Laboratório de Geotecnia. Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório de Geotecnia. Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA"

Transcrição

1 Laboratório de Geotecnia Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Relatório LABGEO - 22

2 Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Relatório LABGEO - Out/22

3 Ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA SUMÁRIO O Laboratório de Geotecnia do Instituto Superior Técnico a pedido da LECA PORTUGAL, Argilas Expandidas, S.A. apresenta os resultados dos ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA com granulometria 2/2 e 1/2. Laboratório de Geotecnia do IST 1

4 Ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA Índice Texto pág. 1. Introdução Resumo dos resultados... 4 Anexo 1. Ensaios de identificação Ensaios de compactação Ensaios CBR Laboratório de Geotecnia do IST 2

5 Ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA 1. INTRODUÇÃO O Laboratório de Geotecnia do Instituto Superior Técnico a pedido da LECA PORTUGAL, Argilas Expandidas, S.A. realizou um conjunto de ensaios laboratoriais para a caracterização do agregado leve LECA com duas granulometrias: o material 2/2 e o material 1/2. O programa proposto contempla a realização dos ensaios seguintes: densidade das partículas por diferentes métodos de ensaio; compactação com 3 energias (granulometria após ensaio); compactação com martelo vibrador (granulometria após ensaio); CBR imediato e com embebição; granulometria; absorção de água; fragmentabilidade; índice de vazios máximo (ou massa volúmica seca mínima); compressão uniaxial com teor em água natural*; compressão uniaxial com material saturado (granulometria após ensaio)*; triaxial de compressão (granulometria após ensaio)*. O programa de ensaios foi ajustado ao longo do desenvolvimento dos estudos face aos resultados obtidos nos ensaios de identificação e de compactação. Verificou-se, efectivamente, que os materiais 2/2 e 1/2 depois de compactados exibem uma granulometria muito semelhante, pelo que se considerou ajustado manter os ensaios de caracterização mecânica apenas para o material 1/2. Além disso, verificou-se uma alteração significativa da granulometria para a energia de compactação pesada (percentagem de finos após compactação superior a 2%). Deste modo, julgou-se adequado anular os ensaios de compactação com martelo vibrador. Os ensaios de caracterização mecânica assinalados com o símbolo * são realizados no Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Laboratório de Geotecnia do IST 3

6 Ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA 2. RESUMO DOS RESULTADOS O Quadro 1 resume os resultados dos ensaios de identificação e de compactação realizados sobre os materiais 2/2 e 1/2, de acordo com as especificações E e E do LNEC. A percentagem de finos (material que passa no peneiro #2) após compactação permite identificar a fragmentabilidade dos materiais ensaiados, tendo-se obtido valores de cerca de 7%, 17% e 22%, para as energias de compactação leve, intermédia e pesada, respectivamente. Os ensaios mostraram que o teor em água tem pouca influência na compactação e o material apresenta maior massa volúmica seca quando compactado no seu estado natural (sem adição de água). Quadro1 - Resultados dos ensaios de identificação e de compactação Material Energia de compactação Material seco ao ar Material húmido γ h (g/cm 3 ) w(%) γ d (g/cm 3 ) % finos Leca (2/2) Leve Leca (2/2) Leve Leca (2/2) Intermédia Leca (2/2) Intermédia Leca (2/2) Pesada Leca (2/2) Pesada Leca (1/2) Leve Leca (1/2) Leve Leca (1/2) Intermédia Leca (1/2) Intermédia Leca (1/2) Pesada Leca (1/2) Pesada Leca (1/2) Pesada a) compactação leve - 3 camadas - 55 pancadas/camada - pilão leve b) compactação intermédia - 3 camadas - 55 pancadas/camada - pilão pesado c) compactação pesada - 5 camadas - 55 pancadas/camada - pilão pesado γ h - massa volúmica húmida γ d - massa volúmica seca w - teor em água Laboratório de Geotecnia do IST 4

7 Ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA O Quadro 2 apresenta os resultados de alguns índices físicos com interesse para a caracterização do agregado leve. Quadro 2 - Índices físicos (Material 1/2) Ensaio Resultado Densidade das partículas (NP-83).56 Massa volúmica das partículas secas (NP-581).46 g/cm 3 Absorção de água (NP-581) 38% Massa volúmica seca mínima (ASTM D ).26 g/cm 3 O Quadro 3 apresenta o resumo dos resultados dos ensaios CBR realizados sobre o material 1/2, de acordo com a especificação E do LNEC. Os valores indicados correspondem às forças corrigidas tendo em conta a concavidade das curvas força-penetração. Quadro 3 - Ensaios CBR (Material 1/2) Ensaio CBR - imediato CBR - Após embebição 2.5mm 5.mm 2.5mm 5.mm Energia de compactação leve 2% 18% 16% 16% Energia de compactação intermédia 34% 28% 37% 32% Energia de compactação pesada 55% 46% 53% 45% Laboratório de Geotecnia do IST 5

8 Ensaios laboratoriais de caracterização do agregado leve LECA Laboratório de Geotecnia do IST 6

9 ANEXO 1. ENSAIOS DE IDENTIFICAÇÃO Laboratório de Geotecnia do IST 7

10 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA AMOSTRA: LECA (1/2), amostra seca ao ar livre Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar PENEIROS MASSA RETIDA (g) % RETIDA Nx= ( / ma) N''1 Data mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = LNEC - E N''x= N''x=1 - % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 8

11 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA Data AMOSTRA: LECA (1/2), compactação leve, amostra seca ao ar livre Massa total da amostra mt (g)= Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) m1 (g)= Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 9

12 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (1/2), compactação intermédia, amostra seca ao ar livre Massa total da amostra mt (g)= Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) m1 (g)= Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 1

13 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (1/2), compactação pesada, amostra seca ao ar livre Massa total da amostra mt (g)= Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) m1 (g)= Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 11

14 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA AMOSTRA: LECA (1/2), compactação leve, amostra húmida Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) Data mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 12

15 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (1/2), compactação intermédia, amostra húmida Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 13

16 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (1/2), compactação pesada, amostra húmida Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 14

17 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (2/2), compactação leve, amostra seca ao ar livre Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 15

18 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (2/2), compactação intermédia, amostra seca ao ar livre Massa total da amostra mt (g)= Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) m1 (g)= Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 16

19 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (2/2), compactação pesada, amostra seca ao ar livre Massa total da amostra mt (g)= Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) m1 (g)= Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") 9.5 (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 17

20 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA AMOSTRA: LECA (2/2), compactação leve, amostra húmida Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) Data mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 18

21 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (2/2), compactação intermédia, amostra húmida Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 19

22 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR PENEIRAÇÃO HÚMIDA DATA: AMOSTRA: LECA (2/2), compactação pesada, amostra húmida Massa total da amostra Massa retida no peneiro de 2. mm (# 1) Massa passada no peneiro de 2. mm (# 1) mt (g)= m1 (g)= m'1 (g)= LNEC - E FRACÇÃO RETIDA NO PENEIRO DE 2. mm (# 1) Nx=1 / mt 5. (2") 37.5 (3/2") 25. (1") 19. (3/4") (3/8") (# 4) (# 1) FRACÇÃO PASSADA NO PENEIRO DE 2.mm (# 1) Massa da amostra a ensaiar Nx= ( / ma) N'' ma (g)= N''1=1 (m'1/mt) = N''x= N''x= % de material acum. que passa CURVA GRANULOMÉTRICA PENEIROS /8" 3/4" 1" 3/2 "2" Diâmetro das partículas (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 2

23 ANEXO 2. ENSAIOS DE COMPACTAÇÃO Laboratório de Geotecnia do IST 21

24 ENSAIO DE COMPACTAÇÃO LNEC E-197 (1966) AMOSTRA: LECA (1/2) DATA: TIPO DE COMPACTAÇÃO: PESO DO PILÃO (kg): ALTURA DE QUEDA (mm): Nº DE CAMADAS: Leve Nº DE PANCADAS/CAMADA: 55 Pm V Pt P=Pt-Pm γh=p/v m1 m2 m3 Ws=m3-m1 Ww=m2-m3 ÁGUA MISTURADA (cm 3 ) MASSA DO MOLDE (g) VOLUME DO MOLDE (cm 3 ) M. DO MOLDE+SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) M. VOLÚMICA HÚMIDA (g/cm 3 ) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPSULA (g) M. DA CÁPS. + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) MASSA DO SOLO SECO (g) MASSA DA ÁGUA (g) seco ao ar húmido Ww/WsX1 w γd TEOR EM ÁGUA (%) TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) MASSA VOLÚMICA SECA (g/cm 3 ) Laboratório de Geotecnia do IST 22

25 ENSAIO DE COMPACTAÇÃO LNEC E-197 (1966) AMOSTRA: LECA (1/2) DATA: TIPO DE COMPACTAÇÃO: PESO DO PILÃO (kg): ALTURA DE QUEDA (mm): Nº DE CAMADAS: Intermédia Nº DE PANCADAS/CAMADA: 55 Pm V Pt P=Pt-Pm γh=p/v m1 m2 m3 Ws=m3-m1 Ww=m2-m3 ÁGUA MISTURADA (cm 3 ) MASSA DO MOLDE (g) VOLUME DO MOLDE (cm 3 ) M. DO MOLDE+SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) M. VOLÚMICA HÚMIDA (g/cm 3 ) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPSULA (g) M. DA CÁPS. + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) MASSA DO SOLO SECO (g) MASSA DA ÁGUA (g) seco ao ar húmido Ww/WsX1 w γd TEOR EM ÁGUA (%) TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) MASSA VOLÚMICA SECA (g/cm 3 ) Laboratório de Geotecnia do IST 23

26 ENSAIO DE COMPACTAÇÃO LNEC E-197 (1966) AMOSTRA: LECA (1/2) DATA: TIPO DE COMPACTAÇÃO: PESO DO PILÃO (kg): ALTURA DE QUEDA (mm): Nº DE CAMADAS: Pesada Nº DE PANCADAS/CAMADA: 55 Pm V Pt P=Pt-Pm γh=p/v m1 m2 m3 Ws=m3-m1 Ww=m2-m3 ÁGUA MISTURADA (cm 3 ) MASSA DO MOLDE (g) VOLUME DO MOLDE (cm 3 ) M. DO MOLDE+SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) M. VOLÚMICA HÚMIDA (g/cm 3 ) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPSULA (g) M. DA CÁPS. + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) MASSA DO SOLO SECO (g) MASSA DA ÁGUA (g) seco ao ar húmido húmido Ww/WsX1 w γd TEOR EM ÁGUA (%) TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) MASSA VOLÚMICA SECA (g/cm 3 ) Laboratório de Geotecnia do IST 24

27 ENSAIO DE COMPACTAÇÃO LNEC E-197 (1966) AMOSTRA: LECA (2/2) DATA: TIPO DE COMPACTAÇÃO: PESO DO PILÃO (kg): ALTURA DE QUEDA (mm): Nº DE CAMADAS: Leve Nº DE PANCADAS/CAMADA: 55 Pm V Pt P=Pt-Pm γh=p/v m1 m2 m3 Ws=m3-m1 Ww=m2-m3 ÁGUA MISTURADA (cm 3 ) MASSA DO MOLDE (g) VOLUME DO MOLDE (cm 3 ) M. DO MOLDE+SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) M. VOLÚMICA HÚMIDA (g/cm 3 ) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPSULA (g) M. DA CÁPS. + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) MASSA DO SOLO SECO (g) MASSA DA ÁGUA (g) seco ao ar húmido Ww/WsX1 w γd TEOR EM ÁGUA (%) TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) MASSA VOLÚMICA SECA (g/cm 3 ) Laboratório de Geotecnia do IST 25

28 ENSAIO DE COMPACTAÇÃO LNEC E-197 (1966) AMOSTRA: LECA (2/2) DATA: TIPO DE COMPACTAÇÃO: PESO DO PILÃO (kg): ALTURA DE QUEDA (mm): Nº DE CAMADAS: Intermédia Nº DE PANCADAS/CAMADA: 55 Pm V Pt P=Pt-Pm γh=p/v m1 m2 m3 Ws=m3-m1 Ww=m2-m3 ÁGUA MISTURADA (cm 3 ) MASSA DO MOLDE (g) VOLUME DO MOLDE (cm 3 ) M. DO MOLDE+SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) M. VOLÚMICA HÚMIDA (g/cm 3 ) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPSULA (g) M. DA CÁPS. + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) MASSA DO SOLO SECO (g) MASSA DA ÁGUA (g) seco ao ar húmido Ww/WsX1 w γd TEOR EM ÁGUA (%) TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) MASSA VOLÚMICA SECA (g/cm 3 ) Laboratório de Geotecnia do IST 26

29 ENSAIO DE COMPACTAÇÃO LNEC E-197 (1966) AMOSTRA: LECA (2/2) DATA: TIPO DE COMPACTAÇÃO: PESO DO PILÃO (kg): ALTURA DE QUEDA (mm): Nº DE CAMADAS: Pesada Nº DE PANCADAS/CAMADA: 55 Pm V Pt P=Pt-Pm γh=p/v m1 m2 m3 Ws=m3-m1 Ww=m2-m3 ÁGUA MISTURADA (cm 3 ) MASSA DO MOLDE (g) VOLUME DO MOLDE (cm 3 ) M. DO MOLDE+SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) M. VOLÚMICA HÚMIDA (g/cm 3 ) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPSULA (g) M. DA CÁPS. + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) MASSA DO SOLO SECO (g) MASSA DA ÁGUA (g) seco ao ar húmido Ww/WsX1 w γd TEOR EM ÁGUA (%) TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) MASSA VOLÚMICA SECA (g/cm 3 ) Laboratório de Geotecnia do IST 27

30 ANEXO 3. ENSAIOS CBR Laboratório de Geotecnia do IST 28

31 ENSAIO CBR (IMEDIATO) LNEC E-198 (1967) AMOSTRA: LECA (1/2), compactação leve, amostra seca ao ar livre DATA: NÚMERO DO MOLDE NÚMERO DE PACADAS / CAMADA A ÁREA DO MOLDE (cm2) H ALTURA DO SOLO NO MOLDE (cm) V = A x H VOLUME DO SOLO (cm3) Pm MASSA DO MOLDE (g) Pt MASSA DO MOLDE + SOLO HÚMIDO (g) P = Pt -Pm MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) γh = P / V BARIDADE HÚMIDA (g) NÚMERO DA CÁPSULA m1 MASSA DA CÁPS. (g) m2 MASSA DA CÁPS. + SOLO HÚM. (g) m3 MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) Ws=m3-m1 MASSA DO SOLO SECO (g) Ww=m2-m3 MASSA DA ÁGUA (g) Ww/WsX1 TEOR EM ÁGUA (%) w TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) γd= 1 γh/(1+w) BARIDADE SECA (g/cm3) COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO γdmáx γd / γdmáx BARIDADE SECA MÁXIMA (g/cm3) GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) DATA HORA EMBEBIÇÃO LEITURAS (mm) NÚMERO DO MOLDE PENE- 1 4 TRAÇÃO (mm) LEITURAS NO ANEL (div.) PENETRAÇÃO CARGAS (kg) ENSAIOU: CALCULOU: VERIFICOU: NÚMERO DO MOLDE MASSA DO MOLDE + SOLO (P't) APÓS EMBEBIÇÃO MASSA DE ÁGUA ABSORVIDA (P't - Pt) BARIDADE HÚMIDA ((P't - Pm)/V) EXPANSÃO L/H L - DIFERENÇA ENTRE AS LEITURAS INICIAL E FINAL DA EMBEBIÇÃO SOBRECARGA: g ANEL: Laboratório de Geotecnia do IST 29

32 Carga (kgf) CBR (IMEDIATO) Leca (1/2),compactação leve, amostra seca ao ar Penetração (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 3

33 ENSAIO CBR (IMEDIATO) LNEC E-198 (1967) AMOSTRA: LECA (1/2), compactação intermédia, amostra seca ao ar livre DATA: NÚMERO DO MOLDE NÚMERO DE PACADAS / CAMADA A ÁREA DO MOLDE (cm2) H ALTURA DO SOLO NO MOLDE (cm) V = A x H VOLUME DO SOLO (cm3) Pm MASSA DO MOLDE (g) Pt MASSA DO MOLDE + SOLO HÚMIDO (g) P = Pt -Pm MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) γh = P / V BARIDADE HÚMIDA (g) NÚMERO DA CÁPSULA m1 MASSA DA CÁPS. (g) m2 MASSA DA CÁPS. + SOLO HÚM. (g) m3 MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) Ws=m3-m1 MASSA DO SOLO SECO (g) Ww=m2-m3 MASSA DA ÁGUA (g) Ww/WsX1 TEOR EM ÁGUA (%) w TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) γd= 1 γh/(1+w) BARIDADE SECA (g/cm3) COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO γdmáx γd / γdmáx BARIDADE SECA MÁXIMA (g/cm3) GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) DATA HORA EMBEBIÇÃO LEITURAS (mm) NÚMERO DO MOLDE PENE- 1 4 TRAÇÃO (mm) LEITURAS NO ANEL (div.) PENETRAÇÃO CARGAS (kg) ENSAIOU: CALCULOU: VERIFICOU: NÚMERO DO MOLDE MASSA DO MOLDE + SOLO (P't) APÓS EMBEBIÇÃO MASSA DE ÁGUA ABSORVIDA (P't - Pt) BARIDADE HÚMIDA ((P't - Pm)/V) EXPANSÃO L/H L - DIFERENÇA ENTRE AS LEITURAS INICIAL E FINAL DA EMBEBIÇÃO SOBRECARGA: g ANEL: Laboratório de Geotecnia do IST 31

34 Carga (kgf) CBR (IMEDIATO) Leca (1/2),compactação intermédia, amostra seca ao ar Penetração (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 32

35 ENSAIO CBR (IMEDIATO) LNEC E-198 (1967) AMOSTRA: LECA (1/2), compactação pesada, amostra seca ao ar livre DATA: NÚMERO DO MOLDE NÚMERO DE PACADAS / CAMADA A ÁREA DO MOLDE (cm2) H ALTURA DO SOLO NO MOLDE (cm) V = A x H VOLUME DO SOLO (cm3) Pm MASSA DO MOLDE (g) Pt MASSA DO MOLDE + SOLO HÚMIDO (g) P = Pt -Pm MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) γh = P / V BARIDADE HÚMIDA (g) NÚMERO DA CÁPSULA m1 MASSA DA CÁPS. (g) m2 MASSA DA CÁPS. + SOLO HÚM. (g) m3 MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) Ws=m3-m1 MASSA DO SOLO SECO (g) Ww=m2-m3 MASSA DA ÁGUA (g) Ww/WsX1 TEOR EM ÁGUA (%) w TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) γd= 1 γh/(1+w) BARIDADE SECA (g/cm3) COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO γdmáx γd / γdmáx BARIDADE SECA MÁXIMA (g/cm3) GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) DATA HORA EMBEBIÇÃO LEITURAS (mm) NÚMERO DO MOLDE PENE- 1 4 TRAÇÃO (mm) LEITURAS NO ANEL (div.) PENETRAÇÃO CARGAS (kg) ENSAIOU: CALCULOU: VERIFICOU: NÚMERO DO MOLDE MASSA DO MOLDE + SOLO (P't) APÓS EMBEBIÇÃO MASSA DE ÁGUA ABSORVIDA (P't - Pt) BARIDADE HÚMIDA ((P't - Pm)/V) EXPANSÃO L/H L - DIFERENÇA ENTRE AS LEITURAS INICIAL E FINAL DA EMBEBIÇÃO SOBRECARGA: g ANEL: Laboratório de Geotecnia do IST 33

36 Carga (kgf) CBR (IMEDIATO) Leca (1/2),compactação pesada, amostra seca ao ar Penetração (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 34

37 ENSAIO CBR LNEC E-198 (1967) AMOSTRA: LECA (1/2), compactação leve, amostra seca ao ar livre DATA: A H V = A x H Pm Pt P = Pt -Pm γh = P / V m1 m2 m3 NÚMERO DO MOLDE NÚMERO DE PACADAS / CAMADA ÁREA DO MOLDE (cm2) ALTURA DO SOLO NO MOLDE (cm) VOLUME DO SOLO (cm3) MASSA DO MOLDE (g) MASSA DO MOLDE + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) BARIDADE HÚMIDA (g) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPS. (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO HÚM. (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) Ws=m3-m1 MASSA DO SOLO SECO (g) Ww=m2-m3 MASSA DA ÁGUA (g) Ww/WsX1 TEOR EM ÁGUA (%) w TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) γd= 1 γh/(1+w) BARIDADE SECA (g/cm3) COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO γdmáx γd / γdmáx BARIDADE SECA MÁXIMA (g/cm3) GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) EMBEBIÇÃO PENETRAÇÃO APÓS EMBEBIÇÃO 4 4 PENE- 4 4 DATA HORA 5-Set 1:3 5-Set 1:4 9-Set 14: LEITURAS (mm) NÚMERO DO MOLDE TRAÇÃO (mm) LEITURAS NO ANEL (div.) CARGAS (kg) NÚMERO DO MOLDE MASSA DO MOLDE + SOLO (P't) MASSA DE ÁGUA ABSORVIDA (P't - Pt) BARIDADE HÚMIDA ((P't - Pm)/V) EXPANSÃO L/H L - DIFERENÇA ENTRE AS LEITURAS INICIAL E FINAL DA EMBEBIÇÃO SOBRECARGA: g ANEL: ENSAIOU: CALCULOU: VERIFICOU: Laboratório de Geotecnia do IST 35

38 Carga (kgf) CBR Leca (1/2),compactação leve, amostra seca ao ar Penetração (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 36

39 ENSAIO CBR LNEC E-198 (1967) AMOSTRA: LECA (1/2), compactação intermédia, amostra seca ao ar livre DATA: A H V = A x H Pm Pt P = Pt -Pm γh = P / V m1 m2 m3 NÚMERO DO MOLDE NÚMERO DE PACADAS / CAMADA ÁREA DO MOLDE (cm2) ALTURA DO SOLO NO MOLDE (cm) VOLUME DO SOLO (cm3) MASSA DO MOLDE (g) MASSA DO MOLDE + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) BARIDADE HÚMIDA (g) NÚMERO DA CÁPSULA MASSA DA CÁPS. (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO HÚM. (g) MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) Ws=m3-m1 MASSA DO SOLO SECO (g) Ww=m2-m3 MASSA DA ÁGUA (g) Ww/WsX1 TEOR EM ÁGUA (%) w TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) γd= 1 γh/(1+w) BARIDADE SECA (g/cm3) COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO γdmáx γd / γdmáx BARIDADE SECA MÁXIMA (g/cm3) GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) EMBEBIÇÃO PENETRAÇÃO APÓS EMBEBIÇÃO 3 3 PENE- 3 3 DATA HORA 5-Set 1:3 5-Set 1:4 9-Set 14: LEITURAS (mm) NÚMERO DO MOLDE TRAÇÃO (mm) LEITURAS NO ANEL (div.) CARGAS (kg) NÚMERO DO MOLDE MASSA DO MOLDE + SOLO (P't) MASSA DE ÁGUA ABSORVIDA (P't - Pt) BARIDADE HÚMIDA ((P't - Pm)/V) EXPANSÃO L/H L - DIFERENÇA ENTRE AS LEITURAS INICIAL E FINAL DA EMBEBIÇÃO SOBRECARGA: g ANEL: ENSAIOU: CALCULOU: VERIFICOU: Laboratório de Geotecnia do IST 37

40 Carga (kgf) CBR Leca (1/2),compactação intermédia, amostra seca ao ar Penetração (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 38

41 ENSAIO CBR LNEC E-198 (1967) AMOSTRA: LECA (1/2), compactação pesada, amostra seca ao ar livre DATA: A H V = A x H Pm Pt P = Pt -Pm γh = P / V NÚMERO DO MOLDE NÚMERO DE PACADAS / CAMADA ÁREA DO MOLDE (cm2) ALTURA DO SOLO NO MOLDE (cm) VOLUME DO SOLO (cm3) MASSA DO MOLDE (g) MASSA DO MOLDE + SOLO HÚMIDO (g) MASSA DO SOLO HÚMIDO (g) BARIDADE HÚMIDA (g) NÚMERO DA CÁPSULA m1 MASSA DA CÁPS. (g) m2 MASSA DA CÁPS. + SOLO HÚM. (g) m3 MASSA DA CÁPS. + SOLO SECO (g) Ws=m3-m1 MASSA DO SOLO SECO (g) Ww=m2-m3 MASSA DA ÁGUA (g) Ww/WsX1 TEOR EM ÁGUA (%) w TEOR EM ÁGUA MÉDIO (%) γd= 1 γh/(1+w) BARIDADE SECA (g/cm3) COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO COMPACTAÇÃO AP. PENETRAÇÃO γdmáx γd / γdmáx BARIDADE SECA MÁXIMA (g/cm3) GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) 1 1 PENE- 1 1 DATA HORA 5-Set 1:3 5-Set 1:4 9-Set 14:3 EMBEBIÇÃO LEITURAS (mm) NÚMERO DO MOLDE TRAÇÃO (mm) LEITURAS NO ANEL (div.) PENETRAÇÃO CARGAS (kg) ENSAIOU: CALCULOU: VERIFICOU: NÚMERO DO MOLDE MASSA DO MOLDE + SOLO (P't) APÓS EMBEBIÇÃO MASSA DE ÁGUA ABSORVIDA (P't - Pt) BARIDADE HÚMIDA ((P't - Pm)/V) EXPANSÃO L/H L - DIFERENÇA ENTRE AS LEITURAS INICIAL E FINAL DA EMBEBIÇÃO SOBRECARGA: g ANEL: Laboratório de Geotecnia do IST 39

42 Carga (kgf) CBR Leca (1/2),compactação pesada, amostra seca ao ar Penetração (mm) Laboratório de Geotecnia do IST 4

Compactação dos Solos

Compactação dos Solos Compactação dos Solos Compactação dos Solos A compactação de um solo consiste basicamente em se reduzir seus vazios com o auxílio de processos mecânicos. Adensamento - expulsão da água Compactação - expulsão

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio do AÇOS AC01-1 Tração de rotura de arames EN ISO 6892-1 30,00 AÇOS AC02-1 Tração de varões (todos os parâmetros) EN ISO 6892-1 53,00 AGREGADOS AG01-1 Agregados - Amostragem para pavimentação (1) LNEC E

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL Parâmetros Granulometria e teor provável de asfalto na mistura Densidade aparente da mistura (Gmb ou d) Densidade máxima teórica da mistura (DMT ou D) Porcentagem

Leia mais

PLASTICIDADE DOS SOLOS

PLASTICIDADE DOS SOLOS INTRODUÇÃO Solos finos granulometria não é suficiente para caracterização; formados por partículas de grande área superficial (argilominerais) interação com a água propriedades plásticas f(tipo de argilomineral);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação EN 303 para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação Características dos agregados grossos e finos Granulometria (análise granulométrica) Resistência

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS Ana Duarte Conceição 1, Rosa Luzia 2 e Dinis Gardete 2 1 Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico

Leia mais

COMPACTAÇÃO E MELHORAMENTO DE TERRENOS

COMPACTAÇÃO E MELHORAMENTO DE TERRENOS Capítulo 9 COMPACTAÇÃO E MELHORAMENTO DE TERRENOS 1. Compactação A compactação é uma técnica de adensamento do terreno (diminuição do índice de vazios, ou aumento do peso volúmico seco) por aplicação de

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem

Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem Renato Cabral Guimarães Furnas Centrais Elétricas S.A. e Universidade Estadual

Leia mais

Propriedades das partículas do solo

Propriedades das partículas do solo 1 Propriedades das partículas do solo 1 - Natureza das partículas 2 - Peso específico das partículas 3 - Densidade relativa das partículas 4 - Densidade real das partículas no laboratório 5 - Formas de

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS 1 agregado aterial granular usado na construção. O agregado pode ser natural, artificial ou reciclado. : 70 a 80% do volume do betão 2 composição de 1 m 3 de betão : por exemplo cimento água agregados

Leia mais

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SMURBE SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS URBANAS A/C GERENTE DO CONTRATO SMURBE 097/2009 ENG.º LUIZ CARLOS MACHADO ROSA CONTRATO SMURBE 097/09 ORDEM DE SERVIÇO 21/09

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação IMPRIMAÇÃO (Prime Coat) ADP Bases Granulares - Aumentar coesão superficial - Impermeabilização - Aderência com revestimento ADP: CM-30 e CM-70

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

Exercícios de Mecânica dos solos I 1 ao 12 (Pág 40 a 43)

Exercícios de Mecânica dos solos I 1 ao 12 (Pág 40 a 43) Exercícios de Mecânica dos solos I 1 ao 12 (Pág 40 a 43) Nome: Robson Tete 1) Uma amostra de solo úmido em cápsula de alumínio tem uma massa de 462 g. Após a secagem em estufa se obteve a massa seca da

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR Entre nós o procedimento de compactação em escala reduzida em relação ao Proctor tradicional foi divulgado pelo Engº Carlos de Souza Pinto (1965), para obtenção de CP s na aplicação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

Matheus De Conto Ferreira, Antônio Thomé Universidade de Passo Fundo UPF, Passo Fundo, RS e-mail: mdcf87@hotmail.com, thomé@upf.br

Matheus De Conto Ferreira, Antônio Thomé Universidade de Passo Fundo UPF, Passo Fundo, RS e-mail: mdcf87@hotmail.com, thomé@upf.br Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.1-12, Novembro, 2011 Utilização de resíduo da construção e demolição como reforço de um solo residual de basalto, servindo como base de fundações superficiais

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Agregados - determinação da perda ao choque no aparelho Treton

Agregados - determinação da perda ao choque no aparelho Treton MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo.

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo. CONCURSO PREVISÃO DE PROVA DE CARGA EM PLACA O concurso de previsão de prova de carga em placa será realizado no dia 27 de novembro de 2015 durante o ÑSAT2015. O concurso tem por objetivo a previsão de

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008. Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt

IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008. Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008 Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt 1852 É CRIADO O SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO INDUSTRIAL, ASSENTE NA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO, SENDO A ESCOLA

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO A densidade do solo é definida como sendo a relação existente entre a massa de uma amostra de solo seca a 105ºC e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

EFEITO DA REVIBRAcAO NOS CONCRETOS MASSA E ROLADO

EFEITO DA REVIBRAcAO NOS CONCRETOS MASSA E ROLADO EFEITO DA REVIBRAcAO NOS CONCRETOS MASSA E ROLADO Eng Jose Augusto Braga Eng Luiz Cesar Rosario ITAIPU Binacional Eng F.R. Andriolo Consultor RESUMO Para garantir urn concreto rolado de boa qualidade,

Leia mais

17/04/2015 SOLOS MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS. Referências. Prof. Ricardo A. de Melo

17/04/2015 SOLOS MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS. Referências. Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Dosagem Marshall O primeiro procedimento de dosagem

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA Laboratório de Materiais. Relatório nº 0160/2010

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA Laboratório de Materiais. Relatório nº 0160/2010 1/13 1. INFORMAÇÕES DO CLIENTE/AMOSTRA Solicitante: SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SC - SOCIESC Pedido: 6394. Data de Entrada: 24/06/2010 Tipo de Amostra / Material: Produto Identificação: PP reciclado; PE virgem.

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Fernando Freitas Lins x João Battista Bruno 1. Introdução A pelotização é um dos processos de aglomeração de finos mais atraente devido principalmente

Leia mais

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO COM A EN 118 RECICLADO SEMI - QUENTE COM EMULSÃO BETUMINOSA 1. Definição Define-se como reciclado semi-quente

Leia mais

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Patrício José Moreira Pires e José Tavares Araruna Departamento de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos agregados. Maria de Lurdes Antunes, LNEC

Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos agregados. Maria de Lurdes Antunes, LNEC Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos., LNEC Agregados: Normas harmonizadas (1/2) EN 12620 Agregados para betão EN 13043 Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia)

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) MECÂNICA DOS SOLOS I e II Exercícios Autores: Sandro Lemos Machado e Miriam de Fátima

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS Introdução Pavimentos permeáveis são definidos como aqueles que possuem espaços livres na sua estrutura onde a água pode atravessar. (FERGUSON, 2005).

Leia mais

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO DOSAGEM E CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO A dosagem do concreto tem por finalidade determinar as proporções dos materiais a empregar de modo a atender duas condições básicas: 1 Resistência desejada; 2

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

CD18R00 GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS

CD18R00 GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS ÍNDICE 1. Generalidades... 3 2. Características Gerais da Tubagem... 3 3. Características Hidráulicas... 4 4. Características Geométricas... 4 5. Transporte e Armazenamento...

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão -

reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão - reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão - Uma Abordagem RESUMO A reciclagem de inertes para o fabrico de novos betões é um processo de reaproveitamento que vem sendo utilizado em vários

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GEOTECNIA E LABORATÓRIOS

DEPARTAMENTO DE GEOTECNIA E LABORATÓRIOS DEPARTAMENTO DE GEOTECNIA E LABORATÓRIOS A Interserviços possui um Departamento de Geotecnia e Laboratórios móveis e fixos de engenharia Civil e Química. Com técnicos nacionais formados no Laboratório

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE ME-3

PREFEITURA DO RECIFE ME-3 ME-3 MÉTODOS DE ENSAIO GRÃOS DE PEDREGULHO RETIDOS NA PENEIRA DE 4,8 MM DETERMINAÇÃO DA MASSA ESPECÍFICA, DA MASSA ESPECÍFICA APARENTE DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG.

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28 APRESENTAÇÃO Em prosseguimento à nossa campanha de divulgação de ensaios de carregamento dinâmico realizados em obras da nossa responsabilidade, e por ocasião do SEFE V no ano de, retratamos neste trabalho

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS Sistemas de enchimento leve Leca 1. Sistemas de enchimento leve Leca...2 1.1. Coberturas...2 1.1.1. Coberturas acessíveis...2 1.1.2.

Leia mais

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O.

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Maceió-Alagoas outubro/2012 Objetivos do Trabalho - Avaliar se a trabalhabilidade do

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

Argex Filtrante. Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação

Argex Filtrante. Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação Argex Filtrante Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação O Produto ARGEX Filtrante é constituído por partículas cerâmicas de argila expandida, extremamente resistentes e de elevada

Leia mais