02/05/2011. O Sistema estruturado. O Sistema estruturado. Pós-Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações. O Sistema estruturado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "02/05/2011. O Sistema estruturado. O Sistema estruturado. Pós-Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações. O Sistema estruturado"

Transcrição

1 Pós-Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Disciplina: Redes Locais Prof. Josafá de Jesus Silva O Sistema estruturado Interligação entre redes de computadores e os diversos sistemas de comunicação e automação: -Redes de Telefonia, sistemas de segurança, sistema de administração predial etc. Sistemas de cabeamento Estruturado SCS (Structured Cabling System) O Sistema estruturado O Sistema estruturado Sistemas de cabeamento Estruturado Objetivo Fundamental: Organizar e unificar as instalações de cabos existentes e os novos sistemas de cabeamento em edificações comerciais, residenciais e industriais. Trata-se de uma rede física passiva, que comporta as mais variadas aplicações (sinal de voz, dados, imagens e controle). Regido por normas internacionais, utilizando conectores padronizados permitindo a conexão de qualquer equipamento em qualquer ponto do cabeamento. Estatisticamente cerca de 70%dos problemas que ocorrem em uma rede de computadores deve-se ao cabeamento. (Pinheiro, 2003) O software passa por evoluções a cada 2ou 3anos O hardware em geral tem uma vida útil de 5anos. Geralmente, o cabeamento de rede permanece o mesmo por mais de 10 anos. 1

2 O Sistema estruturado Realidade Brasileira No Brasil o cabeamento não-estruturado ainda é muito utilizado nas empresas e indústrias. A técnica não-estruturado origina sistemas sem grandes planejamentos, onde um provável crescimento da rede não é levado em consideração. Um projeto de cabeamento estruturado está preparado para as tecnologias futuras e ainda proporciona grande flexibilidade no caso de alterações e expansões da rede. Cabeamento de rede Estabelecer a conexão física entre os dispositivos que compõem a rede. A principal função é o transporte de sinais com o mínimo de degradação possível. É constituído em : Cabos metálicos (cobre); Fibras ópticas; Na combinação dos dois tipos, Cabeamento de rede Características que causam degradação do sinal em cabo metálico. Oposição ao fluxo de elétrons (Resistência); Oposição a mudanças de voltagem e corrente (reatância); Ruídos elétricos produzido por sinais de outros fios do cabo (Diafonia ou Crosstalk) Características que causam degradação do sinal em cabo óptico. Dispersão dos feixes de luz; Atenuação ao longo da fibra; Propriedades do cabeamento metálico Resistência Representa a perda de energia que um sinal sofre ao trafegar por um meio metálico. A perda de energia aumenta com a distância, até chegar um ponto que o receptor não consegue mais reconhecer o sinal. A energia pode ser perdida na forma de radiação ou calor. 2

3 Propriedades do cabeamento metálico Impedância Uma característica elétrica que envolve resistência e reatância. -Reatância: é a resistência oferecida à passagem de corrente alternada por um indutor ou capacitor num circuito. Conectores de rede Quando mal instalados: Podem criar ruídos elétricos; Estabelecer um contato elétrico intermitente; Interromper o funcionamento da rede. Uma impedância alta ou baixa não causa qualquer problema, mas um cabo deve ter uma impedância correta para evitar a perda do sinal e interferência. Categorias de Cabeamento A performance de uma rede não é expressa por sua taxa de transmissão em bits, mas sim por sua banda de frequência de operação. Dentro dos padrões de cabeamento foram criados grupos de especificações: Categorias ou Níveis. Cabeamento de redes locais é classificado pela EIA/TIA nas categorias 3, 4, 5, 5e, 6 e 7 Parâmetros de Transmissão Atenuação: É a perda de potência que o sinal sofre ao percorrer o meio entre o transmissor e o receptor. (db) Paradiafonia ou NEXT (NearEndCrosstalk): É a imunidade à interferência dos pares de um cabo em relação ao sinal de entrada que trafega em um par específico no mesmo cabo e na mesma extremidade. (db) EIA- Electronic Industries Alliance/ TIA- Telecommunications IndustryAssociation 3

4 Parâmetros de Transmissão Telediafonia ou FEXT (Far EndCrosstalk): É a o mesmo caso do NEXT, porém na extremidade oposta à entrada do sinal. (db) PSNEXT (Power SumNEXT) : É o somatório dos níveis de ruído gerado entre três pares do cabo metálico. (db) ELFEXT (EqualLevelFarEndCrosstalk) : É a interferência de um sinal que trafega por um determinado par, sobre um par vizinho na outra extremidade do cabo. (db) Parâmetros de Transmissão PSELFEXT (Power SumELFEXT) : É o somatório dos níveis de ruído gerado por múltiplas fontes de sinal na extremidade distante do cabo, com referência ao sinal de entrada nesse mesmo cabo. (db) Atraso na propagação ou DELAY: Tempo que o sinal leva para percorrer o meio de transmissão, expresso em nanossegundos. Parâmetros de Transmissão Cabo Coaxial Perda de Retorno ou RL (Return Loss): É a medida do sinal refletido causado por defeitos na fabricação ou dobras dos cabos metálicos, ou pelo descasamento de impedância entre o cabo e os dispositivos de conexão de rede. (db) Capa Plástica Isolamento Malha metálica Condutor Conector BNC (Bayone-Neil-Concelman) 4

5 Cabo Coaxial São classificados em categorias de acordo com seus índices RG(radio government). Cada índice representa um conjunto de especificações físicas como bitola do fio condutor, espessura e o tipo do isolante interno, construção da malha metálica e a capa plástica. Cabo Coaxial O desempenho deixa a desejar devido a atenuação (uso frequente de repetidores). Largura de banda considerável (400 ~ 550 Mhz). Muito usado em redes de telefonia analógica ( sinais de voz). Categoria RG-59 RG-58 RG-11 Uso TV a cabo Ethernet fina Ethernet Grossa Depois, usado em redes de telefonia digital (transporte de dados digitais a 600Mbps) Posteriormente substituído por fibra óptica (redes de TV a cabo tradicional). Cabo Par Trançado Twisted Pair cable Formado por dois condutores de cobre, onde um dos fios é usado para transportar sinais elétricos e o outro apenas como um terra de referência. O receptor utiliza a diferença de potencial entre os dois fios para determinar a amplitude do sinal elétrico. A trança entre os pares de cabo mantém um equilíbrio. Caso um dos fios esteja mais próximo de um ruído e o outro mais afastado, na próxima trança ocorre o inverso. O receptor não perceberá nenhum sinal indesejado. Categoria EIA/TIA Cabo Par Trançado Frequência Utilização 1 1 MHz Telefonia 2 - Token-Ring 4Mbps 3 16 MHz 10baseT, Token-ring 16Mbps 4 20 MHz 10baseT, 100baseT4, Token-ring 16Mbps MHz 100baseTX, 155 Mbps ATM 5e 100 MHz 622 Mbps ATM, 1000baseT MHz 622 Mbps ATM, 1000baseT, 10GbaseT 6a 500 MHz 10GbaseT MHz Vídeo, 10GbaseT maiores distâncias 5

6 Cabo sem Blindagem Cabo Par Trançado Cabo com Blindagem Cabo Par Trançado UTP (Unshield Twisted Pair): Mais comumente usado. Fácil manuseio e instalação. STP (ShieldTwisted Pair): Pouco usado devido o custo elevado. Possui uma folha de metal que reveste cada par de condutores isolados, com o objetivo de reduzir a diafonia. Baixo custo Maior imunidade às interferências externas eletromagnéticas. Cabo Par Trançado UTP Cabo Cabo com fita Metalizada FTP (FoiledTwisted Pair): Par trançado com fita metalizada. Projetados para aplicações de cabeamento que necessitam de isolamento adicional (norma ANSI/EIA/TIA 568 A). Formados por dois condutores isolados, trançados, formando um par e quatro pares agrupados formando o núcleo central. 6

7 Cabo STP Cabo FTP Interferências em Cabeamento Metálico Interferências em Cabeamento Metálico Ruído elétrico Pode produzir falhas nas redes de computadores resultando em perda de dados e erros em programas executáveis. Pode ser causado por diversos fatores: - Descarga atmosféricas - Motores elétricos - Equipamentos industriais - Transmissores de rádio -Etc.. Ruído elétrico Podem ser classificados quanto ao tipo: Radiado (campos elétricos e magnéticos propagando-se pelo ar) Conduzido (através do cabeamento, conduítes metálicos e plano terra) Podem ser classificados quanto a duração: Permanentes (por indução) Quase-Permanentes (curto-circuito e partida de motores elétricos) Transitórios (descarga atmosférica e lâmpada fluorescente) 7

8 Interferências em Cabeamento Metálico Interferências em Cabeamento Metálico Ruído elétrico Interferência eletromagnética - EMI Qualquer tipo de sinal indesejável, conduzido ou irradiado, capaz de interferir no funcionamento dos equipamentos de uma rede. É o tipo mais importante de interferência entre sinais de dados e voz em sistemas de cabeamento. As principais fontes de EMI são circuitos elétricos, descargas elétricas atmosféricas e transmissores de rádio. Ruído elétrico Interferência de Rádio Frequência - RFI É causada normalmente por distúrbios na energia elétrica que produzem sinais com uma frequência que interfere no funcionamento dos circuitos eletrônicos. As fontes de RFI são os motores elétricos, fontes de alimentação de equipamentos eletrônicos e comutadores elétricos. Interferências em Cabeamento Metálico Diafonia ou Crosstalk É a medida da interferência elétrica gerada em um par pelo sinal que está trafegando em um par ajacente dentro do mesmo cabo. Interferências em Cabeamento Metálico Métodos de redução de ruídos elétricos em sistemas de cabeamento estruturado Balanceamento dos níveis de tensão nas extremidades dos cabos. Blindagem das estruturas de passagem dos cabos. Aterramento elétrico. Fonte: Pinheiro, José Mauricio S. (2003) 8

9 Técnicas de Proteção Blindagem Cada par de fios ou grupo de pares de fios é envolto por uma trança ou malha metálica. Utilização de cabos STP ou FTP. Cancelamento Técnicas de Proteção Um fluxo de corrente de um fio cria um pequeno campo eletromagnético circular ao redor dele. Se dois fios estiverem próximos, seus campos eletromagnéticos serão o oposto um do outro. Os fios de um par são enrolados em espiral a fim de, através do efeito de cancelamento reduzir o ruído. O efeito de cancelamento reduz a diafonia(crosstalk) entre os pares de fios e diminui o nível de interferência eletromagnética/radiofrequência. Técnicas de Proteção Fibra Óptica Cancelamento Campo eletromagnético Multimodo Índice Degrau Índice Gradual Fio de cobre Monomodo Isolamento do Fio Fluxo de Corrente Adaptado de: Frank J. DerflerJr./ Les Freed - Tudo Sobre Cabeamento De Redes 9

10 Interferências em sistemas Óptico Espalhamento Perda por macro curvatura Causas mais importantes: Absorção pelo material. Irradiação devido às curvaturas. Espalhamento pelo material. Perdas por modos vazantes. Perdas por micro curvaturas. Atenuações em emendas e conectores. Perda por acoplamento no início e no fim da fibra. Perda por absorção Perda por micro curvatura vídeo Adaptado de: Pinheiro, José Maurício S. (2003) Estruturas de cabeamento de redes Estruturas de cabeamento de redes Cabeamento não-estruturado Executado sem um planejamento prévio. Dimensionamento não considera modificações ou expansões na rede. Não possui um único padrão. Resulta em diversas topologias, conectores, ligações etc. que sofrem modificações para cada alteração do layout da rede. Cabeamento não-estruturado Vantagens: Custo inicial relativamente baixo. Tempo de implantação pequeno.? Desvantagens: Descontrole diante da necessidade de expansão rede. Problemas ocorrem com a mudança de setores e departamento. Lentidão no crescimento com a instalação de novos pontos. 10

11 Estruturas de cabeamento de redes Estruturas de cabeamento de redes Cabeamento não-estruturado Outras características: Passagem de cabos feita utilizando uma estrutura já existente. Futuras ampliações não são observadas. Caminhos adicionais para novos cabos são improvisados. Nenhuma flexibilidade. Qualquer remanejamento de ponto requer a passagem de novos cabos. Sem documentação adequada dos pontos Dificuldade na resolução de problemas. Cabeamento Genérico Contrapondo-se ao conceito de cabeamento não-estruturado. Para uso integrado dos sistemas de voz, dados, imagem e sistemas de controle. Não exige grandes modificações físicas da infraestrutura existente. É flexível pois permite a agregação de várias tecnologias sobre uma mesma plataforma. Estruturas de cabeamento de redes Estruturas de cabeamento de redes Cabeamento Genérico Cabeamento Total Definido pela norma ISO/IEC ISO InternationalStandardizationfor Organization IEC InternationalElectrothecnicalComission) No Brasil a norma válida para cabeamento de edifícios comerciais era a ISO/IEC Em 2000a ABNT lançou a norma NBR que estabelece os critérios mínimos para elaboração de projetos de rede interna estruturada de telecomunicações, em edificações de uso comercial, independente do seu porte. Segue o conceito de que as mudanças ocorrem com os usuários da rede e não com as máquinas. Vantagem -> O custo posterior à implantação inicial, praticamente não existe. Desvantagens: Elevado custo de implantação. Aplicada em situações muito específicas. Não prevê a possibilidade de mudanças físicas nas disposição dos pontos de rede. 11

12 Estruturas de cabeamento de redes Sistemas de Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Considerada a estrutura de cabeamento mas adequada para redes locais. Princípio Básico: Previsão adequada dos recursos necessários para atender a quaisquer exigências de expansão ou movimentação dos pontos de rede. Custo inicial alto, porem apresenta uma economia em longo prazo, considerável. Alguns segmentos comerciais não se beneficiam com o cabeamento estruturado devido a constantes mudanças de imóveis ou obras civis dispendiosas. A característica básica é ser um sistema multimídia. Uma rede estruturada tem como principal propósito fornecer uma base sólida para o bom desempenho das redes existentes, visando a longevidade do sistema. Conceito Padronização para a diversidade de cabos empregados nos edifícios comerciais e residenciais independente de suas aplicações. Solucionar problemas como o crescimento populacional Dimensionamento dos pontos é baseado na área em m² do local em vez do número de usuários. Sistemas de Cabeamento Estruturado Sistemas de Cabeamento Estruturado Vantagens Topologia Garante a performance do sistema pela maior confiabilidade no cabeamento. Diminui custos de mão de obra e de montagem da infraestrutura. Possibilidade de ampliação sem perda de flexibilidade. Integra diversas aplicações em único cabeamento. Implementa um padrão capaz de suportar qualquer tipo de serviço. Possibilita uma vida útil maior para o sistema de cabeamento. A instalação de um cabeamento divide-se em sete elemento, conforme as normas ANSI/EIA/TIA 568A e ANSI/EIA/TIA Cabeamento Horizontal (Horizontal Cabling HC) Cabos que ligam o painel de distribuição até o ponto final do cabeamento. Formam um conjunto permanente e são denominados cabos secundários. Trafegam todos os serviços (vos, dados, vídeos, etc) 12

13 Sistemas de Cabeamento Estruturado Sistemas de Cabeamento Estruturado 2- Cabeamento Vertical (Cabeamento tronco ou Backbone) Conjunto permanente de cabos primários que interligam a sala de equipamentos aos armários de telecomunicações e aos pontos de Facilidade de Entrada. 3- Área de trabalho (Work Area - WA) É o ponto final do cabeamento estruturado onde há uma tomada fixa para a conexão de cada equipamento. Local onde o usuário interage com os equipamentos terminais. Os equipamentos acessam os sistemas por meio de conectores e tomadas. 4- Salas de Telecomunicações (Telecommunications Closets - TCs) Locais de terminação dos cabos. Funcionam como um sistema de administração do cabeamento. Alojamento de equipamentos que interligam o sistema Horizontal (HC) ao Backbone. São localizadas em cada andar distribuindo os serviços para as áreas de trabalho (WA) Possuem racks, comutadores, patch panels etc.. Sistemas de Cabeamento Estruturado Sistemas de Cabeamento Estruturado 5- Sala de Equipamentos (Equipment Room - ER) É a área central da rede, onde ficam os servidores, roteadores e switches principais. Geralmente um local de acesso restrito. Estrategicamente a ER fica no andar térreo, formando um nível hierárquico com as TCs. 6- Facilidade de Entrada (Entrance Facilities - EF) Também conhecido como entrada da edificação ou Distribuidor Geral de Telecomunicações (DGT). Onde realiza a interface entre o cabeamento externo e o cabeamento interno da edificação. Em geral fica localizado no térreo ou no subsolo, com dimensões maiores que os armários de telecomunicações. 13

14 Sistemas de Cabeamento Estruturado Sistemas de Cabeamento Estruturado 7- Painéis de Distribuição (Cross Connect) Recebe o cabeamento primário e os cabeamento secundário (HC) A ativação de cada tomada é feita no painel de distribuição. Por intermédio dos patch-panels que fazem a conexão dos cabos por meio de patch-cords. Fonte: Internacionais Organizações Benefícios da padronização de sistemas de cabeamento estruturado ANSI (American National Standards Institute) EIA - Electronic Industries Association TIA - Telecommunications Industries Association IEEE - Institute of Electrical and Electronics Engineers IEC - International Electrotechnical Comission ISO - International Organization for Standardization No Brasil ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Flexibilidade Facilidade de administração Vida útil Controle de falhas Custo e Retorno sobre Investimento (ROI) 14

15 1991 EIA/TIA -> Proposta da primeira versão da norma de padronização de fios e cabos para telecomunicações em prédios comerciais. EIA/TIA 568-> tinhas os seguintes objetivos: Implementar um padrão genérico de cabeamento a ser seguido por diversos fornecedores. Estruturar um cabeamento intra e inter predial. Estabelecer critérios técnicos de desempenho. ISO/IEC Apresenta um padrão de cabeamento denominado Cabeamento Genérico para Instalação de Cliente (Generic Cabling for Customer Premises). Aborda os mesmos tópicos do padrão EIA/TIA Inclui um sistema de avaliação de categorias para cabos Após o reconhecimento pela ANSI as normas passaram a se chamar ANSI/EIA/TIA-568 O padrão ISO qualifica o desempenho de um cabeamento com o termo classe. O padrão EIA/TIA utiliza o termo categoria. NBR Norma brasileira que se aplica a prédios comerciais, situados em um mesmo terreno. Topologia muito parecida com a norma ANSI/EIA/TIA 568-A. ANSI/EIA/TIA Especifica um sistema de cabeamento para aplicações genéricas de telecomunicações em edifícios comerciais. Topologia básica: Área de trabalho (ATR) Armário de telecomunicações (AT) Distribuidor intermediário (DI) Distribuidor secundário (DS) Sala de equipamentos (SEQ) Ponto de Consolidação de cabos (PCC) Topologia básica: Cabeamento Horizontal Cabeamento Tronco (Backbone) 15

16 ANSI/EIA/TIA 568-A ANSI/EIA/TIA 568-B É a versão revisada e atualizada da EIA/TIA Topologia básica: Substitui a norma 568-A especificando o Sistema de Cabeamento Genérico de Telecomunicações para Edifícios Comerciais. Facilidade de entrada (EF) Conexão cruzada principal ou Sala de equipamentos Cabeamento tronco (Backbone) Conexão cruzada Horizontal (Horizontal Cross-connect) Distribuição horizontal (HD) Área de Trabalho Visa demonstrar que a instalação do sistema de cabeamento feito durante a construção do edifício torna-se bem menos onerosa do que após a ocupação do mesmo. ANSI/EIA/TIA 568-B ANSI/EIA/TIA 568-B Dividido em três normas: 568 B.1 : Requerimentos gerais para projeto de cabeamento 568 B.2 : Padrões e especificações para redes e componentes utilizando cabeamento metálico. 568 B.3 : Padrões e especificações para redes e componentes utilizando cabeamento óptico. Algumas alterações técnicas O termo telecommunications closet foi substituído por telecommunications room Especifica os requerimentos de hardware de conexão óptica para suportar o cabeamento centralizado. São fornecidas especificações de performance para o cabeamento balanceado categoria 5e 16

17 ANSI/EIA/TIA 568-B ANSI/EIA/TIA 569-A Topologia Cabeamento horizontal Cabeamento vertical Área de trabalho Sala de telecomunicações Sala de equipamentos Entrada da edificação O Objetivo dessa norma é prover as especificações do projeto para todas as instalações prediais relacionadas aos sistemas de cabeamento e seus componentes. Para que uma rede local funcione bem, é preciso que a instalação do cabeamento seja bem feita. Para isso é preciso uma infraestrutura adequada de equipamentos que comporte o cabeamento. ANSI/EIA/TIA 569-A Alguns requisitos no projeto ou avaliação de infraestrutura do cabeamento Infraestrutura Horizontal: O comprimento máximo de um duto entre curvas ou caixas de passagens deve ser de 30m. Entre duas caixas de passagem não deve existir mais do que 2 curvas de 90º. Rotas de backbone Horizontal: Uma rota de backbone é usada caso um armário não possa ser alinhado verticalmente com a facilidade de acesso à sala de equipamentos. ANSI/EIA/TIA 569-A Sala de telecomunicações: Espaço no qual é feito o ponto de transição entre o backbone e as rotas de distribuição horizontais. Dimensões sugeridas da Sala de Telecomunicações Área do piso utilizável (m²) Dimensões do armário (m) x 3, x 2, x 2,2 17

18 ANSI/EIA/TIA 569-A ANSI/EIA/TIA 569-A Rotas Horizontais: São usadas em instalações de cabeamento horizontal partindo do ponto da área de trabalho até o armário de telecomunicações. Resumo das rotas reconhecidas pela norma ANSI/EIA/TIA 569 Duto subterrâneo Duto de Distribuição Duto de Alimentação Piso de acesso Conduítes Bandejas e eletrocalhas Área de trabalho: Pontos de rede (tomadas) e pelos equipamentos do usuário Áreas de Recepção,Controle e Atendimento: Área com grande demanda de equipamentos de telecomunicações. Recomendado que seja projetado rotas independentes. Saídas de Telecomunicações: É preciso considerar o número e o tipo de dispositivos a serem conectados. Pelo menos uma caixa de saída deve ser providenciada para cada área de trabalho. ANSI/EIA/TIA 569-A ANSI/EIA/TIA 570 Residential Telecommunication Cabling Standard Norma para cabeamento estruturado em residências. Infraestrutura de backbone: É a que suporta e protege o cabeamento que interliga as salas de telecomunicações entre pavimentos. Deve dispor de aberturas para a passagem de dutos ou cabos. Classificado em dois grupos conhecidos por Grade 1 e Grade 2. Grade 1 define os requisitos mínimos para os serviços de telecomunicações. Grade 2 atende às aplicações básicas e avançadas. Serviços Suportados Grade 1 Grade 2 Telefonia X X TV X X Dados X X Multimídia X 18

19 ANSI/EIA/TIA 570 ANSI/EIA/TIA 570Normas Termos Utilizados: Network Interface Device(NID): Interface dos provedores de serviços externos. AuxiliaryDisconnectOutlet(ADO): Tomada auxiliar a qual pode desconectar o provedor de serviços deve ser posicionado, preferencialmente, no dispositivo de distribuição. DistributionDevice(DD):Painel de distribuição com facilidades de conexão cruzadas. Localizado no interior da residência ResidentialGateway (RG): Dispositivo ativo que permite a comunicação entre as redes internas da residência e entre a residência e as redes dos provedores de acesso (modens etc.). OutletCable: provêemo caminho de transmissão entre o dispositivo de distribuição e os conectores nos espelhos. O comprimento máximo destes cabos não deve ser maior do que 90 m, incluindo os cordões de equipamento e os patch cords. Fonte: ANSI/EIA/TIA 606 AdministrationStandard for thetelecommunicationsinfrastructure ofcommercial Buildings) Norma para Administração da infraestrutura de telecomunicações em edifícios comerciais O objetivo primário da norma Uniformizar os esquemas de administração relacionados com etiquetagem e documentação de infraestrutura de cabeamento de telecomunicações. ANSI/EIA/TIA 606 A administração compreende toda a documentação incluindo: Todas as etiquetas Placas de identificação Planta dos pavimentos Tabelas e detalhes construtivos inscritos no projeto Memorial descritivo da rede interna. 19

20 ANSI/EIA/TIA 606 ANSI/EIA/TIA 606 Identificação baseada em cores Os principais elementos de infraestrutura especificados como sistemas de administração são: Cabeamento Horizontal Sistema de Backbone Sistema de Aterramento de telecomunicações Espaços de telecomunicações (Facilidades de entrada, Salas de telecom etc.). Firestopping (proteção contra fogo) Fonte: Referências PINHEIRO, José Mauricio S. Guia Completo de Cabeamento de Redes Rio de Janeiro: 2003 (10ª reimpressão) editora Elsevier INTERNATIONAL STANDARD ISO/IEC Second edition , Disponível em: PINHEIRO, José Mauricio S. Ruído em Redes de Computadores 16/09/2004- Disponível em: MARIN, Paulo Sergio. Cabeamento Estruturado -Desvendando cada passo: do projeto à instalação. 1 Ed editora Erica

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 02 Cabeamento

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Aula 2 Cabeamento Metálico

Aula 2 Cabeamento Metálico Aula 2 Cabeamento Metálico Prof. José Mauricio S. Pinheiro - 2010 1 Cada meio de transmissão possui características próprias que o tornam adequado para tipos específicos de serviço. Os cabos metálicos

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 3. CABEAMENTO ESTRUTURADO-PARTE 1 Os primeiros projetos de cabeamento estruturado foram desenvolvidos para sistemas telefônicos comerciais,

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS Este relatório se baseia nos registros fotográficos e na aplicação dos formulários do

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Módulo 03 - Meios Físicos de Transmissão Página 1. Tecnologia de Redes. Volnys B. Bernal & Edson T. Midorikawa

Módulo 03 - Meios Físicos de Transmissão Página 1. Tecnologia de Redes. Volnys B. Bernal & Edson T. Midorikawa Módulo 0 - Meios Físicos Transmissão Página Volnys B. Bernal (c) Volnys B. Bernal (c) Tecnologia Res: Meios Físicos Transmissão Meios Físicos Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys

Leia mais

Prof. Airton Ribeiro. Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento

Prof. Airton Ribeiro. Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento Prof. Airton Ribeiro Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento Visão Geral Cabos de cobre são usados em quase todas as redes locais. Estão disponíveis diferentes tipos de cabos de cobre, cada

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Estruturado www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Cabeamento Estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado 01 - Visão geral das Redes Ethernet 02 - Conceitos de cabeamento estruturado 03 - O cabling e as normas EIA/TIA 04 - Infraestrutura para o cabeamento 05 -

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Cabeamento residencial não estruturado

Cabeamento residencial não estruturado 58 Capítulo II Cabeamento residencial para dados, voz e imagem Por José Roberto Muratori e Paulo Henrique Dal Bó* Atualmente, as aplicações encontradas nas residências demandam diferentes tipos de cabos.

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS CONCEITUAÇÃO Norma Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão Prática recomendada e de ampla aceitação

Leia mais

Cabeamento Estruturado (CBE)

Cabeamento Estruturado (CBE) Cabeamento Estruturado (CBE) Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José tisemp@sj.ifsc.edu.br 09 de Março de 2010 Prof. Tiago (IFSC) Cabeamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir.

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir. INTRODUÇÃO Cabeamento para Voz e Dados Os novos cabeamentos para telecomunicações oferecem muito mais qualidade, flexibilidade, valor e função para as necessidades presentes e futuras. Hoje, a sobrevivência

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

TRABALHO SOBRE CABEAMENTO ESTRUTURADO

TRABALHO SOBRE CABEAMENTO ESTRUTURADO TRABALHO SOBRE CABEAMENTO ESTRUTURADO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR MATÉRIA: TELEPROCESSAMENTO E REDES ALUNO: TAIRONE PEDREIRA ALVES DATA: 13/05/2001 OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo a pesquisa

Leia mais

Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801

Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801 Autores: Messias B. Figueiredo André Oliveira Silveira Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801 Com o crescimento do uso das redes locais de

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado Redes de computadores Cabeamento Estruturado Cabeamento Não-estruturado Dutos super-lotados Cabos dobrados Dificuldade de Manutenção Foto: Rodrigo Cabelo CABEAMENTO NÃO-ESTRUTURADO Mais exemplos... Outros

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 4 R E S U M O D A S N O R M A S N O R M A S Introdução... 76 ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 INTRODUÇÃO Cabeamento

Leia mais

Normalização Conceitos & Atualização

Normalização Conceitos & Atualização Normalização Conceitos & Atualização Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista marin@paulomarin.com São Paulo 17/10/2013 Minhas Credenciais Prof. Dr. Paulo Marin, Engº. Estudos de pós-doutorado

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABOS E CONECTORES. Professor Carlos Muniz

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABOS E CONECTORES. Professor Carlos Muniz CABEAMENTO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO Nos últimos anos muito se tem discutido e falado sobre as novas tecnologias de hardware e software de rede disponíveis no mercado. Engana-se, porém, quem pensa que estes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Reforma Sala do Núcleo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 2 CABEAMENTO DE REDES Prof. José Wagner Bungart MEIOS DE TRANSMISSÃO Os meios de transmissão em uma comunicação de dados são qualquer tipo de mídia que seja

Leia mais