DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES"

Transcrição

1 DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

2 DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS

3 VERMINOSE INTESTINAL

4 TOXOCARÍASE

5 Toxocaríase canina Etiologia principal: Toxocara canis Outras etiologias: não há Dimensões: 4-10 e 9-18 cm de comprimento Hospedeiros definitivo: cães e canídeos selvagens Hospedeiros intermediário: não há Hospedeiros paratênico: roedores, ovinos, suínos, minhocas e baratas Hospedeiros acidental: humanos Papel zoonótico direto do cão: alto

6 Localização taxonômica de Toxocara Reino Metazoa Filo Nematoda Classe Chromadorea Ordem Ascaridida Superfamília Ascaridoidea Família Toxocaridae Gênero Toxocara

7 Toxocaríase canina Etiologia principal: Toxocara canis Outras etiologias: não há Dimensões: 4-10 e 9-18 cm de comprimento Hospedeiros definitivo: cães e canídeos selvagens Hospedeiros intermediário: não há Hospedeiros paratênico: roedores, ovinos, suínos, minhocas e baratas Hospedeiros acidental: humanos Papel zoonótico direto do cão: alto

8 Aspecto macroscópico de Toxocara canis

9 Aspecto macroscópico de Toxocara canis

10 Toxocaríase canina Etiologia principal: Toxocara canis Outras etiologias: não há Dimensões: 4-10 e 9-18 cm de comprimento Hospedeiros definitivo: cães e canídeos selvagens Hospedeiros intermediário: não há Hospedeiros paratênico: roedores, ovinos, suínos, minhocas e baratas Hospedeiros acidental: humanos Papel zoonótico direto do cão: alto

11 Ciclo de vida básico de Toxocara spp. em filhotes até 6 meses de idade* Transmissão horizontal eliminação de ovos nas fezes PV= 28 dias (22º a 26º C) evolução até L2 no interior dos ovos infecção passiva ovo com L 2 eclosão no estômago ciclo pulmonar L 3 no pulmão evolução até a forma adulta e espoliação do HD PPP: 30 dias PPP (HP): dias reprodução sexuada eliminação de ovos nas fezes *Principalmente até 3 meses de idade.

12 Ciclo de vida básico de Toxocara spp. em filhotes após 6 meses de idade Transmissão horizontal eliminação de ovos nas fezes evolução até L2 no interior dos ovos infecção passiva ovo com L 2 eclosão no estômago migração somática hipobiose granulomas em diferentes órgãos ausência de ovos nas fezes PV= 28 dias (22º a 26º C)

13 Ciclo de vida básico de Toxocara spp. em fêmeas prenhes estresse Três semanas pré-parto hipobiose reativação larval L 2 L 3 PPP: 30 dias migração da larva hipobiótica ciclo pulmonar intestino delgado idem

14 Ciclo de vida básico de Toxocara spp. em fêmeas prenhes estresse Três semanas pré-parto hipobiose reativação larval L 2 L PPP: 30 dias 3 migração da larva hipobiótica ciclo pulmonar intestino delgado idem L 2 liberação na circulação placenta e glândula mamária Até três semanas pós-parto infecção fetal vertical (transplacentária ou transmamária) Pouco antes do parto ocorre o ciclo pulmonar Ciclo direto evolução até a forma adulta após o nascimento doença clínica após o nascimento PPP: 21 dias eliminação de ovos nas fezes

15 Patogênese

16 Sinais clínicos apatia anorexia choros vômito febre ou hipotermia ausência de defecação abaulamento abdominal dor abdominal tosse dispneia sinais neurológicos constante posicionamento para defecar

17 Sinais clínicos apatia anorexia* choros vômito* febre ou hipotermia ausência de defecação* abaulamento abdominal dor abdominal tosse dispneia sinais neurológicos constante posicionamento para defecar *Tríade do corpo estranho.

18 Toxocaríase

19 Toxocaríase Hemograma Leucócitos totais (/mm 3 ) ( ) Neutrófilos seg. (60%-77%) 70% ( ) Bastonetes (0%-3%) 1% (0-300) 130 Linfócitos (12%-30%) 21% ( ) Monócitos (3%-10%) 3% ( ) 390 Eosinófilos (2%-10%) 5% ( ) 650 Basófilos (raros) - (raros) - Eritrócitos (x10 6 /mm 3 ) (5,50-8,50) 5,9 Hemoglobina (g/dl) (12,0-18,0) 13,5 Hematócrito (%) (37-55) 42 VCM (fl) (60,0-77,0) 71,2 CHCM (%) (32,0-36,0) 32,1

20 Toxocaríase Hemograma Leucócitos totais (/mm 3 ) ( ) Neutrófilos seg. (60%-77%) 60% ( ) Bastonetes (0%-3%) - (0-300) - Linfócitos (12%-30%) 19% ( ) Monócitos (3%-10%) 3% ( ) 450 Eosinófilos (2%-10%) 18% ( ) Basófilos (raros) - (raros) - Eritrócitos (x10 6 /mm 3 ) (5,50-8,50) 6,0 Hemoglobina (g/dl) (12,0-18,0) 13,5 Hematócrito (%) (37-55) 40 VCM (fl) (60,0-77,0) 66,7 CHCM (%) (32,0-36,0) 33,7

21 Toxocaríase Hemograma Leucócitos totais (/mm 3 ) ( ) Neutrófilos seg. (60%-77%) 60% ( ) Bastonetes (0%-3%) - (0-300) - Linfócitos (12%-30%) 19% ( ) Monócitos (3%-10%) 3% ( ) 450 Eosinófilos (2%-10%) 18% ( ) Basófilos (raros) - (raros) - Eritrócitos (x10 6 /mm 3 ) (5,50-8,50) 6,0 Hemoglobina (g/dl) (12,0-18,0) 13,5 Hematócrito (%) (37-55) 40 VCM (fl) (60,0-77,0) 66,7 CHCM (%) (32,0-36,0) 33,7

22 Toxocaríase em cão

23 Toxocaríase Exame parasitológico de fezes Método direto Flutuação Exames Identificação do parasito na necropsia

24 Toxocaríase Redondos, de casca espessa e com apenas uma célula.

25 Toxocaríase µm Casca finamente mamilonada.

26 Diferença entre os ovos de Toxocara canis e Ancylostoma caninum

27 Toxocaríase em cão

28 Toxocaríase em cão

29 Toxocaríase em cão

30 Toxocaríase em cão

31 Importância em saúde pública Larva migrans visceral/toxocaríase visceral Granuloma eosinofílico hepático Granuloma eosinofílico pulmonar Larva migrans ocular/toxocaríase ocular Granuloma eosinofílico ocular Larva migrans neural/neurotoxocaríase Granuloma eosinofílico cerebral Meningite eosinofílica Larva migrans oculta/toxocaríase oculta

32 Prevenção Manter canis com pisos de fácil limpeza Realizar limpeza diária dos canis (retirada das fezes) Realizar desinfecção semanal dos canis* Utilizar apenas água potável para bebida Realizar banhos após passeio em locais lamacentos Realizar tratamento do ambiente em locais externos** Everminação periódica *Hipoclorito de sódio (1%). **Borato de sódio (0,5kg/m 2 ).

33 Everminação Inicial (filhotes) 15 dias, 30 dias e 2, 3, 4, 5 e 6 meses Periódica (adultos) Semestral, trimestral ou anual (avaliar cada caso) Dose dupla Intervalo variável entre 10 e 30 dias* Prenhez Qualquer momento da gestação Dose dupla Intervalo variável entre 10 e 30 dias* Repetição 10 dias pós-parto *Em média 15 dias.

34 TOXASCARÍASE

35 Toxascaríase Etiologia principal: Toxascaris leonina Outras etiologias: não há Dimensões: 2-7 e 2-10 cm de comprimento Hospedeiros definitivo: gatos, felídeos selvagens e cães Hospedeiros intermediário: roedores Hospedeiros paratênico: não há Hospedeiros acidental: humanos Papel zoonótico direto do cão e do gato: baixo

36 Toxocara e Toxascaris

37 Toxascaríase Etiologia principal: Toxascaris leonina Outras etiologias: não há Dimensões: 2-7 e 2-10 cm de comprimento Hospedeiros definitivo: gatos, felídeos selvagens e cães Hospedeiros intermediário: roedores Hospedeiros paratênico: não há Hospedeiros acidental: humanos Papel zoonótico direto do cão e do gato: baixo

38 Ciclo de vida do ascarídeo Toxascaris leonina em filhotes e adultos Transmissão horizontal eliminação de ovos nas fezes PV= 7 dias (22º a 26º C) evolução até L2 no interior dos ovos infecção passiva infecção passiva ovo com L 2 HI com L 3 incistada eclosão no estômago desincistamento no intestino delgado evolução até a forma adulta* e evolução até a forma adulta* e espoliação do HD espoliação do HD reprodução sexuada reprodução sexuada PPP: dias pós-ip eliminação de ovos nas fezes eliminação de ovos nas fezes *Apenas raramente ocorre ciclo pulmonar.

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS PARVOVIROSE

Leia mais

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA EM GATOS Rafael

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

31/10/2013 HEMOGRAMA. Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle. Introdução. Simplicidade. Baixo custo. Automático ou manual.

31/10/2013 HEMOGRAMA. Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle. Introdução. Simplicidade. Baixo custo. Automático ou manual. 3//3 HEMOGRAMA Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Introdução Simplicidade Baixo custo Automático ou manual Muita informação 3//3 Introdução Componentes celulares eritrócitos plaquetas linfócitos leucócitos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Quando se suspeita de insuficiência hepática

Leia mais

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,67 4,00 a 5,10 Hemoglobina g/dl...: 13,00 11,20 a 15,10 Hematócrito %...: 37,80 34,00 a 43,00 Vol. Glob. Média em fl...: 80,94 78,00 a 92,00 Hem. Glob.

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial Toxoplasmose Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii Único agente causal da toxoplasmose Distribuição geográfica: Mundial Hospedeiros: a) Hospedeiros finais ou definitivos: - felideos (gato doméstico

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA Contaminação por ovos e larvas de helmintos em areia de praças públicas na cidade de Taguatinga-DF BRASÍLIA 2012 PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA

Leia mais

Principais helmintos intestinais em cães no Brasil

Principais helmintos intestinais em cães no Brasil Ano 02 Edição 08 Junho 2015 Principais helmintos intestinais em cães no Brasil Profa. Dra. Solange Maria Gennari CRMV-SP 1.387 Professora Titular do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde

Leia mais

Peculiaridades do Hemograma. Melissa Kayser

Peculiaridades do Hemograma. Melissa Kayser Peculiaridades do Hemograma Melissa Kayser melissa.kayser@ifsc.edu.br Introdução Simplicidade Baixo custo Automático ou manual Muita informação Introdução eritrócitos Componentes celulares plaquetas linfócitos

Leia mais

Estrongiloidíase. - São 52 espécies pertencentes à família Strongyloididae, mas apenas o S. stercoralis é patogênico para o homem.

Estrongiloidíase. - São 52 espécies pertencentes à família Strongyloididae, mas apenas o S. stercoralis é patogênico para o homem. Estrongiloidíase Parasito Reino: Animalia Filo: Nemathelminthes Classe: Nematoda Família: Strongyloididae Gênero: Strongyloides Espécies: Strongyloides stercoralis - São 52 espécies pertencentes à família

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

Classe Nematoda. Ascaridíase

Classe Nematoda. Ascaridíase Classe Nematoda - Os parasitos pertencentes a essa classe possuem características em comum, como: - São pseudocelomados; - Possuem sistema digestório completo; - Alguns são geo-helmintos (verdadeiros),

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância XE2100-Sysmex Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Unidade : VICENTE PIRES Página: 1/7 HEMOGRAMA COMPLETO Método : Análise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Eritrograma Valores de

Leia mais

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária 30/01/2017 0818 DN 25/10/1946 / 70a 3m Página 1 de 7 Protocolo 1701.001.083-6 Documento ACIDO URICO 7,5 mg/dl Enzimático. EXAME REVISTO E CONFIRMADO. 2,5 6,5 mg/dl

Leia mais

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL AUTENTICIDADE: 31BA47 Set.Tecnico Imunoensaio PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/2004 07:05 PROSTÁTICO LIVRE Resultado 0.15 ng/ml Metodo: Eletroquimioluminescência (ECLIA) Referencial: Até 0.72 ng/ml

Leia mais

EFEITO DA CONDIÇÃO CORPORAL SOBRE A DINÂMICA DE HEMOGRAMA NO PERIPARTO DE VACAS DA RAÇA HOLANDÊS

EFEITO DA CONDIÇÃO CORPORAL SOBRE A DINÂMICA DE HEMOGRAMA NO PERIPARTO DE VACAS DA RAÇA HOLANDÊS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE VETERINÁRIA NUCLEO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO EM PECUÁRIA EFEITO DA CONDIÇÃO CORPORAL SOBRE A DINÂMICA DE HEMOGRAMA NO PERIPARTO DE VACAS DA RAÇA HOLANDÊS

Leia mais

Curso de Hematologia RCG0448 Lista de Hemogramas para discussão

Curso de Hematologia RCG0448 Lista de Hemogramas para discussão Curso de Hematologia RCG0448 Lista de Hemogramas para discussão N 0 1 Eritrócitos... 4.800.000 por mm 3 Leucócitos... 6.900 por mm 3 Hemoglobina... 14,0 g/100 ml Hematócrito... 42 ml Bast... 2,0 % Segm...

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Nematódeos. cutânea. - infecção muco-cutânea. Classificação

Nematódeos. cutânea. - infecção muco-cutânea. Classificação Nematódeos - infecção muco-cutânea cutânea Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Rhabditorida Família: Strongyloididae Espécie: Strongyloides stercoralis Nematódeos

Leia mais

SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgG. SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgM

SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgG. SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgM SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVÍRUS - ANTICORPO CLASSE IgG Método: Eletroquimioluminescência. Resultado: 500,00 Não reagente = Menor que 0,50 U/mL. Indeterminado = De 0,50 a 0,99 U/mL. Reagente = Maior ou Igual

Leia mais

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA HELMINTOLOGIA Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA Filos: Platyhelminthes, Aschelminthes, Acanthocephala Platyhelminthes: - Classe TREMATODA (Schistosoma mansoni e Fasciola hepática) - Classe CESTODA

Leia mais

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche.

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche. HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA Eritrócitos : 3,24 milhões/mm3 3,9-5,03 Hemoglobina : 11,2 g/dl 12,0-15,5 Hematócrito : 32,8 % 34,9-44,5 VCM : 101,2 fl 81,6-98,3 HCM : 34,6 pg 26,0-34,0 CHCM : 34,1 % 31,0-36,0

Leia mais

Valores Referenciais: Resultado: 180 mg/dl

Valores Referenciais: Resultado: 180 mg/dl Material coletado em: 22/03/2014 às 08:23h GLICOSE Resultado: 91 mg/dl 70 a 99 mg/dl Em 22/03/13: 93 Em 27/06/12: 89 Em 12/08/11: 89 INSULINA Resultado: 32,5 micro U/mL 2,6 a 24,9 micro U/mL COLESTEROL

Leia mais

Características gerais

Características gerais Características gerais Já foram denominados Aschelminthes. São vermes de corpo cilíndrico e com pontas afinadas. Podem ser aquáticos, terrestres ou parasitas. Possuem tubo digestivo completo. São triblásticos

Leia mais

DOSAGEM DE HORMÔNIO TIREOESTIMULANTE (TSH) - ULTRA-SENSÍVEL

DOSAGEM DE HORMÔNIO TIREOESTIMULANTE (TSH) - ULTRA-SENSÍVEL DOSAGEM DE HORMÔNIO TIREOESTIMULANTE (TSH) - ULTRA-SENSÍVEL Método: Quimioluminescência. Resultado: 4,26 uui/ml. Confirmado e reanalisado na mesma amostra. Valores de Referência: Crianças (Idade) - 1 ano

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO DOLPAC COMPRIMIDOS PARA CÃES GRANDES 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido contém: Substância activa: Oxantel

Leia mais

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l (11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o POTÁSSIO 3,6 meq/l Valores de ref erência: 3,5 a 5,4 meq/l Método: Eletrodo Seletiv o URÉIA 37 mg/dl

Leia mais

No. do Exame 001/ Data Entrada..: 20/01/2017

No. do Exame 001/ Data Entrada..: 20/01/2017 HEMOGRAMA SÉRIE VERMELHA VALORES OBTIDOS VALORES DE REFERÊNCIA UNIDADES ERITRÓCITOS 6,48 5,00-8,00 milhões/mm3 HEMOGLOBINA 15,00 12,00-18,00 g/dl HEMATÓCRITO 43,60 37,00-54,00 % V.C.M. 67,28 60,00-77,00

Leia mais

DOSAGEM DE 25 - HIDROXIVITAMINA D

DOSAGEM DE 25 - HIDROXIVITAMINA D DOSAGEM DE 25 - HIDROXIVITAMINA D Método: Quimioluminescência. Resultado: 25,7 ng/ml. Valores de Referência: Deficiência : Menor que 20,0 ng/ml. Insuficiência : 20,0 a 29,9 ng/ml. Suficiência : Igual ou

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria ANEMIAS HEMOLÍTICAS Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria O que é crise hemolítica? O que é crise hemolítica?

Leia mais

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas,

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, O que é? O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, com sintomatologia e epidemiologia totalmente diferentes: as cisticercoses correspondem, no estádio adulto, aos cestódios

Leia mais

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. Zikynix Sabor comprimidos para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA. Cada comprimido contém:

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. Zikynix Sabor comprimidos para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA. Cada comprimido contém: 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Zikynix Sabor comprimidos para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido contém: Substâncias ativas: Praziquantel Embonato de pirantel Febantel 50

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Definição da síndrome Insuficiência renal Insuficiência

Leia mais

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta GLICOSE Resultado: 77 mg/dl 70 a 99 mg/dl Método: Enzimático Material: Soro Resultado(s) Anterior(es) Em 28/04/12: 90 HEMOGLOBINA GLICADA Resultado HbA1c: 5,0 % Não diabéticos: De 4 a 6% Bom controle :

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

UREIA CREATININA...: Nome...: CESAR AUGUSTO CAVALARI Prontuário.: Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA)

UREIA CREATININA...: Nome...: CESAR AUGUSTO CAVALARI Prontuário.: Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA) Destino...: HZS - PS (PÓS CONSULTA) Pág.: 1 /8 UREIA Material: Soro Coletado em: 11/01/2017 13:16 Método: Enzimático Automatizado URÉIA...: 15 mg/dl 10 a 52 mg/dl CREATININA CREATININA...: 0,73 mg/dl TGO

Leia mais

HEMOGRAMA Material: Sangue Edta Método: AUTOMATIZADO

HEMOGRAMA Material: Sangue Edta Método: AUTOMATIZADO Página...: 1/5 Qtd. de Procedimentos: 5 / 5 HEMOGRAMA Material: Sangue Edta Método: AUTOMATIZADO ERITROGRAMA Valores encontrados Valores de referência Hemacias 5,58 milhões/mm3 4,3 a 5,7 milhões/mm3 Hemoglobina

Leia mais

Ancilostomíase e. Larva migrans 02/09/2016. Parasitose de veiculada por penetração ativa. Características gerais da doença

Ancilostomíase e. Larva migrans 02/09/2016. Parasitose de veiculada por penetração ativa. Características gerais da doença Parasitose de veiculada por penetração ativa Esquistosomose - cercária Ancilostomíase larva Larva migrans Estrongiloidíase - larva Cercária Ancilostomíase e Larva migrans Vermes presentes no solo que Introdução

Leia mais

OCORRÊNCIA DE CASOS DE ANCYLOSTOMA CANINUM E TOXOCARA CANIS NO HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA (HEV) ( ) MAPUTO MOÇAMBIQUE

OCORRÊNCIA DE CASOS DE ANCYLOSTOMA CANINUM E TOXOCARA CANIS NO HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA (HEV) ( ) MAPUTO MOÇAMBIQUE OCORRÊNCIA DE CASOS DE ANCYLOSTOMA CANINUM E TOXOCARA CANIS NO HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA (HEV) (2001 2010) MAPUTO MOÇAMBIQUE OCCURRENCE OF ANCYLOSTOMA CANINUM AND TOXOCARA CANIS IN THE VETERINARY SCHOOL

Leia mais

EXAME HEMATOLÓGICO Hemograma

EXAME HEMATOLÓGICO Hemograma EXAME HEMATOLÓGICO Hemograma Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 2 Na coleta de sangue para exames são usados anticoagulantes específicos, indicados pela cor da tampa dos frascos. Cor da Tampa Anticoagulante

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA

Leia mais

1/100 RP Universidade de São Paulo 1/1 INSTRUÇÕES PROCESSO SELETIVO PARA INÍCIO EM ª FASE: GRUPO 5: VETERINÁRIA

1/100 RP Universidade de São Paulo 1/1 INSTRUÇÕES PROCESSO SELETIVO PARA INÍCIO EM ª FASE: GRUPO 5: VETERINÁRIA 1/100 1 1/1 RP 2018 2ª Fase Prova Dissertativa P2 (08/10/2017) ASSINATURA DO CANDIDATO I Universidade de São Paulo Brasil FABDEÇGH ABUIJKLUNÁKUE PEKE H IJLNUQAREK CO34556O 78 98547:;C4< 3M=T4>9O?4554O;

Leia mais

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia:

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia: TENÍASE Homem: hospedeiro definitivo. Boi ou porco: hospedeiro intermediário. Contaminação: ingestão de carne mal passada contaminada com cisticercos; autoinfecção. Sintomas: distúrbios intestinais, dores

Leia mais

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos

VALOR REFERÊNCIA SÉRIE BRANCA ========================================================= VALORES DE REFERÊNCIA. Acima de 16 anos HEMOGRAMA, sangue total VALOR REFERÊNCIA Fem: Acima 16 anos ------------------------------------------------------------------------ ERITRÓCITOS : 4,46 milhões/mm3 3,90 a 5,00 HEMOGLOBINA : 12,3 g/dl 12,0

Leia mais

Profa. Carolina G. P. Beyrodt

Profa. Carolina G. P. Beyrodt Profa. Carolina G. P. Beyrodt Agente etiológico: Toxoplasma gondii (Protozoário coccídeo do Filo Apicomplexa) Histórico Isolado em 1908 de um roedor do deserto: Ctenodactylus gondii 1923 descrição do primeiro

Leia mais

HEMOGRAMA. Paciente : MARCIA SILVIANE DOS SANTOS ROSA Idade : 45 anos, 10 meses Série/No.: REC2/ ERITROGRAMA

HEMOGRAMA. Paciente : MARCIA SILVIANE DOS SANTOS ROSA Idade : 45 anos, 10 meses Série/No.: REC2/ ERITROGRAMA HEMOGRAMA Amostra: Sangue total com EDTA Metodologia: Laser. Realizado em equipamento automatizado modelo ABBOTT CELL-DYN 3500. ERITROGRAMA Valores de Referência Eritrócitos 4,32 milhões/mm³ 4,50 a 5,90

Leia mais

Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados. Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados

Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados. Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados STREPTOCOCCUS B. HEMOLÍTICO, CULTURA Bactéria isolada: Não houve crescimento bacteriano nos meios utilizados Meios utilizados: Ágar chrom ID, Strepto B Material : Swab anal STREPTOCOCCUS B. HEMOLÍTICO,

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO

HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO REFERENCIAIS PARA ADULTOS ------------------------- Homem Mulher Hemácias em Milhoes/mL...: 4,58 4,5 a 6,5 3,9 a 5,8 Hemoglobina em gdl...: 14,7 13,5 a 18,0 11,5 a 16,4 Hematócrito

Leia mais

VANDERLEI DE AMORIM ANTONIO C. P. OLIVEIRA. GLICOSE...: 98 mg/dl Data Coleta: 06/05/2013. COLESTEROL TOTAL...: 230 mg/dl Data Coleta: 06/05/2013

VANDERLEI DE AMORIM ANTONIO C. P. OLIVEIRA. GLICOSE...: 98 mg/dl Data Coleta: 06/05/2013. COLESTEROL TOTAL...: 230 mg/dl Data Coleta: 06/05/2013 GLICOSE...: 98 mg/dl V.R. 70 a 99 mg/dl : Normal 100 a 120 mg/dl : Intolerancia a glicose (investigar) > de 126 mg/dl : Sugere Diabetes (investigar) NOTA: Valores obtidos com base na Sociedade Brasileira

Leia mais

Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis

Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis Barbeiro, Cabellereiro, Sangrador, Dentista e Deitão-se Bixas JB Debret, 1821 1 Angiostrongylus sp. Clado V Angiostrongylus cantonensis

Leia mais

Avaliação da contaminação por parasitas zoonóticos em praças públicas da cidade de Muriaé (MG)

Avaliação da contaminação por parasitas zoonóticos em praças públicas da cidade de Muriaé (MG) Avaliação da contaminação por parasitas zoonóticos em praças públicas da cidade de Muriaé (MG) Jandeli de Andrade Rosa SANTOS¹ (jandely27@hotmail.com); Leonardo Jacinto VIEIRA¹, Graziela Aparecida CARVALHO¹,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA HEMOGRAMA COMPLETO Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA ERITOGRAMA: Referências Hemácias...: 4,45 milhões/mm³ 3,9 a 5,3 milhões/mm³ Hemoglobina...: 12,2 g/dl 12,0 a 16,0 g/dl Hematócrito...:

Leia mais

PESQUISA DE ENDOPARASITAS EM CÃES DE COMPANHIA NA REGIÃO DE ÁGUAS CLARAS-DF

PESQUISA DE ENDOPARASITAS EM CÃES DE COMPANHIA NA REGIÃO DE ÁGUAS CLARAS-DF PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA PESQUISA DE ENDOPARASITAS EM CÃES DE COMPANHIA NA REGIÃO DE ÁGUAS CLARAS-DF BRASÍLIA 2012 PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MEDICINA VETERINÁRIA PESQUISA

Leia mais

HEMOGRAMA HERMES ARTUR KLANN PAULO ROBERTO WEBSTER

HEMOGRAMA HERMES ARTUR KLANN PAULO ROBERTO WEBSTER HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 5,49 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 15,20 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 44,50 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 81,06 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

ESTUDO DE PARASITAS INTESTINAIS CANINOS PROVENIENTES DE CÃES HOSPEDADOS NO CANIL E ESCOLA EMANUEL, MARINGÁ-PR

ESTUDO DE PARASITAS INTESTINAIS CANINOS PROVENIENTES DE CÃES HOSPEDADOS NO CANIL E ESCOLA EMANUEL, MARINGÁ-PR ESTUDO DE PARASITAS INTESTINAIS CANINOS PROVENIENTES DE CÃES HOSPEDADOS NO CANIL E ESCOLA EMANUEL, MARINGÁ-PR Fabiola Hillesheim Salamaia Universidade Tuiuti do Paraná UTP; E-mail: fasalamaia@hotmail.com

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Família BALANTIDIIDAE Balantidium coli Habitat: Intestino grosso PROTOZOOLOGIA Morfologia: organismo revestido por cílios, bastante móvel, mede 300µm, na parte anterior

Leia mais

4º FILO - NEMATELMINTOS

4º FILO - NEMATELMINTOS 4º FILO - NEMATELMINTOS Nematelmintos (Asquelmintos) nematos = fio + helmintos = vermes Vermes cilíndricos e alongados Nematelmintos (Asquelmintos) Exemplos: Ascaris lumbricoides Necator americanus Ancilostomo

Leia mais

Resultados Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados.

Resultados Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados. s Externos Você possui exames realizados em estabelecimentos credenciados. HEMOGLOBINA GLICADA HEMOGRAMA COM PLAQUETAS RESULTADO UNIDADE VALORES DE REFERENCIA ------------------------- ------------------------------

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Sangue: funções gerais

Sangue: funções gerais Sangue Sangue: funções gerais Transporte de nutrientes para órgãos e tecidos; Regulação térmica e hídrica; Transporte de gases para órgãos e tecidos; Defesa do organismo; Coagulação. Componentes do Sangue

Leia mais

SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR

SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR NEMATODA Nematelmintos (Asquelmintos) nematos = fio helmintos = vermes Vermes cilíndricos e alongados. Nematelmintos (Asquelmintos) Exemplos:

Leia mais

Resultados Anteriores: Data: 17/08/ /02/ /03/ /04/ /01/ /04/2013 Valor:

Resultados Anteriores: Data: 17/08/ /02/ /03/ /04/ /01/ /04/2013 Valor: GLICOSE...: 169 mg/dl V.R. 70 a 99 mg/dl : Normal 100 a 120 mg/dl : Intolerancia a glicose (investigar) > de 126 mg/dl : Sugere Diabetes (investigar) NOTA: Valores obtidos com base na Sociedade Brasileira

Leia mais

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical)

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Toxoplasmose Parasito Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gênero: Toxoplasma Espécie: Toxoplasma gondii - É uma doença cosmopolita.

Leia mais

DTA. Profª. Natália Pessoa 24/03/2014

DTA. Profª. Natália Pessoa 24/03/2014 Colaboração: Profª. Fernanda de Alvarenga Martins DTA Profª. Natália Pessoa 1) Assinale a alternativa que corresponde ao microrganismo responsável por uma doença, veiculada por alimentos, causada por uma

Leia mais

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes.

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. Sub-Reino Metazoa - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. - Suspeita-se que 20% da população mundial esteja infectada com algum

Leia mais

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO)

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO) HBS-Ag - Antígeno Austrália VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente Página: 1 de 6 Nota: Este é um teste de triagem, cujo resultado, em caso de positividade não pode ser considerado

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Adivaldo Henrique da Fonseca

Leia mais

8/8/2012. Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps

8/8/2012. Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps Platyhelminthes Filo Cestoda Classe Cestodaria Eucestoda Sub-classe Cyclophyllidea Ordem Taeniidae Taenia spp. Gênero Echinococcus Ciclo indireto - digenéticos Parte anterior escólex com 4 ventosas com

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Resultado(s) Anterior(es) Em 30/03/16: 2,54 Em 11/02/15: 2,29 Em 29/10/14: 4,43

Resultado(s) Anterior(es) Em 30/03/16: 2,54 Em 11/02/15: 2,29 Em 29/10/14: 4,43 TSH ULTRA-SENSÍVEL Resultado: 4,66 uui/ml 0,27 a 4,20 uui/ml Em 30/03/16: 2,54 Em 11/02/15: 2,29 Em 29/10/14: 4,43 T4 LIVRE - TIROXINA LIVRE Resultado: 1,21 ng/dl 0,93 a 1,70 ng/dl Em 30/03/16: 1,05 Em

Leia mais

HEMATOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS. Prof. Dr. Willian Marinho Dourado Coelho

HEMATOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS. Prof. Dr. Willian Marinho Dourado Coelho HEMATOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Prof. Dr. Willian Marinho Dourado Coelho INTRODUÇÃO Hematologia (gr. Haima, haimatos = sangue e logos = palavra, razão) Estudo das doenças primárias do sangue Estudo

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Poxantel comprimidos composto de pirantel, oxantel e praziquantel para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA Nº 1 Sexo feminino, 40 anos GV (3.9-5.0 x 10 6 /µl ) 4.75 GB (3500-10500) - 5.200 Hb (12.0-15.5 d/dl) 14.3 Blastos - Ht (35-45%) 43 Promielócitos - VCM

Leia mais

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400 Resultados Página: 1/13 HEMOGRAMA ERITROGRAMA Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3 04.50 a 06.10 HEMOGLOBINA: 13.5 g/dl 13.00 a 16.50 HEMATOCRITO: 41.1 % 36.00 a 54.00 VCM:

Leia mais

#Id: R.S.S, feminino, 84 anos, natural e procedente de Fortaleza, viúva, ex-costureira, católica. #Fonte da história: Filha. #Q.P.

#Id: R.S.S, feminino, 84 anos, natural e procedente de Fortaleza, viúva, ex-costureira, católica. #Fonte da história: Filha. #Q.P. CASO CLÍNICO 5 #Id: R.S.S, feminino, 84 anos, natural e procedente de Fortaleza, viúva, ex-costureira, católica. #Fonte da história: Filha #Q.P.: Agitação #H.D.A.: Filha relata que paciente, acamada há

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Duelmint 40 pasta oral para cães e gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém: Substâncias

Leia mais

Disciplina de Parasitologia

Disciplina de Parasitologia Disciplina de Parasitologia Curso de Medicina 2016 Aula 09/06/16: Revisão Trematódeos e Cestódeos Profa. Dra. Juliana Quero Reimão Esquistossomose mansônica Características epidemiológicas Nordeste sudeste

Leia mais

Ascaris lumbricoides

Ascaris lumbricoides Boa noite! Ascaris lumbricoides ASCARIDÍASE ASCARIDÍASE É o parasitismo desenvolvido no homem pelo Ascaris lumbricoides. Nome popular Lombrigas ou bichas. Prevalência O Ascaris lumbricoides encontrado

Leia mais

Principais parasitas em cães e gatos:

Principais parasitas em cães e gatos: Principais parasitas em cães e gatos: Nematódeos: Ancylostoma caninum Ancylostoma caninum nenhum Comum em zonas tropicais e subtropicais Maior patogenicidade em filhotes Filhotes: anemia, perda de peso,

Leia mais

CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA

CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA Descrição Simplificada Azul de cresil brilhante em solução Câmara de Fuchs-Rosenthal Câmara de Neubauer Conjunto de mangueiras para o equipamento Hematek

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DO SOLO DE PRAÇAS DE CONJUNTOS HABITACIONAIS POR HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS EM PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

CONTAMINAÇÃO DO SOLO DE PRAÇAS DE CONJUNTOS HABITACIONAIS POR HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS EM PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL CONTAMINAÇÃO DO SOLO DE PRAÇAS DE CONJUNTOS HABITACIONAIS POR HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS EM PELOTAS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ANA LÚCIA CAMPELO TAVARES * CARLOS JAMES SCAINI ** GERTRUD MÜLLER *** NARA AMÉLIA

Leia mais

Enfermidades Micóticas

Enfermidades Micóticas Enfermidades Micóticas Msc. Larissa Pickler Departamento de Medicina Veterinária Universidade Federal do Paraná Disciplina de Doenças das Aves Curitiba Paraná Brasil 2011 Enfermidades Micóticas Infecções

Leia mais

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos Toxoplasma gondii Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos INTRODUÇÃO O Toxoplasma gondii é um protozoário intracelular obrigatório, para que seu ciclo de vida esteja completo, precisa

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Analise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA

HEMOGRAMA COMPLETO Método : Analise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância XE2100-Sysmex Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Unidade : GAMA LESTE Página: 1/5 HEMOGRAMA COMPLETO Método : Analise realizada por Citometria de fluxo fluorescente e impedância "XE2100-Sysmex" Material: SANGUE TOTAL COM EDTA Eritrograma Resultados Homens

Leia mais

CONTRIBUTO DO LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA ANIMAL, NO DIAGNÓSTICO DE ALGUMAS PARASITOSES, NA ÁREA GEOGRÁFICA DA ESAS

CONTRIBUTO DO LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA ANIMAL, NO DIAGNÓSTICO DE ALGUMAS PARASITOSES, NA ÁREA GEOGRÁFICA DA ESAS CONTRIBUTO DO LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA ANIMAL, NO DIAGNÓSTICO DE ALGUMAS PARASITOSES, NA ÁREA GEOGRÁFICA DA ESAS Crespo, M. V. M. & Jorge, A. T. Escola Superior Agrária - Instituto Politécnico de Santarém

Leia mais