Recursos Hídricos e Tratamento de Águas na Mineração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recursos Hídricos e Tratamento de Águas na Mineração"

Transcrição

1

2 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Fernando Henrique Cardoso VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Marco Antônio Maciel MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA: Ronaldo Mota Sardenberg SECRETÁRIO EXECUTIVO: Carlos Américo Pacheco SECRETÁRIO DE COORDENAÇÃO DAS UNIDADES DE PESQUISA: João Evangelista Steiner CETEM - CENTRO DE TECNOLOGIA MINERAL DIRETOR: Fernando A. Freitas Lins COORD. DE PROJETOS ESPECIAIS (CPE): Juliano Peres Barbosa COORD. DE TRATAMENTO DE MINÉRIOS (CTM): Adão Benvindo da Luz COORD. DE METALURGIA EXTRATIVA (CME): Ronaldo Luiz C. dos Santos COORD. DE QUÍMICA ANALÍTICA (CQA): Maria Alice C. de Góes COORD. DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO (CES): Carlos César Peiter COORD. DE ADMINISTRAÇÃO (CAD): Cosme Antônio Moraes Regly

3 ISSN Recursos Hídricos e Tratamento de Águas na Mineração ANA PAULA ALMEIDA DE OLIVEIRA Eng a. Metalúrgica-PUC, M.Sc. D.Sc em Engenharia Metalúrgica e de Materias-PUC-Rio. ADÃO BENVINDO DA LUZ Eng. de Minas-UFPE, M.Sc. e D.Sc. em Eng. Mineral-USP, Pesquisador Titular do CETEM/MCT. Tem atuado ultimamente na área de minerais industriais MCT - Ministério de Ciência etecnologia CETEM - Centro de Tecnologia Mineral

4 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz SÉRIE TECNOLOGIA AMBIENTAL CONSELHO EDITORIAL Editor Ricardo Melamed Subeditor Luís Gonzaga Santos Sobral Conselheiros Externos Antonio Carlos Augusto da Costa (UERJ) Fátima Maria Zanon Zotin (UERJ) Jorge Rubio (UFRGS) José Ribeiro Aires (CEMPES) Luís Enrique Sánches (EPUSP) Virgínia Sampaio Ciminelli (UFMG) A Série Tecnologia Ambiental divulga trabalhos relacionados ao setor minero-metalúrgico, nas áreas de tratamento e recuperação ambiental, que tenham sido desenvolvidas, ao menos em parte no CETEM O conteúdo deste trabalho é de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). Jackson de Figueiredo Neto COORDENAÇÃO EDITORIAL Regina Nassim EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Vera Lúcia Ribeiro CAPA Oliveira, Ana Paula de Recursos hídricos e tratamento de águas na mineração/ana Paula de Oliveira, Adão B. da Luz - Rio de Janeiro: CETEM/MCT, p. (Série Tecnologia Ambiental, 24) 1. Minas e Recursos Minerais. 2. Recursos Hídricos. I. Luz, Adão Benvindo da. II. Centro de Tecnologia Mineral. III. Título. IV. Série. ISBN ISSN CDD

5 Sumário Abstract... 1 Resumo Introdução Gerenciamento de Recursos Hídricos Hidrologia e Hidrogeologia Tratamento de Águas de Lavra e do Processamento Mineral Remoção de Contaminantes Adsorção Coagulação, Floculação, Precipitação Extração por Solvente e Precipitação Iônica Biotecnologia Separação Sólido-Líquido Filtração por Membrana Flotação por Ar Dissolvido Considerações Finais Bibliografia... 29

6 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz Resumo A preocupação crescente com o impacto das atividades de mineração sobre o meio ambiente tem acarretado estudos visando tanto a utilização racional dos recursos hídricos, quanto o tratamento das águas descartadas durante o processo de beneficiamento mineral. O presente trabalho apresenta alguns aspectos relacionados à política e ao gerenciamento dos recursos hídricos, abordando também alguns conceitos básicos de hidrogeologia. Processos tradicionais e potenciais para o tratamento das águas oriundas dos processos de lavra e de processamento mineral são discutidos. Palavras-Chave: água, recursos hídricos, tratamento de águas, água na lavra, água no processamento mineral 1

7 Abstract The increasing concern with the impact of mining activities on the environment has caused studies aiming at the rational use of water sources as well as the handling of discharged waters produced during mineral processing. The present work presents some aspects related to the politics and the management of the water resources, also approaching some basic concepts of hydrogeology. Traditional and potential processes for mining wastewater treatment are discussed. Key words: water, water resource, water treatment, water in mining, water in mineral processing 2

8 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz 1. Introdução A Conferência de Águas das Nações Unidas, em 1977, pode ser considerada como o marco inicial das discussões em esfera mundial sobre os problemas relacionados à água potável e condições sanitárias adequadas (NETO & TROPP, 2000). Em janeiro de 1992, na Conferência Internacional de Água e Meio Ambiente, realizada em Dublin, Irlanda, já se alertava sobre a escassez e o mau uso da água como fatores de grande e crescente risco ao desenvolvimento sustentável e à proteção do meio ambiente. Desse debate, resultou um documento, a Declaração de Dublin (MMA, 2000), onde claramente se destaca que os problemas relacionados à gestão de recursos hídricos não são de natureza especulativa e necessitam de uma ação imediata e definitiva em diversos níveis. A orientação para ações locais, nacionais e internacionais podem ser resumidos em quatro princípios básicos: 1. a água doce é um recurso finito e vulnerável, essencial para sustentar a vida, desenvolvmento e o meio ambiente; 2. gerenciamento e desenvolvimento da água deverá ser baseado em uma abordagem participativa, envolvendo usuários, planejadores e legisladores em todos os níveis; 3. as mulheres formam papel principal na provisão, gerenciamento e proteção da água; 4. a água tem valor econômico em todos os usos competitivos e deve ser reconhecida como um bem econômico. O desenvolvimento e o gerenciamento dos recursos hídricos podem proporcionar entre outras vantagens: 1. a redução dos níveis de pobreza e de doenças; 2. auxiliar na proteção contra desastres naturais; 3. incentivar e exigir a reutilização e conservação da água; 4. assegurar a sustentabilidade do crescimento urbano; 5. garantir a produção agrícola e o abastecimento de água rural; 6. proteger os sistemas aquáticos; 7. resolver conflitos de reservas hídricas pertencentes a mais de um país; 8. promover a capacitação de profissionais na área. 3

9 Apesar da preocupação mundial em relação aos recursos hídricos globais ter se iniciado de forma mais incisiva há cerca de 25 anos, somente em 1997 o Brasil estabeleceu políticas mais rigorosas de gestão de recursos hídricos através da promulgação da Lei Federal n o 9.433/97 que previu a instituição do Plano Nacional de Recursos Hídricos, a outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos e a criação do Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos, entre outras deliberações (MMA, 2000). Em 17 de julho de 2000, foi criada a Agência Nacional de Águas (ANA) cuja atuação obedece aos fundamentos, metas, diretrizes e instrumentos da Política Nacional de Recursos Hídricos e deve ser articulada com órgãos e entidades públicas e privadas integrantes do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. As atribuições da ANA são autorizar o direito de uso de recursos hídricos, fiscalizar as atividades relacionadas à sua utilização segundo a legislação ambiental vigente, estipular o custo da água para os seus diversos fins, arrecadar, distribuir e aplicar as receitas obtidas pelo uso dos recursos hídricos e estimular a pesquisa e a capacitação de recursos humanos no setor, entre outras (MMA, 2000). Como a água é um recurso estratégico, a propriedade dos recursos hídricos no Brasil é da União e dos Estados. É importante ressaltar que mesmo considerando-se a demora na definição da legislação referente à gestão de recursos hídricos, esta não é tardia e exige ainda alto empenho na sua implantação e seu exercício, o que envolve desde uma estrutura administrativa eficiente até a conscientização e comprometimento da sociedade em geral. Tendo em vista a importância da conservação dos recursos hídricos para a vida do ser humano e seu bem estar, este trabalho tem por finalidade apresentar de forma sucinta questões relacionadas à gestão dos recursos hídricos, conceitos básicos de hidrogeologia e processos tradicionais e promissores para o tratamento de águas, enfocando particularmente o setor da lavra e do processamento mineral. 3 4

10 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz 2. Gerenciamento de Recursos Hídricos O processo de gerenciamento de recursos hídricos envolve componentes multidisciplinares visto que precisa atender a diferentes objetivos, sejam econômicos, ambientais ou sociais. Dentre esses componentes, a engenharia de recursos hídricos busca adequar a disponibilidade e a necessidade de água em termos de espaço, tempo, quantidade e qualidade. Seu trabalho está relacionado aos diversos usos da água, onde pode-se destacar infra-estrutura social, agricultura, florestamento, aquacultura, indústria, mineração, conservação e preservação. Esses usos da água podem ser consuntivos, nãoconsuntivos e locais. O emprego consuntivo da água provoca a sua retirada da fonte natural, diminuindo sua disponibilidade espacial e temporal (ex: agricultura, processamento industrial e uso doméstico). Por sua vez, no uso não-consuntivo, praticamente toda água utilizada retorna à fonte de suprimento, podendo haver modificação na sua disponibilidade e características ao longo do tempo (ex: recreação, piscicultura e mineração). O uso local não provoca modificações relevantes na disponibilidade da água (LANNA, 1995). A grande variedade de usos da água, somada as suas diferentes características (estruturais e intrínsecas) e funções (biológica, natural, técnica e simbólica), torna a cobrança pela utilização do recurso hídrico bastante complexa. Durante muito tempo a água não foi considerada um bem econômico, entretanto a escassez de água de boa qualidade disponível no mundo fez com que esse produto assumisse essa nova condição. Dentro da categoria de bem econômico, a água pode ainda ser classificada como bem privado, quando dois agentes econômicos não podem utilizar simultaneamente esse bem, ou como bem público (puro ou misto), o que não simplifica a determinação do seu valor econômico. Alguns países como a França e a Alemanha já estabeleceram um sistema de cobrança pelo uso do recurso hídrico, no entanto, mesmo nesses casos, ainda procuram-se metodologias mais eficientes que promovam uma maior preservação desse recurso e um custo menor para a sociedade (NETTO, 1995; GIANSANTE, 1995). No Brasil, o debate sobre esse tipo de cobrança é recente e tornou-se mais intensivo a partir da criação da ANA. 5

11 O U.S. Geological Survey (USGS, 2001) disponibilizou dados referentes às fontes de água doce disponíveis nos Estados Unidos, bem como as diversas categorias de uso dessas águas, em A representação esquemática dessas informações encontra-se na Figura 1. Esse diagrama apresenta à esquerda as fontes de água disponíveis (superficiais e subterrâneas) e à direita os diferentes usos dessa água (doméstico, comercial, industrial, mineração, termoelétrico, irrigação e rural). No centro do diagrama, tem-se o abastecimento público que possui características tanto de fonte quanto de uso. Para cada finalidade de consumo de água, foram apresentadas as percentagens correspondentes à fonte de água utilizada e as percentagens relativas ao consumo de água de cada categoria de uso. Esse órgão disponibiliza ainda o consumo de água na mineração, por estado dos Estados Unidos, que é de aproximadamente 1% do total. Informações semelhantes não foram encontradas para o Brasil, apontando a necessidade de serem efetuados esses levantamentos para um melhor gerenciamento dos recursos hídricos. FONTES FONTES/USO USOS Á GUA SUPERFICIAL 0,8% 6,9% 1000,86 3 Mm /dia 77,6% 49,6% Á GUA SUBTERRÂ NEA 289,20 3 Mm /dia 22,4% 33,2% 9,5% 19,7% 5,6% 6,7% 0,7% 67,3% ABASTECIMENTO PÚ BLICO 62,5% 37,5% 152,17 3 Mm /dia 87,9% 11,8% 0,3% DOMÉ STICO/COMERCIAL 4,8% 84,9% 10,3% INDUSTRIAL/MINERAÇÃO 64,7% 105,99 16,9% 3 Mm /dia 18,4% 8,2% TERMOELÉ TRICO 99,5% 498,92 0,1% 3 Mm /dia 0,4% 38,7% IRRIGAÇÃO / RURAL 63,2% 157,47 3 Mm /dia 12,2% 526,93 3 Mm /dia 37,6% 40,9% Figura 1 Representação esquemática das fontes e usos de água doce nos Estados Unidos em 1995 (USGS, 2000) 5 6

12 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz Toda a estrutura legal e econômica que envolve a gestão dos recursos hídricos possui como objetivo a manutenção da qualidade da água. Nesse contexto, ressalta-se a importância das águas subterrâneas devido à sua condição estratégica de reserva hídrica para as futuras gerações. Sabe-se que a poluição de aqüíferos é mais difícil de ocorrer visto que o próprio solo funciona como um meio filtrante natural capaz de reter diversos poluentes. Contudo, uma vez contaminados, torna-se muito complicada a recuperação desses mananciais. Deve-se considerar ainda os elevados custos associados para a obtenção de água a partir desse aqüíferos. Tais preocupações tornam-se ainda mais críticas nas regiões industrializadas (alto potencial de poluição), com grandes concentrações demográficas e, conseqüentemente, alta demanda. As atividades de lavra e processamento mineral podem contribuir para a poluição das águas superficiais e subterrâneas, caso não haja um controle rigoroso das operações envolvidas. Atenção especial deve ser dada aos processos erosivos e de assoreamento que ocorrem nas minas e pedreiras, aos depósitos de material estéril permanente e de minério lixiviado, à área da usina de concentração e aos locais de descarte de água, dentre outros (VIRGILI & VIANNA, 2000; CUSTODIO, 1992). Objetivando uma redução no impacto das atividades de mineração sobre o meio ambiente, uma política de reutilização de água no processo tem sido incentivada, assim como o aumento das restrições ambientais com a finalidade de obtenção de uma água descartada com características idênticas àquela captada (HESPANHOL, 1997). Consequentemente, diversos métodos de tratamento de águas têm sido estudados visando atender às novas exigências ambientais já existentes, bem como se antecipar às restrições futuras. 7

13 3. Hidrologia e Hidrogeologia As fontes de água que atendem as necessidades do ser humano podem ser classificadas em águas superficiais (lagos, rios e represas) e águas subterrâneas (aqüíferos). Ao contrário do que se possa supor inicialmente, cerca de 97% da água doce disponível na Terra encontrase no subsolo (MANOEL FILHO, 1997a). A hidrologia é a ciência que trata da água de forma global, investigando suas propriedades, sua circulação e sua distribuição sobre e sob a superfície, bem como na atmosfera. Por sua vez, a hidrogeologia foi definida inicialmente como o estudo das leis da ocorrência e movimento das águas subterrâneas em diferentes tipos de rochas e formações. Atualmente, a hidrogeologia preocupa-se também com o aproveitamento que o homem pode dar a esses aqüíferos. Tendo em vista a importância dos fundamentos dessas duas ciências para uma melhor compreensão da origem e da natureza dos recursos hídricos, alguns conceitos básicos são apresentados a seguir. A origem da água subterrânea encontra-se no ciclo hidrológico, conforme apresentado na Figura 2. Os fatores que regem esse ciclo são a ação da gravidade, tipo de densidade da cobertura vegetal para o solo e o subsolo e os fatores climáticos para a atmosfera e superfícies líquidas. Os principais processos que ocorrem em um ciclo hidrológico são (MANOEL FILHO, 1997b; CAICEDO, 1995): 1. evaporação moléculas de água da superfície líquida ou da umidade do solo passam do estado líquido para vapor; 2. evapotranspiração perda de água pelas plantas para a atmosfera; 3. infiltração absorção da água precipitada pelo solo; 4. deflúvio fluxo da água da chuva precipitada na superfície daterra, por ação da gravidade nos leitos dos rios. Dentre os sistemas de água subterrânea, os aqüíferos apresentam a maior importância, pois permitem que quantidades significativas de água se movimentem no interior da formação geológica em condições naturais. Os aqüíferos podem ser confinados (ou sob pressão) ou não confinados (livres ou freáticos). O aqüífero confinado está contido entre formações 7 8

14 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz impermeáveis e a pressão da água é superior à pressão atmosférica. A produção de águas desse tipo de aqüífero se dá através de poços onde o nível de água subterrânea fica acima da camada confinante superior. Denomina-se poço surgente (ou jorrante) aquele em que o nível da água subterrânea encontra-se acima da superfície do terreno e de poço artesiano quando esse nível ocorre abaixo da superfície. O aqüífero não confinado é aquele cujo limite superior é a superfície piezométrica (ou freática) e a pressão da água é igual à pressão atmosférica, sendo os poços associados a esse tipo de aqüífero conhecidos como poços freáticos (MANOEL FILHO, 1997b; CAICEDO, 1995). Uma representação esquemática dos aqüíferos confinados e não confinados é apresentada na Figura 3. As principais vantagens da utilização da água subterrânea como fonte de água doce em relação à água superficial são (CUSTODIO, 2000): 1. não há necessidade de construção de locais para armazenamento nem de sistemas de distribuição, tendo em vista sua ocorrência em áreas extensas ao longo das quais pode-se teracesso através de poços; 2. a regularização do fluxo subterrâneo é menos onerosa e há menor influência das variações climáticas; 3. menor dificuldade de contaminação física ou biológica. NUVENS MOVIMENTO DAS MASSAS DE AR Ú MIDO PRECIPITAÇÃO SUBLIMAÇÃO NEVE E GELO Á GUA R SUSPENSA FONTE (NASCENTE) R FLUXO EM MEIO NÃO SATURADO ET E R N ÍVEL DA Á GUA LAGO SUBTERRÂNEA FLUXO DE Á GUA SUBTERRÂ NEA (FLUXO EM M EIO SATURADO) ET TRANSPIRAÇÃO RIO FLUXO DE EFLUENTES DE FOSSAS S ÉPTICAS INTERFACE Á GUA DOCE Á GUA SALGADA R NUVENS PRECIPITAÇÃO EVAPORAÇÃO MAR Á GUA DO MAR Figura 2 Representação esquemática do ciclo hidrológico. E = evaporação; ET = evapotranspiração; I = Infiltração; R= escoamento superficial (deflúvio)(manoel FILHO, 1997b). 9

15 Á REA DE REABASTECIMENTO N ÍVEL D ÁGUA SUPERFÍCIE PIEZOMÉ TRICA POÇO SURGENTE SUPERFÍCIE DO TERRENO POÇO FREÁTICO POÇO ARTESIANO N ÍVEL D Á GUA AQÜÍFERO NÃO CONFINADO ESTRATO CONFINANTE ESTRATO IM PERM EÁVEL AQÜÍFERO CONFINADO Figura 3 Aqüíferos confinados e livres (apud CAICEDO, 1995). Como desvantagens pode-se citar: 1. os custos operacionais são relativamente altos; 2. a remoção de poluentes é mais difícil e em alguns casos impraticável; 3. inexistência de uma estrutura legal e satisfatória para exploração de aqüíferos, o que facilita a sua contaminação. A hidrologia e a hidrogeologia podem fornecer ferramentas valiosas para o diagnóstico do impacto de empreendimentos de mineração nas águas superficiais e subterrâneas. O mapeamento hídrico e geológico da região desde a fase de pré-viabilidade do projeto permite a formação de um banco de dados a partir do qual pode-se ter um maior controle do processo, antecipar problemas ambientais e, conseqüentemente, propor possíveis soluções. 9 10

16 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz 4. Tratamento de Águas de Lavra e do Processamento Mineral As atividades de lavra e processamento mineral envolvem um grande número de etapas às quais estão associadas inúmeras possibilidades de contaminação do meio ambiente. Esses riscos ambientais devem ser avaliados durante o desenvolvimento do fluxograma de operação da usina que deve prever as formas de gerenciamento e tratamento dos efluentes produzidos (MELAMED, 1998). As operações de lavra geralmente envolvem grandes volumes de água, que se torna responsável pelo transporte de contaminantes (ex: óleos, reagentes químicos) gerados nas etapas de perfuração, desmonte e transporte do minério. Em geral, essa água proveniente da lavra é descartada na bacia de rejeitos, sendo que, em alguns casos pode ser utilizada nas operações de processamento mineral. Independente da sua finalidade, essa água deve ser tratada previamente para remoção dos contaminantes. Outra forma de contaminação do meio ambiente, comum em minas de sulfetos, é a drenagem ácida de minas, que ocorre devido à ação do intemperismo e da oxidação pelo ar, pelo sol e bacteriana de sulfetos levando à formação de ácido sulfúrico, que promove ainda a dissolução de metais presentes em depósitos de estéreis e minas subterrâneas e a céu aberto. Em conseqüência desse fenômeno, além do risco de contaminação de fontes de água superficiais e subterrâneas, a recuperação dessas áreas se torna mais cara devido à maior dificuldade de reflorestamento. Esforços na prevenção da drenagem ácida de minas podem incluir ações que envolvam (RITCEY, 1989). 1. restrição ou eliminação de oxigênio, dióxido de carbono, amônia, fósforo e vários nutrientes que promovam o crescimento das bactérias, por meio de revegetação imediata ou impermeabilização química; 2. restrição da ação da água da chuva pelos mesmos métodos adotados anteriormente; 11

17 3. isolamento dos compostos sulfetados; 4. redução do íon férrico responsável pela oxidação dos sulfetos; 5. controle de ph visando a redução da atividade bacteriana; 6. uso de bactericidas. Um dos principais problemas encontrados atualmente pela indústria de mineração é a necessidade cada vez mais elevada de utilização de fontes de águas primárias impuras com altos níveis de salinidade (incluindo sais de cálcio, magnésio e ferro como precipitados em potencial) e altas proporções de água reciclada a partir de bacias de rejeitos, overflows de espessadores e filtragem. Desta forma, a introdução de consideráveis quantidades de espécies dissolvidas, a partir da dissolução de minerais, e a elevação do teor de orgânicos, devido à presença de quantidades residuais de depressores, ativadores, dispersantes, floculantes e coletores, podem afetar significativamente os custos e a eficiência do processo. HANSEN & DAVIES (1994) apresentaram uma revisão de tecnologias potenciais para a remoção de componentes dissolvidos em águas produzidas na exploração do petróleo. Diversos processos passíveis de aplicação no tratamento de águas de lavra e do processamento mineral foram descritos tanto do ponto de vista técnico quanto econômico e logístico. Um resumo dessas tecnologias é apresentado na Tabela 1, onde se faz uma divisão entre processos para remoção de metais pesados e compostos orgânicos/produtos químicos dissolvidos. O tratamento de águas envolve, na realidade, duas etapas: remoção dos contaminantes e separação sólido-água. Neste trabalho, serão abordados os dois aspectos e os diferentes tipos de tratamento serão subdivididos segundo seus princípios básicos

18 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz Tabela 1 Tecnologias empregadas para a remoção de compostos dissolvidos. METAIS PESADOS Extração por Solvente Separação por Espuma Autoclave Adsorção Aeração Leito de Zeólitas Campo Magnético Precipitação Tratamento Biológico Troca Iônica MATERIAL ORGÂNICO E PRODUTOS QUÍMICOS Tratamento Biológico Filtração por Membrana Extração por Solvente Extração por Fluido Supercrítico Oxidação Coagulação ou floculação / clarificação Adsorção em organoargilas Adsorção em zeólitas sintéticas Adsorção em carvão ativado Flotação a gás 4.1 Remoção de Contaminantes Adsorção Diversas técnicas utilizam-se do princípio de adsorção de contaminantes na superfície de diferentes materiais como carvão ativado, resina, vermiculita e zeólita. A adsorção de vários componentes orgânicos e inorgânicos dissolvidos na água em carvão ativado baseia-se na adesão desses compostos na superfície de um grão de carvão poroso (alta superfície específica) ou na sua retenção física dentro desses poros. O material adsorvido pode ser removido sempre que necessário, permitindo a reutilização do carvão regenerado durante alguns ciclos de operação. Há a possibilidade, ainda, de se utilizar um leito móvel de carvão ativado granular, o que possibilita a remoção contínua do carvão granulado saturado e sua regeneração em um sistema de oxidação a gás úmido. Esse sistema converte compostos nitrogenados em amônia, compostos de enxofre em sulfatos e hidrocarbonetos em gás carbônico e água 13

19 (HANSEN & DAVIES, 1994). A remoção de fenóis, aminas, ácidos, álcóois e uma série de outros orgânicos utilizando essa técnica já foi realizada comercialmente (DAVIS e colaboradores, 1976). Um fluxograma esquemático do processo de adsorção em carvão ativado é apresentado na Figura 4. Nos processos envolvendo troca iônica, ocorre uma reação química reversível onde os íons de uma solução são trocados por íons ligados a um leito de resina imobilizado. Quando o leito de resina está saturado com os íons contaminantes adsorvidos, há a remoção desses íons mediante contato do leito com uma solução regeneradora. No tratamento de águas, a remoção de íons de metais pesados pode ser realizada através de uma resina de troca iônica em leito recheado ou coluna. Tendo em vista que o leito da resina é facilmente obstruído por sólidos suspensos, torna-se necessário um pré-tratamento da água através de filtração. Quando a resina apresenta saturação com íons de metais pesados, deve haver a sua regeneração com um ácido forte que troca íons de metais pesados por íons de hidrogênio. A seguir, faz-se uma lavagem com hidróxido de sódio que promove a troca de íons de hidrogênio por íons de sódio. Esse processo possui normalmente um número extra de leitos para que não haja uma redução na capacidade de tratamento da usina, durante o processo de regeneração. A escolha adequada do sistema de troca iônica é fundamental para garantir sua boa eficiência, sendo necessária a realização de ensaios preliminares em laboratório antes da escolha do tipo de resina a ser utilizada na usina industrial. A Figura 5 mostra um esquema simplificado de um processo de troca iônica. ÄGUA DOCE CARVÃO REGENERADO EXAUSTÃO Á GUA REFRIGERAÇÃO CARGA (ÄGUA PRODUZIDA) VVV ADSORVEDOR Á GUA PRODUZIDA CARVÃO TRATADA CONTAMINADO UNIDADE DE OXIDAÇÃO A AR Ú MIDO AR Figura 4 Esquema simplificado do processo de adsorção por carvão ativado (HANSEN & DAVIES, 1994)

20 Ana Paula Almeida de Oliveira e Adão Benvindo da Luz REGENERADO CARGA (Á GUA PRODUZIDA) FILTROS LEITO DE TROCA IÔ NICA Á GUA DE RETROLAVAGEM Á CIDO Á GUA PRODUZIDA TRATADA Figura 5 Esquema simplificado do processo de troca iônica (HANSEN & DAVIES, 1994). MONTEAGUDO & ORTIZ (2000) investigaram um processo de remoção de mercúrio inorgânico das águas de lavra da mina de Almadén y Arrayanes, na Espanha, pelo emprego de troca iônica por resinas. Algumas resinas comerciais foram testadas para uma concentração de mercúrio em água variando de 70 a 90 ppm. Obteve-se uma redução da concentração de mercúrio para 34 ppb, o que significa a sua adequação aos níveis permitidos pela legislação. O trocador iônico Dowex XZS-1, uma resina catiônica fortemente ácida de poliestireno-divinilbenzeno contendo grupos funcionais SO 3 H, apresentou excelente seletividade para o mercúrio para os seus dois estados de oxidação (Hg + e Hg 2+ ). Os resultados indicaram que esta resina pode ser utilizada em uma ampla faixa de ph (1-12) e é insolúvel à maioria dos solventes, apresentando boa resistência física e química, alta capacidade e alta taxa de troca iônica. Ácido clorídrico foi empregado eficientemente como solução regeneradora da resina, pois ocorreu uma alta competição entre os íons de mercúrio e de hidrogênio e houve a formação do complexo iônico HgCl 4 2- que foi rejeitado pela resina catiônica. LEÃO e colaboradores (1996) estudaram a adsorção de reagentes de flotação, notadamente ácido oléico, óleo de arroz e amina, em vermiculita expandida e hidrofobizada com siloxanos. A análise quantitativa do coletor adsorvido pela vermiculita e remanescente em solução foi feita utilizando extração por solvente seguida por espectrofotometria em luz visível na faixa de 423 nm. Os solventes utilizados foram diclorometano para o óleo de arroz e clorofórmio para a amina. Atingiram-se níveis de remoção máximos de 97,8% de ácido oléico em ph=2,0; 60,8% de óleo de arroz em ph=1,0 e 88,4% de amina em ph=10,0 para as condições investigadas. 15

21 As zeólitas hidrofóbicas atuam de maneira semelhante às resinas de troca iônica e são geralmente empregadas para a adsorção de compostos orgânicos dissolvidos nas águas. Como a zeólita é friável, utiliza-se o processo em leito fixo e antes da passagem da água através do leito adsorvedor é necessária a sua filtragem para a remoção dos sólidos em suspensão. A temperatura inicial da água deve ser em torno de 20 o C. A etapa de regeneração do leito envolve primeiro a retirada da umidade por evaporação. Posteriormente, os compostos orgânicos são removidos pela passagem de uma fase gasosa aquecida a temperaturas entre 200 e 300 o C. A fase gasosa é então resfriada a 20 o C e as fases líquidas, orgânica e aquosa, condensadas são separadas (HANSEN & DAVIES, 1994). As zeólitas têm sido estudadas há muitos anos pelo U.S. Bureau of Mines como um método para o tratamento secundário do efluente gerado pela drenagem ácida de minas. Usadas em colunas, como resinas, as zeólitas têm produzido excelentes resultados na remoção de cobre e zinco desses efluentes bem como proporcionam a elevação do ph da água tratada, o que vem estimulando investigações de diferentes zeólitas em vários efluentes provenientes da drenagem ácida (JOHNSON, 1996) Coagulação, Floculação, Precipitação DENTEL (1991) fez uma revisão bastante completa sobre a necessidade de otimização da dosagem de coagulante no tratamento de águas em conseqüência de leis cada vez mais severas relacionadas ao controle da qualidade da água. Contudo, outros objetivos são igualmente importantes no controle da quantidade de coagulante adicionado em processos de purificação de águas, tais como: 1. aumentar a produção de água mantendo sua qualidade; 2. reduzir os custos operacionais (retrolavagem ou manuseio da lama) e de reagentes químicos; 3. melhorar as propriedades da lama formada ou diminuir seu volume para facilitar seu manuseio. As diferenças existentes entre os processos de coagulação e floculação nem sempre são muito claras. Em termos de características do processo, a coagulação pode ser considerada como a etapa inicial de desestabilização da dispersão, sendo o coagulante geralmente adicionado 15 16

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Sinopse Descrição de descarte dos resíduos originados dos ensaios por líquidos penetrantes por meio de processo físico

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

SPIRO, T. G.; STIGLIANI, W. M. Química ambiental. São Paulo: Pearson. 2009 (adaptado).

SPIRO, T. G.; STIGLIANI, W. M. Química ambiental. São Paulo: Pearson. 2009 (adaptado). 1. (Enem 2014) O principal processo industrial utilizado na produção de fenol é a oxidação do cumeno (isopropilbenzeno). A equação mostra que esse processo envolve a formação do hidroperóxido de cumila,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Princípios de reúso de água na indústria Ministrante: Química Industrial Ana Elisa S. Caravetti Gerente de projetos especiais da Kurita do Brasil Contatos:

Leia mais

G R U P O C I S I E CORPORACIÓN DE INSTALACIÓN Y SERVICIOS INTERNOS EMPRESARIALES S.A. DE C.V.

G R U P O C I S I E CORPORACIÓN DE INSTALACIÓN Y SERVICIOS INTERNOS EMPRESARIALES S.A. DE C.V. G R U P O C I S I E CORPORACIÓN DE INSTALACIÓN Y SERVICIOS INTERNOS EMPRESARIALES S.A. DE C.V. OBJETIVO Oferecer uma solução eficiente em tempo, custo e infraestrutura para todo tipo de problema relacionado

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO CUIABÁ-MT 2010 2 PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E POLUIÇÃO Discentes: Enzo Fortunato, Mariana Bonjour, Thiago Schumann, Victória Machado e Vitória Abreu.

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

TEORIA PARA TRATAMENTO DE ÓLEO SOLÚVEL OU EMULSIONADO. Esta mistura ocorre com pequena energia mecânica fornecida aos dois ou mais componentes.

TEORIA PARA TRATAMENTO DE ÓLEO SOLÚVEL OU EMULSIONADO. Esta mistura ocorre com pequena energia mecânica fornecida aos dois ou mais componentes. TEORIA PARA TRATAMENTO DE ÓLEO SOLÚVEL OU EMULSIONADO CONCEITO: A mistura de diversos tipos óleos com a água possuem uma característica de se separarem naturalmente, devido à diferença de densidade entre

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 15 - INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

CLARIFICAÇÃO DE XAROPE POR FLOTAÇÃO

CLARIFICAÇÃO DE XAROPE POR FLOTAÇÃO CLARIFICAÇÃO DE XAROPE POR FLOTAÇÃO Nas usinas, a qualidade do açúcar está associada diretamente à eficiência do processo de clarificação do xarope. A falta de um tratamento eficaz do xarope traduz-se

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

I-072- FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE, SEGUIDA DE COLUNA DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO, NA REMOÇÃO DE FERRO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

I-072- FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE, SEGUIDA DE COLUNA DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO, NA REMOÇÃO DE FERRO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS I-072- FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE, SEGUIDA DE COLUNA DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO, NA REMOÇÃO DE FERRO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS D artagnam Gomes Nascimento Filho (1) Técnico em Saneamento pelo SENAI/PARANÁ(1989).

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS

SEPARAÇÃO DE MISTURAS SEPARAÇÃO DE MISTURAS Os seguintes processos permitem a separação dos vários constituintes de uma mistura. Cada um destes processos tem uma utilização bem definida, dependendo do tipo e das propriedades

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Técnicas Inovadoras de Remediação

Técnicas Inovadoras de Remediação Técnicas Inovadoras de Remediação Dr. Sander Eskes FEAM, Belo Horizonte Agosto, 2011 Abordagens de remediação Contaminação Contenção Contaminação Remoção Destruição Contaminação Aplicação de tecnologias

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial F. H. Harada a, F. P. Capeloza b, L. M. Scarpelini c a. Eng. Químico e MSc pela EPUSP, Coordenador de Engenharia e Propostas da Siemens Water

Leia mais

Aplicações de Polímero Natural no Tratamento de Águas: Baba do Quiabo

Aplicações de Polímero Natural no Tratamento de Águas: Baba do Quiabo Aplicações de Polímero Natural no Tratamento de Águas: Baba do Quiabo 1 Bathista, A. L. B. S., 2 Tavares, M. I. B., 1 Silva, E. O., 1 Nogueira, J. S. 1 Departamento de Física Universidade Federal de Mato

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2.

1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2. 1. Remover e, simultaneamente, impedir a formação de depósitos de carbonato em superfícies internas de equipamentos de transferência de calor. 2. Otimizar processos que utilizam qualquer tipo de líquido.

Leia mais

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Ruben Bresaola Júnior (1) Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos. Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

Conceitos e aplicações dos adjuvantes

Conceitos e aplicações dos adjuvantes ISSN 1518-6512 Agosto, 2006 56 Conceitos e aplicações dos adjuvantes Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 Introdução Os herbicidas, até mesmo aqueles com ação de contato como paraquat, necessitam

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Discentes: Juliane C. Prado Vinícius F. Bernardo Docente: Profº Dr. César A. Moreira Disciplina: Recursos Energéticos Índice 1) Introdução 2)

Leia mais

10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água

10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. 10º Prêmio FIESP Conservação e Reúso de Água MS ECO RA 3.000 AUTO ESTAÇÃO COMPACTA PARA TRATAMENTO E REÚSO DE EFLUENTES Cliente: VIACÃO SALUTARIS E TURISMO

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

Soluções Outotec Para o Tratamento de Água

Soluções Outotec Para o Tratamento de Água Soluções Outotec Para o Tratamento de Água A Outotec oferece soluções para o tratamento de água industrial (IWT) desenvolvidas para produzir água conforme os conceitos ambientais de efluentes, maximizando

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com NOSSA EMPRESA A MAR Consultoria Ambiental, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi criada em 2002 para atender às lacunas existentes

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um não-metal multivalente pertencente à série química do nitrogênio (grupo 15 ou 5 A) que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos, inclusive nos seres

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

Processos em Engenharia: Processos de Separação

Processos em Engenharia: Processos de Separação Processos em Engenharia: Processos de Separação Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 10 p.1/44

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção.

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção. O que fazemos? GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Abrange um conjunto de técnicas e metodologias aplicadas com o objetivo de avaliar as reais condições de um dado local, caracterizando o passivo ambiental

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Karine Cardoso Custódio PASTANA (UFPA) e-mail:karineccpastana@gmail.com Tatiana Almeida de OLIVEIRA

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais