LPI nível 1: Aula 1. Tópico 101: Hardware e Arquitetura TUTORIAL. Vamos começar uma preparação para a certificação LPI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LPI nível 1: Aula 1. Tópico 101: Hardware e Arquitetura TUTORIAL. Vamos começar uma preparação para a certificação LPI"

Transcrição

1 Vamos começar uma preparação para a certificação LPI LPI nível 1: Aula 1 Começando a série de estudos para a certificação LPI nível 1, veremos os tópicos 101 e 102. Os tópicos e objetivos estão organizados conforme o determinado pelo próprio Linux Professional Institute. por Luciano Siqueira TUTORIAL Tópico 101: Hardware e Arquitetura Objetivo : Configuração de Atributos Fundamentais de BIOS Recursos de hardware O hardware básico do sistema é configurado através do utilitário de configuração de BIOS. Através desse utilitário, é possível liberar e bloquear periféricos integrados, ativar proteção básica contra erros e configurar endereços I/O, IRQ e DMA. IRQ: Requisição de Interrupção do dispositivo para a CPU, que interrompe a atividade em andamento e processa a instrução enviada pelo dispositivo. I/O: Endereço específico no mapa de memória do sistema. A CPU irá se comunicar com o dispositivo lendo e escrevendo nesse endereço. DMA: Canal que permite a certos dispositivos acesso direto à memória sem intermédio da CPU. É comum que algumas máquinas sejam acessadas apenas remotamente e não tenham um teclado conectado. Em caso de algum problema que cause o desligamento da máquina, é importante que ela reinicie e volte a operar normalmente. Alguns BIOS procuram um teclado e interrompem a inicialização caso não o encontrem. Nesse caso, é imprescindível que o BIOS esteja configurado para não procurar teclados durante a inicialização. O kernel Linux armazena informações sobre recursos de dispositivos no diretório /proc, nos arquivos: /proc/dma /proc/interrupts /proc/ioports /proc/pci Comandos para inspecionar dispositivos lspci: lista informações de chipset dos componentes PCI. Com a opção -v, lista I/O e IRQ dos dispositivos. dmesg: mostra as mensagens do kernel, da identificação do hardware em diante. Essa informação está disponível em /var/log/dmesg e /var/log/messages. Objetivo : Configuração de Modems e Placas de som Modems Para utilizar um modem externo, tudo o que precisa ser considerado é a porta serial à qual ele está conectado. Se tratar-se de um modem PCI interno, precisamos conhecer a porta I/O e a interrupção utilizadas pelo mesmo. Isso pode ser obtido com o comando lspci -v. Para configurar a porta serial do modem interno, usa-se o comando setserial. Para checar se uma porta serial está em uso, usa-se setserial -g caminho_do_dispositivo. # setserial -g /dev/ttys[0123] /dev/ttys0, UART: 16550A, Port: 0x03f8, IRQ: 4 /dev/ttys1, UART: unknown, Port: 0x02f8, IRQ: 3 /dev/ttys2, UART: unknown, Port: 0x03e8, IRQ: 4 /dev/ttys3, UART: unknown, Port: 0x02e8, IRQ: 3 No caso do exemplo, apenas a primeira porta serial (/dev/ttys0) está em Dave Sackville - Linux Magazine #26 Dezembro de

2 TUTORIAL Preparação LPI uso. Às demais podem ser atribuídos os valores de recursos do modem obtidos através do comando lspci -v. Se os valores relativos ao modem forem I/O 0xdc80 e IRQ 9, pode-se atribuir os mesmos à porta /dev/ttys3, que está livre, com o comando setserial /dev/ttys3 port 0xdc80 irq 9 autoconfig. A maioria dos programas procura o modem no caminho /dev/ modem. Portanto, é necessário criar um link simbólico com o comando ln -s /dev/ttys3 /dev/modem. O comando setserial também é usado para controlar a velocidade da porta serial. O comando setserial /dev/ ttys3 spd_vhi configura a velocidade para 115 Kbps. Argumentos de velocidade para setserial: spd_hi: 56 kb quando solicitado for spd_vhi: 115 kb quando solicitado for spd_shi: 230 kb quando solicitado for spd_warp: 460 kb quando solicitado for spd_cust: Usar um divisor diferente quando solicitado for. A velocidade será o valor do argumento baud_base dividido pelo valor do argumento divisor. spd_normal: kb quando solicitado for A configuração do modem para fazer ligações dial-up pode ser feita através dos programas wvdial ou minicom. O script wvdialconf busca um modem nas portas seriais e USB, e gera o arquivo /etc/wvdial.conf. Editando esse arquivo com as informações do provedor de Internet, a ligação é feita com o comando wvdial nome_do_provedor. No minicom, os processos de configuração, discagem e autenticação são feitos manualmente na janela do terminal do programa. Para configurar o modem, o minicom deve ser iniciado no modo de configuração com o comando minicom -s. Diferente do wvdial, o minicom não executa o daemon pppd automaticamente, cabendo ao usuário executá-lo para criar a interface de rede e conferir a ela um número IP. Se não foi possível a comunicação com o modem através desses procedimentos, mesmo com o dispositivo devidamente conectado à máquina, provavelmente trata-se de um winmodem. Winmodems são dispositivos dependentes de software adicional, muitas vezes desenvolvido exclusivamente para plataforma Windows. Dessa forma, se esse software específico não estiver disponível também para GNU/Linux, o modem não funcionará. Dispositivos de som Há dois tipos principais de suporte a placas de som no GNU/Linux: OSS (Open Sound System) e ALSA (Advanced Linux Sound Architeture). O seguinte comando identifica qual o seu dispositivo de som: # lspci grep -i audio 00:11.5 Multimedia audio controller: VIA Technologies, Inc. VT8233/A/8235/8237 AC97 Audio Controller (rev 60) Identificado o dispositivo, é possível carregar o módulo correspondente, seja ele OSS ou ALSA. A entrada em /etc/modules.conf referente ao primeiro dispositivo de áudio encontrado é sound-slot-0. Para carregar automaticamente a placa através do /etc/modules.conf, adicione neste arquivo a linha alias sound-slot-0 nome_do_módulo. Objetivo : Configuração de Dispositivos não IDE Dispositivos SCSI Há basicamente dois tipos de dispositivos SCSI: 8 bit (8 dispositivos incluindo o controlador) e 16 bit (16 dispositivos incluindo o controlador). Dispositivos SCSI são identificados através de um conjunto de três números, chamado SCSI_ID: O Canal SCSI: cada adaptador SCSI suporta um canal de dados no qual são anexados os dispositivos SCSI. São numerados a partir de zero. O ID do dispositivo: a cada dispositivo é atribuído um número ID único alterável através de jumpers. A faixa de IDs vai de 0 a 7 em controladores de 8 bits, e de 0 a 15 em controladores de 16 bits. O ID do controlador costuma ser 7. O número lógico da unidade (LUN): é usado para determinar diferentes dispositivos dentro de um mesmo alvo SCSI. Pode indicar uma partição em um disco ou um dispositivo de fita específico em um dispositivo multi-fita. Hoje não é muito utilizado, pois adaptadores SCSI estão mais baratos e podem comportar mais alvos por barramento. Todos os dispositivos SCSI encontrados são listados em /proc/scsi/scsi. O comando scsi_info usa as informações desse arquivo para mostrar o SCSI_ID e o modelo do dispositivo solicitado. Por padrão, o dispositivo SCSI de inicialização é o de ID 0, o que pode ser alterado no BIOS SCSI. Se existirem tanto dispositivos SCSI quanto IDE, a ordem da inicialização precisa ser especificada no BIOS da máquina. Recursos padrão utilizados por dispositivos comuns: Dispositivo Porta I/O IRQ /dev/ttys0 (porta serial 0) 0x03f8 4 /dev/ttys1 (porta serial 1) 0x02f8 3 /dev/ttys2 (porta serial 2) 0x03e8 4 /dev/ttys3 (porta serial 3) 0x02e8 3 /dev/lp0 (porta paralela 0) 0x378 7 /dev/lp1 (porta paralela 1) 0x278 5 Placa de Som 0x220 N/A 56

3 Objetivo : Configuração de Placas de Expansão diversas A configuração de placas de expansão diversas engloba os aspectos abordados nos objetivos anteriores, além de um conhecimento mais sólido sobre coldplug, hotplug e inspeção de hardware. Em linhas gerais, coldplug significa a necessidade de desligar a máquina para conectar um dispositivo. Exemplos de dispositivos coldplug são placas PCI, ISA e dispositivos IDE. Na maioria dos computadores, CPU e pentes de memória são coldplug. Porém, alguns servidores de alta performance suportam hotplug para esses componentes. Hotplug é o sistema que permite conectar novos dispositivos à máquina em funcionamento e usá-los imediatamente, como no caso de dispositivos USB. O sistema Hotplug foi incorporado ao núcleo do modelo de driver do kernel 2.6; assim, qualquer barramento ou classe pode disparar eventos hotplug quando um dispositivo é conectado ou desconectado. Assim que um dispositivo é conectado ou desconectado, o hotplug dispara um evento correspondente, geralmente trabalhando junto do subsistema Udev, que atualiza os arquivos de dispositivos em /dev. Mesmo alguns dispositivos coldplug são configurados pelo sistema hotplug. Na hora da inicialização, o script /etc/init.d/hotplug (ou / etc/rc.d/rc.hotplug no Slackware) dispara os agentes em /etc/hotplug/ para configurar aqueles dispositivos que já estavam presentes antes de a máquina ser ligada. Objetivo : Configuração de Dispositivos de Comunicação ISDN e DSL Há várias maneiras de se usar ISDN no GNU/Linux. A mais simples é empregar um dispositivo ISDN externo que disca, autentica e abre a sessão sozinho, disponibilizando a conexão pela interface ethernet. Se o computador estiver ligado diretamente à conexão ISDN, é necessário um dispositivo chamado Terminal Adapter (TA). Em TAs conectados à porta serial e em alguns dispositivos USB, aparecerá uma interface de comandos AT exatamente como se o TA fosse um modem. É simples, no entanto pouco prático. Uma maneira mais eficiente de usar uma linha ISDN é usar um adaptador (PCI, ISA, PCCARD) conectado diretamente ao barramento da máquina. O utilitário isdn4linux incorpora soluções para muitos dos percalços da configuração de uma conexão ISDN e a estabelece como se fosse uma conexão feita por uma interface de rede convencional. Também para conexões DSL, o mais simples é que um dispositivo externo estabeleça a conexão e aja como um roteador para a máquina. Se você possui um modem DSL e seu provedor usa PPPoE (Point to Point Protocol over Ethernet) você precisará de um cliente PPPoE. Nesse caso, o pacote necessário para a conexão DSL chama-se pppoe ou rp-pppoe. Objetivo : Configuração de Dispositivos USB Dispositivos para interface USB (Universal Serial Bus) são divididos em classes: Display Devices Communication Devices Audio Devices Mass Storage Devices Human Interface Devices (HID) A porta USB é operada por um controlador (Host Controller): OHCI (Compaq) UHCI (Intel) EHCI (USB v2.0) Uma vez conectados, os dispositivos USB podem ser inspecionados com o comando lsusb. As informações detalhadas sobre os dispositivos USB conectados são armazenadas no arquivo /proc/bus/usb/devices. O controle dos dispositivos USB é feito pelo hotplug. Veja as etapas executadas quando uma câmera USB é conectada ao computador: Os módulos USB do kernel identificam o evento USB e a ID vendor: product; Esses dados são passados para /sbin/ hotplug (ou outro, se o indicado em /proc/sys/kernel/hotplug não for o padrão); O agente USB respectivo (/etc/hotplug/usb.agent) associa o dispositivo ao produto correspondente. A relação entre dispositivo e módulo consta no arquivo /etc/hotplug/ usb.distmap. O mapa USB adequado precisa estar disponível para iniciar corretamente o dispositivo. Linux Magazine #26 Dezembro de 2006

4 TUTORIAL Preparação LPI Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes Objetivo : Criação de Esquemas de Partições de Disco A raiz da árvore de diretórios é representada por uma barra (/). É necessariamente o primeiro diretório a ter seu dispositivo anexado. Depois de montada a raiz, os diretórios contidos nesse dispositivo poderão ser pontos de montagem para outros dispositivos. Processo de montagem: O carregador de inicialização carrega o kernel e transmite as informações sobre a localização do dispositivo raiz; Os demais dispositivos são montados conforme as instruções encontradas em /etc/fstab. Duas partições são o mínimo exigido em sistemas GNU/Linux; uma será a raiz, enquanto a outra será a partição de swap. Pode ser necessária uma terceira partição pequena, no início do disco, apenas para armazenar o kernel e o carregador de inicialização secundário. Fora essas, não há regras inflexíveis quanto à criação de partições, devendo ser avaliado o melhor esquema para a função que o sistema desempenhará. A partição raiz deve ser do tipo Linux Native, cujo código hexadecimal é 83 (representado por 0x83). Tudo no sistema poderá ficar alojado diretamente no dispositivo raiz. Em certos casos, é interessante criar uma partição distinta para certos diretórios, principalmente em servidores que sejam muito exigidos. Sugestões de diretórios que podem se alojar em outros dispositivos/partições: /var: esse diretório contém as filas de e impressão, que são muito manipuladas. Ele abriga também os arquivos de registro, cujo conteúdo está em constante alteração e crescimento. /usr: programas, códigos-fonte e documentação. O ciclo de alteração desses arquivos é longo. /tmp: espaço temporário utilizado por programas. Uma partição distinta para /tmp impedirá que dados temporários ocupem todo o espaço no diretório raiz, causando travamento do sistema. Não necessita de backup. /home: contém os diretórios pessoais dos usuários. Uma partição distinta ajuda a limitar o espaço disponível para usuários comuns. /boot: ponto de montagem para a partição do kernel e do carregador de inicialização. A separação desse diretório em relação ao resto do sistema é necessária apenas nos casos em que o sistema exija que o kernel esteja antes do cilindro 1024 do disco rígido. A partição swap Uma partição swap é identificada pelo código 82 (0x82), atribuído quando da sua criação. Geralmente, a partição swap é do mesmo tamanho que a quantidade de memória RAM presente no sistema. É possível haver mais de uma partição de swap. É preferível criar partições de swap nos dispositivos mais velozes; se possível, em dispositivos distintos daqueles cujos dados sejam freqüentemente acessados pelo sistema. Também é possível criar grandes arquivos como área de swap, o que é geralmente feito em situações emergenciais, quando o sistema ameaça ficar sem memória disponível. Objetivo : O Gerenciador de Inicialização A MBR (Master Boot Record, ou Registro Mestre de Inicialização) ocupa o primeiro setor do disco (512 bytes). Esse primeiro setor contém a tabela de partições e o carregador de inicialização. Terminados os procedimentos do BIOS, o carregador de inicialização é disparado, por sua vez procurando na tabela de partições uma partição ativa, e carrega o primeiro setor dessa partição. Lilo O Lilo (Linux Loader) é dividido em três componentes: lilo: o carregador propriamente dito. É instalado na MBR e chama o segundo estágio do carregador de inicialização, geralmente localizado em /boot/boot.b. /etc/lilo.conf: arquivo de configuração do lilo. /sbin/lilo: o utilitário que lê as configurações em /etc/lilo.conf e instala o carregador de inicialização. Deve ser executado toda vez que uma alteração for feita ao arquivo de configuração.principais opções do arquivo /etc/lilo.conf: boot: onde o lilo deve ser instalado. Geralmente na MBR de /dev/hda. prompt: oferece ao usuário a escolha do SO a iniciar. image ou other: arquivo do kernel ou dispositivo a ser carregado (usar other para outros sistemas). label: rótulo para a imagem de kernel. root: localização do dispositivo contendo o sistema de arquivos raiz. read-only: monta a raiz em modo somente leitura, para que o fsck aja apropriadamente. append: parâmetros adicionais a serem passados para o kernel. message: especifica um arquivo contendo uma mensagem a ser mostrada no painel de inicialização do lilo. delay: tempo de espera para que o usuário invoque o prompt, caso este não seja invocado automaticamente. vga: valor numérico especificando as preferências visuais do terminal. Exemplo de /etc/lilo.conf: boot = /dev/hda message = /boot/boot_message.txt delay = 4 timeout = 110 vga = 788 image = /boot/vmlinuz root = /dev/hda3 label = Linux read-only GRUB O GRUB (Grand Unified Bootloader) é uma alternativa ao Lilo. Também é instalado na MBR, através dos comandos /sbin/grub ou /sbin/ grub-install, que obtém as instruções a partir do arquivo /boot/ grub/menu.lst. Principais opções globais de /boot/ grub/menu.lst: default: imagem padrão a ser usada para a inicialização (começando por 0). timeout: tempo de espera para iniciar o boot, em segundos. Opções individuais para cada sistema: title: nome para o item. root: localização do carregador de segundo estágio e do kernel (hd0,0 equivale a /dev/hda). kernel: caminho para o kernel (relativo à opção root). ro: montar inicialmente em modo somente leitura. initrd: caminho para a imagem initrd. 58

5 Preparação LPI TUTORIAL Diferentemente do Lilo, o comando grub-install não precisa ser executado toda vez que forem feitas alterações ao arquivo /boot/grub/menu.lst. Uma vez instalado, o carregador de inicialização do GRUB lê o arquivo /boot/grub/menu.lst diretamente. Dispositivos de inicialização alternativos Um disquete de inicialização será importante caso a MBR do disco tenha sido alterada e o sistema esteja inacessível. Mesmo com a maioria dos kernels atuais não mais cabendo num disquete, ainda é possível criar um disquete de inicialização com o Lilo ou com outras ferramentas, como o Syslinux. A maioria das distribuições GNU/ Linux fornece CDs ou DVDs de inicialização para instalação do sistema. Essas mídias podem ser usadas para acessar e inicializar um sistema já instalado e que possa estar inacessível por alguma eventual falha do carregador de inicialização. Para fazer um backup da MBR, basta copiar os primeiros 512 KB do disco, o que pode ser feito com o comando dd: # dd if=/dev/hda of=mbr.backup bs=1k count=512 Esse backup pode ser guardado e depois restaurado para a MBR: # dd if=mbr.backup of=/dev/hda Objetivo : Compilar e Instalar Programas a partir do código-fonte Compressão e descompressão de arquivos A maioria dos programas distribuídos como código-fonte apresentam-se na forma de arquivos tar comprimidos. Arquivos tar são vários arquivos aglutinados em um só, o que facilita sua distribuição. Os comandos zcat e bzcat descomprimem para a saída padrão, ou seja, jogam o conteúdo descomprimido na tela do terminal. Tipos de compactação Essas ferramentas de compressão são incapazes de aglutinar arquivos, por isso são utilizadas em conjunto com o comando tar. Para facilitar esse procedimento, tanto a compressão quanto a descompressão podem ser efetuadas diretamente pelo comando tar, através dos argumentos: Z: Compress z: gzip j: bzip2 Para arquivar o conteúdo de um diretório com compressão bzip2, o seguinte comando pode ser utilizado: $ tar cjf nome_do_arquivo.tar.bz2./ nome_do_diretório/ Compilar e instalar programas O primeiro passo para instalar um programa distribuído como código-fonte no formato tar é extraí-lo: $ tar xjvf sylpheed tar.bz2 Esse comando criará o diretório./ sylpheed-2.0.4/, contendo o código-fonte do programa e as ferramentas de configuração. A configuração é feita dentro desse diretório, por um script chamado configure. O script coleta informações sobre a arquitetura do sistema, caminhos de comandos, bibliotecas compartilhadas, características de funcionamento do programa etc. Em geral, o configure pode ser invocado sem argumentos, simplesmente executando-se./configure. Uma opção bastante utilizada é --prefix, que informa qual diretório o programa deverá usar como base para a instalação. Por exemplo: $./configure --prefix=/opt Esse comando informa que o programa deve ser instalado em /opt. A lista descritiva completa das opções pode ser vista executando-se o comando./configure --help. As informações coletadas pelo script configure são armazenadas em um arquivo no mesmo diretório, chamado Makefile. Esse arquivo pode ser editado para se alterar as opções de instalação, como a variável prefix, que desempenha a mesma função do argumento --prefix do script configure, e outras variáveis que indicam a localização de bibliotecas, comandos, características do programa etc. Terminada a configuração, o programa pode ser compilado através do comando make. Esse comando cria as bibliotecas e arquivos executáveis conforme as instruções e opções especificadas em Makefile. Após o término da compilação, o programa estará pronto para ser instalado através do comando make install. Se o diretório-base da instalação não estiver no diretório pessoal do usuário, esse comando deverá ser executado com privilégios de superusuário (root). Objetivo : Bibliotecas Compartilhadas Funções comuns e compartilhadas por diferentes programas são armazenadas em bibliotecas. Durante a compilação de um programa, essas bibliotecas específicas são ligadas ao programa que as usará. A ligação pode ser estática ou dinâmica, ou seja, as funções de uma biblioteca poderão estar embutidas no programa compilado ou apenas mapeadas para a biblioteca externa. Programas estáticos não dependem de arquivos externos, porém são maiores que programas dinâmicos. O programa incumbido de carregar a biblioteca e ligá-la ao programa que dela depende é o ld.so. Para que o ld.so possa localizar a biblioteca da qual um programa depende, esta deverá estar mapeada em /etc/ld.so.cache. As localidades padrão de bibliotecas de sistema são /lib e /usr/lib. Diretórios contendo bibliotecas adicionais devem ser incluídos no arquivo /etc/ld.so.conf. A execução do comando ldconfig é fundamental para que as alterações em /etc/ld.so.conf atualizem o /etc/ld.so. cache e repercutam no funcionamento do ld.so. Outra maneira de deixar uma localidade de biblioteca ao alcance do ld.so Compressão Descompressão Descompressão cat Extensão compress uncompress zcat.z gzip gunzip zcat.gz bzip2 bunzip2 bzcat.bz2 Linux Magazine #26 Dezembro de

6 TUTORIAL Preparação LPI é adicionar seu respectivo caminho à variável de ambiente LD_LIBRARY_PATH, com o comando export LD_LIBRARY_ PATH=caminho_da_biblioteca. Esse método, porém, garante apenas o acesso temporário do ld.so ao diretório em questão. Não funcionará fora do escopo da variável de ambiente e quando a variável deixar de existir, mas é um método útil para usuários sem permissão atualizarem o /etc/ld.so.cache ou para a execução pontual de programas. Objetivo : Administração de Pacotes Debian (.deb) As principais ferramentas de administração de pacotes.deb são: dselect: ferramenta de gerenciamento de pacotes orientada a menus. dpkg: comando para instalação de pacotes individuais. apt-get: busca um pacote em repositórios e o instala. O dselect é, na realidade, apenas uma interface de operação para o dpkg e o aptget. Sua operação depende, portanto, dos outros dois comandos. O grande trunfo de se utilizar um sistema de pacotes como esse é a possibilidade de se resolver dependências, ou seja, se o pacote a ser instalado necessitar de outros programas ou bibliotecas ausentes no sistema, as mesmas poderão ser automaticamente baixadas e instaladas. Para usufruir da resolução automática de dependências, é necessário discriminar corretamente a origem dos pacotes, origem essa que deve ser apropriada para a sua distribuição. Essas origens são determinadas pelo arquivo /etc/apt/sources.list. Cada linha do arquivo /etc/apt/sources.list determina um repositório. Por exemplo, a linha deb ubuntu.com/ubuntu/ edgy universe especifica o repositório deb da distribuição Ubuntu, em um servidor no Brasil. As duas últimas palavras, edgy e universe especificam, respectivamente, a versão da distribuição e a seção de pacotes dentro do repositório. Cada distribuição possui repositórios próprios, oficiais e não oficiais. Depois de alterar o arquivo /etc/apt/sources. list, é necessário executar o comando apt-get update para que os índices de pacotes e dependências disponibilizados por cada repositório sejam baixados e atualizados localmente. Administrando pacotes Para procurar programas, pode ser utilizado o comando apt-cache search nome_do_programa. Se nenhum resultado aparecer, é possível que os índices não tenham sido atualizados com apt-get update, ou que o programa procurado não exista nos repositórios indicados em /etc/apt/sources.list. A instalação pode ser feita com aptget install nome_do_programa. Caso haja dependências pendentes, o administrador será consultado em relação à instalação desses programas. Além da cópia de arquivos, muitas vezes a instalação de um pacote também apresentará um assistente de configuração do mesmo. Caso seja necessário reconfigurar o pacote, deve ser invocado o comando dpkg-reconfigure nome_do_pacote. A remoção de programas é feita pelo próprio apt-get. O comando apt-get remove nome_do_pacote desinstala o pacote. Para remover o pacote e também os arquivos de configuração relacionados, é utilizado o comando apt-get remove --purge nome_do_pacote. Além desses comandos básicos, outros podem ser úteis na administração de pacotes: dpkg -S nome_do_arquivo: procura qual pacote instalou o arquivo especificado. dpkg -L nome_do_pacote: lista os arquivos instalados pelo pacote especificado. apt-cache show nome_do_pacote: mostra a descrição e os detalhes do pacote especificado. Além das opções de linha de comando, o comportamento dos comandos pode ser personalizado através dos arquivos /etc/dpkg/dpkg.cfg e /etc/apt/apt.conf. Informações sobre o estado e andamento da instalação de pacotes podem ser encontradas em /var/lib/dpkg/. Quase todas as funções do apt-get podem ser desempenhadas pelo dpkg. É importante consultar as páginas de manual de ambos para conhecer pelo menos as opções básicas de instalação, remoção e inspeção de pacotes. Mesmo que não haja pacotes adequados para a distribuição utilizada, existe a possibilidade de se converter o pacote para o formato desejado, com o programa alien. Apesar de essa não ser a melhor opção, ela pode servir como solução provisória até que o programa desejado esteja disponível no formato nativo da distribuição. Objetivo : Administração de Pacotes Red Hat (.rpm) O principal comando de administração de pacotes rpm é o rpm. Algumas abreviações de opções são parecidas, porém realizam diferentes ações, dependendo de sua posição na linha de comando. A distinção é feita a partir da primeira opção da esquerda para a direita. O primeiro argumento passado ao comando rpm é chamado argumento modo maior. As demais são as opções de modo menor. Um pacote.rpm pode ser instalado simplesmente invocando-se o comando rpm -ivh nome_do_pacote.rpm. Opções de modo maior para o rpm: -i ou --install: instala o pacote. -U ou --update: atualiza ou instala o pacote. -F ou --freshen: atualiza o pacote apenas se o mesmo estiver instalado. -V ou --verify: verifica o tamanho, MDB, permissões, tipo, integridade etc. Arquivos e diretórios pertinentes ao rpm Caminho /etc/rpmrc /usr/lib/rpm/* /var/lib/rpm/ Descrição É o arquivo de configuração do rpm e do rpmbuild. Contém informações sobre a arquitetura do sistema e os caminhos para macros e diretórios utilizados no manejo de pacotes. Este arquivo é também encontrado em /usr/lib/rpm/. Diretório contendo as macros necessárias para o manejo de pacotes. Diretório onde se situam as bases de dados do rpm. 60

7 Preparação LPI TUTORIAL -q ou --query: investiga pacotes e arquivos. -e ou --erase: desinstala o pacote. Opções de modo menor para o rpm: a: aplica uma variável em todos os pacotes instalados. c: com q, lista arquivos de configuração. d: com q, lista arquivos de documentação. f: com q, verifica qual pacote instalou o arquivo referido. h: mostra o progresso da instalação. i: com q, lista informações sobre um determinado pacote. l: com q, lista todos os arquivos e diretórios do pacote. p: com q, indica que a investigação é realizada no arquivo.rpm. v: modo descritivo. Outras opções: --nodeps: instala o pacote sem checar as dependências. --force: força a instalação/atualização. --test: mostra como seria a instalação, mas não instala. --requires: com q, mostra as exigências para o pacote especificado. --whatrequires: com q, mostra quais programas dependem do pacote. Assinaturas de pacotes É possível verificar a assinatura de cada pacote distribuído como parte de um projeto. Se a distribuição for Fedora Core, por exemplo, as chaves são incorporadas ao banco de dados do rpm com o comando rpm --import /usr/share/rhn/rpm- GPG-KEY-FEDORA. Dessa forma, todo pacote copiado do servidor Fedora pode ser verificado com rpm --checksig nome_do_pacote. A integridade do pacote pode ser verificada usando a opção -V. A opção -Va checa todos os pacotes. A análise é feita tendo como referência os arquivos originais do pacote. Significado dos caracteres retornados pela verificação:.: teste bem sucedido.?: o teste não pôde ser realizado. S: o tamanho do arquivo mudou. M: a permissão ou o tipo do arquivo mudou. 5: a soma MD5 do arquivo é diferente. D: o dispositivo foi modificado. L: o link simbólico foi modificado. U: o dono do arquivo mudou. G: o grupo do arquivo mudou. T: a data do arquivo mudou. Considerações finais O mais importante no primeiro tópico é conhecer os conceitos mostrados em cada objetivo, como identificação e configuração básica de cada dispositivo. A prova contará com pelo menos quatro ou cinco perguntas sobre o tópico. Prepare-se para perguntas sobre endereços de porta I/O padrão e LUNs SCSI, por exemplo. Saber como funciona a arquitetura USB dentro do Linux também é muito importante. Para o segundo tópico, além de conhecer nomes e arquivos de configuração, serão perguntados detalhes sobre cada um dos itens abordados. Serão feitas várias perguntas sobre os tipos de particionamento e sobre a instalação e remoção de programas. Pratique muito as diferentes maneiras de instalar e desinstalar programas, tanto a partir do código-fonte quanto por pacotes RPM e DEB. No próximo mês veremos os tópicos 103 e 104. Até lá, pesquise as páginas manual dos programas relacionados e leia os HOWTOs encontrados na Internet sobre o que vimos neste número. Mais Informações [1] Detalhes prova 101: the_lpic_program/exam_101_detailed_objectives

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS Tópicos e Objetivos - 1.101 Hardware e Arquitetura - - 1.103 Comandos GNU e Unix - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS - 1.1.10 Sistema Xwindow 65 Questões em 90 minutos = 1m24s por

Leia mais

102 Instalação e gerenciamento de pacotes

102 Instalação e gerenciamento de pacotes 102.1 Layout do Disco Partição de SWAP LPI: 2 x RAM Realidade: Nem sempre Partições que podem ser separadas do / /TMP: Qualquer usuário pode escrever e usar isso para DoS lotando o sistema de arquivos

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Preparatório LPIC-1 Tópico 101

Preparatório LPIC-1 Tópico 101 Preparatório LPIC-1 Tópico 101 Professor M.Sc. Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br 1 Tópico 101 Arquitetura do Sistema Determinar e configurar definições do hardware Sistema de boot Modificar o nível

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Gnu Free Documentation License

Gnu Free Documentation License Guia de Estudo LPIC 101 por Luciano Antonio Siqueira Lançado sob os termos da Gnu Free Documentation License Índice Introdução...5 Porque este documento foi escrito?...5 À Quem se Destina...5 Versão Atualizada

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes?

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores Módulo LPI Aula 5 Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? 1 [1] NEVES, Júlio César Gerenciamento de Pacotes Por que

Leia mais

Questões Tópico 102. sexta-feira, 21 de junho de 13

Questões Tópico 102. sexta-feira, 21 de junho de 13 Qual comando pode ser usado para listar as partições do dispositivo /dev/sda? a) cat /dev/sda b) ls -l /dev/sda c) fdisk -p /dev/sda d) fdisk -l /dev/sda 1 Qual comando pode ser usado para listar as partições

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Curso de Introdução ao. Debian GNU/Linux

Curso de Introdução ao. Debian GNU/Linux Curso de Introdução ao Debian GNU/Linux Apresentação Marcos Azevedo Idade: 23 anos Administrador da Rede Senac Goiás Usuário Linux desde 1993 Desenvolvedor: Java, C/C++/C#, Assembly,.NET e Perl. Hobby

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

PROVA DE PRÉ-REQUISITO

PROVA DE PRÉ-REQUISITO PROVA DE PRÉ-REQUISITO 1 O usuário neo, deseja se conectar na máquina remota 10.0.0.1 via ssh. Qual a sintaxe correta? a) ssh -L neo 10.0.0.1 b) ssh -u neo 10.0.0.1 c) ssh neo@10.0.0.1 d) ssh neo@10.0.0.1:

Leia mais

Curso de Linux Básico

Curso de Linux Básico Curso de Linux Básico Oficina TecnoJovem Outubro/2013 Instalação de Programas Introdução Pacotes Gerenciamento de Pacotes Exemplos Material baseado na Documentação Ubuntu, disponível na Internet (WIKI)

Leia mais

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1 Visão geral sobre o processo de instalação e manutenção de instalações de software. Notas de aula. (aka lecture notes on Package Management Systems and software installation :)) Prof. Rossano Pablo Pinto

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 SENAC TI Fernando Costa YUM, APT-GET, DPKG, RPM Comando: cpio Para criar um backup, pode-se usar o comando cpio. O cpio recebe uma lista de arquivos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Preparatório LPIC-1 Tópico 102

Preparatório LPIC-1 Tópico 102 Preparatório LPIC-1 Tópico 102 Professor Leandro Trindade leandro.a.trindade@gmail.com Tópico 102 Visão Geral Instalação do Linux e gerenciamento de pacotes Definir layout do disco rígido Instalação de

Leia mais

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002 Liberdade Manual de instalação Liberdade Manual de instalação Versão 1.0.0-31/10/2002 Versão 1.0.0-31/10/2002 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.br

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Capacitação Vix Linux. Marcos Alessandro By: Jacson RC Silva

Capacitação Vix Linux. Marcos Alessandro <marcos@doctum.edu.br> By: Jacson RC Silva <jacsonrcsilva@gmail.com> Capacitação Vix Linux Marcos Alessandro By: Jacson RC Silva GRUB The GRand Unified Bootloader Gestor de Inicialização GRUB O que é Primeiro programa ao

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 8.2 Instalação de aplicativos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 8.2 Instalação de aplicativos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 8.2 Instalação de aplicativos Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 GERENCIAMENTO DE PACOTES DEBIAN... 3 #apt-get... 3 #apt-get update... 3 #apt-get upgrade...

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Todos modems externos seriais são compatíveis com o Linux, pois, a porta serial do sistema é baseada no padrão Legacy.

Todos modems externos seriais são compatíveis com o Linux, pois, a porta serial do sistema é baseada no padrão Legacy. Configurando modems no Linux INTRODUÇÃO O Modem é um equipamento que transforma os sinais elétricos digitais em uma forma sonora transmitidas pela linha telefônica em um processo chamado Modulação. Analogamente,

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Como Instalar Programas no GNU/Linux. Elexsandro Rangel dos Santos elexsandro.rangel@yahoo.com.br

Como Instalar Programas no GNU/Linux. Elexsandro Rangel dos Santos elexsandro.rangel@yahoo.com.br Como Instalar Programas no GNU/Linux Elexsandro Rangel dos Santos elexsandro.rangel@yahoo.com.br Sumário O que é um pacote? Principais formatos de pacotes no GNU/Linux Sistema de Gerenciamento de Pacotes

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Equivalente a inicializar um computador ; Durante o bootstrapping, o kernel é carregado na memória principal e começa

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux

Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux Material desenvolvido por Rafael Fernando Diorio Última revisão em 04/08/2013 www.diorio.com.br rafael@diorio.com.br Tópicos Inicialização do sistema

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais ESTRATÉGIA DE PARTICIONAMENTO Prof. Bruno

Leia mais

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial para particionamento, instalação do Kurumin GNU/Linux 6.0 e configuração de boot loader. Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 2/20 Introdução... 3 Requisitos... 4

Leia mais

Instruções para Instalação dos Utilitários Intel

Instruções para Instalação dos Utilitários Intel Instruções para Instalação dos Utilitários Intel Estas instruções ensinam como instalar os Utilitários Intel a partir do CD nº 1 do Intel System Management Software (liberação somente para os dois CDs

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 Este documento resume as principais diferenças entre a vrs. 4.00 em relação à vrs. 3.01a R.10 do Sistema VirtuOS e se destina aos usuários que dela estão

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

Curso de Introdução ao Debian GNU/Linux

Curso de Introdução ao Debian GNU/Linux Curso de Introdução ao Debian GNU/Linux Definições: O que é Linux? O que é a distribuição? Porque GNU/Linux? A distribuição Debian: Possui um vasto conjunto de ferramentas e aplicativos Mais de 10.000

Leia mais

INSTALANDO O UBUNTU PELA IMAGEM ISO OU LIVE-USB DA UFV PASSO-A-PASSO.

INSTALANDO O UBUNTU PELA IMAGEM ISO OU LIVE-USB DA UFV PASSO-A-PASSO. INSTALANDO O UBUNTU PELA IMAGEM ISO OU LIVE-USB DA UFV PASSO-A-PASSO. 1 - Qual arquitetura devo usar para instalar no meu computador, 32bits ou 64bits? a) Simplificando bastante para ter uma opção viável,

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED

Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED A instalação do Linux Educacional 3.0 segue os mesmos moldes da instalação normal, porém, com algumas considerações. Backup de Configurações Para evitar

Leia mais

Recuperando o GRUB após instalação do Windows

Recuperando o GRUB após instalação do Windows Recuperando o GRUB após instalação do Windows PET Engenharia de Computação - http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Instruções iniciais Para efetuar as configurações a seguir talvez precisaremos executar comandos

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

Gerenciando Pacotes *.deb

Gerenciando Pacotes *.deb Gerenciando Pacotes *.deb Debian são programas colocados dentro de um arquivo identificados pela extensão.deb incluindo arquivos necessários para a instalação do programa, um sistemas de listagem/checagem

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

USB Creator. USBCreator. 1. Requerimentos. Página Imutável Informação Anexos Mais Acções. Ubuntu Brazil Entrar Help

USB Creator. USBCreator. 1. Requerimentos. Página Imutável Informação Anexos Mais Acções. Ubuntu Brazil Entrar Help 1 de 8 04/06/2013 18:02 Página Imutável Informação Anexos Mais Acções Ubuntu Brazil Entrar Help USBCreator USB Creator Hoje, também gravar o Ubuntu ou as várias distribuições Linux num pen drive nunca

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Prova de pré-requisitos: A Arte da Virtualização de Sistemas Operacionais utilizando Xen

Prova de pré-requisitos: A Arte da Virtualização de Sistemas Operacionais utilizando Xen 1 - Qual alternativa é falsa? A O disco master da IDE primária é o /dev/hda. B Dispositivos USB e PCMCIA são suportados pelo Linux mas apenas o USB é "hot swap". C Tanto SCSI quanto IDE são suportados

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Usuário 7. 4 Configurar as opções internas 9

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Usuário 7. 4 Configurar as opções internas 9 Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b da Base de Usuários do KDE em 20/01/2011. Atualizada para a versão 2.0 pela equipe de documentação do KDE Tradução: Marcus Gama Tradução: André

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

mobile PhoneTools Guia do Usuário

mobile PhoneTools Guia do Usuário mobile PhoneTools Guia do Usuário Conteúdo Requisitos...2 Antes da instalação...3 Instalar mobile PhoneTools...4 Instalação e configuração do telefone celular...5 Registro on-line...7 Desinstalar mobile

Leia mais