Promotor de Justiça Bruno Alexander Vieira Soares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Promotor de Justiça Bruno Alexander Vieira Soares"

Transcrição

1 O homem mais perigoso é aquele capaz de pensar por si próprio, sem ligar para tabus e supertições em voga H.L. Mencken Belo Horizonte, 24 de outubro de 2014 A 3 PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA SAÚDE DE BELO HORIZONTE/MG A/C Promotor de Justiça Bruno Alexander Vieira Soares DENÚNCIA DE CRIME MARCOS GONÇALVES PINHEIRO SILVA, já devidamente qualificado nos autos, vem informar sobre as várias irregularidades implantadas nas Vigilâncias Sanitárias para o segmento de controle químico de pragas urbanas. Em ofício protocolado em 28 de agosto de 2014 apresentei de maneira simplificada e fracionada as diversas fases / situações e manobras ilegais envolvendo a regulação do segmento de controle químico de pragas urbanas; Em 24 de setembro de 2014, compareço a Promotoria de justiça da Saúde de Belo Horizonte e comprometo a entregar informações e nomes dos autores do esquema na qual denominei de a máfia do alvará sanitário. Aproveitando o Artigo: Responsável Técnico de empresas especializadas em controle de vetores e pragas urbanas: história e consolidação de um novo e importante mercado de trabalho técnico Revista Vetores&pragas Ano XIII n 26 de novembro Neste artigo o sr. JAIR ROSA DUARTE expõe de maneira objetiva a sua participação, a do Biólogo HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e da coordenadora da ANVISA TÂNIA PICH na edição da RDC 18/ , ratificando as áreas de formação para o exercício da responsabilidade técnica em empresas especializadas em controle de vetores e pragas urbanas.

2 A RDC 18/2000 foi revisada, também sob a coordenação de TÂNIA PICH e com fachada de legalidade foi realizada Consulta Pública n 76/08 no site da ANVISA e a RDC 18 foi alterada dando origem à RDC 52/2009. Entretanto a RDC 18/2000 nunca conseguiu explicar a necessidade de prescrição de inseticidas e raticidas; muito menos justificar a ratificação das profissões habilitadas elencadas na RESOLUÇÃO 156/95 da SES/MG, o conhecimento e atribuição profissional para o R.T. do segmento de controle de pragas urbanas. O uso dos saneantes desinfestantes registrados na ANVISA; a compra e a venda de produtos de uso profissional ou de venda livre não necessitam de receituário. A RDC 52/2009 atende claramente, a interesses econômicos e comerciais em detrimento do foco mais importante que são as ações de saneamento ambiental. A RDC 63 de 25 novembro de 2011 da ANVISA em seu artigo 63, reconhece expressamente o caráter complementar do controle químico nos estabelecimentos de Saúde. Em 28 de fevereiro de 2000 a sra. TANIA PICH ratificou as profissões elencadas na Resolução 156 /95 da SES/MG. Em 2009 a mesma gerente geral de saneantes da ANVISA não conseguiu definir qual é a profissão que tem conhecimento e atribuição para ser responsável técnico de uma dedetizadora. Fomenta o controle químico em detrimento as ações de saneamento ambiental, restringe / proíbe a atuação da pessoa natural e cria demanda e reserva de mercado para empresas especializadas. Cria receita econômica para conselhos profissionais que NÃO conseguem ao menos justificar a real necessidade da inscrição nos seus quadros. Como diz o artigo apresentado pelo sr. JAIR ROSA DUARTE a RDC 18 e a RDC 52 criam um mercado de trabalho para os (ir) responsáveis técnicos. A RESPONSABILIDADE TÉCNICA NO USO DE AGROTÓXICOS não se confunde com a responsabilidade técnica no controle químico complementar as AÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL, SEGURANÇA AMBIENTAL E OCUPACIONAL NO USO DOS SANEANTES registrados no Ministério da Saúde / ANVISA. A RDC 52/2009 é uma legislação infra-legal existente para regular o funcionamento das empresas de prestação de serviços de controle químico de pragas urbanas, encontra-se organizada para a construção de um mercado de serviços para as empresas. As gerencias municipais da Vigilância Sanitárias passaram a replicar os comandos implantados sem nenhuma lógica sanitária, ambiental e ocupacional, criando o modo perpétuo para favorecer as empresas e proteger os mentores intelectuais deste esquema econômico na qual o empresário HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e JOÃO BAPTISTA LADEIRA FEREIRA e empresas associadas a MINASPRAG são os principais favorecidos.

3 A corrupção organizada pelo sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA passava pela argumentação de que a ANVISA poderia impedir os profissionais com registro no CONFEA de atuar no segmento de controle de pragas urbanas, criando restrições profissionais. A legislação sanitária (infra-legal) poderia passar por cima do Legislativo para defender os interesses coletivos(?); A SES/MG toma decisões isoladas para atender interesses econômicos de servidores públicos e divulga exigências sem base técnica para obtenção de licença sanitária das dedetizadoras. (aprovação de projeto arquitetônico) Este comando regulatório que jamais pode ser questionado, consolidou um esquema de corrupção para favorecer um determinado grupo, impondo exigências técnicas descabidas, criando bloqueios para aberturas de novas empresas dedetizadoras, ameaçando e cometendo assédio moral aos servidores do baixo escalão através de roteiros de inspeção viciados, direcionando editais com exigências absurdas de associações ou quantitativos e/ou especificações não mensuráveis, difamando, caluniando, injuriando, multando, renúncia fiscal destas mesmas multas intimidatórias, formação de quadrilha através de associações estaduais e gerencias municipais loteando o mercado com as suas próprias empresas. Muito se falou na Sindicância SES N 007/2009 da legislação vigente para obtenção do alvará sanitário das empresas de dedetização, mas nunca aceitaram o meu registro empresarial no CREA-MG mesmo comprovando legalmente a minha habilitação profissional. Através do Ofício GTC/1498 de 08 de julho de 2004 CREA-MG consigo comprovar minha habilitação junto a VISA-SES, entretanto em 16 de junho de 2009 a sra. MARA CORRADI coordenadora da VISA/BH manda o Gerente Distrital da Regional Noroeste MAURÍCIO DA SILVA BASTOS cassar o alvará da empresa EXTERMINE Controle de Pragas Ltda na qual sou o R.T. com base na RDC 18/2000. Em momento algum a RDC 18/2000 afirmou ser o engenheiro civil um profissional não habilitado para exercer a Responsabilidade Técnica de uma dedetizadora. Como podem se defender de todos os crimes praticados com uma legislação que simplesmente não existe. Como justificar o que tem ocorrido na SES e VISAs municipais deste Estado. Já não conseguem esconder o tamanho da corrupção implantada na liberação do alvará sanitário. Vamos entender toda a retórica sanitária implantada na SES/MG e a participação fundamental da Gerente Geral de Saneantes da ANVISA TÂNIA PICH na elaboração do marco regulatório do setor. A retórica sanitária parte da premissa de que os dedetizadores são os responsáveis pelo CONTROLE DE PRAGAS URBANAS e há um truque de retórica sanitária ao tentar criminalizar o chamado Zé Bombinha e favorecer o mercado das empresas especializadas.

4 A Vigilância Sanitária sugere que os chamados Zé Bombinhas são profissionais desclassificados, ilegais e usuários de agrotóxicos nos serviços de controle de pragas urbanas. A criação da RDC 18/2000 teve como razão principal o uso indiscriminado e irresponsável dos princípios ativos legalmente conhecidos como agrotóxicos em ambientes urbanos. A gerente geral de saneantes da ANVISA sra. TÂNIA PICH não consegue nem definir qual é o profissional que têm conhecimento e atribuição profissional para exercer a responsabilidade técnica de uma dedetizadora, qual é responsabilidade civil do responsável técnico de uma dedetizadora na prescrição de inseticidas e raticidas para o controle químico de pragas urbanas. Qual profissional é capaz de sanar riscos, avaliando por exemplo, o uso do principio ativo apropriado, a dosagem correta para cada tipo de praga urbana, o equipamento utilizado e os cuidados na aplicação. Considerando que os produtos comerciais de venda restrita as entidades especializadas, a chamada venda de balcão é realizada sem nenhum acompanhamento técnico, prescrição, supervisão de uso ou da Vigilância Sanitária. A utilização de inseticidas e raticidas é baseada apenas na rotulagem e FISPQs dos produtos registrados para a finalidade de controle químico de pragas urbanas. O arsenal retórico da Vigilância Sanitária gosta de apresentar números de intoxicações e descontextualização da informação. Mas com certeza chumbinho não é raticida; raticida não é gaticida ou homicida; Sim, existe veneno registrado para o controle de escorpiões! O controle químico complementa as ações de Saúde Ambiental e da Gestão da Infraestrutura com o objetivo de impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou proliferação de vetores e pragas urbanas. O controle químico de insetos e roedores é parte integrada das ações de saneamento do ambiente urbano, rural, industrial, hospitalar e domissanitário. RDC 63/2011 ANVISA e Cód. Saúde. O truque retórico utilizado pela Vigilância Sanitária chegou ao limite de que o termo controle de pragas é utilizado como expressão de Saúde Ambiental. A SES/MG se recusa a analisar com serenidade e admitir que os deslizes alheios com o intuito de beneficiar determinados grupos, aproveitando ou driblando o emaranhado legal brasileiro para ameaçar os servidores públicos subordinados e criar as condições para atender, claramente, interesses econômicos e comerciais do servidor HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e FÁBIO REMI DA SILVA. A Superintendente de Vigilância Sanitária da SES/MG MARIA GORETTI MARTINS DE MELO apresenta o OF.DVMC/SVS N 1111/2011, de 18 de maio de Neste ofício contraditoriamente a legislação vigente, leia-se Código de Saúde 2006, afirma que nenhum estabelecimento pode ter o seu próprio controle de vetores e pragas urbanas; cria o vínculo empregatício do

5 Responsável Técnico com a dedetizadora e o pior diz que controla os EPI s, armazenamento, transporte e aplicação de saneantes. Vale lembrar que VISA não controla a comercialização / venda de saneantes????? Como podemos facilmente comprovar a SES/MG diz que faz aquilo que realmente não fiscaliza, contradiz o Código de Saúde vigente e não consegue distinguir ações de saneamento, das ações de controle químico complementar de vetores e pragas urbanas. Para complicar mais a situação e os desmandos a Sra. MARIA GORETTI MARTINS DE MELO divulga para todas as regionais, para posterior encaminhamento as VISA municipais o MEMO.CIRC.DVMC/SVS N 039/2014, de 02 de maio de 2014 na qual reconhece que as condições de funcionamento das empresas de Controle de Pragas é estabelecida somente pela Resolução ANVISA RDC N 52, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 e mais uma vez de maneira equivocada sustenta a validade da Resolução SES/MG- N 156/1995. Considerando que a revogação tácita da Resolução SES/MG - N 156 resulta da incompatibilidade e da divergência com a RDC18/2000 (revogada expressamente pela RDC 52/2009) que somente autoriza o uso dos produtos saneantes desinfestantes devidamente registrados no Ministério da Saúde/ ANVISA, em serviços de controle químico de pragas em áreas urbanas. Nesse amplo cesto cabem os falsos ou incompletos depoimentos prestados à SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA INVESTIGATÓRIA SES N 007/2009 com as devidas conclusões e acréscimos sugeridos pela Coordenadoria de Correição Administrativa/ Auditoria Setorial da SES/MG baseado em juizo de valores calúniando, difamando e injuriando o Profissional da Engenharia Marcos Gonçalves Pinheiro Silva. Os servidores denunciados criaram uma série de exigências para abertura de novas empresas, roteiros descabidos. Em 12 de fevereiro de 2010 data da publicação da conclusão da Sindicância nenhuma dúvida restava quando a habilitação profissional dos responsáveis Técnicos das dedetizadoras.(rdc 52/2009) A sra MÁRCIA RIBEIRO DE AGUIAR TEIXEIRA e o sr. FÁBIO REMI DA SILVA dizem estar seguindo os comandos legais emanados pela SES/MG e ANVISA (RDC 18/2000). Os transtornos e os constragimentos que a Sra. MÁRCIA RIBEIRO DE AGUIAR TEIXEIRA SES/SL e o referência técnica em dedetizadora sr. FÁBIO REMI DA SILVA é facilmente comprovado nos depoimentos evasivos, sem nenhuma sustentação legal, atos e fatos documentados na perseguição a minha empresa POWER TEC Gerenciamento Integrado do Ambiente quando a mesma era sediada na cidade de Pequi/MG e posteriomente em Itaúna/MG. Os roteiros que são impostos a todos os empresários que desejam atuar no segmento de controle de pragas urbanas obedecem a uma lógica perversa e onerosa sem nenhuma serventia ao empresário ou a coletividade tomadora destes serviços.

6 A corrupção foi organizada pelo pessoal do primeiro escalão da ANVISA e da Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais sendo posteriormente repassadas as VISAs municipais para serem operacionalizadas. Em 29 de julho de 2004, o coordenador da Vigilância Sanitária da SES/MG sr. HILTON BRANT MACHADO já em total conformidade aos interesses do colega HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA conclui informar que o engenheiro civil não estava habilitado para exercer a responsabilidade técnica das dedetizadoras. Importante frisar que já era do conhecimento da coordenadoria a registro da minha responsabilidade técnica na empresa POWER TEC CREA/MG Argumentou ainda não haver na legislação previsão legal de atuação de pessoa física na atividade de controle de pragas urbanas. Para o sr. HILTON BRANT MACHADO o Ofício GTC/ 1498/2004 não tem valor para Vigilância Sanitária. Todavia, com base nos itens 4.1 e 4.2 da RDC nº18 da ANVISA adotei o alvará ambiental do IBAMA e do FEAM como documentos de conformidade à legislação sanitária e providenciei o registro das empresas Power Tec Gerenciamento Integrado do Ambiente CREA MG , de 21 de março de 2003 e Extermine Controle de Pragas Urbanas CREA MG , de 30 de janeiro de 2008, no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA MG sob a Responsabilidade Técnica do Engenheiro Civil e de segurança Marcos Gonçalves Pinheiro Silva CREA MG /D. Até o ano de 2005 todo o processo de liberação do alvará sanitário estava a cargo da SES através da coordenadoria de vigilância sanitária estadual. Em 2006 a VISA estadual descentraliza a emissão do alvará sanitário e as VISA municipais passam a liberar o alvará sanitário das empresas de controle de pragas urbanas. A Prefeitura Municipal de Pequi/MG emitiu o alvará sanitário da empresa POWER TEC de 2006 até o ano Em relação ao Alvará Sanitário de 2010 a SRS Sete Lagoas informa que o alvará não possui valor legal. (mais uma perseguição para atender aos interesses dos associados MINASPRAG) Em 2006 é constituída a empresa EGPS Ltda em Itaúna MG, o alvará sanitário registro 000/001/2006 é liberado em 30 de julho de O responsável técnico da empresa é o engenheiro civil Marcos Gonçalves Pinheiro Silva. Em 06 de setembro de 2006 a sra TÂNIA MARA LIMA DE MORAIS JACOB solicita informação sobre a autenticidade do alvará sanitário registro 000/001/2006 através do OF.ANTR/SVS/SES/MG Nº 145/06. No dia 18 de setembro de 2006, o procurador do Município FREDERICO DUTRA SANTIAGO determina que toda a documentação da empresa EGPS LTDA seja recolhida à procuradoria. O Sr. FREDERICO reteve a documentação da empresa EGPS LTDA e chicanou a abertura da

7 empresa por 08 meses, ainda emitiu juízo de valor sobre o sr. Eduardo Gonçalves e manipulou servidores na busca de atender aos interesses econômicos do sr. FÁBIO REMI DA SILVA, HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e de servidores da Prefeitura de Itaúna. Em 30 de maio de 2007 o Sr. FÁBIO REMI DA SILVA também solicita a cassação do alvará da empresa EGPS LTDA. Em 15 de outubro de 2007 a sra TÂNIA MARA LIMA DE MORAIS JACOB se justifica no OF.188/07/ANTR/SVS/SES/MG afirmando que o pedido de autenticidade do alvará sanitário nº001/2006 foi uma solicitação da Sra. TÂNIA MARIA SILVA GONÇALVES da Regional Oeste da PBH e lamenta a publicidade dada ao oficio. Novamente prevaricando, a gerente TÂNIA MARIA SILVA GONÇALVES adota desde 2008, máxima de que o alvará sanitário somente possui validade local, aceitando somente alvará sanitário das empresas constituídas em Belo Horizonte. Importante frisar que empresas de outros municípios participam das licitações públicas e executam os serviços normalmente sem nenhum constrangimento por parte da VISA PBH. Mais uma vez comprovamos os interesses econômicos envolvidos na VISA-O. Por que esta gerente não fundamenta o motivo da sua recusa do alvará de outras localidades? Esta senhora conseguiu prejudicar o meu trabalho na rede de lanchonetes Mc Donald`s, quando a mesma notificou a filial do bairro Santa Lucia a somente contratar uma dedetizadora sediada em Belo Horizonte. No quintal da Tânia só trabalha quem ela quer? A Gerente TÂNIA MARIA SILVA GONÇALVES agora esta lesando a empresa ALETHOS DEDETIZADORA SOLUÇÕES EM PRAGAS URBANAS LTDA CNPJ: / com sede no município de Sabará. Importante afirmar que mais uma vez esta gerencia esta prejudicando o trabalho de uma empresa pequena que presta serviços para uma rede de supermercado com filiais em Ribeirão das Neves, Sete Lagoas, Belo Horizonte,...Tudo acreditando na morosidade da justiça, nos custos, desgastes comerciais e no emaranhado da legislação sanitária para justificar os seus desmandos. Como as grandes redes somente trabalham com único prestador de serviços em suas lojas, a empresa ALETHOS DEDETIZADORA SOLUÇÕES EM PRAGAS URBANAS LTDA, acreditando que esta corrupção implantada na VISA não pode continuar, busca na justiça através do Processo: a garantia de poder trabalhar em uma atividade regularizada que esta sendo controlada para atender interesses econômicos do sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e suas associações de empresas. A sra. TÂNIA MARA LIMA DE MORAIS JACOB é a Coordenadora de Normas Técnicas e Regulamentos da SES/MG, lotada no mesmo andar da coordenadoria da VISA estadual, juntamente com os srs. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e o sr. FÁBIO REMI DA SILVA ficando dificil desconsiderar a falta de conhecimento e o nível técnico das servidores envolvidos no crime de Advocacia administrativa aqui denunciado. A Gerente Geral de Saneantes da ANVISA TÂNIA PICH reconhece através

8 do Of.138/2001- GGSAN/GADIF/ANVISA de 27 de dezembro de 2011 a Decisão Normativa 067/2000 do CONFEA. Entretanto, ignora que esta mesma decisão permite que o Profissional do Sistema CONFEA atue como pessoa física nos serviços de controle de pragas urbanas. Portanto, não cabe a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que não tem função legislativa, retirar direitos constitucionais sob fundamento de que a RDC 52/2009 não permite a contratação de serviços por pessoa física. Todo o aparelhamento realizado pela SES/MG e VISA Municipal de BELO HORIZONTE são baseados em óbices e impecilhos burocráticos para favorecer os interesses econômicos dos sr. JAIR ROSA DUARTE e HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA, cuja a história de vida profissional baseia-se em regulamentar e excluir. Em 13 de março de 2008, denunciei o que estava ocorrendo no segmento de controle químico de pragas urbanas. ( doc. em anexo) Para comprovar os crimes denunciados basta acompanhar os procedimentos e desmandos ocorridos nas cidade de Belo Horizonte, Itaúna e Sete Lagoas; Para a comprovação dos fatos denunciados existem diversas provas documentais de como agem os denunciados que agora depois do aparelhamento realizado na SES/MG e ANVISA passam a exigir o beneficio da lei para as empresas regularizadas e o rigor da legislação sanitária subjetiva para dificultar a abertura de novas empresas ou prestadores de serviços individuais. Vejamos o aparelhamento subjetivo implantado com o apoio da Coordenadora da Vigilância Sanitária Estadual sra. MARIA GORETTI MARTINS DE MELO; Em CONTAGEM /MG para a abertura de uma empresa de dedetização as exigências descabidas chegam ao ponto de solicitarem aprovação de projeto arquitetônico com o lay-out do mobiliário. Ao custo de R$ ,00 e mais de dois anos de tentativas e desfeitas da VISA conseguimos obter o alvará da empresa SUPREMA CONTROLE DE PRAGAS URBANAS; entretanto a autoridade sanitária CAROLINA DINIZ E SILVA, sem nenhuma fundamentação técnica ou legal solicitou a revisão do Manual de Boas Práticas e os Procedimentos Operacionais Padrão em conformidade a RDC 52/2009. Importante frisar que a RDC 52/2009 não define como deve ser elaborado um Manual de Boas Práticas para uma empresa dedetizadora e sendo o R.T. um engenheiro e a fiscal, uma farmacéutica logo se percebe que tem algo errado quanto a esta exigência ou padronização. Há quanto anda a ética profissional nas VISA municipais? Se um projeto é aprovado por um engenheiro ou arquiteto, um manual de boas práticas elaborado por um engenheiro também só pode ser reprovado ou revisado, se devidamente fundamentado, por outro engenheiro com formação profissional equivalente. O melhor fato para comprovar que estamos lidando apenas com interesses

9 econômicos de servidores públicos, conselhos profissionais e associações de empresas é o que aconteceu por acasião da constituição da COOPERATIVA DOS DEDETIZADORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS- PCO-COOP/MG. Atendidas as exigências para obtenção do alvará sanitária da Cooperativa o mesmo foi emitido em 18 de maio de Contudo em 19 de julho de 2012 a fiscal NEIFE CHAVES ZANHAR emitiu Termo Intimação para a empresa INSETFIM Desinsetização ltda e o Termo Intimação para Cooperativa dos Dedetizadores do Estado de Minas Gerais PCO-COOP/MG. Comparecemos em 07 de agosto de 2012 a regional Leste e nada nos foi dito, nada foi documentado, não houve ata de reunião. Apresentado os documentos fomos embora! (Termo intimação em anexo com as exigencias descabidas registradas) Para comprovar o favorecimento ao sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e as empresas associadas a MINASPRAG apresento os documentos que foram encaminhados / protocolados junta a VISA-L e direcionados ao sr. CARLOS AUGUSTO CARDOSO que nunca respondeu por quaisquer ofício ou pedido de esclarecimento solicitado. Por diversas vezes tentei renovar o alvará sanitário da Cooperativa dos dedetizadores do Estado de Minas Gerais. Contudo consigo obter o alvará sanitário da empresa INSETFIM desinsetização ltda somente após determinação judicial. Quanto a Cooperativa todo o processo de obtenção da renovação do alvará sanitário encontra-se indeferido sem nenhuma resposta ou fundamentação legal ou técnica. Este processo e os diversos pedidos protocolados na VISA-Leste e nesta promotoria pedindo providencias comprova o favorecimento ao sr. HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA e a sua associação empresarial. Todos a declarações e protocolos requerendo ao poder público resposta estão devidamente assinados, não gerando nenhuma dúvida ao direito de informação solicitada. Tendo em vista a complexidade do caso, exercendo o meu direito constitucional de petição e de resposta do ente Público, Secretaria Estadual de Saúde e Vigilância Sanitária de Belo Horizonte apresento os promotores e delegados que podem em muito colaborar para esclarecer o que esta ocorrendo no segmento de Controle de Pragas Urbanas: Em Itaúna/MG Promotores e Delegados em que foram solicitados pedidos de investigação do esquema de corrupção envolvendo o segmento de controle de pragas Promotores Dr. Renato Antonio Boechat de Araújo Magalhães Dr. Rodrigo Bragança de Queiroz. Dr. Eneas Xavier Gomes

10 Dr. Fabio Galindo Silvestre Dra. Fernanda Honigmann Rodrigues Dra. Silvia Soares Delegados. Dr. Dirceu Ribeiro da Costa Dr. Marco Antonio N. Teixeira Em todas as denúncias citadas encontramos sempre a mesma geração de servidores públicos que como mentores tentam implantar os seus interesses econômicos, agora em fase de consolidação, através das ações emanadas pela coordenadora Vigilância Sanitária MARIA GORETTI MARTINS DE MELO. Todo esquema de corrupção envolve sempre os mesmos servidores públicos, sendo que estou denunciando os mentores; para comprovar a atualidade dos fatos e comprovar que o esquema esta sendo consolidado impunimente, apresento o folder de 2008 e o de 13 de março de 2008 na qual denunciei todo o esquema a ser construído. Estes são os servidores envolvidos na criação de restrições sanitárias e juridicas para obtenção da licença sanitária e ambiental das empresas dedetizadoras e pela exclusão dos profissionais habilitados de atuarem com pessoa física. JAIR ROSA DUARTE HORÁCIO CAPISTRANO CUNHA TÂNIA PICH HILTON BRANT MACHADO FÁBIO REMI DA SILVA JOÃO BAPTISTA LADEIRA FERREIRA TÂNIA MARA LIMA DE MORAIS JACOB MARIA GORETTI MARTINS DE MELO MARA CORRADI MÁRCIA RIBEIRO DE AGUIAR TEIXEIRA FREDERICO DUTRA SANTIAGO TÂNIA MARIA SILVA GONÇALVES MAURÍCIO DA SILVA BASTOS CARLOS AUGUSTO CARDOSO O conjunto de regras criadas por estes servidores segue a linha do que foi proposto pela SES através da Resolução 156/1995. ANVISA e SES/MG criam restrições para favorecer os amigos ou seus interesses econômicos. Ninguém na SES/MG e na ANVISA sabe explicar o por que das exigências descabidas de aprovação de projeto arquitetônico, definir qual é a profissão habilitada para ser o R.T. da dedetizadora, da necessidade do registro da empresa em Conselho profissional, o motivo do impedimento do profissional

11 habilitado de executar o serviço. Esta faltando inteligência e pragmatismo nas regras burocráticas da SES e da Anvisa. Esta geração de servidores encontrou solo fértil para implantar o esquema de corrupção no segmento de controle de pragas, adotando a arrogância sanitária como instrumento de intimidação e burocracia para limitar a concorrência, tudo com a convicção da impunidade, pois tinham certeza que ninguém iria questionar uma autoridade da ANVISA ou da SES/MG. Estes servidores são os responsáveis pela obsessão de controlar, de fiscalizar tudo, de criar complicações inacreditáveis para realizar tarefas cotidianas e liberar o alvará sanitário das empresas de dedetização. Mas quando o Foro de Belo Horizonte (em 15 de SET/14) é fechado por suspeita de intoxicação por inseticidas o alvará sanitário torna-se apenas uma epopeia administrativa. O controle químico de pragas urbanas como esta formatado pela SES/MG e ANVISA somente atende aos interesses econômicos das associações de empresas e dos Conselhos profissionais. Não estou denunciado deslizes individuais e sim um esquema racional com o intuito de beneficiar determinados grupos, aproveitando ou driblando o emaranhado legal brasileiro, que se bem estudado, permite escapatórias para quase todas as ilegalidades cometidas. DO PEDIDO Mais uma vez de forma escrita e protocolizada, conforme documentos anexos e assinados peço providencia quanto a suspeita dos crimes de formação de quadrilha, advocacia administrativa, corrupção, difamação, injuria, assédio moral, improbidade administrativa, abuso de autoridade, prevaricação, intimidação sanitária, renúncia fiscal, etc... praticados pelos servidores públicos acima denunciados. Marcos Gonçalves Pinheiro Silva

Secretaria Municipal de Saúde PROMOTORIA DE DEFESA DA SAÚDE.

Secretaria Municipal de Saúde PROMOTORIA DE DEFESA DA SAÚDE. Itaúna, 28 de agosto de 2014. À CC: Secretaria Municipal de Saúde PROMOTORIA DE DEFESA DA SAÚDE. Divisão de Vigilância Sanitária Av. Manoel da Custódia, 1.111 Morada Nova Itaúna/MG Promotora: Josely Ramos

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Referência: Pregão presencial nº 024/2012 Processo: 1.00.000.00100028/2012-41 Assunto: Impugnação de Edital PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA A empresa JC CONTROLE AMBIENTAL LTDA-EPP, interpõe impugnação

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA E TRANSPORTES DNIT

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA E TRANSPORTES DNIT ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA E TRANSPORTES DNIT Pregão Eletrônico: 51/2011 SUL AMÉRICA PRESTADORA DE SERVIÇOS LTDA, pessoa jurídica

Leia mais

..., respeitosamente, à presença do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPQ, por seu representante legal, inconformada, data vênia, com a especificação contida nos Itens 1.0

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FILIAÇÃO DO SESVESP

PROCEDIMENTO DE FILIAÇÃO DO SESVESP 1 PROCEDIMENTO DE FILIAÇÃO DO SESVESP Dispõe sobre os procedimentos, critérios e requisitos necessários para o ingresso no quadro de associados do SESVESP. A Diretoria do SESVESP, por meio de seu Presidente,

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR N 398/2014. Adriano Gesser adrianog@joinville.sc.gov.br (47)3431-3138

DÚVIDAS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR N 398/2014. Adriano Gesser adrianog@joinville.sc.gov.br (47)3431-3138 DÚVIDAS SOBRE A LEI COMPLEMENTAR N 398/2014 Adriano Gesser adrianog@joinville.sc.gov.br (47)3431-3138 1) Efetuando o desenquadramento da estimativa até 20/03/14, a partir de quando o contribuinte irá pagar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 29 DE ABRIL DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 29 DE ABRIL DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 29 DE ABRIL DE 2014 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados - SNGPC, revoga a Resolução

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br Conteúdo: legislação sanitária Professor (a): Paulo Nogueira Mini currículo: Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior da Vigilância Sanitária Municipal de Belo Horizonte. Biólogo

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA VERMELHA Secretaria Municipal da Saúde Divisão de Vigilância Sanitária

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA VERMELHA Secretaria Municipal da Saúde Divisão de Vigilância Sanitária PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA VERMELHA Secretaria Municipal da Saúde Divisão de Vigilância Sanitária DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO 1. ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTOS Comércio de alimentos

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5415 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES 1 Quais são os sujeitos que devem ser cadastrados e o que cada um representa no cadastro da empresa?...2 2 Como fazer para cadastrar uma empresa?...3 3 Cliquei

Leia mais

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação NOTA sobre atribuições do cargo de Analista de Assistência e Desenvolvimento Social/Serviço Social contido no PL 312/2014 da Prefeitura Municipal de São Paulo. O CRESS/SP - 9º Região vem a público informar

Leia mais

1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Xanxerê

1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Xanxerê Inquérito Civil n. 06.2015.00001357-5 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, representado neste ato pelo Promotor de Justiça da 1ª Promotoria de

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AMAZÔNIA : PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS

ESTADO DE RORAIMA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AMAZÔNIA : PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS ESTADO DE RORAIMA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AMAZÔNIA : PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO A empresa ITAMAR C. DA SILVA - ME, pessoa jurídica de direito privado, inscrita

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL Sistema Integrado de Licenciamento - SIL CERTIFICADO DE LICENCIAMENTO INTEGRADO SECRETARIA ESTADUAL DE GESTÃO PÚBLICA Prefeitura do Município de Tatuí Governo do Estado de São Paulo É importante saber

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 SEÇÃO IV DAS PENALIDADES I DO COMÉRCIO DE FEIRAS LIVRES, AMBULANTES, QUIOSQUES E EVENTUAIS Artigo 35 - As infrações a este Código estão sujeitas às seguintes penalidades: a- sanção:

Leia mais

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte Atualizado: 15 / 06 / 2015 - FAQ AI 1. Porte 1.1. Porte da empresa 1.1.1. Faturamento Bruto Anual 1.2. Classificação da empresa segundo seu porte 1.3. Comprovação de porte 1.3.1. Quando deve ser comprovado

Leia mais

O Alvará de Funcionamento de Estabelecimentos

O Alvará de Funcionamento de Estabelecimentos O Alvará de Funcionamento de Estabelecimentos No último curso sobre gestão de poder de polícia administrativa, realizado em Eunápolis, Bahia, a questão da licença municipal que permite o funcionamento

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

Departamento Regional Minas Gerais. Ata de Julgamento

Departamento Regional Minas Gerais. Ata de Julgamento Trata-se de licitação na modalidade Pregão Presencial n 0078/2014, cujo objeto é a contratação de empresa especializada em controle de pragas por meios físicos, químicos ou biológicos, de infestações nas

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Fl. Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina PREGÃO N. 86/2011 PROTOCOLO N. 53.405/2011 ASSUNTO: Contratação de empresa especializada para execução dos serviços de desinsetização e desratização dos

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC Ferramenta informatizada para captura de dados e geração de informação, a cerca da prescrição, dispensação e consumo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO)

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO) SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Atualização de Requisitos para Regularização de Produtos REGULAMENTO TÉCNICO DE PRODUTOS PARA CADASTRO DE PRODUTOS PARA SAÚDE RDC 40/2015 GEMAT

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 4. LEITURA DE EXTRATO DE CORRESPONDÊNCIAS RECEBIDAS

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS Setor de Fiscalização RESPONSABILIDADE TÉCNICA T NO COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS RIOS Mateus da Costa Lange Médico Veterinário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA Processo n.º 170/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA Referência: Pregão n.º 009/2015 Assunto: Impugnação aos Termos do Edital DECISÃO Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO EDITAL interposta pela empresa PLUS

Leia mais

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 COMBRAS ENGENHARIA LTDA. apresentou Impugnação ao Edital do Pregão Eletrônico AA nº 37/2007, que tem por objeto a contratação de empresa

Leia mais

COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE. REQUERIMENTO N DE 2005 (do Sr. EDUARDO PAES )

COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE. REQUERIMENTO N DE 2005 (do Sr. EDUARDO PAES ) COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLE Senhor Presidente, REQUERIMENTO N DE 2005 (do Sr. EDUARDO PAES ) Solicita seja convidada a Sra. Isabel carneiro Silva. Nos termos regimentais, requeremos

Leia mais

ATA DE JULGAMENTO DA IMPUGNAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 030/2010 PROCESSO Nº E-18/001.673 /2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSERVAÇÃO, LIMPEZA E HIGIENE.

ATA DE JULGAMENTO DA IMPUGNAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 030/2010 PROCESSO Nº E-18/001.673 /2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSERVAÇÃO, LIMPEZA E HIGIENE. AO ORDENADOR DE DESPESAS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATA DE JULGAMENTO DA IMPUGNAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 030/2010 PROCESSO Nº E-18/001.673 /2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSERVAÇÃO, LIMPEZA E

Leia mais

RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS

RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS COORDENAÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO PORTARIAS Nº 255/2011 E Nº 535/2011 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO 40ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo Anvisa Brasília, 13 de junho de 2013

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Leia mais

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário;

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário; RESOLUÇÃO Nº 25, DE 18 OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre parâmetros e padrões para desenvolvimento do modelo de integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO - PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE; CPL-COMISSAO PERMANENTE DE LICITAÇAO/PREGÃO.

ESTADO DE MATO GROSSO - PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE; CPL-COMISSAO PERMANENTE DE LICITAÇAO/PREGÃO. ESTADO DE MATO GROSSO - PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE; CPL-COMISSAO PERMANENTE DE LICITAÇAO/PREGÃO. PREGÃO PRESENCIAL Nº 015/2011 AO PREGOEIRO OFICIAL ILUSTRÍSSIMO PREGOEIRO DA PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Vigilância Sanitária

Vigilância Sanitária Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Vigilância Ambiental Vigilância Sanitária Setor de Produtos e Estabelecimentos de Interesse da Saúde SPEIS Comércio atacadista e varejista de alimentos de

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO Nº 004/2011

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO Nº 004/2011 Processo nº: 00565/2011 Origem: Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. Assunto: Impugnação ao Instrumento Convocatório. Interessado: GHS Indústria e Serviços LTDA. RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO

Leia mais

CLUB&CASA DESIGN REGULAMENTO DA CAMPANHA 2015

CLUB&CASA DESIGN REGULAMENTO DA CAMPANHA 2015 CLUB&CASA DESIGN REGULAMENTO DA CAMPANHA 2015 ÍNDICE 1. CAMPANHA... 3 2. PERFIL DOS PARTICIPANTES... 3 3. INSCRIÇÃO... 3 4. LOCAL... 4 5. PERÍODO DE DURAÇÃO... 4 6. CATEGORIAS DE PREMIAÇÃO... 4 7. SISTEMA

Leia mais

RELATÓRIO. 1 Preâmbulo

RELATÓRIO. 1 Preâmbulo Minuta RELATÓRIO Da audiência pública promovida pela COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS sobre a Consulta Pública nº 69, de 2007, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, acerca de Boas Práticas Farmacêuticas

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO PROCESSO N 2004.QXD.TCE.03953/07 ENTIDADE: PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ INTERESSADO: ANA KARINE SERRA LEOPÉRCIO PROMOTORA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE QUIXADÁ RESPONSÁVEIS: ANTÔNIO ALMEIDA VIANA PRESIDENTE

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica

Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo esclarecer possíveis dúvidas a respeito da inspeção de remessas importadas

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA:

VIGILÂNCIA SANITÁRIA: VIGILÂNCIA SANITÁRIA: O papel da AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA) e a atuação em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF) FELIPE BENTO JUNG Especialista em Regulação

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Relatório Anual de Atividades 2014

Relatório Anual de Atividades 2014 Relatório Anual de Atividades 2014 Secretaria de Estado de Controle e Transparência SECONT Subsecretaria de Estado de Integridade Governamental e Empresarial Ouvidoria Geral do Estado Marcelo Barbosa de

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 015/2015

C O N V Ê N I O Nº 015/2015 C O N V Ê N I O Nº 015/2015 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA PP - Procedimento Preparatório nº 06.2012.00007067-6 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, representado, neste ato, pela Promotora de Justiça

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: TÓPICOS ESPECIAIS EM LEGISLAÇÃO AMBIENTAL: Engenharia Química CÓDIGO: GEQ

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010 QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010 01 A respeito da validade dos atos administrativos, assinale a alternativa correta. a) A Administração Pública do Estado do Rio de Janeiro pode convalidar

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas propostas de instrução normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva e colaboradores dezembro de 2006 INDICE 1. Contexto 3 2. Situação

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 136 DE 18/05/2015 D.O.M. DE 26/05/2015

PORTARIA SMS Nº 136 DE 18/05/2015 D.O.M. DE 26/05/2015 PORTARIA SMS Nº 136 DE 18/05/2015 D.O.M. DE 26/05/2015 SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE FORTALEZA, no uso de suas atribuições legais e de acordo com os artigos 2º e 24 da Lei Nº 4.950 de 30/11/1977, artigo

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA. PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU

ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA. PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU NUP: 00407.005183/2012 29 INTERESSADO: PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE PROCURADORES GERAIS CNPG GRUPO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS GNDH COMISSÃO PERMANENTE DE DEFESA DA SAÚDE COPEDS

CONSELHO NACIONAL DE PROCURADORES GERAIS CNPG GRUPO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS GNDH COMISSÃO PERMANENTE DE DEFESA DA SAÚDE COPEDS CONSELHO NACIONAL DE PROCURADORES GERAIS CNPG GRUPO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS GNDH COMISSÃO PERMANENTE DE DEFESA DA SAÚDE COPEDS ENUNCIADOS APROVADOS (Organizados por assunto, com observação acerca

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância de Socorro Divisão de Licitações

Prefeitura Municipal da Estância de Socorro Divisão de Licitações ATA DE JULGAMENTO DO CONVITE Nº 040/2013 para a Contratação de empresa especializada para realização de serviços de dedetização (desinsetização, desratização, descupinização, pombos e morcegos), nas dependências

Leia mais