Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)"

Transcrição

1 Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média ) valores em milhares de euros BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES GORDURAS E ÓLEOS ANIMAIS OU VEGETAIS; PRODUTOS DA SUA DISSOCIAÇÃO; GORDURAS ALIMENTARES ELABORADAS; CERAS DE ORIGEM ANIMAL OU PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE MOAGEM; MALTE; AMIDOS E FÉCULAS; INULINA; GLÚTEN DE TRIGO PREPARAÇÕES À PREPARAÇÕES DE BASE DE CEREAIS, FARINHAS, AMIDOS, FÉCULAS OU LEITE; PRODUTOS DE PASTELARIA CARNES, DE PEIXES OU DE CRUSTÁCEOS, DE MOLUSCOS OU DE OUTROS INVERTEBRADOS AQUÁTICOS PRODUTOS HORTÍCOLAS, PLANTAS, RAÍZES E TUBÉRCULOS, PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS DIVERSAS MÓVEIS; [...]; CONSTRUÇÕES PRÉ-FABRICADAS - NC a (móveis de madeira), (construções préfabricadas de madeira) RESÍDUOS E DESPERDÍCIOS DAS INDÚSTRIAS ALIMENTARES; ALIMENTOS PREPARADOS PARA ANIMAIS PAPEL E CARTÃO; OBRAS DE PASTA DE CELULOSE, DE PAPEL OU DE CARTÃO / GPP

2 Ranking das exportações Portugal-São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média ) P Cód. NC Descritivo Média export % do total % acumulada 1 º 22 BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES ,23% 2º 15 GORDURAS ALIMENTARES ELABORADAS; CERAS DE ORIGEM ANIMAL OU ,80% 3º 11 GLÚTEN DE TRIGO ,97% 4º 19 PREPARAÇÕES À BASE DE CEREAIS, FARINHAS, AMIDOS, FÉCULAS OU LEITE; PRODUTOS DE PASTELARIA ,81% 5º 16 PREPARAÇÕES DE CARNES, DE PEIXES OU DE CRUSTÁCEOS, DE MOLUSCOS OU DE OUTROS INVERTEBRADOS AQUÁTICOS ,79% 6 º 07 PRODUTOS HORTÍCOLAS, PLANTAS, RAÍZES E TUBÉRCULOS, ,07% 7 º 21 PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS DIVERSAS ,99% 8º 94 MÓVEIS; [...]; CONSTRUÇÕES PRÉ-FABRICADAS - NC a (móveis de madeira), (construções pré-fabricadas de madeira) ,83% 9º 23 RESÍDUOS E DESPERDÍCIOS DAS INDÚSTRIAS ALIMENTARES; ALIMENTOS PREPARADOS PARA ANIMAIS ,39% 10 º 48 PAPEL E CARTÃO; OBRAS DE PASTA DE CELULOSE, DE PAPEL OU DE CARTÃO ,24% 86,12% 11 º 20 PREPARAÇÕES DE PRODUTOS HORTÍCOLAS, DE FRUTAS OU DE OUTRAS PARTES DE PLANTAS ,92% 12 º 17 AÇÚCARES E PRODUTOS DE CONFEITARIA ,76% 13 º 04 LEITE E LACTICÍNIOS; OVOS DE AVES; MEL NATURAL; PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL, NÃO ESPECIFICADOS NEM COMPREENDIDOS EM OUTROS ,20% CAPÍTULOS 14 º 44 MADEIRA, CARVÃO E OBRAS DE MADEIRA ,14% 15 º 02 CARNES E MIUDEZAS, ,90% 16 º 09 CAFÉ, CHÁ, MATE E ESPECIARIAS ,73% 17 º 03 PEIXES E CRUSTÁCEOS, MOLUSCOS E OUTROS INVERTEBRADOS AQUÁTICOS ,53% 18 º 08 FRUTAS; CASCAS DE CITRINOS E DE MELÕES ,43% 19 º 10 CEREAIS ,35% 20 º 18 CACAU E SUAS PREPARAÇÕES ,19% 13,16% 21 º 13 GOMAS, RESINAS E OUTROS SUCOS E EXTRACTOS VEGETAIS ,15% 22 º 12 SEMENTES E FRUTOS OLEAGINOSOS; GRÃOS, SEMENTES E FRUTOS DIVERSOS; PLANTAS INDUSTRIAIS OU MEDICINAIS; PALHAS E FORRAGENS ,15% 23 º 24 TABACO E SEUS SUCEDÂNEOS MANUFACTURADOS ,14% 24 º 01 ANIMAIS VIVOS ,11% 25 º 33 ÓLEOS ESSENCIAIS E RESINÓIDES; [...] - NC 3301 (óleos essenciais, desterpenizados ou não, incluindo os chamados "concretos" ou "absolutos"; resinóides; oleorresinas de ,07% extracção; [...]) 26 º 47 PASTAS DE MADEIRA OU DE OUTRAS MATÉRIAS FIBROSAS CELULÓSICAS; PAPEL OU CARTÃO PARA RECICLAR (DESPERDÍCIOS E APARAS) ,02% 27 º 05 OUTROS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL, NÃO ESPECIFICADOS NEM COMPREENDIDOS EM OUTROS CAPÍTULOS ,02% 28 º 52 ALGODÃO - NC 5201 a 5203 (algodão e desperdícios de algodão) ,02% 29 º 45 CORTIÇA E SUAS OBRAS ,02% 30 º 06 PLANTAS VIVAS E PRODUTOS DE FLORICULTURA 511 0,00% 0,71% 31 º º º º 14 MATÉRIAS ALBUMINÓIDES; PRODUTOS À BASE DE AMIDOS OU DE FÉCULAS MODIFICADOS; COLAS; ENZIMAS - NC 3501 a 3505 (caseínas, albuminas, gelatinas, peptonas, dextrinas) 417 0,00% PRODUTOS DIVERSOS DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS - NC 3803 (tall oil), 3805 (essências de terebintina, de pinheiro, [...]), 3806 (colofónias, ácidos resínicos, [...]), (agentes de acabamento), (sorbitol - não especificado noutros capítulos) OUTRAS FIBRAS TÊXTEIS VEGETAIS; [...] - NC 5301 (linho em bruto) e 5302 (cânhamo em bruto) MATÉRIAS PARA ENTRANÇAR E OUTROS PRODUTOS DE ORIGEM, NÃO ESPECIFICADOS NEM COMPREENDIDOS NOUTROS CAPÍTULOS Total 252 0,00% 170 0,00% 14 0,00% 0,01% ,00% 100,00%

3 Principais importações de São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média ) GORDURAS E ÓLEOS ANIMAIS OU VEGETAIS; PRODUTOS DA SUA DISSOCIAÇÃO; GORDURAS ALIMENTARES ELABORADAS; CERAS DE ORIGEM ANIMAL OU CACAU E SUAS PREPARAÇÕES PLANTAS VIVAS E PRODUTOS DE FLORICULTURA BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES CEREAIS PRODUTOS DA CAFÉ, CHÁ, MATE E INDÚSTRIA DE ESPECIARIAS MOAGEM; MALTE; AMIDOS E FÉCULAS; INULINA; GLÚTEN DE TRIGO CARNES E MIUDEZAS, PRODUTOS MADEIRA, CARVÃO HORTÍCOLAS, E OBRAS PLANTAS, RAÍZES E DE MADEIRA TUBÉRCULOS, / GPP

4 Ranking das importações Portugal-São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média ) P Cód. NC Descritivo Média import % do total % acumulada 1º 15 GORDURAS ALIMENTARES ELABORADAS; CERAS DE ORIGEM ANIMAL OU ,02% 2 º 18 CACAU E SUAS PREPARAÇÕES ,41% 3 º 06 PLANTAS VIVAS E PRODUTOS DE FLORICULTURA ,63% 4 º 22 BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES ,42% 5 º 10 CEREAIS ,35% 6º 11 GLÚTEN DE TRIGO ,11% 7 º 09 CAFÉ, CHÁ, MATE E ESPECIARIAS ,10% 8 º 02 CARNES E MIUDEZAS, ,96% 9 º 07 PRODUTOS HORTÍCOLAS, PLANTAS, RAÍZES E TUBÉRCULOS, ,80% 10 º 44 MADEIRA, CARVÃO E OBRAS DE MADEIRA ,61% 99,41% 11 º 08 FRUTAS; CASCAS DE CITRINOS E DE MELÕES 992 0,59% 0,59% Total ,00% 100,00%

5 Trocas comerciais Portugal-São Tomé e Príncipe em produtos agrícolas, florestais e das pescas ( ) Importações Exportações Cód. NC / Descritivo média média ANIMAIS VIVOS CARNES E MIUDEZAS, PEIXES E CRUSTÁCEOS, MOLUSCOS E OUTROS INVERTEBRADOS AQUÁTICOS LEITE E LACTICÍNIOS; OVOS DE AVES; MEL NATURAL; PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL, NÃO ESPECIFICADOS NEM COMPREENDIDOS EM OUTROS CAPÍTULOS OUTROS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL, NÃO ESPECIFICADOS NEM COMPREENDIDOS EM OUTROS CAPÍTULOS PLANTAS VIVAS E PRODUTOS DE FLORICULTURA PRODUTOS HORTÍCOLAS, PLANTAS, RAÍZES E TUBÉRCULOS, FRUTAS; CASCAS DE CITRINOS E DE MELÕES CAFÉ, CHÁ, MATE E ESPECIARIAS CEREAIS GLÚTEN DE TRIGO SEMENTES E FRUTOS OLEAGINOSOS; GRÃOS, SEMENTES E FRUTOS DIVERSOS; PLANTAS INDUSTRIAIS OU MEDICINAIS; PALHAS E FORRAGENS GOMAS, RESINAS E OUTROS SUCOS E EXTRACTOS VEGETAIS MATÉRIAS PARA ENTRANÇAR E OUTROS PRODUTOS DE ORIGEM, NÃO ESPECIFICADOS NEM COMPREENDIDOS NOUTROS CAPÍTULOS GORDURAS ALIMENTARES ELABORADAS; CERAS DE ORIGEM ANIMAL OU PREPARAÇÕES DE CARNES, DE PEIXES OU DE CRUSTÁCEOS, DE MOLUSCOS OU DE OUTROS INVERTEBRADOS AQUÁTICOS AÇÚCARES E PRODUTOS DE CONFEITARIA CACAU E SUAS PREPARAÇÕES PREPARAÇÕES À BASE DE CEREAIS, FARINHAS, AMIDOS, FÉCULAS OU LEITE; PRODUTOS DE PASTELARIA PREPARAÇÕES DE PRODUTOS HORTÍCOLAS, DE FRUTAS OU DE OUTRAS PARTES DE PLANTAS PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS DIVERSAS BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES RESÍDUOS E DESPERDÍCIOS DAS INDÚSTRIAS ALIMENTARES; ALIMENTOS PREPARADOS PARA ANIMAIS TABACO E SEUS SUCEDÂNEOS MANUFACTURADOS ÓLEOS ESSENCIAIS E RESINÓIDES; [...] - NC 3301 (óleos essenciais, desterpenizados ou não, incluindo os chamados "concretos" ou "absolutos"; resinóides; oleorresinas de extracção; [...]) MATÉRIAS ALBUMINÓIDES; PRODUTOS À BASE DE AMIDOS OU DE FÉCULAS MODIFICADOS; COLAS; ENZIMAS - NC 3501 a 3505 (caseínas, albuminas, gelatinas, peptonas, dextrinas) PRODUTOS DIVERSOS DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS - NC 3803 (tall oil), 3805 (essências de terebintina, de pinheiro, [...]), 3806 (colofónias, ácidos resínicos, [...]), (agentes de acabamento), (sorbitol - não especificado noutros capítulos) MADEIRA, CARVÃO E OBRAS DE MADEIRA CORTIÇA E SUAS OBRAS PASTAS DE MADEIRA OU DE OUTRAS MATÉRIAS FIBROSAS CELULÓSICAS; PAPEL OU CARTÃO PARA RECICLAR (DESPERDÍCIOS E APARAS) PAPEL E CARTÃO; OBRAS DE PASTA DE CELULOSE, DE PAPEL OU DE CARTÃO ALGODÃO - NC 5201 a 5203 (algodão e desperdícios de algodão) OUTRAS FIBRAS TÊXTEIS VEGETAIS; [...] - NC 5301 (linho em bruto) e 5302 (cânhamo em bruto) MÓVEIS; [...]; CONSTRUÇÕES PRÉ-FABRICADAS - NC a (móveis de madeira), (construções pré-fabricadas de madeira) Totais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS DE PORTUGAL. produtos agrícolas, florestais e das pescas Todos os Países do Mundo

PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS DE PORTUGAL. produtos agrícolas, florestais e das pescas Todos os Países do Mundo PRINCIPAIS PARCEIROS COMERCIAIS DE PORTUGAL produtos agrícolas, florestais e das pescas Todos os Países do Mundo 2004-2008 Ficha Técnica Título Autor Editor Impressão e distribuição Principais Parceiros

Leia mais

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/331 ANEXO I LISTA PREVISTA NO ARTIGO 38. o DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos

Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos 1. Introdução Pretende-se com esta análise, apresentar de forma sucinta, o Índice das Vantagens Comparativas

Leia mais

PORTUGAL GREECE Trade Balance

PORTUGAL GREECE Trade Balance PORTUGAL GREECE Trade Balance March 2013 TRADE BALANCE PORTUGAL GREECE IMPORTS (CIF) Annual Variation % EXPORTS (FOB) Annual Variation % 10³ Euros BALANCE 2003 81.998 121.881 39.883 2004 76.487-6,72 126.685

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

O setor agroexportador brasileiro no contexto da integração Mercosul/UE 1

O setor agroexportador brasileiro no contexto da integração Mercosul/UE 1 O setor agroexportador brasileiro no contexto da integração Mercosul/UE 1 Norberto Martins Vieira 2 Fátima Marília Andrade de Carvalho 3 Resumo: A partir da perspectiva de constituição do acordo Mercosul/UE,

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 12 Dezembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Comércio Internacional

Comércio Internacional Aula 1 Introdução Comércio Internacional Sílvia H. G. de Miranda Profa. Depto. Economia - ESALQ/USP Pesquisadora CEPEA Contato: shgdmira@usp.br LES596 Economia Internacional Agosto/2015 1 Roteiro de aula

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991 A FORMAÇÃO DA ALCA E SEU IMPACTO NO POTENCIAL EXPORTADOR BRASILEIRO PARA OS MERCADOS DOS ESTADOS UNIDOS E DO CANADÁ João Alberto De Negri Jorge Saba Arbache

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo está publicado em: www.cepea.esalq.usp.br/macro/ 1. Introdução EXPORTAÇÕES

Leia mais

São Tomé e Príncipe. Inteligência de Mercados Internacionais. Extensão: 1.001 km². População: 187.356 hab. Idioma: Português. Moeda: Dobra (STD)

São Tomé e Príncipe. Inteligência de Mercados Internacionais. Extensão: 1.001 km². População: 187.356 hab. Idioma: Português. Moeda: Dobra (STD) in Inteligência de Mercados Internacionais Extensão: 1.001 km² População: 187.356 hab. Idioma: Português Moeda: Dobra (STD) Centros comerciais: Santo Tomé (capital), Príncipe., situado no Golfo da Guiné,

Leia mais

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 PRODUTOS Jan-Jun 2013 Jan-Jun 2014 Crescimento 2013/2014 Outras frutas de casca rija e outras sementes, preparadas ou

Leia mais

Grandes empresas e rede de fornecedores

Grandes empresas e rede de fornecedores Grandes empresas e rede de fornecedores Portugal Sou Eu Tiago Silva Abade Manager PwC Agenda 1. Portugal Sou Eu - Enquadramento 2. Enquadramento económico 3. Maximização de vantagens 4. Medidas de reforço

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1

CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1 CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1 Silvio Miyazaki 2 1 - INTRODUÇÃO 1 2 A busca de mercados externos alternativos aos tradicionais - Estados Unidos, Europa

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 No ano de 2013, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 56,32 bilhões (23,3% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

Manhã Técnica. Mercados Florestais

Manhã Técnica. Mercados Florestais Manhã Técnica Mercados Florestais APFC Associação de Produtores Florestais de Coruche 27. 03. 2015 2 Enquadramento Tx Câmbio EURO/USD 3 Tendência de diminuição desde o 2.ª T 2014 que favorece as nossas

Leia mais

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES Classe 30 Café, chá, cacau, açúcar, arroz, tapioca, sagu, sucedâneos do café; farinhas e preparações feitas de cereais, pão, pastelaria e confeitaria, gelados; mel,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito presumido dos insumos utilizados na produção de aves destinada à exportação ou alimentação humana /

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito presumido dos insumos utilizados na produção de aves destinada à exportação ou alimentação humana / aves destinada à exportação ou alimentação humana / 03/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Exemplo Prático... 3 2.2. Lei 12.350/2010... 3 2.3.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PLANO ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PERFIL ECONÔMICO E INSERÇÃO INTERNACIONAL DO PARÁ SÃO PAULO MARÇO/2009 EQUIPE TÉCNICA Carlos

Leia mais

ESLOVÉNIA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

ESLOVÉNIA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte ESLOVÉNIA Trocas comerciais com Portugal (PT) 212-216 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional Eslovénia - Síntese dados: 215 provisórios; 216

Leia mais

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010.

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1 * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. NAS OPERAÇÕES COM PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Acrescentado pelo DECRETO nº 26.258 de 30.12.2009 DOE: 30.12.2009

Leia mais

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1 BALANÇA ALIMENTAR PORTUGUESA 14 de Dezembro de 26 - CONSUMO DE PROTEÍNAS E GORDURAS EM PORTUGAL É TRÊS VEZES SUPERIOR AO RECOMENDADO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS DIMINUI 16% EM 14 ANOS E É ULTRAPASSADO

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA (EUA) Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA (EUA) Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA (EUA) Trocas comerciais com Portugal (PT) 211-215 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional EUA - Síntese dados: 214

Leia mais

SEYCHELLES Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

SEYCHELLES Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte SEYCHELLES Trocas comerciais com Portugal (PT) 212-216 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional Seychelles - Síntese dados: 216 provisórios

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

Comércio Internacional dos Açores

Comércio Internacional dos Açores VII Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional 09/10/2015 Cristina Neves INE- Departamento de Estatísticas Económicas Comércio Internacional dos Açores Estrutura da apresentação Estatísticas do

Leia mais

ANEXO A.1 Formulário Dietético

ANEXO A.1 Formulário Dietético ANEXO A.1 Formulário Dietético I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo A.2 (Capitações dos alimentos de refeições confecionadas e preparações culinárias) e do anexo

Leia mais

ESTATÍSTICAS do COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS do COMÉRCIO EXTERNO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DO PLANO E DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE ESTATÌSTICA Timor-leste ESTATÍSTICAS do COMÉRCIO EXTERNO 2004 Dili, Timor-leste Março de 2005 Prefácio Tenho

Leia mais

PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA)

PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA) PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA) TRABALHO DESENVOLVIDO E PERSPECTIVAS FUTURAS Doutora Silvina Ferro Palma Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Beja Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

AUSTRÁLIA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

AUSTRÁLIA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte AUSTRÁLIA Trocas comerciais com Portugal (PT) 211-215 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional Austrália - Síntese dados: 214 definitivos; 215

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

PARAGUAI Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

PARAGUAI Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte PARAGUAI Trocas comerciais com Portugal (PT) 211-215 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional Paraguai - Síntese dados: 214 definitivos; 215

Leia mais

SUDÃO Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

SUDÃO Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte SUDÃO Trocas comerciais com Portugal (PT) 212-216 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional Sudão - Síntese dados: 216 provisórios 1. Evolução

Leia mais

Comércio Internacional do Complexo Agroflorestal e Pescas

Comércio Internacional do Complexo Agroflorestal e Pescas Comércio Internacional do Complexo Agroflorestal e Pescas Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral 1. Enquadramento: O Instituto Nacional de Estatística (INE) apresenta as estatísticas

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

ÁFRICA DO SUL Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

ÁFRICA DO SUL Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte ÁFRICA DO SUL Trocas comerciais com Portugal (PT) 211-215 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional África do Sul - Síntese dados: 214 definitivos;

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Minas Gerais. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Minas Gerais. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 30/2014 Minas Gerais // Federal IPI Recolhimento espontâneo em atraso.... 01 // Estadual ICMS Incentivo ao setor industrial fabricante de pá-carregadeira,

Leia mais

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014 Informação Geral sobre o Chile Área (km 2 ): 756 096 Risco de crédito (*): População (milhões hab.): 17,7 (estimativa ) Risco do país: A2 (A = risco menor; D = risco maior) Capital: Santiago do Chile Unidade

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88 INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante Amargos e aperitivos Cereja em calda (para reconstituição da cor perdida durante processamento) Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

COMPETITIVIDADE E DESEMPENHO EXTERNO DOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL NO PERÍODO 1995-2004

COMPETITIVIDADE E DESEMPENHO EXTERNO DOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL NO PERÍODO 1995-2004 COMPETITIVIDADE E DESEMPENHO EXTERNO DOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL NO PERÍODO 1995-2004 Francisca Diana Ferreira Viana é economista graduada pela Universidade Federal do Ceará e, atualmente,

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

REPÚBLICA DOMINICANA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

REPÚBLICA DOMINICANA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte REPÚBLICA DOMINICANA Trocas comerciais com Portugal (PT) 211-215 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional República Dominicana - Síntese dados:

Leia mais

Complementaridade entre grandes compradores e fornecedores PME

Complementaridade entre grandes compradores e fornecedores PME Complementaridade entre grandes compradores e fornecedores PME Índice Introdução... 3 1. A substituição das importações em economia aberta e oportunidades para as PME... 6 1.1. Maximização de oportunidades

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Mato Grosso do Sul. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Mato Grosso do Sul. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 30/2014 Mato Grosso do Sul // Federal IPI Recolhimento espontâneo em atraso.... 01 // Estadual ICMS Inscrição estadual do substituto tributário relativa às

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Enquadramento A aicep Portugal Global Canais de

Leia mais

Haiti - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Haiti - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre o Haiti Área (km 2 ): 27 750 Primeiro-Ministro: Laurent Lamothe População (milhões hab.): 10,3 () Risco de crédito : 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Port-au-Prince

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

ESTÓNIA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas

ESTÓNIA Trocas comerciais com Portugal (PT) Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Fonte ESTÓNIA Trocas comerciais com Portugal (PT) 211-215 Setores agrícola e agroalimentar, do mar e das florestas Estatísticas do Comércio Internacional Estónia - Síntese dados: 214 definitivos; 215 preliminares

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.2010

Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.2010 Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.010 D.O.U.: 10.08.010 Altera o Protocolo ICMS 8/09, que dispõe sobre a substituição

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014. A Secretária do Desenvolvimento da Produção do Ministério

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

Tabela de Correspondência CNAE-Fiscal 1.1 x CNAE 2.0 e subclasses

Tabela de Correspondência CNAE-Fiscal 1.1 x CNAE 2.0 e subclasses Tabela de Correspondência A A A A 01 01 01 01 01 CNAE-Fiscal 1.1 (versão atual) CNAE 2.0 e subclasses (D.O.U. 05/09/2006) código código AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL AGRICULTURA,

Leia mais

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Agosto

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Publicado no DOU de 09.04.12 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES A. CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA 1. Montante Global: Até 500 Milhões de Euros. 2. Empresas beneficiárias: As empresas beneficiárias terão de

Leia mais

ICMS INCIDENTE SOBRE ALIMENTOS

ICMS INCIDENTE SOBRE ALIMENTOS ICMS INCIDENTE SOBRE ALIMENTOS Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2009 MERCADORIAS SUJEITAS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 313-W do RICMS)

Leia mais

TABELA DE INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (TIPI) -VERSÃO 2007-

TABELA DE INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (TIPI) -VERSÃO 2007- TABELA DE INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (TIPI) -VERSÃO 2007- S U M Á R I O SEÇÃO I ANIMAIS VIVOS E PRODUTOS DO REINO ANIMAL 1 Animais vivos. 2 Carnes e miudezas, comestíveis. 3

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL* - Agronegócio, Eletrônica e TIC e Biotecnologia 2010-2014 * Mercado Comum do Sul, composto pela República Federativa do Brasil, República da Argentina, República do Paraguai, República

Leia mais

DIZERES DE ROTULAGEM- PICOLÉ

DIZERES DE ROTULAGEM- PICOLÉ Página 1 de 19 SORVETE: Picolé Sabor de Milho Verde AROMATIZADO E COLORIDO ARTIFICIALMENTE. INGREDIENTES: água, açúcar, leite em pó integral, gordura de palma, glicose em pó, creme de milho, proteína de

Leia mais

O que é uma empresa rural?

O que é uma empresa rural? Contabilidade Rural Prof. João Marcelo O que é uma empresa rural? É aquela que explora a capacidade produtiva do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS ALIMENTOS SANTA CATARINA EM NÚMEROS Alimentos SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998.

Leia mais

Cabo Verde - Síntese País

Cabo Verde - Síntese País Informação Geral sobre Cabo Verde Área (km 2 ): 4 033 Primeiro-Ministro: José Maria Neves População: 504 000 (estimativa 2014) Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Praia Unidade

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 1 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL Caracterização com base no Inquérito aos Orçamentos Familiares de 2000 >Rute

Leia mais

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81%

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% 02 de abril de 2013 Abastecimento Alimentar em Portugal Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% Portugal apresenta um grau de autossuficiência 1 alimentar de 81%, expresso em valor,

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DTB MIAMI CORP. INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO Data: (mês/dia/ano) SECTION 1 TIPO DE REGISTO 1a REGISTRO DOMESTICO REGISTRO ESTRANGEIRO 1b REGISTRO INICIAL ATUALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE REGISTRO

Leia mais

SEÇÃO IV PRODUTOS DAS INDÚSTRIAS ALIMENTARES; BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES; TABACO E SEUS SUCEDÂNEOS MANUFATURADOS

SEÇÃO IV PRODUTOS DAS INDÚSTRIAS ALIMENTARES; BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES; TABACO E SEUS SUCEDÂNEOS MANUFATURADOS SEÇÃO IV PRODUTOS DAS INDÚSTRIAS ALIMEARES; BEBIDAS, LÍQUIDOS ALCOÓLICOS E VINAGRES; TABACO E SEUS SUCEDÂNEOS MANUFATURADOS Nota. 1.- Na presente Seção, o termo "pellets" designa os produtos apresentados

Leia mais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Balança Alimentar Portuguesa 2003-2008 No período entre 2003 e 2008 acentuaram-se os desequilíbrios da dieta alimentar portuguesa. Excesso de

Leia mais

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS.

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS. Desafio: Whole30 INTRODUÇÃO Seja bem-vindo ao seu novo programa de reeducação alimentar Whole30! A partir de hoje durante 30 dias você vai seguir essa dieta exatamente como está aqui. Cada vez que você

Leia mais

ANEXO. Regulamento Delegado da Comissão

ANEXO. Regulamento Delegado da Comissão COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.7.2015 C(2015) 5195 final ANNEX 1 PART 2/3 ANEXO do Regulamento Delegado da Comissão que complementa o Regulamento (UE) n.º 952/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho com

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Em conformidade com o disposto no nº 1 do Capítulo I, nº 2 do Anexo I, nº 2 do Anexo II e nº 1 do Anexo III, todos do Protocolo da

Leia mais

APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS

APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS A fome e o desperdício de alimentos são dois dos maiores problemas que o Brasil enfrenta, constituindo-se em um dos paradoxos de nosso país. Produzimos 140 milhões

Leia mais

Coreia do Sul. Balança Comercial Total e Agrícola. Coreia do Sul 2007 2011 Var. Média Anual (%) Agrícola* 17.457.080 28.012.

Coreia do Sul. Balança Comercial Total e Agrícola. Coreia do Sul 2007 2011 Var. Média Anual (%) Agrícola* 17.457.080 28.012. Coreia do Sul Coreia do Sul Capital: Seul População 1 : 48,4 bilhões de habitantes PIB (2011) 2 : US$1,164 trilhão PIB per capita (2011) 2 : US$ 23.804 PIB por setor 3 : Agricultura: 2,6% Indústria: 39,2%

Leia mais

Unidade de Inteligência Comercial Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Unidade de Inteligência Comercial Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br C a z a q u i s t ã o, T u r q u i a e U z b e q u i s t ã o Unidade de Inteligência Comercial Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br 0 Introdução O presente levantamento

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Capítulo 12. Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens

Capítulo 12. Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens Capítulo 12 Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens Notas. 1. Consideram-se sementes oleaginosas, na acepção da posição 12.07,

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

NELAG Núcleo de Empresários da Lagoa NEWSLETTER n.º5 25.Outubro.2013

NELAG Núcleo de Empresários da Lagoa NEWSLETTER n.º5 25.Outubro.2013 Boletim Informativo: - Calendário Fiscal Novembro e Dezembro - Novo Regime de Bens - Manual Regime Circulação de Bens em circulação para venda e consulta - Controlo Integrado de Roedores novas imposições

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

PERFIL E BALANÇA COMERCIAL ANGOLA

PERFIL E BALANÇA COMERCIAL ANGOLA GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS PERFIL E BALANÇA COMERCIAL ANGOLA 2 ANGOLA País localizado no

Leia mais

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE?

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? A sujidade é um residual físico, químico ou biológico considerado estranho ao produto original, que pode ser capaz de provocar efeitos deterioráveis, detectados visualmente

Leia mais