uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle:

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle:"

Transcrição

1 1. Vamos registrar um contador hematológico. Gostaríamos de saber como registrar os reagentes de uso exclusivo para ele (tampão de diluição, solução de limpeza, lisante). Como devemos classificar estes reagentes? Será somente cadastro? Os regentes usados para o diagnóstico in vitro em amostras humanas deverão ser registrados junto à GEVIT Gerência de Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro. A classificação dos produtos é baseada no risco ao usuário, ao paciente e à saúde pública e está definido no item 2 do Anexo da RDC 206/06. É possível consultar o nome técnico do produto e respectiva classe de risco no site da Anvisa ( pelo caminho: áreas de atuação > produtos para saúde > enquadramento de produtos para uso in vitro ou pelo link: Os produtos que se enquadrarem na classe de risco I deverão ser cadastrados e os demais, registrados. 2. As informações de documentação faltosa que não procedem trazem algum risco ao requerente do registro? O agente regulado (empresa) deve formalizar a improcedência do motivo para evitar indeferimento eventual por engano? Exemplo: o sistema acusa documentação faltosa pelo não envio de instruções de uso e rótulo para classe II. Independente da manifestação da UNIAP Unidade de Atendimento ao Público quanto à ausência de documentação o processo será avaliado pela área técnica. A documentação instruída no processo será confrontada ao previsto na legislação vigente e a pertinência quanto a classe de risco do produto. De acordo com o parágrafo único do inciso II, Art. 2 da RDC 204/05, a insuficiência de documentação técnica exigida quando do protocolo da petição enseja o seu indeferimento. 3. O que deve ser feito se o nome técnico correto para o produto não estiver disponível na lista de nomes técnicos no formulário eletrônico? No próprio formulário eletrônico, no campo de nome técnico, há um link denominado nome técnico não previsto no qual a empresa poderá sugerir o nome técnico. Neste caso, será preciso aguardar a inclusão do nome técnico na lista após a avaliação técnica. Outra opção é encaminhar um para o com informações sobre o produto para que a GEVIT indique o nome técnico adequado. 4. Qual é a diferença entre sensibilidade analítica X sensibilidade diagnóstica? As definições estão disponíveis no Anexo da RDC 206/06, itens 1.33 e 1.32, respectivamente. Há também orientações no botão? (ajuda) em cada campo específico do próprio formulário eletrônico. A sensibilidade analítica corresponde à menor quantidade ou grau que se pode detectar em uma reação, enquanto que, a sensibilidade diagnóstica ou clínica, corresponde à proporção de resultados positivos quando se analisa amostras sabidamente positivas. 5. Para produtos de classe I (nacional), além do Certificado de BPF vocês aceitam a ISO (Brasil)? Ou realmente, o BPF só é substituído pelo descritivo? As Boas Práticas de Fabricação e Controle são exigência para todos os produtos sujeitos à Vigilância Sanitária visando garantir a qualidade do processo de produção e o controle dos fatores de risco à saúde do consumidor e, independem da classe de risco do produto, conforme previsto no inciso X, Art.17 do Decreto /77. Tendo em vista a atual conjuntura do mercado brasileiro, para fins de registro de produtos para diagnóstico de

2 uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle: NACIONAL IMPORTADO I II III IIIa I II III IIIa Descritivo X ISO X X X X X X ANVISA X X X X X X X X 6. No caso de peticionamento, algumas vezes, mesmo o formulário sendo completamente preenchido, no momento da impressão alguns campos saem em branco. Como proceder? A empresa deve sempre verificar as informações do formulário durante a digitação e após a impressão. Caso seja observada qualquer falha no sistema, a comunicação pelo e- mail é de extrema importância para as correções necessárias. No caso de falhas exclusivas de impressão, a empresa poderá acrescentar à petição um esclarecimento quanto ao problema, incluindo as informações relativas aos campos em branco. 7. Empresas que não possuem mais Licença, por ser somente escritório conforme CVS 162/07, podem registrar produto? O inciso V do artigo 17 do Decerto n 79094/77 estabelece que o registro de produtos submetidos ao sistema de vigilância sanitária ficará sujeito à observância do requisito da comprovação de que o estabelecimento acha-se licenciado pelo órgão de vigilância sanitária competente. Assim sendo, o estabelecimento que não comprovar seu licenciamento não poderá possuir nenhum registro de produto. 8. Posso fazer propaganda e expor em feiras produto sem registro? A Resolução ANVISA RDC nº 13, de 27 de janeiro de 2004, é o Regulamento Técnico da Vigilância Sanitária para o Ingresso, Consumo e Saída do Território Nacional, de Mercadorias Sob Vigilância Sanitária não regularizadas perante o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, destinadas à Exposição, Demonstração ou Distribuição em Feiras ou Eventos. 9. Registro de soluções de limpeza de equipamentos? Soluções de limpeza de equipamentos são passíveis de registro conforme sua finalidade. Caso estes produtos não realizem sua função corretamente o diagnóstico estará comprometido. O nome técnico é SOLUÇÃO PARA LIMPEZA DE EQUIPAMENTOS, Classe I. Ressaltamos que se trata de cadastro. 10. Abrir a opção de inclusão de nome técnico, amostra e metodologia para a própria empresa cadastrar. Os campos referidos são padronizados pela gerência conforme adequação da finalidade do produto. Abrir estes campos para que cada empresa peticione o nome que achar mais adequado levará a uma falta de padronização e a um retrabalho por parte da área técnica no momento da análise. Reconhecemos que o processo de inclusão de nomes é burocrático, mas o período de espera é minimizado e a empresa recebe imediatamente após consulta resposta com a inserção do novo nome ou até mesmo o nome que melhor

3 convém para seu produto. Várias empresas ainda estão confusas quanto aos nomes técnicos, solicitam inclusão de nomes que já estão previstos nas opções. Cabe sempre a área técnica informar o melhor enquadramento do produto. 11. Já houve empresas que registraram produtos com o Certificado de Boas Práticas da ANVISA, através de inspeção internacional, na planta do fabricante? Algumas empresas antevendo a necessidade de solicitar a Inspeção da ANVISA para algumas plantas internacionais solicitaram a inspeção e já obtiveram a sua certificação. O registro de produtos provenientes destas plantas poderá ser feito com este documento enquanto o mesmo estiver válido. 12. Produtos que analisam água e alimentos, como responder ao meu cliente que eles não são regulamentados? O inciso VII do parágrafo 2 do Artigo 2 da RDC n 206/06 ressalta que os meios de cultura para análise industrial, alimentos e água não são aplicáveis para o escopo e requisitos desta RDC. A área de produtos para diagnostico de uso in vitro só pode se manifestar em relação a sua área de competência. Para outras áreas deverá ser feita uma consulta com a solicitação de algum documento que isente de registro ou regulamentação. Ressaltamos que após intensa consulta com outros órgãos verificamos a inexistência de regulamentação e normas para controle e registro destes produtos. 13. Quando uma família muito grande com instruções de uso e rótulos individuais como o caso de meios de cultura, como proceder no site para disponibilizar todos esses documentos num único peticionamento? É preciso enviar instruções de uso e rótulos apenas para produtos classe de risco IIIa (RDC 206), no caso de meios de cultura não seria necessário enviar essas informações. Caso seja uma família de produtos da classe IIIa, as instruções de uso e rótulos devem ser enviados, porém, não no formulário eletrônico e sim em documentos anexos enviados junto ao processo. 14. É permitido um fabricante comercializar o produto de um outro fabricante utilizando o mesmo registro deste? Há fundamentação legal? Qual a gerência responsável? Não é permitido. O que pode acontecer é um atuar como distribuidor. Neste caso, o distribuidor não pode executar nenhuma etapa de fabricação e tem que ser autorizado formalmente pelo detentor do registro no Brasil a comercializar seu produto neste país. 15. Quando ocorrer uma exigência como fazer para alterar o formulário do peticionamento eletrônico? Atualmente, o sistema não possibilita o cumprimento de exigências através do formulário eletrônico. As informações solicitadas na exigência devem ser enviadas no prazo estipulado com os documentos necessários independente do peticionamento. Na ANVISA os dados serão compilados e as informações alteradas o sistema. 16. Como devemos proceder com a Revalidação de um produto que foi registrado na Portaria 8 e agora com a 206 se enquadra na classe I, Cadastramento? Deve-se peticionar, quando da revalidação, o assunto: Revalidação de Cadastro de Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro, código: 8440.

4 17. Se importarmos um produto como bulk e realizarmos as etapas de envase, embalagem e rotulagem o produto será registrado como nacional ou importado? De acordo com a legislação vigente, embalar, rotular, envasar são consideradas etapas de fabricação, portanto se alguma dessas etapas for feita no Brasil o produto será considerado Nacional. 18. Quanto ao detalhamento dos estudos realizados para determinação da sensibilidade, especificidade, etc, há no item a solicitação de informações sobre as instituições onde os estudos foram conduzidos e realizados. Gostaria de saber se podemos apresentar apenas estudos conduzidos internamente na empresa. Os estudos de desempenho solicitados devem seguir conduta e metodologia aprovada e validada e devem ser realizados em locais adequados ao desenvolvimento dos mesmos. Se a Empresa possui instalações adequadas e mantém padrões de referência para execução dos testes, pode realizá-los sem restrição. Salientamos que esta informação somente é requerida no relatório técnico para produtos de Classe III e IIIa. 19. A apresentação dos estudos de estabilidade em tempo real poderia dispensar a apresentação da estabilidade acelerada? O estudo de estabilidade acelerada é considerado em casos de não conclusão do estudo em tempo real antes do lançamento do produto no mercado. Neste caso serão avaliadas as condições (tempo, temperatura, etc.) que comprovem que o produto é estável no tempo prescrito de validade. 20. Para avaliar o acesso dos prestadores de serviço aos produtos para diagnóstico de uso in vitro no país, antes de mais nada, temos de saber se estes produtos estão disponíveis no Brasil. Contudo, o banco de dados da ANVISA não permite a consulta por uma descrição genérica, por exemplo, kit pra dosagem de troponina. Assim, às vezes, fica difícil responder se algum teste diagnóstico está disponível no Brasil (no setor privado). Há alguma iniciativa para disponibilizar uma consulta genérica ao banco de dados? Sim. Hoje nosso banco de dados possibilita a consulta por número de processo, nome do produto, número do registro e número do CNPJ da empresa detentora do registro. Visando ampliar a gama de informações prestadas aos usuários do sistema, a Gerência alterou o peticionamento eletrônico para o registro de produtos e futuramente irá alterar o rol de opções para busca no banco de dados, incluindo a busca pelo nome técnico do produto. Este trabalho está sendo desenvolvido em conjunto com a GGTIN - Gerência Geral de Gestão de Tecnologia da Informação e esperamos vê-lo concluído o mais breve possível. 21. Na ANS estamos recebendo muita demanda para inclusão de testes genéticos moleculares e citogenéticos no Rol de Procedimentos Médicos (Referência de Saúde Suplementar). Ao consultar o banco de dados da ANVISA só encontramos produtos para doenças infecciosas, mas não doenças genéticas propriamente ditas. Os laboratórios de genética molecular utilizam então produtos in house? Como fica a legislação sobre importação de componentes para montagem destes kits in house? Eduardo Vieira Neto, ANS A metodologia in house é regulamentada pela RDC nº 302 de 13/10/2005 e corresponde aos reagentes ou sistemas analíticos produzidos e validados pelo próprio laboratório clínico, exclusivamente para uso próprio, em pesquisa ou em apoio diagnóstico. Os

5 insumos utilizados em metodologias in house não são passíveis de registro nesta Gerência conforme a RDC nº 206 de 20/11/2006. A legislação para importação de insumos é a RDC N 350 de 28 de Dezembro de 2005 que dispõe sobre o Regulamento Técnico de Vigilância Sanitária de Mercadorias Importadas.

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

Consulta Pública nº 21/2013. Recolhimento de. Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos. Brasília, 3 de abril de 2014.

Consulta Pública nº 21/2013. Recolhimento de. Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos. Brasília, 3 de abril de 2014. Consulta Pública nº 21/2013 Recolhimento de Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos Brasília, 3 de abril de 2014. Consulta Pública nº. 21/2013 Prazo para envio das contribuições: encerrado

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos.

Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos. Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos. Apresentação da Gerência de Inspeção e Certificação de Medicamentos, Insumos Farmacêuticos e Produtos. CONTEÚDO Organograma Inspeções

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO A legislação sanitária define que o transporte interestadual de material sob vigilância sanitária deve ser regularizado

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no

Leia mais

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A FACULDADE DINÂMICA prevê mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento do Trabalho de Conclusão de Curso, que no momento da construção do seu

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

Manual de Utilização do SIPEAGRO Módulo de Estabelecimento PRODUTOS VETERINÁRIOS Versão Empresa

Manual de Utilização do SIPEAGRO Módulo de Estabelecimento PRODUTOS VETERINÁRIOS Versão Empresa Manual de Utilização do SIPEAGRO Módulo de Estabelecimento PRODUTOS VETERINÁRIOS Versão Empresa Versão 1.0 FFA 09/06/2014 Sumário 1- Informações gerais (slides 3 a 5) 2- Quais os arquivos que devem ser

Leia mais

DEMO - Guia do Credenciamento Médico

DEMO - Guia do Credenciamento Médico 1 Guia do Credenciamento Médico 2 Editora: Intercriar - Projetos de Inovação Empresarial. Copyright 2013 by Igor Master Jr. Todos os direitos desta edição são reservados a Intercriar Jr, Igor Master Guia

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon 7A Ouvidoria no Mercado de Capitais Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Introdução

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL 1. Introdução CAS Nível I REGULAMENTO A FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas ), com apoio da ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal), do SINDAG

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G. A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas,

PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G. A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas, PORTARIA Nº 1386/2006 SMS.G A SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe são legalmente conferidas, CONSIDERANDO a edição da Lei nº 14.084 de 27 de outubro de 2005 e do Decreto Municipal

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 48, de 13 de julho de 2012. D.O.U de 23/07/12 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS DA VILLEVOX

TERMO DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS DA VILLEVOX TERMO DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS DA VILLEVOX Pelo presente instrumento particular as PARTES: VILLEVOX COMUNICAÇÃO E MARKETING com sede em Guarapari-ES, na Rua Batista Catani, nº 193/01, bairro

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

3.1. Produtos para a Saúde e a Separação da Regularização A RDC 185/01 define produto médico como Produto para a saúde, tal como equipamento,

3.1. Produtos para a Saúde e a Separação da Regularização A RDC 185/01 define produto médico como Produto para a saúde, tal como equipamento, Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Gerência de Tecnologia em Equipamentos - GQUIP NOTA TÉCNICA N 04/2012/GQUIP/GGTPS/ANVISA 1.

Leia mais

Processo Seletivo. Para atuar em Equipe do Consultório na Rua. Vaga em Aberto e Formação de Cadastro Reserva

Processo Seletivo. Para atuar em Equipe do Consultório na Rua. Vaga em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Processo Seletivo Para atuar em Equipe do Consultório na Rua Vaga em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Categoria Total de vagas Vagas Pessoas com Deficiência Carga Horária Semanal Vencimento Mensal

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO

CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO Documento EUREPGAP Contrato de Sub-licenciamento e Certificação (V2.3) Pag. 1 de 6 CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO para a participação como Parte Interessada de Mercado na estrutura do Sistema

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

ALERTA AOS CONSUMIDORES: Fique atento com os suplementos alimentares!

ALERTA AOS CONSUMIDORES: Fique atento com os suplementos alimentares! ALERTA AOS CONSUMIDORES: Fique atento com os suplementos alimentares! Pílula natural para emagrecimento, Quer perder peso agora?, Produto anticatabólico, Promove o ganho de massa muscular, Combate o envelhecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV

Leia mais

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos.

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos. Memo 04/15 Coordenação São Carlos, 26 de Fevereiro de 2015. Orientações Gerais aos Discentes Assunto: Estágio obrigatório e não obrigatório O estágio é regulamentado pela legislação através da LEI DO ESTÁGIO

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO Tecido ou fluido constituinte do organismo humano, tais como excrementos, fluidos corporais, células, tecidos, órgãos ou outros fluidos

Leia mais

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS O Incentivo à Qualificação é um benefício, na forma de retribuição financeira, calculado sobre o padrão de vencimento percebido pelo servidor,

Leia mais

CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR

CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR Conforme disposto na RN 227/10, da Diretoria Colegiada, regulamentada pela IN 45/10, da DIOPE, ambas da Agência Nacional

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 41, de 26 de julho de 2006. D.O.U de 28/07/2006 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

COMO REALIZAR O CADASTRO DE UMA EMPRESA NA ANVISA A OPERAÇÃO É PRIMEIRO PASSO PARA SOLICITAR AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO PARA A FARMÁCIA

COMO REALIZAR O CADASTRO DE UMA EMPRESA NA ANVISA A OPERAÇÃO É PRIMEIRO PASSO PARA SOLICITAR AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO PARA A FARMÁCIA COMO REALIZAR O CADASTRO DE UMA EMPRESA NA ANVISA A OPERAÇÃO É PRIMEIRO PASSO PARA SOLICITAR AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO PARA A FARMÁCIA Após efetuar o cadastro da empresa no CRF RJ e na Vigilância Sanitária,

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 090/14

DELIBERAÇÃO Nº 090/14 DELIBERAÇÃO Nº 090/14 EMENTA: DISPÕE SOBRE A REGULARIZAÇÃO E DEMAIS PROCEDIMENTOS DE PESSOA JURIDICA JUNTO AO CRF/MT. O Conselho Regional de Farmácia do Estado de Mato Grosso - CRF/ MT, no uso de suas

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos administrativos para concessão da Certificação de

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2005.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2005. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 01/2013 As presentes instruções aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06038/2009/RJ COGCE/SEAE/MF 11 de fevereiro de 2009 Referência: Ofício nº 7430/2008/SDE/GAB de 11 de novembro de 2008. Assunto:

Leia mais

novo GUIA MÉDICO VIRTUAL como utilizar? Campina Grande Amor pela vida, amor por você.

novo GUIA MÉDICO VIRTUAL como utilizar? Campina Grande Amor pela vida, amor por você. INTRODUÇÃO A Unimed, adiantando-se à exigências do nosso órgão regulador, a Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS e buscando atender a Resolução Normativa - RN Nº 285, de 23 de Dezembro de 2011, informa

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD Nº

Leia mais

Guia de Submissão Eletrônica de Rótulos

Guia de Submissão Eletrônica de Rótulos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Guia de Submissão Eletrônica de Rótulos Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos SUMED www.anvisa.gov.br Brasília, 31 de outubro de 2014. Agência

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA Ordem de Serviço: 03/2014/CGM-AUDI Unidade Auditada: Contrato de Gestão nº 001/2013 Celebrado entre a Fundação Theatro Municipal de São Paulo e o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 Perguntas e Respostas (atualizada em 27/01/2011) 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos.

Leia mais

Manual Protocolo Virtual Versão 1.2. Sumário

Manual Protocolo Virtual Versão 1.2. Sumário Sumário 1. Informações Iniciais 1.1. Sobre o sistema Protocolo Virtual Segunda chamada 1.2 Sobre o sistema Protocolo Virtual Trancamento 2. Procedimento do pedido de segunda chamada de Avaliação 3. Aluno

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DO QUADRO DE ARBITRO GERAL DA CBTM

PROPOSTA DE REGULAMENTO DO QUADRO DE ARBITRO GERAL DA CBTM PROPOSTA DE REGULAMENTO DO QUADRO DE ARBITRO GERAL DA CBTM CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 - O Quadro de Arbitro Geral da CBTM é constituído por e árbitros gerais (referees) devidamente habilitados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD Coordenação do curso de Administração / EaD Rua Olavo Bilac, 1148 Centro Sul

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 TIPO DE AUDITORIA: ACOMPANHAMENTO EXERCÍCIO/PERÍODO: 2015-2016 UNIDADE AUDITADA: PRÓ-REITORIA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 1) ESCOPO DOS EXAMES Os trabalhos de auditoria acerca da regularidade

Leia mais

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2 ÍNDICE 1. Visão Geral - Funcionamento do sistema... 3 2. Descrição dos perfis do sistema... 4 3. Operação Novo termo de execução descentralizada... 5 a. Cadastramento do termo no sistema pela Unidade Técnica...

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO PARECER Nº 0154/2005/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE REMESSA PARA REPOSIÇÃO EM GARANTIA. APLICAÇÃO DO ARTIGO 555 DO RICMS/RO. SISTEMÁTICA DIFERENCIADA E RESTRITA A EMPRESAS PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE EDITAL DE CONCURSO

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE EDITAL DE CONCURSO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE EDITAL DE CONCURSO PRÊMIO MINEIRO DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS NOTA TÉCNICA N 002/2009/GGTPS/ANVISA 1. Objeto: Orientações para o Peticionamento de Certificado

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos. As novas regras estabelecem adequações de embalagem

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

Anexo IX METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. 1. FINALIDADE. O objetivo deste documento é apresentar uma visão resumida do processo RUP-BNB.

Anexo IX METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. 1. FINALIDADE. O objetivo deste documento é apresentar uma visão resumida do processo RUP-BNB. 1. FINALIDADE. O objetivo deste documento é apresentar uma visão resumida do processo RUP-BNB. 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2.1. A metodologia adotada pelo BNB (RUB-BNB), bem como suas partes integrantes (os

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DOU de 15/08/2013 [Página 50] Dispõe sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

Uso? De acordo com a Resolução RDC nº. 185/2001 http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=22426&word=

Uso? De acordo com a Resolução RDC nº. 185/2001 http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=22426&word= 1. Há previsão para atualização de tabela de codificação (nomes técnicos) de produtos para saúde no site da Anvisa? A atual, data de 2003. A atualização da tabela no site será realizada nas próximas semanas.

Leia mais

Incluir, além das instalações portuárias, as áreas de fundeio próximas aos portos.

Incluir, além das instalações portuárias, as áreas de fundeio próximas aos portos. Empresa: Astromaritima Navegação Contribuinte: Abílio Mello CAPÍTULO I - Do Objeto Parágrafo único. Aplica-se a presente norma aos serviços prestados em instalações portuárias de uso público; em terminais

Leia mais

PROCEDIMENTO POP XX RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRO DAS REVISÕES

PROCEDIMENTO POP XX RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRO DAS REVISÕES PÁGINA: 1 de 7 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA/SETOR Nº DE CÓPIAS REGISTRO DAS REVISÕES N.º REVISÃO DATA ALTERAÇÃO SUGERIDA POR: 00 Emissão inicial do documento - ELABORADO POR: Assinatura: Data: REVISADO

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO Artigo 1º. Para registro do Certificado de Depósito de Valores Mobiliários - BDR Nível I Não Patrocinado

Leia mais

PEI Peticionamento eletrônico de importação

PEI Peticionamento eletrônico de importação PEI Peticionamento eletrônico de importação MÔNICA FIGUEIREDO P VPA F J O I NVILLE RESOLUÇÃO - RDC Nº 74, DE 2 DE MAIO DE 2016 Os processos protocolados eletronicamente deverão conter a documentação prevista

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 IPI ESTABELECIMENTOS EQUIPARADOS A INDUSTRIAIS - CONCEITO PARA CARACTERIZAÇÃO COMO CONTRIBUINTE DO IPI... Pág. 79 ICMS ES MANIFESTAÇÃO

Leia mais

EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016

EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016 EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016 SELEÇÃO DE NOVOS PROJETOS / EMPRESAS, PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS E PROJETOS DO INATEL INSTITUTO NACIONAL DE

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 14, DE 5 DE ABRIL DE 2011.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 14, DE 5 DE ABRIL DE 2011. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 14, DE 5 DE ABRIL DE 2011.

Leia mais

Requisitos para inscrição

Requisitos para inscrição COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 000071-2013-A ANALISTA DE LABORATÓRIO ÁREA DE ATUAÇÃO: ENSAIOS E ANÁLISE LABORATORIAIS LABORATÓRIO DE PILHAS E BATERIAS CFP 7.01 BAURU 01 VAGA A Diretoria de Recursos

Leia mais

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro.

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro. Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde GGTPS Gerência de Tecnologia em Equipamentos - GQUIP NOTA TÉCNICA N 05/2012/GQUIP/GGTPS/ANVISA Objeto:

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 04/2016 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 04/2016 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 04/2016 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD/DIRPS

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RDC nº 99, de 30 de dezembro de 2008

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005 Normas para certificado de atualização profissional O Conselho Federal de Medicina aprovou, em sessão plenária encerrada no dia 12 de agosto, a Resolução 1772/2005, que institui o certificado de atualização

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

3. A quem se aplica a RDC 67/2009? A todos os detentores de registro (inclusive cadastro) de produtos para a saúde sediados no Brasil.

3. A quem se aplica a RDC 67/2009? A todos os detentores de registro (inclusive cadastro) de produtos para a saúde sediados no Brasil. PERGUNTAS E RESPOSTAS RDC 67/2009 1. O que é a RDC 67/2009 e do que trata? É uma Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) que regulamenta a organização da tecnovigilância

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

Esta política define:

Esta política define: Esta política define: OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES SOLICITAÇÃO DE CONTRATAÇÃO E APROVAÇÕES RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMISSÃO SALÁRIO ADMISSIONAL INTEGRAÇÃO OBJETIVO Definir uma política

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional N.º 246 DOU de 23/12/05 Seção 1 - p. 124

Diário Oficial Imprensa Nacional N.º 246 DOU de 23/12/05 Seção 1 - p. 124 Diário Oficial Imprensa Nacional N.º 246 DOU de 23/12/05 Seção 1 - p. 124 MINISTERIO DA SAUDE SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 743, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2005 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE MASSA NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 01 de DEZEMBRO de 2015 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X. NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X. NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA E ESCOPO... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS GERAIS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. EXERCÍCIO

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016)

ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016) ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016) 1) O que é o SIMP? O SIMP Sistema de Informações de Movimentação de Produtos é o sistema institucional da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL RESOLUÇÃO - RE Nº 05, DE 24 DE AGOSTO DE 2000 (*) Padroniza documentos para processo de impugnações ao

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal Secretaria Executiva do CONCEA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal Secretaria Executiva do CONCEA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal Secretaria Executiva do CONCEA Brasília, 22 de outubro de 2013. Assunto: Base Legal - Regulamentação

Leia mais