ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DR. JOSÉ TIMÓTEO MONTALVÃO MACHADO GUIA DO ESTUDANTE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DR. JOSÉ TIMÓTEO MONTALVÃO MACHADO GUIA DO ESTUDANTE 2014"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DR. JOSÉ TIMÓTEO MONTALVÃO MACHADO Quinta dos Montalvões Rua Central de Outeiro Seco Tel.: Fax.: Chaves GUIA DO ESTUDANTE 2014 Chaves, setembro de 2014

2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DJTMM DE CHAVES História da Escola Missão Visão e Valores ESTRUTURA INTERNA DA ESCOLA Estrutura Física da Escola Estrutura Orgânica e Funcional da Escola Órgãos de Governo da ESEDJTMM Serviços Centros CURSOS, GRAUS E DIPLOMAS Curso de Licenciatura em Enfermagem Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Cursos de Pós-Graduação Métodos de Ensino Métodos de Avaliação Língua Utilizada CORPO DOCENTE SAÍDAS PROFISSIONAIS COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL NACIONAIS E INTERNACIONAIS Cooperação Nacional Cooperação Internacional ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO ECTS ATIVIDADES CULTURAIS E DE PROMOÇÃO DA SAÚDE CONCLUSÃO...38 ANEXOS...39 ANEXO I - CARTA DOS DIREITOS E DEVERES DO ESTUDANTE...40 ANEXO II - DEFINIÇÃO DE TERMOS...44

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1- Primeiro piso...8 Figura 2- Refeitório, Bar, Cozinha...8 Figura 3- Sala de Tecnologias de Informação e Comunicação...9 Figura 4- Biblioteca...9 Figura 5- Receção/ PBX...9 Figura 6- Sala de aula...10 Figura 7- Sala Técnica/ Laboratório...10 Figura 8- Auditório...10 Figura 9- Gabinetes de Contabilidade, Informática e Direção...11 Figura 10- Secretaria/ Serviços Académicos...11 Figura 11- Sala de professores...11 Figura 12- Sala de aula...12 Figura 13- Estrutura organizacional da ESEDJTMM...12 Figura 14- Plano Curricular CLE...23 Figura 15- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Comunitária...25 Figura 16- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica...26 Figura 17- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Saúde Infantil e Pediatria...26 Figura 18- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação...27 Figura 19- Curso de Pós Graduação de Gestão em Saúde...28 Figura 20- Curso de Pós-Graduação em Cuidados Paliativos...29 Figura 21- Curso de Pós-Graduação Urgência e Emergência Hospitalar...29 Figura 22-Curso de Pós-Graduação de Supervisão Clínica em Enfermagem...29 Figura 23- Corpo Docente...31 Figura 24- Descrição do sistema de classificação da instituição...35 Figura 25- Sistema de classificações e orientações sobre atribuição de notas

4 NOTA INTRODUTÓRIA A Declaração de Bolonha tem como objetivo central o estabelecimento, do Espaço Europeu de Ensino Superior, coerente, compatível, competitivo e atrativo para estudantes europeus e de países terceiros, de forma a promover a coesão europeia através do conhecimento, da mobilidade e da empregabilidade dos seus diplomados. Dos vários instrumentos que regulamentam estes compromissos, o Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, nos seus artigos n.º 35º a 37º, refere a obrigatoriedade de cada estabelecimento de ensino elaborar e disponibilizar um Guia Informativo que descreva as suas estruturas orgânicas, os graus que confere e os cursos que ministra, indicando para estes as suas condições de acesso, duração, unidades curriculares e seus conteúdos, cargas horárias, créditos, métodos de ensino e de avaliação de conhecimentos, para além de outra informação de natureza geral necessária à integração dos estudantes. Estas orientações, no que ao guia dizem respeito, são também mencionadas na Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro, no seu artigo n.º 162º, relativo à Informação e Publicidade. O presente Guia oferece uma visão geral da vida universitária na ESEDJTMM. É um auxiliar precioso para todos quantos se interessem por conhecer a orgânica e funcionamento da escola relativamente a: instalações, unidades orgânicas, estruturas de apoio, dos graus que confere e dos cursos que ministra, condições de acesso, duração, unidades curriculares e seus conteúdos programáticos, cargas horárias, créditos que confere e métodos de ensino e de avaliação de conhecimentos. A informação é apresentada detalhada e global para que quem o ler, ou consultar não lhe suscitem dúvidas. 4

5 1. A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DJTMM DE CHAVES 1.1. História da Escola A Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado (ESEDJTMM), foi criada em 1993, pela Associação Promotora do Ensino de Enfermagem em Chaves (APEEC), Instituição sem fins lucrativos constituída pelas Câmaras Municipais do Alto Tâmega e Barroso e pelas Santas Casas da Misericórdia de Boticas, Chaves, Ribeira de Pena, Vila Pouca de Aguiar e ainda pela Santas Casas da Misericórdia de Cerva, sedeada no Concelho de Chaves Foi reconhecida como instituição de interesse público pelo Decreto-lei nº 99/96 de 19 de Julho. É um estabelecimento de Ensino Superior, enquadrando-se no Ensino Superior Particular e Cooperativo, aprovado pelo Decreto-lei nº 16/94 de 22 de Janeiro, regendo-se pelo Decreto-Lei nº2/2007 de 10 de Setembro. Visa promover o Ensino de Enfermagem em conformidade com o Decreto-lei nº 353/99 de 3 de Setembro, que regulamenta e fixa as regras do Ensino de Enfermagem no âmbito do Ensino Superior Politécnico. Funcionou durante 12 anos, até Setembro de 2005, em instalações provisórias em contexto urbano na cidade de Chaves. Atualmente funciona em edifício construído e adaptado ao ensino de enfermagem. Insere-se numa bela paisagem rural na freguesia de Outeiro Seco, distando da cidade de Chaves cerca de 5 km. Correspondendo aos objetivos propostos a Escola privilegiou a criação de um curso, cujo interesse e necessidade se faziam sentir, quer na região, quer no País. Os estudos que conduziram à criação do Curso refletem a consciência que a Escola tem, tanto da sua importância científica e cultural, como do mercado de trabalho existente para os futuros diplomados. Para a prossecução dos seus fins, a Escola foi dotada pela Associação Promotora do Ensino de Enfermagem, de estatutos próprios. Nos termos do n.º l do artigo 172.º da Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro, as instituições de ensino superior devem proceder à revisão dos seus estatutos, de modo a conformá-los com o novo Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior. Depois da ESEDJTMM ter escrito o novo texto estatutário e de o ter submetido à aprovação ministerial, os estatutos foram homologados e publicados na II série do Diário da República nº 196 de 09 de Outubro de

6 Na sequência das alterações à Lei de Bases do Sistema Educativo introduzidas pela Lei nº115/97, de 19 de Setembro, e em conformidade com o disposto no Dec-Lei nº 353/99, de 3 de Outubro, que fixa as regras gerais a que está subordinado o ensino de enfermagem, encontram-se a funcionar na Escola os seguintes cursos: Curso de Licenciatura em Enfermagem (CLE); Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-cirúrgica (CPLEEMC); Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem Comunitária (CPLEEC) Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação (CPLEER) Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria (CPLEESIP) Curso de Pós graduação de Gestão em Saúde Curso de Pós-Graduação em Cuidados Paliativos Curso de Pós-Graduação Urgência e Emergência Hospitalar Curso de Pós-Graduação de Supervisão Clínica em Enfermagem De referência nacional, pelo seu estatuto, mas também pela sua qualidade e inovação a ESEDJTMM é constituída por uma comunidade escolar comprometida com a formação humanista, científica, técnica e cultural de profissionais socialmente reconhecidos. Estrategicamente, procuramos desenvolver e consolidar parcerias e projetos com instituições de saúde e de ensino nacionais e internacionais, associações e entidades locais e regionais, visando a formação e atualização permanente dos profissionais de saúde, a promoção de investigação qualificada, a difusão de conhecimentos e a prestação de serviços de excelência à comunidade. Os objetivos que presidiram à criação desta Instituição foram: Responder na região ao crescimento da população estudantil que pretende ingressar no Ensino Superior; Ministrar o Curso de Licenciatura em Enfermagem. 6

7 As finalidades deste curso preconizam: Formar ao mais alto nível, humano, técnico, científico e ético/deontológico, enfermeiros qualificados para a prestação de cuidados de enfermagem; Proporcionar aos formandos todas as condições necessárias à optimização da formação; Realizar atividades de investigação no âmbito da disciplina de enfermagem; Procurar um aperfeiçoamento progressivo dos processos pedagógicos; Prestar serviços à comunidade, numa perspectiva de valorização recíproca. Assim, a Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado, de Chaves, pretende dotar os diplomados de uma ampla formação científica e técnica em diferentes domínios da Enfermagem, suportada por uma sólida formação de base em Cuidados de Saúde que conferem uma perspetiva integrada dos problemas de saúde, cuja resolução necessita de um enfoque no cuidar e capacita para a análise da pessoa de uma forma holística, ao longo do seu ciclo vital, bem como o desenvolvimento da investigação nos domínios da área da saúde. Tem vindo a constituir-se como foco de desenvolvimento regional e elemento dinamizador de eventos, numa óptica de prestação de serviços à comunidade. Promove o reforço de qualificação do seu corpo docente, mas também dos restantes funcionários, apoia a publicação e a divulgação de trabalhos e estimula a investigação científica. A prioridade da Escola centra-se na prestação de um ensino de qualidade, preparando os seus estudantes para o exercício de uma atividade profissional qualificada e uma cidadania participativa, incentiva o intercâmbio cultural e científico a nível nacional e internacional, promove a cooperação institucional com as suas congéneres mas também com outras instituições de forma a desenvolver e potenciar as relações socioeconómicas, troca de saberes e colaboração entre vários organismos Missão Visão e Valores A ESEDJTMM tem por missão formar e qualificar profissionais de enfermagem, assegurando o respeito pela dimensão científica, técnica, cultural e humana, tendo como referência uma filosofia holista, em conformidade com o exigido para o ensino superior politécnico previsto na legislação em vigor. Como visão, a qualidade da formação ministrada para que seja reconhecida e elegida pelos pares, instituições e comunidade. 7

8 Os valores, como o conjunto de princípios e propósitos, que estão na base de uma cultura organizacional, a ESEDJTMM procurará que subjacente à construção da tomada de decisão e ação, estejam um conjunto de valores analisados e consensualizados como valores da comunidade educativa, nomeadamente: o humanismo, a cidadania, a excelência na organização, a qualidade e a ética. 2. ESTRUTURA INTERNA DA ESCOLA Da Escola fazem parte os estudantes e os docentes, dando estes últimos resposta às expetativas dos estudantes, permitindo um processo de ensino/aprendizagem de excelência Estrutura Física da Escola A Escola fica situada na Quinta do Montalvões, em Outeiro Seco. As instalações distribuem-se por três pisos, conforme passamos a apresentar. 1.º Piso: Figura 1- Primeiro piso - Refeitório, Bar, Cozinha Figura 2- Refeitório, Bar, Cozinha - Associação de Estudantes - Instalações Sanitárias - Reprografia 8

9 - Sala de Tecnologias de Informação e Comunicação Figura 3- Sala de Tecnologias de Informação e Comunicação - Biblioteca Figura 4- Biblioteca - Elevador 2.º Piso: - Recepção - PBX Figura 5- Receção/ PBX - Sala de aula 1 - Sala de aula 2 9

10 - Sala de aula 3 - Sala de aula 4 Figura 6- Sala de aula - Sala Técnica/ Laboratório Figura 7- Sala Técnica/ Laboratório - Auditório Figura 8- Auditório - Gabinete de Direção 10

11 - Gabinetes de Contabilidade e Informática Figura 9- Gabinetes de Contabilidade, Informática e Direção - Secretaria/ Serviços Académicos Figura 10- Secretaria - Sala de Professores Figura 11- Sala de professores - Gabinete de Coordenação 1.º ano - Gabinete de Coordenação 2.º ano - Gabinete de Coordenação 3.º ano - Gabinete de Coordenação 4.º ano - Gabinete de Coordenação de Especialidades - Gabinete de apoio ao aluno 11

12 - Gabinete do Provedor do estudante 3.º Piso: - O terceiro piso da escola tem 8 salas de aula. Figura 12- Sala de aula 2.2. Estrutura Orgânica e Funcional da Escola A ESEDJTMM integra as seguintes componentes identificadas pelos objetivos que prosseguem e pelas funções que desempenham: Órgãos de governo; Serviços. A ESEDJTMM apresenta atualmente a seguinte estrutura organizacional (D.R. 2ª Série nº 196 de 9 de Outubro de 2009). Figura 13- Estrutura organizacional da ESEDJTMM 12

13 Órgãos de Governo da ESEDJTMM A Prossecução dos fins da ESEDJTMM é assegurada pelos seguintes órgãos: Conselho de Direção; Conselho Técnico -Científico; Conselho Pedagógico. CONSELHO DE DIREÇÃO Constituído por dois docentes e pelo Presidente da Associação Promotora do Ensino de Enfermagem em Chaves (APEEC): Presidente do Conselho de Direcção: Prof. Maria Inês Pereira Dias Vice-Presidente do Conselho de Direcção: Cristina Guedes Moura Presidente da APEEC: Arquiteto António Cabeleira Compete ao Presidente do Conselho de Direção (Art.º 12º ponto 3, dos estatutos da ESEDJTMM): i) Presidir ao Conselho de Direção e assegurar o cumprimento das deliberações por ele tomadas; ii) Elaborar e apresentar o plano estratégico de médio prazo e plano de ação para o triénio, promovendo o desenvolvimento das atividades científicas e pedagógicas da ESEDJTMM; iii) Representar a ESEDJTMM perante quaisquer entidades públicas ou privadas; iv) Presidir às reuniões dos Conselhos Técnico Científico e Pedagógico, por inerência do cargo, sem prejuízo de poder delegar estas atribuições; v) Propor ao Conselho de Direção as linhas gerais da vida escolar, bem como as medidas necessárias ou convenientes à melhoria da ESEDJTMM; vi) Nomear e destituir o Vice -presidente do Conselho de Direção vii) Exercer todas as competências, que cabendo no âmbito das atribuições da ESEDJTMM, não sejam cometidas a outros órgãos. 13

14 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO Constituído por 6 professores em tempo integral: Presidente do Conselho Técnico-científico: Prof. Maria Inês Pereira Dias Vice-Presidente do Conselho Técnico-científico: Prof. Ana Maria Monteiro Martins Prof. Abel José Charneco Martins Prof.ª Cristina Guedes Moura Prof.ª Jacinta Pires Martins Prof. ª Zita Alves São competências do Conselho Técnico-Científico (artigo 15.º dos Estatutos da ESEDJTMM), para além das que lhe forem atribuídas pelo Estatuto da Carreira Docente do Ensino Superior Politécnico, as seguintes: i) Elaborar o seu regimento; ii) Apreciar o plano de atividades científicas da instituição; iii) Pronunciar-se sobre a criação, transformação ou execução de unidades orgânicas da instituição; iv) Deliberar sobre a distribuição do serviço docente, sujeitando-o a homologação do Conselho de Direção; v) Pronunciar-se sobre a criação de ciclos de estudos e aprovar os planos de estudos dos ciclos de estudo ministrados; vi) Propor ou pronunciar-se sobre a concessão de títulos ou distinções honoríficas; vii) Propor ou pronunciar-se sobre a instituição de prémios escolares; viii) Propor ou pronunciar-se sobre a realização de acordos e de parcerias internacionais; ix) Propor a composição dos júris de provas e de concursos académicos; x) Praticar os outros atos previstos na lei relativos à carreira docente e de investigação e ao recrutamento de pessoal docente e de investigação; 14

15 xi) Aprovar os regulamentos de frequência, avaliação, transição de ano e precedências, no quadro dos presentes Estatutos e da legislação em vigor; xii) Fazer proposta e dar parecer sobre a aquisição de equipamento científico e bibliográfico; xiii) Decidir sobre equivalências nos casos previstos na Lei; xiv) Definir as linhas orientadoras das práticas a prosseguir nos domínios do ensino, da formação, da investigação e da prestação de serviços à comunidade; xv) Exercer as competências que lhe são atribuídas pelo Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior; xvi) Propor extinção e ou criação de cursos ministrados na Escola; xvii) Propor alteração dos Planos de Estudos. Conselho Pedagógico Constituído por 3 professores e dois estudantes: Presidente do Conselho Pedagógico: Prof. Maria Inês Pereira Dias Vice-Presidente do Conselho Pedagógico: Prof. Cristina Guedes Moura Representante do Corpo Docente: Prof.ª Jacinta Martins Estudantes eleito pelos seus pares: Marlene Moras CLE 4º Ano Tânia Feijó CLE 2º Ano São competências do Conselho Pedagógico (artigo 105.º do RJIES e artigo 17.º dos Estatutos da ESEDJTMM): i) Elaborar o seu regimento; ii) Pronunciar-se sobre as orientações pedagógicas e os métodos de ensino, avaliação de conhecimentos e competências dos estudantes; 15

16 iii) Promover a realização de inquéritos regulares ao desempenho pedagógico da Escola e a sua análise e divulgação; iv) Promover a realização da avaliação do desempenho pedagógico dos docentes, por estes e pelos estudantes, e sua análise e divulgação; v) Apreciar as queixas relativas a falhas pedagógicas, e propor as providências necessárias; vi) Aprovar o regulamento da avaliação do aproveitamento dos estudantes; vii) Pronunciar-se sobre o regime de prescrições; viii) Pronunciar-se sobre a criação de ciclos de estudos e sobre os planos dos ciclos de estudos ministrados, bem como possíveis alterações; ix) Pronunciar-se sobre a instituição de prémios escolares; x) Pronunciar-se sobre o calendário letivo e de exames; xi) Exercer as demais competências que lhe sejam atribuídas pela lei ou pelos estatutos; xii) Dar parecer sobre normas gerais de avaliação de conhecimentos e competências; xiii) Propor as atividades pedagógicas a realizar pelos docentes. Provedoria do Estudante O Provedor do Estudante tem como funções: i) Receber e apreciar queixas e reclamações dos estudantes e dar conhecimento das mesmas aos Órgãos competentes da ESEDJTMM, sempre que o entender necessário; ii) Fazer recomendações ao Conselho de Direção no sentido de acautelar os legítimos interesses dos estudantes, nomeadamente os que se prendem com os seus direitos estatutários; iii) Ouvir, sempre que achar útil, as opiniões da Associação dos Estudantes. A provedoria do estudante é coordenada pela Prof.ª Ana Maria Monteiro. 16

17 Serviços Os serviços da ESEDJTMM são estruturas vocacionadas para o apoio técnico, administrativo e logístico. Desenvolvem as suas atividades nos domínios dos assuntos académicos, dos recursos humanos, expediente e arquivo, contabilidade e património. São serviços da ESEDJTMM: SERVIÇOS ACADÉMICOS Os Serviços Académicos Núcleo de Alunos e Núcleo de Registo são coordenados pela Assistente Técnica Ana Paula Castro Lopo SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS RECURSOS HUMANOS Coordenadora Técnica Alcina Soares CONTABILIDADE E PATRIMÓNIO, INVENTÁRIO E TESOURARIA Técnico Superior José Augusto Alves Centros Os centros são unidades funcionais de apoio científico, pedagógico, técnico e de investigação, nos domínios de atuação que lhes são próprios. São criados por despacho do Presidente do Conselho de Direção após aprovação em Conselho Técnico-Científico. Cada centro pode ser composto por docentes, técnicos especializados e discentes. Compete a cada centro, nomeadamente: i) Garantir a prestação de serviços no âmbito das atividades de formação, ensino e investigação da ESEDJTMM; ii) Assegurar a utilização dos respetivos recursos, de acordo com princípios técnicos, científicos e pedagógicos; 17

18 iii) Promover a investigação, a e formação nos respetivos domínios de atuação; iv) Contribuir para a definição de objetivos, conteúdos e metodologias para as disciplinas com que colaboram, integradas nos cursos ministrados na ESEDJTMM; v) Propor a aquisição de materiais e equipamento que viabilizem o desenvolvimento e a implementação das atividades da ESEDJTMM no respetivo domínio de atuação; vi) Assegurar a gestão dos recursos humanos e materiais postos à sua disposição; vii) Zelar pela conservação e manutenção das respetivas instalações e bens. Os centros da ESEDJTMM são os seguintes: - CENTROS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO Coordenação: Dr. Eduardo Cruz Assistente Técnica: Helena Ferreira O Centro de Documentação e Informação visa apoiar e incentivar a pesquisa científica e o conhecimento nas diversas áreas do saber. Tenta contribuir para o desenvolvimento de competências e hábitos de trabalho dos utilizadores, baseados na consulta e produção de informação, nomeadamente: seleção, análise, crítica e utilização de documentos. Fomenta o desenvolvimento da autonomia dos utilizadores no domínio da informação e formação. Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira das 9:00h às 17:30h. - CENTRO DE INFORMÁTICA Coordenação: Dr. Gil Reis - CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM ENFERMAGEM (CIE) Coordenação: Prof.ª Alexandrina Lobo Dado ser fundamental que o ensino e a investigação científica estejam intimamente ligados foi criado o Gabinete de Investigação em Enfermagem, realiza as suas atividades nos domínios da investigação e divulgação científica, e da prestação de serviços à comunidade, visando os seguintes fins: Promover a investigação científica na Escola; Incentivar a criação de projetos de investigação, em particular na área da saúde; 18

19 Incentivar a publicação (periódicos, congressos, etc.) e compilar lista anual de atividades científicas; A cooperação de âmbito científico e técnico com entidades públicas ou privadas, nacionais ou internacionais; A prestação de serviços de consultoria à comunidade numa perspetiva de valorização e promoção recíprocas e de desenvolvimento. - GABINETE DE APOIO AO ESTUDANTE (GAE) O Gabinete de GAE é uma estrutura vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a avaliação e apoio psicológico, dirigido aos estudantes. Acompanha os estudantes com dificuldades socioeconómicas através de apoio na elaboração de planos de pagamento de propina e no respetivo acompanhamento, no encaminhamento de estudantes para instituições públicas competentes e/ou instituições de solidariedade social, sempre que os problemas colocados ao GAE não sejam da sua competência. Coordenação: Prof. Ana Maria Monteiro Secretário: Dr. Eduardo Cruz Constituem objetivos do GAE: Avaliar, diagnosticar e fazer a triagem de situações problemáticas com vista à definição das estratégias de intervenção a adoptar nas diversas situações; Implementar estratégias pedagógicas, de aconselhamento; Proceder ao encaminhamento de casos específicos; Dinamizar estratégias de integração inter-pares dos/para estudantes da ESEDJTMM; Desenvolvimento de programas com vista à promoção do rendimento escolar; Desenvolvimento de programas de promoção de competências sociais e pessoais. - GABINETE DE APOIO À INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Coordenação: Prof. Ana Maria Monteiro Secretariado: Dr. Eduardo Cruz 19

20 Ao Gabinete de Apoio à Inserção no Mercado de Trabalho compete: Desenvolver atividades de monitorização do mercado de trabalho e da situação face ao trabalho dos diplomados pela ESEDJTMM, nomeadamente através da realização de Observatórios do Emprego e de Empregadores; Criar e gerir uma base dados de Diplomados pela ESEDJTMM e Entidades Empregadoras de forma a apoiar a desenvolver parcerias; Dinamizar e gerir a bolsa de emprego através da sua divulgação juntos dos diplomados e empregadores e da inserção e divulgação de ofertas de emprego; Desenvolver atividades de sensibilização e esclarecimento dirigidas aos estudantes e diplomados da ESEDJTMM nos domínios da carreira e da empregabilidade; Prestar serviços de informação a sujeitos e entidades externos relativos a saídas e perfis profissionais dos cursos da ESEDJTMM, indicadores de empregabilidade e situação do mercado de trabalho. - GABINETE DE MOBILIDADE ERASMUS / RELAÇÕES INTERNACIONAIS Coordenação: Dr. Eduardo Cruz Numa aposta clara de um ensino de qualidade, a ESEDJTMM tem vindo a promover, a sua internacionalização, iniciada em 2012 com a candidatura ao Programa Setorial Erasmus. Neste âmbito, desenvolveu projetos de candidatura ao Programa Setorial Erasmus (SMP) 2013/2014, que é relativo à mobilidade de estudantes para estágios, com financiamento aprovado para 15 fluxos e organização de Cursos Intensivos de Línguas Erasmus (EILC) e ainda com financiamento aprovado para um curso de língua portuguesa para estudantes estrangeiros. Também e no âmbito do novo programa da União Europeia para a educação, formação, juventude e desporto, ERASMUS PLUS (ERASMUS+) 2014/2020, visando aumentar as competências e a empregabilidade, modernizar a educação, formação e o trabalho jovem, a ESEDJTMM desenvolveu a candidatura à Erasmus Charter for Higher Education. Esta candidatura tem como objetivo dar continuidade aos processos de mobilidade dos estudantes, alargando a área de intervenção nos domínios da mobilidade de estudantes para estudos (SMS) e mobilidade de docentes/não docentes, dentro de uma estratégia de internacionalização assumida. 20

21 - COMISSÃO DE QUALIDADE E GARANTIA Coordenação: Prof. Catarina Renata Ribeiro Com base na busca do rigor e transparência, em convergência com a missão e os objetivos consagrados nos estatutos da Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado (ESEDJTMM), a Comissão de Qualidade e Garantia (CQG), assume-se como um vetor estratégico no desenvolvimento organizacional e na consolidação de prestígio da escola. Competências da Comissão de Qualidade e Garantia: 1. A CQG da ESEDJTMM é um serviço responsável pela execução de um processo de gestão da qualidade, com vista à promoção, controlo e avaliação da qualidade, à permanente evolução e resposta de boas práticas. 2. Na vertente da qualidade cabe à CQG: i) A promoção de iniciativas e medidas tendentes à adoção de uma politica de qualidade e respetiva monitorização em todos os setores e áreas de atuação da ESEDJTMM, introduzindo uma cultura e práticas nesse sentido, garantindo a sua concretização; ii) Propor a uniformização de procedimentos no sentido da qualidade elaborando manuais a utilizar aos vários níveis, depois de validados pelos órgãos de governo; 3. Na vertente da avaliação, é confiada à CQG a função de promover e desenvolver ações de auditoria interna ás estruturas funcionais da ESEDJTMM; 4. A CQG deve produzir anualmente relatórios de atividades e de autoavaliação da ESEDJTMM e dos cursos; 5. A CQG deve disponibilizar na página da escola o relatório de auto-avaliação bem como do ciclo de estudos. 21

22 3. CURSOS, GRAUS E DIPLOMAS 3.1. Curso de Licenciatura em Enfermagem A licenciatura em Enfermagem, promove a aquisição de competências científicas técnicas humanas e relacionais desta área do conhecimento, permitindo a intervenção ao nível do desenvolvimento do indivíduo, do ensino e da investigação. Coordenador de Curso: Professora Helena Penaforte Grau conferido: Licenciatura em Enfermagem Condições de acesso: 12º Ano ou equivalente Pré-requisitos: exame de saúde aptidão física e funcional Um dos seguintes conjuntos (específicas): biologia e geologia; biologia e geologia/física e química; biologia e geologia/português; Nota mínima de candidatura 100 pontos; Nota mínima das provas de ingresso 95 pontos. Condições de acesso > 23 anos Ter completado 23 anos ate ao dia 31 de Dezembro do ano que antecede a realização das provas; Não sejam titulares de um curso superior; Não tenham habilitações académicas de acesso ao Curso de Licenciatura em Enfermagem, nem frequentem o referido curso. Documentação exigida: Currículo escolar e profissional de acordo com o modelo do Curriculum Vitae Europeu (CV Europass); Documento comprovativo da realização do pré-requisito do Grupo A; Declaração, sob compromisso de honra de que não é detentor das habilitações de acesso ao CLE; Fotocopia Cartão de Cidadão ou BI, NIF; Certificado de habilitações literárias. 22

23 PLANO CURRICULAR A presente proposta curricular encontra-se estruturada em diferentes áreas científicas organizadoras das unidades curriculares, obrigatórias que as integram e do número de créditos necessários à obtenção do diploma (cf. Quadros). Figura 14- Plano Curricular CLE 1º Ano 2º Ano 23

24 3º Ano 4º Ano 3.2. Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem A Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem pretende responder à crescente procura de quadros especializados, com sólida formação específica, assente na qualidade e na possibilidade dos estudantes adquirirem competências científicas técnicas humanas e relacionais específicas desta área do conhecimento, permitindo a intervenção ao nível da prestação de cuidados, do ensino e da investigação. Coordenador dos Cursos: Prof.ª Catarina Renata Ribeiro, Prof.ª Patrícia Pires Comunitária Reabilitação Médico-Cirúrgica Saúde Infantil e Pediatria 24

25 Condições de acesso: As Condições de candidatura são cumulativamente as seguintes: i) Ser titular do grau de licenciado em Enfermagem, ou equivalente legal; ii) Ser detentor do título profissional de enfermeiro; iii) Ter pelo menos dois anos de experiência profissional como enfermeiro. PLANO CURRICULAR CPLEE Figura 15- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Comunitária 25

26 Figura 16- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica Figura 17- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Saúde Infantil e Pediatria 26

27 Figura 18- Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação As unidades curriculares obrigatórias, anteriormente descritas, marcam o percurso de formação de cada um dos cursos e permitirão a aproximação progressiva aos contextos e problemáticas característicos das saídas profissionais e respetivas áreas de intervenção, bem como a preparação dos estudantes para o 2º ciclo de estudos em Enfermagem, constituído pelo Estágio Supervisionado e a Dissertação Cursos de Pós-Graduação A evolução do contexto social e económico, as recentes medidas de natureza estratégica que têm vindo a ser adoptadas no nosso País e muito em particular no setor saúde, exige a necessidade emergente de 27

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM SAÚDE Coordenação científica Prof. Inês Pereira Prof. Alexandrina Lobo Prof. Vítor Machado Coordenação

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM Coordenação científica Professora Doutora Helena Penaforte Coordenação pedagógica

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS O presente regulamento foi homologado pelo Presidente

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelos Decretos Lei n. os 107/2008, de 25 de Junho,

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. Informação sobre o titular da qualificação 1.1 Apelido(s): Fotografia 1.2 Nome(s) próprio(s): 1.3 Data Nascimento: dd/mm/aaaa 1.4 Número de identificação do estudante: XXXXXXXXXXXXXXXX

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR 1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 42/2005 de 22 de Fevereiro A 19 de Junho de 1999, os ministros da educação

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN)

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) (Aprovado por despacho do Ministro da Defesa Nacional de 19 de Abril de 2010 Ofício nº 1816/CG Pº 18/10, de 20 de Abril de 2010, do MDN, com as alterações

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013)

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (2ª Edição 2011/2013) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado 5400-673 Chaves info@esechaves.pt. Plano de Atividades 2014

Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado 5400-673 Chaves info@esechaves.pt. Plano de Atividades 2014 Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado 5400-673 Chaves info@esechaves.pt Plano de Atividades 2014 Chaves, dezembro 2013 ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO...5 2- MISSÃO, VISÃO E VALORES...5

Leia mais

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º DESPACHO/SP/43/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Radiologia Especialização Ósteo-articular, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC), homologado

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Manual da Qualidade

Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Manual da Qualidade Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado Manual da Qualidade Chaves, Novembro de 2012 ÍNDICE Introdução...3 Capítulo I...4 1. Política para a qualidade da ESEDJTMM...4 1.1. Missão,

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde de ( )

Agrupamento de Centros de Saúde de ( ) A presente proposta de Regulamento visa apenas os ACeS, por ser considerado prioritário este contributo face às solicitações chegadas. Urge no sentido da garantia da Qualidade e Segurança dos Cuidados

Leia mais

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte Contemporânea Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A Pós-Graduação

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/FORMAÇÃO ESPECIALIZADA Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece, por deliberação do Conselho

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM 1º Ciclo CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM Número de vagas: - Ingresso - 30 - Transferência (1) - 01 - Mudança de Curso (1) - 01 - Maiores

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

Regulamento de Mestrado

Regulamento de Mestrado Regulamento de Mestrado 2014 2014 ÍNDICE Nota Introdutória... 5 CAPÍTULO I Disposições gerais... 6 Artigo 1º Âmbito... 6 Artigo 2º Objetivos do Curso... 6 Artigo 3º Composição do curso... 7 Artigo 4º

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 164 25 de Agosto de 2009 34633 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

Diário da República, 2.ª série N.º 164 25 de Agosto de 2009 34633 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS Diário da República, 2.ª série N.º 164 25 de Agosto de 2009 34633 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS Aviso n.º 15055/2009 Nos termos do Despacho de SS. Ex.ª

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2014/20 ABERTURA DE CANDIDATURAS AOS CURSOS DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS DO ISTEC. Estatutos. CAPÍTULO 1 Natureza, Finalidades e Projecto Educativo (Natureza Jurídica)

ESTATUTOS DO ISTEC. Estatutos. CAPÍTULO 1 Natureza, Finalidades e Projecto Educativo (Natureza Jurídica) De acordo com os artºs 142 e 172 da Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro, foram publicados no Anúncio nº 6466/2009, do Diário da República, 2ª Série Nº 160 de 19 de Agosto de 2009, os Estatutos do ISTEC,

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO PORTO REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto Julho de 2009 PREÂMBULO 3 CAP. I (ÂMBITO E APLICAÇÃO) 3 Art. 1º (Âmbito) 3 Art. 2º

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 2015 1 PREÂMBULO A Licenciatura em Serviço Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (adiante designada por

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância

Guia de Curso. Administração e Gestão Educacional. Mestrado em. 15ª Edição. Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Universidade Aberta Sede R. da Escola Politécnica, 147 1269-001 Lisboa Campus do Taguspark Av. J. Delors, Edifício Inovação I 2740-122 Porto Salvo, Oeiras Coordenadora: Guia de Curso Lídia Grave-Resendes

Leia mais

REGULAMENTO DA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Conselho Técnico-Científico (Deliberação CTC-102/2010, de 23 de novembro) 23 07 2012 01 ÍNDICE 1. Preâmbulo... 4 2. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO A Escola Superior de Saúde Egas Moniz (ESSEM), tutelada pela Egas Moniz Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L., foi criada pelo decreto-lei 381/99 de 22 de Setembro,

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

1. Objectivos. 2. Destinatários. 3. Competências

1. Objectivos. 2. Destinatários. 3. Competências DEPARTAMENTO DE POLÍTICA E TRABALHO SOCIAL REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE LIDERANÇA E GESTÃO DE EQUIPAMENTOS SOCIAIS 1ª EDIÇÃO 2013/2014. 1 1. Objectivos Na sociedade atual as organizações de

Leia mais

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Revisão Data Alterações na Revisão Elaborado Aprovado 0 07-06-2010 Edição original GQA CDIR Pág. 1 de 6 Índice Capítulo Assunto

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 165 27 de agosto de 2012 30023

Diário da República, 2.ª série N.º 165 27 de agosto de 2012 30023 Diário da República, 2.ª série N.º 165 27 de agosto de 2012 30023 8.º semestre QUADRO N.º 9 Tempo de trabalho (horas) Unidades curriculares Área científica Tipo Créditos Observações Total Contacto (1)

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Diário da República, 1.ª série N.º 150 6 de agosto de 2013 4633 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 250/2013 de 6 de agosto Considerando o reconhecimento de interesse público do ISLA -Instituto

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais