A CAMADA DE APLICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CAMADA DE APLICAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia Departamento de Informática Redes de Computadores Prof.: Mauro Henrique Mulati

2 Roteiro A World Wide Web 2

3 A World Wide Web Estrutura arquitetônica que permite o acesso a documentos vinculados espalhados por milhões de máquinas na Internet Variedade de assuntos Início em 1989 no CERN, Centro Europeu de Pesquisa Nuclear Meio de distribuição de dados sobre física de alta energia Grupos compostos por membros de vários países Web nasceu da necessidade de fazer com que esses grupos de cientistas de diferentes nacionalidades pudessem colaborar uns com os outros através da troca de relatórios, plantas, desenhos, fotos e outros documentos Teia de documentos: Tim Berners-Lee, março/ : Demonstração pública, navegador modo texto, Texas, Hypertext'91 3

4 A World Wide Web Atraiu atenção de outros pesquisadores, Marc Andreessen, University of Illinois 1994: Andreessen fundou a Netscape Communications Corp. Primeiro navegador gráfico, Mosaic, fevereiro/1993 Clientes, servidores e outros software para Web 96, 97, 98: Guerra do browsers (guerra dos navegadores) Netscape Navigator Microsoft Internet Explorer 98: AOL comprou a Netscape 94: CERN e MIT -> acordo criando Wold Wide Web Consortium (W3C) (www.w3.org) Padronização Centenas de universidades e empresas se juntaram ao consórcio 4

5 Visão geral da arquitetura Usuários tem visão de: vasta coleção mundial de documentos, as páginas Web Cada página pode conter links (vínculos) para outras páginas em qualquer lugar do mundo Idéia de fazer uma página apontar para outra Agora chamada de hipertexto Inventada em 1945, Vannevar Bush Páginas são visualizadas pelo navegador (browser) Mozilla Firefox, Internet Explorer, Opera, Netscape Navigator,... Busca a página solicitada, interpreta seu texto e seus comandos de formatação e exibe a página, formada de modo apropriado na tela 5

6 Visão geral da arquitetura Hiperlinks: strings de texto p/ outros links Destacados Links já visitados são marcados (a) Uma página Web (b) A página à qual se chega com um clique em Department of Animal Psychology 6

7 Visão geral da arquitetura As partes do modelo da Web 7

8 Visão geral da arquitetura :: O lado cliente O navegador segue o hiperlink e busca a página Hiperlink incorporado precisa de um meio p/ nomear qualquer outra página na Web URL (Uniform Resource Locator) Protocolo: http Nome DNS da máquina em que a página está localizada: Nome do arquivo que contém a página: products.html Usuário clica em um hiperlink: navegador executa uma série de etapas em ordem para buscar a página 8

9 Visão geral da arquitetura :: O lado cliente 1. O navegador determina a URL (verificando o que foi selecionado) 2. O navegador pergunta ao DNS qual é o endereço IP de 3. O DNS responde com O navegador estabelece uma conexão TCP com a porta 80 em Em seguida, o navegador envia um comando solicitando o arquivo /home/index.html 6. O servidor envia o arquivo /home/index.html 7. A conexão TCP é encerrada 8. O navegador exibe todo o texto de /home/index.html 9. O navegador busca e exibe todas as imagens que o arquivo contém 9

10 Visão geral da arquitetura :: O lado cliente Linha de status do navegador Para exibir uma página, navegador deve conhecer seu formato -> HTML Navegador: Basicamente: interpretador de HTML Recursos p/ facilitar navegação 10

11 Visão geral da arquitetura :: O lado cliente Páginas contêm Texto comum, hipertexto Ícones, desenhos, mapas, fotografias Cada um pode estar vinculado a outra página Nem todas as páginas contêm HTML PDF, GIF, JPEG, MP3, vídeo MPEG, ou qualquer outro tipo HTML pode se vincular (e chegar) a qualquer um deles Em vez de interpretadores para uma coleção de arquivos Quando um servidor retorna página, retorna informação adicionais Tipo MIME, text/html e outros tipos internos: exibidos diretamente Se tipo MIME não for interno, utiliza visualizados associado Plug-ins: módulo de código, extensão do navegados, acesso pág. Interface do plug-in, interface do navegador 11

12 Visão geral da arquitetura :: O lado cliente Aplicação auxiliar Programa completo executado como um processo separado Não pode oferecer interfaces nem usar serviços do navegador Aplicações auxiliares podem usar tipo MIME application application/pdf, application/msword image/x-photoshop, audio/mp3 Programa se registra Navegador abre arquivos locais (extensão, MIME, inf. Arquivo).exe; shell scripts -> vírus (a) Um plug-in de navegador (b) Uma aplicação auxiliar 12

13 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor Navegador segue URL ou hipertexto Nome DNS a ser pesquisado (entre e a barra seguinte) Com o IP, navegador, conexão TCP porta 80, servidor Envia comando restante URL (nome arquivo) Servidor retorna arquivo Etapas (em essência) 1. Aceitar uma conexão TCP de um cliente (um navegador) 2. Obter o nome do arquivo solicitado 3. Obter o arquivo (do disco) 4. Retornar o arquivo ao cliente 5. Encerrar a conexão TCP Problema: solicitação -> acesso ao disco Não mais solicitações por segundo do que o n.º de acessos a disco 13

14 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor Cache na memória: n mais recentemente usados Multithread: front end e k módulos (todos do mesmo processo) Front end pode ser eliminado: cada módulo tenta adquirir suas próprias solicitações -> necessário protocolo bloqueio,e.conflitos Um servidor Web multithreaded com um front end e módulos de processamento 14

15 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor Um ou mais módulos bloqueados (esperando disco), outros módulos podem estar trabalhando outras solicitações Vários discos: k módulos, k discos Throughput máximo de k vezes maior que 1 thread e 1 disco Único thread e k discos: possível, mas código complicado Servidores Web fazem mais que apenas aceitar nomes de arquivos e retorná-los Etapas: 15

16 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor 1. Resolver o nome da página Web solicitada Nome de arquivo vazio Expandir para nome padrão Navegador -> idioma padrão Servidor -> selecionar página no idioma, se disponível Convenções Verificar identidade do cliente 3. Executar o controle de acesso no cliente 2. Autenticar o cliente Verificar se há restrições sobre atender ou não: identidade e localização 4. Executar o controle de acesso na página Web Verificar restrições de acesso da página.htacess -> poderá restringir acesso ao arquivo a domínios específicos Ex.: Usuários dentro da empresa 16

17 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor 5. Verificar o cache 6. Buscar a página solicitada no disco 7. Determinar o tipo MIME para incluí-los na resposta Lidar com várias leituras de disco ao mesmo tempo Através de extensão, primeiras palavras, arquivo configuração, outras fontes 8. Cuidar de diversas tarefas Como elaboração de um perfil de usuário ou obtenção de estatísticas 9. Retornar a resposta ao cliente 10. Criar uma entrada no log do servidor Mais tarde, logs podem ser pequisados Ex.: Ordem em que pessoas acessam as páginas 17

18 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor Muitas solicitações por segundo -> CPU não será capaz, independente de quantidade de discos em paralelo Adicionar outros nós (computadores) Possivelmente com discos replicados Grupo de servidores (server farm) Front end -> dispersa solicitações por várias CPUs, reduzir carga sobre comp. Cada uma pode ter vários threads e pipelines como antes Problema: não há cache compartilhado -> solicitação e subsequente ->nó Um grupo de servidores (server farm) 18

19 Visão geral da arquitetura :: O lado servidor Outro problema: Conexão TCP termina no front end, resposta tem que passar pelo front end ( Handoff de TCP O ponto final é repassado ao nó Feito de modo transparente para o cliente (a) Seqüência normal de msgs. de solicitação/resposta (b) Seqüência quando é usado o handoff de TCP 19

20 Visão geral da arquitetura :: URL Mecanismo de nomenclatura e localização de páginas 1. Qual é o nome de página? 2. Onde a página está localizada? 3. Como a página pode ser acessada? Solução escolhida identifica as páginas de uma forma que resolve todos os três problemas A cada página é atribuído um URL (Uniform Resource Locator), nome universal de página Protocolo (esquema) Nome DNS da máquina em que a página está Nome que indica a página especifica (normalmente um nome de arquivo na máquina onde ele reside) 20

21 Visão geral da arquitetura :: URL Protocolo: http Nome DNS do host: Nome do arquivo: video/index-en.html Relativo ao diretório Web padrão em cs.vu.nl Atalhos para nomes de arquivos Nulo: home page inicial Diretório: index.html ~user/ poderia ser mapeado no dir. WWW de user e depois no index.html Hipertexto: texto ativado a ser exibido e a URL da página destino 21

22 Visão geral da arquitetura :: URL Texto é selecionado Navegador procura o nome do host usando DNS De posse do IP, navegador estabelece conexão TCP com host Através dessa conexão, ele envia o nome do arquivo usado o protocolo especificado e a página é recebida Alguns URLs comuns 22

23 Visão geral da arquitetura :: URL Antes da Internet: USENET -> newsgroups Protocolo news usado para chamar um artigo de notícias como se fosse uma página Web NNTP (News Network Transfer Protocol) Se baseia no SMTP Gopher: Mais velho que a Web Conceitualmente semelhante à Web, mas só aceita texto, não imagens Obsoleto URLS: Não só navegar na Web FTP, notícias, Gopher, , telnet Integrando todos os acessos à Internet em um só programa 23

24 Visão geral da arquitetura :: Ausência de estados e cookies Basicamente a Web não tem estados Não existe nenhum conceito de sessão de login O navegador envia uma solicitação a um servidor e recebe de volta um arquivo Problemas: Web sites restritos, clientes precisam se registrar E-commerce (comércio eletrônico) Carrinho de compra Portais Web personalizados, Yahoo e Google Configurar página inicial Como saber o usuário? Pelo IP -> não funciona: Usuários em computadores compartilhados, NAT 24

25 Visão geral da arquitetura :: Ausência de estados e cookies Netscape criou uma técnica denominada cookies (RFC 2109) Cliente solicita página Web, servidor fornece informações adicionais Podem incluir um cookie, um pequeno arquivo ou string (com 4 KB no máximo) Navegadores armazenam em um diretório de cookies, a menos que usuário tenha desativado Cookies são arquivos ou strings, não programas executáveis Cookie pode conter até 5 campos Alguns exemplos de cookies 25

26 Visão geral da arquitetura :: Ausência de estados e cookies Domain: de onde veio o cookie, navegadores devem confirmar Cada domínio pode armazenar no máximo 20 cookies por cliente Path: Caminho na estrutura de diretórios do servidor, partes da árvore de arquivos do servidor que podem usar o cookie, / -> árvore toda Content: nome=valor -> Conteúdo do cookie Expires: Quando expira, se ausente -> descartará ao terminar, cookie nãopersistente. Se preenchido, cookie persistente Secure: Navegador só deve retornar o cookie a um servidor seguro E-commerce, transações bancárias, outras aplicações seguras Como cookies são usados? Antes de o navegador enviar uma solicitação de página a algum Web site, ele confere se não há cookie para este domínio. Se sim, todos os cookies gerados por esse domínio são incluídos na msg. de solicitação Ao receber, servidor interpreta como desejar 26

27 Visão geral da arquitetura :: Ausência de estados e cookies toms-casino.com, cookie p/ identificar cliente Quando cliente entrar para apostar novamente, navegador enviará cookie, para servidor saber quem ele é joes-store.com, carrinho de compras Clica sobre produto e servidor monta um cookie contendo o n.º de itens, o código p/ enviar de volta ao cliente No final, cookie é enviado, e servidor sabe o que foi adquirido aportal.com, portal Web Hábitos de apostas Pode ter até 4 KB, p/ preferências do usuário Cookies em beneficio do servidor: Quantos visitantes distintos ele recebeu e quantas páginas cada um percorreu 27

28 Visão geral da arquitetura :: Ausência de estados e cookies Primeira entrada, cookie c/ Counter=1 Cliques subseqüentes farão o cookie ser enviado de volta ao serv. O contador é incrementado e devolvido p/ o cliente Abusos Cookies devem voltar apenas ao site que os enviou Hackers, bugs, capturar cookies Alguns sites de e-commerce colocam nros. cartão crédito no cookie 28

29 Visão geral da arquitetura :: Ausência de estados e cookies Navegadores podem rejeitar cookies Problemas com Web sites legítimos Softwares para eliminar cookies Inspecionam cada cookie que chega, dependendo das opções fornecidas pelos usuários. Ex.: Web sites confiáveis Navegadores modernos têm controles internos sobre cookies Por ex., Mozilla Firefox 29

30 Documentos Web estáticos Base da Web é transferência de páginas do servidor para o cliente Forma mais simples, páginas Web são estáticas Arquivos em servidores esperando o momento de serem recuperados 30

31 Documentos Web estáticos :: HTML Páginas Web são escritas em HTML (HyperText Markup Language) Texto, gráficos, e ponteiros para outras páginas Web Linguagem de marcação, descreve como os documentos serão formatados Navegador só precisa entender os comandos de marcação Qualquer navegador Web deve poder ler e reformatar qualquer página Web Pode ter sido feita: 1600x1200 com 24 bits de cores Exibida: 640x320 com 8 bits Tags (comandos de formatação): <html> e </html> Strings entre tags são chamados diretivas: <b> texto </b> Alguns tags tem parâmetros (com nomes, chamados atributos) <img src= abc alt= foobar > 31

32 Documentos Web estáticos :: HTML Documentos HTML escritos em ISO Latin-1 Teclados que aceitam apenas ASCII, seqüência de escape para caracteres especiais, como é o caso de à Começam com & e terminam com ; produz espaço &grave; produz à Os sinais <, > e & só podem ser expressos por < > e & Cabeçalho -> título Cabeçalhos -> hn <b> e <i> Listas; <ul> não ordenada; <ol> ordenada; <li> itens da lista <br>, <p> e <hr>; delimitação entre seções <img> em linhas 32

33 Documentos Web estáticos :: HTML (b) (a) O código HTML correspondente a um exemplo de página Web (b) A página formatada 33

34 Documentos Web estáticos :: HTML Uma seleção de tags comuns de HTML. Algumas podem ter outros parâmetros 34

35 Documentos Web estáticos :: HTML Hiperlink: <a> (âncora) e </a> <a href= > NASA's home page</a> <a href= ><img src= shuttle.gif alt= NASA ></a> A tag <a> pode usar um parâmetro name para incluir um hiperlink, dessa forma pode-se fazer referência a ele dentro da página 35

36 Documentos Web estáticos :: HTML HTML 4.0 Acessibilidade Linguagem de scripts (permitir conteúdo dinâmico) Folhas de estilo Estilos lógicos <dn> definição <em> ênfase fraca <strong> ênfase forte <var> variáveis de programa São definidos na folha de estilo, referida no início de cada página Mudar <strong> de itálico 14 p/ negrito 18 é fácil (a) Uma tabela HTML (b) Uma possível interpretação dessa tabela 36

37 Documentos Web estáticos :: Formulários HTML 1.0: comunicação em um sentido Usuários podiam acessar páginas, difícil enviar informações sentido inverso Formulários na HTML 2.0 Tag <input> Campos em branco Caixas de seleção Mapas ativos Botão submit <form> e </form> Tipo de caixa de entrada: text Botões de rádio (alternativas) Checkbox <select> e </select> Password Textarea 37

38 Documentos Web estáticos :: Formulários Botão submit Informações do usuário são enviadas de volta a máquina que forneceu o formulário Navegador reúne informações em uma única linha longa e envia (b) 38

39 Documentos Web estáticos :: Formulários & p/ separar campos + p/ representar espaço Uma resposta possível do navegador ao servidor com informações fornecidas pelo usuário 39

40 Documentos Web estáticos :: XML e XSL HTML não fornece estrutura para páginas Web e mistura o conteúdo com a formatação Estruturar páginas Separar o conteúdo da formatação Ex.: programa de pesquisa em busca do melhor preço p/ um CD precisa analisar muitas páginas Web procurando pelo título e preço do item Web em HTML é muito difícil um programa descobrir W3C -> aperfeiçoamento p/ HTML Permitir que páginas Web sejam estruturadas p/ processamento automatizado XML (extensible Markup Language) descreve o conteúdo Web de uma forma estruturada XSL (extensible Style Language) descreve a formatação de modo independente do conteúdo 40

41 Documentos Web estáticos :: XML e XSL Define uma estrutura chamada book_list Título Autor Ano Autor poderia ter sido: <author> <firstlname> Andrew </firstlname> <lastlname> Tanenbaum </lastlname> </author> Subcampos Define uma lista contendo 3 livros Nada diz sobre como exibir na tela Necessário: book_list.xsl, que é uma folha de estilos que informa como exibir a página Uma página Web simples em XML 41

42 Documentos Web estáticos :: XML e XSL Uma folha de estilos em XSL 42

43 Documentos Web estáticos :: XML e XSL Declarações necessárias <html> e <body> <th>, </th> Especificação mais rígida que HTML A declaração: <xsl:for-each select= book_list/book > é análoga a uma instrução for em C Faz o navegador iteragir pelo corpo do loop em <xsl:for-each>, uma iteração para cada loop Cada iteração fornece como saída 5 linhas: <tr>, o título, o autor, ano e </tr> Resultado da interpretação é igual se a folha contivesse a tabela em linha Nesse formato, programas podem analisar o arquivo XML e encontrar com facilidade livros publicados depois de

44 Documentos Web estáticos :: XML e XSL Diferença ideológica Objetivo original da HTML Especificar estrutura do documento, e não sua aparência Porém, muitos projetistas queriam controle absoluto da aparência <font face= helvetica size= 24 color= red > Deborah's Photos</font> Meios p/ controlar posicionamento na tela <h1> Debora's Photo </h1> Não diz o tipo da fonte, a cargo do navegador Não é portável, resolução de tela diferente XML p/ outros fins Como linguagem de comunicação entre programas aplicativos SOAP (Simple Object Access Protocol) Modo de executar RPC entre aplicações de modo independente da linguagem e do sistema Cliente elabora solicitação como msg. XML e envia ao servidor usando HTTP, servidor devolve resposta como msg. XML formatada Aplicações em plataformas diferentes podem se comunicar 44

45 Documentos Web estáticos :: XHTML Novas demandas: Dispositivos sem fio, PDAs Memória limitada em comparação com navegadores com heurísticas para lidar com páginas Web sintaticamente incorretas Após, HTML 4 linguagem exigente XHTML(eXtended HyperText Markup Language) em vez de HTML 5 HTML 4 reformulada em XML Tags como <h1> não têm significado associado, é necessário definição no arquivo XSL 6 diferenças principais e várias secundárias em relação à HTML 4 Páginas XHTML e navegadores devem obedecer estritamente o padrão Todas as tags e atributos em letras minúsculas <HTML> e <img SRC= pic001.jpg > não são válidas em XHTML 45

46 Documentos Web estáticos :: XHTML Tags de fechamento são obrigatórias; <p> e </p> As que não têm fechamento natural: <br>, <hr>, <img> / precedendo > <img src= pic001.jpg /> Atributos devem estar entre aspas: <img src= pic001.jpg height= 500 /> e não <img src= pic001.jpg height=500 /> Tags aninhadas corretamente <center><b> Vacation Pictures </b></center> E não <center><b> Vacation Pictures </center></b> Todo documento deve especificar seu tipo de documento Mais informações: 46

47 Documentos Web dinâmicos No início da Web, o conteúdo era estático (apenas arquivos) Nos últimos anos, conteúdo se tornou cada vez mais dinâmico Gerado por demanda em vez de ser armazenado em disco Geração do conteúdo pode se dar no lado do servidor ou no lado do cliente 47

48 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado servidor Considere o uso de formulários: clica no botão submit É enviado msg. ao servidor, indicando que contém conteúdo de um formulário, juntamente com os campos que o usuário preencheu Não é o nome de um arquivo a ser retornado Preciso que msg. seja entregue a um programa ou script para processamento Em geral, processamento envolve utilização das informações fornecidas p/ pesquisar registro no BD do servidor e gerar uma página HTML personalizada que será enviada de volta ao cliente Ex.: e-commerce Usuário termina de escolher produtos Navegador retornar cookie com carrinho de compras Algum programa ou script no servidor tem de ser invocado p/ gerar página HTML em resposta Pode conter lista de itens no carrinho e último end. entrega conhecido e solicitação p/ confirmar as informações e especificar o método de pagamento 48

49 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado servidor Caminho tradicional CGI (Common Gateway Interface) Interface padronizada p/ permitir que servidores Web se comuniquem com programas e scripts de back end que possam aceitar a entrada (ex., de formulários) e gerar páginas HTML em resposta Back ends podem ser scripts em Perl Reside no diretório cgi-bin, visível no URL Python pode ser usado Etapas no processamento das informações de um formulário HTML 49

50 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado servidor Ex.: p/ registrar-se on-line Link: clique aqui para registrar seu produto Link aponta p/ um script Perl: Sem parâmetros, script envia página HTML c/ form. registro Usuário preenche e clica em submit É enviado de volta a esse script uma msg. que contém os valores preenchidos Script de Perl analisa os parâmetros, cria uma entrada no BD p/ novo cliente e envia de volta uma página HTML fornecendo nro. de registro e telefone da assistência técnica Não é o único modo de lidar com formulários, mas é comum 50

51 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado servidor Outra forma: incorporar pequenos scripts em páginas HTML, executados pelo próprio servidor p/ gerar a página PHP (acrônimo recursivo p/ PHP: Hypertext Preprocessor) Servidor tem que reconhecer PHP Esperam extensão.php Tag <?php...?> Em geral navegadores enviam algumas informações junto c/ suas solicitações (e quaisquer cookies aplicáveis), inseridas na variável HTTP_USER_AGENT -> informa ao usuário que navegador, linguagem e SO está usando Um exemplo simples de página HTML com PHP incorporado 51

52 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado servidor PHP -> indicado p/ manipulação de formulários e é mais simples que script CGI 52

53 Geração dinâmica de páginas do lado servidor Item incomum: action.php Deve ser invocado p/ tratar os parâmetros, depois que o usuário tiver preenchido e enviado o form. Pág. exibe exibe duas caixas de texto Form. transmitido, servidor analisa o string enviado Começa a processar o arquivo action.php como uma resposta São executados os comandos PHP Tratamento de formulários extremamente simples com PHP PHP é uma poderosa linguagem de programação orientada p/ formar a interface entre a Web e BD servidor Variáveis, strings, arrays e maioria das estruturas de controle em C Instruções de E/S mais eficientes que printf Código fonte aberto e disponível gratuitamente e funciona bem com o Apache (a) Uma página Web contendo um formulário (b) Um script PHP p/ manipular a saída do formulário (c) Saída do script quando as entradas são Isabela e 24 53

54 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado servidor Até agora: scripts da CGI e PHP incorporado JSP (JavaServer Pages) semelhante ao PHP, exceto que parte dinâmica é escrita em Java;.jsp ASP (ActiveServer Pages): versão da Microsoft p/ PHP e JavaServer Pages Escolha é mais ligada a política pois: Utiliza linguagem de scripts patenteada da Microsoft, o Visual Basic Script;.asp PHP, JSP e ASP são comparáveis em linhas gerais A coleção de tecnologias p/ gerar conteúdo durante a execução às vezes é chamada de HTML dinâmica 54

55 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente Scripts CGI, PHP, JSP, ASP resolvem O problema de manipular formulários e interações com BD Geram HTML como resultado Não podem: Responder a movimentos do mouse Interagir diretamente com os usuários Para isso: Necessário scripts incorporados em páginas HTML executadas na máquina do cliente A partir da HTML 4, scripts são permitidos Tag <script> A linguagem de scripts mais popular p/ o lado cliente é o JavaScript 55

56 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente JavaScript: linguagem de scripts Muito livremente inspirada em algumas idéias da linguagem de programação Java De nível muito alto Ex.: Em uma única linha é possível mostrar uma caixa de diálogo, aguardar a entrada de texto e armazenar o string resultante em uma variável Ideal p/ projetar páginas interativas Porém, não é padronizada e muda com rapidez -> difícil portabilidade 56

57 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente Form. que pede nome e idade Declaração do botão de envio e instrução que ele contém Informa que o navegador deve invocar o script response quando houver um clique em um botão e repassá-lo ao formulário como um parâmetro 57

58 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente Declaração da função do JavaScript response no início do arquivo HTML Vai extrair campo name do formulário e armazenar na variável person, sob a forma de um string Extrai campo age, converte esse valor em um inteiro usando a função eval, soma 1 ao valor e armazena o resultado em years Um seguida, abre um documento p/ saída, executa quatro operações writeln e fecha o documento O documento é um arquivo HTML, o navegador exibe então o documento na tela 58

59 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente Usos de JavaScript e PHP (ou JSP e ASP) são completamente diferentes PHP (ou JSP e ASP): Quando é necessária interação remota JavaScript: Interação c/ usuário no computador cliente Páginas com PHP e JavaScript (a) Geração de script do lado servidor com o PHP (b) Geração de script do lado cliente com o JavaScript 59

60 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente JavaScript é uma linguagem completa como C ou Java Grande quant. de recursos p/ páginas Web: gerenciar janelas, quadros, definir e obter cookies lidar com formulários e manipular hiperlinks Um programa em JavaScript p/ calcular e imprimir fatoriais 60

61 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente JavaScript também pode acompanhar a movimentação do mouse sob objetos na tela Muda figura ou menu aparece Uma página Web iterativa que responde ao movimento do mouse 61

62 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente Miniaplicativos (applets): são pequenos programas em Java que foram compilados p/ uma máquina virtual chamada JVM (Java Virtual Machine) <applet> e </applet> Interpretados por navegadores compatíveis com a JVM Pelo fato de os miniaplicativos serem interpretados em vez de executarem diretamente, interpretador pode evitar que eles se comportem mal Controles ActiveX, da Microsoft: programas compilados em linguagem de máquina e executadas no hardware bruto Mais rápidos e mais flexíveis que miniaplicativos Java Menos portabilidade Regra geral: JavaScript é mais fácil de escrever, miniaplicativos Java são executados com rapidez e controles ActiveX são os mais rápidos de todos 62

63 Documentos Web dinâmicos :: Geração dinâmica de páginas do lado cliente Todos os navegadores implementam a mesma JVM Não há dois navegadores que implementam a mesma versão do JavaScript Miniaplicativos são mais portáveis As diversas maneiras de gerar e exibir conteúdo Geração de conteúdo dinâmico pode ser do lado do cliente As páginas Web podem ser escritas em XML e depois convertida em HTML, de acordo com o arquivo XSL Plug-ins e aplicações auxiliares podem ser usadas p/ exibir conteúdo em 63 uma variedade de formatos

64 HTTP Protocolo de transferência utilizado em toda a World Wide Web é o HTTP: HyperText Transfer Protocol Especifica as msgs. Que os clientes podem enviar aos servidores e que resposta eles receberão Cada interação consiste um uma solicitação ASCII, seguida por uma resposta (RFC 822 semelhante ao MIME) Todos os servidores e todos os clientes devem obedecer a esse protocolo (RFC 2616) Tópicos Conexões Métodos Cabeçalhos de mensagens Exemplo de utilização do HTTP 64

65 HTTP :: Conexões Modo habitual: navegador estabele conexão TCP com porta da 80 da máquina servidora Procedimento não é exigido formalmente TCP: nem navegadores nem servidores tem que se preocupar com msgs. Perdidas, duplicadas, longas ou confirmações Tratados pela implementação do TCP HTTP 1.0: Depois que conexão era estabelecida Uma única solicitação era enviada e uma única resposta era devolvida, então a conexão TCP era encerrada Somente texto HTML era adequado Após alguns anos: página Web continha ícones, imagens, etc. Estabelecer conexão p/ transportar um único ícone se tornou muito dispendioso 65

66 HTTP :: Conexões HTML 1.1: Conexões persistentes Estabelecer conexão TCP, enviar solicitação, obter resposta E depois, enviar solicitações adicionais e receber respostas adicionais Amortizando o custo da instalação e da liberação do TCP por várias solicitações O overhead relativo devido TCP é muito menor por solicitação Também é possível transportar as solicitações por pipeline Enviar a solicitação 2 antes de chegar a resposta à solicitação 1 66

67 HTTP :: Métodos HTTP projetado p/ Web, mas é mais geral que o necessário Visando futuras aplicações orientadas a objetos São aceitas operações chamadas métodos, diferente da simples solicitação de uma página Web Essa generalidade permitiu o SOAP Cada solicitação consiste em uma ou mais linhas de texto ASCII Primeira palavra da primeira linha o nome do método solicitado Para acessar objetos gerais, também poderiam estar disponíveis métodos adicionais específicos de objetos Case sensitive Método GET solicita ao servidor que envie a página (ou objeto, no caso mais genérico) Página é codificada em MIME de forma adequada GET nomearq HTTP/1.1 Nomearq indica o recurso (arquivo) 67

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor.

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor. 1 Protocolo HTTP RODRIGO PREIS BEOCK, Leandro 1 ; DE FREITAS CONSONE, Cibele 2 ; RODRIGUES LIMA, Leandro 3 ; PETRICA, Eder 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO/UNEMAT - COLÍDER 5 RESUMO: O presente

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 7: Internet A Internet ou

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome DNS Sistema de Nomes de Domínio O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome Camada de Aplicação DNS Telnet e SSH SNMP SMTP, POP e IMAP WWW FTP O espaço de nomes DNS Parte

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

O protocolo HTTP. O que é o protocolo HTTP?

O protocolo HTTP. O que é o protocolo HTTP? O protocolo HTTP Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. Quais são as partes de um a resposta HTTP. IIS - HTTP 1 O que é o protocolo HTTP? Hyper

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Desenvolvimento de Aplicações Web Programação Contextualização de aplicações Web: navegadores e servidores como interpretadores, tecnologias do lado do cliente (XHTML, CSS, Javascript) e do lado do servidor

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Acesso a Informação Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 6 - Sumário ü Introdução ü World

Leia mais

O protocolo HTTP. Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP.

O protocolo HTTP. Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. HTTP O protocolo HTTP Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. Quais são as partes de um a resposta HTTP. O que é o protocolo HTTP? Hyper Text Transfer

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Programação WEB Desenvolvimento de Sistemas para WEB

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

> Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com

> Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com Curso HTML & CSS > Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com Sumário > Apresentação > Introdução ao HTML História Começando a Programar > Tags em HTML Headings (Cabeçalhos) Parágrafos Formatação

Leia mais

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas Internet A Internet surgiu a partir de um projeto da agência norte-americana ARPA com o objetivo de conectar os computadores dos seus departamentos de pesquisa. Essa conexão iniciou-se em 1969, entre 4

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico.

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. A Web e o HTTP Web Até a década de 1990, a Internet era utilizada por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. Então, no início dessa década, iniciou-se

Leia mais

Linux - Servidor de Redes

Linux - Servidor de Redes Linux - Servidor de Redes Servidor Web Apache Prof. Roberto Amaral WWW Breve histórico Início 1989 CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) precisava de um meio de viabilizar o trabalho cooperativo

Leia mais

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares Programação para a Web - I José Humberto da Silva Soares Fundamentos de Internet Rede Mundial de Computadores; Fornece serviços, arquivos e informações; Os computadores que têm os recursos são chamados

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc.

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc. INTERNET Grande conjunto de redes de computadores interligadas pelo mundo. Começou como uma rede interligando Universidades no E.U.A A partir de 1993 a Internet começou a ser explorada comercialmente.

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet

Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet Marx Gomes Van der Linden ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) Ferramentas para Internet Web design: HTML CSS

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Apresentação dos protocolos da camada de aplicação do modelo OSI. DNS É mais fácil de lembrar de um nome de host do

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

WWW, CGI e HTTP Java Deployment Course: Aula 2. por Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br) DI-UFPE 28 de Abril de 1999

WWW, CGI e HTTP Java Deployment Course: Aula 2. por Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br) DI-UFPE 28 de Abril de 1999 WWW, CGI e HTTP Java Deployment Course: Aula 2 por Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br) DI-UFPE 28 de Abril de 1999 WWW, CGI e HTTP Copyright 1999, 1998, 1997 Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br)

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web Introdução Formulários rios & Conteúdo Dinâmico Mário Antonio Meireles Teixeira Dept o. de Informática - UFMA A Web surgiu inicialmente como uma nova forma de comunicação de informações, fazendo uso de

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 1 Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 HTML BÁSICO: O que é uma página WEB? Uma página WEB, também conhecida pelo termo inglês webpage, é uma "página" na World Wide Web, geralmente em formato

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Internet e protocolos web. A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais. Topologia tem de fornecer caminhos alternativos

Internet e protocolos web. A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais. Topologia tem de fornecer caminhos alternativos Internet e protocolos web A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais Tolerante a falhas (no single point of failure) Topologia tem de fornecer caminhos alternativos entre 2 computadores

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Aula 1 Cleverton Hentz

Aula 1 Cleverton Hentz Aula 1 Cleverton Hentz Sumário da Aula Introdução História da Internet Protocolos Hypertext Transfer Protocol 2 A Internet é um conjunto de redes de alcance mundial: Comunicação é transparente para o usuário;

Leia mais

1.264 Aula 15. Ambientes de desenvolvimento da rede: Java Script Java Applets Java Servlets Páginas ativas de servidor

1.264 Aula 15. Ambientes de desenvolvimento da rede: Java Script Java Applets Java Servlets Páginas ativas de servidor 1.264 Aula 15 Ambientes de desenvolvimento da rede: Java Script Java Applets Java Servlets Páginas ativas de servidor Ambientes de Desenvolvimento XML e WSDL são documentos SOAP é uma extensão http UDDI

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Índice 1. Condições para acesso 2 2. Requisitos para conexão 2 3. Pré-requisitos para utilização do Applet Java com Internet Explorer versão 5.01

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Desenvolvimento Web Protocolos da Internet

Desenvolvimento Web Protocolos da Internet Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Campus Currais Novos Desenvolvimento Web Protocolos da Internet Professor: Bruno E. G. Gomes Currais Novos, 2013 Introdução Histórico da Internet Cliente

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Web é o diminutivo para World Wide Web.

1 INTRODUÇÃO. Web é o diminutivo para World Wide Web. 1 1 INTRODUÇÃO Antes de começarmos a trabalhar HTML, é necessário que se conheça alguns termos básicos que envolvem esta linguagem. Internet é um conjunto de pequenas redes de computadores, formando assim

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML Juliano Niederauer Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML de Juliano Niederauer Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

HTML. Sessão 1 HTML. Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet Information Server), Apache, WebSphere,...

HTML. Sessão 1 HTML. Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet Information Server), Apache, WebSphere,... Sessão 1 A INTERNET Baseada no modelo Cliente-Servidor Cliente: programa que pede informação Servidor: programa que envia a informação No caso da WWW: Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Camada de Aplicação. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Aplicação. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Saul Delabrida www.decom.ufop.br/sauldelabrida Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte 3 Rede 2

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade II Estudar, em detalhes, as camadas: Aplicação Apresentação Sessão Redes

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

A autoria - II. A autoria - II. Tecnologias básicas da Web. A autoria - II. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos:

A autoria - II. A autoria - II. Tecnologias básicas da Web. A autoria - II. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: A autoria - II Tópicos: A autoria - II World Wide Web hipermídia na Internet: sítios Web: páginas de hipertexto; material multimídia; aplicativos Web: muitos tipos de tecnologias de software: scripts,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Prof.: Salustiano Rodrigues de Oliveira Email: saluorodrigues@gmail.com Site: www.profsalu.wordpress.com Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Introdução a WEB. Contato: Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/

Introdução a WEB. Contato: <lara.popov@ifsc.edu.br> Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/ Introdução a WEB Contato: Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/ 1 Introdução Histórico da Internet Cliente e Servidor Introdução aos protocolos da Internet Objetivos

Leia mais

Camada de Aplicação. Agenda. Tópicos INTRODUÇÃO

Camada de Aplicação. Agenda. Tópicos INTRODUÇÃO BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais