Relatório sobre Doenças Não Transmissíveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre Doenças Não Transmissíveis"

Transcrição

1 SA9428 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA SAÚDE DA UA (CAMH6) Sexta Sessão Ordinária, de Abril de 2013, Adis Abeba, ETIÓPIA CAMH/Exp/6(VI) TEMA: O Impacto de Doenças Não Transmissíveis (DNTs) e Doenças Tropicais Negligenciadas (DTNs) no Desenvolvimento em África. Relatório sobre Doenças Não Transmissíveis (DNTs) i

2 Página 1 A- Contexto 1. As Doenças Não Transmissíveis (DNTs) matam mais de 36 milhões de pessoas por ano. Aproximadamente 80% das mortes causadas por DNTs - uma estimativa de 29 milhões - ocorrem nos países de rendimento baixo e médio. Mais de nove milhões de todas as mortes atribuídas às doenças não transmissíveis (DNTs) surgem antes de 60 anos de idade e 90% dessas mortes prematuras ocorrem nos países de rendimento baixo e médio. 2. As doenças não transmissíveis (DNTs) como doenças cardiovasculares (DCV), cancros, diabetes, doenças respiratórias crónicas, Doença Falciforme (DF) e situações como distúrbios mentais, violência e ferimentos, doenças orais, incluindo perturbações de Saúde dos Olhos e dos Ouvidos (EEH), tornaram-se causas cada vez mais significativas dos problemas de saúde na região africana. Quatro principais DNTs são responsáveis pela maioria das mortes causadas por DNTs anualmente: 17 milhões de mortes causadas por doenças cardiovasculares (sobretudo ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais); seguidas de cancros (7,6 milhões); doenças respiratórias (4,2 milhões); e diabetes (1,3 milhões). 3. As quatro principais DNTs representam cerca de 80% de todas as mortes causadas por doenças não transmissíveis. Partilham os quatro factores de risco importantes e comuns: uso do tabaco, inactividade física, consumo do álcool e dietas pouco saudáveis. As Doenças Não Transmissíveis (DNTs) representam uma séria ameaça para a saúde humana e o desenvolvimento humano no mundo de hoje. As DNTs também conhecidas como doenças crónicas não são transmitidas de pessoa para pessoa. São de longa duração e geralmente de progressão lenta. 4. São as principais causas de morte em todas as regiões, excepto África, mas as actuais projecções indicam que, até 2020, os maiores aumentos em mortes provocadas por DNTs irão ocorrer em África. Prevê-se que, em África, as mortes por DNTs excedam as mortes associadas às doenças transmissíveis e nutricionais e mortes maternas e perinatais como as causas mais comuns de morte em A Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que as DNTs são de longe a principal causa da mortalidade no mundo, representando mais de 60% de todas as mortes. Dos 36 milhões de pessoas que morreram de DNTs em 2005, metade tinham idade inferior a 70 anos e metade eram mulheres. Do total de 57 milhões de mortes em 2008, 36 milhões foram causadas por DNTs, o que representa aproximadamente 63% do total de mortes em todo o mundo. Os factores de risco como estilo de vida modificável, nomeadamente uso do tabaco, inactividade física, consumo do álcool e dietas pouco saudáveis e alguns factores ambientais aumentam a probabilidade de DNTs. Todos os anos, pelo menos 5 milhões de pessoas morrem por causa do uso do tabaco e cerca de 2,8 milhões devido à obesidade. O colesterol elevado representa aproximadamente 2,6 milhões de mortes e 7,5 milhões de pessoas morrem por causa da hipertensão arterial. Até 2030, as mortes causadas por DNTs crónicas devem aumentar para 52 milhões por ano, enquanto as mortes causadas por doenças

3 Página 2 infecciosas, problemas de saúde materna e perinatal e deficiências nutricionais devem diminuir em 7 milhões por ano durante o mesmo período. B- Tendências de DNTs em África Factores de risco metabólicos/fisiológicos 6. Os factores de risco modificáveis levam a quatro principais alterações metabólicas/fisiológicas que aumentam o risco de DNTs: tensão arterial elevada, excesso de peso/obesidade, hiperglicemia (níveis elevados de glicose no sangue) e hiperlipidemia (níveis elevados de gordura no sangue). Em termos de mortes atribuíveis, o principal factor de risco de DNTs globalmente é a hipertensão arterial (a que se atribui 13% do total das mortes), seguido pelo uso do tabaco (9%), nível elevado de glicose no sangue (6%), inactividade física (6%) e excesso de peso e obesidade (5%). Os países de rendimento baixo e médio estão a debater-se com o aumento mais rápido em crianças com excesso de peso. 7. O Relatório Mundial da Saúde 2008 da OMS identificou cinco factores de risco importantes para doenças não transmissíveis nos dez principais riscos para a saúde. São a hipertensão arterial, colesterol elevado, uso do tabaco, consumo do álcool, e excesso de peso e obesidade. As causas fundamentais associadas com maior risco de DNTs incluem condições económicas e sociais de uma pessoa, também conhecidas como determinantes sociais da saúde. Estimou-se que se os principais factores de risco forem eliminados, 80% dos casos de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e diabetes tipo 2 e 40% de cancros poderiam ser evitados. As intervenções que visam os principais factores de risco poderiam ter um impacto significativo na redução do fardo da doença em todo o mundo. Esforços centrados no melhor regime alimentar e aumento da actividade física revelaram ser importantes no controlo da prevalência de DNTs. 8. As DNTs incluem muitas "doenças ambientais", abrangendo uma vasta categoria de problemas de saúde humana evitáveis e inevitáveis causados por factores externos, como luz solar, nutrição, poluição e escolhas de estilo de vida. Estas doenças formalmente conhecidas como "doença de afluência" são não-infecciosas e são atribuídas a causas ambientais. Os exemplos são nomeadamente: Muitos tipos de doenças cardiovasculares (DCV) Doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) provocada pelo uso do tabaco Diabetes mellitus tipo 2 Dores lombares causadas por falta de exercício físico ou má posição ergonómica Má nutrição causada por falta de comida, ou consumir tipos errados de alimentos (e.g, o escorbuto por falta de vitamina C) ou ter uma dieta desequilibrada Cancro de pele causado por radiação solar e acidentes nucleares

4 Página 3 C- Os Impactos Socioeconómicos de DNTs e Porque é Necessária a Actuação da África 9. As DNTs ameaçam o progresso na realização dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio das NU. A pobreza está intimamente ligada às DNTs. O rápido aumento das DNTs pode impedir as iniciativas de redução da pobreza nos países de baixo rendimento, particularmente porque aumenta as despesas dos agregados familiares associadas aos cuidados de saúde. As pessoas vulneráveis e socialmente desfavorecidas ficam mais doentes e morrem mais cedo do que as pessoas de posições sociais mais elevadas, principalmente porque estão em maior risco de serem expostas a produtos nocivos, como o tabaco ou alimentos pouco saudáveis, e têm acesso limitado à educação para a saúde pública e serviços de saúde. 10. Nos meios de poucos recursos, os custos dos cuidados de saúde para as doenças cardiovasculares, cancros, diabetes ou doenças pulmonares crónicas podem rapidamente esgotar os recursos domésticos, levando as famílias a mergulhar na pobreza. Os custos exorbitantes de DNTs, incluindo muitas vezes tratamento demorado e dispendioso e perda de chefes de família, estão a levar 100 milhões de pessoas para a pobreza anualmente, estão a sufocar o desenvolvimento. 11. Em muitos países, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e dieta e estilos de vida pouco saudáveis ocorrem nos grupos de maior e menor rendimento. No entanto, os grupos de alto rendimento podem ter acesso aos serviços e produtos que os protegem dos maiores riscos, enquanto os grupos de rendimento mais baixo podem muitas vezes não dispor desses produtos e serviços. 12. Para reduzir o impacto das DNTs nos indivíduos e sociedade, é necessária uma abordagem abrangente que requer que todos os sectores, incluindo saúde, comércio, indústria e manufactura, finanças, negócios estrangeiros, educação, informação, agricultura, planeamento e outros, trabalhem juntos para reduzir os riscos associados às DNTs, bem como promover as intervenções para a sua prevenção e controlo. 13. Uma forma importante de reduzir as DNTs deve concentrar-se na diminuição dos factores de risco associados a estas doenças. Existem soluções de baixo custo para a redução dos factores de risco modificáveis comuns (principalmente o consumo de tabaco, dieta pouco saudável e inactividade física, e o uso nocivo do álcool) e identificar a epidemia das DNTs e seus factores de risco Outras formas de reduzir as DNTs são intervenções essenciais para DNTs de grande impacto que podem ser realizadas através de uma abordagem de cuidados de saúde primários para reforçar a detecção precoce e tratamento oportuno. Há dados que revelam que essas intervenções são excelentes investimentos económicos porque, se forem aplicadas aos pacientes com bastante antecedência, podem reduzir a necessidade de tratamento mais caro. Estas medidas podem ser implementadas em vários níveis de recursos. O maior impacto pode ser alcançado através da criação de

5 Página 4 políticas públicas saudáveis que promovem a prevenção e o controlo de DNTs e reorientação dos sistemas de saúde para atender as necessidades das pessoas com essas doenças. 15. Actualmente, os países de baixo rendimento geralmente têm menor capacidade para a prevenção e controlo das doenças não transmissíveis. Isto deve-se principalmente a uma combinação de: menor investimento directo no sector da saúde, e sistemas de saúde menos eficazes, nomeadamente a deficiente capacidade de diagnóstico e baixo número de profissionais de saúde especializados; fraca capacidade de produção de medicamentos necessários para o tratamento das DNTs e consequente custo elevado dos mesmos; ausência de seguro de saúde eficaz; controlo inadequado do álcool e do tabaco; deficiência de produção, armazenamento e distribuição de alimentos, sobretudo fornecimento de frutas e legumes a preços acessíveis, e pobreza que tem impacto negativo nas dietas; e o fraco investimento na educação para a saúde pública que promove a actividade física, consumo reduzido de gordura, sal e açúcar, e uma ampla gama de acções preventivas. 16. Os países de alto rendimento são aproximadamente quatro vezes mais propensos a ter serviços de DNTs cobertos por seguro de saúde do que os países de baixo rendimento. Os países com cobertura inadequada de seguro de saúde dificilmente proporcionarão o acesso universal às intervenções essenciais para as DNTs. D- Como a África tem reagido até o momento Resposta da OMS: 17. Para reduzir o fardo da doença devido a essas situações, OMS-AFRO está a promover a implementação das actividades de prevenção e controlo de DNTs com base nas estratégias globais e regionais. Os principais problemas enfrentados na prevenção e controlo de DNTs são a insuficiente implementação de estratégias de promoção de saúde eficazes; medidas fiscais e legislativas inadequadas; fragilidade dos sistemas de saúde num contexto de taxas ainda elevadas de doenças transmissíveis e crescente fardo de DNTs. Outras questões importantes que têm dificultado a prevenção e o controlo de DNTs são a implementação inadequada das actuais políticas e estratégias de saúde; financiamento insuficiente do sector da saúde, sobretudo no tratamento de DNTs e formação inadequada dos profissionais de saúde. O Plano de Acção de da Estratégia Global para a prevenção e controlo de DNTs proporciona aos Estados Membros, OMS e parceiros internacionais orientações para a abordagem das DNTs nos seus próprios países. A OMS está também a responder com medidas que diminuem os factores de risco que são associados às DNTs. A implementação pelos países das medidas contra o tabaco estabelecidas na Convenção-Quadro da OMS sobre a Luta contra o Tabaco pode reduzir significativamente a exposição pública ao tabaco.

6 Página 5 A Estratégia Global da OMS sobre dieta, actividade física e saúde visa promover e proteger a saúde, capacitando as comunidades a reduzir as taxas de doenças e da mortalidade relacionadas com a dieta pouco saudável e inactividade física. 18. A OMS também desenvolveu e proporcionou aos Estados Membros estratégias regionais e globais para prevenir e controlar as principais DNTs e outras doenças não transmissíveis que constituem um desafio significativo para o desenvolvimento na Região Africana: O plano de acção global para a prevenção e controlo da cegueira evitável; A estratégia regional de prevenção e controlo de DNTs; A estratégia regional de prevenção e controlo de diabetes; A estratégia regional de prevenção e controlo do cancro; O documento técnico sobre a prevenção e controlo do cancro do útero; A estratégia regional de prevenção e controlo da cegueira evitável; A estratégia regional de prevenção e controlo de SCD; O documento técnico sobre a prevenção e controlo das doenças cardiovasculares; O documento técnico sobre a prevenção e controlo das doenças orais; A saúde oral: plano de acção para a promoção e prevenção integrada de doenças; Recomendações para a prevenção de violência, ferimentos e invalidez; A estratégia regional da saúde mental; A estratégia global da OMS para reduzir o uso nocivo do álcool apresenta medidas e identifica áreas de acção prioritárias para proteger as pessoas do uso nocivo do álcool. E- Ameaça de DNTs em África: 19. As doenças cardíacas, acidente vascular cerebral, cancro, diabetes e outras doenças crónicas são muitas vezes consideradas como problemas de saúde pública de importância apenas nos países de alto rendimento. Na realidade, apenas 20% das mortes causadas por doenças crónicas ocorrem nos países de alto rendimento - enquanto 80% ocorrem nos países de baixo e médio rendimento, onde vive a maioria da população mundial. Além disso, conforme se especifica na publicação da OMS Prevenção de Doenças Crónicas: um Investimento Vital, o impacto de doenças crónicas em muitos países de baixo e médio rendimento está em constante crescimento. 20. Nesses países, cerca de 28 milhões de pessoas morreram em 2005 de uma doença crónica e o número de pessoas que morreram devido a doença cardiovascular é cinco vezes maior do que VIH/SIDA. Nesses locais, os adultos de meia-idade são especialmente vulneráveis à doença crónica. Assim, as pessoas tendem a desenvolver a doença quando muito jovens, sofrem durante mais tempo, e morrem mais cedo do que as dos países de alto rendimento. Isso compromete o desenvolvimento económico

7 Página 6 dos países, uma vez que muitas das pessoas afectadas estão no auge da sua actividade produtiva e económica. As doenças não transmissíveis são a principal causa de morte e invalidez em todo o mundo. 21. A Região Africana da OMS não foi poupada à epidemia global de Doenças Não Transmissíveis e suas complicações debilitantes e muitas vezes fatais, como cegueira, insuficiência renal, gangrena que leva a amputações dos membros inferiores e doenças hemiplégicas. Na região, estima-se que as doenças crónicas representam um quarto de todas as mortes até As doenças não transmissíveis, os assassinos silenciosos, têm os primeiros sintomas insidiosos, complicações debilitantes e provocam mortes dolorosas. O número estimado de mortes relacionadas com doença crónicas na Região Africana da OMS em 2005 foi A OMS estima que 28 milhões de pessoas na Região morrerão de uma doença crónica, durante os próximos 10 anos. A taxa de aumento de mortes causadas por doenças crónicas será mais de 4 vezes superior à das doenças infecciosas, doenças ligadas à saúde materna e perinatal e deficiências nutricionais nos próximos 10 anos a primeira aumentará em 27% e a segunda em 6%. Mais significativamente, as mortes por diabetes aumentará em 42%. 24. Evidentemente, a África enfrenta uma importante mas aparente "epidemia negligenciada de doenças crónicas não transmissíveis. Em muitos países nesta parte do mundo, morbidade e mortalidade relacionadas com as DNTs como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas isquémicas e acidente vascular cerebral aumentaram de forma significativa nas últimas duas décadas. Vários segmentos das populações são afectados, mas principalmente jovens adultos nas áreas urbanas. O fardo das doenças crónicas da África tem sido atribuído à mudança de comportamentos relacionados com a saúde (e.g., estilos de vida sedentários e dietas ricas em gordura saturada e açúcar), que estão relacionados com as transições epidemiológicas e nutricionais, com mudanças estruturais, como industrialização, urbanização e a crescente globalização do mercado de produtos alimentares. O contexto africano é agravado pelos sistemas de saúde ineficazes, que são incapazes de lidar com a carga do duplo fardo grave de doenças infecciosas e DNTs. Muitos recomendaram uma abordagem abrangente para lidar com o fardo, que inclui a vigilância epidemiológica; prevenção primordial e primária (prevenção de doenças nas populações saudáveis); e prevenção secundária (prevenção de complicações e melhoria da qualidade de vida nas populações afectadas). No entanto, a realização destes objectivos enfrenta muitos desafios, que são principalmente estruturais, logísticos, humanos (falta de pessoal clínico e de investigação) e organizacionais (sistema de saúde). 25. Em 19 e 20 de Setembro de 2011, uma Reunião de Alto Nível das Nações Unidas (NU) sobre DNTs foi convocada em Nova York para a sensibilização da comunidade internacional sobre o facto de que as mortes prematuras por DNTs limita a produtividade, reduz o crescimento económico e constitui um desafio social significativo

8 Página 7 na maioria dos países. As delegações dos países membros das NU eram constituídas por Chefes de estado e de Governo, Parlamentares, Ministros dos Negócios Estrangeiros e da Saúde, e Representantes da sociedade civil. A declaração política final da reunião destacou as proporções epidémicas das DNTs e seus impactos socioeconómicos e de desenvolvimento; a necessidade de responder a este desafio através de uma iniciativa integrada a nível do governo e da sociedade; as abordagens para a redução dos factores de risco e criação de ambientes favoráveis à promoção da saúde; a necessidade de reforçar as políticas nacionais e sistemas de saúde, e a importância da cooperação internacional, incluindo parcerias de colaboração; bem como de pesquisa e desenvolvimento, e monitorização e avaliação. F- Necessidade Urgente de uma Acção Política Africana e Global a Nível de Cimeira para a Melhoria de Estruturas, Política e Financiamento das DNTs 26. Destacar os perigos crescentes das DNTs em África através de uma combinação de cimeiras das NU e da União Africana pode ajudar a colocar as DNTs no topo da agenda política nos países africanos, sobretudo num contexto em que a sensibilização sobre essas questões é muito baixa na maioria dos países. Os líderes políticos locais não têm geralmente demonstrado interesse nas DNTs, e isso tem reflectido nas políticas e na dotação orçamental. 27. Consequentemente, os ministérios/departamentos africanos da saúde deparamse com uma tarefa difícil: tentar mobilizar apoio para a prevenção e controlo de doenças crónicas; proporcionar uma unificação de visão e plano de acção para garantir que a acção intersectorial seja enfatizada em todas as fases de formulação e implementação de políticas; e assegurar que as acções a todos os níveis e por todos os sectores sejam mutuamente favoráveis. Além disso, as acções devem ser priorizadas de acordo com as necessidades específicas da população para a prevenção e controlo de DNTs, o conjunto de possíveis intervenções e a disponibilidade de recursos humanos e financeiros para a sua implementação. 28. O ímpeto criado pelas cimeiras das NU e da UA, pode potencialmente levar a uma colaboração internacional mais frutuosa, coordenada pelas várias organizações internacionais envolvidas na prevenção e controlo de DNTs. O foco político africano e global de alto nível no VIH e SIDA desde 2001, e desde 2009 na Saúde Materna, Neonatal e Infantil tem demonstrado o impacto positivo que essa incidência pode causar. 29. Isso contribuirá definitivamente para a criação de melhores políticas e quadros de financiamento para auxiliar os ministérios africanos da saúde no equilíbrio das diversas necessidades e prioridades na implementação de intervenções baseadas em evidências. Um quadro que será orientado por um conjunto de princípios baseados numa abordagem de saúde pública para a prevenção e controlo de DNTs, e que envolvem vários níveis - nível nacional ou governamental, uma colaboração intersectorial, bem como intervenções individuais e baseadas na população. As

9 Página 8 colaborações internacionais podem ser benéficas para a maioria dos países africanos, que ainda não implementaram políticas e quadros para reduzir os factores determinantes das DNTs, como álcool e tabaco; e ainda não têm os recursos para implementar imediatamente políticas de prevenção e tratamento. Os países seriam auxiliados a definir as prioridades, e a seleccionar e implementar actividades que são imediatamente viáveis e susceptíveis de ter o maior impacto para o investimento. Por exemplo, a Organização Mundial da Saúde e a Federação Internacional de Diabetes têm estado a ajudar os países a formular políticas de prevenção e controlo de DNTs. Essas iniciativas podem ser reforçadas e alargadas para um número maior de países como resultado das cimeiras das NU e da UA sobre DNTs. 30. Para melhorar as questões penosas da saúde relacionadas com DNTs, os dirigentes africanos necessitarão de encontrar as melhores soluções e as melhores formas para a adaptação dessas soluções nos sistemas de saúde complexos e muitas vezes sobrecarregados e com escassos recursos, e as melhores formas de contribuir para as mudanças desejadas nos sistemas de saúde. Mesmo com muita boa vontade, os doadores e agências internacionais não podem apresentar políticas nacionais congruentes que sejam localmente aplicáveis. Deste modo, a investigação da saúde baseada nos países e evidências clínicas são necessárias para a concepção de políticas adequadas. Caso contrário, as intervenções eficazes em termos de saúde pública para combater as DNTs não atingirão as populações em África, uma vez que os programas não baseados em evidências provavelmente seriam fragmentados, de baixa qualidade, injustos e de curta duração. 31. As intervenções a ser utilizadas devem representar o perfil epidemiológico da população africana nos vários países, e mecanismos de execução eficazes devem ser específicos em termos do contexto, porque as abordagens uniformes estão destinadas ao fracasso. Embora as cimeiras das NU e da UA ajudem a melhorar a disponibilidade de fundos internacionais para pesquisas, prevenção e tratamento de DNTs, uma dinâmica local interna nos países africanos é necessária para gerar evidências que serviriam para o planeamento da saúde pública. Pesquisa, prevenção e tratamento de DNTs é uma tarefa de longo prazo e delicada que requer uma massa crítica de pesquisadores locais com competências adequadas, que não pode ser o resultado de um eventual facto externo. 32. Os governos devem equilibrar as necessidades dos seus cidadãos com as suas obrigações de prestar ajuda aos outros países. Há uma evidente desigualdade global no fardo das doenças não transmissíveis e nos recursos nacionais disponíveis para as solucionar. Isso suscita a questão básica das obrigações dos países ricos de ajudar os países pobres a lidar com essas doenças. É difícil recorrer a argumentos de interesse pessoal, como ameaças à segurança nacional, como tem sido colocado para o combate ao VIH/SIDA. E, embora muitas intervenções de saúde sejam consideradas para o bem público global, este argumento pode não ser suficiente. Actualmente há pouca vontade dos países ricos para a atribuição de mais financiamento da ajuda. Os doadores enfrentam o dilema de questionar se devem reafectar os fundos existentes destinados às doenças infecciosas para as doenças não transmissíveis.

10 Página Embora estas doenças possam beneficiar de uma mudança de programas específicos de doenças para um centrado no reforço dos sistemas de saúde, é difícil saber se os países de poucos recursos encontrarão financiamento adicional especificamente de acção sobre doenças não transmissíveis. Isso significa que uma ênfase na prevenção é necessária para envolver uma ampla gama de factores como o excesso de gordura, sal e açúcar na alimentação, sobretudo alimentos processados e refrigerantes, e uso de tabaco e álcool. Medidas para a sua abordagem estão a ser cada vez mais implementadas nos países industrialmente mais desenvolvidos através de uma combinação de educação para o público e medidas regulamentares envolvendo alimentos, refrigerantes, álcool e indústria do tabaco. 34. Além disso, intervenções de tratamento devem ser concebidas para as pessoas mais necessitadas, que seriam as mais beneficiadas, e medidas preventivas que beneficiariam a maioria das pessoas. A reunião anterior de alto nível inicialmente priorizou quatro doenças (doenças cardiovasculares, cancro, doenças pulmonares crónicas e diabetes) com encargos de elevada mortalidade e quatro factores de risco (uso do tabaco, má alimentação, uso nocivo do álcool e inactividade física). Contudo, a declaração política que foi assinada na reunião mais recente mencionou transtornos neurológicos e de deficiência mental (como foram incluídos nas declarações de Oslo, Cidade do México e Brazzaville), e factores de risco adicionais, nomeadamente exposição ao fumo de fogões de cozinha domésticos, que afecta especialmente as mulheres rurais e urbanas pobres. 35. O facto de incidir nas quatro doenças é que têm causas comuns e há maiores benefícios alcançados no seu tratamento. A doença mental é também um acompanhamento comum de doença física. O reforço dos sistemas de saúde para proporcionar cuidados crónicos, de longa duração deve melhorar os cuidados de saúde mental, e actuação nos factores de risco de saúde mental, como o uso nocivo do álcool, também irá ajudar. 36. As declarações políticas são um grande passo em frente, mas inerentes a elas existem dilemas éticos, visíveis nas tensões e diferenças entre as declarações regionais sobre doenças não transmissíveis. Temos de abordar primeiro estas tensões, se pretendermos avançar de compromissos de alto nível para acções eficazes. G- Resposta da África até o momento: 37. Em Abril de 2011, os Ministros da Saúde africanos adoptaram uma declaração apoiada pelas Nações Unidas que apela a acções urgentes contra doenças não transmissíveis, nomeadamente doenças cardíacas, diabetes, cancro e problemas respiratórios crónicos, distúrbios sanguíneos, saúde mental, violência e ferimentos. 38. A Declaração de Brazzaville sobre doenças não transmissíveis (DNTs), que tem o nome da capital da República do Congo, onde o documento foi aprovado na Consulta Ministerial Regional Africana, sob os auspícios do Escritório Regional da Organização

11 Página 10 Mundial da Saúde para a África destaca os compromissos assumidos em relação ao problema crescente das DNTs em África. 39. As acções incluem reforço e normalização dos sistemas nacionais de saúde para a elaboração de dados detalhados sobre DNTs; utilização de meios adequados, incluindo tecnologias de informação e comunicação para promover a sensibilização da saúde e estratégias de prevenção e controlo de DNTs. 40. Os Ministros comprometeram-se igualmente a tomar medidas para proteger as pessoas de: dietas pouco saudáveis, uso nocivo do álcool e do tabaco, exposição ao fumo do tabaco e alimentos inseguros; violência e ferimentos, e a publicidade de produtos não saudáveis. 41. Comprometeram-se a reforçar os sistemas de saúde com a devida atenção ao financiamento; formação e retenção dos profissionais de saúde; aquisição e distribuição de medicamentos, vacinas, materiais e equipamentos médicos; melhoria de infra-estruturas; e prestação de serviços com base em evidências. 42. Na declaração, os Ministros exortaram igualmente a OMS, parceiros e organizações da sociedade civil a conceder apoio técnico aos Estados Membros para a implementação, monitorização, e avaliação das recomendações contidas no documento. 43. A declaração especificamente solicitou os Chefes de Estado e de Governo na região a aprovar a declaração, e apresentá-la na próxima Cimeira de Alto Nível da Assembleia Geral sobre DNTs como a posição africana. 44. O Comité Regional da OMS em Novembro de 2012 aprovou a Declaração de Brazzaville sobre Prevenção e Controlo de Doenças Não Transmissíveis na Região Africana da OMS; e exortou os Estados Membros a: Tomar as medidas apropriadas para a actualização das suas políticas de saúde e Planos Estratégicos Nacionais do Sector da Saúde com o objectivo da sua adequação à Declaração de Brazzaville sobre Prevenção e Controlo de DNTs; Desenvolver a capacidade institucional para a implementação da Declaração de Brazzaville através da reorientação dos sistemas de saúde para a promoção e apoio de estilos de vida saudáveis por indivíduos, famílias e comunidades no contexto de cuidados de saúde primários, a fim de responder eficazmente às complexas questões sociais, culturais e de comportamento associadas às DNTs e estabelecimento de um mecanismo de coordenação multissectorial eficaz; Aumentar efectivamente os recursos nacionais para implementar políticas e estratégias nacionais para a prevenção e controlo de DNTs; Considerar o reforço dos sistemas de saúde com a devida atenção para nomeadamente: financiamento da saúde; formação; retenção dos profissionais de saúde; aquisição e distribuição de medicamentos, vacinas, materiais e

12 Página 11 equipamentos médicos; melhoria de infra-estruturas; e, prestação de serviços com base em evidências e acessíveis para DNTs. H- Recomendações e Perspectivas 45. O fardo da doença de DNTs é muitas vezes múltiplo e crónico, e com grande dor e sofrimento das pessoas - apenas uma abordagem política e de investimento, incluindo atenção e compromisso político ao mais alto nível, intervenções de saúde pública, cuidados primários básicos, visão de cooperação e da pessoa como um todo, pode ser bem sucedida. Deve haver uma abordagem que relaciona os factores de risco individuais com determinantes sociais e económicos da saúde, condições em que as pessoas nascem, crescem, vivem, trabalham e idade, e as influências da sociedade. Ao concentrar-se no reforço dos sistemas de saúde e medidas preventivas eficazes de diagnóstico e tratamento das DNTs, os serviços de saúde em geral irão melhorar, melhorando assim o tratamento de doenças transmissíveis e de doenças não transmissíveis simultaneamente: a) Para tomar estas medidas políticas urgentes ao mais alto nível global e africano através da cimeira global e da UA, é necessário destacar os encargos das DNTs em África e suas implicações para o desenvolvimento social e económico, como se tem feito em relação a VIH e SIDA, Saúde Materna e Infantil; b) Isso contribuirá para melhorar da capacidade de realçar e agir sobre casos concretos como mortalidade e morbidade anuais causadas por todas as DNTs a nível nacional e regional; e também abordar a taxa de mortalidade e morbidade por cada DNT em vários países, especialmente causas cardiovasculares, cancros, causas respiratórias, diabetes e outras; c) Acção política de alto nível e subsequentes evidências materiais por sua vez ajudará a promover políticas e financiamento para a aplicação de quadros globais e africanos sobre factores de risco como álcool e tabaco; e também investimento na capacidade de diagnóstico e tratamento de factores de risco metabólicos, como: tensão arterial, glicose, colesterol, cancros, doenças respiratórias. De realçar que essa acção é essencial para a redução dos custos gerais de diagnóstico e tratamento, como aconteceu com doenças infecciosa; d) Medidas específicas políticas e de investimento são também necessárias a nível nacional para garantir a melhoria da capacidade através da criação ou apoio aos departamentos do Ministério da Saúde ou agências especializadas responsáveis pelas DNTs com políticas, planos e orçamentos integrados para Doenças Cardiovasculares, Cancro, Doenças Respiratórias Crónicas, Diabetes, Álcool, Dieta Pouco Saudável / Excesso de Peso, Obesidade, Inactividade Física, Tabaco; incluindo investimento específico para prevenção e promoção da saúde; tratamento e controlo; Vigilância, M&A; formação e retenção de profissionais de saúde especializados; e para garantir o sistema de informação nacional de saúde inclui, Mortalidade específica causada por DNTs, Morbidade de DNTs,

13 Página 12 Factores de Risco de DNTs, e Registos de Cancros com base na população nacional; e) Juntamente com a educação do público sobre uma dieta mais equilibrada baseada em frutas e legumes, exercício físico, e consequências negativas do consumo excessivo de gordura, sal, açúcar e uso abusivo de álcool e tabaco - um compromisso especial do comércio, indústria e sector produtivo é necessário através de medidas regulamentares de negociações, e restrições no teor de alimentos processados e refrigerantes; e promoção de álcool e tabaco, especialmente a exposição dos dois últimos para crianças e jovens. São fundamentais para a acção preventiva como acontece agora nos países e cidades industrialmente desenvolvidos; f) Apoio especial político e de investimento também deve ser promovido para o sector alimentar e agrícola para permitir que ele desempenhe o seu papel de produção, armazenamento e distribuição de alimentos que facilitam uma dieta mais equilibrada sobretudo o abastecimento de frutas e legumes durante todo o ano; g) Na sequência do acima exposto, atenção especial deve igualmente ser prestada ao problema da doença respiratória causada pelo uso de combustíveis sólidos sobretudo nas zonas rurais, e entre os pobres urbanos, que tem cada vez mais impacto na saúde especialmente de mulheres e criança; h) A educação do público, as políticas e o orçamento para o tratamento de transtornos mentais e neurológicos são também essenciais, considerando o número crescente de casos. A educação do público na abordagem do estigma é um primeiro passo crucial. 46. Apenas uma combinação dessas medidas pode ajudar a acelerar a capacidade da África para abordar e responder ao perigo de DNTs em relação ao desenvolvimento social e económico. 47. Hoje, a África enfrenta uma questão fundamental: A sua via para o desenvolvimento seguirá as tomadas por outros lugares, ou a África traçará um rumo exclusivo? Enquanto outros países e continentes se desenvolveram economicamente, passaram por muitos mais casos de doenças não transmissíveis. Estas doenças estão a aumentar em África, mas podem ser travadas. Na verdade, com uma estratégia clara de desenvolvimento, acção rápida, e apoio financeiro suficiente, os países africanos podem evitar alguns dos piores erros que outros países cometeram. 48. A tecnologia oferece um bom precedente paralelo. Na última década, o aumento significativo na tecnologia de telemóveis incentivou o desenvolvimento económico em África. Em vez de construir lentamente uma vasta rede de telefones fixos e de extensões telefónicas em todo um continente, muitos países da África saltaram essa

14 Página 13 etapa e simplesmente construíram torres de telemóveis, o que gerou a utilização inovadora de telemóveis no comércio. 49. A África pode dar um salto semelhante nos serviços de saúde? Novos medicamentos, tecnologia e melhor educação poderão permitir a África evitar o pesado encargo das doenças não transmissíveis que afectaram outros países no seu percurso para o desenvolvimento. Todas as respostas não são ainda claras, mas muitas são. A África tem enfrentado encargos mais do que suficientes. Chegou o momento de evitar outros.

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

O Impacto das Doenças Não-Transmissíveis (DNT) e Doenças Tropicais Negligenciadas (DTN) no Desenvolvimento em África NOTA CONCEPTUAL

O Impacto das Doenças Não-Transmissíveis (DNT) e Doenças Tropicais Negligenciadas (DTN) no Desenvolvimento em África NOTA CONCEPTUAL SA9208 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Tele: +251-11-5517 700 Fax: +251-11-5517844 Website: www.au.int SEXTA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DA UNIÃO AFRICANA DOS

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A DIABETES i

RELATÓRIO SOBRE A DIABETES i AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA SEXTA SESSÃO ORDINÁRIA DA CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA SAÚDE (CAMH6) 22-26 DE ABRIL DE 2013, ADIS ABEBA, ETIÓPIA CAMH/EXP/6(VI) IV TEMA: O Impacto das

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Quinquagésima-quarta sessão Brazzaville, Congo, 30 de Agosto - 3 de Setembro de 2004

Quinquagésima-quarta sessão Brazzaville, Congo, 30 de Agosto - 3 de Setembro de 2004 WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA SANTE BUREAU REGIONAL DE L AFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL AFRICANO COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima-quarta

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

RELATÓRIO DA PRESIDENTE DA CUA SOBRE ACTIVIDADES RELACIONADAS COM A SAÚDE

RELATÓRIO DA PRESIDENTE DA CUA SOBRE ACTIVIDADES RELACIONADAS COM A SAÚDE SA9430 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P.O. Box 3243 Telephone: 5517 700 Fax: 5517844 www.africa-union.org CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA SAÚDE (CAMH6) Sexta Sessão

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

Carta Europeia de luta contra a obesidade

Carta Europeia de luta contra a obesidade Carta Europeia de luta contra a obesidade Para fazer face ao desafio crescente, decorrente da epidemia da obesidade para a saúde, as economias e o desenvolvimento, nós, os Ministros e delegados presentes

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Comunicação para alterações sociais

Comunicação para alterações sociais + Orientação Técnica Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Comunicação para alterações sociais A comunicação é um elemento essencial dos esforços de prevenção, tratamento e cuidados

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA Decreto n.º 36/2003 Acordo de Cooperação entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa sobre o Combate ao HIV/SIDA, assinado em Brasília em 30 de Julho de 2002 Considerando a declaração

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

A Aliança contra as DNTs

A Aliança contra as DNTs A Aliança contra as DNTs www.ncdalliance.org O PLANO DA ALIANÇA CONTRA AS DNTs para a CONFERÊNCIA DE ALTO NÍVEL DA CÚPULA DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS SOBRE DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS (Versão Resumida)

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA FUNDAMENTO A Directora-Geral da OMS estabeleceu em 2000 uma Comissão sobre a Macroeconomia e a Saúde (CMS), composta por economistas de

Leia mais

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências O compromisso das Nações Unidas para a melhoria do Estado das pessoas com deficiências Mais de quinhentos milhões de pessoas são portadoras de deficiências,

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016

Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016 Plano Local de Saúde Amadora 2014 2016 Lisboa, 19 de Novembro de 2014 António Carlos SILVA Médico de Saúde Pública Coordenador da Unidade de Saúde Pública antonio.silva.usp@csreboleira.min-saude.pt André

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia.

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. O aumento da esperança de vida, conseguido através do desenvolvimento,

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana Comissão da União Africana 1. Solicitar à CUA para que organize, enquanto aguardar-se pela implementação plena das decisões pertinentes sobre a operacionalização dos Comités Técnicos Especializados (CTE),

Leia mais

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008)

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD (Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África) é um colóquio político para o Desenvolvimento de África, que o Japão iniciou em 1993 e conduziu

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil

Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil Educação: a resposta certa contra o trabalho infantil Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil 12 Junho 2008 Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil 12 de Junho de 2008 O Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Documento de posição da retinopatia diabética

Documento de posição da retinopatia diabética Documento de posição da retinopatia diabética Grupo de Trabalho de Planejamento a Longo Prazo do SightFirst (SFLRP) Agosto de 2008 Apresentação A missão do programa Leonístico SightFirst é apoiar o desenvolvimento

Leia mais

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Lisboa, 25 de Julho de 2105 Sessão de abertura (agradecimentos; este seminário

Leia mais