CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CEAF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CEAF"

Transcrição

1 CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CEAF Pesquisa e texto: Memorial/MPES Equipe: Sabrina Coelho Machado Fajardo (Promotora de Justiça/Coordenadora), Paulo José da Silva e Simone da Silva Ávila (Agentes de Apoio Administrativo), Jéssica Santos Caron e Marília Pioli Storch (Estagiárias de História). Vitória (ES), fevereiro de O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional CEAF é um órgão de assessoramento do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MP-ES) e tem a finalidade de promover o aprimoramento profissional e cultural dos ocupantes das carreiras administrativas e membros da Instituição, visando à melhoria da qualidade e da produtividade dos serviços prestados. Esse Centro aparece no artigo 35 da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público (Lei nº 8.625, de 12 de fevereiro de 1993), que dispõe sobre as normas de organização dos Ministérios Públicos dos Estados. Art. 35. O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional é órgão auxiliar do Ministério Público destinado a realizar cursos, seminários, congressos, simpósios, pesquisas, atividades, estudos e publicações visando ao aprimoramento profissional e cultural dos membros da instituição, de seus auxiliares e funcionários, bem como a melhor execução de seus serviços e racionalização de seus recursos materiais. Parágrafo único. A Lei Orgânica estabelecerá a organização, funcionamento e demais atribuições do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional. No entanto, segundo o Procurador de Justiça aposentado Ronald de Souza, no MP-ES o CEAF foi idealizado por ele na época em que era Promotor de Justiça com atribuições na Corregedoria-Geral. Essa iniciativa teve o apoio do Procurador-Geral de Justiça Welington da Costa Citty, do Procurador de Justiça Luiz Carlos Nunes, assim como do Conselho Superior do Ministério Público. A Resolução nº 06, de 13 de maio de 1992, criou o órgão e definiu que sua função primordial era preparar os membros e servidores do Ministério Público para o exercício de suas atribuições. Ronald de Souza relata que inicialmente administrava o CEAF com a ajuda dos estagiários da Corregedoria-Geral. As primeiras conferências para os membros

2 foram realizadas no auditório da Escelsa 1 e tiveram como palestrantes os então Promotores de Justiça José Marçal de Ataíde Assi e Sylvio Bulcão Aceti, dentre outros. A partir de 1995, tomou-se a decisão de alugar salas no Edifício Heitor Lugon, situado ao lado da então sede da Procuradoria-Geral de Justiça, na Cidade Alta. Também nesse ano foi aprovado o primeiro Regimento Interno do CEAF/MPES, que entrou em vigor em 1º de dezembro, seguindo as normas do Estatuto do Ministério Público Estadual, Lei nº 3.634/84. A Resolução nº 06/92, em seu artigo 2º, definiu que o CEAF teria um Conselho Deliberativo com mandato de um biênio. Eram membros natos do Conselho o Procurador-Geral de Justiça, o Corregedor-Geral e o presidente da Associação Espírito-Santense do Ministério Público (AESMP). Completavam o Conselho dois membros do Colégio de Procuradores eleitos pelos seus pares e dois Promotores de Justiça escolhidos pelo Colégio de Procuradores dentre os integrantes de lista sêxtupla elaborada pela AESMP. Essa composição, referendada no artigo 41 da Lei Complementar Estadual nº 95/97, foi alterada pela Resolução nº 14/98, quando a escolha dos promotores passou a ser feita por meio de eleição do Colégio de Procuradores. Outra modificação no Conselho do CEAF foi a inclusão do gerente-geral pela Lei nº 565/2010. O primeiro Conselho do CEAF definido para o período 1996/1997 contava com o Procurador-Geral de Justiça Elcy de Souza, como presidente; Sérgio Luiz Teixeira Gama, Corregedor-Geral; Miriam Silveira e Itajacy Andrade Dornellas, Procuradoras de Justiça; José Maria Rodrigues de Oliveira Filho, presidente da AESMP; e Patrícia Calmon Rangel e Cláudio Lemos, Promotores de Justiça. O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional tem um dirigente, membro do parquet, nomeado pelo Procurador-Geral de Justiça. Ronald de Souza 1 A Escelsa (Espírito Santo Centrais Elétricas S/A) foi privatizada em 1995.

3 esteve à frente do CEAF em dois momentos: quando da sua organização, maio de 1992 a setembro de 1995, e de setembro de 2002 a abril de Também foram dirigentes desse Centro os Promotores de Justiça Nícia Regina Sampaio (set./1995 a 02/08/96; fev./1997 a abr./1998; fev./2001 a set./2002; maio/2004 a out./2004; maio/2012 a jun./2013), Gilberto Morelli Lima (jul./1996 a dez./1996 interino, em substituição à doutora Nícia em licença maternidade e em férias ; maio/2006 a maio/2008), Saint Clair Luiz do Nascimento Junior (maio/98 a abr./2000), os Procuradores de Justiça José Cláudio Rodrigues Pimenta (maio/2000 a jan.2001) e Sérgio Dário Machado (out/2004 a maio/2005, maio/2008 a maio/2012). A partir de 3 de julho de 2013, assumiu a direção do CEAF a Promotora de Justiça Sabrina Coelho Machado Fajardo. Em 2002, por meio da Resolução nº 003, de 28 de fevereiro, a Procuradoria- Geral de Justiça decidiu integrar a Biblioteca Elias Faissal à estrutura organizacional do CEAF. Essa iniciativa levou em consideração a necessidade de dinamizar e tornar célere a informatização do acervo, adequar suas instalações face ao grande fluxo de consultas e pesquisas formuladas pelos membros e dar mais qualidade e excelência no atendimento das necessidades de informação dos integrantes do Ministério Público. Está em fase de discussão junto à administração superior uma reformulação do CEAF visando à criação de uma Gerência de Informação e Conhecimento que irá englobar a Biblioteca, o Memorial, que desde outubro de 2012 passou a funcionar junto a esse Centro, e um Núcleo de Estudos Jurídicos, a ser criado. Essa seria a quarta gerência do CEAF, atualmente composto pelas Gerências Administrativa; Cursos e Eventos; Estudos, Pesquisas e Documentação. A primeira tem a competência de assessorar o dirigente, prestar todo o suporte técnico-administrativo às demais gerências e executar as atividades administrativas necessárias ao bom funcionamento do Centro. À Gerência de Estudos, Pesquisas e Documentação compete realizar estudos, pesquisas, elaborar documentos técnicos e prestar orientação didática e

4 pedagógica às atividades educacionais. O trabalho desenvolvido por essa gerência tem como objetivo dar suporte às atividades desenvolvidas pelas Promotorias de Justiça, Centros de Apoio e Grupos Especiais. Merece destaque nessa Gerência o projeto Ação do MPES nos Municípios Produtores de Petróleo e Gás, cuja finalidade é contribuir com a divulgação de conhecimentos de cunho formativo e informativo acerca dos royalties provenientes da atividade extrativista de petróleo e gás, com o intuito de facilitar e incentivar a população na direção do controle social de seu uso em nosso Estado 2. Os dados coletados durante esse Projeto foram analisados e serão divulgados na Coleção do Avesso ao Direito volume IX. Os oito volumes anteriores apresentam as pesquisas referentes à Saúde (vol.i), Educação (vol.ii), Pessoa Idosa e Pessoa Portadora de Deficiência (vol. III), Terceiro Setor (vol. IV), Terceiro Setor: diagnóstico situacional (vol. V), Improbidade Administrativa (vol. VI), Resgate da Cidadania: prevenção e repressão à criminalidade (vol. VII), Diagnóstico Situacional das Ações de Improbidade Administrativa (vol. VIII). Quanto à Gerência de Cursos e Eventos, sua finalidade é promover o aprimoramento profissional e cultural dos ocupantes das carreiras administrativas e do Ministério Público. Cabe a ela planejar, organizar e executar toda a programação de treinamento, cursos e eventos de capacitação e culturais. Um importante meio de capacitação tem sido as pós-graduações voltadas para membros e servidores do MP-ES. Já foram ofertadas especializações em Direito Penal e Processo Penal, Direito Civil e Processo Civil, Direito de Estado, Administração Pública, Direitos Difusos e Coletivos, Direito Urbano e Ambiental. No ano de 2013, tiveram início mais duas pós-graduações por meio de contrato firmado com a Fundação Escola Superior do Estado do Rio Grande do Sul 2 Petróleo e gás. Disponível em: Acesso em 23 jan

5 (FMP/MP-RS): Gestão Pública e Direito Penal e Processual Penal. Foram disponibilizadas trinta vagas, por curso, para membros e servidores do MP-ES. A instituição arca com o pagamento de 70% do valor e o aluno com o restante. A especialização em Gestão Pública surgiu da necessidade de otimização da eficiência da administração, de um lado, e a ampliação do controle interno e externo e dos instrumentos de responsabilização dos gestores, de outro. O curso de 360 horas teve início no dia 15 de março de 2013 e o término está previsto para meados de Matricularam-se 29 alunos, entre membros e servidores do MP-ES. O curso de especialização em Direito Penal surgiu da necessidade de uma continuada formação jurídica, técnica e reflexiva, que propiciasse ao profissional do Direito o acompanhamento da evolução do pensamento penal e processual penal, capacitando-o para o enfrentamento dos problemas comunitários relativos ao fenômeno da criminalidade, principalmente pela via do contato com a experiência comparada e pela via do debate ideologicamente aberto, desde que tolerado pelo paradigma do Estado Democrático e Constitucional de Direito. As aulas tiveram início no dia 22 de março de 2013 e o término será em Matricularam-se 24 alunos, entre membros e servidores do MP-ES. Atualmente o CEAF está sediado no 4º andar do Complexo Administrativo Annina Lícia de Amorim Rubim Grégio, anexo à Procuradoria-Geral de Justiça. Além das salas das gerências, da dirigente e do Memorial, há a Biblioteca e uma sala de capacitação com capacidade para quarenta pessoas.

6 TABELA 1: CURSOS, TREINAMENTOS E EVENTOS REALIZADOS PELO CEAF ANO TREINAMENTOS, TREINADOS/ CURSOS E EVENTOS PARTICIPANTES DESTAQUES Treinamento Gerencial Básico; Seminário de Planejamento Estratégico do MP Fase I Curso de Direito Ambiental (120h) Encontro pela Justiça na Educação (30h) realizado no município de Domingos Martins, com 226 participantes, entre Promotores de Justiça e juízes na área da educação Dois cursos de pós-graduação: Especialização em Direito Penal e Processo Penal (360h) e em Direito Civil e Processo Civil (384h); I Encontro dos Ministérios Públicos (21h) Curso Básico para Capacitação de Servidores (164h). Três cursos de pós-graduação: Especialização em Direito de Estado (360h), Administração Pública (360h) e Direitos Difusos e Coletivos (360h) Dois cursos de pós-graduação: Especialização em Administração Pública (360h) e em Direitos Difusos e Coletivos (360h); Curso Básico para Capacitação de Servidores (164h); II Curso de adaptação de ingresso na Carreira do MP (58h); Relações interpessoais e qualidade no atendimento (15h) Seminário Terceiro Setor: Fundações e Entidades de Interesse Social (8h) com 559 participantes (membros do MP Federal, Estadual e do Trabalho; assessores e servidores do MP-ES; técnicos do TJES, TCES e ALES, entre outros) Curso de Capacitação para atuar na prevenção da Violência contra Pessoa Idosa; Curso de adaptação de ingresso na Carreira do MP; Encontros Regionais : Ação do Ministério Público nos municípios.

7 ANO TREINAMENTOS, CURSOS E EVENTOS TREINADOS/ PARTICIPANTES Elaborada pelos autores a partir dos relatórios anuais do Ceaf. DESTAQUES Encontros Regionais: Ação do Ministério Público nos municípios; Curso de adaptação de ingresso na Carreira do MP; VII Encontro Estadual do Ministério Público Capixaba. Seminário "Defesa Comunitária, Infância, e Juventude, Saúde e Educação" com duração de 4 dias e com 501 inscritos; Encontros Regionais : Ação do Ministério Público nos municípios. Treinamento introdutório para novos servidores administrativos; Evento referente à Lei Maria da Penha, com 196 participantes, entre membros do MP, do TJ, Defensoria Pública, das Polícias Civil e Militar. 9º Congresso Nacional do Ministério Público do Consumidor, com 365 participantes, entre membros do MP, representantes do Procon e demais interessados na temática. Curso de capacitação aos municípios para a Implementação da Regularização Fundiária, com 182 participantes. Workshop Medicina Legal, Criminalística e Balística Forense; Curso Especialização em Direito Ambiental e Urbano (360h) Destaque aos cursos de Combate à Lavagem de Dinheiro e de Capacitação na Persecução Penal do Crime de Homicídio, com 103 e 107 participantes, respectivamente Início dos cursos de Especialização em Direito Penal e Administração Pública.

8 DIRIGENTES DO CEAF Ronald de Souza Maio/1992 a set./ /09/1995 a 02/08/96 Empossada no cargo de diretora do CEAF, conforme ata da primeira reunião da Gestão Biênio 1995/1996 de 15/09/1995. Gilberto Morelli Lima Ago/1996 a dez/1996 e jan/1997 Assumiu interinamente a direção do CEAF em substituição à doutora Nícia em licença maternidade e férias. Fev/1997 a abr/1998 Saint Clair Luiz do Nascimento Junior Maio/1998 a abr/2000 José Cláudio Rodrigues Pimenta Maio/2000 a jan/ /02/2001 a 16/09/2002 Nomeada conforme Ato nº 13, de 25 de janeiro de 2001, publicado no DIOES de 26 de janeiro de 2001.

9 Ronald de Souza Set./2002 a abr./2004 Nomeado conforme Ato nº 604, de 13 de setembro de 2002, publicado no DIOES de 17 de setembro de /05/2004 a 25/10/2004 Nomeada interinamente, conforme Ato nº 802, de 12 de maio de 2004, publicado no DIOES de 13 de maio de A Promotora de Justiça Patrícia Calmon Rangel assume durante o período de férias de (02/07/ /07/2004), conforme Portaria 439, de 1º de julho de Sérgio Dário Machado 25/10/2004 a 02/05/2006 Nomeado conforme Ato nº 1.018, de 25 de outubro de 2004, publicado no DIOES de 29 de outubro de Gilberto Morelli Lima 10/05/2006 a 14/05/2008 Nomeado conforme Ato nº 436, de 09 de maio de 2006, publicado no DIOES de 10 de maio de Sérgio Dário Machado 15/05/2008 a 10/05/2012 Nomeado conforme Portaria nº 1.441, de 14 de maio de 2008, publicada no DIOES de 15 de maio de Assumiu o segundo mandato (12/05/ /04/2012), conforme Portaria nº 1.581, de 11 de maio de 2010, publicada no DIOES de 12 de maio de Nomeado para responder interinamente como dirigente do CEAF para o período 02/05/ /05/ /05/2012 a 03/07/2013 Nomeada conforme Portaria nº 2.258, de 9 de maio de Sabrina Coelho Machado 03/07/2013 Nomeada dirigente do CEAF a partir de 03/07/2013.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

E-mail: pgj@mp.ba.gov.br. E-mail: colegio@mp.ba.gov.br. E-mail: conselho@mp.ba.gov.br. E-mail: corregedoria@mp.ba.gov.br

E-mail: pgj@mp.ba.gov.br. E-mail: colegio@mp.ba.gov.br. E-mail: conselho@mp.ba.gov.br. E-mail: corregedoria@mp.ba.gov.br PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA 33 PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA Gabinete - prédio sede principal do MP - s/302........................... 3103-6581/6583 Secretária - s/301......................................................

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REGIMENTO INTERNO A Comissão Institucional de Gestão Ambiental CIGA, do Ministério Público

Leia mais

PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 Projeto Educacional Público-alvo 1º sem. 2º sem. Local Objetivo Estratégico Projeto Estratégico 40 40 POA

PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 Projeto Educacional Público-alvo 1º sem. 2º sem. Local Objetivo Estratégico Projeto Estratégico 40 40 POA 1 Direito 2 Atuação Ministerial Peças Processuais Atualização em Processo Civil Atualização em Direito Penal e Processual Penal Capacitação de Curadores de Fundações Capacitação Lei Maria da Penha Seminário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 16/2014 Cria o Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Economia Solidária e Educação Popular NUPLAR,

Leia mais

JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 PROTOCOLO DE INTENÇÕES

JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 PROTOCOLO DE INTENÇÕES JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 PROTOCOLO DE INTENÇÕES A 3ª Vara do Juizado Regional da Infância e da Juventude de Porto Alegre, a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul AJURIS, o Conselho Municipal dos Direitos

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. Aprova o Regulamento do Programa Casulo Sócio-Tecnológico de Apoio e Desenvolvimento em Gestão Social, Inovação e sustentabilidade. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO.

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. Fixa normas de capacitação para o pessoal técnicoadministrativo. A CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2013

Plano Anual de Educação Institucional 2013 Plano Anual de Educação Institucional 2013 Sumário Apresentação Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2013 Programa Direito Programa Atuação Ministerial Programa

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA 1 Conteúdo SUMÁRIO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E INSTITUCIONAIS... 2 II DO OBJETIVO E DOS REQUISITOS... 2 III DA COMPOSIÇÃO E INSTALAÇÕES DO NPJ... 3 IV DAS FINALIDADES DO NPJ... 4 V DA COORDENAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

Processo nº 7.675-9/2013

Processo nº 7.675-9/2013 Processo nº 7.675-9/2013 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto Institui e regulamenta o Comitê Gestor Interno do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - Gespública

Leia mais

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público José Roberto Porto de Andrade Júnior joserobertopajr@hotmail.com joseporto@mpsp.mp.br Assessor da Diretoria

Leia mais

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF COORDENADORIA-GERAL DO SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Nome do Centro Judiciário /CJI Período 1 º de janeiro a 30 de junho/2013 Estrutura de Pessoal Servidores efetivos do TJDFT * Em tramitação pela SUGIP:

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

EDIFÍCIO-SEDE DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETES DE PROCURADORES DE JUSTIÇA

EDIFÍCIO-SEDE DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETES DE PROCURADORES DE JUSTIÇA MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA TELEFONES E ENDEREÇOS DA SEDE E ANEXOS EDIFÍCIO-SEDE DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA (Av. Dom Pedro II, s/n Centro João Pessoa/PB CEP: 58.013-030)

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA A V I S O Nº 032/2010 PGJ. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, nos termos do artigo 22, inciso IV, da Lei Complementar Estadual nº 141/96, e tendo em vista o que consta no artigo

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007.

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Altera na integra o texto da Lei nº. 334/2002, de 20 de Dezembro de 2002, que cria o Conselho Municipal de Educação e da outras providencias. Faço saber

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 01/2012

RESOLUÇÃO N. 01/2012 RESOLUÇÃO N. 01/2012 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO PARA FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS MEMBROS INGRESSANTES NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS DECORRENTE DO 56 CONCURSO SENDO CONSTITUÍDO

Leia mais

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão ANEXO I Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão 1. SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS INSTITUCIONAIS 1.1 Atividades Institucionais

Leia mais

JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21

JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 TERMO DE COOPERAÇÃO Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul AJURIS,Escritório Antena da UNESCO no Rio Grande do Sul / Programa Criança Esperança, Poder Judiciário do Estado

Leia mais

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015.

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. A Presidente do no uso de suas atribuições legais e regulamentadas pela Lei Nº 2.750 de 31 de Dezembro publica as normas para o processo eleitoral das entidades

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9 PROGRAMA EDUCACIONAL DIREITO 9 Atualização em Direito

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel ATA DE REUNIÃO Evento: Local: 2ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel Data: 20 de fevereiro de 2013 Horário: 15h00min Nesta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL,

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Especialização: Direito Penal Ênfase: Segurança Pública PÓS-GRADUAÇÃO 2012 A FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Instituição de Ensino Superior, aprovada pelo Decreto Estadual n. 73.815,

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Associação de Apoio à Trissomia 21

Associação de Apoio à Trissomia 21 I- Instituição Promotora NOME: AMAR 21 Associação de Apoio à Trissomia 21 MORADA: Rua Tomé de Sousa, nº 19 Edifício Leal, Apt 403 4750-217Arcozelo Barcelos DISTRITO: Braga CONTATOS: 933852811 TIPO DE INSTITUIÇÃO:

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq CAPÍTULO I DA SEDE E FORO Artigo 1º - O CENTRO DE ENSINO E PESQUISA CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO com sede e foro na cidade de São Paulo, à Avenida João Dias, 2046

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 021/2014

ATO NORMATIVO Nº 021/2014 ATO NORMATIVO Nº 021/2014 Altera o Ato Normativo nº 003/2011 que regulamenta a Lei nº 8.966/2003, com alterações decorrentes das Leis n os 10.703/2007, 11.171/2008 e 12.607/2012 que dispõem sobre o Plano

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

PLANEJAMENTO CEAF 2008

PLANEJAMENTO CEAF 2008 PLANEJAMENTO CEAF 2008 O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional- CEAF é o órgão responsável pela educação no Ministério Público. Através de projetos educacionais, o CEAF aperfeiçoa a atuação de

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

Organização administrativa. Estrutura organizacional. A UniBacen tem a seguinte estrutura organizacional:

Organização administrativa. Estrutura organizacional. A UniBacen tem a seguinte estrutura organizacional: Organização administrativa Estrutura organizacional A UniBacen tem a seguinte estrutura organizacional: I órgãos de assistência direta e imediata à Chefia: a) Escritório de Projetos (Espro) b) Coordenação

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre a criação, a organização e as atribuições da Ouvidoria do Ministério Público Federal. O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

CONSU. Conselho Universitário CONSEPE UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão.

CONSU. Conselho Universitário CONSEPE UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão. CONSU Conselho Universitário CONSEPE Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Boletim Primeiras reuniões de 2014 #1 CONSU aprova criação de Pró-Reitoria, Secretarias

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO CONSELHO SUPERIOR Anexo Único à Resolução nº 008/2014, de 11 de dezembro de 2014, do Conselho Superior (CONSUP) REGULAMENTO DO ESTÁGIO

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral TIControle Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal Doris Peixoto Diretora Geral 11/04/2012 Tópicos para nossa conversa de hoje A migração da Governança de TI para o nível corporativo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU Estabelece objetivos e dimensões da avaliação institucional, cria a Comissão Central Permanente de Avaliação Institucional da Unioeste e as Comissões Setoriais de Avaliação nos

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC Regimento Interno CAPÍTULO I - Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Art. 1º. O CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o RESOLUÇÃO *Nº 005/2008 Resolução publicada no DOE de 13/08/2008. *Errata, correção de numeração, no Doe de 14.10.08. Aprovada pela Lei Complementar nº 565 de 21 de julho de 2010, publicada no DOE de 22

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Enfermagem Anna Nery Departamento de Enfermagem Fundamental NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO,

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2015

Plano Anual de Educação Institucional 2015 Plano Anual de Educação Institucional 2015 Sumário Apresentação Projetos Estratégicos do CEAF em 2015 Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2015 Programa Direito

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

LEI Nº 5 649. Art. 2º A Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo tem as seguintes atribuições:

LEI Nº 5 649. Art. 2º A Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo tem as seguintes atribuições: LEI Nº 5 649 Cria a Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS

EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS - PÓS-GRADUAÇÃO EDEPE EM PARCERIA COM A FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV Direito SP Especialização Lato Sensu DIREITOS HUMANOS E ACESSO À JUSTIÇA 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES IRATI 2005 RESUMO Dentro do Programa Ética e Cidadania Ensino Médio Construindo Valores na Escola, o Projeto

Leia mais

EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE

EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 015/07-CONSU/UNIFAP de 28 de agosto de 2007. EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa É um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO SETORIAL DE AÇÃO - 2012 PROCURADORIAS E PROMOTORIAS DE JUSTIÇA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO SETORIAL DE AÇÃO - 2012 PROCURADORIAS E PROMOTORIAS DE JUSTIÇA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO SETORIAL DE AÇÃO - 202 PROCURADORIAS E PROMOTORIAS DE JUSTIÇA SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS DE PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL SUBPLAN DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI TITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições do Núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais