ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA DE PORTOS E HIDROVIAS TARIFA PORTUÁRIA PORTO DE PORTO ALEGRE/RS

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA DE PORTOS E HIDROVIAS TARIFA PORTUÁRIA PORTO DE PORTO ALEGRE/RS"

Transcrição

1 1 TARIFA PORTUÁRIA PORTO DE PORTO ALEGRE/RS Vigência a partir de 20 de Outubro de 2005 Lei de 25 de Fevereiro de 1993, artigo 51. FUNDAMENTO LEGAL E ATOS DE AUTORIZAÇÃO : Homologação dada pela Resolução 002 de 09 de outubro de 1996, nos termos do inciso VIII do parágrafo 1, do artigo 30 da Lei 8630/93. Portaria 188 de 09 de outubro de 1996 da Direção Geral do DEPRC. DELIMITAÇÃO DA ÁREA DO PORTO ORGANIZADO DO PORTO DE PORTO ALEGRE/RS ( Portaria 1.009, de 16 de dezembro de 1993) O MINISTRO DO ESTADO DOS TRANSPORTES, no uso de suas atribuições que lhe confere o artigo 87, parágrafo único, inciso II., da Constituição, e tendo em vista o que dispõe o inciso IV do parágrafo 1 do artigo 1 da Lei 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, resolve: Art. 1º - A área do Porto organizado de Porto Alegre, no Estado do Rio Grande do Sul, é constituída: a) Pelas instalações portuárias terrestres existentes na margem esquerda do lago Guaíba, estendendose desde a extremidade sul do Cais comercial, junto á Ponta da Cadeia até a extremidade norte, junto ao Saco do Cabral, abrangendo todos os cais, docas, pontes, píers de atracação e acostagem, armazéns, silos, rampas roll-on/roll-off, pátios, edificações em geral, vias internas de circulação rodoviárias e ferroviárias, e ainda os terrenos ao longo dessas faixas marginais e em suas adjacências, pertencentes à União, incorporados ou não ao patrimônio do Porto de Porto Alegre, ou sob sua guarda e responsabilidade. b) Pela infra-estrutura de proteção e acesso aquaviário tais como áreas de fundeio, bacias de evolução, canal de acesso ao norte do paralelo 32 sul, áreas adjacentes a este, até as margens das instalações terrestres do Porto organizado, conforme definidas no item a, existentes ou que venham a ser construídas e mantidas pela Administração do Porto ou outro Órgão do Poder Público. Art. 2º A administração do Porto de Porto Alegre fará a demarcação em planta da área definida no artigo 1. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. ALBERTO GOLDMAN

2 2 TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE PORTO ALEGRE/RS TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRA ESTRUTURA DE ACESSO AQUAVIÁRIO (Taxas devidas pelo Armador ou seu Agente) Código Espécie e Incidência Valor: R$ TAXAS GERAIS: I-1 Mercadoria carregada, descarregada ou baldeada no cais do porto, por Navegação de Longo Curso ou Cabotagem, por tonelada : I-1a Granel sólido 1,31 I-1b Granel líquido 1,31 I-1c Carvão e sal nacional a granel 0,66 I-1d Carga Geral não containerizada 1,31 I-1e Container cheio de 20 19,62 I-1f Container cheio de 40 26,16 I-1g Container vazio 3,98 I-2 Mercadoria carregada, descarregada ou baldeada por embarcação de Navegação Interior na área do cais do porto, por tonelada: I-2a Acesso Rio Grande/ Porto Alegre 0,11 I-3 Mercadoria carregada, descarregada ou baldeada por embarcações de pequeno porte em terminais privados ou públicos na área do porto, para comercialização, por tonelada. I-3a Areia, cascalho, brita, carvão 0,05 1-3b Gás em botijão 0,07 NORMAS DE APLICAÇÃO 1. Estão isentos das taxas desta Tabela: a) Gêneros de pequena lavoura, produtos de pesca exercida por pescadores utilizando pequenas embarcações e, ainda, outros artigos, quando se destinarem ao abastecimento do mercado local e forem movimentados por seus próprios donos, sem interferências de operador portuário b) Combustível, água e gêneros alimentícios destinados, exclusivamente, ao consumo de bordo. c) Navios de passageiros, de escola, pesquisa, e navios de guerra, quando não em operação comercial. 2. As taxas da tabela I-1 relativas à movimentação de containeres, sofrerão uma redução de 40% quando movimentadas por Cabotagem ou decorrentes do comércio com os países do mercosul, e de 60% quando movimentadas por navegação Interior. 3. No caso de baldeação de mercadoria através de embarcação auxiliar, ou de operação intermediária com carga ou descarga para o cais, proveniente ou destinada a outras embarcações na área do porto, ou para livrar o convés ou porão da embarcação, as taxas desta tabela serão aplicadas uma só vez sobre a embarcação principal. 4. Na movimentação de mercadoria pelo sistema roll-on/roll-off, as taxas desta tabela não incidem sobre a tara do veículo transportador.

3 3 5. A arrecadação e o recolhimento das taxas desta tabela, incidentes sobre a movimentação de mercadorias em terminais privativos ou mistos que utilizem a infra-estrutura aquaviária do Porto de Porto Alegre, será de responsabilidade do Terminal. 6. As taxas desta Tabela serão revistas sempre que o restabelecimento do equilíbrio econômico financeiro para a sustentabilidade da manutenção da hidrovia e canais de acessos, exigir novos critérios de distribuição dos encargos entre os usuários do Porto e dos terminais privativos localizados fora da área do Porto, beneficiários do sistema, quando a atracação for fora do cais público. 7. Nesta tabela, o valor mínimo a cobrar será de R$ 76,19. TABELA II UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (Taxas devidas pelo Armador ou seu Agente) CÓDIGO Espécie e Incidência Valor: R$ TAXAS GERAIS: II-1 Por embarcação de Longo- Curso ou Cabotagem, atracada no cais ou a contrabordo dos navios atracados, em operação de carga, descarga ou baldeação, por metro linear, por hora ou fração: II-1a Nos berços do Cais Porto dos Casais 0,05 II-1b Nos berços de operação pública do Cais Navegantes e do Cais Marcílio Dias 0,04 II-1c No Terminal de containeres 0,05 II-2 Por embarcação de Navegação interior atracada no cais ou a contrabordo dos navios atracados, em operação de carga, descarga ou baldeação, por metro linear, por hora ou fração: II-2a Nos berços do cais Mauá 0,013 II-2b Nos berços de operação pública do Cais Navegantes e Cais Marcílio Dias 0,013 II-2c No Terminal de containeres 0,025 II-3a II-3b II-3c TAXAS ESPECÍFICAS: Por embarcação de tráfego interno no porto, por mês, em local autorizado pela Administração Portuária. 38,10 Por embarcação atracada, por sua conveniência ou responsabilidade, sem realizar movimentação de carga por mais de seis horas. Taxa geral x 2 Por embarcação, quando considerada fora de tráfego, fora de classificação, sem registro ou desarmadas, atracadas por conveniência e responsabilidade própria, em local sempre determinado pela Autoridade portuária, estranho às operações de carga e descarga de mercadorias, por metro linear de cais, por hora ou fração: Navegação de Longo Curso: 0,05 Navegação de Cabotagem: 0,04 Navegação Interior: 0,013 NORMAS DE APLICAÇÃO: 1. Estão isentos do pagamento das taxas desta tabela: a) As embarcação auxiliares, quando atracadas em navios em operação no cais. b) Os navios de turismo e de recreio, nos dias de chegada e saída, e os navios de escola e de pesquisa, ou os navios de guerra (estes sem limitação de tempo).

4 4 c) As embarcações do tráfego interno do porto, quando atracarem exclusivamente para se abastecerem de combustível e água para seu próprio consumo. 2. As taxas desta tabela aplicam-se, também às embarcações que atracarem a contrabordo de outras atracadas ao cais para operação de carregamento, descarga ou baldeação. 3. Para efeito de aplicação das taxas desta tabela, será considerado sempre o comprimento da embarcação, independentemente do tipo de instalação ocupada ou da forma em que se der a atracação. 4. Nesta tabela, o valor mínimo a cobrar será o correspondente a 12 horas de atracação. 5. Para efeitos da aplicação das taxas previstas, observar-se-á, para cada embarcação, os termos de classificação previstos no último registro da mesma junto à Autoridade Marítima. 6. Os valores acima previstos aplicam-se, igualmente, às embarcações atracadas a contrabordo, desde que estejam sujeitas às mesmas circunstâncias e condições. 7. Obrigação de retirada da embarcação pelo armador ou preposto sempre que solicitado pela Administração do Porto. 8. O prazo para permanência da embarcação no cais deverá ser estabelecido pela Administração do Porto. TABELA III UTILIZAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA OPERACIONAL (Taxas devidas pelo operador portuário ou o dono da mercadoria) Código Espécie e Incidência Valor: R$ TAXAS GERAIS: III-1 Utilização de acessos e instalações operacionais para movimentação de mercadorias provenientes de embarcações de Longo Curso ou Cabotagem, até a saída ou armazenagem, ou no sentido inverso: III-1a Por tonelada de mercadoria não containerizada 0,71 III-1b Por container 12,80 III-2 Utilização de acessos e instalações operacionais para movimentação de mercadorias provenientes de embarcações de Navegação Interior, até a saída ou armazenagem, ou no sentido inverso: III-2a Por tonelada de mercadoria não containerizada 0,30 III-2b Por container 5,12 III-3 Utilização de instalações do Porto, destinadas à consolidação ou desconsolidação de cargas unitizadas: III-3 Por container 19,20 III-3b Outras espécies de unitização de cargas, por tonelada 1,60 III-4 Arrendamento de área para instalação de terminais portuários de uso privado ou misto, por metro Quadrado, por mês ou fração (preço mínimo): III-4a Cais Navegantes e Cais Marcílio Dias (convencional O.S.) 0,47 III-4b Vila Deprc (convencional O.S.) 0,28 III-5 III-5a III-5b CESSÂO DE USO DE ÁREAS DE ARMAZÉNS E PÁTIOS EXTERNOS: Locação de área de armazém coberto para mercadoria recebida ou expedida por hidrovia, por metro quadrado, por mês ou fração. 3,05 Locação de área de pátio para mercadoria recebida ou expedida por hidrovia, por metro quadrado, por mês ou fração 1,90

5 5 III-5c III-5d III-6 III-6a III-6b Locação de área de armazém coberto para mercadoria recebida ou expedida por via terrestre, em locais autorizados, por metro quadrado, por mês ou fração 3,68 Locação de área de pátio para mercadoria recebida ou expedida por via terrestre, em locais autorizados, por metro quadrado, por mês ou fração 2,41 CESSÃO DE ÁREAS PARA USO NÃO OPERACIONAL: Para armazenagem de containeres vazios na faixa portuária e pátios, em locais autorizados pela Administração, por metro quadrado, por período de 15 dias ou fração. 0,44 Para armazenagem de equipamentos e acessórios em áreas não utilizadas para a operação portuária, por metro quadrado, por período de 15 dias ou 2,41 fração NORMAS DE APLICAÇÃO 1. Referentes às Tabelas III-1, III-2 e III-3 : 1.1 São franqueados do pagamento das taxas das tabelas III-1, III-2, e III-3: a) Volumes de cabine que constituírem bagagem de passageiros e tripulantes. b) Artigos de pequeno valor, isentos de imposto de importação e cuja saída não dependa de despachos aduaneiro. 1.2 No caso de baldeação com descarga para os cais, de mercadoria em trânsito ou de mercadoria descarregada para livrar o convés ou porão da embarcação, para posterior reembarque, as taxas desta tabela serão cobradas do Armador ou Agente com redução de 30%. 1.3 Para efeito de aplicação das taxas desta tabela, considera-se em trânsito: a) A mercadoria procedente de um porto, manifestada para outro e descarregada para posterior reembarque ; b) A mercadoria destinada a País que mantenha convênio com o Brasil, descarregada para posterior transporte por via terrestre. 1.4 Nos casos em que o container acondicionar carga de mais de um dono, a cobrança será feita por tonelada movimentada, ficando facultada a aplicação da taxa por unidade se for definido responsável único para o pagamento dos respectivos valores. 1.5 Nestas tabelas, o valor mínimo a cobrar será de R$ 25,40 2. Referentes às Tabelas III-4, III-5 e III-6 : 2.1 As condições de cessão de uso de áreas de armazenagem e instalações referidas nestas tabelas serão definidas em Termos de Cessão de Uso específico para cada caso 2.2 As condições dos arrendamentos referidos na tabela III-4, serão estipuladas de acordo com a Lei 8.630/93, Art.4, em contrato e mediante prévia licitação. 2.3 A cessão de uso de áreas de armazenagem coberta ou descoberta poderá ser objeto de Contrato Operacional, englobando em condições específicas as diversas taxas, incidentes na operação, mediante livre negociação, no caso de previsão de escala e regularidade de operação.

6 6 TABELA IV INFRA ESTRUTURA DE ARMAZENAGEM Destinadas à fiel guarda e conservação de mercadorias. (Taxas devidas pelo dono da mercadoria ou Requisitante) Código Espécie e Incidência Valor: R$ TAXAS GERAIS IV-1 ARMAZENAGEM ALFANDEGADA Mercadorias importadas do estrangeiro, em armazém, ou pátio alfandegado do Porto- Taxas incidentes sobre o valor CIF: IV-1a No primeiro período de 15 dias, por dia: 0,02% IV-1b No segundo período de 15 dias, por dia: 0,04% IV-1c No terceiro período de 15 dias por dia: 0,06% IV-1d Por dia subsequente ao vencimento do terceiro período, até a retirada da mercadoria. 0,08% IV-2 ARMAZENAGEM DE MERCADORIAS NACIONAIS OU NACIONALIZADAS: Mercadorias diversas, nacionais ou nacionalizadas em armazém ou pátio do porto, por tonelada, por período de 15 dias ou fração: IV-2a Carga geral não unitizada 0,38 IV-2b Carga geral unitizada, não containerizada 0,32 IV-2c Granel sólido em armazém convencional 0,25 IV-2d Granel sólido em pátios ou alpendres (convencional) CONV. IV-3 ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES EM ÁREAS DO PORTO: Container em armazém ou pátio do porto, por unidade, por período de 15 dias ou fração: IV-3a Container cheio 15,37 IV-3b Container vazio (isento no primeiro período de 15 dias) 7,68 IV-4 IV-4a ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA Mercadoria nacional ou nacionalizada, em câmaras frigoríficas, por tonelada, por períodos de 15 dias ou fração: (convencional) CONV. TAXAS ESPECÍFICAS IV-5 Por veículo montado em armazém ou pátio, por unidade, por mês ou fração CONV. IV-6 Carvão nacional armazenado em pátios externos, por período de 15 dias ou fração, por tonelada 0,11 NORMAS DE APLICAÇÃO 1. São franqueados do pagamento das taxas desta tabela: a) A bagagem acompanhada ou desacompanhada, que não perca a conceituação de bagagem, e outros artigos ou mercadorias previstos na legislação em vigor, se retirados dentro do prazo de 30 dias, contados da data da respectiva descarga. b) A mercadoria descarregada de uma embarcação, diretamente para outra embarcação ou para veículo rodoviário ou ferroviário, sem permanência nas instalações do porto. c) A mercadoria importada por Longo Curso, Cabotagem ou Navegação Interior, ou a mercadoria de exportação entregue à Administração do Porto, para embarque imediato em navio designado: - Quando de importação, desde que seja retirada até o término do segundo turno do período diurno de trabalho do sexto dia útil, contado da data em que tiver sido iniciada a descarga;

7 7 - Quando da exportação, desde que o embarque tenha lugar até o sexto dia útil, contado da data em que a mercadoria tiver sido recebida pela Administração do Porto d) O container recebido vazio ou esvaziado nas dependências portuárias nos primeiros 15 dias corridos. e) O papel importado, pelo prazo de doze (12) dias corridos, a contar do primeiro dia após o desembarque, quando destinado à impressão de jornais, livros e revistas. 2. A armazenagem de mercadoria em trânsito ou pertencente a navio arribado é devida pelo Armador ou pelo requisitante da descarga, que pagará o valor correspondente às taxas desta tabela, exceto as do item IV Considera-se mercadoria em trânsito ou pertencente a navio arribado, para efeito da aplicação das taxas desta tabela: a) A mercadoria procedente de um porto, manifestada para outro e descarregada para posterior reembarque; b) A mercadoria destinada a País que mantenha convênio com o Brasil, descarregada para posterior transporte por via terrestre ou por hidrovia interior. 4. As taxas desta tabela aplicam-se ao peso bruto da mercadoria armazenada exceto as referentes ao item IV As mercadorias de importação consideradas abandonadas, serão taxadas de acordo com as normas legais específicas. 6. As mercadorias de exportação serão consideradas abandonadas quando os respectivos donos deixarem de pagar as taxas de armazenagem após 60 dias corridos da notificação expressa. 7. As taxas de serviços portuários e outras decorrentes de Lei, incidentes sobre mercadoria abandonada, quando não cobertas pelo produto de sua venda, serão cobradas do respectivo dono. 8. Os serviços remunerados pelas taxas desta tabela compreendem a movimentação da mercadoria, no armazém ou no pátio, desde o recebimento até a entrega. Os serviços de recebimento e entrega requisitados para horas extraordinárias, não serão incluídos nas taxas de armazenagem, e serão integralmente ressarcidos pelo requisitante, através de orçamento ajustado com o setor de Operações, nas condições previstas N. A. n. 5 da Tabela VI. 9. Fica a critério da Administração do Porto o recebimento ou não da mercadoria sob o regime de armazenagem externa, tendo em vista a capacidade de armazenagem disponível. 10. A armazenagem de mercadorias consideradas perigosas, em instalações especiais, será feita mediante contrato que defina condições, direitos e obrigações dos contratantes. 11. Nesta tabela, o valor mínimo a cobrar será de R$ 153,65. TABELA V UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PORTUÁRIOS (Taxas devidas pelo Operador ou Requisitante) Código Espécie e incidência Valor: R$ Taxas Gerais V-1 Pela utilização dos guindastes de cais, em operação de carga e descarga de mercadorias, executadas pelo Operador Portuário, por tonelada: V- 1a Guindaste com capacidade até 6,3 t. 0,45 V-1b Guindaste com capacidade superior a 6,3 t. 0,70 V-1c Grab para movimentação de granel 0,40 V-2 Pá carregadeira, por unidade, por hora ou fração: V-2a Com caçamba de 1,5m 3 35,00 V-2b Com caçamba de 3,0 m 3 55,00 V-3 Empilhadeira, por hora ou fração:

8 8 V-3a Com capacidade até 5 t. 25,00 V-3b Com capacidade de 5 a 10 t. 30,00 V-4 Trator carregador (Bob-Cat) por hora ou fração 25,00 V-5 Auto guindaste sobre esteira ou sobre rodas, por hora ou fração: 150,00 V-6 Esteira Transportadora, por hora ou fração: V-6a Com capacidade de até 25 t/h 2,59 V-6b Com capacidade de até 75 t/h 6,43 V-6c Com capacidade de até 150 t/h 10,87 V-7 Caminhões, por hora ou fração 39,10 V-8 Roscas helicoidais transportadoras, por hora ou fração: V-8a Com capacidade até 25 t ou 50 t. 2,59 V-8b Com capacidade de 75 t. 6,26 TAXAS específicas: V-9 Equipamentos Diversos: V-9a Redler por hora ou fração: 2,59 V-9b Lança grãos (jet-linger), por hora ou fração: 6,26 V-9c Caçamba comum, tipo balde, por hora ou fração: 8,13 V-9d Caçamba semi-automática, ou grab por hora ou fração: 26,41 V-9e Tremonhas móveis, por hora ou fração: 15,00 V-9f Estropos, por hora ou fração: 0,71 V-9g Defensas, por dia ou fração, e por unidade: 1,47 V-10 Utilização de guindastes de cais para operações especiais de acordo com prévia programação e mediante requisição, por hora ou fração: V-10a Guindaste com capacidade até 3,2 t. 61,02 V-10b Guindaste com capacidade até 6,3 t. 72,11 V-10c Guindaste com capacidade até 12,5 t. 87,36 V-11 Por movimentação de containeres efetuada por guindaste especial para container, por unidade: (convencional) CONV. V-12 Equipamentos e materiais não especificados: (convencional) CONV. NORMAS DE APLICAÇÃO 1. As taxas desta tabela correspondem ao valor de locação dos equipamentos, para execução de serviços na área do porto organizado, em horário de trabalho ordinário, não incluindo o custo do operador, que será alocado diretamente pelo Operador Portuário junto ao OGMO. 2. Quando os serviços forem realizados em horário extraordinário, será cobrado, além da taxa própria por período extra requisitado, a taxa adicional de 10% sobre o valor hora.

9 9 3. As avarias provocadas nos equipamentos fornecidos pela Administração do Porto serão de inteira responsabilidade do Operador Portuário, nos termos do Art. 11 da Lei 8.630/ A locação dos equipamentos deverá ser efetuada mediante vistoria, na presença do Operador responsável ou o requisitante, tanto no recebimento quanto na entrega dos equipamentos e acessórios utilizados. 5. Nesta Tabela, o valor mínimo a cobrar será o equivalente à utilização de 2 horas do equipamento. TABELA VI SERVIÇOS OPERACIONAIS PORTUÁRIOS (Taxa devida pelo dono da mercadoria ou pelo Requisitante) Código Espécie e Incidência Valor: R$ TAXAS GERAIS VI-1 Movimentação de mercadoria a partir da embarcação até as instalações de armazenagem do Porto, ou no sentido inverso, por tonelada: VI-1a Mercadoria não unitizada 3,28 VI-1b Mercadoria unitizada e bobinas com peso superior a 100 Kg. 3,16 VI-1c Granel sólido 1,66 VI-1d Granel líquido 1,16 VI-2 Movimentação de mercadorias por instalações especiais autorizadas, no cais, por tonelada: VI-2a Petróleo bruto 0,58 VI-2b Derivados de petróleo e álcool 1,57 VI-3 Movimentação de containeres a partir da embarcação até as instalações de armazenagem do Porto, ou no sentido inverso, por unidade: VI-3a Container cheio 88,84 VI-3b Container vazio 44,40 TAXAS ESPECÍFICAS: VI-4 Por veículo montado por unidade: (convencional) CONV. VI-5 Por veículo montado, quando movimentado por sistema roll-on-roll-off: VI-5a Com peso de até Kg. 1,25 VI-5b Com peso superior a Kg. 2,61 VI-6 Mercadoria movimentada no sistema roll-on-roll-off, por tonelada (não incluída a tara do veículo transportador): 1,78 VI-7 Fornecimento de água às embarcações ou nas instalações portuárias : metro cúbico ( convencional ) Taxa de ligação (equipamento) ( convencional ) 15,00 VI-8 Fornecimento de energia elétrica às embarcações ou instalações portuárias : Kwh ( convencional ) Taxa de ligação: ( convencional ) 15,00

10 10 VI-9 Pesagem de mercadorias ( Balança/SPH ), por tonelada: 0,37 VI-10 Serviços de abertura de armazém para acompanhamento e controle do recebimento ou entrega de mercadoria, proveniente ou destinada a embarcações atracadas ou fundeadas na área do porto organizado, por hora ou fração. 35,31 VI-11 Fornecimento de certidões ( convencional ) 9,00 VI-12a VI-12b VI-13 Movimentação de container cheio ou vazio na entrega ou recebimento, no pátio ou armazém, quando requisitado, por container: 12,70 Movimentação de mercadorias em instalações de uso privativo, sobre as quais a Administração do Porto se responsabiliza perante a Receita Federal como Fiel Depositário. (convencional) CONV. Movimentação de container para consolidação, desconsolidação ou vistoria, quando requisitado, por container: 50,79 NORMAS DE APLICAÇÃO 1. São franqueados do pagamento das taxas desta tabela: a) Volumes de cabine que constituírem bagagem de passageiros e tripulantes. b) Artigos de pequeno valor, isentos de imposto de importação e cuja saída não dependa de despacho aduaneiro. 2. No caso de baldeação com descarga para os cais, de mercadoria em trânsito, ou de mercadoria descarregada para livrar o convés ou porão da embarcação, para posterior re-embarque, as taxas desta tabela serão cobradas do Armador ou Agente com redução de 30%. 3. As Taxas Gerais desta tabela, correspondentes aos itens VI-1, VI-2 e VI-3, serão reduzidas de 40% para mercadorias transportadas por navegação de Cabotagem ou decorrentes do comércio com países do mercosul, e de 60% para mercadorias movimentadas por Navegação Interior. 4. Para a aplicação das taxas desta tabela, será considerado o peso bruto das mercadorias. No caso de cargas unitizadas, será considerado o peso do volume da própria unidade de carga. 5. As taxas desta tabela remuneram os serviços prestados nos turnos ordinários de trabalho. Quando os serviços forem realizados em períodos extraordinários, além da taxa própria, serão cobrados do requisitante, os valores, referentes aos custos dos horários extraordinários requisitados, acrescido de 10%. 6. Na paralisação de serviço por tempo superior a 20 minutos, serão cobrados do requisitante, a despesa integral do pessoal que permanecer inativo no turno requisitado, exceto quando a paralisação for resultante de fatores de responsabilidade do Porto. 7. Serviços não previstos nesta Tabela, serão orçados através da composição dos custos decorrentes da combinação dos fatores envolvidos na sua execução, e mediante ajuste entre as partes. 8. O Operador Portuário ou requisitante que desejar o desdobramento das contas em faturas separadas, deverá requisitar este serviço antes da saída do navio. Se a requisição for posterior à emissão da fatura, será cobrada a taxa prevista na Tabela VI-11 para cada desdobramento. 9. Nesta tabela, o valor mínimo a cobrar será de R$ 12,70, exceto para o serviço medido das Tabelas VI-7, VI-8, VI-9 e VI-11.

11 11 NORMAS GERAIS: Os valores convencionais, que podem sofrer variações freqüentes por fatores exógenos, serão fixados por Ordem de Serviço complementar à Tarifa, ou por Contrato, quando relativos a condição específicas de operação. Será exigido depósito antecipado dos valores correspondentes à estimativa de receita das Tabelas I e III, e da Tabela VI quando os serviços se referirem a operação de capatazia, para as embarcações que operarem no Cais público do Porto Organizado, exceto nas condições de isenção legalmente previstas, ou definidas nas normas de aplicação desta Tarifa. Esta tarifa foi aprovada e homologada pela Resolução n. 002 de 09 de outubro de 1996, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Porto Alegre, e autorizada pela Portaria n. 188 de 09 de outubro de 1996, do Departamento Estadual de Portos, Rios e Canais, e entrará em vigor a partir de 15 de outubro de 1996, devendo ser revista no prazo de três meses para adequação do novo modelo de organização dos serviços, e estruturas de preços da mão de obra de capatazia a ser fornecida pelo Órgão Gestor de Mão de Obra. Porto Alegre, 09 de outubro de Tito Celso Viero Diretor Geral REVISÕES DA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE PORTO ALEGRE Primeira Revisão- Autorizada conforme Ata de reunião do CAP de 12 de novembro de Porto Alegre, 12 de novembro e Tito Celso Viero Diretor Geral Segunda Revisão - Alteração na TABELA VI (VI-12) conforme Resolução 006, de 11/08/1999. Porto Alegre, 11 de agosto de Luis Carlos De Césaro Diretor-Superintendente Terceira Revisão Alteração na Tabela II (II-3c) conforme Resolução 013, de 12/07/2001, em vigor a partir de 18/07/2001, conforme publicação no D.O.E, e Ordem de Serviço 001/2001-SPH. Porto Alegre, 25 de julho de Luis Carlos De Césaro Diretor-Superintendente Quarta Revisão Alteração na Tabela VI (7 e 8) conforme Ordem de Serviço 003 de 30/10/2002, em vigor a partir de 30/10/2002. Porto Alegre, 30 de outubro de Luis Carlos De Césaro Diretor-Superintendente Quinta Revisão Alteração na Tabela V conforme Ordem de Serviço 001 de 03/02/2003 em vigor nesta data. Porto Alegre, 03 de fevereiro de Daniel Lena Souto Diretor-Superintendente

12 12 Sexta Revisão Resolução 001 de 05 de Julho de 2005 (CAP Porto de Porto Alegre). O CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Inciso VIII, do parágrafo 1º, do Artigo 30 da Lei nº de 25 de Fevereiro de 1993 e tendo em vista o que consta na RESOLUÇÃO nº 448-ANTAQ, de 24 de Junho de 2005, RESOLVE: APROVAR o reajuste linear de 20% (vinte por cento) com vigência imediata para as Tabelas I (utilização da Infra-estrutura de acesso aquaviário), II (Utilização das instalações de acostagem), III (Utilização de infra-estrutura operacional), IV (Infra-estrutura de armazenagem), V (Utilização de equipamentos portuários) ítens 6,7,8,9 (excetuando o subítem 9e), 10,11, e 12, e VI (Serviços operacionais portuários) ítens 1,2,3,4,5,6,9,10,11,12 e 13. Engº Ricardo de Almeida Maia Presidente do CAP Porto Alegre Sétima Revisão Resolução nº 004 de 20 de Outubro de 2005 (CAP Porto de Porto Alegre). O CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Inciso VIII, do Parágrago 1º, do Artigo 30 da Lei nº de 25 de Fevereiro de 1993 e tendo em vista o que consta na RESOLUÇÃO nº 448-ANTAQ, de 24 de Junho de 2005, RESOLVE, por unanimidade: APROVAR o reajuste linear de 5,82 % (cinco vírgula oitenta e dois por cento) com vigência imediata para as Tabelas I (utilização da infra-estrutura de acesso aquaviário), II (utilização das instalações de acostagem), III (utilização de infra-estrutura operacional), IV (infra-estrutura de armazenagem), V(utilização de equipamentos portuários) ítens 6,7,8,9 (excetuando o subitem 9e),10,11 e 12, e VI(serviços operacionais portuários) ítens 1,2,3,4,5,6,9,10,11,12 e 13. Engº Ricardo de Almeida Maia Presidente do CAP Porto Alegre

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias TABELA I - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II - INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM - TABELA III - INSTALAÇÕES TERRESTRES

Leia mais

Tabela I. Tabela II. Tabela V

Tabela I. Tabela II. Tabela V TARIFÁRIO DO PORTO DE NATAL Tabela I Tabela II Utilização da Infraestrutura de Proteção e Acesso Aquaviário; Taxas Devidas pelo Armador ou Seu Agente Marítimo; Utilização da Infraestrutura de Acostagem;

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DE ANGRA DOS REIS Operações Portuárias Comerciais TABELA I - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II - INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM - TABELA III - INSTALAÇÕES

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias

TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Operações Portuárias TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA

Leia mais

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS 1. IMPORTAÇÃO 1.1. ARMAZENAGEM: A Contêineres (R$/Contêiner) Até o 10º dia (por período) 290,00 355,00 Do 11º ao 15º dia (por período) 275,00 325,00 Do 16º ao 20º dia (por período) 305,00 357,00 Do 21º

Leia mais

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02.

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02. NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SEREM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES E VOLUMES, EM INSTALAÇÕES DE USO PÚBLICO, NOS PORTOS ORGANIZADOS -

Leia mais

Art. 1 Aprovar a revisão da tarifa do porto de São Sebastião - SP, que passa a ter a estrutura e os valores apresentados a seguir:

Art. 1 Aprovar a revisão da tarifa do porto de São Sebastião - SP, que passa a ter a estrutura e os valores apresentados a seguir: RESOLUÇÃO Nº 4090 -ANTAQ, DE 7 DE MAIO DE 2015. APROVA A REVISÃO DA TARIFA DO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO - SP. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ, no uso da competência

Leia mais

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO Esta tabela remunerará as facilidades portuárias constituídas pelos molhes, quebramares, canal de acesso

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II

Leia mais

A Diretoria Executiva, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando:

A Diretoria Executiva, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando: Resolução n.º 001, de 25 de agosto de 2015. Estabelece normas para uso das instalações públicas de armazenagem do Porto Organizado de Imbituba e dá outras providências. A Diretoria Executiva, no uso de

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Tarifa Aprovada a partir de 01.01.2008 - O. S. nº. 212/07 (Última Atualização: 30/07/2009)

Tarifa Aprovada a partir de 01.01.2008 - O. S. nº. 212/07 (Última Atualização: 30/07/2009) Tarifa Aprovada a partir de 01.01.2008 - O. S. nº. 212/07 (Última Atualização: 30/07/2009) TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRA ESTRUTURA MARÍTIMA E FACILIDADES PORTUÁRIAS INFRAMAR. (TARIFAS DEVIDAS PELO ARMADOR,

Leia mais

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5

PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 PROCESSO DE OPERAÇÃO Nº TF-00001 REV 01 SET-15 PORTO DO AÇU FOLHA: 1 DE 5 ÁREA: OPERAÇÃO GERAL TARIFAS PORTUÁRIAS DO AÇU - TERMINAL 2 (T2) ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 01 INCLUÍDA

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO ÍNDICE 1. DO OBJETO 2. DAS DEFINIÇÕES 3. DA COMPETÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO 4. DA ATIVIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO 5. DA SOLICITAÇÃO 6. DAS CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Armazenagem Container 20 Pés Container 40 Pés Cadastramento por B/L R$ 210,00 R$ 210,00

Armazenagem Container 20 Pés Container 40 Pés Cadastramento por B/L R$ 210,00 R$ 210,00 TABELA DE PREÇOS SERVIÇOS DE TERMINAL ALFANDEGADO (IMPORTAÇÃO) Transporte Costado Navio Operador Portuário até a Transbrasa Container 20 Pés Container 40 Pés Margem Direita R$ 430,00 R$ 460,00 Margem Esquerda

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SE- REM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES

Leia mais

TARIFA PORTO DE SANTOS

TARIFA PORTO DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP TARIFA DO PORTO DE SANTOS Considera reajuste de 44% sobre os preços vigentes em 30/09/2001, exceto para os itens 1 Fornecimento de Água e 2 - Fornecimento

Leia mais

A N E XO S E CONSULTORIA LTDA

A N E XO S E CONSULTORIA LTDA A N E XO S Anexo TA R I FA D O P O R TO 1 TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA PARA ATENDIMENTO DA FROTA (EMBARCAÇÃO/CAIS, VICE-VERSA OU BALDEAÇÃO) TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR E OU DONO DA MERCADORIA

Leia mais

NOTIFICAÇÃO SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS PORTUÁRIOS

NOTIFICAÇÃO SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS PORTUÁRIOS UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/NOT/2000/11 26 de Julho de 2000 NOTIFICAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento.

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. 2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. A Evolução Clique para das editar Hidrovias o estilo Brasileiras do subtítulo mestre Visão da CNT Marcos Machado Soares Advogado e Diretor

Leia mais

Seminário Internacional sobre Hidrovias

Seminário Internacional sobre Hidrovias Seminário Internacional sobre Hidrovias Estação de Transbordo de Cargas ETC Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte IP4 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ

Leia mais

Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015

Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015 Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015 IMPORTAÇÃO CONTAINER LCL/FCL PERÍODO DE 10 DIAS OU FRAÇÃO. 1. Armazenagem FCL

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Regulamento de Tarifas Máximas do Terminal de Cruzeiros de Lisboa 2015 Cabe à LCT Lisbon Cruise Terminals, Ld.ª, enquanto empresa concessionária do Terminal de Cruzeiros de Lisboa, nos termos do Contrato

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, do reajuste dos tetos das tarifas aeroportuárias e estabelece regras para arrecadação e recolhimento. A DIRETORIA

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES FCL/FCL (PERÍODOS DE 7 DIAS OU FRAÇÃO) Fixo A

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº 14.2014, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. ESTABELECE REGRAMENTO PARA O ACESSO TERRESTRE AO PORTO DE SANTOS O DIRETOR PRESIDENTE da COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP, na qualidade

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres de Exportação.... 7 Serviços para Contêineres

Leia mais

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004.

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS NO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 68, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto, fixa os valores dos Preços Públicos dos demais serviços prestados pela DAE S/A Água

Leia mais

LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES

LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES 1 2 INTRODUÇÃO... 3 TIPOS DE REGISTROS... 4 LAY-OUTS... 4 DADOS DA ESCALA.... 5 DADOS DO MANIFESTO.... 5 DADOS DO CONTEINER VAZIO.... 6 DADOS DO CE MERCANTE....

Leia mais

CONVÊNIO ICMS 113/96 CONVÊNIO

CONVÊNIO ICMS 113/96 CONVÊNIO Publicado no DOU de 18 e 20.12.96. CONVÊNIO ICMS 113/96 Ratificação Nacional DOU de 08.01.97 pelo Ato COTEPE-ICMS../1997/CV001_97.htm01/97. Alterado pelos Convs. ICMS 54/97, 34/98,107/01, 32/03, 61/03.

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF 1º período de 7 dias ou fração

Leia mais

Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel

Indicator. Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel Indicator Manual do Sistema de Acompanhamento de Desempenho Operacional Utilizando Excel ÍNDICE Introdução... 1 Preparação das Planilhas de Apuração... 1 Montando as Planilhas... 3 Para o berço 4... 3

Leia mais

Art. 2º O Anexo de que trata o Art. 1º não entrará em vigor, devendo ser submetido à audiência pública.

Art. 2º O Anexo de que trata o Art. 1º não entrará em vigor, devendo ser submetido à audiência pública. RESOLUÇÃO No- 1.314-ANTAQ, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Aprova a proposta de norma para disciplinar o afretamento de embarcação por empresa brasileira de navegação para o transporte de carga no tráfego de longo

Leia mais

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1 8 () Diploma Ministerial n. / de de Agosto A Política Pesqueira e a respectiva Estratégia de Implementação, aprovada pela Resolução n. /, de 8 de Maio e o Plano Director das Pescas, definem a propriedade

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM TERMINAL ALFANDEGADO MEDIANTE CONDIÇÕES ABAIXO. SERVIÇOS DE TERMINAL ALFANDEGADO (IMPORTAÇÃO)

CONTRATO DE PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM TERMINAL ALFANDEGADO MEDIANTE CONDIÇÕES ABAIXO. SERVIÇOS DE TERMINAL ALFANDEGADO (IMPORTAÇÃO) CONTRATO DE PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM TERMINAL ALFANDEGADO MEDIANTE CONDIÇÕES ABAIXO. SERVIÇOS DE TERMINAL ALFANDEGADO (IMPORTAÇÃO) Transporte - Remoção Costado Navio Operador Portuário até a Transbrasa

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS

REGULAMENTO DE TARIFAS REGULAMENTO DE TARIFAS CAPITULO I Contentores Artigo 1º Tarifas máximas a aplicar 1 Nas operações de embarque e desembarque de contentores no porto de Leixões, aplicar-se-á uma tarifa máxima por contentor

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Atualiza a O.S. 026/2007, que trata do Regulamento de Operações e Atracações. O Superintendente da Administração dos

Leia mais

TARIFAS DA SUPRG. Utilização da infra-estrutura de acesso aquaviário einstalações de acostagem. Utilização da infra-estrutura de operação portuária

TARIFAS DA SUPRG. Utilização da infra-estrutura de acesso aquaviário einstalações de acostagem. Utilização da infra-estrutura de operação portuária TARIFAS DA SUPRG TABELA I? Utilização da infra-estrutura de acesso aquaviário einstalações de acostagem... pag. IaIV TABELA II? Utilização da infra-estrutura de operação portuária... pag. VaVI TABELA III?

Leia mais

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$)

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$) Tabela de preços pag 1 TABELA A Utilização Instalação e Acostamento Preço (R$) Atracação *Por metro Linear/Navio per de 12h ; A taxa mínima a cobrar será de 60 metros por periodo, por embarcação 5,00 TABELA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 89.121, DE 6 DE DEZEMBRO DE 1983. Regulamenta a Lei nº 6.009, de 26 de dezembro de 1973, alterada pelo Decreto-lei nº 2.060,

Leia mais

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...]

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...] Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) - Também será admitido o CRLV contendo o número do RNTRC ; (Art. 39 da Res. 3.056/09/ANTT, alterada pela 3.658/11) -

Leia mais

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2014 20" STD R$ 241,22 40" STD R$ 411,94 20" OOG R$ 360,85 40" OOG R$ 617,93 20" IMO R$ 241,22 40" IMO R$ 411,94

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2014 20 STD R$ 241,22 40 STD R$ 411,94 20 OOG R$ 360,85 40 OOG R$ 617,93 20 IMO R$ 241,22 40 IMO R$ 411,94 Tabela de Preços Máximos TCP Válida a partir de 01/01/2014 Esta Tabela de Preços de Serviços será aplicada a todos os usuários, que, na data do faturamento do serviço, não possuírem acordo individual com

Leia mais

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS 18 a Reunião Ordinária da Comissão Permanente Nacional Portuária Itajaí/SC Abril de 2010 Eng. Ricardo Freire INTERFACE ENTRE OS MODAIS TERRESTRE E AQUAVIÁRIO Harmonização no Transporte de Produtos Perigosos

Leia mais

A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) Pág. 1 B. MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINERS NAS OPERAÇÕES DE NAVIOS Pág. 2 B.1.

A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) Pág. 1 B. MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINERS NAS OPERAÇÕES DE NAVIOS Pág. 2 B.1. A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) Pág. 1 B. MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINERS NAS OPERAÇÕES DE NAVIOS Pág. 2 B.1. Operação a bordo Pág. 2 B.2. Operação em terra Pág. 3 B.3. Utilização

Leia mais

LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001.

LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001. LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001. INSTITUI A COTA DE CONTRIBUIÇÃO FINANCEIRA COMUNITÁRIA PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Jaciara, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

DETALHAMENTO PARA APLICAÇÃO DOS SERVIÇOS ELENCADOS NA NOVA TABELA DE PREÇOS ESPECÍFICOS DE VIRACOPOS

DETALHAMENTO PARA APLICAÇÃO DOS SERVIÇOS ELENCADOS NA NOVA TABELA DE PREÇOS ESPECÍFICOS DE VIRACOPOS Página 1 de 5 Acesso de Veículos ao Pátio de Manobras Permissão de entrada e saída de veículos ao pátio de manobras para fins de entrega ou retirada de carga. Cobrança única por caminhão por acesso. Alteração

Leia mais

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2015

GRUPO Serviço Valores Janeiro 2015 01. Movimentação de Contêineres 20" Std R$ 257,12 40" Std R$ 439,09 20" OOG R$ 384,63 40" OOG R$ 658,65 20" IMO R$ 257,12 40" IMO R$ 439,09 Observações dos serviços do Grupo 01: 01.1 - Os preços acima

Leia mais

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA.

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA. REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA. 1 Disposições Iniciais...3 Normas gerais...4 Condições de Uso de Instalações de Acostagem...5 Da Operação Portuária...5 Do Manuseio

Leia mais

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SEÇÃO I - CÓDIGO DE SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA - CST (Ajuste SINIEF 07/01) 002 CÓDIGO

Leia mais

DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR. Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro

DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR. Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro SISTEMAS JURÍDICOS Existência, no Direito brasileiro, de diversos sistemas legais interdependentes. Sistema

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. SARNEY FILHO) Dispõe sobre a criação de Zona Franca no Município de São Luís, Estado do Maranhão. O Congresso Nacional decreta: Estado do Maranhão. Art. 1º Esta Lei cria

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

Tabela de Preços Aplicados pela Santos Brasil no TECON SANTOS

Tabela de Preços Aplicados pela Santos Brasil no TECON SANTOS Tabela de Preços Aplicados pela Santos Brasil no A partir de 01.01.2013 Rev1 Esta tabela de preços será aplicada a todos os usuários que, na data da prestação do serviço, não possuírem acordo individual

Leia mais

Agradecemos a oportunidade de apresentar nossa Tabela de Preços - Longo Curso e Cabotagem, conforme abaixo.

Agradecemos a oportunidade de apresentar nossa Tabela de Preços - Longo Curso e Cabotagem, conforme abaixo. CONVICON - CONTEINERES DE VILA DO CONDE S/A CNPJ: 06.013.760/0001-10 I.E: 15.235.534-0 End. Rod. PA. 481 S/N Km21 - Barcarena - Cep.: 68447-000 - Cx. P.: 82 Tel: (091) 3322-7575 Home page: www.santosbrasil.com.br

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/12/2013 Valores expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/12/2013 Valores expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/12/2013 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES FCL (PERÍODOS DE 7 DIAS OU FRAÇÃO) Fixo A 1.1

Leia mais

TERMINAL DE VILA VELHA TVV ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS Válida a partir de 18/02/2013 Versão 01.2013

TERMINAL DE VILA VELHA TVV ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS Válida a partir de 18/02/2013 Versão 01.2013 A. SERVIÇOS INTEGRADOS DE MOVIMENTAÇÃO DE CONTÊINERES BOX RATE Este serviço inclui todos os custos envolvidos para a operação básica de contêineres de importação ou exportação, em navios full container,

Leia mais

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1 de 5 Assunto: CONDIÇÕES GERAIS DE VENDAS Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1. Conceito 2. Abrangência 3. Documentos Relacionados 4. Regras Gerais 4.1. Pedido e Fornecimento 4.1.1. Pedido

Leia mais

TARIFÁRIO DOS PORTOS DO PARANÁ

TARIFÁRIO DOS PORTOS DO PARANÁ TARIFÁRIO DOS PORTOS DO PARANÁ PARANAGUÁ ANTONINA VIGÊNCIA: A PARTIR 1º/JANEIRO/08 TABELAS TARIFÁRIAS O. S. Nº 212/2007 PÁG. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA MARÍTIMA INFRAMAR LONGO CURSO/CABOTAGEM

Leia mais

~~ Rf'ffJT1 O C O l ~

~~ Rf'ffJT1 O C O l ~ ~./." -p ADMINISTF~AÇÃO DO PORTO DE MAN ~~ Rf'ffJT1 O C O l ~ -.CONSELlfO DE AUTORIDADE PORTU ~IA -(::At~ -,.- --E- ~ ~,ljl.~ r~lla Taqueirillha. n" 25 -Centro-C:p: 6"tf6~~~:~:~~~~I--}.=..'-,",~..J f-(jiic:

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO INTERNO. Armazém Geral

MODELO DE REGULAMENTO INTERNO. Armazém Geral MODELO DE REGULAMENTO INTERNO Armazém Geral A sociedade empresária... (matriz ou filial), registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo sob NIRE nº..., inscrita no CNPJ nº..., localizada no endereço...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos e as taxas de desconto dos fluxos de caixa marginais a serem adotados nos processos de Revisão Extraordinária nos Contratos de Concessão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA A PROPOSTA DE NORMA PARA DISCIPLINAR O CRITÉRIO REGULATÓRIO PARA A COMPROVAÇÃO DA OPERAÇÃO COMERCIAL DE EMBARCAÇÕES PELA EMPRESA BRASILEIRA

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 112 1.1 O QUE É O ARRENDAMENTO PORTUÁRIO?... 112 2 VERIFICAÇÕES INICIAIS... 113 3 ANÁLISE DOS ESTUDOS DE VIABILIDADE... 114 4 ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA... 117 5

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014

Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014 1. ARMAZENAGEM Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014 1.1. ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO 1.1.1 CONTÊINERES MUDANÇA DE REGIME/CARGA LCL Pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

LEI Nº 1.726 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI Nº 1.726 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 LEI Nº 1.726 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a acessibilidade no transporte público coletivo no Município de Rio Branco e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - ACRE, usando

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO)

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) A HISTÓRICO. O TUP do Estaleiro Brasa Ltda foi o primeiro Terminal de Uso Privado autorizado pela Secretaria de Portos da Presidência da Republica (SEP/PR) com a interveniência

Leia mais

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA. Política de Garantia Serviços e Peças

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA. Política de Garantia Serviços e Peças A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA Política de Garantia Política de Garantia Este documento tem por finalidade prestar informações detalhadas sobre o processo de garantia, esclarecendo os procedimentos a serem

Leia mais

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT:

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT: DECRETO 3.411, DE 12 DE ABRIL DE 2000. Regulamenta a Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre o Transporte Multimodal de Cargas, altera os Decretos 91.030, de 5 de março de 1985, e 1.910,

Leia mais

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 Estabelece regras e padronização de documentos para arrecadação de multas

Leia mais