PROJOVEM TRABALHADOR JUVENTUDE CIDADÃ TERMO DE REFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJOVEM TRABALHADOR JUVENTUDE CIDADÃ TERMO DE REFERÊNCIA"

Transcrição

1 PROJOVEM TRABALHADOR JUVENTUDE CIDADÃ TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Programa Nacional de Inclusão de Jovens Projovem foi concebido pelo Governo Federal, com o objetivo de ampliar o atendimento aos jovens excluídos da escola e da formação profissional. O programa permitirá que os jovens sejam reintegrados ao processo educacional, recebam qualificação profissional e tenham acesso a ações de cidadania, inserção no mundo do trabalho, esporte, cultura e lazer. Foram unificados seis programas já existentes voltados para a juventude Agente Jovem, Projovem, Saberes da Terra, Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego (Consórcio Social da Juventude e Juventude Cidadã) e Escola de Fábrica em um único Programa, nos termos da Medida Provisória nº 411, de 28 de dezembro de 2007, convertida na Lei nº , de 10 de junho de 2008, cuja regulamentação consta do Decreto nº 6.629, de 4 de novembro de A gestão do Projovem é compartilhada entre a Secretaria-Geral da Presidência da República, por meio da Secretaria Nacional de Juventude e os Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, da Educação e do Trabalho e Emprego. O Programa tem quatro modalidades: Projovem Urbano; Projovem Campo Saberes da Terra; Projovem Trabalhador; e Projovem Adolescente. Cabe ao Ministério do Trabalho e Emprego MTE, por intermédio da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego SPPE/MTE, a coordenação e a execução da modalidade Projovem Trabalhador que é composta pelas seguintes submodalidades: Juventude Cidadã, Consórcio Social da Juventude, Empreendedorismo e Escola de Fábrica. Este Termo de Referência trata especificamente da submodalidade Juventude Cidadã de que trata o inciso II do art. 39 do Decreto nº 6.629, de 2008, doravante denominada Projovem Trabalhador Juventude Cidadã, a ser executada em parceria com os Estados, Distrito Federal e Municípios, doravante denominados Entes. 2. PÚBLICO ALVO O Projovem Trabalhador Juventude Cidadã beneficiará jovens de 18 a 29 anos que estejam em situação de desemprego e sejam membros de famílias com renda mensal per capita de até um salário mínimo, que, em virtude de suas condições sócio-econômicas, têm maior dificuldade de inserção na atividade produtiva, ou seja, de maior vulnerabilidade frente ao mundo do trabalho e que: I estejam cursando ou tenham concluído o ensino fundamental; ou II estejam cursando ou tenham concluído o ensino médio, e não estejam cursando ou tenham concluído o ensino superior. 3. OBJETIVOS

2 3.1 GERAL Promover a criação de oportunidades de trabalho, emprego e renda para os jovens em situação de maior vulnerabilidade frente ao mundo do trabalho, por meio da qualificação sócio- profissional com vistas à inserção na atividade produtiva. 3.2 ESPECÍFICOS I - promover ações que contribuam para o reconhecimento e valorização dos direitos humanos da cidadania e com a redução das desigualdades; II - preparar e inserir os jovens no mundo do trabalho, em ocupações com vínculo empregatício ou em outras atividades produtivas legais geradoras de renda. 4. DEFINIÇÃO DE METAS Com o intuito de fazer uma distribuição transparente e justa das ações de qualificação do Projovem Trabalhador, foi elaborado um modelo para a definição de distribuição das metas de qualificação, por unidade federativa, em conformidade com as disposições do art. 41 do Decreto nº 6.629, de Após análise de diversos indicadores, decidiu-se utilizar no referido modelo as seguintes variáveis: taxa de desemprego juvenil; taxa de participação na vulnerabilidade socioeconômica juvenil; a média do saldo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) dos últimos três anos e; Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), como indicadores para a ponderação da meta de qualificação para cada unidade federativa. A seguir, foi estabelecida uma proporção da população economicamente ativa (PEA) juvenil desocupada pela PEA total. Tais dados foram obtidos através da Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (PNAD), de 2006, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. A taxa encontrada foi transformada em índice de ponderações. Como indicador de mercado de trabalho local, foi utilizado o saldo CAGED dos últimos três anos por unidade da federação, servindo para ponderar a tendência de absorção dos jovens qualificados em relação ao mercado de trabalho. O IDH foi utilizado devido à sua peculiaridade em mensurar a questão da renda, educação, longevidade e abrangência nacional. fórmula: Com os indicadores definiu-se a meta para cada unidade federativa com base na seguinte Meta por Unidade Federativa (MUF) = Meta Ponderada (MP) X Meta Física Consignada (MF) Entende-se como Meta Física Consignada (MF) o número de jovens a serem atendidos pelo ProJovem Trabalhador com base na Lei Orçamentária Anual LOA. A Meta Ponderada (MP) será composta por indicadores sociais e econômicos aplicados na formula abaixo:

3 MP = (Saldo CAGED X 0,4) + (IDH X 0,2) + (Distribuição da MF pela PEA jovem vulnerável X 0,4) Caso não exista demanda por parte de entes públicos ou privados, as Metas por Unidade Federativa (MUF) poderão ser redistribuídas de acordo com o quantitativo de demandas existentes. Para fins de estabelecimento das metas do Distrito Federal serão acrescidos os municípios da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno RIDE/DF, sendo os mesmos excluídos do cálculo das respectivas metas dos estados de localização desses municípios. 5. QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL Como elemento orientador e facilitador do processo de qualificação e inserção dos jovens no mundo do trabalho, o Projovem Trabalhador Juventude Cidadã utilizará a metodologia dos arcos ocupacionais, que já vem sendo utilizada pela Presidência da República, Ministério do Trabalho e Emprego e outros ministérios que trabalham com projetos de qualificação de jovens. Os arcos ocupacionais abrangem as esferas da produção e da circulação (indústria, comércio e prestação de serviço), garantindo assim um maior campo de atuação, visando aumentar as possibilidades de inserção ocupacional dos jovens. Durante a execução das ações de qualificação social e profissional serão abordados temas transversais como empreendedorismo e economia solidária, equidade de gênero, gestão pública, terceiro setor, português, matemática e língua estrangeira. Na programação dos cursos, o conteúdo da qualificação social será o primeiro a ser ministrado, e, na sequência, o conteúdo da qualificação profissional, observadas as respectivas cargas horárias de que trata o item CARGA HORÁRIA O Projovem Trabalhador Juventude Cidadã terá uma carga horária de 350 horas/aula custeadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, sendo 100 horas/aula de Qualificação Social e 250 horas/aula de Qualificação Profissional. A carga horária será distribuída em 24 (vinte e quatro) semanas, sendo 15 (quinze) horas/aula por semana, conforme o quadro a seguir: Qualificação Social Qualificação Profissional Total 100 horas/aula em 07 semanas 250 horas/aula em 17 semanas 15 horas/aula por semana 350 horas/aula em 24 semanas

4 5.2. ITENS DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL Os cursos de qualificação social do Projovem Trabalhador Juventude Cidadã terão o seguinte conteúdo: Inclusão digital 40 horas/aula. Inclusão Digital: a empresa executora deverá ensina a trabalhar com os seguintes programas Windows XP, Word 2007, Excel 2007 e internet Explorer. Conteúdo do curso de Inclusão Digital Windows Word 2007 Excel 2007 Internet e s 15 horas 10 horas 10 horas 05 horas Ligar e desligar o computador Noções de Hardware Windows Manipulação de janelas Paint Conhecendo os menus Bloco de notas e teclado Calculadora Wordpad Word 2007 Ambiente Word 2007 Correção Ortográfica Formatar e salvar documentos Guias layout da página Conteúdo do curso de Inclusão Digital Redação comercial Excel 2007 Conhecendo ambiente Controle de estoque Movimentando-se pela planilha Tabelas Internet História e evolução Definições de site Definições de Navegadores Criação de Como fazer pesquisas na internet Valores humanos, ética e cidadania

5 Conteúdo do curso de Valores humanos, ética e cidadania 10 horas/aula Valores Humanos: Ética: - Valores pessoais no mundo dos negócios - Afinal, o que significa ética? - Cultura organizacional e valores individuais - Necessidade e relevância da ética - O impacto dos valores do trabalho sobre o - Porque falta ética e a quem a falta da ética comportamento no trabalho prejudica? - Valores e mudança organizacional - Código de Ética - Valores relativos à competição organizacional Cidadania: - Conceitos e relevância - Direito Universal: Todas as pessoas nascem livres e são iguais perante a lei - Direito Universal: Todas as pessoas têm direito à educação e a serviços de saúde gratuitos Educação ambiental, higiene pessoal, promoção da qualidade de vida Conteúdo do curso de Educação Ambiental, Higiene Pessoal, Promoção da Qualidade de Vida 10 horas/aula Educação Ambiental: Higiene Pessoal: - Ecologia e Poluição Ambiental - Desenvolvimento Sustentável - Conservação e Preservação - Educação Ambiental - Conscientização Ambiental - Qualidade Ambiental - Riscos Ambientais Promoção da Qualidade de Vida: - Aspectos físicos: alimentação, descanso, sono - Aspectos mentais: motivação, influência dos pensamentos e sentimentos - Aspectos espirituais: crenças e valores - Banho - Dentes - Pés e Mãos - Orelhas - Cabelos - Roupas e Acessórios

6 Noções de direitos trabalhistas, formação de cooperativas, prevenção de acidentes de trabalho Conteúdo do Curso de Noções de Direitos Trabalhistas, Formação de Cooperativas, Prevenção de Acidentes de Trabalho 20 horas/aula Noções de Direitos Trabalhistas: Formação de Cooperativas: - Conceitos e relevância - Consolidação das Leis do Trabalho - Contrato de trabalho - Empregador x Empregado - Duração do trabalho - Cálculos trabalhistas: folha de pagamento, férias, 13º salário e rescisão contratual - O que é uma cooperativa? - Constituição de uma cooperativa - Pontos críticos para a tomada de decisão - Boa preparação - Oito etapas para o desenvolvimento cooperativo - Primeira etapa: desenvolvimento de idéias - Segunda etapa: edificar um consenso - Terceira etapa: identificar dirigentes potenciais - Quarta etapa: estudar a viabilidade do negócio - Quinta etapa: consolidar uma estrutura constitucional - Sexta etapa: assegurar o empenho por parte dos membros - Sétima etapa: assegurar o empenho por parte de outros detentores de interesse chave - Oitava etapa: reunir o pessoal e os capitais para a iniciação da empresa cooperativa Empreendedorismo Conteúdo do Curso de Empreendedorismo 20 horas/aula - Pré-requisitos necessários para iniciar um empreendimento - A importância do plano de negócios - Elaboração de um plano de negócios 5.3. ITENS DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A oferta de cursos de qualificação profissional deverá estar em consonância com a demanda de empregabilidade que será parte integrante do Plano de Implementação do Projovem Trabalhador Juventude Cidadã. Caso haja aula prática, esta deverá ser desenvolvida em condições laboratoriais, ou seja, as

7 pessoas jurídicas públicas ou privadas contratadas para prestarem os serviços de qualificação profissional poderão utilizar tanto instalações próprias com reprodução das condições reais, de acordo com o curso, bem como fazer parcerias com outras pessoas jurídicas, desde que, quando da execução das aulas, o parceiro não utilize os jovens para o funcionamento regular de suas atividades. O conteúdo da oferta dos cursos de qualificação profissional deverá ser elaborada com base na seguinte relação de arcos ocupacionais: Administração Conteúdo do Curso de Administração 250 h 25 horas (informações gerais sobre cada profissão, parte introdutória dos estudos): - O funcionário curinga - Quais as perspectivas profissionais? - O que faz cada um - Os aspectos emocionais - O que é e como funciona uma empresa? - Onde estão o arquivador, o almoxarife, o auxiliar administrativo, e o contínuo? 50 horas (aulas voltadas para o profissional arquivador): - Para que serve o arquivo? - O perfil do arquivador - O local e o material de trabalho - O futuro do arquivo - Classificação dos arquivos - Regras de classificação de documentos - Técnicas de trabalho 50 horas (aulas voltadas para o profissional almoxarife): - Como isso acontece? - O local de trabalho - O futuro do almoxarifado - O que você deve saber - A organização do estoque - Planejamento de estoques - Controle de estoques - Para não esquecer 50 horas (aulas voltadas para o profissional auxiliar administrativo): -Apresentação pessoal e comportamento no trabalho - O que você deve saber - A atuação do auxiliar - Uma palavra final 50 horas (aulas voltadas para o profissional contínuo): - Apresentação pessoal e comportamento no trabalho - O que você deve saber - A importância da comunicação - A rotina de trabalho - Como se preparar para tantas responsabilidades 25horas (informações adicionais): - Tipos de documentos - Documentos do setor de pessoal - Prazos de guarda de documentos - Encargos sociais e trabalhistas - Vocabulário de termos bancários - Instituições e órgãos públicos Correio

8 Agro Extrativista O curso de Agro Extrativista deverá ser reformulado e atualizado para atender a demanda e realidade do Município de Lucas do Rio Verde, portanto, deverá apresentar a seguinte estrutura programática. Conteúdo do Curso Agro Extrativista Olericultor: teoria 4 horas e prática 4 horas - Olericultura. Hortaliças e saúde - O valor nutritivo das hortaliças - A produção de hortaliças - Necessidades básica para iniciar uma horta - O clima e a produção de hortaliças - Luz solar: fonte primária de energia - Água boa, na medida certa - Tipos de solos para hortas - Como produzir mudas de hortaliças - Como instalar e manejar uma horta - Como e quando colher - Como processar e embalar Avicultor: teoria 4 horas e prática 4 horas - O ovo ou a galinha? - Produção de aves - Instalações - Manejo sanitário - Manejo na produção de frangos de corte - Manejo na produção de poedeiras comerciais - Alimentação das aves - Conhecendo o mercado Apicultor: teoria 4 horas e prática 4 horas - O criador de abelhas melíferas - Os produtos das abelhas - A criação de abelhas africanizadas - Os inimigos das abelhas - A coleta e a embalagem do mel das colméias - Conhecendo o mercado

9 Curso de Operadores de Equipamentos Agrícolas. - Colheitadeiras de grãos. - Tratores agrícolas. - Pulverizadores. - Classificador de grãos. - NR 31 ( manipulação de agrotóxico). Operadores de Colheitadeiras de grãos, em varias marcas e modelos - John Deere serie 50 (1550 e 9750) e a nova serie 70 (ex e 9670). - New holland, series TC (TC 57, 59 e 5090) e a series CR (9060) CASE, series 2388 e Conteúdo : 1- Tópicos de segurança 2- Conhecendo o produto 3- Ajustes 4- Partida e parada do motor 5- Locomoção 6- Controles e instrumentos 7- Monitores de perda 8- Transmissão Carga horária: John Deere New Holland CR 9- Painel de instrumentos 10- Motor 20 h 20 h New Holland serie TC 20 h 11- Manutenção e lubrificação 12- Operações de campo Case 20 h. 13- Como evitar perdas durante a colheita 14- Dispositivos de segurança 15- Regulagens 16- Cuidados com o equipamento 17- Check-list Operador de tratores Agrícolas. - Massey Ferguson, modelos : 292, 650, 680, 6360 e John Deere, 7515, 7815 e 8320R - Case, 210, 135 e New holland, series TM150, TL, e T8050 Carga horária: Massey Ferguson 20 horas. John Deere 20h 10 h Conteúdo: 1- Tópicos de segurança 2- Conhecendo o produto 3- Ajustes 4- Partida do motor 5- Locomoção 6- Controles 10- Motor 11- Comandos 12- Ajustes de bitola 13- Manutenção 14- Lastragem 10 horas. 15- Técnicas operacionais New Holland. Serie TM e TL e Case 10 horas

10 7- Transmissão 8- Painel de instrumentos 9- Ajuste do índice de antecipação 16- Check-list 17- Epi s Operador de pulverizadores (Autopropelidos). 1- Jacto, Uniport, 2000, 2500 plus, Columbia de arrasto 2- Montana, parruda 2025 Carga horária: Jacto Uniport 23 horas Montana parruda 23h 23h Conteúdo: 1- Aquisição 2- Transporte 3- Armazenamento 4- Epi s 5- Tecnologia de aplicação preparo da calda 6- Destinação de sobras e embalagens 7- Calibração do pulverizador Classificador de Grãos Conteúdo: 1- Soja e milho 2- Defeitos dos grãos da soja 3- Impureza 4- Normas do MAPA.(Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) 8- Manutenção e reparo 9- Cuidados com o meio ambiente 10- Primeiros socorros 11- Ambiente ideal para aplicação (umidade, ventos, chuvas... Etc) 12- Testes de bicos pulverizadores 13- Velocidade da aplicação Carga horária: Classificador 30 h 5- Limites de tolerância 6- Soja transgênica 7- Classificação do milho 8- Determinação de umidade 9- Defeitos do grão de milho NR 31 (manipulação de agrotóxicos), Segurança na Agricultura Conteúdo Carga horária: NR31 30 h Total Carga Horária 250 horas Para este curso a empresa executora deverá disponibilizar um engenheiro agrônomo, um técnico em segurança do trabalho, um instrutor técnico de operação agrícola dentre outros necessários a perfeita execução do objeto contratado, utilizar maquinários na parte prática dos equipamentos agrícolas com os equipamentos de segurança específicos e apropriados. Toda parte teórica deverá ser ministrada nas instalações da empresa executora e a parte da prática deverá ser ministrada em local dotado de estrutura afim de garantir o aprendizado eficiente.

11 Construção e Reparos(Revestimentos e instalações) Conteúdo do Curso de Construção e Reparos(Revestimentos e Instalações) Módulo I Atividades Básicas da Construção de Edifícios Ladrilheiro 1- Introdução 1- Introdução 2- Os equipamentos de proteção e as 2- O que é o revestimento cerâmico ferramentas do pedreiro 3- Os materiais do revestimento cerâmico 3- O que é concreto? 4- A execução dos revestimentos cerâmicos 4- Alvenaria 5- Revestimentos Gesseiro Pintor 1- Introdução 1- Introdução 2- O gesso para construção 2- As tintas, suas funções e componentes 3- Revestimentos de paredes e tetos em gesso 3- Segurança no trabalho de pintura 4- Placas pré-fabricadas de gesso 4- As ferramentas para pintura 5- Paredes de gesso acartonado 5- A execução da pintura Reparador Instalação Hidráulica 1- Introdução 1 Introdução 2- A patologia das construções 2-Instalações Residenciais 3- Trincas em alvenarias 4- Fissuras em revestimentos de parede 3-Principais problemas nas instalações hidráulicas 5- Descolamento de revestimentos cerâmicos 6- Principais problemas de pintura e suas correções Conteúdo Complementar 1- Os Materiais 10- Preencher Com Argamassa 2- As Fundações 11- Juntas Diversas 3- As Tábuas de Perfil 12- Cobertura 4- A Argamassa 13- Forro 5- Antes da Construção 14- Gesso 6- Construir 15- Leitura de Projeto estrutural 7- Alvenaria 16- Leitura de projeto arquitetônico 8- Espessuras de Paredes 17- Leitura de projeto hidráulico 9- Aparelhamentos 18- Leitura de projeto elétrico

12 Segurança do Trabalho Construção Civil - Normas NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho em Canteiro de Obras Conteúdo do Curso de Construção e Reparos(Revestimentos e Instalações) Módulo II Eletricista De Instalações (Edifícios) Trabalhador da manutenção de edificações 1- Introdução 1- Introdução 2- Como e que consigo fazer a lâmpada do 2- A geração, transmissão e distribuição de quarto da minha casa acender e apagar energia apenas 3- A chegada de energia nos prédios 3- Mexendo no interruptor 4- Utilizando eletro dutos 4- O que acontece dentro do condutor para que 5- Instalação trifásica a energia elétrica consiga passar 6- Diminuindo o consumo de energia nos 5- O que é um circuito em série? Como ele prédios funciona? 7- Sistemas de iluminação com lâmpadas 6- O que é resistência elétrica? fluorescentes 7- O que existe na tomada que faz o circuito 8- A extensão elétrico funcionar? 9- Instalação e manutenção de bombas d 8- O que é um circuito em paralelo? Como água. funciona? 9- O que faz uma lâmpada produzir mais luminosidade que outra do mesmo tipo? 10- Como escolher os materiais para uma instalação elétrica bem feita? Conteúdo Complementar Eletricidade Básica Eletricidade Industrial 1- Estrutura do Átomo 1- Unidades Elétricas 2- Tensão Elétrica 2- Cálculo de Circuitos Elétricos 3- Corrente Elétrica 3- Dispositivos de Proteção 4- Resistividade 4- Dimensionamento de Condutores 5- Lei de Ohm (Fórmulas) 5- Motores Elétricos Ca 6- Análise e Utilização do Multímetro 6- Noções de Correção de Fator de Potência Comandos Elétricos 1- Fechamento de Motores Elétricos Monofásicos 2- Fechamento de Motores Elétricos Trifásicos

13 ( Cabos) 3- Tipos de Acionamento de Motores 4- Dispositivos de Proteção de Chaves 5- Dispositivos de Controle 6- Contatores (Identificação das Partes e Manutenção) 7- Interpretação de Diagramas (Força e Controle) 8- Elaboração de Diagramas e Montagem de Chaves de Adicionamentos NR10 básico - Segurança em instalações e serviços com eletricidade 1-Introdução à segurança com eletricidade 7- Equipamentos de proteção coletiva 2-Riscos em instalações e serviços com eletricidade a) o choque elétrico, mecanismos e efeitos b) arcos elétricos; queimaduras e quedas c) campos eletromagnéticos 3-Técnicas de Análise de Risco 4. Medidas de Controle do Risco Elétrico a) desenergização b) aterramento funcional (TN / TT / IT); de proteção; temporário c) equipotencialização d) secciona mento automático da alimentação e) dispositivos a corrente de fuga f) extra baixa tensão g) barreiras e invólucro h) bloqueios e impedimentos i) obstáculos e anteparos j) isolamento das partes viva k) isolação dupla ou reforçada l) colocação fora de alcance m) separação elétrica 5-Normas Técnicas Brasileiras - NBR da ABNT: 8. Equipamentos de proteção individual 9. Rotinas de trabalho - Procedimentos a) instalações desenergizadas b) liberação para serviços c) sinalização d) inspeções de áreas, serviços, ferramental e equipamento 10. Documentação de instalações elétricas 11. Riscos adicionais a) altura b) ambientes confinados c) áreas classificadas d) umidade e) condições atmosféricas 12. Proteção e combate a incêndios a) noções básicas b) medidas preventivas c) métodos de extinção d) prática 13. Acidentes de origem elétrica a) causas diretas e indiretas 14. Primeiros socorros a) noções sobre lesões b) priorização do atendimento

14 NBR-5410, NBR e outras 6- Regulamentações do MTE a) NRs b) NR-10 (Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade) c) qualificação, habilitação, capacitação e autorização c) aplicação de respiração artificial d) massagem cardíaca e) técnicas para remoção e transporte de acidentados f) práticas 15. Responsabilidades Para este curso a empresa executora deverá disponibilizar um engenheiro civil, um mestre de obras, um técnico de segurança de trabalho, técnicos eletrotécnicos, técnico em alarmes de segurança eletrônica dentre outros necessários a perfeita execução do objeto contratado, também deverá utilizar máquinas e ferramentas exigidas na parte prática, bem como todos os equipamentos de proteção individual e todos os equipamentos de proteção coletivos exigidos, específicos e apropriados. Toda parte teórica deverá ser ministrada nas instalações da empresa executora e a parte da prática deverá ser ministrada no canteiro de obras, localizado no Clube de Idoso de Bem Com a Vida, consistente numa construção de uma edificação residencial de no mínimo 56 m² conforme especificações no projeto em anexo bem como oficinas afins. Na parte elétrica destaca a empresa executora que deverá disponibilizar painéis elétricos focados para eletricidade residencial e predial e painéis de quadro de comando dentre outros rol de ferramentas e máquinas apropriadas. Metalmecânica Conteúdo do Curso Metalmecânico Conteúdo: 1- Conhecendo um jovem 2- Instrumentos de medição 3- Introdução ao desenho 4- Exercícios de traçagem 1 5- Exercícios de traçagem 2 6- Traçado de corpos cilíndricos 7- Traçado do cone truncado 8- Avaliação Carga Horária Desenho Técnico 40h Metrologia 40h Mecânica e Manutenção 80h Soldagem(Prática) 90h 20- Atividade prática Ferramentas manuais 22- Brocas e escariadores 23- Desandadores 24- Machos de uso manual 25- Cossinetes 26- Rebites 27- Parafusos, porcas e arruelas 28- Máquinas operatrizes e manuais

15 9- Instrumentos de traçagem 10- Atividade prática Compasso 12- Morsa de bancada 13- Arco e lâmina de serra 14- Lâmina de serra 15- Limas 16- Martelos 17- Macete 18- Ferramentas de corte 19- Chaves Conteúdo Complementar Desenho Básico 1- Material 2- Uso do Material 3- Formatos de Papel 4- Caligrafia Técnica 5- Legenda 6- Tipos de Linhas 7- Geometria Figuras Planas 29- Atividade prática Processos de soldagem 31- Prática de soldagem Prática de soldagem Prática de soldagem Prática de soldagem 4 8- Geometria Espacial 9- Escalas 10- Vistas Ortográficas 11- Cotagem 12- Perspectiva Isométrica 13- Perspectiva Cavaleira Metrologia Conceito - Finalidade do controle medição - Método Instrumento e Operador - Laboratório de Metrologia. Metrologia. Finalidade do Controle. Medição Método, Instrumento e Operador. Laboratório de Metrologia. Normas Gerais de Medição. Recomendações Unidades Dimensionais Lineares. Unidades Dimensionais. Unidades Dimensionais Lineares. Unidades Não Oficiais. Outras Grandezas Régua Graduada Tipos e Usos Graduações da Escala (Paquímetro, Sist. Inglês Ordinário). Sistema Métrico Decimal. Leitura da Escala Fixa. (Sistema Métrico Decimal). Medição de Diâmetros Externos. Paquímetro - Sistema Inglês Decimal. (Sistema Inglês Decimal. Medição de Diâmetros Externos3 Micrômetros (Nomenclatura, Tipos e Usos. Características do Micrômetro Medir Diâmetros Externos (Micrômetro. Processo de Execução Micrômetro (Sistema Inglês Decimal (Micrômetro para medição em milésimos de polegada Micrômetro (Sistema Métrico Decimal. Medição de Diâmetros Externos Medição Angular

16 (Sistema Inglês Ordinário. Graduações da Escala (Sistema Métrico Decimal). (Régua Graduada) Paquímetro Princípio do Vernier Tipos e Usos Erros de Medição e Leitura. Paquímetro Princípio do Nônio Medir Diâmetros Externos Paquímetro Goniômetro Tipos e Usos. (Goniômetro Instrumentos Medidores de Pressão. Classificação dos sistemas de Medição de Pressão e Vácuo Relógio Comparador (Tipos e Características) Relógio Comparador (milímetro) Relógio Comparador (polegada) Transformação de Medidas Sistema Inglês Ordinário. Uso do Vernier (Nônio). Para este curso a empresa executora deverá disponibilizar profissionais técnicos mecânico, soldador e torneiro mecânico com experiência, dentre outros necessários a perfeita execução do objeto contratado, como também deverá utilizar maquinários e ferramentas na parte prática como também deverá utilizar os equipamentos de segurança específicos e apropriados. Toda parte teórica deverá ser ministrada nas instalações da empresa executora e a parte da prática deverá ser ministrada em local dotado de estrutura afim de garantir o aprendizado eficiente. Madeira e Móveis Conteúdo do Curso de Madeira e Móveis de 250 h Histórico 1- O Uso da Madeira 2- Breve História do Mobiliário 3- O Mobiliário no Brasil 4- Normas e Equipamentos de Segurança 5- Ferramentas e Equipamentos 6- Preservação de Bens Culturais 7- Legislação Ambiental Aspectos técnicos da madeira 1- Características Físicas e Biológicas 2- Patologias 3- Desdobro 4- Classificação das Madeiras 5- Nomenclatura Técnica e Comercial 6- Produtos pré-industrializados Desenho 1- O Desenho Técnico 2- Escala 3- Gabaritos 4- Protótipos 5- Mobiliário e Proporções Produção 1- Projeto Aspectos técnicos do mobiliário 1- Tipologias 2- Estrutura 3- Ligações e Sambladuras 4- Encaixes 5- Cavilhas 6- Adesivos 7- Acabamentos

17 2- Organização e Planejamento 3- Cronograma de Atividades e Orçamento 4- Execução 5- Controle e Avaliação 6- Comercialização Madeira de Reflorestamento 8- Laminado 9- Folheado 10- Pintura 11- Envernizado 12- Encerado 13- Mobiliário Local 14- Restauração de Móveis - MDF/MDP/Aglomerado/Compensado a)conceito b)vantagens e Desvantagens c) Processo de Produção de Móvéis d) Equipamentos, ferramentas, máquinas e tecnologias de manipulação. e) Principais Aplicações Para este curso a empresa executora deverá disponibilizar profissionais técnicos em marcenaria, com experiência, dentre outros necessários a perfeita execução do objeto contratado, como também deverá utilizar maquinários e ferramentas na parte prática como também os equipamentos de segurança específicos e apropriados. Toda parte teórica deverá ser ministrada nas instalações da empresa executora e a parte da prática deverá ser ministrada em local dotado de estrutura afim de garantir o aprendizado eficiente. Serviços Domésticos Conteúdo de Serviços Domésticos I e II de 250h Introdução 1- Quatro grandes ocupações Porteiro 2- O mundo do trabalho é uma ciranda uma pessoa depende da outra 3- Os serviços são feitos por gente 4- Como ser um bom profissional? 5- Mundo do trabalho 6- Você vai trabalhar num lugar especial 1- O ambiente de trabalho 2- Pegando no batente 3- Problemas acontecem Faxineira 1- O que é preciso saber antes de começar a limpeza 2- Como organizar o trabalho 3- Equipamentos, utensílios e produtos de limpeza 4- Prevenir é melhor do que remediar 5- Começando a limpeza 6- Técnicas de limpeza 7- Roteiros de limpeza 8- Mundo do trabalho Cozinheira no serviço doméstico 1- O ambiente de trabalho 2- Grupos de alimentos 3- Conservação dos alimentos

18 4- E os moradores precisam ser avisados 5- Mundo do trabalho Caseiro 1- O ambiente de trabalho 2- Equipamentos, ferramentas e produtos 3- Conhecimentos teóricos e práticos Mundo do trabalho 4- Técnicas de cocção 5- Molhos 6- Sopas 7- Congelados 8- Mãos na massa 9- Mundo do trabalho A arte de cuidar: atenção, afeto e respeito 1. Perfil profissional 2. Chegou a hora de mostrar seu valor 3. O que é um serviço com qualidade 4. Para cuidar dos outros, é preciso cuidar de si mesmo 5. Comportamento profissional 6. O que fazem os cuidadores 7. A vida não é só trabalho 8. Situação legal das ocupações O mundo do trabalho

19 Cuidar de roupas 1. Perfil profissional 2. Cesto de roupas sujas: onde tudo começa 3. Os tipos de tecidos 4. Os tipos de lavagem 5. Como tirar manchas 6. Hora de secar as roupas 7. Como passar roupas 8. Como dobrar roupas Para este curso a empresa executora deverá disponibilizar profissionais técnicos, com experiência, dentre outros necessários a perfeita execução do objeto contratado, como também deverá utilizar materiais e ferramentas na parte prática de forma específica e apropriada. Toda parte teórica deverá ser ministrada nas instalações da empresa executora e a parte da prática deverá ser ministrada em local dotado de estrutura afim de garantir o aprendizado eficiente. Serviços Pessoais(Beleza e Estética) Conteúdo do Curso de Serviços Pessoais(Beleza e Estética) 250 h Oportunidades na área de beleza Manicura e Pedicura 1- O mercado da beleza 1- As unhas 2- O que é e como funciona um salão de 2- Os agentes do perigo beleza 3- Instrumentos e seus cuidados 3- Boa aparência é fundamental 4- Equipamentos, materiais e produtos 4- Personalidade também conta 5- O lixo e o meio ambiente 5- Direitos e deveres 6- Embelezamento das mãos e dos pés Depilador 1- A pele e o pelo 2- O ambiente de trabalho 3- Instrumentos e materiais 4- Os produtos e seu uso 5- As ceras e seu preparo 6- A depilação passo a passo Cabeleireiro 1- O que é o cabelo 2- Os cabelos e a saúde 3- Secos, normais ou oleosos? 4- Os produtos usados pelo cabeleireiro 5- O ambiente de trabalho 6- Principais técnicas

20 7- A direção dos pêlos e da depilação Maquiador 1- A pele 2- Pontos ativos e pontos passivos do rosto 3- Formatos do rosto 4- A harmonia das cores 5- Principais produtos 6- Equipamentos, instrumentos e materiais 7- A maquiagem 8- O mundo das cores e da beleza Para este curso a empresa executora deverá disponibilizar profissionais técnicos, com experiência, dentre outros necessários a perfeita execução do objeto contratado, como também deverá utilizar materiais e ferramentas na parte prática de forma específica e apropriada. Toda parte teórica deverá ser ministrada nas instalações da empresa executora e a parte da prática deverá ser ministrada em local dotado de estrutura afim de garantir o aprendizado eficiente. Telemática Conteúdo do Curso de Telemática 250 horas Operador de Microcomputador 1- Introdução 2- Iniciando o uso do microcomputador 3- Editores de Textos 4- Navegadores de Internet 5- Correio Eletrônico e Outros 6- Programas Gerenciadores de s 7- Apresentações Eletrônicas 8- Planilhas Eletrônicas 9- Sistemas Operacionais Telemarketing (vendas) 1- Introdução 2- Apresentando: O Telemarketing 3- Equipamentos Usados em Telemarketing 4- A Profissão Helpdesk 1- Introdução 2- O Profissional de Helpdesk 3- O Microcomputador 4- Armazenamento de Dados 5- Fonte de Alimentação 6- Placas de Extensão 7- Periféricos 8- Interfaces ou Porta 9- Tarefas de um Profissional de Helpdesk 10- O Uso do software na manutenção Assistente de Vendas (informática e celulares) 1- Motivação: Peça Chave para o Sucesso de um Vendedor 2- Como Realizar uma Venda 3- Conhecendo os Produtos

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade EMENTA: Estabelecer os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade ELABORADO: Lilian Cristina B. Ribeiro MATRÍCULA: 11861-36 RUBRICA: VALIDADO:

Leia mais

SANTO ANDRÉ. Áreas de atuação: Comércio e serviços Construção civil Gastronomia Informática Estética

SANTO ANDRÉ. Áreas de atuação: Comércio e serviços Construção civil Gastronomia Informática Estética SANTO ANDRÉ Departamento de Geração de Trabalho, Emprego, Qualificação e Renda Secretaria de Desenvolvimento Econômico 8 Centros de formação Áreas de atuação: Comércio e serviços Construção civil Gastronomia

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE ENSINANDO A PREVENIR, SALVAR E COMBATER INTRODUÇÃO Os trabalhos em eletricidade são potencialmente perigosos e anualmente são responsáveis por inúmeros acidentes fatais. Muitos destes acidentes poderiam

Leia mais

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008 CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 26 a 30 de maio de 2008 OBJETIVO: Capacitar os participantes para prevenção em acidentes com eletricidade, em atendimento ao novo texto da

Leia mais

HORÁRIA Informática básica 20 Inglês instrumental 20 Relações interpessoais 20 Redação e documentação organizacional 20 Subtotal 80 TOTAL 240

HORÁRIA Informática básica 20 Inglês instrumental 20 Relações interpessoais 20 Redação e documentação organizacional 20 Subtotal 80 TOTAL 240 COMPLEMENTAR COMPLEMENT AR AUXILIAR ADMINISTRATIVO Rotinas administrativas 40 Rotinas de recursos humanos 40 Rotinas financeiras 40 Empreendedorismo 40 Informática básica 20 Inglês instrumental 20 Relações

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO Categoria e Atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

ÍNDICE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 4 DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL... 6 GESTÃO E NEGÓCIOS...12 TURISMO, HOSPITALIDADE E LAZER...

ÍNDICE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 4 DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL... 6 GESTÃO E NEGÓCIOS...12 TURISMO, HOSPITALIDADE E LAZER... SENAC O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) é uma entidade vinculada ao Sistema Fecomércio, cujo principal propósito é conduzir processos de representatividade na defesa dos interesses e

Leia mais

SENAC - SERGIPE EDITAL Nº

SENAC - SERGIPE EDITAL Nº A Presidência do Conselho Regional e a Direção Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAC, Administração Regional em Sergipe, no uso de suas atribuições legais e considerando o Edital

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

PORTARIA MTE Nº 1.003 DE 04/12/2008 DOU de 05/12/2008

PORTARIA MTE Nº 1.003 DE 04/12/2008 DOU de 05/12/2008 MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA MTE Nº 1.003 DE 04/12/2008 DOU de 05/12/2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II,

Leia mais

Cursos. Indústria. 1- Soldagem com Eletrodo Revestido 3G e 6G e SMS. Disciplinas. 200h. de energia para soldagem 1 / 59

Cursos. Indústria. 1- Soldagem com Eletrodo Revestido 3G e 6G e SMS. Disciplinas. 200h. de energia para soldagem 1 / 59 Indústria 1- Soldagem com Eletrodo Revestido 3G e 6G e SMS Disciplinas Horária Matemática aplicada 200h Eletrotécnica básica Fontes de energia para soldagem 1 / 59 Tecnologia da solda elétrica Atividades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

PLANO DE AULA. IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos de entrada e saída.

PLANO DE AULA. IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos de entrada e saída. 1 AULA 01. CURSO: INFORMÁTICA BÁSICA - MATUTINO Sensibilização e contextualização do programa IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos

Leia mais

ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações)

ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) P1 Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Recursos Humanos, Auxiliar Financeiro. Fundamentos da administração, Recursos humanos e departamento de

Leia mais

Português 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 A B B A B D E D B C

Português 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 A B B A B D E D B C 100-Gestão e Negócios Técnico em Secretariado. 101-Gestão e Negócios Técnico em RH. 102-Gestão e Negócios Técnico em RH. 103-Gestão e Negócios Técnico em Logística. 104-Gestão e Negócios Vendas e Logística.

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO Administração/Logística Psicologia das Relações Humanas; Liderança e Gestão de Equipes; Professor de Psicologia Doutorado em Psicologia Enfermagem Segurança

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados

Leia mais

PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10.

PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10. PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10. Abril/2007 PROJETO BÁSICO Página 1 PROJETO BÁSICO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR

Leia mais

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA I 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia oficial.

Leia mais

PORTARIA No- 1.003, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA No- 1.003, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA No- 1.003, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e tendo em vista o disposto

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO - PRONATEC 224 horas ÁREA: ENERGIA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

OPERADOR DE EMPILHADEIRA

OPERADOR DE EMPILHADEIRA CIDADE: JANDIRA-SP 29/10/2011 10/12/2011 30 horas 7 sábados 03 teóricos e 04 práticos Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos a todos aqueles que pretendam trabalhar com empilhadeiras. Empresas

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz e Joaquim Gomes Pereira Ministério do Trabalho e Emprego 6 Junho de 2013, São Paulo Consolidação das Leis do Trabalho - CLT

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

GESTÃO. 15h 13/04 a 17/04. Inicio 04/05. 128h. 20h. 19 as 22h 14 as 17h

GESTÃO. 15h 13/04 a 17/04. Inicio 04/05. 128h. 20h. 19 as 22h 14 as 17h GESTÃO TÉCNICAS DE VENDAS* GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS* PRÁTICAS PARA O DEPARTAMENTO PESSOAL PARA A INDÚSTRIA* 19 as 22h 14 as 17h PERÍODO 15h 13/04 a 17/04 19h as 22h 16h 20/04 a 24/04 19h as 22h 128h

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL CONSTRUÇÃO CIVIL SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos CARPINTEIRO ESTRUTURAL 1. TÍTULO CÓD. CBO 7155-05 Desenvolver no treinando o conhecimento

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz Auditor-Fiscal do Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego 16 Maio de 2013, Rio de Janeiro Consolidação das

Leia mais

ENGENHARIA, CONSULTORIA E TREINAMENTO.

ENGENHARIA, CONSULTORIA E TREINAMENTO. 1 CURSO DE ATUALIZAÇÃO TÉCNICA PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Nota: 2º Curso do Gênero no Interior do Estado de São Paulo PERIODO: 06 A 10 DE AGOSTO DE 2012

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS CURSOS DO PROGRAMA DE PREPARAÇÃO PARA O MERCADO DE TRABALHO AJUDANTE DE OBRAS

DESCRIÇÃO DOS CURSOS DO PROGRAMA DE PREPARAÇÃO PARA O MERCADO DE TRABALHO AJUDANTE DE OBRAS DESCRIÇÃO DOS CURSOS DO PROGRAMA DE PREPARAÇÃO PARA O MERCADO DE TRABALHO AJUDANTE DE OBRAS Desenvolver competências nos trabalhadores para executarem tarefas relativas ao profissional Auxiliar de Obras.

Leia mais

Plano de Curso de Montador e Reparador Computadores

Plano de Curso de Montador e Reparador Computadores Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação de Apoio a Escola Técnica Plano de Curso de Montador e Reparador Computadores Título do Curso Montador e Reparador

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOÓGICA DE PELOTAS CNPJ 88288105000139 Nome da Unidade Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas Nome de Fantasia CEFET-RS Esfera Administrativa Federal Endereço Praça

Leia mais

Elaboração De Projeto De Design e Interiores

Elaboração De Projeto De Design e Interiores Elaboração De Projeto De Design e Interiores São Paulo, 01/01/2010 KASA CONCEITO Nome: Schaelle Caetano Campos ABD: 9103 - Designer de Interiores Tel: 11 2979 3780 7746 4246 E-mail: schaelle@kasaconceito.com.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Conforme a Portaria MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO nº 598 de 07.12.2004 10.1-

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais

Área de Gestão. 1. Cursos de Qualificação e Aperfeiçoamento. Inscrições Abertas. Vagas Limitadas! Faça já a Sua Matrícula.

Área de Gestão. 1. Cursos de Qualificação e Aperfeiçoamento. Inscrições Abertas. Vagas Limitadas! Faça já a Sua Matrícula. Inscrições Abertas Vagas Limitadas! Faça já a Sua Matrícula. Documentos necessários para efetuar a matrícula: RG, CPF e Comprovante de Residência *Parcelamento através de boleto bancário, sujeito a aprovação

Leia mais

PORTARIA No- 1.003, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA No- 1.003, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA No- 1.003, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e tendo em vista o disposto

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO As empresas concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, representando a categoria

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

Informática :: Presencial

Informática :: Presencial MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

ANEXO I EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DISCIPLINAS/EIXO TECNOLÓGICO POR GERED

ANEXO I EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DISCIPLINAS/EIXO TECNOLÓGICO POR GERED ANEXO I EDUCAÇÃO PROFISSIONAL /EIXO POR GERED DISCIPLINA/EIXO GERED ARARANGUÁ em Economia ou Administração ou Contabilidade ou Ciências Contábeis com Curso Emergencial de Complementação Pedagógica; ou,

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

REFERENTE À SECRETARIA DE SERVIÇOS URBANOS ANEXO I ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE EMBU

REFERENTE À SECRETARIA DE SERVIÇOS URBANOS ANEXO I ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE EMBU REFERENTE À SECRETARIA DE SERVIÇOS URBANOS ANEXO I ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE EMBU DOS PROGRAMAS E DAS BIBLIOGRAFIAS REFERENTES ÀS PROVAS A SEREM APLICADAS. Os itens das provas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/09/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1 Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1. Estudo de Viabilidade Econômica para Solução CADDPROJ - Será que é preciso Otimizar o processo de Projeto? E agora, continuar no método Antigo ou Inovar?

Leia mais

BRIEFING CRIATIVO / PEDIDO DE CRIAÇÃO

BRIEFING CRIATIVO / PEDIDO DE CRIAÇÃO BRIEFING CRIATIVO / PEDIDO DE CRIAÇÃO Cliente: Porto Seguro Seguros Produto: Casa Campos Elísios Melhor Campanha: cursos de capacitação profissional e geração de trabalho e renda Área: sustentabilidade

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Construção Civil PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL -

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB e a Secretaria

Leia mais

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE (Texto dado pela Portaria GM n.º 598, de 07 de dezembro de 2004) 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Anexo I Atribuições e Requisitos dos Empregos

Anexo I Atribuições e Requisitos dos Empregos 15 Anexo I Atribuições e Requisitos dos Empregos SÍNTESE DOS DEVERES E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS 1. ATRIBUIÇÕES COMUNS: 1.1 Aos empregos de nível fundamental, médio e técnico: - Participar de atividades

Leia mais

Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém.

Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém. PROJETO DE LEI No 541, DE 2013 Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: Artigo 1o - Fica

Leia mais

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Etec Professor Horácio Augusto da Silveira Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Para a Inscrição no Processo Seletivo, é necessário uma

Leia mais

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1 de 26 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MACROPROCESSO INFRAESTRUTURA PROCESSO MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4.

Leia mais

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100)

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços de Restaurante e Bar Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 15] Prezado(a) Senhor(a) O Senac São Paulo

Leia mais

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO Perfil Profissional Competência Geral obra. Coordenar as montagens mecânicas de acordo com o planejamento da Competência de Gestão Identificar e interpretar

Leia mais

PLANO CURSOS. FIEC Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura

PLANO CURSOS. FIEC Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura PLANO DE CURSOS 1. ASSISTENTE ADMINISTRATIVO/LOGÍSTICA Cidades: Americana, Hortolândia, Itatiba, Monte Mor, Nova Odessa, Valinhos Formação do Instrutor: Superior em Administração de Empresas, Gestão Empresarial,

Leia mais