Súmula da Reunião Ordinária n 1012, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Súmula da Reunião Ordinária n 1012, da Câmara Especializada de Engenharia Civil"

Transcrição

1 Súmula da Reunião Ordinária n 1012, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 1 de Abril de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes Coordenador Adjunto Eng. Civ. Nelson Kalil Moussalle Conselheiro Eng. Civ., Eng. Ind. Mec. Alberto Stochero Conselheiro Geog. André Luis Queiroz Araujo Conselheiro Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Augusto Portanova Barros Conselheiro Eng. Civ. Carlos Giovani Fontana Conselheiro Eng. Civ. Edival Silveira Balen Conselheiro Eng. Civ. Elizabeth Trindade Moreira Conselheiro Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Emidio Marques Ferreira Conselheiro Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Evandro Krebs Gonçalves Conselheiro Eng. Civ. Fernando Martins Pereira Da Silva Conselheiro Tec. Edif. Flavio Pezzi Conselheiro Eng. Civ. Hilário Pires Conselheiro Eng. Civ. Jorge Alberto Albrecht Filho Conselheiro Eng. Civ. Jorge Augusto Peres Moojen Conselheiro Eng. Civ. José Ascânio Vilaverde Moura Conselheiro Eng. Civ. José Homero Finamor Pinto Conselheiro Eng. Civ. Julio Cesar Touguinha De Almeida Conselheiro Eng. Civ. Lia Maria Herzer Quintana Conselheiro Eng. Civ. Luiz Carlos Karnikowski De Oliveira Conselheiro Eng. Civ. Luiz Fernando Castro Do Amaral Conselheiro Eng. Civ., Eng. Mec., Eng. Seg. Trab. Luiz Inácio De Souza Sebenello Conselheiro Eng. Civ. Marcelo Schuler Conselheiro Eng. Civ. Marcos Fernando Uchôa Leal Conselheiro Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Marcos Wetzel Da Rosa Conselheiro Eng. Civ. Maria Izabel Brener Da Rosa Conselheiro Eng. Civ. Ricardo Scavuzzo Machado Conselheiro Eng. Civ. Silverius Kist Junior Conselheiro Eng. Civ. Volnei Pereira Da Silva Representante do Plenário Eng. Ind. E Seg. Trab. Ary Pedro Slhessarenko Trevisan Assessor Téc Camara Eng. Civ. Regina F. Pinto Da Cunha Analista de Processos Eng. Civ. Viviane Mattje Analista de Processos Eng. Civ. Cristiane De Oliveira Analista de Processos Eng. Civ. Juliana Ritt Oficial Administrativo Luciana Guimaraes Barbieri Auxiliar Administrativo Elaine Lourdes A. Viegas Assistente Administrativo Manoela Schumacher Triches Dos Santos 1. VERIFICAÇÃO DO QUÓRUM CONCLUSÃO : Quórum foi verificado. 2. APROVAÇÃO DA(S) SÚMULA(S) nº 1010,

2 ANÁLISE DO EXPEDIENTE ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA CONHECIMENTO REFERÊNCIA : Jornal da Fisenge - Fevereiro/março de 2011 CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : enviado por Orlando Cavalcanti Gomes Filho (SFE) - Datado: 16/03/2011 ASSUNTO : Encaminha estudo recente do IPEA que trata de gargalos na infra-estrutura para crescimento do Brasil e do impacto e da ausência de engenheiros para conduzirem este processo. OBS : Os arquivos em anexos são muito grandes, quem quiser solicitar cópia, falar com umas das assistentes da CEEC. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : enviado pelo GEORS Datado: 20/03/2011 ASSUNTO : Informa sobre VI Seminário de Engenharia Geotécnica do RS - Data: 02 e 03 de junho de 2011 em Passo Fundo - RS. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Oficio nº 0104 do Confea - Datado: 25/01/2011 ASSUNTO : Alteração do Regimento do Crea-RS. Proposta restituída pelo Confea. OBS : Encaminhamento do Sr. Presidente do Crea-RS solicitando enviar ofício ao Confea notificando da impossibilidade da análise face a criação do CAU-BR. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : enviado pelo Cons. José Homero Finamor Pinto - Datado: 24/03/2011 ASSUNTO : Encaminha matéria sobre Atlas Hídrico do Brasil - Mais da metade dos municípios brasileiros pode ficar sem água em CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : enviado pelo Colégio de Presidentes Confea/Creas - Datado: 25/03/2011 ASSUNTO : Encaminha por solicitação do Presidente do Crea-MS, notícia do Conselho Federal de Biologia: "Biólogos no Manejo Florestal" e arquivo do Conselho Regional de Química: "Confira os diversos títulos de diplomas conferidos pelos cursos de formação profissional na área química", para conhecimento. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : enviado pela Gerência do Departamento de Registro - Datado: 29/03/2011 ASSUNTO : Encaminha o anexo da Resolução nº 473/02 que sofre alterações freqüentes. Informa também que o arquivo constante no site do Confea está desatualizado. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : enviado pelo Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho - Datado: 31/03/2011 ASSUNTO : Encaminha relatório da Reunião 7 do GT de Eleição e Transição do Cau realizada no dia 16/03 na Câmara de Arquitetura e Reunião da CCEARQ, realizada dia 17 e 18 de março de CONCLUSÃO : Ciente. Foi decidido encaminhar para todos os conselheiros por REFERÊNCIA : enviado pela Seção de Apoio à Diretoria e Colegiado - Datado: 31/03/2011 ASSUNTO : Encaminha documentos que serão pautados na Sessão Plenária do dia 01/04/

3 OBS CONCLUSÃO : enviado dia 31/03 à todos os conselheiros. : Ciente REFERÊNCIA : enviado pelo Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho - Datado: 28/03/2011 ASSUNTO : Encaminha convocação para a Comissão Especial para estudos da necessidade e/ou conveniência para venda de bem imóvel do Crea-RS, à realizar-se dia 01/04/2011 (sexta feira), das 11 às 12 horas, na sede do Crea-RS. CONCLUSÃO : Ciente ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA MANIFESTAÇÃO REFERÊNCIA : enviado pelo Departamento de Comunicação e Marketing - Datado: 30/03/201 ASSUNTO : Encaminha texto pertinente às Câmaras Especializadas sobre o material institucional do Crea-RS para constar no Catálogo Empresarial - edição 2011/2012. Solicita apreciação da Câmara. OBS : O material tem que ser enviado até 04 de abril. CONCLUSÃO : C Â M A R A S E S P E C I A L I Z A D A S As Câmaras Especializadas constituem a 1ª Instância Julgadora dos processos administrativos que tramitam no Sistema Confea/Crea, e de acordo com o previsto na Lei 5.194/66: Art São atribuições das Câmaras Especializadas: a) julgar os casos de infração da presente Lei, no âmbito de sua competência profissional específica; b) julgar as infrações do Código de Ética; c) aplicar as penalidades e multas previstas; d) apreciar e julgar os pedidos de registro de profissionais, das firmas, das entidades de direito público, das entidades de classe e das escolas ou faculdades na Região; e) elaborar as normas para a fiscalização das respectivas especializações profissionais; f) opinar sobre os assuntos de interesse comum de duas ou mais especializações profissionais, encaminhando-os ao Conselho Regional. A Resolução nº 473, de 26 de novembro de 2002, que institui a Tabela de Títulos Profissionais do Sistema Confea/Crea e dá outras providências contempla todos os níveis das profissões abrangidas pelo Sistema Confea/Crea e define 4 grandes Grupos de profissionais da área tecnológica: - Grupo Engenharia, nas modalidades: Civil, eletricista, mecânica e metalúrgica, química, geologia e minas e agrimensura, nos níveis de graduação, tecnológo e técnico de nível médio. - Grupo Arquitetura, nos níveis de graduação e técnico de nível médio. - Grupo Agronomia: nos níveis de graduação, tecnológo e técnico de nível médio. - Grupo Especiais: especializações, nos níveis de técnico de nível médio e pós-graduação. No CREA-RS, temos 8 (oito) Câmaras Especializadas: Agronomia, Arquitetura e as 3

4 Engenharias Civil, Elétrica, Industrial, Química, Geologia e Minas e Florestal, esta última pertencente ao Grupo e modalidade Agronomia. A modalidade Agrimensura está lotada na Câmara Especializada de Engenharia Civil. Cada Câmara é composta por Conselheiros representantes das Instituições de Ensino e Entidades de Classe, eleitos ou indicados pelas Instituições, na forma prevista nos artigos 37 a 44 da Lei 5.194/66, com mandato de 3 (três) anos, sendo que 1/3 desses se renovam a cada ano. No CREA-RS, no ano de 2011 foram estabelecidas 131 vagas para os Conselheiros. Câmara Especializada de Engenharia Civil A Câmara Especializada de Engenharia Civil (CEEC) é o órgão decisório da estrutura básica do Conselho que tem por finalidade apreciar e decidir os assuntos relacionados à fiscalização do exercício profissional nas modalidades civil e agrimensura, bem como sugerir medidas para o aperfeiçoamento das atividades do Conselho Regional. Constitui a primeira instância de julgamento no âmbito de sua jurisdição, ressalvado o caso de foro privilegiado. Também cuida da elaboração de normas para a fiscalização das modalidades profissionais citadas e da avaliação de assuntos pertinentes à legislação profissional. A esta Câmara compete o julgamento dos casos de infração às Leis 5.194/66, A/66, 6.496/77, e de infrações ao Código de Ética, no âmbito de sua competência profissional específica. Os profissionais que integram a CEEC são os constantes na Tabela de Títulos Profissionais da Resolução nº 473/02 do CONFEA, contemplados nas modalidades: CIVIL Engenheiros: civis, ambientais, sanitaristas, operacionais, hídricos, fortificações e outros Tecnólogos: em construção civil, em edificações, em estradas, em saneamento e outros Técnicos: em edificações, em estradas, em hidrologia, em meio ambiente e outros AGRIMENSURA Engenheiros: agrimensores, cartógrafos e outros Geógrafos Tecnólogos: em topografia, em geoprocessamento, em agrimensura Técnicos: em agrimensura, em topografia, em geomensura e outros Aprovado com vinte votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D COMUNICADOS Comunicados das Comissões REFERÊNCIA : Comissão de Orçamento e Tomada de Contas OBS : Considerando que a previsão orçamentária aconteceu em outubro de 2010 e tendo em vista o PL do CAU, em 31/12/2010, acontecerá uma adequação do orçamento. 4

5 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Hilário Pires e Cons. Silverius Kist Júnior - Titulares e Cons. André Araújo e Cons. Marcos Uchôa - Suplentes : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Renovação do Terço RELATOR : Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho - Titular e Cons. Júlio César Touguinha de Almeida - Suplente CONCLUSÃO : Não houve reunião REFERÊNCIA : Comissão de Ética Profissional OBS : O Cons. Marcos Wetzel da Rosa comunicou que foram escolhidos o Cons. Ari Pedro Slhessarenko Trevisan como Coordenador e o Cons. Luiz Nelmo de Menezes Vargas como Coordenador Ajunto. O Cons. Ari Pedro Slhessarenko Trevisan estava presente neste momento e se apresentou, pois é o representante do Plenário nesta Especializada. Informou que era um grande prazer estar na CEEC. RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa - Titular e Cons. Augusto Portanova Barros - Suplente CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Meio Ambiente OBS : O Cons. José Homero Finamor Pinto comunicou que foram escolhidos o Cons. Luiz Ernesto Elesbão Grillo como Coordenador e a Arquiteta Rosana Oppitz como Coordenadora Adjunto. RELATOR : Cons. José Homero Finamor Pinto - Titular e Cons. André Luis Queiroz Araujo - Suplente CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão Editorial RELATOR : Cons. Nelson Kalil Moussalle - Titular e Cons. Hilário Pires - Suplente CONCLUSÃO : Não houve reunião REFERÊNCIA : Comissão de Convênios OBS : O Cons. Alberto Stochero cumunicou que não está havendo o repasse para as Entidades de Classe e que será solicitado a viabilidade de reunião na quinta-feira e sexta-feira para dar andamento aos trabalhos com o objetivo subsidiar à Comissão de Tomada de Contas. RELATOR : Cons. Alberto Stochero - Titular e Cons. Elizabeth Trindade Moreira - Suplente CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Educação e Atribuição Profissional - CEAP OBS : O Cons. Volnei Pereira da Silva comunicou que foram escolhidos o Cons. Norberto Holz como Coordenador e o Cons. Pedro Roberto de Azambuja Madruga como Coordenador - Adjunto. Comentou que foi solicitado formalmente, pela quinta vez, ao Cons. Moisés Souza Soares a infraestrutura para análise de 163 processos, que a própria CEAP criou ao solicitar às instituições de ensino o seu recadastramento. A Cons. Lia Maria Herzer Quintana informou que a idéia incial do Núcleo era ajudar a CEAP, porém quando foi formado, veio totalmente diferente, com a idéia principal de aproximação às Instituições de Ensino, sem objetivo de ajudar a CEAP. Salientou que vários cursos irão solicitar seu cadastro, mas não obterão e provavelmente aconterá inúmeros processos na 5

6 RELATOR CONCLUSÃO justiça. O Coordenador consultou ao Cons. Volnei Pereira da Silva se será formalizado na reunião Plenária esta solicitação. O Cons. Volnei respondeu que não era essa a intenção, porém como não ficará na Plenária falará com o Cons. Norberto Holz, para ser formalizado na Sessão Plenária. : Cons. Volnei Pereira da Silva - Titular e Cons. Júlio César Touguinha de Almeida - Suplente : Ciente REFERÊNCIA : Representante na Coordenadoria das Inspetorias OBS : O Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho comunicou que foi apresentada a palestra do Assessor Donário Rodrigues Braga Neto sobre contenção de despesas, a mesma que aconteceu na Sessão Plenária no dia 18 de março de Informou que o Seminário das Inspetorias acontecerá de 27 a 29 de outubro de 2011 em Santa Rosa. Comentou que foi dado conhecimento da receita e despesa das Inspetorias e que realizará outra forma de demonstrativo que ajudará à Coordenadoria das Inspetorias. O Cons. Jefferson Luiz de Freitas Lopes questionou o porquê de algumas inspetorias não fecharem e enfatizou que é sempre informado que as Inspetorias dão lucro, porém salientou que as inspetorias deveriam ser abertas de acordo com o número de profissionais. RELATOR : Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho - Titular e Cons. Silverius Kist Júnior - Suplente CONCLUSÃO : Ciente Comunicados Gerais REFERÊNCIA : Reunião da Comissão Especial para estudos da necessidade e/ou conveniência para venda de bem imóvel do Crea-RS, que analisará a viabilidade de venda do prédio do Crea-RS. ASSUNTO : Análise da proposta da necessidade de venda do prédio do Crea-RS OBS : Informou que não existia proposta para ser analisada. RELATOR : Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Reunião de Coordenadores de Câmaras com a Diretoria. ASSUNTO : Anteprojeto da Lei que trata dos valores da anuidade e da ART. OBS : Comunicou que os valores ficarão, no máximo: anuidade de PF - R$ 350,00, ART - R$ 120,00, e anuidade de PJ - R$ 750,00. E que será encaminhado ao Congresso, provavelmente deverá ser aprovado no próximo ano. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Aniversário do Conselheiro Luiz Carlos Karnikowski de Oliveira OBS : Parabenizou o Cons. Luiz Carlos Karnikowski de Oliveira que estava de aniversário no dia 31 de março de CONCLUSÃO : Todos os conselheiros aplaudiram o Cons. Luiz Carlos Karnikowski de Oliveira REFERÊNCIA : Processo n Paulo Valdir Belaunzaran Rodrigues ASSUNTO : Foi informado sobre a visita na CEEC do Eng. Daniel Weindorfer - Ouvidor do Crea-RS juntamente com o profissional Paulo Valdir Belaunzaran Rodrigues, na 6

7 OBS RELATOR CONCLUSÃO quinta-feira, tendo em vista ter sido realizado diligência por esta Especializada, em relação ao cumprimento do parecer 19/87 do Conselho Federal de Educação e o fato de outro processo, nas mesmas condições ter sido deferido pela Câmara de Engenharia Industrial. : Informou que a Câmara de Engenharia Industrial possui mais dois processos sobre o mesmo assunto, e que serão realizados diligências ao MEC, Crea-RJ e Instituição de Ensino. O Cons. Ari Pedro Slhessarenko Trevisan, salientou que conforme for o retorno das diligências, a Câmara de Engenharia Industrial poderá voltar atrás em sua decisão no processo que foi deferido. Após está breve explanação, o Cons. Jefferson Luiz de Freitas Lopes consultou à Câmara o que deveria ser feito em relação ao processo do Eng. Paulo Valdir Belaunzaran Rodrigues, uma vez que ele voltou para decisão final. : Cons. Jefferson Luiz de Freitas Lopes : Foi decidido aguardar o retorno das diligências realizadas pela Câmara de Engenharia Industrial para decisão final no processo do Eng. Paulo Valdir Belaunzaran Rodrigues REFERÊNCIA : Reunião de Coordenadores de Câmara com a Diretoria. ASSUNTO : Será postergado a venda do prédio em face dele não estar averbado, informou ainda, que o Crea-RS não está fazendo o repasse à Mútua. CONCLUSÃO : Ciente APRESENTAÇÃO DA PAUTA DISCUSSÃO DOS ASSUNTOS PERTINENTES À CÂMARA ESPECIALIZADA REFERÊNCIA : Resposta das Câmaras de Arquitetura, Engenharia Florestal e Engenharia Elétrica sobre a Deliberação nº 003/2010 da CEEC. ASSUNTO : As três Câmaras se manifestam contrárias a deliberação: Arquitetura - Quanto a atividade de PAISAGISMO; Florestal - Quanto as atividades de DESMATAMENTO, PLANTIO DE GRAMAS OU ENLEIVAMENTO E DESTOCAMENTO; Elétrica - CABEAMENTO ESTRUTURADO, FIAÇÃO TELEFÔNICA, REDE LÓGICA E CERCA ELÉTRICA/ELETRÔNICA. RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Somos por: 1-Anular a Deliberação nº 003/2010 revalidando a deliberação anterior; 2-Se for do entendimento dessa Câmara, constituir uma comissão para estudar o assunto propondo, ou não, nova deliberação. A comissão será composta pelos Cons. Volnei Pereira da Silva (Coordenador da comissão), Cons. Luiz Inácio de Souza Sebenello, Cons. Lia Maria Herzer Quintana, Cons. Maria Izabel Brener da Rosa e Cons. José Ascânio Vilaverde Moura (suplente). Aprovado com vinte e três votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D236 A referida comissão irá informar quando este assunto deverá ser pautado novamente. 6.2 REFERÊNCIA : enviado pelo Eng. Civil Carlos Fernandes Celestino - Datado: 10/01/2011 ASSUNTO : Encaminha consulta sobre Engenharia de Avaliações OBS : IMPORTANTE 7

8 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Luiz Inácio de Souza Sebenello : Denúncia de colega que diz ter informações segundo as quais a Caixa Econômica Federal CEF, estaria por abrir edital para inscrições de avaliadores de bens imóveis, que permite o concurso de corretores de imóveis. Apesar da informação assumir aspecto de denúncia não vem acompanhada de configuração fática. Entretanto, com o objetivo de não deixar o colega sem resposta, diligenciou este relator e não conseguiu comprovar a alegação. Buscou informações no escritório do Engº Marcelo Saldanha, ex- Conselheiro desta Câmara, avaliador e perito judicial, credenciado e atuante junta à CEF e ainda Presidente do IBAPE-RS Instituto de Perícias e Avaliações do Estado, quando lhe foi mostrada cópia do Edital nacional lançado pela Caixa, onde consta que as avaliações e inspeções prediais devam ser feitas obrigatoriamente por profissionais registrados no CREA, impondo que seus trabalhos estejam acompanhados de ART no CREA quando das entregas. Assim, sugere este Conselheiro que o interessado tome conhecimento do Edital da CEF e que caso tenha alguma comprovação de fato diferenciado do que ora esteja sendo relatado, que venha a este CREA com os elementos adequados para a fundamentação de uma atuação fiscal, para o quê esta Câmara está aberta. É o parecer submetido aos demais membros desta CEEC. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Ofício do eng. civil Nei Benito Damo. ASSUNTO : Solicita o reexame da consulta endereçada ao Crea-RS, na data de 08 de dezembro de protocolo n Nei Benito Damo Baseado na resposta, um grupo de engenheiros civis deu início a um estudo e investigação sobre o fato, sendo que parte do resultado vai aqui relatado, com excluisiva responsabilidade do requerente. Assim, solicito a leitura pela Câmara de Engenharia Civil, da documentação a seguir apresentada, e que seja reexaminada a citada resposta em questão. OBS : Foi decidido protocolar processo. CONCLUSÃO : O Coordenador comunicou que foi montado processo e distribuído para conselheiro. Foi decidido retirar de pauta. 6.4 REFERÊNCIA : datado de 22/09/2010, do eng. civil Alexandre Otto Schwieder. ASSUNTO : Informes de concursos públicos que divulgam valores de remuneração para engenheiros incompatíveis com o piso fixado para a categoria. OBS : A Assessoria Técnica da CEEC informou que em contato com o Assessor Donário Rodrigues Braga Neto, obteve a informação de que o Crea não obteve resposta da Prefeitura Municipal de Gravataí. RELATOR : Cons. Luiz Inácio de Souza Sebenello. CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião. 6.5 REFERÊNCIA : Memorando nº 015/2011 da SADC - Datado: 09/03/2011 ASSUNTO : Indicação para a Medalha do Mérito e Inscrição no livro do Mérito do Sistema Confea/Crea - Edição OBS : ALTA PRIORIDADE. Os Conselheiros da comissão são representantes do SENGE, SERGS e Entidade de Classe do Interior. RELATOR : Comissão: Cons. José Homero Finamor Pinto, Cons. Hilário Pires e Cons. Alberto Stochero. 8

9 CONCLUSÃO : Foi decidido indicar para medalha de mérito os Eng. Civis Volnei Pereira da Silva e Eng. Civil Nestou Garcia Quites e para a Inscrição do livro do Mérito do Sistema Confea/Crea os Eng. Civil, Mec. Eletr. Antonio Carlos Pereira da Silva e Eng. Civl Ibá Ilha Moreira Filho. Aprovado com vinte e nove votos favoráveis, nenhum contrário e nehuma abstenção. D REFERÊNCIA : Comunicação do Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho sobre o episódio em São Lourenço ASSUNTO : Proposição: Solicitar uma ação fiscalizatória nas barragens no arroio São Lourenço com objetivo de identificar os responsáveis técnicos e que o Crea-RS também realize Proposta de Projeto de Lei com objetivo da exigir laudo técnico realizado por profissional habilitado que demonstrem a solidez das barragens. RELATOR : Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho CONCLUSÃO : A Câmara Especializada de Engenharia Civil, na Reunião Ordinária n 1012, de 01/04/2011, aprovou o seguinte parecer que encaminhamos para conhecimento e providências: Considerando a enchente com conseqüente tragédia havida na cidade de São Lourenço do Sul a partir do dia 10/03/2011; Considerando os danos havidos na cidade inteira bem como aos seus moradores; Considerando as mortes havidas; Considerando, voz corrente entre os flagelados, de que houve rompimento de duas barragens/represas a montante do rio São Lourenço e da cidade de São Lourenço do Sul, o que ocasionou o volume d água constatado, amplamente divulgado na mídia; Considerando a realidade existente na zona rural do nosso Estado onde, facilmente, com qualquer trator se fazem contenções em encosta e coxilhas, para acúmulo de água; Considerando que estes trabalhos em solo são obras de engenharia e muitas vezes, não possuem um responsável técnico, bem como não são observados requisitos técnicos para tal, tais como, estabilidade dos taludes, controle de infiltrações e vazões, vertedouros, tamanho e proporções das bacias de acumulação, histórico pluviométrico da bacia, etc...; Considerando que não há órgão encarregado da fiscalização destas obras de arte, Requeiro: - Que o Crea-RS, inicialmente, promova ação fiscalizatória nas barragens, represas e açudes a montante da cidade de São Lourenço do Sul, na bacia do rio São Lourenço, buscando identificar os RTs das respectivas obras; - Que o Crea-RS direcione sua fiscalização também para todo o interior do Estado neste tipo de obra de engenharia; - Que o Crea-RS, nos moldes como atuou em Capão da Canoa quando do desabamento de edifício, elabore um PL sugestivo aos municípios contemplando a necessidade de que qualquer obra de terra executada na zona rural do seu município, obrigatoriamente tenha seu responsável técnico, bem como, apresente a cada 3 anos, laudo de estabilidade e manutenção da referida obra de terra. Aprovado com vinte e nove votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D235 9

10 RELATO DE PROCESSOS Processos de Denúncia e Ética Profissional PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : L.C.K. RELATOR : Cons. Carlos Giovani Fontana CONCLUSÃO : Decidiu que considerando o relatório final da CPI 01/2009 promovida pela Câmara Municipal de Vereadores de São Francisco de Paula e o relatório da Assessoria jurídica da Comissão de Ética Profissional do CREA/RS, bem como os demais documentos acostados aos processo supra citado, peço aos conselheiros que votem com este relator pelo encaminhamento do processo à Comissão de Ética Profissional, por entender haver indícios de irregularidades e falta ética. É o parecer. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, um contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : G.E. RELATOR : Cons. Silverius Kist Junior CONCLUSÃO : Considerando o fato sob apreciação, sobretudo, com base na documentação e depoimentos, onde não se vislumbra indícios de imprudência, imperícia ou negligência, má-fé ou dolo por parte do profissional, imprescindíveis à caracterização de falta ética passível de penalização. Considerando o Relatório final da Comissão de Ética Profissional, que entendeu não existirem provas evidentes de comportamento antiético por parte do Denunciado. Considerando os documentos acostados, em especial a carta de habite-se do prédio, a certidão negativa do INSS, comprovando a conclusão da obra e sua respectiva regularização, bem como a declaração expressa do denunciado de que compromete a realizar a recuperação da edificação. Somos pelo ARQUIVAMENTO do presente processo. Remeta-se cópia do presente parecer às partes para conhecimento, informando-lhes do prazo para recurso, de acordo com o artigo 35 da Resolução 1.004/2003 do CONFEA. É o parecer. Aprovado com vinte e oito votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : P.F.B.C. RELATOR : Cons. Edival Silveira Balen CONCLUSÃO : Foi realizado diligência PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : M.A.C. RELATOR : Cons. Hilário Pires CONCLUSÃO : Procedida a analise preliminar, nos termos do Artigo 8º da Resolução nº 10

11 1004/03 do Confea, denota-se a ausencia de pressupostos processuais do art 7º, Inciso 2º da mema resolução. Isto posto, não recebo a presente denuncia, porque em desconformidade com o dispositivo da resolução nº1004/03, do Confea.Oficie-se ao denunciante.não havendo aditamento a inicial.arquive-se, É o voto. Aprovado com vinte e oito votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.S.T. RELATOR : Cons. Jorge Alberto Albrecht Filho CONCLUSÃO : Antes desta Câmara realizar o julgamento, necessário dar ciência às partes do teor do citado relatório, abrindo-se prazo de 10(dez) dias para manifestação, de acordo com a Resolução n do Confea. Após encerrado o prazo, com ou sem manifestação das partes, volte para análise e julgamento Processos de Auto de Infração PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os 11

12 fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa 12

13 imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TECNOSOND PERFURAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Lia Maria Herzer Quintana CONCLUSÃO : Da analise da defesa apresentada esta não possui elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, "caput", da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, prevista no art. 73, alínea "c", da Lei nº 5.194, de Deverá providenciar na sua regularização junto a este Conselho, através do registro. Votação em bloco. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : DUMER E MARTINS LTDA RELATOR : Cons. Luiz Fernando Castro do Amaral CONCLUSÃO : Após análise da defesa apresentada, na qual se constata que a OBRA / SERVIÇO OBJETO DA AUTUAÇÃO, estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Assim sendo, sou pela improcedência da autuação, com a extinção da multa imposta e o arquivamento do processo. Votação em bloco. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ESTAÇÃO XYZ SERVIÇOS TOPOGRÁFICOS RELATOR : Cons. Carlos Giovani Fontana CONCLUSÃO : O(A) autuado(a), regularmente notificado(a), não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos por este(a) praticados, segundo os termos da autuação lavrada. 13

14 Assim sendo, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta, cujo processo deverá ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. Votação em bloco. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : METALIC WORLD EVENTOS LTDA-ME RELATOR : Cons. Luiz Fernando Castro do Amaral CONCLUSÃO : Após análise da defesa apresentada, se constata que a OBRA / SERVIÇO OBJETO DA AUTUAÇÃO, estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Assim sendo, sou pela improcedência da autuação, com a extinção da multa imposta e o arquivamento do processo. Votação em bloco. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum contrário e nenhuma abstenção. D Processos de registro profissional e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LEONARDO LOPES FAGUNDES RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Face ao exposto, considerando os itens V, VI e VII da Decisão PL 2087/2004 do Plenário do Confea, concordamos com o parecer da Câmara de Agronomia, pela concessão das atribuições para executar as atividades de georreferenciamento de imóveis rurais, ao referido profissional, devendo ser anotadas no seu registro junto ao Crea/RS PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PAULO SOARES BLESSMANN CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da anotação dos cursos de Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Ambiental Empresarial, Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão Empresarial, Curso de Especialização em Engenharia Civil na área de Engenharia de Estruturas e Curso de Especialização em Gestão da Qualidade para o Meio Ambiente. E pelo indeferimento da anotação dos cursos de Extensão Auditoria em Sistemas Integrados de Gestão (qualidade, meio ambiente,saúde e segurança do trabalho), Curso de Introdução ao Planejamento de Transportes Urbanos, devido não atenderem a Resolução n. 1007/ PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RITA TEREZINHA PORCIUNCULA LEAL CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da anotação do curso de Pós-Graduação a nível de Especialização em Sistemas de Informação e Software PROTOCOLO Nº:

15 INTERESSADO : RITA TEREZINHA PORCIUNCULA LEAL CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da anotação do curso de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização em Gestão Pública Municipal PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : FLÁVIO DE ANDRADE CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da anotação do curso de Pós- Graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho, pois o histórico escolar atende o parecer n. 19/87 do Conselho Federal de Educação com atribuições segundo o artigo 4 da Resolução n. 359/ Processos de Registro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ATHOS ENGENHARIA LTDA. RELATOR : Cons. Hilário Pires CONCLUSÃO : Deferir a baixa de registro da Pessoa Jurídica ATHOS ENGENHARIA LTDA. e dos profissionais eng. civil Márcio Luis Martins e eng. civil Marcio dos Santos Herrera. Cumprir a Instrução da Presidência n. 109/ Processos para Homologar PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA BRASÍLIA GUAÍBA LTDA. RELATOR : Analista de Processos Viviane Mattje Dalpiaz CONCLUSÃO : Deferir a anotação do eng. civil Diego Skolaude Treichel como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA BRASÍLIA GUAÍBA LTDA. RELATOR : Cons. Marcos Fernando Uchôa Leal CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL ROBERTO FERREIRA DE SOUZA, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : FERNANDO PERIN & CIA LTDA - ME RELATOR : Analista de Processos Viviane Mattje Dalpiaz CONCLUSÃO : Deferir o registro da Pessoa Jurídica Fernando Perin & Cia Ltda - ME sob a responsabilidade técnica do Eng. Civil Fernando Perin, em caráter excepcional, passando a estar registrada na área de engenharia civil para: prestação de 15

16 serviços na construção civil. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão. O presente processo deverá ser submetido ao Plenário conforme estabelece o parágrafo único do artigo 18 da Resolução n. 336/89: Art Um profissional pode ser responsável técnico por uma única pessoa jurídica, além da sua firma individual, quando estas forem enquadradas por seu objetivo social no artigo 59 da Lei nº 5.194/66 e caracterizadas nas classes A, B e C do artigo 1º desta Resolução. Parágrafo único - Em casos excepcionais, desde que haja compatibilização de tempo e área de atuação, poderá ser permitido ao profissional, a critério do Plenário do Conselho Regional, ser o responsável técnico por até 03 (três) pessoas jurídicas, além da sua firma individual PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ENGESA ENGENHARIA E SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA. RELATOR : Analista de Processos Cristiane de Oliveira CONCLUSÃO : Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica ENGESA ENGENHARIA E SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA, passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS (DOMICILIARES, COMERCIAIS, INDUSTRIAIS (não perigosos inertes), RECICLÁVEIS (separação e triagem), INERTES, ENVOLVENDO COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO FINAL); OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO, ADMINISTRAÇÃO, VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO DE ATERROS SANITÁRIOS (DOMICILIAR - operação e execução de obras civis), RECICLAGEM (separação e triagem) DE RESÍDUOS, ESTAÇÕES DE TRANSBORDO E TRANSVASE DE RESÍDUOS (sólidos urbanos e industriais não perigosos inertes); PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VARRIÇÃO MANUAL E MECANIZADA, CAPINA, CONSERVAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS, GALERIAS FLUVIAIS, PINTURA DE MEIO-FIOS E LIMPEZA EM GERAL; PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM, ABERTURA, CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO DE ESTRADAS; LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, VEÍCULOS COMPACTADORES DE LIXO, CONTÊINERES ESTACIONÁRIOS, LOCAÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS PARA TERRAPLENAGEM, LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS RODOVIÁRIOS; PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS NA ÁREA AMBIENTAL, NOTADAMENTE ELABORAÇÃO DE PROJETOS, EMISSÃO DE PARECERES, DIAGNÓSTICOS, LAUDOS TÉCNICOS, PERÍCIAS, INTERMEDIAÇÃO JUNTO AOS ÓRGÃOS AMBIENTAIS NO QUE TANGE À APROVAÇÃO DE PROJETOS, EXPEDIÇÃO DE LICENÇAS E TODA ASSESSORIA À CONTRATANTE (RELATIVO A ÀREA DA ENGENHARIA CIVIL); ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICO-OPERACIONAL E ECONÔMICA DE FUTUROS SERVIÇOS; ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL E DO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA-RIMA) (RELATIVO À ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL); OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL EM GERAL, SERVIÇOS EM CONCRETO ARMADO; CONSTRUÇÕES DE PONTES E ELEVADAS. OBS.: Informar à empresa que as atividades relativas ao projeto de aterros sanitários somente poderão ser realizadas com a participação dos Engenheiros Civis ou de Fortificações em conjunto com os Engenheiros Sanitaristas ou Engenheiros Químicos. Após, encaminhar às Câmaras Especializadas de Engenharia Química e Agronomia para a análise do objeto social de fl

17 Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão. O deferimento neste parecer é válido provisoriamente pelo prazo de 90 dias. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : BIOTIC SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA - ME RELATOR : Analista de Processos Cristiane de Oliveira CONCLUSÃO : Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica BIOTIC SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA. - ME, passando a estar registrada na área da ENGENHARIA AMBIENTAL para: SERVIÇOS DE ASSESSORIA, PERÍCIAS, AVALIAÇÕES E LICENCIAMENTOS AMBIENTAIS, SERVIÇOS DE TOPOGRAFIA, SERVIÇOS DE DESENHOS TÉCNICOS, E EXECUÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS TÉCNICOS AMBIENTAIS. Encaminhar à Câmara de Geologia e Engenharia de Minas para conhecimento da alteração do objeto social. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão. O deferimento neste parecer é válido provisoriamente pelo prazo de 90 dias PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA EDISUL LTDA RELATOR : Cons. Nelson Kalil Moussalle CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento do restabelecimento do registro da empresa Construtora Edisul Ltda., tendo como responsável técnico o Eng. Civil Rodrigo Porto Castro, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: Incorporação, projetos, cálculos, administração e construção civil em geral. Cumprir o parágrafo único do artigo 64 da Lei 5194/66 (pagamento de débitos) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PERBOC ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA. CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL DAVID POSTAL, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PRÉ VALE PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO LTDA. CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL PAULO ARTUR BECKERT, pela Pessoa Jurídica requerente. 17

18 Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TMSA - TECNOLOGIA EM MOVIMENTAÇÃO S.A. RELATOR : Cons. Silverius Kist Junior CONCLUSÃO : Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica TMSA - TECNOLOGIA EM MOVIMENTAÇÃO S.A., passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO, EXECUÇÃO DE PROJETOS CONCEITUAIS E EXECUTIVOS(detalhados), MONTAGEM E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SISTEMAS ESTRUTURAIS(metálicas), FABRICAÇÃO, MONTAGEM E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SISTEMAS ESTRUTURAIS(de concreto) E OBRAS CIVIS, FORNECIMENTOS ISOLADOS OU EM REGIME DE EMPREITADA GLOBAL - EPC (ENGENHARIA, SUPRIMENTO E CONSTRUÇÃO). Encaminhar às Câmaras Especializadas de Agronomia, Engenharia Química e Geologia e Minas, para análise do objeto social de fl Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : INTEGRADA - ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONCLUSÃO : Deferir o registro da Pessoa Jurídica INTEGRADA - ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL JOSÉ VALDENIR BARCELOS TEIXEIRA, em caráter excepcional, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA CIVIL PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL EM GERAL, TAIS COMO A CONSTRUÇÃO, INCORPORAÇÃO E A REFORMA DE IMÓVEIS EM GERAL, INCLUSIVE PAVILHÕES PRÉ-MOLDADOS, GINÁSIOS E QUADRAS POLIESPORTIVAS; A EXECUÇÃO DE OBRAS DE ATERRAMENTO, DE PAVIMENTAÇÃO E DE CONSTRUÇÃO DE RUAS E ESTRADAS; A EXECUÇÃO DE CANALIZAÇÃO PLUVIAL E CLOACAL; A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E INDUSTRIAIS(não perigosos inertes); A CONSTRUÇÃO(execução de obras civis) DE ATERROS SANITÁRIOS. O presente processo deverá ser submetido ao Plenário conforme estabelece o parágrafo único do artigo 18 da Resolução n. 336/89: Art Um profissional pode ser responsável técnico por uma única pessoa jurídica, além da sua firma individual, quando estas forem enquadradas por seu objetivo social no artigo 59 da Lei nº 5.194/66 e caracterizadas nas classes A, B e C do artigo 1º desta Resolução. Parágrafo único - Em casos excepcionais, desde que haja compatibilização de tempo e área de atuação, poderá ser permitido ao profissional, a critério do Plenário do Conselho Regional, ser o responsável técnico por até 03 (três) pessoas jurídicas, além da sua firma individual. 18

19 Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão. Encaminhar à Câmara Especializada de Engenharia Química, para análise do objeto social de fl. 04. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART: Solicitamos a retificação da ART Nº , fl. 13, no campo: Quantidade: (alterar para: 5,00 H/D) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TRINDADE & CERVO REPRESENTAÇÕES LTDA. CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica TRINDADE & CERVO REPRESENTAÇÕES LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL LEÔNIDAS CARVALHO CARDOSO, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO, INCORPORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL, SANEAMENTO E PAVIMENTAÇÃO. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART: Solicitamos a retificação da ART Nº , fl. 10, no campo: Quantidade: (alterar para: 11,30 H/SEM) e no campo Honorários: (alterar para: 1.635,00), conforme vínculo de fl PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : DAMMANN TRANSPORTES LTDA ME CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica DAMMANN TRANSPORTES LTDA.ME, sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL MARCO ORLEI DAHMER, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: OBRAS DE URBANIZAÇÃO(limitado ao parcelamento do solo urbano, restrito aos itens 1.1, 1.2, 1.3, 1.5, 2, 4.1, 6, 7, 8, 9.1, 9.2, 10, 11 da Decisão Normativa 047/92 do CONFEA), ATIVIDADES DE LIMPEZA, COLETA DE RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS(sólidos urbanos e industriais não perigosos inertes), SERVIÇOS DE PINTURA DE EDIFÍCIOS. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART: Solicitamos a retificação da ART Nº , fl. 17, no campo: Quantidade: (incluir para: 5,00 H/D) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CIL - CONSTRUTORA ICEC LTDA CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL JOSÉ EDUARDO AUGUSTO, pela Pessoa Jurídica requerente. 19

20 Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão. E informar que caso à Pessoa Jurídica pretende encerrar suas atividades no Estado do RS, considerando a Alteração Contratual apresentada em que encerra sua Filial registrada neste Conselho, deverá formalizar o pedido de Baixa de Registro de Pessoa Jurídica conforme os Padrões Operacionais do CREA-RS PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA VOGUE LTDA EPP RELATOR : Analista de Processos Cristiane de Oliveira CONCLUSÃO : Deferir a anotação do eng. civil GUIOMAR LUIS MOLOSSI como Responsável Técnico pela pessoa jurídica CONSTRUTORA VOGUE LTDA EPP. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão. O deferimento neste parecer é válido provisoriamente pelo prazo de 90 dias PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PD SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA. CONCLUSÃO : Deferir a baixa de registro da Pessoa Jurídica PD SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA., e do profissional ENG. CIVIL PAULO CEZAR PAOLI NAPOLI. Cumprir a Instrução da Presidência n. 109/2009. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : BONAN CONSTRUÇÕES E TERRAPLANAGEM LTDA CONCLUSÃO : Deferir o registro da Pessoa Jurídica BONAN CONSTRUÇÕES E TERRAPLANAGENS LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL EDISON ALEX COSTA, em caráter excepcional, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO DE PRÉDIOS E TERRAPLANAGENS. O presente processo deverá ser submetido ao Plenário conforme estabelece o parágrafo único do artigo 18 da Resolução n. 336/89: Art Um profissional pode ser responsável técnico por uma única pessoa jurídica, além da sua firma individual, quando estas forem enquadradas por seu objetivo social no artigo 59 da Lei nº 5.194/66 e caracterizadas nas classes A, B e C do artigo 1º desta Resolução. Parágrafo único - Em casos excepcionais, desde que haja compatibilização de tempo e área de atuação, poderá ser permitido ao profissional, a critério do Plenário do Conselho Regional, ser o responsável técnico por até 03 (três) pessoas jurídicas, além da sua firma individual. 20

21 Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA PASSARELLI LTDA. CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL SÉRGIO MARINANGELO, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão. Depto de Registro: O presente processo deverá ser encaminhado ao DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART, para baixa das Art's conforme solicitação de fl. 94. Deverá retornar também para homologação o parecer desta Especializada de fl PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA PASSARELLI LTDA. RELATOR : Cons. Elizabeth Trindade Moreira CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL CARLOS EDUARDO PASSARELLI SCOTT como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MAGNA ENGENHARIA LTDA RELATOR : Analista de Processos Cristiane de Oliveira CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica da ENG. CIVIL LUCIANA SAWARIS, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão. O deferimento neste parecer é válido provisoriamente pelo prazo de 90 dias. Departamento de Registro: Informar à eng. civil Luciana Sawaris que esta possui ART's em situação de exigência pela Resolução nº 394/95 e que o prazo para solicitar a regularização das mesmas é de 31/12/2011, conforme Decisão Plenária do Confea PL-1980/ PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MAGNA ENGENHARIA LTDA CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL FELIPE SOUZA CAMARGO, pela Pessoa Jurídica requerente. 21

Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 17 de Dezembro de 2010 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Volnei Pereira Da Silva Coordenador-Adjunto

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 23 de Setembro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 21 de Outubro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1014, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1014, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1014, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Maio de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro Conselheiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 19 de maio de 2015 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. Indl. Mec. e Seg. Trab. Elio Lopes

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 2 UGI PRESIDENTE PRUDENTE Nº de Ordem 1 Processo/Interessado PR-661/2012 Relator JOÃO BATISTA PEREIRA ANTONIO MOACIR

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITUTALIRIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 3.1. ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 643, DE

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 4. LEITURA DE EXTRATO DE CORRESPONDÊNCIAS RECEBIDAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

Súmula da Reunião Ampliada n 1006, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ampliada n 1006, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ampliada n 1006, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 25 de Novembro de 2010 a 27 de Novembro de 2010 Local: FARROUPILHA - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

SISTEMAS PROFISSIONAIS

SISTEMAS PROFISSIONAIS SISTEMAS PROFISSIONAIS Prof. Dr. Eng. Mec. Amarildo Tabone Paschoalini Docente Departamento de Engenharia Mecânica UNESP Ilha Solteira Coordenador da Câmara Especializada de Eng. Mecânica e Metalúrgica

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ASSESSORIA DA FISCALIZAÇÃO IT. 42 01 1 / 5 1. OBJETIVO Assessorar o Departamento de nas ações fiscalizatórias de verificação do exercício das profissões pertencentes ao sistema Confea/Crea, junto às empresas,

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 22 de Outubro de 2010 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 17 de dezembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS Data: 26 de novembro de 2012 Local: Auditório Rebouças - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Geólogo Fábio Augusto Gomes

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o registro de profissionais, aprova os modelos e os critérios para expedição de Carteira de Identidade Profissional e dá outras providências.

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho APOIO AO DIREITO DO CONSUMIDOR IT. 12 08 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos visando à solução de litígios motivados por problemas técnicos, no que se refere à participação de Profissionais/Empresas

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 1 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 (Apensados os Projetos de Lei nº 2.194, de 1996, nº 981, de 1999, nº 6.639, de 2002, nº 6.640,

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL CREA-RS Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL INSPEÇÃO TÉCNICA DE SEGURANÇA VEICULAR O QUE FISCALIZAR ONDE FISCALIZAR PARÂMETRO LEGISLAÇÃO Inspeção Empresas

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos para a divulgação e fiscalização do cumprimento da legislação

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011.

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Estabelece critérios e normas para credenciamento de professores para prestação de serviço voluntário nos cursos da UNIR. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 28 de Março de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei;

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei; DECRETO N.º 9185 EMENTA: Institui o DCU SIMPLES, um conjunto de Programas de Ação do Departamento de Controle Urbanístico da Secretaria Municipal de Planejamento, para aprovação de projetos e licenciamento

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul EDITAL Nº 031/2015 PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL CAMPUS BENTO GONÇALVES DO IFRS O Diretor-Geral da Unidade Organizacional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REGIMENTO INTERNO A Comissão Institucional de Gestão Ambiental CIGA, do Ministério Público

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - FCAP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DO RECONHECIMENTO DO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas rolantes instalados em edifícios

Leia mais

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 26 de novembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade.

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 323/94 - Segunda Câmara - Ata 44/94 Processo nº TC 625.141/94-6 Responsável: Dra. Marga Inge Barth Tessler, Juiza Federal Diretora do Foro. Órgão: Justiça

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Processos éticodisciplinares

Processos éticodisciplinares CREA-SP Processos éticodisciplinares ÉTICA ethos (grego) modo de ser, caráter, comportamento Ramo da filosofia que busca estudar e indicar o melhor modo de viver no cotidiano e na sociedade Código de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

Dispõe sobre adoção de critérios para redução da anuidade do exercício de 2010 aos profissionais de contabilidade e dá outras providências

Dispõe sobre adoção de critérios para redução da anuidade do exercício de 2010 aos profissionais de contabilidade e dá outras providências O Plenário do Conselho Regional de Contabilidade em Pernambuco - CRC-PE, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e Considerando o que dispõe a Resolução CFC nº 1.250/09, de 27 de novembro de 2009;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE ORDEM SF I. I - A.N.I. - MANUTENÇÃO UGI NORTE 1 SF-659/2012 SANDRA REGINA TEIXEIRA SANTIAGO CARLOS ALBERTO GUIMARÃES GARCEZ Processo: SF- 659/2012 Interessado: SANDRA REGINA TEIXEIRA

Leia mais

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015)

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015) DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015) Institui o Colegiado Permanente de Entidades de Arquitetos e Urbanistas de Santa Catarina

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 1 SF-981/2012 RUI APARECIDO NOVAES SOUZA RELATOR: ANTONIO MOACIR RODRIGUES NOGUEIRA/RELATO DE VISTA: JOÃO LUIZ BRAGUINI

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria DECRETO Nº 5.327, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2000. Dispõe sobre o Conselho Estadual de Recursos Hídricos- CERH e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 55, 2º, I, da Lei Orgânica do Município,

O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 55, 2º, I, da Lei Orgânica do Município, LEI ORDINÁRIA Nº 564/2014, DE 13 DE MARÇO DE 2014 Amplia o quadro de pessoal efetivo da Prefeitura, define atribuições e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/9 1 - DOS OBJETIVOS 1.1 Regulamentar os procedimentos para a concessão de incentivos à empresas industriais, comerciais e de serviços no Município com base na Legislação Municipal e no artigo 174 da

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015

MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015 MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015 1. CARACTERIZAÇÃO GERAL 1.1 O Núcleo de Geotecnia da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) coordena o Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DS Documento de Suporte

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DS Documento de Suporte DIAGRAMA DE PROCESSOS DS. 10 01 1 / 27 Solicitação das unidades para elaboração, revisão ou cancelamento de documentos ou registros; Mudança no modo de realização dos processos; Tratamento de nãoconformidades;

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

EDITAL Nº. 001/2014 - CONCURSO PÚBLICO ANEXO IV DOS CARGOS, QUALIFICAÇÃO E REQUISITOS

EDITAL Nº. 001/2014 - CONCURSO PÚBLICO ANEXO IV DOS CARGOS, QUALIFICAÇÃO E REQUISITOS EDITAL Nº. 001/2014 - CONCURSO PÚBLICO ANEXO IV DOS CARGOS, QUALIFICAÇÃO E REQUISITOS ENSINO 2º GRAU: ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Requisito: Ensino médio completo (2º grau) Descrição Sumária de Atividades:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA

COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA Comissão de Articulação Institucional do Sistema CAIS Comissão de Controle e Sustentabilidade do Sistema CCSS Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP Comissão

Leia mais

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS, DELEGADOS, MÉDICOS FISCAIS E SERVIDORES Salvador/2012 REGISTRO Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares nos conselhos

Leia mais

Autorização Especial de Trânsito AET

Autorização Especial de Trânsito AET Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano Autorização Especial de Trânsito AET Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 205/2009: que acrescenta, altera e regulamenta a Seção XI, do Capítulo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PROCESSO Nº: UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEIS: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATÓRIO REINSTRUÇÃO: DE ELC-14/00549369

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS ESTADO" DO CEARÁ RESOLUÇÃO N. 4VIS /2007 1a CÂMARA DE JULGAMENTO 76 a SESSÃO DE: 18.04.2007 PROCESSO N. 1/002917/2002 AUTO DE JNFRAÇÃO N 1/200210491 RECORRENTE: DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS FREIRE RECORRIDO:

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA N.º 531/2015 (quingentésima trigésima primeira) DIVISÃO DE APOIO AO COLEGIADO - DAC ASSUNTO: Pauta da Sessão Ordinária n.º 531/2015, do Plenário do Crea-DF. 11/FEV/2015 HORÁRIO:

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

» o seu histórico escolar possui conteúdo curricular em conformidade com a "Portaria Reconhecida nº 550" do MEC;

» o seu histórico escolar possui conteúdo curricular em conformidade com a Portaria Reconhecida nº 550 do MEC; 11. n.; 2-3 Arq. Um. ~mizu Assistente TOOiicô GEAT!SUPTEC Reg. 3998 CREA-s? 5061452fi73 POIfaria SUPTEC NO I SERViÇO PÚBLICO FEDERAL Processo no: PR 972/08 Interessado: EDNAlDO VICENTE GONZAGA Histórico:

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

O Sistema Confea/ Crea

O Sistema Confea/ Crea O Sistema Confea/Crea é regido pela Lei nº 5.194, de 24/dez/1966. O Sistema Confea/ Crea O Conselho Federal e os Conselhos Regionais são autarquias* dotadas de personalidade jurídica de direito público,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2014, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 052/2014, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais