RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ"

Transcrição

1 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ PORTO ALEGRE, JANEIRO DE 2011.

2 SUMÁRIO 1. PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS AÇÕES AMBIENTAIS PLANO AMBIENTAL PARA CONSTRUÇÃO PAC PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PRAD PROGRAMA DE MONITORAMENTO LIMNOLÓGICO E DA QUALIDADE DA ÁGUA PROGRAMA DE AÇÃO PARA CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS PROGRAMA DE MONITORAMENTO E MAPEAMENTO ESTRUTURAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO NÍVEL ESTÁTICO E FREÁTICO DOS POÇOS PROGRAMA DE DESMATAMENTO E LIMPEZA DA BACIA DE ACUMULAÇÃO PROGRAMA DE PROTEÇÃO DAS MARGENS E REPOSIÇÃO FLORESTAL PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ESPÉCIES AMEAÇADAS E ENDÊMICAS PROGRAMA DE MONITORAMENTO, SALVAMENTO E RESGATE DA FAUNA DE VERTEBRADOS TERRESTRES E LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DA ENTOMOFAUNA PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA FAUNA ÍCTICA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO E RESGATE DA FLORA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE RESGATE SOCIOAMBIENTAL DA PAISAGEM PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO PROGRAMA DE REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS REMANESCENTES PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA INFRAESTRUTURA PLANO AMBIENTAL DE CONSERVAÇÃO E USO DO ENTORNO DO RESERVATÓRIO ARTIFICIAL - PACUERA

3 INTRODUÇÃO O presente documento constitui o relatório trimestral das atividades de implementação dos programas do Plano Básico Ambiental (PBA), referente à Usina Hidrelétrica (UHE) São José, conforme Licença de Instalação N 1249/2009-DL. A UHE São José, cujo empreendedor é a Ijuí Energia S/A, está sendo implantada no rio Ijuí, na região do Estado conhecida como Missões, e abrange os municípios de Cerro Largo, Rolador, Mato Queimado e Salvador das Missões. A ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda., empresa responsável pelo Gerenciamento Ambiental da referida UHE, apresenta neste documento as atividades dos Programas Ambientais realizadas nos meses de outubro, novembro e dezembro de Tais atividades visam à prevenção ou mitigação dos impactos negativos e à maximização dos impactos positivos esperados com a implantação e operação do Empreendimento. Aleixo. O Coordenador de Meio Ambiente deste Projeto pela Ijuí Energia é o Sr. Felipe A seguir está apresentada a equipe técnica da ABG Engenharia e Meio Ambiente: Equipe Técnica de Gerenciamento Ambiental Alexandre Bugin Eng. Agrônomo - CREA Carla Volpato Citadin Engª. Civil - CREA Luciana Ferla Bióloga CRBio Marcos Vinícius Daruy Biólogo - CRBio Sandra Teixeira Pilla Arquiteta - CREA Equipe de Supervisão Ambiental - Campo Ângelo Schneider Eng. Florestal - CREA Francine Spohr Zootecnista CRMV/Z 5633 Leandro Bieger Biólogo CRBio Caroline Stolben Santiago Acadêmica de Ciências Biológicas 3

4 As empresas executoras dos Programas do PBA e a data de início das atividades estão listadas a seguir: Programas Programa de Gerenciamento das Ações Ambientais Empresas Executoras ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Início das Atividades Novembro/2007 Plano Ambiental para Construção - PAC Alusa Engenharia Ltda. Novembro/2007 Programa de Recuperação de Degradadas Áreas Programa de Monitoramento Limnológico e da Qualidade da Água Programa de Ação para Controle de Processos Erosivos Programa de Monitoramento e Mapeamento Estrutural Programa de Monitoramento do Nível Estático e Freático dos Poços Programa de Desmatamento e Limpeza da Bacia de Acumulação Programa de Proteção das Margens e Reposição Florestal Programa de Conservação de Espécies Ameaçadas e Endêmicas Programa de Monitoramento, Salvamento e Resgate da Fauna de Vertebrados Terrestres e Levantamento e Monitoramento da Entomofauna Programa de Monitoramento da Fauna Íctica Programa de Conservação e Resgate da Flora Programa de Educação Ambiental Alusa Engenharia Ltda. Laborquímica Laboratório de Análises Químicas Ltda. C2 Geologia - Planejamento Ambiental. WW Consultoria e Tecnologia Ltda. Georepp Geologia, Consultoria e Representações Ltda. / GeoUp Soluções Ambientais Ltda. Naturasul Construtora Ltda. Engemab Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Biolaw Consultoria Ambiental Ltda./ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Biolaw Consultoria Ambiental Ltda. Simbiota Ambiental Ltda. Consultoria Biolaw Consultoria Ambiental Ltda./ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Biolaw Consultoria Ambiental Ltda. Novembro/2007 Outubro/2008 Maio/2008 Março/2008 Maio/2008 Junho/2008 Julho/2008 Abril/2008 Abril/2008 Julho/2008 Abril/2008 Abril/2008 Programa de Comunicação Social Edicta Edição e Mensagem Fevereiro/2008 Programa de Prospecção e Monitoramento Arqueológico Programa de Resgate Sócio-ambiental da Paisagem Programa de Apoio ao Desenvolvimento Turístico Culturali Arqueologia Consultoria e Projetos Ltda. ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda. ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Outubro/2007 Abril/2008 Fevereiro/2008 Programa de Remanejamento da Cotesa Desapropriação Maio/2006 4

5 Programas População e Reorganização das Áreas Remanescentes Programa de Recomposição da Infraestrutura Básica Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial - Pacuera Empresas Executoras Avaliação e Meio Ambiente Ltda. Engemab Engenharia e Meio Ambiente. ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Início das Atividades Julho/2007 Novembro/2008 5

6 1. PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS AÇÕES AMBIENTAIS O Programa de Gerenciamento das Ações Ambientais é executado pela ABG Engenharia e Meio Ambiente Ltda., e teve início em novembro de Atividades realizadas Atividades de Gerenciamento Ambiental Estas atividades são desenvolvidas pela equipe de Gerenciamento Ambiental no escritório da ABG em Porto Alegre, onde constantemente são tratados assuntos junto aos órgãos licenciadores, Ijuí Energia e empresas contratadas para prestação de serviços relacionados ao PBA. No trimestre referente a este relatório destacam-se as seguintes atividades: Acompanhamento do processo de adequação e licenciamento das dez propriedades com suinocultura e bovinocultura, das quais oito estão sendo regularizadas e duas deverão ser indenizadas; Gerenciamento do processo de solicitação à Fepam da Autorização Geral para o enchimento do reservatório; Protocolado no Ibama o Relatório do Resgate de Ictiofauna no evento de desvio do rio pelo vertedouro, no dia 07 de outubro; Envio no dia 14 de outubro por meio de carta registrada ao Ministério Público Federal - Procuradoria da República no Município de Santo Ângelo - do Relatório Parcial do Monitoramento de Espécies Migradoras com Técnicas de Radiotelemetria e Mapas de Registros de Espécies do mês do agosto de 2010, conforme Ofício N.Ref.: IJUI. E ; Protocolo junto à Fepam do pedido de Autorização para as obras de adequação da passagem sobre o arroio Santa Bárbara, no dia 01 de outubro; Protocolado na Fepam, no dia 20 de outubro, o Relatório Parcial do Monitoramento de Espécies Migradoras com Técnicas de Radiotelemetria e Mapas de Registros de Espécies do mês do agosto de 2010; Acompanhamento da Fepam na vistoria realizada no dia 08 de novembro visando à autorização de enchimento do reservatório até a cota 147m; Obtenção junto à Fepam da Autorização Geral de enchimento até a cota 147m; Acompanhamento do enchimento parcial do reservatório, inclusive dos serviços de resgate embarcado de fauna terrestre e de resgate de ictiofauna, executados pelas 6

7 empresas contratadas; Realização das audiências públicas referentes ao Pacuera nos quatro municípios atingidos pela Usina, nos dias 08, 09, 10 e 11 de novembro; Protocolo no Ibama, no dia 17 de novembro, do pedido de Licença para o monitoramento da fauna terrestre após o enchimento do reservatório; Protocolo na Fepam do Relatório Trimestral de andamento dos Programas Ambientais, no dia 24 de novembro; Protocolo na Fepam do Relatório do segundo trimestre de 2010 referente ao andamento dos Programas Ambientais, no dia 24 de novembro; Obtenção junto à Fepam da Autorização Geral para o enchimento do reservatório até a cota máxima, no dia 01 de dezembro; Auxílio na organização e participação da mesa redonda, com especialistas, para definição do mecanismo de transposição de peixes, realizada em conjunto com a Eletrosul no dia 02 de dezembro em Florianópolis; Protocolo na Fepam do Relatório do terceiro trimestre de 2010 referente ao andamento dos Programas Ambientais, no dia 08 de dezembro; Protocolo na Fepam do pedido de autorização para adequação da rodovia vicinal entre os municípios de salvador das Missões e Cerro Largo, no dia 10 de dezembro; Reunião com técnicas da Fepam e Ijuí Energia, no dia 10 de dezembro, visando a emissão da Licença de Operação; Protocolo do ofício de esclarecimentos quanto à retirada da vegetação na antiga propriedade da família Brum, no dia 16 de dezembro, junto à Fepam; Protocolo junto à Fepam do Plano de recuperação de áreas degradadas do platô, a jusante do barramento, e Relatório das ações realizadas para recuperação dessa área, no dia 16 de dezembro; Entrega à Fepam dos DVDs com o registro das audiências públicas do Pacuera, no dia 16 de dezembro; Atualização da documentação para obtenção da Licença de Operação junto à Fepam; Gerenciamento da execução das atividades ambientais durante o enchimento do reservatório até a sua cota final; Acompanhamento da vistoria do Ministério Público e Fepam na Usina, no dia 14 de dezembro Atividades de Supervisão Ambiental 7

8 A equipe de campo responsável pela Supervisão Ambiental realiza, em tempo integral e in situ, o acompanhamento da implantação do empreendimento e dos Programas do PBA, auxilia na organização e verifica a execução das atividades relativas ao meio ambiente durante o processo de implantação da Usina. No trimestre referente a este relatório destaca-se o acompanhamento do resgate de ictiofauna e de fauna terrestre (resgate embarcado) nas duas etapas do enchimento do reservatório; supervisão da remoção do material retido a montante do barramento, decorrente do enchimento do reservatório; acompanhamento das audiências públicas referentes ao Pacuera realizadas nos quatro municípios atingidos pelo reservatório, nos dias 08 a 11 de novembro; e levantamento da vegetação a ser suprimida para adequação do traçado da estrada vicinal, que liga as Linhas Caçador e Santo Antônio (Fotos 1-1 a 1-6). Foto 1-1 Equipe do resgate de ictiofauna na margem esquerda do barramento. Foto 1-2 Visualização da equipe de resgate embarcado. Foto 1-3 Acompanhamento e supervisão da remoção de material flutuante no log boom. Foto 1-4 Acompanhamento e supervisão da atividade de remoção de material flutuante próximo ao barramento. 8

9 Foto 1-5 Levantamento de indivíduos conflitantes com o projeto de adequação da estrada entre as Linhas Caçador e Santo Antônio. Foto 1-6 Levantamento da vegetação a ser suprimida para adequação da estrada na Linha Caçador. ACOMPANHAMENTO DO DESMATAMENTO E LIMPEZA A equipe da supervisão ambiental acompanhou e supervisionou a remoção da madeira e galharia oriundas do desmatamento para fora da área de alague, delimitou pátios de estoque desse material e verificou sua separação por gleba (Fotos 1-7 e 1-8). Foto 1-7 Acompanhamento da retirada de madeira da área de alague, com auxílio de máquinas, executado pela Naturasul. Foto 1-8 Acompanhamento do acondicionamento e separação da lenha. CUBAGEM DE MADEIRA E EMISSÃO DE DOFS No trimestre referente a este relatório foi realizada cubagem de lenha e toras, emissão de Documentos de Origem Florestal (DOFs) e acompanhamento de carregamentos para transporte da madeira (Fotos 1-9 e 1-10). 9

10 Foto 1-9 Toras marcadas e cubadas. Foto 1-10 Acompanhamento da retirada de lenha do reservatório. Foram emitidos no trimestre 624 DOFs da Ijuí Energia para os ex-proprietários das glebas poderem transportar e armazenar a madeira do desmatamento, correspondentes a m³ de lenha e 209,76st de toras. O Quadro abaixo apresenta informações mensais e totais quantitativas referentes ao volume de lenha e toras retirado e aos DOFs emitidos até o mês de dezembro (Quadro 1-1). Quadro 1-1 Volume de lenha e tora retirado e número de DOFs emitidos até o momento. Período Canteiro de Obras N de DOFs St m³ N de DOFs Reservatório St m³ Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Subtotal (2008) Subtotal de DOFs (2008) Janeiro Fevereiro Março Abril , Maio , ,08

11 Período Canteiro de Obras N de DOFs St m³ N de DOFs Reservatório St m³ Junho , ,31 Julho , ,9 Agosto ,7 Setembro ,96 Outubro ,04 Novembro ,63 Dezembro ,3 Subtotal (2009) , ,92 Subtotal de DOFs (2009) Janeiro ,56 Fevereiro ,38 Março ,5 126,06 Abril ,05 Maio ,18 Junho ,37 Julho ,02 Agosto ,39 Setembro Outubro Novembro ,58 Dezembro ,18 Subtotal (2010) ,69 ACOMPANHAMENTO DO PLANO AMBIENTAL PARA CONSTRUÇÃO (PAC) A equipe da supervisão ambiental acompanhou a empreiteira quanto ao cumprimento do PAC atentando, dentre outros aspectos, àqueles relacionados aos resíduos gerados no canteiro de obras. No período foram retirados e armazenados os resíduos de óleo, pela empresa Lwart Lubrificantes Ltda. (LO nº 3396/ coleta e transporte; LO nº 2121/ armazenamento) (Foto 1-11). 11

12 Foto 1-11 Supervisão e acompanhamento da retirada de óleo contaminado pela empresa responsável pela coleta. (PRAD) ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Os serviços para a recuperação das áreas degradadas do canteiro de obras continuaram sendo acompanhados pela equipe da supervisão ambiental, visando o atendimento das diretrizes especificadas no respectivo Programa. Devido à finalização das obras, no trimestre em questão houve um grande avanço nas atividades de recuperação das áreas, conforme pode ser observado nas fotos abaixo (Fotos 1-12 a 1-19). Foto 1-12 Visualização do local do antigo paiol de explosivos, já em estágio inicial de recuperação. Foto 1-13 Supervisão e acompanhamento da construção de estruturas de drenagem na margem esquerda do rio Ijuí. 12

13 Foto 1-14 Escarificação do solo com auxílio de grade. Foto 1-15 Acompanhamento do lançamento de solo orgânico no terreno já reconformado. Foto 1-16 Remoção de solo orgânico na margem direita do rio Ijuí. Foto 1-17 Lançamento de sementes para revegetação de área degradada. Foto 1-18 Visualização da margem esquerda do rio Ijuí com sementes lançadas, já iniciando a germinação. Foto 1-19 Visualização da margem direita do barramento com curvas de nível implantadas Unidades de Conservação 13

14 Foi solicitado à Divisão de Unidades de Conservação da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) ofício em atendimento à Fepam, indicando o cumprimento do Termo de Compromisso com a Unidade de Conservação do município de Chiapetta. 1.2 Atividades previstas para o próximo período Está prevista a continuação da emissão de DOFs, acompanhamento e supervisão das atividades relacionadas ao meio ambiente na Usina e referentes aos Programas Ambientais e verificação do cumprimento das condicionantes das licenças ambientais e autorizações. 14

15 2. PLANO AMBIENTAL PARA CONSTRUÇÃO PAC O PAC é executado pela empreiteira Alusa Engenharia Ltda., e teve início em novembro de Atividades realizadas A execução e cumprimento do PAC pela empreiteira são acompanhados em tempo integral pela equipe da supervisão ambiental, de modo que as atividades realizadas no período estão descritas neste relatório no Programa de Gerenciamento das Ações Ambientais. 2.2 Atividades previstas para o próximo período Continuação do cumprimento das ações previstas no PAC. 15

16 3. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PRAD O PRAD é executado pela empreiteira Alusa Engenharia Ltda e teve início em novembro de Atividades realizadas As atividades relacionadas a este Programa são acompanhadas em tempo integral pela equipe da supervisão ambiental. As atividades realizadas no período referente a este relatório encontram-se descritas no Programa de Gerenciamento das Ações Ambientais. 3.2 Atividades previstas para o próximo período Continuação da recuperação das áreas degradadas no canteiro de obras. 16

17 4. PROGRAMA DE MONITORAMENTO LIMNOLÓGICO E DA QUALIDADE DA ÁGUA A empresa executora do Programa é a Laborquímica Laboratório de Análises Químicas, e as atividades iniciaram em outubro de Atividades realizadas Em outubro, no dia 18, foi realizada a quinta campanha de monitoramento da qualidade da água antes do início do enchimento do reservatório, nas estações previstas (Figura 4-1; Fotos 4-1 a 4-4). Figura 4-1 Localização das estações de amostragem. 17

18 Figura 4-2 Coleta de amostra de água próximo do barramento, antes do início do enchimento do reservatório. Figura 4-3 Coleta de água no arroio Encantado para monitoramento da qualidade da água no período pré-enchimento. Figura 4-4 Amostra de água sendo coletada no período de enchimento do reservatório. Figura 4-5 Anotações e medições de parâmetros amostrados na coleta de água superficial. Foi também elaborado o relatório interpretativo do monitoramento da qualidade da água superficial referente a todo o período anterior ao enchimento do reservatório, o qual está apresentado anexo, juntamente com os laudos da quinta campanha pré-enchimento entregues pelo laboratório responsável pelas análises (Anexo 4-A). Os parâmetros de qualidade da água do rio Ijuí avaliados durante o referido período apresentaram concentrações predominantemente dentro dos limites das Classes 1 e 2 da Resolução Conama 357/05. Os resultados para a aplicação do IQA na área de influência da UHE São José, no rio Ijuí, indicam diferentes condições de qualidade ao longo do período monitorado, com variações sazonais nas estações monitoradas. A partir dos resultados obtidos pode-se inferir que as obras de implantação do empreendimento não causaram influência negativa na qualidade da água no trecho monitorado no rio Ijuí. Apesar de haver 18

19 registros de alterações da qualidade da água em relação a parâmetros como coliformes fecais, turbidez e fósforo total, essas alterações foram obtidas também no trecho de montante do rio Ijuí, estando mais associadas às condições hidrológicas e sazonais desse. No período deste relatório foi realizado também o monitoramento na fase de enchimento do reservatório, de modo que foram realizadas campanhas semanais nos dias 29 de novembro e 08 e 17 de dezembro. 4.2 Atividades previstas para o próximo período No próximo período deverão ser entregues os laudos das campanhas realizadas durante o enchimento do reservatório, será elaborado o respectivo relatório com interpretação dos resultados e será iniciado o monitoramento da qualidade da água referente ao período posterior ao enchimento. 19

20 ANEXO 4-A: RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO PERÍODO PRÉ-ENCHIMENTO DO RESERVATÓRIO E LAUDOS DAS ANÁLISES DA QUINTA CAMPANHA DE MONITORAMENTO 20

21 5. PROGRAMA DE AÇÃO PARA CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS A empresa que está executando este Programa é a C2 Geologia Planejamento Ambiental, e as atividades tiveram início em maio de Atividades realizadas No período em questão não foram realizadas atividades referentes a este Programa. Desde o início do monitoramento, até o momento, não foi constatado o desenvolvimento de focos erosivos nem instabilidades de encostas no que tange as atividades de implantação do empreendimento, em toda a área em estudo. 5.2 Atividades previstas para o próximo período Está prevista a continuação do monitoramento de processos erosivos nos onze pontos definidos, após o enchimento do reservatório. 21

22 6. PROGRAMA DE MONITORAMENTO E MAPEAMENTO ESTRUTURAL Este Programa é executado pela empresa WW Consultoria e Tecnologia, e suas atividades tiveram início em março de Atividades realizadas No trimestre foi dada continuidade ao monitoramento sismológico, com recuperação dos dados registrados no período pelos equipamentos instalados no canteiro de obras, tratamento e interpretação dos resultados. Da análise e interpretação dos dados conclui-se que não foi observada atividade sismológica local na região do empreendimento da Usina. O relatório completo elaborado pela empresa executora deste Programa está apresentado anexo (Anexo 6-A). 6.2 Atividades previstas para o próximo período No próximo trimestre está prevista a continuidade do monitoramento sismológico, com operação da estação, manutenção mensal e análise e interpretação dos dados coletados. 22

23 ANEXO 6-A: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO MONITORAMENTO SISMOLÓGICO 4 TRIMESTRE/

24 7. PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO NÍVEL ESTÁTICO E FREÁTICO DOS POÇOS O Programa foi executado pela empresa Georepp Geologia, Consultoria e Representações Ltda. desde o seu início, em maio de 2008, até fevereiro de Após este período, o Programa é executado pela GeoUp Soluções Ambientais Ltda Atividades realizadas No período em tela foi realizado o tamponamento de quatro cacimbas (glebas RO- 062, CL-025, CL-142 e CL-007) e de um poço (gleba CL-076), finalizando os tamponamentos dessas estruturas localizadas em área de alague (Fotos 7-1 a 7-4). Também foi realizada nova campanha de monitoramento do nível da água subterrânea, no mês de outubro. O relatório interpretativo está em fase de elaboração, pela empresa executora do serviço. Foto 7-1 Cacimba localizada na área de alague, a ser tamponada. Foto 7-2 Visualização de cacimba tamponada. Foto 7-3 Poço do antigo moinho (CL-076) antes do tamponamento. 24 Foto 7-4 Poço do antigo moinho já tamponado.

25 7.2 Atividades previstas para o próximo período Está prevista a entrega dos laudos das análises e relatório interpretativo do monitoramento de água subterrânea, continuação do monitoramento após o enchimento do reservatório e tamponamento de cerca de oito cacimbas restantes, localizadas na APP. 25

26 8. PROGRAMA DE DESMATAMENTO E LIMPEZA DA BACIA DE ACUMULAÇÃO O desmatamento e a limpeza da área de alague e APP são executados pela empresa Naturasul Construtora, e iniciaram em junho de Desmatamento da Bacia de Acumulação Atividades realizadas No período foram concluídos os serviços de desmatamento na área de alague, com remoção da madeira e galharia resultante, totalizando a supressão da vegetação em cerca de 899 hectares (Fotos 8-1 e 8-2). Foto 8-1 Remoção de madeira da área de alague com auxílio de máquinas. Foto 8-2 Retirada de galharia da área de alague Atividades previstas para o próximo período concluídos. Não há atividades previstas, uma vez que os serviços de desmatamento foram 8.2 Limpeza da Bacia de Acumulação e APP Atividades realizadas A remoção das benfeitorias existentes na área de alague e respectiva APP foi concluída no trimestre referente a este relatório (Foto 8-3). 26

27 Foto 8-3 Remoção de benfeitoria Atividades previstas para o próximo período concluída. Não há atividades previstas, uma vez que a remoção de benfeitorias está 27

28 9. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DAS MARGENS E REPOSIÇÃO FLORESTAL Este Programa iniciou no mês de julho de 2008, e é executado pela empresa Engemab Engenharia e Meio Ambiente. 9.1 Atividades realizadas No trimestre em questão foi realizado monitoramento nas áreas com plantio, identificando as interferências sofridas pelas mudas. Também foi feita manutenção das mudas plantadas na APP do reservatório, por meio de capina e controle de formigas. Foi identificada a presença de animais na gleba CL-155 (Fotos 9-1 e 9-2). Até o momento foram plantadas mudas em 221,27 hectares da APP do futuro reservatório. Foto 9-1 Manutenção em área com colonização de plantas pioneiras. Foto 9-2 Muda plantada em 2009 com ótimo desenvolvimento. 9.2 Atividades previstas para o próximo período No próximo trimestre está prevista a continuação da produção de mudas no viveiro visando o plantio a ser realizado em 2011, e a continuação do monitoramento e manutenção das mudas plantadas. 28

29 10. PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ESPÉCIES AMEAÇADAS E ENDÊMICAS Este Programa é executado pela Biolaw Consultoria Ambiental, e suas atividades tiveram início em abril de Atividades realizadas As demais atividades relativas a este Programa são executadas juntamente com os programas de Conservação e Resgate da Flora e de Monitoramento, Salvamento e Resgate da Fauna de Vertebrados Terrestres e Monitoramento e Levantamento da Entomofauna, as quais se encontram descritas nos relatórios desses Programas. 29

30 11. PROGRAMA DE MONITORAMENTO, SALVAMENTO E RESGATE DA FAUNA DE VERTEBRADOS TERRESTRES E LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DA ENTOMOFAUNA Este Programa é executado pela Biolaw Consultoria Ambiental, na área de alague, com início em abril de Atividades realizadas Canteiro de Obras RESGATE E RELOCAÇÃO DE FAUNA No período foi resgatado e relocado para APP um indivíduo de gambá-de-orelhabranca (Didelphis albiventris) em um dos galpões do canteiro. Também foi resgatado um lagarto (Teius oculatus) que se encontrava próximo ao barramento, que foi levado ao recinto de fauna e, posteriormente, solto em APP. A equipe responsável pelo resgate embarcado de fauna terrestre foi acionada para captura de um indivíduo de cobra-da-terra (Atractus sp.) que se encontrava próximo das comportas - após a captura, o animal foi solto em APP (Fotos 11-1 a 11-4). Foto 11-1 Lagarto sobre o barramento. Foto 11-2 Resgate do lagarto no barramento. 30

31 Foto 11-3 Recinto de fauna onde foi disposto temporariamente o indivíduo de lagarto resgatado. Foto 11-4 Cobra-da-terra resgatada de local já alagado Área de Alague RESGATE E RELOCAÇÃO DE FAUNA DURANTE A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO Nos meses de outubro e novembro foi realizado resgate de fauna terrestre durante a execução dos serviços de desmatamento, com remoção de madeira e galharia, e relocação dos indivíduos resgatados para as áreas previamente selecionadas. As equipes de resgate de fauna vistoriaram previamente a área em busca de animais ou ninhos de aves (estes, quando encontrados, tem seu entorno isolado num raio de 20m), e acompanharam em tempo integral as frentes de serviço. Também foram removidas e relocadas colmeias de abelhas e vespas em ambas as margens do rio Ijuí. No trimestre em tela foram resgatados e relocados sete animais da fauna silvestre, sendo um anfíbio, três répteis e três mamíferos (Tabela 11-1). Tabela 11-1 Lista dos exemplares da fauna terrestre resgatados e relocados no período de 21 de outubro a 22 de novembro de AMPHIBIA Táxon Nome popular Nº de exemplares Lepdodactylus ocellatus rã-crioula 1 REPTILIA Atractus sp. cobra-da-terra 1 Bothrops diporus jararaca-pintada 1 Tupinambis merianae lagarto-do-papo-amarelo 1 MAMMALIA Sphiggurus villosus ouriço-cacheiro 1 31

32 Táxon Nome popular Nº de exemplares Dasypus hybridus tatu-mulita 1 Leopardus triginus gato-do-mato-pequeno 1 Total 7 Nos resgates realizados durante a supressão da vegetação da área de alague foram registradas 68 espécies de vertebrados (uma de peixes, onze de anfíbios, 27 de répteis, cinco de aves e 24 de mamíferos) e quatro taxa em que a identificação foi possível somente até família: Hylidae (pererecas) em anfíbios, Strigidae (corujas) em aves e Cricetidae e Muridae (ratos) em mamíferos. Somando todos os exemplares resgatados durante o desmatamento da área de alague deste empreendimento, o número chega a cerca de 725 indivíduos. Também foram removidos no período dois enxames de abelhas, sendo um de abelha-mirim (Plebeia saiqui) e outro de abelha-borá (Tetragona claviceps). Ressalta-se que foram isolados oito ninhos de aves. Dos ninhos isolados, cinco foram de joão-de-barro (Furnarius rufus), um de quero-quero (Vanellus chilensis), um de sabiá (Turdus sp.) e um de coruja-buraqueira (Athene cunicularia). A seguir estão apresentadas algumas fotos de indivíduos resgatados e relocados no período (Fotos 11-5 a 11-8). O relatório trimestral do resgate de fauna terrestre entregue pela empresa executora deste Programa encontra-se anexo (Anexo 11-A). Foto 11-5 Tatu-mulita (Dasypus hybridus) capturada no resgate de fauna e relocada. Foto 11-6 Jararaca-pintada (Bothrops diporus) resgatada e relocada. 32

33 Foto 11-7 Gato-do-mato (Leopardus sp.) capturado no resgate de fauna e relocado. Foto 11-8 Ninho de coruja-buraqueira (Athene cunicularia) isolado. RESGATE EMBARCADO DE FAUNA TERRESTRE DURANTE O ENCHIMENTO DO RESERVATÓRIO No trimestre em questão foi realizado resgate embarcado da fauna terrestre nas duas etapas do enchimento do reservatório: até a cota 138 metros (a equipe esteve mobilizada entre os dias 09 a 29 de novembro de 2010) e até a cota final do reservatório metros (entre os dias 30 de novembro e 14 de dezembro). Neste período, a equipe permaneceu mobilizada e resgatou os animais que não apresentassem condições de se deslocar da área de alagamento, e relocou-os em zonas de cotas mais elevadas e destinadas à preservação, sempre que os mesmos apresentassem condições para tal. O salvamento embarcado consistiu na realização de buscas com o auxílio de uma embarcação motorizada em toda a área do reservatório, dando especial atenção às margens com configuração de barranco e às ilhas formadas por material flutuante e copas de arbustos mais altos, além de caminhadas ao longo das margens do reservatório. Na primeira etapa também foram removidos ninhos desabitados que por ventura fossem avistados dentro da área de alagamento, em função do enchimento até a cota final. Para os que estavam com ninhegos foram construídas aproximadamente uma dúzia de plataformas flutuantes para a sustentação dos mesmos sobre o nível da água. Conforme pode ser observado em vistorias diárias, os ninhos habitados e atrelados às plataformas continuaram recebendo o cuidado parental que antes recebiam. Dessa forma, diante do enchimento total do reservatório ocorrido na primavera e, portanto, dentro do período de nidificação, tal procedimento amenizou possíveis danos à avifauna local. O objetivo do resgate da fauna terrestre foi considerado plenamente atingido (Fotos 11-9 a 11-12). 33

34 Foto 11-9 Cobra-da-terra (Atractus sp.) resgatada durante o enchimento do reservatório. Foto Plataforma flutuante construída para sustentação de ninho com ninhegos, no enchimento do reservatório. Foto Ninho habitado atrelado à plataforma, recebendo cuidado parental. Foto Amphisbaena sp. encontrada afogada durante o resgate embarcado. O resgate embarcado durante o enchimento do reservatório da UHE São José realizou 29 capturas de animais vertebrados da fauna terrestre (Tabela 11-2). Tabela 11-2 Listagem de indivíduos da fauna terrestre resgatados durante o enchimento do reservatório da UHE São José. Identificação do indivíduo Tipo de resgate Data do resgate Atractus paraguayensis (cobra-da-terra) Embarcado 10/11/2010 Liophis poecilogyrus (cobra-da-água) Caminhada pela margem 11/11/2010 Sphiggurus villosus (ouriço-cacheiro) Embarcado 11/11/2010 Typhlops sp. (cobra-cega) (5) Embarcado 11/11/2010 Pitangus sulphuratus (bem-te-vi) (3 filhotes) Embarcado 22/11/2010 Atractus paraguayensis (cobra-da-terra) Embarcado 23/11/2010 Athene cunicularia (coruja-buraqueira) (4 filhotes) Caminhada 26/11/

35 Identificação do indivíduo Tipo de resgate Data do resgate Teius oculatus (teju-verde) Embarcado 26/11/2010 Philodryas olfersii (serpente papa-pinto) Embarcado 27/11/2010 cf Oligoryzomys sp. (rato-do-mato) Embarcado 27/11/2010 Sphiggurus villosus (ouriço-cacheiro) Embarcado 28/11/2010 Tupinambis merianae (lagarto de papo amarelo) Embarcado 28/11/2010 Thamnodinastes strigatus (cobra-corredeira) Embarcado 28/11/2010 Liophis poecilogyrus (cobra-d água) Embarcado 28/11/2010 Tupinambis merianae (lagarto de papo amarelo) Embarcado 06/12/2010 Tupinambis merianae (lagarto de papo amarelo) Embarcado 07/12/2010 Furnarius rufus (João-de-barro) (3 filhotes) Embarcado 09/12/2010 Atractus paraguayensis (cobra-da-terra) Embarcado 09/12/2010 Durante o resgate embarcado também foram encontrados três espécimes de vertebrados terrestres afogados/mortos (Tabela 11-3). Tabela 11-3 Indivíduos encontrados mortos/afogados durante o resgate embarcado. Identificação do Indivíduo Tipo de resgate Data do resgate Amphisbaena sp. ( ) Embarcado 25/11/2010 Amphisbaena sp. ( ) Embarcado 10/12/2010 Sphiggurus villosus (ouriço-cacheiro) ( ) Embarcado 13/12/2010 O baixo número de capturas e salvamentos de exemplares pode ser explicado, em parte, pelo perfil topográfico plano que a área alagada possui e de fácil deslocamento para os animais, bem como pela condição metereológica muito chuvosa nas duas semanas em que se desenvolveu o resgate embarcado referente ao enchimento até a cota final. Todavia, o grupo mais prejudicado foi a avifauna, para a qual a atenção foi mais voltada na realização e no monitoramento das plataformas flutuantes com ninhegos. Anexo está apresentado o relatório detalhado do resgate embarcado, elaborado pela empresa executora deste Programa (Anexo 11-B) Atividades previstas para o próximo período Para o próximo trimestre está previsto o início das campanhas de monitoramento da fauna terrestre no período de pós-enchimento do reservatório. 35

36 ANEXO 11-A: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO RESGATE DE FAUNA TERRESTRE NA ÁREA DE ALAGUE 36

37 ANEXO 11-B: RELATÓRIO DO RESGATE EMBARCADO DA FAUNA DE VERTEBRADOS TERRESTRES DURANTE O ENCHIMENTO DA UHE SÃO JOSÉ 37

38 12. PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA FAUNA ÍCTICA Este Programa é executado pela empresa Simbiota Consultoria Ambiental, através de consórcio entre a Ijuí Energia e a Eletrosul, e teve início em julho de Atividades realizadas No período foi dada continuidade ao monitoramento de espécies migradoras, com downloading dos registros e rastreamento aéreo; realizado resgate de ictiofauna nas duas etapas do enchimento do reservatório e iniciada a transposição manual de indivíduos de espécies migradoras para a montante do barramento da Usina, no mês de dezembro. Neste mesmo mês, no dia 02, participou-se da mesa redonda para definição do mecanismo de transposição de peixes, realizada em conjunto com a Eletrosul em Florianópolis. 12-6). Abaixo estão apresentadas algumas fotos do resgate de ictiofauna (Fotos 12-1 a Foto 12-1 Mobilização de pessoal para atividade de resgate de ictiofauna. Foto 12-2 Grupo de trabalho realizando o salvamento dos exemplares em meio as poças e pedras, na margem direita do rio Ijuí. 38

39 Foto 12-3 Utilização de rede de arrasto (picaré) para a retirada de peixes presos em poças isoladas. Foto 12-4 Indivíduo resgatado. Foto 12-5 Visualização de indivíduo capturado e posteriormente solto de volta ao rio Ijuí. Foto 12-6 Baldes com diversos peixes resgatados, a serem soltos de volta ao Rio. Ainda no trimestre referente ao presente relatório, foi entregue ao Ibama, no dia 07 de outubro, o Relatório do Resgate de Ictiofauna no evento de desvio do rio pelo vertedouro; enviado ao Ministério Público Federal - Procuradoria da República no Município de Santo Ângelo - por meio de carta registrada, no dia 14 de outubro, o Relatório Parcial do Monitoramento de Espécies Migradoras com Técnicas de Radiotelemetria e Mapas de Registros de Espécies do mês do agosto de 2010, conforme Ofício N.Ref.: IJUI. E ; protocolado na Fepam, no dia 20 de outubro, Relatório Parcial do Monitoramento de Espécies Migradoras com Técnicas de Radiotelemetria e Mapas de Registros de Espécies do mês do agosto de 2010 e o Relatório do monitoramento de espécies migradoras referente ao período de agosto e novembro do mesmo ano Atividades previstas para o próximo período 39

40 Está prevista a continuação da transposição de peixes de espécies migradoras para montante do barramento; discussão para definição do mecanismo de transposição de peixes e retomada do monitoramento de comunidades e de espécies migradoras (referente ao período pós-enchimento). Também está prevista a entrega à Fepam e Ibama do relatório do resgate de ictiofauna durante o enchimento do reservatório. 40

41 13. PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO E RESGATE DA FLORA Este Programa, no que se referente à área de alague, foi executado inicialmente pela Biolaw Consultoria Ambiental e, posteriormente, mediante um segundo contrato, pela empresa ABG Engenharia e Meio Ambiente. Suas atividades tiveram início em abril de Atividades realizadas RESGATE E RELOCAÇÃO DE EPÍFITAS No mês de outubro foi realizado resgate de algumas epífitas e relocação das mesmas nas áreas previamente selecionadas. A relocação foi feita por meio da fixação dos espécimes ao forófito com o auxílio de cordão, em locais propícios para seu estabelecimento e com acesso para posterior monitoramento. MARCAÇÃO DE MATRIZES E COLETA DE SEMENTES No período também foi dada continuidade à coleta de sementes de indivíduos matrizes selecionados e entrega ao viveiro para a produção de mudas a serem destinadas à reposição florestal obrigatória. Os exemplares pertencem a espécies nativas que produzem frutos em abundância, atraem a fauna nativa e/ou possuem uma importância ecológica de interesse. As sementes coletadas foram triadas, identificadas, quantificadas, beneficiadas quando necessário e entregues ao viveiro da Ijuí Energia (Fotos 13-1 e 13-2). No período foram entregues cerca de sementes, cuja ficha de controle e comprovante de entrega e recebimento das sementes no viveiro está apresentada no Anexo 13-A. Até o momento sementes foram coletadas de matrizes, aproximadamente. 41

42 Foto 13-1 Coleta de sementes de aroeira-salso (Schinus molle). Foto 13-2 Frutos de angico branco (Albizia niopoides) a serem beneficiados. MONITORAMENTO DOS INDIVÍDUOS TRANSPLANTADOS A segunda campanha de monitoramento dos indivíduos transplantados da área de alague para a APP do reservatório foi realizada no mês de novembro de Os indivíduos, previamente selecionados por equipe técnica, foram distribuídos em sete áreas, visualizadas na Figura 13-1, abaixo. Figura 13-1 Vista geral das áreas de transplante na APP do reservatório. 42

43 A média total de sobrevivência observada no momento do monitoramento foi de 14,41% - 4,19% maior do que a média verificada na última campanha realizada. É esperado ocorrer variações no número de indivíduos vivos entre uma campanha e outra, daí a importância dos monitoramentos. A espécie de cabreúva, por exemplo, apresentou maior número de indivíduos vivos neste monitoramento, tendo sido observado brotos vindos da base do indivíduo. A tabela abaixo apresenta uma síntese dos resultados obtidos (Tabela 13-1). Tabela 13-1 Relação de indivíduos vivos observados na segunda campanha de monitoramento. Espécie Myrocarpus frondosus Myracroduon balansae Butia capitata Erythrina crista-galli Ficus luschnatiana Gleditsia amorphoides Araucaria angustifolia Nome popular Área 1 Área 2 Área 3 Área 4 Área 5 Área 6 Área 7 Total cabreúva 91(702) 12,96% pau-ferro 20(381) 17(155) 6(45) 7,40% butiá 36(43) 83,72% 1(1) 10(11) 5(6) 2(2) 4(4) 91,67% figueira 4(8) 50% sucará 0(1) 0% corticeiradobanhado pinheirodoparaná 0(1) 0% Total 13,37% 10,97% 13,33% 90,90% 83,33% 100% 100% 14,41% A seguir estão apresentadas algumas fotos de indivíduos transplantados (Fotos 13-3 a 13-6). O relatório detalhado desta segunda campanha de monitoramento encontra-se anexo (Anexo 13-B). 43

44 Foto 13-3 Corticeira-do-banhado com sucesso de pega. Foto 13-4 Indivíduo de cabreúva apresentando brotação. Foto 13-5 Visão geral de transplantes. Foto 13-6 Indivíduo morto. MONITORAMENTO DAS EPÍFITAS RELOCADAS Nos dias 22 e 23 de dezembro foi realizada a quarta campanha de monitoramento das epífitas relocadas. Na ocasião foram feitas vistorias em cada uma das doze áreas de relocação, verificação do estado de preservação e sucesso de pega dos indivíduos relocados, bem como manutenção de espécimes que se encontravam caídos ou em local vulnerável. Nesta quarta campanha de monitoramento foi observado que nas áreas de relocação de número 1, 2, 3, 6, 8 e 12 as epífitas relocadas apresentam estado fitossanitário satisfatório, com indivíduos bem fixados nos troncos e alguns em fase de reprodução. Nas áreas 4, 11 e 5 verificou-se um número relativamente significativo de exemplares relocados que não apresentaram sucesso de pega. As relocações realizadas nas áreas de número 7 e 10 foram prejudicadas pela ocorrência de fortes chuvas e/ou presença de gado no local. As epífitas relocadas na área 44

45 número 10 também sofreram com o temporal que ocorreu recentemente na região, em dezembro de 2010 (Fotos 13-7 a 13-12). Anexo encontra-se o relatório completo do monitoramento (Anexo 13-C). Foto 13-7 Indivíduo de Piperacea com sucesso de pega. Foto 13-8 Orchidaceae relocada apresentando flor. Foto 13-9 Visualização de indivíduo com bom enraizamento. Foto Indivíduo relocado sem sucesso de pega. Foto Orchidaceae em bom estado fitossanitário. 45 Foto Exemplares relocados, prejudicados pelo temporal recente que ocorreu na região.

46 13.2 Atividades previstas para o próximo período No próximo trimestre está prevista a realização de nova campanha de monitoramento dos indivíduos transplantados e das epífitas relocadas, bem como a continuação da coleta de sementes de matrizes. 46

47 ANEXO 13-A: FICHA DE CONTROLE E COMPROVANTE DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE SEMENTES NO VIVEIRO 47

48 ANEXO 13-B: RELATÓRIO DA SEGUNDA CAMPANHA DE MONITORAMENTO DOS INDIVÍDUOS TRANSPLANTADOS 48

49 ANEXO 13-C: RELATÓRIO DA QUARTA CAMPANHA DE MONITORAMENTO DAS EPÍFITAS RELOCADAS 49

50 14. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Este Programa é executado pela Biolaw Consultoria Ambiental, e as atividades iniciaram em abril de Atividades realizadas encerrado. As atividades previstas no Programa já foram realizadas e este se encontra 50

51 15. PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL O Programa de Comunicação Social é executado pela empresa Edicta Edição e Mensagem, e suas atividades iniciaram em fevereiro de Atividades realizadas No trimestre foi dada continuidade à comunicação social, com ênfase na comunicação da data do enchimento do reservatório e na divulgação do Pacuera e das audiências públicas, por meio de cartazes, folders e releases distribuídos aos veículos de comunicação da região. Também foi encaminhado para veículos de comunicação de Cerro Largo release sobre o início do enchimento do reservatório, previsto na ocasião para o dia 19 de outubro, bem como foi mantido contato com as emissoras de rádio da região (inclusive Caibaté, Guarani das Missões, São Luiz Gonzaga e Santo Ângelo) para que incrementassem a divulgação do início do enchimento. As matérias e materiais de comunicação social produzidos no período deste relatório estão apresentados em anexo (Anexo 15-A) Atividades previstas para o próximo período Programa. Não há atividades previstas para o próximo período, conforme previsto no 51

52 ANEXO 15-A: MATERIAIS PRODUZIDOS E MATÉRIAS PUBLICADAS 52

53 UHE São José Começa dia 19 enchimento do reservatório A Usina Hidrelétrica São José dará início nesta terça-feira, dia 19, ao processo de enchimento do seu reservatório. Num primeiro momento, por questões técnicas, o enchimento será até a cota 147, o que deverá ser concluído em dois dias. Esse nível ainda ficará bem abaixo da cota de operação da Usina, que será de 154,67. Atualmente, após o fechamen-to do canal de desvio, o nível da água antes da barragem atingiu a cota 138 o que signi-fica que o nível do rio deverá subir nove metros junto ao barramento. A UHE São José é considerada uma usina de pequeno a médio porte, sendo que o reservatório a ser formado ocupará uma área de aproximadamente 23,46 km². O projeto prevê a construção de uma barragem e uma casa de força contendo duas unidades com potência instalada total de 51 MW, capaz de gerar energia a partir da queda d água provocada pelo represamento do rio. Segundo o Projeto Básico de Engenharia, o circuito hidráulico de geração de energia que conduz a água armazenada no reservatório até as unidades geradoras é adjacente ao barramento, sendo constituído pela estrutura da tomada d água solidária à casa de força. Serão utilizadas duas turbinas de 25,5 MW com queda de projeto de 21,77m e vazão nominal de 288,6 m³/s. 53

54 Texto Rádio Duração: 30 Rádio Shamballa FM Patrocínio Programa Expocel Programar em rodízio com os outros três que estão no ar O Plano de Uso do Reservatório da Usina São José terá consultas públicas em Rolador no dia 08 de novembro, em Cerro Largo no dia 09 de novembro, em Mato Queimado no dia 10 de novembro e em Salvador das Missões no dia 11 de novembro. Nessas audiências as comunidades envolvidas poderão se manifestar a respeito da proposta. Cartazes com as datas serão afixados nos principais pontos de cada município. Fique atento e não deixe de participar! Ijuí Energia - A força para o desenvolvimento da região. 54

55 UHE São José Audiências públicas sobre o Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório Com o objetivo de expor aos interessados o conteúdo do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório da usina, a UHE São José vai realizar audiências públicas nos municípios atingidos. Essas audiências fazem parte do processo de licenciamento do empreendimento, servindo, também, para eliminar dúvidas e colher sugestões da comunidade a respeito do referido Plano. As audiências públicas são abertas à participação do público em geral e serão realizadas obedecendo ao seguinte calendário: Rolador - Dia 08 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Av. João Batista, 591, centro. Cerro Largo - Dia 09 de novembro. às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Rua Helmut Smidt, 854, centro. Mato Queimado Dia 10 de novembro, às 19 horas, no Centro Comunitário do Município - Rua Monsenhor Wolski, s/n. Salvador das Missões Dia 11 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Av. Independência, 280. O Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório da UHE São José também se encontra à disposição para consulta e considerações, nos seguintes locais: Biblioteca da FEPAM, em Porto Alegre, assim como nas prefeituras de Salvador das Missões, Cerro Largo, Mato Queimado e Rolador. 55

56 UHE São José Começa dia 19 enchimento do reservatório A Usina Hidrelétrica São José dará início nesta terça-feira, dia 19, ao processo de enchimento do seu reservatório. Num primeiro momento, por questões técnicas, o enchimento será até a cota 147, o que deverá ser concluído em dois dias. Esse nível ainda ficará bem abaixo da cota de operação da Usina, que será de 154,67. Atualmente, após o fechamento do canal de desvio, o nível da água antes da barragem atingiu a cota 138 o que significa que o nível do rio deverá subir nove metros junto ao barramento. A UHE São José é considerada uma usina de pequeno a médio porte, sendo que o reservatório a ser formado ocupará uma área de aproximadamente 23,46 km². O projeto prevê a construção de uma barragem e uma casa de força contendo duas unidades com potência instalada total de 51 MW, capaz de gerar energia a partir da queda d água provocada pelo represamento do rio. Segundo o Projeto Básico de Engenharia, o circuito hidráulico de geração de energia que conduz a água armazenada no reservatório até as unidades geradoras é adjacente ao barramento, sendo constituído pela estrutura da tomada d água solidária à casa de força. Serão utilizadas duas turbinas de 25,5 MW com queda de projeto de 21,77m e vazão nominal de 288,6 m³/s. 56

57 Jornal Folha da Produção (edição 14/10/2010; capa). 57

58 Jornal Folha da Produção (edição 14/10/2010; pág. 05). 58

59 Folder de divulgação do Pacuera. 59

60 60

61 Cartaz de divulgação das audiências públicas do Pacuera. 61

62 62

63 UHE São José Começam audiências públicas sobre o Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório As audiências públicas, promovidas pela UHE São José para expor aos interessados o conteúdo do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório da usina, começam no próximo dia 08 de novembro, em Rolador. Essas audiências fazem parte do processo de licenciamento do empreendimento, servindo, também, para eliminar dúvidas e colher sugestões da comunidade a respeito do referido Plano, devendo ser realizadas nos quatro municípios atingidos pela construção da Usina, conforme o calendário a seguir: Rolador - Dia 08 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Av. João Batista, 591, centro. Cerro Largo - Dia 09 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Rua Helmut Smidt, 854, centro. Mato Queimado Dia 10 de novembro, às 19 horas, no Centro Comunitário do Município - Rua Monsenhor Wolski, s/n. Salvador das Missões Dia 11 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Av. Independência, 280. As audiências públicas são abertas à participação do público em geral. O Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório da UHE São José também se encontra à disposição para consulta e considerações, nos seguintes locais: Biblioteca da FEPAM, em Porto Alegre, assim como nas prefeituras de Salvador das Missões, Cerro Largo, Mato Queimado e Rolador. 63

64 UHE São José Começam audiências públicas sobre o Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório As audiências públicas, promovidas pela UHE São José para expor aos interessados o conteúdo do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório da usina, começam no próximo dia 08 de novembro, em Rolador. Essas audiências fazem parte do processo de licenciamento do empreendimento, servindo, também, para eliminar dúvidas e colher sugestões da comunidade a respeito do referido Plano, devendo ser realizadas nos quatro municípios atingidos pela construção da Usina, conforme o calendário a seguir: Rolador Dia 08 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Av. João Batista, 591, centro. Cerro Largo Dia 09 de novembro, às 19 horas, na Sede da ACI Associação Comercial e Industrial Rua Otto Flach, 894. Mato Queimado Dia 10 de novembro, às 19 horas, no Centro Comunitário do Município - Rua Monsenhor Wolski, s/n. Salvador das Missões Dia 11 de novembro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores - Av. Independência, 280. As audiências públicas são abertas à participação do público em geral. O Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório da UHE São José também se encontra à disposição para consulta e considerações, nos seguintes locais: Biblioteca da FEPAM, em Porto Alegre, assim como nas prefeituras de Salvador das Missões, Cerro Largo, Mato Queimado e Rolador. 64

65 Jornal Gazeta Integração (edição 15/10/2010; pág. 02). 65

66 Jornal Gazeta Integração (edição 15/11/2010; pág. 04). 66

67 67

68 Jornal Gazeta Integração (edição 22/11/2010; pág. 10). 68

69 Jornal Gazeta Integração (edição 29/10/2010; pág. 12). 69

70 Jornal Folha da Produção (edição 04/11/2010; pág. 02). 70

71 71

72 Jornal Folha da Produção (edição 04/11/2010; pág. 04). 72

73 Jornal Gazeta Integração (edição 05/11/2010; pág. 06). 73

74 Jornal Gazeta Integração (edição 05/11/2010; pág. 13). 74

RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE

RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE RESGATE EMBARCADO DA FAUNA TERRESTRE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. MATERIAL UTILIZADO... 2 3. EQUIPE... 2 4. PROCEDIMENTO OPERACIONAL... 3 5. RESULTADOS OBTIDOS... 5 1. INTRODUÇÃO A presente etapa do resgate

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ ABRIL MAIO - JUNHO / 2014 PORTO ALEGRE, AGOSTO DE 2014.

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ ABRIL MAIO - JUNHO / 2014 PORTO ALEGRE, AGOSTO DE 2014. EMPREENDEDOR: RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA ABRIL MAIO - JUNHO / 2014 GERENCIAMENTO AMBIENTAL: PORTO ALEGRE, AGOSTO DE 2014. APRESENTAÇÃO O presente documento

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ JANEIRO FEVEREIRO MARÇO 2011 PORTO ALEGRE, MAIO DE 2011. SUMÁRIO 1. PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS AÇÕES AMBIENTAIS...

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS ATIVIDADES AMBIENTAIS TRIMESTRE OUTUBRO DEZEMBRO DE 2014 Eletrosul Centrais Elétricas S/A DEZEMBRO de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 MONITORAMENTO

Leia mais

1.1 Introdução. 1.2 Metodologia. 1.3 Atividades Realizadas 1. ACOMPANHAMENTO DAS FAMILIAS REMANEJADAS

1.1 Introdução. 1.2 Metodologia. 1.3 Atividades Realizadas 1. ACOMPANHAMENTO DAS FAMILIAS REMANEJADAS 1. ACOMPANHAMENTO DAS FAMILIAS REMANEJADAS O presente documento corresponde ao relatório das atividades realizadas no período de janeiro a março de 2011, referentes ao acompanhamento das famílias remanejadas

Leia mais

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA 1249 / 2009-DL LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI Nº A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

RELATÓRIO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E PESQUISA PARA O PLANO AMBIENTAL DE CONSERVAÇÃO E USO DO ENTORNO E

RELATÓRIO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E PESQUISA PARA O PLANO AMBIENTAL DE CONSERVAÇÃO E USO DO ENTORNO E RELATÓRIO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E PESQUISA PARA O PLANO AMBIENTAL DE CONSERVAÇÃO E USO DO ENTORNO E DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO ARTIFICIAL DA UHE SÃO JOSÉ DEZEMBRO DE 2009. 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 LEVANTAMENTO

Leia mais

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Acompanhamento e Resgate de Fauna durante a Limpeza e Enchimento da Área do Reservatório Revisão 00 NOV/2013

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 Porto Alegre, março de 2014 APRESENTAÇÃO Este documento visa atender a condicionante 8.5 das Licenças de Operação LO LO 7961/2012, concedida a Vêneto

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NONOAI - RS PERÍODO: OUTUBRO A DEZEMBRO/2015 -

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NONOAI - RS PERÍODO: OUTUBRO A DEZEMBRO/2015 - RELATÓRIO TRIMESTRAL DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NONOAI - RS PERÍODO: OUTUBRO A DEZEMBRO/2015 - EMPREENDEDOR GESTÃO AMBIENTAL PORTO ALEGRE, DEZEMBRO DE 2015.

Leia mais

SEGUNDO RELATÓRIO SEMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ

SEGUNDO RELATÓRIO SEMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ SEGUNDO RELATÓRIO SEMESTRAL DE ANDAMENTO DOS PROGRAMAS DO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA UHE SÃO JOSÉ - - PORTO ALEGRE, MAIO DE 2009. SUMÁRIO 1 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DAS AÇÕES AMBIENTAIS... 5 2 PLANO AMBIENTAL

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

Curriculum Vitae. Mateus Assunção Silveira. Porto Alegre, Dezembro de 2012.

Curriculum Vitae. Mateus Assunção Silveira. Porto Alegre, Dezembro de 2012. Curriculum Vitae Mateus Assunção Silveira Porto Alegre, Dezembro de 2012. CURRICULUM VITAE MATEUS ASSUNÇÃO SILVEIRA 1. Dados Pessoais: Data e local de nascimento: 08/04/1983, Caçapava do Sul, RS, Brasil.

Leia mais

Foto 01. Foto 02. Foto 03. Apresentação da Empresa. Dezembro de 2014. Foto 05

Foto 01. Foto 02. Foto 03. Apresentação da Empresa. Dezembro de 2014. Foto 05 U compromisso Um i com o desenvolvimento sustentável, em harmonia com o ambiente natural. nat ral Foto 01 Foto 02 Foto 03 F 04 Foto Apresentação da Empresa Dezembro de 2014 Foto 05 HISTÓRICO A ECSA Engenharia

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e ÍNDICE 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e Paisagístico... 1/11 6.5.15.1 - Justificativas... 1/11 6.5.15.2 - Objetivos... 3/11 6.5.15.2.1 - Objetivo Geral... 3/11 6.5.15.2.2

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

Hidroeletricidade e Meio Ambiente É possível compatibilizar, sim! Maria Ângela Rimori Damian e Sandro Vaccaro

Hidroeletricidade e Meio Ambiente É possível compatibilizar, sim! Maria Ângela Rimori Damian e Sandro Vaccaro Hidroeletricidade e Meio Ambiente É possível compatibilizar, sim! Maria Ângela Rimori Damian e Sandro Vaccaro Empreendimento - Localização UHE Castro Alves - Margem Esquerda: Nova Pádua e Flores da Cunha

Leia mais

SUMÁRIO 12.1.3 PROJETO DE DEMOLIÇÃO E DESINFECÇÃO DE ESTRUTURAS E EDIFICAÇÕES

SUMÁRIO 12.1.3 PROJETO DE DEMOLIÇÃO E DESINFECÇÃO DE ESTRUTURAS E EDIFICAÇÕES SUMÁRIO 12.1.3 PROJETO DE DEMOLIÇÃO E DESINFECÇÃO DE ESTRUTURAS E EDIFICAÇÕES 12. PLANO DE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS TERRESTRES... 12.1.3-1 12.1. PROGRAMA DE DESMATAMENTO E LIMPEZA DAS ÁREAS DOS RESERVATÓRIOS...

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

8º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico

8º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 8º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro-Novembro-Dezembro 2010 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento,

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16.

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16. NGL-5.3.1-16.13 1 / 21 Sumário 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETO... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 2 4. MÉTODOS E RECURSOS... 9 4.1. Registros de Acompanhamento... 9 4.2. Relatórios de Andamento... 11 4.3. Recursos...

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004.

INTRODUÇÃO. Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004. INTRODUÇÃO Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004. A seguir, estão apresentados os cronogramas gerais das três usinas do Complexo

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

Gerenciamento Ambiental Programas do Meio Físico Programas do Meio Biótico Programas do Meio Antrópico

Gerenciamento Ambiental Programas do Meio Físico Programas do Meio Biótico Programas do Meio Antrópico RELATÓRIO DE ATIVIDADES EM MEIO AMBIENTE COMPLEXO ENERGÉTICO CERAN Gerenciamento Ambiental Programas do Meio Físico Programas do Meio Biótico Programas do Meio Antrópico CR/C/RM/030/043/2006 Janeiro a

Leia mais

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA DE DIREITO ARTIGO: CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ Revisão:

Leia mais

PCH CARANGOLA INFORMATIVO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA CARANGOLA Edição Especial n o 2 15 Meses de Obras Setembro de 2007

PCH CARANGOLA INFORMATIVO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA CARANGOLA Edição Especial n o 2 15 Meses de Obras Setembro de 2007 N 1 PCH CARANGOLA INFORMATIVO DA PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA CARANGOLA Edição Especial n o 2 15 Meses de Obras Setembro de 2007 Obras movimentam comércio de Carangola e trazem mais recursos para o município

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.33 Implantação de Área de Preservação Permanente do Reservatório - APP Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL Programa de Implantação da Área de Preservação Permanente do Reservatório - APP CONTROLE DE REVISÃO CÓDIGO REVISÃO DATA P00.SM-037/14 00 30/01/2014 P00.SM-037/14

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

ÍNDICE. 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10. 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10

ÍNDICE. 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10. 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro

Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 4º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro a Dezembro 2009 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento,

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

Dados da obra Trecho: Guaíba Pelotas 211 km 9 lotes de obra 12 municípios 10.000 usuários/dia Benefícios da Obra -Redução de acidentes; - Aumento da capacidade de tráfego; - Facilidade de escoamento da

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.41 - Programa de Interação e Comunicação Social Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Ana Maria Iversson DRT

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

SEÇÃO 9 PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PALEONTOLÓGICO

SEÇÃO 9 PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PALEONTOLÓGICO SEÇÃO 9 PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PALEONTOLÓGICO Sumário 9. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO PALEONTOLÓGICO... 1 9.1. Apresentação/Objetivos... 1 9.2. Fase de Execução... 1 9.3. Histórico...

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL UHE FOZ DO RIO CLARO

PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL UHE FOZ DO RIO CLARO PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL UHE FOZ DO RIO CLARO RELATÓRIO SEMESTRAL JULHO 2008 Execução: Consiliu Meio Ambiente & Projetos CREA PR 12.212/F Equipe Técnica COORDENADOR GERAL ENGº CIVIL CESAR MENEZES

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental CAPA 5.1 - Programa de Gerenciamento Ambiental ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1/11 1.1. Ações já Realizadas... 2/11 2. Justificativa... 4/11

Leia mais

Contextualizando as Questões Ambientais no Setor Elétrico

Contextualizando as Questões Ambientais no Setor Elétrico Contextualizando as Questões Ambientais no Setor Elétrico Apresentação ao Conselho Curador Agenor O. F. Mundim F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JEQUITINHONHA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JEQUITINHONHA Folha: 1/8 Nº. (Órgão Seccional) número/ano Indexado ao(s) Processo(s) nº.: 00125/2000/005/2005 e nº. 00125/2000/004/2005 Tipo de processo: Licenciamento Ambiental ( x ) Auto de Infração ( ) 1. Identificação:

Leia mais

PARECER TÉCNICO n 005/2015

PARECER TÉCNICO n 005/2015 PARECER TÉCNICO n 005/2015 Processo: 122/2015 Requerente: Mineração Mercedes Ltda. CNPJ: 05.830.499/0001-88 Atividade: Lavra a céu aberto com ou sem tratamento rochas ornamentais e de revestimento (exceto

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 RELATÓRIO TRIMESTRAL FEVEREIRO DE 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1 2 COMUNICAÇÃO SOCIAL 4 EDUCAÇÃO EM SAÚDE 10 3 MONITORAMENTO DE NASCENTES 13 4 VIVEIRO DE MUDAS

Leia mais

PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO

PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.37 Elaborar estudos sobre os impactos ambientais

Leia mais

Projeto Básico Ambiental Versão Final Set/2011

Projeto Básico Ambiental Versão Final Set/2011 VOLUME VI Plano de Conservação dos Ecossistemas Aquáticos Plano de Gerenciamento Integrado da Volta Grande Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno dos Reservatório (PACUERA) Conclusão Equipe Técnica

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS LICENÇA DE OPERAÇÃO Nº 1317/2015 A PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO

Leia mais

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná 1 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução Conjunta SEMA/IAP n 09 de 03 de novembro de 2010; Resolução Conjunta

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

Programa de Interação e Comunicação Social

Programa de Interação e Comunicação Social Comunicação Social O Programa de Interação e Comunicação Social faz parte do Projeto Básico Ambiental (PBA) da UHE Teles Pires, como parte integrante dos Programas de Apoio ao Plano de Gestão Ambiental.

Leia mais

AHE FOZ DO RIO CLARO GERÊNCIA E GESTÃO

AHE FOZ DO RIO CLARO GERÊNCIA E GESTÃO AHE FOZ DO RIO CLARO GERÊNCIA E GESTÃO RELATÓRIO SEMESTRAL Fevereiro a Julho/2008 Sumário Sumário... 2 RELATÓRIO DE GERÊNCIA E GESTÃO... 5 1. APRESENTAÇÃO... 5 2. ATENDIMENTO DOS PLANOS BÁSICOS AMBIENTAIS...

Leia mais

1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG. 00 14/08/09 Emissão final MaAG FAR

1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG. 00 14/08/09 Emissão final MaAG FAR 1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG 00 14/08/09 Emissão final MaAG FAR OBdS / FAR REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. EMPREENDIMENTO: ÁREA: TÍTULO: USINA HIDRELÉTRICA

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.1 Programa de Gestão Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4. Detalhamento dos Planos e Programas 4.1

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Modelo Institucional para a Gestão das Águas do São Francisco Projeto de do Rio São

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 1. INTRODUÇÃO O presente termo de referência visa subsidiar a análise dos impactos ambientais

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT Análise do desenvolvimento do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais e contribuições para a elaboração de Termos de Referência Fernanda Amaral Dantas Sobral Geóloga

Leia mais

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO MODELO DE LAUDO LAUDO TÉCNICO I - PREÂMBULO Aos onze dias do mês de maio do ano de dois mil e seis, em atendimento a solicitação do Comandante da Polícia Militar, deslocamos até o município de Matinho

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA JIRAU

USINA HIDRELÉTRICA JIRAU USINA HIDRELÉTRICA JIRAU Relatório Mensal de Atividades Viabilidade da aplicação de técnicas de radiotelemetria no monitoramento de peixes migradores no rio Madeira EMPRESA: NEOTROPICAL CONSULTORIA AMBIENTAL

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais