CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação IMPRIMAÇÃO (Prime Coat) ADP Bases Granulares - Aumentar coesão superficial - Impermeabilização - Aderência com revestimento ADP: CM-30 e CM-70 Penetração: 0,5 a 1 cm Taxa: 0,9 a 1,4 litros/m 2 Temperatura de Aplicação: Gráfico T ( o ) x Viscosidade Faixa: 20 a 60 ssfurol

2 PINTURA DE LIGAÇÃO (Tack Coat) ADP Bases Coesivas Revestimentos antigos -Aderência com a camada sobrejacente -Proporção água-emulsão: 1:1 -Taxa de Aplicação: 1 litro/m 2 RR-1C; RR-2C RM-1C; RM-2C; RL-1C CR-70

3 REVESTIMENTOS ASFALTICOS Macadame Asfaltico Por Penetração Tratamento Superficial Simples Duplo Triplo Por Mistura Misturas Asfalticas

4 Macadame Asfáltico ou Betuminoso USO Revestimento Camada de Base Agregado graúdo ( 7,5 cm ) + Betume Tipos de Asfaltos o CAP 7 o CAP 150/200 o RR-1C o RR-2C Penetração Direta

5 Tratamento Superficial Simples (TSS) Asfalto Agregado Compactação Penetração invertida Cimento asfaltico de Petróleo: CAP 7 e CAP 150/200 Asfaltos Diluídos: CR-250; CR-800 e CR-3000 Emulsões Asfalticas: RR-1C e RR-2C Capa Selante : TSS cujo agregado é areia fina ou pó de pedra

6 Tratamento Superficial Duplo (TSD) Asfalto + Ag. graúdo + compactação + asfalto + Ag. Miúdo + compactação Tratamento Superficial Triplo (TST) Penetração invertida Agregados : Graúdo Médio - Miúdo Caminhão-tanque espargidor de emulsão Distribuidor de agregado

7 Misturas Asfalticas Misturas a Quente (Usina Fixa) Concreto Asfaltico (CBUQ) Pré-misturado a Quente Areia asfalto a quente Misturas a Frio Em Usina Fixa Em Usina Móvel Pré-misturado a frio Areia asfalto a frio Lama asfaltica

8 Execução com Pré-misturado a frio

9 Lama asfaltica Agregados miúdos + emulsão asfáltica. Espalhamento a frio. Espessura de revestimento: 3 a 5 mm - rejuvenescer a superfície envelhecida; - vedar trincas ou fissuras; - corrigir pequenas deformações ou princípio de desagregação do pavimento; - criar uma superfície anti-derrapante;

10 USINA GRAVIMÉTRICA

11 USINA VOLUMÉTRICA

12 USINA DE PRE-MISTURADO A FRIO

13 ENSAIOS COM MATERIAIS BETUMINOSOS Servem para certificação da qualidade dos diferentes tipos de asfaltos, levando em conta a composição química, propriedades e características com o objetivo de garantir um desempenho satisfatório e o pleno sucesso na sua aplicação. São normalizados por organismos nacionais e internacionais: Asfalt Institute (AI); American Society for Testing and Materials (ASTM); Road Research Laboratory (RRL); Instituto de Pesquisas Rodoviária (IPR); Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT); Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP); Conselho Nacional de Petróleo (CNP); Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT);

14 Ensaio de Penetração (ASTM D5-94 e NBR 6576) Mede a consistência do CAP no estado semi-sólido através do seu grau de dureza. Profundidade, em décimo de milímetro, que uma agulha de massa padronizada (100 g) penetra numa amostra de cimento asfáltico (por 5 segundos) à temperatura de 25 C. CAP 30/45 Penetração: 3,0 a 4,5 mm CAP 85/100 Penetração: 8,5 a 10 mm = (1,58 x )/(pen 2,16 )

15 CAP - Cimento asfaltico de Petróleo Classificado por penetração a 25ºC (até 2005) em algumas refinarias: 30/45 50/60 85/ /200 Classificado por viscosidade a 60 C (até 2005): CAP 7 CAP 20 CAP 40

16 CAP - Cimento asfaltico de Petróleo Classificado por penetração a 25ºC (a partir de 2005): 30/45 50/70 85/ /200

17 Ensaio de Ponto de Amolecimento Anel e Bola Mede a temperatura na qual o asfalto possui uma determinada consistência. Velocidade de aquecimento: 5 o C/min. Deslocamento da esfera após o amolecimento do betume: 1 (2,5 cm) Temperatura (T) relacionada ao grau de consistência do CAP.

18 Ponto de Amolecimento - T ( o C) Anel e Bola Inicio do ensaio Final do ensaio

19 Ensaio de Consistência - Viscosidade O ensaio consiste na medida do tempo de escoamento de um determinado volume de líquido através de um orifício padronizado. A temperatura do ensaio é predeterminada. A unidade é expressa em segundos Saybolt-Furol CAP 7 CAP 20 CAP 50 Viscosímetro Saybolt Furol

20 Ductilidade Resistência à tração do ligante (Velocidade 5 cm/min). Empregado para ensaios de retorno elástico de asfaltos modificados. D 10 cm - Ligante oxidado por aquecimento elevado ou envelhecido. D muito alto - maior susceptibilidade à temperatura

21 Ensaio de Segurança Ponto de Fulgor Temperatura ( o C) Menor temperatura, na qual os vapores emanados durante o aquecimento do material asfaltico se inflamam quando expostos a uma fonte de ignição. Vaso aberto Cleveland Termômetro - evitar acidentes de trabalho - verificar contaminação possível do CA com solventes, asfalto diluído ou água.

22 Antiga Especificação para CAP no Brasil ( ) De acordo com as Especificações Brasileiras DNC 1992, os CAP eram classificados quanto à viscosidade até 2005 em: CAP 7, CAP 20, CAP 40. Características Unidades Valores Métodos CAP-7 CAP-20 CAP-40 ABNT ASTM Viscosidade a 60 o C P MB-827 D 2171 Viscosidade SF S 100 min 120 min 170 min MB-517 E 102 a 135 o C D 2170 a 177 o C s 15 a D 2161 (1) Efeito do Calor e do Ar (ECA) a 163 o C po 5 h Variação em massa % 1,0 max 1,0 max 1,0 max MB-425 D 1757 Relação de Viscosidade 4,0 max 4,0 max 4,0 max -2 Ductilidade a 25 o C cm 50 min 20 min 10 min MB-167 D 113 Indice de Suscetibilidade (-1,5) a (+1) (-1,5) a (+1) (-1,5) a (+1) -3 Térmica Penetração (100g,5s,25 o C) 0,1 mm 90 min 50 min 30 min MB-107 D 5 Ponto de Fulgor o C 220 min 235 min 235 min MB-50 D 92 Solubilidade em tricoloroetileno % massa 99,5 min 99,5 min 99,5 min MB-166 D 2042

23 Antiga Especificação para CAP no Brasil ( ) De acordo com as Especificações Brasileiras DNC 1992, os CAP eram classificados quanto à penetração até 2005 em: CAP 30-45, CAP 50-60, CAP , CAP Características Unidades Valores Metodos CAP 30/45 CAP 50/60 CAP 85/100 CAP 150/200 ABNT ASTM Penetração 0,1 mm 30 a a a a 200 MB-107 D 5 Ductilidade cm 60 min 50 min 100 min 100 min MB-167 D 113 Efeito do Calor e do ar (ECA) a 163 º C por 5 h Penetração (1) 50 min 50 min 47 min 40 min MB-107 D 5 Variação em massa (%) 1,0 max 1,0 max 1,0 max 1,0 max MB-425 D 1757 Indice de suscetibilidade térmica (-1,5) a (+1) (-1,5) a (+1) (-1,5) a (+1) (-1,5) a (+1) (2) Ponto de Fulgor O C 235 min 235 min 235 min 220 min MB-50 D 92 Solubilidade em tricoloretileno Viscosidade Saybolt Furol a 135 º C % massa 99,5 min 99,5 min 99,5 min 99,5 min MB-166 D 2042 s 110 min 110 min 110 min 110 min MB-517 E 102 D 2170 e D 2161 (3)

24 MISTURAS BETUMINOSAS DENSAS DOSAGEM MARSHALL

25 MISTURAS BETUMINOSAS Dosagem agregado graúdo + agregado fino + filler + betume. Resistência do Concreto Asfaltico (Durabilidade e Estabilidade) Teor de vazios Grau de compactação

26 Fluência ou deformação plástica Índice de vazios inicial ZONA A: Misturas pobres. O revestimento com pouca durabilidade, é permeável, sujeito a fissuração e sem resistência ao desgaste superficial. O tráfego provoca a desagregação da mistura e a degeneração do pavimento em pouco tempo. ZONA B: A mistura satisfaz às especificações. É estável e resistente e deixa uma pequena percentagem de vazios, para evitar a exsudação com a passagem do tráfego. Os vazios do agregado mineral atingem um valor mínimo, ao redor do qual deverá estar o teor ótimo de betume. ZONA C: Misturas ricas. Devem provocar deformações no revestimento, ocorrendo a exsudação do betume com a passagem do tráfego e, também, pela sua expansão devido o aumento da temperatura ambiente, tornando a superfície de rolamento escorregadia, principalmente nos dias de chuva.

27 PARÂMETROS NECESSÁRIOS PARA DOSAGEM DE CONCRETOS ASFALTICOS m b massa de betume m f massa de filler m agf massa de agregado fino m agg massa de agregado grosso m T massa total da mistura V v volume de vazios da mistura V B volume de betume V f volume de filler V agf volume de agregado fino V agg volume de agregado grosso V c volume de cheios V T volume total da mistura 1 Granulometria do Agregado: Determinação da densidade máxima 2 Densidade (ou massa especifica ) aparente da mistura ( d ) d m V T T d ma m m a i m a massa do c.p. ao ar m i massa do c.p. imerso em água

28 PARÂMETROS NECESSÁRIOS PARA DOSAGEM DE CONCRETOS ASFALTICOS 3 Densidade máxima teórica ( D ) - mistura suposta sem vazios 100 D % Ag D ag g % Ag D af f % F D f % B D %B teor de betume %F percentagem de filler %Agg percentagem de agregado grosso %Agf percentagem de agregado fino D B densidade do betume D F densidade do filler D ag densidade do agregado grosso D af densidade do agregado fino b D % B D B % F D F 100 % Ag D ag g % Ag D af f 4 Volume de vazios (V V ) : em relação ao volume total da mistura (% Vv) D d D

29 PARÂMETROS NECESSÁRIOS PARA DOSAGEM DE CONCRETOS ASFALTICOS 5 - % de vazios cheio com betume (%)VCB (%) VCB d % B D B 6 - % de Vazios do agregado mineral (%)VAM (%)VAM = (%)V V + (%)VCB 7 Relação Betume vazios (%)RBV (%) VCB (%) RBV 100 (%) VAM 8 ESTABILIDADE (E): É a carga (kgf) sob a qual o corpo de prova rompe quando submetido à compressão diametral. 9 FLUÊNCIA (f): é a deformação (em 0,01 ou 0,1 mm) que o corpo de prova sofre quando rompe no ensaio de compressão diametral.

30 Métodos de Ensaios Marshall Triaxial Smith Compressão Simples (LCPC) Compressão Diametral (DNER) Hveen Hubbard Field

31 Ensaio de Estabilidade Marshall

32 Ensaio de Estabilidade Marshall Equipamentos Soquete Marshall Molde cilíndrico Medidor de fluência (Leit. esc. 0,01-0,254 mm) Prensa Marshall (Cap. até lb kgf) (Peso: 4,54 kg; Alt. queda: 45,72 cm) (Diâmetro 10,16 cm; Altura: 6,35 cm) Prensa elétrica

33 Preparação do Corpo de Prova Agregados e betume aquecidos na temperatura especificada. Após misturados em moinho próprio, compactado em molde aquecido: 35 a 50 golpes em cada face: tráfego leve 50 a 75 golpes : tráfego médio 75 a 100 golpes : tráfego pesado e muito pesado Moldagem de 2 a 3 c.p. para cada teor de betume. Após moldagem: - Pesagem do c.p. - Determinação do volume (medida direta e/ou imersão). - Determinação da massa especifica aparente da mistura. Imersão do c.p. em banho-maria a 60 º C (20 a 60 min). Execução do ensaio Compressão diametral do c.p. na prensa Marshall; Na ruptura, leitura do valor da Estabilidade (kgf). Leitura do valor da fluência do c.p. (0,01 )

34 Apresentação dos resultados Planilha de dosagem Marshall

35 Apresentação dos Resultados B 5 Teor ótimo de betume B1 B2 B3 B4 B5 (%) B 5 Traço da mistura: (%) Betume + (%) Agregados = 100%

36 ESPECIFICAÇÕES - D.N.I.T Características recomendadas para estradas e aeroportos Determinações Critério - Pressão dos pneus 7 kgf/cm 2 14 kgf/cm 2 Estabilidade Marshall (kgf) Deformação plástica (0,01 pol) Porcentagem de vazios não preenchidos (%Vv) a) Concreto asfáltico b) Areia-asfalto c) Binder Percentagem de vazios preenchidos em materiais betuminosos (%RBV) a) Concreto asfáltico b) Areia-asfalto c) Binder Limites sugeridos para misturas betuminosas Tráfego Ensaio Pesado e muito Médio Leve Marshall pesado Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo N o de golpes em cada face do c.p Estabilidade (lb) Fluência (0,01 ) Vazios (%) RBV (%)

37 ESPECIFICAÇÕES GRANULOMÉTRICAS - DNIT

38 Exercício de Aplicação Um c.p. de mistura betuminosa foi submetido ao ensaio de estabilidade Marshall, onde são conhecidos os seguintes dados: Teor de betume = 5% ; densidade do betume = 1,0 Massa específica aparente da mistura = 2,23 g/cm 3 Agregado A: 38% ; densidade = 2,66 g/cm 3 Agregado B: 62% ; densidade = 2,68 g/cm 3 Estabilidade do c.p. = 440 kgf Fluência do c.p. = 8,3 mm Determinar: a) qual o traço da mistura; b) a densidade máxima teórica da mistura; c) o volume de vazios; d) o volume cheio com betume; e) os vazios do agregado mineral; f) a relação betume vazios g) verificar se a mistura atende a especificação; Especificação para a mistura: Estabilidade mínima: 350 kgf Fluência: 6 14 mm %Vv = 3 a 6 % %RBV = 75 a 85% - Traço da mistura Agregados + betume = 100% ( %A + %B ) = 100% - 5% = 95% %A = 0,95 x 38 = 36,1% %B = 0,95 x 62 = 58,9% Traço: Agregado A = 36,1% ; Agregado B = 58,9% ; Teor de betume = 5%

39 Densidade máxima teórica: D 100 % B % Ag. A % Ag. B d D D B A B 100 D D = 2,43 g/cm ,1 58,9 1,0 2,66 2,68 Vol. de vazios da mistura D d 2,43 2,23 % Vv D 2,43 %V V = 8,2% Vol. cheio com betume % VCB d d o o B B 2, %VCB = 11,15% Vazios do agregado mineral %VAM = %V V + %VCB %VAM = 19,35% Relação betume vazios % VCB 11,15 % RBV %RBV = 57,6% % VAM 19,35 Resp. : A mistura não se enquadra nas especificações (%Vv e %RBV). Apresenta muitos vazios e pouco betume.

40

41

42 MAQUINAS PAVIMENTADORAS

43 USINA GRAVIMÉTRICA

44 USINA VOLUMÉTRICA

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Dosagem Marshall O primeiro procedimento de dosagem

Leia mais

Os fatores que influem na dosagem das misturas, vinculadas com as propriedades que se busca atingir no conjunto são:

Os fatores que influem na dosagem das misturas, vinculadas com as propriedades que se busca atingir no conjunto são: Misturas Betuminosas As misturas asfálticas constituem sistemas plástico-elásticos cujos componentes tem características, composta de uma fase sólida, que é constituída pelos agregados pétreos de elevado

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta a seqüência operacional de procedimentos para a execução de uma Dosagem Marshall, visto exclusivamente como uma tarefa de laboratório de asfalto. Aborda-se a análise

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

Autor: Diretoria de Planejamento e Pesquisa / IPR Processo: 50.607.002.350/2006-53

Autor: Diretoria de Planejamento e Pesquisa / IPR Processo: 50.607.002.350/2006-53 NORMA DNIT 095/2006 - EM DNIT Cimentos asfálticos de petróleo - Especificação de material MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E

Leia mais

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: 15 1. Aula T7 Pavimentos. Materiais de pavimentação:

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: 15 1. Aula T7 Pavimentos. Materiais de pavimentação: 1/44 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T7 Pavimentos Sumário da aula Materiais de pavimentação: Misturas betuminosas Composição Principais funções nas camadas do pavimento

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL Parâmetros Granulometria e teor provável de asfalto na mistura Densidade aparente da mistura (Gmb ou d) Densidade máxima teórica da mistura (DMT ou D) Porcentagem

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ASFALTOS Pavimento

Leia mais

11/14/2013 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Lago de asfalto Trinidad e Tobago. Introdução (cont.) MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO: LIGANTES ASFÁLTICOS

11/14/2013 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Lago de asfalto Trinidad e Tobago. Introdução (cont.) MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO: LIGANTES ASFÁLTICOS 2 Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) INTRODUÇÃO Material impermeabilizante mais antigo: uso

Leia mais

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS PRISCILA FIOCHI BENTO Mestre Universidade de Brasília - UNB Brasília - Brasil JOSÉ CAMAPUM DE CARVALHO PhD Universidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO AREIA ASFALTO A FRIO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-16/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de areia asfalto

Leia mais

José Carlos Moura Massaranduba

José Carlos Moura Massaranduba José Carlos Moura Massaranduba PNEUS INSERVÍVEIS GRAVE PASSIVO AMBIENTAL Principais características: Alta viscosidade (maior recobrimento no agregado) Menor susceptibilidade térmica Aumento da elasticidade

Leia mais

8. MISTURAS ASFÁLTICAS

8. MISTURAS ASFÁLTICAS 8. MISTURAS ASFÁLTICAS CONCEITUAÇÃO Produtos obtidos em usina, a quente ou a frio, envolvendo agregados e ligantes asfálticos, adequadamente. CLASSIFICAÇÃO Pré misturados a quente (PMQ) - Temperatura 121

Leia mais

MATERIAIS BETUMINOSOS

MATERIAIS BETUMINOSOS 200799 Pavimentos de Estradas II MATERIAIS BETUMINOSOS Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 13 1. PAVIMENTAÇÃO COM MATERIAIS BETUMINOSOS 1. 1. Conceituação:

Leia mais

MATERIAIS ASFÁLTICOS (Noções Gerais)

MATERIAIS ASFÁLTICOS (Noções Gerais) MATERIAIS ASFÁLTICOS (Noções Gerais) INTRODUÇÃO Um dos mais antigos materiais de construção utilizado pelo homem. Na Mesopotâmia: usado como aglutinante e imperrmeabilizante. Citações na bíblia: (Gênese

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO SOBRE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA

REGULAMENTAÇÃO SOBRE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA ESTUDO REGULAMENTAÇÃO SOBRE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA Rodrigo César Neiva Borges Consultor Legislativo da Área XIII Desenvolvimento Urbano, Trânsito e Transportes ESTUDO OUTUBRO/2008 Câmara dos

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

Avaliação comparativa de comportamento entre CBUQ s produzidos com pó de borracha e resíduos de lodo

Avaliação comparativa de comportamento entre CBUQ s produzidos com pó de borracha e resíduos de lodo Avaliação comparativa de comportamento entre CBUQ s produzidos com pó de borracha e resíduos de lodo Angelo Just da Costa e Silva (1); Fred Rodrigues Barbosa (2); João Manoel F. Mota (3), Carlos Baltar

Leia mais

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico PRÉ MISTURADOS À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico Conteúdo Definição Usos Características da técnica Materiais: ligantes asfálticos/agregados Tipos de PMF s Composição da mistura Faixas granulométricas:

Leia mais

Asfalto. Informações Técnicas

Asfalto. Informações Técnicas Informações Técnicas A Assistência Técnica Petrobras tem por objetivo prestar suporte técnico aos clientes, com foco na adequação ao uso e corretos manuseio, condicionamento e armazenagem dos produtos

Leia mais

Cia/Seção: Cmt Pel Cnst

Cia/Seção: Cmt Pel Cnst GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE CBUQ CAPÍTULO 04 Cia/Seção: Cmt Pel Cnst DATA EMISSÃO: 13/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: 1. DEFINIÇÃO DE CBUQ A sigla (CBUQ) define o Concreto

Leia mais

RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO

RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO Concórdia, dezembro de 2008 1 - APRESENTAÇÃO Este projeto refere-se à recuperação da pavimentação asfáltica em CAUQ (Concreto Asfáltico Usinado

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. RESUMO 01 / 14 O trabalho descreve e apresenta a seqüência operacional de procedimentos para execução de uma dosagem Marshall, visto exclusivamente como uma tarefa de laboratório de asfalto. Aborda-se

Leia mais

Errata Nº 02 Edital Nº 0364/2007-18 CONCORRÊNCIA PÚBLICA

Errata Nº 02 Edital Nº 0364/2007-18 CONCORRÊNCIA PÚBLICA Ministério dos Transportes Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL/DNIT/PI Errata Nº 02 Edital Nº 0364/2007-18 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1 LOTE 01: No QUADRO DE QUANTIDADES,

Leia mais

Pavimentação - imprimação

Pavimentação - imprimação MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA Projeto de Pavimento Prof. Edson de Moura Aula 02 Tipos de misturas asfálticas noções básicas 2011 TIPOS DE MISTURAS ASFÁLTICAS

Leia mais

TIPOS DE REVESTIMENTOS ASFÁLTICOS

TIPOS DE REVESTIMENTOS ASFÁLTICOS TIPOS DE REVESTIMENTOS ASFÁLTICOS Introdução Tipos de revestimentos asfálticos 2 Introdução Revestimento: Camada destinada a receber a carga dos veículos e da ação climática Composição de agregados + ligante

Leia mais

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Materiais Betuminosos 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Acedita-se que a palavra asfalto provenha do antigo Acádico Asphaltic e foi adotada pelos gregos da época de Homero com o significado de tornar firme

Leia mais

NORMA RODOVIÁRIA ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO Pavimentação Areia Asfalto Usinada à Quente - AAUQ

NORMA RODOVIÁRIA ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO Pavimentação Areia Asfalto Usinada à Quente - AAUQ 1. OBJETIVO Esta Especificação de Serviço define os critérios que orientam a execução de Areia Asfalto Usinada à Quente em obras rodoviárias sob a jurisdição do DERBA. 2. GENERALIDADES Areia Asfalto Usinada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Wilber Feliciano Chambi Tapahuasco Universidade Federal do Pampa, Alegrete-RS, Brasil,

Leia mais

Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem

Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem Renato Cabral Guimarães Furnas Centrais Elétricas S.A. e Universidade Estadual

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTOURA XAVIER SECRETARIA DO PLANEJAMENTO LOCAL: AVENIDA 25 DE ABRIL ASSUNTO: PROJETO DE CAPEAMENTO ASFÁLTICO ÁREA TOTAL: 4.935,75 m² PROJETO BÁSICO

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL 1 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL EXECUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO Vladimir de Souza Amorim Caruaru - 2010 2 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA

Leia mais

João Virgílio Merighi

João Virgílio Merighi EMULSÕES ASFÁLTICAS E SUAS S APLICAÇÕES João Virgílio Merighi EMULSÕES ASFÁLTICAS Emulsão é a dispersão de pequenas partículas de um líquido num outro líquido. Assim,, a emulsão pode ser formada por dois

Leia mais

IE 03/2009 CAMADAS DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE

IE 03/2009 CAMADAS DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é a definição dos critérios que orientam a dosagem, usinagem e execução de camadas constituídas de misturas asfálticas do tipo concreto asfáltico usinado a quente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II MATERIAIS BETUMINOSOS: SUBSTÂNCIAS QUE CONTÊM BETUME OU É DERIVADO DO BETUME. BETUME (ABNT (NBR 7208)):

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

Asfalto, Betume e Óleos

Asfalto, Betume e Óleos E2.01 AGREGADO GRAÚDO - ADESIVIDADE A LIGANTE BETUMINOSO DNER-ME 078 PALAVRA-CHAVE: Adesividade, agregado graúdo, liga, Betume C-4028-D CÁPSULA DE PORCELANA, DIÂMETRO 16 CM, CAPACIDADE 580ML 0,240 C-4026-B

Leia mais

MICRO REVESTIMENTO ASFÁLTICO À FRIO. QUIM.: CARLOS AUGUSTO COSTA Departamento Técnico

MICRO REVESTIMENTO ASFÁLTICO À FRIO. QUIM.: CARLOS AUGUSTO COSTA Departamento Técnico MICRO REVESTIMENTO ASFÁLTICO À FRIO QUIM.: CARLOS AUGUSTO COSTA Departamento Técnico Conteúdo Definições Conceito Características Componentes Especificações Ensaios e projeto Aspectos técnicos / econômicos

Leia mais

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Avaliação do comportamento de dois trechos experimentais, sob ação de tráfego real na Rodovia BR 040 - Trecho

Leia mais

Pavimentação - concreto betuminoso reciclado a quente na usina

Pavimentação - concreto betuminoso reciclado a quente na usina MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO CAMADAS DE MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE PÁG. 01/14 1. DESCRIÇÃO As Camadas de Misturas Asfálticas Usinadas a Quente são produtos resultantes do processamento

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO Conceitos Básicos de Pavimento Definição

PAVIMENTAÇÃO Conceitos Básicos de Pavimento Definição - Conceitos Básicos de PAVIMENTO - Camadas do pavimento - Projeto de Pavimentação - Materiais para pavimentação - Dimensionamento de pavimentos flexíveis - Dimensionamento de pavimentos rígidos - Bases

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Recapagem Asfáltica contrato 1018.097-09 - 2014. Responsável Técnico: Eng. Luciano Bernardon

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Recapagem Asfáltica contrato 1018.097-09 - 2014. Responsável Técnico: Eng. Luciano Bernardon MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Recapagem Asfáltica contrato 1018.097-09 - 2014 Município: ESTAÇÃO/RS Responsável Técnico: Eng. Luciano Bernardon INTRODUÇÃO Tem este Memorial Descritivo por finalidade orientar

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL Parâmetros Granulometria e teor provável de asfalto na mistura Densidade aparente da mistura (Gmb ou d) Densidade máxima teórica da mistura (DMT ou D) Porcentagem

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO 1 CONCEITO DE RECICLAGEM DE PAVIMENTOS É um processo que visa a melhorar as características de rolamento e a estrutura do

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

Custo Horário dos Equipamentos --------> 427,86 B Mão de Obra Quantidade T501 Encarregado de turma 0,50 23,3400. 11,67 T701 Servente 2,00 9,9300

Custo Horário dos Equipamentos --------> 427,86 B Mão de Obra Quantidade T501 Encarregado de turma 0,50 23,3400. 11,67 T701 Servente 2,00 9,9300 DERTERRA001 Desm. dest. limpeza áreas c/arv. diam. até 0,15 m Prod. Equipe: 1.444,00 m² E003 Trator de Esteira com Lâmina (259KW) 1,00 1,00 427,86 20,28 427,86 dos Equipamentos --------> 427,86 T501 Encarregado

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Elaborado por: Eng. José Carlos M. Massaranduba - Diretor Técnico - GRECA Asfaltos Eng. José Antonio

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/17 A reciclagem profunda de pavimento com adição de espuma de asfalto tem como finalidade a obtenção de uma camada de pavimento reciclada, a partir do aproveitamento dos materiais

Leia mais

ESTUDO DA ESCÓRIA DE ACIARIA LD COM UMECTAÇÃO PARA USO EM PAVIMENTOS URBANOS- PMF

ESTUDO DA ESCÓRIA DE ACIARIA LD COM UMECTAÇÃO PARA USO EM PAVIMENTOS URBANOS- PMF ESTUDO DA ESCÓRIA DE ACIARIA LD COM UMECTAÇÃO PARA USO EM PAVIMENTOS URBANOS- PMF Hebert da Consolação Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, hebertalvesa@yahoo.com.br Ronderson

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO ASFALTO CONVENCIONAL DE DO ASFALTO BORRACHA

UNIVERSIDADE POSITIVO TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO ASFALTO CONVENCIONAL DE DO ASFALTO BORRACHA UNIVERSIDADE POSITIVO TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO ASFALTO CONVENCIONAL DE DO ASFALTO BORRACHA Curitiba 2010 TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL

ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES... 3

Leia mais

MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS

MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte das obras de Pavimentação Asfáltica de 3.511,00m

Leia mais

SECRETARIA DE OBRAS PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

SECRETARIA DE OBRAS PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA / GO SECRETARIA DE OBRAS PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA SOLUÇÃO 1 - APLICAÇÃO DE MICRO REVESTIMENTO E EXECUÇÃO DE TAPA BURACO GOIATUBA/GO JULHO/2013 1. INTRODUÇÃO A Prefeitura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: pavimentação asfáltica Município: QUINZE DE NOVEMBRO 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas submetidas a tráfego leve e médio no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Especificações dos Materiais Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Emprego dos materiais

Leia mais

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS Histórico da evolução das Usinas de Asfalto. USINAS VOLUMÉTRICAS. USINAS BATCH ou GRAVIMÉTRICAS. USINAS DRUM MIX FLUXO PARALELO. USINAS CONTRA FLUXO O processo volumétrico

Leia mais

ESTUDO DA INCORPORAÇÃODA SERRAGEM DE COURO CURTIDO AO CROMO NO MICRORREVESTIMENTO ASFÁLTICO.

ESTUDO DA INCORPORAÇÃODA SERRAGEM DE COURO CURTIDO AO CROMO NO MICRORREVESTIMENTO ASFÁLTICO. ESTUDO DA INCORPORAÇÃODA SERRAGEM DE COURO CURTIDO AO CROMO NO MICRORREVESTIMENTO ASFÁLTICO. Karine Krummenauer(1);Jairo José de Oliveira Andrade(2) (1)Técnica Química em Couro, Arquiteta, Mestre em Engenharia.

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis - Concreto asfáltico - Especificação de serviço NORMA DNIT 031/2004 - ES. 3 Definição... 3. Resumo. 4 Condições gerais...

DNIT. Pavimentos flexíveis - Concreto asfáltico - Especificação de serviço NORMA DNIT 031/2004 - ES. 3 Definição... 3. Resumo. 4 Condições gerais... NORMA DNIT 031/2004 - ES DNIT Pavimentos flexíveis - Concreto asfáltico - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Especificações de Serviços Rodoviários Aprovada pelo Conselho Diretor em 14/12/2005 Deliberação n.º 281/2005 Autor: DER/PR (DG/AP)

Especificações de Serviços Rodoviários Aprovada pelo Conselho Diretor em 14/12/2005 Deliberação n.º 281/2005 Autor: DER/PR (DG/AP) DER/PR ES-P 15/05 PAVIMENTAÇÃO: CONCRETO ASFÁLTICO USINADO À QUENTE COM ASFALTO POLÍMERO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná

Leia mais

2 - LIGANTES ASFÁLTICOS

2 - LIGANTES ASFÁLTICOS 9 2 - LIGANTES ASFÁLTICOS 2.1 - INTRODUÇÃO Os asfaltos, materiais aglutinantes de cor escura, são derivados do petróleo, sendo que o elemento predominante é o betume (99,5%). Betume, muitas vezes usado

Leia mais

DER/PR ES-P 30/05 PAVIMENTAÇÃO: MICRO REVESTIMENTO ASFÁLTICO A FRIO COM EMULSÃO MODIFICADA POR POLÍMERO

DER/PR ES-P 30/05 PAVIMENTAÇÃO: MICRO REVESTIMENTO ASFÁLTICO A FRIO COM EMULSÃO MODIFICADA POR POLÍMERO PAVIMENTAÇÃO: MICRO REVESTIMENTO ASFÁLTICO A FRIO COM EMULSÃO MODIFICADA POR POLÍMERO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES ELABORADO: RODOLFO GASSEN MATRÍCULA: 12.420-61 RÚBRICA: REV. DESCRIÇÃO DATA RESPONSÁVEL MATRÍCULA RUBRICA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES ELABORADO: RODOLFO GASSEN MATRÍCULA: 12.420-61 RÚBRICA: REV. DESCRIÇÃO DATA RESPONSÁVEL MATRÍCULA RUBRICA TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES ELABORADO: RODOLFO GASSEN MATRÍCULA: 12.42061 RÚBRICA: VALIDADO: CLERALNO DE ANDRADE E SILVA MATRÍCULA: 15.58416 RÚBRICA: APROVADO: GERMANO VASCONCELOS ROCHA MATRÍCULA:

Leia mais

Uma das maiores empresas brasileiras de asfalto

Uma das maiores empresas brasileiras de asfalto 1 Uma das maiores empresas brasileiras de asfalto 2 A GRECA Asfaltos é brasileira e um dos maiores grupos do setor. São mais de cinquenta anos de atuação, reconhecidos por meio do seu desempenho que se

Leia mais

Especificações de Serviços Rodoviários Aprovada pelo Conselho Diretor em 09/05/2005 Deliberação n.º 086/2005 Autor: DER/PR (DG/AP)

Especificações de Serviços Rodoviários Aprovada pelo Conselho Diretor em 09/05/2005 Deliberação n.º 086/2005 Autor: DER/PR (DG/AP) PAVIMENTAÇÃO: CONCRETO ASFÁLTICO USINADO À QUENTE COM ASFALTO BORRACHA Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

Material Fresado: Uma Opção Sustentável

Material Fresado: Uma Opção Sustentável Material Fresado: Uma Opção Sustentável Autores: Thalita Ramalho de Carvalho Msc. Danilo Fernandes de Medeiros Instituição Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN 19 a 21 maio 2014

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis Micro revestimento asfáltico a frio com emulsão modificada por polímero Especificação de serviço NORMA DNIT 035/2005 - ES

DNIT. Pavimentos flexíveis Micro revestimento asfáltico a frio com emulsão modificada por polímero Especificação de serviço NORMA DNIT 035/2005 - ES DNIT NORMA DNIT 035/2005 - ES Pavimentos flexíveis Micro revestimento asfáltico a frio com emulsão modificada por polímero Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica PREFEITURA MUNICIPAL DE GALVÃO ESTADO DE SANTA CATARINA MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica Rua Manoel Lustosa Martins Julho 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Execução de pavimentação asfáltica sobre

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P13 CAMADAS DE CONCRETO BETUMINOSO USINADO A QUENTE 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. DESCRIÇÃO...3 3. MATERIAIS...4 3.1 MATERIAIS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO REPAVIMENTAÇÃO EM PAVIMENTOS COM PEDRA IRREGULAR, PARALELEPÍPEDO, BLOCOS DE CONCRETO E CBUQ. 2015 APRESENTAÇÃO Trata o

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO CAMADAS DE MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE - COM ASFALTO BORRACHA 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/14 As Camadas de Misturas Asfálticas Usinadas a Quente são produtos resultantes

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO GENERALIDADES: O presente memorial tem por objetivo descrever os procedimentos que serão utilizados para a pavimentação asfáltica

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P12 IMPRIMAÇÃO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 4 2. DESCRIÇÃO... 4 3. MATERIAIS... 4 3.1 MATERIAIS PARA IMPRIMAÇÃO IMPERMEABILIZANTE...

Leia mais

Dispõe sobre normativas para execução de obras, reparos e serviços em vias públicas da Cidade do Rio de Janeiro.

Dispõe sobre normativas para execução de obras, reparos e serviços em vias públicas da Cidade do Rio de Janeiro. RESOLUÇÃO SECONSERVA N 07 DE 09 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre normativas para execução de obras, reparos e serviços em vias públicas da Cidade do Rio de Janeiro. O Secretário Municipal de Conservação

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ROTINA

CONSERVAÇÃO DE ROTINA CONSERVAÇÃO DE ROTINA PARTE 3 Engº Pery C. G. de Castro Revisado em setembro/2009 1 CONSERVAÇÃO DE ROTINA Visa corrigir os defeitos que surgem no pavimento. Em alguns tipos de defeitos é possível dar duas

Leia mais

1 - EQUIPAMENTO LABORATORIAL E REALIZAÇÃO DE ENSAIOS

1 - EQUIPAMENTO LABORATORIAL E REALIZAÇÃO DE ENSAIOS 1 - EQUIPAMENTO LABORATORIAL E REALIZAÇÃO DE ENSAIOS Sempre que solicitado a entidade executante deve dispor de meios para efectuar o controlo permanente, através dos seguintes ensaios: - Prensa para ensaios

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P23-REPARAÇÃO DE PAVIMENTOS DANIFICADOS POR ABERTURA DE VALAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇO TRATAMENTO SUPERFICIAL DUPLO ( DAER-ES-P 15/11) CAPA SELANTE ( DAER-ES-P 21/11)

ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇO TRATAMENTO SUPERFICIAL DUPLO ( DAER-ES-P 15/11) CAPA SELANTE ( DAER-ES-P 21/11) SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTONÔMO DE ESTRADAS DE RODAGEM CENTRO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS SPQ Superintendência de Pesquisas Rodoviárias ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇO TRATAMENTO

Leia mais

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 Janaína Terhorst Pizutti 2, José Antônio Santana Echeverria 3, João Paulo Avrella 4, Ricardo Zardin

Leia mais

Pavimentação - concreto betuminoso

Pavimentação - concreto betuminoso MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

TT 051 PAVIMENTAÇÃO MATERIAIS BETUMINOSOS

TT 051 PAVIMENTAÇÃO MATERIAIS BETUMINOSOS TT 051 PAVIMENTAÇÃO MATERIAIS BETUMINOSOS TT 051 - PAVIMENTAÇÃO MATERIAIS BETUMINOSOS 4 1. Introdução ESCOPO 2. Classificação 3. Cimento Asfáltico de Petróleo (CAP) 4. Asfaltos Diluídos 5. Emulsões MATERIAIS

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DISPOSIÇÃO GERAL

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DISPOSIÇÃO GERAL MEMORIAL DESCRITIVO 1 DISPOSIÇÃO GERAL Este memorial tem por objetivo descrever as etapas e especificações técnicas dos serviços de pavimentação asfáltica com concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ),

Leia mais

UNIVERDIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ADRIANO HONORATO TOSTA

UNIVERDIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ADRIANO HONORATO TOSTA UNIVERDIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ADRIANO HONORATO TOSTA REVESTIMENTO EM C.B.U.Q ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

DER/PR ES-P 23/05 PAVIMENTAÇÃO: PRÉ-MISTURADO A FRIO

DER/PR ES-P 23/05 PAVIMENTAÇÃO: PRÉ-MISTURADO A FRIO DER/PR ES-P 23/05 PAVIMENTAÇÃO: PRÉ-MISTURADO A FRIO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

MÉTODOS DE RECICLAGEM A FRIO. Engº Juliano Gewehr Especialista de Produtos e Aplicações

MÉTODOS DE RECICLAGEM A FRIO. Engº Juliano Gewehr Especialista de Produtos e Aplicações MÉTODOS DE RECICLAGEM A FRIO Engº Juliano Gewehr Especialista de Produtos e Aplicações Estabilização de Solos Recicladora Wirtgen Reciclagem de Pavimentos Asfálticos Estabilização de solos Processamento

Leia mais

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO COM A EN 118 RECICLADO SEMI - QUENTE COM EMULSÃO BETUMINOSA 1. Definição Define-se como reciclado semi-quente

Leia mais