Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana"

Transcrição

1 Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

2 Fortaleza dos Templários em Tomar dc.portugal

3 Conservação da água

4

5

6 Ciclo hidrológico

7 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) NBR /07 Aproveitamento de água de chuva Histórico: CREA-SP, Método Delfos. 8 meses Responsabilidade civil e criminal NBR 5626/98 Pressão máxima de 40mca. Projeto: profissional do CONFEA/CREA

8 Aproveitamento de água de chuva 1. Japão: prédios novos água de chuva + águas servidas Uso: bacias sanitárias m 2 ou 100m 3 /dia (água não potável) Yamagata, % consumo água não potável em prédios de apartamentos 2. Brasil: nordeste; 1 milhão de cisternas. (executado 280mil) Projeto Caritas- 16m3 3. Guarulhos 41 grupos escolares aproveitamento de água não potável, hospital municipal, teatro e predio técnico SAAE 4. Barueri- 50 escolas. 5.. Deficiência de água Região metropolitana de São Paulo: disponibilidade hídrica: 201m 3 /hab/ano << 1.200m 3 /hab/ano (Nações Unidas).

9 Uso da água de chuva Alemanha, Austrália, Japão e Estados Unidos. Fins não potáveis Rega de jardim e lavagem de pisos Descarga em bacias sanitárias (cloro) Usos industriais- torres de resfriamento Piscinas e lavagem de roupas: filtro lento de areia ou filtros de pressão < 3µm

10 Amostrador: first flush Em 10min a 20min a água fica limpa.

11 American Rainwater Catchment (janeiro/ 2009) Contaminação média: 2,0mm Adotado pela ABNT Contaminação baixa: 0,5mm Local com chuvas freqüentes que mantem a superfície do telhado limpa Contaminação alta: 8,0mm Local com muito detritos orgânicos de animais ou arvores adjacentes ou ar contaminado.

12 Balanço da água suprimento, overflow, consumo, coleta, armazenamento

13 Limpeza automática perda de água 20%. Dr. Nelson Gandur Dacah (Bahia)

14 Filtro de descida (Peneira/Filtros) 0,28mm para diâmetros 75mm a 100mm

15 First flush com sensor de chuva e válvula de controle (menos perda, até 3 dias não precisa de first flush)

16 Norma NBR /07 Análises semestrais Coliforme totais: ausência em 100mL Coliformes termotolerantes (fecais): ausência em 100mL Análises mensais Cloro residual livre: 0,5mg/L a 3mg/L Cor aparente: < 15 uh ph: entre 6,0 e 8,0 Turbidez: <2 ut e < 5uT (uso menos restritivos)

17 Custo de análises (mensal) Turbidez R$ 20,00/cada Residual de cloro R$ 20,00/cada Cor aparente R$ 20,00/cada

18 Custo de análises (semestral) Coliformes totais R$ 80,00/cada Termotolerantes (fecais) R$ 80,00/cada Custo total de análises: R$ 1.040,00/ano (US$ 584/sno)

19 Uso da água de chuva Reservatório para água potável e reservatório para água não potável

20 Aspectos legais Código de águas Decreto /1934- artigo 103- As águas pluviais pertencem ao dono do prédio onde caírem diretamente, podendo o mesmo dispor delas à vontade,salvo existindo direito em contrário. (Lei 9433/97 não modificou as regras acima). NBR 5626/1998- Instalação predial de água fria A instalação de água não potável, deve ser independente e ser usada nas bacias sanitárias.

21 LEED Leadership in Energy & Environmental Design Green Building Há pontos para aproveitamento de água de chuva em substituição a água potável. Uso na irrigação, lavagem de pisos, descargas em bacias sanitárias.

22 Estudo conjunto Aproveitamento de água de chuva Reúso de águas cinzas claras (Biodisco e MBR) Água de ar condicionado

23 Dosagem de cloro Necessidade de clorar a água quando usada em bacias sanitárias devido a respingos nos órgãos genitais. 0,5 mg/l a 3mg/L. Uso de hipoclorito de sódio (residual) Deverá ser estudado alternativas: hipoclorito de calcio e ultra violeta

24 Precipitações médias mensais de São Paulo

25 Volume do reservatório 1. Método Prático do Azevedo Neto 2. Método de Rippl (adaptado da Hidrologia) 3. Método da Simulação Não há um método aceito por todos

26 Estimativa de consumo (demanda) Fins não potáveis Rega de jardim Lavagem de pisos Descargas em bacias sanitárias Usos industriais

27 Suprimento Concessionária local Caminhões tanques Poços tubulares profundos Não há alternativa

28 Custo da cisterna (+peças, bombas, etc) US$ 100/m 3 a US$ 200/m 3

29 Esquema de reservatório de distribuição com Air Gap

30 Métodos de Avaliação de Custos Pay-back: < 5anos Benefícios/custos: B/C >1 Método da análise do custo da vida útil do sistema que é chamado de Life-cycle cost analysis (LCCA). Agua de chuva x Agua pública

31 Reservatórios existentes

32 Torres d água- concreto

33 Captação em Pernambuco (problema do first flush)

34 Cisternas enterradas de Polietileno (150 litros, 3m3, 5m3, 10m3, 15m3)

35 Reservatórios de 2000litros até litros

36 Reservatórios de aço inox (3m 3 cada)

37 Bomba centrífuga-> para reservatório intermediário

38 Conjunto motor bomba centrífuga comum

39 Bomba dosadora para cloro eletromagnética

40 Manutenção anual Limpeza e desinfecção com hipoclorito de sódio.

41 Precipitação Brasil mm 1931 a 1960

42 Precipitações médias mensais distribuição desigual Belo Horizonte (1450mm) Curitiba (1430mm)

43 Norma NBR 15527/07 Análises semestrais Coliforme totais: ausência em 100mL Coliformes termotolerantes (fecais): ausência em 100mL Análises mensais Cloro residual livre: 0,5mg/L a 3mg/L Cor aparente: < 15 uh ph: entre 6,0 e 8,0 Turbidez: <2 ut e < 5uT (uso menos restritivos)

44 Filtro doméstico de pressão: não passa o Cryptosporidium 3 ou 5 µm point of use 0,3 µm membrana de fibras ocas Carvão ativado. Manutenção maior, pois água de chuva não é água potável da portaria 518/04

45 Filtro rápido de pressão (filtro de piscina) ABNT /98 Bomba autoescorvante + filtro de areia de piscina (Simone) Atender a NBR 15527/07: coliformes fecais e termotolerantes.

46 Dosador de cloro de pastilhas (Dissolvedor de pastilhas: R$ 720,00 Epex) até 60m 3 /H. Visualização do consumo das pastilhas,. 2kg de pastilhas, pressão: 60mca. Hipoclorito de cálcio Pastilha de 200g: 5 pastilha; 10 e 15

47 Filtro lento de areia Segredo? Schmutzdecke camada de bactérias de 5cm não precisa de produtos químicos operação simples e barata fluxo descendente

48 Relação Beneficio/Custo Compensa aproveitar água de chuva em: 1. Indústrias (US$ 7 /m 3 água e US$ 7/m 3 de esgoto sanitário) 2. Posto de gasolina, shoppings, supermercados. 3. Casas >250m 2 Problema subsidio da água residencial até 10m3/mes

49 Leis no Brasil Prefeitura Municipal de Curitiba Brasilia: Distrito Federal Prefeitura Municipal d eguarulhos Inúmeras cidades

50 Aproveitamento de água de chuva em áreas urbanas para fins não potáveis Engenheiro Plinio Tomaz Site: pliniotomaz.com.br Tel.: (11)

Aproveitamento de água de chuva

Aproveitamento de água de chuva Aproveitamento de água de chuva Tem que ser feito um projeto por engenheiro, arquiteto ou tecnólogo. Assinar a ART (anotação de responsabilidade) do CREA/CAU Esclarecimento 1 Nome correto: aproveitamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS Profª. Simone Rosa da Silva 2015 Torres empresariais : Isaac newton e Alfred Nobel Const.: Rio Ave Aspectos

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos

Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos APRESENTAÇÃO 1) Este 2º Projeto foi elaborado pela ABNT/CEET-00.001.77 - Comissão de Estudo Especial Temporária

Leia mais

Capítulo 3-Aproveitamento de água de chuva de cobertura em área urbana para fins não potáveis

Capítulo 3-Aproveitamento de água de chuva de cobertura em área urbana para fins não potáveis Capítulo 3-Aproveitamento de água de chuva de cobertura em área urbana para fins não potáveis 3.1 Apresentação Uma análise moderna e completa dos sistema de abastecimento de água necessita da apreciação

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva de telhados em áreas urbanas para fins não potáveis Diretrizes básicas para um projeto

Aproveitamento de água de chuva de telhados em áreas urbanas para fins não potáveis Diretrizes básicas para um projeto Aproveitamento de água de chuva de telhados em áreas urbanas para fins não potáveis Diretrizes básicas para um projeto Plinio Tomaz Engenheiro Civil Conselheiro do CREA-SP Rua Etelvina, 65 Vila Rosalia,

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

O RWC incorpora 3 funções principais: Informação com Monitorização + Alarmes, Funcionamento e Programação.

O RWC incorpora 3 funções principais: Informação com Monitorização + Alarmes, Funcionamento e Programação. Aproveitamento de agua de chuva em areas urbanas para fins não potáveis Capitulo 20-Automatização Engenherio Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 10 de janeiro de 2010 Capítulo 20- Automatização 20.1 Introdução

Leia mais

SISTEMA RESIDENCIAL DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM VOTORANTIM : AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA.

SISTEMA RESIDENCIAL DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM VOTORANTIM : AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA. SISTEMA RESIDENCIAL DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM VOTORANTIM : AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA. Franceschini, Andrea Teixeira de Lima 1, Peçanha, Marcela

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM EDIFICAÇÕES

APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM EDIFICAÇÕES APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM EDIFICAÇÕES Elisabete Peres Bertolo Engenheira Civil Mestre em Engenharia do Ambiente Aproveitamento da água das chuvas numa casa australiana (Apostolidis, 2003). Museu

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO Tamires Raquel Gonçalves Silva (1); Antônio Olívio Silveira Britto (1); Juliana de Oliveira Lemos (2); Marjory

Leia mais

Proposta de Água de Reúso ETE Insular

Proposta de Água de Reúso ETE Insular Proposta de Água de Reúso ETE Insular Setor Operacional de Esgoto SEOPE / AFLS Gerência de Políticas Operacionais GPO Gerência de Meio Ambiente - GMA Setor de Qualidade de Água e Esgoto /Gerência Operacional

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CTDECPEX02 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS Celso Augusto Guimarães Santos (3); Klissia Magno (2); Mellyne Palmeira (1); Renan Dantas (1); Isabelle Yruska de Lucena Gomes Braga (2)

Leia mais

Capitulo 3. Previsão de consumo de água não potável

Capitulo 3. Previsão de consumo de água não potável Capitulo 3 Previsão de consumo de água não potável Em 1851 Mulvaney descreveu pela primeira vez o conceito de tempo de concentração David Maidment, 1993 3-1 Índice Capítulo 3- Previsão de consumo de água

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

1 de 10 04/02/2013 10:51

1 de 10 04/02/2013 10:51 1 de 10 04/02/2013 10:51 inicial produtos Água e Esgoto ETE Trat. Biológico de Esgoto Aproveitamento de água de chuva Reuso de esgoto tratado Eco Lava-Rápido Filtro Central Cisternas Sistemas de Ozônio

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Resp. Técnico: Carlos A. N. Viani MD-1944/02-HP-001 Rev. 0 1. OBJETIVO Este memorial

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO

CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO CONSERVAÇÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO ÁGUA NO PLANETA TERRA 70 % Superfície ÁGUA 97% ÁGUA SALGADA 3% ÁGUA DOCE ÁGUA DOCE BRASIL = 12 % 20% 0% NORTE OUTRAS 80% IMPORTÂNCIA DA ÁGUA BEM ÚNICO E FINITO SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2.918, de 06 de julho de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de 1993 1. OBJETIVO Orientar

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

Monografia "ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL E EFICIENTE DA ÁGUA"

Monografia ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL E EFICIENTE DA ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VII-027- A SAÚDE PÚBLICA E A QUALIDADE DA ÁGUA EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE JOINVILLE

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VII-027- A SAÚDE PÚBLICA E A QUALIDADE DA ÁGUA EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE JOINVILLE 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VII-027- A SAÚDE PÚBLICA E A QUALIDADE DA ÁGUA EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE JOINVILLE Fernanda

Leia mais

Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada

Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada Worshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento. Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada 29/07/2014 Eng.º Américo de Oliveira Sampaio Superintendente Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Leia mais

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS ISSN 1984-9354 APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS Andrea Sartori Jabur (UTFPR) Heloiza Piassa Benetti (UTFPR) Elizangela Marcelo Siliprandi (UTFPR) Resumo A utilização das águas pluviais,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Cisterna Junho/2013 Sendo a água doce um recurso natural escasso, as diversas questões a ela relacionadas são hoje motivo de preocupação em todo o mundo. Dentre

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS MS ECO RA 800 REV.02 SUMÁRIO 2 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 Aproveitamento de água de chuva Luciano Zanella Palestra apresentado no 2.Semana de Engenharia Ambiental, Poços de Caldas, 2015 A série Comunicação Técnica compreende trabalhos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA JANEIRO DE 2015 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Márcio França Secretário da Educação

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE C T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PR CUIDR DO MEIO MBIENTE TNQUE SLIM MUITO MIS INOVÇÃO E FCILIDDE PR RMZENR ÁGU D CHUV FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Nicole Hastenreiter Rocha¹; Celso Bandeira de Melo²; Marconi Fonseca de Moraes ³; Silas de Oliveira Coelho 4 ; RESUMO

Leia mais

Sistema para balanceamento hídrico de empreendimento. Dentre estas medidas está a constante busca pela redução de consumo de água potável,

Sistema para balanceamento hídrico de empreendimento. Dentre estas medidas está a constante busca pela redução de consumo de água potável, Início do projeto: Em uma busca incessante por reduzir gastos com água potável, o empreendimento comercial de operação hoteleira feita com a bandeira internacional Blue Tree Premium, vem nos últimos anos

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS: CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DESTE SISTEMA NO PRESÍDIO CENTRAL DE PORTO ALEGRE

REAPROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS: CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DESTE SISTEMA NO PRESÍDIO CENTRAL DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tobias Marangon Rosa REAPROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS: CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DESTE SISTEMA NO PRESÍDIO CENTRAL

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Regulamenta critérios para operação e manutenção de reservatórios de água potável superiores e inferiores (cisternas), de estabelecimentos

Leia mais

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS Reginaldo Ramos (1) Químico pelo Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ/UFRJ).

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

MANUAL PARA CAPTAÇÃO EMERGENCIAL E USO DOMÉSTICO DE ÁGUA DE CHUVA

MANUAL PARA CAPTAÇÃO EMERGENCIAL E USO DOMÉSTICO DE ÁGUA DE CHUVA MANUAL PARA CAPTAÇÃO EMERGENCIAL E USO DOMÉSTICO DE ÁGUA DE CHUVA Este manual oferece à população orientações para o aproveitamento emergencial da água de chuva, apresentando as boas práticas para a sua

Leia mais

171- Arvore de falhas de aproveitamento de água de chuva

171- Arvore de falhas de aproveitamento de água de chuva Curso de Hidráulica e Saneamento Capitulo 171- Árvore de Falhas de Aproveitamento de Água de Chuva. Engenheiro Plínio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 12/9/2015 171- Arvore de falhas de aproveitamento de água

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

Viabilidade técnica e econômica da captação de

Viabilidade técnica e econômica da captação de GESTÃO INTEGRADA DA ÁGUA DE CHUVA NO SETOR URBANO Viabilidade técnica e econômica da captação de água de chuva no meio urbano Luciano Zanella aproveitamento de água de chuva simples facilmente aplicável

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Reuso para uso Urbano não Potável

Reuso para uso Urbano não Potável 6 Seminário sobre Tecnologias Limpas Porto Alegre, 10 de Junho de 2015 Painel :Alternativas Práticas de Reuso Reuso para uso Urbano não Potável Eng. Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE CISTERNA MUITO MAIS INOVAÇÃO E FACILIDADE PARA ARMAZENAR ÁGUA DA CHUVA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

CURSO SOBRE SISTEMAS DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

CURSO SOBRE SISTEMAS DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL CURSO SOBRE SISTEMAS DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL Elisabete Bertolo Eng.ª Civil, Mestre em Engenharia do Ambiente, especializada em Sistemas de Água da Chuva Vitor Simões Dr, Ecoágua Lda, Sistemas

Leia mais

10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água

10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. 10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água MS ECO RA 3.000 AUTO ESTAÇÃO COMPACTA PARA TRATAMENTO E REÚSO DE EFLUENTES Cliente: VIACÃO SALUTARIS E TURISMO

Leia mais

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DE Á- GUA DE CHUVA - CASO JOINVILLE

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DE Á- GUA DE CHUVA - CASO JOINVILLE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DE Á- GUA DE CHUVA - CASO JOINVILLE carlos alberto klimeck gouvea (sociesc) gouvea@sociesc.org.br Ana Carolina Melo Alves Radavelli (sociesc) aninhama@msn.com

Leia mais

Manual do produto coletor solar. MC Evolution MC Evolution Pro. Coletor solar MC Evolution 1

Manual do produto coletor solar. MC Evolution MC Evolution Pro. Coletor solar MC Evolution 1 Manual do produto coletor solar MC MC Pro Coletor solar MC 1 Índice 1. Indicações / Recomendações de segurança... 4 1.1 Perigo no caso de trabalhos sobre telhado... 4 1.2 Instalação... 4 1.3 Perigo de

Leia mais

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CATÁLOGO 2014 Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CISTERNAS VERTICAIS Nossa linha de Cisternas Verticais foi desenvolvida para se adaptar às mais diversas estruturas e, atráves de vasos comunicantes,

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em áreas urbanas para fins não potáveis

Aproveitamento de água de chuva em áreas urbanas para fins não potáveis Capitulo 0- Introdução Engenheiro Plínio Tomaz 23 de fevereiro 2009 pliniotomaz@uol.com.br Capítulo 0 Introdução 1-1 Capitulo 0- Introdução Engenheiro Plínio Tomaz 23 de fevereiro 2009 pliniotomaz@uol.com.br

Leia mais

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Junho / 2015 Mudanças

Leia mais

I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC.

I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC. I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC. Reginaldo Campolino Jaques (1) Engenheiro Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO ENGENHARIA CIVIL CÁSSIO REIS DA SILVA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO ENGENHARIA CIVIL CÁSSIO REIS DA SILVA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO ENGENHARIA CIVIL CÁSSIO REIS DA SILVA ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA CAPTAÇÃO E REUSO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM RESIDÊNCIAS DE FORMIGA - MG FORMIGA MG 2015 CÁSSIO

Leia mais

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 250 Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Adriana Karla Tavares Batista Nunes Leal¹; Ronaldo Faustino da Silva²; Eduardo

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Reuso da Água. Porque reutilizar água no mundo? Reuso

Reuso da Água. Porque reutilizar água no mundo? Reuso Definições Reuso da Água FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista em Controles Ambientais - SENAI Consultor

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO.

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. Pedro de Almeida Carísio¹; Heber Martins de Paula 2 Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições legais e,

ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições legais e, ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMG N Nº 669 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP Objetivos principais do tratamento de esgoto O futuro e as próximas gerações na bacia PCJ INVESTIMENTO MACIÇO EM TRATAMENTO DE ESGOTO CONCEPÇÕES

Leia mais

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Cícero Onofre de Andrade Neto O acesso a água potável é apenas um dos problemas

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA UNIVERSIDADE PAULISTA - ARAÇATUBA ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA PROFESSOR: RODRIGO ANDOLFATO INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA Marcos Aurélio F. Pádua RA A54345-7 Antônio Waldir de

Leia mais

Projeto de norma da ABNT de Reúso não potável de

Projeto de norma da ABNT de Reúso não potável de Projeto de norma da ABNT de Reúso não potável de esgotos sanitários para uso urbano Msc. Eng. Hidráulica e Sanitária USP EESC - Virgínia Sodré A EMPRESA ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE A INFINITYTECH Somos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Sistemas de Aproveitamento de Águas Pluviais Uso eficiente da Água

Sistemas de Aproveitamento de Águas Pluviais Uso eficiente da Água Sistemas de Aproveitamento de Águas Pluviais Uso eficiente da Água Introdução Aproveitar água da chuva Áreas Urbanas Centralidade Sistémica Source Control e Local Management Alterações Climáticas Forma

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS, ANÁLISE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR EM MACAÚBAS-BA 1

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS, ANÁLISE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR EM MACAÚBAS-BA 1 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS, ANÁLISE EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR EM MACAÚBAS-BA 1 Luiz Henrique Sant ana de Figueiredo 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais