Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo"

Transcrição

1 Aplicações P2P André Lucio e Gabriel Argolo

2 Tópicos Internet Peer-to-Peer (Introdução) Modelos (Classificação) Napster Gnutella DHT KaZaA

3 Razões para o Sucesso da Internet Capacidade de interligar várias redes Características: Aberta Pública De alcance mundial O que faz aplicações para a Internet darem certo (pegarem)? Resolver problemas

4 Modelo de interação entre computadores na Internet Cliente/Servidor Dependente de Servidores bem configurados em com informação acessível Não explora o potencial de computação distribuída proveniente da Rede A existência de um ou milhares de computadores é indiferente na interação de um usuário típico com a rede

5 O que são Sistemas P2P? Sistemas distribuídos sem controle centralizado ou organização hierárquica Software executado em cada elemento (ponto) é equivalente em funcionalidade Têm recebido grande atenção: Usuários Empresas Meios acadêmicos

6 Definição P2P é uma classe de aplicações que leva vantagem de recursos disponíveis nas bordas da Internet Quais recursos? Armazenamento Tempo de CPU Conteúdo Presença humana

7 Características Cada participante age como cliente e servidor ao mesmo tempo Cada cliente paga a sua participação fornecendo acesso a (alguns de) seus recursos Exceções são comuns: freeloaders ou vampiros Gnutella: 50% dos arquivos são fornecidos por 1% dos participantes

8 Características Sem coordenação central Sem banco de dados central Sem local único de falha ou gargalo Nenhum ponto (peer) tem visão global do sistema Comportamento global definido por interações locais Todos os dados e serviços são acessíveis de qualquer ponto Pontos são autônomos Pontos e conexões não são confiáveis

9 Origem de P2P A Internet era P2P no início Qualquer computador funcionava como cliente e servidor Aplicações principais: TELNET e FTP A cooperação era o principal objetivo e o valor da rede

10 Aplicações Inovadoras Mensagens instantâneas Compartilhamento de arquivos Busca distribuída Processamento distribuído Trabalho colaborativo (groupware) Jogos Compartilhamento de capacidade de armazenamento Novas formas de distribuição de conteúdo (Web- Semântica )

11 Sistemas P2P: Requisitos Descoberta de recursos/serviços Baseada em: nome, endereço, rota, métrica, etc. Roteamento Roteamento de aplicação: conteúdo, interesse, etc. Roteamento entre super-nós: Kazaa, Morpheus Roteamento baseado em capacidade (bandwidth) Robustez e tolerância a falhas (nó e enlace) Armazenamento distribuído e atualizações Escalabilidade Confiança nos pares (autenticação, etc) Monitoramento de vizinhos

12 P2P e Redes de Cobertura Overlay (Overlay) Rede virtual: rede em cima de outra rede (IP) Os enlaces são conexões entre nós da rede P2P freqüentemente utilizada para criar overlays Oferecendo serviços que poderiam ser implementados na camada IP Estratégia muito útil para implantação

13 Modelos de Sistemas P2P Modelo Centralizado (Classificação 1) Índice global mantido por um autoridade central Contato direto entre clientes e provedores Exemplo: Napster Modelo Descentralizado Sem índice global (sem coordenação global) Exemplos: Gnutella, Freenet Modelo Hierárquico Introdução dos super-nós (super-nodes ou super-peers) Mistura dos modelos centralizado e descentralizado Exemplos: KaZaA, Morpheus

14 Modelos de Sistemas P2P (Classificação 2) Centralized Service Location (CSL ou CIA) Busca centralizada Exemplo: Napster Flooding-based Service Location (FSL ou DIFA) Busca baseada em inundação Exemplo: Gnutella Distributed Hash Table-based Service Location (DHT ou DIHA) Busca baseada em tabela de hash distribuída Exemplos: CAN, Pastry, Tapestry, Chord

15 Modelos de Sistemas P2P (Classificação 3)

16 Modelos de Sistemas P2P (Classificação 4)

17 Busca Centralizada (CSL)

18 Napster 05/99: Shawn Fanning funda o Napster Online music service 12/99: primeiro processo na justiça 07/01: Juiz manda fechar Napster Outras redes P2P começam a crescer 07/01: usuários simultâneos Morpheus: 300K, Napster: 160K, Gnutella: 40K

19 Napster: funcionamento 1. Cliente se conecta com servidor e envia a sua lista de arquivos compartilhados 2. Cliente envia palavras-chave para fazer busca na lista completa 3. Cliente testa taxa de transmissão dos pares que têm o arquivo solicitado (ping) 4. O arquivo é transferido entre os pares

20 Napster: funcionamento (1)

21 Napster: funcionamento (2)

22 Napster: funcionamento (3)

23 Napster: funcionamento (4)

24 Napster - Comentários Servidor centralizado Ponto único de falhas Sujeito a congestionamentos Controle totalmente com o Napster Apenas ilusão de liberdade Nenhuma segurança Senhas enviadas sem criptografia Sem anonimidade (identidade revelada)

25 Busca por Inundação (FSL)

26 Busca por Inundação (FSL)

27 Gnutella Sistema de busca totalmente distribuído Busca baseada em inundação História: 14/03/2000: Disponibilizado sob licença pública GNU no servidor web da Nullsoft (pertencente à AOL) Retirado apenas algumas horas depois Tarde demais: muitos usuários fizeram download Outros clientes foram disponibilizados e Gnutella começou a se popularizar

28 Gnutella Sua principal característica é a Busca Distribuída Problema Tráfego gerado: Escalabilidade Despertou grande interesse na comunidade acadêmica Não depende de servidor central Problema inicial: descobrir algum nó que está na rede.

29 Protocolo Gnutella Aplicação de compartilhamento de arquivos sobre uma rede de overlay Nós mantêm conexões TCP Mensagens são difundidas (inundadas) ou então propagadas de volta Protocolo: Inundação Propagação de volta Nó a nó Participação PING PONG Consulta QUERY QUERY HIT Transferência de arquivos GET, PUSH

30 Gnutella: Mecanismo de busca 1 A 4 7 Passos: 1. Nó 2 inicia busca do arquivo A

31 Gnutella: : Mecanismo de busca 1 A 2 A 4 7 Passos: 1. Nó 2 inicia busca do arquivo A 2. Envia mensagens a vizinhos 3 A 6 5

32 Gnutella: : Mecanismo de busca 1 A 2 4 A 7 Passos: 1. Nó 2 inicia busca do arquivo A 2. Envia mensagens a vizinhos 3. Vizinhos encaminham mensagem 3 6 A A 5

33 Gnutella: : Mecanismo de busca A:7 7 A 6 A Passos: 1. Nó 2 inicia busca arquivo A 2. Envia mensagens a vizinhos 3. Vizinhos encaminham mensagem 4. Nós com arquivo A enviam mensagem de resposta A:5 5 A

34 Gnutella: : Mecanismo de busca A:5 4 A:7 A 5 A 7 6 Passos: 1. Nó 2 inicia busca arquivo A 2. Envia mensagens a vizinhos 3. Vizinhos encaminham mensagem 4. Nós com arquivo A enviam mensagem de resposta 5. Mensagem de resposta propagada de volta

35 Gnutella: : Mecanismo de busca A:7 A: Passos: 1. Nó 2 inicia busca arquivo A 2. Envia mensagens a vizinhos 3. Vizinhos encaminham mensagem 4. Nós com arquivo A enviam mensagem de resposta 5. Mensagem de resposta propagada de volta

36 Gnutella: : Mecanismo de busca download A Passos: 1. Nó 2 inicia busca arquivo A 2. Envia mensagens a vizinhos 3. Vizinhos encaminham mensagem 4. Nós com arquivo A enviam mensagem de resposta 5. Mensagem de resposta propagada de volta 6. Arquivo A é transferido

37 Busca por tabela de Hash Hash Distribuída (DHT) Estrutura de dados importantes para desenvolvimento Hash distribuído na escala da Internet Importante para sistemas distribuídos grandes Sistemas P2P Chord, CAN, Tapestry, Pastry,... Sistemas muito grandes de gerenciamento de armazenamento de dados OceanStore, CFS, Publius,...

38 DHT: Funcionamento Função de hash mapeia objeto a identificador único Ex: h( Aquarela do Brasil ) -> 8045 Faixa de resultados da função de hash é distribuída pela rede

39 DHT: Funcionamento Cada nó deve conhecer pelo menos uma cópia do objeto que foi colocado na sua faixa de hash Localização dos objetos Nós armazenam apontadores para os objetos na sua faixa de hash

40 DHT: Roteamento Para cada objeto, o nó (os nós) cuja faixa cobre o objeto deve ser alcançável por um caminho curto De qualquer outro nó As diferentes abordagens (Chord, CAN, Pastry, Tapestry) diferem primariamente na escolha do algoritmo de roteamento Em geral, qualquer função aleatória de hash boa é suficiente

41 Roteamento DHT: Desafios O diâmetro de busca deve ser escalável (log N) O número de vizinhos por nó deve ser escalável O roteamento deve ser distribuído (sem gargalo ou ponto de falha centralizado) Mecanismo de entrar / sair da rede Precisa re-dividir as faixas pelos nós existentes Precisa reorganizar o conjunto de vizinhos de cada nó Precisa de um mecanismo de entrada (bootstrap) na rede, para conectar novos nós na infra-estrutura DHT

42 API DHT Cada objeto (arquivo ou apontador) tem uma chave na faixa de hash de algum nó Software DHT oferece uma API para cada nó: A aplicação passa uma chave k para a API A API retorna o endereço IP do nó responsável por k A API é implementada com a rede de cobertura (overlay) do DHT e os seus algoritmos distribuídos

43 DHT: Idéia Básica

44 DHT: Idéia Básica

45 DHT: Idéia Básica

46 DHT: Idéia Básica

47 DHT: Idéia Básica

48 KaZaA Usuários são pacientes Fazem os pedidos e não ficam esperando as respostas na frente do computador Objetos pequenos (até 10MB) 30% dos pedidos: +/- 1 hora para terminar 10% dos pedidos: +/- 1 dia para terminar Objetos grandes (mais de 100MB) 10%: 1 hora 50%: mais do que um dia

49 KaZaA

50 KaZaA : utilização Usuários novos fazem mais buscas e consomem a maioria dos recursos no Kazaa Usuário antigos consomem menos bytes

51 KaZaA: : Dinâmica dos objetos Maioria (91%) dos pedidos para objetos pequenos Maioria (65%) dos bytes transferidos de objetos grandes A popularidade dos objetos dura pouco Os objetos mais populares tendem a ser muito novos (introduzidos na rede) O sucesso de uma rede P2P como o Kazaa depende imensamente da introdução de novos objetos e entrada de novos usuários

52 Monitoração REDES SECRETAS, PRIVADAS e PEQUENAS com acesso restrito a pessoas conhecidas previamente impede a RIAA de as monitorizar. Programas baseados no KaZaA implementam bloqueio de monitorização da RIAA.

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok GPRT/UFPE GPRT/UFPE Peer-to-Peer (P2P) Computação Colaborativa na Internet Minicurso SBRC - (alterado por Andrea Krob) Autores Originais (UFPE) João Rocha Marco Antônio Domingues Arthur Callado Eduardo

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer- Redes Peer- (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade Permitem que os pares compartilhem recursos diretamente, sem envolver intermediários

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer-to-Peer Redes Peer-to to-peer Arquitetura de Redes P2P Integridade e Proteção Redes Peer-to-Peer (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação de Grupos Peer to Peer Comunicação de Grupos Modelos Anteriores - Comunicação envolvia somente duas partes. RPC não permite comunicação de um processo com vários outros

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Membership Grupos dinâmicos Membros entram e saem dos grupos Membros podem falhar (crash) Grupos são criados e destruídos em tempo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação P2P Camada de Transporte Slide 1 P2P O compartilhamento de arquivos P2P é um paradigma de distribuição atraente porque todo o conteúdo é transferido diretamente

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Computação Colaborativa na Internet

Computação Colaborativa na Internet GPRT/UFPE GPRT/UFPE Peer-to to-peer (P2P) Computação Colaborativa na Internet SBRC 2004, Gramado/RS 13/05/2004 Autores (UFPE) João Rocha Marco Antônio Domingues Arthur Callado Eduardo Souto Guthemberg

Leia mais

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015 Redes P2P Alexandre Alves Bruno Valério Rôb Klér 19 de junho de 2015 SUMÁRIO Introdução Características Arquitetura Aplicações Sistemas Segurança Perguntas Conclusões P2P 2/13 INTRODUÇÃO Rede de computadores

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

Compartilhamento de Arquivos através de Redes Peer-to-Peer

Compartilhamento de Arquivos através de Redes Peer-to-Peer Compartilhamento de Arquivos através de Redes Peer-to-Peer André Lucio de Oliveira 1, Gabriel Argolo Matos Rocha 1 1 Instituto de Computação - Universidade Federal Fluminense (UFF) Niterói RJ Brasil {aoliveira,

Leia mais

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo Rede Peer-To-Peer Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia de Eletricidade Estágio Docente Prof. Dr. Mário Meireles Teixeira Mestrando: Flávio

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Slide 1 Aplicação e Protocolo de Aplicação Aplicação: processos distribuídos em comunicação rodam nos computadores usuários da rede como programas de usuário trocam

Leia mais

GT Computação Colaborativa (P2P)

GT Computação Colaborativa (P2P) GT Computação Colaborativa (P2P) Djamel Sadok Julho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT Computação Colaborativa (P2P), responsável pelo

Leia mais

Informática UFRGS. Programação Concorrente (C. Geyer) P2P 1

Informática UFRGS. Programação Concorrente (C. Geyer) P2P 1 Sistemas P2P P2P 1 Autoria Cláudio Geyer Local Instituto de Informática Disciplinas: Versão Sistemas Operacionais II v0 dez/2009 P2P 2 Bibilografia Bibliografia: Coulouris et al. Sistemas Distribuídos

Leia mais

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Introdução Peer-to-Peer Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Peer-to-Peer (P2P) é a base da operação de sistemas distribuídos como SETI@home e Kazaa; caracterizada por compartilhamento direto

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Peer to Peer. Sandro, Eluan. 8 de Novembro de 2013. Universidade Estácio de Sá

Peer to Peer. Sandro, Eluan. 8 de Novembro de 2013. Universidade Estácio de Sá Universidade Estácio de Sá 8 de Novembro de 2013 Sumario 1 Denição 2 3 4 5 6 Um tipo de rede de computadores onde cada estação possui capacidades e responsabilidades equivalentes. Isto difere da arquitetura

Leia mais

Sistemas Peer-to-Peer

Sistemas Peer-to-Peer Sistemas Peer-to-Peer Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Ciência da Computação ELC1018 - Sistemas Distribuídos 1 Sistemas Peer-to-Peer (P2P) Prevêem a colaboração de muitos hosts usando dados e recursos

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO, UTILIZANDO A PLATAFORMA JXTA

Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO, UTILIZANDO A PLATAFORMA JXTA Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO, UTILIZANDO A PLATAFORMA JXTA Palmas 2013 Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO,

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

MODELO CLIENTE SERVIDOR

MODELO CLIENTE SERVIDOR SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo Cliente Servidor Modelo que estrutura um S.O. como um grupo de processos cooperantes, chamados servidores, que oferecem serviços a processos usuários, denominados clientes;

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura 1 Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura da rede e as funcionalidades do Skype. 2 3 4 PRÓS:

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas peer-to-peer Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org December 3, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos Aula 23 Distribuídos SOs de Rede Em sistemas operacionais de rede você sabe quando é local e quando é remoto. Assim, o trabalho não muda, com exceção de comandos para acesso remoto: - telnet - ftp - etc.

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Lista de Exercícios Data: 4 de Novembro de 2013 Questões sobre o capítulo 1, Tanenbaum & van Steen: Fundamentos 1) Explique o significado de transparência,

Leia mais

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Data Autor Descrição Revisão 06/05/2009 Barbarini Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Page 1 / 12 Procedimento de Instalação 1 O módulo deverá ser fixado próximo ao medidor. Para alimentá-lo é necessária

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Gerência de Segurança

Gerência de Segurança Gerência de segurança envolve a proteção de dados sensíveis dos dispositivos de rede através do controle de acesso aos pontos onde tais informações se localizam Benefícios do processo de gerência de segurança

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

GVGO Grupo 3. Perguntas & Respostas. Peer-to-Peer & Cloud Computing. Peer to Peer

GVGO Grupo 3. Perguntas & Respostas. Peer-to-Peer & Cloud Computing. Peer to Peer Perguntas & Respostas Peer to Peer GVGO Grupo 3 Peer-to-Peer & Cloud Computing 1. O BitTorrent (rede P2P desestruturada) utiliza um tracker centralizado para cada swarm. Cite três propriedades que as redes

Leia mais

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales Firewall Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales O que é Firewall? Firewall pode ser definido como uma barreira de proteção, que controla o tráfego de dados entre seu computador e a Internet (ou entre a

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1)

CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1) Internet É um conglomerado deredesem escala mundial de milhões de computadores

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Nomeação. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008

Sistemas Distribuídos. Nomeação. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Sistemas Distribuídos Nomeação Nazareno Andrade Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Fundamentos Coordenando processos Construíndo sistemas Sistemas construídos 2 Fundamentos Coordenando processos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br>

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais