Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto"

Transcrição

1 Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA 6 de junho de 2013 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

2 Agenda 1 Arquiteturas Ponto a Ponto Estruturadas 2 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas 3 Arquiteturas Híbridas Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

3 Arquiteturas Ponto a Ponto Estruturadas Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

4 Introdução Redes ponto-a-ponto (PEER-TO-PEER / P2P) são sistemas distribuídos constituídos por processos cuja interação é simétrica: cada processo agirá como um cliente e um servidor ao mesmo tempo; Redes P2P são distribuídas por natureza, não possuindo nenhuma estrutura hierárquica ou controle centralizado; Seus componentes são organizados em uma rede de sobreposição (overlay network), isto é, uma rede na qual os nós são formados pelos processos e os enclaces representam os canais de comunicação possíveis (usualmente realizados como conexões TCP); Redes P2P permitem o compartilhamento de recursos entre os participantes e suas implementações tentam prover uma vasta gama de propriedades: seleção de nós próximos, armazenamento redundante, localização eficiente de itens de dados, confiança e autenticação, tornar anônimo, etc... Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

5 Arquitetura Abstrata de uma Rede de Sobreposição P2P Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

6 Classes de Redes P2P 1 Estruturada A topologia da rede de sobreposição é controlada; Conteúdo é depositado não em nós aleatórios mas em localizações específicas, o que tornará eventuais consultas mais eficientes; 2 Não estruturada A construção da rede de sobreposição é baseado em algoritmos aleatórios. Cada nó manterá uma lista de vizinhos mas esta lista é construída de modo aleatório; Da mesma maneira, os dados são depositados aleatoriamente nos nós. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

7 Redes P2P Estruturadas Usualmente utiliza uma tabela hash distribuída (Distributed Hash Table - DHT) para organizar os nós; Os itens de dados recebem uma chave aleatória, como um identificador de 128 ou 160 bits de um grande espaço de identificadores; Da mesma forma, os nós também recebem um número aleatório do mesmo espaço de identificadores; O sistema deve implementar um esquema determinístico que mapeie exclusivamente a chave de um item de dado para o identificador de um nó; A rede P2P permite o armazenamento e recuperação escaláveis de pares {chave,valor} através da rede de sobreposição. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

8 Interface de Rede P2P Estruturada Baseada em DHT Figura: As operações put e get são utilizadas para armazenar e recuperar o valor correspondente à chave, o que envolve o roteamento de requisições ao nó correspondente à chave Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

9 Sistema Chord No sistema Chord os nós estão logicamente organizados em um anel de tal modo que um item de dado com chave k seja mapeado para o nó que tenha o menor identificador id k; Este nó é denominado sucessor da chave k e denotado por succ(k) {13,14,15} {0,1} Actual node {8,9,10,11,12} Associated data keys {2,3,4} {5,6,7} 7 6 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

10 Sistema Chord Uma função hash atribui a nós e chaves de dados um identificador de m bits; O identificador de um nó é escolhido através do valor hash de seu endereço IP, enquanto o identificador de uma chave é produzido através do valor hash de seu dado; m é usualmente 128 ou 160, dependendo da função hash utilizada; A questão central é como resolver com eficiência uma chave k para o endereço de succ(k); Uma abordagem óbvia é deixar que cada nó p monitore o sucessor succ(p + 1) bem como seu predecessor pred(p); Neste caso, sempre que p recebe uma requisição para resolver k ele repassa a requisição para um de seus dois vizinhos, a menos que pred(p) < k p, quando p deve retornar seu próprio endereço; Esta abordagem, no entanto, não é escalável... Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

11 Sistema Chord: Tabela de Derivação Cada nó mantém uma tabela de derivação (finger table) de no máximo m entradas, denotando-se a tabela do nó p por FT p ; FT p = succ(p +2 i 1 ) Ou seja, a i-ésima entrada aponta para o primeiro nó que sucede p por, no mínimo, 2 i 1 ; Portanto, a distância do atalho em relação ao nó p aumenta exponencialmente à medida que o índice na tabela de derivação cresce; Para consultar uma chave k, o nó p repassará a requisição a q com índice j na tabela de derivação onde: q = FT p [j] k FT p [j +1], ignorando-se a aritmética modular por clareza. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

12 Exemplo de Resolução de Chave no Sistema Chorus Considere a resolução de k = 26 a partir do nó 1, conforme figura constante no próximo slide; O nó 1 verificará se k é maior que FT 1 [5], o que significa que a requisição será repassada para o nó 18 = FT 1 [5]; Por sua vez, o nó 18 selecionará o nó 20, já que FT 18 [2] < k FT 18 [3]; Por fim a requisição é repassada do nó 20 para o nó 21 e deste para o nó 28, que é responsável por k = 26; Neste ponto o endereço do nó 28 é repassado para o nó 1 e a chave foi resolvida; Pode-se mostrar que uma consulta exigirá O(log(N)), onde N é o número de nós no sistema. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

13 Exemplo de Resolução de Chave no Sistema Chorus Actual node Resolve k = 12 from node Finger table i i-1 succ(p + 2 ) Resolve k = 26 from node Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

14 Gerenciamento de Nós no Chorus Para se juntar ao sistema, o nó p contata um nó arbitrário e requisita uma consulta para succ(p +1); O próprio nó p pode se inserir no anel. Para manter o mapeamento consistente, certas chaves atribuídas previamente ao sucessor de p devem ser reatribuídas a ele (p); De forma semelhante, quando um nó p deixa o sistema, todas as chaves a ele previamente atribuídas devem ser repassadas a seu sucessor; Perceba que os nós devem monitorar seu predecessor. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

15 Mantendo Tabelas de Derivação Atualizadas O mais importante para todo nó q é que FT q [1] esteja correta, já que esta entrada se refere ao próximo nó do anel; Para isso, cada nó q executa periodicamente um procedimento que contata succ(q +1) e requisita que ele retorne pred(succ(q +1)); Se q = pred(succ(q +1)), q sabe que suas informações são consistentes com as de seu sucessor; Caso o sucessor de q tenha atualizado seu predecessor, um novo nó p entrou no sistema, com q < p succ(q+1), de modo que q ajustará FT q [1] para p; Ele também verificará se p registrou q como seu predecessor; De forma semelhante, para atualizar a tabela de derivação, q precisa simplesmente achar o sucessor para k = q+2 i 1 para cada entrada i; Isso pode ser feito pela emissão de uma requisição para resolver succ(k); Em Chord, tais requisições são emitidas periodicamente. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

16 Mantendo Tabelas de Derivação Atualizadas Cada nó q verifica periodicamente se seu predecessor está vivo; Se ele tiver falhado, q ajustará pred(q) para desconhecido ; Por outro lado, quando q estiver atualizando seu enlace para o próximo nó no anel e descobrir que o predecessor de succ(q +1) foi ajustado para desconhecido, ele simplesmente avisará succ(q + 1) que suspeita que ele é o predecessor; Estes procedimentos garantem que um sistema Chord seja normalmente consistente, talvez com exceção de alguns nós. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

17 Rede CAN A rede de conteúdo endereçável (Content Addressable Netowrk - CAN) utiliza um espaço de coordenadas cartesianas de d dimensões que é particionado entre os nós do sistema; Todo item de dados em CAN será atribuído a um único ponto desse espaço, tornando claro qual nó responsável por ele; Para armazenar um par {k,v}, a chave k é deterministicamente mapeada para um ponto p no espaço de coordenadas através de uma função hash; Cada nó mantêm uma tabela de roteamento que guarda o endereço IP e as coordenadas de cada um de seus vizinhos no espaço; Utilizando as coordenadas dos vizinhos, um nó roteia mensagens em direção ao seu destino encaminhando-as ao vizinho mais próximo das coordenadas de seu destino. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

18 Mapeamento de Itens de Dados para Nós em CAN Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

19 Exemplo de Roteamento de Mensagem em CAN Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

20 Gerenciamento de Nós em CAN Quando um nó p deseja se juntar a um sistema CAN, ele escolhe um ponto arbitrário do espaço de coordenadas e pesquisa o nó q em cuja região o ponto cai; O nó q, então, subdivide sua região em duas metades, designando uma delas a p; p descobre seus vizinhos peguntando a q; Os itens de dados pelos quais p é agora responsável devem ser transferidos do nó q. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

21 Adição de Nó em CAN Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

22 Saída de Nó em CAN Considere que o nó cuja coordenada é (0,6; 0,7) deixa o sistema; Sua região será designada a um dos seus vizinhos, por exemplo o nó (0,9; 0,9); Como o nó (0,9; 0,9) não pode simplesmente fundi-la e obter um retângulo, ele cuidará da região e informará isso aos vizinhos; Um processo de fundo é iniciado periodicamente para promover uma repartição simétrica do espaço inteiro. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

23 Melhorias em CAN Pode-se manter múltiplos espaços de coordenadas independentes no sistema, atribuindo-se a cada nó uma zona diferente em cada espaço, denominado uma realidade; O conteúdo da tabela hash pode ser replicado em cada realidade aumentando-se a disponibilidade dos dados; Uma outra alternativa seria utilizar k funções hash diferentes para mapear uma chave a k pontos diferentes do espaço de coordenadas. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

24 Considerações Sobre Redes P2P Estruturadas Sistemas DHT possem uma sólida base teórica que garante que toda chave pode ser encontrada; No entanto, para cada salto na rede de sobreposição, nós roteam a mensagem ao próximo nó que pode estar distante considerando-se a rede IP subjacente; Sistema DHT também assumem que todos os nós participam de forma equitativa no armazenamento e localização de informação. Isto pode resultar em gargalos em nós com pouca capacidade. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

25 Exploração de Proximidade na Rede Pode-se fazer com que um sistema DHT fique ciente da rede subjacente das seguintes formas: Designando-se identificadores de modo tal que dois nós próximos tenham identificadores que também estejam próximos um do outro; O mapeamento pode expor falhas correlacionadas: nós de uma rede corporativa terão identificadores dentro de um mesmo intervalo e, caso a rede fique inalcançável, teremos uma lacuna na distribuição uniforme de identificadores; Na abordagem de roteamento por proximidade, cada nó mantém uma lista de alternativas para repassar a requisição. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

26 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

27 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Introdução Redes P2P não estruturadas utilizam algoritmos aleatórios para construir uma rede de sobreposição; Da mesma forma, itens de dados são depositados aleatoriamente em nós; Consequentemente, quando um nó precisa localizar um item de dado específico, ele deve inundar a rede com uma consulta de busca; Uma consulta a um item de dado para os quais o sistema não mantenha uma grande quantidade de réplicas deve ser enviada para uma grande quantidade de nós, o que é ineficiente. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

28 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Gnutella Gnutella (pronuncia-se newtella) é um protocolo descentralizado para redes P2P largamente utilizado; O sistema não possui diretório centralizado nem controle preciso sobre a topologia da rede ou depósito de arquivos; O protocolo de consulta é baseado em uma inundação de vizinhos com um certo raio; Esta abordagem é bastante resiliente a nós entrando e saindo com frequência do sistema; No entanto, gera-se problemas de escalabilidade e cargas inesperadas de tráfego na rede. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

29 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Entrada de Nós em Gnutella Um novo nó inicialmente se conecta a um nó conhecido pertencente à lista que normalmente estão sempre disponíveis; Uma vez conectado à rede, os nós enviam mensagens para interagir entre si; Estas mensagens podem ser enviadas por broadcast (enviada a todos os nós com os quais o emissor possua um conexão TCP aberta) ou por propagação retroativa (enviada a uma conexão específica no caminho inverso de uma mensagem inicial); Cada mensagem possui um identificador gerado aleatoriamente, bem como campos TTL e nós atravessados. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

30 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Mensagens Gnutella De gerenciamento de grupo Um nó ao entrar na rede inicia o broadcast de uma mensagem PING para anunciar sua presença; A mensagem é enviada aos vizinhos que iniciam uma mensagem PONG de propagação retroativa informando seu endereço IP, quantidade e tamanho dos seus itens de dados. De consulta Uma mensagem QUERY carrega a string de busca utilizada por cada nó receptor para procurar pesquisar no nome de seus arquivos armazenados; Realiza-se uma propagação retroativa de uma mensagem QUERY RESPONSE contendo a informação necessária para se realizar o download do arquivo. De transferência de arquivo Dowloads de arquivos são realizados diretamente entre dois nós utilizando-se mensagens GET e PUSH. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

31 Arquiteturas Ponto a Ponto Não Estruturadas Superpares (superpeers) À medida que uma rede não estruturada cresce, pode-se tornar difícil a localização de itens de dados já que não há um modo determinístico para se rotear a mensagem; Muitos sistemas mantêm nós especiais que armazenam um índice de itens de dados, denominados superpares; Superpares são organizados em uma rede P2P, o que resulta em uma organização hierárquica. Regular peer Superpeer Superpeer network Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

32 Arquiteturas Híbridas Arquiteturas Híbridas Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

33 Arquiteturas Híbridas Introdução Em arquiteturas híbridas, usualmente um nó se junta ao sistema através de um esquema cliente-servidor tradicional e tão logo isso ocorra ele pode usar um esquema descentralizado para colaboração; Um exemplo clássico é o Napster, que em 1999 foi pioneiro na ideia de se utilizar um modelo P2P para o compartilhamento de arquivos; Ele possuía uma facilidade centralizada de pesquisa a arquivos que era baseado em listas providas pelos nós; O download dos arquivos era realizado diretamente pelos nós; No entanto, um decisão judicial de um processo gerado pela Recording Industry Association of America (RIAA) forçou o Napster a desligar o seu serviço de compartilhamento de música digital. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

34 Arquiteturas Híbridas BitTorrent BitTorrent é um sistema P2P para transferência de arquivos; Sua ideia básica é que quando um usuário final estiver procurando um arquivo, ele transfira porções do mesmo de outros usuários até que possam ser montadas em conjunto, resultando no arquivo completo; Seu protocolo é projetado para desencorajar caroneiros (free-riders): Um arquivo só pode ser transferido quando o cliente que o estiver transferindo estiver transferindo o conteúdo a mais alguém; Nós que disponibilizem uma alta velocidade para upload poderão, provavelmente, realizar download à uma velocidade alta; A taxa de download de um nó será reduzida caso a velocidade de upload tiver sido limitada. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

35 Arquiteturas Híbridas Funcionamento BitTorrent Para obter um arquivo, um usuário precisa acessar um diretório global, que é apenas um de alguns sites Web conhecidos; O diretório contém referências a arquivos.torrent; Arquivos.torrent contém as informações necessárias para transferir um arquivo específico; Em particular, ele referencia um rastreador que mantém uma contabilidade dos nós ativos que têm porções do arquivo requisitado; Um nó ativo é aquele que está transferindo outro arquivo no momento em questão; Tão logo o nó tenha identificado de onde as porções do arquivo podem ser transferidas, ele se torana ativo. Neste ponto, ele será forçado a auxiliar outros. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

36 Arquiteturas Híbridas Arquitetura do BitTorrent Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Conceitos e Projeto 6 de junho de / 36

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Nomes, Identificadores, Endereços Nomeação Simples Capítulo 5 Agenda Nomes, Identificadores e Endereços Definição Nomeação Simples Soluções Simples

Leia mais

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo Aplicações P2P André Lucio e Gabriel Argolo Tópicos Internet Peer-to-Peer (Introdução) Modelos (Classificação) Napster Gnutella DHT KaZaA Razões para o Sucesso da Internet Capacidade de interligar várias

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2014

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2014 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2014 Nomeação Nomeação Compartilhar recursos, identificar entidades de maneira única, fazer referência a localizações... Resolução de nomes Espaço de nomes e implementação

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas. Arquitecturas Descentralizadas de Sistemas

Arquitecturas de Sistemas. Arquitecturas Descentralizadas de Sistemas Arquitecturas de Sistemas Centralizadas Descentralizadas Híbridas Arquitecturas Descentralizadas de Sistemas Dividir aplicações cliente-servidor em três camadas (interface, processamento, dados): distribuição

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação P2P Camada de Transporte Slide 1 P2P O compartilhamento de arquivos P2P é um paradigma de distribuição atraente porque todo o conteúdo é transferido diretamente

Leia mais

Sistemas de Nomes Planos

Sistemas de Nomes Planos Sistemas de Nomes Planos November 2, 2009 Sumário Sistemas de Nomes Planos e DHTs Chord Sistemas de Nomes Planos Tipicamente, sistemas de nomes à escala da Internet usam nomes estruturados hierarquicamente.

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer-to-Peer Redes Peer-to to-peer Arquitetura de Redes P2P Integridade e Proteção Redes Peer-to-Peer (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer- Redes Peer- (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade Permitem que os pares compartilhem recursos diretamente, sem envolver intermediários

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Nomeação. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008

Sistemas Distribuídos. Nomeação. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Sistemas Distribuídos Nomeação Nazareno Andrade Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Fundamentos Coordenando processos Construíndo sistemas Sistemas construídos 2 Fundamentos Coordenando processos

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Arquiteturas descentralizadas Arquiteturas multidivididas: conseqüência da divisão de aplicação em interface/processamento/dados. Em muitos ambientes, organização

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Membership Grupos dinâmicos Membros entram e saem dos grupos Membros podem falhar (crash) Grupos são criados e destruídos em tempo

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Introdução Peer-to-Peer Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Peer-to-Peer (P2P) é a base da operação de sistemas distribuídos como SETI@home e Kazaa; caracterizada por compartilhamento direto

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação de Grupos Peer to Peer Comunicação de Grupos Modelos Anteriores - Comunicação envolvia somente duas partes. RPC não permite comunicação de um processo com vários outros

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok GPRT/UFPE GPRT/UFPE Peer-to-Peer (P2P) Computação Colaborativa na Internet Minicurso SBRC - (alterado por Andrea Krob) Autores Originais (UFPE) João Rocha Marco Antônio Domingues Arthur Callado Eduardo

Leia mais

Cap. 02 Arquiteturas de Sist. Distribuídos

Cap. 02 Arquiteturas de Sist. Distribuídos Cap. 02 Arquiteturas de Sist. Distribuídos 2.1 Estilos Arquiteturais 2.2 Arquiteturas de Sistemas Distribuídos 2.2.1 Arquiteturas Centralizadas 2.2.2 Arquiteturas Descentralizadas 2.2.3 Arquiteturas Híbridas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Lista de Exercícios Data: 4 de Novembro de 2013 Questões sobre o capítulo 1, Tanenbaum & van Steen: Fundamentos 1) Explique o significado de transparência,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 2 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Por que definir uma arquitetura?

Leia mais

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015 Redes P2P Alexandre Alves Bruno Valério Rôb Klér 19 de junho de 2015 SUMÁRIO Introdução Características Arquitetura Aplicações Sistemas Segurança Perguntas Conclusões P2P 2/13 INTRODUÇÃO Rede de computadores

Leia mais

Fernando Luis de Oliveira Costa Graduando em Ciência da Computação Universidade Estadual de Campinas

Fernando Luis de Oliveira Costa Graduando em Ciência da Computação Universidade Estadual de Campinas Fernando Luis de Oliveira Costa Graduando em Ciência da Computação Universidade Estadual de Campinas Tópicos Os Autores Introdução - Curiosidades Motivações Protocolo Gnutella - Funcionamento Coleta de

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 NOMEAÇÃO E COMUNICAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A comunicação entre processos é o coração de um Sistema Distribuído. Isto definirá como se realizarão os processos de troca de informações em as diferentes

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1 INTRODUÇÃO Considerando que os Sistemas Distribuídos são constituídos de vários processadores, existem diversas formas de organizar o hardware de tais

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo Rede Peer-To-Peer Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia de Eletricidade Estágio Docente Prof. Dr. Mário Meireles Teixeira Mestrando: Flávio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Slide 1 Aplicação e Protocolo de Aplicação Aplicação: processos distribuídos em comunicação rodam nos computadores usuários da rede como programas de usuário trocam

Leia mais

UM SISTEMA DE ARQUIVOS COMPARTILHADO EM NÍVEL DE USUÁRIO BASEADO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS

UM SISTEMA DE ARQUIVOS COMPARTILHADO EM NÍVEL DE USUÁRIO BASEADO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PEDRO EUGÊNIO ROCHA UM SISTEMA DE ARQUIVOS COMPARTILHADO EM NÍVEL DE USUÁRIO BASEADO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS Trabalho apresentado ao Bacharelado em Ciência da Computação da Universidade Federal do

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

SIORP Sistema de Informação de Órgão Publico 2012

SIORP Sistema de Informação de Órgão Publico 2012 Portfólio 2012. O que é? SIORP Sistema de Informação de Órgão Público é um sistema cujo elemento principal é a informação. Seu objetivo é armazenar, tratar e fornecer informações de tal modo a apoiar as

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Sistemas Peer-to-Peer

Sistemas Peer-to-Peer Sistemas Peer-to-Peer Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Ciência da Computação ELC1018 - Sistemas Distribuídos 1 Sistemas Peer-to-Peer (P2P) Prevêem a colaboração de muitos hosts usando dados e recursos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Controle de Acesso

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Controle de Acesso Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Controle de Acesso Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 4 de julho

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte Internet hospedeiros, roteadores: Endereços IP (32 bits) - usados para endereçar datagramas nome, ex.: gaia.cs.umass.edu -

Leia mais

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos Sincronização Embora a comunicação entre processos seja essencial em Sistemas Distribuídos, a sincronização de processos é também muito importante. Por exemplo: o É importante que vários processos não

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas MC714 - Sistemas Distribuídos Aula de Hoje Aula Passada Relógios Lógicos Relógios de Lamport Relógios Vetoriais Aula de Hoje Exclusão Mútua Algoritmos de Eleição Exclusão mútua Questão fundamental em SDs

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO, UTILIZANDO A PLATAFORMA JXTA

Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO, UTILIZANDO A PLATAFORMA JXTA Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO, UTILIZANDO A PLATAFORMA JXTA Palmas 2013 Jan Tarik Martins Nazorek DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE BACKUP DESCENTRALIZADO,

Leia mais

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura 1 Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura da rede e as funcionalidades do Skype. 2 3 4 PRÓS:

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Consistência e Replicação Capítulo 7 Agenda Razões para Replicação Replicação como técnica de escalabilidade Modelos de Consistência centrados

Leia mais

Redes P2P ISEL - RDC. 2. Introdução ao. 1. Sumário P2P. 3. Arquitectura P2P. 4. Conclusões. 3.2 Redes Estruturadas. 3.1 Redes Desestruturadas

Redes P2P ISEL - RDC. 2. Introdução ao. 1. Sumário P2P. 3. Arquitectura P2P. 4. Conclusões. 3.2 Redes Estruturadas. 3.1 Redes Desestruturadas Redes P2P 1. Sumário 2. Introdução ao P2P 3. Arquitectura P2P 3.1 Redes Desestruturadas 3.2 Redes Estruturadas 4. Conclusões Introdução ao P2P História Motivação O que são redes peer-to-peer? Para que

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 03 - Camadas

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

UM SISTEMA DE BACKUP COOPERATIVO TOLERANTE A INTRUSÕES BASEADO EM REDES P2P

UM SISTEMA DE BACKUP COOPERATIVO TOLERANTE A INTRUSÕES BASEADO EM REDES P2P PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA SERGIO RAYMUNDO LOEST UM SISTEMA DE BACKUP COOPERATIVO TOLERANTE A INTRUSÕES BASEADO EM REDES P2P Projeto de Dissertação

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais