Autorizada pela Portaria MEC nº 194/98 de DOU 46-E de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autorizada pela Portaria MEC nº 194/98 de 06.03.98 DOU 46-E de 10.03.1998"

Transcrição

1 1 Sumário 1 DENOMINAÇÃO E INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Histórico da Instituição Elenco dos cursos da Instituição Dirigentes da Instituição 07 2 REGIME ESCOLAR, VAGAS, TURNOS DE FUNCIONAMENTO, DIMENSÃO DAS TURMAS E PERÍODO PARA INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO 07 3 JUSTIFICATIVA PARA ATUALIZAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO 09 4 CENÁRIOS BRASILEIROS QUE FAVORECEM A PROFISSIONALIZAÇÃO Cenário macroeconômico brasileiro de 1994 a Cenário da região da Alta Sorocabana do Estado de São Paulo Cenário do município de Presidente Epitácio Inserção regional Aspectos Econômicos Projetos Sociais 20 5 O PROFESSOR 30 6 O ALUNO 31 7 O ENSINO 31 8 MISSÃO E CONCEPÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 33 9 BASES FILOSÓFICAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIRETRIZES FILOSÓFICAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Diretriz social Diretriz cultural Diretriz econômica Diretriz de integração Diretriz ambiental Diretriz produtiva e tecnológica OBJETIVO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PERFIL DO EGRESSO PRETENDIDO PELO CURSO ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS CAMPO DE ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL A SER FORMADO AS HABILIDADES DO CONTABILISTA CONTEMPORÂNEO CURRÍCULO PLENO PROPOSTO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESTÁGIOS CURRICULAR SUPERVISIONADO TRABALHO INTERDISCIPLINAR DE ADMINISTRIÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS METODOLOGIA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA RESPONSÁVEL PELA COORDENAÇÃO DO CURSO PERFIL PRETENDIDO PARA O CORPO DOCENTE REGIMES DE TRABALHO

2 2 26 TITULAÇÕES DOS PROFESSORES PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO Plano de carreira docente Plano de cargos e remuneração FORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO CORPO DOCENTE NAS ATIVIDADES DE DIREÇÃO DO CURSO POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS Plano de capacitação de recursos humanos BIBLIOTECA Estrutura, organização e informatização Acervo bibliográfico INSTALAÇÕES FÍSICAS E EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS Considerações sobre as instalações físicas Equipamentos audiovisuais LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CONSIDERAÇÕES FINAIS 92 2

3 3 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 - Denominação e Informações de Identificação da Instituição Mantenedora: IESP- Instituto Educacional do Estado de São Paulo CNPJ : / Mantida: - Faculdade de Presidente Epitácio Endereço: Rua Pernambuco, Presidente Epitácio - CEP Fone/Fax: (18) Home page: Dependência Administrativa: Particular. Personalidade Jurídica: Sociedade Civil de Direito Privado Histórico da Instituição O Centro de Ensino Superior de Presidente Epitácio CESPE - foi criado na Estância Turística de Presidente Epitácio com a finalidade de se tornar a entidade mantenedora da. O CESPE foi autorizado para funcionamento no dia 26/11/96, nos termos do Decreto /95 e Resolução. S. E. 03/95 e com fundamento nas Deliberações nº 5/95, 26/86, 18/86 e à vista do que consta o Processo nº 969/96, através da Portaria do Delegado de Ensino de Presidente Venceslau no D.O.U. de 29/11/96. A atende a uma clientela de 980 alunos oriundos de diversos municípios vizinhos, ministrando cursos de graduação, de atualização, aperfeiçoamento e de extensão e pós-graduação. O Centro de Ensino de Presidente Epitácio foi criado com o objetivo de oferecer à região do Pontal do Paranapanema mais uma Instituição de Ensino Superior já que quase a totalidade dos concluintes do Ensino Médio, moradores da região, encontrava-se, praticamente, sem acesso às faculdades, tanto por sua localização, 3

4 4 acarretando despesas de locomoção, quanto, e, sobretudo, pelos preços das mensalidades, inacessíveis para essa clientela. A filosofia que norteou a criação da Faculdade foi exatamente a de possibilitar a população carente o ensino superior. Propositadamente, cobra-se uma das menores mensalidades dessa região e o resultado tem sido excelente, pois a vem formando profissionais que, em sua maioria atuam na própria comunidade. A Faculdade de Presidente Epitácio entende a educação como uma necessidade e prioridade à formação do indivíduo, uma vez que contribui basicamente para garantir a continuidade e a própria renovação de sua cultura. A sociedade, por sua vez, carece cada vez mais de uma educação integral e qualificada, imposta pelo desenvolvimento num contexto globalizado. Por isso, a tem como missão formar profissionais competentes e gerar desenvolvimento regional pela valorização da ciência, tecnologia e educação, bem como a difusão e preservação da cultura e a promoção do bem comum. O cumprimento dessa missão obedece ao princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. O Centro de Ensino Superior de Presidente Epitácio é uma sociedade civil de atuação local em Presidente Epitácio e em todo o território nacional, por tempo indeterminado, sem fins lucrativos, com sede e foro na cidade de Presidente Epitácio, Estado de São Paulo, protocolada no Cartório do Registro Civil de Pessoas Jurídicas de Presidente Epitácio, sob nº às fls. 040, no livro A nº 2 de Pessoas Jurídicas em 1º de novembro de Após 11 anos de atuação em Presidente Epitácio a efetuou alteração de sua mantenedora passando em 26 de novembro de 2009 através da Portaria SESu/MEC nº 1.620/2009, publicada no Diário Oficial da União de 16/11/2009 para a mantenedora INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO IESP. A organização técnico-administrativa da abrange: I Núcleo da Direção - Diretor Geral II - Núcleo Técnico- Pedagógico - Coordenação Pedagógica 4

5 5 - Coordenador de Estágio - Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão - Empresa Junior - Coordenador do Núcleo de Apoio Psicopedagógico - Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica - Coordenador de Monografia III Núcleo Administrativo - Secretária Acadêmica - Tesoureira - Bibliotecário - Técnico em Informática - Coordenador de Projetos Sociais IV Núcleo Operacional - Vigilância e Atendimento - Limpeza, manutenção e controle V Corpo Docente VI Corpo Discente VII Colegiados - Diretório Acadêmico. - Conselho Superior - CONSU - Chefe de Departamento 1.2 Elenco dos Cursos da Instituição Curso de Letras com Habilitação em: Português e Inglês Autorizado com conceito B, Portaria Ministerial nº 194 de 06/03/98 DOU de 10/03/98 Processo nº /96-18 Regime - Anual Vagas 80 Período Noturno Reconhecido pela Portaria nº 2000, de 06 de julho de 2004 D.O.U de 07/07/

6 6 Curso de Pedagogia com Habilitação em Magistério da Educação Infantil, Magistério das Séries Iniciais do Ensino Fundamental, Administração Escolar e Supervisão Escolar Autorizado com conceito A, Portaria Ministerial nº 394 de 22/03/00 DOU- de 23/03/00 Processo nº /98-96 Regime - Semestral Vagas 100 Período Noturno Reconhecido pela Portaria nº 540, de 20 de fevereiro de 2006 D.O.U de 21/02/2006. Curso de Administração com Habilitação em Gestão de Negócios Autorizado com conceito B, Portaria Ministral nº 1053 DOU de 20/07/00 Processo nº /99-01 Regime Semestral Vagas 100 Período Noturno Reconhecido pela Portaria nº 666, de 15 de março de 2006 D.O.U de 16/03/2006. Curso de Administração com Habilitação em Gestão Ambiental Autorizado com conceito A, Portaria Ministerial nº 603 de 27/03/01 DOU de 28/03/2001 Processo nº / Regime - Semestral Vagas 100 Período Noturno Reconhecido pela Portaria nº 666, de 15 de março de 2006 D.O.U de 16/03/2006. Curso de Administração com Habilitação em Sistemas de Informação Autorizado com conceito A, Portaria Ministerial nº 209 de 07/02/01 DOU de 08/02/2001 Processo nº /

7 7 Regime - Semestral Vagas 150 Período Diurno e Noturno Reconhecido pela Portaria nº 666, de 15 de março de 2006 D.O.U de 16/03/2006. Curso de Turismo Autorizado com conceito A, Portaria Ministerial nº 921 de 16/05/01 DOU de 17/05/01 Processo nº /99-38 Regime Semestral Vagas 100 Período Noturno Reconhecido pela Portaria nº 223 de 07 de junho de 2006 D.O.U de 09/06/2006. Curso de Direito Autorizado com conceito B, Portaria Ministerial nº de 18/10/01 DOU de 19/10/01 Processo nº / Regime Semestral Vagas 200 Período Noturno e Diurno Curso de Ciências Contábeis Parecer favorável da Comissão de Verificação das Condições de Oferta, designada conforme Portaria nº de 28/09/00, com conceito B Processo nº / Regime Semestral Vagas 100 anuais Período Noturno 1.3 Dirigentes da Instituição 7

8 8 Diretor-Presidente: José Fernando Pinto da Costa Brasileiro, casado, residente e domiciliado em Presidente Prudente-SP. Engenheiro Civil, pela UNESP/Ilha Solteira. Especializado em Administração Financeira e Curso de Especialização em Análise de Demonstrações Financeiras Diretor Geral: Rosival Jaques Molina Brasileiro, casado, residente e domiciliada em Presidente Prudente-SP. Doutorando pela Universidad Católica de Santa Fé - Argentina, Mestrado em Direito pela Fundação Euripedes Soares da Rocha de Marilia-Sp, MBA em gestão empresarial com foco em Marketing pela Fundação Getulio Vargas - Rio de Janeiro-RJ, Pós-Graduação em Direito Civil e Processo Civil pela Instituição Toledo de Ensino de Presidente Prudente-Sp e Graduação em Direito pela Instituição Toledo de Ensino de Presidente Prudente-Sp. Secretária Acadêmica: Sidineia Rodrigues Martins de Oliveira Brasileira, casada, residente e domiciliada em Presidente Epitácio, licenciada em Letras, com experiência de 10 em secretaria de escola, secretária acadêmica há 2 anos nesta IES. Tesouraria: Ariene Rodrigues Nantes Brasileira, solteira, residente e domiciliada em Presidente Epitácio, Graduada em administração e pós-graduada em Gestão Ambiental e Agronegócios. 2 - Regime escolar, vagas, turnos de funcionamento, dimensão das turmas e período para integralização do curso A denominação é Curso de Ciências Contábeis, com 100 vagas anuais, distribuídas em duas turmas. Como tamanho das turmas, se tem 50 alunos por turma em aulas teóricas e práticas. Seu regime de matrículas é seriado semestral, com turno de funcionamento noturno. Sua duração é equivalente a quatro anos, o que corresponde em carga horária a h. O período mínimo para integralização do curso é de quatro anos, sendo o máximo possível para integralização sete anos. 8

9 9 Vagas Turmas Tamanho Aulas Regime Período Carga Horária Teóricas Seriado alunos e semestral Noturno 3.200h. Práticas (08 sem.) 3- Justificativa para atualização do Projeto Pedagógico em Ciências Contábeis A nova realidade socioeconômica trouxe para a ciência contábil um novo olhar sobre as práticas de negócios e sua inter relação na sociedade globalizada. Considerando a internacionalização das normas contábeis bem como a convergência das demonstrações contábeis e da legislação pertinente, evidenciada pelas leis 11638/07 e lei 11941/09, faz-se necessária a adequação da matriz curricular do curso de ciências contábeis para a nova realidade empresarial. O Conselho Federal de Contabilidade, em 2009 atualizou sua Proposta Nacional de Conteúdo para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, o que nos faz adequar o projeto pedagógico desta instituição às diretrizes emanadas pelo CFC. Outro fato de bastante relevância para a IES foi a alteração da mantenedora, que deve ser aqui registrada. A sociedade requer profissionais de contabilidade capazes de responder as nuances de um ambiente de negócios em constante transformação, não só para atender as empresas, no que tange às suas demandas específicas de registros fiscais e ações de planejamento e controle, mas que também sejam capazes de contribuir para o desenvolvimento do conhecimento científico. Ciente da importância social de uma escola superior, a Faculdade de Presidente Epitácio, por meio de seu curso de graduação, tem agido de forma a propiciar que seus bacharéis sejam capazes de reagir aos desafios permanentes que a competição crescente e a velocidade das mudanças têm trazido as empresas. 9

10 10 Nesse sentido, o curso de graduação em Ciências Contábeis deve ensejar condições para que o contabilista esteja capacitado a compreender as questões científicas, técnicas, sociais, econômicas em âmbito nacional e internacional nos diferentes modelos de organização, assegurando apurações, auditorias, arbitragens, domínio atuarial e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, com a plena utilização de inovações tecnológicas, revelando capacidade crítico-analítica para avaliar as implantações organizacionais com o advento da tecnologia da informação. Dessa forma, o currículo pleno apresentado pretende resgatar para o curso de graduação em Ciências Contábeis, a função de preparar profissionais dotados de competências e habilidades para a tomada de decisão, no âmbito de sua responsabilidade na empresa e seus impactos para a sociedade e meio ambiente. 4 - Cenários brasileiros que favorecem a profissionalização 4.1 Cenário macroeconômico brasileiro de 1994 a 2009 a) Controle do processo inflacionário: a partir da implantação do Plano Real em 1994, mediante a utilização de âncora cambial baseada no dólar norte-americano, como mecanismo de desindexação e a manutenção de altas taxas de juros reais. b) Crescimento econômico lento: a política econômica que priorizou o controle dos índices de inflação resultou em baixo crescimento econômico com o PIB- Produto Interno Bruto evoluindo a taxa média de 2,5% ao longo do período de 1995 a c) Estagnação da renda per capita: o baixo crescimento da economia brasileira não permitiu que houvesse a elevação da renda média dos brasileiros, levando a sua estagnação no patamar de 1980, ou seja, estável durante 25 anos. d) Estagnação da taxa de investimento: os níveis de investimentos em formação bruta de capital fixo estabilizaram-se em níveis relativamente modestos, em torno de 19% do PIB Produto Interno Bruto, enquanto que o montante de outros países com altas taxas de crescimento como a China e tigres asiáticos, situa-se em torno de 25% do PIB. e) Taxa de câmbio semi-fixa ( ): a adoção de uma política cambial baseada no regime de taxa de câmbio semi-fixa em relação ao dólar norte-americano, visando a desindexação da economia brasileira, gerou ao longo do período de 1994 a 1998, a 10

11 11 tendência de deterioração das contas externas do país, acompanhada de elevação das importações, baixo desempenho da exportações e crescimento do endividamento do país. f) Taxa de câmbio flutuante ( ): a crise cambial de janeiro de 1999, seguida de forte desvalorização, elevou substancialmente a rentabilidade dos produtos brasileiros no exterior, possibilitando a geração de expressivos superávits comerciais e crescimento das exportações do país, com destaque para o setor do agronegócio. g) A crise mundial começou, em 2007, com a chamada crise do subprime (hipotecas de risco) e se agravou com a quebra do Lehman Brothers, quarto maior banco de investimentos dos Estados Unidos, que pediu concordata após incorrer em dívidas bilionárias. A crise americana se espalhou para o resto do mundo. O fantasma da crise mundial de 1929 voltou a fazer parte do imaginário. Alguns analistas chegaram a levantar a possibilidade de acirramento dos conflitos econômicos internacionais e até a possibilidade de uma Terceira Guerra Mundial (provavelmente a última devido às armas nucleares que podem destruir a vida no planeta). As previsões econômicas pessimistas passaram a fazer parte das estatísticas oficiais. Em outubro de 2008, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou o relatório World Economic Outlook (WEO) com a previsão de 3% de crescimento para a economia internacional em Mas com o agravamento da crise, o FMI foi gradualmente reduzindo suas previsões do desempenho econômico mundial. As estimativas de variação do PIB mundial em 2009 mudaram rapidamente, passando de 2,2% em novembro de 2008, para 0,5% em janeiro de 2009 e para uma recessão de -1,5 % no relatório de abril do corrente ano. h) Em abril passado, as projeções para as economias avançadas (na terminologia do FMI) eram de recuo de -3,8% em 2009 e zero por cento de variação do PIB em No relatório de abril, previa-se que a Rússia deveria levar um tombo de -6,0% em 2009 e crescer somente 0,5% em O continente africano deveria apresentar crescimento de 2,0% em 2009 e de 3,9% em O melhor desempenho, no meio da recessão mundial, deveria ser mesmo dos dois países mais populosos do mundo: nos anos de 2009 e 2010, a China deveria crescer 6,5% e 7,5% e a Índia 4,5% e 5,6%, respectivamente. Em abril, o quadro geral era de agravamento da crise, com o aumento da fome e da pobreza entre a população mundial. 11

12 12 Para a região da América Latina e Caribe (Western Hemisphere) as previsões eram de uma queda de 1,5% no PIB em 2009 e um crescimento de somente 1,6% em As projeções para o Brasil eram de queda de -1,3% em 2009 e pequeno crescimento de 2,2% em Este cenário sombrio veio interromper cinco anos de crescimento acima de 5% no último quinquenio na região, quando a América Latina e o Caribe (ALC) tiraram cerca de 40 milhões de pessoas da pobreza. Porém, o relatório do FMI, de outubro de 2009, apresentou alguma luz neste quadro sombrio. Tecnicamente a recessão medida pela queda do PIB por dois trimestres consecutivos está chegando ao fim e a recuperação em 2010 deve ser pouco maior do que o previsto no primeiro semestre. As novas previsões apontam crescimento de 3,1% para o mundo, 1,3% para as economias avançadas, 4,0% para a África, 9,0% para a China, 6,4% para a Índia, 2,9% para a América Latina e 3,5% para o Brasil. Se por um lado o novo cenário mostra um menor impacto sobre o desemprego e a fome, mostra também que a recuperação da economia internacional em 2010, depois de uma queda em 2009, não deve retomar as taxas elevadas apresentadas no período 2003 a As projeções indicam que o mundo deve se preparar para um período de crescimento econômico lento nos próximos anos, o que deve dificultar a melhoria dos indicadores sociais e humanos. Não resta dúvidas de que o crescimento econômico é importante para a geração de emprego e para a redução da pobreza. Mas o grau de degradação ambiental do Planeta não permite que se continue com o mesmo modelo de desenvolvimento. Na verdade o modelo econômico hegemônico no mundo não apresenta perspectivas sustentáveis no longo prazo. A matriz energética e a produção não sustentável de bens de consumo só agravam os problemas ambientais. Mais do que o desafio da retomada do crescimento econômico, o mundo terá de reinventar a maneira de se relacionar com a natureza e criar um modelo de civilização que não esteja em oposição aos recursos naturais e à vida na Terra. Tais vicissitudes necessitam atenção ao tratamento contábil quanto às praticas empresariais de maneira que a Ciência Contábil seja não somente um mensurador aziendal, mas também uma ciência relevante na mensuração do capital humano, responsabilidade social e impactos que o patrimônio como objeto de estudo produz na sociedade onde se insere. 12

13 Cenário da região da Alta Sorocabana do Estado de São Paulo a) A região apresenta uma população de habitantes, sendo residem na área urbana e na área rural, com taxa de urbanização de 85% (SEADE, 2004). b) A taxa de mortalidade infantil encontra-se na faixa de 18% por mil nascimentos, número de leitos do SUS Sistema Único de Saúde, por mil habitantes é de 2,77 (SEADE, 2004). c) Apresenta pessoas empregadas, sendo na indústria, no comércio e nos serviços (SEADE, 2004). d) A região representa 2% do índice de participação do ICMS do Estado de São Paulo, 1881 estabelecimentos industriais, concentrados na cidade de Pres. Prudente. É a Segunda região mais pobre do estado, após a Região do Vale do Ribeira (SEADE, 2004). e) A região possui grande potencial agropecuário, sendo considerada a nova fronteira agrícola do Estado de São Paulo. O setor agropecuário tem como maiores produtos o plantio do algodão em caroço, a cana de açúcar e a pecuária de corte. Os dados para 2009 para estas culturas são fornecidos abaixo (IEA, 2004): Produto Área hectare Produção Algodão Cana de açúcar t Soja sc 60kg Bovinos cabeças f) A região concentra problemas fundiários há muitos anos, sendo que o programa de regularização fundiária lançado pelo governo estadual sinaliza a resolução desta questão para os próximos anos, o que deverá estimular o crescimento econômico, com ênfase para o agronegócio Cenário do município de Presidente Epitácio 13

14 14 A grande região a que pertence Presidente Epitácio foi em tempos idos, habitada por índios Opauos, da subnação Caiuá, começou a ser conhecida a partir de 1888, com a passagem do gado trazido dos sertões de Mato Grosso. Por volta de 1902, Domingos Barbosa Martins, o Gato Preto, e Major Cecílio de Lima começaram a organizar pousos e currais para descanso do gado, ocasião em que se fundou a Vila de Porto Tibiriçá, já com inúmeros moradores. Em 1919 com a chegada dos trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana, hoje Fepasa, surgiram novas condições de vida para o porto de Presidente Epitácio. O tráfego ferroviário, iniciado em maio de 1922, marcou a data de fundação da cidade. As terras do atual município pertenciam por doação a Antônio Mendes Campos Filho e foram posteriormente divididas e negociadas a 200 mil réis o lote, por seu procurador Álvaro Coelho, a Joaquim de Souza Martins, Zeferino Pereira, Domingos Francisco dos Santos, Antônio Batista, Carlos dos Santos e Maria Júlia de Oliveira, considerados fundadores de Presidente Epitácio. Os primeiros moradores se dedicavam quase exclusivamente à extração de madeira adquirida pela Sorocabana. Na ausência de estradas, a estação ferroviária era atingida por picadões rasgados na mata. Em 1924, os trilhos da estrada de ferro foram estendidos até a barranca do rio Paraná, por determinação do então chefe de uma colônia revoltosa, Coronel Izidoro Dias Lopes. Data dessa época a instalação do Porto Fluvial de Presidente Epitácio. Que, em 13 de janeiro de 1936, foi elevado a Distrito de Paz e situação geográfica de Presidente Epitácio, que na época dividindo com os Estados de Mato Grosso do Sul e Paraná, e o fácil escoamento da madeira pelo rio Paraná favoreceram a instalação em 1947, de várias serrarias, e consequentemente, o progresso do Distrito. Em 1º de Janeiro de 1948, iniciou-se um movimento para a criação do município, fato que se concretizou em 24 de dezembro daquele ano. Como município, Presidente Epitácio passou a desenvolver-se rapidamente. Novas famílias se radicavam na cidade, confiante nas oportunidades que surgiram. Grandes empresas madeireiras se instalaram e armadores se aparelhavam para o transporte fluvial de madeira, gado e cereais. Com as empresas de navegação surgiram as indústrias de construção naval. Foi uma fase áurea de Presidente Epitácio, 14

15 15 os serviços de carga e descarga, tanto nos guindastes como nas esplanadas, ofereciam farta mão-de-obra, atraindo, grande número de trabalhadores. O serviço de Navegação da Bacia do Prata e Companhia Mate Laranjeira empregavam em suas frotas tripulação superior a 1500 embarcadiços. Atualmente, o principal enfoque turístico é o Rio Paraná, com seus 712 quilômetros navegáveis, é o terceiro rio em importância do País. Escoadouro de mercadorias provenientes, por via fluvial do Paraguai, Estado do Paraná e Estado do Mato Grosso. Sua profundidade média no canal é de 15 metros e no geral em média de 5 metros a nível normal. No município, o Rio Paraná tem uma extensão de km, toda navegável e propícia à pesca, assim como para prática de qualquer tipo de esporte náutico. Sua Largura varia entre 1800 a 2500 metros. No trecho pertencente ao município possui um grande número de ilhas, todas de fácil acesso, tanto pelo cais do Porto, como Parque Municipal Figueiral e o Centro de Lazer do SESI. A Ponte Prof. Maurício Joppert da Silva possui 2500 metros de comprimento, vista como orgulho da engenharia nacional, servindo de elo entre o Estado de São Paulo e Mato Grosso do Sul, além de ser caminho natural para Bolívia e Paraguai. Trata-se de uma das mais importantes obras da engenharia nacional, não só por sua extensão como pelas suas características, tanto de concepção como de execução. Foi construída pelo Governo Federal e inaugurada em Situa-se na barranca do Rio Paraná, a 3km do centro da cidade, o Parque Municipal O Figueiral. Trata-se de uma área de lazer, com linda vegetação, onde o turista encontrará árvores centenárias, tipo Figueira. Dotado de toda infra-estrutura, com barracas, lanchonetes, praia, playground, área para camping, chuveiros, estacionamento. As condições de acesso ao local são excelentes, podendo chegar ao pela Rodovia Raposo Tavares via marginal, ou centro da cidade via marginal. Neste Parque são realizados todos os grandes eventos do município, como: - Festival Nacional de Pesca e Miss Turismo, Festa do Trabalhador, Festa Juninas, Festa de Iemanjá. Fator de grande importância no desenvolvimento e escoamento de grãos provenientes do Estado do Paraná, Mato Grosso do Sul e Paraguai é o Cais do Porto. Serve como atração turística, podendo o visitante desfrutar da bela paisagem 15

16 16 existente no local, principalmente ao entardecer, fator este que em qualquer ponto do município - via marginal - barranca do Rio, é proporcionado um grande espetáculo: o pôr do sol. O porto foi construído em 1960 pela Ferrovias Paulistas S.A. (Fepasa), tendo como finalidade principal a interligação do trecho do rio Paraná, entre Guaira (PR) e Jupiá, na divisa de São Paulo e Mato Grosso do Sul, com o terminal ferroviário da antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro. A construção teve a anuência do Departamento Nacional de Portos e Vias Navegáveis (DNPVN). Posteriormente a Portobrás (AHRANA), e atual Codesp/AHRANA, teve participação importante na operacionalização do porto, através de aquisição de equipamentos. Em 10/11/98, foi realizado o leilão de privatização da Malha Paulista, antiga Fepasa, na bolsa do Rio, vencendo o consórcio formado principalmente pela Vale do Rio Doce e os fundos de pensão Previ e Funcef, por 30 anos de concessão. Hoje, o porto é administrado pela Ferrovia Bandeirante S.A. (Ferroban). Está localizado na margem esquerda do rio Paraná, no município de Presidente Epitácio (SP), junto a divisa com Mato Grosso do Sul. Tendo como área de influência, abrange o noroeste do estado de São Paulo e o sudeste de Mato Grosso do Sul. Demografia: caracterização do território com base no ano 2008 População: habitantes; Taxa de urbanização (em %): 93,33; Taxa geométrica crescimento anual da população 2000/2004 (em %): 1,30; Área (em km2): Trabalho: com base no ano 2003 Setor Estabelecimentos Trabalhadores Formais Indústria Comércio Serviços Outros Total

17 Inserção Regional Presidente Epitácio Aspectos Físicos Descrição perimétrica de Presidente Epitácio Parte da Foz do Rio do Peixe, no encontro deste Rio com o Rio Paraná, divisa entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul: daí segue pelo Rio Paraná, a jusante, até a Foz do Ribeirão da água sumida (ou Cachoeira) divisa com o município de Teodoro Sampaio, até a divisa com o município de Teodoro Sampaio, e até a divisa com Marabá Paulista inclusive Ribeirão dos Xavantes (ou Santa Cruz), na divisa com o município de Caiuá, até o Rio do Peixe, divisa com o município de Panorama até a sua foz, no encontro deste Rio com o Rio Paraná, divisa entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, onde teve início esta descrição. Limites do Município: Limita com os municípios: Ao Norte: Panorama Ao Sul: Teodoro Sampaio e Marabá Paulista. Leste: Caiuá Oeste: Reservatório da Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta (Rio Paraná) e Bataguassu, Estado do Mato Grosso do Sul. Situa-se a uma distância: Do estado de São Paulo: Capital do Estado de São Paulo São Paulo 654 km Campinas 650 km Ribeirão Preto 570 km Bauru 390 km Presidente Prudente 95 km Do estado do Paraná: Capital do Estado do Paraná Curitiba 650 km Londrina 280 km Maringá 260 km 17

18 18 Do estado do Mato Grosso Do Sul Capital do estado do Mato Grosso do Sul - Campo Grande (MS) 371 km Bataguassu 35 km Dourados km Ponta Porá 460 km Localização no Estado de São Paulo Vias de Acesso à Presidente Epitácio: Rodoviário: Rodovia Raposo Tavares SP 270 (SP). Rodovia Manoel da Costa Lima BR 163 (MS). Fluvial: Rio Paraná. Aéreo: Aeroporto Municipal Geraldo Moacir Bordon Pista: x 17m (pavimentada) Distância do centro da cidade: 5 km Infra Estrutura: Educação Educação Infantil 10 18

19 19 Ensino Fundamental 16 Ensino Médio 07 Ensino Especial 01 Ensino Profissionalizante 01 Supletivo 02 Ensino Superior 01 Saúde Hospital 01 Instituto Radiológico 01 Laboratório de Análises Clínicas 05 Clinicas de Fisioterapia 04 Clínicas particulares 10 Agências de Viagens Aurea-Tur 01 Karen Tur Nav-Tur Aspectos econômicos: A economia local é regida pela agricultura, pecuária e indústria além do turismo de pesca que é um forte aliado à economia de Presidente Epitácio, mesmo mediante a segmentos indiretos, o fluxo de visitantes é intenso principalmente nos finais de semanas e feriados. O principal atrativo é o Rio Paraná, que depois de construída a usina de Porto Primavera, transformou-se em um extenso lago denominado reservatório Sérgio Motta. Dessa forma, foi muito bem-vindo o curso superior de Presidente Epitácio, já trouxe e traz grande contribuição ao oferecer os cursos de graduação e bacharelado aos habitantes locais e regionais para que haja mão de obra especializada, a qual pode-se observar no comércio local e regional, nas instituições bancárias, nos 19

20 20 escritórios, nas administradoras, imbricadas um grande número de ex-alunos desempenhando as mais variadas funções e apresentando um serviço qualificado. A, nasceu da intenção de trazer para Presidente Epitácio e Região, conhecida como Pontal do Paranapanema, situada no Extremo Oeste do Estado de São Paulo, na divisa com o Estado do Mato Grosso do Sul, cursos técnicos e de nível superior. Com a economia desenvolvia dia após dia, havia a necessidade de pessoas qualificadas para ocupar as vagas de trabalho, cargos específicos, mesmo para a contratação dos colaboradores que praticariam as mais simples frentes de trabalho, dessa forma surgiu a CESPE Centro de Ensino de Presidente Epitácio, trouxe para Presidente Epitácio a oportunidade do morador local qualifica-se sem sair da cidade, que a priori estabeleceu cursos técnicos, logo, em 1998, instalou o primeiro campus de Ensino Superior denominado Faculdade de Presidente Epitácio, com o curso de graduação em Letras, porém, novos cursos foram instalados, assim como Pedagogia, e os Bacharelados em Administração, Sistemas de Informação, Direito, Turismo e Ciências Contábeis. O dinamismo e empreendedorismo, nos dias contemporâneos, estão associados à credibilidade dos investidores que aqui perpetuaram no pólo industrial algumas empresas como a gelatina, um frigorífico empresa multinacional, destilaria de produção de álcool (em construção), o comércio local, os quais necessitam de pessoas qualificadas no quadro de colaboradores, aqueles que não poderiam mais ser de outros lugares, senão daqui. Dessa forma, a Instituição Educacional de Ensino Superior - Faculdade de Presidente Epitácio instalada na cidade contribui para o crescimento intelectual e tecnológico dos habitantes de Presidente Epitácio e dos habitantes das cidades milítrofes. Além desse crescimento, a registra ainda significativa inserção social com, apresentação de projetos sociais: Projetos Sociais Atenta às dificuldades da região onde se situa, a idealizou seus Projetos Sociais. Programas facilitadores para o acesso de jovens e adultos carentes no ensino 20

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Edital nº 01/2012 O Diretor Geral da Faculdade de Ciências Aplicadas Dr. Leão Sampaio, no uso das suas prerrogativas institucionais e legais, e considerando o que determina o Art.

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 1. FIES O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Manual de Bolsas e Financiamentos Unimonte

Manual de Bolsas e Financiamentos Unimonte Manual de Bolsas e Financiamentos Unimonte 1. FINANCIAMENTOS 1.1. PRAVALER O Crédito Universitário PRAVALER é um programa privado de financiamento de graduação presencial implantado em parceria com instituições

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

ProUni. MEC - Ministério da Educação Termo Aditivo 1º Semestre de 2010. 1 - Dados Cadastrais da Mantenedora

ProUni. MEC - Ministério da Educação Termo Aditivo 1º Semestre de 2010. 1 - Dados Cadastrais da Mantenedora MEC Ministério da Educação Termo Aditivo 1º Semestre de ProUni 1 Dados Cadastrais da Mantenedora 1.1 Informações da Mantenedora 1.1.1 Mantenedora: FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ 1.1.2 Razão Social: FUNDAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

Programas de Bolsa de Estudos ENEM PROUNI FIES - SISU

Programas de Bolsa de Estudos ENEM PROUNI FIES - SISU Programas de Bolsa de Estudos ENEM PROUNI FIES - SISU O ENEM Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da escolaridade básica. Podem

Leia mais

A matrícula será realizada nos dias 8 e 9 de dezembro de 2015, no horário das 8 às 16 horas.

A matrícula será realizada nos dias 8 e 9 de dezembro de 2015, no horário das 8 às 16 horas. Perguntas frequentes: 1) Quais os dias de prova do Vestibular Univale 2016? Você pode escolher qual o melhor dia para fazer as provas do Vestibular Univale 2016. 28 de novembro de 2015 (sábado), das 15

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2015 EDITAL

PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2015 EDITAL U N I V E R S I D A D E D E P A S S O F U N D O V i c e - R e i t o r i a d e G r a d u a ç ã o S e c r e t a r i a G e r a l d o s C u r s o s Campus I Rodovia BR 285 Km 292,7 - Bairro São José CEP 99052-900

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX

BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX ESTAR NA VANGUARDA É ESTAR À FRENTE. É APONTAR OS CAMINHOS E SER REFERÊNCIA. O Izabela Hendrix representa a vanguarda na educação, com ações pioneiras que começaram há mais

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

1.3 - A mantenedora aderiu ao Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior - Proies?

1.3 - A mantenedora aderiu ao Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior - Proies? Ministério da Educação MEC Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Dipes Programa Universidade para Todos Prouni Termo Aditivo 2º Semestre de 2015 ProUni 1

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE DE FORTALEZA FAFOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO ANUAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA

FACULDADE DE FORTALEZA FAFOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO ANUAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA FACULDADE DE FORTALEZA FAFOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO ANUAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA 2014 1 1 APRESENTAÇÃO Este relatório descreve as atividades e resultados obtidos com as ações

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

ProUni. Page 1 of 6. http://prouni.mec.gov.br/prouni2006/relatorios/2aviatermo/impressao_1_07.asp

ProUni. Page 1 of 6. http://prouni.mec.gov.br/prouni2006/relatorios/2aviatermo/impressao_1_07.asp Page 1 of 6 Ministério da Educação MEC Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Dipes Programa Universidade para Todos Prouni Termo Aditivo 2º Semestre de 2013

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

ProUni. Página 1 de 6. http://prouni.mec.gov.br/prouni2006/assinatura/adesao_aditivo/termo_assinado.asp?c...

ProUni. Página 1 de 6. http://prouni.mec.gov.br/prouni2006/assinatura/adesao_aditivo/termo_assinado.asp?c... Página 1 de 6 MEC Ministério da Educação Termo Aditivo 2º Semestre ProUni 1 Dados Cadastrais da Mantenedora 1.1 Informações da Mantenedora 1.1.1 Mantenedora: ASSOCIACAO VALE IPOJUCA DE EDUCACAO, CIENCIA

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Curso de Graduação em Administração

Curso de Graduação em Administração Curso de Graduação em Administração O curso de Administração da ESPM forma excelentes profissionais há mais de uma década. Iniciado em 1990, formou sua primeira turma em 1994, quando o curso tinha cinco

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Autorizada pela Portaria MEC nº 194/98 de 06.03.98 DOU 46-E de 10.03.1998

Autorizada pela Portaria MEC nº 194/98 de 06.03.98 DOU 46-E de 10.03.1998 1 INSTITUCIONAL 1.1 Mantenedora Instituto Educacional do Estado de São Paulo - IESP Endereço: Rua Pernambuco, 17-05 Centro - Presidente Epitácio - CEP 19470-000 Fone: (18) 3281-9600 Presidente Epitácio

Leia mais

1.2. Quais são as condições do financiamento para novos contratos?

1.2. Quais são as condições do financiamento para novos contratos? Tire suas dúvidas 1. CONHECENDO O FIES 1.1. O que é o Fies? O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), criado pela Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, é o programa do Ministério da Educação que financia

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCLUSÃO SOCIAL VESTIBULAR 2009/2 CACOAL/RO 2009 INTRODUÇÃO Sabendo de seu compromisso social, a Facimed criou o Programa de Inclusão

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

ProUni. Page 1 of 6. http://prouni.mec.gov.br/prouni2006/assinatura/adesao_aditivo/termo_assinado.asp?c...

ProUni. Page 1 of 6. http://prouni.mec.gov.br/prouni2006/assinatura/adesao_aditivo/termo_assinado.asp?c... Page 1 of 6 MEC Ministério da Educação Termo Aditivo 1º Semestre ProUni 1 Dados Cadastrais da Mantenedora 1.1 Informações da Mantenedora 1.1.1 Mantenedora: INSTITUIÇÃO EVANGÉLICA DE NOVO HAMBURGO 1.1.2

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº DE 2013. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº DE 2013 (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Institui a Universidade Federal do Oeste Paulista UFOESP e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Institui a Universidade Federal do

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem?

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem? FIES + P ROUNI A UNA, uma Instituição que faz diferença no tempo e no espaço que está inserida, que participa da comunidade e sabe da sua importância na formação de profissionais e de cidadãos, oferece

Leia mais

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA - FECEA MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO:

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR - DEPES COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes Bolsas de estudo A - Programa de Capacitação do PROFESSOR/AUXILIAR Todo PROFESSOR/AUXILIAR tem direito a bolsa de estudo integral, incluindo matrícula, em cursos de graduação, sequenciais e pós-graduação

Leia mais

ASSITÊNCIA ESTUDANTIL

ASSITÊNCIA ESTUDANTIL ASSITÊNCIA ESTUDANTIL Apoio ao Acadêmico A Assistência Estudantil da FAMEC tem a missão de apoiar o acadêmico na busca de soluções e oportunidades que contribuam para sua permanência na faculdade e conclusão

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios,

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. EDINHO ARAÚJO) Dispõe sobre a criação da Universidade Federal do Noroeste Paulista - UFNP, no Estado de São Paulo e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

CONVÊNIOS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO

CONVÊNIOS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVÊNIOS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO A Imediata Consultoria e Serviços LTDA possui convênios com instituições de ensino no âmbito de divulgação de vagas de estágio e de percentual de bolsas de estudos.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 6 O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO... 6 1. INSTITUCIONAL... 8 1.1. MANTENEDORA... 8 1.1.1. Diretoria... 8 1.1.2. Missão e Finalidades...

APRESENTAÇÃO... 6 O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO... 6 1. INSTITUCIONAL... 8 1.1. MANTENEDORA... 8 1.1.1. Diretoria... 8 1.1.2. Missão e Finalidades... 4 APRESENTAÇÃO... 6 O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO... 6 1. INSTITUCIONAL... 8 1.1. MANTENEDORA... 8 1.1.1. Diretoria... 8 1.1.2. Missão e Finalidades... 8 1.1.3. Mantida... 9 1.2. DADOS HISTÓRICOS... 9 1.2.1.

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Plano de Fidelidade e Incentivo à Inclusão no Ensino Superior - UNIESP100 REGULAMENTO

Plano de Fidelidade e Incentivo à Inclusão no Ensino Superior - UNIESP100 REGULAMENTO Plano de Fidelidade e Incentivo à Inclusão no Ensino Superior - UNIESP100 REGULAMENTO O GRUPO EDUCACIONAL UNIESP ( Uniesp ) composto pelas Mantenedoras de todas as suas Instituições de Ensino Superior

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegíveis

1. Objetivo. 2. Elegíveis 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa integral de estudo aos candidatos aprovados com os melhores desempenhos dos cursos presenciais de Graduação Bacharelado

Leia mais

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA 2.1 PROGRAMA BOLSA ESCOLA DA FAMILIA (*) As Faculdades da UNIESP, em parceria com o Governo do Estado de São

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 FACULDADE MAURICIO DE NASSAU DE BELÉM MANTIDA PELO GRUPO SER EDUCACIONAL CREDENCIAMENTO: PORTARIA Nº 571, DE 13 DE MAIO DE, DOU 16 DE MAIO DE SEÇÃO I EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 O Diretor da Faculdade

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA Credenciada pelo Decreto Federal nº 78709, de 10/11/1976, DOU DE 11/11/1976

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA Credenciada pelo Decreto Federal nº 78709, de 10/11/1976, DOU DE 11/11/1976 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA Credenciada pelo Decreto Federal nº 78709, de 10/11/1976, DOU DE 11/11/1976 EDITAL 2011 PROCESSO SELETIVO ISECC 2011 2º SEMESTRE 2 O Presidente da Fundação Educacional

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - ampliar o acesso da população carente a cursos de graduação;

PROJETO DE LEI. I - ampliar o acesso da população carente a cursos de graduação; PROJETO DE LEI Cria o Programa de Apoio ao Estudante do Ensino Superior - PAE e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Programa de Apoio ao Estudante do Ensino

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais