Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa"

Transcrição

1 Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS Vibrações Formadora - Magda Sousa

2 Enquadramento Legal Decreto - Lei n.º 46/2006 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2002/44/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho. Estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos devidos a vibrações mecânicas.

3 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Artigo 2.º - Definições: c) Valor de acção de exposição o valor da exposição pessoal diária, calculado num período de referência de oito horas, expresso em metros por segundo quadrado, que, uma vez ultrapassado implica a tomada de medidas preventivas adequadas; d) Valores limite de exposição o valor limite da exposição pessoal diária, calculado num período de referência de oito horas, expresso em metros por segundo quadrado, que não deve ser ultrapassado;

4 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Artigo 2.º - Definições: e) Vibrações transmitidas ao corpo inteiro as vibrações mecânicas transmitidas ao corpo inteiro que implicam riscos para a saúde e a segurança dos trabalhadores, em especial lombalgias e traumatismos da coluna vertebral; f) Vibrações transmitidas ao sistema mão-bra braço as vibrações mecânicas transmitidas aos sistema mão-braço que implicam riscos para a saúde e a segurança dos trabalhadores, em especial perturbações vasculares, neorológicas ou musculares ou lesões osteoarticulares.

5 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Artigo 3.º - Valores limite e valores de acção de exposição 1- Para as vibrações transmitidas ao sistema mão-braço são fixados os seguintes valores: a) Valor limite de exposição - 5 m/s 2 b) Valor de acção de exposição 2,5 m/s 2

6 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Artigo 3.º - Valores limite e valores de acção de exposição 1- Para as vibrações transmitidas ao corpo inteiro são fixados os seguintes valores: a) Valor limite de exposição 1,15 m/s 2 b) Valor de acção de exposição 0,5 m/s 2

7 O que são Vibrações? As vibrações são agentes físicos nocivos produzidos por certas máquinas, equipamentos e ferramentas vibrantes, que actuam por transmissão de energia mecânica, emitindo oscilações com amplitudes perceptíveis pelos seres humanos. As vibrações encontram-se presentes em quase todas as actividades, nomeadamente em construção e obras públicas, indústrias extractivas, exploração florestal, fundições e transportes.

8 Origens das Vibrações As vibrações são transmitidas aos trabalhadores por certas máquinas, tais como: Tractores agrícolas; Máquinas de movimentação de terras; Máquinas Móveis e Pesadas Camiões; Empilhadores. Compressores; Britadeiras. Máquinas Fixas Martelos pneumáticos; Serras; Máquinas Portáteis Lixadeiras.

9 Fontes das Vibrações Vibrações produzidas por um processo de produção martelo picador / britadeira; Vibrações ligadas ao modo de funcionamento das máquinas e materiais, como consequência de forças alternativas não equilibradas máquinas perculantes / compressores alternativos e irregularidades do terreno; Vibrações devidas a defeitos das máquinas ou a mau funcionamento; Vibrações de fenómenos naturais ventos / sismos.

10 Grandezas e Unidades das Vibrações Uma vibração pode ser caracterizada por duas grandezas: Amplitude - normalmente expressa pela aceleração - m/s 2 Frequência - expressa em Hertz - Hz

11 Aparelhos de Medição de Vibrações Esquematicamente, um Acelerómetro é constituído por um invólucro fixado de maneira adequada sobre o objecto vibrante e por uma massa suspensa móvel em relação ao invólucro. Quando esta se põe em movimento, a inércia da massa induz um movimento relativo que permite medir a aceleração.

12 Aparelhos de Medição de Vibrações ACELERÓMETRO

13 Comportamento Oscilatório do Corpo Humano Parte do Corpo 1. Cabeça 2. Globo Ocular 3. Tórax 4. Antebraço 5. Coluna Vertebral 6. Pulso 7. Perna (rígida) 8. Ombro Frequência (Hz) Pulmão 10. Mão / braço Abdómen Perna (flectida) 2

14 Efeitos sentidos pelo Organismo em função da Frequência Efeitos no Organismo Aumento do ritmo respiratório Sensação de Incomodidade Dores de cabeça Sintomas no maxilar inferior Alterações no sistema cardiovascular Influência sobre a voz Nó na garganta Dores no tórax Dores no abdómen Vontade de urinar Contracções musculares Frequência (Hz)

15 Efeito das Vibrações sobre o Organismo, segundo a Frequência Frequência da Vibração Origem da Vibração: Máquinas/ Ferramentas/ Veículos Efeito sobre o Organismo Vibrações de muito baixa frequência (< 1 Hz) Transportes: aviões, comboios, barcos, automóveis. -Estimulam o labirinto do ouvido esquerdo; -Perturbam o Sistema Nervoso Central (SNC) ex: "mal dos transportes ; -Podem produzir náuseas e vómitos.

16 Efeito das Vibrações sobre o Organismo, segundo a Frequência Frequência da Vibração Origem da Vibração: Máquinas/ Ferramentas/ Veículos Efeito sobre o Organismo Vibrações de baixa frequência (1 a 20 Hz) - Veículos de transporte de mercadorias e passageiros. - Veículos industriais. - Tractores e máquinas agrícolas. - Maquinaria e veículos de obras públicas. -Patologias diversas ao nível da coluna vertebral, lombalgias lombociáticas, hérnias; -Agravam lesões raquidianas menores e incidem sobre perturbações devidas a más posturas; -Sintomas neurológicos: variação de ritmo cerebral, dificuldade de equilíbrio, inibição de reflexos; - Perturbações na visão: diminuição da acuidade visual.

17 Efeito das Vibrações sobre o Organismo, segundo a Frequência Frequência da Vibração Origem da Vibração: Máquinas/ Ferramentas/ Veículos Efeito sobre o Organismo Vibrações de alta frequência (20 a 1000 Hz) - Ferramentas manuais rotativas alternativas ou percutoras, tais como polidoras, lixadoras, motosserras, martelos pneumáticos, etc. - Perturbações osteoarticulares observáveis radiologicamente tais como: artroses, lesões de pulso; -Perturbações tendinosas; -Afecções angioneurológicas da mão que acompanham perturbações na sensibilidade. A sua expressão vascular manifesta-se por crises do tipo de "dedos mortos" chamada Síndroma de Raynaud; - Aumento da incidência de afecções do aparelho digestivo (hemorróides, dores abdominais, obstipação)

18 Medidas de Prevenção Medidas Gerais de Prevenção TIPOS DE ACÇÃO Actuando sobre as forças activadoras. Dessincronizando as vibrações Atenuando a sua transmissão ao homem. MEDIDAS A ADOPTAR Vigilância do estado da máquina. Modificação da frequência de ressonância, alterando a massa ou a rigidez do elemento afectado. - Interposição de materiais isolantes. - Interposição de materiais absorventes

19 Medidas de Prevenção Medidas Técnicas de Prevenção ORIGEM Ferramentas vibratórias portáteis. Maquinaria agrícola ou de obras públicas. MEDIDAS A ADOPTAR - Concepção ergonómica da ferramenta de modo a que o seu peso, forma e dimensões se adaptem especificamente ao trabalho. - Emprego de dispositivos técnicos antivibratórios que reduzam a intensidade das vibrações criadas ou transmitidas ao homem. - Redução das vibrações próprias do veículo, estabelecendo suspensões adequadas. - Isolamento do condutor: por suspensão do assento ou por suspensão da cabine relativamente ao veículo.

20 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Redução da Exposição O empregador deve utilizar todos os meios disponíveis para eliminar na fonte ou reduzir ao mínimo os riscos devido à exposição a vibrações.

21 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Redução da Exposição Se o resultado da AR indicar que os valores de acção foram ultrapassados, o empregador deve aplicar um conjunto de medidas técnicas e organizacionais, tendo em consideração o seguinte: Métodos de trabalho alternativos; Escolha de equipamentos de trabalho adequados; Instalação de equipamentos auxiliares que reduzam o risco de lesões (assentos ou punhos);

22 Legislação Decreto-Lei n.º 46/2006 Redução da Exposição Programas de manutenção do equipamento, do local de trabalho e das instalações; Concepção, disposição e organização dos locais e postos de trabalho; Informação e formação aos trabalhadores para a utilização correcta e segura do equipamento; Limitação da duração e da intensidade da exposição; Horários de trabalho adequados (períodos de descanso); Vestuário de protecção para o frio e a humidade

23 OBRIGADA PELA VOSSA ATENÇÃO!

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) TÍTULO: Agentes Físicos - Vibrações AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 46/2006,

Leia mais

VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA

VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A VIBRAÇÕES Nélson Costa Human Engineering @ UMinho Conceito Movimento oscilante de um sistema elástico, relativamente a uma

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Exposição a vibrações. Exposição a vibrações mecânicas. Isabel Lopes Nunes. Vibração de Corpo Inteiro Efeitos na saúde. Exposição a vibrações

Exposição a vibrações. Exposição a vibrações mecânicas. Isabel Lopes Nunes. Vibração de Corpo Inteiro Efeitos na saúde. Exposição a vibrações Exposição a vibrações Exposição a vibrações mecânicas Afecta conforto, eficiência, segurança, saúde e bem estar das pessoas expostas Isabel Lopes Nunes imn@fct.unl.pt Provoca lesões irreversíveis e incapacidades

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XXVI Vibrações. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XXVI Vibrações. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVI Vibrações um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. N. o 40 24 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1531

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. N. o 40 24 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1531 N. o 40 24 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1531 Aviso n. o 397/2006 Por ordem superior se torna público que o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas, na sua qualidade de depositário,

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias 6.7.2002 L 177/13 DIRECTIVA 2002/44/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 25 de Junho de 2002 relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos

Leia mais

Evolução da legislação européia

Evolução da legislação européia Evolução da legislação européia RUIDO - VIBRAÇÕES Prof. J. Malchaire Universidade católica de Louvain RUÍDO: Unidades p peak P a ponderação C L EX,8h db(a) valor médio ponderadono tempo de um periodo representativo

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação!

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Ruben Santos No ano de 2011 morreram 1,7 milhões de pessoas com

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

Ruído e Vibrações no Corpo Humano

Ruído e Vibrações no Corpo Humano Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ruído e Vibrações no Corpo Humano Avaliação de Ruído e Vibrações - LAUAK PORTUGUESA Indústria

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

NOÇÕES SOBRE VIBRAÇÕES

NOÇÕES SOBRE VIBRAÇÕES 1 NOÇÕES SOBRE VIBRAÇÕES O QUE É VIBRAÇÃO? Vibração é qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto fixo. Esse movimento pode ser regular, do tipo senoidal ou irregular, quando não segue

Leia mais

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013)

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1 Lista de Controlo de Legislação Aplicável Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1. LEGISLAÇÃO 1.1. Código do Trabalho Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho - Regulamenta a Lei n.º

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção!

VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção! VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção! (*) José Augusto da Silva Filho Medidas de proteção à vibração das ferramentas A maioria das ferramentas manuais energizadas gera vibração aleatória em intervalo

Leia mais

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Incontinência por imperiosidade

Incontinência por imperiosidade Incontinência por imperiosidade Autor: Luís Abranches Monteiro, Dr., Urologista, Hospital Curry Cabral Lisboa Actualizado em: Julho de 2010 Uma micção imperiosa define-se como aquela que é difícil de adiar,

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Apólice de Seguro Ciclo Macif

Apólice de Seguro Ciclo Macif Apólice de Seguro Ciclo Macif INDICE CONDIÇÕES GERAIS Cláusula Preliminar CAPÍTULO I Cláusula 1ª Cláusula 2ª Cláusula 3ª Cláusula 4ª CAPÍTULO II Cláusula 5ª Cláusula 6ª Cláusula ª Cláusula 8ª Cláusula

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto DATA: 25 de Setembro de 1993 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 330/93 SUMÁRIO: Estabelece o enquadramento, relativo às prescrições mínimas de segurança

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 161 (Novembro/Dezembro de 2005) KÉRAMICA n.º 280 (Setembro/Outubro de 2006)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 161 (Novembro/Dezembro de 2005) KÉRAMICA n.º 280 (Setembro/Outubro de 2006) TÍTULO: Chumbo no Ambiente de Trabalho AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 161 (Novembro/Dezembro de 2005) KÉRAMICA n.º 280 (Setembro/Outubro de 2006) 1. INTRODUÇÃO O chumbo encontra-se

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 3. Fundamentos Gerais de Higiene e Segurança no Trabalho. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 3. Fundamentos Gerais de Higiene e Segurança no Trabalho. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 3 Fundamentos Gerais de Higiene e Segurança no Trabalho Formadora - Magda Sousa OBJECTIVOS Identificar os conceitos fundamentais de

Leia mais

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade QUESTIONÁRIO N.º O presente inquérito tem como objectivo registar as opiniões dos trabalhadores que trabalham na Construção Civil, com vista a recolher informações relativamente às condições ambientais

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE AMBIENTE TÉRMICO O ambiente térmico pode ser definido como o conjunto das variáveis térmicas do posto de trabalho que influenciam o organismo do trabalhador, sendo assim um fator importante que intervém,

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

MATRIZ DA COMPONENTE ESCRITA TIPO DE QUESTÕES

MATRIZ DA COMPONENTE ESCRITA TIPO DE QUESTÕES MATRIZ DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 1. Níveis de organização biológica 2. Reprodução Humana. 2.1. Morfologia do sistema reprodutor humano. 2.2 Vida intra-uterina. 2.3 Métodos contraceptivos. 3. Factores

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE

Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE AIMMAP Porto, 2009-11-16 Filipa Lima CATIM Unidade de Segurança de Máquinas Âmbito de aplicação Procedimentos de avaliação de conformidade Anexos Objectivos: Simplificar;

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Carony TRANSFERÊNCIA DO BANCO DO SISTEMA CARONY. Carony 12" 214 426 919. www.automobilidade.pt. info@automobilidade.pt.

Carony TRANSFERÊNCIA DO BANCO DO SISTEMA CARONY. Carony 12 214 426 919. www.automobilidade.pt. info@automobilidade.pt. Carony é um sistema de cadeira de rodas simples e confortável tanto para o utilizador como para a pessoa que o auxilia. Nas operações de entrada e saída do veículo o sistema Carony elimina a necessidade

Leia mais

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico 1 A Metrologia no ISQ ISQ Breve Apresentação 1965: Instituto de Soldadura (IS) 1985: Transformação

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO BOAS PRÁTICAS EM MEIO HOSPITALAR 26-11-2008 10% dos trabalhadores da União Europeia sector da saúde e da protecção social A taxa de acidentes de trabalho no sector

Leia mais

Avaliação Ergonômica das Vibrações na Atividade do Operador de Empilhadeiras em uma Indústria Fumageira

Avaliação Ergonômica das Vibrações na Atividade do Operador de Empilhadeiras em uma Indústria Fumageira Avaliação Ergonômica das Vibrações na Atividade do Operador de Empilhadeiras em uma Indústria Fumageira André Luiz Moraes (UNISC) decomoraes@gmail.com Cristiano Machado da Silva (UNISC) machado.carvalho@bol.com.br

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA...

VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA... VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA... Maurice Raynaud, médico francês, foi o primeiro a descrever em 1862, os distúrbios vasculares observados em indivíduos expostos a

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE TRABALHADORES A VIBRAÇÕES MECÂNICAS NO SECTOR DA MADEIRA E DO MOBILIÁRIO E NO SECTOR TÊXTIL E DO VESTUÁRIO

EXPOSIÇÃO DE TRABALHADORES A VIBRAÇÕES MECÂNICAS NO SECTOR DA MADEIRA E DO MOBILIÁRIO E NO SECTOR TÊXTIL E DO VESTUÁRIO Acústica 28 2-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra EXPOSIÇÃO DE TRABALHADORES A VIBRAÇÕES MECÂNICAS NO SECTOR DA MADEIRA E DO MOBILIÁRIO E NO SECTOR TÊXTIL E DO VESTUÁRIO Sofia Cantarino

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN DO PRODUTO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN DO PRODUTO Leitura Ergonômica EXEMPLOS 1 Leitura

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

MTFG Breves. Legislação novembro de 2012

MTFG Breves. Legislação novembro de 2012 MTFG Breves Legislação novembro de 2012 No corrente mês apresentamos uma seleção dos principais diplomas publicados, dos quais deixamos um sumário breve. Alteração ao Regime Jurídico da Reserva Ecológica

Leia mais

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Famalicão 14 de Julho de 2010 Jorge Cardoso Agenda Introdução ao Meio Ambiente Definição de risco e responsabilidade

Leia mais

FORMAÇÃO OPERACIONAL

FORMAÇÃO OPERACIONAL PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO OPERACIONAL REGULAMENTAÇÃO SOCIAL TEMPOS DE CONDUÇÃO E REPOUSO E UTILIZAÇÃO DO TACÓGRAFO Conhecer a regulamentação social nos transportes rodoviários no âmbito Regulamento

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS MÓDULO 8 SEGURANÇA DE MÁQUINAS E UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Formadora - Magda Sousa Decreto-Lei 441/91 Artigo 8.º

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO AGRÍCOLA

SEGURANÇA NO TRABALHO AGRÍCOLA SEGURANÇA NO TRABALHO AGRÍCOLA PREVENÇÃO DOS RISCOS NA AGRICULTURA O CASO ESPECÍFICO DAS HÉRNIAS DISCAIS Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Apólice de Seguro de Acidentes Pessoais

Apólice de Seguro de Acidentes Pessoais Apólice de Seguro de Acidentes Pessoais INDIE ONDIÇÕES GERAIS láusula Preliminar APÍTULO I láusula 1.ª láusula.ª láusula 3.ª láusula 4.ª láusula.ª láusula.ª láusula 7.ª láusula 8.ª APÍTULO II láusula

Leia mais

PLATAFORMA OSCILATÓRIA. Faça ginástica sem esforço! Bastam 10 minutos por dia! Benefícios:

PLATAFORMA OSCILATÓRIA. Faça ginástica sem esforço! Bastam 10 minutos por dia! Benefícios: PLATAFORMA OSCILATÓRIA Faça ginástica sem esforço! Bastam 10 minutos por dia! Benefícios: Ajuda a perder peso. Ajuda a dissolver e a eliminar a celulite. Melhora a tonificação muscular. Aumenta a elasticidade.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais