos tridimensionais Introdução ao MATLAB p1/31 Introdução Existe uma grande variedade de funções para exibir dados em três dimensões Podemos utilizar curvas em três dimensões, superfícies em retalhos

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Editable Poly Surface Create or select an object. > Quad menu > Transform quadrant > Convert To submenu > Convert to Editable Poly

Editable Poly Surface Create or select an object. > Quad menu > Transform quadrant > Convert To submenu > Convert to Editable Poly 6 - Modelagem Mesh (ou Poligonal). Editor de Materiais 6.1 - Conhecendo algumas ferramentas. Editable Poly Surface Create or select an object. > Quad menu > Transform quadrant > Convert To submenu > Convert

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

Pág. 1 de 9 geral@cadtresd.pt http://www.cadtresd.pt Room Player

Pág. 1 de 9 geral@cadtresd.pt http://www.cadtresd.pt Room Player Pág. 1 de 9 1. Room Player Room Player é um software dedicado às vendas em rede, aos particulares, aos arquitetos de interior e profissionais do imobiliário. O Room Player é assim um Software 3D para layout

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno

http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno 1. Introdução http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno Damasceno www.damasceno.info - damasceno12@hotmail.com Google: Blender 3D: Guia de sobrevivência 1. Introdução

Leia mais

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Sumário 1. Configurações Iniciais...2 1.1. Configurando o Menu Personalizado...2 1.2. Configurando os Widgets...3 2. Localize o nome de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Página 2 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1. O Moodle... 4 1.2. Objetivo da integração...

Leia mais

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes 1 Índice Introdução............................................... 3 Conexão do software ao Computador de Desempenho Wattbike tela padrão Polar e edição

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU

Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU 1 1. Como logar no sistema como usuário autenticado Para logar no sistema como usuário autenticado é necessário digitar /user na frente

Leia mais

Sumário. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia

Sumário. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia 1 Tutorial: Blogs no Clickideia Sumário Introdução... 2 Objetivos... 2 Instruções para utilização do Tutorial... 2 Acesso ao Portal e a Home Blog... 3 Página Inicial da área do Blog... 4 Apresentação da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instruções para Uso do Software VISIO Fevereiro/2006 Instruções para uso do Visio... 03 Instruções para Uso do Software VISIO 2 Instruções para uso do Visio O Visio 2003...

Leia mais

Introdução ao MicroStation Ambiente 3D

Introdução ao MicroStation Ambiente 3D Introdução ao MicroStation Ambiente 3D Roberto Scalco 2003 EFB 301 Desenho 2 Introdução ao MicroStation V8 Ambiente 3D Introdução ao MicroStation V8 Ambiente 3D 3 Autor Roberto Scalco Mestrando em Engenharia

Leia mais

Esse treinamento capacita o aluno a criar maquetes eletrônicas com alto nível de realismo.

Esse treinamento capacita o aluno a criar maquetes eletrônicas com alto nível de realismo. Formação em MAQUETE ELETRÔNICA 3d: Uma das áreas mais crescentes é o da construção civil, cada vez mais exigindo fidelidade nas apresentações dos projetos arquitetônicos. No treinamento de Maquete 3D o

Leia mais