Secretaria Municipal de Saúde PROMOTORIA DE DEFESA DA SAÚDE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria Municipal de Saúde PROMOTORIA DE DEFESA DA SAÚDE."

Transcrição

1 Itaúna, 28 de agosto de À CC: Secretaria Municipal de Saúde PROMOTORIA DE DEFESA DA SAÚDE. Divisão de Vigilância Sanitária Av. Manoel da Custódia, Morada Nova Itaúna/MG Promotora: Josely Ramos Pontes Promotor: Bruno Alexander Vieira Soares Belo Horizonte / MG Uma empresa dedetizadora não MANIPULA ou FRACIONA produtos químicos, apenas UTILIZA saneantes domissanitários registrados no M.S./ANVISA puro, pronto-uso, diluído ou concentrado para posterior diluição imediatamente antes de serem utilizados para aplicação. Burocracia e corrupção para Controlar e criar complicações para atender interesses economicos de servidores públicos! Prezados Senhores: A Empresa POWER TEC GERENCIAMENTO INTEGRADO DO AMBIENTE LTDA. CNPJ: / , vem respeitosamente através de seu responsável técnico, ratificar a DISPENSA da elaboração, analise e aprovação de projeto arquitetônico; tendo como base a informação da SES/MG em anexo. (Documentos Necessários para Licenciamento de Alvará Sanitário para Empresas de Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) Solicito a VISA de Itaúna o arquivamento da notificação não datada; pois ela é parte integrante de uma ação criminosa que foi organizada pelo Sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e que agora esta sendo consolidada pela autoridade sanitária Sr. FÁBIO REMI DA SILVA que se apresenta como referência técnica da SES/MG em DEDETIZADORAS (MPE: PA 256/08); alerto ainda a Superintendente de Vigilância Sanitária MARIA GORETTI MARTINS DE MELO que talvez ainda não tenha percebido a conduta do sr. FÁBIO REMI DA SILVA e sua capacidade de apropriação de oportunidades corporativas relacionadas as exigências sanitárias e as manobras para consolidar os seus interesses econômicos. A tentativa de criar uma legislação infra-legal paralela para bloquear a abertura de novas empresas e a criação de uma reserva de mercado para o segmento de serviços de Controle de Pragas é facilmente identificada na ADVOCACIA ADMINISTRATIVA implementada no Código de Saúde, resoluções e exigências oficiosas da SES/MG e VISA/PBH.

2 Repetidamente venho confirmar e denunciar o esquema organizado pelos servidores públicos; já que são eles que escrevem as resoluções e roteiros de inspeção seguidos pelos subordinados mal-informados. Não devemos ser condescendentes com a CORRUPÇÃO INSTITUCIONAL implantada pelos Sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA, JAIR ROSA DUARTE e tutelada pela Gerente Geral de Saneantes da ANVISA TÂNIA PICH. Falta racionalidade Kantiana nas resoluções da ANVISA e SES/MG! Sujeitar-me a normas absurdas elaboradas para atender aos interesses econômicos de um grupo de amigos e temer sanções legais não faz parte da minha Confiança Republicana. (CR/88) Preliminarmente apresento uma descrição da atividade desenvolvida por uma dedetizadora. 1- DEDETIZADORA : ATIVIDADE DESENVOLVIDA As atividades desenvolvidas pelas DEDETIZADORAS são as relativas ao CNAE: /00 IMUNIZAÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS URBANAS, na prestação de serviços de combate a pragas e ervas daninhas em área urbana com a utilização de produtos químicos registrados no Ministério da Saúde / ANVISA, aplicados no Controle Químico Complementar as Ações de Saneamento Ambiental. (Ver art. 35 inciso II e art. 42, inciso VII do Cód. De Saúde 2006) Uma dedetizadora NÃO MANIPULA ou FRACIONA produtos químicos, apenas UTILIZA saneantes domissanitários registrados no M.S./ ANVISA e comercializados nas formulações puro, pronto-uso, já diluído ou concentrado para posterior diluição, imediatamente antes de serem utilizados para aplicação. A SES/MG passou a criar restrições para abertura de novas empresas no segmento de Controle químico de pragas urbanas sem fundamentação técnica ou juridica, apenas recortando e colando pedaços de Normas, resoluções vigentes e revogadas. Aproveitando o MEMO.CIRC.DVMC/SVS N 039/2014, de 02 de maio de 2014 na qual a SES/MG reconhece as condições de funcionamento das empresas de Controle de Pragas é estabelecida pela RESOLUÇÃO ANVISA RDC N 52, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 e mais uma vez de maneira equivocada sustenta a validade da Resolução SES/MG - N 156/95.

3 Considerando que a revogação tácita da Resolução SES/MG - N 156 resulta da incompatibilidade e da divergência com a RDC18/2000 (revogada expressamente pela RDC 52/2009) que somente autoriza o uso dos produtos saneantes desinfestantes devidamente registrados no Ministério da Saúde/ ANVISA, em serviços de controle químico de pragas em áreas urbanas. A Resolução 156/95 esta relacionada ao uso de agrotóxico e afins; vinculado a Lei 7.802/89 e a Lei Estadual /91 (revogada), que dispunha sobre produção, comercialização e uso de agrotóxico e afins. Segundo a Lei 6.360, de 23 de setembro de 1976, todos os produtos saneantes utilizados nos serviços de controle químico de pragas urbanas (inseticidas e raticidas) somente são disponibilizados a comercialização após o registro no Ministério da Saúde / ANVISA. São realizados estudos de aspectos toxicológicos e de resíduos; atentando-se para o fato de que os produtos são registrados para uso especifico, atuando sobre a praga-alvo e na dosagem recomendada pelo fabricante. A RDC 326 de 2005 que trata do registro de produtos domissanitários na ANVISA diz que os SANEANTES DESINFESTANTES de venda restrita a empresas especializadas são formulações que podem estar prontas para uso ou podem estar mais concentradas para posterior DILUIÇÃO imediatamente antes de serem UTILIZADOS para aplicação; enquanto que os de venda livre ao consumidor serão comercializadas já na DILUIÇÃO de USO. A RDC 326/2005 define ainda que estes produtos terão um volume máximo de comercialização de 1 Litro ou 1 Kilograma. A atividade de uma dedetizadora é classificada como SERVIÇO DE INTERESSE DA SAÚDE, e portanto esta sujeita a fiscalização através das VISAs apenas quanto à atividade profissional e ao USO CORRETO de produtos e equipamentos afim de garantir a qualidade e segurança do serviço prestado, minimizar o impacto ao meio ambiente e à saúde do consumidor.( Art. 80 e art. 82, inc. III do Cód. de Saúde do Estado de Minas Gerais) Uma outra questão que não pode ser esquecida é a descrição na CTPS da atividade funcional do Dedetizador ou Controlador de Pragas que utiliza os produtos químicos em conformidade a NR-7 sobre PCMSO, a NR-9 sobre PPRA do MTbE.

4 2- EXIGÊNCIAS DESCABIDAS DA SES/MG E VISA MUNICIPAIS PARA ABERTURA DE EMPRESAS DEDETIZADORAS PGRSS Programa de Gerenciamento de Risco de Serviços de Saúde PRECEND- Programa de Recebimento e Controle de Efluentes Não Doméstico Roteiro oficioso da Prefeitura de Belo Horizonte para liberação do alvará sanitário das dedetizadoras, etc... Outra exigência descabida é a elaboração, análise e aprovação de projeto arquitetônico para as dedetizadoras. OBS: Em Belo Horizonte NÃO há exigência de aprovação de Projeto Arquitetônico para obtenção do alvará sanitário das dedetizadoras. Vou esclarecer porque é descabida tal exigência: 3- ELABORAÇÃO, ANÁLISE E APROVAÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO Aparentemente a SES/MG deve ter buscado argumentação para a exigência de elaboração, análise e aprovação de projeto arquitetônico na NR-32 TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE; Como nas demais exigências descabidas, a SES/MG e VISA municipais nunca fundamenta as exigências solicitadas; cabe a cidadão desinformado e aos servidores dos escalões inferiores apenas cumprir tais exigências descabidas emanadas pela chefia imediata. NR-32 TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE LOCAL PRÓPRIO PARA MANIPULAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Havendo necessidade de manipulação de produto químico, deve ser disponibilizado pelo empregador, local adequado, conforme exige a NR O empregador deve destinar local apropriado para a manipulação ou fracionamento de produtos químicos que impliquem riscos à seguranca e saúde do trabalhador. No entanto, o dedetizador não trabalha em SERVIÇO DE SAÚDE, não manipula ou fraciona produto químico. O dedetizador utiliza produto químico registrado na ANVISA / M.S. puro, pronto-uso, já diluido ou CONCENTRADO para posterior diluição imediatamente antes de serem utilizados para aplicação. Mesmo na atividade de serviço de saúde a NR-32 preve no item a dispensa de local diferenciado para preparação de medicamentos para administração imediata aos pacientes.

5 O dedetizador utiliza os EPI`s adequados aos riscos envolvidos em conformidade as NR-7 SAÚDE OCUPACIONAL e NR-9 RISCOS AMBIENTAIS. A atividade de Controle de pragas urbanas com a utilização de saneantes desinfestantes (RATICIDAS E INSETICIDAS) registrados no M.S. / ANVISA não se enquadra na NR-15 ATIVIDADES/ OPERAÇÕES INSALUBRES. Portanto, fica fácil desqualificar a exigência descabida da elaboração, análise e aprovação de projeto arquitetônico para as DEDETIZADORAS. Quanto aos EPI`s a dedetizadora apenas disponibiliza aos trabalhadores os equipamentos previstos no PCMSO; Quanto as produtos químicos estes são quardados em armários fechados, devido as dimensões reduzidas de suas embalagens (no máximo: 1litro ou 1 Kilograma).RDC 326/2005 ANVISA. Quanto as embalagens vazias, as mesmas são devolvidas aos estabelecimentos aonde foram adquiridas em conformidade aos procedimentos / orientações do fabricante e as legislações vigentes. Demais exigências acessórias relacionadas as Boas Praticas Operacionais são cumpridas conforme exigências da RDC 52/2009, informações de rotulagem e FISPQ dos produtos utilizados. DOS FATOS Mais uma vez vou relatar de maneira simplificada e fracionada as diversas fases / situações e manobras ilegais envolvendo a regulação do segmento de prestação de serviços de controle de pragas urbanas com a utilização de produtos quimicos preparados e registrados no Ministério da Saúde / ANVISA. Aparência de legalidade nos oficios emanados pela SES/MG como a descrita na NOTIFICAÇÃO não datada, em anexo: Em conformidade com a RDC 52/2009 e pela exigência apresentada na Resolução SESMG 4238/2014* de acordo com o descrito no Instrutivo da mesma que Serviços de Controle de Pragas devem ter Projeto Arquetônico aprovado, o qual não possui. *RESOLUÇÃO SES/MG Nº 4.342, DE 21 DE MAIO DE Altera o Anexo Único da Resolução SES/MG nº 4.238/2014.

6 RESOLUÇÃO SES/MG Nº 4.342, DE 21 DE MAIO DE Altera o Anexo Único da Resolução SES/MG nº 4.238, Pág. 7 / 20. Ação 1.37 Realizar Inspeção Sanitária nos estabelecimentos da área de Medicamentos e Congêneres relacionados no Anexo 1-C. Descrição da Ação Inspeção sanitária consiste em verificar no estabelecimento a existência ou não de fatores de risco sanitário que poderão produzir agravo à saúde individual ou coletiva e/ou ao meio ambiente, devendo o Setor de VISA utilizar a legislação sanitária pertinente a cada estabelecimento. Medida de Desempenho Considera-se ação realizada: a inspeção sanitária (acompanhada do respectivo relatório) realizada em 80% a 100% dos estabelecimentos: Drogarias, Postos de medicamentos, Distribuidoras de medicamentos sem fracionamento e/ou sem medicamentos/drogas sujeitos a controle especial e de Serviço de controle de Pragas. MEMO.CIRC.DVMC/SVS N 039 /2014 (doc. em anexo) Em memorando, a Superintendência da Vigilância Sanitária Estadual ao invés de esclarecer as condições de funcionamento das empresas dedetizadores, repassa informações aos munícipios totalmente desatualizadas e que nortearam a exigência descabida de aprovação de projeto arquitetônico inseridas no Anexo 1 C, do Projeto de Fortalecimento da Vigilância em Saúde em Minas Gerais vejamos: Portanto, podemos considerar que o INSTRUTIVO PARA EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, relacionado aos Serviços de Controle de Pragas inseridos no Elenco 1, do Projeto de Fortalecimento da Vigilância em Saúde em Minas Gerais teve suas condições de funcionamento estabelecidas de maneira equívocada. (Resolução SES n /2013)

7 O enquadramento do serviço de controle de pragas urbanas com a utilização de saneantes desinfestantes registrados no Ministério da Saúde no anexo 1-C encontra-se em perfeita harmonia aos interesses econômicos das associações de empresas dedetizadoras e completamente sem justificativa técnica, ambiental, operacional ou funcional da necessidade de aprovação de Projeto Arquitetônico; Já que os serviços e as DILUIÇÕES autorizadas somente podem ser realizadas imediatamente antes de serem utilizadas para aplicação, ou seja, no local da prestação do serviço. Demais requisitos / procedimentos para o funcionamentos das dedetizadoras independem da sede física da empresa. PROGRAMA MÍNIMO DE DEDETIZADORA? Conforme documentação da SES/MG para Licenciamento de Alvará Sanitário para Empresas de Controle Integrado de vetores e Pragas Urbanas: As Micro-empresas apresentando Certidão Simplificada da Junta Comercial do Estado, ficam isentas de taxa de alvará e de análise de projeto arquitetônico. Quanto ao Programa Mínimo Dedetizadora fornecido, o mesmo não apresenta nenhuma justificativa técnica, assinatura, brasão, logomarca ou parecer que motivaram ou justifiquem a especificações exigidas pelos técnicos da VISA estadual ou municipal. (papel em branco) Em qual órgão, site ou resolução foi publicado o PROGRAMA MÍNIMO DE DEDETIZADORA enviado? Quem é o Responsável Técnico por sua elaboração e quem é o responsável pela sua publicação? A RDC 52/2009 não preve aprovação de projeto arquitetônico ou planta das instalações físicas do estabelecimento? Instalações administrativas e auxiliares são necessárias em qualquer atividade e como técnico fundamento por que o PROGRAMA MÍNIMO DE DEDETIZADORA torna-se uma forma abusiva de bloqueio para a abertura de novas empresas. ( Máfia do alvará sanitário) A Gerência de Infra Estrutura da GRS de Divinópolis somente dispõe de Regulamentos Técnicos para planejamento, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos Assistenciais de Saúde; quando o nosso estabelecimento é enquadrado como de Interesse da Saúde. (art.82, inciso III Cód. Saúde 2006) Não utilizamos medicamentos ou congêneres em nossos serviços; utilizamos / aplicamos Produtos Químicos Saneantes Desinfestantes Domissanitários registrados no Ministério da Saúde / ANVISA. Os produtos químicos preparados utilizados nos serviços de combate químico de pragas urbanas somente são disponibilizados pela ANVISA para pronto-uso, já diluidos, puro ou concentrado para posterior diluição antes de serem imediatamente utilizados para aplicação. (RDC 52/2009)

8 Saneantes, produtos químicos tóxicos ou não tóxicos devem ser mantidos fora do alcance das crianças e guardados em local seguro apropriado. ATIVIDADE DESENVOLVIDA As atividades desenvolvidas pela Power Tec Gerenciamento Integrado do Ambiente são as relativas ao CNAE: /00 IMUNIZAÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS URBANAS, na prestação de serviços de combate a pragas e ervas daninhas em área urbana com aplicação de produtos químicos registrados no Ministério da Saúde / ANVISA. (Controle Químico Complementar as Ações de Saneamento Ambiental) (Ver art. 35 inciso II e art. 42, inciso VII do Cód. De Saúde 2006) Para as atividades relacionadas na Resolução SES/MG N 156 DE 30 DE AGOSTO DE 1995 temos o CNAE: /01 SERVIÇO DE PULVERIZAÇÃO E CONTROLE DE PRAGAS AGRÍCOLAS. Cartão CNPJ / em anexo, comprovando a nossa atividade econômica exercida. LICENCIAMENTO AMBIENTAL As Licenças ambientais nas esferas Federal, Estadual e municipais são todas com efeito negativo ou isentas. A atividade de controle de pragas urbanas, mesmo fazendo parte do Anexo I da Resolução CONAMA n 237, de 22 de dezembro de 1997, da Deliberação Normativa COPAM nº 74, de 9 de setembro de NÃO é passível de licenciamento, nem mesmo de autorização ambiental para funcionamento pelo COPAM; IBAMA Inst. Normativa 141/ PRODUTOS SANEANTES DESINFESTANTES Lei 6.360, de 23 de setembro de 1976, todo os produtos saneantes utilizados nos serviços de controle químico de pragas urbanas (inseticidas e raticidas) somente são disponibilizados a comercialização após o registro no Ministério da Saúde / ANVISA. São realizados estudos de aspectos toxicológicos e de resíduos; atentando-se para o fato de que os produtos são registrados para uso especifico, atuando sobre a praga-alvo e na dosagem recomendada pelo fabricante. Os saneantes registrados para o uso profissional são de VENDA RESTRITA PARA ENTIDADES ESPECIALIZADAS, ou seja, não é permitida a venda direta ao público. Não é permitido o uso de agrotóxicos, zoossanitários, produtos veterinários ou afins para o combate / controle químico de pragas em áreas urbanas. (art. 83 inciso II Cód. De Saúde /MG e RDC 52/2009 ANVISA)

9 As empresas dedetizadoras não possuem estoques de inseticidas e raticidas, não prepara caldas ou faz diluição em sua sede administrativa; Todos os raticidas são apresentados em formulações pura, já diluido, pronto-uso, aplicação direta ou concentrada para posterior diluição. A RDC 326/2005 da ANVISA define ainda que estes produtos terão um volume máximo de comercialização de 1 litro ou 1 Kilograma. Produtos com volume máximo de 1 litro ou 1 kilograma podem e devem ser guardados em armários fechados e fora do alcance de pessoas não autorizadas; equipamentos de proteção individual ficam na posse dos funcionários e devem ser guardados em bolsas ou armários fechados. Como podem justificar tecnicamente a necessidade da aprovação de projeto arquitetônico? EPIs; produtos; equipamentos são guardados em armários; o veículo é de uso exclusivo em serviços; produtos concentrados para posterior diluição imediatamente antes serem utilizados para aplicação; logisticareversa para as embalagens vazias conf. Seção V da RDC 52/2009. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO / Serviços On-Site Serviços On-Site: são os serviços prestados no estabelecimento do contratante, no lugar ou seja no local que não se confunde com a sede da empresa especializada de controle de pragas urbanas. O lugar que apresenta o impacto ambiental por ocasião do tratamento ou interferência operacional. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E POPs Procedimento Operacional Padrão Em nosso manual de Boas Práticas demonstramos claramente o atendimento aos requisitos para o funcionamento de nossa empresa em total conformidade a RDC 52/2009 e RDC 20/ 2010.

10 CONTRADIÇÕES NO CÓDIGO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS ( Arts. 80 a 86) Art. 86 A presença do Responsável Técnico ou de seu substituto legal durante o horário de funcionamento? Forçaram demais neste artigo ao incluir as entidades especializadas que prestam serviços de controle de pragas urbanas com a utilização / aplicação de produtos registrados no Ministério da Saúde / ANVISA Querem criminalizar o Responsável Técnico nas infrações sanitárias? SES/GRS SETE LAGOAS-MG Entretanto temos a confirmação de que a aprovação de Projeto Arquitetônico é apenas um documento com a finalidade de criar restrições burocráticas e serve de instrumento de subjetividade das Gerencias Regionais de Saúde da SES/MG; é o que podemos chamar de bloqueio de abertura de novas empresas onde as mais diversas chicanas e picuinhas são identificadas gerando elevados custos aos novos empresários. (Em anexo: OF.CVS/GRS/SL/210/2008) e de 21/10/2010; em conformidade aos interesses da Coordenadora Márcia Ribeiro de Aguiar Teixeira. REGISTRO EMPRESARIAL EM CONSELHO PROFISSIONAL DO RESPONSÁVEL TÉCNICO Embora não exista regulamentação para a profissão de controlador de pragas há o reconhecimento por órgãos de regulamentação profissional de que estes profissionais realizam serviços de defesa sanitária de ambientes urbanos, objetivando saneamento, segurança e conforto ambiental. Para o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA) a empresa especializada prestadora de serviços que utiliza os produtos saneantes regulamentados pela Lei 6.360/76 e RDC 59/2010 necessita de registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia? É permitido a todos os profissionais registrados no Sistema CREA / CONFEA o exercício profissional como pessoa física. Um engenheiro não precisa constituir uma empresa individual para utilizar / aplicar produtos químicos de USO PROFISSIONAL. A atividade de Imunização e Controle de Pragas Urbanas não está elencada entre aquelas que, por serem afetas ao exercício da Engenharia, medicina veterinária, farmácia, biologia, química ensejariam a obrigatoriedade de a empresa especializada proceda à sua inscrição nos quadros destes conselhos. No âmbito de suas atribuições, nenhuma profissão prescreve receita para utilização de saneantes, todas as informações e/ou instruções

11 necessárias para a utilização deste produtos são fornecidas pelo fabricante/registrante. (Rotulagem e FISPQs) MEI MICROEMPRESÁRIO INDIVIDUAL Completados 05 (cinco) anos de sua criação; a SES/MG através da Coordenadoria de Normas Técnicas e Regulamentos ainda não sabe como lidar com esta nova Natureza Jurídica; Devem solicitar a aprovação de Projeto Arquitetônico, a contratação de Responsável Técnico e a sua inscrição PROFISSIONAL de leigo ou AD HOC em Conselho Profissional Picareta. Também em conformidade ao Código de Saúde 2006 (Art. 86) o MEI funcionará com a presença do Responsável Técnico ou de seu substituto legal, que deverá ficar sentado em sua sede, aprovada pela Gerência de Infra Estrutura da SES/MG, durante todo o horário de funcionamento do estabelecimento. O Responsável Técnico e o administrativo (?) respondem solidariamente pelas infrações sanitárias do MEI executante dos serviços. O empresário individual agora trabalha em dupla com o Responsável Técnico, mas ao Responsável Técnico não é permitido trabalhar como pessoa física? ( RDC 52/2009) AUTENTICIDADE DO ALVARÁ SANITÁRIO Através do OF.ANTR/SVS/SES/MG N 145 /06, de 06 de setembro de 2006, a Dra. TÂNIA MARA LIMA DE MORAIS JACOB (Coordenadora de Normas Técnicas e Regulamentos em destaque no Cód. de Saúde de Minas Gerais / 2006) solicita informação sobre a autenticidade do alvará sanitário registro 000/001/2006 sob a responsabilidade Técnica de Marcos Gonçalves Pinheiro Silva. Em 15 de outubro de 2007, através do OF.188/07ANTR/SVS/SES/MG relata a real motivação do pedido de verificação da autenticidade do alvará. Nesta relata o que acesso do citado alvará sanitário se deu por meio da técnica da Vigilância Sanitária de Belo Horizonte TÂNIA MARIA SILVA GONÇALVES VISA- Oeste / PBH. VALIDADE DO ALVARÁ SANITÁRIO Não satisfeita com a resposta ou com a falta de resposta da VISA de Itaúna/ MG; a Vigilância Sanitária de Belo Horizonte adota a prerrogativa absurda de somente aceitar alvará de empresas de dedetização de Belo Horizonte; criando reserva e demanda de mercado para as dedetizadoras locais. POWER TEC Cliente: ARCOS DOURADOS AFONSO PENA AUTO INFRAÇÃO de 04/05/2010. ADVERTIDO por utilizar serviço de empresa dedetizadora que não possui Alvará de Autorização Sanitária do órgão de Saúde do munícipio de Belo Horizonte.

12 Justificativa: Previsão legal no código de Saúde Municipal, mas não demonstra, nem convence nínguem. (ameaça legal) Mais uma norma oculta da VISA para atender seus interesses econômicos. APARELHAMENTO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA Agora querem valer o tratamento minimamente mensal durante todo o ano; e em todos os estabelecimentos fiscalizados pelas VISA. (Base legal seria a RDC 52/2009). Em anexo folder PHCfoco Harmonização Regulatória Belo Horizonte dia: 02 de outubro de 2014 Hotel Royal Center. Conf. Of. 138/2011- GGSAN/GADIP/ANVISA de 27 de dezembro de 2011, nenhum estabelecimento fiscalizado pelas VISAs é OBRIGADO A FORMALIZAR CONTRATO com as dedetizadoras para a execução dos serviços de controle de vetores e pragas. ESPECIFICAÇÕES E COMPOSIÇÃO DE CUSTOS NOS SERVIÇOS DE DEDETIZAÇÃO Nas licitações quantas variações absurdas, não há o menor padrão nos preços cobrados. Isto é facilmente explicável: Não existe uma especificação minima para os serviços, uma composição de custos; como comparar preços se o controle quimico possui CARÁTER COMPLEMENTAR. Certificado de controle de pragas é uma ficção, o alvará não é a garantia de um bom serviço de controle de pragas urbanas; quem atesta a qualidade do serviço é o mercado, a vigilancia sanitária somente cria a demanda para as empresas de dedetização. Os clientes já não sabem em quem confiar, a máfia do alvará é quem direciona o mercado. Jogar veneno todos sabem, controlar é uma questão de técnica e conhecimento profissional. (Controle Sanitário do Ambiente) SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA INVESTIGATÓRIA SES N 007/2009 As devidas conclusões com os acréscimos sugeridos pela Coordenadoria de Correição Administrativa / Auditoria Setorial da SES/MG baseada em Juizo de Valores agridem um profissional da engenharia que em momento algum faltou com a verdade, e comprovou documentalmente, a existência de um esquema de corrupção implantado na SES/MG e na ANVISA, através da advocacia administrativa na intermediação de interesses econômicos e no cerceamento profissional na execução de suas atribuições garantidas na CR/88 e em Lei específica. A sindicância foi de grande valia para fornecer as provas contra os denunciados e passado alguns anos comprovam como nunca, o esquema em andamento para controlar uma atividade que esta sendo utilizada para fraudar a sociedade e / os cofres públicos, em licitações viciadas, sem especificações ou composição de custos minimamentes mensuráveis e portanto jamais auditadas.

13 Em 12 de fevereiro de 2010, a comissão sindicante conclui que o ENGENHEIRO CIVIL Marcos Gonçalves Pinheiro Silva não aceita os limites impostos autoridades sanitárias; em conformidade a uma Resolução De Colegiado ( ANVISA) o mesmo não pode ser Responsável Técnico de uma dedetizadora ( RDC 18/2000) e nem mesmo exercer a atividade de aplicador de saneantes como pessoa física? ( RDC 52/2009) A RESOLUÇÃO SES/MG - N 156 DE 30 DE AGOSTO DE 1995, continua sendo utilizada pelo sr. FÁBIO REMI DA SILVA, autoridade Sanitária Referência Técnica em DEDETIZADORAS da SES/MG ( MPE PA 256/2008 ), para difamar a minha HABILITAÇÃO PROFISSIONAL e criar solicitações descabidas para a abertura de novas empresas no segmento de Controle de Pragas Urbanas com a utilização de Produtos Químicos Saneantes Desinfestantes registrados na ANVISA. (Burocracia e corrupção) ASSOCIAÇÕES DE EMPRESAS CONTROLADORAS DE PRAGAS Estas associações atuam em vários Estados, em Minas Gerais a MINASPRAG representa os interesses das Empresas Controladoras de Pragas Urbanas. Estas Associações acolhem empresários, servidores públicos, consultores ambientais e sanitários na busca da promoção do segmento. Entretanto o que ocorre mesmo é o envolvimento de pessoal extremamente qualificado e com capacidade de direcionar um tema com exposições sofistas e que sempre inibem o contraditório. Criada as regras infra-legais através de uma evidente advocacia administrativa no setor da Saúde, esta é positivada e repassada as coordenadorias estaduais e municipais para aplicação direta e imediata. Estas Regras infra-legais criam previlégios para as empresas associadas, restrições as categorias profissionais e pessoas fisicas; obrigações econômicas aos estabelecimentos fiscalizados pela VISA; e o pior é a apropriação de uma atividade para fins de formatação de editais de licitação sem a menor consistência nas especificações técnicas e de composição de custos; Considerando o CARÁTER COMPLEMENTAR DO CONTROLE QUÍMICO, podemos afirmar seguramente que as áreas quimícamente tratadas devem variar de 5% a 15% da área total de qualquer estabelecimento. Como exemplo, cito os serviços de dedetização e limpeza de caixa d` àgua nas escolas, estes serviços sempre foram executados pelos dedetizadores locais com custos coerentes e módicos através do caixa escolar, sendo fiscalizado diretamente pelo diretor da escola; atualmente os serviços são ofertados na totalidade das escolas do município através de edital de pregão com especificações técnicas absurdas, exigências restritivas limitadoras e burocráticas direcionando o custo do serviço para valores inaceitáveis ao mercado privado. Este é o grande esquema montado com a legislação infra-legal na área da Saúde; o objetivo é desqualificar o empresário individual e agora o MEI criando restrições econômicas e burocraticas na abertura de novas empresas do ramo; restringir a atuação do profissional liberal habilitado criando demanda e reserva para as empresas agora ditas especializadas em conformidade aos INTERESSES da SAÚDE econômica destas

14 mesmas empresas, especializadas em jogar veneno nos rodapés e caixas de esgotos e cobrar pelo somatório de toda área do estabelecimento fiscalizado pela VISA. EDITAIS E LICITAÇÕES A quem interessa esta legislação infra-legal? Fica evidente a participação da alta chefia da ANVISA na pessoa da Gerente Geral de Saneantes TÂNIA PICH ao tentar justificar o proibição de um atuação profissional habilitado no segmento de controle químico de pragas urbanas; as associações de empresas e servidores à nivel de chefia de normatização e regulamentos e o sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA ainda confirma sua participação no roteiro oficioso de inspeção das dedetizadoras da PBH. Os editais são legais e cheios de exigências tendenciosas e burocráticas com a finalidade de previlegiar as empresas de médio porte em detrimento aos empresários individuais locais. Agora as empresas são ESPECIALIZADAS em Limpeza de Caixas d`água, capina química e controle de pragas urbanas, especializadas em licitações de serviços; temos empresas fazendo pacotes de serviços para o MPE, SESC, CEMIG, IPSEMG para atenderem as exigências sanitárias definidas pela alta chefia das VISAs sem nenhuma justificativa técnica. Preços referência absurdos e propostas mais absurdas ainda sem nenhuma planilha de composição de custo. O que temos hoje no segmento é transferencia de recursos públicos sem nenhum critério técnico. Lavar uma caixa d`água com mais de litros a cada 6 meses é um absurdo econômico e técnico. Caixas com capacidade de até litros quase apresentam necessidade de limpeza semestral, o que dizer então de uma caixa de 30, 40 ou 70 mil litros ou com mais de litros. A limpeza das caixas d`àgua das escolas e postos de saúde são agora licitadas juntamente com os serviços de dedetização, em mais uma ação para favorecer a máfia do alvará sanitário. DDA DEDETIZADORES ASSOCIADOS ME É uma Sociedade Simples Pura constituida para possibilitar atuação dos dedetizadores cooperados (MEI - Micro empresário individual / Sócio de Serviço) no segmento de controle químico de pragas urbanas, na qual sou o Responsável Técnico (24h por dia) junto ao CREA/MG e uma colega farmaceutica (01h por semana) junto ao CRF/MG. Mais uma vez venho comprovar com age as VISA municipais; na cidade de Lagoa Santa/MG e Contagem /MG os fiscais sanitários não aceitam o alvará sanitário da DDA Dedetizadores Associados ME, na cidade de Ipatinga / MG ocorre uma situação

15 ainda mais descabida, a coordenadora da Vigilância Sanitária municipal não aceita a documentação da DDA - Dedetizadores Asoociados ME somente quando o executante é o MEI / Sócio de Serviço sr. Ozires Godinho Alves. Sendo o executante um dedetizador cooperado residente em outro municipio a VISA municipal aceita a documentação normalmente. ( alvará sanitário e NFS-e em anexo) COOPERATIVA DOS DEDETIZADORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS: PCO-COOP A maior prova documental de como age a mafia do alvará sanitário em Belo Horizonte. Fica facilmente demonstrado na Certidão de Inteiro teor do Processo: para a obtenção da renovação do alvará desta cooperativa. O gerente da Visa-Leste PBH sr. CARLOS AUGUSTO CARDOSO juntamente com a fiscal NEIFE CHAVES ZANHAR simplesmente indeferem a renovação do alvará alegando que a mesma não atende as especificações? Aquelas mesmas especificações do roteiro oficioso solicitado em abril de 2013; roteiro este elaborado com a participação do empresário HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA. Continuo aguardando posicionamento da Promotoria de Defesa da Saúde de Belo Horizonte quando aos questionamentos protocolados nesta promotoria. Para o conhecimento desta promotoria de Justiça informo que obtive exito na obtenção do alvará Sanitário da empresa: INSETFIM DESISETIZAÇÃO LTDA PROCESSO: VALIDADE: 15/05/2015. (doc. e certidão folha 33 processo em anexo) Neste caso, a Ação entre Amigos implantada na VISA-LESTE/BH não funcionou na esfera judicial. Na seara judicial, o quadro é oposto, pois não há espaço para hipóteses sanitárias descabidas de racionalidade técnica ou legal. SUPREMA CONTROLE DE PRAGAS URBANAS CNPJ: / O cooperado esta sendo lesado escandalosamente pela VISA / Contagem MG quanto a liberação do alvará sanitário de sua empresa. (Processo em andamento) Em NovaLima /MG a empresa DEDETIZADORA MARQUES BH CNPJ: / esta sendo lesada pelos desmandos do sr. FÁBIO REMI DA SILVA ; Tel:

16 DO PEDIDO Destarte, em relação a NOTIFICAÇÃO do Estabelecimento POWER TEC Gerenciamento Integrado do Ambiente Ltda, se FAZ NECESSÁRIO APURAR todas as minhas denúncias em relação ao esquema de corrupção implantado na SES / MG e VISA de Belo Horizonte; Positivar uma legislação infra-legal para acobertar uma aberração técnica sanitária e implantar um esquema econômico para atender interesses econômicos de associações e servidores públicos; Nenhuma legislação corrobora para justificar o que esta ocorrendo no segmento de controle químico complementar de pragas em áreas urbanas. Quanta coincidência neste tipo de NOTIFICAÇÃO enviada através de Projeto de Fortalecimento da Vigilância em Saúde em Minas Gerais e direcionada a minha empresa exatamente no momento em que passo a atuar em licitações públicas. Para os inimigos a lei! Para os amigos o corporativismo sanitarista. kantiano infra-legal Encaminho mais um vez elementos que comprovam o funcionamento do esquema criminoso implantado nas VISAs e que seja apurado o impedimento do funcionamento da Cooperativa dos DEDETIZADORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS pelo Gerente da VISA - LESTE da PBH; que até o momento foi incapaz de justicar / fundamentar o arquivamento do pedido de renovação do alvará sanitário da Cooperativa. Diante do exposto, aguardo apuração dos fatos denunciados e resposta aos questionamentos formulados em diversas ocasiões Atenciosamente, Marcos Gonçalves Pinheiro Silva Engenheiro Civil, Sanitarista e de Segurança do Trabalho CONFEA RPN CREA-MG /D

Promotor de Justiça Bruno Alexander Vieira Soares

Promotor de Justiça Bruno Alexander Vieira Soares O homem mais perigoso é aquele capaz de pensar por si próprio, sem ligar para tabus e supertições em voga H.L. Mencken Belo Horizonte, 24 de outubro de 2014 A 3 PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA SAÚDE DE BELO HORIZONTE/MG

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Referência: Pregão presencial nº 024/2012 Processo: 1.00.000.00100028/2012-41 Assunto: Impugnação de Edital PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA A empresa JC CONTROLE AMBIENTAL LTDA-EPP, interpõe impugnação

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Fl. Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina PREGÃO N. 86/2011 PROTOCOLO N. 53.405/2011 ASSUNTO: Contratação de empresa especializada para execução dos serviços de desinsetização e desratização dos

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Altera as Resoluções Normativas - RN nº 85, de 7 de dezembro de 2004, que dispõe sobre

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA E TRANSPORTES DNIT

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA E TRANSPORTES DNIT ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA E TRANSPORTES DNIT Pregão Eletrônico: 51/2011 SUL AMÉRICA PRESTADORA DE SERVIÇOS LTDA, pessoa jurídica

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 Dispõe sobre o Exercício Profissional de Farmacêuticos-Bioquímicos em Laboratórios de Análises Clínicas. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ - CRF/PR,

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o credenciamento de empresas de tecnologia para geração de códigos de segurança cifrados (CSC) inseridos em códigos bidimensionais de resposta rápida

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul ESTRUTURA CFC Criados pelo DL 9295 de 27 de maio de 1946 CRCs DELEGACIAS REGIONAIS As Delegacias Regionais foram criadas a partir de 1958. O CRCRS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no DOE em 01/12/2011 Dispõe sobre a solicitação eletrônica de baixa de inscrição no Cadastro Geral da Fazenda (CGF), e dá outras providências.

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS A Supervisão de Suprimentos é a responsável pelo cadastramento dos fornecedores, bem como pela renovação cadastral

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 002 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SERVIÇOS DO VALE DO RIO PARDO - CISVALE

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SERVIÇOS DO VALE DO RIO PARDO - CISVALE HABILITAÇÃO JURÍDICA Documentos para Credenciamento - Registro comercial no caso de empresa individual; - Ato Constitutivo, Estatuto ou Contrato Social em vigor, devidamente registrado em se tratando de

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte Atualizado: 15 / 06 / 2015 - FAQ AI 1. Porte 1.1. Porte da empresa 1.1.1. Faturamento Bruto Anual 1.2. Classificação da empresa segundo seu porte 1.3. Comprovação de porte 1.3.1. Quando deve ser comprovado

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º Processo n.º 1944 / 2013-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

Leia mais

PROJETO DE PROMOÇÃO DE ESTÁGIO PARA ALUNOS CURSANDO TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E TÉCNICO DO MEIO AMBIENTE PARA SÓCIOS DO INSTITUTO TST MA.

PROJETO DE PROMOÇÃO DE ESTÁGIO PARA ALUNOS CURSANDO TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E TÉCNICO DO MEIO AMBIENTE PARA SÓCIOS DO INSTITUTO TST MA. PROJETO DE PROMOÇÃO DE ESTÁGIO PARA ALUNOS CURSANDO TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E TÉCNICO DO MEIO AMBIENTE PARA SÓCIOS DO INSTITUTO TST MA. Foi firmado com a Secretaria de Educação do Estado de Minas

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

Ficha Cadastral de Fornecedores

Ficha Cadastral de Fornecedores de Fornecedores Informações Jurídicas Razão Social: CNPJ: Nome Fantasia: Responsáveis legais: CPF: Responsável técnico: Nº Documento: Órgão emissor: CNES: ANS: Endereço Completo: Fone/Fax: e-mail vendas:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE

Atualizada.: 20/08/2013 BAIXA COMPLEXIDADE BAIXA COMPLEXIDADE Atualizada.: 20/08/2013 OUTROS ANEXO 1 B Depósito de produtos não relacionados à saúde; Estação rodoviária; veículo de transporte coletivo interestadual com banheiro (ônibus); Academias

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

Estado de Goiás PREFEITURA MUNICIPAL DE ANICUNS Adm. 2013 / 2016 EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

Estado de Goiás PREFEITURA MUNICIPAL DE ANICUNS Adm. 2013 / 2016 EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Secretaria Municipal de Educação de Anicuns, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ: 02.262.368/0001-53, por intermédio

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 CAPÍTULO V DO LICENCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS Artigo 68 - Nenhum estabelecimento sediado no município e que se enquadram no presente Código Sanitário poderá funcionar sem prévia

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais

Dispõe sobre Certificação do Atuário Responsável Técnico e do Atuário Independente e sobre Eventos de Educação Continuada.

Dispõe sobre Certificação do Atuário Responsável Técnico e do Atuário Independente e sobre Eventos de Educação Continuada. RESOLUÇÃO IBA N 05/2013 Dispõe sobre Certificação do Atuário Responsável Técnico e do Atuário Independente e sobre Eventos de Educação Continuada. O Instituto Brasileiro de Atuária - IBA, por decisão de

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5103 / 2014-DL Identificador de Documento 647141 Folha 1/4 LO N.º 5103 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 O MUNICÍPIO DE CORONEL VIVIDA,, através da PREFEITURA MUNICIPAL DE CORONEL VIVIDA, com sede na Praça Três Poderes, s/n, centro, Coronel Vivida,

Leia mais

INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO

INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA INSTRUTIVO DE ORIENTAÇÃO PARA LIBERAÇÃO DE INCENTIVO FINANCEIRO PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS

ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS Circular n 009/2.011 São Paulo, 17 de Janeiro de 2.011 ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS Prezado Associado: A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA CONSULTORIA TRIBUTÁRIA CONSULTA TRIBUTÁRIA ELETRÔNICA Orientações Versão 1.3 Dez/2014 1. O que é a consulta

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica - Farmáci Código: FAR - 116 Pré-requisito: Nenhum Período

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PARA EMISSÃO DE ALVARÁ SANITÁRIO

LISTA DE DOCUMENTOS PARA EMISSÃO DE ALVARÁ SANITÁRIO LISTA DE DOCUMENTOS PARA EMISSÃO DE ALVARÁ SANITÁRIO I - ABERTURA DE EMPRESA: EMPRESA DE PESSOA JURÍDICA 1- CÓPIA DE DOCUMENTOS DOS SÓCIOS (RG E CPF); 2- CÓPIA DO ENDERECO COMERCIAL; 3- VISTORIA DO CORPO

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 2329 / 2014-DL Identificador de Documento 623205 Folha 1/4 LO N.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos

Leia mais

Comunicado Diretoria de Habilitação nº 002, de 15 de janeiro de 2015

Comunicado Diretoria de Habilitação nº 002, de 15 de janeiro de 2015 Comunicado nº 002, de 15 de janeiro de 2015 Dispõe sobre a renovação do credenciamento de médicos e psicólogos, para o exercício de 2015. A Diretora de Habilitação do DETRAN-SP, Considerando o disposto

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL EXTRAORDINÁRIA DOS JOGOS INDÍGENAS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015/SEJI EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE INTERESSADOS NA OPERAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia UF: BA S/C Ltda. e outros ASSUNTO: Consulta sobre a vigência

Leia mais