EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre"

Transcrição

1 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR Segundo Bimestre

2 Exercício 1: Considere a seguinte configuração de árvore de nomes DNS. ZONA.br dns ( ) SOA br dns2 ( ) ZONA pucpr.br ZONA ufpr.br pucpr ufpr ppgia SOA www eureka ( ) dns ( ) ( ) www ( ) dns2 ( ) SOA dns ( )

3 Zona br. Exercício 1: RESOLUÇÃO tipo de registro br. SOA dns br. NS dns br. NS dns2 dns A dns2 A pucpr NS dns.pucpr dns.pucpr A ufpr NS dns.ufpr ufpr NS dns2.ufpr dns.ufpr A dns2.ufpr A SOA: indica o servidor primário, responsável por armazenar a cópiar original (que pode ser alterada) do arquivo de zona. NS: indica um servidor que responde por um certo domínio. Pode haver mais de um. Os servidores adicionais recebem cópias do servidor primário (SOA). A: permite um nome a um endereço IP CNAME: permite dar um apelido (um nome adicional), a um computador. Glue Record: Nos registros do tipo NS, um servidor é sempre representado pelo seu nome. O endereço IP do servidor é fornecido posteriormente através de um registro do tipo A (glue record). Nomes relativos: são nomes que não terminam com ponto. Neste caso, o nome deve ser lido concatenando-se o nome da zona ao seu final. Por exemplo: dns sem ponto no final é lido como dns.br. Nomes absolutos: são nomes que terminam com.. Eles não recebem o nome da zona no final. Por exemplo, representa o nome da zona. Pode ser usado para simplificar a escrita do arquivo de zona nos registros do tipo SOA e NS.

4 Zona pucpr.br. Zona ufpr.br. Exercício 1: RESOLUÇÃO tipo de registro pucpr.br. SOA dns pucpr.br. NS dns dns A www A eureka CNAME www A tipo de registro ufpr.br. SOA NS NS dns2 dns A dns2 A www A

5 Exercício 2: Considerando os diferentes tipos de registros do serviço de nomes DNS, relacione as colunas. ( ) Identifica um servidor DNS que responde por um domínio de nomes. Pode haver mais de um. ( ) Indentifica o servidor DNS que é a autoridade para um domínio de nomes. ( ) Permite relacionar um nome de host a um endereço IP ( ) Permite identificar o servidor de default de um domínio de nomes. Pode haver mais de um. ( ) Utilizado para dar nomes múltiplos para um mesmo host. ( ) Permite relacionar um endereço de host a um nome, em zonas de consulta reversa. 1. Registro SOA 2. Registro A 3. Registro MX 4. Registro NS 5. Registro CNAME 6. Registro PTR 7. Nenhuma das anteriores.

6 Exercício 3. Ainda em relação ao cenário do exercício 1, indique as afirmações verdadeiras. I. Se os servidores do domínio ufpr.br forem configurados para responder a consultas recursivas, eles irão retornar um registro do tipo A para uma consulta relativa ao nome II. Se os servidores do domínio ufpr.br não forem configurados para receber consultas recursivas, eles vão retornar um registro do tipo NS para uma consulta relativa ao nome III. Se os servidores do domínio pucpr.br não forem configurados para receber consultas recursivas, eles vão retornar um registro do tipo NS para uma consulta relativa ao nome IV. Se um usuário do servidor dns.pucpr.br solicitar o endereço IP do servidor e receber uma resposta dita autoritária, então, certamente, essa resposta veio da cache do próprio servidor dns.pucpr.br. V. Qualquer consulta feita ao servidor dns.pucpr.br sobre servidores no dominio ufpr.br irá retornar sempre respostas não autoritárias, pois o servidor da PUCPR não é o SOA do domínio ufpr.br.

7 Cenário (Exercício 4 e 5): Considere o seguinte cenário de uma configuração utilizando DHCP Servidor DNS /25 Servidor HTTP / / / / / /25 DNS /25 Servidor DHCP / / /30 INTERNET

8 Exercício 4: Defina as opções e demais parâmetros que devem constar na configuração do servidor DHCP, supondo que ele deve configurar os clientes nas duas subredes. 1. Subnet netmask Subnet netmask Ambas 4. Nenhuma ( ) range ( ) range ( ) range ( ) option routers ( ) option routers ( ) option routers ( ) default-lease-time 1D ( ) option domain-name-servers ( ) option domain-name-servers

9 Exercício 5: Indique as afirmativas verdadeiras em relação ao cenário do exercício de DHCP. I. Este cenário de rede não irá funcionar, pois os clientes conectados ao roteador 1 não conseguem enviar mensagens de DHCPDISCOVER ao servidor DHCP, pois os roteadores 1 e 2 não irão propagar as mensagens em broadcast. II. Para que os clientes possam receber endereços do servidor DHCP, é necessário incluir o agente relay também no roteador 2, para que ele propague as mensagens DHCPDISCOVER em broadcast. III. O servidor DHCP fornece as seguintes informações aos clientes conectados ao roteador 1: endereço IP da rede /25, gateway default , servidor DNS primário e servidor DNS secundário O endereço do servidor HTTP não é configurado pelo servidor DHCP. IV. As mensagens trocadas entre os clientes e o servidor DHCP são definidas pelo protocolo BOOTP (Bootstrap Protocol), que corresponde a um protocolo de aplicação transportado pelo protocolo UDP. V. Para manter seu endereço, o cliente precisa enviar mensagens do tipo DHCPDISCOVER periodicamente para o servidor DHCP.

10 Cenário para os Exercícios 6 e 7 No cenário abaixo, o cliente A efetua uma comunicação HTTP (requisição e resposta) como o servidor Z. O roteador 1 está configurado como NAPT. 80 A / C D E V / /24 INTERNET X 2 Y /24 Z /24

11 Exercício 6: Defina o Formato dos Quadros Mac Destino Mac Origem ip origem ip destino porta origem porta destino Pacote enviado por A Pacote enviado pelo roteador 1 Pacote recebido pelo roteador 2 Pacote recebido pelo servidor HTTP Pacote enviado pelo servidor HTTP Pacote enviado pelo roteador 2 Pacote recebido pelo roteador 1 Pacote recebido por A

12 Exercício 7: Indique as afirmativas verdadeiras Afirmativas: ( ) O endereço IP e aporta do pacote enviado pelo cliente correspondem ao endereço IP e a porta do servidor HTTP. ( ) O NAPT efetua dois tipos de substituição nos pacotes recebidos. Primeiro, ele substitui o endereço IP de origem do cliente pelo seu próprio IP. Segundo, e substitui a porta de origem TCP por uma porta que ainda não esteja sendo usada em nenhuma outra requisição ativa. ( ) Com um único endereço IP público o NAPT permite atender mais de 60 mil requisições simultâneas de clientes com endereços IP privados. ( ) O servidor de destino é incapaz de identificar o endereço IP do cliente que fez a requisição, uma vez que a requisição chega com o endereço IP do NAPT. ( ) O uso do NAPT é transparente para o cliente, uma vez que este envia o pacote diretamente para o servidor HTTP de destino, como faria caso tivesse um endereço IP público e não houvesse NAPT na rede.

13 Cenário para os exercícios 8 e 9 No cenário abaixo, o cliente A efetua uma comunicação HTTP (requisição e resposta) como o servidor Z através do Proxy B. A / / B C D E V X / /24 INTERNET Y /24 Z /24

14 Auxílio: Funcionamento do Proxy

15 Exercício 8: Formato dos Quadros Mac Destino Mac Origem ip origem ip destino porta origem porta destino Pacote enviado por A Pacote enviado pelo proxy Pacote enviado pelo roteador 1 Pacote recebido pelo servidor HTTP Pacote enviado pelo servidor HTTP Pacote recebido pelo roteador 1 Pacote recebido pelo proxy Pacote recebido por A

16 Exercício 9: Indique as afirmativas verdadeiras Afirmativas: ( ) O endereço IP e aporta do pacote enviado pelo cliente correspondem ao endereço IP e a porta do servidor Proxy. ( ) O servidor Proxy recebe as requisições dos clientes sempre na mesma porta (3128), e abre uma conexão com o servidor de destino utilizando portas de origem diferentes, isto é, uma porta diferente para cada conexão. ( ) Com um único endereço IP público o proxy permite atender mais de 60 mil requisições simultâneas de clientes com endereços IP privados. ( ) O servidor de destino é incapaz de identificar o endereço IP do cliente que fez a requisição, uma vez que a requisição chega com o endereço IP do proxy. ( ) O uso do proxy não é transparente para o cliente, uma vez que este precisa enviar o pacote para o proxy e não para o destino final, como faria, se tivesse um endereço IP público e não houvesse proxy na rede.

17 Exercício 10: Relacione as colunas ( ) Permite que vários computadores com endereços IP privados façam conexão com servidores na Internet utilizando um único endereço IP público. ( ) Necessita que cada aplicação cliente seja configurada individualmente. ( ) Funciona apenas para poucos tipos de protocolos de aplicação. ( ) Funciona para praticamente qualquer protocolo de aplicação baseado em TCP ou UDP. ( ) Funciona apenas para protocolos de aplicação baseados em TCP. ( ) O número de conexões simultâneas é igual ao número de endereços públicos disponíveis. ( ) Permite que um computador com endereço IP privado receba conexão de um computador externo (na Internet). 1. NAT (sem tradução de porta) 2. Destination NAT/NAPT 3. Source NAPT 4. Proxy de Aplicação 5. Proxy SOCKS v4 6. Proxy SOCKS v5 7. Todas as anteriores 8. Alternativas 3, 4, 5 e Alternativas 1, 2 e Nenhuma das anteriores.

EXERCÍCIOS DE REVISÃO REDES DE COMPUTADORES EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

EXERCÍCIOS DE REVISÃO REDES DE COMPUTADORES EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre EXERCÍCIOS E REVISÃO REES E COMPUTAORES EGAR JAMHOUR Segundo Bimestre Exercício 1. Considere o cenário abaixo supondo que o switch 1 é o root 1 100M 4 4b 6a 6 1a 1b 100M 1G 2a 3a 2 3 2b 2c 3b 4a 1G 1G

Leia mais

DNS: Domain Name System. Edgard Jamhour

DNS: Domain Name System. Edgard Jamhour DNS: Domain Name System Serviço DNS: Domain Name System nome - ip nome - ip Nome? IP nome - ip nome - ip Árvore de nomes br RAIZ br pucpr ufpr Pucpr Ufpr ppgia eureka FOLHA ZONAS DNS ZONA.br br RAIZ servidor

Leia mais

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Network Fundamentals Capítulo 3 1 Aplicações A Interface entre usuário e Rede de Dados A Camada de aplicação provê recursos para enviar e receber dados

Leia mais

ENDEREÇAMENTO PRIVADO PROXY E NAT

ENDEREÇAMENTO PRIVADO PROXY E NAT ENDEREÇAMENTO PRIVADO PROXY E NAT MOTIVAÇÃO PARA O ENDEREÇAMENTO IP PRIVADO Crescimento do IPv4 07/2007 490 milhões de hosts 01/2008 542 milhões de hosts IPv4 permite endereçar 4 bilhões de hosts. PREVISÃO

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014

Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação 20/5/2014 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Administração dos serviços de redes utilizando linux

Administração dos serviços de redes utilizando linux Administração dos serviços de redes utilizando linux Joao Medeiros joao.fatern@gmail.com Objetivo Apresentar uma visão geral sobre os principais serviços de redes e a instalação e configuração de um servidor

Leia mais

Utilização de Números de Porta FTP Não- Padrão com NAT

Utilização de Números de Porta FTP Não- Padrão com NAT Utilização de Números de Porta FTP Não- Padrão com NAT Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurações de exemplo Configuração de exemplo 1 Configuração de exemplo

Leia mais

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 Serviços IPv6 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Agenda Autoconfiguração de Endereços Stateless DHCPv6 Prefix Delegation

Leia mais

Firewalls Reginaldo Campos 1

Firewalls Reginaldo Campos 1 Firewalls Reginaldo Campos 1 Roteiro Introdução Características do Firewall Tipo de Firewall Filtro de Pacotes Servidores Proxy Tipos avançados de Firewall Bastion Host Firewalls híbridos 2 Roteiro (cont)

Leia mais

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet.

Este documento requer uma compreensão do ARP e de ambientes Ethernet. Proxy ARP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Como o Proxy ARP Funciona? Diagrama de Rede Vantagens do Proxy ARP Desvantagens do Proxy ARP Introdução Este documento

Leia mais

Integração IP/ATM. Características das redes atuais

Integração IP/ATM. Características das redes atuais Integração IP/ Msc. Marcelo Zanoni Santos Msc. Adilson Guelfi Msc. Frank Meylan Características das redes atuais Ethernet, Fast Ethernet, Token Ring, FDDI etc Não orientadas a conexão Unidade de transmissão

Leia mais

IMEI MONTAGEM E MANIPULAÇÃO DE REDES DE DADOS - REDES DE COMPUTADORES. Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

IMEI MONTAGEM E MANIPULAÇÃO DE REDES DE DADOS - REDES DE COMPUTADORES. Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos IMEI MONTAGEM E MANIPULAÇÃO DE REDES DE DADOS - REDES DE COMPUTADORES Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Arquitetura da Internet A Internet é constituída por uma enorme quantidade

Leia mais

Sub-Redes. Alberto Felipe Friderichs Barros

Sub-Redes. Alberto Felipe Friderichs Barros Sub-Redes Alberto Felipe Friderichs Barros Exercícios 8- Descubra se os ips de origem e destino se encontram na mesma rede: a) IP Origem: 10.200.150.4 IP Destino: 10.200.150.5 Máscara de rede: 255.255.255.0

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Resolução de nomes no Windows Server

Resolução de nomes no Windows Server Resolução de nomes no Windows Server João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 27 Resolução de Nomes Resolução de Nomes Instalação do DNS Aponte o servidor DNS para si mesmo Criando uma zona de resolução

Leia mais

Guia Primeiros Passos da Bomgar B400

Guia Primeiros Passos da Bomgar B400 Guia Primeiros Passos da Bomgar B400 Documento: 043010.15 Publicado: maio 2010 Guia Primeiros Passos da Bomgar B400 Documento: 043010.15 Publicado: maio 2010 Obrigado por usar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento

Leia mais

Arquitetura da Internet TCP/IP

Arquitetura da Internet TCP/IP Arquitetura da Internet TCP/IP A Internet Internet é a rede mundial de computadores, à qual estão conectados milhões de computadores do mundo todo; A idéia de concepção de uma rede mundial surgiu nos Estados

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega: 06/11/2016

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega: 06/11/2016 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM/MEIC) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Perguntinhas básicas J n O que é rotear? n O que é uma rota? n Porque rotear? n Como sua requisição chega no facebook? Conceitos n Roteamento

Leia mais

LSI-TEC 01/06/2000 1

LSI-TEC 01/06/2000 1 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Servidores DNS Caching Autoritative e Delegated Implementações de servidor de DNS Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.br/

Leia mais

Manual de utilização Módulo TCP/IP MTCP-4E4S

Manual de utilização Módulo TCP/IP MTCP-4E4S INSTALAÇÃO 1 - Conecte a fonte 12Vcc/1A a tomada e em seguida ao módulo MTCP-4E4S. 2 - Conecte o cabo de rede que acompanha o produto ao módulo TCP/IP (conector RJ45) e em seguida ao roteador ou servidor

Leia mais

DNS. Adalton Júnior Christian Moreira Bernardes Júnior Ferreira do Nascimento Rodrigo Augusto Milleck Molinetti

DNS. Adalton Júnior Christian Moreira Bernardes Júnior Ferreira do Nascimento Rodrigo Augusto Milleck Molinetti DNS Adalton Júnior Christian Moreira Bernardes Júnior Ferreira do Nascimento Rodrigo Augusto Milleck Molinetti RESUMO O DNS (Domain Name System - Sistema de Nomes de Domínios) é um sistema de gerenciamento

Leia mais

Sabe o que é port forwarding e qual a sua utilização?

Sabe o que é port forwarding e qual a sua utilização? Sabe o que é port forwarding e qual a sua utilização? Date : 14 de Julho de 2017 Alguma vez ouviu falar sobre port forwarding ou encaminhamento baseado em portos lógicos, aplicado em configurações para

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Transporte 2 Camada de Transporte Função: Fornecer comunicação lógica entre processos de aplicação em diferentes hospedeiros. Os protocolos de transporte são

Leia mais

Ferramentas para Coexistência e Transição IPv4 e IPv6. Módulo 7

Ferramentas para Coexistência e Transição IPv4 e IPv6. Módulo 7 Ferramentas para Coexistência e Transição IP e IPv6 Módulo 7 ftp://ftp.registro.br/pub/stats/delegated-ipv6-nicbr-latest 250 200 150 100 50 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Coexistência

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos TCP/IP

Redes de Computadores. Protocolos TCP/IP Redes de Computadores Protocolos TCP/IP Sumário 2! Endereços IP (lógicos) Sub-redes! Endereços Ethernet (físicos)! Conversão de endereços IP/Ethernet! Pacotes IP! Números de portos! Segmentos UDP! Segmentos

Leia mais

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes VPN-Virtual Private Network Anderson Gabriel Introdução Crescimento tecnológico, necessidade de segurança VPNs - Virtual Private Network (Redes

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 6

Prof. Marcelo Cunha Parte 6 Prof. Marcelo Cunha Parte 6 www.marcelomachado.com ARP (Address Resolution Protocol) Protocolo responsável por fazer a conversão entre os endereços IPs e os endereços MAC da rede; Exemplo: Em uma rede

Leia mais

Fundamentos. Aplicação. Sessão Transporte OSI Transporte TCP/IP. Física

Fundamentos. Aplicação. Sessão Transporte OSI Transporte TCP/IP. Física Fundamentos O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais utilizado em redes locais. Isso se deve basicamente à popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse protocolo foi criado

Leia mais

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP

Resumo P2. Internet e Arquitetura TCP/IP Resumo P2 Internet e Arquitetura TCP/IP Internet: Rede pública de comunicação de dados Controle descentralizado; Utiliza conjunto de protocolos TCP/IP como base para estrutura de comunicação e seus serviços

Leia mais

Tecnologia de Redes. NAT e Masquerade

Tecnologia de Redes. NAT e Masquerade Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes NAT e Masquerade Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Introdução NAT Masquerade Introdução Volnys

Leia mais

Aula pratica 2 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP

Aula pratica 2 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP 1 Aula pratica 2 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como configurar equipamentos em redes Ethernet com os protocolos TCP/IP.

Leia mais

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Arquitetura de Redes de Computadores e Tecnologia de Implementação de Redes 2016.1 Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Curso Técnico Integrado em Informática Turma: INT.INF.3M Arquitetura de Redes

Leia mais

Manual de utilização NSE Módulo TCP/IP MTCP-1E1S

Manual de utilização NSE Módulo TCP/IP MTCP-1E1S INSTALAÇÃO 1 Conecte a fonte 12Vcc/1A (ou 24Vcc/1A) a tomada e em seguida ao módulo MTCP-1E1S ( Negativo externo ---(o--- Positivo interno ). 2 Conecte o cabo de rede que acompanha o produto ao módulo

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle PTC3450 - Redes de Comunicação - 1o semestre 2017 Lista de Exercícios Suplementares 1 1) (2014-P1)

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA ) Motivação Provedor de Acesso Provedor de Conteúdo 06 de Junho de 2012 Serviços

Leia mais

Lista de Exercícios Endereçamento IPv4 VLSM/CIDR

Lista de Exercícios Endereçamento IPv4 VLSM/CIDR Nome : Sabrina Tavera Rodrigues Prontuário: 1580248 Lista de Exercícios Endereçamento IPv4 VLSM/CIDR OBS: Respondi até o exercício 7, pois os outros não consegui fazer! 1) Dada a seguinte máscara IP 255.252.0.0,

Leia mais

Verificador Slimterm TCP-IP

Verificador Slimterm TCP-IP Verificador Slimterm TCP-IP 1 Acessando a Configuração 1. Ao ligar o equipamento será exibido a tela de inicialização. 2. Indica que não localizou o cabo de rede. 3. Indica que está iniciando o modulo

Leia mais

1.) [exercício 1, cap. 2 Kurose] Analise cada uma das três perguntas e responda se a afirmação é verdadeira ou falsa.

1.) [exercício 1, cap. 2 Kurose] Analise cada uma das três perguntas e responda se a afirmação é verdadeira ou falsa. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina DCC Departamento de Ciência da Computação REC Redes de computadores Quinta Lista de Exercícios 1.) [exercício 1, cap. 2 Kurose] Analise cada uma das três

Leia mais

Redes de Computadores (LTIC) 2013/14. Grupo 1 (9 valores) 2º Teste (Frequência) 19 de Junho de Nome:

Redes de Computadores (LTIC) 2013/14. Grupo 1 (9 valores) 2º Teste (Frequência) 19 de Junho de Nome: Redes de Computadores (LTIC) 2013/14 Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 2º Teste (Frequência) 19 de Junho de 2014 ATENÇÃO: A duração da prova é de 1,5 horas

Leia mais

Administração de Redes em Software Livre GNU/Linux SERVIDOR DNS

Administração de Redes em Software Livre GNU/Linux SERVIDOR DNS Administração de Redes em Software Livre GNU/Linux SERVIDOR DNS Professor: Acesso a computadores sem que o usuário tenha conhecimento de seu endereço IP. O DNS (Domain Name Server) é um sistema de gerenciamento

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

rsf.a06 Resolução de Nomes PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO

rsf.a06 Resolução de Nomes PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO rsf.a06 Resolução de Nomes PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO Endereçamento e Nomes Dispositivos de rede possuem ambos um Nome e um Endereço atribuídos a eles; Nomes são independentes de localidade e se

Leia mais

Gerenciamento de Redes Linux. Linux configuração de rede

Gerenciamento de Redes Linux. Linux configuração de rede Gerenciamento de Redes Linux Linux configuração de rede As interfaces de rede no GNU/Linux estão localizadas no diretório /dev e a maioria é criada dinamicamente pelos softwares quando são requisitadas.

Leia mais

Capítulo 11 Sumário. Serviço de Correio Eletrônico - SMTP e POP3. Serviço de Páginas - Protocolo HTTP, Linguagem HTML

Capítulo 11 Sumário. Serviço de Correio Eletrônico - SMTP e POP3. Serviço de Páginas - Protocolo HTTP, Linguagem HTML 1 Capítulo 11 Sumário Serviço de Nomes de Domínios DNS Serviço de Acesso Remoto - TELNET Serviço de Correio Eletrônico - SMTP e POP3 Serviço de Páginas - Protocolo HTTP, Linguagem HTML Serviço de Transferência

Leia mais

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato

Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede. Prof. Alex Furtunato Instalação e Configuração de Servidores Linux Server Configuração de Rede Prof. Alex Furtunato alex.furtunato@academico.ifrn.edu.br Roteiro Introdução Números IPs Interfaces de rede Interface de loopback

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 8 - Mensagens de Erro e de Controle do Conjunto de Protocolos TCP/IP 1 Objetivos do Capítulo Descrever o ICMP; Descrever o formato de mensagem

Leia mais

Endereçamento Privado Proxy e NAT. 2017, Edgard Jamhour

Endereçamento Privado Proxy e NAT. 2017, Edgard Jamhour Endereçamento Privado Proxy e NAT Motivação para o Endereçamento IP Privado Crescimento do IPv4 07/2007 490 milhões de hosts 01/2008 542 milhões de hosts IPv4 permite endereçar 4 bilhões de hosts. PREVISÃO

Leia mais

Protocolos da camada de redes. Professor Leonardo Larback

Protocolos da camada de redes. Professor Leonardo Larback Protocolos da camada de redes Professor Leonardo Larback Protocolos da camada de redes Na camada de redes (modelo OSI) operam os protocolos IP, ARP, RARP, ICMP etc. Em conjunto a esses protocolos, abordaremos

Leia mais

Redes de Computadores (LTIC) 2014/15. Parte 1 (8 valores) Exame Final (1ª Época) 24 de junho de Nome:

Redes de Computadores (LTIC) 2014/15. Parte 1 (8 valores) Exame Final (1ª Época) 24 de junho de Nome: Redes de Computadores (LTIC) 2014/15 Exame Final (1ª Época) 24 de junho de 2015 ATENÇÃO: A duração da prova é de 2,5 horas (150 minutos). Só poderá haver desistências após 60 minutos. Todas as respostas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Vetor de Distância Redes de Computadores 2 1 Algoritmo de Bellman-Ford (Vetor de Distância)

Leia mais

Roteamento Prof. Pedro Filho

Roteamento Prof. Pedro Filho Roteamento Prof. Pedro Filho Definição Dispositivo intermediário de rede projetado para realizar switching e roteamento de pacotes O roteador atua apenas na camada 3 (rede) Dentre as tecnologias que podem

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais SERVIÇO DE RESOLUÇÃO DE NOMES DNS Prof.

Leia mais

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação

Modelo OSI. Marcelo Assunção 10º13. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Disciplina: Redes de Comunicação Modelo OSI Marcelo Assunção 10º13 Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina: Redes de Comunicação 2013/2014 Índice Modelo OSI Open System Interconnection (OSI)

Leia mais

Trabalho 10: Simulação de Roteador IPv6

Trabalho 10: Simulação de Roteador IPv6 Trabalho 10: Simulação de Roteador IPv6 Redes de Computadores 1 Descrição Este trabalho pode ser feito por até três acadêmicos. Neste trabalho vocês implementarão dois programas, de forma similar ao trabalho

Leia mais

Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17

Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17 Curso Presencial de IPv6 Serviços Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

Manual de Configuração.

Manual de Configuração. O NX WiFi é um conversor de Serial e Ethernet para WiFi, com isso eliminando o cabeamento em suas instalações e deixando-os equipamentos com mais mobilidade. NX WiFi Modo STA Modo STA Neste modo o NXWiFi

Leia mais

COLOCANDO A REDE PARA FUNCIONAR

COLOCANDO A REDE PARA FUNCIONAR COLOCANDO A REDE PARA FUNCIONAR INTRODUÇÃO Para que uma rede de computadores exista precisamos preencher alguns requisitos tais como: 1 Devem existir 2 ou mais computadores ou então não seria necessária

Leia mais

Transferência de Arquivo: Protocolo FTP

Transferência de Arquivo: Protocolo FTP Para iniciar uma sessão FTP (File Transfer Protocol) típica e acessar uma conta, o usuário deve fornecer uma identificação e uma senha; Após a identificação o usuário pode realizar operações de transferência

Leia mais

Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP

Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP Como Permitir a Navegação Usando o NetBIOS Over IP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Ajuste o nome do grupo de trabalho para ser o Domain

Leia mais

AiSMTP

AiSMTP AiSMTP http://www.allakore.com Nesta documentação, você irá aprender a configurar e utilizar de maneira correta o AiSMTP. Está pronto para criar seu SMTP? Então vamos lá! Primeiramente, efetue o Download

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O Planejamento de Segurança é algo necessário para bom funcionamento da empresa como um todo. Ao contrário do que se pensa, o Planejamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Endereçamento IP Endereço IP Basicamente as máquinas quando estão ligadas em rede possuem um endereço IP configurado (seja ele IPv4 (normalmente) ou

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Exame Prova Prática 3º MIEIC 15.07.2009 Nome: 1. Considere que um protocolo de ligação de dados é suportado num canal com capacidade igual a 500 kbit/s (em cada sentido) e que o tempo

Leia mais

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Agenda 1. Noções Básicas de Redes 1.1 O que é uma Rede 1.2 Endereçamento IP 1.3 Máscaras de

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Protocolos icmp, arp, rarp, bootp e dhcp Versão 1.1 Outubro de 2016 Prof. Jairo jairo@uni9.pro.br professor@jairo.pro.br http://www.jairo.pro.br/ Redes e Conectividade outubro/2016

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores FTP Prof. Thiago Dutra Agenda n Definição de FTP n Características do FTP n Usos Comuns do FTP n Funcionamento do FTP n Mensagens FTP n Códigos de Resposta

Leia mais

Firewall - Inspeção com estado. (Stateful Inspection)

Firewall - Inspeção com estado. (Stateful Inspection) Proxy e FIREWALL Firewall - Inspeção com estado. (Stateful Inspection) As primeiras gerações de firewall eram ditos "stateless". Cada pacote é analisado individualmente, sem levar em conta pacotes anteriores

Leia mais

Redes de Computadores Nível de Rede

Redes de Computadores Nível de Rede Comunicação de Dados por Fernando Luís Dotti fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Fontes Fontes principais: principais: Redes Redes de de Computadores Computadores -- das das LANs,

Leia mais

Planificação Anual da disciplina de Comunicação de dados 12º 1PE

Planificação Anual da disciplina de Comunicação de dados 12º 1PE Conteúdos 1.Conceitos básicos 1.1. Rede de Comunicação 1.2. Redes de dados 1.3. Transmissão de Dados 1.4. A Informação 2.Redes de dados 2.1. Importância 2.2. Áreas de Aplicação 2.2.1.Perspectiva de evolução

Leia mais

Protocolos e Arquiteturas de Redes. Thiago Leite

Protocolos e Arquiteturas de Redes. Thiago Leite Protocolos e Arquiteturas de Thiago Leite As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas forma uma pilha A função de cada camada da

Leia mais

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res FIREWALL A conexão com a Internet traz às corporações os seguintes riscos: Relacionados a dados: confidencialidade, integridade e disponibilidade; Relacionados aos recursos e ativos da empresa; Relacionados

Leia mais

I CICLO CIENTÍFICO FAPAN

I CICLO CIENTÍFICO FAPAN I CICLO CIENTÍFICO FAPAN Instalação e configuração de Redes Locais LAN, em ambientes Microsoft Windows e GNU/Linux Ademar Alves Trindade Roberto Tikao Tsukamoto Júnior Cáceres-MT, 4 a 6 de maio de 2011.

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet - Exame de ªépoca 06/0/03 As perguntas de escolha múltipla

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

Redes de Computadores e Internet

Redes de Computadores e Internet Redes de Computadores e Internet CEA145 Teoria e Fundamentos de Sistemas de Informação Universidade Prof. MSc. Federal George de H. G. Ouro Fonseca Preto DECEA / João Monlevade Universidade

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Comunicação de Dados II Aula 04 Endereçamento IPv6 Prof: Jéferson Mendonça de Limas Esgotamento IPv4 RFC 1700, blocos de tamanho específicos Classe A (/8) 16 milhões de Hosts

Leia mais

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES

Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Lista de exercícios - 1º bimestre 2016 REDES Jean Nicandros Stragalinos Neto. Prontuário: 1616251. Curso: ADS 2º Módulo. 1) Desenhe duas redes com 7 e 8 computadores e defina a configuração IP de cada

Leia mais

Configurar um servidor de DNS no Ubuntu via Webmin

Configurar um servidor de DNS no Ubuntu via Webmin Configurar um servidor de DNS no Ubuntu via Webmin Date : 13 de Outubro de 2014 Um dos serviços mais importantes em qualquer rede é o DNS (Domain Name System)). Este serviço é responsável pela tradução

Leia mais

Redes TCP-IP. Protocolo ICMP. Pilha TCP/IP. Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP

Redes TCP-IP. Protocolo ICMP. Pilha TCP/IP. Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP Volnys 1999-2003 1 Volnys 1999-2003 2 Pilha TCP/IP Internet Control Message Protocol Introdução ao Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Introdução ao = Internet Control Message Protocol Protocolo auxiliar

Leia mais

Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP

Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP. Introdução ao Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol Introdução ao Volnys Borges Bernal Matteo Nava ilnava;volnys@lsi.usp.br Introdução ao Introdução ao O que é o protocolo? = Internet Control Message Protocol Protocolo

Leia mais

Parabéns pela aquisição do seu DMI. Este manual destina-se a ativação do DMI, para posterior utilização.

Parabéns pela aquisição do seu DMI. Este manual destina-se a ativação do DMI, para posterior utilização. Parabéns pela aquisição do seu DMI. Este manual destina-se a ativação do DMI, para posterior utilização. Imagem ilustrativa Manual de ativação 1-Visão Geral... 2 1- Primeiro acesso ao DMI... 2 2 - Ativação

Leia mais

Caso Directnet (AS22818)

Caso Directnet (AS22818) Migrando para um AS Caso Directnet (AS22818) Eduardo Ascenço Reis GTER20 Migrando para um AS Caso Directnet Eduardo Ascenço Reis 2005-12-02 1/25 Agenda 1. Directnet - Apresentação

Leia mais

Aula 5 Camada de rede (TCP/IP):

Aula 5 Camada de rede (TCP/IP): Aula 5 Camada de rede (TCP/IP): Protocolos da Camada de Rede; Endereços IP (Versão 4); ARP (Address Resolution Protocol); ARP Cache; RARP (Reverse Address Resolution Protocol); ICMP. Protocolos da Camada

Leia mais

Introdução Como eu conecto meu roteador de Linksys a um roteador VoIP de Linksys? Informações Relacionadas

Introdução Como eu conecto meu roteador de Linksys a um roteador VoIP de Linksys? Informações Relacionadas Índice Introdução Como eu conecto meu roteador de Linksys a um roteador VoIP de Linksys? Informações Relacionadas Introdução Este artigo é um em uma série para auxiliar na instalação, no troubleshooting

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda n Parte I n Introdução n Protocolos de Transporte Internet n Multiplexação e n UDP n Parte II n TCP

Leia mais

20 Horas 24 Tempos HORAS / TEMPOS OBJETIVOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO

20 Horas 24 Tempos HORAS / TEMPOS OBJETIVOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-402011 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS COMUNICAÇÃO DE DADOS (CD) 10º 10 PLANIFICAÇÃO MODULAR MÓDULO N.º 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET+GPRS) STUDIO V1.01

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE Expectativa de Respostas Rede de Computadores A) As tabelas de roteamento podem ser manipuladas diretamente pelo administrador da rede através de comandos

Leia mais

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux

FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux FIC Linux Introdução a Redes de Computadores no Linux Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Agenda 1. Noções Básicas de Redes 1.1 O que é uma Rede 1.2 Endereçamento IP 1.3 Máscaras de

Leia mais

Giss Offline. Versão 2.0 (12/2011)

Giss Offline. Versão 2.0 (12/2011) Giss Offline Versão 2.0 (12/2011) Versão 2.0 (12/2011) SUMÁRIO GISS OFFLINE... 2 INSTALANDO O GISS ESCRITURAÇÃO OFFLINE... 3 IDENTIFICAÇÃO NO SISTEMA... 8 MANUTENÇÃO... 9 ADICIONAR PREFEITURA... 9 CÓPIA

Leia mais

Máscara de rede. Endereços especiais. Utilizando parte de um byte na máscara de sub-rede. Exemplo. Exemplo. Exemplo

Máscara de rede. Endereços especiais. Utilizando parte de um byte na máscara de sub-rede. Exemplo. Exemplo. Exemplo Infra Estruturas Computacionais Número único 32 bits associado à um host: Notação em decimal para cada byte: 129.52.6.34 Professor: André Ferreira andre.ferreira@ifba.edu.br Dividido em duas partes: Prefixo:

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Protocolo mais importante: IP IPv4 (mais utilizada) IPv6 (atender ao crescimento das redes e a necessidade de novos endereços). PDU: Pacote

Leia mais

Configurando o NAT Estático e o NAT Dinâmico Simultaneamente

Configurando o NAT Estático e o NAT Dinâmico Simultaneamente Configurando o NAT Estático e o NAT Dinâmico Simultaneamente Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Configurando o NAT Informações Relacionadas Introdução Em algumas

Leia mais

Exercícios Redes de Comunicação de Dados

Exercícios Redes de Comunicação de Dados Exercícios Redes de Comunicação de Dados MATRÍCULA: 0) A camada da arquitetura Internet TCP/IP, responsável pela transferência de dados fim-a-fim, é a A) Física B) Enlace C) Rede D) Transporte E) Aplicação

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 11 DoS (Denial of Service) DDoS (Distributed Denial of Service) Prática #4 Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º

Leia mais