ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA"

Transcrição

1 projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc Lisboa ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA INSTALAÇÕES DE TELECOMUNICAÇÕES (ITED) MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA FASE: EXECUÇÃO AUTOR: RAM

2 ÍNDICE A. INTRODUÇÃO... 1 A.1 ÂMBITO... 1 A.2 NORMAS E REGULAMENTOS... 1 B. ELEMENTOS BASE... 2 B.1 CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO... 2 B.1.1. Dados Ocupacionais... 2 B.1.2. Classificação dos Locais... 3 B Classificação quanto às Influências Externas... 3 B Utilização... 5 C. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA... 6 C.1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS... 6 C.1.1. Entrada... 6 C.1.2. Rede Estruturada de Voz e Dados... 6 C Requisitos do Projecto... 6 C Arquitectura... 7 C Pólos Técnicos... 7 C Distribuição Horizontal... 8 C Distribuição Vertical... 9 C Certificação C Normas de referência C Garantias C Selecção da empresa instaladora C Exclusões C Dimensionamento das Linhas Telefónicas C Redes de Tubagens C.1.3. Instalações de TV C Descrição da Instalação C Bases de Dimensionamento C Rede de Tubagens e Cabos C.1.4. Rede de Terras _IC_EX_MD_R00.doc Pág. I

3 A. INTRODUÇÃO A.1 ÂMBITO Pretende-se com este documento, definir a Memória Descritiva e Justificativa das Instalações de Comunicações, a estabelecer nos NOVOS EDIFÍCIOS DO CLUB HOUSE E DRIVING RANGE, a construir no ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA, em Lisboa. O espaço em estudo são edifícios novos, a construir, junto ao campo de Golfe do Complexo do Estádio Universitário de Lisboa. Está prevista uma ligação à rede de telecomunicações existente no Estádio Universitário, através de cinco cabos UTP 4p, cat.6, e um cabo de fibra óptica de 4 fibras, multimodo 50/125 OM3, a partir do bastidor principal existente. NOTA 1: No dimensionamento das canalizações de ligação ao novo ATE considerou-se um comprimento de 250 mts. Será tomada em consideração toda a tecnologia de fabrico do equipamento, no sentido da obtenção de condições de manobra fáceis e seguras. Os sistemas principais que fazem parte desta Memória Descritiva, são os seguintes: Rede Estruturada de Voz e Dados; Rede de TV. Procuramos nas páginas seguintes, definir com o máximo rigor os parâmetros do presente projecto, a concepção das instalações, no sentido de se atingir a integração indispensável de todas as disciplinas que constituem o Projecto. A.2 NORMAS E REGULAMENTOS Neste conceito integrado de segurança, dar-se-ão cumprimento às disposições Nacionais Regulamentares para cada um dos espaços em análise e à falta de legislação nacional, serão adoptados os sistemas e critérios mais comuns, utilizados nas legislações europeias: Regras Técnicas das Instalações Eléctricas de Baixa Tensão (RTIEBT); Manual do ITED (Anacom 1ª Edição) Conformidade do material com a marca CE; Normas Portuguesas NP e Normas Europeias EN aplicáveis, as recomendações técnicas da CEI, do CENELEC e demais regulamentação aplicável; _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 1

4 B. ELEMENTOS BASE B.1 CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO B.1.1. Dados Ocupacionais Os espaços em estudo, neste projecto, são constituídos por dois edifícios e uma área exterior, com as seguintes utilizações: CLUB HOUSE Áreas Técnicas; Arrumos; Instalações Sanitárias e Balneários; Gabinetes; Circulação Interior; Loja; Restaurante; Esplanada; Circulação exterior. DRIVING RANGE Rampas de Acesso; Sala das Máquinas; Gabinete; Sala Polivalente; Áreas Exteriores. EXTERIOR Entrada de Acesso ao Driving; Estacionamento Exterior; Campo de Golfe. TECTOS FALSOS Considera-se a existência de tectos falsos incombustíveis na zona da Cozinha, nas Instalações Sanitárias do Edifício do Club House. Nas restantes áreas não se prevê tecto falso _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 2

5 B.1.2. Classificação dos Locais B Classificação quanto às Influências Externas A AMBIENTES Quanto ao ambiente os locais são, de uma forma geral, classificados como normais, ou seja: Designação Código Classificação Características dos Equipamentos A Temperatura Ambiente AA4 Temperado B Condições Climáticas AB4 C Altitude AC1 Baixa D Presença de água AD1 Desprezável IP X0 E Presença de corpos Sólidos estranhos AE1 Desprezável IP 0X F Presença de substâncias Corrosivas ou poluentes AF1 Desprezável G Acções Mecânicas AG1 Fracas IK 02 H Vibrações AH1 Fracas K Presença de flora ou Bolores AK1 Desprezável L Presença de Fauna AL1 Desprezável M Influências Electroíman., Electrostáticas ou ionizantes AM1 Desprezáveis N Radiações solares AN1 Fracas P Efeitos sísmicos AP1 Desprezáveis Q Descargas atmosféricas, nível cerâmico (N) AQ1 Desprezável R Movimentos do ar AR1 Fracos S Vento AS1 Fraco São excepções, os seguintes locais: Instalações Sanitárias e Áreas Técnicas Designação Código Classificação Características dos Equipamentos D Presença de água AD2 Gotas de água IP X _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 3

6 Salas com Água Designação Código Classificação D Presença de água AD5 Jactos de Água Características dos Equipamentos IP X5 Zonas Técnicas Exteriores Designação Código Classificação Características dos Equipamentos D Presença de água Jactos de AD5 Água IP X5 E Presença de corpos Poeiras AE5 Sólidos estranhos Médias IP 6X F Presença de substâncias Corrosivas ou poluentes AF2 Atmosférica G Acções Mecânicas AG2 Médios IK 07 K Presença de flora ou Bolores AK2 Riscos L Presença de Fauna AL2 Riscos N Radiações solares AN3 Fortes S Vento AS3 Fortes B UTILIZAÇÕES Quanto à utilização, teremos de uma forma geral locais com as seguintes classificações: Designação Código Classificação Características dos Equipamentos A Competência das Pessoas BA1 Comuns B Resistência eléctrica do corpo humano BB1 Normal Seco ou húmido C Contactos das pessoas com o potencial da terra BC2 Reduzidos D Evacuação das pessoas em caso de emergência BD1 Normal E Natureza dos produtos tratados ou armazenados BE1 Desprezáveis _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 4

7 São excepções, os seguintes locais: Instalações Sanitárias Designação Código Classificação B Resistência eléctrica do corpo humano C Contactos das pessoas com o potencial da terra BB2 BC3 Baixa Frequentes Características dos Equipamentos Medidas de protecção apropriadas Salas com Água Designação Código Classificação B Resistência eléctrica do corpo humano C Contactos das pessoas com o potencial da terra BB3 BC3 Muito Baixa Frequentes Características dos Equipamentos Medidas de protecção apropriadas C CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO Quanto à sua construção, o edifício possuirá as seguintes classificações: Designação Código Classificação Características A Materiais de Construção B Estrutura do edifício CA1 CB1 Não combustíveis Riscos desprezáveis Riscos desprezáveis B Utilização Quanto à utilização, o imóvel em estudo pertence ao Grupo dos Estabelecimentos Recebendo Público, Sub-Grupo dos Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos ao ar livre _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 5

8 C. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA C.1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS Seguidamente definem-se os sistemas, quer nas suas concepções principais, quer na sua interligação com os outros sistemas, bem como da necessidade de comunicação e interactividade. C.1.1. Entrada A entrada geral dos cabos de telecomunicações será subterrânea através de tubagem de PVC 2 x Ø 75 mm + 2 x Ø 50 mm, enterrada à profundidade mínima de 0,6 m, a partir das infraestruturas existentes e nunca com curvas inferiores a 120º. Esta tubagem, entra directamente para a zona técnica de comunicações e interliga ao ATE. C.1.2. Rede Estruturada de Voz e Dados Os requisitos tecnológicos actuais, obrigam a que os sistemas de cablagem, se comportem de forma coerente, quer se destinem à transmissão de sinais analógicos, quer digitais, em débitos relativamente elevados. Esta estrutura, uma vez instalada, deve prever a constante alteração de instalações dos respectivos postos de trabalho, devendo para tal ser dotada de características de flexibilidade e escalabilidade. É com estes pressupostos, que seguidamente se descreve, a solução preconizada para o projecto. C Requisitos do Projecto Os edifícios serão dotados de um Sistema de Cablagem Estruturada, de modo a permitir a transmissão de sinais de voz e/ou dados a todos os pontos terminais previstos e representados nas peças desenhadas. O objectivo da rede de cablagem estruturada prevista é dotar os edifícios com uma infraestrutura que seja independente dos equipamentos de transmissão utilizados, e das próprias aplicações ou protocolos de transmissão a utilizar e que sirva, não só as necessidades actuais, como possibilite uma evolução para aplicações futuras, sem alterações profundas nos sistemas de cablagem. O sistema de cablagem estruturada a ser instalado deverá estar de acordo com os standards internacionais que definem a sua forma e características técnicas. A topologia usada é, de acordo com os referidos standards, em estrela, sendo constituída por um pólo técnico principal e um secundário _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 6

9 A ligação entre o ATE e o pólo técnico, já existente no Estádio Universitário, deverá ser feita através de cabo de fibra óptica de quatro fibras OM3 e 5 cabos UTP 4P, cat. 6 (para voz e dados). A ligação entre o novo bastidor principal e o bastidor secundário será feito através de 4 F.O., multimodo 50/125 OM3 e 2 UTP 4P cat.6. A ligação entre os novos pólos técnicos e os postos de trabalho deverá ser feita através de cabo de cobre balanceado, UTP. O sistema a instalar deverá garantir ou superar as prestações de Classe E (Categoria 6). C Arquitectura Como definido nas normas, o Sistema de Cablagem a instalar, adopta uma topologia em estrela. Esta topologia permite a máxima flexibilidade, conseguindo-se assim uma gestão óptima das instalações, sem que para tal seja necessária a intervenção de elementos especializados para executar alterações, facilitando também ampliações futuras e salvaguardando o investimento agora realizado. C Pólos Técnicos Os pólos técnicos serão constituídos por um bastidor principal e um secundário que irão albergar não só os equipamentos passivos como também os activos. Os bastidores de telecomunicações, de distribuição horizontal, serão do tipo armário metálico de 19, equipado com portas e fechaduras e dispondo de todos os acessórios intrínsecos à fixação dos componentes a incorporar. Os painéis laterais e as portas de fundo serão em chapa de aço com tratamento de pintura de esmalte, podendo os painéis laterais ser facilmente retirados para acesso ao interior do bastidor. No tecto dos bastidores existirão ranhuras para a sua ventilação natural. Conforme indicado nos desenhos de compartimentação dos bastidores, estes deverão ser equipados com réguas de seis tomadas monofásicas do tipo schuko (Ersys2101). Os bastidores serão dotados de ligadores próprios para ligação à terra, aos quais deverão ser interligados os painéis laterais. Os bastidores apresentam-se segundo a capacidade em número de U s (unidade elementar de dimensionamento adoptada igual a 44,5mm) previstos para os materiais e equipamentos a instalar _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 7

10 No caso vertente, serão as seguintes: Bastidor Principal e Secundário de instalação mural: Altura 12U, Largura 600mm, Profundidade 500mm. Para a terminação dos cabos, provenientes da Central Telefónica deverá ser instalado um painel, de cor preta (RAL 9005), de 19, com a altura de 1U, Ecolan ER-TPP058-25D, com 25 portas frontais RJ45, em grupos de 10, aplicadas em placa de circuito impresso, com contactos em bronze estanhado. O cravamento deverá ser IDC (Insulation Displacement Connectors) LSA. O desempenho eléctrico deverá ser de Classe C (Categoria 3). Deverá cumprir, no mínimo, a norma UL-94V0. Para a distribuição horizontal, serão instalados painéis Ecolan ER-PP24-C6U, de 19, de cor preta (RAL 9005), com a altura de 1U e 24 portas frontais RJ45, em grupos de 8, aplicadas em placas de circuito impresso, com pinos em bronze fosforoso, cobertos com 50µm de ouro sobre 50µm de níquel. O cravamento deverá ser IDC LSA em contactos de bronze fosforoso estanhado. O desempenho eléctrico deverá ser de Classe E (Categoria 6). Deverá cumprir, no mínimo, a norma UL-94V0. Deverão também ser instalados painéis organizadores de cor preta (RAL 9005) e com tampa frontal com a altura de 1U (Ersys220151) para facilitar a gestão dos patch cords. Para o patching dentro do bastidor deverão ser usados patch cords que serão de Classe E (Categoria 6) e cinzentos para o patching de dados e de Classe D (Categoria 5e) e azuis para o patching de voz, permitindo assim, com uma observação sumária, identificar quais os circuitos de voz ou de dados. C Distribuição Horizontal A distribuição horizontal é definida como a parte do sistema de cablagem que se estende desde os bastidores até à tomada do posto de trabalho. O cabo de distribuição horizontal deverá ser UTP, de 4 pares entrançados de condutores sólidos AWG24 situados em espiral sobre um separador central com uma secção de cruz, de cor violeta (RAL 4005) com bainha em termoplástico livre de halogéneos (ERSYS-C6- UTP-HF), de Classe E (Categoria 6), cumprindo no mínimo as normas IEC , IEC e IEC Por cada posto de trabalho serão fornecidos: 1 patch cord cinzento para ligação, no posto de trabalho, do equipamento terminal à tomada RJ45, 1 patch cord cinzento para ligação, no bastidor, do painel de distribuição ao equipamento activo, com um desempenho eléctrico de Classe E (Categoria 6) e 1 patch cord azul para ligação, no bastidor, do painel de distribuição ao painel de voz, com um desempenho eléctrico de Classe D (Categoria 5e). Os conectores para fazer a terminação do cabo UTP deverão ser RJ45 do tipo keystone (Ecolan ER-KSU-058-C6U), com pinos em bronze fosforoso, cobertos com 50µm de ouro sobre 50µm de níquel e contactos em bronze fosforoso estanhado, do tipo LSA autodesnudante com um desempenho eléctrico de Classe E (Categoria 6) _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 8

11 O comprimento físico máximo do cabo balanceado instalado entre o painel repartidor e a tomada não deverá nunca exceder os 90m. Os cordões de interligação (patch cords) não poderão ultrapassar os 5m. A distância máxima efectiva para a distribuição horizontal (canal) não poderá exceder os 100m (90m da ligação permanente mais 10m da soma dos patch cords). C Distribuição Vertical A distribuição vertical ou back bone é definida como a parte do sistema de cablagem que faz a união dos diferentes pólos técnicos secundários ao pólo técnico principal. Esta ligação deverá ser feita através de cabo de fibra óptica de 4 fibras multimodo de índice gradual 50/125µm, OM3, com as seguintes características: RENDIMENTO ÓPTICO DA FIBRA Atenuação 850 nm Atenuação 1300 nm Largura de banda a 850 nm (MHz.km) Largura de banda a 1300 nm (MHz.km) 2,7 1, CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DA FIBRA Diâmetro de superfície de referência (µm) Diâmetro do núcleo (µm) Erro de concentricidade do revestimento/núcleo (µm) Elipticidade do núcleo (%) Elipticidade do revestimento (%) Diâmetro total de revestimento (µm) Erro de concentricidade do revestimento (µm) 125,0 ± 2 50,0 ± 3 max. 1,5 max. 6 max. 1,0 245 ± 5 max. 12 CARACTERÍSTICAS AMBIENTAIS DA FIBRA Resistência 850 e 1300 nm Atenuação produzida entre -60 C e +80 C (db/km) max. 0, _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 9

12 CARACTERÍSTICAS DE CONCEPÇÃO DO CABO Tubo central cheio de gel hidrófugo. Protecção anti-roedor e anti-humidade. Bainha exterior de material livre de halogéneos LSFZH e de baixa inflamabilidade. CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS DO CABO Número de fibras Diâmetro exterior aprox. (mm) Peso (kg/km) Carga de tracção máx. (N) Raio de curvatura estática (mm) Raio de curvatura dinâmica (mm) Torção máx. (º/m) C Certificação Uma vez terminada a instalação, proceder-se-á à respectiva certificação. Para a certificação do sistema, a Ligação Permanente deve ser comprovada conforme a norma IEC com um aparelho de medida de cabos de Nível III ajustado na posição de Ligação Permanente de Classe E ou Cat6 e que faça referência às normas de rendimento das Ligações permanentes estabelecidas nas normas ISO Classe E 2ª Edição, EN Classe E 2ª Edição, ANSI/TIA/EIA 568B Categoria 6. No mínimo, o equipamento deverá medir: Comprimento; Esquema de ligações (Pin Out); Atenuação; NEXT (em ambos os sentidos); PS-NEXT (em ambos os sentidos); _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 10

13 ELFEXT (em ambos os sentidos); PS-ELFEXT (em ambos os sentidos); Perdas de Retorno (Return Loss) (em ambos os sentidos); Atraso (Delay); Atraso diferencial (Delay Skew). As medições serão efectuadas sobre a ligação permanente, pelo que no equipamento deverão existir cordões de medida com terminação em conectores RJ45 macho. Seleccionar-se-á o auto teste correspondente à CLASS E PERMANENT LINK, de acordo com a ISO 11801, 2ª edição. Em caso algum, serão aceites auto testes específicos do fabricante do sistema de cablagem oferecido. Cada medição será armazenada com um identificador exclusivo, permitindo a sua fácil localização. As medições de todas as ligações serão entregues em suporte informático, em formato de texto e num formato próprio do software do equipamento utilizado. As medições obtidas são apresentadas em forma de tabela, sendo comparadas com as atenuações teóricas máximas permitidas, calculadas para cada ligação de acordo com a ISO C Normas de referência O sistema de cablagem deverá ser instalado e cumprir os desempenhos de Canal e Ligação Permanente definidos nas seguintes normas ou excedê-los: ISO Classe E 2ª Edição EN Classe E 2ª Edição ANSI/TIA/EIA 568B Categoria _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 11

14 As tabelas de valores para os diferentes parâmetros são: RENDIMENTO DO CANAL Frequência (MHz) Percas de Inserção NEXT ACR PSNEXT PSACR ELFEXT PSELFEXT Percas de Retorno 1 MHz 4,0 65,0 61,0 62,0 58,0 63,3 60,3 19,0 4 MHz 4,2 63,0 58,9 60,5 56,4 51,2 48,2 19,0 10 MHz 6,6 56,6 50,0 54,0 47,4 43,3 40,3 19,0 16 MHz 8,3 53,2 44,9 50,6 42,3 39,2 36,2 18,0 20 MHz 9,3 51,6 42,3 49,0 39,7 37,2 34,2 17,5 31,25 MHz 11,7 48,4 36,7 45,7 34,0 33,4 30,4 16,5 62,5 MHz 16,9 43,4 26,5 40,6 23,7 27,3 24,3 14,0 100 MHz 21,7 39,9 18,2 37,1 15,4 23,3 20,3 12,0 125 MHz 24,5 38,3 13,8 35,4 10,9 21,3 18,3 11,0 155,52 MHz 27,6 36,7 9,0 33,8 6,1 19,4 16,4 10,1 175 MHz 29,5 35,8 6,3 32,9 3,4 18,4 15,4 9,6 200 MHz 31,7 34,8 3,1 31,9 0,1 17,2 14,2 9,0 250 MHz 35,9 33,1-2,8 30,2-5,8 15,3 12,3 8,0 RENDIMENTO DA LIGAÇÃO PERMANENTE Frequência (MHz) Percas de Inserção NEXT ACR PSNEXT PSACR ELFEXT PSELFEXT Percas de Retorno 1 MHz 4,0 65,0 61,0 62,0 58,0 64,2 61,2 21,0 4 MHz 4,0 64,1 60,1 61,8 57,8 52,1 49,1 21,0 10 MHz 5,6 57,8 52,2 55,5 49,9 44,2 41,2 21,0 16 MHz 7,1 54,6 47,5 52,2 45,1 40,1 37,1 20,0 20 MHz 7,9 53,1 45,1 50,7 42,7 38,2 35,2 19,5 31,25 MHz 10,0 50,0 40,0 47,5 37,6 34,3 31,3 19,0 62,5 MHz 14,4 45,1 30,7 42,7 28,2 28,3 25,3 16,0 100 MHz 18,5 41,8 23,3 39,3 20,8 24,2 21,2 14,0 125 MHz 20,9 40,3 19,4 37,7 16,8 22,3 19,3 13,0 155,52 MHz 23,6 38,7 15,2 36,1 12,6 20,4 17,4 12,1 175 MHz 25,1 37,9 12,7 35,3 10,1 19,3 16,3 11,6 200 MHz 27,1 36,9 9,9 34,3 7,2 18,2 15,2 11,0 250 MHz 30,7 35,3 4,7 32,7 2,0 16,2 13,2 10, _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 12

15 O cabo de classe E (categoria 6) deverá cumprir as normas: ISO/IEC ª Edição: 2002; EN :2002; EN ; ANSI/TIA/EIA 568B.2.1:2002. Os conectores RJ45 de Classe E (Categoria 6) devem cumprir a norma: IEC /5. A Fibra Óptica multimodo de índice gradual 50/125µm OM3 deve cumprir as normas: ISO OM3; IEC ; IEC C Garantias Exige-se uma garantia por parte do fabricante dos elementos do sistema de cablagem, que cubra os seguintes aspectos: Produtos: Garantia contra defeitos eléctricos e mecânicos durante um período de 25 anos. Rendimento: Garantia de rendimento Cat6/Classe E durante 25 anos. Aplicações: Qualquer aplicação concebida para funcionar sobre ligações de Classe E funcionará sobre a instalação realizada durante toda a sua vida útil. Custo total da substituição: Os materiais com defeito serão reparados ou substituídos. Os custos de reinstalação serão suportados pelo fabricante, desde que comprovadamente não tenha havido abusos de utilização _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 13

16 Gigabit Ethernet: Funcionará sem problemas num canal até 100m de comprimento, com todas as limitações ou recomendações descritas na norma IEEE 802.3ab em vigor. Esta garantia será certificada através de documento oficial. C Selecção da empresa instaladora Será imperativo que o adjudicatário possua o título de Instalador Autorizado do fabricante cujos materiais propõe para instalação, a fim de poder usufruir de todas as garantias acima indicadas. C Exclusões Não está incluída na presente empreitada o fornecimento de equipamentos activos de rede. Previu-se um Sistema de Cablagem Estruturada, de modo a permitir a transmissão de sinais de voz e/ou dados a todos os pontos terminais. C Dimensionamento das Linhas Telefónicas Estão previstos os seguintes equipamentos: 2 Pares para 2 Linhas directas (CDI/CI); 1 Par para 1 Linha directa (Telecontagem de Água); C Redes de Tubagens A rede de tubagens será constituída por tubos embebidos ou em braçadeiras, por caminhos de cabos suspensos do tecto ou fixos a paredes, exclusivos para as instalações de comunicações. Serão utilizados tubos VD com os diâmetros adequados e caixas do tipo I e do tipo C para passagem de cabos, colocação de dispositivos de derivação e para ligação de equipamentos terminais. Sempre que o comprimento ou sinuosidade dos troços possa dificultar o enfiamento dos cabos, serão intercaladas na tubagem caixas de passagem com características adequadas ao tipo e local de montagem _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 14

17 Na execução das instalações serão respeitados os princípios que a seguir se passam a mencionar: O percurso dos tubos será, tanto quanto possível, rectilíneo e colocado na horizontal ou na vertical; O comprimento máximo de tubos, entre duas caixas, é de 12 m, quando o percurso for rectilíneo, não podendo ter mais que duas curvas entre caixas sendo o comprimento anterior reduzido de 3 m por cada curva instalada; As ligações dos tubos de plástico às caixas serão feitas através de acessórios convenientes, bucins, boquilhas, casquilhos, etc., não devendo permitir a entrada de argamassa nas tubagens; Os cruzamentos dos tubos, pertencentes às infra-estruturas telefónicas, com cabos de energia eléctrica, serão evitados, para não afectar a qualidade das comunicações; Os tubos de ligação das caixas não podem ficar salientes no interior das mesmas; As caixas para colocação de tomadas serão do tipo I1 e serão colocadas na parede a uma altura aproximada de 0,3 m acima do pavimento; Todas as caixas do tipo I, terão acesso directo e uma marca "T", que as identifique como pertencentes à infra-estrutura telefónica. Esta marca será posta na face exterior da tampa. As tubagens deverão ser livres de halogéneos. C.1.3. Instalações de TV C Descrição da Instalação Entende-se por instalação de TV o conjunto de equipamentos e a rede a partir dos quais serão captados, processados e distribuídos os sinais de televisão terrestre ou via satélite, e informação em teletexto. A origem da instalação será no derivador das instalações de TV existentes no Estádio Universitário. Foram previstos amplificadores, bem como equipamentos passivos (repartidores), que serão montados nas caixas indicadas nas peças desenhadas. C Bases de Dimensionamento À entrada da instalação, no Club House e no Driving Range, serão previstos amplificadores, para compensação da atenuação introduzida pelos elementos passivos da rede. Serão efectuadas medições do valor de campo nesses locais, afim de efectuar a regulação do ganho do amplificadores _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 15

18 Em cada tomada, os níveis de sinal devem cumprir, tal como indicado no Manual do ITED, a norma EN , como seguidamente se indicam: NÍVEL MÍNIMO (dbµv) NÍVEL MÁXIMO(dBµV) NÍVEL RECOMENDADO(dBµV) BII a 62 BI e BIII a 66 BIV a 66 BV a 66 BL Ver Norma EN FI Ver Norma EN Em todas as tomadas a relação sinal/ruído (C/N) nunca poderá ter um valor inferior a 48 db no caso de rádio e 46 db para TV. C Rede de Tubagens e Cabos Serão utilizados tubos VD (zh) com os diâmetros indicados nas peças desenhadas e caixas do tipo I e do tipo C para passagem de cabos, colocação de equipamentos passivos, acessórios e tomadas. Prevê-se também a utilização de caminhos de cabos no tecto, exclusivos das Instalações de Comunicações, os quais estão incluídos na empreitada das instalações eléctricas. Os cabos a utilizar serão do tipo coaxial de 75 Ω, do tipo principal para os troços comuns entre equipamentos passivos, e do tipo de distribuição entre os passivos e as tomadas. Os blocos de saída nas caixas de pavimento ou caixas I1 serão equipados com tomadas de TV macho/fêmea. C.1.4. Rede de Terras A terra de protecção será obtida por meio de uma ligação através de um ligador amovível à rede de terras considerada nas Instalações Eléctricas. A rede de terras será interligada ao bastidor principal por meio de cabo de cobre de 6mm² entre a barra de terras das instalações eléctricas e o ligador amovível das comunicações _IC_EX_MD_R00.doc Pág. 16

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc.1-1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06)

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06) REGRAS de EXECUÇÃO António M. S. Francisco (revisão 01/06) INTERNET Para informação completa e detalhada consultar o manual ITED em: http://www.anacom.pt Para informação sobre material (catálogo) para

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Direcção de Fiscalização Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem Pontos de fronteira Ligações de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Projecto de cablagem estruturada Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Projecto de cablagem Metodologia 1. Definição de requisitos 2. Planeamento 3. Projecto 2 Exemplo Empresa

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Manual ITED 2.ª Edição Direcção de Fiscalização Julho de 2010 Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem

Leia mais

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de Faro - RF 18.02.45

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

ATI Modular: um novo conceito

ATI Modular: um novo conceito ATI Modular: um novo conceito A SOLUÇÃO IDEAL PARA OS SEUS PROJECTOS Todos os produtos estão de acordo com as exigências do novo manual ITED ed.2 O novo conceito de ATI O novo ATI - Armário de Telecomunicações

Leia mais

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e

FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e FICHA TÉCNICA JACK RJ-45 C5e 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, em conformidade com os requisitos estabelecidos na Norma ANSI/TIA/EIA-568B.2

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Newell TM - Catálogo Cablagem Estruturada Fibra Óptica e Cobre

Newell TM - Catálogo Cablagem Estruturada Fibra Óptica e Cobre Newell TM - Catálogo Cablagem Estruturada Fibra Óptica e Cobre SOLUÇÃO DE CONECTIVIDADE Introdução pag 2 Acessórios de FO pag 3 FIBRA ÓPTICA LC pag 4 SC pag 5 ST pag 6 FC pag 7 DATASHEETS Cat 5E pag 8

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc.1-1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

Classificação dos locais das instalações eléctricas

Classificação dos locais das instalações eléctricas Classificação dos locais das instalações eléctricas Quando se concebe uma instalação eléctrica devem avaliar-se as condições ambientais dos vários locais, para que a selecção dos equipamentos e das canalizações

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas FICHA DE TRABALHO Nº3 José Vitor Nogueira Santos Topologia de Redes Fibra Óptica e Wireless - 0830 Mealhada, 2009

Leia mais

14. ENSAIOS 14.1 ENSAIOS DE REDES DE PARES DE COBRE

14. ENSAIOS 14.1 ENSAIOS DE REDES DE PARES DE COBRE 14 ENSAIOS 177 14. ENSAIOS Os ensaios das ITED são da responsabilidade do instalador que constituirá, assim, um Relatório de Ensaios de Funcionalidade (REF), tal como consta do ponto 14.6. O instalador

Leia mais

Armários Redes Estruturadas 2010

Armários Redes Estruturadas 2010 Zona Industrial de Aveiro Apartado 846 Lote 30-A 3801-801 AVEIRO Telefs.: 234 315 744-234 316 197 Fax.: 234 315 838 e-mail: teleflex@teleflex.pt www.teleflex.pt Armários Redes Estruturadas 2010 Qualidade

Leia mais

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm.

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm. Moradia unifamiliar REDES DE TUBAGENS REDE INDIVIDUAL 1 Tubo 25 mm da CEMU (Caixa de Entrada da Moradia Unifamiliar) até ao ATI (Armário de Telecomunicações Individual), para passagem dos cabos de pares

Leia mais

Os ensaios descritos neste capítulo estão adequados aos Níveis de Qualidade (NQ) definidos no ponto 1.2.

Os ensaios descritos neste capítulo estão adequados aos Níveis de Qualidade (NQ) definidos no ponto 1.2. 6 ENSAIOS Na realização de ensaios nas ITED, a entidade certificadora e o instalador deverão ter em consideração o projecto técnico e os requisitos do presente Manual ITED. 6.1 GENERALIDADES O presente

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 2 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

TEKA ELECTRONICS 81 UTP

TEKA ELECTRONICS 81 UTP 81 UTP CABO U/UTP CAT 5e Cabo com performances até os 100MHz (ANSI/TIA/EIA-568-C2), frequentemente utilizado para redes de voz e dados (100Mbit/s e Gigabit Ethernet). Pares em CCA sólido: 0,51mm (24AWG)

Leia mais

Cabos de Telecomunicações

Cabos de Telecomunicações Cabos de Telecomunicações A General Cable detém uma posição de liderança tecnológica no fabrico de cabos de telecomunicações. A unidade fabril de Morelena, que concentra a produção na Europa desde tipo

Leia mais

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 )

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Código do

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO

PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO Regras Técnicas das Instalações Eléctricas de Baixa Tensão ÍNDICE GENERALIDADES DEFINIÇÕES ALIMENTAÇÃO E ESTRUTURA DAS INSTALAÇÕES INFLUÊNCIAS EXTERNAS COMPATIBILIDADE

Leia mais

CONECTIVIDADE COBRE /FIBRA ÓPTICA

CONECTIVIDADE COBRE /FIBRA ÓPTICA CONECTIVIDADE COBRE /FIBRA ÓPTICA 1 Garantia Vitalícia Os sistemas de conectividade 4Lan compostos por cabos, conectores, patch panels e patchcords cumprem com as normas indicadas e te m uma garantia vitalícia,

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

ATI 3play - características gerais

ATI 3play - características gerais patente nº 104593 ATI 3play - características gerais Primário e Secundário Cat 6 (classe E). Conectores RJ45, permanent link Cat 6, de acesso exterior para injecção de sinais de equipamento activo ( RC-PC

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

Calhas Técnicas Série 10. Série 16. Calhas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 114-125)

Calhas Técnicas Série 10. Série 16. Calhas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 114-125) Técnicas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 1-125) A é composta por: Molduras (pág. 1); de Rodapé (pág. 118); de Chão (pág. 118); para Distribuição (pág. 122). Calha 110x50 BR - Branco

Leia mais

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem Redes de Computadores Sistemas de cablagem Sumário! Sistemas de cablagem: Normalização Estrutura Tipos de cablagem e comprimentos Dimensionamento Componentes 2 Sistemas de cablagem! Devem ser instalados

Leia mais

Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas

Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas ANEXO II Memórial de Cálculo Instalações Elétricas Rev.0 (11/02/2010) Pág. 1 Banco de Brasília Agência Cuiabá Novas Instalações Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas Brasília, 23 de

Leia mais

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes Invólucros Metálicos. Cajas Salientes ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Caixa metálica para instalação

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

Cablagem de rede estruturada

Cablagem de rede estruturada Paulo Álvaro De: Saved by Microsoft Internet Explorer 5 Enviado: quarta-feira, 21 de Abril de 2010 11:06 Assunto: Cablagem de rede estruturada Cablagem de rede estruturada André Moreira (andre@dei.isep.ipp.pt)

Leia mais

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS MANUAL ITED 1ª edição revista - Dezembro 2003 - ANEXO 6 1 ITED INFRA-ESTRUTURAS DE TELEUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS FICHA TÉCNICA PROJECTO N.º LOCALIZAÇÃO DA OBRA CONCELHO MORADA FREGUESIA

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações TP 009/2012 - ANEXO V

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações TP 009/2012 - ANEXO V Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações Código do Projeto: 3328/12 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ pour PARA les professionnels PROFISSIONAIS de electricidade de l ÉleCTRICITÉ FORMAÇÃO Corte e Protecção Concepção e certificação de quadros e armários eléctricos até 400 A Curso ref. M.11.001.12 Objectivos

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Uma das maiores companhias do sector a nível mundial.

Uma das maiores companhias do sector a nível mundial. Uma das maiores companhias do sector a nível mundial. A General Cable é uma companhia líder no fabrico de cabos a nível mundial. A companhia conta com modernas instalações de produção na América do Norte,

Leia mais

REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL

REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES - TEL SISTEMA DE RACK FECHADO 44U E ACESSÓRIOS Rack Fechado 44 U Padrão 19 Rack modelo gabinete com altura máxima de 44U; Estrutura básica em perfis de alumínio estrudado;

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Apresentação geral

Leia mais

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação Redes Estruturadas O projecto e a instalação de redes de dados em edifícios são actividades reguladas por um conjunto de normas dispersas em diversos documentos, publicados por organismos internacionais.

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Fibra Óptica no ITED Ricardo Oliveira Fibra Óptica ITED 3ª edição - Mantém-se a obrigatoriedade de utilização

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38 Página Patch Panel Patch Panel cat. 6 32 P. Modular 48 portas em 1UR cat.6 32 Patch Panel Modular descar. 24 portas 33 Voice Panel 1UR 50 Portas 34 Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios Datasheet Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios 2011 Armários 19 de Pavimento Qualidade de construção Desde o conceito até ao mais pequeno pormenor. Os produtos Facemate são cuidadosamente projectados

Leia mais

Conexão RJ45 LCS² KeyStone Cat. 5e / Cat. 6

Conexão RJ45 LCS² KeyStone Cat. 5e / Cat. 6 Conexão RJ45 LCS² KeyStone Cat. 5e / Cat. Referências : 33 / 33 / 338 / 33 ÍNDICE.. 3. 3. 3. 3.3 3.4 4. 5.. 7. 7. 8. 9. 0. Características Apresentação Características Técnicas Características do Material

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF. Novas Instalações ANEXO IV. Código do Projeto: 080/2013

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF. Novas Instalações ANEXO IV. Código do Projeto: 080/2013 Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Ag. Alexânia Novas Instalações Código do Projeto: 080/2013 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010 Testes de Certificação Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 13 de Abril de 2010 Prof. Tiago (IFET/SC) Cabeamento Estruturado 13 de Abril de 2010

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Pares de Cobre Ricardo Oliveira Sistemas de Cablagem Mantém-se a utilização das 3 tecnologias Pares de cobre Cabo

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil

Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Informática Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil Engenharia de Redes 2000/2001 Ivo Alexandre Seixas Matos Esteves

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do.

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do. Esquema de Ligação dos es de Cobre provenientes da Coluna para os Modulos ACO no DDC Primário Esquema de Ligação dos Modulos ACO no DDC Secundário Chicote de Interligação de 4 pares proveniente do DDC

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE QUADROS ELÉCTRICOS

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE QUADROS ELÉCTRICOS Objectivo Esta nota técnica apresenta algumas recomendações para a instalação de quadros eléctricos desde a saída dos quadros eléctricos das instalações dos quadristas até á sua instalação em obra. Manuseamento

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00 Instruções de Utilização Equalizador Instabus de 4 vias 531 Informações acerca do sistema Este aparelho é um produto do Sistema EIB Instabus e está em conformidade com as normas EIBA. Para a compreensão

Leia mais

Sistemas de Cablagem Estruturada

Sistemas de Cablagem Estruturada Sistemas de Cablagem Estruturada SISTEMAS DE CABLAGEM ESTRUTURADA CONTEÚDO DOS SISTEMAS DE COBRE Sistemas de Categoria 6 Aumentada Pági Pági 5 7 Sistemas de Categoria 7 Sistemas de Categoria 6 Sistemas

Leia mais

Soluções DataCenter Servidores

Soluções DataCenter Servidores Apresentação A gama de armários para DataCenter Olirack foi concebida para a instalação de equipamentos de telecomunicações e informáticos. Os espaços DataCenter são projectados para serem extremamente

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções Painel sinóptico BAT 100 LSN pt Guia de instruções Painel sinóptico Índice pt 3 Índice 1 Instruções de segurança 4 2 Descrição funcional 4 3 Vista geral do sistema 6 4 Instalação 7 5 Ligação 11 6 Manutenção

Leia mais

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado NOTAS Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O

Leia mais

ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS)

ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS) ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS) MANUAL ITED 1ª edição ANEXO 6 1 CABOS TVV E TVHV 1 2 3 4 1 5 2 3 1. Revestimento Exterior (camada de PVC) 2. Cintagem 3. Isolamento do condutor

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais