NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:"

Transcrição

1 NEUROFISIOLOGIA O Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Endócrino (hormonal) desempenham a maioria das funções de controle do organismo - O SN controla atividades RÁPIDAS: contração muscular, eventos viscerais que variam rapidamente, velocidade de secreção de algumas glândulas. - O S. Endócrino controla funções metabólicas. ORGANIZAÇÃO GERAL: A Unidade Funcional básica do sistema nervoso é o NEURÔNIO. Atuam tipicamente em grandes conjuntos de células associadas entre si (redes ou circuitos) e não isoladamente. Produzem e emitem pequenos sinais elétricos que codificam informações do ambiente interno e externo, além das informações geradas no próprio SN. Esses sinais elétricos são chamados de impulsos nervosos e estes nada mais são do que potenciais de ação que se propagam pela membrana do neurônio. Pode-se afirmar então que neurônios geram e emitem potenciais de ação e através desses potenciais codificam informações específicas. Apesar de possuírem as mesmas características básicas de outras células, os neurônios podem ser de morfologia bastante variada. Legenda: Tipos básicos de neurônios Bipolar (interneurônio); Unipolar (n. sensorial); Multipolar (n. motor); Célula Piramidal Nos circuitos neurais os neurônios recebem informações vindas de outros neurônios aos quais está associado através de ramificações do corpo celular chamadas dendritos. Um grande número de dendritos permite que o neurônio receba uma vasta variedade de informações vindas de células diferentes. Um dos prolongamentos do corpo celular é mais longo e fino, com poucas ramificações a não ser na sua extremidade (terminal nervoso). Esse é o axônio também chamado de fibra nervosa. Cada neurônio tem um único axônio e é por ele que o neurônio envia informações para outras células. A região de contato do terminal nervoso de um neurônio com os dendritos ou corpo (raramente com axônios) de outros neurônios é chamada de sinapse e é fundamental para o processamento da informação no SN. Entretanto, usaremos o termo sinapse como sinônimo de processo fisiológico de transmissão do impulso nervoso de um neurônio para uma outra célula. Ao analisar-se o SN de um vertebrado a olho nu notam-se partes dentro do crânio e da coluna vertebral e partes distribuídas por todo o organismo. As porções que ficam no crânio e coluna formam o Sistema Nervoso Central (SNC) e as demais formam o Sistema Nervoso Periférico (SNP). SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO (SNP): A maior parte das células nervosas encontra-se no SNC e o SNP contém menos células, mas possui um grande número de prolongamentos (fibras nervosas) agrupados em filetes chamados nervos. Os nervos são os principais componentes do SNP e uma de suas extremidades termina em um órgão e a outra está inserida no SNC, servindo como conexão entre os SNC e os órgãos. A organização morfológica do SNP é complexa e característica de cada espécie. 1

2 Legenda (de cima para baixo): SNC; cérebro; Medula espinhal; SNP; nervo periférico Didaticamente podemos subdividir o SNP em dois: a DIVISÃO SENSORIAL e a DIVISÃO MOTORA. A divisão sensorial é a porção do SNP encarregada de captar informações em diferentes partes do ambiente interno e externo ao organismo e enviálas o SNC, onde serão processadas. Tais informações são captadas por neurônios especiais denominados receptores sensoriais. Os receptores sensoriais captam sinais diferentes, transformam em impulso nervoso e enviam a informação, agora codificada, para o SNC. Como nas fibras nervosas da divisão sensorial a informação trafega da periferia (diferentes partes do organismo) em direção ao SNC elas são chamadas de vias aferentes. A divisão motora é a parte do SNP que coleta informações já processadas pelo SNC e as envia para diferentes partes do organismo para que o controle sobre os órgãos/sistemas e a manutenção da homeostasia sejam possíveis. As partes do organismo que recebem e executam um a ordem dada pelo SNC (conduzida pela divisão motora) são chamadas de efetores. Os efetores podem ser células musculares (cardíacas, esqueléticas ou lisas) ou glândulas (endócrinas ou exócrinas). Portanto, as únicas ordens que o SNC pode mandar executar são contração muscular e secreção glandular. Como nas fibras nervosas da divisão motora a informação trafega do SNC em direção aos diferentes efetores elas são chamadas de vias eferentes. Os neurônios que enviam impulsos do SNC para músculos esqueléticos são denominados neurônios motores. Os neurônios da divisão motora do SNP que enviam impulsos do SNC para músculo liso, cardíaco e glândulas fazem parte do Sistema Nervoso Autônomo (SNA). SISTEMA NERVOSO CENTRAL (SNC): Anatomicamente pode-se dividir o SNC em duas grandes partes: encéfalo (conjunto formado pelo cérebro, cerebelo e tronco encefálico) que se encontra na caixa craniana; e medula espinhal que se encontra no interior da coluna vertebral. Encéfalo de diferentes vertebrados (da esquerda para direita) peixe (tubarão); anfíbio (sapo); réptil (crocodilo); ave (ganso); mamífero (cavalo). A função principal do SNC é processar as informações que chegam até ele através da divisão sensorial do SNP, de maneira que ocorram respostas motoras apropriadas. Esse processo requer a seleção das informações relevantes e sabe-se hoje que mais de 99% de todas as informações sensoriais são descartadas pelo cérebro como irrelevantes. Por exemplo, em geral não são percebidas as partes do corpo em contato com as roupas, a pressão do acento quando se está sentado etc. Depois da informação sensorial ser selecionada ela é conduzida para regiões apropriadas do SNC (circuitos neurais) que terão o papel de processar essa informação e gerar a resposta desejada (quando necessário). Essa canalização da informação é chamada de FUNÇÃO INTEGRADORA do SNC. Em que local se encontram os circuitos neurais responsáveis por processar diferentes informações? Há 3 níveis principais de processamento da informação no SNC e cada um apresenta funções específicas: A. O nível da MEDULA ESPINHAL: A medula não atua somente como um condutor de sinais à partir da periferia do corpo para o cérebro (ou na direção oposta) - controla funções mais simples como reflexos. 2

3 Muitas vezes os níveis superiores do SN operam enviando sinais para a medula e não diretamente para a periferia do corpo B. O nível CEREBRAL INFERIOR: Muitas das atividades que chamamos de subconscientes do corpo são controladas nas áreas inferiores do encéfalo (tronco encefálico, hipotálamo, tálamo, cerebelo e gânglios da base). Ex.: o controle da pressão arterial (PA) e respiração, controle do equilíbrio, reflexos alimentares, padrões emocionais (raiva, excitação, resposta sexual etc) reação à dor etc. C. O nível CEREBRAL SUPERIOR ou CORTICAL: O CÓRTEX é um depósito extremamente grande de memória, nunca funciona sozinho sempre em associação com centros inferiores do SNC. Sem o córtex as funções do SNC inferior são muitas vezes imprecisas e, além disso, ele essencial à maioria dos processos de pensamento, mas também nesse sentido não funciona sozinho. Pode se dizer que cada porção do SN desempenha funções específicas mas é o CÓRTEX que abre o mundo para nossa mente. SINAPSES DO SISTEMA NERVOSO As informações são transmitidas no SN principalmente sob a forma de POTENCIAIS de AÇÃO NERVOSOS chamados de "IMPULSOS NERVOSOS" através de sucessões de neurônios. Os sinais nervosos são transmitidos de um neurônio para outro neurônio (ou outra célula) através de um processo chamado SINAPSE. Há dois tipos básicos de sinapses, as químicas e as elétricas. Nas sinapses elétricas o impulso nervoso é transmitido através da troca direta de íons entre as células envolvidas. Nas sinapses químicas a transmissão é feita com auxílio de um intermediário químico chamado neurotransmissor. A maioria das sinapses usadas para transmissão de sinais no SNC do ser humano são do tipo químico. SINAPSE QUÍMICA: Nesse tipo de sinapse o primeiro neurônio secreta uma substância química (neurotransmissor) na fenda sináptica e essa substância química age sobre proteínas receptoras presentes na membrana do próximo neurônio (ou célula) para excitá-lo ou inibí-lo (provoca alterações de voltagem). Muitas substâncias neurotransmissoras foram descobertas. Algumas das mais conhecidas são a acetilcolina, norepinefrina, histamina, ácido gama-aminobutírico (GABA), serotonina, dopamina, glutamato etc. As sinapses químicas têm uma característica muito importante: transmitem os sinais nervosos EM UMA SÓ DIREÇÃO, isto é, do neurônio que secreta o neurotransmissor (NEURÔNIO PRÉ-SINÁPTICO) para o neurônio (ou célula) sobre o qual age o transmissor (NEURÔNIO PÓS-SINÁPTICO). Esse é o chamado PRINCÍPIO da CONUDÇÃO em MÃO ÚNICA. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DAS SINAPSES QUÍMICAS: As sinapses químicas podem ser classificadas como EXCITATÓRIAS ou INIBITÓRIAS, de acordo com o tipo de alteração elétrica que provocam no neurônio pós-sináptico. Sinapse excitatória: A alteração elétrica torna o neurônio pós-sináptico excitado, ou seja, gera uma alteração de voltagem que o deixa mais positivo do que era no repouso. Sinapse inibitória: A alteração elétrica gerada no neurônio pós-sináptico o torna inibido, ou seja, gera uma alteração de voltagem que o deixa mais negativo do que era no repouso. CLASSIFICAÇÃO FARMACOLÓGICA DAS SINAPSES QUÍMICAS: As sinapses químicas podem ser classificadas como IONOTRÓPICAS ou METABOTRÓPICAS, de acordo com o tipo de proteína receptora presente na célula pós-sináptica. Sinapse ionotrópica: A proteína receptora pós-sináptica é um canal regulado por comportas, seletivo para diferentes íons. A ativação desses canais depende de estímulo químico (neurotransmissor) que atuará abrindo a comporta do canal. Sinapse metabotrópica: A proteína receptora pós-sináptica é uma enzima que depende do neurotransmissor para ser ativada. 3

4 PROCESSOS FISIOLÓGICOS ENVOLVIDOS NA TRANSMISSÃO DO IMPULSO NERVOSO Há dois processos básicos envolvidos na transmissão sináptica: a secreção de neurotransmissor e a interação dessa molécula com as proteínas receptoras pós-sinápticas. 1- SECREÇÃO de NEUROTRANSMISSOR: A membrana plasmática na terminação pré-sináptica é rica em CANAIS PROTÉICOS de Ca +2 sensíveis a variações de voltagem (outras áreas da fibra nervosa têm poucos ou não tem tais canais). Quando um POTENCIAL de AÇÃO despolariza a terminação, uma grande quantidade de íons Ca +2 flui para dentro da terminação por esses canais. O Ca +2 estimula a liberação do neurotransmissor por EXOCITOSE. Assim, se a concentração de Ca +2 aumenta na terminação a secreção de neurotransmissor também aumenta. 2- AÇÃO DOS NEUROTRANSMISSORES: A membrana do neurônio pós-sináptico contém um grande número de proteínas receptoras pós-sinápticas. Cada proteína receptora tem dois componentes importantes: SÍTIO DE LIGAÇÃO: porção protéica que se projeta para a fenda sináptica e é específica para a ligação com um neurotransmissor. A ligação do neurotransmissor ao sítio da proteína receptora ativa essa proteína. COMPONENTE TRANSMEMBRANA: porção protéica que atravessa a membrana e projetam-se para o interior do neurônio pós-sináptico. Esse componente pode ser um canal que permite a passagem de íons específicos ou uma enzima que ativa a síntese de moléculas específicas no interior da célula pós. A interação da molécula de neurotransmissor com a proteína receptora sempre provoca alterações elétricas (de voltagem) na célula pós-sináptica. Tais alterações podem tornar a célula excitada ou inibida. Por serem geradas na célula pós-sináptica essas alterações de voltagem são chamadas de Potenciais Pós Sinápticos (PPS). As alterações de voltagem que deixam a célula mais positiva do que ela era no repouso são chamadas de Potenciais Pós Sinápticos Excitatórios (PPSE). Aquelas que deixam a célula mais negativa do que ela era no repouso são chamadas de Potenciais Pós Sinápticos Inibitórios (PPSI). Como os PPS são gerados? Justamente pela interação do neurotransmissor com as proteínas receptoras. São características específicas da proteína receptora que determinam se o PPS será excitatório ou inibitório. SINAPSES IONOTRÓPICAS Há proteínas receptoras que são canais regulados por comportas. Quando a célula está em repouso, esses canais estão inativos e somente um estímulo específico pode ativá-los. No caso das proteínas receptoras o estímulo é sempre químico, ou seja, o neurotransmissor. Ao se ligar no sítio de ligação da proteína receptora o neurotransmissor provoca a abertura das comportas, ativando o canal. Ao serem ativados os canais das proteínas receptoras permitirão a passagem de íons específicos para dentro ou para fora da célula, gerando com isso PPS s. Proteína receptora seletiva para Na+: Quando o neurotransmissor se liga ao sítio específico dessa proteína, ativa (abre as comportas) do canal que é seletivo para o Na+. Esse íon passará pelo canal ativo, entrando na célula em pequenas quantidades. Como o Na+ é um cátion provocará pequenas mudanças na voltagem da célula pós, tornando-a mais positiva do que ela era no repouso, ou seja, gera um PPSE. Considere, por exemplo, uma célula que em repouso apresenta voltagem de -70mV. Ao gerar-se um PPSE nessa célula ela se torna ligeiramente mais positiva (- 60mV). 4

5 Proteína receptora seletiva para K+: Quando o neurotransmissor se liga ao sítio específico dessa proteína, ativa (abre as comportas) do canal que é seletivo para o K+. Esse íon passará pelo canal ativo, saindo na célula em pequenas quantidades. Como o K+ é um cátion provocará pequenas mudanças na voltagem da célula pós, tornandoa mais negativa do que ela era no repouso, ou seja, gera um PPSI. Considere, por exemplo, uma célula que em repouso apresenta voltagem de -70mV. Ao gerar-se um PPSI nessa célula ela se torna ligeiramente mais negativa (-80mV). Proteína receptora seletiva para Cl-: Quando o neurotransmissor se liga ao sítio específico dessa proteína, ativa (abre as comportas) do canal que é seletivo para o Cl-. Esse íon passará pelo canal ativo, entrando na célula em pequenas quantidades. Como o Cl- é um ânion provocará pequenas mudanças na voltagem da célula pós, tornando-a mais negativa do que ela era no repouso, ou seja, gera um PPSI. Considere, por exemplo, uma célula que em repouso apresenta voltagem de -90mV. Ao gerar-se um PPSI nessa célula ela se torna ligeiramente mais negativa (-100mV). ATENÇÃO: PPS s não são potenciais de ação, portanto, não são impulsos nervosos. O potencial de ação sempre ocorre em duas etapas (despolarização e repolarização). Os PPS são somente variações de voltagem geradas por causa da interação do neurotransmissor com uma proteína receptora. Os potenciais de ação duram mais tempo que os PPS e podem se propagar pela membrana do neurônio. Já os PSS não se propagam e podem desaparecer rapidamente. Contudo, um PPSE (nunca um PPSI) pode iniciar um potencial de ação (impulso nervoso) se a alteração de voltagem que ele provoca for grande o suficiente. SINAPSES METABOTRÓPICAS Há proteínas receptoras que têm função de enzima. Quando a célula está em repouso, a atividade enzimática da proteína está inativa e somente um estímulo específico pode ativá-la. No caso das proteínas receptoras o estímulo é sempre químico, ou seja, o neurotransmissor. Ao se ligar no sítio de ligação da proteína receptora o neurotransmissor provoca a ativação da enzima que passará a exercer sua função específica no interior da célula pós-sináptica. Ao serem ativadas as enzimas (das proteínas receptoras) provocarão eventos dentro da célula que acabarão culminando na produção de PPS s. A proteína desse tipo mais comum no sistema nervoso é a proteína G. A proteína G possui atividade de enzima. Ela atua, quando ativa, como uma adenilato ciclase (ou adenil ciclase). Essa categoria de enzimas provoca a quebra de moléculas de alta energia (ATP por exemplo) dentro da célula pós e liberam uma molécula chamada de AMPc (monofosfato cíclico de adenosina). A molécula de AMPc é chamada tipicamente de molécula de segundo mensageiro, já que foi produzida por causa do neurotransmissor (primeiro mensageiro) que ativou a enzima. O AMPc pode atuar realizando inúmeras funções no citoplasma das células em que é produzido. Quando o AMPc resulta da interação do neurotransmissor, ele provocará a ativação de proteínas de canal reguladas por comportas na membrana da célula pós. Vejamos: ATP AMPc AMPc ativa canais rápidos de Na+ na membrana da célula pós: Ao fazer isso o AMPc permite a entrada de Na+ na célula pós gerando PPSE. Ou seja, a célula que estava a -90mV fica mais positiva (- 75mV). Se o PPSE for grande o suficiente, iniciará um potencial de ação e a conseqüente transmissão do impulso nervoso. AMPc ativa canais lentos de K+ na membrana da célula pós: Ao fazer isso o AMPc permite a saída de K+ da célula pós gerando PPSI. Ou seja, a célula que estava a -90mV fica mais negativa (-95mV). O PPSI inibe a célula pós impedindo a transmissão do impulso nervoso. 5

6 3- REMOÇÃO DE NEUROTRANSMISSOR: Após interagirem com a proteína receptora o que ocorre com as moléculas de neurotransmissor que foram secretadas? Os neurotransmissores não permanecem muito tempo livres na fenda sináptica. As moléculas ligamse prontamente às ptn s receptoras ou então são removidas da fenda. Os neurotransmissores podem ser removidos por difusão, isto é, suas moléculas se difundem para tecidos vizinhos ou para o líquido extracelular circundante e assim são levados para fora da fenda sináptica. Outros podem ser removidos por mecanismos mais elaborados como a destruição enzimática ou a recaptação. 1. Por destruição enzimática (na própria fenda) existem enzimas específicas que são capazes de quebrar as moléculas de neurotransmissor que não se ligaram à proteína receptora do neurônio pós-sináptico 2. Por recaptação as moléculas, que não se ligaram à proteína receptora, são transportadas de volta para o interior da terminação pré-sináptica por proteínas transportadoras especiais. Leitura suplementar: Guyton e Hall. Tratado de fisiologia médica.- Capítulo 45 Roberto Lent. 100 bilhões de neurônios - Cápitulos 1 e 4 - edição

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL Fisiologia do Sistema Nervoso Curso: Biologia Profa. EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN 1 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Diversidade celular SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO NERVOS SOMÁTICO

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / /

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / / Resumo de fisiologia Sistema Nervoso Nome: Curso: Data: / / 1 - Organização dos tecidos biológicos CÉLULA TECIDO ORGÃO SISTEMA - SER 2 - Estrutura Do Sistema Nervoso Características a. Apresenta-se com

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico

Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico Beneficência Portuguesa de São Paulo Serviços Médicos São Paulo Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico David Ferez david.ferez@uol.com.br Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso Curso: carolinanico@hotmail.com Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado X Função: Sistema Nervoso Coordenar e integrar as diversas funções do organismo, contribuindo para seu equilíbrio

Leia mais

Coordenação do Organismo

Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Sistema responsável pela transmissão de estímulos de uma zona do corpo para outra. Sistema Hormonal Sistema responsável pela síntese de substâncias

Leia mais

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo)

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo) Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais (Transcrição da aula vídeo) Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do Sistema Nervoso. Seguiremos os princípios que nortearam

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Unidade 4 Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo! corresponde

Leia mais

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016 Sistema Nervoso Cap. 13 Prof. Tatiana Setembro / 2016 Função Responsável pela comunicação entre diferentes partes do corpo e pela coordenação de atividades voluntárias ou involuntárias. Neurônios A célula

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares:

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares: SISTEMA NERVOSO Percepção e interpretação de estímulos internos e externos; Tipos celulares: - Neurônios condução de impulsos nervosos - Células da Glia manutenção dos neurônios Elaboração de respostas

Leia mais

29/03/2012. Sistema Nervoso

29/03/2012. Sistema Nervoso Tema: Sistema Nervoso Marcos Vinícius 1)Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Nervoso

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Nervoso O que é o sistema nervoso? Como é constituído? Quais são suas funções? Qual é a sua importância para o organismo? : Anatomia e Fisiologia Animal É uma rede de comunicações Capacitam animal a se ajustar

Leia mais

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina FACULDADE DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA PUC-Campinas DISCIPLINA DE BASES MORFOFISIOLÓGICAS DO SISTEMA NERVOSO, SENSORIAL E LOCOMOTOR BIOQUÍMICA A 2012 Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Objetivos:

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE OS GÂNGLIOS DA BASE Neurofisiologia Prof. Hélder Mauad FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE Ajudam a planejar e a controlar padrões complexos do movimento muscular, controlando a intensidade relativa dos movimentos

Leia mais

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 MNIO: Uma peculiaridade do Sistema Nervoso é que o conhecimento de sua Anatomia e Fisiologia permite a localização

Leia mais

TRANSMISSÃO SINÁPTICA

TRANSMISSÃO SINÁPTICA Objetivos de aprendizagem ao final da aula do aluno deve: TRANSMISSÃO SINÁPTICA Profa. Geanne Matos de Andrade Dpto de Fisiologia e Farmacologia- UFC Entender o conceito de sinapse Conhecer o histórico

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Introdução a Neurofisiologia I.

Introdução a Neurofisiologia I. Introdução a Neurofisiologia I. Obs: O texto abaixo apresenta caráter introdutório, dessa forma, não substitui à bibliografia básica indicada. O tecido nervoso acha-se distribuído pelo organismo, interligando-se

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso:

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso: O musculo liso e sua contracao: O músculo liso e composto por fibras muito menores, contrastando com as fibras musculares esqueléticas. Muitos dos princípios da contração se aplicam, da mesma forma que

Leia mais

Sistema neuro-hormonal. EPL Hélder Giroto Paiva

Sistema neuro-hormonal. EPL Hélder Giroto Paiva Sistema neuro-hormonal EPL Hélder Giroto Paiva O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo

Leia mais

Aula IV O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES. síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção

Aula IV O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES. síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES Aula IV Sinapses Tipos de sinapses (elétrica e química) Etapas da transmissão sináptica Neurotransmissores síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO SNP SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SNC SISTEMA NERVOSO CENTRAL SENSORIAL neurônios aferentes MOTOR neurônios eferentes NEURÔNIOS MOTORES SOMÁTICOS NEURÔNIOS AUTÔNOMOS

Leia mais

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto Membranas biológicas Profa Estela Rossetto Membranas Biológicas Delimitam e permitem trocas entre compartimentos http://www.accessexcellence.org/rc/vl/gg/pmembranes.html Composição e Estrutura Lipídios

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Sempre vivo com eletricidade, o SN é a principal rede de comunicação e coordenação do corpo. É tão vasta e complexa que numa estimativa reservada, todos os nervos de um

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO CANAIS IÔNICOS E BOMBAS CONDUÇÃO DE IMPULSOS NERVOSOS (SINÁPSES QUÍMICAS E ELÉTRICAS) SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO

Leia mais

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia do SNC Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia das drogas do SNC Potencial de Membrana Todas as células possuem potencial de membrana: Potencial de membrana é

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS AULA 4 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Divisão sensorial do sistema nervoso Receptores

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais.

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. INTRODUÇÃO O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. Atua na coordenação das múltiplas atividades do organismo, na integração das diversas partes

Leia mais

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI Codificação neural Natureza da Informação UFABC Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI 1 Princípios gerais do Sistema Nervoso Neurônio: unidade funcional do SNC Introdução

Leia mais

Sistema Nervoso. BIOLOGIA YES, WE CAN! Prof. Thiago Moraes Lima

Sistema Nervoso. BIOLOGIA YES, WE CAN! Prof. Thiago Moraes Lima BIOLOGIA YES, WE CAN! Prof. Thiago Moraes Lima 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

Organização Geral do Corpo

Organização Geral do Corpo 67 Organização Geral do Corpo Um organismo vivo está organizado em pequenas unidades chamadas células. Estas estão integradas estrutural e funcionalmente. Algumas células são mais especializadas. Compartimentos

Leia mais

Sistema Nervoso. Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Biologia. Tema: Sistema Nervoso Biologia Tema: Sistema Nervoso Estrutura de um neurônio Células de Schawann 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2014

SISTEMA NERVOSO 2014 SISTEMA NERVOSO 2014 SISTEMA NERVOSO OBJETIVOS Conhecer a organização do Sistema Nervoso. Descrever a constituição do Tecido Nervoso. Denominar as partes do Sistema Nervoso Central (SNC) e do Sistema Nervoso

Leia mais

1) Introdução. 2) Organização do sistema nervoso humano. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro Cerebelo.

1) Introdução. 2) Organização do sistema nervoso humano. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro Cerebelo. 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais

1 Introdução. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico 1.1: Introdução às Redes Neurais Artificiais (Parte II) 1

1 Introdução. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico 1.1: Introdução às Redes Neurais Artificiais (Parte II) 1 Introdução às Redes Neurais Artificiais (Parte II) Aspectos Funcionais e Organizacionais Baseado em Notas de Aula da disciplina de pós-graduação IA353 Redes Neurais (FEEC/Unicamp) 1 Introdução... 2 2 O

Leia mais

Sistema Nervoso Central (SNC)

Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sistema Endócrino O Sistema Nervoso é composto por: Sistema Nervoso Central (SNC) CENTROS NERVOSOS Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos cranianos Constituição

Leia mais

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Ciências Morfofuncionais II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Professora: Ms. Grazielle V. P. Coutinho Qual a importância de tantos estudos sobre o Sistema Nervoso? DIVISÕES PARA O ESTUDO DO SN

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Prof. Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

SISTEMA NERVOSO. Prof. Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS SISTEMA NERVOSO Prof. Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS SISTEMA NERVOSO encéfalo Sistema nervoso central (SNC) medula espinal nervos Sistema nervoso periférico (SNP) gânglios SISTEMA NERVOSO TECIDO NERVOSO

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Fisiologia Humana Professor: Ricardo Marques Nogueira Filho e-mail: ricardonogfilho@ig.com.br Código: Carga Horária:

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR NEUROFISIOLOGIA Prof. Hélder Mauad DOR - Mecanismo de proteção do organismo Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja para remover o estímulo lesivo

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

Sistema Nervoso Somático ou voluntário

Sistema Nervoso Somático ou voluntário Sistema Nervoso periférico Divisão e organização Constituintes Função Prof. A.Carlos Centro de Imagens e Física Médica - FMRP Aferente Nervos, raízes e gânglios da raiz dorsal SNP Somático Sistema nervoso

Leia mais

Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo. Astria Dias Ferrão Gonzales 2017

Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo. Astria Dias Ferrão Gonzales 2017 Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo Astria Dias Ferrão Gonzales 2017 SNC Todos os estímulos do nosso ambiente causam, nos seres humanos, sensações como dor e calor. Todos os sentimentos, pensamentos,

Leia mais

Organização do Sistema Nervoso e Sinapses. Fonte:

Organização do Sistema Nervoso e Sinapses. Fonte: Organização do Sistema Nervoso e Sinapses Fonte: http://supercerebro.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/08/shutterstock_3478497.jpg Introdução O sistema nervoso (SN) e o sistema endócrino são responsáveis

Leia mais

21/03/2016. NEURÓGLIA (Células da Glia) arredondadas, possuem mitose e fazem suporte nutricional aos neurônios.

21/03/2016. NEURÓGLIA (Células da Glia) arredondadas, possuem mitose e fazem suporte nutricional aos neurônios. NEURÓGLIA (Células da Glia) arredondadas, possuem mitose e fazem suporte nutricional aos neurônios. 1 NEURÔNIO responsável pela condução impulso nervoso, possibilitando a execução de ações e promoção da

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. Cláudia Minazaki

Fisiologia do Sistema Nervoso. Cláudia Minazaki Fisiologia do Sistema Nervoso Cláudia Minazaki Conteúdo para estudar: 1. SNC e SNP 2. Classificação fisiológica: sistema nervoso somático e visceral (órgãos e estruturas de constituição e funções) 3. Organização

Leia mais

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia Fisiologia Humana Sistema Nervoso 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia ! Função: processamento e integração das informações.! Faz a integração do animal ao meio ambiente! Juntamente com

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto A habilidade mais marcante do sistema nervoso baseiam-se nas interações entre os neurônios conectados. O grande número de neurônios e interações entre estas

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco OBJETIVOS DA AULA Conhecer os componentes do TGI; Descrever as funções desse sistema; Distinguir

Leia mais