ANEXOS PROJETO INCRA PRESERVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXOS PROJETO INCRA PRESERVA"

Transcrição

1 ANEXOS PROJETO INCRA PRESERVA Adequação a Legislação e Educação Ambiental para o desenvolvimento da sustentabilidade em assentamentos de reforma agrária.

2 APRESENTAÇÃO A Associação de Proprietários de Reservas Particulares da Bahia PRESERVA, foi fundada em Agosto de 2000, durante o II encontro das RPPN da Bahia. De agosto de 2002 a maio de 2003, executamos em parceria com o Instituto de Estudos Sócio Ambientais do Sul da Bahia IESB, o Projeto de Mobilização e Capacitação de RPPN do Nordeste, contratado junto ao Fundo Nacional do Meio Ambiente. Mais de 140 pessoas participaram de pelo menos um dos quatro eventos que foram realizados: Terceiro Encontro das RPPN da Bahia, em Feira de Santana, em setembro de 2002; Encontro das RPPN da Caatinga, em Crateús-CE, em novembro de 2002; Encontro das RPPN dos Ecossistemas Litorâneos do Nordeste, em Ipojuca - PE, em dezembro de Em Abril de 2003, organizamos em Maceió, em parceria com o IESB, o Instituto para a Preservação da Mata Atlântica - IPMA e a Associação Caatinga, e com apoio do Fundo Nacional do Meio Ambiente, o Congresso Nordestino de Reservas Naturais Privadas, com a presença de mais de 80 proprietários de RPPN de todo o nordeste. Foi o maior evento de RPPN já realizado no país até essa data. A PRESERVA foi fundamental também para articular, durante o mesmo congresso, a realização da reunião que deslanchou o processo de reestruturação da Confederação Nacional de RPPN, com a presença de 10 associações de todo o país. Atualmente a PRESERVA, na pessoa do seu Presidente, ocupa a Secretaria Geral da Confederação Nacional de Proprietários de Reservas Particulares do Patrimônio Natural - CNRPPN. O Projeto Reconhecimento de novas RPPN na porção baiana do Corredor Central da Mata Atlântica contratado em agosto de 2003 e concluído em maio de 2005 teve como objetivo contribuir para a conservação dos recursos hídricos e proteção da biodiversidade brasileira. A estratégia deste projeto foi o incentivo ao reconhecimento de novas RPPN na porção baiana do Corredor Central da Mata Atlântica, visando restabelecer e proteger a conectividade ecológica entre os principais fragmentos florestais remanescentes na região. Este Projeto teve como proponente a PRESERVA e como parceiros a Flora Brasil e o IESB e apoio da Aliança para Conservação da Mata Atlântica e contou com recursos da ordem de R$ ,00 (cinqüenta e seis mil reais). O principal resultado deste projeto foi, o encaminhamento de 12 novos processos de RPPN, visando proteger uma área total de mais de 500 hectares. Das novas reservas encaminhadas, 6 se encontram no entorno do Parque Nacional do Pau Brasil e da Estação Veracruz; 5 RPPN se encontram localizadas no entorno da REBIO de Una e 1 no interior da APA de Pratigí. A Preserva propôs e executa atualmente o projeto Fortalecimento do Programa de Conservação em Terras Privadas através do incentivo a criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural RPPN em duas áreas foco no sul da Bahia. Este projeto tem o apoio da The Naturem Conservancy e conta com recursos da ordem de R$ ,00 e incentiva a criação de RPPN em duas áreas focos no Sul da Bahia, no entorno da Reserva Biológica de Una e no Extremo Sul nas áreas de entorno dos Parques Pau-Brasil e Descobrimento em Parceria com a Equipe Técnica Científica que desenvolve estudos para ampliação destas Unidades. Até o momento já foram protocolados vinte processos e já reconhecida uma RPPN a Nova Angélica no entorno da REBIO de Una e mais oito processos estão sendo preparados. Também neste projeto a Preserva apóia a políticas públicas que incentivem a conservação em terras privadas, apoiando a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia a implementar o programa estadual de RPPN e buscando mecanismos de apoio aos proprietários. 2

3 O Instituto de Estudos Sócio-Ambientais do Sul da Bahia em parceria com a Preserva executa o projeto de PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM RPPN NO CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA este projeto tem o apoio do FNMA e conta com recursos da ordem de R$ ,00. A Preserva é responsável pela realização de uma metodologia participativa, onde as comunidades de entorno auxiliarão nos diagnósticos e oficinas participativas para subsidiar a elaboração dos Planos de Manejo das RPPN Ecoparque de Una, no município de Una; Salto Apepiqui, no município de Ilhéus; e Água Branca, no município de Valença. Estas reservas possuem relevantes atrativos naturais, como florestas, cachoeiras, além de estarem próximas ao litoral, o que faz com que atraiam muitos visitantes regionais, nacionais e até mesmos de outros países. Atualmente a Preserva conta com 46 associados, que formam sua Assembléia Geral, uma diretoria eleita que conta com Presidente, Diretor Técnico, Secretário e Diretor financeiro. Esta sediada em imóvel alugado, conta com 5 profissionais de nível superior, Agrônomo Msc, Agrônomo especialista em meio ambiente, Geógrafo especialista em SIG, Biólogo Msc, Economista, dois estagiários e Três voluntários. Conta com Veículo, para utilização nos programas da Bahia, 4 computadores, impressora, laboratório de SIG e móveis. Neste projeto a Preserva vai disponibilizar o laboratório de SIG, e o apoio da sua sede para administração financeira e Coordenação do Projeto. O orçamento médio mensal da instituição é de R$ ,00. 3

4 INTRODUÇÃO A Reserva Legal, exigência da Lei 4.771, que, no caso da região nordeste deve ser mantida no mínimo 20% da área total da propriedade para este fim, é uma área necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo da fauna e flora nativas. As áreas de preservação permanente APP áreas também exigidas por lei, são ecossistemas que possuem relevante interesse para o equilíbrio do meio ambiente. Devido ao fato de que estas áreas possuem uma função ambiental muito importante na preservação dos recursos hídricos, da paisagem, da estabilidade geológica, da biodiversidade, do fluxo de genes da fauna e flora, além da proteção do solo e o bem-estar da população humana, torna-se de suma importância a existência do desenvolvimento de uma consciência ambiental por parte dos assentados de reforma agrária para que possam ser exercidas ações que almejem a conservação e em muitos casos a recuperação destas áreas. A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação, que se propõe atingir todos os cidadãos, através de um processo pedagógico participativo permanente que procura incutir no educando uma consciência crítica sobre a problemática ambiental, compreendendo-se como crítica a capacidade de captar a gênese e a evolução de problemas ambientais. Visando esse entendimento a PRESERVA, juntamente com os assentados dos Projetos de Assentamento Terra Vista e Rio Aliança, ambos localizados no Município de Arataca, vem com essa iniciativa representada através desta proposta, implantar um processo de regularização ambiental, a fim de facilitar o processo de licenciamento, construção dessa consciência ambiental, no qual, através de ações claras e concretas de averbação e recuperação da Reserva Legal e das APP, representadas em boa parte pelo Rio Aliança, aliado a um programa de Educação Ambiental, visando atingir principalmente assentados, jovens e mulheres e de forma complementar professores, alunos, e produtores do entorno, demonstrará os benefícios ambientais que podem ser alcançados e a melhoria na qualidade de vida das pessoas residentes nos Assentamentos. CARACTERIZAÇÃO DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO 1- ASSENTAMENTO TERRA VISTA MUNICÍPIO: Arataca DATA DA POSSE: 14/11/1996 DISTÂNCIA DA SEDE MUNICIPAL: 5 KM ÁREA TOTAL: 904,0 ha ÁREA REQUERIDA DE RESERVA LEGAL: 180,8 ha ÁREA REQUERIDA PARA A PRESERVAÇÃO PERMANENTE: 30 ha ÁREA EFETIVA DA RESERVA LEGAL: não averbada ÁREA EFETIVA DA PRESERVAÇÃO PERMANENTE: não demarcadas CAPACIDADE DO IMÓVEL EM TERMOS DE FAMÍLIAS: 100 famílias NÚMERO ATUAL DE FAMÍLIAS: 83 famílias 2- ASSENTAMENTO RIO ALIANÇA MUNICÍPIO: Arataca DATA DA POSSE: 12/02/1998 DISTÂNCIA DA SEDE MUNICIPAL: 7 KM ÁREA TOTAL: 570,20 ha ÁREA REQUERIDA DE RESERVA LEGAL: 114,04 ha ÁREA REQUERIDA PARA A PRESERVAÇÃO PERMANENTE: 20 ha 4

5 ÁREA EFETIVA DA RESERVA LEGAL: não averbada ÁREA EFETIVA DA PRESERVAÇÃO PERMANENTE: não demarcadas CAPACIDADE DO IMÓVEL EM TERMOS DE FAMÍLIAS: 50 famílias NÚMERO ATUAL DE FAMÍLIAS: 50 famílias OBJETIVO GERAL Adequar os projetos de assentamentos a legislação ambiental vigente para apoiar o processo de licenciamento ambiental, desenvolver a conscientização dos assentados acerca das questões ambientais, relacionadas com a sua realidade, através da educação ambiental e promover ações claras e concretas de conservação e recuperação de áreas de preservação permanente, averbação de reserva legal e RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural), caso seja este modelo de unidade de conservação, escolhido pela comunidade do assentamento. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Elaborar o levantamento cadastral topográfico georreferenciado dos Assentamentos para viabilizar a averbação da Reserva Legal e averbação de RPPN; Promover oficinas de capacitação em Educação ambiental para Implantação do Centro de Difusão Ambiental CDA no P.A. Terra Vista e Adequação Ambiental de Propriedades Rurais, recuperação de áreas degradadas, restauração de matas ciliares e produção de mudas para agricultores, agricultoras, crianças e jovens; Fazer a recuperação de mata ciliar das margens do Rio Aliança, nos trechos onde ele corta os assentamentos promovendo a Identificação de espécies arbóreas nativas (estudo de biodiversidade), para coleta de sementes visando a produção coletiva de mudas, efetuando o cercamento de áreas de interesse nas APP e na Reserva legal, tais como, nascentes e margem de rios em alto estágio de degradação; JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO Os Projetos de Assentamento Terra Vista e Rio Aliança encontram-se inseridos no bioma da Mata Atlântica, dentro do Corredor de Biodiversidade onde se localiza o Conjunto da Serra do Baixão e Serra das Lontras, ambas áreas, propostas para criação de Unidades de Conservação Federais, são cortados por um corpo hídrico importante para a região, o Rio Aliança, possuem boas áreas de remanescentes florestais conservados, além de serem vizinhos. Possuem suas atividades econômicas pautadas na cultura do cacau, pupunha, cultivo da mandioca, fruticultura, algumas áreas de pasto, principalmente próximas a sede que vão até as margens do rio, tendo o uso do solo caracterizado por práticas agrícolas, tais como, corte e queima, limpeza total do solo, de baixa utilização de insumos sintéticos, dentre outros. Além disso, os assentamentos, apesar de possuírem em seus Planos de Desenvolvimento, indicadas suas áreas de reserva legal, estas não se encontram averbadas em cartório, fato o qual não, possui validade jurídica nenhuma. Por isso, partindo da necessidade de adequação ao código florestal brasileiro (LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965), pois, ambos não possuem Reserva Legal averbada e da pulsante necessidade de recuperação demonstrada pela situação atual das matas ciliares, a desinformação acerca de questões relacionadas ao meio ambiente e do imenso interesse demonstrado pelos Assentados, notou-se a importância da implantação de projetos que visem apoiar ações de conservação e recuperação dos recursos naturais. 5

6 PÚBLICO ALVO O projeto Adequação a Legislação e Educação Ambiental para o desenvolvimento da sustentabilidade em assentamentos de reforma agrária tem como público alvo as 113 famílias de assentados de reforma agrária residentes nos assentamentos Terra Vista e Rio Aliança. É importante salientar que na sua implantação o P.A. Terra Vista possuía 100 famílias, mas devido a evasão dos próprios assentados durante os anos, atualmente o P.A. Terra Vista possui 50 famílias residentes. Este fato continua a se propagar principalmente no grupo jovem que cursa o ensino médio. METAS Fase 01 Averbação de duas reservas legais nos Projetos de Assentamento Terra Vista e Rio Aliança e de RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) no Projeto de Assentamento Terra Vista. Fase 02 Promover uma oficina de capacitação em Educação ambiental para Implantação do Centro de Difusão Ambiental CDA e uma de Adequação Ambiental de Propriedades Rurais, Recuperação de Áreas Degradadas, Restauração de Matas Ciliares e Produção de mudas para agricultores agricultoras, crianças e jovens; Fase 03 Produção e plantio de (cinco mil) mudas de espécies nativas visando a recuperação de APP e áreas degradas de forma comunitária; Fase 04 Implantação de dez Km de cercamento de áreas de interesse ecológico para conservação e recuperação ambiental. METODOLOGIAS A SEREM UTILIZADAS Todo o trabalho será feito com a utilização de metodologia participativa, estando esta já demonstrada através das duas oficinas de discussão acerca da implantação desse projeto. Nos dias 13/11 e 15/11 de 2006 foram realizadas duas oficinas nos assentamentos foco do projeto, onde participaram a grande maioria dos assentados. Lá foram feitas explanações sobre as linhas temáticas apoiadas, rodadas de perguntas por parte dos beneficiários, apresentação de outros projetos de recuperação de áreas degradadas e similares já executados pela PRESERVA e a assinatura do termo de compromisso por parte dos assentados. Figura 01: Oficina participativa com assentados nos dois P.A.s. 6

7 Fase 01 Averbação de 2 (duas) reservas legais nos assentamentos propostos e de 01(uma) RPPN no Assentamento Terra Vista: A fim de fornecer subsídio para as atividades relacionadas à recuperação, conservação, averbação de reserva legal e de RPPN, será feito uma planta georreferenciada de toda a área dos assentamentos em questão, por empresa especializada, contratada através de carta-convite, com análise de no mínimo três propostas. Para isso será feito um levantamento cadastral, do perímetro dos Assentamentos, um cadastramento interno das áreas de APP, de mata, o rio, edificações e uso atual do solo. Esse levantamento será feito com a utilização de GPS PRO XR: TRIMBLE e DATUM: SAD 69. Figura 03: Remanescente de Mata Atlântica no P.A. Terra Vista. Será feita a averbação da reserva legal, correspondente a no mínimo 20% da área total dos assentamentos e da RPPN. Para isso a supervisão do projeto, irá organizar todo o processo, atendendo as exigências dos órgãos responsáveis o qual deverá conter documentos, tais como, cópia autenticada ou acompanhada do original da escritura publica devidamente registrada no cartório de registro de imóveis, carta de anuência do INCRA (no caso de assentamentos não emancipados), original da Certidão de Inteiro Teor do imóvel expedida pelo cartório de registro de imóvel competente com data de validade de ate 30 dias anteriores ao protocolo do requerimento, cópia autenticada ou acompanhada do original do CCIR do (conforme modelo em processo de elaboração pela SFC), preenchido (INCRA), plantas, memoriais descritivos, estudos técnicos, dentre outros. Esses processos serão entregues nos cartórios e órgãos competentes e será feito o acompanhamento dos mesmos até a averbação definitiva. Para isso o projeto prevê a capacitação do técnico responsável em São Paulo, sendo feita pelo Instituo de pesquisas Ecológicas- IPÊ É importante salientar que apesar das restrições da RPPN impostas pela legislação esse tipo de unidade de conservação (UC) está sendo proposto para o P.A. Terra Vista por este ser alvo de implantação do Núcleo Avançado da UNEB, fato o qual, pode transformar esta Reserva Particular em uma grade unidade de pesquisa, além de poder oferecer aos assentados, outras fontes de renda proporcionadas por outras atividades, tais como,o ecoturismo, permitido por lei em RPPN, e acesso a outras fontes de recurso, específicas para este tipo de UC. Não obstante, devemos ressaltar que este processo está sendo discutido de forma participativa com os assentados de forma a não deixar dúvidas em relação às conseqüências da criação desta UC, e a decisão final será deles. 7

8 Será apresentado relatório parcial de atividades até abril de 2007, com vistas a subsidiar o INCRA na elaboração Roteiro de Caracterização de Empreendimento RCE, para licenciamento junto ao Centro de Recursos Ambientais - CRA Fase 02 Promoção de cursos para capacitação em: Educação Ambiental: No primeiro trimestre do projeto será realizada uma oficina para 20 jovens dos dois assentamentos, que serão selecionados como multiplicadores ambientais. Esta Oficina terá duração de 05 dias, carga horária de 40 horas, será realizada por profissional de empresa especializada, onde este profissional será responsável pela mediação dos trabalhos e passagem do conteúdo metodológico do curso. Nesta oficina eles serão formados para atuarem como reeditores difusores em educação e interpretação ambiental através da metodologia Brincando e aprendendo com a mata, desenvolvida e consolidada pelo projeto Doces Matas, do Instituto Estadual de florestas de Minas Gerais IBAMA/MG, Fundação Biodiversidade e pela Agência de Cooperação técnica Alemã/GTZ e aplicada pelos reeditores capacitados pelo projeto. Após essa oficina estes reeditores, realizarão a difusão dos conhecimentos adquiridos através de oficinas de capacitação para difusores entre as crianças, adolescentes, agricultores, agricultoras dos assentamentos. O Centro Difusão Ambiental - CDA deverá funcionar no Assentamento Terra Vista devido a sua infra-estrutura, possuindo salas de aula amplas, estrutura de refeitório, banheiros, alojamentos, dentre outras características. Este CDA deverá iniciar seu funcionamento após a capacitação dos assentados para reeditores da metodologia, passando assim a ter como meta principal à capacitação dos outros assentados residentes nos dois P.A.s e outros assentamentos e futuramente, a capacitação de pessoas residentes em áreas circunvizinhas, focando preferencialmente a agricultores familiares. A pretensão do projeto é que o CDA continue suas atividades, após o termino do projeto, com a gestão das organizações da própria comunidade e com apoio do Núcleo Operacional da Assessoria Técnica social e Ambiental (ATES). As oficinas a serem realizadas pelos reeditores terão o apoio da supervisão técnica do projeto atuando na articulação e logística. Esse fato será reforçado pela presença do Campus Avançado da UNEB no P.A. Terra Vista, já que, este possuirá graduações nas áreas de Eng Agronômica, Ciências Biológicas e Eng Florestal, dando ênfase na transformação do P.A. Terra vista em um local de difusão educacional, e pelas ações do Projeto Fasama, realizado hoje pela parceria entre a FUNDESF e o INCRA, no âmbito do Projeto Terra Sol, que vem trabalhando a mudança de matriz tecnológica dos assentamentos para a agroecologia. Curso de capacitação para jovens assentados: Nos três primeiros dias serão capacitados com a metodologia do Brincando e Aprendendo com a Mata, esta foi desenvolvida pela GTZ e adaptada pelo Projeto Doces Matas para ser trabalha na Mata Atlântica. Para isso será adquirido um manual, a ser comprado na GTZ. Esta metodologia utiliza dinâmicas com os temas: água, solo, flora e fauna. Sensibilizando assim os alunos, preferencialmente nas escolas dos assentamentos, visando à mudança de atitudes dos mesmos em relação à percepção e conservação da biodiversidade da Mata Atlântica. No quarto dia os assentados participarão do planejamento de uma excursão guiada para os alunos dos assentamentos utilizando as dinâmicas aprendidas com a metodologia. 8

9 No quinto dia receberão um grupo de aproximadamente vinte alunos,filhos de assentados, para execução e avaliação da aprendizagem da metodologia utilizada. Esta avaliação será necessária, pois, o CDA recebe os alunos mesmo sem a presença do coordenador local, sendo conduzido pelos multiplicadores capacitados. Esta visitação terá no mínimo 35 alunos no mês durante a vigência do projeto. É importante que alunos de escolas de outros PA sejam o público alvo principal, na região de abrangência do projeto, estão presentes os PA Viva Vida e Bem-te-vi (Cédula da Terra) Nova Ipiranga entre outros. Conteúdo do curso: 1. Conhecerem-se, apresentações, comunicados e acordos de convivência; 2. Atividades de Interpretação Ambiental para motivar o despertar de todos os sentidos do grupo, conectar-se com a natureza; 3. Apresentação da metodologia da Pedagogia da Mata: Aprender Brincando com a natureza através do Manual, cartilhas e mochila. 4. Introdução à elaboração de um roteiro ou programa de Interpretação Ambiental; 5. Participando de uma Excursão Guiada numa trilha: A mata como espaço de vida ; 6. Introdução ao Monitoramento e avaliação de um roteiro ou programa de Interpretação Ambiental; 7. Planificando um roteiro e realizando uma excursão guiada; 8. Reflexões e análise sobre o conteúdo do curso; 9. Grupo Monta e aplica uma excursão guiada: Um dia de aventura na mata Todos os assentados capacitados receberão o material necessário para fazer a excursão guiada visando à sensibilização dos alunos (uma mochila, manual, espelhos, lupas, vendas, lápis cera e de cor, tinta, cartolina, tesoura e purpurina). Curso de capacitação recuperação de área degradada para agricultores: Serão capacitados 40 assentados dos P.A. Terra Vista e Rio Aliança no Curso de Recuperação Natural de Áreas Degradadas. Os assentados que participarão do projeto responderão um questionário padronizado contendo informações básicas sobre os assentamentos uma forma para conhecer melhor o perfil dos assentamentos assim como a expectativa por parte do assentado em relação ao futuro do uso do solo na propriedade de forma sustentável. Nos dias de campo e no curso de formação serão momentos para difundir as RPPN. Programação do Curso: a) Parte teórica (um dia): Apresentação sobre: biodiversidade e corredores ecológicos; 9

10 Noções de regeneração natural; Noções sobre legislação ambiental brasileira e crimes ambientais; O que é Reserva Legal (RL), Áreas de Proteção Permanentes (APP) e RPPN; Apresentação de experiência de um agropecuarista em regeneração natural. b) Parte prática (dois dias): Dia de campo, visita a APP em regeneração natural em uma área desmatada, cultivada e depois abandonada pelo agricultor. Noções em campo de marcação de matrizes, coleta de sementes e produção de mudas. Todos os participantes do curso receberão uma apostila que foi elaborada pela equipe do laboratório de Ecologia Aplicada, coordenada pelo Professor Ricardo Rodrigues da Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz ESALQ. Assim, a capacitação será desenvolvida abrangendo o público dos assentamentos, 30 participantes, e do entorno, 10 participantes, agricultores familiares, preferencialmente de outros assentamentos, através dos cursos e temas específicos, buscando fortalecer a consciência ambiental e os conhecimentos técnicos dos envolvidos. A turma será de 40 pessoas, utilizando metodologia participativa, contemplando o caráter teórico-prático, ou seja, parte das horas aulas será destinada aos trabalhos de grupo e de campo, quando for o caso. Serão realizadas também diversas dinâmicas de grupos compatíveis com o publico alvo, visando à motivação e estimulação de ações grupais ou coletivas. Ao final, será realizada avaliação do desempenho do processo de aprendizagem. Será fornecida alimentação (lanche e almoço) diariamente. Será disponibilizado um informativo semestral gratuito, com duas tiragens de 1000 cópias cada, para os assentados, destes e de outros PA, como forma de estímulo e divulgação, contendo todas as informações sobre o andamento das atividades desenvolvidas pelo projeto, a fim de propagar entre eles a idéia proposta por estas ações. Está prevista a utilização de recursos áudio visuais (data-show, vídeo cassete e DVD). Além disso, serão fornecidos aos participantes canetas, lápis, borracha, papel, pastas, apostilas, CDs e um informativo periódico gratuito sobre as atividades realizadas pelo projeto. Fase 03 Produção e plantio de mudas de espécies nativas: Serão utilizados os viveiros já implantados nos assentamentos para a produção comunitária de mudas de espécies florestais, a fim de serem utilizadas na recomposição de áreas degradadas. Inicialmente serão adquiridas 1050 mudas de essências florestais, para que se inicie o trabalho de enriquecimento de áreas degradas logo após o término do trabalho topográfico. Após a capacitação, citada acima, os assentados também iniciarão um processo de reconhecimento de espécies nativas em suas áreas de mata, com o auxílio do técnico responsável, será feita a seleção de matrizes para coleta de sementes, dessas espécies, visando a produção de mudas de essências nativas. As ações de recuperação serão realizadas de forma a atentar para o potencial de auto-recuperação ainda existente nas próprias áreas degradadas, ou que possam ser fornecidas pelos ecossistemas do entorno, aspectos definidos pelo histórico de degradação da área. Assim em áreas onde exista um potencial relevante de auto-recuperação, não se fará inicialmente o plantio de mudas de espécies nativas, mas sim ações que induzam a expressão desse potencial de regeneração. Essas ações irão envolver a proteção, indução e condução da regeneração natural, e serão avaliadas e monitoradas ao longo do tempo, de maneira a sustentar as decisões posteriores que podem implicar na necessidade ou não de se fazerem ações de preenchimento (nos trechos que por algum 10

11 motivo não se regeneram naturalmente) e enriquecimento (introdução de novas espécies visando o aumento da diversidade florística e genética) da área em processo de restauração, usando mudas, serrapilheira ou mesmo sementes. Outra preocupação é a de que as iniciativas de restauração resultem na reconstrução de uma floresta com elevada diversidade, garantindo assim a perpetuação dessas iniciativas e, portanto, a restauração da diversidade regional. Para isso, são usadas outras estratégias de restauração que não apenas o plantio de mudas, ações como o transplante de plântulas alóctone (oriundo de outras áreas), inclusive usando áreas de florestas comerciais (fora de APP e RL) como fonte de propágulos (plântulas e sementes) para restauração, o uso de serapilheira e banco de sementes alóctone, o uso de espécies atrativas da fauna (poleiros naturais), poleiros artificiais, a semeadura direta (plantio da semente em vez da muda) para ocupação e enriquecimento de áreas e outras, que pela imprevisibilidade das espécies envolvidas, garantam o resgate não só de espécies arbóreas, mas também de outras formas de vida. Todas as ações serão planejadas de forma a se constituir num programa ambiental do respectivo assentamento rural, incorporando o componente ambiental na estrutura de decisão dos assentados, inibindo assim que outras ações de degradação similares as já existentes venham a surgir, garantindo a efetivação das ações de restauração, além é claro da racionalização do uso dos recursos, como estratégia de estabelecimento de uma política pública de conservação e restauração florestal. Dentro dessa preocupação, atentaremos para a possibilidade de aproveitamento econômico momentâneo dessas áreas restauradas em APP, com o: a) plantio de espécies agrícolas nas entrelinhas do plantio de nativas, nos dois anos iniciais da restauração, como estratégia de manutenção dessas áreas restauradas e b) o favorecimento de espécies nativas de possível aproveitamento futuro nas linhas de plantio, como espécies frutíferas, medicinais e melíferas, em sistemas agroflorestais, apenas nas pequenas propriedades familiares. Sendo assim será feita a produção de mais 3950 mudas, pelos próprios assentados, de forma coletiva, contemplando o caráter participativo do projeto a partir do mês de abril de 2007 até o mês de dezembro de 2007, término do projeto e o plantio em áreas definidas pelo levantamento cadastral como prioritárias para recuperação florestal, tais como, matas ciliares, nascentes, topos de morro e áreas de reserva legal que se encontrem degradadas. È importante salientar que após esse processo de marcação de matrizes, nas áreas de remanescentes florestais e reserva legal, o assentamento irá possuir a capacidade de produzir mudas de essências florestais de forma sustentável, agregando mais uma fonte de renda, após o término das ações diretas do projeto. Fase 04 Cercamento de áreas para conservação e recuperação ambiental: Serão feitos 10 Km de cerca em escolhidas áreas para recuperação onde será utilizada a técnica de sucessão natural sendo feito o cercamento das mesmas para evitar o acesso de animais e pessoas nos dois assentamentos. Entende-se como sucessão natural, o processo de desenvolvimento de uma comunidade (ecossistema) em função de modificações das composições no ambiente considerado, culminando no estágio clímax. O processo de colonização inicia-se com espécies pioneiras espécies adaptadas às condições (limitações) apresentadas. Estas criam condições adequadas de microclima e solo para estabelecimento de outros grupos de plantas secundarias espécies que necessitam de menos luz e melhores condições de solo. Esta seqüência sucessional evolui ate um estágio final (clímax), representado por um grande número de espécies constituídas por poucos indivíduos, portanto, com maior diversidade. Cada fase de sucessão é caracterizada por composições florísticas e faunísticas típicas, associadas entre si. No processo de recuperação 11

12 ambiental é imprescindível o conhecimento da auto-ecologia das espécies animais e vegetais envolvidos em cada estagio sucessional, visando copiar a natureza e acelerar o processo. Nestas áreas, portanto será de suma importância à ausência de atividades antrópicas durante o decorrer do tempo e por isso será feito o cercamento dessas áreas utilizando uma Cerca de 03 fios de arame liso, com estacas de eucalipto tratado dispostas a uma distância de 03 em 03 metros e mourões dispostos de 20 em 20m. Para a construção dessa cerca será contratada mão de obra de serviços de terceiros, pessoa física sendo esta composta pelos próprios assentados. Profissionais envolvidos: Para a garantia do cumprimento de toda a meta propostas será contratada consultoria de empresa especializada em capacitação no meio rural, a qual disponibilizará dois técnicos para execução das capacitações propostas. A preserva contratará via CIEE (Centro de Integração Empresa Escola) 01 estagiário, graduando em biologia, agronomia, engenharia florestal ou ambiental ou afins, que ficará responsável pelo transporte dos consultores, acompanhamento e apoio das atividades dos profissionais envolvidos, comunicação com os assentados, viabilização da documentação necessária para a averbação das reservas legais, realização de visitas periódicas aos assentamentos, elaboração de relatórios das atividades, dentre outras atividades e um Eng Agrônomo para Supervisão técnica e responsabilidade técnica agronômica e ambiental, contratado, através de empresa especializada, responsável pela coordenação das atividades e da assistência técnica necessária a implementação do projeto, apoio logístico, que estará à disposição do projeto por um período de 20h semanais. Todas as empresas, exceto o CIEE, serão contratadas através de carta-convite, com análise de no mínimo três propostas. Cronograma físico-financeiro do projeto segue em Plano de trabalho - Anexo I Figura 02: Rio Aliança, trecho no P.A. Terra Vista. CONSIDERAÇÕES FINAIS É claramente perceptível a realidade de muitos Projetos de Assentamento na Região Sul da Bahia. Em relação a toda a parte ambiental destaca-se a necessidade de regularizações legais e de esclarecimento por parte dos assentados acerca de questões relacionadas com o tema acima citado. A própria cultura dos assentados favorece as ações de conservação da Mata Atlântica, pois, estes estão habituados a lidar com a cultura do cacau, que se traduz em um sistema 12

13 agroflorestal, conhecido como cacau / cabruca, o qual proporcionou e ainda proporciona boa parte da conservação observada nesta região, funcionando como elo de ligação entre Unidades de conservação e outros fragmentos florestais, cumprindo a função de ligação dentro dos preceitos de implementação dos corredores de biodiversidade. Além disso, existem locais onde as atividades antrópicas exercidas no decorrer das décadas proporcionaram sérios processos de degradação que acabam por fechar esse ciclo de desencontros com a sustentabilidade. Nesse contexto não podemos deixar de citar o interesse por parte dos assentados em promover a conservação do meio ambiente e aprenderem a viver de forma sustentável. Um exemplo de sustentabilidade pode ser citado nos P.A. em questão prevendo-se que áreas naturais remanescentes destes, identificadas como de interesse ambiental e / ou de grande beleza cênica poderão vir a ser, com a averbação da RPPN, objetos da implantação de trilhas educativas, com conseqüente elaboração de material para uso em atividades de Educação Ambiental. Além disso, o P.A. Terra Vista atualmente está sendo contemplado com um Campus Avançado da UNEB (Universidade do Estado da Bahia), no qual serão ministrados os cursos de Eng Agronômica, Eng Ambiental e Ciências Biológicas. Acredita-se então que com esse tipo de iniciativa e com outras similares, desenvolvidos por órgão públicos, ou privados, seja possível agir de forma organizada e cientificamente fundamentada colaborando na gradual recuperação das áreas degradadas. Apontando assim para uma perspectiva de melhor integração entre as áreas de produção e as áreas destinadas à preservação da natureza e manutenção dos processos ecológicos básicos à sociedade, como a disponibilidade de água. Referencia orçamentária memória de calculo em anexo Recursos totais INCRA 2006 e 2007: R$ ,70 PRESERVA: R$ ,00 TOTAL DO PROJETO: R$ ,70 Descrição da Contrapartida A Preserva entrará com recursos em contrapartida no valor de R$ ,00. Item 1: Administração financeira do projeto que constará dos seguintes serviços: elaboração de prestação de contas dos recursos utilizados, acompanhada de planilhas de consolidação financeira, copia de extratos bancários, elaboração de contratos, elaboração de relatórios de desembolso organização de todos os comprovantes de despesas a exemplo de notas fiscais, recibos etc. Valor total do serviço que a Preserva contratará através da prestação de serviços Pessoa Jurídica R$ R$ 7.200,00 reais por um ano Item 2: Pagamento de parte do Serviço topográfico especificado no projeto no valor de R$ 3.000,00 reais, através da prestação de serviços Pessoa Jurídica. Item 3: Custos referentes a utilização de veículo próprio da PRESERVA, FIAT UNO FIRE 2001, que servirá a equipe técnica do projeto, comprovado através de uma planilha, mostrando os dias utilizados para o projeto, os percursos feitos e a KM efetivamente rodada no valor de R$ 5.040,00. 13

14 RESPONSÁVEL LEGAL DA PRESERVA Henrique Fragoso Berbert de Carvalho Diretor Presidente RESPONSÁVEL TÉCNICO NOME: Cristiano de Souza Sant Ana Eng. Agrônomo REGISTRO NO CONSELHO DE CLASSE: CREA /D IMPLEMENTATION OF CENTER OF AMBIENT DIFFUSION IN PARTICULAR RESERVES OF THE NATURAL PATRIMONY OF THE CENTRAL CORRIDOR OF THE RAIN FOREST IMPLEMENTAÇÃO DE CENTRO DE DIFUSÃO AMBIENTAL EM RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL DO CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA Lucélia de Melo Berbert 1 Henrique Fragoso Berbert de Carvalho 2 Oscar Artaza 3 ABSTRACT This work tells the experience of the implementation of two Centers of Ambient Diffusion - CDA, in Particular Reserve of the Natural Patrimony - RPPN, in the Central Corridor of Rain Forest. The project was focus on three different kind of public around of these Units of Conservation, in a ray up to 100 km: professors, students and agriculturists. The goal was to qualify professors of public schools and sensitization of the students and agriculturists. The sensitization of the agriculturists aimed at the fulfillment of the environment legislation. It had as result the qualification of 35 professors from four cities, 564 sensitized students, 25 agriculturists oriented and the creation of two groups of young workers who was settled in the area, it was focus in the natural recovery of two hectares of degraded ciliar forest. RESUMO Este trabalho relata a experiência da implementação de dois Centros de Difusão Ambiental CDA, em Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, no Corredor Central da Mata Atlântica. O projeto deu enfoque a três públicos alvos do entorno destas Unidades de Conservação, num raio de até 100 km: professores, alunos e agricultores. Com objetivo de capacitação de professores de escolas públicas, sensibilização dos alunos e agricultores. A sensibilização dos agricultores visou o cumprimento da legislação ambiental. Teve como 1 Eng. Agrônomo MSc, Coordenadora de Projetos da PRESERVA, Rua Inocêncio Correia, 122, Pontal, Ilhéus Ba CEP: Eng Agrônomo MSc, Presidente da Preserva. 3 Biólogo MSc, Coordenador do Programa de Conservação em Terras Privadas da PRESERVA. 14

15 resultado a capacitação de 35 professores de quatro municípios, 564 alunos sensibilizados, 25 agricultores trabalhados e a criação de dois grupos de jovens assentados trabalhando na recuperação natural de dois hectares de mata ciliar degradada. INTRODUÇÃO A Associação de Proprietários de Reservas Particulares da Bahia e Sergipe PRESERVA, criada durante o II Encontro de Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) da Bahia, tendo na fundação a missão de mobilizar e representar os interesses dos proprietários conservacionistas destes dois estados (Berbert, 2004). Atualmente a missão da instituição é orientar e fortalecer os proprietários de reservas particulares da Bahia e Sergipe para a conservação da biodiversidade em suas terras. Tendo como objetivos: a) Promover o intercâmbio de informações entre sócios, poder público, ONG e sociedade; b) Promover a busca de recursos financeiros, econômicos, tecnológicos para o apoio á conservação e manejo das reservas privadas; c) Promover a divulgação das reservas privadas e suas atividades; d) Estimular a criação e a implementação de reservas privadas; e) Apoiar as instituições públicas ou privadas na implementação de políticas voltadas para a conservação de reservas privadas; f) Representar os interesses dos sócios na busca de incentivos fiscais e econômicos e na evolução dos instrumentos legais inerentes ás reservas privadas; g) Fomentar atividades de educação ambiental, pesquisa científica e capacitação nas reservas privadas. A PRESERVA desenvolve dois programas: a) Conservação em Terras Privadas; b) Educar para Conservar. A consolidação de parcerias e busca de novas, tem sido a principal estratégia da PRESERVA, como instrumento de ampliação e apoio à gestão na conservação em terras privadas. Atualmente 57 RPPN protegem aproximadamente ha de diversas formações florestais, fauna, e recursos hídricos somente nos estados da Bahia e Sergipe. É com base na experiência acumulada pela PRESERVA nos últimos cinco anos, na sua capacidade de articulação para estabelecimento de parcerias e no conhecimento das oportunidades e fragilidades das UC tanto privadas quanto públicas, que em conjunto com seus parceiros propôs ao Critical Ecosystem Partnersnip Fund - CEPF o apoio à implementação do Programa Educar para Conservar. O Programa Educar para Conservar, busca difundir práticas e conceitos que promovam, especialmente entre os moradores e proprietários do entorno das RPPN, a adoção de modelos de uso da terra e dos recursos naturais compatíveis com a conservação da biodiversidade. Teve inicio em 2005, com uma proposta apresentada ao CEPF, que consistiu na implementação de Centros de Difusão Ambiental CDA, na RPPN Reserva Natural Serra do Teimoso e RPPN Nova Angélica. A RPPN Serra do Teimoso esta localizada no município de Jussari BA, situado no complexo de Serras parcialmente preservadas, conhecidas como Serra do Baixão. As Serras são de fundamental importância para a manutenção de refúgios para a vida silvestre, assim como para a manutenção da quantidade e a qualidade das águas que abastecem cidades a jusante, tais como, Jussari, Una, Camacan, Palmira (distrito de Itaju do Colônia) e Arataca. Nestas serras se formam 15

16 os rios Piabanha, Água Preta, Aliança, e Panelão. Que faz parte das Bacias Cachoeira, Aliança e Pardo respectivamente. A RPPN Serra do Teimoso faz parte de um conjunto que mantêm aproximadamente ha de florestas entremescladas com sistemas agroflorestais. Esta área esta sendo alvo de estudos, denominada Equipe Técnica Cientifica desenvolvido pelo Ministério do Meio Ambiente MMA, juntamente com algumas ONG como: Conservação Internacional, TNC, Instituto Dríades, Instituto de Estudos Sócioambientais do Sul da Bahia, Bird Life, Flora Brasil e PRESERVA, para se propor à criação de uma nova Unidade de Conservação UC. A RPPN Nova Angélica, primeira RPPN reconhecida pelo Estado da Bahia, esta localizada no entorno da Reserva Biológica de Una. A importância da implementação do CDA nesta reserva. Aja visto que o principal alvo é a comunidade do entorno da RPPN e conseqüentemente da REBIO. O presente projeto se propôs a iniciar atividades de formação e sensibilização com aproximadamente 140 proprietários de terras e agricultores, moradores do entorno das duas RPPN, com a intenção de incentivá-los a recuperação natural das áreas degradadas e áreas de proteção permanentes (APP) e averbação de Reserva Legal. Teve ainda atividades de educação ambiental, através da formação de 20 professores da rede de ensino dos municípios de Jussari, Camacan, Buerarema e Una. Com auxilio destes reeditores pretendeu-se atingir através da sensibilização um universo de aproximadamente 500 alunos provenientes de escolas públicas desses municípios. Buscou-se com este projeto oferecer as comunidades do entorno das RPPN, oportunidades educativas e de formação que favoreçam mudanças de altitudes em relação ao meio ambiente em geral, e as UC em particular. Ainda a proposta buscou através da sensibilização e formação de agricultores, ser uma contribuição à formação de micro corredores ecológicos, que permitam a manutenção da biodiversidade (Berbert, 2001). Objetivo Geral: Implantar processos pilotos inovadores de educação ambiental e formação continuada nas RPPN Serra do Teimoso e Nova Angélica, de forma a difundir conhecimentos e experiências que favoreçam a proteção da biodiversidade, a diminuição das pressões sobre as UC e o uso adequado da zona de amortecimento, auxiliando assim na implementação do Corredor Central da Mata Atlântica. Objetivos específicos: Difundir informação qualificada, em linguagem adaptada ao local, sobre conceitos e estratégias de conservação da biodiversidade e uso sustentável dos recursos naturais; Promover oportunidades de treinamento para os moradores do seu entorno, especialmente proprietários e trabalhadores rurais, em práticas agrícolas sustentáveis e de manejo do solo; Fomentar a restauração ecológica de Áreas de Preservação Permanente, e a recuperação e proteção dos mananciais; 16

17 Formar multiplicadores ambientais entre professores das escolas localizadas na zona de amortecimento da unidade com a metodologia Brincando e Aprendendo com a Mata ; Estimular a formação de conselhos gestores e comitês de bacia onde não os houver; Atrair novos parceiros para projetos e iniciativas que apóiem a gestão das unidades de conservação e a formação do Corredor Central da Mata Atlântica; Integrar as ações de gestão e proteção das unidades de conservação localizadas em um raio de 100 quilômetros do CDA. MÉTODOS Curso de capacitação para professores: Para a RPPN ser um CDA é necessário ter alojamento com a capacidade de no mínimo 30 pessoas e uma sala para servir como um auditório. Foram realizadas duas oficinas com duração de cinco dias nas duas RPPN. Nos três primeiros dias foram capacitados com a metodologia do Brincando e Aprendendo com a Mata, esta foi desenvolvida pela GTZ e adaptada pelo Projeto Doces Matas para ser trabalha na Mata Atlântica. Esta metodologia utiliza dinâmicas com os temas: água, solo, flora e fauna. Sensibilizando assim os alunos visando à mudança de atitudes dos mesmos em relação à percepção e conservação da biodiversidade da Mata Atlântica. No quarto dia os professores, aprenderam as técnicas e planejaram uma excursão guiada na trilha da RPPN para os alunos, utilizando as dinâmicas aprendidas com a metodologia. No quinto dia recebeu um grupo de 20 alunos do entorno, em cada CDA, para avaliação da aprendizagem da metodologia apresentada. Foi necessária esta avaliação, pois, o CDA recebe os alunos mesmo sem a presença do coordenador local, sendo conduzido pelos professores locais capacitados. Esta visitação teve no mínimo 35 alunos no mês de cada município durante a vigência do projeto. Conteúdo do curso: 1. Conhecerem-se, apresentações, comunicados e acordos de convivência; 2. Atividades de Interpretação Ambiental para motivar o despertar de todos os sentidos do grupo, conectar-se com a natureza; 3. Apresentação da metodologia da Pedagogia da Mata: Aprender Brincando com a natureza através do Manual, cartilhas e mochila. 4. Introdução à elaboração de um roteiro ou programa de Interpretação Ambiental; 17

18 5. Participando de uma Excursão Guiada numa trilha: A mata como espaço de vida ; 6. Introdução ao Monitoramento e avaliação de um roteiro ou programa de Interpretação Ambiental; 7. Planificando um roteiro e realizando uma excursão guiada; 8. Reflexões e análise sobre o conteúdo do curso; 9. Grupo Monta e aplica uma excursão guiada: Um dia de aventura na RPPN Todos os professores capacitados receberam o material necessário para fazer a excursão guiada visando à sensibilização dos alunos. O material é composto de: uma mochila, espelhos, lupas, vendas, lápis cera e de cor, tinta, cartolina, tesoura e purpurina. O projeto apoiou com a hospedagem e alimentação para os professores. As mochilas, os manuais, o enchimento da mochila, o transporte e alimentação dos agricultores tiveram apoio de outras instituições e empresas. A alimentação e transporte dos alunos tiveram o apoio das prefeituras envolvidas no projeto. O CDA da Serra do Teimoso teve a parceria com as prefeituras de: Jussari, Camacan, Buerarema e Itaju do Colônia. E o CDA Nova Angélica teve a parceria com a prefeitura de Una. Curso de capacitação recuperação de área degradada para agricultores: Foi enviada uma carta convite aos agricultores do entorno das RPPN, para participarem do Curso de Recuperação Natural de Áreas Degradadas. Participaram 25 agricultores. Os proprietários que participaram do projeto responderam um questionário padronizado, contendo informações básicas sobre as propriedades uma forma para conhecer melhor o perfil das propriedades assim como a expectativa por parte do proprietário em relação ao futuro do uso do solo na propriedade. Nos dias de campo e no curso de formação foram momentos para difundir os conceitos de Reserva Legal, Área de Preservação Permanente e RPPN. Programação do Curso: a) Parte teórica (dois dias): Apresentação sobre: biodiversidade e corredores ecológicos; Noções de regeneração natural; Noções sobre legislação ambiental brasileira e crimes ambientais; O que é Reserva Legal (RL), Áreas de Proteção Permanentes (APP) e RPPN; Apresentação da experiência de um pecuarista em regeneração natural de APP. b) Parte prática (um dia): 18

19 Dia de campo, visita a APP em regeneração natural em uma propriedade e regeneração natural em uma área desmatada, cultivada e depois abandonada pelo agricultor. Durante o período do projeto estes agricultores tiveram mais quatro dias de campo. Visitando outras propriedades que possuem RL, mata ciliar e também trabalham com agricultura orgânica. Todos os participantes do curso receberam uma apostila que foi elaborada pela equipe do Laboratório de Ecologia Aplicada da Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz ESALQ. RESLTADOS E DISCUSÃO A PRESERVA teve este projeto como um processo piloto inovador a ser desenvolvido gradualmente nas UC do Corredor Central da Mata Atlântica. Assumindo assim o compromisso de buscar novos recursos que permitam a sua replicabilidade em outras unidades. Foram capacitados 35 professores nos dois CDA com a metodologia Brincando e Aprendendo com a Mata. Sendo 22 no CDA Serra do Teimoso, pois envolveu um maior número de prefeituras. A diferença do número de professores capacitados, entre os dois CDA é devido ao número de prefeituras em parceria com os CDA. O da Serra do Teimoso tem parceria com quatro prefeituras e o da Nova Angélica com uma prefeitura. No CDA Nova Angélica foram capacitados 13 professores que trabalham em Escolas Rurais. Teve no total 509 alunos sensibilizados no CDA Serra do Teimoso e no CDA Nova Angélica, 55 alunos sensibilizados. O CDA da Serra do Teimoso participou desde o início do projeto, por isto, o número de alunos sensibilizados é maior. A RPPN Nova Angélica ingressou, na fase final, do projeto, precisamente no mês de junho de A equipe técnica do projeto auxiliou a Secretaria Municipal de Educação de Jussari na elaboração do Projeto Classe Verde que tem apoio do MMA. Este projeto foi aprovado e tem a parceria com CDA Serra do Teimoso e começará a ser executado em janeiro de 2007, dando continuidade a proposta. O curso com os agricultores foi realizado no CDA da Serra do Teimoso com a participação de 25 proprietários. Sendo doze de Jussari, sete de Buerarema, quatro de Camacan e dois de Itapé. No CDA Nova Angélica o IESB, já trabalha há bastante tempo com os agricultores do entorno da RPPN, que também fazem parte do entorno da Rebio de Una. Esta instituição já trabalha sobre RL, RPPN, agricultura orgânica e sistemas agroflorestal. Nos municípios de Camacan e Jussari nos Assentamentos Nova Ipiranga (Movimento Sem Terra MST) e Viva a Vida (Cédula da Terra CDA) foram criados dois grupos jovens para trabalhar na recuperação da mata ciliar dos rios Panelão e Piabanha respectivamente. Na recuperação natural de dois hectares de mata ciliar degradada. A prefeitura de Camacan apoiou o Assentamento Nova Ipiranga com camisas e arame para o cercamento da área a ser recuperada. A de Jussari com o arame ao Assentamento Nova Vida. O Ministério Público de Camacan doou as estacas apreendidas. 19

20 LIÇÕES APRENDIDAS O Programa Educar para Conservar é uma estratégia da PRESERVA direcionada a promover a conservação da biodiversidade no Corredor Central da Mata Atlântica. Orienta-se a atender demandas das UC por estabelecer novas relações com as populações do entorno, para diminuir as pressões sobre elas e pela promoção do uso adequado da zona de amortecimento. Para atingir esses objetivos, o programa apostou na capacidade de administração e na capitação e sucesso de parcerias do CDA através do seu coordenador local, principalmente com as prefeituras do entorno. No inicio do projeto os CDA escolhidos foram dois que fazem parte do complexo da Serra do Baixão. O CDA Serra do Teimoso e outra reserva no município de Camacan. Entretanto problemas de relacionamento entre a Prefeitura de Camacan e a coordenação local do CDA de Camacan, a prefeitura retirou a parceria com o CDA, mas continuou com a parceria com a PRESERVA. Onde os alunos do município foram recebidos pelo CDA Serra do Teimoso, aja visto que, fica a 50 km de distância do CDA, dentro do seu raio de ação. Entendemos que nos próximos CDA a serem implantados será necessário a percepção do coordenador local, que a parceria do CDA é com a instituição Prefeitura e não com o Prefeito ou grupo político. As datas de visitação dos alunos na UC devem ser agendadas por semestre para evitar os períodos de provas e de férias. Vimos que após os recessos das férias as Secretarias municipais de Educação demoram ao retorno das visitações. Em relação à averbação das reservas legais das propriedades de participantes do projeto, processo este que, no Estado da Bahia, esta sob a responsabilidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente SEMARH, houve resistência por parte dos proprietários, em função do alto custo e burocracia do processo de averbação da RL. Devido o projeto não ter apoio para a medição topográfica da área e a região estar passando ao longo dos últimos 10 anos, por um período de queda na produção, preço e na qualidade do cacau, principal produto agrícola, justifica a falta de verba para a medição da área, segundo os proprietários. Como solução a PRESERVA esta em processo de discussão de parceria com o Ministério Público Estadual, onde este apóia a medição e a averbação da RL nos municípios que fazem parte do Complexo da Serra do Baixão. AGRADECIMENTOS Ao CEPF e a Aliança para Conservação da Mata Atlântica pelo o apoio ao Projeto. A PRESERVA, a GTZ, ao Ministério do Meio Ambiente, através do Projeto Corredores Ecológicos UCE BA, ao Instituto de Estudos Sócioambientais do Sul da Bahia (IESB), a Aracruz Celulose S/A, a Veracel Celulose S/A, as Prefeituras de Jussari, Camacan, Una, Buerarema, as RPPN Serra do Teimoso e Nova Angélica, a Dra. Suzete Wachtel (Consultora GTZ), Andréa Toth (Terravista Empreendimentos S/A) e o Dr. Ricardo Rodrigues(ESALQ). 20

Forneça qualquer observação que possa ajudar na revisão deste relatório.

Forneça qualquer observação que possa ajudar na revisão deste relatório. RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Associação dos Proprietários de Reservas Particulares do Estado da Bahia Título do projeto: Protected Areas as Centers for Environmental

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 012-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade a sobre s a d de dúvi eps e ar suas p e o r i d T o cip ntaçã par ti impla cê pode vo nte como ositivame p cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto Floresta Viva Título do projeto: Creation and Implementation of Protected Areas in

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

I OBJETIVO II ABRANGÊNCIA III CONTEXTO

I OBJETIVO II ABRANGÊNCIA III CONTEXTO 1 I OBJETIVO Conservação, restauração e valorização da Mata Atlântica e de sua diversidade, especialmente a diversidade arbórea, por meio da construção e difusão do conhecimento. ABRANGÊNCIA Região com

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Curso de Elaboração de Projetos: apresentação de projeto. Curso de Elaboração de Projetos: trabalho em grupo. Curso de Elaboração de Projetos: Módulo Financeiro.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS

ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS 1. Contextualização e Justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 Lições do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares e perspectivas para a conservação da biodiversidade no Plano Pluri Anual 2012/2015 III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RELATÓRIO DA TERCEIRA VISITA EM CAMPO PROCESSO DE CRIAÇÃO DA UC SERRA DA CANGALHA Dia 03/10/11: deslocamento para Sede do município de Campos Lindos. Chegada às 20:00, contato com Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental)

TERMO DE REFERÊNCIA. Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental) TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental) 1. Código: TDR_RRB_04 2. Título: Elaboração de diagnóstico ambiental consolidado em campo e PRA (Projeto de Recuperação

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

1o. Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 17 de Novembro de 2009. Miguel Calmon Coordenador do Conselho do Pacto

1o. Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 17 de Novembro de 2009. Miguel Calmon Coordenador do Conselho do Pacto 1o. Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 17 de Novembro de 2009 Miguel Calmon Coordenador do Conselho do Pacto A MATA ATLÂNTICA 7% em bom estado de conservação 70% da população 80% do PIB HISTÓRICO

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS? QUAL A RELAÇÃO ENTRE COBERTURA FLORESTAS,

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS

Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária do MS Osvaldo A. Riedlinger. dos Santos Engenheiro Florestal UNIFENAS/1987 IMAP:Gerente de Recursos Florestais GERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS

PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS PRIMEIRO CURSO CONTINUADO DE PLANEJAMENTO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE AGROFLORESTAS SUCESSIONAIS COM ERNST GÖTSCH E MUTIRÃO AGROFLORESTAL OBJETIVO DO CURSO Contribuir para a construção de sociedades sustentáveis

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

FICHA PROJETO - nº364-ma

FICHA PROJETO - nº364-ma FICHA PROJETO - nº364-ma Mata Atlântica Linha Nacional 1) TÍTULO: Capacitação em gestão participativa de Unidades de Conservação na Mata Atlântica do Nordeste 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Estados

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

EDITAL DE PSA HÍDRICO Nº 01/2015

EDITAL DE PSA HÍDRICO Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAPITANGA SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO RURAL E MEIO AMBIENTE SADERMA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CGP EDITAL

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004)

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) Aprova os critérios, normas, procedimentos e conceitos aplicáveis ao SISLEG Sistema

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma - Iniciativa Cerrado Sustentável - MMA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2013.0122.

TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma - Iniciativa Cerrado Sustentável - MMA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2013.0122. TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma - Iniciativa Cerrado Sustentável - MMA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2013.0122.00028-2 OBJETO: CONTRAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL PARA DIAGNÓSTICO,

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 097-MA

FICHA PROJETO - nº 097-MA FICHA PROJETO - nº 097-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Construindo Estratégias Participativas e Projetos Demonstrativos de Conservação da Mata Atlântica na Região do Corredor de Biodiversidade

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais