IXAUTHOR GUIDELINES FOR O TRIPLE PLAY RUMO À CONQUISTA DO MERCADO. Pedro Guerreiro, Hélder Vieira, João Bravo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IXAUTHOR GUIDELINES FOR O TRIPLE PLAY RUMO À CONQUISTA DO MERCADO. Pedro Guerreiro, Hélder Vieira, João Bravo"

Transcrição

1 IXAUTHOR GUIDELINES FOR O TRIPLE PLAY RUMO À CONQUISTA DO MERCADO Pedro Guerreiro, Hélder Vieira, João Bravo Instituto Superior Técnico - TagusPark Av. Cavaco Silva, Oeiras, Portugal {pedro.guerreiro, helder.vieira, RESUMO Uma evolução sustentada das redes de comunicações vem possibilitando um crescendo acesso à banda larga, impulsionando a convergência de serviços. Esta agregação de serviços é actualmente denominada por triple-play consistindo na oferta de redes que sejam capazes de suportar voz, dados e vídeo através de uma única ligação. A sensibilidade dos serviços anteriormente descritos ao atraso, tornam necessário a construção de redes que suportem mecanismos de QoS (Quality of Service). O triple-play é de certo modo responsável pela criação de um novo modelo de negócio, criando um leque de oportunidades para ISP (Internet Service Provider) e distribuidores de conteúdos. Este novo conceito de redes vem sido oferecido pelas Empresas de Cabo, mas as empresas Telecoms fixas preparam-se para uma entrada no mercado bastante competitiva. Índex Terms Convergência, Qualidade, Evolução, Competitividade 1. INTRODUÇÃO O elevado crescimento das tecnologias de comunicação provocou uma revolução na visão que se tinha das redes e do seu modelo de negócio. O cobre e o cabo asseguram hoje o acesso em banda larga. Existem outras tecnologias que no futuro tem uma palavra a dizer como é o caso do FTTH( Fiber To The Home), WiMax, PLC (Power Line Communication) e WLAN (Wireless Local área Network). O conceito triple-play é revolucionário na medida em que permite adquirir vários serviços, três, através de uma única ligação. Note-se que até há bem pouco tempo, a voz, televisão e Internet eram considerados mundos completamente distintos. As enormes potencialidades e oportunidades que estes serviços transferem para as empresas que os fornecem, tornam este sector do mercado muito competitivo. É assim possível distinguir três grandes sectores que exploram a oferta destes serviços: Telecom fixas, Empresas de Cabo e ISP/ASP. Adivinha-se uma luta renhida em que estas, têm sem dúvida uma palavra a dizer. As Empresas de Cabo desejam competir com as Telecom fixas nos serviços locais de voz, mas querem simultaneamente impedir que estas possam competir nos serviços de Televisão. Por sua vez, as Telecom fixas tentam oferecer serviços de Televisão procurando bloquear qualquer competição por parte das Empresas de Cabo nos serviços de voz. Num passado ainda recente, os serviços de voz (Telefone) eram oferecidos analogicamente, pelas empresas Telecoms fixas, fazendo o respectivo uso da infra-estrutura de cobre. Em Portugal a empresa mais representativa neste sector é a PT (Portugal Telecom). No que respeita à Televisão, é desde há algum tempo oferecida pelas Empresas de Cabo. Neste sector as Empresas mais representativas são a CaboVisão S.A e TVCabo (PT Multimédia). Os ISP/ASP(Internet Service Provider) começaram por fornecer serviços de Internet Banda Larga. A Telepac é uma das empresas mais importantes neste sector em Portugal. Actualmente os três sectores tendem a convergir num único sentido: triple-play. A Figura 1 representa a convergências dos diferentes sectores Figura 1 O Triple-Play e a convergência dos vários sectores [2] 1

2 2. A INFRAESTRUTURA DO TRIPLE PLAY Um dos grandes desafios do mundo empresarial para a implementação do triple-play é a definição de uma topologia para a rede de acesso. Com a evolução tecnológica actual e as novas exigências do mercado, os vários sectores (Telecom Fixas, Empresas de Cabo e ISP/ASP) foram praticamente obrigados, a reestruturar ou criar, as suas arquitecturas de rede, de forma a dar resposta às necessidades do mercado. O planeamento da rede, a cargo das empresas, vai essencialmente depender da sua infra-estrutura base e da visão futura do mercado. Os elevados débitos exigidos pelos serviços que se pretendem prestar (voz, dados e televisão), levaram à escolha da Fibra Óptica para as Redes de Acesso. Actualmente, existem várias opções de arquitectura: - FTTH: fibra até casa - FTTB: fibra até ao edifício - FTTN: fibra até ao nó da rede Dado o elevado preço da fibra óptica, transmissores e receptores ópticos, quer as Empresas de Cabo quer as Telecom fixas optaram por uma solução mista (cobre ou cabo coaxial), como é possível constatar através da Figura 2. Assim sendo a topologia da rede de acesso consiste na colocação de fibra óptica até ao nó da rede a partir do mesmo, cabo ou cobre, dependendo do sector responsável. Apenas para soluções Empresariais ou Universidades é disponibilizada fibra óptica até ao edifício (FTTB). Figura 2 Rede Fixa, Portugal Telecom [2] 2.1. A Evolução da Rede de Acesso nas Empresas de Cabo e na Telecom Fixas As Empresas de Cabo utilizam uma arquitectura HFC redes híbridas. Este tipo de arquitectura caracteriza-se pela colocação de fibra nos troços mais longos da rede e cabos coaxiais nas zonas de distribuição. A arquitectura HFC é muito popular nas Empresas de Cabo. Dado os reduzidos custos de investimento é possível reutilizar o cabo coaxial, oferecendo para além do serviço de difusão de televisão, novas funcionalidades ao nível da interactividade, fazendo uso de um canal de retorno partilhado (ver Figura 2). Com esta arquitectura tornou-se possível: - Aumentar a largura de banda do sistema; - Fiabilidade; - Qualidade do sinal; - Comunicações bidireccionais; As arquitecturas HFC foram inicialmente desenhadas para a transmissão de televisão analógica e rádio. Devido à evolução da tecnologia digital e a necessidade de criação de serviços digitais interactivos, surgiu o protocolo DOCSIS (Data Over Cable Service Interface Specifications). Este protocolo permite o suporte de serviços baseados em IP em redes de televisão por cabo. A televisão numa arquitectura HFC pode ser um conjunto de vários sinais: digitais e analógicos. É utilizada STB (Set Top Box) na casa do cliente por forma a que este possa controlar o que vê e utilizar novos serviços como o VoD(Vídeo on Demand). A Internet é distribuída via ATM (Asynchronous Transfer Mode) ou DOCSIS(Data Over Cable Service Interface Specifications). As Empresas Telecom Fixas utilizam, desde há algum tempo, a tecnologia DSL (Digital Subscriber Line), permitindo esta a transmissão de sinais digitais sem interferir com a faixa de frequência utilizada para a voz. Tecnologias como, ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line), ADSL2+ (extensão do ADSL) e VDSL2 (Very high speed Digital Subscriber Line), que têm por base a utilização de pares de cobre, proporcionam serviços multimédia de débito elevado, permitindo assim que a rede local de cliente, baseada em pares de cobre, seja praticamente toda reutilizada (ver figura 2). O ADSL é uma tecnologia que consiste na transmissão de dados digitais em alta velocidade utilizando a infra-estrutura da linha telefónica. Actualmente o ADSL2+ e o VDSL2 são as tecnologias mais recentes a oferecer uma maior largura de banda. As tecnologias supracitadas permitem elevados ritmos devido à utilização mista de fibra óptica com cobre FTTN. 2.2 Topologia da Rede de Acesso Triple Play Tanto para as Empresas de Cabo como para as Telecom Fixas existem várias alternativas para definir uma topologia para rede de acesso que permita oferecer serviços de triple-play. Entre as várias 2

3 possibilidades existentes, vamos apresentar uma rede de acesso baseada em Metro Ethernet. 3.1 Internet de Banda Larga Com a evolução da tecnologia, o conceito de serviço de Internet alterou-se. Num passado recente, os ritmos de transmissão da Internet eram baixos, levando a um leque de aplicações utilizadas fosse reduzido. As novas infra-estrutura, com forte presença da fibra, permitiram o surgimento ao que hoje denominamos de Internet Banda Larga, em que os ritmos de transmissão são superiores a 256 kbit/s. Novas Tendências Figura 3 Rede de Acesso baseada em Metro Ethernet [11] Neste tipo de topologia é importante salientar alguns dos seus elementos. O DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer) é um dispositivo que permite a recepção de sinais transmitidos por múltiplos assinantes, encaminhando-os através de uma rede de alta velocidade. Estes têm a capacidade de classificar o tráfego em VLANs (Virtual Local Area Network), suportando requisitos de QoS (Quality of Service), como o diffserv e filas de prioridade, permitindo ainda a filtragem de pacotes. Consoante o fabricante, o DSLAM pode conectar-se ao backbone através de redes ATM, Frame Relay ou Gigabit Ethernet. Outros dispositivos de realce nesta topologia são o Splitter e o BRAS (Broadband Remote Access Servers). O splitter permite a separação entre a frequência da voz, no caso de termos um telefone convencional ligado à rede PSTN (Public Switched Telephone Network), e a frequência dos dados, que pode incluir voz e vídeo. Por outro lado, o BRAS é responsável por encaminhar todo o tráfego proveniente e com destino ao dispositivo DSLAM. Além disso, permite ainda a gestão de políticas referentes à Qualidade de Serviço (QoS). 3. Serviços Triple-Play A evolução das redes de acesso permitiu a oferta de serviços com maior largura de banda. As Empresas de Cabo e Telecom Fixas oferecem actualmente um conjunto de serviços de banda larga, através de um único canal de comunicação Triple Play. Em seguida são apresentados os serviços oferecidos: - Internet de Banda Larga - TVoIP (Television over IP) - VoIP (Voice over IP) A Internet possibilita através de um computador e um ponto de acesso, efectuar operações como é o caso de movimentações bancárias, compras e reservas, sem que tenhamos necessidade de nos deslocarmos. Nos dias de hoje, é possível utilizar a ligação à Internet para substituir o telefone fixo tradicional, através da tecnologia VoIP (Voz sobre IP, a qual vai ser explicitada mais à frente). É também possibilitado ao utilizador o acesso a vídeo, TvoIP (televisão sobre IP vai explicitado posteriormente) com multicanais através da Internet, incrementando assim o leque de serviços que nela podemos encontrar. 3.2 TVoIP TVoIP é um serviço de televisão digital que está disponível para utilizadores que tenham um serviço de banda larga em redes IP. A partir de um dispositivo Set-Top-Box (STB) é possível receber serviços TVoIP tornando realidade o Video on Demand (VoD) e o Personal Video Recorder (PVR) alargando-se assim o conceito de interactividade na televisão. Video on Demand (VoD) Trata-se de um serviço que oferece a programação da televisão proporcionando aos utilizadores um nível elevado de interactividade. Permite ao mesmo tempo, a consulta e escolha dos canais/programas desejados. As aplicações VoD permitem uma maior liberdade na escolha de conteúdos em tempo real. Personal Video Recorder Serviço que permite a gravação automática de um conteúdo, em que o utilizador selecciona previamente o conteúdo que deseja gravar. Este serviço possibilita a visualização do conteúdo gravado quando o utilizador mais desejar. Para isso basta-lhe efectuar o download do conteúdo. No entanto, devido ao elevado espaço que geralmente estes conteúdos ocupam, é efectuada a eliminação dos mesmos passado um determinado período de tempo. 3

4 3.3 VoIP O VoIP é um serviço de transmissão de voz sobre redes IP (banda larga). Um dos maiores desafios é a qualidade de voz, o que implica necessariamente uma largura de banda adequada. Este serviço envolve gestão de redes, soluções de QoS e SLAs (Service Level Agreement) entre operadores. Existem vários factores que levaram ao transporte de voz sobre IP, por exemplo, o facto da voz ainda gerar receitas, o IP ter equipamento menos dispendioso, ser uma tecnologia já implementada na maioria dos operadores e possibilidade de integrar voz e dados. Desafios Os desafios do VoIP passam pela oferta de voz com alta qualidade, ou seja, sem eco, atraso perceptível e ruído incomodativo na linha. Devido às características da rede IP, há que ter em conta os seguintes parâmetros: atraso de propagação, transmissão, armazenamento, reenvio e processamento. Uma vez que o VoIP é um serviço sensível ao atraso, foi definido que o Round Trip Delay deve ser inferior a 300 ms. Uma das soluções passa pelos interlocutores poderem-se adaptar ao atraso e não às variações do mesmo. Dado que a minimização do atraso implica a existência de buffers na recepção, e estes por sua vez aumentam o atraso, é importante estabelecer uma relação que tenha em conta estes dois factores. Funcionamento Para um correcto funcionamento do VoIP é essencial a utilização de um acesso à Internet em banda larga, dado que a largura de banda influência directamente a velocidade de transmissão dos pacotes e a qualidade de serviço (QoS). Como já foi citado anteriormente o VoIP utiliza o protocolo IP. Deste modo, o funcionamento ou comportamento da voz sobre o protocolo IP processa-se do seguinte modo: a voz captada pelo microfone (origem) é inicialmente analógica tendo de ser codificada (codec) de forma a reduzir a taxa de transmissão de bits. Consequentemente os bits codificados são introduzidos em pacotes IP e transmitidos para a rede. Antes de chegarem ao receptor, os bits são retirados dos pacotes e descodificados (ver figura 4). Figura 4 Exemplo de funcionamento do VoIP [8] 3.4 Protocolos e Codificação Internet de Banda Larga O protocolo IP (Internet Protocol RFC 791) é a base de toda a Internet e devido à sua expansão global é hoje a base de todos os novos serviços, como é o caso da TVoIP e VoIP TVoIP Os conteúdos de vídeo não são mais do que uma sequência de imagens produzidas ao longo do tempo para uma determinada frequência. Cada imagem apresenta MxN amostras de luminância e crominância, com um certo número de bits por amostra. Dada a elevada banda, memória e número de bits necessários para representar digitalmente uma sequência de vídeo é necessário proceder à codificação. Na Televisão digital a norma utilizada para codificação de sinais vídeo começou por ser a ISO MPEG-2 Vídeo. Trata-se de uma norma conjunta com a ITU-T tendo também por base a recomendação H.262. Com a introdução de aplicações multimédia interactivas, na TVoIP, procedeu-se há alteração da norma de codificação MPEGs-2 por MPEG-4/H.264 MPEG-4/H.264 A norma MPEG-4/H.264 permite uma maior eficiência (cerca de 50%) no processo de codificação, utilizando um menor débito para uma mesma qualidade em comparação com as normas já existentes, como é o caso do MPEG-2 e H.263. Esta norma diferencia-se das anteriores nos seguintes aspectos: Compensação de movimento com blocos de tamanho de variável; Múltiplas tramas de referência; Transformada com blocos menores; Filtro deblocking no loop de predição; Codificação entrópica melhorada; Procura oferecer essencialmente um vasto leque de comunicações pessoais, gravação e difusão com qualidades e resoluções variadas. A figura 5 ilustra 4

5 que, em MPEG 4-video, os objectos de vídeo são codificados separadamente e que por motivos de compatibilidade e eficiência, esta codificação é realizada através dos seus planos de vídeo correspondentes. Uma das grandes dificuldades encontradas na compressão MPEG-4 foi a interoperabilidade entre equipamentos. cliente controlar servidores de multimédia, tanto para permitir transacções de conteúdos armazenados no disco(pré-gravados), quer para gravação (ver figura 6). Figura 6 Procolos em TVoIP [9] Figura 5 Diagrama de blocos do MPEG-4 vídeo [1] No que respeita ao áudio, na televisão digital a norma utilizada é o MPEG-1 ou MPEG-2 áudio (layer 3). Garantem uma codificação de áudio eficiente, mono ou estéreo, com elevada qualidade (de kbit/s por canal), utilizando frequências de amostragem de 32, 44.1 e 48 khz. Permite a gravação digital de conteúdo audiovisual a 1.5Mbit/s. Actualmente está a decorrer uma evolução nesta área com a introdução do MPEG-4, através do AAC (Advanced Audio Coding),HE-AAC (High Efficiency AAC), AAC-LD(Long Delay Audio Coder) e a introdução do Parametric Stereo. O codificador AAC é um algoritmo de codificação de áudio de banda larga apresentando uma excelente qualidade para vários bitrates. O MPEG-2 usa o AAC para codificação de áudio, num regime de retrocompatibilidade com o MPEG-1 que utiliza o MP3 (layer 3). Quanto ao HE-AAC trata-se de uma variante do codificador AAC procurando aumentar a eficiência do mesmo. Por sua vez, o AAC-LD é utilizado no MPEG-4 agregando vantagens de codificação perceptual de áudio sendo caracterizado pelo baixo atraso nas comunicações bidireccionais. As versões standard baseadas em TVoIP utilizam para o Live TV o protocolo IGMP v2 e o VoD faz uso do protocolo RTSP (ver figura 6). O IP multicast é o método utilizado para possibilitar que todos os users que se encontram num mesmo canal, recebam o mesmo sinal. É neste sentido que é aplicado o IGMP v2 (RFC 2236). Trata-se de um protocolo que é parte integrante do IP (ver figura 6), necessário para implementar todos os hosts que requerem a recepção de multicast, permitindo deste modo a diminuição da utilização da largura de banda. No que concerne ao RSTP (RFC 2326), este protocolo permite que ao As funcionalidades existentes em TVoIP, como o play, fast forward, rewind e pause são possibilitadas devido à existência de frames específicas em MPEG. Estas frames são divididas em três tipos : I-Frames, P- Frames e B-Frames. As I-Frames são tramas intra que não utilizam predição temporal. No que respeita às P- Frames, efectuam forward prediction para tramas I ou P. Por último as B-Frames fazem uso de uma bidirectional prediction, (ver figura 7). Na figura seguinte ainda é possível verificar que a construção de P-Frames pode ter por base as I-Frames adicionando a estas o movimento (motion). Com esta adição é possível efectuar uma predição, que com a adição de um erro (compensação) permite obter a P-Frame. Figura 7 MPEG Frames [9] VoIP Dado que o VoIP é um serviço em tempo real, e o serviço de voz é muito sensível ao atraso, existe a necessidade de correr o mesmo sobre UDP, dado que é preferível a perda de pacotes do que a introdução de atraso através de retransmissões (característica do TCP), ver figura 8. Assim sendo, a perda de um ou dois pacotes de voz não é catastrófica para a conversação dado que um pacote de voz dura entre 10 a 40 ms. Considera-se que a perda de 5

6 pacotes na ordem dos 5% é aceitável se estes estiverem distantes. Embora o UDP possua características mais indicadas para serviços em tempo real, como é o caso da voz, é necessário a introdução de protocolos sobre UDP, de forma a garantir a fiabilidade do serviço, como é o caso dos protocolos apresentados em seguida. RTP ( Real-Time Transport Protocol, RFC 1889) Um dos protocolos que corre em cima de UDP é o RTP (ver figura 8). Este auxilia na detecção de pacotes perdidos e fora de ordem, dado que contêm um número de sequência no cabeçalho. Por outro lado, este protocolo possui ainda um time stamp, que é usado para sincronização, cálculo e variação de atraso. H.323 Trata-se de um protocolo de sinalização para VoIP especificado pela ITU-T, sendo a versão 4 a mais recente. Especifica uma arquitectura global para comunicações multimédia em IP, tendo como objectivo a transmissão de media streams entre pontos terminais H.323. Um terminal H.323 permite comunicações em tempo real com outros pontos terminais H.323, suportando um ou mais codecs de áudio e video. Um exemplo de terminal H.323 é a Gateway. SIP (Session Initiation Protocol) Protocolo de sinalização multimédia desenvolvido pelo IETF (RFC 3261) que pressupõe que a voz é transmitida sobre o protocolo RTP. De uma forma semelhante ao H.323, a sinalização é separada do transporte de voz. Trata-se de um protocolo clienteservidor, em que o cliente é a origem da chamada e o servidor o destino (ver figura 8). Figura 8 Protocolos em VoIP [9] 4. Avaliação do Triple-Play 4.1 TVoIP versus Televisão por Cabo Uma das grandes diferenças que distingue estes dois meios de oferta do serviço de televisão, consiste na forma como é transmitido. Na televisão por cabo o modo de transmissão é baseado num espectro de frequência. De forma a garantir os serviços de voz, dados e televisão, optou-se pela divisão do espectro, como é possível visualizar na Figura 9. Com a crescente digitalização, as empresas tem vindo a diminuir o espectro de frequências referente aos canais analógicos, de forma a poder aumentar a oferta de serviços. Apesar desta medida, estamos perante uma das maiores limitações das empresas de cabo, no que respeita à oferta de serviços de televisão, como por exemplo: número de canais, VoD entre outros serviços. Já na TVoIP este problema não se coloca, dado que a oferta de todos os serviços de televisão processa-se através do protocolo IP. O único problema que poderá ser colocado será a largura de banda disponível para cada utilizador. Este é resolvido aumentando o ritmo de transmissão no uplink e downlink. Figura 9 Distribuição de Espectro no cabo [3] 4.2 VoIP versus Telefone Analógico O serviço de VoIP trouxe consigo inúmeras vantagens. As distâncias eram antigamente sentidas com a utilização do telefone analógico, constando-se através dos diferentes preços e indicativos (referentes a cada zona). Uma das grandes vantagens do VoIP é a mobilidade, já que um utilizador VoIP poder-se-á encontrar em qualquer parte do mundo e ainda assim utilizar o mesmo número. Outra vantagem reside nos preços competitivos que este serviço oferece, dado não considerar as distâncias entre os utilizadores. É importante referir que é possível efectuar uma chamada de um telefone (VoIP) para um telefone tradicional ou vice-versa. No entanto, o mundo do VoIP não é todo cor-de-rosa e um exemplo disso são as chamadas de emergência, sendo difícil encontrar numa rede IP a localização geográfica dos utilizadores, o que dificulta bastante a tarefa dos centros de emergência. Este é um problema ainda em resolução. 6

7 Hoje em dia um exemplo de aplicação baseada em VoIP e com grande sucesso mundial é o Skype. 5. O Triple-Play e o seu Futuro Com a rápida evolução da Internet e das tecnologias digitais, o modelo de negócio da indústria tradicional tem vindo a ser reconstruído de forma a dar suporte ao novo modelo de convergência: triple-play. Nos dias de hoje, as Empresas encontram-se atentas a estas novas possibilidade de negócio, procurando modelos que lhes assegurem a rentabilização dos gastos inerentes à integração dos serviços triple-play (voz, video, Internet banda larga) nas Redes Móveis Quadruple Play (ver figura 10). Os avanços ocorridos nos sistemas CDMA (Code Division Multiple Access), GSM (Global System for Mobile Communications) e o UMTS (Universal Mobile Telecommunications System) possibilitou às Empresas nesta área a entrada no Quadruple Play, ganhando desta forma vantagem em relação aos outros concorrentes. O aumento da largura de banda disponível nas redes móveis para os utilizadores, permitiu estender a noção de serviço integrado num ambiente móvel. Actualmente encontram-se a competir nesta área essencialmente as Telecom Fixas e as Empresas de Cabo. Dado que a maioria das Empresas de Redes Móveis estão associadas às Telecom Fixas (em Portugal temos o exemplo da TMN Telecomunicações Móveis Nacionais que pertence à PT Portugal Telecom) a balança do triple-play está efectivamente a pender para estas. seus serviços na rede de cobre, a Clix foi a primeira empresa apostar em soluções triple-play, através da solução SmarTV. É importante realçar que a Portugal Telecom (PT) avançou também recentemente nesta área, preparando-se para apresentar brevemente o seu produto. No que concerne aos tarifários (preços em termos médios) praticados no mercado nacional e olhando para as empresas com maior implementação em Portugal são apresentados de seguida os preços praticados (ver Tabela 1). Empresa TV( ) Net( ) Voz( ) Total( ) Clix TvCabo Cabovisão Tabela 1 Tarifários de Triple-Play Numa perspectiva de comparação de custos, apresentamos os valores (ver Tabela 2) que teríamos de suportar caso pretendêssemos aderir a serviços de TV, Internet (banda larga) e voz, separadamente. TV(TVCabo)30 + Internet(Sapo)35 + Voz(PT)15 = 80 Tabela 2 Adesão individual aos serviços Como se pode facilmente verificar, a opção por uma adesão individual aos três serviços, leva a custos mais elevados para o cliente. É ainda importante referir que os preços apresentados são valores médios, podendo existir variações nos valores finais consoante o tipo de serviços adquiridos (maior largura de banda ou canais de televisão pagos separadamente, por exemplo). 7. Conclusão Figura 10 Evolução do Triple-Play (QuadPlay) [10] 6. O Mercado em Portugal Ainda que a presença do triple-play em Portugal seja recente, existem já algumas empresas que contam com uma oferta deste tipo. Entre elas é possível destacar a Cabovisão, a TVTel, a Ar Telecom, a Clix SmarTV e mais recentemente a TVCabo. Apresentando-se como a segunda Empresa de Cabo, a Cabovisão foi a primeira a oferecer uma solução integrada de telefone, internet e televisão, no ano No que respeita às empresas que baseiam os Os avanços tecnológicos que se têm feito sentir no sector das telecomunicações têm levado as Empresas a apostarem na convergência de serviços digitais, englobando numa única oferta, diversas soluções suportadas por ligações de banda larga. O leque de serviços associados a este tipo de oferta triple-play é variado e assenta na distribuição através de redes de cabo ou cobre. Para isso os clientes têm eventualmente de investir numa Set Top Box(STB) e num modem, de forma a assegurar as ofertas de televisão, acesso à internet e telefone. A título de exemplo podemos referir algumas funcionalidades e serviços tais como: Personal Vídeo Recorder (PVR), ferramentas de controlo parental, visualização selectiva, organização da grelha de programação e ainda o serviço que se espera ter maior aceitação por parte do publico, o VoD. As capacidades resultantes destas plataformas tornam-se apelativas aos clientes que, cada vez mais, procuram serviços personalizados, que lhes permitam 7

8 escolher o que querem assistir e quando o desejam fazer. Este maior controlo sob os conteúdos, assim como a possibilidade de integrar na mesma solução outros serviços complementares, acaba por se tornar num factor apelativo para os utilizadores. Estudos efectuados por consultoras internacionais admitem que os serviços de TVoIP vão assumir-se nos próximos anos como um dos factores de maior lucro para as Empresas. No entanto, nem tudo é perfeito neste novo mundo tecnológico que surge perante nós sendo necessário responder a novos desafios. Para que esta convergência de serviços se tornasse real foi necessário dar resposta a novos requisitos (QoS, multicast, segurança, etc.) que são sustentados por novas plataformas que permitem uma visão integrada de rede e serviço. Foi assim essencial organizar a rede de acesso de forma a dar suporte ao triple-play dado que os seus serviços exigem uma maior largura de banda e QoS (Quality of Service). Outro factor importante consiste na adaptação da topologia da rede de agregação e transporte para o suporte de serviços de broadcast, dando assim resposta aos débitos exigidos para streaming de vídeo. O triple-play é assim um novo modelo de negócio com potencial para caminhar e cativar novos clientes e áreas de desenvolvimento. 8. Agradecimentos Queremos agradecer ao Professor Fernando Pereira pelo apoio dado ao longo da elaboração do artigo de divulgação. Agradecemos também a informação disponibilizada pela PT (Portugal Telecom) e Siemens, durante as apresentações decorridas na cadeira de Planeamento e Projecto de Redes, fundamentais para o desenvolvimento do artigo. 9. Referências [1] Pereira Fernando, cadeira de Comunicação Áudio e Vídeo do IST ano 2006/2007 (Secção Material de Estudo) Disponível: [2] Brázio José, cadeira de Planeamento e Projecto de Redes do IST ano 2006/2007 (Secção Material de Apoio) Disponível:https://fenix.ist.utl.pt/publico/executionCours e.do?method=firstpage&executioncourseid=50280 [3] Nunes, Mário Serafim, cadeira de Redes de Acesso do IST, ano 2006/2007 (Secção Bibliografia) Disponível: [4] Casaca, Augusto, cadeira de Redes com Integração de Serviços do IST, ano 2006/2007 (Secção Aulas Teóricas) Disponível:https://fenix.ist.utl.pt/publico/executionCours e.do?sectionid=4848&executioncourseid=48466&met hod=section [5] TVCABO, acedido em 2007 Disponível: [5] CABOVISÃO, acedido em 2007 Disponível: [6],PORTUGAL TELECOM, acedido em 2007 Disponível: [7] CLIX, acedido em 2007 Disponível: [8] PEREIRA, Fausto. Monografia Convergência do Triple Play, 2005 [9] CABALLERO, Jose M.TREND COMMUNICATIONS. Workshop em Triple Play Services & Protocols Disponível: [10] INCODE, white paper sobre The Quad Play The first wave of the converged services evolution, February 2006 [11] ALBUQUERQUE Célio, PROENÇA Tiago, OLIVEIRA Etiene, TVoIP: TV sobre IP - Arquitecturas para Transmissão em Larga Escala Pedro Guerreiro nº 52911, aluno do IST (Instituto Superior Técnico) encontra-se actualmente a frequentar o 2º ano de Mestrado em Engenharia de Redes de Comunicação (MERC) Hélder Vieira nº aluno do IST (Instituto Superior Técnico) encontra-se actualmente a frequentar o 2º ano de Mestrado em Engenharia de Redes de Comunicação (MERC) João Bravo nº aluno do IST (Instituto Superior Técnico) encontra-se actualmente a frequentar o 2º ano de Mestrado em Engenharia de Redes de Comunicação (MERC). 8

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

IPTV. Nuno Santos, nº 57927 Nuno Neves, nº 57949

IPTV. Nuno Santos, nº 57927 Nuno Neves, nº 57949 IPTV Nuno Santos, nº 57927 Nuno Neves, nº 57949 Instituto Superior Técnico Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal E-mail: {nuno.santos, nuno.neves}@ist.utl.pt RESUMO Neste artigo descreve-se a tecnologia

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Introdução/Resumo Executivo

Introdução/Resumo Executivo Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

ACESSO de BANDA LARGA. Uma perspectiva de Operador

ACESSO de BANDA LARGA. Uma perspectiva de Operador ACESSO de BANDA LARGA Uma perspectiva de Operador António Varanda I S T Lisboa, 8-Maio-2007 SUMÁRIO Um pouco de história e a evolução da Banda Larga Vídeo em tempo real: requisitos Análise de Operador:

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso 2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso Esse capítulo apresenta os novos serviços disponíveis aos usuários e a tendência de oferta futura, indicando as previsões de bandas associadas necessárias a

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 Casa do Futuro Convergência Digital Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 O Ponto de Partida A Casa nos Anos 80 TV Aberta Analógica: Do ponto de vista das emissoras, o usuário final não era gerador direto

Leia mais

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis VoIP Coimbra, 16 de Setembro 2005 O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis Índice A rede da Novis Transmissão Rede Multi-Serviços O VoIP como tecnologia de Transporte o enabler do

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal A Vodafone tem estado sempre na linha da frente da introdução de novas tecnologias e desenvolvimento de serviços de dados móveis. Foi pioneira em Portugal

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2009/2010 Capítulo 1 Introdução João Pires Redes de Telecomunicações (09/10) 2 Aspectos da Evolução das Telecomunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Redes de Nova Geração e o ITED

Redes de Nova Geração e o ITED Redes de Nova Geração e o ITED A explosão da procura telefónica dos anos 80 induziu a implantação do RITA O incremento da Internet e a liberalização do mercado das telecomunicações influenciou claramente

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Multimedia networked applications: standards, protocols and research trends

Multimedia networked applications: standards, protocols and research trends Multimedia networked applications: standards, protocols and research trends Maria Teresa Andrade FEUP / INESC Porto mandrade@fe.up.pt ; maria.andrade@inescporto.pt http://www.fe.up.pt/~mandrade/ ; http://www.inescporto.pt

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Zeinal Bava. Presidente Executivo. Diário Económico III Fórum Telecom & Media

Zeinal Bava. Presidente Executivo. Diário Económico III Fórum Telecom & Media Zeinal Bava Presidente Executivo Diário Económico III Fórum Telecom & Media Lisboa, 22 de Setembro de 2004 TV Cabo I novos desafios melhorar I qualidade de serviço de referência TV Digital para mais conteúdos

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Convergência fixo-móvel

Convergência fixo-móvel Convergência fixo-móvel 74 RTI SET 2005 Einar Edvardsen, da Telenor R&D (Noruega) É possível a convergência entre redes fixas e móveis? Um projeto desenvolvido na Europa mostra que sim. A idéia é promover

Leia mais

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Agenda Novas formas de comunicação online Perspectivas e entendimentos O porquê da linguagem mais visual e cinestésica Inovar é preciso IPTV versus Web TV

Leia mais

Área. Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007. mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt. Instituto de Superior Técnico

Área. Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007. mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt. Instituto de Superior Técnico Área Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007 mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt Instituto de Superior Técnico COORDENAÇÃO Coordenador da Área Científica de Computadores Prof. José Alberto Tomé

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE. José Lucas, N.º70685

TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE. José Lucas, N.º70685 TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE José Lucas, N.º70685 Instituto Superior Técnico - Taguspark Av. Professor Cavaco Silva, 2780-990 Porto Salvo, Portugal E-mail: jose.lucas@ist.utl.pt RESUMO Neste artigo aborda-se

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Tecnologias WAN: ATM/ISDN e DSL 1 WAN Redes ATM A tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode ) está disponível há bastante tempo, mas a expansão da sua utilização

Leia mais

IPTV em rede Multicast

IPTV em rede Multicast IPTV em rede Multicast Flávio Gomes Figueira Camacho Apresentação Flavio Gomes Figueira Camacho Diretor de TI da Vipnet Baixada Telecomunicações e, Operadora de STFC e SCM. Mestrando em Engenharia de Telecomunicações

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s 1. Introdução A compressão digital de imagem tem vindo a ganhar uma importância crescente, em especial nos sistemas de transmissão, uma vez que a capacidade dos canais é normalmente limitada e muito inferior

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

Subunidade 6: publicação

Subunidade 6: publicação Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 6: publicação Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Divulgação de vídeos e som via rede 1.1. A Internet

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes de Computadores: Introdução

Redes de Computadores: Introdução s de Computadores: Introdução Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores s de Computadores Necessidades de comunicação 28-02-2010

Leia mais

Questões de Consulta pública sobre abordagem regulatoria às Novas Redes de Acesso (NRA).

Questões de Consulta pública sobre abordagem regulatoria às Novas Redes de Acesso (NRA). Enquadramento O Governo Regional dos Açores, como membro da CPEC, no âmbito do tema Consulta Pública sobre Redes de Nova Geração e após análise da documentação sobre o tema em Epigrafe remete a sua resposta

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014 ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET QR-A00171 Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit A largura de banda do cabo coaxial permite combinar outros serviços no cabo sem interferir o sinal de televisão. O Coaxdata é um

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

TV Digital 3. A Caminho do Digital Comprimido. TV Digital 2006/7 1

TV Digital 3. A Caminho do Digital Comprimido. TV Digital 2006/7 1 TV Digital 3 A Caminho do Digital Comprimido TV Digital 2006/7 1 COST 211- liderança Europeia Actividade de codificação digital de vídeo iniciou-se na Europa, aplicada à videoconferência. Resultados obtidos

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca das características da arquitetura dos computadores que Julgue os itens a seguir, acerca de sistemas operacionais. devem ser consideradas no projeto e na implantação de

Leia mais

IPTV: Avaliação de Arquiteturas em Redes de Banda Larga

IPTV: Avaliação de Arquiteturas em Redes de Banda Larga IPTV: Avaliação de Arquiteturas em Redes de Banda Larga Este tutorial apresenta a arquitetura típica de implementação de serviços de IPTV e analisa 3 arquiteturas específicas, procurando compará-las de

Leia mais

Fluxos Multimédia Armazenados

Fluxos Multimédia Armazenados Fluxos Multimédia Armazenados Técnicas de transmissão de fluxos ao nível da camada de aplicação para obter os melhores resultados dos serviços melhor esforço: buffers no lado do cliente uso de UDP versus

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES Teresa Vazão 2 INTRODUÇÃO Um pai para a Internet.. 1961 - Leonard Kleinrock (aluno de PhD MIT): Inventor do conceito de rede de comutação de pacotes 1969 IMP - Interface

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho) Nome: Nazmul Alam Nº: 11 Ficha de Trabalho 1. No texto que se segue são mencionados três tipos de rede. Indica quais são. Ao chegar a casa, o Miguel ligou o telemóvel ao PC. Transferiu por bluetooth as

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais