1º DE SETEMBRO DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º DE SETEMBRO DE"

Transcrição

1 Ambiência e qualidade de ovos em instalações não climatizadas para poedeiras comerciais Ambience and quality of eggs in non climatiezed facilities for laying hens ÉRIK DOS SANTOS HARADA*¹;LEDA GOBBO DE FREITAS BUENO²; SÍLVIA REGINA LUCAS DE SOUZA³; DANILO FLORENTINO PEREIRA 4 ; VANESSA KODAIRA 5. ¹ Graduando em Zootecnia- Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas/FCAT- Unesp Dracena; ² Docente na Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas/ FCAT- Unesp Dracena; 3 Docente na Faculdade de Ciências Agronômicas/ FCA-Unesp Botucatu; 4 Docente na Faculdade de Ciências e Engenharia/ FCE-Unesp Tupã; 5 Mestre em Ciência e Tecnologia Animal. * RESUMO A avicultura de postura tem sido um setor da atividade econômica do Brasil que tem crescido a cada ano, sendo o estado de São Paulo responsável por mais de 30% da produção nacional, tendo um grande destaque nesse seguimento. A cidade de Bastos-SP se localiza em uma região que é propensa a altas temperaturas durante o ano todo, especialmente no verão, um fator preocupante, pois as aves são animais sensíveis ao calor e isso também afeta a qualidade do ovo. Desta forma esse estudo teve como objetivo analisar a ambiência de duas instalações distintas e sem climatização para galinhas poedeiras, verificando qual proporciona melhores variáveis bioclimáticas e qualidade do ovo. Verificou-se que a instalação piramidal A1 tem uma pior qualidade do ovo quando comparada com o A2 (vertical sem climatização), e a instalação A2 proporciona melhor ambiência e bem-estar para as aves. INTRODUÇÃO A produção de ovos é uma importante atividade econômica no Brasil, sendo que o estado de São Paulo responde por 31,6% da produção nacional, seguido pelo estado de Minas Gerais com 11,8% (UBA, 2009). Salgado & Nääs (2010) apontaram que os municípios do oeste do estado de São Paulo são os mais suscetíveis a apresentarem perda na produção avícola devido as altas temperaturas ambientais, sendo recomendado maior cuidado com o excesso de calor nos alojamentos das granjas. Nesta região paulista, situa-se o município de 173

2 Bastos que responde por 35% da produção do estado de São Paulo (IEA, 2009). Na região de Bastos, as instalações para poedeiras são construídas de forma empírica, necessitando desta maneira de um conhecimento científico sobre o desempenho de cada sistema de produção. Desta forma o objetivo deste estudo foi avaliar dois galpões de poedeiras e verificar sua eficiência bioclimática e sua relação com a qualidade do ovo. Como hipótese pressupõe-se que a utilização do galpão tipo vertical oferecerá as poedeiras um melhor ambiente térmico e consequentemente melhores parâmetros zootécnicos, proporcionando ao produtor maior qualidade aos ovos. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi realizado em dois galpões de poedeiras comerciais, sendo um do tipo vertical e outro piramidal. Os galpões pertencem a mesma granja, localizada no município de Bastos-SP (latitude 21º55'19" sul e longitude 50º44'02" oeste, altitude de 445 metros). O clima da regia o e subtropical Cwa (invernos brandos e secos seguidos de vero es muito quentes). Os galpões são diferentes em relação à tipologia, material de construção, denominados respectivamente A1, A2. O galpão A1 era do tipo piramidal e possuía apenas um corredor, o aviário A2 era do tipo vertical sem climatização e tinha 3 corredores. O ciclo analisado foi na estação de verão e as aves tinham 57 semanas de vida, denominado como 3 o ciclo. O monitoramento do ambiente externo foi realizado através da coleta de dados meteorológicos da estação instalada na Faculdade de Ciências e Engenharia-FCE/Unesp Campus de Tupã (que dista 20 km do local). Foram distribuídos, em cada um dos galpões, dataloggers HOBO U12012 (Onset,, Rondonópolis/MT) com canal externo para sensor de temperatura/tmc50-hd para o registro das variáveis bioclimáticas. Através destas medições conheceu-se o comportamento termodinâmico, dentro de cada galpão, por altura de gaiola, além de divisões efetuadas virtualmente com cortes transversais e longitudinais dos mesmos. Estes dados foram correlacionados com a produção e qualidade de ovos. A partir das variáveis coletadas pelo aparelho, calculou-se o índice de conforto térmico ITGU (Índice de temperatura de globo e umidade). QUALIDADE DO OVO 174

3 Os ovos foram coletados no último dia do 3 ciclo, sendo analisados no mesmo dia da coleta. Foram coletados noventa ovos por galpão, dividido por alturas e corredores, e o local de retirada destes ovos foram identificados para a análise. As análises foram feitas na cidade de Bastos. Para esta, foi usada uma máquina modelo DET 6000 da fabricante NABEL, a qual fornece valores precisos dos parâmetros: peso, resistência da casca, espessura da casca, altura do albúmen, coloração da gema e Unidade Haugh. A análise da qualidade do ovo foi realizada para saber se havia diferença entre as diferentes regiões dos aviários, pois os ovos coletados e identificados estarão em alturas, setor e corredores diferentes. RESULTADOS E DISCUSSÃO Aviário Piramidal A1 Variáveis bioclimáticas As variáveis relacionadas à qualidade dos ovos são apresentadas na Tabela 1. Para este galpão a análise foi realizada verificando se existe relação entre as duas alturas distintas neste galpão, estudando o índice ITGU. Tabela 1 Variação do ITGU entre as alturas do galpão A1. ITGU Baixo 77,30a Alto 58,99b DMS 3,98 CV (%) 15 Letras diferentes entre colunas: diferença significativa (Tukey 5%) DMS: Diferença Mínima Significativa CV: Coeficiente de Variação Os valores apresentados para o galpão A1 (Tabela 1) mostram que existe diferença significativa entre as alturas, que se explica pelo fato de que se trata de um galpão piramidal, o ar circula mais fácil pelas gaiolas do alto e menos pelas baixas, fazendo que as alturas altas tenham um ambiente de conforto melhor comparadas as alturas baixas, porém ambas se encontram em faixas de termo neutralidade (Tinoco, 1998) e entre os diferentes ciclos temos diferenças por se tratar de diferentes épocas do ano. 175

4 Variáveis produtivas Na Tabela 2 são apresentadas as variáveis produtivas. Tabela 2 Variáveis produtivas Peso do ovo (g) Cor da gema Unidade Haugh Resistência da casca (kff) Espessura da Casca (mm) Alto 60,39 a 6,04a 86,25a 3,27a 0,37a Baixo 62,17a 6,02a 87,21a 3,74a 0,37a DMS 2,84 0,25 4,08 0,50 0,01 CV(%) Letras diferentes entre colunas: diferença significativa (Tukey 5%) CV: Coeficiente de Variação DMS: Diferença Mínima Significativa Verifica-se (Tabela 2) que não foi encontrada diferença estatística para peso do ovo. Com a idade das aves, sabe-se pela literatura que os ovos tendem a aumentar de tamanho. Nesta avaliação encontrou-se média inferior ao recomendado pelo manual Dekalb White, os quais são de 64,8 e 65,7 respectivamente. A cor da gema mostra-se semelhante entre as alturas analisadas. Sabe-se que a cor da gema tem íntima relação com a dieta da ave. Quanto maior a UH melhor a qualidade do ovo. Neste galpão mostra que não há diferença significativa entre as alturas para cada ciclo respectivamente. Nota-se que mesmo em temperaturas elevadas (Verão) este galpão conseguiu manter a qualidade do ovo. Aviário Vertical-A2 Variáveis bioclimáticas A Tabela 3 apresenta as análises para interação entre alturas e corredores e comparação de médias entre os corredores e também entre as alturas para ITGU. Tabela 3 - Interação do ITGU entre corredor e altura no galpão A2 Corredor * 2 3 Média Baixo 78,05A 79,08aA 66,96aB 72,85b Alto * 78,06aA 79,75bA 74,56a Média 78,05A 78,57A 72,95B CV (%): 7 DMS : 176

5 2,49 1,62 CV: Coeficiente de Variação DSM: Diferença Mínima Significativa *: Problema no datalogger do corredor 1 altura Alto Este galpão (Tabela 3), por não ter nenhum tipo de sistema de climatização, está dependente da variação da temperatura externa. Desta forma, nota-se uma maior variação no ITGU em seu interior. Observa-se uma interação entre altura e o corredor 3. Verifica-se que este ponto apresenta um menor valor de ITGU na altura Baixo. Este local é o único, neste galpão, que apresenta o valor de ITGU dentro do recomendado por Tinoco (1998). Os outros corredores e alturas tem seus valores de ITGU superior a 75, chegando em alguns pontos próximo ao valor de emergência relatado por Salgado & Naas (2010). Em relação as alturas percebe-se que o Baixo apresentou o ITGU menor que o Alto, porém ambos estão dentro do recomendado por Tinoco (1998). Ao se avaliar a média dos corredores, percebe-se uma influencia da altura Baixo no corredor 3. A média deste corredor foi a única no valor recomendado por Tinoco (1998), todavia deve-se ressaltar que sua altura alta estava acima do recomendado. Variáveis Produtivas Tabela 4 - Peso do Ovo (g) Baixo 60,72 58,63 56,92 58,84a Alto 57,16 61,75 60,55 59,82a Média 58,94A 60,19A 58,86A CV (%): 6 3,18 DMS :2,16 Os ovos das aves mais velhas (57 semanas) tendem a ter um tamanho maior. Todavia observa-se (Tabela 4) que em todos os corredores e alturas, o peso do ovo está aquém do recomendado no manual da Dekalb White para 57 semanas de vida que é de 64,8g. Não foi observado interação entre altura e corredor e as médias foram semelhantes para as diferentes alturas e diferentes corredores. 177

6 Tabela 5- Cor da Gema Baixo 6,18 6,18 5,97 6,12a Alto 6,33 6,28 6,13 6,25a Média 6,26A 6,23A 6,06A CV (%): 6 0,34 DMS : 0,23 Não foi observado interação entre altura e corredor e as médias foram semelhantes para as diferentes alturas e diferentes corredores para cor da gema (Tabela 5). Tabela 6 - Unidade Haugh Baixo 85,73 84,32 81,21 83,87a Alto 84,65 83,87 80,73 83,08a Média 85,19A 84,10A 80,96A CV (%): 9 7,11 DMS :4,82 Não foi observado interação entre altura e corredor (Tabela 6) e as médias foram semelhantes para as diferentes alturas e diferentes corredores pra a unidade Haugh. Podem ser classificados como AA, segundo Egg-Grading Manual (2000). Tabela 7 - Resistência da Casca (kgf) Baixo 3,53 3,69 3,59 3,60a Alto 3,13 4,24 3,31 3,56a Média 3,33A 3,97A 3,14A 178

7 CV (%): 26 0,83 DMS :0,56 As médias para resistência da casca do ovo foram semelhante neste galpão para altura e para corredores. Não observou-se interação entre as alturas e para os corredores (Tabela 7). A espessura da casca é apresentada na Tabela 8. Tabela 8 - Espessura da Casca (mm) Baixo 0,37 0,38 0,38 0,38a Alto 0,36 0,40 0,37 0,38a Média 0,37A 0,39A 0,37A CV (%): 10 0,03 DMS :0,02 As médias para espessura da casca do ovo foram semelhante neste galpão para altura e para corredores. Não se observou interação entre as alturas e para os corredores (Tabela 8). CONCLUSÃO A utilização do galpão vertical proporcionou um ambiente bioclimático melhor que o galpão piramidal. Este fato aliado a maior população de aves e a melhor qualidade de ovos valida para este estudo a utilização deste tipo de instalação zootécnica. REFERÊNCIAS UBA, União Brasileira de Avicultura. Relatório Anual p. Disponível em:< Acesso em: 25 nov SALGADO, D.D; NÄÄS, I.A. Avaliação de risco à produção de frango de corte do estado de São Paulo em função da temperatura ambiente. Revista Engenharia Agrícola. v.30, n.3, p , jun

8 INSTITUTO DE ECONÔMIA AGRÍCOLA. IEA. Valor de produção Acesso em 20 abril Disponível em < TINÔCO, I. F. F. Ambiência e instalações para a avicultura industrial. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola, 27, e Encontro Nacional de Técnicos, Pesquisadores e Educadores de Construções Rurais, 3, 1998, Poços de Caldas. Anais... Lavras: UFLA/SBEA, 1998, p

ESPACIALIZAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA GRANJA DE POEDEIRAS LOCALIZADA EM SANTA HELENA DE GOIÁS 1

ESPACIALIZAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA GRANJA DE POEDEIRAS LOCALIZADA EM SANTA HELENA DE GOIÁS 1 ESPACIALIZAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA GRANJA DE POEDEIRAS LOCALIZADA EM SANTA HELENA DE GOIÁS 1 Felipe Gomes da Silva ; Rita Passos Linhares ; Adriana Garcia Do Amaral 3 ; Raphaela Christina

Leia mais

Article history: Received 02 May 2018; Received in revised form 21 July 2018; Accepted 02 August 2018; Available online 30 September 2018.

Article history: Received 02 May 2018; Received in revised form 21 July 2018; Accepted 02 August 2018; Available online 30 September 2018. USO DE PAINÉIS ARQUITETÔNICOS PROVINDOS DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS NO CONTROLE DO AMBIENTE TÉRMICO E NO DESEMPENHO PRODUTIVO DE GALINHAS POEDEIRAS S.G. Duarte 1*, L.G.F. Bueno 1, D.L. Sartori 2, J.P.A.

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE ENTALPIA

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE ENTALPIA GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE ENTALPIA Marília Lessa de Vasconcelos Queiroz, José Antonio Delfino Barbosa Filho, Frederico Márcio Corrêa Vieira Núcleo de Estudos em Ambiência Agrícola e

Leia mais

COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA

COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DE INSTALAÇÃO RURAL COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA Juliano Fiorelli (1); José Antonio Barroca Morceli (2) (1) Campus Experimental de Dracena

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 4 ; Eduardo

Leia mais

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA Msc. José Antonio D. Barbosa Filho; Dr. Marco Aurélio N. da Silva; Zoot. Frederico Marcio C. Vieira; Dr. Iran José O. da Silva; Pesquisadores NUPEA/ESALQ/USP

Leia mais

Robert Guaracy Aparecido Cardoso Araujo¹; Leda Gobbo de Freitas Bueno² & Silvia Regina Lucas de Souza³

Robert Guaracy Aparecido Cardoso Araujo¹; Leda Gobbo de Freitas Bueno² & Silvia Regina Lucas de Souza³ R E V I S T A DOI: http://dx.doi.org/10.17224/energagric.2018v33n1p52-57 ISSN: 1808-8759 (cd-rom) 2359-6562 (on-line) MAPEAMENTO DE CONTORNO BIOCLIMÁTICO EM AVIÁRIO DE REGIÃO TROPICAL NA CIDADE DE DRACENA/SP

Leia mais

QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS ALIMENTADAS COM ERVA MATE (llex paraguariensis) NA RAÇÃO APÓS DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO

QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS ALIMENTADAS COM ERVA MATE (llex paraguariensis) NA RAÇÃO APÓS DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS ALIMENTADAS COM ERVA MATE (llex paraguariensis) NA RAÇÃO APÓS DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO João Paulo Tiburcio BUENO 1, Rodrigo Garófallo GARCIA *1, Tássia

Leia mais

RESUMO Desempenho de poedeiras em diferentes programas de luz ao início da postura

RESUMO Desempenho de poedeiras em diferentes programas de luz ao início da postura RESUMO YURI, Flavio Manabu. Desempenho de poedeiras em diferentes programas de luz ao início da postura. 2013. 76 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal Área: Produção Animal) Universidade do Estado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE OVOS COM DIFERENTE TEMPO DE PRATELEIRA E DE DIFERENTES TIPOS DISPONÍVEIS AO CONSUMIDOR EM CIDADES DE MINAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS DE OVOS COM DIFERENTE TEMPO DE PRATELEIRA E DE DIFERENTES TIPOS DISPONÍVEIS AO CONSUMIDOR EM CIDADES DE MINAS GERAIS CARACTERÍSTICAS DE OVOS COM DIFERENTE TEMPO DE PRATELEIRA E DE DIFERENTES TIPOS DISPONÍVEIS AO CONSUMIDOR EM CIDADES DE MINAS GERAIS Yuri Martins Rufino 1 *; Solange de Faria Castro 1 ; Fabiana Figueiredo

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS Larissa O. CARVALHO 1 ; Renata M. de SOUZA²; Alexandre T. FERREIRA 3 ; Jonathan MENDES 4 ; Hemerson J. ALMEIDA 5 RESUMO Foi realizado experimento

Leia mais

VI JORNADA ACADÊMICA a 27 de outubro Unidade Universitária de Santa Helena de Goiás

VI JORNADA ACADÊMICA a 27 de outubro Unidade Universitária de Santa Helena de Goiás DIFERENTES COBERTURAS EM INSTALAÇÕES COM ESCALA REDUZIDA NO CONFORTO PARA FRANGOS DE CORTE Gustavo Gonçalves de Oliveira¹; Rogério Alves dos Santos¹; Ricardo Garcia de Oliveira¹; Eduardo Gonçalves de Oliveira¹;Anderson

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Angélica Santana CAMARGOS¹; Adriano GERALDO²; Sérgio

Leia mais

DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES

DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES DESEMPENHO E QUALIDADE DOS OVOS DE GALINHAS SEMI-PESADAS ALIMENTADAS COM RAÇÕES FORMULADAS COM DUAS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS DIFERENTES Silvia Vitória Santos de Carvalho ARAÚJO* 1, Túlio Leite REIS 1, Juan

Leia mais

DIAGNÓSTICO BIOCLIMÁTICO PARA PRODUÇÃO DE AVES NA CIDADE DE QUIXADÁ-CE

DIAGNÓSTICO BIOCLIMÁTICO PARA PRODUÇÃO DE AVES NA CIDADE DE QUIXADÁ-CE XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. DIAGNÓSTICO BIOCLIMÁTICO PARA PRODUÇÃO DE AVES NA CIDADE DE QUIXADÁ-CE Maria Betania Gama Santos (UFCG) betaniagama@uaep.ufcg.edu.br Ivanildo Fernandes

Leia mais

BENEFÍCIOS DA CLIMATIZAÇÃO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE OVOS

BENEFÍCIOS DA CLIMATIZAÇÃO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE OVOS XLIII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 BENEFÍCIOS DA CLIMATIZAÇÃO NA PRODUÇÃO E

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES PARTE I

MANEJO DE MATRIZES PARTE I FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS AVÍCOLAS Disciplina de Avicultura LAVINESP/FCAV MANEJO DE MATRIZES PARTE I Prof. Edney Pereira da Silva Jaboticabal

Leia mais

Codorna - efeito ambiental e nutricional para aumento da produtividade

Codorna - efeito ambiental e nutricional para aumento da produtividade Codorna - efeito ambiental e nutricional para aumento da produtividade INTRODUÇÃO PAULO RENÊ DA SILVA JÚNIOR GRANJA LOUREIRO A questão ambiental e de bem estar animal vem sendo tema de diversos debates

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA AS DIFERENTES FASES DE PRODUÇÃO DE AVES DE CORTE NO MUNICÍPIO DE DIAMANTINA - MG

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA AS DIFERENTES FASES DE PRODUÇÃO DE AVES DE CORTE NO MUNICÍPIO DE DIAMANTINA - MG AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA AS DIFERENTES FASES DE PRODUÇÃO DE AVES DE CORTE NO MUNICÍPIO DE DIAMANTINA - MG Jaqueline de Oliveira Castro 1, Graciene Conceição dos Santos 1, Édina

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO Márcio Rodrigues TAVEIRA 1; Mário dos SANTOS 2 ; Antonio Clarette Santiago TAVARES 3, José ALVES Jr. 4,

Leia mais

CONSUMO DE TRATOR EQUIPADO COM SEMEADORA

CONSUMO DE TRATOR EQUIPADO COM SEMEADORA 7ª Jornada Científica e Tecnológica e 4º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 12 e 13 de novembro de 2015, Poços de Caldas/MG CONSUMO DE TRATOR EQUIPADO COM SEMEADORA Gustavo R B MIRANDA 1 ; João

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO Matheus Sousa de Paula CARLIS (1) *, Érica Santos MELLO (2), Rosemary Pereira de Pedro SOUZA

Leia mais

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí

Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Avaliação da curva de crescimento de frangos de corte e índices zootécnicos no sistema de produção do IFMG campus Bambuí Chrystiano Pinto de RESENDE 1 ; Everto Geraldo de MORAIS 2 ; Marco Antônio Pereira

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 69

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 69 BOLETIM CLIMÁTICO Nº 69 DEZEMBRO DE 2018 1. DESCRIÇÕES E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Localidade: IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estação Meteorológica: Davis Vantage Pro 2 Latitude: 21 o 20 47 S e Longitude:

Leia mais

APLICAÇÃO DE REVESTIMENTO SUPERFICIAL DA CASCA PARA PRESERVAÇÃO DA QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS

APLICAÇÃO DE REVESTIMENTO SUPERFICIAL DA CASCA PARA PRESERVAÇÃO DA QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS APLICAÇÃO DE REVESTIMENTO SUPERFICIAL DA CASCA PARA PRESERVAÇÃO DA QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS Lorena Mari Sanches¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira 3 ; Rodrigo Garofallo

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL BASEADO EM REDES DE SENSORES SEM FIO APLICÁVEL A AVIÁRIOS

SISTEMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL BASEADO EM REDES DE SENSORES SEM FIO APLICÁVEL A AVIÁRIOS SISTEMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL BASEADO EM REDES DE SENSORES SEM FIO APLICÁVEL A AVIÁRIOS Dr. Rômulo Augusto Ventura Silva - CDSA/UFCG - romuloaugusto@ufcg.edu.br Dra. Ana Cristina Chacon Lisboa - CDSA/UFCG

Leia mais

Determinação do índice de temperatura e umidade (ITU) para produção de aves na mesorregião metropolitana de Curitiba PR

Determinação do índice de temperatura e umidade (ITU) para produção de aves na mesorregião metropolitana de Curitiba PR Determinação do índice de temperatura e umidade (ITU) para produção de aves na mesorregião metropolitana de Curitiba PR DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE (ITU) PARA PRODUÇÃO DE AVES NA MESORREGIÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PRODUÇÃO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 Curso: MEDICINA VETERINÁRIA Semestre de oferta da disciplina: 7 período Faculdade responsável: MEDICINA

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO DE GALPÕES CUNÍCULAS UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOESTATÍSTCA

CONFORTO TÉRMICO DE GALPÕES CUNÍCULAS UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOESTATÍSTCA CONFORTO TÉRMICO DE GALPÕES CUNÍCULAS UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOESTATÍSTCA Patrícia F. Ponciano FERRAZ*¹, Maria Alice J. Gouvêa SILVA², Gabriel A. e Silva FERRAZ³, Raquel S. de MOURA 4, Luis Fillipe L.

Leia mais

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ L.C.Dias², W.S. Rezende³, M. R. Carbalial 4, L. A. Silva 5 Resumo Com o objetivo de se avaliar o efeito de produção

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO nº 19/2017

BOLETIM TÉCNICO nº 19/2017 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT BOLETIM TÉCNICO nº 19/2017 Safra 2016/17 e Segunda Safra 2017 Autores Rodrigo Pengo Rosa, M. Sc. Engenheiro Agrônomo Fundação

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE OVOS DO TIPO CAIPIRA E DE GRANJA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE OVOS DO TIPO CAIPIRA E DE GRANJA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS COMPARAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE OVOS DO TIPO CAIPIRA E DE GRANJA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS D. B. S. FERREIRA 1, E. A. FERNANDES 2, A. G. L. SAAR 2, A. G. S. MOURA 1 e M. LIMA 1 1 Universidade Federal

Leia mais

QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1

QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1 QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1 Fernanda Gonçalves de SOUZA* 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Gislene Cardoso de SOUZA 1,

Leia mais

Comunicado Técnico. Ventilação Cruzada e em Zig-Zag em Aviário de Matrizes de Corte. Introdução. Metodologia

Comunicado Técnico. Ventilação Cruzada e em Zig-Zag em Aviário de Matrizes de Corte. Introdução. Metodologia 0,1,67e5, ' $*5,&8/785$ 3(&8É5, $%$67(&,0(172 Comunicado 316 Técnico ISSN 0100-8862 Dezembro/2002 Concórdia, SC Ventilação Cruzada e em Zig-Zag em Aviário de Matrizes de Corte Paulo Giovanni de Abreu 1

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 44

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 44 BOLETIM CLIMÁTICO Nº 44 NOVEMBRO DE 2016 1. DESCRIÇÕES E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Localidade: IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estação Meteorológica: Davis Vantage Pro 2 Latitude: 21 o 20 47 S e Longitude:

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 42

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 42 BOLETIM CLIMÁTICO Nº 42 SETEMBRO DE 2016 1. DESCRIÇÕES E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Localidade: IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estação Meteorológica: Davis Vantage Pro 2 Latitude: 21 o 20 47 S e Longitude:

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 5 ; Eduardo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA QUALIDADE DO OVO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS- BA. Apresentação: Pôster

INVESTIGAÇÃO DA QUALIDADE DO OVO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS- BA. Apresentação: Pôster INVESTIGAÇÃO DA QUALIDADE DO OVO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS- BA Apresentação: Pôster Roberto Sobral Félix 1 ; Emanuel de Souza Oliveira 2 ; Allan Oliveira Silva Cerqueira 3 ; Guilherme Rodrigues

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DE BOVINOS CONFINADOS EM SISTEMA FREESTALL

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DE BOVINOS CONFINADOS EM SISTEMA FREESTALL 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DE BOVINOS CONFINADOS EM SISTEMA FREESTALL

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 39

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 39 BOLETIM CLIMÁTICO Nº 39 JUNHO DE 2016 1. DESCRIÇÕES E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Localidade: IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estação Meteorológica: Davis Vantage Pro 2 Latitude: 21 o 20 47 S e Longitude: 46

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICIPIO DE SÃO MATEUS/ES

DISTRIBUIÇÃO SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICIPIO DE SÃO MATEUS/ES Área de concentração: Recursos Hídricos DISTRIBUIÇÃO SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICIPIO DE SÃO MATEUS/ES Ivaniel Fôro Maia 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Bruce Francisco Pontes da

Leia mais

FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR

FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: FAEMV 32601 COMPONENTE CURRICULAR: BIOMETEOROLOGIA ZOOTÉCNICA UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA SIGLA:

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 41

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 41 BOLETIM CLIMÁTICO Nº 41 AGOSTO DE 2016 1. DESCRIÇÕES E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Localidade: IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estação Meteorológica: Davis Vantage Pro 2 Latitude: 21 o 20 47 S e Longitude:

Leia mais

DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPOSIÇÃO DE SEMENTES POR FITA.

DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPOSIÇÃO DE SEMENTES POR FITA. 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPOSIÇÃO

Leia mais

FAIXAS DE CONFORTO TÉRMICO EM FUNÇÃO DA IDADE DOS FRANGOS

FAIXAS DE CONFORTO TÉRMICO EM FUNÇÃO DA IDADE DOS FRANGOS ANAIS - 203 - FAIXAS DE CONFORTO TÉRMICO EM FUNÇÃO DA IDADE DOS FRANGOS A COLDEBELLA; PG DE ABREU; JI DOS SANTOS FILHO* Pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves ABSTRACT Currently, small incremental gains

Leia mais

ÉPOCAS DE PLANTIO DO ALGODOEIRO HERBÁCEO DE CICLO PRECOCE NO MUNICÍPIO DE UBERABA, MG *

ÉPOCAS DE PLANTIO DO ALGODOEIRO HERBÁCEO DE CICLO PRECOCE NO MUNICÍPIO DE UBERABA, MG * ÉPOCAS DE PLANTIO DO ALGODOEIRO HERBÁCEO DE CICLO PRECOCE NO MUNICÍPIO DE UBERABA, MG * Julio Pedro Laca-Buendía 1, Joel Fallieri 2, Julio C. Viglioni Penna 3, Bruno B. de Oliveira 4, Petrônio J. da Silva

Leia mais

CRESCIMENTO DE DIFERENTES CULTIVARES DE SOJA SUBMETIDAS A ÉPOCAS DE SEMEADURAS DISTINTAS NO SEMIÁRIDO PIAUIENSE

CRESCIMENTO DE DIFERENTES CULTIVARES DE SOJA SUBMETIDAS A ÉPOCAS DE SEMEADURAS DISTINTAS NO SEMIÁRIDO PIAUIENSE CRESCIMENTO DE DIFERENTES CULTIVARES DE SOJA SUBMETIDAS A ÉPOCAS DE SEMEADURAS DISTINTAS NO SEMIÁRIDO PIAUIENSE Caio Nunes Gonçalves 1* ; Caike de Sousa Pereira 1 ; Lígia karinne Sousa Xavier 1 ; Manoel

Leia mais

Diagnóstico Bioclimático para Produção de Aves na Mesorregião Centro Norte Baiano

Diagnóstico Bioclimático para Produção de Aves na Mesorregião Centro Norte Baiano Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Diagnóstico Bioclimático para Produção de Aves na Mesorregião Centro Norte Baiano Valéria Maria Nascimento Abreu 1 Paulo Giovanni de Abreu 2 Introdução

Leia mais

COMPORTAMENTO AGRONÔMICO DE CULTIVARES DE TRIGO NO MUNICÍPIO DE MUZAMBINHO MG

COMPORTAMENTO AGRONÔMICO DE CULTIVARES DE TRIGO NO MUNICÍPIO DE MUZAMBINHO MG COMPORTAMENTO AGRONÔMICO DE CULTIVARES DE TRIGO NO MUNICÍPIO DE MUZAMBINHO MG Gabriela M. TERRA 1 ; José S. de ARAÚJO 2 ; Otávio M. ARAÚJO 3 ; Leonardo R. F. da SILVA 4 RESUMO Objetivou-se avaliar 5 genótipos

Leia mais

QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BAGÉ/RS INTRODUÇÃO

QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BAGÉ/RS INTRODUÇÃO QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BAGÉ/RS OLIVEIRA, L.G.G. de 1 ; NUNES, J.K. 2 ; SILVEIRA, M.A. da 3 ; PETERS, M.D. de P. 4 ; DIAS, L.P. 5 1 Discente Curso Técnico em

Leia mais

REDUÇÃO DE SÓLIDOS EM BIODIGESTORES ABASTECIDOS COM DEJETOS DE AVES ALIMENTADAS COM MILHO EM DIFERENTES GRANULOMETRIAS

REDUÇÃO DE SÓLIDOS EM BIODIGESTORES ABASTECIDOS COM DEJETOS DE AVES ALIMENTADAS COM MILHO EM DIFERENTES GRANULOMETRIAS REDUÇÃO DE SÓLIDOS EM BIODIGESTORES ABASTECIDOS COM DEJETOS DE AVES ALIMENTADAS COM MILHO EM DIFERENTES GRANULOMETRIAS Fabiane Ortiz do Carmo Gomes 1 ; Nanci Cappi 2 1 Estudante do curso de Zootecnia da

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 46

BOLETIM CLIMÁTICO Nº 46 BOLETIM CLIMÁTICO Nº 46 JANEIRO DE 2017 1. DESCRIÇÕES E CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Localidade: IFSULDEMINAS Campus Muzambinho Estação Meteorológica: Davis Vantage Pro 2 Latitude: 21 o 20 47 S e Longitude:

Leia mais

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Marília Lessa de Vasconcelos Queiroz, José Antonio Delfino Barbosa Filho, Frederico Márcio Corrêa Vieira Núcleo de Estudos em

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA PARA OS MUNICÍPIOS DE BOTUCATU E SÃO MANUEL, SP

ATUALIZAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA PARA OS MUNICÍPIOS DE BOTUCATU E SÃO MANUEL, SP ATUALIZAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA PARA OS MUNICÍPIOS DE BOTUCATU E SÃO MANUEL, SP A.R. CUNHA 1, D. MARTINS 2, R.M. RICARTE 3 RESUMO - A classificação climática procura definir os limites geográficos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÀO DE NÃO RUMINANTES Código da Disciplina: AGR351 Curso: AGRONOMIA Semestre de oferta da disciplina: 2018/1

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: PRODUÇÀO DE NÃO RUMINANTES Código da Disciplina: AGR351 Curso: AGRONOMIA Semestre de oferta da disciplina: 2018/1 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PRODUÇÀO DE NÃO RUMINANTES Código da Disciplina: AGR351 Curso: AGRONOMIA Semestre de oferta da disciplina: 2018/1 Faculdade responsável: MEDICINA VETERINÁRIA Programa

Leia mais

Professora da Universidade Federal de Santa Maria Campus de Cachoeira do Sul. 3

Professora da Universidade Federal de Santa Maria Campus de Cachoeira do Sul.   3 VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia, Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology, Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM AVIÁRIO PARA CRIAÇÃO DE AVES DE CORTE 1. INTRODUÇÃO

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM AVIÁRIO PARA CRIAÇÃO DE AVES DE CORTE 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM AVIÁRIO PARA CRIAÇÃO DE AVES DE CORTE SEIBT, E.J. 1 ; PEDROSO, J.A.C. 2 ; RIBEIRO, R.V. 2 ; PAIVA, D. 1 ; LUZ, M.L.G.S. 3 ; LUZ, C.A.S. 3 ; PEREIRA-RAMIREZ, O. 3

Leia mais

Produtividade de Matéria Seca de Capim Brachiaria brizantha cv. Marandu, com residual de 8 Toneladas de Cama Aviária e Diferentes Doses de Nitrogênio.

Produtividade de Matéria Seca de Capim Brachiaria brizantha cv. Marandu, com residual de 8 Toneladas de Cama Aviária e Diferentes Doses de Nitrogênio. Produtividade de Matéria Seca de Capim Brachiaria brizantha cv. Marandu, com residual de 8 Toneladas de Cama Aviária e Diferentes Doses de Nitrogênio.. SODRÉ M. C. R. F ¹, CARBALIAL M. R. ², DIOG M. F.

Leia mais

DIETAS DE POEDEIRAS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO COM 73 SEMANAS DE IDADE

DIETAS DE POEDEIRAS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO COM 73 SEMANAS DE IDADE DIETAS DE POEDEIRAS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO COM 73 SEMANAS DE IDADE Lucélia Alves do NASCIMENTO* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Ronielton Lucas Reis de CASTRO 1, Rogério Soares do

Leia mais

USO DE DISPOSITIVO MO VEL EM ANA LISE DE LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA EXPOSIÇÃO AO CALOR EM UM LABORATÓRIO

USO DE DISPOSITIVO MO VEL EM ANA LISE DE LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA EXPOSIÇÃO AO CALOR EM UM LABORATÓRIO USO DE DISPOSITIVO MO VEL EM ANA LISE DE LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA EXPOSIÇÃO AO CALOR EM UM LABORATÓRIO Arilson José de Oliveira Júnior 1, Silvia Regina Lucas de Souza 2, Tiago Aparecido Vicentin 3, Andréia

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM NOVA FRIBURGO - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM NOVA FRIBURGO - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM NOVA FRIBURGO - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PRODUÇÀO DE AVES NA MEDICINA VETERINÁRIA Código da Disciplina: VET246 Curso: MEDICINA VETERINÁRIA Semestre de oferta da disciplina: 2017/2 Faculdade responsável: MEDICINA

Leia mais

SISTEMA DARK HOUSE DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE: UMA REVISÃO

SISTEMA DARK HOUSE DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE: UMA REVISÃO SISTEMA DARK HOUSE DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE: UMA REVISÃO Karina Volpe Oliveira 1 ; Carina Cavichioli 1 ; Márcia Aparecida Andreazzi 2 ; Sandra Maria Simonelli 3 RESUMO: A avicultura brasileira encontra-se

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES FILMES PLÁSTICOS PARA COBERTURA DE ESTUFAS QUANTO A PASSAGEM DE LUMINOSIDADE RESUMO

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES FILMES PLÁSTICOS PARA COBERTURA DE ESTUFAS QUANTO A PASSAGEM DE LUMINOSIDADE RESUMO AVALIAÇÃO DE DIFERENTES FILMES PLÁSTICOS PARA COBERTURA DE ESTUFAS QUANTO A PASSAGEM DE LUMINOSIDADE Emilia Seika KAI 1, Iran José Oliveira DA SILVA 2, Sônia Maria S. PIEDADE 3 RESUMO O trabalho teve por

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 04 EFEITO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTA SOJA Objetivo Avaliar a produtividade e atributos agronômicos de três cultivares de soja com hábitos de crescimento distintos em dois espaçamentos entre linhas

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE TELHAS DE ALUMÍNIO. M. Akutsu & F. Vittorino. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A.

DESEMPENHO TÉRMICO DE TELHAS DE ALUMÍNIO. M. Akutsu & F. Vittorino. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. DESEMPENHO TÉRMICO DE TELHAS DE ALUMÍNIO M. Akutsu & F. Vittorino Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Divisão de Engenharia Civil Laboratório de Higrotermia e Iluminação 05508-901

Leia mais

Palavras-Chave: conforto térmico, sustentabilidade, telhas alternativas, aves, radiação.

Palavras-Chave: conforto térmico, sustentabilidade, telhas alternativas, aves, radiação. AVALIAÇÃO DA TEMPERATURA INTERNA E EXTERNA DE COBERTURAS ALTERNATIVAS UTILIZADAS EM INSTALAÇÕES AVÍCOLAS.* Eduardo Alves de Almeida 1, Wanessa Mesquita Godoi 2, Roberta Passini 3 1 Engenheiro Agrícola,

Leia mais

Estudo bioclimático das regiões litorânea, agreste e semiárida do estado de Sergipe para a avicultura de corte e postura

Estudo bioclimático das regiões litorânea, agreste e semiárida do estado de Sergipe para a avicultura de corte e postura Ciência Rural, Estudo Santa bioclimático Maria, v.44, das n.1, regiões p.123-128, litorânea, jan, 2014 agreste e semiárida do estado de Sergipe para a avicultura de corte e postura. ISSN 0103-8478 123

Leia mais

FIBRA EM DIETAS DE AVES EM POSTURA E SEUS EFEITOS SOBRE QUALIDADE DOS OVOS

FIBRA EM DIETAS DE AVES EM POSTURA E SEUS EFEITOS SOBRE QUALIDADE DOS OVOS FIBRA EM DIETAS DE AVES EM POSTURA E SEUS EFEITOS SOBRE QUALIDADE DOS OVOS Mariane Benedita Ramos de ARRUDA* 1, Mariana Elias BORGES 2, Marcos Vinicius Alves SANTOS 1, Suelem Larissa dos Santos FAUSTINO

Leia mais

QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO A INCLUSÃO DE ÁCIDOS ORGÂNICOS DE CADEIA MÉDIA PURIFICADAS 1

QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO A INCLUSÃO DE ÁCIDOS ORGÂNICOS DE CADEIA MÉDIA PURIFICADAS 1 QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO A INCLUSÃO DE ÁCIDOS ORGÂNICOS DE CADEIA MÉDIA PURIFICADAS 1 Osvaldo Junior Cavalcante SILVA* 1, João Marcos Tavares NOVAIS², Josilene Correa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA ATUAÇÃO DO FENÔMENO EL NIÑO /OSCILAÇÃO SUL ENTRE AS CIDADES DE RIO GRANDE E PELOTAS-RS PARA O PERÍODO DE

ANÁLISE COMPARATIVA DA ATUAÇÃO DO FENÔMENO EL NIÑO /OSCILAÇÃO SUL ENTRE AS CIDADES DE RIO GRANDE E PELOTAS-RS PARA O PERÍODO DE ANÁLISE COMPARATIVA DA ATUAÇÃO DO FENÔMENO EL NIÑO /OSCILAÇÃO SUL ENTRE AS CIDADES DE RIO GRANDE E PELOTAS-RS PARA O PERÍODO DE 199-1998. ABSTRACT Martins, Janaina Senna (1); Lanau, Lúcia; Saraiva (1)

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade Wesley Caetano VIEIRA 1 ; Adriano GERALDO

Leia mais

4ª Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 7 a 9 de Outubro de 2015, Botucatu São Paulo, Brasil

4ª Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 7 a 9 de Outubro de 2015, Botucatu São Paulo, Brasil APLICAÇÃO DE NOVO DISPOSITIVO PARA COLETA DE TEMPERATURA DE GLOBO NEGRO. Arilson J. Oliveira Júnior 1, Silvia R. L. Souza 2, Tiago A. Vicentin 3, Zacarias X. Barros 4, Nara O. Villas Boas 5 1 Mestrando

Leia mais

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 Janaína Lopes Moreira janainamoreira1991@hotmail.com UNESP- Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Tecnologia,

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE HÍBRIDOS DE EUCALYPTUS UROPHYLLA X EUCALYPTUS GRANDIS 1 INTRODUÇÃO

COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE HÍBRIDOS DE EUCALYPTUS UROPHYLLA X EUCALYPTUS GRANDIS 1 INTRODUÇÃO COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE HÍBRIDOS DE EUCALYPTUS UROPHYLLA X EUCALYPTUS GRANDIS Augusto de Faria Locci¹, Murilo Caliente Marques¹, André da Vitor Costa Manso² Rafael Ribeiro Soler², Raoni

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO GRADIENTE TÉRMICO DE CAPRINOS E OVINOS DESLANADOS CRIADOS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO*

DETERMINAÇÃO DO GRADIENTE TÉRMICO DE CAPRINOS E OVINOS DESLANADOS CRIADOS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO* DETERMINAÇÃO DO GRADIENTE TÉRMICO DE CAPRINOS E OVINOS DESLANADOS CRIADOS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO* Nágela Maria Henrique Mascarenhas 2, Bonifácio Benicio de Souza 1, Luanna Figueirêdo Batista 3, João Paulo

Leia mais

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Produção de Ovos Comerciais Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Objetivos Identificar e compreender as peculiaridades da produção de ovos comerciais, assim

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ÉPOCA DE PLANTIO NA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE TRIGO NO MUNICÍPIO DE MUZAMBINHO/MG

INFLUÊNCIA DA ÉPOCA DE PLANTIO NA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE TRIGO NO MUNICÍPIO DE MUZAMBINHO/MG INFLUÊNCIA DA ÉPOCA DE PLANTIO NA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE TRIGO NO MUNICÍPIO DE MUZAMBINHO/MG Leonardo R. F. da SILVA 1 ; José S. de ARAÚJO 2 ; Otávio M. ARAÚJO 3 ; Gabriela M. TERRA 4 RESUMO Objetivou-se

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 2003 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NA DIETA PARA POEDEIRAS COMERCIAIS Introdução As dietas para poedeiras ainda são formuladas baseando-se

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Seleção e difusão de variedades melhoradas de mandioca no Assentamento Margarida Alves em Bambuí - MG. Raul Magalhães FERRAZ 1 ; Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Willian Sabino RODRIGUES ¹ ; Raiy Magalhães

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS DA PLANTA DE CHIA SOB SOMBRITE COM DIFERENTES FONTES DE ADUBO NAS CONDIÇÕES DO SUL DE MINAS GERAIS

ASPECTOS MORFOLÓGICOS DA PLANTA DE CHIA SOB SOMBRITE COM DIFERENTES FONTES DE ADUBO NAS CONDIÇÕES DO SUL DE MINAS GERAIS 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG ASPECTOS MORFOLÓGICOS DA PLANTA DE CHIA SOB SOMBRITE COM DIFERENTES FONTES

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Medicina Veterinária EMENTA OBJETIVOS

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Medicina Veterinária EMENTA OBJETIVOS Faculdade Anísio Teixeira Portaria nº 552 de 22 de março de 2001 D.O.U. de 26/03/2001. Curso de Medicina Veterinária. Autorização: Portaria nº 1.687 de 24 de novembro de 2009 - D.O.U. de 25/11/2009 PROGRAMA

Leia mais

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: -28.6036 Longitude: -53.6736 Altitude: 432 m Rio Grande do Sul torre Cruz Alta torre DESCRIÇÃO: Descrição Geral:

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Zootecnia ANO/SEMESTRE: 2012 / 2 DISCIPLINA: Produção Zootécnica de Monogástricos; PZDM FASE: 7ª Fase CARGA HORÁRIA: 75 h TURNO: MATUTINO PROFESSOR (A): Diovani Paiano; Marcel M. Boiago CRÉDITOS:

Leia mais

ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL.

ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL. ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL. Josué Vicente Gregio 1 jvgregio@gmail.com Fabio de Oliveira Sanches 2 fsanches@uffs.edu.br

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 07 EFEITO DA SEMEADUR DIFERENTES ÉPOCAS E PLANTAS EM LUCAS DO RI Objetivo Avaliar o desempenho e atributos agronômicos da cultivar P98Y30 RR em três épocas de semeadura e populações de plantas em Lucas

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA Luciana Freitas FERNANDES* 1, Marcelo Helder Medeiros SANTANA 1, Antonia Valcemira Domingos

Leia mais

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS Jéssica Daliane DILKIN 1, Marindia A. KOLM 1, Maurício BARRETA 1, Fernando TAVERNARI 2, Aline ZAMPAR 1, Aleksandro S.

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO434 Produção Avícola

Programa Analítico de Disciplina ZOO434 Produção Avícola 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 4 0 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

ANÁLISE DE DOIS SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE COM ÊNFASE NO USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA E PRODUTIVIDADE ANIMAL

ANÁLISE DE DOIS SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE COM ÊNFASE NO USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA E PRODUTIVIDADE ANIMAL ANÁLISE DE DOIS SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE COM ÊNFASE NO USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA E PRODUTIVIDADE ANIMAL LEDA GOBBO DE FREITAS BUENO 1, LUIZ ANTONIO ROSSI 2 1 Médica Veterinária

Leia mais

ACEITABILIDADE DE OVOS COM BASE NA DEGUSTAÇÃO E PIGMENTAÇÃO DA GEMA

ACEITABILIDADE DE OVOS COM BASE NA DEGUSTAÇÃO E PIGMENTAÇÃO DA GEMA ACEITABILIDADE DE OVOS COM BASE NA DEGUSTAÇÃO E PIGMENTAÇÃO DA GEMA Ouros, C.C*¹; Pantolfi, N.¹; Vivas, D.N.¹; Baptista, P.S.¹; Domingues, R.M.²; Laurentiz, A.C.³ ¹ Discente do curso de Zootecnia Unesp

Leia mais

Alexandre P. Rosa EQUIPAMENTOS

Alexandre P. Rosa EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS COMEDOUROS 4 Manuais 44Tubular Alexandre P. Rosa 44Automático 444Pratos Alexandre P. Rosa 444Para macho Alexandre P. Rosa 444Calha 4444Para macho Alexandre P. Rosa 4Pendular BEBEDOUROS Alexandre

Leia mais