Organização Geral do Corpo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização Geral do Corpo"

Transcrição

1 67 Organização Geral do Corpo Um organismo vivo está organizado em pequenas unidades chamadas células. Estas estão integradas estrutural e funcionalmente. Algumas células são mais especializadas. Compartimentos Os líquidos corporais são encontrados dentro ou fora das células (meio intra e extracelular). O espaço extracelular é dividido em compartimento vascular (ou plasma), e compartimento intersticial (intercelular). Aproximadamente 65% do peso corporal consistem de água (3/4 são intracelulares). Homeostase Para funcionarem perfeitamente, as células necessitam de um meio ambiente constante. O líquido intersticial (derivado da corrente sangüínea) que circunda cada célula, é chamado de meio interno do corpo. Para um bom funcionamento celular, é necessário manter esse meio interno constante. O termo homeostase define as condições de equilíbrio, que são mantidas por processos fisiológicos coordenados. Alguns mecanismos de controle homeostático são aqueles responsáveis pela manutenção das concentrações normais dos elementos sangüíneos, da temperatura corporal, do volume e ph dos líquidos corporais, da pressão arterial e da freqüência cardíaca. Todos os mecanismos de homeostase do corpo atuam por um processo de feedback negativo. O feedback é um sinal informativo, que expressa o mecanismo utilizado para estabelecer ou manter alguma variável no nível desejado. O feedback é chamado negativo porque a resposta induzida é negativa em relação à alteração inicial. Regulação das Funções Coordenação do Corpo A coordenação das funções do corpo ocorre por mecanismos internos de regulação. Estes podem ser classificados em nervoso e hormonal. O sistema nervoso central (SNC) age como um integrado, recebendo mensagens da sua rede de nervos sensitivos e enviando-as, através de seus nervos motores para compensar qualquer distúrbio ou desequilíbrio detectado. O sistema hormonal é composto por um certo número de glândulas endócrinas, que secretam substâncias químicas chamados hormônios. Estes são transportados dos líquidos extracelulares para todas as partes do corpo, auxiliando na regulação das funções. O SNC trabalha através de reações rápidas. O Sistema Endócrino atua por meio de reações de duração mais longa. O Sistema Endócrino complementa o SNC. Transporte Através da Membrana O transporte através da membrana celular, por meio da bicamada lipídica ou por meio das proteínas, ocorre por dois processos básicos: difusão (ou transporte passivo) e transporte ativo. Difusão significa o movimento aleatório de substâncias, molécula a molécula, seja pelos espaços intermoleculares da membrana, seja em combinação com uma proteína carreadora. O transporte ativo é o movimento de íons, ou de outras substâncias, através da membrana, em combinação com uma proteína carreadora, porém, contra um gradiente de energia. Todas as moléculas e íons nos líquidos corporais (moléculas de água como as das substâncias dissolvidas), estão em movimentação constante. Difusão A difusão através da membrana celular é dividida em difusão simples e difusão facilitada. Difusão simples significa que o movimento cinético das moléculas ou íons ocorre pelos orifícios ou pelos espaços intermoleculares da membrana, Difusão Simples sem necessidade de fixação a proteínas carreadoras. A difusão facilitada exige a interação de proteínas carreadoras com a molécula ou íon, a ser transportado. A proteína carreadora facilita a passagem das moléculas ou íons, através da membrana, por se prenderem quimicamente a eles. Difusão por Canais Protéicos Esses canais têm forma tubular e vão da extremidade extracelular até a intracelular. Dessa forma, as substâncias passam por difusão simples, de forma direta, de um lado da membrana para outro. Costumam ser seletivamente permeáveis a certas substâncias e, podem ser abertos ou fechados por comportas. Um dos mais importantes de todos os canais protéicos é o canal de sódio (canal rápido). As superfícies internas desse canal são revestidas intensamente por cargas negativas.

2 68 Difusão Facilitada Transporte Ativo Outro grupo de canais protéicos são os canais de potássio (canais lentos). Esses canais caracterizam-se por não terem cargas negativas. Difusão Facilitada Também chamada de difusão mediada por carreador. Uma substância transportada dessa forma não pode, na maioria dos casos, atravessar a membrana sem a participação de uma proteína carreadora específica. O carreador facilita a difusão da substância. A diferença básica entre difusão simples e difusão facilitada é que conforme aumenta a concentração da substância, a velocidade (ou intensidade) da difusão simples aumenta proporcionalmente. Na difusão facilitada há uma limitação na velocidade de passagem (difusão). Osmose (Difusão Efetiva de Água) A mais abundante substância a se difundir através da membrana celular é a água. O processo de movimento efetivo da água, causado por diferença de concentração (da própria água) é chamado de osmose. Assim, pressão osmótica é a força que puxa água de uma solução concentrada. A pressão osmótica exercida pelas partículas de uma solução (moléculas ou íons), é determinada pelo número de partículas/volume unitário do líquido. Cada partícula em solução, independentemente de sua massa, exerce a mesma quantidade de pressão sobre a membrana. Ou seja, todas as partículas estão se chocando umas com as outras, em média com a mesma energia. Transporte Ativo Quando a membrana celular transporta molécula ou íons contra a corrente, contra um gradiente de concentração, o processo é chamado transporte ativo. Entre as substâncias que são ativamente transportadas através da membrana temos: os íons sódio, potássio, cálcio, ferro, hidrogênio, vários açúcares diferentes e a maior parte dos aminoácidos. O transporte ativo é dividido em dois tipos, de acordo com a fonte de energia usada para provocar o transporte. São eles, o transporte ativo primário e o secundário. No transporte ativo primário, a energia é derivada da degradação de ATP Gradiente de Concentração A Favor ou de algum outro composto de fosfato com alta energia. No transporte ativo secundário, a energia deriva da energia que foi armazenada sob a forma de diferenças de concentração iônica, criadas por transporte ativo primário. O transporte ativo também depende de proteínas carreadoras. Estas, neste caso, são capazes de transferir energia para a substância transportadora, movendo-a contra o gradiente eletroquímico. Contra

3 69 Transporte Ativo Primário A bomba de sódio e potássio é um processo de transporte que bombeia os íons sódio para fora e, ao mesmo tempo, bombeia os íons potássio para dentro da célula. Essa bomba existe em todas as células do corpo e é a responsável pela manutenção das concentrações de sódio e potássio através da membrana celular, bem como o estabelecimento do potencial negativo intracelular. A proteína carreadora é um complexo formado por duas proteínas globulares distintas. Funcionamento da bomba: quando 3 íons sódio se fixam à parte interna da proteína carreadora, a função ATPásica (da mesma) é ativada. Uma molécula de ATP é quebrada em ADP, havendo liberação de energia. Essa energia é usada para provocar alteração conformacional na molécula da proteína carreadora, levando os íons sódio para o exterior e trazendo os íons potássio para o interior da célula. Uma das funções mais importantes da bomba é controlar o volume das células. Sem o funcionamento dessa bomba, as células do corpo iriam inchar até estourar. Outro mecanismo importante de transporte ativo primário é a bomba de cálcio. Os íons cálcio são mantidos em concentrações baixas no citosol intracelular de praticamente todas as células do corpo. Transporte Ativo Secundário Quando íons sódio são transportados para fora das células por transporte ativo primário, há um grande gradiente de concentração de sódio (concentração aumenta fora da célula e diminuiu em seu interior). Esse gradiente representa armazenamento de energia. Em condições apropriadas, essa energia de

4 difusão do sódio pode, atrair outras substâncias (junto com o próprio sódio) através da membrana celular. Esse fenômeno é chamado de co-transporte. No contra-transporte, os íons sódio tentam difundir-se para dentro da célula, devido ao seu aumento no gradiente de concentração. Potencial de Membrana Existem potenciais elétricos através das membranas de todas as células do corpo. Algumas células, como as neurais e as musculares, são excitáveis, ou seja, são capazes de autogeração de impulsos eletroquímicos em suas membranas. O potencial de membrana é a diferença elétrica entre o meio intra e extracelular. Potenciais de Membrana Resultantes da Difusão Graças ao grande gradiente de concentração do potássio de dentro para fora, há uma forte tendência para que os íons potássio se difundam para o exterior. Devido à saída de muitas cargas positivas, o exterior da célula fica carregado eletropositivamente, o interior da célula fica carregado eletronegativamente. Essa diferença de potencial (+ fora, - dentro), repele os íons potássio (que estão se difundindo para fora) na direção oposta; de fora para dentro. Essa alteração do potencial é suficiente para bloquear qualquer difusão para o exterior, devido ao alto gradiente de concentração do íon potássio. A bomba de sódio e potássio ajuda a manter a diferença de concentração entre sódio Na + e potássio K +. Quando a membrana for permeável a vários íons diferentes, o potencial de difusão estabelecido, depende de 3 fatores: da polaridade da carga elétrica de cada íon, da permeabilidade da membrana a cada íon e das concentrações dos íons respectivos dentro e fora da membrana. A bomba de sódio e potássio é uma bomba eletrogênica, porque um número maior de cargas positivas é bombeado para fora do que para dentro da fibra nervosa. O equilíbrio dinâmico se estabelece quando o número de cargas elétricas que sai é o mesmo que entra. A bomba de sódio e potássio mantém o volume celular. Ela mantém mais sódio fora do que potássio dentro (3:1). A bomba eletrogênica de sódio e potássio mais o papel da difusão, estabelecem um potencial de membrana de aproximadamente -90mV. Potencial de Ação Os sinais nervosos são transmitidos por potenciais de ação, que são variações rápidas do potencial de membrana. Cada potencial de ação começa por uma alteração abrupta do potencial de repouso (negativo), para um potencial de membrana positivo, retornando depois, rapidamente, ao potencial negativo. Etapas do Potencial de Ação Estado de repouso: corresponde ao potencial de repouso da membrana, antes que comece o potencial de ação. A As bolinhas são os neurotransmissores. Apesar de todos serem iguais, não pense que só há um tipo, porque são vários! Como exemplo podemos citar os mais comuns, como a acetilcolina e noradrenalina, ou outros como as dopaminas (um excesso está relacionado a esquizofrenia e uma falata está ligado ao mal de Parkinson) e as endorfinas (ligadas à memória e ao aprendizado - são secretada também na relização de exercícios físicos - também se relacionam com a supressão da dor). membrana está polarizada, devido o grande potencial negativo da membrana. Etapa de despolarização: a membrana fica permeável aos íons sódio, permitindo o fluxo destes (em grande quantidade) para o interior da célula. O estado polarizado de -90mV, desaparece, com o potencial variando no sentido positivo. Isso é chamado de despolarização. Etapa de repolarização: após a membrana ficar muito permeável ao sódio, os canais deste íon começam a se fechar, enquanto os canais de potássio se abrem mais do que o normal. Há a rápida difusão de íons potássio para o exterior, o que restabelece o potencial normal (negativo) de repouso da membrana. Isso é chamado de repolarização da membrana. Canais de Sódio e Potássio Dependentes de Voltagem 70 O agente necessário para a produção da despolarização e da repolarização da membrana é o canal de sódio dependente de voltagem. O canal de potássio dependente de voltagem tem participação no aumento da velocidade de repolarização da membrana. Esses canais dependentes de voltagem atuam junto com a bomba de sódio e potássio e com os canais de vazamento (sódio/potássio). Ativação do canal de sódio: quando o potencial de membrana varia de -90mV para zero, ele atinge uma voltagem entre -70 e -50mV. Essa variação provoca alteração conformacional da comporta de ativação, abrindo-a. Durante este estado há um aumento da permeabilidade da membrana ao sódio.

5 Inativação dos canais de sódio: após o canal de sódio ficar aberto por certo tempo, ele se fecha e os íons sódio não podem mais passar para dentro da membrana. Então, o potencial de membrana começa a voltar ao estado de repouso, o que constitui o processo de repolarização. Canais de potássio dependentes de voltagem e sua ativação: durante o estado de repouso, a comporta do canal de potássio está fechada e, os íons potássio ficam impedidos de passar para o exterior. Quando o potencial de membrana varia de -90mV em direção ao zero, essa variação produz uma alteração (lenta) conformacional, abrindo a comporta e permitindo a difusão de maior quantidade de potássio para o exterior. Os canais lentos de potássio só se abrem após o fechamento dos canais rápidos de sódio. A diminuição do fluxo de sódio para dentro da célula e o aumento, simultâneo, do fluxo de potássio para fora da célula, aceleram a repolarização, levando à recuperação do potencial de repouso da membrana. Platô A causa do platô de alguns potenciais de ação é uma combinação de vários fatores. Primeiro, dois tipos de canais atuam no processo de despolarização: os canais rápidos de sódio e os lentos de cálcio (permitem a difusão de íons cálcio e, também, de alguns íons sódio). A abertura dos canais rápidos produz o componente rápido do potencial de ação, enquanto a abertura dos canais lentos é a principal responsável pela parte do platô do potencial de ação. Um segundo fator, responsável às vezes, pelo platô, é a abertura (mais lento que o usual) dos canais de potássio. Eles se abrem, geralmente, próximo ao fim do platô. Isso retarda o retorno do potencial de membrana ao seu valor de repouso. Placa Motora A fibra nervosa ramifica-se, próximo sua extremidade, para formar um complexo de terminais nervosos ramificados que se invaginam na fibra muscular, porém permanecem por fora da membrana plasmática da fibra. Essa estrutura é chamada de placa motora. No terminal do axônio existem muitas mitocôndrias, que fornecem energia para a síntese do transmissor excitatório acetilcolina. Esta excita a fibra muscular. A acetilcolina é sintetizada no citoplasma do terminal axônio e, absorvida por muitas vesículas sinápticas. Quando um impulso nervoso atinge a junção neuromuscular, as vesículas de acetilcolina são liberadas no espaço sináptico. Quando o potencial de ação invade o terminal axônio, abrem-se canais de cálcio, permitindo a difusão de grande quantidade de cálcio para o interior do terminal. Posteriormente, as vesículas sinápticas se fundem com a membrana neural, eliminando a acetilcolina (no espaço sináptico), por exocitose. Acetilcolina O principal efeito da abertura dos canais acetilcolina-dependentes de voltagem é permitir a passagem de grande quantidade de íons sódio para dentro da fibra (elevando grande número de cargas positivas). Isso gera alteração do potencial da membrana da fibra muscular, chamado de potencial da placa motora. Esse potencial da placa desencadeia um potencial de ação na membrana muscular, ocasionando a contração do músculo. A acetilcolina é rapidamente removida do espaço sináptico pela ação da enzima acetil-colinesterase. E, também, pequena quantidade de acetilcolina difunde-se para fora do espaço sináptico, não podendo mais atuar sobre a membrana da fibra muscular. O curto período que a acetilcolina permanece no espaço sináptico é suficiente para excitar a fibra muscular. Acoplamento-Excitação-Contração Túbulos Transversais Os túbulos T são muito pequenos e transversais às miofibrilas. Eles começam na membrana celular, passam de um lado da fibra muscular para o lado oposto. No ponto de origem dos túbulos T (membrana celular) eles se abrem para o exterior. Os túbulos T são extensões internas da membrana celular. Portanto, quando um potencial de ação se propaga pela membrana da fibra muscular, ele também se propaga, por meio dos túbulos T, para o interior da fibra muscular. As correntes do potencial de ação em torno dos túbulos T desencadeiam a contração muscular. O retículo sarcoplasmático (RS) é formado por longos túbulos longitudinais, paralelos as miofibrilas, chegando em grandes câmaras chamadas de cisternas (que estão acopladas aos túbulos T). O acoplamento das cisternas com os túbulos T, forma as tríades. Estas, são formadas 71 por um pequeno túbulo central e uma grande cisterna de cada lado. Liberação de Íons Cálcio Uma das características especiais do RS, é que, dentro de seus túbulos vesiculares, há íons cálcio em alta concentração e muitos desses íons são liberados quando há um potencial de ação no túbulo T adjacente. O potencial de ação do túbulo T provoca um fluxo de corrente através das cisternas, acopladas ao túbulo T. Esse sinal, do túbulo para as cisternas, provoca a rápida abertura de canais de cálcio nas membranas das cisternas e dos túbulos longitudinais do retículo sarcoplasmático. Esses canais permanecem abertos durante um certo tempo, liberando os íons cálcio (responsáveis pela contração muscular) no sarcoplasma que banha as miofibrilas. Os íons cálcio liberados, difundemse para as miofibrilas adjacentes, onde se fixam com a troponina C, desencadeando a contração muscular. Essa contração persistirá enquanto os íons cálcio permanecem em concentrações elevadas no líquido miofibrilar. Porém, uma bomba de cálcio, localizada nas paredes do retículo sarcoplasmático, afasta os íons cálcio das miofibrilas, bombeando-os de volta para dentro dos túbulos sarcoplasmáticos. Sendo assim, imediatamente após um potencial de ação, a concentração de íons cálcio nas miofibrilas, é mantida em valor extremamente baixo. Portanto, em estado de repouso, o complexo troponinatropomiosina mantém as miofibrilas em estado muscular de relaxamento. Com a excitação dos sistema túbulos T retículo sarcoplasmático, há liberação de íons cálcio

6 suficientes, aumentando sua concentração no líquido miofibrilar, para produzir a contração muscular. Músculo Liso O músculo liso possui fibras bem menores, comparadas às do músculo esquelético. Muitos dos processos de contração vistos para o músculo esquelético, são aplicáveis para o músculo liso. O mais importante é que as forças de atração entre os filamentos de actina e miosina, produzem a contração no músculo liso, como no músculo esquelético. Mas, a disposição interna das fibras musculares lisas é bem diferente. Contração do Músculo Liso Base química: O músculo liso possui filamentos de actina e miosina, porém, não contém o complexo normal da troponina. A actina e a miosina derivadas do músculo liso interagem entre si e, o processo contrátil é ativado por íons cálcio e, a energia utilizada na contração deriva da degradação do ATP em ADP. Base física: O músculo liso não apresenta uma disposição estriada dos filamentos de actina e de miosina. Estes, estão presos aos chamados corpos densos. Alguns deles estão fixos na membrana celular. Outros estão dispersos pelo interior da célula, sendo apoiados por uma rede de proteínas estruturais, que os interligam entre si. Alguns corpos densos na membrana de células adjacentes, também estão unidos entre si por pontes protéicas intercelulares. É, talvez, por meio dessas ligações que a força de contração é transmitida de uma célula para a seguinte. A maioria dos músculos esquelética se contrai e relaxa rapidamente. Já a maior parte das contrações dos músculos lisos são prolongadas e tônicas. No músculo liso, a rapidez de fixação entre actina e miosina e, em seguida a liberação da actina, é muito menor que no músculo esquelético. Porém, a fração de tempo em que os filamentos de actina e de miosina permanecem fixados (o que, é o fator principal na determinação da força de contração), é muito maior no músculo liso. Uma possível razão para essa longa, duração do ciclo, é que as cabeças de miosina teriam menor atividade ATPásica, de modo que a degradação do ATP (fonte de energia) é mais lenta. Acredita-se, que seja necessária apenas uma molécula de ATP, para energizar cada ciclo de contração no músculo liso. Essa economia de energia pelo músculo liso, é muito importante para a economia geral de energia pelo corpo, já que órgãos como intestinos, bexiga urinária, vesícula biliar e etc., devem manter contrações musculares tônicas de forma quase indefinida. Apesar dos poucos filamentos de miosina no músculo liso e da longa duração dos ciclos de contração, a força máxima de contração no músculo liso é, muitas vezes, maior que a do músculo esquelético. Acredita-se que essa grande força de contração resulte do longo período de fixação das cabeças de miosina aos filamentos de actina. Um aumento da concentração dos íons cálcio intracelulares, desencadeia a contração do músculo liso. No lugar da troponina, as células musculares lisas contém grandes quantidades de uma proteína denominada calmodulina. Os íons cálcio se fixam à calmodulina. Essa combinação ativa a miosinoquinase (enzima). Uma das cadeias leves de cada cabeça de miosina é fosforilada. Assim, a cabeça de miosina adquire a capacidade de se fixar ao filamento de actina, produzindo a contração muscular. Controle Neural e Hormonal da Contração do Músculo Liso O músculo liso pode ser estimulado a contrair por diversos tipos de sinais, como, por exemplo, neurais, por estímulos hormonais, por estiramento do músculo, etc. Isso, porque a membrana do músculo liso contém muitos tipos de receptores protéicos, capazes de desencadear o processo contrátil. Outros receptores protéicos inibem a contração do músculo liso. As fibras nervosas que inervam o músculo liso, em geral se ramificam difusamente sobre uma camada de fibras musculares. Na maioria dos casos, essas fibras nervosas não estabelecem contato direto com as fibras musculares lisas, formando junções difusas que secretam substância neurotransmissora na matriz que reveste o músculo liso. Então, a substância neurotransmissora se difunde até as células. Onde há várias camadas de células musculares, as fibras nervosas muitas vezes só estimulam a camada mais externa e, a excitação das camadas mais internas se dá pela condução do potencial 72 de ação ou por difusão subseqüente da substância neurotransmissora. As vesículas das terminações das fibras nervosas, no caso do músculo liso, contêm acetilcolina e noraepinefrina. Mas, elas nunca são secretadas pelas mesmas fibras nervosas. Quando a acetilcolina excita uma fibra muscular, em geral a noraepinefrina a inibe. E, vice e versa. Os dois neurotransmissores excitam ou inibem o músculo liso, por se ligarem a um receptor protéico na superfície da membrana da célula muscular. Alguns desses receptores são excitatórios, outros são inibitórios. Dessa forma, o tipo de receptor determina se o músculo liso é inibido ou excitado e, por qual neurotransmissor. Potencial de Ação no Músculo Liso Potencial em ponta: Esses potenciais de ação podem ser produzidos por estimulação elétrica, por ação hormonal sobre o músculo liso, pela ação de substâncias transmissoras liberadas por fibras nervosas, pelo estiramento da própria fibra muscular. Potenciais de ação com platôs: O início desse potencial de ação é semelhante ao de um potencial em ponta. Porém, a repolarização da membrana da fibra muscular, é mais demorada. A importância do platô, é que ele pode explicar os prolongados períodos de contração de certos tipos de músculo liso. A membrana da célula muscular lisa tem muitos canais de cálcio dependentes de voltagem e poucos canais de sódio. Por isso, o sódio tem pequena participação na geração do potencial de ação dos músculos lisos. Há o fluxo de

7 73 íons cálcio para o interior da fibra, é o principal responsável pelo potencial de ação. Os canais de cálcio se abrem mais lentamente que os canais de sódio, mas permanecem abertos por mais tempo. Isso explica, em grande parte, os potenciais de ação lentos das fibras musculares lisas. A concentração de íons cálcio no líquido extracelular é relativamente alta e, o potencial de ação do músculo liso é causado principalmente pelo fluxo de íons cálcio para a célula muscular. Como as fibras musculares lisas são muito pequenas, esses íons cálcio podem difundir-se para todas as partes do músculo liso, promovendo a contração. Retículo Sarcoplasmático Algumas células musculares lisas contêm um retículo sarcoplasmático moderadamente desenvolvido. Em geral, quanto mais extenso for o RS na fibra muscular lisa, mais rapidamente ela se contrairá, porque a entrada de cálcio através da membrana celular é bem mais lenta que a liberação dos íons cálcio pelo R.S. intracelulares, que banham os filamentos de actina e miosina. Essa remoção é realizada por bombas de cálcio, que retiram os íons cálcio da fibra muscular lisa, devolvendo-os para os líquido extracelular ou para o interior do retículo sarcoplasmático. A entrada de cálcio para as células musculares, também, sobre o mecanismo contrátil do músculo liso, para provocar a contração. Na maioria dos tipos de músculos lisos quase todos os íons cálcio, promotores da contração entram na célula muscular, vindos do líquido celular, por ocasião do potencial de ação ou de outros estímulos. Cálcio adicional pode entrar na fibra muscular lisa por meio de canais de cálcio hormônio dependentes; esse cálcio também causa contração. Normalmente, a abertura desses canais não produz um potencial de ação e, por vezes, só alterações mínimas do potencial de repouso da membrana, já que potássio (em quantidade suficiente) passa para o exterior, mantendo um potencial de membrana quase normal. Quando a concentração de íons cálcio no líquido extracelular baixa, a contração do músculo liso quase cessa. Portanto, a força da contração do músculo liso é muito dependente da concentração de íons cálcio no líquido extracelular. A Bomba de Cálcio: Para que haja o relaxamento da contração muscular lisa, é necessária a remoção dos íons cálcio dos líquidos Fontes de textos e figuras: 1. Online Biology Book The Online Biology Book is hosted by Estrella Mountain Community College, in sunny Avondale, Arizona. Text 1992, 1994, 1997, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, M.J. Farabee, all rights reserved. Use for educational purposes is encouraged. 2. Anatomia e Fisiologia Humanas Ana Luisa Miranda Vilela (www.biologia.cjb.net) 3. Fisiologia on-line Prof. Malaghini (PUC-Paraná) (www.geocities.com/~malaghini)

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso:

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso: O musculo liso e sua contracao: O músculo liso e composto por fibras muito menores, contrastando com as fibras musculares esqueléticas. Muitos dos princípios da contração se aplicam, da mesma forma que

Leia mais

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco OBJETIVOS DA AULA Conhecer os componentes do TGI; Descrever as funções desse sistema; Distinguir

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke CONTRAÇÃO MUSCULAR Diego V. Wilke Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Discos Intercalares Fonte: Malvin et al., 1997. Concepts in humam Physiology Tipos de músculo Esquelético

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA Luis Eduardo Maggi Tipos de Transporte Passivo Difusão simples Difusão facilitada Osmose Ativo Impulsionado pelo gradiente iônico Bomba de Na/K Em Bloco Endocitose: (Fagocitose,

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 3 O músculo liso Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Músculo Liso O músculo liso encontra-se nas paredes de vários órgãos e tubos do organismo, incluindo vasos sanguíneos,

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL: NEUROFISIOLOGIA O Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Endócrino (hormonal) desempenham a maioria das funções de controle do organismo - O SN controla atividades RÁPIDAS: contração muscular, eventos viscerais

Leia mais

T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Músculo Esquelético. T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Características

T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Músculo Esquelético. T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Características Características Origem: mesodérmica; Tipos (todos com lâmina basal): - Muscular estriado esquelético tico: contração vigorosa, rápida r e voluntária; - Muscular estriado cardí : : contração vigorosa, rítmica

Leia mais

Tecido Muscular e Contração

Tecido Muscular e Contração Tecido Muscular e Contração Aula ao Vivo Características gerais: Constitui os músculos Originado do mesoderma; Relacionado à locomoção e movimentação de substâncias internas do corpo em função da capacidade

Leia mais

Fisiologia dos Músculos Estriado e Liso. Miastenia Grave

Fisiologia dos Músculos Estriado e Liso. Miastenia Grave FISIOLOGIA II Fisiologia dos Músculos Estriado e Liso Miastenia Grave Prof. Dr. Helder Mauad Pablo Lúcio Gava Fisiologia do Músculo Estriado 1 ~40% do corpo são formados por músculos esqueléticos ~10%

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina FACULDADE DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA PUC-Campinas DISCIPLINA DE BASES MORFOFISIOLÓGICAS DO SISTEMA NERVOSO, SENSORIAL E LOCOMOTOR BIOQUÍMICA A 2012 Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Objetivos:

Leia mais

ESCOLA DE MASSOTERAPIA SOGAB www.sogab.com.br Disciplina de Fisiologia Aplicada APOSTILA DE FISIOLOGIA

ESCOLA DE MASSOTERAPIA SOGAB www.sogab.com.br Disciplina de Fisiologia Aplicada APOSTILA DE FISIOLOGIA APOSTILA DE FISIOLOGIA 1. INTRODUÇÃO Sabemos que o envoltório celular, a chamada membrana plasmática, possui em sua constituição lipídica proteínas diversas, de variados tipos e tamanhos, o que lhe caracteriza

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura)

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) A membrana plasmática é uma estrutura altamente diferenciada, que delimita a célula e lhe permite manter a sua individualidade relativamente ao meio externo.

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL Fisiologia do Sistema Nervoso Curso: Biologia Profa. EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN 1 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Diversidade celular SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO NERVOS SOMÁTICO

Leia mais

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto Membranas biológicas Profa Estela Rossetto Membranas Biológicas Delimitam e permitem trocas entre compartimentos http://www.accessexcellence.org/rc/vl/gg/pmembranes.html Composição e Estrutura Lipídios

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Histologia do Tecido Muscular

Histologia do Tecido Muscular Histologia do Tecido Muscular Vera Regina Andrade, 2014 Células ou fibras alongadas possuem proteínas contráteis Com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais Três tipos

Leia mais

Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição

Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto FEV/2011 BICAMADA LIPÍDICA Bicamada Formada por 50% de lipídeos (latu senso); As moléculas das membranas são

Leia mais

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana Os ossos e as articulações fornecem a estrutura e o suporte do corpo humano mas, por si só, não conseguem mover o corpo. O movimento depende do sistema muscular e, é conseguido pela contracção e relaxamento

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Tema 06: Proteínas de Membrana

Tema 06: Proteínas de Membrana Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Tema 06: Proteínas de Membrana Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Proteínas de Membrana Visão Geral das Proteínas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

META Apresentar os mecanismos de contração dos músculos esquelético e liso.

META Apresentar os mecanismos de contração dos músculos esquelético e liso. CONTRAÇÃO MUSCULAR Aula 5 Flavia Teixeira-Silva Leonardo Rigoldi Bonjardim META Apresentar os mecanismos de contração dos músculos esquelético e liso. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: conhecer

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes.

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Membrana Plasmática 1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Componentes celulares Célula A Célula B Célula C Membrana

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

O Ca 2+ no Músculo Liso Unitário

O Ca 2+ no Músculo Liso Unitário O Ca 2+ no Músculo Liso Unitário A membrana da célula muscular lisa possui muito mais canais de Ca 2+ dependentes da voltagem do que o músculo esquelético, e possui correspondentemente muitos menos canais

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS

ASPECTOS MORFOLÓGICOS INTRODUÇÃO GERAL À FISIOLOGIA CARDÍACA CONCEITO O coração é um órgão único, muscular, localizado na região mediastínica, levemente deslocado à esquerda do plano mediano, que possui como principal função

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo:

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo: MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES MEMBRANA PLASMÁTICA A membrana plasmática é constituída de uma camada dupla de lipídeos. Nesta camada, existem moléculas de proteínas encaixadas. Essas moléculas de proteínas

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

Fisiologia do músculo Contracção muscular estriada e lisa Fenómenos eléctricos e mecânicos

Fisiologia do músculo Contracção muscular estriada e lisa Fenómenos eléctricos e mecânicos Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas Fisiologia do músculo Contracção muscular estriada e lisa Fenómenos eléctricos e mecânicos FFL 2012/2013 Sistema muscular Breve introdução O movimento é uma

Leia mais

BIOFÍSICA DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS

BIOFÍSICA DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS BIOFÍSICA DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS UNIDADE 1 POTENCIAIS CELULARES 1.1. BASES FÍSICAS APLICADAS AOS SISTEMAS BIOLÓGICOS Ao imaginarmos o Universo sempre associamos este pensamento à vastidão e variedade,

Leia mais

Aula IV O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES. síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção

Aula IV O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES. síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES Aula IV Sinapses Tipos de sinapses (elétrica e química) Etapas da transmissão sináptica Neurotransmissores síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares:

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares: SISTEMA NERVOSO Percepção e interpretação de estímulos internos e externos; Tipos celulares: - Neurônios condução de impulsos nervosos - Células da Glia manutenção dos neurônios Elaboração de respostas

Leia mais

MORFOFISIOLOGIA E ENVOLTÓRIOS COMPONENTES ANATÔMICOS RELACIONADOS AO MÚSCULO ESQUELÉTICO VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR

MORFOFISIOLOGIA E ENVOLTÓRIOS COMPONENTES ANATÔMICOS RELACIONADOS AO MÚSCULO ESQUELÉTICO VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR Fisiologia do Músculo Estriado Esquelético *Prof. Pablo Fabrício Flôres Dias ** Cíntia Schneider SOGAB- Sociedade Gaúcha de Aperfeiçoamento Biomédico e Ciências da Saúde Escola de Formação Profissional

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

Tecido Muscular Capítulo 5

Tecido Muscular Capítulo 5 Tecido Muscular Capítulo 5 1 CARACTERÍSTICAS O tecido muscular possui células alongadas e ricas em filamentos contráteis. 2 FUNÇÕES esqueléticas, células musculares estriadas cardíacas ou células musculares

Leia mais

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires MIOLOGIA Prof.: Gustavo M. Pires INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por

Leia mais

TRANSMISSÃO SINÁPTICA

TRANSMISSÃO SINÁPTICA Objetivos de aprendizagem ao final da aula do aluno deve: TRANSMISSÃO SINÁPTICA Profa. Geanne Matos de Andrade Dpto de Fisiologia e Farmacologia- UFC Entender o conceito de sinapse Conhecer o histórico

Leia mais

UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR

UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR 1. VISÃO GERAL A sinalização celular é um mecanismo de comunicação entre as células que se encontra presente nas mais diversas formas de vida, desde organismos unicelulares,

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Biofísica. Contração Muscular BIOFÍSICA. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br

Biofísica. Contração Muscular BIOFÍSICA. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br Biofísica Contração Muscular Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. Resumo Tecidos musculares Junção neuromuscular Músculo esquelético Actina e miosina Estrutura do sarcômero Teoria do filamento deslizante

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

A MEMBRANA PLASMÁTICA

A MEMBRANA PLASMÁTICA A MEMBRANA PLASMÁTICA Prof. André Maia Conceito É uma membrana lipoprotéica, semipermeável que envolve a célula, separando-a do meio exterior. Funções da membrana proteção mecânica (contra choques físicos)

Leia mais

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO TECIDO ÓSSEO - Características: apresenta matriz calcificada e atua como o principal depósito de cálcio e fósforo

Leia mais

29/03/2012. Sistema Nervoso

29/03/2012. Sistema Nervoso Tema: Sistema Nervoso Marcos Vinícius 1)Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como

Leia mais

Biologia Molecular e Celular II: Transporte através da membrana

Biologia Molecular e Celular II: Transporte através da membrana Biologia Molecular e Celular II: Transporte através da membrana Princípios do transporte Há diferenças entre a composição dentro e fora da célula; A distribuição de íons dentro e fora da célula é controlada

Leia mais

Biofísica das Membranas

Biofísica das Membranas Biofísica das Membranas Prof. Romildo Nogueira 1.0 Fluxos iônicos em membranas. A membrana plasmática das células, segundo Singer & Nicholson(1972), consiste de uma bicamada fluídica de lipídios na qual

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

Biofísica dos sistemas integradores

Biofísica dos sistemas integradores Biofísica dos sistemas integradores Prof. Romildo Nogueira 1. As células nervosas e musculares Os elementos celulares do sistema nervoso são as células gliais e os neurônios. Embora seja dada atenção quase

Leia mais

Prof. Felipe de Lima Almeida

Prof. Felipe de Lima Almeida Prof. Felipe de Lima Almeida No século XVI, dois holandeses, fabricantes de óculos, descobriram que duas lentes montadas em um tubo poderiam ampliar a imagem de objetos que, normalmente, não eram vistos

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

A Membrana Neuronal, o Potencial de Membrana e o Potencial de Ação

A Membrana Neuronal, o Potencial de Membrana e o Potencial de Ação A Membrana Neuronal, o Potencial de Membrana e o Potencial de Ação Um neurônio de uma célula animal é recoberto por uma fina membrana (60 a 70 Å de espessura) que o separa do meio intercelular, chamada

Leia mais

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo Técnico em Biotecnologia Módulo I Biologia Celular Aula 4 - Sistema de Endomembranas Prof. Leandro Parussolo SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS Se distribui por todo o citoplasma É composto por vários compartimentos

Leia mais

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 MNIO: Uma peculiaridade do Sistema Nervoso é que o conhecimento de sua Anatomia e Fisiologia permite a localização

Leia mais

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de:

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de: Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte I) 1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão

Leia mais

O IC G LÓ IO Unidade 11 Transporte através da membrana

O IC G LÓ IO Unidade 11 Transporte através da membrana EIXO BIOLÓGICO Unidade 11 Transporte através da membrana Autora: Professora Nusa de Almeida Silveira I. Introdução II. Transportes através da membrana III. Potencial de repouso IV. Potencial de ação V.

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

Sinalização celular: Como as células se comunicam. Profa. Dra. Livia M. A. Tenuta

Sinalização celular: Como as células se comunicam. Profa. Dra. Livia M. A. Tenuta Sinalização celular: Como as células se comunicam Profa. Dra. Livia M. A. Tenuta Foto corpo humano Sinais fisiológicos: elétricos químicos 75 trilhões de células Tópicos a serem abordados Meios de comunicação

Leia mais

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR Mito: filamento Chondrion: partícula QUALQUER TRABALHO NA CÉLULA REQUER ENERGIA: -Movimento celular, secreção de substâncias, transmissão dos impulsos nervosos, contração

Leia mais

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia do SNC Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia das drogas do SNC Potencial de Membrana Todas as células possuem potencial de membrana: Potencial de membrana é

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA Funções Composição Química Propriedades Proteção Lipídeos Elasticidade Permeabilidade Seletiva Proteínas Regeneração MODELO ATUAL: MOSAICO

Leia mais

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo)

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo) Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais (Transcrição da aula vídeo) Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do Sistema Nervoso. Seguiremos os princípios que nortearam

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso Curso: carolinanico@hotmail.com Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado X Função: Sistema Nervoso Coordenar e integrar as diversas funções do organismo, contribuindo para seu equilíbrio

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

PROF. DORIVAL FILHO dorivalfilho@uol.com.br. Membrana Plasmática. Parede Celular. Moneras peptoglicano (ou peptidoglicano).

PROF. DORIVAL FILHO dorivalfilho@uol.com.br. Membrana Plasmática. Parede Celular. Moneras peptoglicano (ou peptidoglicano). PROF. DORIVAL FILHO dorivalfilho@uol.com.br MEMBRANAS CELULARES Toda célula precisa estar envolvida por algum tipo de estrutura que controle o que nela pode entrar e sair. É a membrana plasmática a responsável

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais