Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Requisitos Parte 2: Hidrantes subterrâneos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Requisitos Parte 2: Hidrantes subterrâneos"

Transcrição

1 SET 2004 Projeto NBR ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 /28º andar CEP Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro RJ Tel.: PABX (21) Fax: (21) / Endereço eletrônico: Hidrantes urbanos de incêndio de ferro fundido dúctil - Requisitos Parte 2: Hidrantes subterrâneos (Versão de 27/09/2004) Origem: NBR 5667:1980 ABNT/CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio CE-24: Comissão de Estudo de Hidrantes, Mangotinhos e Acessórios Revisão NBR 5667 / 80 - Urban Fire Hydrants Descriptors: Ductile iron. Fire. Hydrants. Esta Norma substitui a NBR 5667:1980. Pendente Copyright 2003, ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados Palavras-chave: Hidrante. Ferro fundido dúctil. Incêndio 11 páginas Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos gerais 5 Requisitos específicos 6 Inspeção 7 Aceitação e rejeição Anexo A Controle do processo de fabricação Prefácio A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma inclui o anexo A de caráter informativo. 1 Objetivo Esta norma fixa os requisitos mínimos para fabricação, inspeção e recebimento de hidrantes subterrâneos urbanos de incêndio, de ferro fundido dúctil, para serem empregados em redes de abastecimento público de água. NOTA - Os hidrantes de coluna são tratados na parte 1 desta norma e os Hidrantes de coluna com obturação própria são tratados na parte 3.

2 2 Projeto NBR : Referências normativas A(s) norma(s) relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita à revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes da(s) norma(s) citada(s) a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR 5601: 1981 Aços inoxidáveis Classificação por composição química NBR 6314: Peças de ligas de cobre fundidas em areia NBR 6916: Ferro fundido nodular ou ferro fundido com grafita esferoidal NBR 7195: Cores para segurança NBR 7348: Limpeza de superfícies de aço com jato abrasivo NBR 7675: Conexões de ferro fundido dúctil NBR 11003: Tintas - Determinação da aderência NBR 14968: Válvula-gaveta de ferro fundido nodular com cunha emborrachada - Requisitos ISO 1083: Spheroidal graphite cast iron - Classification ISO 6506: Metallic materials Hardness test Brinell test (Obs.: AISI não é norma, e sim um Instituto: American Iron and Steel Institute ) ASTM A153: Standard specification for zinc coating (hot-dip) on iron and steel hardware ASTM A307: 2003 Standard specification for carbon steel bolts and studs, PSI Tensile Strenghth ASTM D2000: Standard classification system for rubber products in automotive applications ASTM A276: Standard specification for stainless stell bars and shapes ASTM B62: Standard specification for composition bronze or ounce metal castings 3 Definições Aplicam-se, para os efeitos desta Norma, as seguintes definições: 3.1 bujão: Parte do hidrante subterrâneo que permite a instalação de uma conexão roscada de mangueira e/ou mangote de combate a incêndio. 3.2 caixa de proteção: Dispositivo dotado de tampa articulada e superfície ranhurada, que tem por função abrigar e proteger o corpo do hidrante de vandalismo, das intempéries e detritos. 3.3 corpo: Parte principal do hidrante subterrâneo, dotada de uma base flangeada, com uma saída para ligação à rede de abastecimento. 3.4 diâmetro nominal (DN): Simples número que corresponde a uma designação alfanumérica adimensional, que serve para classificar em dimensões todos os componentes de uma canalização. Trata-se de um número inteiro utilizado como referência e que corresponde aproximadamente ao diâmetro interno em milímetro. O diâmetro nominal não deve ser objeto de medição nem ser utilizado para fins de cálculo. 3.5 ferro fundido dúctil: Tipo de liga de ferro fundido, também chamado de nodular, utilizado para fabricação de tubos, conexões e acessórios, na qual a grafita apresenta-se essencialmente em forma esferoidal. 3.6 flange: Extremidade chata circular do hidrante, perpendicular em relação ao seu eixo, com furos para instalação de parafusos igualmente espaçados em círculo, chamado de círculo de furação. 3.7 hidrante subterrâneo: Dispositivo instalado sob o piso de passeios públicos em uma caixa de ferro fundido, dotado de uma saída, para o combate a incêndios, ou alternativamente, para utilização em descarga e serviços de desinfecção de redes de abastecimento público de água. 3.8 pressão Nominal (PN): Designação alfanumérica expressa por um número arredondado, utilizado para propósitos de referência. Todos componentes de mesmo diâmetro nominal DN, designados pelo mesmo número PN, devem ter dimensões de montagem compatíveis. 3.9 tampão: Peça móvel do hidrante subterrâneo em forma de tampa, provida de rosca interna e externamente cabeçote para retirada e colocação. Serve para tamponamento do bujão, o qual, uma vez atarraxado, impede a passagem da água, ou a entrada de detritos para o corpo do hidrante, além de proteger a rosca externa do bujão.

3 Projeto NBR : Requisitos gerais 4.1 Controle do processo de fabricação Recomenda-se que o fabricante mantenha atualizado um controle do processo de fabricação que envolva os fornecedores de componentes e de matérias-primas, capaz de assegurar que os hidrantes e componentes que fabrica estejam de acordo com esta Norma e satisfaçam às expectativas do comprador. Caso o fabricante não possua um controle de processo de fabricação conforme anexo A, a inspeção de recebimento do produto acabado deve ser efetuada de acordo com o indicado em Materiais Bujão O bujão do hidrante deve ser fabricado em latão fundido, com uma resistência mínima à tração de 230 MPa, de acordo com a NBR O hidrante subterrâneo deve ser dotado de um bujão de DN 60, conforme indicado na figura Caixa de Proteção O ferro fundido dúctil empregado para a fabricação da caixa de proteção e tampa deve ser do tipo FE 42012, de acordo com a NBR 6916 e conforme indicado na figura 12. Alternativamente, podem ser empregados ferros fundidos dúcteis dos tipos ou , de acordo com a ISO 1083 (GGG40). As propriedades mecânicas dos componentes de ferro fundido dúctil FE devem ser verificadas conforme a NBR Os componentes de tipos ou devem ser atender aos requisitos da ISO O pino de articulação empregado na caixa de proteção deve ser de aço inox AISI 304, conforme a NBR Cabeçote O ferro fundido dúctil empregado para a fabricação do cabeçote deve ser do tipo FE 42012, de acordo com a NBR 6916 e conforme indicado na figura 03. Alternativamente, podem ser empregados ferros fundidos dúcteis dos tipos ou , de acordo com a ISO 1083 (GGG40). As propriedades mecânicas dos componentes de ferro fundido dúctil FE devem ser verificadas conforme a NBR Os componentes de tipos ou devem ser atender aos requisitos da ISO Corpo O ferro fundido dúctil empregado para a fabricação do corpo deve ser do tipo FE 42012, de acordo com a NBR 6916 e conforme indicado na figura 10. Alternativamente, podem ser empregados ferros fundidos dúcteis dos tipos ou , de acordo com a ISO 1083 (GGG40). As propriedades mecânicas dos componentes de ferro fundido dúctil FE devem ser verificadas conforme a NBR Os componentes de tipos ou devem ser atender aos requisitos da ISO Guarnição de vedação não plena Podem ser empregados anéis de vedação toroidais ou guarnições planas confeccionadas a partir de borracha natural ou EPDM. As espessuras das guarnições ou anéis devem ser compatíveis com a figura 07. O elastômero utilizado na fabricação do dispositivo de vedação deve apresentar uma dureza de 60 ± 5 shore A. NOTA - Em operações de manutenção de hidrantes já instalados, outras espessuras podem ser empregadas Haste A haste do hidrante subterrâneo deve ser fabricada em aço inox AISI 410, de acordo com a NBR 5601, conforme a figura Cabo e presilha O cabo e a presilha anti-furto do tampão do hidrante subterrâneo devem ser fabricados em aço inox AISI 410, de acordo com a NBR 5601 e conforme a figura Castelo O ferro fundido dúctil empregado para a fabricação do castelo deve ser do tipo FE 42012, de acordo com a NBR 6916 e conforme a figura 05. Alternativamente, podem ser empregados ferros fundidos dúcteis dos tipos ou , de acordo com a ISO 1083 (GGG40). As propriedades mecânicas dos componentes de ferro fundido dúctil FE devem ser verificadas conforme a NBR Os componentes em ferro fundido dúctil dos tipos ou , devem ser atender aos requisitos da ISO 1083.

4 4 Projeto NBR : Tampão do Bujão O tampão do hidrante subterrâneo deve ser dotado de roscas e cabeçote, do mesmo material do corpo, de acordo com o especificado em O hidrante subterrâneo deve ser dotado de tampão DN 60, conforme indicado na figura 06. NOTA - No caso do órgão de saneamento do local a que se destinam, utilizar tampões antifurto, do tipo magnético. Estes devem ser fabricados com plásticos de alto impacto, resistentes a raios ultra violeta e serem dotados de sistema de travamento magnético para as operações de abertura ou fechamento dos hidrantes. As ferramentas (chaves magnéticas) devem ser dotadas de um sistema de travamento de alto poder magnético, correspondente ao do dispositivo dos tampões, sendo fabricadas a partir de chapas e barras de aço inoxidável com empunhaduras de latão recartilhadas. O sistema magnético deve ser tal que não seja possível se encontrar no mercado nenhuma ferramenta que possa servir de "antídoto" para a retirada dos tampões e de um eventual furto de água. O fabricante deve apresentar uma carta de intenções de exclusividade do uso das ferramentas por parte do Órgão de Saneamento e do Corpo de Bombeiros Quando empregados tampões anti-furto, os mesmos devem ser apropriados para instalação nos bujões indicados na NBR e aprovados pelo Corpo de Bombeiros da região a que se destinam Obturador O obturador do hidrante subterrâneo deve ser fabricado em ferro fundido dúctil do tipo FE 42012, de acordo com a NBR 6916, conforme figura 05. Alternativamente, podem ser empregados ferros fundidos dúcteis dos tipos ou , de acordo com a ISO 1083 (GGG40) Sede A sede do hidrante subterrâneo deve ser fabricada em latão conforme NBR Revestimento dos componentes de ferro fundido Corpo, tampão do bujão e caixa de proteção do hidrante devem ser jateados ao metal quase branco, grau Sa 2 1 / 2, conforme NBR 7348 e, em seguida, revestidos conforme indicado em a NOTA - Antes da aplicação do revestimento, todos os corpos de hidrantes devem ser submetidos a um ensaio hidrostático de 1,5 MPa ou pneumático de 0,30 MPa. O resultado deste ensaio deve ser registrado pelo fabricante e apresentado ao comprador ou seu representante nas operações de inspeção de recebimento Revestimento interno do hidrante Como revestimento interno, quando não especificado de outra maneira, deve ser efetuada, no mínimo, uma aplicação de epóxi bi-componente com espessura total de película seca, de no mínimo de 100µm, ou de qualquer outro revestimento de qualidade e resistência superior, à escolha do fabricante. O produto empregado deve atender às regulamentações específicas de tal forma que não provoque efeitos nocivos à saúde, quando em contato com a água de abastecimento Revestimento externo do hidrante Como pintura de fundo deve ser aplicado um revestimento de epóxi bi-componente, com espessura total de película seca de, no mínimo, 100 µm. Como pintura de acabamento deve ser aplicado um esmalte sintético à base de resina alquídica, mono-componente, acabamento semi-brilho, de espessura de película seca de, no mínimo, 40 µm. A pintura de acabamento deve apresentar-se uniforme e de acordo com a NBR 7195, cor vermelha 5R 4/14 - Munsell Book of Colors. O revestimento deve proporcionar uma adequada proteção contra a corrosão, inclusive para os componentes enterrados, e ser resistente aos impactos inerentes ao transporte, manuseio, instalação e operação do hidrante. NOTA - A critério do órgão responsável pelo abastecimento público e/ou da corporação do Corpo de Bombeiros podem ser definidas outras cores de acabamento, bem como para identificar a pressão de serviço da rede Revestimento interno da caixa de proteção Como pintura de fundo deve ser aplicado um revestimento de epóxi bi-componente, com espessura total de película seca de, no mínimo, 100 µm. Como pintura de acabamento deve ser aplicado um esmalte sintético à base de resina alquídica, mono-componente, acabamento semi-brilho, de espessura de película seca de, no mínimo, 40 µm. A pintura de acabamento deve apresentar-se uniforme e de acordo com a NBR 7195, cor alaranjado 2.5YR 6/14 - Munsell Book of Colors. O revestimento deve proporcionar uma adequada proteção contra a corrosão, inclusive para os componentes enterrados, e ser resistente aos impactos inerentes ao transporte, manuseio, instalação e operação do hidrante Revestimento externo da caixa de proteção Como pintura de fundo deve ser aplicado um revestimento de epóxi bi-componente, com espessura total de película seca de, no mínimo, 100 µm.

5 Projeto NBR : Padrões de cores do Tampão do Bujão Como pintura de acabamento deve ser aplicado um esmalte sintético à base de resina alquídica, mono-componente, acabamento semi-brilho, de espessura de película seca de, no mínimo, 40 µm. A pintura de acabamento deve apresentar-se uniforme e de acordo com a NBR 7195, nas cores a seguir indicadas: a) cor verde 10 GY 6/6 - Munsell Book of Colors, para hidrantes com vazão maior do que 2000 L/min; b) cor amarela 5 Y 8/12- Munsell Book of Colors, L/min a 2000 L/mim; c) cor vermelha 5 R 4/14 - Munsell Book of Colors, - menor que 1000 L/min. 5 Requisitos específicos 5.1 Dimensões É considerado padronizado o modelo de hidrante subterrâneo indicado nas figuras 1 e 2, o qual deve ser dotado de uma saída de DN 60. Os detalhes estão apresentados nas figuras 3 a O flange da base do hidrante subterrâneo e as conexões empregadas para a sua instalação devem ser fabricados de acordo com a NBR PN As roscas dos bujões e tampões devem ser confeccionadas de acordo com o indicado nas figuras 2, 3, 4 e 5. NOTA - Recomenda-se, durante a instalação dos tampões de ferro fundido nos hidrantes subterrâneos, a aplicação de vaselina neutra. 5.2 Componentes e acessórios para instalação de hidrantes O hidrante subterrâneo simples deve ser fornecido com os respectivos bujão e tampão O hidrante subterrâneo completo deve ser fornecido de acordo com o indicado em e incluir uma curva dissimétrica com flanges, uma válvula-gaveta de ferro fundido dúctil com cunha emborrachada flangeada e os acessórios indicados nas notas 1 a 4. As conexões de ferro fundido dúctil, fornecidas com hidrantes subterrâneos completos, devem ser fabricadas de acordo com a NBR 7675 e as válvulas-gaveta com cunha emborrachada devem ser fabricadas de acordo com a NBR NOTAS: 1. As arruelas de borracha de face plena, quando fornecidas em conjunto com os hidrantes, devem ser confeccionadas com elastômero 4AA610A13B13A14 de acordo com a ASTM D Os parafusos de cabeça sextavada, as porcas sextavadas e as arruelas para fixação dos flanges, fornecidos em conjunto com os hidrantes e conexões de ferro fundido dúctil, devem ser de aço ABNT 1010/1020 ou ASTM A307, galvanizados a fogo conforme ASTM A153 classe C. Quando recomendável pode ser empregado aço inox AISI 304, conforme a NBR A quantidade de parafusos a ser fornecida depende do número de furos dos flanges, devendo ser fornecidas uma porca e duas arruelas para cada parafuso Estanqueidade Antes da aplicação da pintura, todos os hidrantes devem ser submetidos a um ensaio de estanqueidade, sob uma pressão hidrostática interna de 1,5 MPa, durante um período de, no mínimo, 1 minuto ou sob uma pressão pneumática de 0,30 MPa, durante um período de (5 a 10) s, durante os quais não podem apresentar sinais de vazamentos ou exsudações. Os resultados desses ensaios devem constar nos registros do fabricante. 5.3 Aderência do revestimento Os revestimentos de corpos de hidrantes devem resistir ao ensaio de verificação da aderência, que deve ser efetuado com inserção em X, sobre a camada seca, de acordo com o método A da NBR (códigos Y0 e X0), após o que, não podem apresentar descolamento ou falhas de revestimento. 5.4 Resistência à tração As propriedades mecânicas dos componentes de ferro fundido dúctil devem ser verificadas pelo fabricante durante o processo de fabricação, de acordo com a NBR 6916 ou, conforme o caso, de acordo com a ISO As propriedades mecânicas dos componentes de latão devem ser verificadas pelo fabricante durante o processo de fabricação, de acordo com a NBR Dureza Brinell Todos os componentes de ferro fundido dúctil, ou corpos-de-prova do mesmo material empregado durante a sua fabricação, devem apresentar uma dureza Brinell de, no máximo, 250 HB. A verificação da dureza Brinell deve ser efetuada no próprio componente ou em uma amostra do mesmo. A superfície a ser ensaiada deve ser adequadamente preparada através de uma leve esmerilhagem local e o ensaio

6 6 Projeto NBR :2004 deve ser realizado de acordo com a Norma ISO 6506, utilizando-se um durômetro com penetrador de 2,5mm, 5mm ou 10mm de diâmetro. O fabricante deve possuir os certificados da verificação da dureza Brinell dos fundidos. 6 Inspeção de recebimento 6.1 Generalidades A inspeção de recebimento do produto acabado deve ser realizada em fábrica, sendo que o comprador ou seu representante deve ter livre acesso às instalações em que devem ser efetuados os exames e ensaios, assim como deve ter à sua disposição os laboratórios, equipamentos e pessoal especializado para a execução dos ensaios de recebimento. O fornecedor deve colocar à disposição do comprador, ou de seu representante, os relatórios dos exames e dos ensaios previstos nesta Norma e realizados durante o processo de fabricação de cada um dos lotes apresentados. O comprador ou seu representante deve ser avisado da data de início das operações de recebimento com antecedência mínima de 10 (dez) dias. Caso o comprador ou seu representante não compareça, na data estipulada, para realizar ou acompanhar os exames e ensaios de recebimento, uma nova data deve ser marcada, após o que, deve então tomar as providências necessárias para a entrega dos produtos, dos lotes aprovados, com os correspondentes relatórios de exames e ensaios realizados. 6.2 Formação de amostra A inspeção de recebimento de hidrantes de ferro fundido dúctil e, quando for o caso, dos demais componentes, limita-se ao produto acabado, devendo ser efetuada em fornecimentos, cujos lotes tenham quantidades superiores a duas (2) unidades. Todo fornecimento deve ser dividido, pelo fabricante, em lotes cujas quantidades devem estar de acordo com as tabelas 1 e 2, conforme o caso, para a realização dos exames e ensaios. De cada um dos lotes formados, devem ser retiradas amostras, de forma representativa, sendo a escolha, por parte do inspetor, aleatória e não intencional. Tamanho do Lote Tabela 1 - Plano de amostragem para exames e ensaios não destrutivos Tamanho da amostra Primeira amostragem Segunda amostragem 1 a amostragem 2 a amostragem Aceitação Rejeição Aceitação Rejeição 2 a % a a a a De cada lote aprovado nos exames e ensaios não destrutivos, devem ser retiradas amostras, de acordo com a tabela 2, para a realização dos ensaios destrutivos. Os corpos-de-prova devem ser retirados das amostras para a realização dos ensaios previstos nesta Norma, de acordo com a NBR Tabela 2 - Plano de amostragem para ensaios destrutivos Tamanho do Lote Tamanho da amostra Primeira amostragem Segunda amostragem 1 a amostragem 2 a amostragem Aceitação Rejeição Aceitação Rejeição 2 a a a a Exames e ensaios de recebimento No caso de fornecimento de hidrantes subterrâneos simples, devem ser realizados os exames: visual conforme e dimensional conforme 6.3.2, e os ensaios: hidrostático conforme 6.3.3, verificação da aderência do revestimento conforme 6.3.4, verificação da resistência à tração e alongamento mínimo conforme 6.3.5, verificação da dureza Brinell conforme e os resultados analisados de acordo com a seção 7. Para os casos de fornecimentos de hidrantes subterrâneos completos, seus componentes devem ser examinados e ensaiados de acordo com as normas correspondentes.

7 Projeto NBR : Exame visual O exame visual deve ser efetuado antes da aplicação do revestimento, utilizando-se plano de amostragem de acordo com a tabela 1. As peças fundidas devem estar limpas, isentas de inclusões de escória, apresentarem-se isentas de porosidades, cavidades produzidas por gases, bolhas, depressões, rebarbas, inclusões de areia, escamas de oxidação, trincas ou qualquer outro defeito que possa prejudicar seu bom funcionamento. As superfícies usinadas devem apresentar acabamento uniforme e isento de arranhões, cortes, mossas, rebarbas e cantos vivos Exame dimensional Somente após a aprovação no exame visual, deve ser efetuado o exame dimensional, utilizando-se plano de amostragem de acordo com a tabela 1. Os hidrantes subterrâneos devem ser examinados quanto às suas dimensões, conforme Ensaio hidrostático Somente após a aprovação no exame dimensional, deve ser efetuado o ensaio hidrostático de acordo com 5.3, utilizando-se plano de amostragem de acordo com a tabela 1. As superfícies dos componentes de ferro fundido, após a liberação pela inspeção do comprador, devem ser revestidas de acordo com Ensaio de verificação de aderência do revestimento O revestimento dos corpos de hidrantes subterrâneos deve ser examinado de acordo com o indicado em 5.4, utilizando-se plano de amostragem de acordo com a tabela 2. Quando o fabricante não comprovar a realização deste ensaio, o comprador pode exigir a realização do mesmo durante as operações de inspeção de recebimento Ensaio de verificação da resistência à tração e de alongamento mínimo Os lotes aprovados no ensaio hidrostático devem ser submetidos ao ensaio de verificação da resistência à tração e de alongamento mínimo de acordo com 5.5, utilizando-se plano de amostragem de acordo com a tabela 2. Quando o fabricante não comprovar a realização deste ensaio, o comprador pode exigir a realização do mesmo durante as operações de inspeção de recebimento Ensaio de verificação da dureza Brinell Os lotes aprovados no ensaio de verificação da resistência à tração devem ser submetidos ao ensaio de verificação da dureza Brinell de acordo com 5.6, utilizando-se plano de amostragem de acordo com a tabela 2. Quando o fabricante não comprovar a realização deste ensaio, o comprador pode exigir a realização do mesmo durante as operações de inspeção de recebimento. 7 Aceitação e rejeição Quando efetuada inspeção de recebimento, a aceitação ou rejeição deve ser de acordo com o indicado nas seções 7.1 a 7.6, aplicado para cada exame ou ensaio. 7.1 Se o número de unidades defeituosas (aquelas que podem conter uma ou mais não conformidades) encontrado na primeira amostragem, for igual ou menor do que o primeiro número de aceitação, o lote deve ser considerado aceito. NOTA - Nos exames previstos em , em que deve ser examinado 100% do lote, nenhuma amostra ou corpo-de-prova pode apresentar não-conformidade. 7.2 Se o número de unidades defeituosas encontrado na primeira amostragem for igual ou maior do que o primeiro número de rejeição, o lote deve ser rejeitado. Se o número de unidades defeituosas encontrado na primeira amostragem for maior do que o primeiro número de aceitação e menor que o primeiro número de rejeição, uma segunda amostragem de tamanho dado pelo plano de amostragem correspondente deve ser retirada. 7.3 As quantidades de unidades defeituosas encontradas na primeira e segunda amostragem devem ser acumuladas. 7.4 Se a quantidade acumulada de unidades defeituosas for igual ou menor do que o segundo número de aceitação, o lote deve ser aceito. 7.5 Se a quantidade acumulada de unidades defeituosas for igual ou maior do que o segundo número de rejeição, o lote deve ser rejeitado.

8 8 Projeto NBR :2004 NOTA - Todas as unidades defeituosas ou não conformes, bem como aquelas utilizadas nos ensaios destrutivos, devem ser substituídas para complementar o lote a ser entregue. 7.6 Para cada lote inspecionado, deve ser elaborado um relatório que deve conter, no mínimo, o seguinte: a) a identificação completa do produto, sendo que, nos casos de fornecimentos de hidrantes completos, deve incluir a especificação de todos os componentes; b) o tamanho do lote inspecionado e entregue; c) os resultados obtidos para cada exame ou ensaio realizado; e d) declaração de que o lote apresentado atende ou não às especificações desta Norma. 8 Marcação O hidrante deve trazer no corpo as seguintes marcas de identificação, fundidas em alto relevo: a pressão nominal: PN 10, o nome e/ou marca de identificação do fabricante e da usina de fundição (quando a usina não é do próprio fabricante) e uma identificação do ano de fabricação (com, no mínimo, dois últimos algarismos). NOTA - São aceitos reparos com solda, desde que sejam efetuados apenas para correção das marcações exigida nesta Norma. A tampa do hidrante subterrâneo deve trazer marca de identificação, fundida em alto relevo: hidrante urbano de incêndio. Poderá ter a marcação do nome e/ou marca de identificação da empresa compradora.

9 Projeto NBR : A.1 Verificação do controle do processo de fabricação Anexo A (Informativo) Controle do processo de fabricação A.1.1 O fabricante deve apresentar ao comprador ou seu representante, os documentos do seu controle do processo de fabricação, tais como procedimentos e relatórios, cuja exibição deve ser objeto de acordo prévio. A.1.2 O comprador ou seu representante deve avaliar o controle de processo de fabricação e os recursos técnicos para a fabricação dos hidrantes, de acordo com os requisitos estabelecidos nesta Norma. A.1.3 Exames e ensaios durante a fabricação A O fabricante deve efetuar exames e ensaios de acordo com o indicado na tabela A.1, para análise da matéria-prima, e de acordo com a tabela A.2, para verificação dos produtos durante a fabricação. Tabela A.1 - Exames e ensaios de matéria-prima Aspectos a controlar Método Frequência Arquivo Forma de Armazenagem de matérias-primas Minério de ferro Ferro-gusa Sucata de aço Sucata de ferro fundido (terceiros) Sucata interna de peças e canais Aditivos (ferro-ligas) Energia de fundição: Gás Carvão vegetal Coque Energia elétrica (forno de indução) Areia para moldes Aditivos para areia de moldes Elastômero Tinta Parafusos, porcas e arruelas de aço Visual CIQ 2) Conforme encomenda e granulometria Mensal Mensal/durante o consumo - 1) Certificado do fornecedor. 2) Controle interno da qualidade. Tabela A.2 - Exames e ensaios durante a fabricação Propriedades Amostras Requisitos Exame ou método de ensaio Aspecto e acabamento 100% , 4.3.2, 6.1 e 8 Verificação visual Dimensional 100% , e 5.1 ou 5.2 Exame dimensional Resistência hidrostática interna 100% > 1,5 MPa 4.3 e 5.3 Resistência pneumática interna 100% > 0,3 MPa 4.3 e 5.3 Resistência da aderência do revestimento Resistência à tração: Ferro fundido Latão 3 de cada lote Não apresentar descolamento ou falhas 3 de cada lote > 420 MPa > 230 MPa e NBR 6916 ou ISO e NBR 6314 Alongamento após rompimento 3 de cada lote > 12 % 5.5 e NBR 6916 ou ISO 1083 Dureza Brinell 3 de cada lote < 250 HB 5.6 e ISO 6506

Norma Técnica Sabesp NTS 182

Norma Técnica Sabesp NTS 182 Norma Técnica Sabesp NTS 182 Colar de tomada metálico aplicado na derivação da rede de distribuição de água em ferro fundido, DEFOFO e fibrocimento, para ramais prediais de polietileno DE 20, DE 32 e DE

Leia mais

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas. NBR 14862 - MAIO 2002 - Armaduras treliçadas eletrossoldadas - Requisitos Origem: Projeto 18:314.01-004:2001 ABNT/CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:314.01 - Comissão de Estudo

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 063

Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 VÁLVULAS DE GAVETA ÚNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR Especificação e Método de Ensaio São Paulo Revisão 1 - Novembro 2000 NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna

Leia mais

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas OUT 2000 NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 299

Norma Técnica SABESP NTS 299 Norma Técnica SABESP NTS 299 Válvula Redutora de Pressão Tipo Globo - DN 50 a 600 Especificação São Paulo Fevereiro 2014 NTS : Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO...1 2 OBJETIVO...1

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA REDE DE HIDRANTES URBANOS DE INCÊNDIO EXISTENTE EM CAMPO GRANDE-MS

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA REDE DE HIDRANTES URBANOS DE INCÊNDIO EXISTENTE EM CAMPO GRANDE-MS 41 ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA REDE DE HIDRANTES URBANOS DE INCÊNDIO EXISTENTE EM CAMPO GRANDE-MS PORTUGAL, A.C.X.; COSTA, F.P.; FREIRE, J.R.S.; BOTH, A.R. RESUMO: O presente trabalho tem por objetivo identificar

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio.

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio. OBJETIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional e Comunitária. Enunciar as formas de proteção e sinalização

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 033

Norma Técnica Sabesp NTS 033 Norma Técnica Sabesp NTS 033 Tampão de Ferro Fundido Dúctil Especificação São Paulo Fevereiro / 2013 - Revisão 5 NTS 033: 2013 Revisão 5 Norma Técnica Sabesp S U M Á R I O 1 OBJETIVO... 1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento

Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento Norma Business Unit Road Voith Turbo Componentes de ferro fundido Especificações técnicas de fornecimento Confidencial, todos os direitos reservados. Proteção de dados conforme ISO 16016. Outubro 2014

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO

LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO w w w. h d s b r a s i l n e. c o m. b r ADAPTADOR

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 144

Norma Técnica SABESP NTS 144 Norma Técnica SABESP NTS 144 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 144 : 2001 Norma

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO

NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO ANEXO XXX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 30 HIDRANTE PÚBLICO 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece a regulamentação das condições mínimas para a instalação de hidrante

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÕES TOLERÂNCIAS 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. INSPEÇÃO

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 001

Especificação Técnica de Projeto N.º 001 SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 001 Especificação Técnica de Projeto N.º 001 INDICE 1. 2. 3. 3.1. 4. 4.1. 4.2. 4.3. 4.4. 4.5. 4.6. 4.7. 4.8. 4.9. 4.10. 4.11. 4.11.1. 4.11.2. 4.11.3. 4.11.4.

Leia mais

NOV: 2004. Esta Norma, sob o título geral Sinalização de segurança contra incêndio e pânico, contém as seguintes partes:

NOV: 2004. Esta Norma, sob o título geral Sinalização de segurança contra incêndio e pânico, contém as seguintes partes: NOV: 2004 Projeto NBR 13434-3 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sinalização contra incêndio e pânico - Parte 3 - Requisitos e métodos de ensaio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 /

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 04.0720.0138.1 TE FF DUCTIL TRIPARTIDO C/VEDACAO BORRACHA/SAIDA C/FLANGE DN 300 X 150 - FL PN 10/16-400 MM (COMP. MINIMO) CONSTRUCAO: SEGMENTOS INTEIRICOS, DO MESMO MATERIAL, ACOPLADOS ENTRE SI POR PARAFUSOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA Página 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS E PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H DATA 01.09.1999 10.07.2000 21.07.2004 09.03.09 05.05.09

Leia mais

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7 2 1 - OBJETIVO 1.1 - Esta Especificação fixa os critérios e as exigências técnicas mínimas relativos à aprovação de modelo, fabricação e ao recebimen;o de Caixas para instalação de medidores de energia

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 007296 ACESSORIO PARA FLANGE PN 10 DN 150 - AGUA 8 parafusos de cabeça sextavada com 1 porca sextavada e 2 arruela para fixação dos flanges, para cada parafuso, devem ser de aço ABNT 1020 ou ASTM

Leia mais

Catálogo Técnico. www.novema.com.br

Catálogo Técnico. www.novema.com.br Catálogo Técnico 2014 www.novema.com.br ÍNDICE VÁLVULAS: Fig. Pág. Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VB NVM 01 F 04 Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VI NVM 02 F 05 Gaveta HA WCB FLG ANSI 150 LBS NVM 03 06

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTO DE PRODUTO Código : NAIRI - 10001 REGISTRO GLOBO INDL 45º (11 x 5) Conectada a coluna de hidrante para bloqueio ou tomada de água em sistemas de Para edificações comerciais e áreas industriais ou onde

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 APRESENTAÇÃO Atuando no mercado desde 1988, a DRAGTEC, empresa conceituada no mercado de tubos, apresenta sua linha de produtos para comercialização,

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-81.077

ESPECIFICAÇÃO E-81.077 ESPECIFICAÇÃO E-81.077 PLATAFORMA BIG JUMPER Órgão de origem: Divisão de Planejamento e Engenharia Processo: Expansão Versão: 0.0 Início de Vigência: 26-12-2013 Usuários: Equipes de construção e/ou manutenção

Leia mais

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas CATÁLOGO 800035-A sobre as fichas técnicas Os dados constantes nas fichas técnicas a seguir podem sofrer alterações sem prévio aviso. Alguns modelos possuem pequenas alterações em seus projetos construtivos,

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11 . REV. Página de 4. OBJETIVO. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6. INSPEÇÃO 7. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO . REV. Página de 4. OBJETIVO.. Esta norma

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÃO 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. TOLERÂNCIAS 6. INSPEÇÃO

Leia mais

Válvulas de Guilhotina - Série M. Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes.

Válvulas de Guilhotina - Série M. Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes. Série M Série P Válvulas de Guilhotina - Série M Válvulas para líquidos pastosos, massas, água industrial e semelhantes. Manual Pneumática Dados de Operação BITOLA 50 2 65 21/2 80 3 100 4 125 5 150 6 200

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

TIPO MCS. Câmara de Espuma Argus. Descrição do Produto. Normas aplicáveis. Aplicação. Operação

TIPO MCS. Câmara de Espuma Argus. Descrição do Produto. Normas aplicáveis. Aplicação. Operação Câmara de Espuma Argus TIPO MCS Descrição do Produto As Câmaras Modelo MCS foram desenvolvidas para proporcionar correta expansão e aplicação de espuma no interior de tanques de teto fixo de armazenagem

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDORAS INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS EMISSÃO: JANEIRO /02 REVISÃO: MARÇO /06 FOLHA : 1 / 23 A P R E S E N

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 165

Norma Técnica Sabesp NTS 165 Norma Técnica Sabesp NTS 165 Instalação da Unidade de Medição de Água - UMA (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m 3 /h e 3,0 m 3 /h) Procedimento São Paulo Revisão 05 Janeiro 2015 NTS 165:2015 Rev. 05 Norma Técnica

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 45 LENTE 46 171 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

Adaptadores E.R.¹ x R.I.² / R.E.³

Adaptadores E.R.¹ x R.I.² / R.E.³ Adaptadores E.R.¹ x R.I.² / R.E.³ fabricado em latão anéis e guarnições borracha SBR 70 acabamento: escovado / cromado / zincado preto fosco Utilizado em equipamentos que possuem rosca que necessitem de

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

Informações Técnicas Uso Orientativo

Informações Técnicas Uso Orientativo Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x 45

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

NIVELADOR DE DOCA DESLIZANTE

NIVELADOR DE DOCA DESLIZANTE PREFÁCIO NIVELADOR DE DOCA DESLIZANTE APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada de peças do NIVELADOR DOCA de fabricação exclusiva da ZELOSO.

Leia mais

Mancais de deslizamento - Buchas formadas Parte 1: Dimensões

Mancais de deslizamento - Buchas formadas Parte 1: Dimensões ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT 1998 NBR 14220-1 Mancais de deslizamento - Buchas formadas Parte 1: Dimensões Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa

Leia mais

420 - Série 400. Flangeadas: ISO 7005-2 (PN10 &16) Ranhuradas: ANSI C606 Rosqueadas: NPT Rosqueadas: Rp ISO 7/1 (BSP.P) Padrão das Conexões

420 - Série 400. Flangeadas: ISO 7005-2 (PN10 &16) Ranhuradas: ANSI C606 Rosqueadas: NPT Rosqueadas: Rp ISO 7/1 (BSP.P) Padrão das Conexões Bermad Brasil Válvulas e Soluções Hidráulicas Matriz: Rua Jesuíno Arruda, n 797 - Conj. 22 Itaim Bibi - São Paulo - SP - Brasil CEP: 04532-082 Fone: +55 11 3074.1199 Fax: +55 11 3074.1190 Website: www.bermad.com.br

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

SAN.T.IN.PR 83. Medição de Esgoto em Canal Aberto 1. FINALIDADE

SAN.T.IN.PR 83. Medição de Esgoto em Canal Aberto 1. FINALIDADE 1 / 17 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. AMBITOS DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Este procedimento tem como finalidade definir princípios básicos, especificação

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PLACA DE APOIO DE AÇO LAMINADO SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PLACA DE APOIO DE AÇO LAMINADO SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PLACA DE APOIO DE AÇO LAMINADO 1. OBJETIVO SUMÁRIO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÃO FURAÇÃO 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. TOLERÂNCIAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

Leia mais

Cimento Portland branco

Cimento Portland branco JUL 1993 Cimento Portland branco NBR 12989 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.:

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO GUINCHO HIDRÁULICO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Página 1 a 6 TI-D221-02 M40Fi ISO Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Descrição A válvula M40Fi ISO é uma válvula esfera de passagem reduzida, com construção monobloco, e tem montagem

Leia mais

VÁLVULAS INDUSTRIAIS

VÁLVULAS INDUSTRIAIS VÁLVULAS DE BRONZE VÁLVULAS INDUSTRIAIS Haste Não Ascendente Fig. 601/602 Haste Não Ascendente Fig. 600 Haste Ascendente Fig. 603 Tampa roscada externamente ao corpo até 3 na medida de 4 Corpo, tampa e

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 20/10/2012/2012 20/10/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

QE-40. Tabela de basquete. Componentes. Código de listagem. Atenção. (Pré-laje treliçada) 1 15/09/10. Revisão Data Página 1/6

QE-40. Tabela de basquete. Componentes. Código de listagem. Atenção. (Pré-laje treliçada) 1 15/09/10. Revisão Data Página 1/6 /6 2/6 3/6 4/6 DESCRIÇÃO Constituintes Base do Pilar de concreto: - Concreto moldado in loco, fck>25 MPa; - Armação em aço CA-50A (bitolas indicadas no desenho). Pilar pré-moldado: - Concreto usinado,

Leia mais

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line - PPL - é um novo sistema de tubulação de encaixe rápido projetado para todo tipo de planta de ar comprimido, bem como para outros fluidos, gases

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 282

Norma Técnica Sabesp NTS 282 Norma Técnica Sabesp NTS 282 Guarda-corpos Especificação São Paulo Abril: 2014 revisão 2 NTS 282: 2014 Norma Técnica Sabesp S U M Á R I O 1 OBJETIVO... 1 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 1 3 DEFINIÇÕES... 1

Leia mais

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto Ficha de Produto Edição 09/04/2014 Identificação no: 02 07 03 06 001 0 000002 SikaFuko Eco 1 Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques Descrição

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais